SlideShare uma empresa Scribd logo
RISCOS DA SILVICULTURA CLONAL:
PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS
Eng. Ftal MSc. Roosevelt Almado
JUIZ DE FORA, MG 13/03/2015
AGENDA
INTRODUÇÃO
PRAGAS FLORESTAIS
• Formigas cortadeiras
• Lagartas desfolhadoras
• Besouros
• Outros insetos
DOENÇAS EMERGENTES
• Murcha de Ralstonia
• Murcha de Ceratocystis
ADAPTAÇÃO A MUDANÇAS CLIMÁTICAS
VENTOS, SECAS, GEADAS, PRAGAS, DOENÇAS..
GARANTIR E AMPLIAR AS FRONTEIRAS DE ADAPTAÇÃO
NOVOS CRUZAMENTOS:
• Torelliana x citriodora: densidade
• Urophylla x globulus: qualidade do papel
• Nitens x globulus: resistência ao frio
• Oferta ilimitada de alimento aos insetos-praga
• Falta de reservas de vegetação natural
• Redução acentuada de inimigos naturais
• Uso indiscriminado de agrotóxicos
Surtos de insetos
PORQUE OS INSETOS NOCIVOS VÊM AUMENTANDO?
PERDA DE PRODUTIVIDADE!!!
Susceptíveis
Monocultura
Exótica
Baixo vigor
pobre
degradado
inutilizável
contaminado
Grandes
quantidades de
comida e/ou sites
de alimento
Resistentes
Stand mixado
Nativa
Alto vigor
boa fertilidade
Apto
Sem contaminação
Speight, 1997
Pequenas
quantidades de
comida e/ou sites
de alimento
PRAGAS E ESTRATÉGIAS PARA A REDUÇÃO DO RISCO
• formigas cortadeiras
• lagartas desfolhadoras
• besouros
• outros insetos
“The Big Five” australianos
Bronze Bug
(Thaumastocoris peregrinus)
Image: Dr Ann Noack
Eucalyptus snout beetle
(Gonipterus spp. complex)
Blue gum chalcid
(Leptocybe invasa)
Image: Dr Zvi Mendel
Red gum lerp psyllid
(Glycaspis brimblecombei)
Image: Dr Carlos Wilcken
Eucalyptus gall wasp
(Ophelimus maskelli)
Image: Dr Zvi Mendel
– cortam indiscriminadamente: ataque intenso e constante às plantas em
qualquer fase de seu desenvolvimento;
– observa-se preferência por algumas espécies (não existe resistência);
– monitoramento é a melhor alternativa;
– Clone tolerante pode ser alternativa para redução de custos de controle;
– Perdas (m³/ha/ano) Manutenção = 0,9%/3m² form.
Acromyrmex -Quenquém
Atta - Saúvas
FORMIGAS CORTADEIRAS
LAGARTAS DESFOLHADORAS
1. Apatelodes sericea 2. Automeris spp
– nitidamente procuram alguns clones/espécies
– E. grandis parece ter alguma ação repelente
– trabalhos conflitantes (gra/clo/sal/cit/rob/cam)
–Importância da nutrição da planta
–área de bioquímica: identificar compostos que a planta libera
LAGARTAS DESFOLHADORAS
5. Euselasia eucerus 6. Glena bipennaria
3. Eacles imperialis magnífica 4. Eupseudosoma aberrans
LAGARTAS DESFOLHADORAS
9. Nystalea nyseus 10. Sarsina violascens
8. Melanolophia consimilaria7. Lepidokyrbia vittipes
LAGARTAS DESFOLHADORAS
11. Thyrinteina arnobia
BESOUROS
– tem aumentado a cada ano (spp. e danos);
– ocorrem quase sempre nos primeiros anos;
– falta de conhecimento científico e tecnológico
– espécies pouco preferidas foram cam/mic/ter
– Alguns tem seu ciclo associado a outras culturas
1. Costalimaita ferruginea 2. Gonipterus scutellatus
5. Metaxyonycha angustata 6. Migdolus fryanus
3. Heilipodus naevulus 4. Metallactus mosei
BESOUROS
9. Sternocolaspis quatuordecimcostata 10. Xyleborus affinis e X. ferrugineus
8. Psiloptera spp7. Phoracantha semipunctata e P. recurva
BESOUROS
Ataque de Xyleborus affinis
– Prateamento (semelhante a dano de trips)
– Clorose
– Bronzeamento de folhas
– Secamento de folhas
– Desfolha
SUGADORES
1. Cteranytaina spatulata 2. Glycaspis brinblecombei
Evolução do dano
3. Retithrips spp
4. Selenothrips rubrocinctus
SUGADORES
Adulto
Adulto
Ninfa
Ninfa
SUGADORES
5. Thaumastocoris peregrinus
A B C
D E
Figura: a,c – ninfas, b – adulto, d – posturas em semente de eucalipto, e – adultos e posturas.
