SlideShare uma empresa Scribd logo
MINI CURSO
Métodos e Técnicas de EnsinoMétodos e Técnicas de Ensino
na Educação Profissional (EP)na Educação Profissional (EP)
Eduardo F. Barbosa – UFMGEduardo F. Barbosa – UFMG
Dácio G. Moura – CEFET-MGDácio G. Moura – CEFET-MG
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO
TECNOLÓGICA
CEFET - MG
1
Métodos e Técnicas de Ensino na EPMétodos e Técnicas de Ensino na EP
Objetivo geral - Promover reflexões sobre métodos e práticas de ensino correntes,
visando à melhoria do desempenho do professor e do aluno na EP
Objetivos específicos
•Complementar a formação didático-pedagógica de professores da EP
•Apresentar conceitos básicos sobre metodologias ativas de aprendizagem
•Apresentar o método de ensino por meio de projetos e suas possibilidades na EP
Tópicos de conteúdo
Contexto educacional e suas necessidades; reflexões sobre práticas de ensino
Metodologias Ativas: Aprendizagem Baseada em Problemas e Projetos (ABPs)
O trabalho com projetos educacionais - Projetos de Ensino e de Aprendizagem
Desenvolvimento profissional do Educador na EP – Fatores de motivação; Boas
práticas de redação técnica e científica; Ética na pesquisa científica e no ensino;
Levantamento de novas demandas para a formação pedagógica no contexto da
EP
Trabalhos e exercícios; Discussão de tópicos de interesse dos professores.
Avaliação do Curso 2
3
IntroduçãoIntrodução
Contextualizando a temática do CursoContextualizando a temática do Curso
Reflexões sobre o cenário sócio econômicoReflexões sobre o cenário sócio econômico
educacional e tecnológicoeducacional e tecnológico
4
Algumas palavras chaves que contextualizam este Curso
Problemas
Motivação
Desempenho
Currículo
Evasão
Projetos
Métodos
Ensinar
Práticas
inovadoras
Contextual Competências
Aluno
AprenderProfessor
Mudanças no cenário sócio econômico educacional
5
6
Mudanças no cenário sócio econômico educacional
Características do atual contexto educacional
Ansiedade
indefinida
Ansiedade
indefinida
Expectativa de mudanças
que façam diferença
Expectativa de mudanças
que façam diferença
Escola do século 19
Professor do séc. 20
Alunos do século 21
Escola do século 19
Professor do séc. 20
Alunos do século 21
Mudanças no perfil do
aluno e necessidades da
escola são intensas e
surpreendentes
Mudanças no perfil do
aluno e necessidades da
escola são intensas e
surpreendentes
Que mudanças são necessárias para atender às
demandas da Educação Superior no Brasil?
Que mudanças são necessárias para atender às
demandas da Educação Superior no Brasil?
 Sugestão para assistir e refletir: www.educacionprohibida.com
Ken Robinson: “Mudando paradigmas na educação”7
Pressões sobre a organização e funções da Escola
Conteúdos
+ complexos
+ abrangentes
Conteúdos
+ complexos
+ abrangentes
Construção de
+ habilidades e
+ competências
Construção de
+ habilidades e
+ competências
Práticas
docentes em
novas
metodologias
Práticas
docentes em
novas
metodologias
Taxa de evasãoTaxa de evasão
Aprendizagem
+ significativa
Aprendizagem
+ significativa
+ Demandas do
mundo do
trabalho
+ Demandas do
mundo do
trabalho
8
9
Qual será a próxima revolução das tecnologias
educacionais?
Livro impresso
Rádio
Cinema
Televisão
Computador
Internet
BIC?
1439
1900
1911
1930
1940 2020??
1980
Questões para reflexão
Como preparar profissionais para a próxima década se
não temos ideia sobre como será a economia mundial
nem a tecnologia dominante daqui a alguns meses?
Como organizar e conduzir processos educacionais para
ensinar conteúdos cada vez mais complexos?
Como transitar de um modelo de educação centrado no
professor para um modelo centrado no aluno?
10
Algumas propostas
Transformar a escola tradicional em espaços de
aprendizagem, base de uma sociedade sustentada em
aprendizagem intensiva e continuada (Miller, 2008)
Incluir práticas de solução de problemas, estímulo à
criatividade, inovação e capacitação para aprendizagem
ao longo da vida (Caldwell, 98)
Reinventar a educação e o modelo tradicional de escola
para atender demandas de uma sociedade pautada no
conhecimento inter, multi e transdisciplinar (ARAÚJO, 2011)
11
Algumas habilidades básicas ausentes (David Goldberg)
Fazer boas perguntasFazer boas perguntas PerguntarPerguntar
Alunos da área tecnológica não estão sabendo...
Reconhecer objetos/processos NomearNomear
Compreender fenômenos e elaborar
modelos
Compreender fenômenos e elaborar
modelos ModelarModelar
Dividir problemas complexosDividir problemas complexos DecomporDecompor
Identificar grandezas, fazer medidasIdentificar grandezas, fazer medidas MedirMedir
Representar fenômenos e relaçõesRepresentar fenômenos e relações VisualizarVisualizar
Expressar ideias, conceitos,
resultados
Expressar ideias, conceitos,
resultados ComunicarComunicar12
ProfessorProfessor CurriculoCurriculo
MétodoMétodo AmbienteAmbiente
Aluno
Visão da Educação como um Sistema
Cada componente é um fator que afeta o resultado
13
QUE COMPONENTE TEM MAIOR IMPACTO NO DESEMPENHO
DO SISTEMA?
Revendo conceitos: o que é o “Currículo”?
É o conjunto de atividades
de aprendizagem e
experiências que o aluno
tem no ambiente escolar
É o conjunto de atividades
de aprendizagem e
experiências que o aluno
tem no ambiente escolar
O foco central do
currículo deve ser o
ALUNO
O foco central do
currículo deve ser o
ALUNO
As atividades formais
(aulas) não são os únicos
componentes do currículo
As atividades formais
(aulas) não são os únicos
componentes do currículo
O aluno desenvolve
competências em várias
experiências de
aprendizagem
(Currículo Implícito)
O aluno desenvolve
competências em várias
experiências de
aprendizagem
(Currículo Implícito)
14
Há muitas discussões sobre a organização curricular...
15
Mas, reorganizar o currículo é apenas parte da solução
Como a EP pode atender às demandas do mundo do
trabalho, do indivíduo e da sociedade?
Gerar
aprendiza-
gem signifi-
cativa
Gerar
aprendiza-
gem signifi-
cativa
Prover
ensino
contextu-
alizado
Prover
ensino
contextu-
alizado
Incentivar o
uso dos
recursos da
inteligência
Incentivar o
uso dos
recursos da
inteligência Ensinar a
pensar,
criar, inovar,
decidir,
resolver...
Ensinar a
pensar,
criar, inovar,
decidir,
resolver...Ensinar a
transformar
ideias em
resultados
Ensinar a
transformar
ideias em
resultados
16
17
Uma nova profissão para o EngenheiroUma nova profissão para o Engenheiro
Design Instrucional / Educacional
ou
Engenharia Pedagógica
Projeto (design) de processos para obter
resultados educacionais específicos
Design Instrucional / Educacional
ou
Engenharia Pedagógica
Projeto (design) de processos para obter
resultados educacionais específicos
Idem, agosto/2012
Caderno “Cotidiano”
Folha de São Paulo, agosto/2012
Ex.: Educação de nível médio: um problema a
resolver
Revista Veja
22/agosto/2012
18
Alunos que estão no Nível 4 ou superior:
Austrália: 38%; Canadá: 43%; Coréia do Sul: 52%; Brasil: 3,8%
Conhecimentos de matemática – uma avaliação preocupante
(Folha SP,
10/9/2012)
19
 Importação de engenheiros (2012)
•Até 2020, o Brasil precisa ter 70 mil novos engenheiros por
ano. Atualmente, formamos só 41 mil por ano.
•A evasão na graduação em engenharia é alta. Alunos não têm
noções básicas de matemática do Ensino médio.
•As notas de alunos (EM) brasileiros no Pisa são preocupantes:
88% deles não conseguem ler gráficos!
 Agora chegou a vez de importar médicos
 Depois virão os administradores, professores, ...
20
Você se importa
com a importação de profissionais?
“MEC impede abertura de novas vagas
em 270 cursos no país”
Cursos fechados a partir de 2014 (44.069 vagas)
103 cursos em Administração
51 cursos em Ciências Contábeis
38 cursos em Direito
16 cursos em Comunicação Social
62 nos demais cursos
21
Mais más notícias (6/11/2013)
EvasãoEvasão
O que aprendemos com as lições do Ensino Médio?
DispersãoDispersão
DesempenhoDesempenho
TecnologiasTecnologias
ConteúdosConteúdos
