SlideShare uma empresa Scribd logo
CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS DEPARTAMENTO TÉCNICO
INTRODUÇÃO ± 5.4 milhões ha  de Floresta Plantada no BR  (60% Eucalipto, 36% Pinus e 4% outros) PIB: US$ 28 bilhões (4% PIB Nacional) Empregos Gerados: 6 milhões 2005: mais de 500 mil ha plantados Uso: Carvão, Lenha, Madeira, Celulose, Papel ...
  2.Importância Econômica Principal praga dos reflorestamentos brasileiros; 75% dos custos e do tempo gasto no controle de pragas;  US$ 70 milhões/ano 30% dos gastos com a floresta até o 3º ciclo; 7,41% do preço da madeira em pé.
3. Espécies de Maior Ocorrência em Florestas Plantadas Saúvas Atta  sexdens  rubropilosa  (Saúva-limão) Atta laevigata  (Saúva cabeça-de-vidro) Quenquéns Acromyrmex crassispinus Acromyrmex niger Acromyrmex subterraneus Acromyrmex coronatus
IDENTIFICAÇÃO DE SAÚVAS E QUENQUÉNS Atta Acromyrmex Operárias apresentam três pares de espinhos no tórax Operárias apresentam quatro ou cinco pares de espinhos no tórax Tamanho geralmente maior (12 a 15mm) Tamanho menor que o das saúvas (8 a 10mm) Ninho constituído de um monte de terra solta Ninho geralmente não apresenta monte de terra solta
Atta Acromyrmex Panelas de profundidade de até 8 metros Panelas pouco profundas: de 1 a 2 metros Colônias maiores e bem visíveis com várias panelas Colônias menores, difícil visualização, com poucas panelas 10 espécies  20 espécies
SAÚVAS QUENQUÉNS
 
 
 
 
BIOLOGIA - Revoada ou Vôo Nupcial - Escavação do novo formigueiro - Instalação do novo formigueiro Deposição do fungo (cavidade infrabucal) Ovoposição - Fixação do novo formigueiro   1.Fundação da Colônia
 
  2.Organização Social
 
  3.Ciclo de Vida Períodos do ciclo  Tempo de duração (dias) Período de incubação dos ovos   25 Período larval   22 Período pupal  10 Longevidade máxima do adulto (cortadeira) 120 Longevidade máxima do adulto (soldado) 390
 
 
  4. Densidade e Distribuição de Colônias Atta ssp. Acromyrmex ssp. 0,5 a 5 colônias/ha 0,3 a 2,4 colônias/ha Em plantio de  Eucalyptus  já se observou 200 colônias/ha
  5. Alimentação Servem de substrato para o cultivo do fungo, do qual se alimentam. Não se alimentam das folhas que transportam para a colônia.
6. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS FORMIGAS CORTADEIRAS NO CONTINENTE AMERICANO Latitude 44ºN Latitude 33ºS
DANOS CAUSADOS Danos causados por Quenquéns em Eucalipto
Danos causados por Saúvas em broto de Eucalipto
Danos causados por Saúvas em mudas de Eucalipto
Danos causados por Saúvas em Pinus
MÉTODOS DE CONTROLE   1. Biológico Insetos (moscas, besouros e percevejos) Ácaros Aves e Mamíferos (sabiá, pardais, tatu e tamanduá) Fungos Patogênicos Outros (aranha, escorpiões, e outros)
  2. Mecânico Aração Gradagem Barreiras Físicas   3. Culturas Armadilhas Gergelim Mamona   4. Resistência de Plantas
  5. Químico
Termonebulizador
Isca Granulada ATTA MEX-S
ATTA MEX-S 1. Composição Polpa Cítrica Sulfluramida (ingrediente ativo, 3g/Kg) Óleo de Soja Aglutinantes
2. Características da Sulfluramida Age por Ingestão (forma lenta) – 50-70% das operárias em 24 horas. Sem odor, não é repelente e está em baixa concentração no ATTA MEX-S. Rompe o fluxo normal dos  prótons nas mitocôndrias Evita formação do ATP Perda da Reserva Energética Morte da formiga
3. Funcionamento do ATTA MEX-S Transporte do  ATTA MEX-S  para o formigueiro Depositam nos Jardins  de Fungos Jardineiras lambem  ATTA MEX-S (Início da ingestão pelas operárias) Retiram pequenos pedaços  de  ATTA MEX-S  Início da transmissão 6 horas após a oferta, ocorrendo até 18 horas (50-70% das operárias contaminadas por trofalaxia)
Depois de 3 - 4 dias deixam de cortar. Alta mortalidade das operárias, jardineiras e generalistas (Operárias com pouca mobilidade, deixam de cortar as folhas) Após alguns dias desorganização da produção do Fungo Rainha morre por inanição em 40 dias aprox.
 
