SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
As finalidades daAs finalidades da
museologiamuseologia
Introduzimos o conceito de Ciência Museológica noIntroduzimos o conceito de Ciência Museológica no
Brasil a partir dos cursos ministrados em 1985 emBrasil a partir dos cursos ministrados em 1985 em
sucessivos anos, visando atualizar o campo conceitualsucessivos anos, visando atualizar o campo conceitual
entre os estudantes, uma vez que não existindo asentre os estudantes, uma vez que não existindo as
facilidades da internet, os novos conceitosfacilidades da internet, os novos conceitos
internacionais eram divulgados através dosinternacionais eram divulgados através dos
seminários, cursos, workshops, textos acadêmicos eseminários, cursos, workshops, textos acadêmicos e
aulas abertas, como as do Instituto de Museologia deaulas abertas, como as do Instituto de Museologia de
São Paulo, com a ampla divulgação de textos comoSão Paulo, com a ampla divulgação de textos como
este, aqui traduzido por Ana Carolina Garcia, para oeste, aqui traduzido por Ana Carolina Garcia, para o
evento do IMSP em 2001.evento do IMSP em 2001.
A origem da “museopedagogia”A origem da “museopedagogia”
 No que se refere à finalidade da ciênciaNo que se refere à finalidade da ciência
museológica podemos defini-la como amuseológica podemos defini-la como a
projeção didática sobre o sujeito ou oprojeção didática sobre o sujeito ou o
público, constituindo o museu em centropúblico, constituindo o museu em centro
de educação e informação.de educação e informação.
Didática e informaçãoDidática e informação
 Nesse aspecto a museologia defronta-se com duasNesse aspecto a museologia defronta-se com duas
questões; a heterogeneidade dos níveis culturais entre oquestões; a heterogeneidade dos níveis culturais entre o
público e a variedade de conteúdos.público e a variedade de conteúdos.
 Frente a essas dificuldades, a museologia desenvolveuFrente a essas dificuldades, a museologia desenvolveu
o museu didático, no qual é possível diversificar oso museu didático, no qual é possível diversificar os
vários níveis leitura à disposição dos visitantes.vários níveis leitura à disposição dos visitantes.
 A solução, neste caso, é mais bem própria de cadaA solução, neste caso, é mais bem própria de cada
museu, que desenvolve um código de interpretaçãomuseu, que desenvolve um código de interpretação
particular, introduzindo na dinâmica sujeito- objeto umparticular, introduzindo na dinâmica sujeito- objeto um
novo elemento que permita estabelecer a sintonianovo elemento que permita estabelecer a sintonia
adequada entre ambosadequada entre ambos
Museu e entorno socialMuseu e entorno social
 nesse sentido produzimos um trabalho sobre anesse sentido produzimos um trabalho sobre a
Sociologia dos Museus, divulgado sob forma deSociologia dos Museus, divulgado sob forma de
texto acadêmico de apoio para os alunos dotexto acadêmico de apoio para os alunos do
IMSP entre 1992 e 1993, nos antevendo a umaIMSP entre 1992 e 1993, nos antevendo a uma
tendência importante da museologia e o entornotendência importante da museologia e o entorno
social, enfocando as atividadessocial, enfocando as atividades
museopedagógicas que aproximam o públicomuseopedagógicas que aproximam o público
infanto-juvenil à instituição, como forma práticainfanto-juvenil à instituição, como forma prática
de criar o hábito do lazer educativo.de criar o hábito do lazer educativo.
Interação institucionalInteração institucional
 Nessa tarefa, naturalmente, aNessa tarefa, naturalmente, a
“museologia” não deve e muitas vezes“museologia” não deve e muitas vezes
não pode trabalhar isoladamente.não pode trabalhar isoladamente.
 Deve fazê-lo em colaboração com outrasDeve fazê-lo em colaboração com outras
instituições educativas e culturais, comoinstituições educativas e culturais, como
escolas, universidades e fundações comescolas, universidades e fundações com
as quais possa compartilhar a busca deas quais possa compartilhar a busca de
seus objetivos.seus objetivos.
Os meios da museologiaOs meios da museologia
 Determinada a finalidade da museologia, éDeterminada a finalidade da museologia, é
necessário perguntar quais meios são válidosnecessário perguntar quais meios são válidos
para estabelecer de modo eficaz a relação entrepara estabelecer de modo eficaz a relação entre
sujeito e objeto, ou entre público e coleção, parasujeito e objeto, ou entre público e coleção, para
extrair o mais frutífero rendimento didáticoextrair o mais frutífero rendimento didático
possível.possível.
 Nesse sentido, a museologia, ao apresentar oNesse sentido, a museologia, ao apresentar o
objeto, leva em consideração todos os fatoresobjeto, leva em consideração todos os fatores
que possam contribuir para o desenvolvimentoque possam contribuir para o desenvolvimento
completo da sua potencialidade.completo da sua potencialidade.
((http://http://museumstudiesmuseumstudies.si..si.edu/webcast_121306edu/webcast_121306..htmlhtml))
U.S.Museums Learning, Teaching, Expanding –U.S.Museums Learning, Teaching, Expanding –
Smithsonian Castle Library – 2006.Smithsonian Castle Library – 2006.
 os pilares da museologia são: aos pilares da museologia são: a
pesquisa científica, a conservaçãopesquisa científica, a conservação
preventiva, a museopedagogia, apreventiva, a museopedagogia, a
museografia, a documentaçãomuseografia, a documentação
museológica, difusão e a gestãomuseológica, difusão e a gestão
administrativa dos museus; e aadministrativa dos museus; e a
“museopedagogia” .“museopedagogia” .
Museologia e museografiaMuseologia e museografia
