SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola: Eb2,3 Do Cavado
Professor: Rui Pereira
Disciplina: Educação Visual
Trabalho elaborado por: Mariana
Ribeiro Monteiro nº21 8ºA
Arco
Romano
Resolução:
Traça-se uma linha horizontal onde se marca o vão AB. Traça-se a
mediatriz que vai determinar o ponto O ou seja o centro do arco.
Fazendo centro no ponto O traça-se o arco a partir dos pontos de
nascença A e B.*
*Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
Arco
Árabe
Resolução:
O seu traçado geométrico é semelhante ao do arco romano, sendo o
seu centro (O) subido em relação aos pontos de nascença A e B.*
*Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
Arco ogiva
encurtada
Resolução:
Sendo dados o vão ou abertura AB e a flecha ou altura ZV une-se o
vértice V com os pontos A e B. Determinam-se as mediatrizes dos
segmentos AV e BV que vão intersectar a linha de nascença (ou vão)
do arco C1 e C2 sendo estes pontos os centros, respetivamente, dos
dois arcos VB e AV que constituem a ogiva encurtada. *
*Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
Arco ogiva
alongada
Resolução:
Emprega-se o mesmo processo da ogiva encurtada. Note-se que, na
ogiva encurtada, os centros dos arcos situam-se dentro da abertura
AB e, na ogiva alongada, situam-se fora da abertura, ou seja, no
prolongamento do segmento AB. *
*Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
Arco
ogiva
perfeita
Resolução:
Sendo dado o vão ou a abertura AB, e fazendo centro em A e em B,
traçam-se dois arcos de circunferência de raio igual a AB
intersectando-se no ponto V (vértice) obtendo-se assim uma ogiva
perfeita.
Se unirmos os pontos A, V e B, obtemos um triângulo equilátero.
Daí o facto deste arco ser também conhecido por ogiva equilátera.*
*Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
Arco
contracurvado
sendo dado o
vão
Resolução:
Traça-se uma circunferência de diâmetro igual ao vão (ou abertura)
AB com o centro em C1. Com raio igual a metade da abertura AB, e
fazendo centro em A e em B, traçam-se dois arcos de circunferência
que determinam os pontos E e F. Fazendo centro nesses pontos E e
F, e com o mesmo raio anterior, traçam-se arcos de circunferência
que se cruzam em V. Com centro neste ponto V, e sempre com o
mesmo raio, traçam-se dois arcos de circunferência que intersectam
os anteriores nos pontos C2 e C1. Os pontos C1 C2 e C3 são os
centros dos três arcos que formam o arco contracurvado. *
*Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
Arco
contracurvado
sendo dado o
vão e a flecha
Resolução:
Traçado o vão AB determina-se a mediatriz desta abertura, onde a
partir do ponto de cruzamento Z, se marca a flecha dada ZV. Une-se
o ponto V aos pontos A e B, ou seja, aos pintos de nascença de arco.
Traça-se a mediatriz do segmento do segmento AV que determina o
ponto T1. Traça-se a mediatriz do segmento AT1 que, intersectando o
segmento AB (vão), determina o ponto C1. Unindo este ponto C1 ao
ponto T1, e prolongando deste segmento, vai-se intersectar uma
paralela ao vão que, passando pelo vértice, determina o ponto C2.
Os pontos C1 e C2 são os centros dos arcos de circunferência que
concordam no ponto T1 e constituem o lado esquerdo do arco
contracurvado. Para o lado direito procede-se de igual modo.*
*Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
Arco
Abatido
Resolução:
Traçado o vão AB determina-se a mediatriz desta abertura, onde, a
partir do ponto de cruzamento, se marca a flecha dada DE. Une-se o
ponto E aos Pontos A e B, ou seja, aos pontos de nascença do arco.
Fazendo centro em D e com raio DA (metade do vão) traça-se uma
circunferência. Fazendo centro em E descreve-se uma
circunferência de raio igual a EF que vai intersectar os segmentos
AE e BE determinando os pontos G e H. Traçam-se as mediatrizes
dos segmentos AG e BH que se intersectam em C1 e determinam, no
vão, os pontos C2 e C3. Os pontos C1, C2, C3 são os centros dos três
arcos que formam o arco abatido. Fazendo centro em C1, com
abertura do compasso até ao ponto E, descreve-se o segundo e o
terceiro arcos que são concordantes com o primeiro nos pontos T1 e
T2, formando assim o arco abatido. *
*Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
Arco
Aviajado
Resolução:
Traçam-se as horizontais que passam pelos pontos e nascença A e
A1. Fazendo centro no ponto M, e com abertura do compasso até A1,
traça-se um arco que vai determinar o ponto B. A mediatriz que
passa entre o ponto A e o ponto B determina os centros dos dois
arcos, isto é, o ponto O e o ponto O1, que vão permitir o traçado do
arco aviajado ou esconso. *
* Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arcos a geometria_e_o_meio_envolvente
Arcos a geometria_e_o_meio_envolventeArcos a geometria_e_o_meio_envolvente
Arcos a geometria_e_o_meio_envolvente
fragoso7
 
