SlideShare uma empresa Scribd logo
PROPOSTA CURRICULAR DO ESTADO DE  SÃO PAULO APRESENTAÇÃO, CONTORNOS E OBJETIVOS DA DISCIPLINA HISTÓRIA
“ Papai, então me explica para que serve a História” Marc Bloch (Apologia da História)
Muito mais do que falar sobre o que é a História, é  oferecer-lhes condições para refletirem criticamente sobre suas experiências de viver a história e para identificarem as relações que essas guardam com experiências históricas de outros sujeitos em tempos, lugares e culturas diversas   da sua.
A História busca explicar tanto as permanências e as regularidades das formações sociais quanto as mudanças e as transformações que se estabelecem no embate das ações humanas. Os registros ou as evidências da luta dos agentes históricos são o ponto de partida para entendermos os processos históricos .
 
Ensinar história é uma atividade  submetida a duas transformações permanentes:  do objeto em si e da ação pedagógica . O objeto em si  (o “fazer histórico”) é transformado pelas mudanças sociais, pelas novas descobertas arqueológicas, pelo debate metodológico, pelo surgimento de novas documentações e por muitos outros motivos.  A ação pedagógica  muda porque mudam seus agentes:  mudam os professores, mudam os alunos, mudam as convenções de administração escolar. Se estamos concluindo que a escola muda também, é imperativo pensar que a renovação do ensino de História deve acontecer.
Nos meios mais inquietos dos anos  60 e 70 acreditava-se que convicções  políticas bastavam para fornecer todas as respostas e nortear as práticas de ensino.  Acreditava que estudar história era algo simplista, pois em qualquer lugar era possível identificar os  bons e os maus, quem era nosso e quem era deles. Hoje se sabe que estudar História, interpretá-la, ensiná-la não é tão fácil como parecia, um mero instrumento de propaganda ideológica ou revolução .
É preciso mostrar que é possível  desenvolver uma prática de ensino adequada aos novos tempos (e alunos): rica de conteúdo, socialmente responsável e sem ingenuidade e nostalgia. A seleção de conteúdos faz parte de um conjunto formado pela preocupação com o saber escolar, com as capacidades e com as habilidades, e não pode ser trabalhada independentemente.  Os conteúdos curriculares não são um fim em si mesmos, mas meios básicos para constituir competências cognitivas ou sociais, priorizando-as sobre as informações. A proposta está calcada em alguns eixos norteadores:  os sujeitos do processo de ensino/aprendizagem –  aluno e professor ;  a finalidade do ensino – formação geral;  competências, interdisciplinaridade e contextualização e metodologia.
Nas palavras do historiador Eric Hobsbawm: “ Ser membro da comunidade humana é situar-se com relação a seu passado”,  passado este que “é uma dimensão permanente da consciência humana, um componente inevitável das instituições, valores e padrões da sociedade”.  A História é referência. É preciso, portanto, que seja bem ensinada.
- O papel do professor é o de estabelecer  uma articulação entre o patrimônio  cultural da humanidade e o universo  cultural do aluno,  - Tornar o conhecimento escolar significativo, Ajudá-los a compreender e aprender história  . Cada estudante precisa se perceber, de fato, como  sujeito histórico , e isso só se consegue quando ele se dá conta dos esforços que nossos antepassados fizeram para chegarmos ao estágio civilizatório no qual nos encontramos.
A PRESENTE PROPOSTA PARA O  ENSINO DE HISTÓRIA, FOI ELABORADA  A PARTIR DA CONSIDERAÇÃO INICIAL DE QUE  A  DISCIPLINA DEVE FUNCIONAR COMO INTRUMENTO  CAPAZ DE LEVAR O ALUNO A PERCEBER-SE COMO PARTE DE UM AMPLO MEIO SOCIAL.  ASSIM, MESMO PARTINDO DAS RELAÇÕES MAIS IMEDIATAS, COMO A FAMÍLIA, POR MEIO DO ESTUDO DA HISTÓRIA, O ALUNO PODERÁ COMPREENDER AS DETERMINAÇÕES SOCIAIS, TEMPORAIS E ESPACIAIS PRESENTES NA SOCIEDADE.
CURRÍCULO - HISTÓRIA As  fontes históricas devem receber  tratamento adequado em suas análises.
 