MetodologiasMetodologias A culpa é só
do
CONTEÚDO?
A culpa é só
do
CONTEÚDO?
Se for, a
solução é por
DECRETO
Se for, a
solução é por
DECRETO
?
22
Além de reorganizar conteúdos, precisamos de
reorganizar espaços, ações, concepções, métodos...
23
Em ambos os processos, tudo que ali ocorre,
certo ou errado, afeta o resultado final
Na escola, a sala de
aula é o ambiente onde
as relações entre
professor e aluno são
partes fundamentais dos
processos (produtivos) de
ensinar e de aprender.
Na indústria, “chão de
Fábrica” é usado para
definir o espaço onde
o processo produtivo
efetivamente acontece.
24
Metodologias Ativas de AprendizagemMetodologias Ativas de Aprendizagem
Possibilidades e desafios na EPPossibilidades e desafios na EP
CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO
TECNOLÓGICA
CEFET-MG
25
Metodologias Ativas de AprendizagemMetodologias Ativas de Aprendizagem
Tópicos
Metodologias Ativas – o que são, para que e como aplicar?
Aprendizagem Baseada em Problemas – PBL [Problemas]
Aprendizagem Baseada em Projetos – PBL [Projetos]
Possibilidades das Metodologias Ativas na Educação
26
Que imagem vem à mente quando ouvimos a expressão
“APRENDIZAGEM ATIVA”?
27
28
O que é uma Metodologia Ativa de
Aprendizagem?
A aprendizagem ativa ocorre quando o aluno interage
com o assunto em estudo e é estimulado a construir o
conhecimento ao invés de recebê-lo passivamente;
é, portanto, um método de ensino focado no aluno.
Exemplos de metodologias ativas:
Aprendizagem Baseada em Problemas
Aprendizagem Baseada em Projetos
29
Para entender o conceito de aprendizagem ativa,
vejamos o que diz um antigo provérbio ...
O que eu ouço, eu esqueçoO que eu ouço, eu esqueço
O que eu vejo, eu lembroO que eu vejo, eu lembro
O que eu faço, eu compreendoO que eu faço, eu compreendo
30
Versão atual, no contexto da aprendizagem ativa
O que eu ouço, eu esqueçoO que eu ouço, eu esqueço
O que eu ouço e vejo, eu me lembroO que eu ouço e vejo, eu me lembro
O que eu ouço, vejo e discuto, eu
compreendo
O que eu ouço, vejo e discuto, eu
compreendo
Se ouço, vejo, discuto e faço, tenho
conhec./habilidade
Se ouço, vejo, discuto e faço, tenho
conhec./habilidade
O que ensino para alguém, domino com
maestria
O que ensino para alguém, domino com
maestria
(Silberman, 1996)
31
Para se envolver ativamente no processo de
aprendizagem o aluno deve:
Ouvir, ler, escrever,
perguntar, discutir,
resolver problemas,
desenvolver projetos
Ouvir, ler, escrever,
perguntar, discutir,
resolver problemas,
desenvolver projetos
Realizar tarefas mentais
de alto nível, como
análise, síntese,
avaliação, inovação
Realizar tarefas mentais
de alto nível, como
análise, síntese,
avaliação, inovação
Estar fazendo algo e, ao
mesmo tempo, pensando
naquilo que está fazendo
Estar fazendo algo e, ao
mesmo tempo, pensando
naquilo que está fazendo
Exercitar sua inteligência
nas funções de pensar,
observar, raciocinar,
refletir, entender, etc.
Exercitar sua inteligência
nas funções de pensar,
observar, raciocinar,
refletir, entender, etc.
32
33
Incentiva o aluno
a usar as funções
mentais de pensar,
raciocinar, refletir,
observar, entender,
dentre outras que,
em conjunto, formam
a inteligência.
Principal atributo de
ambientes de
aprendizagem ativa
é a atitude ativa da
inteligência, em
oposição à atitude
passiva associada aos
métodos tradicionais
Tão importante
quanto pensar
no que está
fazendo...
...é sentir o que está
fazendo; sentimentos
são fatores de fixação
do conhecimento.
Bom humor, alegria e
entusiasmo facilitam
a aprendizagem
***Aprendizagem ativa é uma estratégia para ativar o aluno***
Quanto ao professor, pressupõe-se que esteja ativo ao ensinar
***Aprendizagem ativa é uma estratégia para ativar o aluno***
Quanto ao professor, pressupõe-se que esteja ativo ao ensinar
Por que e para que aprendizagem ativa?
É um recurso que favorece o processo de ensino
Proporciona aprendizagem significativa
Gera confiança nas decisões dos alunos
Dá segurança na aplicação do conhecimento
Melhora no relacionamento interpessoal
Melhora na expressão oral e escrita
Desenvolve o gosto para resolver problemas
Incentiva o trabalho com projetos
34
Oportunidades e necessidades de
aprendizagem ativa no Ensino Superior
O maior desafio, em todas as áreas de formação, é
incorporar ambientes de aprendizagem ativa no tempo,
no espaço das tradicionais aulas expositivas
Na área de Ciências Exatas e Tecnologias, há muitas
oportunidades de aplicar metodologias ativas (oficinas,
laboratórios, projetos, pesquisas, trabalhos de campo...)
35
Atividades geradoras de ambientes de aprendizagem ativa
Discussão de temas específicos para a formação profiss.
Trabalho em equipe com envolvimento de todos
Estudo de casos relacionados com programa de ensino
Debates sobre tópicos de interesse
Geração de ideias para solução de problemas
Mapas conceituais para fixação de ideias e conceitos
Modelagem de dispositivos, processos e sistemas
Atividades de investigação e pesquisa
...
36
37
Mapa conceitual para o ensino e aprendizagem tradicionais
Duas metodologias ativas sistematizadas: PBL + PBL
38
Trajetória da ABProb
 A ideia de trabalhar com problemas como meio para
ensinar e aprender é bem antiga (~500 ac)
 A sistematização da ABP surgiu na década de 60, no
Canadá, aplicada em escolas de Medicina.
 Aplicação em várias áreas: Administração, Arquitetura,
Ciência da computação, Ciências sociais, Engenharia,...
 Brasil: interesse crescente em ABP  EACH/USP (Artes,
Ciências e Hum.) aplica ABP em 10 cursos, desde 2005
39
 Base: uso contextualizado de uma situação-problema para
o aprendizado autodirigido (diferente da transmissão
verbal do conhecimento centrada no professor e dirigida
por conteúdos disciplinares)
 ABProb: aprendizado centrado no aluno, que deixa de ser
receptor passivo da informação para ser o agente e
responsável por seu aprendizado
 ABProb: professor atua como orientador nos grupos de
trabalho/estudo, com forte interação com o aluno
Aspectos básicos da ABProb
40
Aplicação da ABProb
ABP transforma um problema em fator de motivação
para aprendizado, enfatizando a construção de
conhecimento em ambiente de colaboração. A ideia não
é ter sempre o problema resolvido na etapa final, mas sim
enfatizar o processo seguido na construção do
conhecimento.
ABP transforma um problema em fator de motivação
para aprendizado, enfatizando a construção de
conhecimento em ambiente de colaboração. A ideia não
é ter sempre o problema resolvido na etapa final, mas sim
enfatizar o processo seguido na construção do
conhecimento.
•
A ABP admite sequencias de ações que variam conforme o
nível de ensino, área de conhecimento e objetivos de
aprendizagem que se quer alcançar.
A ABP admite sequencias de ações que variam conforme o
nível de ensino, área de conhecimento e objetivos de
aprendizagem que se quer alcançar.
•
41
Entendimento
inicial do
problema e
esclarecimentos
para
compreende-lo
de forma
abrangente
Entendimento
inicial do
problema e
esclarecimentos
para
compreende-lo
de forma
abrangente
Início
1 432
Decomposição
do problema
em partes,
identificando
relações,
funções,
estruturas
Decomposição
do problema
em partes,
identificando
relações,
funções,
estruturas
Listar possíveis
explicações ou
soluções, com
base no
conhecimento
atual
(brainstorming)
Listar possíveis
explicações ou
soluções, com
base no
conhecimento
atual
(brainstorming)
Para orientar a
investigação ou
pesquisa e
definir bem o
problema.
Perguntas
ajudam a
pensar
Para orientar a
investigação ou
pesquisa e
definir bem o
problema.
Perguntas
ajudam a
pensar
Geração
de Ideias Análise
Elaboração
de
questões
Um exemplo de sequencia para ABProb
...
42
O que se espera
aprender com os
resultados do
trabalho
O que se espera
aprender com os
resultados do
trabalho
Objetivos de
aprendizagem
5 876
Do trabalho
desenvolvido e
dos resultados
alcançados
Do trabalho
desenvolvido e
dos resultados