Ficha nº 8 óvulo e oval
Ficha nº 8 óvulo e ovalFicha nº 8 óvulo e oval
Ficha nº 8 óvulo e oval
ruiseixas
 
Ficha de trabalho construção de espirais
Ficha de trabalho   construção de espiraisFicha de trabalho   construção de espirais
Ficha de trabalho construção de espirais
ruiseixas
 
Ficha de trabalho óvulo e oval - 2
Ficha de trabalho   óvulo e oval - 2Ficha de trabalho   óvulo e oval - 2
Ficha de trabalho óvulo e oval - 2
ruiseixas
 
Perspectiva
PerspectivaPerspectiva
Perspectiva
Fernanda Bastos
 
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICADESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
ordenaelbass
 
PONTO DE FUGA E PERSPECTIVA
PONTO DE FUGA E PERSPECTIVAPONTO DE FUGA E PERSPECTIVA
PONTO DE FUGA E PERSPECTIVA
Rosi Marchi
 
Ficha de trabalho método europeu
Ficha de trabalho   método europeuFicha de trabalho   método europeu
Ficha de trabalho método europeu
ruiseixas
 
REBATIMENTO DE PLANO DE PERFIL
REBATIMENTO DE PLANO DE PERFILREBATIMENTO DE PLANO DE PERFIL
REBATIMENTO DE PLANO DE PERFIL
Jose H. Oliveira
 
Apostila desenho 02
Apostila desenho 02Apostila desenho 02
Apostila desenho 02
Luana Simone
 
Secções de cones
Secções de conesSecções de cones
Secções de cones
guestbc7bfd
 
Forma e Estrutura
Forma e EstruturaForma e Estrutura
Forma e Estrutura
Artes Real
 
Escala - Técnica da quadrícula
Escala - Técnica da quadrícula Escala - Técnica da quadrícula
Escala - Técnica da quadrícula
Artes Real
 
Espirais - Espiral Tricêntrica
Espirais - Espiral TricêntricaEspirais - Espiral Tricêntrica
Espirais - Espiral Tricêntrica
Artes Real
 
Aula de desenho 2 vistas
Aula de desenho 2   vistasAula de desenho 2   vistas
Aula de desenho 2 vistas
Roberto Villardo
 
Perspectiva Isométrica
Perspectiva IsométricaPerspectiva Isométrica
Perspectiva Isométrica
tainatnf
 
Ficha nº 26 figura fundo
Ficha nº 26 figura fundoFicha nº 26 figura fundo
Ficha nº 26 figura fundo
ruiseixas
 
Teste diagnóstico
Teste diagnósticoTeste diagnóstico
Teste diagnóstico
Vera Pereira
 