EVIDENCIAR A COMPLEXIDADE DA AMBIÊNCIA CULTURAL, DAS DIMENSÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS AO LONGO DO PROCESSO HISTÓRICO; APRESENTAR  DISCUSSÕES HISTORIOGRÁFICAS RECENTES ACERCA DE CADA UM DOS TEMAS OU CONJUNTOS TEMÁTICOS APRESENTADOS NAS DIFERENTES SITUAÇÕES DE  APRENDIZAGEM  ;
-  CONTEMPLAR O CONHECIMENTO PRÉVIO DOS ALUNOS (SONDAGEM INICIAL/DESENVOLVIMENTO DAS AULAS); -  FOMENTAR PROCEDIMENTOS E ESTRATÉGIAS QUE CONTEMPLAM INSTÂNCIAS DE PESQUISA, PARTICIPAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL;
Para iniciar o aluno nos processos de ensino-aprendizagem, sugere-se uma reflexão sobre alguns  conceitos e procedimentos  do conhecimento histórico considerados fundamentais.  A partir dessas considerações, é possível iniciar um debate construtivo para  corrigir, redimensionar, confirmar, ampliar e sugerir outras possibilidades , para que os alunos se apropriem de uma formação histórica que os auxilie em sua vivência como cidadãos .
GRADE CURRICULAR CONCEITOS PRINCIPAIS – ENSINO FUNDAMENTAL - TEMPO E SOCIEDADE - HISTÓRIA E MEMÓRIA - HISTÓRIA E TRABALHO - CULTURA E SOCIEDADE
GRADE CURRICULAR –  CONCEITOS PRINCIPAIS -  ENSINO MÉDIO  - HISTÓRIA E DIVERSIDADE - HISTÓRIA E TRABALHO - CULTURA E SOCIEDADE
Quanto mais o aluno  sentir a História como algo próximo dele , mais terá vontade de interagir com ela, não como uma coisa externa, distante, mas como uma prática que ele sentirá qualificado e inclinado a exercer. -  Favorecer ao aluno a oportunidade torná-lo investigador, transpor seu conhecimento a partir do aprendido.
É preciso deixar claro, porém, que não é proposta do ensino básico a formação de pequenos historiadores. O que importa é que a  organização dos conteúdos e a articulação das estratégias  para trabalhar com eles levem em conta esses procedimentos  para a  produção do conhecimento histórico.
 