 Desde a estrutura arquitetônica ao seu redor, com aDesde a estrutura arquitetônica ao seu redor, com a
calibragem do espaço, passando pela distância entrecalibragem do espaço, passando pela distância entre
objetos e espectador e a análise dos pontos de vistaobjetos e espectador e a análise dos pontos de vista
para uma contemplação adequada, até os aspectospara uma contemplação adequada, até os aspectos
técnicos museográficos, como o estudo da iluminaçãotécnicos museográficos, como o estudo da iluminação
natural e artificial mais adequada para cada caso e osnatural e artificial mais adequada para cada caso e os
complementos explicativos ou materiais de apoio, comocomplementos explicativos ou materiais de apoio, como
cédulas gerais que documentem seu significadocédulas gerais que documentem seu significado
concreto.concreto.
 Estes meios são facilitados para a museologia por todaEstes meios são facilitados para a museologia por toda
uma série de técnicas de apoio, que ampliam euma série de técnicas de apoio, que ampliam e
favorecem seu trabalho.favorecem seu trabalho.
Aplicação tecnológica em museusAplicação tecnológica em museus
 Nessa perspectiva, assinalamos dois tipos deNessa perspectiva, assinalamos dois tipos de
ciências, as humanas e sociais (história,ciências, as humanas e sociais (história,
sociologia, história da arte, estética) e associologia, história da arte, estética) e as
experimentais (física, química, eletrônica,experimentais (física, química, eletrônica,
informática), acrescidas de técnicas visuais.informática), acrescidas de técnicas visuais.
 O abuso de certos procedimentos técnicosO abuso de certos procedimentos técnicos
suscita certas críticas, mas os auxílios quesuscita certas críticas, mas os auxílios que
proporcionam, como norma geral, trazemproporcionam, como norma geral, trazem
indubitáveis progressos à museologia, noindubitáveis progressos à museologia, no
desenvolvimento de suas atividades.desenvolvimento de suas atividades.
Tecnologia para a organizaçãoTecnologia para a organização
 O sistema pioneiro de micro filmagem nosO sistema pioneiro de micro filmagem nos
anos 80, executado pelo Museu Nacionalanos 80, executado pelo Museu Nacional
de Etnologia de Osaka, no Japão,de Etnologia de Osaka, no Japão,
representou um marco conceitual para arepresentou um marco conceitual para a
museologia; a evolução tecnológica émuseologia; a evolução tecnológica é
incorporada ao sistema museístico.incorporada ao sistema museístico.
 O exemplo é sobre tudo nos museus norteO exemplo é sobre tudo nos museus norte
americanos, que empreenderam aamericanos, que empreenderam a
interessante tarefa de centralização dosinteressante tarefa de centralização dos
seus catálogos por meio deseus catálogos por meio de
computadores, o que permitiu dispor decomputadores, o que permitiu dispor de
uma rede de informação e de banco deuma rede de informação e de banco de
dados, o que teria sido extremamentedados, o que teria sido extremamente
caro sem o auxílio da informática.caro sem o auxílio da informática.
O início da automação em museusO início da automação em museus
tive a oportunidade de realizar uma visitative a oportunidade de realizar uma visita
técnica ao Museu de História Natural detécnica ao Museu de História Natural de
São Francisco, Golden Gate Park, queSão Francisco, Golden Gate Park, que
encontrava-se em processo deencontrava-se em processo de
reformulação museográfica,reformulação museográfica,
especialmente nos projetos dos dioramasespecialmente nos projetos dos dioramas
e na reorganização catalográfica atravése na reorganização catalográfica através
da informatização. (1982)da informatização. (1982)
Inventário nacional de bensInventário nacional de bens
culturaisculturais
 Nesse sentido apresentei um projeto para aNesse sentido apresentei um projeto para a
Secretaria de Estado da Cultura em 1985Secretaria de Estado da Cultura em 1985
(DEMA) para que os museus vinculados ao ente(DEMA) para que os museus vinculados ao ente
público procedessem com a organização dospúblico procedessem com a organização dos
inventários e seqüente integração em rede dosinventários e seqüente integração em rede dos
índices catalográficos): a normalizaçãoíndices catalográficos): a normalização
documental coíbe o tráfico ilícito de bensdocumental coíbe o tráfico ilícito de bens
culturais; permite o manejo das coleções emculturais; permite o manejo das coleções em
alto grau de preservação; gerando aalto grau de preservação; gerando a
interconexão entre os museus e formando ointerconexão entre os museus e formando o
sistema brasileiro de museus.sistema brasileiro de museus.
Tecnologia aplicadaTecnologia aplicada
 Os métodos físico-químicos de análise dos objetos,Os métodos físico-químicos de análise dos objetos,
como os raios X, a radiação ultravioleta, o espectro porcomo os raios X, a radiação ultravioleta, o espectro por
fotometria, renderam igualmente preciosos serviçosfotometria, renderam igualmente preciosos serviços
quanto à identificação e à análise das peças, resolvendoquanto à identificação e à análise das peças, resolvendo
não poucas questões sobre as mesmas.não poucas questões sobre as mesmas.
 Mesmo assim a museologia alimenta-se de meiosMesmo assim a museologia alimenta-se de meios
científicos, mas em nenhum caso será absorvida pelocientíficos, mas em nenhum caso será absorvida pelo
cientificismo, pois sua meta é puramente humanística:cientificismo, pois sua meta é puramente humanística:
colocar o público em contato com o objeto históricocolocar o público em contato com o objeto histórico
cultural.cultural.