Projecção
ProjecçãoProjecção
Projecção
Brigida Ribeiro
 
power point - introdução a perspectiva
power point - introdução a perspectiva power point - introdução a perspectiva
power point - introdução a perspectiva
Ronaldo Otero
 

Mais procurados (20)

Arcos a geometria_e_o_meio_envolvente
Arcos a geometria_e_o_meio_envolventeArcos a geometria_e_o_meio_envolvente
Arcos a geometria_e_o_meio_envolvente
 
Ficha nº 8 óvulo e oval
Ficha nº 8 óvulo e ovalFicha nº 8 óvulo e oval
Ficha nº 8 óvulo e oval
 
Ficha de trabalho construção de espirais
Ficha de trabalho   construção de espiraisFicha de trabalho   construção de espirais
Ficha de trabalho construção de espirais
 
Ficha de trabalho óvulo e oval - 2
Ficha de trabalho   óvulo e oval - 2Ficha de trabalho   óvulo e oval - 2
Ficha de trabalho óvulo e oval - 2
 
Perspectiva
PerspectivaPerspectiva
Perspectiva
 
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICADESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
DESENHO TECNICO PERSPECTIVA ISOMETRICA
 
PONTO DE FUGA E PERSPECTIVA
PONTO DE FUGA E PERSPECTIVAPONTO DE FUGA E PERSPECTIVA
PONTO DE FUGA E PERSPECTIVA
 
Ficha de trabalho método europeu
Ficha de trabalho   método europeuFicha de trabalho   método europeu
Ficha de trabalho método europeu
 
REBATIMENTO DE PLANO DE PERFIL
REBATIMENTO DE PLANO DE PERFILREBATIMENTO DE PLANO DE PERFIL
REBATIMENTO DE PLANO DE PERFIL
 
Apostila desenho 02
Apostila desenho 02Apostila desenho 02
Apostila desenho 02
 
Secções de cones
Secções de conesSecções de cones
Secções de cones
 
Forma e Estrutura
Forma e EstruturaForma e Estrutura
Forma e Estrutura
 
Escala - Técnica da quadrícula
Escala - Técnica da quadrícula Escala - Técnica da quadrícula
Escala - Técnica da quadrícula
 
Espirais - Espiral Tricêntrica
Espirais - Espiral TricêntricaEspirais - Espiral Tricêntrica
Espirais - Espiral Tricêntrica
 
Aula de desenho 2 vistas
Aula de desenho 2   vistasAula de desenho 2   vistas
Aula de desenho 2 vistas
 
Perspectiva Isométrica
Perspectiva IsométricaPerspectiva Isométrica
Perspectiva Isométrica
 
Ficha nº 26 figura fundo
Ficha nº 26 figura fundoFicha nº 26 figura fundo
Ficha nº 26 figura fundo
 
Teste diagnóstico
Teste diagnósticoTeste diagnóstico
Teste diagnóstico
 
Projecção
ProjecçãoProjecção
Projecção
 
power point - introdução a perspectiva
power point - introdução a perspectiva power point - introdução a perspectiva
power point - introdução a perspectiva
 

Semelhante a Arcos

Mat arcos exercicios resolvidos
Mat arcos exercicios resolvidosMat arcos exercicios resolvidos
Mat arcos exercicios resolvidos
trigono_metrico
 
Ef constucoes geometricas
Ef constucoes geometricasEf constucoes geometricas
Ef constucoes geometricas
Uclatandariel Uclatandariel
 
Noções de geometria plana construção de figuras planas
Noções de geometria plana construção de figuras planasNoções de geometria plana construção de figuras planas
Noções de geometria plana construção de figuras planas
sabinachourico
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
tendasilva
 
CFC COLIBRI Introdução à geometria euclidiana
CFC COLIBRI Introdução à geometria euclidianaCFC COLIBRI Introdução à geometria euclidiana
CFC COLIBRI Introdução à geometria euclidiana
Renan Curty
 