alcançados
Individual e
discussão em
grupo, com
registro do
processo
seguido
Individual e
discussão em
grupo, com
registro do
processo
seguido
Do trabalho
desenvolvido,
dos resultados
alcançados e
ações futuras
Do trabalho
desenvolvido,
dos resultados
alcançados e
ações futuras
Estudo
Síntese e
avaliação
... Apresentação
43
Um exemplo de sequencia para ABProb
O que a ABProb requer do Professor
44
O que a ABProb requer do Aluno
45
Outros requisitos docentes para prática da ABProb
46
 John Dewey (1897) – Inicialmente, projetos de aprendizagem
teriam 4 fases: intenção, planejamento, execução, julgamento
 Inúmeras experiências escolares mostram o potencial dos
projetos na melhoria do processo educativo
Aprendizagem Baseada em Projetos - ABProj
PROJETOS DE TRABALHO = PROJETOS DE
APRENDIZAGEM
PROJETOS DE TRABALHO = PROJETOS DE
APRENDIZAGEM
A sistematização desse recurso educacional deu origem à
METODOLOGIA DE PROJETOS
A sistematização desse recurso educacional deu origem à
METODOLOGIA DE PROJETOS
47
Conceitos básicos em Projetos
48
Aprendizagem
significativa
Virtual
X
contextual
Alguns aspectos do Método de Projetos
MP
49
MP e aprendizagem significativa
“A aprendizagem significativa ocorre quando o aluno
percebe que o material a estudar se relaciona com os seus
próprios objetivos. [...] A aprendizagem é facilitada quando
o aluno participa do seu processo. [...] envolve a pessoa
como um todo – seus sentimentos e sua inteligência – é a
mais durável e penetrante. [...] A aprendizagem
socialmente mais útil, no mundo moderno, é a do próprio
processo de aprendizagem [...]” (Gadotti, 1994)
Qual é a importância de uma aprendizagem
contextualizada para a formação profissional?
Qual é a importância de uma aprendizagem
contextualizada para a formação profissional?
50
MP e objetivos da formação profissional
A MP contribui para formar indivíduos com uma visão global da
realidade e prepara para a aprendizagem ao longo da vida.
A construção do conhecimento é favorecida quando o aluno
participa do plano de atividades, com objetivos bem claros
Quanto maior o envolvimento do aluno com seu processo de
aprender, mais significativa e duradoura é sua aprendizagem
O ideário da MP é muito favorável à realização dos
objetivos da formação profissional em várias áreas
O ideário da MP é muito favorável à realização dos
objetivos da formação profissional em várias áreas
51
Diretrizes gerais para projetos de aprendizagem
• Construção com inovação
• Criativo na forma, função, processo
Construtivo
• Pesquisa científica, busca do
conhecimento
• Questões de investigação
Investigativo
• Como funciona? Para que serve?
• Engenharia reversa
Didático
(Explicativo)
Classificação dos Projetos de Aprendizagem
52
Tema do projeto - Escolha dos alunos +negociação com
professor
Forma - trabalho em equipe para o desenvolvimento do projeto
Ambiente - com múltiplos recursos (Escola, alunos, comunidade)
Duração – prazos definidos para concretização do projeto
Objetivo - projetos devem ter uma finalidade útil, para produzir
nos alunos a percepção de um sentido real de seus trabalhos
Comunicação - socialização de resultados em vários níveis (sala
de aula, escola, comunidade, seminários, etc.)
Diretrizes gerais para projetos de aprendizagem
53
MP é reconhecida como contribuição importante para a melhorar os
processos educacionais. Exemplos de pesquisas - Mestrado CEFET/MG:
Pesquisas recentes em Metodologia de Projetos
Metodologia de
Projetos: A percepção
do aluno sobre os
resultados da sua
aplicação.
COSTA, Ainara, 2010
Metodologia de
Projetos: A percepção
do aluno sobre os
resultados da sua
aplicação.
COSTA, Ainara, 2010
Competências do
professor para o
trabalho com a MP de
forma eficaz.
ARAÚJO, Mayra, 2009
Competências do
professor para o
trabalho com a MP de
forma eficaz.
ARAÚJO, Mayra, 2009
Contribuições da MP na
implantação das TIC nos
processos educativos da
educação básica.
GODOY, Eliana, 2009
Contribuições da MP na
implantação das TIC nos
processos educativos da
educação básica.
GODOY, Eliana, 2009
Origem da Metodologia
de Projetos, seu
significado, trajetória e
contribuição nos
processos educativos.
ALENCAR, Marise, 2011
Origem da Metodologia
de Projetos, seu
significado, trajetória e
contribuição nos
processos educativos.
ALENCAR, Marise, 2011
Contribuições da MP
para o exercício da
função de pensar.
ARAÚJO, Vanessa, 2009
Contribuições da MP
para o exercício da
função de pensar.
ARAÚJO, Vanessa, 2009
54
Contribuição da MP para a Educação
Contextualização: superando a visão fragmentada da realidade
Habilidades para lidar com transformações do mundo: pesquisar,
selecionar informação, analisar, sintetizar, cooperar, planejar, ...
Valores e habilidades: autonomia, responsabilidade, iniciativa,
autoconfiança, empreendedorismo, criatividade, comunicação, ...
Ambientes de aprendizagem: estimulam busca do conhecimento
Relação professor-aluno: mais natural, amigável, sincera, ...
55
AB-Problemas AB-Projetos
Tem origem em Problemas Situação-geradora (necessidades,...)
Problema: mais contextual do que
teórico
Situação geradora: contextual ou
teórica
Problemas definidos pelo professor Problemas definidos pelos alunos
Curta duração (2 a 4 semanas) Média duração (4 a 12 semanas)
Percurso com etapas bem definidas Percurso com etapas mais abertas
Proposta de análise e solução de
problemas
Proposta de desenvolvimento de
algo novo
Produto final não obrigatório Requer um produto final
Comparação de Métodos – ABP/PBL x ABP/PBL
56
Diferenças
57
AB-Problemas AB-Projetos
Formação de competências para o mundo do trabalho
Favorece aprendizagem contextualizada e significativa
Requer disposição e habilidades específicas do professor e do aluno
Método de ensino centrado no aluno
Atualiza os professores em práticas inovadoras
Favorece a interdisciplinaridade
Favorece o desenvolvimento da criatividade e inovação
Comparação de Métodos – ABP/PBL x ABP/PBL
Similaridades
2. Fazer o
que se
pensou
3. Pensar no
que foi feito
1. Pensar
no que
vai fazer
58
O ciclo de aprendizagem significativa
Ambos os métodos ABPs contribuem para melhorar a formação
profissional em diversas áreas
Maior desafio: o professor que não vivenciou este método tem
dificuldades para aplicá-lo e usufruir de suas possibilidades
Êxito da ABP depende de trabalho docente cooperativo, recursos,
currículo flexível, reorganização de espaços/tempos escolares...
ABP cria ambientes de aprendizagem que desenvolvem
potencialidades dos alunos e os prepara para mundo do trabalho
Concluindo
59
Novas Tecnologias: Qual delas foi desenvolvida a partir
de solicitações da Escola? Como usá-las a nosso favor?
Como educador: Como penso enfrentar o desafio de
educar as novas gerações?
Visão de futuro: Como vejo a Escola nos próximos 5,
10 ou 20 anos?
Concluindo
60
1. Moura, D. G., Barbosa, E. F. (2011) - “Trabalhando com Projetos
- Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais”, Vozes, 8ª Ed.
2. www.tecnologiadeprojetos.com.br – Site de conteúdos s/ projetos
3. Barbosa, E. F., Moura, D.G. “Metodologias Ativas de
Aprendizagem na Educação Profissional e Tecnológica” Boletim
Técnico do SENAC, Vol. 39, no. 2, 2013
4. Ulysses Ferreira de Araújo (2011) - “Metodologias Ativas de
Aprendizagem no Ens. Superior” Palestra UNICAMP (Ver WEB)
5. Barbosa, E. F., Gontijo, A. F., Santos, F. F. (2004) “Inovações
Pedagógicas em Educação Profissional - uma experiência de
utilização do MP na formação de competências”, Boletim
Técnico do Senac, v.30, n. 2.
6. Ribeiro, R. C. “A Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL):
uma implementação na educação em Engenharia”, UFSC, 2005.
7. Robinson, Ken, “Mudando paradigmas na educação” (Ver WEB)
Sugestões de estudos complementares
61
Prof. Eduardo F. Barbosa
Eduardo@tecnologiadeprojetos.com.br
Prof. Dácio G. Moura
Dacio@tecnologiadeprojetos.com.br
Contato
62
Bons Projetos!!!...
63