Técnicas não invasivasTécnicas não invasivas
 o conceito de conservação foi ampliado para conservaçãoo conceito de conservação foi ampliado para conservação
preventiva nas décadas posteriores.preventiva nas décadas posteriores.
 A atividade de restauração considerada como uma intervençãoA atividade de restauração considerada como uma intervenção
mecânica invasiva, foi ampliada para o conceito de restauraçãomecânica invasiva, foi ampliada para o conceito de restauração
museológica, seguindo as predominantes escolas européiasmuseológica, seguindo as predominantes escolas européias
propagadoras das idéias de autenticidade e honestidade na açãopropagadoras das idéias de autenticidade e honestidade na ação
da recuperação da estabilidade estrutural dos objetos.da recuperação da estabilidade estrutural dos objetos.
 Tais conceitos evoluíram para a museologia advindos do mundo daTais conceitos evoluíram para a museologia advindos do mundo da
museografia e da restauração arquitetônica, entre outros citamosmuseografia e da restauração arquitetônica, entre outros citamos
Ruskin, Plenderleith, Haussmann, Viollet-le-Duc...Ruskin, Plenderleith, Haussmann, Viollet-le-Duc...
http://www.http://www.lafraguadevulcanolafraguadevulcano..es/videoes/video..aspasp pode ser visualizado exprimir umapode ser visualizado exprimir uma
das formas de musealização, in Fira Tots Sants 2013, Mercado Medieval dedas formas de musealização, in Fira Tots Sants 2013, Mercado Medieval de
ValenciaValencia..
 Desde as tecnologias aplicadas às exposições, aosDesde as tecnologias aplicadas às exposições, aos
sistemas 3D, novas formas de registro do patrimôniosistemas 3D, novas formas de registro do patrimônio
cultural material e imaterial, ampliaram o conceito decultural material e imaterial, ampliaram o conceito de
musealização.musealização.
 A disponibilidade na Internet dos projetos museológicosA disponibilidade na Internet dos projetos museológicos
criou uma aldeia global para uma museologia semcriou uma aldeia global para uma museologia sem
fronteiras. (ICOM> México)fronteiras. (ICOM> México)
A pesquisa científica originaA pesquisa científica origina
coleções museológicascoleções museológicas
 Mas, ainda são válidos os protocolos deMas, ainda são válidos os protocolos de
organização museológica, entendidosorganização museológica, entendidos
como os pilares da museologia.como os pilares da museologia.
 O “nível 1” da teoria desenvolvida porO “nível 1” da teoria desenvolvida por
Stránsky sobre o Museu da MoraviaStránsky sobre o Museu da Moravia
destaca as atividades de pesquisadestaca as atividades de pesquisa
científica na organização museológica.científica na organização museológica.
A evolução histórica da museologiaA evolução histórica da museologia
e da museografiae da museografia
 embora ambas disciplinas no século XXI se contemplemembora ambas disciplinas no século XXI se contemplem
com disciplinas autônomas, a lógica relação dialéticacom disciplinas autônomas, a lógica relação dialética
entre as áreas básicas de estudos e práticasentre as áreas básicas de estudos e práticas
sistematizadas, se retro alimentam de forma contínua,sistematizadas, se retro alimentam de forma contínua,
 tanto é assim que a prática museográfica dos folktanto é assim que a prática museográfica dos folk
museus, na recriação do ambiente global damuseus, na recriação do ambiente global da
comunidade (vivendas, decoração, utensílioscomunidade (vivendas, decoração, utensílios
domésticos e ferramental técnico, gastronomia,domésticos e ferramental técnico, gastronomia,
vestimentas) recriam um estilo de vida, de época, devestimentas) recriam um estilo de vida, de época, de
tradição, da estética, e ao mesmo tempo propiciaram umtradição, da estética, e ao mesmo tempo propiciaram um
ingresso econômico para as comunidades rurais.ingresso econômico para as comunidades rurais.
tipologiastipologias
 Essa tendência museográfica (cenográfica e deEssa tendência museográfica (cenográfica e de
ambientação) é uma clara contribuição para aambientação) é uma clara contribuição para a
teoria museológica (ampliando seu campoteoria museológica (ampliando seu campo
conceitual) e para a museologia (incorporandoconceitual) e para a museologia (incorporando
novos critérios para a conservação, pornovos critérios para a conservação, por
exemplo, com a manutenção de maquinário eexemplo, com a manutenção de maquinário e
ferramentas através da sua utilização diária);ferramentas através da sua utilização diária);
deu início a conceitos como o de museusdeu início a conceitos como o de museus
comunitários e aprofundou critérios decomunitários e aprofundou critérios de
planejamento em turismo rural.planejamento em turismo rural.
O documentalista museológicoO documentalista museológico
 A museografia diverge da museologiaA museografia diverge da museologia
nesse momento metodológico danesse momento metodológico da
delimitação do campo conceitual dedelimitação do campo conceitual de
ambas disciplinas, a partir da práticaambas disciplinas, a partir da prática
sistematizada a partir da metade dosistematizada a partir da metade do
Século XIX, iniciado pela formação dosSéculo XIX, iniciado pela formação dos
conservadores, dos documentalistas e doconservadores, dos documentalistas e do
fenômeno cultural experimental dasfenômeno cultural experimental das
exposições.exposições.
A origem da nova museologiaA origem da nova museologia
 Nesse sentido afirmamos que a museografia diverge daNesse sentido afirmamos que a museografia diverge da
teoria museológica, uma vez que a noção de novateoria museológica, uma vez que a noção de nova
museologia cunhada anos mais tarde e dos ecomuseus,museologia cunhada anos mais tarde e dos ecomuseus,
especifica uma necessidade influenciada pelas artesespecifica uma necessidade influenciada pelas artes
plásticas contemporânea, segundo a qual as grandesplásticas contemporânea, segundo a qual as grandes
instalações não tinham espaço físico para suainstalações não tinham espaço físico para sua
montagem no ambiente dos museus tradicionais (Renémontagem no ambiente dos museus tradicionais (René
Rivard) e pelas experiências dos museus de identidadeRivard) e pelas experiências dos museus de identidade
na Alemanha nacional socialista; depois nos folkna Alemanha nacional socialista; depois nos folk
museums da Grã Bretanha e nos museus ao ar livremuseums da Grã Bretanha e nos museus ao ar livre
(open air museums).(open air museums).
Museografia e nova museologiaMuseografia e nova museologia
 a museografia é a “parte visível” dos museus, comoa museografia é a “parte visível” dos museus, como
afirmo no Manual de Museografia organizado durante oafirmo no Manual de Museografia organizado durante o
mestrado em Museologia na ENCRyM, em 1982,mestrado em Museologia na ENCRyM, em 1982,
reeditado no Brasil em 2012.reeditado no Brasil em 2012.
 Porque tivemos que repensar museologia e museografiaPorque tivemos que repensar museologia e museografia
no âmbito expandido das experiências originadas nano âmbito expandido das experiências originadas na
França e renovadas no Canadá.França e renovadas no Canadá.
A experiência pré-musealA experiência pré-museal
 tais questões nos pareciam de difícil solução porque tratamos do conceitotais questões nos pareciam de difícil solução porque tratamos do conceito
da experiência pré museal, que nos países com altos índices deda experiência pré museal, que nos países com altos índices de
analfabetismo e baixa freqüência a museus, e estudos não contempladosanalfabetismo e baixa freqüência a museus, e estudos não contemplados
nas escolas públicas, discutir a experiência significa agregar dadosnas escolas públicas, discutir a experiência significa agregar dados
sociológicos dos níveis educacionais.sociológicos dos níveis educacionais.
 O conceito de aplica ao fato de o museu contar com um nível de leitura eO conceito de aplica ao fato de o museu contar com um nível de leitura e
conhecimento do visitante sobre as obras, isto é, um nível mínimo deconhecimento do visitante sobre as obras, isto é, um nível mínimo de
cultura geral, que permite expor com níveis básicos de informação,cultura geral, que permite expor com níveis básicos de informação,
complementada com catálogos e publicações. Tal fato leva ao hábito decomplementada com catálogos e publicações. Tal fato leva ao hábito de
aquisição de publicações, ao poder aquisitivo, ao interesse específico...aquisição de publicações, ao poder aquisitivo, ao interesse específico...
 Estas formas deram impulso às “lojas” de museus, que se tornam mais ouEstas formas deram impulso às “lojas” de museus, que se tornam mais ou
menos sofisticadas, incluindo os mais variados itens para o consumo domenos sofisticadas, incluindo os mais variados itens para o consumo do
público.público.
Museu: sujeito e objetoMuseu: sujeito e objeto
 A solução, neste caso, é mais bem própria de cadaA solução, neste caso, é mais bem própria de cada
museu, que desenvolve um código de interpretaçãomuseu, que desenvolve um código de interpretação
particular, introduzindo na dinâmica sujeito- objeto umparticular, introduzindo na dinâmica sujeito- objeto um
novo elemento que permita estabelecer a sintonianovo elemento que permita estabelecer a sintonia
adequada entre ambas.adequada entre ambas.
 A projeção ou finalidade didática é exercida pelo museuA projeção ou finalidade didática é exercida pelo museu
em dois níveis: o puramente educativo, como gerador deem dois níveis: o puramente educativo, como gerador de
cultivo da sensibilidade e das faculdades intelectuais docultivo da sensibilidade e das faculdades intelectuais do
público, e, num plano superior, como propulsor dopúblico, e, num plano superior, como propulsor do
desenvolvimento do pensamento humano, convidando àdesenvolvimento do pensamento humano, convidando à
reflexão científica por intermédio da comparação entrereflexão científica por intermédio da comparação entre
os diversos mundos – artísticos, históricos, técnicos –os diversos mundos – artísticos, históricos, técnicos –
que apresenta.que apresenta.
Memória é HistóriaMemória é História
 uma contribuição inestimável foi a publicação do “Cuadernos deuma contribuição inestimável foi a publicação do “Cuadernos de
Museologia” em 1989 organizada por Luis Repetto (Puc-Perú)Museologia” em 1989 organizada por Luis Repetto (Puc-Perú)
Diretor do Museu da Arte Popular do Instituto Riva-Aguero.Diretor do Museu da Arte Popular do Instituto Riva-Aguero.
 Bock, Teresa C. de A.(1982) El proceso museológico. México:Bock, Teresa C. de A.(1982) El proceso museológico. México:
Churubusco. 1º. Seminário de Museologia (DEMA) 1985. InstitutoChurubusco. 1º. Seminário de Museologia (DEMA) 1985. Instituto
de Museologia de São Paulo, IMSP (dezembro1991) TRADUÇÃO Ede Museologia de São Paulo, IMSP (dezembro1991) TRADUÇÃO E
REEDIÇÃO – Brasil. 2012.REEDIÇÃO – Brasil. 2012.
 ISBN 978-85914169-0-5ISBN 978-85914169-0-5
.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de bibliotecas
Tipos de bibliotecas Tipos de bibliotecas
Tipos de bibliotecas Ana Glenyr
 