3. Métodos de Aplicação do ATTA MEX-S A- Localizada
 
Modelo Bombata
Modelo Exata
Modelo Cilindro PVC
Aplicação Mecanizada
5. Utilização dos EPIs São ferramentas de trabalho que visam proteger a saúde do trabalhador rural, que utiliza os Produtos Fitossanitários, reduzindo os riscos de intoxicações decorrentes da exposição.
 
 
6. Armazenamento do ATTA MEX-S Garantia de Segurança, Qualidade e Eficiência
 
7. Devolução das Embalagens Até 1 ano da data da compra Após 1 ano (dentro do prazo de validade), é  facultativo a devolução por 6 meses após o  término da validade. Devolvida no local de compra ou local indicado na nota fiscal Não transportar com alimentos, animais,  medicamentos, etc.
gradecemos  sua  atenção  e  a  oportunidade  que tivemos de apresentar nossos produtos e serviços. Temos uma equipe treinada aguardando seu contato para dar solução aos seus problemas. Atenciosamente, A Tel.: (16) 3628-1010 - Fax: (16) 3628-1123 DDG: 0800 18 3000 www.unibras.com.br e-mail: atendimento@unibras.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Geagra UFG
 
Irrigação e drenagem
Irrigação e drenagemIrrigação e drenagem
Irrigação e drenagem
Valdiney Cambuy Siqueira
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de Irrigação
Manejo de IrrigaçãoManejo de Irrigação
Manejo de Irrigação
Sebastião Nascimento
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
Az. O.
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentaisAspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aiara Lacerda
 
Introdução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisãoIntrodução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisão
Lucas Amaral
 
Sistema reprodutor
Sistema reprodutorSistema reprodutor
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
Leandro A. Machado de Moura
 
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoIntrodução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
Ambiência em edificações rurais
Ambiência em edificações ruraisAmbiência em edificações rurais
Ambiência em edificações rurais
Josimar Oliveira
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Geagra UFG
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
Geagra UFG
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
Bruno Rodrigues
 
Colheita mecanizada
Colheita mecanizadaColheita mecanizada
Colheita mecanizada
Américo Ferraz
 

Mais procurados (20)

Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
Irrigação e drenagem
Irrigação e drenagemIrrigação e drenagem
Irrigação e drenagem
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Manejo de Irrigação
Manejo de IrrigaçãoManejo de Irrigação
Manejo de Irrigação
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Normas de Produção de Sementes
Normas de Produção de SementesNormas de Produção de Sementes
Normas de Produção de Sementes
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentaisAspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
Aspectos ambientais do agronegócio flores e plantas ornamentais
 
Introdução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisãoIntrodução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisão
 
Sistema reprodutor
Sistema reprodutorSistema reprodutor
Sistema reprodutor
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milhoIntrodução à cultura e aspectos econômicos do milho
Introdução à cultura e aspectos econômicos do milho
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
Ambiência em edificações rurais
Ambiência em edificações ruraisAmbiência em edificações rurais
Ambiência em edificações rurais
 
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTIO DO ALGODOEIRO
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Nutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milhoNutrição mineral e adubação do milho
Nutrição mineral e adubação do milho
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
 
Colheita mecanizada
Colheita mecanizadaColheita mecanizada
Colheita mecanizada
 

Destaque

Manual formigas
Manual formigasManual formigas
Manual formigas
Erik Alexandre Wippich
 
Dia do Voluntariado - Nábila Inglês
Dia do Voluntariado - Nábila InglêsDia do Voluntariado - Nábila Inglês
Dia do Voluntariado - Nábila Inglês
voluntariado12d
 
Pragas Urbanas: cupins
Pragas Urbanas: cupinsPragas Urbanas: cupins
Pragas Urbanas: cupins
Agricultura Sao Paulo
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
Desireé Alvarez
 