Exercicios resolvidos poligonos
Exercicios resolvidos   poligonosExercicios resolvidos   poligonos
Exercicios resolvidos poligonos
con_seguir
 
Mat poligonos resolvidos
Mat poligonos resolvidosMat poligonos resolvidos
Mat poligonos resolvidos
trigono_metrico
 
11 ficha%20espirais-12
11 ficha%20espirais-1211 ficha%20espirais-12
11 ficha%20espirais-12
José Amoroso
 
AULA ELETIVA _Triangulos - construcoes geometricas.pdf
AULA ELETIVA _Triangulos - construcoes geometricas.pdfAULA ELETIVA _Triangulos - construcoes geometricas.pdf
AULA ELETIVA _Triangulos - construcoes geometricas.pdf
maria clemilda silva silva
 
Construção do octógono
Construção do octógonoConstrução do octógono
Construção do octógono
Ana Paula Jesus
 
Mat conicas exercicios resolvidos
Mat conicas exercicios resolvidosMat conicas exercicios resolvidos
Mat conicas exercicios resolvidos
trigono_metrico
 
Yslan
YslanYslan
Cdiv8
Cdiv8Cdiv8
Cdiv8
Cdiv8Cdiv8
Cdiv8
Cdiv8Cdiv8
Caldeiraria - Traçado Quadrado para Redondo
Caldeiraria - Traçado Quadrado para RedondoCaldeiraria - Traçado Quadrado para Redondo
Caldeiraria - Traçado Quadrado para Redondo
Kleyton Renato
 
Ft25 circunferc3aancias-c3a2ngulos-ao-centro-e-inscritos
Ft25 circunferc3aancias-c3a2ngulos-ao-centro-e-inscritosFt25 circunferc3aancias-c3a2ngulos-ao-centro-e-inscritos
Ft25 circunferc3aancias-c3a2ngulos-ao-centro-e-inscritos
Lúcio Aguiar
 
Os elementos de Euclides
Os elementos de EuclidesOs elementos de Euclides
Os elementos de Euclides
Jussara Magalhães
 
Geometria de euclides
Geometria de euclidesGeometria de euclides
Geometria de euclides
Gilciney Jardim
 
Semelhança de triângulos
Semelhança de triângulosSemelhança de triângulos
Semelhança de triângulos
giselelamas
 

Semelhante a Arcos (20)

Mat arcos exercicios resolvidos
Mat arcos exercicios resolvidosMat arcos exercicios resolvidos
Mat arcos exercicios resolvidos
 
Ef constucoes geometricas
Ef constucoes geometricasEf constucoes geometricas
Ef constucoes geometricas
 
Noções de geometria plana construção de figuras planas
Noções de geometria plana construção de figuras planasNoções de geometria plana construção de figuras planas
Noções de geometria plana construção de figuras planas
 
Triângulos
TriângulosTriângulos
Triângulos
 
CFC COLIBRI Introdução à geometria euclidiana
CFC COLIBRI Introdução à geometria euclidianaCFC COLIBRI Introdução à geometria euclidiana
CFC COLIBRI Introdução à geometria euclidiana
 
Exercicios resolvidos poligonos
Exercicios resolvidos   poligonosExercicios resolvidos   poligonos
Exercicios resolvidos poligonos
 
Mat poligonos resolvidos
Mat poligonos resolvidosMat poligonos resolvidos
Mat poligonos resolvidos
 
11 ficha%20espirais-12
11 ficha%20espirais-1211 ficha%20espirais-12
11 ficha%20espirais-12
 
AULA ELETIVA _Triangulos - construcoes geometricas.pdf
AULA ELETIVA _Triangulos - construcoes geometricas.pdfAULA ELETIVA _Triangulos - construcoes geometricas.pdf
AULA ELETIVA _Triangulos - construcoes geometricas.pdf
 