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De AulaUso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aulaandre alcantara
 
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas TendênciaTecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas TendênciaDaniel Caixeta
 
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval SavianiPedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval SavianiNatalia Ribeiro
 
Ana rasteiro reflexão ufcd 3275 ana rasteiro corrigida pela mediadora
Ana rasteiro reflexão  ufcd 3275 ana rasteiro corrigida pela mediadoraAna rasteiro reflexão  ufcd 3275 ana rasteiro corrigida pela mediadora
Ana rasteiro reflexão ufcd 3275 ana rasteiro corrigida pela mediadorarasteiro
 
A planificação didáctica nova apresentação
A planificação didáctica   nova apresentaçãoA planificação didáctica   nova apresentação
A planificação didáctica nova apresentaçãoLourenço Neto
 
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIASBNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIASDeusirene Magalhaes
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoPatty Santana
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoClarim Natal
 
Professor pesquisador
Professor pesquisadorProfessor pesquisador
Professor pesquisadorJoão Alberto
 
ReflexãO Individual Ana Santos
ReflexãO Individual   Ana SantosReflexãO Individual   Ana Santos
ReflexãO Individual Ana SantosAnaSAnaO
 
TIC e Educação
TIC e EducaçãoTIC e Educação
TIC e EducaçãoRita Brito
 
Museologia - Marcos Referenciais
Museologia - Marcos ReferenciaisMuseologia - Marcos Referenciais
Museologia - Marcos ReferenciaisBruna Carolina
 
1. sociologia da educação
1. sociologia da educação1. sociologia da educação
1. sociologia da educaçãoSimonelleGomes
 

Mais procurados (20)

Portfólio ricardo
Portfólio ricardoPortfólio ricardo
Portfólio ricardo
 
Tipos de bibliotecas
Tipos de bibliotecas Tipos de bibliotecas
Tipos de bibliotecas
 
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De AulaUso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
 
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas TendênciaTecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
 
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval SavianiPedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
Pedagogia Histórico-Crítica de Dermeval Saviani
 
Ana rasteiro reflexão ufcd 3275 ana rasteiro corrigida pela mediadora
Ana rasteiro reflexão  ufcd 3275 ana rasteiro corrigida pela mediadoraAna rasteiro reflexão  ufcd 3275 ana rasteiro corrigida pela mediadora
Ana rasteiro reflexão ufcd 3275 ana rasteiro corrigida pela mediadora
 
A planificação didáctica nova apresentação
A planificação didáctica   nova apresentaçãoA planificação didáctica   nova apresentação
A planificação didáctica nova apresentação
 
Portifólio Reflexivo de Aprendizagem
Portifólio Reflexivo de AprendizagemPortifólio Reflexivo de Aprendizagem
Portifólio Reflexivo de Aprendizagem
 
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIASBNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
BNCC, BASE LEGAL, TECNOLOGIAS E METODOLOGIAS
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
 
Portifólio milena
 Portifólio   milena Portifólio   milena
Portifólio milena
 
Antropologia e Educação
Antropologia e EducaçãoAntropologia e Educação
Antropologia e Educação
 
Professor pesquisador
Professor pesquisadorProfessor pesquisador
Professor pesquisador
 
Tcc exemplo - Esqueleto
Tcc   exemplo - EsqueletoTcc   exemplo - Esqueleto
Tcc exemplo - Esqueleto
 
ReflexãO Individual Ana Santos
ReflexãO Individual   Ana SantosReflexãO Individual   Ana Santos
ReflexãO Individual Ana Santos
 
Didática Ensino Superior
Didática Ensino SuperiorDidática Ensino Superior
Didática Ensino Superior
 
Planificação Curricular
Planificação CurricularPlanificação Curricular
Planificação Curricular
 
TIC e Educação
TIC e EducaçãoTIC e Educação
TIC e Educação
 
Museologia - Marcos Referenciais
Museologia - Marcos ReferenciaisMuseologia - Marcos Referenciais
Museologia - Marcos Referenciais
 
1. sociologia da educação
1. sociologia da educação1. sociologia da educação
1. sociologia da educação
 

Destaque (6)

Museu e museologia bci 11
Museu e museologia bci 11Museu e museologia bci 11
Museu e museologia bci 11
 
Mediação: acção educativa em museus
Mediação: acção educativa em museusMediação: acção educativa em museus
Mediação: acção educativa em museus
 
MUSEOLOGIA: TEORIA E HISTÓRIA
MUSEOLOGIA: TEORIA E HISTÓRIAMUSEOLOGIA: TEORIA E HISTÓRIA
MUSEOLOGIA: TEORIA E HISTÓRIA
 
Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia
 
Museologia e inovação social
Museologia e inovação socialMuseologia e inovação social
Museologia e inovação social
 
Museu
MuseuMuseu
Museu
 

Semelhante a As finalidades da museologia IV

A Museologia: Ciência Social
A Museologia: Ciência SocialA Museologia: Ciência Social
A Museologia: Ciência SocialTeresa Bock
 
Museus Eler 2008
Museus Eler 2008Museus Eler 2008
Museus Eler 2008Denise Eler
 
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesTrês de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesCursoTICs
 
O papel educacional do museu de ciências
O papel educacional do museu de ciênciasO papel educacional do museu de ciências
O papel educacional do museu de ciênciasBeto Souza
 
ações educativas em museus de arte:
ações educativas em museus de arte: ações educativas em museus de arte:
ações educativas em museus de arte: romildalopes
 
Manual de Museografia - O Seminário - Parte III
Manual de Museografia - O Seminário - Parte IIIManual de Museografia - O Seminário - Parte III
Manual de Museografia - O Seminário - Parte IIITeresa Cristina Bock
 
Relato das entradas na escola , patrick costa
Relato das entradas na escola , patrick costaRelato das entradas na escola , patrick costa
Relato das entradas na escola , patrick costapibiduergsmontenegro
 
Uniabeu museu nacional - ufrj
Uniabeu   museu nacional - ufrjUniabeu   museu nacional - ufrj
Uniabeu museu nacional - ufrjFatinha Bretas
 
Desenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarDesenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarUEM
 
Artigo divulgaçaoalgasredpop 1997
Artigo divulgaçaoalgasredpop 1997Artigo divulgaçaoalgasredpop 1997
Artigo divulgaçaoalgasredpop 1997AlexandrePedrini
 
Experiencia Com Universitarios
Experiencia Com UniversitariosExperiencia Com Universitarios
Experiencia Com UniversitariosMargari León
 