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
mbarroso1
 
Estoque de Carbono em Florestas Plantadas
Estoque de Carbono em Florestas PlantadasEstoque de Carbono em Florestas Plantadas
Estoque de Carbono em Florestas Plantadas
Paola Brutti
 
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Exagro
 
Consórcio Melancia x Eucalipto
Consórcio Melancia x Eucalipto Consórcio Melancia x Eucalipto
Consórcio Melancia x Eucalipto
thaglis
 
Flyer Index Florestal - Português
Flyer Index Florestal - PortuguêsFlyer Index Florestal - Português
Flyer Index Florestal - Português
Guilherme Horiuchi
 
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeiraCadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Geise De Goes Canalez
 
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Idesam
 
Adubação eucalip
Adubação eucalipAdubação eucalip
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Instituto Besc
 
Certificação Florestal Responsável
Certificação Florestal ResponsávelCertificação Florestal Responsável
Certificação Florestal Responsável
AmBioDiv - Valor Natural
 
Pn ApresentaçãO Rev 1
Pn ApresentaçãO Rev 1Pn ApresentaçãO Rev 1
Pn ApresentaçãO Rev 1
guest312a108
 
Apresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologiaApresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologia
Diego Cardoso
 
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Mudas Nobres
 
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadasUtilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Julyane Sued Castro de Alencar
 
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEMFUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
Moacir Medrado
 
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades ruraisPlantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Franciele_
 

Destaque (20)

Manual formigas
Manual formigasManual formigas
Manual formigas
 
Dia do Voluntariado - Nábila Inglês
Dia do Voluntariado - Nábila InglêsDia do Voluntariado - Nábila Inglês
Dia do Voluntariado - Nábila Inglês
 
Pragas Urbanas: cupins
Pragas Urbanas: cupinsPragas Urbanas: cupins
Pragas Urbanas: cupins
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
 
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
Avaliação da adequação da formação Graduada e Pós-Graduada do IESF face às ne...
 
Estoque de Carbono em Florestas Plantadas
Estoque de Carbono em Florestas PlantadasEstoque de Carbono em Florestas Plantadas
Estoque de Carbono em Florestas Plantadas
 
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
Viabilidade economica de projetos agrossilvipastoris montes claros 2010
 
Consórcio Melancia x Eucalipto
Consórcio Melancia x Eucalipto Consórcio Melancia x Eucalipto
Consórcio Melancia x Eucalipto
 
Flyer Index Florestal - Português
Flyer Index Florestal - PortuguêsFlyer Index Florestal - Português
Flyer Index Florestal - Português
 
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeiraCadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
 
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
Estado da Arte de Inventário de Carbono por Francisco Higuchi- Treinamento GC...
 
Adubação eucalip
Adubação eucalipAdubação eucalip
Adubação eucalip
 
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
Financiamento da Sustentabilidade do Setor Florestal, por Bernardo de Vasconc...
 
Certificação Florestal Responsável
Certificação Florestal ResponsávelCertificação Florestal Responsável
Certificação Florestal Responsável
 
Pn ApresentaçãO Rev 1
Pn ApresentaçãO Rev 1Pn ApresentaçãO Rev 1
Pn ApresentaçãO Rev 1
 
Apresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologiaApresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologia
 
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
Desenvolvimento do Mogno Africano no Brasil - Inventário Florestal - Sybelle ...
 
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadasUtilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
 
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEMFUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
FUNDAMENTOS PARA A RECUPERAÇÃO FLORESTAL NO NÍVEL DA PAISAGEM
 
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades ruraisPlantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
Plantação de Eucaliptos em pequenas propriedades rurais
 

Semelhante a Apresentação Técnica Base Inicial

Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
Agricultura Sao Paulo
 
Controle de roedores
Controle de roedoresControle de roedores
Controle de roedores
Rodrigo Alves
 
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferramDay 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
The Forests Dialogue
 
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed BrasilTécnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Izabella Menezes
 
Efeito de diferentes níveis de sombreamento no crescimento inicial de unha de...
Efeito de diferentes níveis de sombreamento no crescimento inicial de unha de...Efeito de diferentes níveis de sombreamento no crescimento inicial de unha de...
Efeito de diferentes níveis de sombreamento no crescimento inicial de unha de...
Ediu Junior
 