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
Mary Alvarenga
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
Dênia Cavalcante
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Marcela Marangon Ribeiro
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
jaddy xavier
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
Renato De Souza Abelha
 
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Mary Alvarenga
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
Religião e reigosidade 6º ano
Religião e reigosidade 6º anoReligião e reigosidade 6º ano
Religião e reigosidade 6º ano
Kamila Silvestre
 
Aula empreendedorismo
Aula empreendedorismoAula empreendedorismo
Aula empreendedorismo
José Marques Pereira Junior
 
O trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaO trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da história
Kamila Joyce
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Turma Olímpica
 
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e InovadorasEducação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Universidade Federal de Pernambuco
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
ProfessorRogerioSant
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Fran Maciel
 
Fichamento: Livro: A construção do Saber cap.?
Fichamento:   Livro: A construção do Saber cap.?Fichamento:   Livro: A construção do Saber cap.?
Fichamento: Livro: A construção do Saber cap.?
Gleyciana Garrido
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalho
Colegio
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
Paula Meyer Piagentini
 
Questionário de pesquisa de campo
Questionário de pesquisa de campoQuestionário de pesquisa de campo
Questionário de pesquisa de campo
Gecilene Silva
 

Mais procurados (20)

Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Metodologia cientifica
Metodologia cientificaMetodologia cientifica
Metodologia cientifica
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
 
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Religião e reigosidade 6º ano
Religião e reigosidade 6º anoReligião e reigosidade 6º ano
Religião e reigosidade 6º ano
 
Aula empreendedorismo
Aula empreendedorismoAula empreendedorismo
Aula empreendedorismo
 
O trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaO trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da história
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ética e Moral
 
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e InovadorasEducação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
 
Fichamento: Livro: A construção do Saber cap.?
Fichamento:   Livro: A construção do Saber cap.?Fichamento:   Livro: A construção do Saber cap.?
Fichamento: Livro: A construção do Saber cap.?
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalho
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
 
Questionário de pesquisa de campo
Questionário de pesquisa de campoQuestionário de pesquisa de campo
Questionário de pesquisa de campo
 

Destaque

Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumoAbp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Daniel Boppré
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Cátia Elias
 
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino AprendizagemEnsinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Fabio Batalha M Barros
 
Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD
Enilton Ferreira Rocha
 
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de BiologiaMetodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Universidade Federal de Pernambuco
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Mario Amorim
 
Apresentação de história
Apresentação de   históriaApresentação de   história
Apresentação de história
Elvira Aliceda
 
Novas Metodologias
Novas MetodologiasNovas Metodologias
Novas Metodologias
Luciana Dantas
 
Metodologia fat esquema1_2010 (2)
Metodologia fat esquema1_2010 (2)Metodologia fat esquema1_2010 (2)
Metodologia fat esquema1_2010 (2)
Maria Cristina Bortolozo
 
Metodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofiaMetodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofia
Universidade Federal de Pernambuco
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
Cinara Aline
 
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos   fundamentos e implicaçõesPedagogia de projetos   fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Fernandes Meira
 
Manual do Instrutor
Manual do InstrutorManual do Instrutor
Manual do Instrutor
Wesley Fidelis
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
guest04f18b
 
Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveisNovas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Simpósio Hipertexto
 
Perfil Do Instrutor
Perfil Do InstrutorPerfil Do Instrutor
Perfil Do Instrutor
Clube de Lideres Online
 
Metodos Pedagogicos PPT
Metodos Pedagogicos PPTMetodos Pedagogicos PPT
Metodos Pedagogicos PPT
guest6e2200
 
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesBuscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Radar Ufmg
 
DIDATICA SEGUNDO A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL
DIDATICA SEGUNDO A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTALDIDATICA SEGUNDO A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL
DIDATICA SEGUNDO A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL
RJS8230
 

Destaque (20)

Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumoAbp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
Abp Aprendizagem Baseada em Projetos resumo
 
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]Metodos tecnicas pedagogicas[1]
Metodos tecnicas pedagogicas[1]
 
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino AprendizagemEnsinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
 
Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD
 
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de BiologiaMetodologias Ativas no Ensino de Biologia
Metodologias Ativas no Ensino de Biologia
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
Apresentação de história
Apresentação de   históriaApresentação de   história
Apresentação de história
 
Novas Metodologias
Novas MetodologiasNovas Metodologias
Novas Metodologias
 
Metodologia fat esquema1_2010 (2)
Metodologia fat esquema1_2010 (2)Metodologia fat esquema1_2010 (2)
Metodologia fat esquema1_2010 (2)
 
Metodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofiaMetodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofia
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
 
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos   fundamentos e implicaçõesPedagogia de projetos   fundamentos e implicações
Pedagogia de projetos fundamentos e implicações
 
Manual do Instrutor
Manual do InstrutorManual do Instrutor
Manual do Instrutor
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
 
Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Metodologias ativas
 
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveisNovas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
 
Perfil Do Instrutor
Perfil Do InstrutorPerfil Do Instrutor
Perfil Do Instrutor
 
Metodos Pedagogicos PPT
Metodos Pedagogicos PPTMetodos Pedagogicos PPT
Metodos Pedagogicos PPT
 
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomesBuscando significado didatica_pos_suzana_gomes
Buscando significado didatica_pos_suzana_gomes
 
DIDATICA SEGUNDO A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL
DIDATICA SEGUNDO A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTALDIDATICA SEGUNDO A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL
DIDATICA SEGUNDO A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL
 

Semelhante a Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept

2 - Apresentação ENANGRAD 2013 - Henrique
2  - Apresentação ENANGRAD 2013 - Henrique2  - Apresentação ENANGRAD 2013 - Henrique
2 - Apresentação ENANGRAD 2013 - Henrique
ANGRAD
 
Tecnologias e Metodologias Ativas no Ensino de Química
Tecnologias e Metodologias Ativas no Ensino de QuímicaTecnologias e Metodologias Ativas no Ensino de Química
Tecnologias e Metodologias Ativas no Ensino de Química
Bruno Leite
 
Gatti, barreto e andré aula 5
Gatti, barreto e andré aula 5Gatti, barreto e andré aula 5
Gatti, barreto e andré aula 5
Audrey Danielle Beserra de Brito
 