ESTRUTURA DOS  CADERNOS DO PROFESSOR
ORIENTAÇÃO SOBRE OS CONTEÚDOS DO BIMESTRE/APRESENTAÇÃO -SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM -SONDAGEM INICIAL/SENSIBILIZAÇÃO -ROTEIRO PARA APLICAÇÃO DA  SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM -GRADE DE AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM
-PROPOSTAS DE QUESTÕES PARA A APLICAÇÃO EM AVALIAÇÃO FINAL -PROPOSTAS DE SITUAÇÕES DE RECUPERAÇÃO -RECURSOS PARA AMPLIAR A PERSPECTIVA DO PROFESSOR E DO  ALUNO PARA A COMPREENSÃO DO TEMA -BIBLIOGRAFIA
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: SITUAÇÃO: UMA PRÁTICA DIDÁTICA CONSCIENTE E ORGANIZADA; NÃO É SOMENTE UMA AULA EXPOSITIVA E MAGISTRAL; NÃO É SOMENTE UMA RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS; NÃO É SOMENTE UM PROJETO; NÃO ESTÁ SOMENTE RESTRITA À SALA DE AULA PORÉM, NASCEM NAS SALAS DE AULA E UTILIZAM VARIADAS FERRAMENTAS PEDAGÓGICAS.
ETAPAS DE CONSTRUÇÃO DE UMA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: 1)CONHECER E ELENCAR OS CONTEÚDOS ESPECÍFICOS; 2) IDENTIFICAR OS OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM; 3) PARTIR DAS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS;
4) UTILIZAR “ERROS” E OBSTÁCULOS COMO INSTRUMENTOS DE ENSINO; 5) CONSTRUIR E PLANEJAR DISPOSITIVOS E SEQÜÊNCIAS DIDÁTICAS; 6) ENVOLVER ALUNOS EM ATIVIDADES DE PESQUISA, EM PROJETOS DE CONHECIMENTO; PERRENOUD, P. Dez novas competências para Ensinar, Porto Alegre, Artmed, 2000
Competências Gerais Habilidades gerais e específicas - Representar - Comunicar-se - Conviver - Ler e expressar-se com textos, ícones, etc - Converter uma linguagem em  outra - Registrar observações - Descrever situações - Sistematizar dados - Elaborar relatórios - Argumentar - Trabalhar em grupo - Investigar e intervir em situações reais - Formular questões - Realizar observações - Estabelecer relações - Interpretar, propor e fazer experimentos - Fazer e verificar hipóteses -Diagnosticar e enfrentar problemas, individualmente ou em equipe - Estabelecer conexões e dar contexto - Relacionar informações e processos com seus contextos e diversas áreas de conhecimento - Identificar dimensões sociais, éticas em questões técnicas e científicas Analisar o papel da ciência e da tecnologia no presente e ao longo da História
SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM - COMO APLICÁ-LAS NO ENSINO DE HISTÓRIA? EXEMPLO PRÁTICO DE APLICAÇÃO E POSSIBILIDADES
CADERNO DO PROFESSOR 5ª SÉRIE ENSINO FUNDAMENTAL  3º BIMESTRE E 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO
NUNCA É DEMAIS INSISTIR QUE,  PARA ENSINAR HISTÓRIA, DESPERTAR E ALIMENTAR NOS ALUNOS O GOSTO POR ESSA DISCIPLINA, É PRECISO GOSTAR DE HISTÓRIA. SÓ GOSTANDO É POSSÍVEL CHEGAR À CONSTITUIÇÃO DE AMBIENTES ESCOLARES MARCADOS PELA REFLEXÃO E ANIMADOS PELO DEBATE PARTICIPATIVO.
BIBLIOGRAFIA: BRASILIA. Ministério da Educação, Scretaria de Educação Básica, 2008. Orientações Curriculares para o Ensino Médio – Ciências Humanas e suas Tecnologias BITTENCOURT, Circe (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2006. - (Repensando o Ensino) KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. Editora contexto. SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas.  Proposta Curricular  –  Ensino Médio / Ensino Fundamental (5ª a 8ªséries)  – Cenp – SEESP. __________. Secretaria de Estado da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas.  Proposta Curricular do Estado de São Paulo: História – São Paulo SEE, 2008. Parâmetros curriculares nacionais : história /Secretaria de Educação Fundamental.  Brasília : MEC /SEF, 1998.108 p.   Professora Coordenadora da Oficina Pedagógica de História Elvira Aparecida Ciaramicoli Aliceda – Diretoria de Ensino – Região de Tupã

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
Patrícia Éderson Dias
 
Materialismo Histórico Dialético
Materialismo Histórico DialéticoMaterialismo Histórico Dialético
Materialismo Histórico Dialético
Jandresson Soares de Araújo
 
Conceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de históriaConceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de história
André Augusto da Fonseca
 
Power point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçaoPower point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçao
Gisele Boucherville
 
Concepções de mundo e geografia
Concepções de mundo e geografiaConcepções de mundo e geografia
Concepções de mundo e geografia
Vitor Vieira Vasconcelos
 