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
VESPA-DE-GALHA
(Leptocybe invasa)
Praga exótica
Espécie: Leptocybe invasa (Hymenoptera: Eulophidae)
Origem: Austrália
Detecção: Março de 2008 - BA
Via de ingresso: Aérea (visita de florestais da Índia)
Dispersão pelo país: transporte de mudas infestadas e
natural (voo ?).
Imagens: Carlos Wilcken
Larva
Pupa
Imagens: Carlos Wilcken e Zvi Mendel
Sinais de oviposição
Orifício de saída
do inseto adulto
24
ATAQUE DE VESPA-DE-GALHA
COMPONENTES GERAIS DE UM SISTEMA DE MIP
FASE OPÇÕES
A SITE: evitar árvores de
baixo vigor
considerar histórico e
plantio piloto
ESPÉCIES: uso final e
aspectos econômicos
LOCAL: Avaliar: proximidade a
antigos plantios e vegetação
natural
MANEJO: Avaliar: Mono x
heterogêneo
Enriquecimento
resistência
B Histórico e Inventário
das principais pragas e
doenças
Pesquisa bioecológica das principais pragas e doenças,
especialmente nas relações entre plantas hospedeiras
Histórico e Inventário das
principais pragas e doenças
naturais do local
C Determinar impacto
potencial da praga e
nível de dano
econômico
Monitorar os níveis populacionais da praga durante épocas críticas e relacioná-los aos
possíveis prejuízos econômicos
D Controle ecológico:
Desbaste, tratamento
no viveiro,
estabelecimento
Controle Biológico: parasitóides, predadores e
patógenos.
Controle Químico: inseticidas;
reguladores de crescimento;
feromônios.
FASES A E B: CARÁTER PREVENTIVO
FASE C: MONITORAMENTO E PREVISÃO
FASE D: ESTRATÉGIAS DE CONTROLE Speight, 1997
INIMIGOS
NATURAIS
MANANCIAIS DENSIDADE
ESTÁGIO
NÍVEL DE
DANO
ESPAÇAMENTO CLIMA SUB-
BOSQUE
ÁREA
TAMANHO
LOCALIZAÇÃO
SURTO
PRODUTO
VELOC.
PRODUTO
EQUIP.
NECESSIDADE
PRODUTO
VELOCIDADE
EQUIPAMENTO MOMENTO
RQUIP.
EQUIP.
MANUT.
EQUIP.
VEL;OC.
PROD.
ANÁLISE
DECISÃO
TÉC. VIÁVEIS
CONTROLE
RISCOSCUSTOS
BANCO DE DADOS
IDENTIFICAÇÃO:
INFORMAÇÕES LOCAIS
SELEÇÃO:
METODOLOGIA INDICADA
Controle não
econômico
Controle
econômico
Densidade populacional
Impactodapraga
Custodecontrole
Speight, 1999
Nível econômico
Pleito de Registro
ANVISA
(Classificação
Toxicológica)
MAPA
(Avaliação de
Eficácia Agronômica,
Registrante)
IBAMA
(Avaliação da
Periculosidade
Ambiental)
Consolidação de
informações e
Parecer Final de
Registro
REGISTRO
PROCESSO DE REGISTRO DE PRODUTOS QUÍMICOS
MODALIDADES DE REGISTRO
• Registro Especial Temporário (RET):
– Destinado a pesquisa e experimentações
– Validade 3 anos
• Registro Emergencial:
– Acionado quando não existem métodos de controle registrados
ou eficazes no controle de:
• Agentes quarentenários
• Altas infestações causando dano econômico
• Validade de 6 meses
• Registro “Definitivo”:
– Novo produto ou ingrediente ativo
– Extensão de uso
Priorização de registros para o setor florestal
REGISTRO
Processo de Registro
Priorização de Registros
MAPA, ANVISA e IBAMA
Julgam o processo ao mesmo tempo
Nome comercial Ingrediente ativo Classe
Imidacloprid 70% WG imidacloprido inseticida
Nexo imidacloprido inseticida
Imida imidacloprido inseticida
Idea imidacloprido inseticida
Flecha imidacloprido inseticida
Scatto deltametrina inseticida
Priori Xtra
azoxistrobina +
ciproconazole
fungicida
Mospilan acetamiprido inseticida
Comet piraclostrobina fungicida
Opera Ultra
piraclostrobina +
metconazole
fungicida
Match 250 EC lufenorom inseticida
LISTA DE PRODUTOS EM PRIORIZAÇÃO
Tuit (fipronil)
Evidence (imidacloprid)
Actara (thiametoxam)
Registro emergencial
Vespa-de-galha
PRODUTIVIDADE
FLORESTAL
BRASILEIRA
Novos agentes
exóticos
Tempo p/ novas
moléculas no
mercado
Tempo p/ registro
de produtos
Tempo p/ ajuste
do CB
Organização
política do setor
Restrições