Caderno de artes
Caderno de artesCaderno de artes
Caderno de artesLelaUdesc
 
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)Gustavo Fischer
 

Semelhante a As finalidades da museologia IV (20)

A Museologia: Ciência Social
A Museologia: Ciência SocialA Museologia: Ciência Social
A Museologia: Ciência Social
 
A Sociologia dos Museus
A Sociologia dos Museus   A Sociologia dos Museus
A Sociologia dos Museus
 
Museus Eler 2008
Museus Eler 2008Museus Eler 2008
Museus Eler 2008
 
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana BackesTrês de Maio - Kerly Jussana Backes
Três de Maio - Kerly Jussana Backes
 
MONOGRAFIA 2007
MONOGRAFIA 2007MONOGRAFIA 2007
MONOGRAFIA 2007
 
Manual de Museografia - Parte 1
Manual de Museografia - Parte 1Manual de Museografia - Parte 1
Manual de Museografia - Parte 1
 
O papel educacional do museu de ciências
O papel educacional do museu de ciênciasO papel educacional do museu de ciências
O papel educacional do museu de ciências
 
ações educativas em museus de arte:
ações educativas em museus de arte: ações educativas em museus de arte:
ações educativas em museus de arte:
 
Manual de Museografia - O Seminário - Parte III
Manual de Museografia - O Seminário - Parte IIIManual de Museografia - O Seminário - Parte III
Manual de Museografia - O Seminário - Parte III
 
Cientistas dialogam com a escola básica
Cientistas dialogam com a escola básicaCientistas dialogam com a escola básica
Cientistas dialogam com a escola básica
 
291 922-1-pb
291 922-1-pb291 922-1-pb
291 922-1-pb
 
Relato das entradas na escola , patrick costa
Relato das entradas na escola , patrick costaRelato das entradas na escola , patrick costa
Relato das entradas na escola , patrick costa
 
Arquitetura e Memória em Saúde
Arquitetura e Memória em SaúdeArquitetura e Memória em Saúde
Arquitetura e Memória em Saúde
 
Uniabeu museu nacional - ufrj
Uniabeu   museu nacional - ufrjUniabeu   museu nacional - ufrj
Uniabeu museu nacional - ufrj
 
Desenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarDesenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizar
 
Artigo divulgaçaoalgasredpop 1997
Artigo divulgaçaoalgasredpop 1997Artigo divulgaçaoalgasredpop 1997
Artigo divulgaçaoalgasredpop 1997
 
Experiencia Com Universitarios
Experiencia Com UniversitariosExperiencia Com Universitarios
Experiencia Com Universitarios
 
Caderno de artes
Caderno de artesCaderno de artes
Caderno de artes
 
recurso mnaa
recurso mnaarecurso mnaa
recurso mnaa
 
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
Audiovisualidades Soterradas: escavando o internet archive (ALCAR 2015)
 

Mais de Teresa Cristina Bock

Manual de Museografia - O Seminário - Parte IV - final
Manual de Museografia - O Seminário - Parte IV - finalManual de Museografia - O Seminário - Parte IV - final
Manual de Museografia - O Seminário - Parte IV - finalTeresa Cristina Bock
 
Manual de Museografia - O seminário - Parte 2
Manual de Museografia - O seminário - Parte 2Manual de Museografia - O seminário - Parte 2
Manual de Museografia - O seminário - Parte 2Teresa Cristina Bock
 
O papel do pesquisador em museus 9
O papel do pesquisador em museus 9O papel do pesquisador em museus 9
O papel do pesquisador em museus 9Teresa Cristina Bock
 
New technologies applied to museums 7
New technologies applied to museums 7New technologies applied to museums 7
New technologies applied to museums 7Teresa Cristina Bock
 
Museografia repertório bibliográfico
Museografia   repertório bibliográficoMuseografia   repertório bibliográfico
Museografia repertório bibliográficoTeresa Cristina Bock
 
Programa 3. do mestrado em museografia e exposições
Programa 3. do mestrado em museografia e exposiçõesPrograma 3. do mestrado em museografia e exposições
Programa 3. do mestrado em museografia e exposiçõesTeresa Cristina Bock
 
II. programa do mestrado em museografia e exposições
II. programa do mestrado em museografia e exposiçõesII. programa do mestrado em museografia e exposições
II. programa do mestrado em museografia e exposiçõesTeresa Cristina Bock
 
Programa do mestrado em museografia e exposições
Programa do mestrado em museografia e exposiçõesPrograma do mestrado em museografia e exposições
Programa do mestrado em museografia e exposiçõesTeresa Cristina Bock
 
Cultural studies and social development
Cultural studies and social developmentCultural studies and social development
Cultural studies and social developmentTeresa Cristina Bock
 

Mais de Teresa Cristina Bock (13)

Manual de Museografia - O Seminário - Parte IV - final
Manual de Museografia - O Seminário - Parte IV - finalManual de Museografia - O Seminário - Parte IV - final
Manual de Museografia - O Seminário - Parte IV - final
 
Manual de Museografia - O seminário - Parte 2
Manual de Museografia - O seminário - Parte 2Manual de Museografia - O seminário - Parte 2
Manual de Museografia - O seminário - Parte 2
 
O papel do pesquisador em museus 9
O papel do pesquisador em museus 9O papel do pesquisador em museus 9
O papel do pesquisador em museus 9
 
New technologies applied to museums 7
New technologies applied to museums 7New technologies applied to museums 7
New technologies applied to museums 7
 
Museus e sustentabilidade
Museus e sustentabilidadeMuseus e sustentabilidade
Museus e sustentabilidade
 
Museología conservación
Museología conservaciónMuseología conservación
Museología conservación
 
Museografia repertório bibliográfico
Museografia   repertório bibliográficoMuseografia   repertório bibliográfico
Museografia repertório bibliográfico
 
Programa 3. do mestrado em museografia e exposições
Programa 3. do mestrado em museografia e exposiçõesPrograma 3. do mestrado em museografia e exposições
Programa 3. do mestrado em museografia e exposições
 
II. programa do mestrado em museografia e exposições
II. programa do mestrado em museografia e exposiçõesII. programa do mestrado em museografia e exposições
II. programa do mestrado em museografia e exposições
 
Programa do mestrado em museografia e exposições
Programa do mestrado em museografia e exposiçõesPrograma do mestrado em museografia e exposições
Programa do mestrado em museografia e exposições
 
Cultural studies and social development
Cultural studies and social developmentCultural studies and social development
Cultural studies and social development
 
Apresentação1 peruibe
Apresentação1 peruibeApresentação1 peruibe
Apresentação1 peruibe
 
O Processo Museológico
O Processo MuseológicoO Processo Museológico
O Processo Museológico
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 

Último (20)

Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

As finalidades da museologia IV

  • 1. As finalidades daAs finalidades da museologiamuseologia Introduzimos o conceito de Ciência Museológica noIntroduzimos o conceito de Ciência Museológica no Brasil a partir dos cursos ministrados em 1985 emBrasil a partir dos cursos ministrados em 1985 em sucessivos anos, visando atualizar o campo conceitualsucessivos anos, visando atualizar o campo conceitual entre os estudantes, uma vez que não existindo asentre os estudantes, uma vez que não existindo as facilidades da internet, os novos conceitosfacilidades da internet, os novos conceitos internacionais eram divulgados através dosinternacionais eram divulgados através dos seminários, cursos, workshops, textos acadêmicos eseminários, cursos, workshops, textos acadêmicos e aulas abertas, como as do Instituto de Museologia deaulas abertas, como as do Instituto de Museologia de São Paulo, com a ampla divulgação de textos comoSão Paulo, com a ampla divulgação de textos como este, aqui traduzido por Ana Carolina Garcia, para oeste, aqui traduzido por Ana Carolina Garcia, para o evento do IMSP em 2001.evento do IMSP em 2001.
  • 2. A origem da “museopedagogia”A origem da “museopedagogia”  No que se refere à finalidade da ciênciaNo que se refere à finalidade da ciência museológica podemos defini-la como amuseológica podemos defini-la como a projeção didática sobre o sujeito ou oprojeção didática sobre o sujeito ou o público, constituindo o museu em centropúblico, constituindo o museu em centro de educação e informação.de educação e informação.
  • 3. Didática e informaçãoDidática e informação  Nesse aspecto a museologia defronta-se com duasNesse aspecto a museologia defronta-se com duas questões; a heterogeneidade dos níveis culturais entre oquestões; a heterogeneidade dos níveis culturais entre o público e a variedade de conteúdos.público e a variedade de conteúdos.  Frente a essas dificuldades, a museologia desenvolveuFrente a essas dificuldades, a museologia desenvolveu o museu didático, no qual é possível diversificar oso museu didático, no qual é possível diversificar os vários níveis leitura à disposição dos visitantes.vários níveis leitura à disposição dos visitantes.  A solução, neste caso, é mais bem própria de cadaA solução, neste caso, é mais bem própria de cada museu, que desenvolve um código de interpretaçãomuseu, que desenvolve um código de interpretação particular, introduzindo na dinâmica sujeito- objeto umparticular, introduzindo na dinâmica sujeito- objeto um novo elemento que permita estabelecer a sintonianovo elemento que permita estabelecer a sintonia adequada entre ambosadequada entre ambos
  • 4. Museu e entorno socialMuseu e entorno social  nesse sentido produzimos um trabalho sobre anesse sentido produzimos um trabalho sobre a Sociologia dos Museus, divulgado sob forma deSociologia dos Museus, divulgado sob forma de texto acadêmico de apoio para os alunos dotexto acadêmico de apoio para os alunos do IMSP entre 1992 e 1993, nos antevendo a umaIMSP entre 1992 e 1993, nos antevendo a uma tendência importante da museologia e o entornotendência importante da museologia e o entorno social, enfocando as atividadessocial, enfocando as atividades museopedagógicas que aproximam o públicomuseopedagógicas que aproximam o público infanto-juvenil à instituição, como forma práticainfanto-juvenil à instituição, como forma prática de criar o hábito do lazer educativo.de criar o hábito do lazer educativo.
  • 5. Interação institucionalInteração institucional  Nessa tarefa, naturalmente, aNessa tarefa, naturalmente, a “museologia” não deve e muitas vezes“museologia” não deve e muitas vezes não pode trabalhar isoladamente.não pode trabalhar isoladamente.  Deve fazê-lo em colaboração com outrasDeve fazê-lo em colaboração com outras instituições educativas e culturais, comoinstituições educativas e culturais, como escolas, universidades e fundações comescolas, universidades e fundações com as quais possa compartilhar a busca deas quais possa compartilhar a busca de seus objetivos.seus objetivos.
  • 6. Os meios da museologiaOs meios da museologia  Determinada a finalidade da museologia, éDeterminada a finalidade da museologia, é necessário perguntar quais meios são válidosnecessário perguntar quais meios são válidos para estabelecer de modo eficaz a relação entrepara estabelecer de modo eficaz a relação entre sujeito e objeto, ou entre público e coleção, parasujeito e objeto, ou entre público e coleção, para extrair o mais frutífero rendimento didáticoextrair o mais frutífero rendimento didático possível.possível.  Nesse sentido, a museologia, ao apresentar oNesse sentido, a museologia, ao apresentar o objeto, leva em consideração todos os fatoresobjeto, leva em consideração todos os fatores que possam contribuir para o desenvolvimentoque possam contribuir para o desenvolvimento completo da sua potencialidade.completo da sua potencialidade.
  • 7. ((http://http://museumstudiesmuseumstudies.si..si.edu/webcast_121306edu/webcast_121306..htmlhtml)) U.S.Museums Learning, Teaching, Expanding –U.S.Museums Learning, Teaching, Expanding – Smithsonian Castle Library – 2006.Smithsonian Castle Library – 2006.  os pilares da museologia são: aos pilares da museologia são: a pesquisa científica, a conservaçãopesquisa científica, a conservação preventiva, a museopedagogia, apreventiva, a museopedagogia, a museografia, a documentaçãomuseografia, a documentação museológica, difusão e a gestãomuseológica, difusão e a gestão administrativa dos museus; e aadministrativa dos museus; e a “museopedagogia” .“museopedagogia” .
  • 8. Museologia e museografiaMuseologia e museografia  Desde a estrutura arquitetônica ao seu redor, com aDesde a estrutura arquitetônica ao seu redor, com a calibragem do espaço, passando pela distância entrecalibragem do espaço, passando pela distância entre objetos e espectador e a análise dos pontos de vistaobjetos e espectador e a análise dos pontos de vista para uma contemplação adequada, até os aspectospara uma contemplação adequada, até os aspectos técnicos museográficos, como o estudo da iluminaçãotécnicos museográficos, como o estudo da iluminação natural e artificial mais adequada para cada caso e osnatural e artificial mais adequada para cada caso e os complementos explicativos ou materiais de apoio, comocomplementos explicativos ou materiais de apoio, como cédulas gerais que documentem seu significadocédulas gerais que documentem seu significado concreto.concreto.  Estes meios são facilitados para a museologia por todaEstes meios são facilitados para a museologia por toda uma série de técnicas de apoio, que ampliam euma série de técnicas de apoio, que ampliam e favorecem seu trabalho.favorecem seu trabalho.
  • 9. Aplicação tecnológica em museusAplicação tecnológica em museus  Nessa perspectiva, assinalamos dois tipos deNessa perspectiva, assinalamos dois tipos de ciências, as humanas e sociais (história,ciências, as humanas e sociais (história, sociologia, história da arte, estética) e associologia, história da arte, estética) e as experimentais (física, química, eletrônica,experimentais (física, química, eletrônica, informática), acrescidas de técnicas visuais.informática), acrescidas de técnicas visuais.  O abuso de certos procedimentos técnicosO abuso de certos procedimentos técnicos suscita certas críticas, mas os auxílios quesuscita certas críticas, mas os auxílios que proporcionam, como norma geral, trazemproporcionam, como norma geral, trazem indubitáveis progressos à museologia, noindubitáveis progressos à museologia, no desenvolvimento de suas atividades.desenvolvimento de suas atividades.