História da educação geral
História da educação geralHistória da educação geral
História da educação geral
Rosicler Casal Bueno Cardoso
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
joao jose saraiva da fonseca
 
Existencialismo de Jean paul sarte
Existencialismo de Jean paul sarteExistencialismo de Jean paul sarte
Existencialismo de Jean paul sarte
Jarimbaa
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
Eloy Souza
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
Douglas Gregorio
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]
Wagner Pires da Silva
 
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
Jaciane Anizio
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Fundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoFundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educação
celiferreira
 
Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho? Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho?
Leticia Santos
 
História local
História localHistória local
História local
O Blog do Pedagogo
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Juliana Corvino de Araújo
 

Mais procurados (20)

O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
 
Materialismo Histórico Dialético
Materialismo Histórico DialéticoMaterialismo Histórico Dialético
Materialismo Histórico Dialético
 
Conceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de históriaConceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de história
 
Power point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçaoPower point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçao
 
Concepções de mundo e geografia
Concepções de mundo e geografiaConcepções de mundo e geografia
Concepções de mundo e geografia
 
História da educação geral
História da educação geralHistória da educação geral
História da educação geral
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Existencialismo de Jean paul sarte
Existencialismo de Jean paul sarteExistencialismo de Jean paul sarte
Existencialismo de Jean paul sarte
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]
 
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
Fundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoFundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educação
 
Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho? Sociologia - O que é trabalho?
Sociologia - O que é trabalho?
 
História local
História localHistória local
História local
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 

Destaque

Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumoAbp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Daniel Boppré
 
Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD
Enilton Ferreira Rocha
 
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na eptCefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Eduardo Barbosa
 
Metodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofiaMetodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofia
Universidade Federal de Pernambuco
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
Cinara Aline
 
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de BiologiaMetodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Universidade Federal de Pernambuco
 
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos   fundamentos e implicaçõesPedagogia de projetos   fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Fernandes Meira
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
guest04f18b
 
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino AprendizagemEnsinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Fabio Batalha M Barros
 
1 Apresentação da Disciplina História da Educação na UFPE
1 Apresentação da Disciplina História da Educação na UFPE1 Apresentação da Disciplina História da Educação na UFPE
1 Apresentação da Disciplina História da Educação na UFPE
Robson Santos
 

Destaque (10)

Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumoAbp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
 
Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD
 
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na eptCefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
 
Metodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofiaMetodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofia
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
 
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de BiologiaMetodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
 
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos   fundamentos e implicaçõesPedagogia de projetos   fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
 
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino AprendizagemEnsinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
 
1 Apresentação da Disciplina História da Educação na UFPE
1 Apresentação da Disciplina História da Educação na UFPE1 Apresentação da Disciplina História da Educação na UFPE
1 Apresentação da Disciplina História da Educação na UFPE
 

Semelhante a Apresentação de história

Plano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimentoPlano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimento
Alexandra Becchi
 
Formacao humanas bncc
Formacao humanas   bnccFormacao humanas   bncc
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Salete Perini
 
Vol2 historia
Vol2 historiaVol2 historia
Vol2 historia
Barto Freitas
 
Etapa i – caderno iv
Etapa i – caderno ivEtapa i – caderno iv
Etapa i – caderno iv
Claudia Ferreira Ferraz
 
Plano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimentoPlano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimento
Alexandra Becchi
 
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Sérgio Gonçalves
 
OCs HISTÓRIA 2011
OCs HISTÓRIA 2011OCs HISTÓRIA 2011
OCs HISTÓRIA 2011
lucavao2010
 
Formação historia2
Formação historia2Formação historia2
Formação historia2
Magda Marques
 
Caderno 4- Áreas de Conhecimento e Integração Curricular
Caderno 4- Áreas de Conhecimento e Integração CurricularCaderno 4- Áreas de Conhecimento e Integração Curricular
Caderno 4- Áreas de Conhecimento e Integração Curricular
Dillzzaa
 