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoAprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Universidade de Lisboa
 
O impacto das novas tecnologias na educação superior: um novo modelo de ensin...
O impacto das novas tecnologias na educação superior: um novo modelo de ensin...O impacto das novas tecnologias na educação superior: um novo modelo de ensin...
O impacto das novas tecnologias na educação superior: um novo modelo de ensin...
Desafios da Educação
 
PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS COM A ROBÓTICA NA RELAÇÃO ENSINO APREND...
PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS COM A ROBÓTICA NA RELAÇÃO ENSINO APREND...PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS COM A ROBÓTICA NA RELAÇÃO ENSINO APREND...
PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS COM A ROBÓTICA NA RELAÇÃO ENSINO APREND...
ProfessorPrincipiante
 
Apresentação tcc gtp supervisão escolar
Apresentação tcc  gtp supervisão escolarApresentação tcc  gtp supervisão escolar
Apresentação tcc gtp supervisão escolar
Adroaldo Dallabrida
 
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
Enilton Ferreira Rocha
 
Aula questões dissertativas
Aula   questões dissertativasAula   questões dissertativas
Aula questões dissertativas
Eduardo Lopes
 
Apresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de DoutoramentoApresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de Doutoramento
Fernando Rui Campos
 
Socializando Saberes: Aprendizagem e Fazeres alinhados a BNCC.
Socializando Saberes: Aprendizagem e Fazeres alinhados a BNCC.Socializando Saberes: Aprendizagem e Fazeres alinhados a BNCC.
Socializando Saberes: Aprendizagem e Fazeres alinhados a BNCC.
EducaAo
 
83343.pptxgggggggggtxfffffffffffggggggggy77
83343.pptxgggggggggtxfffffffffffggggggggy7783343.pptxgggggggggtxfffffffffffggggggggy77
83343.pptxgggggggggtxfffffffffffggggggggy77
Superclaudinei
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escola
gindri
 
Apresentação no fórum mundial
Apresentação no fórum mundialApresentação no fórum mundial
Apresentação no fórum mundial
José Antonio Kuller
 
Aptus para escolaridade aberta em mocambique - Fase 2
Aptus para escolaridade aberta em mocambique - Fase 2Aptus para escolaridade aberta em mocambique - Fase 2
Aptus para escolaridade aberta em mocambique - Fase 2
Rosario Passos
 
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino deSaberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
UFMA e UEMA
 
Metodologias e recursos para integrar tecnologias digitais nas práticas educa...
Metodologias e recursos para integrar tecnologias digitais nas práticas educa...Metodologias e recursos para integrar tecnologias digitais nas práticas educa...
Metodologias e recursos para integrar tecnologias digitais nas práticas educa...
GILT (Games, Interaction and Learning Technologies) IS Engenharia do Porto
 
Provas públicas de doutoramento
Provas públicas de doutoramentoProvas públicas de doutoramento
Provas públicas de doutoramento
EB 2,3 Rainha Santa Isabel - Carreira
 
Especialização em ead
Especialização em eadEspecialização em ead
Especialização em ead
ELOI DE OLIVEIRA BATISTA
 
Percepção de Alunos de Engenharia de Produção Acerca da Utilização da Metodol...
Percepção de Alunos de Engenharia de Produção Acerca da Utilização da Metodol...Percepção de Alunos de Engenharia de Produção Acerca da Utilização da Metodol...
Percepção de Alunos de Engenharia de Produção Acerca da Utilização da Metodol...
Carlos Fernando Jung
 

Semelhante a Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept (20)

2 - Apresentação ENANGRAD 2013 - Henrique
2  - Apresentação ENANGRAD 2013 - Henrique2  - Apresentação ENANGRAD 2013 - Henrique
2 - Apresentação ENANGRAD 2013 - Henrique
 
Tecnologias e Metodologias Ativas no Ensino de Química
Tecnologias e Metodologias Ativas no Ensino de QuímicaTecnologias e Metodologias Ativas no Ensino de Química
Tecnologias e Metodologias Ativas no Ensino de Química
 
Gatti, barreto e andré aula 5
Gatti, barreto e andré aula 5Gatti, barreto e andré aula 5
Gatti, barreto e andré aula 5
 
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoAprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
 
O impacto das novas tecnologias na educação superior: um novo modelo de ensin...
O impacto das novas tecnologias na educação superior: um novo modelo de ensin...O impacto das novas tecnologias na educação superior: um novo modelo de ensin...
O impacto das novas tecnologias na educação superior: um novo modelo de ensin...
 
PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS COM A ROBÓTICA NA RELAÇÃO ENSINO APREND...
PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS COM A ROBÓTICA NA RELAÇÃO ENSINO APREND...PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS COM A ROBÓTICA NA RELAÇÃO ENSINO APREND...
PERCEPÇÕES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS COM A ROBÓTICA NA RELAÇÃO ENSINO APREND...
 
Apresentação tcc gtp supervisão escolar
Apresentação tcc  gtp supervisão escolarApresentação tcc  gtp supervisão escolar
Apresentação tcc gtp supervisão escolar
 
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
 
Aula questões dissertativas
Aula   questões dissertativasAula   questões dissertativas
Aula questões dissertativas
 
Apresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de DoutoramentoApresentação Tese de Doutoramento
Apresentação Tese de Doutoramento
 
Socializando Saberes: Aprendizagem e Fazeres alinhados a BNCC.
Socializando Saberes: Aprendizagem e Fazeres alinhados a BNCC.Socializando Saberes: Aprendizagem e Fazeres alinhados a BNCC.
Socializando Saberes: Aprendizagem e Fazeres alinhados a BNCC.
 
83343.pptxgggggggggtxfffffffffffggggggggy77
83343.pptxgggggggggtxfffffffffffggggggggy7783343.pptxgggggggggtxfffffffffffggggggggy77
83343.pptxgggggggggtxfffffffffffggggggggy77
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escola
 
Apresentação no fórum mundial
Apresentação no fórum mundialApresentação no fórum mundial
Apresentação no fórum mundial
 
Aptus para escolaridade aberta em mocambique - Fase 2
Aptus para escolaridade aberta em mocambique - Fase 2Aptus para escolaridade aberta em mocambique - Fase 2
Aptus para escolaridade aberta em mocambique - Fase 2
 
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino deSaberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
Saberes pedagógicos e práticas docentes no ensino de
 
Metodologias e recursos para integrar tecnologias digitais nas práticas educa...
Metodologias e recursos para integrar tecnologias digitais nas práticas educa...Metodologias e recursos para integrar tecnologias digitais nas práticas educa...
Metodologias e recursos para integrar tecnologias digitais nas práticas educa...
 
Provas públicas de doutoramento
Provas públicas de doutoramentoProvas públicas de doutoramento
Provas públicas de doutoramento
 
Especialização em ead
Especialização em eadEspecialização em ead
Especialização em ead
 
Percepção de Alunos de Engenharia de Produção Acerca da Utilização da Metodol...
Percepção de Alunos de Engenharia de Produção Acerca da Utilização da Metodol...Percepção de Alunos de Engenharia de Produção Acerca da Utilização da Metodol...
Percepção de Alunos de Engenharia de Produção Acerca da Utilização da Metodol...
 