Construção do octógono
Construção do octógonoConstrução do octógono
Construção do octógono
 
Mat conicas exercicios resolvidos
Mat conicas exercicios resolvidosMat conicas exercicios resolvidos
Mat conicas exercicios resolvidos
 
Yslan
YslanYslan
Yslan
 
Cdiv8
Cdiv8Cdiv8
Cdiv8
 
Cdiv8
Cdiv8Cdiv8
Cdiv8
 
Cdiv8
Cdiv8Cdiv8
Cdiv8
 
Caldeiraria - Traçado Quadrado para Redondo
Caldeiraria - Traçado Quadrado para RedondoCaldeiraria - Traçado Quadrado para Redondo
Caldeiraria - Traçado Quadrado para Redondo
 
Ft25 circunferc3aancias-c3a2ngulos-ao-centro-e-inscritos
Ft25 circunferc3aancias-c3a2ngulos-ao-centro-e-inscritosFt25 circunferc3aancias-c3a2ngulos-ao-centro-e-inscritos
Ft25 circunferc3aancias-c3a2ngulos-ao-centro-e-inscritos
 
Os elementos de Euclides
Os elementos de EuclidesOs elementos de Euclides
Os elementos de Euclides
 
Geometria de euclides
Geometria de euclidesGeometria de euclides
Geometria de euclides
 
Semelhança de triângulos
Semelhança de triângulosSemelhança de triângulos
Semelhança de triângulos
 

Mais de Mariana Monteiro

Português 11º gramática
Português 11º gramáticaPortuguês 11º gramática
Português 11º gramática
Mariana Monteiro
 
A paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religiosoA paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religioso
Mariana Monteiro
 
Relatório de leitura - a lua de joana
Relatório de leitura - a lua de joanaRelatório de leitura - a lua de joana
Relatório de leitura - a lua de joana
Mariana Monteiro
 
English 10º
English 10ºEnglish 10º
English 10º
Mariana Monteiro
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Mariana Monteiro
 
Obra impossível
Obra impossívelObra impossível
Obra impossível
Mariana Monteiro
 
Pequena maldosa
Pequena maldosaPequena maldosa
Pequena maldosa
Mariana Monteiro
 
Vencedor do mar
Vencedor do marVencedor do mar
Vencedor do mar
Mariana Monteiro
 
Alma cega e apaixonada
Alma cega e apaixonadaAlma cega e apaixonada
Alma cega e apaixonada
Mariana Monteiro
 
Português – 9ºano gramática
Português – 9ºano   gramáticaPortuguês – 9ºano   gramática
Português – 9ºano gramática
Mariana Monteiro
 
9ºano gramática – português
9ºano gramática – português9ºano gramática – português
9ºano gramática – português
Mariana Monteiro
 
In(diferença) social
In(diferença) socialIn(diferença) social
In(diferença) social
Mariana Monteiro
 
O dia em que um sorriso mudou-me o dia
O dia em que um sorriso mudou-me o diaO dia em que um sorriso mudou-me o dia
O dia em que um sorriso mudou-me o dia
Mariana Monteiro
 
Carta de um soldado da 1ºguerra mundial
Carta de um soldado da 1ºguerra mundialCarta de um soldado da 1ºguerra mundial
Carta de um soldado da 1ºguerra mundial
Mariana Monteiro
 
áGua
áGuaáGua
A vida quotidiana na 2º metade do sec xix
A vida quotidiana na 2º metade do sec xixA vida quotidiana na 2º metade do sec xix
A vida quotidiana na 2º metade do sec xix
Mariana Monteiro
 
Arco da cerca do mosteiro de s. martinho de m ire de tibães
Arco da cerca do mosteiro de s. martinho de m ire de tibãesArco da cerca do mosteiro de s. martinho de m ire de tibães
Arco da cerca do mosteiro de s. martinho de m ire de tibães
Mariana Monteiro
 