Pacto Nacional do Ensino Medio Caderno4
Pacto Nacional do Ensino Medio Caderno4Pacto Nacional do Ensino Medio Caderno4
Pacto Nacional do Ensino Medio Caderno4
jjamesmarques
 
Plano de ação luiz 2011
Plano de ação luiz 2011Plano de ação luiz 2011
Plano de ação luiz 2011
lucavao2010
 
SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
SEMINÁRIO:  A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUALSEMINÁRIO:  A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
unieubra
 
Historia da ciencia no ensino medio
Historia da ciencia no ensino medioHistoria da ciencia no ensino medio
Historia da ciencia no ensino medio
Fabiano Antunes
 
História local: Entre o ensino e a pesquisa
História local: Entre o ensino e a pesquisaHistória local: Entre o ensino e a pesquisa
História local: Entre o ensino e a pesquisa
Paulo Alexandre
 
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA HISTÓRIA TEMÁTICA 2009
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA HISTÓRIA TEMÁTICA 2009FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA HISTÓRIA TEMÁTICA 2009
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA HISTÓRIA TEMÁTICA 2009
Nelson Silva
 
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Patricia Fcm
 
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Patricia Fcm
 
Monografia "Tendência Histórico-Crítica e Emancipação Humana: concepções,sent...
Monografia "Tendência Histórico-Crítica e Emancipação Humana: concepções,sent...Monografia "Tendência Histórico-Crítica e Emancipação Humana: concepções,sent...
Monografia "Tendência Histórico-Crítica e Emancipação Humana: concepções,sent...
Natalia Ribeiro
 
O papel da geografia
O papel da geografiaO papel da geografia
O papel da geografia
guest0268045d
 

Semelhante a Apresentação de história (20)

Plano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimentoPlano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimento
 
Formacao humanas bncc
Formacao humanas   bnccFormacao humanas   bncc
Formacao humanas bncc
 
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
 
Vol2 historia
Vol2 historiaVol2 historia
Vol2 historia
 
Etapa i – caderno iv
Etapa i – caderno ivEtapa i – caderno iv
Etapa i – caderno iv
 
Plano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimentoPlano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimento
 
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
 
OCs HISTÓRIA 2011
OCs HISTÓRIA 2011OCs HISTÓRIA 2011
OCs HISTÓRIA 2011
 
Formação historia2
Formação historia2Formação historia2
Formação historia2
 
Caderno 4- Áreas de Conhecimento e Integração Curricular
Caderno 4- Áreas de Conhecimento e Integração CurricularCaderno 4- Áreas de Conhecimento e Integração Curricular
Caderno 4- Áreas de Conhecimento e Integração Curricular
 
Pacto Nacional do Ensino Medio Caderno4
Pacto Nacional do Ensino Medio Caderno4Pacto Nacional do Ensino Medio Caderno4
Pacto Nacional do Ensino Medio Caderno4
 
Plano de ação luiz 2011
Plano de ação luiz 2011Plano de ação luiz 2011
Plano de ação luiz 2011
 
SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
SEMINÁRIO:  A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUALSEMINÁRIO:  A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
SEMINÁRIO: A ANTROPOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO HOLISTICA DA PEDAGOGIA ATUAL
 
Historia da ciencia no ensino medio
Historia da ciencia no ensino medioHistoria da ciencia no ensino medio
Historia da ciencia no ensino medio
 
História local: Entre o ensino e a pesquisa
História local: Entre o ensino e a pesquisaHistória local: Entre o ensino e a pesquisa
História local: Entre o ensino e a pesquisa
 
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA HISTÓRIA TEMÁTICA 2009
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA HISTÓRIA TEMÁTICA 2009FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA HISTÓRIA TEMÁTICA 2009
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA HISTÓRIA TEMÁTICA 2009
 
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
 
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
Diretrizes curriculares versao_preliminar_parte_1
 
Monografia "Tendência Histórico-Crítica e Emancipação Humana: concepções,sent...
Monografia "Tendência Histórico-Crítica e Emancipação Humana: concepções,sent...Monografia "Tendência Histórico-Crítica e Emancipação Humana: concepções,sent...
Monografia "Tendência Histórico-Crítica e Emancipação Humana: concepções,sent...
 