impostas pelo FSC
FUTURO.....
• Murcha bacteriana (Ralstonia solanacearum)
• Murcha de Ceratocystis (Ceratocystis fimbriata)
• Seca de ponteiros (Erwinia psidii)
• Mancha foliar bacteriana (Xanthomonas axonopodis)
• Mancha de Teratosphaeria (Teratosphaeria spp ou Mycosphaerella)
Ralstonia solanacearum
IDENTIFICAÇÃO E TAXONOMIA
• Espécie: Ralstonia solanacearum
• Origem: Bactéria cosmopolita, extremamente variável,
adaptada a grande nº de plantas hospedeiras sob as mais
variadas condições edafoclimáticas
• Bactéria agente de murcha bacteriana
• Principal doença vascular de plantas de origem bacteriana
• Doença de controle extremamente difícil
BIOECOLOGIA
• Sobrevive na rizosfera ou nos vasos de nativas dos cerrados e matas.
• Existem espécies tolerantes ao patógeno;
• Infestam os solos e reservatórios de águas;
• Qualquer planta suscetível ou não transportada para esses solos serão
contaminadas;
• Injúrias e má formação do sistema radicular são agravantes;
• Condições ambientais existentes podem ser agravantes.
propagação
vegetativa
Sementes
botânicas
Contato de raízes
Insetos
Ferramentas de
corte
30 - 35°°°°C - diurna
20°°°°C – noturna
Aumenta
interação
patógeno com
hospedeiro
Plantas passam a
ser mais
susceptíveis
coloniza raízes
plantas hospedeiras podem ser assintomáticas
capacidade de sobrevivência no solo
patógeno associado a infecções sistêmicas ou localizadas nas raízes de plantas
assintomáticas
ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS
Eucalyptus spp , Mimosa scabrella: Souza Cruz Florestal – Prata,MG (SUDO et al,
1983);
Eucalyptus spp: Companhia Florestal Monte Dourado – Pará (KRUGNER, 1984),
Eucalyptus spp: Companhia Florestal Monte Dourado – Pará (1987), Ocorrência no
Viveiro: descarte de um milhão de mudas
Camargo e Correia Metais, Tucuruí- PA;
COPENER – Distrito Florestal Norte (BA);
Duratex – Esplanada (BA)
DISTRIBUIÇÃO:
Amplamente dispersa NO BRASIL
OCORRÊNCIAS E DISTRIBUIÇÃO
DANOS
• Mortes de plantios novos em áreas recém desmatadas podem chegar
até 25%;
• Desfolha expressiva (abcisão);
• Morte de árvores;
• Aumento de material combustível;
• Plantas morrem em reboleiras aumentando gradativamente;
• Morte de cepas;
• Queda no enraizamento.
Murchamento
acompanhado, ou não de
clorose, ou
avermelhamento da
copa, com queda parcial
de folhas sob as copas
SINTOMATOLOGIA
Necroses foliares em “V”
invertido (estresse hídrico
resultante de inativação
do xilema de raízes e
tronco).
Perda de turgescência das
folhas novas e partes
terminais dos ramos
seguida de
amarelecimento, seca e
queda de todas as folhas
exsudação de pús
bacteriano após
seccionamento do
caule
SINTOMATOLOGIA
SINTOMA
CARACTERÍSTICO
FOTO: Acelino Alfenas Couto
MURCHA DE CERATOCYSTIS
FOTOS: Acelino Alfenas Couto
FOTO: Acelino Alfenas Couto
FOTO: Acelino Alfenas Couto
ALTERAÇÃO NA COLORAÇÃO DO LENHO
FOTO: Acelino Alfenas Couto
FOTO: Acelino Alfenas Couto
FOTO: Acelino Alfenas Couto
FOTO: Acelino Alfenas Couto
FOTO: Acelino Alfenas Couto
RRR_
rr
R_
rr
R_
rr
Progênie resistente (R_)
CONTROLECONTROLE
Resistência:Resistência: Inter-específicaInter-específica
Intraespecífica: clones resistentesIntraespecífica: clones resistentes
A DIFICULDADE EM SE CRIAR UM “CLONE IDEAL” ESTÁ
DIRETAMENTE RELACIONADA AO NÚMERO DE
CARACTERÍSTTICAS DESEJÁVEIS QUE GOSTARÍAMOS QUE
O MESMO POSSUÍSSE!
OGMSERIA UMA SOLUÇÃO?????
Urograndis Grancam
OBRIGADO PELA ATENÇÃO!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
Marcos Ferreira
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
Dayenne Herrera
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
Killer Max
 