Sms envenenado
Sms envenenadoSms envenenado
Sms envenenado
Mariana Monteiro
 
Carta do cavaleiro da dinamarca
Carta do cavaleiro da dinamarcaCarta do cavaleiro da dinamarca
Carta do cavaleiro da dinamarca
Mariana Monteiro
 
2 da minha janela...
2 da minha janela...2 da minha janela...
2 da minha janela...
Mariana Monteiro
 

Mais de Mariana Monteiro (20)

Português 11º gramática
Português 11º gramáticaPortuguês 11º gramática
Português 11º gramática
 
A paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religiosoA paz mundial e o diálogo inter religioso
A paz mundial e o diálogo inter religioso
 
Relatório de leitura - a lua de joana
Relatório de leitura - a lua de joanaRelatório de leitura - a lua de joana
Relatório de leitura - a lua de joana
 
English 10º
English 10ºEnglish 10º
English 10º
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
 
Obra impossível
Obra impossívelObra impossível
Obra impossível
 
Pequena maldosa
Pequena maldosaPequena maldosa
Pequena maldosa
 
Vencedor do mar
Vencedor do marVencedor do mar
Vencedor do mar
 
Alma cega e apaixonada
Alma cega e apaixonadaAlma cega e apaixonada
Alma cega e apaixonada
 
Português – 9ºano gramática
Português – 9ºano   gramáticaPortuguês – 9ºano   gramática
Português – 9ºano gramática
 
9ºano gramática – português
9ºano gramática – português9ºano gramática – português
9ºano gramática – português
 
In(diferença) social
In(diferença) socialIn(diferença) social
In(diferença) social
 
O dia em que um sorriso mudou-me o dia
O dia em que um sorriso mudou-me o diaO dia em que um sorriso mudou-me o dia
O dia em que um sorriso mudou-me o dia
 
Carta de um soldado da 1ºguerra mundial
Carta de um soldado da 1ºguerra mundialCarta de um soldado da 1ºguerra mundial
Carta de um soldado da 1ºguerra mundial
 
áGua
áGuaáGua
áGua
 
A vida quotidiana na 2º metade do sec xix
A vida quotidiana na 2º metade do sec xixA vida quotidiana na 2º metade do sec xix
A vida quotidiana na 2º metade do sec xix
 
Arco da cerca do mosteiro de s. martinho de m ire de tibães
Arco da cerca do mosteiro de s. martinho de m ire de tibãesArco da cerca do mosteiro de s. martinho de m ire de tibães
Arco da cerca do mosteiro de s. martinho de m ire de tibães
 
Sms envenenado
Sms envenenadoSms envenenado
Sms envenenado
 
Carta do cavaleiro da dinamarca
Carta do cavaleiro da dinamarcaCarta do cavaleiro da dinamarca
Carta do cavaleiro da dinamarca
 
2 da minha janela...
2 da minha janela...2 da minha janela...
2 da minha janela...
 