O papel da geografia
O papel da geografiaO papel da geografia
O papel da geografia
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Apresentação de história

  • 1. PROPOSTA CURRICULAR DO ESTADO DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO, CONTORNOS E OBJETIVOS DA DISCIPLINA HISTÓRIA
  • 2. “ Papai, então me explica para que serve a História” Marc Bloch (Apologia da História)
  • 3. Muito mais do que falar sobre o que é a História, é oferecer-lhes condições para refletirem criticamente sobre suas experiências de viver a história e para identificarem as relações que essas guardam com experiências históricas de outros sujeitos em tempos, lugares e culturas diversas da sua.
  • 4. A História busca explicar tanto as permanências e as regularidades das formações sociais quanto as mudanças e as transformações que se estabelecem no embate das ações humanas. Os registros ou as evidências da luta dos agentes históricos são o ponto de partida para entendermos os processos históricos .
  • 5.  
  • 6. Ensinar história é uma atividade submetida a duas transformações permanentes: do objeto em si e da ação pedagógica . O objeto em si (o “fazer histórico”) é transformado pelas mudanças sociais, pelas novas descobertas arqueológicas, pelo debate metodológico, pelo surgimento de novas documentações e por muitos outros motivos. A ação pedagógica muda porque mudam seus agentes: mudam os professores, mudam os alunos, mudam as convenções de administração escolar. Se estamos concluindo que a escola muda também, é imperativo pensar que a renovação do ensino de História deve acontecer.
  • 7. Nos meios mais inquietos dos anos 60 e 70 acreditava-se que convicções políticas bastavam para fornecer todas as respostas e nortear as práticas de ensino. Acreditava que estudar história era algo simplista, pois em qualquer lugar era possível identificar os bons e os maus, quem era nosso e quem era deles. Hoje se sabe que estudar História, interpretá-la, ensiná-la não é tão fácil como parecia, um mero instrumento de propaganda ideológica ou revolução .
  • 8. É preciso mostrar que é possível desenvolver uma prática de ensino adequada aos novos tempos (e alunos): rica de conteúdo, socialmente responsável e sem ingenuidade e nostalgia. A seleção de conteúdos faz parte de um conjunto formado pela preocupação com o saber escolar, com as capacidades e com as habilidades, e não pode ser trabalhada independentemente. Os conteúdos curriculares não são um fim em si mesmos, mas meios básicos para constituir competências cognitivas ou sociais, priorizando-as sobre as informações. A proposta está calcada em alguns eixos norteadores: os sujeitos do processo de ensino/aprendizagem – aluno e professor ; a finalidade do ensino – formação geral; competências, interdisciplinaridade e contextualização e metodologia.
  • 9. Nas palavras do historiador Eric Hobsbawm: “ Ser membro da comunidade humana é situar-se com relação a seu passado”, passado este que “é uma dimensão permanente da consciência humana, um componente inevitável das instituições, valores e padrões da sociedade”. A História é referência. É preciso, portanto, que seja bem ensinada.