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - HeteropteraEntomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Faculdade Guaraí - FAG
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
Agropec Consultoria
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
natalia machado
 
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraManejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
David Rodrigues
 
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféSituação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
Cristieli Mendes
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
Juan Rodríguez
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
Evangela Gielow
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Sávio Sardinha
 
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidadeDesenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Giovani de Oliveira Arieira
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Geagra UFG
 
MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131 MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131
Anderson Bergamasco Hryczyna
 
Controle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragasControle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragas
Alexandre Panerai
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Geagra UFG
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
Agricultura Sao Paulo
 

Mais procurados (20)

Pragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do AlgodaoPragas da cultura do Algodao
Pragas da cultura do Algodao
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
Entomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - HeteropteraEntomologia Agrícola - Heteroptera
Entomologia Agrícola - Heteroptera
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
 
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeiraManejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
Manejo Integrado de pragas na cultura da bananeira
 
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféSituação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidadeDesenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
Desenvolvimento de fitonematoides - efeitos da temperatura e umidade
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131 MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131
 
Controle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragasControle biologico de_pragas
Controle biologico de_pragas
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 

Destaque

Avaliação da resistência à murcha-bacteriana em genótipos de tomate
Avaliação da resistência à murcha-bacteriana em genótipos de tomateAvaliação da resistência à murcha-bacteriana em genótipos de tomate
Avaliação da resistência à murcha-bacteriana em genótipos de tomate
Mmauricio
 
Impacto econômico da resistência no mundo
Impacto econômico da resistência no mundoImpacto econômico da resistência no mundo
Impacto econômico da resistência no mundo
IRAC-BR
 
Manejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão práticaManejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão prática
IRAC-BR
 
Apostila+de+fitopatologia
Apostila+de+fitopatologiaApostila+de+fitopatologia
Apostila+de+fitopatologia
Willian Passos
 
Pragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiroPragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiro
netoneves
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Leandro Bicalho
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
Luciano Marques
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
Universidade Federal do Maranhão
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 

Destaque (10)

Avaliação da resistência à murcha-bacteriana em genótipos de tomate
Avaliação da resistência à murcha-bacteriana em genótipos de tomateAvaliação da resistência à murcha-bacteriana em genótipos de tomate
Avaliação da resistência à murcha-bacteriana em genótipos de tomate
 
Impacto econômico da resistência no mundo
Impacto econômico da resistência no mundoImpacto econômico da resistência no mundo
Impacto econômico da resistência no mundo
 
Manejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão práticaManejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão prática
 
Apostila+de+fitopatologia
Apostila+de+fitopatologiaApostila+de+fitopatologia
Apostila+de+fitopatologia
 
Pragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiroPragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiro
 
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
Doençastomateiro 130925211840-phpapp02
 
Manual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da sojaManual de identificacao das doencas da soja
Manual de identificacao das doencas da soja
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 

Semelhante a Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]

Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
AmandaRayana
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
Ana Aguiar
 
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para florestaPopula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Biologia da conservação1
Biologia da conservação1Biologia da conservação1
Biologia da conservação1
marianax3
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
unesp
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
anailsonalves2017
 
7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb
Igor Bulhões
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Plantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controlePlantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controle
GilsonRibeiroNachtig
 
Fitossanidade2003
Fitossanidade2003Fitossanidade2003
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
Geagra UFG
 
Relacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdfRelacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdf
NdiaOliveira40
 
Nematóides da aceroleira
Nematóides da aceroleiraNematóides da aceroleira
Nematóides da aceroleira
Héder Sóstenes
 
Mollusca para floresta
Mollusca para florestaMollusca para floresta
Queiroz
QueirozQueiroz
Queiroz
Saulo Gomes
 
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecFitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
Embrapa Milho e Sorgo
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
João Carraça
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 

Semelhante a Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade] (20)

Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
Nematóides em Cana-de-Açucar (Saccharum spp.)
 
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
UTILIZAÇÃO DE ESPÉCIES DE PASSIFLORA SPP. COMO PORTA-ENXERTO NO CONTROLE DE D...
 
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para florestaPopula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
 
Biologia da conservação1
Biologia da conservação1Biologia da conservação1
Biologia da conservação1
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
2. Controle de pragas e doenças na cultura do milho.pptx
 
7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Plantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controlePlantas daninhas importantes e seu controle
Plantas daninhas importantes e seu controle
 
Fitossanidade2003
Fitossanidade2003Fitossanidade2003
Fitossanidade2003
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
Relacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdfRelacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdf
 
Nematóides da aceroleira
Nematóides da aceroleiraNematóides da aceroleira
Nematóides da aceroleira
 
Mollusca para floresta
Mollusca para florestaMollusca para floresta
Mollusca para floresta
 
Queiroz
QueirozQueiroz
Queiroz
 
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecFitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
 
Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)Fruta de mesa (fitosanitário)
Fruta de mesa (fitosanitário)
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 

Último

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 

Último (6)

Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 

Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]