  • 10. Tecnologia para a organizaçãoTecnologia para a organização  O sistema pioneiro de micro filmagem nosO sistema pioneiro de micro filmagem nos anos 80, executado pelo Museu Nacionalanos 80, executado pelo Museu Nacional de Etnologia de Osaka, no Japão,de Etnologia de Osaka, no Japão, representou um marco conceitual para arepresentou um marco conceitual para a museologia; a evolução tecnológica émuseologia; a evolução tecnológica é incorporada ao sistema museístico.incorporada ao sistema museístico.
  • 11.  O exemplo é sobre tudo nos museus norteO exemplo é sobre tudo nos museus norte americanos, que empreenderam aamericanos, que empreenderam a interessante tarefa de centralização dosinteressante tarefa de centralização dos seus catálogos por meio deseus catálogos por meio de computadores, o que permitiu dispor decomputadores, o que permitiu dispor de uma rede de informação e de banco deuma rede de informação e de banco de dados, o que teria sido extremamentedados, o que teria sido extremamente caro sem o auxílio da informática.caro sem o auxílio da informática.
  • 12. O início da automação em museusO início da automação em museus tive a oportunidade de realizar uma visitative a oportunidade de realizar uma visita técnica ao Museu de História Natural detécnica ao Museu de História Natural de São Francisco, Golden Gate Park, queSão Francisco, Golden Gate Park, que encontrava-se em processo deencontrava-se em processo de reformulação museográfica,reformulação museográfica, especialmente nos projetos dos dioramasespecialmente nos projetos dos dioramas e na reorganização catalográfica atravése na reorganização catalográfica através da informatização. (1982)da informatização. (1982)
  • 13. Inventário nacional de bensInventário nacional de bens culturaisculturais  Nesse sentido apresentei um projeto para aNesse sentido apresentei um projeto para a Secretaria de Estado da Cultura em 1985Secretaria de Estado da Cultura em 1985 (DEMA) para que os museus vinculados ao ente(DEMA) para que os museus vinculados ao ente público procedessem com a organização dospúblico procedessem com a organização dos inventários e seqüente integração em rede dosinventários e seqüente integração em rede dos índices catalográficos): a normalizaçãoíndices catalográficos): a normalização documental coíbe o tráfico ilícito de bensdocumental coíbe o tráfico ilícito de bens culturais; permite o manejo das coleções emculturais; permite o manejo das coleções em alto grau de preservação; gerando aalto grau de preservação; gerando a interconexão entre os museus e formando ointerconexão entre os museus e formando o sistema brasileiro de museus.sistema brasileiro de museus.
  • 14. Tecnologia aplicadaTecnologia aplicada  Os métodos físico-químicos de análise dos objetos,Os métodos físico-químicos de análise dos objetos, como os raios X, a radiação ultravioleta, o espectro porcomo os raios X, a radiação ultravioleta, o espectro por fotometria, renderam igualmente preciosos serviçosfotometria, renderam igualmente preciosos serviços quanto à identificação e à análise das peças, resolvendoquanto à identificação e à análise das peças, resolvendo não poucas questões sobre as mesmas.não poucas questões sobre as mesmas.  Mesmo assim a museologia alimenta-se de meiosMesmo assim a museologia alimenta-se de meios científicos, mas em nenhum caso será absorvida pelocientíficos, mas em nenhum caso será absorvida pelo cientificismo, pois sua meta é puramente humanística:cientificismo, pois sua meta é puramente humanística: colocar o público em contato com o objeto históricocolocar o público em contato com o objeto histórico cultural.cultural. 
  • 15. Técnicas não invasivasTécnicas não invasivas  o conceito de conservação foi ampliado para conservaçãoo conceito de conservação foi ampliado para conservação preventiva nas décadas posteriores.preventiva nas décadas posteriores.  A atividade de restauração considerada como uma intervençãoA atividade de restauração considerada como uma intervenção mecânica invasiva, foi ampliada para o conceito de restauraçãomecânica invasiva, foi ampliada para o conceito de restauração museológica, seguindo as predominantes escolas européiasmuseológica, seguindo as predominantes escolas européias propagadoras das idéias de autenticidade e honestidade na açãopropagadoras das idéias de autenticidade e honestidade na ação da recuperação da estabilidade estrutural dos objetos.da recuperação da estabilidade estrutural dos objetos.  Tais conceitos evoluíram para a museologia advindos do mundo daTais conceitos evoluíram para a museologia advindos do mundo da museografia e da restauração arquitetônica, entre outros citamosmuseografia e da restauração arquitetônica, entre outros citamos Ruskin, Plenderleith, Haussmann, Viollet-le-Duc...Ruskin, Plenderleith, Haussmann, Viollet-le-Duc...
  • 16. http://www.http://www.lafraguadevulcanolafraguadevulcano..es/videoes/video..aspasp pode ser visualizado exprimir umapode ser visualizado exprimir uma das formas de musealização, in Fira Tots Sants 2013, Mercado Medieval dedas formas de musealização, in Fira Tots Sants 2013, Mercado Medieval de ValenciaValencia..  Desde as tecnologias aplicadas às exposições, aosDesde as tecnologias aplicadas às exposições, aos sistemas 3D, novas formas de registro do patrimôniosistemas 3D, novas formas de registro do patrimônio cultural material e imaterial, ampliaram o conceito decultural material e imaterial, ampliaram o conceito de musealização.musealização.  A disponibilidade na Internet dos projetos museológicosA disponibilidade na Internet dos projetos museológicos criou uma aldeia global para uma museologia semcriou uma aldeia global para uma museologia sem fronteiras. (ICOM> México)fronteiras. (ICOM> México)
  • 17. A pesquisa científica originaA pesquisa científica origina coleções museológicascoleções museológicas  Mas, ainda são válidos os protocolos deMas, ainda são válidos os protocolos de organização museológica, entendidosorganização museológica, entendidos como os pilares da museologia.como os pilares da museologia.  O “nível 1” da teoria desenvolvida porO “nível 1” da teoria desenvolvida por Stránsky sobre o Museu da MoraviaStránsky sobre o Museu da Moravia destaca as atividades de pesquisadestaca as atividades de pesquisa científica na organização museológica.científica na organização museológica.
  • 18. A evolução histórica da museologiaA evolução histórica da museologia e da museografiae da museografia  embora ambas disciplinas no século XXI se contemplemembora ambas disciplinas no século XXI se contemplem com disciplinas autônomas, a lógica relação dialéticacom disciplinas autônomas, a lógica relação dialética entre as áreas básicas de estudos e práticasentre as áreas básicas de estudos e práticas sistematizadas, se retro alimentam de forma contínua,sistematizadas, se retro alimentam de forma contínua,  tanto é assim que a prática museográfica dos folktanto é assim que a prática museográfica dos folk museus, na recriação do ambiente global damuseus, na recriação do ambiente global da comunidade (vivendas, decoração, utensílioscomunidade (vivendas, decoração, utensílios domésticos e ferramental técnico, gastronomia,domésticos e ferramental técnico, gastronomia, vestimentas) recriam um estilo de vida, de época, devestimentas) recriam um estilo de vida, de época, de tradição, da estética, e ao mesmo tempo propiciaram umtradição, da estética, e ao mesmo tempo propiciaram um ingresso econômico para as comunidades rurais.ingresso econômico para as comunidades rurais.