  • 10. - O papel do professor é o de estabelecer uma articulação entre o patrimônio cultural da humanidade e o universo cultural do aluno, - Tornar o conhecimento escolar significativo, Ajudá-los a compreender e aprender história . Cada estudante precisa se perceber, de fato, como sujeito histórico , e isso só se consegue quando ele se dá conta dos esforços que nossos antepassados fizeram para chegarmos ao estágio civilizatório no qual nos encontramos.
  • 11. A PRESENTE PROPOSTA PARA O ENSINO DE HISTÓRIA, FOI ELABORADA A PARTIR DA CONSIDERAÇÃO INICIAL DE QUE A DISCIPLINA DEVE FUNCIONAR COMO INTRUMENTO CAPAZ DE LEVAR O ALUNO A PERCEBER-SE COMO PARTE DE UM AMPLO MEIO SOCIAL. ASSIM, MESMO PARTINDO DAS RELAÇÕES MAIS IMEDIATAS, COMO A FAMÍLIA, POR MEIO DO ESTUDO DA HISTÓRIA, O ALUNO PODERÁ COMPREENDER AS DETERMINAÇÕES SOCIAIS, TEMPORAIS E ESPACIAIS PRESENTES NA SOCIEDADE.
  • 12. CURRÍCULO - HISTÓRIA As fontes históricas devem receber tratamento adequado em suas análises.
  • 13.  
  • 14. EVIDENCIAR A COMPLEXIDADE DA AMBIÊNCIA CULTURAL, DAS DIMENSÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E POLÍTICAS AO LONGO DO PROCESSO HISTÓRICO; APRESENTAR DISCUSSÕES HISTORIOGRÁFICAS RECENTES ACERCA DE CADA UM DOS TEMAS OU CONJUNTOS TEMÁTICOS APRESENTADOS NAS DIFERENTES SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM ;
  • 15. - CONTEMPLAR O CONHECIMENTO PRÉVIO DOS ALUNOS (SONDAGEM INICIAL/DESENVOLVIMENTO DAS AULAS); - FOMENTAR PROCEDIMENTOS E ESTRATÉGIAS QUE CONTEMPLAM INSTÂNCIAS DE PESQUISA, PARTICIPAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL;
  • 16. Para iniciar o aluno nos processos de ensino-aprendizagem, sugere-se uma reflexão sobre alguns conceitos e procedimentos do conhecimento histórico considerados fundamentais. A partir dessas considerações, é possível iniciar um debate construtivo para corrigir, redimensionar, confirmar, ampliar e sugerir outras possibilidades , para que os alunos se apropriem de uma formação histórica que os auxilie em sua vivência como cidadãos .
  • 17. GRADE CURRICULAR CONCEITOS PRINCIPAIS – ENSINO FUNDAMENTAL - TEMPO E SOCIEDADE - HISTÓRIA E MEMÓRIA - HISTÓRIA E TRABALHO - CULTURA E SOCIEDADE
  • 18. GRADE CURRICULAR – CONCEITOS PRINCIPAIS - ENSINO MÉDIO - HISTÓRIA E DIVERSIDADE - HISTÓRIA E TRABALHO - CULTURA E SOCIEDADE
  • 19. Quanto mais o aluno sentir a História como algo próximo dele , mais terá vontade de interagir com ela, não como uma coisa externa, distante, mas como uma prática que ele sentirá qualificado e inclinado a exercer. - Favorecer ao aluno a oportunidade torná-lo investigador, transpor seu conhecimento a partir do aprendido.
  • 20. É preciso deixar claro, porém, que não é proposta do ensino básico a formação de pequenos historiadores. O que importa é que a organização dos conteúdos e a articulação das estratégias para trabalhar com eles levem em conta esses procedimentos para a produção do conhecimento histórico.
  • 21.  
  • 22. ESTRUTURA DOS CADERNOS DO PROFESSOR
  • 23. ORIENTAÇÃO SOBRE OS CONTEÚDOS DO BIMESTRE/APRESENTAÇÃO -SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM -SONDAGEM INICIAL/SENSIBILIZAÇÃO -ROTEIRO PARA APLICAÇÃO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM -GRADE DE AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM
  • 24. -PROPOSTAS DE QUESTÕES PARA A APLICAÇÃO EM AVALIAÇÃO FINAL -PROPOSTAS DE SITUAÇÕES DE RECUPERAÇÃO -RECURSOS PARA AMPLIAR A PERSPECTIVA DO PROFESSOR E DO ALUNO PARA A COMPREENSÃO DO TEMA -BIBLIOGRAFIA