  • 1. RISCOS DA SILVICULTURA CLONAL: PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS Eng. Ftal MSc. Roosevelt Almado JUIZ DE FORA, MG 13/03/2015
  • 2. AGENDA INTRODUÇÃO PRAGAS FLORESTAIS • Formigas cortadeiras • Lagartas desfolhadoras • Besouros • Outros insetos DOENÇAS EMERGENTES • Murcha de Ralstonia • Murcha de Ceratocystis
  • 3. ADAPTAÇÃO A MUDANÇAS CLIMÁTICAS VENTOS, SECAS, GEADAS, PRAGAS, DOENÇAS.. GARANTIR E AMPLIAR AS FRONTEIRAS DE ADAPTAÇÃO NOVOS CRUZAMENTOS: • Torelliana x citriodora: densidade • Urophylla x globulus: qualidade do papel • Nitens x globulus: resistência ao frio
  • 4. • Oferta ilimitada de alimento aos insetos-praga • Falta de reservas de vegetação natural • Redução acentuada de inimigos naturais • Uso indiscriminado de agrotóxicos Surtos de insetos PORQUE OS INSETOS NOCIVOS VÊM AUMENTANDO? PERDA DE PRODUTIVIDADE!!!
  • 5. Susceptíveis Monocultura Exótica Baixo vigor pobre degradado inutilizável contaminado Grandes quantidades de comida e/ou sites de alimento Resistentes Stand mixado Nativa Alto vigor boa fertilidade Apto Sem contaminação Speight, 1997 Pequenas quantidades de comida e/ou sites de alimento PRAGAS E ESTRATÉGIAS PARA A REDUÇÃO DO RISCO
  • 6. • formigas cortadeiras • lagartas desfolhadoras • besouros • outros insetos
  • 7. “The Big Five” australianos Bronze Bug (Thaumastocoris peregrinus) Image: Dr Ann Noack Eucalyptus snout beetle (Gonipterus spp. complex) Blue gum chalcid (Leptocybe invasa) Image: Dr Zvi Mendel Red gum lerp psyllid (Glycaspis brimblecombei) Image: Dr Carlos Wilcken Eucalyptus gall wasp (Ophelimus maskelli) Image: Dr Zvi Mendel
  • 8. – cortam indiscriminadamente: ataque intenso e constante às plantas em qualquer fase de seu desenvolvimento; – observa-se preferência por algumas espécies (não existe resistência); – monitoramento é a melhor alternativa; – Clone tolerante pode ser alternativa para redução de custos de controle; – Perdas (m³/ha/ano) Manutenção = 0,9%/3m² form. Acromyrmex -Quenquém Atta - Saúvas FORMIGAS CORTADEIRAS
  • 9. LAGARTAS DESFOLHADORAS 1. Apatelodes sericea 2. Automeris spp – nitidamente procuram alguns clones/espécies – E. grandis parece ter alguma ação repelente – trabalhos conflitantes (gra/clo/sal/cit/rob/cam) –Importância da nutrição da planta –área de bioquímica: identificar compostos que a planta libera
  • 10. LAGARTAS DESFOLHADORAS 5. Euselasia eucerus 6. Glena bipennaria 3. Eacles imperialis magnífica 4. Eupseudosoma aberrans
  • 11. LAGARTAS DESFOLHADORAS 9. Nystalea nyseus 10. Sarsina violascens 8. Melanolophia consimilaria7. Lepidokyrbia vittipes
  • 13. BESOUROS – tem aumentado a cada ano (spp. e danos); – ocorrem quase sempre nos primeiros anos; – falta de conhecimento científico e tecnológico – espécies pouco preferidas foram cam/mic/ter – Alguns tem seu ciclo associado a outras culturas 1. Costalimaita ferruginea 2. Gonipterus scutellatus
  • 14. 5. Metaxyonycha angustata 6. Migdolus fryanus 3. Heilipodus naevulus 4. Metallactus mosei BESOUROS
  • 15. 9. Sternocolaspis quatuordecimcostata 10. Xyleborus affinis e X. ferrugineus 8. Psiloptera spp7. Phoracantha semipunctata e P. recurva BESOUROS
  • 17. – Prateamento (semelhante a dano de trips) – Clorose – Bronzeamento de folhas – Secamento de folhas – Desfolha SUGADORES 1. Cteranytaina spatulata 2. Glycaspis brinblecombei Evolução do dano
  • 18. 3. Retithrips spp 4. Selenothrips rubrocinctus SUGADORES Adulto Adulto Ninfa Ninfa