  • 19. tipologiastipologias  Essa tendência museográfica (cenográfica e deEssa tendência museográfica (cenográfica e de ambientação) é uma clara contribuição para aambientação) é uma clara contribuição para a teoria museológica (ampliando seu campoteoria museológica (ampliando seu campo conceitual) e para a museologia (incorporandoconceitual) e para a museologia (incorporando novos critérios para a conservação, pornovos critérios para a conservação, por exemplo, com a manutenção de maquinário eexemplo, com a manutenção de maquinário e ferramentas através da sua utilização diária);ferramentas através da sua utilização diária); deu início a conceitos como o de museusdeu início a conceitos como o de museus comunitários e aprofundou critérios decomunitários e aprofundou critérios de planejamento em turismo rural.planejamento em turismo rural.
  • 20. O documentalista museológicoO documentalista museológico  A museografia diverge da museologiaA museografia diverge da museologia nesse momento metodológico danesse momento metodológico da delimitação do campo conceitual dedelimitação do campo conceitual de ambas disciplinas, a partir da práticaambas disciplinas, a partir da prática sistematizada a partir da metade dosistematizada a partir da metade do Século XIX, iniciado pela formação dosSéculo XIX, iniciado pela formação dos conservadores, dos documentalistas e doconservadores, dos documentalistas e do fenômeno cultural experimental dasfenômeno cultural experimental das exposições.exposições.
  • 21. A origem da nova museologiaA origem da nova museologia  Nesse sentido afirmamos que a museografia diverge daNesse sentido afirmamos que a museografia diverge da teoria museológica, uma vez que a noção de novateoria museológica, uma vez que a noção de nova museologia cunhada anos mais tarde e dos ecomuseus,museologia cunhada anos mais tarde e dos ecomuseus, especifica uma necessidade influenciada pelas artesespecifica uma necessidade influenciada pelas artes plásticas contemporânea, segundo a qual as grandesplásticas contemporânea, segundo a qual as grandes instalações não tinham espaço físico para suainstalações não tinham espaço físico para sua montagem no ambiente dos museus tradicionais (Renémontagem no ambiente dos museus tradicionais (René Rivard) e pelas experiências dos museus de identidadeRivard) e pelas experiências dos museus de identidade na Alemanha nacional socialista; depois nos folkna Alemanha nacional socialista; depois nos folk museums da Grã Bretanha e nos museus ao ar livremuseums da Grã Bretanha e nos museus ao ar livre (open air museums).(open air museums).
  • 22. Museografia e nova museologiaMuseografia e nova museologia  a museografia é a “parte visível” dos museus, comoa museografia é a “parte visível” dos museus, como afirmo no Manual de Museografia organizado durante oafirmo no Manual de Museografia organizado durante o mestrado em Museologia na ENCRyM, em 1982,mestrado em Museologia na ENCRyM, em 1982, reeditado no Brasil em 2012.reeditado no Brasil em 2012.  Porque tivemos que repensar museologia e museografiaPorque tivemos que repensar museologia e museografia no âmbito expandido das experiências originadas nano âmbito expandido das experiências originadas na França e renovadas no Canadá.França e renovadas no Canadá.
  • 23. A experiência pré-musealA experiência pré-museal  tais questões nos pareciam de difícil solução porque tratamos do conceitotais questões nos pareciam de difícil solução porque tratamos do conceito da experiência pré museal, que nos países com altos índices deda experiência pré museal, que nos países com altos índices de analfabetismo e baixa freqüência a museus, e estudos não contempladosanalfabetismo e baixa freqüência a museus, e estudos não contemplados nas escolas públicas, discutir a experiência significa agregar dadosnas escolas públicas, discutir a experiência significa agregar dados sociológicos dos níveis educacionais.sociológicos dos níveis educacionais.  O conceito de aplica ao fato de o museu contar com um nível de leitura eO conceito de aplica ao fato de o museu contar com um nível de leitura e conhecimento do visitante sobre as obras, isto é, um nível mínimo deconhecimento do visitante sobre as obras, isto é, um nível mínimo de cultura geral, que permite expor com níveis básicos de informação,cultura geral, que permite expor com níveis básicos de informação, complementada com catálogos e publicações. Tal fato leva ao hábito decomplementada com catálogos e publicações. Tal fato leva ao hábito de aquisição de publicações, ao poder aquisitivo, ao interesse específico...aquisição de publicações, ao poder aquisitivo, ao interesse específico...  Estas formas deram impulso às “lojas” de museus, que se tornam mais ouEstas formas deram impulso às “lojas” de museus, que se tornam mais ou menos sofisticadas, incluindo os mais variados itens para o consumo domenos sofisticadas, incluindo os mais variados itens para o consumo do público.público.
  • 24. Museu: sujeito e objetoMuseu: sujeito e objeto  A solução, neste caso, é mais bem própria de cadaA solução, neste caso, é mais bem própria de cada museu, que desenvolve um código de interpretaçãomuseu, que desenvolve um código de interpretação particular, introduzindo na dinâmica sujeito- objeto umparticular, introduzindo na dinâmica sujeito- objeto um novo elemento que permita estabelecer a sintonianovo elemento que permita estabelecer a sintonia adequada entre ambas.adequada entre ambas.  A projeção ou finalidade didática é exercida pelo museuA projeção ou finalidade didática é exercida pelo museu em dois níveis: o puramente educativo, como gerador deem dois níveis: o puramente educativo, como gerador de cultivo da sensibilidade e das faculdades intelectuais docultivo da sensibilidade e das faculdades intelectuais do público, e, num plano superior, como propulsor dopúblico, e, num plano superior, como propulsor do desenvolvimento do pensamento humano, convidando àdesenvolvimento do pensamento humano, convidando à reflexão científica por intermédio da comparação entrereflexão científica por intermédio da comparação entre os diversos mundos – artísticos, históricos, técnicos –os diversos mundos – artísticos, históricos, técnicos – que apresenta.que apresenta.
  • 25. Memória é HistóriaMemória é História  uma contribuição inestimável foi a publicação do “Cuadernos deuma contribuição inestimável foi a publicação do “Cuadernos de Museologia” em 1989 organizada por Luis Repetto (Puc-Perú)Museologia” em 1989 organizada por Luis Repetto (Puc-Perú) Diretor do Museu da Arte Popular do Instituto Riva-Aguero.Diretor do Museu da Arte Popular do Instituto Riva-Aguero.  Bock, Teresa C. de A.(1982) El proceso museológico. México:Bock, Teresa C. de A.(1982) El proceso museológico. México: Churubusco. 1º. Seminário de Museologia (DEMA) 1985. InstitutoChurubusco. 1º. Seminário de Museologia (DEMA) 1985. Instituto de Museologia de São Paulo, IMSP (dezembro1991) TRADUÇÃO Ede Museologia de São Paulo, IMSP (dezembro1991) TRADUÇÃO E REEDIÇÃO – Brasil. 2012.REEDIÇÃO – Brasil. 2012.  ISBN 978-85914169-0-5ISBN 978-85914169-0-5 .