Arcos

  • 1. Escola: Eb2,3 Do Cavado Professor: Rui Pereira Disciplina: Educação Visual Trabalho elaborado por: Mariana Ribeiro Monteiro nº21 8ºA
  • 2. Arco Romano Resolução: Traça-se uma linha horizontal onde se marca o vão AB. Traça-se a mediatriz que vai determinar o ponto O ou seja o centro do arco. Fazendo centro no ponto O traça-se o arco a partir dos pontos de nascença A e B.* *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • 3. Arco Árabe Resolução: O seu traçado geométrico é semelhante ao do arco romano, sendo o seu centro (O) subido em relação aos pontos de nascença A e B.* *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • 4. Arco ogiva encurtada Resolução: Sendo dados o vão ou abertura AB e a flecha ou altura ZV une-se o vértice V com os pontos A e B. Determinam-se as mediatrizes dos segmentos AV e BV que vão intersectar a linha de nascença (ou vão) do arco C1 e C2 sendo estes pontos os centros, respetivamente, dos dois arcos VB e AV que constituem a ogiva encurtada. * *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • 5. Arco ogiva alongada Resolução: Emprega-se o mesmo processo da ogiva encurtada. Note-se que, na ogiva encurtada, os centros dos arcos situam-se dentro da abertura AB e, na ogiva alongada, situam-se fora da abertura, ou seja, no prolongamento do segmento AB. * *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • 6. Arco ogiva perfeita Resolução: Sendo dado o vão ou a abertura AB, e fazendo centro em A e em B, traçam-se dois arcos de circunferência de raio igual a AB intersectando-se no ponto V (vértice) obtendo-se assim uma ogiva perfeita. Se unirmos os pontos A, V e B, obtemos um triângulo equilátero. Daí o facto deste arco ser também conhecido por ogiva equilátera.* *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • 7. Arco contracurvado sendo dado o vão Resolução: Traça-se uma circunferência de diâmetro igual ao vão (ou abertura) AB com o centro em C1. Com raio igual a metade da abertura AB, e fazendo centro em A e em B, traçam-se dois arcos de circunferência que determinam os pontos E e F. Fazendo centro nesses pontos E e F, e com o mesmo raio anterior, traçam-se arcos de circunferência que se cruzam em V. Com centro neste ponto V, e sempre com o mesmo raio, traçam-se dois arcos de circunferência que intersectam os anteriores nos pontos C2 e C1. Os pontos C1 C2 e C3 são os centros dos três arcos que formam o arco contracurvado. * *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • 8. Arco contracurvado sendo dado o vão e a flecha Resolução: Traçado o vão AB determina-se a mediatriz desta abertura, onde a partir do ponto de cruzamento Z, se marca a flecha dada ZV. Une-se o ponto V aos pontos A e B, ou seja, aos pintos de nascença de arco. Traça-se a mediatriz do segmento do segmento AV que determina o ponto T1. Traça-se a mediatriz do segmento AT1 que, intersectando o segmento AB (vão), determina o ponto C1. Unindo este ponto C1 ao ponto T1, e prolongando deste segmento, vai-se intersectar uma paralela ao vão que, passando pelo vértice, determina o ponto C2. Os pontos C1 e C2 são os centros dos arcos de circunferência que concordam no ponto T1 e constituem o lado esquerdo do arco contracurvado. Para o lado direito procede-se de igual modo.* *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • 9. Arco Abatido Resolução: Traçado o vão AB determina-se a mediatriz desta abertura, onde, a partir do ponto de cruzamento, se marca a flecha dada DE. Une-se o ponto E aos Pontos A e B, ou seja, aos pontos de nascença do arco. Fazendo centro em D e com raio DA (metade do vão) traça-se uma circunferência. Fazendo centro em E descreve-se uma circunferência de raio igual a EF que vai intersectar os segmentos AE e BE determinando os pontos G e H. Traçam-se as mediatrizes dos segmentos AG e BH que se intersectam em C1 e determinam, no vão, os pontos C2 e C3. Os pontos C1, C2, C3 são os centros dos três arcos que formam o arco abatido. Fazendo centro em C1, com abertura do compasso até ao ponto E, descreve-se o segundo e o terceiro arcos que são concordantes com o primeiro nos pontos T1 e T2, formando assim o arco abatido. * *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • 10. Arco Aviajado Resolução: Traçam-se as horizontais que passam pelos pontos e nascença A e A1. Fazendo centro no ponto M, e com abertura do compasso até A1, traça-se um arco que vai determinar o ponto B. A mediatriz que passa entre o ponto A e o ponto B determina os centros dos dois arcos, isto é, o ponto O e o ponto O1, que vão permitir o traçado do arco aviajado ou esconso. * * Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.