  • 25. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: SITUAÇÃO: UMA PRÁTICA DIDÁTICA CONSCIENTE E ORGANIZADA; NÃO É SOMENTE UMA AULA EXPOSITIVA E MAGISTRAL; NÃO É SOMENTE UMA RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS; NÃO É SOMENTE UM PROJETO; NÃO ESTÁ SOMENTE RESTRITA À SALA DE AULA PORÉM, NASCEM NAS SALAS DE AULA E UTILIZAM VARIADAS FERRAMENTAS PEDAGÓGICAS.
  • 26. ETAPAS DE CONSTRUÇÃO DE UMA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: 1)CONHECER E ELENCAR OS CONTEÚDOS ESPECÍFICOS; 2) IDENTIFICAR OS OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM; 3) PARTIR DAS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS;
  • 27. 4) UTILIZAR “ERROS” E OBSTÁCULOS COMO INSTRUMENTOS DE ENSINO; 5) CONSTRUIR E PLANEJAR DISPOSITIVOS E SEQÜÊNCIAS DIDÁTICAS; 6) ENVOLVER ALUNOS EM ATIVIDADES DE PESQUISA, EM PROJETOS DE CONHECIMENTO; PERRENOUD, P. Dez novas competências para Ensinar, Porto Alegre, Artmed, 2000
  • 28. Competências Gerais Habilidades gerais e específicas - Representar - Comunicar-se - Conviver - Ler e expressar-se com textos, ícones, etc - Converter uma linguagem em outra - Registrar observações - Descrever situações - Sistematizar dados - Elaborar relatórios - Argumentar - Trabalhar em grupo - Investigar e intervir em situações reais - Formular questões - Realizar observações - Estabelecer relações - Interpretar, propor e fazer experimentos - Fazer e verificar hipóteses -Diagnosticar e enfrentar problemas, individualmente ou em equipe - Estabelecer conexões e dar contexto - Relacionar informações e processos com seus contextos e diversas áreas de conhecimento - Identificar dimensões sociais, éticas em questões técnicas e científicas Analisar o papel da ciência e da tecnologia no presente e ao longo da História
  • 29. SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM - COMO APLICÁ-LAS NO ENSINO DE HISTÓRIA? EXEMPLO PRÁTICO DE APLICAÇÃO E POSSIBILIDADES
  • 30. CADERNO DO PROFESSOR 5ª SÉRIE ENSINO FUNDAMENTAL 3º BIMESTRE E 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO
  • 31. NUNCA É DEMAIS INSISTIR QUE, PARA ENSINAR HISTÓRIA, DESPERTAR E ALIMENTAR NOS ALUNOS O GOSTO POR ESSA DISCIPLINA, É PRECISO GOSTAR DE HISTÓRIA. SÓ GOSTANDO É POSSÍVEL CHEGAR À CONSTITUIÇÃO DE AMBIENTES ESCOLARES MARCADOS PELA REFLEXÃO E ANIMADOS PELO DEBATE PARTICIPATIVO.
  • 32. BIBLIOGRAFIA: BRASILIA. Ministério da Educação, Scretaria de Educação Básica, 2008. Orientações Curriculares para o Ensino Médio – Ciências Humanas e suas Tecnologias BITTENCOURT, Circe (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2006. - (Repensando o Ensino) KARNAL, Leandro (org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. Editora contexto. SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Proposta Curricular – Ensino Médio / Ensino Fundamental (5ª a 8ªséries) – Cenp – SEESP. __________. Secretaria de Estado da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Proposta Curricular do Estado de São Paulo: História – São Paulo SEE, 2008. Parâmetros curriculares nacionais : história /Secretaria de Educação Fundamental. Brasília : MEC /SEF, 1998.108 p. Professora Coordenadora da Oficina Pedagógica de História Elvira Aparecida Ciaramicoli Aliceda – Diretoria de Ensino – Região de Tupã