  • 19. SUGADORES 5. Thaumastocoris peregrinus A B C D E Figura: a,c – ninfas, b – adulto, d – posturas em semente de eucalipto, e – adultos e posturas.
  • 21. VESPA-DE-GALHA (Leptocybe invasa) Praga exótica Espécie: Leptocybe invasa (Hymenoptera: Eulophidae) Origem: Austrália Detecção: Março de 2008 - BA Via de ingresso: Aérea (visita de florestais da Índia) Dispersão pelo país: transporte de mudas infestadas e natural (voo ?).
  • 23. Imagens: Carlos Wilcken e Zvi Mendel Sinais de oviposição Orifício de saída do inseto adulto
  • 25. COMPONENTES GERAIS DE UM SISTEMA DE MIP FASE OPÇÕES A SITE: evitar árvores de baixo vigor considerar histórico e plantio piloto ESPÉCIES: uso final e aspectos econômicos LOCAL: Avaliar: proximidade a antigos plantios e vegetação natural MANEJO: Avaliar: Mono x heterogêneo Enriquecimento resistência B Histórico e Inventário das principais pragas e doenças Pesquisa bioecológica das principais pragas e doenças, especialmente nas relações entre plantas hospedeiras Histórico e Inventário das principais pragas e doenças naturais do local C Determinar impacto potencial da praga e nível de dano econômico Monitorar os níveis populacionais da praga durante épocas críticas e relacioná-los aos possíveis prejuízos econômicos D Controle ecológico: Desbaste, tratamento no viveiro, estabelecimento Controle Biológico: parasitóides, predadores e patógenos. Controle Químico: inseticidas; reguladores de crescimento; feromônios. FASES A E B: CARÁTER PREVENTIVO FASE C: MONITORAMENTO E PREVISÃO FASE D: ESTRATÉGIAS DE CONTROLE Speight, 1997
  • 26. INIMIGOS NATURAIS MANANCIAIS DENSIDADE ESTÁGIO NÍVEL DE DANO ESPAÇAMENTO CLIMA SUB- BOSQUE ÁREA TAMANHO LOCALIZAÇÃO SURTO PRODUTO VELOC. PRODUTO EQUIP. NECESSIDADE PRODUTO VELOCIDADE EQUIPAMENTO MOMENTO RQUIP. EQUIP. MANUT. EQUIP. VEL;OC. PROD. ANÁLISE DECISÃO TÉC. VIÁVEIS CONTROLE RISCOSCUSTOS BANCO DE DADOS IDENTIFICAÇÃO: INFORMAÇÕES LOCAIS SELEÇÃO: METODOLOGIA INDICADA
  • 28. Pleito de Registro ANVISA (Classificação Toxicológica) MAPA (Avaliação de Eficácia Agronômica, Registrante) IBAMA (Avaliação da Periculosidade Ambiental) Consolidação de informações e Parecer Final de Registro REGISTRO PROCESSO DE REGISTRO DE PRODUTOS QUÍMICOS
  • 29. MODALIDADES DE REGISTRO • Registro Especial Temporário (RET): – Destinado a pesquisa e experimentações – Validade 3 anos • Registro Emergencial: – Acionado quando não existem métodos de controle registrados ou eficazes no controle de: • Agentes quarentenários • Altas infestações causando dano econômico • Validade de 6 meses • Registro “Definitivo”: – Novo produto ou ingrediente ativo – Extensão de uso
  • 30. Priorização de registros para o setor florestal REGISTRO Processo de Registro Priorização de Registros MAPA, ANVISA e IBAMA Julgam o processo ao mesmo tempo
  • 31. Nome comercial Ingrediente ativo Classe Imidacloprid 70% WG imidacloprido inseticida Nexo imidacloprido inseticida Imida imidacloprido inseticida Idea imidacloprido inseticida Flecha imidacloprido inseticida Scatto deltametrina inseticida Priori Xtra azoxistrobina + ciproconazole fungicida Mospilan acetamiprido inseticida Comet piraclostrobina fungicida Opera Ultra piraclostrobina + metconazole fungicida Match 250 EC lufenorom inseticida LISTA DE PRODUTOS EM PRIORIZAÇÃO Tuit (fipronil) Evidence (imidacloprid) Actara (thiametoxam) Registro emergencial Vespa-de-galha