Último

Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept

  • 1. MINI CURSO Métodos e Técnicas de EnsinoMétodos e Técnicas de Ensino na Educação Profissional (EP)na Educação Profissional (EP) Eduardo F. Barbosa – UFMGEduardo F. Barbosa – UFMG Dácio G. Moura – CEFET-MGDácio G. Moura – CEFET-MG CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET - MG 1
  • 2. Métodos e Técnicas de Ensino na EPMétodos e Técnicas de Ensino na EP Objetivo geral - Promover reflexões sobre métodos e práticas de ensino correntes, visando à melhoria do desempenho do professor e do aluno na EP Objetivos específicos •Complementar a formação didático-pedagógica de professores da EP •Apresentar conceitos básicos sobre metodologias ativas de aprendizagem •Apresentar o método de ensino por meio de projetos e suas possibilidades na EP Tópicos de conteúdo Contexto educacional e suas necessidades; reflexões sobre práticas de ensino Metodologias Ativas: Aprendizagem Baseada em Problemas e Projetos (ABPs) O trabalho com projetos educacionais - Projetos de Ensino e de Aprendizagem Desenvolvimento profissional do Educador na EP – Fatores de motivação; Boas práticas de redação técnica e científica; Ética na pesquisa científica e no ensino; Levantamento de novas demandas para a formação pedagógica no contexto da EP Trabalhos e exercícios; Discussão de tópicos de interesse dos professores. Avaliação do Curso 2
  • 3. 3 IntroduçãoIntrodução Contextualizando a temática do CursoContextualizando a temática do Curso Reflexões sobre o cenário sócio econômicoReflexões sobre o cenário sócio econômico educacional e tecnológicoeducacional e tecnológico
  • 4. 4 Algumas palavras chaves que contextualizam este Curso Problemas Motivação Desempenho Currículo Evasão Projetos Métodos Ensinar Práticas inovadoras Contextual Competências Aluno AprenderProfessor
  • 5. Mudanças no cenário sócio econômico educacional 5
  • 6. 6 Mudanças no cenário sócio econômico educacional
  • 7. Características do atual contexto educacional Ansiedade indefinida Ansiedade indefinida Expectativa de mudanças que façam diferença Expectativa de mudanças que façam diferença Escola do século 19 Professor do séc. 20 Alunos do século 21 Escola do século 19 Professor do séc. 20 Alunos do século 21 Mudanças no perfil do aluno e necessidades da escola são intensas e surpreendentes Mudanças no perfil do aluno e necessidades da escola são intensas e surpreendentes Que mudanças são necessárias para atender às demandas da Educação Superior no Brasil? Que mudanças são necessárias para atender às demandas da Educação Superior no Brasil?  Sugestão para assistir e refletir: www.educacionprohibida.com Ken Robinson: “Mudando paradigmas na educação”7
  • 8. Pressões sobre a organização e funções da Escola Conteúdos + complexos + abrangentes Conteúdos + complexos + abrangentes Construção de + habilidades e + competências Construção de + habilidades e + competências Práticas docentes em novas metodologias Práticas docentes em novas metodologias Taxa de evasãoTaxa de evasão Aprendizagem + significativa Aprendizagem + significativa + Demandas do mundo do trabalho + Demandas do mundo do trabalho 8
  • 9. 9 Qual será a próxima revolução das tecnologias educacionais? Livro impresso Rádio Cinema Televisão Computador Internet BIC? 1439 1900 1911 1930 1940 2020?? 1980
  • 10. Questões para reflexão Como preparar profissionais para a próxima década se não temos ideia sobre como será a economia mundial nem a tecnologia dominante daqui a alguns meses? Como organizar e conduzir processos educacionais para ensinar conteúdos cada vez mais complexos? Como transitar de um modelo de educação centrado no professor para um modelo centrado no aluno? 10
  • 11. Algumas propostas Transformar a escola tradicional em espaços de aprendizagem, base de uma sociedade sustentada em aprendizagem intensiva e continuada (Miller, 2008) Incluir práticas de solução de problemas, estímulo à criatividade, inovação e capacitação para aprendizagem ao longo da vida (Caldwell, 98) Reinventar a educação e o modelo tradicional de escola para atender demandas de uma sociedade pautada no conhecimento inter, multi e transdisciplinar (ARAÚJO, 2011) 11
  • 12. Algumas habilidades básicas ausentes (David Goldberg) Fazer boas perguntasFazer boas perguntas PerguntarPerguntar Alunos da área tecnológica não estão sabendo... Reconhecer objetos/processos NomearNomear Compreender fenômenos e elaborar modelos Compreender fenômenos e elaborar modelos ModelarModelar Dividir problemas complexosDividir problemas complexos DecomporDecompor Identificar grandezas, fazer medidasIdentificar grandezas, fazer medidas MedirMedir Representar fenômenos e relaçõesRepresentar fenômenos e relações VisualizarVisualizar Expressar ideias, conceitos, resultados Expressar ideias, conceitos, resultados ComunicarComunicar12
  • 13. ProfessorProfessor CurriculoCurriculo MétodoMétodo AmbienteAmbiente Aluno Visão da Educação como um Sistema Cada componente é um fator que afeta o resultado 13 QUE COMPONENTE TEM MAIOR IMPACTO NO DESEMPENHO DO SISTEMA?
  • 14. Revendo conceitos: o que é o “Currículo”? É o conjunto de atividades de aprendizagem e experiências que o aluno tem no ambiente escolar É o conjunto de atividades de aprendizagem e experiências que o aluno tem no ambiente escolar O foco central do currículo deve ser o ALUNO O foco central do currículo deve ser o ALUNO As atividades formais (aulas) não são os únicos componentes do currículo As atividades formais (aulas) não são os únicos componentes do currículo O aluno desenvolve competências em várias experiências de aprendizagem (Currículo Implícito) O aluno desenvolve competências em várias experiências de aprendizagem (Currículo Implícito) 14
  • 15. Há muitas discussões sobre a organização curricular... 15 Mas, reorganizar o currículo é apenas parte da solução
  • 16. Como a EP pode atender às demandas do mundo do trabalho, do indivíduo e da sociedade? Gerar aprendiza- gem signifi- cativa Gerar aprendiza- gem signifi- cativa Prover ensino contextu- alizado Prover ensino contextu- alizado Incentivar o uso dos recursos da inteligência Incentivar o uso dos recursos da inteligência Ensinar a pensar, criar, inovar, decidir, resolver... Ensinar a pensar, criar, inovar, decidir, resolver...Ensinar a transformar ideias em resultados Ensinar a transformar ideias em resultados 16
  • 17. 17 Uma nova profissão para o EngenheiroUma nova profissão para o Engenheiro Design Instrucional / Educacional ou Engenharia Pedagógica Projeto (design) de processos para obter resultados educacionais específicos Design Instrucional / Educacional ou Engenharia Pedagógica Projeto (design) de processos para obter resultados educacionais específicos
  • 18. Idem, agosto/2012 Caderno “Cotidiano” Folha de São Paulo, agosto/2012 Ex.: Educação de nível médio: um problema a resolver Revista Veja 22/agosto/2012 18
  • 19. Alunos que estão no Nível 4 ou superior: Austrália: 38%; Canadá: 43%; Coréia do Sul: 52%; Brasil: 3,8% Conhecimentos de matemática – uma avaliação preocupante (Folha SP, 10/9/2012) 19
  • 20.  Importação de engenheiros (2012) •Até 2020, o Brasil precisa ter 70 mil novos engenheiros por ano. Atualmente, formamos só 41 mil por ano. •A evasão na graduação em engenharia é alta. Alunos não têm noções básicas de matemática do Ensino médio. •As notas de alunos (EM) brasileiros no Pisa são preocupantes: 88% deles não conseguem ler gráficos!  Agora chegou a vez de importar médicos  Depois virão os administradores, professores, ... 20 Você se importa com a importação de profissionais?
  • 21. “MEC impede abertura de novas vagas em 270 cursos no país” Cursos fechados a partir de 2014 (44.069 vagas) 103 cursos em Administração 51 cursos em Ciências Contábeis 38 cursos em Direito 16 cursos em Comunicação Social 62 nos demais cursos 21 Mais más notícias (6/11/2013)