ID-6663.pdf
ID-6663.pdfID-6663.pdf
ID-6663.pdf
Cyntia Silva
 
7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb
Igor Bulhões
 
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdfManejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Fernando186673
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Plantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controlePlantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controle
GilsonRibeiroNachtig
 
14 pt-12
14 pt-1214 pt-12
14 pt-12
Glauber Melo
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
Faculdade Guaraí - FAG
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
Geagra UFG
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
Geagra UFG
 
A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Biofábrica de plantas ornamentais.
Biofábrica de plantas ornamentais.Biofábrica de plantas ornamentais.
Biofábrica de plantas ornamentais.
Dennis Panayotis Saridakis
 
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Roosevelt Almado
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
unesp
 
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Blanco agriCultura
 
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosumCustos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
faccamp
 

Semelhante a Apresentação Técnica Base Inicial (20)

Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
Controle de roedores
Controle de roedoresControle de roedores
Controle de roedores
 
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferramDay 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
 
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed BrasilTécnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
Técnica do Inseto Estéril A Experiência da Moscamed Brasil
 
Efeito de diferentes níveis de sombreamento no crescimento inicial de unha de...
Efeito de diferentes níveis de sombreamento no crescimento inicial de unha de...Efeito de diferentes níveis de sombreamento no crescimento inicial de unha de...
Efeito de diferentes níveis de sombreamento no crescimento inicial de unha de...
 
ID-6663.pdf
ID-6663.pdfID-6663.pdf
ID-6663.pdf
 
7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb
 
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdfManejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
Manejo-do-bicudo-do-algodoeiro.pdf
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Plantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controlePlantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controle
 
14 pt-12
14 pt-1214 pt-12
14 pt-12
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
 
Bicudo no Algodoeiro
Bicudo no AlgodoeiroBicudo no Algodoeiro
Bicudo no Algodoeiro
 
Fungicidas no Algodão
Fungicidas no AlgodãoFungicidas no Algodão
Fungicidas no Algodão
 
A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008
 
Biofábrica de plantas ornamentais.
Biofábrica de plantas ornamentais.Biofábrica de plantas ornamentais.
Biofábrica de plantas ornamentais.
 
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
Controle de "pragas" de forma natural Sesc out 2021
 
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosumCustos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
 