  • 32. PRODUTIVIDADE FLORESTAL BRASILEIRA Novos agentes exóticos Tempo p/ novas moléculas no mercado Tempo p/ registro de produtos Tempo p/ ajuste do CB Organização política do setor Restrições impostas pelo FSC FUTURO.....
  • 33. • Murcha bacteriana (Ralstonia solanacearum) • Murcha de Ceratocystis (Ceratocystis fimbriata) • Seca de ponteiros (Erwinia psidii) • Mancha foliar bacteriana (Xanthomonas axonopodis) • Mancha de Teratosphaeria (Teratosphaeria spp ou Mycosphaerella)
  • 35. IDENTIFICAÇÃO E TAXONOMIA • Espécie: Ralstonia solanacearum • Origem: Bactéria cosmopolita, extremamente variável, adaptada a grande nº de plantas hospedeiras sob as mais variadas condições edafoclimáticas • Bactéria agente de murcha bacteriana • Principal doença vascular de plantas de origem bacteriana • Doença de controle extremamente difícil
  • 36. BIOECOLOGIA • Sobrevive na rizosfera ou nos vasos de nativas dos cerrados e matas. • Existem espécies tolerantes ao patógeno; • Infestam os solos e reservatórios de águas; • Qualquer planta suscetível ou não transportada para esses solos serão contaminadas; • Injúrias e má formação do sistema radicular são agravantes; • Condições ambientais existentes podem ser agravantes.
  • 37. propagação vegetativa Sementes botânicas Contato de raízes Insetos Ferramentas de corte 30 - 35°°°°C - diurna 20°°°°C – noturna Aumenta interação patógeno com hospedeiro Plantas passam a ser mais susceptíveis coloniza raízes plantas hospedeiras podem ser assintomáticas capacidade de sobrevivência no solo patógeno associado a infecções sistêmicas ou localizadas nas raízes de plantas assintomáticas ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS
  • 38. Eucalyptus spp , Mimosa scabrella: Souza Cruz Florestal – Prata,MG (SUDO et al, 1983); Eucalyptus spp: Companhia Florestal Monte Dourado – Pará (KRUGNER, 1984), Eucalyptus spp: Companhia Florestal Monte Dourado – Pará (1987), Ocorrência no Viveiro: descarte de um milhão de mudas Camargo e Correia Metais, Tucuruí- PA; COPENER – Distrito Florestal Norte (BA); Duratex – Esplanada (BA) DISTRIBUIÇÃO: Amplamente dispersa NO BRASIL OCORRÊNCIAS E DISTRIBUIÇÃO
  • 39. DANOS • Mortes de plantios novos em áreas recém desmatadas podem chegar até 25%; • Desfolha expressiva (abcisão); • Morte de árvores; • Aumento de material combustível; • Plantas morrem em reboleiras aumentando gradativamente; • Morte de cepas; • Queda no enraizamento.
  • 40. Murchamento acompanhado, ou não de clorose, ou avermelhamento da copa, com queda parcial de folhas sob as copas SINTOMATOLOGIA Necroses foliares em “V” invertido (estresse hídrico resultante de inativação do xilema de raízes e tronco). Perda de turgescência das folhas novas e partes terminais dos ramos seguida de amarelecimento, seca e queda de todas as folhas
  • 41. exsudação de pús bacteriano após seccionamento do caule SINTOMATOLOGIA SINTOMA CARACTERÍSTICO FOTO: Acelino Alfenas Couto
  • 42. MURCHA DE CERATOCYSTIS FOTOS: Acelino Alfenas Couto
  • 45. ALTERAÇÃO NA COLORAÇÃO DO LENHO FOTO: Acelino Alfenas Couto
  • 50. RRR_ rr R_ rr R_ rr Progênie resistente (R_) CONTROLECONTROLE Resistência:Resistência: Inter-específicaInter-específica Intraespecífica: clones resistentesIntraespecífica: clones resistentes
  • 51. A DIFICULDADE EM SE CRIAR UM “CLONE IDEAL” ESTÁ DIRETAMENTE RELACIONADA AO NÚMERO DE CARACTERÍSTTICAS DESEJÁVEIS QUE GOSTARÍAMOS QUE O MESMO POSSUÍSSE! OGMSERIA UMA SOLUÇÃO?????