  • 22. EvasãoEvasão O que aprendemos com as lições do Ensino Médio? DispersãoDispersão DesempenhoDesempenho TecnologiasTecnologias ConteúdosConteúdos MetodologiasMetodologias A culpa é só do CONTEÚDO? A culpa é só do CONTEÚDO? Se for, a solução é por DECRETO Se for, a solução é por DECRETO ? 22
  • 23. Além de reorganizar conteúdos, precisamos de reorganizar espaços, ações, concepções, métodos... 23 Em ambos os processos, tudo que ali ocorre, certo ou errado, afeta o resultado final Na escola, a sala de aula é o ambiente onde as relações entre professor e aluno são partes fundamentais dos processos (produtivos) de ensinar e de aprender. Na indústria, “chão de Fábrica” é usado para definir o espaço onde o processo produtivo efetivamente acontece.
  • 24. 24
  • 25. Metodologias Ativas de AprendizagemMetodologias Ativas de Aprendizagem Possibilidades e desafios na EPPossibilidades e desafios na EP CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-MG 25
  • 26. Metodologias Ativas de AprendizagemMetodologias Ativas de Aprendizagem Tópicos Metodologias Ativas – o que são, para que e como aplicar? Aprendizagem Baseada em Problemas – PBL [Problemas] Aprendizagem Baseada em Projetos – PBL [Projetos] Possibilidades das Metodologias Ativas na Educação 26
  • 27. Que imagem vem à mente quando ouvimos a expressão “APRENDIZAGEM ATIVA”? 27
  • 28. 28
  • 29. O que é uma Metodologia Ativa de Aprendizagem? A aprendizagem ativa ocorre quando o aluno interage com o assunto em estudo e é estimulado a construir o conhecimento ao invés de recebê-lo passivamente; é, portanto, um método de ensino focado no aluno. Exemplos de metodologias ativas: Aprendizagem Baseada em Problemas Aprendizagem Baseada em Projetos 29
  • 30. Para entender o conceito de aprendizagem ativa, vejamos o que diz um antigo provérbio ... O que eu ouço, eu esqueçoO que eu ouço, eu esqueço O que eu vejo, eu lembroO que eu vejo, eu lembro O que eu faço, eu compreendoO que eu faço, eu compreendo 30
  • 31. Versão atual, no contexto da aprendizagem ativa O que eu ouço, eu esqueçoO que eu ouço, eu esqueço O que eu ouço e vejo, eu me lembroO que eu ouço e vejo, eu me lembro O que eu ouço, vejo e discuto, eu compreendo O que eu ouço, vejo e discuto, eu compreendo Se ouço, vejo, discuto e faço, tenho conhec./habilidade Se ouço, vejo, discuto e faço, tenho conhec./habilidade O que ensino para alguém, domino com maestria O que ensino para alguém, domino com maestria (Silberman, 1996) 31
  • 32. Para se envolver ativamente no processo de aprendizagem o aluno deve: Ouvir, ler, escrever, perguntar, discutir, resolver problemas, desenvolver projetos Ouvir, ler, escrever, perguntar, discutir, resolver problemas, desenvolver projetos Realizar tarefas mentais de alto nível, como análise, síntese, avaliação, inovação Realizar tarefas mentais de alto nível, como análise, síntese, avaliação, inovação Estar fazendo algo e, ao mesmo tempo, pensando naquilo que está fazendo Estar fazendo algo e, ao mesmo tempo, pensando naquilo que está fazendo Exercitar sua inteligência nas funções de pensar, observar, raciocinar, refletir, entender, etc. Exercitar sua inteligência nas funções de pensar, observar, raciocinar, refletir, entender, etc. 32
  • 33. 33 Incentiva o aluno a usar as funções mentais de pensar, raciocinar, refletir, observar, entender, dentre outras que, em conjunto, formam a inteligência. Principal atributo de ambientes de aprendizagem ativa é a atitude ativa da inteligência, em oposição à atitude passiva associada aos métodos tradicionais Tão importante quanto pensar no que está fazendo... ...é sentir o que está fazendo; sentimentos são fatores de fixação do conhecimento. Bom humor, alegria e entusiasmo facilitam a aprendizagem ***Aprendizagem ativa é uma estratégia para ativar o aluno*** Quanto ao professor, pressupõe-se que esteja ativo ao ensinar ***Aprendizagem ativa é uma estratégia para ativar o aluno*** Quanto ao professor, pressupõe-se que esteja ativo ao ensinar
  • 34. Por que e para que aprendizagem ativa? É um recurso que favorece o processo de ensino Proporciona aprendizagem significativa Gera confiança nas decisões dos alunos Dá segurança na aplicação do conhecimento Melhora no relacionamento interpessoal Melhora na expressão oral e escrita Desenvolve o gosto para resolver problemas Incentiva o trabalho com projetos 34
  • 35. Oportunidades e necessidades de aprendizagem ativa no Ensino Superior O maior desafio, em todas as áreas de formação, é incorporar ambientes de aprendizagem ativa no tempo, no espaço das tradicionais aulas expositivas Na área de Ciências Exatas e Tecnologias, há muitas oportunidades de aplicar metodologias ativas (oficinas, laboratórios, projetos, pesquisas, trabalhos de campo...) 35
  • 36. Atividades geradoras de ambientes de aprendizagem ativa Discussão de temas específicos para a formação profiss. Trabalho em equipe com envolvimento de todos Estudo de casos relacionados com programa de ensino Debates sobre tópicos de interesse Geração de ideias para solução de problemas Mapas conceituais para fixação de ideias e conceitos Modelagem de dispositivos, processos e sistemas Atividades de investigação e pesquisa ... 36
  • 37. 37 Mapa conceitual para o ensino e aprendizagem tradicionais
  • 38. Duas metodologias ativas sistematizadas: PBL + PBL 38
  • 39. Trajetória da ABProb  A ideia de trabalhar com problemas como meio para ensinar e aprender é bem antiga (~500 ac)  A sistematização da ABP surgiu na década de 60, no Canadá, aplicada em escolas de Medicina.  Aplicação em várias áreas: Administração, Arquitetura, Ciência da computação, Ciências sociais, Engenharia,...  Brasil: interesse crescente em ABP  EACH/USP (Artes, Ciências e Hum.) aplica ABP em 10 cursos, desde 2005 39
  • 40.  Base: uso contextualizado de uma situação-problema para o aprendizado autodirigido (diferente da transmissão verbal do conhecimento centrada no professor e dirigida por conteúdos disciplinares)  ABProb: aprendizado centrado no aluno, que deixa de ser receptor passivo da informação para ser o agente e responsável por seu aprendizado  ABProb: professor atua como orientador nos grupos de trabalho/estudo, com forte interação com o aluno Aspectos básicos da ABProb 40
  • 41. Aplicação da ABProb ABP transforma um problema em fator de motivação para aprendizado, enfatizando a construção de conhecimento em ambiente de colaboração. A ideia não é ter sempre o problema resolvido na etapa final, mas sim enfatizar o processo seguido na construção do conhecimento. ABP transforma um problema em fator de motivação para aprendizado, enfatizando a construção de conhecimento em ambiente de colaboração. A ideia não é ter sempre o problema resolvido na etapa final, mas sim enfatizar o processo seguido na construção do conhecimento. • A ABP admite sequencias de ações que variam conforme o nível de ensino, área de conhecimento e objetivos de aprendizagem que se quer alcançar. A ABP admite sequencias de ações que variam conforme o nível de ensino, área de conhecimento e objetivos de aprendizagem que se quer alcançar. • 41
  • 42. Entendimento inicial do problema e esclarecimentos para compreende-lo de forma abrangente Entendimento inicial do problema e esclarecimentos para compreende-lo de forma abrangente Início 1 432 Decomposição do problema em partes, identificando relações, funções, estruturas Decomposição do problema em partes, identificando relações, funções, estruturas Listar possíveis explicações ou soluções, com base no conhecimento atual (brainstorming) Listar possíveis explicações ou soluções, com base no conhecimento atual (brainstorming) Para orientar a investigação ou pesquisa e definir bem o problema. Perguntas ajudam a pensar Para orientar a investigação ou pesquisa e definir bem o problema. Perguntas ajudam a pensar Geração de Ideias Análise Elaboração de questões Um exemplo de sequencia para ABProb ... 42