Apresentação Técnica Base Inicial

  • 1. CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS DEPARTAMENTO TÉCNICO
  • 2. INTRODUÇÃO ± 5.4 milhões ha de Floresta Plantada no BR (60% Eucalipto, 36% Pinus e 4% outros) PIB: US$ 28 bilhões (4% PIB Nacional) Empregos Gerados: 6 milhões 2005: mais de 500 mil ha plantados Uso: Carvão, Lenha, Madeira, Celulose, Papel ...
  • 3.   2.Importância Econômica Principal praga dos reflorestamentos brasileiros; 75% dos custos e do tempo gasto no controle de pragas; US$ 70 milhões/ano 30% dos gastos com a floresta até o 3º ciclo; 7,41% do preço da madeira em pé.
  • 4. 3. Espécies de Maior Ocorrência em Florestas Plantadas Saúvas Atta sexdens rubropilosa (Saúva-limão) Atta laevigata (Saúva cabeça-de-vidro) Quenquéns Acromyrmex crassispinus Acromyrmex niger Acromyrmex subterraneus Acromyrmex coronatus
  • 5. IDENTIFICAÇÃO DE SAÚVAS E QUENQUÉNS Atta Acromyrmex Operárias apresentam três pares de espinhos no tórax Operárias apresentam quatro ou cinco pares de espinhos no tórax Tamanho geralmente maior (12 a 15mm) Tamanho menor que o das saúvas (8 a 10mm) Ninho constituído de um monte de terra solta Ninho geralmente não apresenta monte de terra solta
  • 6. Atta Acromyrmex Panelas de profundidade de até 8 metros Panelas pouco profundas: de 1 a 2 metros Colônias maiores e bem visíveis com várias panelas Colônias menores, difícil visualização, com poucas panelas 10 espécies 20 espécies
  • 8.  
  • 9.  
  • 10.  
  • 11.  
  • 12. BIOLOGIA - Revoada ou Vôo Nupcial - Escavação do novo formigueiro - Instalação do novo formigueiro Deposição do fungo (cavidade infrabucal) Ovoposição - Fixação do novo formigueiro   1.Fundação da Colônia
  • 13.  
  • 15.  
  • 16.   3.Ciclo de Vida Períodos do ciclo Tempo de duração (dias) Período de incubação dos ovos 25 Período larval 22 Período pupal 10 Longevidade máxima do adulto (cortadeira) 120 Longevidade máxima do adulto (soldado) 390
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.   4. Densidade e Distribuição de Colônias Atta ssp. Acromyrmex ssp. 0,5 a 5 colônias/ha 0,3 a 2,4 colônias/ha Em plantio de Eucalyptus já se observou 200 colônias/ha
  • 20.   5. Alimentação Servem de substrato para o cultivo do fungo, do qual se alimentam. Não se alimentam das folhas que transportam para a colônia.
  • 21. 6. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS FORMIGAS CORTADEIRAS NO CONTINENTE AMERICANO Latitude 44ºN Latitude 33ºS
  • 22. DANOS CAUSADOS Danos causados por Quenquéns em Eucalipto
  • 23. Danos causados por Saúvas em broto de Eucalipto
  • 24. Danos causados por Saúvas em mudas de Eucalipto
  • 25. Danos causados por Saúvas em Pinus
  • 26. MÉTODOS DE CONTROLE   1. Biológico Insetos (moscas, besouros e percevejos) Ácaros Aves e Mamíferos (sabiá, pardais, tatu e tamanduá) Fungos Patogênicos Outros (aranha, escorpiões, e outros)
  • 27.   2. Mecânico Aração Gradagem Barreiras Físicas   3. Culturas Armadilhas Gergelim Mamona   4. Resistência de Plantas
  • 31. ATTA MEX-S 1. Composição Polpa Cítrica Sulfluramida (ingrediente ativo, 3g/Kg) Óleo de Soja Aglutinantes
  • 32. 2. Características da Sulfluramida Age por Ingestão (forma lenta) – 50-70% das operárias em 24 horas. Sem odor, não é repelente e está em baixa concentração no ATTA MEX-S. Rompe o fluxo normal dos prótons nas mitocôndrias Evita formação do ATP Perda da Reserva Energética Morte da formiga
  • 33. 3. Funcionamento do ATTA MEX-S Transporte do ATTA MEX-S para o formigueiro Depositam nos Jardins de Fungos Jardineiras lambem ATTA MEX-S (Início da ingestão pelas operárias) Retiram pequenos pedaços de ATTA MEX-S Início da transmissão 6 horas após a oferta, ocorrendo até 18 horas (50-70% das operárias contaminadas por trofalaxia)
  • 34. Depois de 3 - 4 dias deixam de cortar. Alta mortalidade das operárias, jardineiras e generalistas (Operárias com pouca mobilidade, deixam de cortar as folhas) Após alguns dias desorganização da produção do Fungo Rainha morre por inanição em 40 dias aprox.
  • 35.  
  • 36. 3. Métodos de Aplicação do ATTA MEX-S A- Localizada
  • 37.  
  • 42. 5. Utilização dos EPIs São ferramentas de trabalho que visam proteger a saúde do trabalhador rural, que utiliza os Produtos Fitossanitários, reduzindo os riscos de intoxicações decorrentes da exposição.
  • 43.  
  • 44.  
  • 45. 6. Armazenamento do ATTA MEX-S Garantia de Segurança, Qualidade e Eficiência
  • 46.  
  • 47. 7. Devolução das Embalagens Até 1 ano da data da compra Após 1 ano (dentro do prazo de validade), é facultativo a devolução por 6 meses após o término da validade. Devolvida no local de compra ou local indicado na nota fiscal Não transportar com alimentos, animais, medicamentos, etc.
  • 48. gradecemos sua atenção e a oportunidade que tivemos de apresentar nossos produtos e serviços. Temos uma equipe treinada aguardando seu contato para dar solução aos seus problemas. Atenciosamente, A Tel.: (16) 3628-1010 - Fax: (16) 3628-1123 DDG: 0800 18 3000 www.unibras.com.br e-mail: atendimento@unibras.com.br