  • 43. O que se espera aprender com os resultados do trabalho O que se espera aprender com os resultados do trabalho Objetivos de aprendizagem 5 876 Do trabalho desenvolvido e dos resultados alcançados Do trabalho desenvolvido e dos resultados alcançados Individual e discussão em grupo, com registro do processo seguido Individual e discussão em grupo, com registro do processo seguido Do trabalho desenvolvido, dos resultados alcançados e ações futuras Do trabalho desenvolvido, dos resultados alcançados e ações futuras Estudo Síntese e avaliação ... Apresentação 43 Um exemplo de sequencia para ABProb
  • 44. O que a ABProb requer do Professor 44
  • 45. O que a ABProb requer do Aluno 45
  • 46. Outros requisitos docentes para prática da ABProb 46
  • 47.  John Dewey (1897) – Inicialmente, projetos de aprendizagem teriam 4 fases: intenção, planejamento, execução, julgamento  Inúmeras experiências escolares mostram o potencial dos projetos na melhoria do processo educativo Aprendizagem Baseada em Projetos - ABProj PROJETOS DE TRABALHO = PROJETOS DE APRENDIZAGEM PROJETOS DE TRABALHO = PROJETOS DE APRENDIZAGEM A sistematização desse recurso educacional deu origem à METODOLOGIA DE PROJETOS A sistematização desse recurso educacional deu origem à METODOLOGIA DE PROJETOS 47
  • 48. Conceitos básicos em Projetos 48
  • 50. MP e aprendizagem significativa “A aprendizagem significativa ocorre quando o aluno percebe que o material a estudar se relaciona com os seus próprios objetivos. [...] A aprendizagem é facilitada quando o aluno participa do seu processo. [...] envolve a pessoa como um todo – seus sentimentos e sua inteligência – é a mais durável e penetrante. [...] A aprendizagem socialmente mais útil, no mundo moderno, é a do próprio processo de aprendizagem [...]” (Gadotti, 1994) Qual é a importância de uma aprendizagem contextualizada para a formação profissional? Qual é a importância de uma aprendizagem contextualizada para a formação profissional? 50
  • 51. MP e objetivos da formação profissional A MP contribui para formar indivíduos com uma visão global da realidade e prepara para a aprendizagem ao longo da vida. A construção do conhecimento é favorecida quando o aluno participa do plano de atividades, com objetivos bem claros Quanto maior o envolvimento do aluno com seu processo de aprender, mais significativa e duradoura é sua aprendizagem O ideário da MP é muito favorável à realização dos objetivos da formação profissional em várias áreas O ideário da MP é muito favorável à realização dos objetivos da formação profissional em várias áreas 51
  • 52. Diretrizes gerais para projetos de aprendizagem • Construção com inovação • Criativo na forma, função, processo Construtivo • Pesquisa científica, busca do conhecimento • Questões de investigação Investigativo • Como funciona? Para que serve? • Engenharia reversa Didático (Explicativo) Classificação dos Projetos de Aprendizagem 52
  • 53. Tema do projeto - Escolha dos alunos +negociação com professor Forma - trabalho em equipe para o desenvolvimento do projeto Ambiente - com múltiplos recursos (Escola, alunos, comunidade) Duração – prazos definidos para concretização do projeto Objetivo - projetos devem ter uma finalidade útil, para produzir nos alunos a percepção de um sentido real de seus trabalhos Comunicação - socialização de resultados em vários níveis (sala de aula, escola, comunidade, seminários, etc.) Diretrizes gerais para projetos de aprendizagem 53
  • 54. MP é reconhecida como contribuição importante para a melhorar os processos educacionais. Exemplos de pesquisas - Mestrado CEFET/MG: Pesquisas recentes em Metodologia de Projetos Metodologia de Projetos: A percepção do aluno sobre os resultados da sua aplicação. COSTA, Ainara, 2010 Metodologia de Projetos: A percepção do aluno sobre os resultados da sua aplicação. COSTA, Ainara, 2010 Competências do professor para o trabalho com a MP de forma eficaz. ARAÚJO, Mayra, 2009 Competências do professor para o trabalho com a MP de forma eficaz. ARAÚJO, Mayra, 2009 Contribuições da MP na implantação das TIC nos processos educativos da educação básica. GODOY, Eliana, 2009 Contribuições da MP na implantação das TIC nos processos educativos da educação básica. GODOY, Eliana, 2009 Origem da Metodologia de Projetos, seu significado, trajetória e contribuição nos processos educativos. ALENCAR, Marise, 2011 Origem da Metodologia de Projetos, seu significado, trajetória e contribuição nos processos educativos. ALENCAR, Marise, 2011 Contribuições da MP para o exercício da função de pensar. ARAÚJO, Vanessa, 2009 Contribuições da MP para o exercício da função de pensar. ARAÚJO, Vanessa, 2009 54
  • 55. Contribuição da MP para a Educação Contextualização: superando a visão fragmentada da realidade Habilidades para lidar com transformações do mundo: pesquisar, selecionar informação, analisar, sintetizar, cooperar, planejar, ... Valores e habilidades: autonomia, responsabilidade, iniciativa, autoconfiança, empreendedorismo, criatividade, comunicação, ... Ambientes de aprendizagem: estimulam busca do conhecimento Relação professor-aluno: mais natural, amigável, sincera, ... 55
  • 56. AB-Problemas AB-Projetos Tem origem em Problemas Situação-geradora (necessidades,...) Problema: mais contextual do que teórico Situação geradora: contextual ou teórica Problemas definidos pelo professor Problemas definidos pelos alunos Curta duração (2 a 4 semanas) Média duração (4 a 12 semanas) Percurso com etapas bem definidas Percurso com etapas mais abertas Proposta de análise e solução de problemas Proposta de desenvolvimento de algo novo Produto final não obrigatório Requer um produto final Comparação de Métodos – ABP/PBL x ABP/PBL 56 Diferenças
  • 57. 57 AB-Problemas AB-Projetos Formação de competências para o mundo do trabalho Favorece aprendizagem contextualizada e significativa Requer disposição e habilidades específicas do professor e do aluno Método de ensino centrado no aluno Atualiza os professores em práticas inovadoras Favorece a interdisciplinaridade Favorece o desenvolvimento da criatividade e inovação Comparação de Métodos – ABP/PBL x ABP/PBL Similaridades
  • 58. 2. Fazer o que se pensou 3. Pensar no que foi feito 1. Pensar no que vai fazer 58 O ciclo de aprendizagem significativa
  • 59. Ambos os métodos ABPs contribuem para melhorar a formação profissional em diversas áreas Maior desafio: o professor que não vivenciou este método tem dificuldades para aplicá-lo e usufruir de suas possibilidades Êxito da ABP depende de trabalho docente cooperativo, recursos, currículo flexível, reorganização de espaços/tempos escolares... ABP cria ambientes de aprendizagem que desenvolvem potencialidades dos alunos e os prepara para mundo do trabalho Concluindo 59
  • 60. Novas Tecnologias: Qual delas foi desenvolvida a partir de solicitações da Escola? Como usá-las a nosso favor? Como educador: Como penso enfrentar o desafio de educar as novas gerações? Visão de futuro: Como vejo a Escola nos próximos 5, 10 ou 20 anos? Concluindo 60
  • 61. 1. Moura, D. G., Barbosa, E. F. (2011) - “Trabalhando com Projetos - Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais”, Vozes, 8ª Ed. 2. www.tecnologiadeprojetos.com.br – Site de conteúdos s/ projetos 3. Barbosa, E. F., Moura, D.G. “Metodologias Ativas de Aprendizagem na Educação Profissional e Tecnológica” Boletim Técnico do SENAC, Vol. 39, no. 2, 2013 4. Ulysses Ferreira de Araújo (2011) - “Metodologias Ativas de Aprendizagem no Ens. Superior” Palestra UNICAMP (Ver WEB) 5. Barbosa, E. F., Gontijo, A. F., Santos, F. F. (2004) “Inovações Pedagógicas em Educação Profissional - uma experiência de utilização do MP na formação de competências”, Boletim Técnico do Senac, v.30, n. 2. 6. Ribeiro, R. C. “A Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL): uma implementação na educação em Engenharia”, UFSC, 2005. 7. Robinson, Ken, “Mudando paradigmas na educação” (Ver WEB) Sugestões de estudos complementares 61
  • 62. Prof. Eduardo F. Barbosa Eduardo@tecnologiadeprojetos.com.br Prof. Dácio G. Moura Dacio@tecnologiadeprojetos.com.br Contato 62