SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
Conferência sobre Concessões Bradesco – BBI
Agosto - 2012
DESAFIO
Nosso
DESAFIO
Nosso
Realizar e entregar soluções em
serviços públicos de
infraestrutura,
com qualidade e
inteligência.
Sempre buscando ganhos
estratégicos, financeiros,
sociais e ambientais.
HISTÓRIA
Nossa
2007
2007
2008
2008
2010
2012
IPO – Triunfo passa a
integrar o segmento do
Novo Mercado.
Início da operação da
Portonave e ampliação da
participação da Triunfo de
16,3% para 50%.
Ampliação da participação
da Triunfo na Concepa,
de 70% para 100% e
aquisição do terreno de
Santa Rita.
Triunfo encerra o ano com
receita líquida de R$ 300
milhões, apresentando um
crescimento médio de 33,4%
nos últimos 3 anos.
Inicio da operação da
usina da Rio Verde e
Triunfo vence leilão da
ANEEL para implantar
mais uma usina.
2011
2011
A Triunfo cria a
Vetria Mineração,
JV com ALL e
Vetorial mineração
Triunfo vence leilão da
ANAC para operar o
Aeroporto Internacional de
Campinas, com UTC e Egis.
Triunfo encerra o ano com
receita líquida de R$ 787
milhões, quadruplicando a
receita em 4 anos.
Maestra inicia
operação com a frota
completa de 4 navios.
2012
2007
Ampliação da
participação da
Triunfo na Econorte
de 50% para 100%.
2009
Inicio da operação
da Iceport.
Décadade90
Governo inicia programa
de Concessões de
rodovias e Triunfo vence
03 lotes: Concer, Concepa
e a Econorte (estadual)
2001e2002
Triunfo compra a área em
Navegantes e consegue a
autorização para operar o
primeiro terminal de
conteineres privado do
país.
2006
Reestruturação
societária: separação das
atividades de construção.
HISTÓRIA
Nossa
ESTRUTURA
Nossa
ESTRUTURA
Nossa
15,8%
Vetria
THP – Triunfo Holding de
Participações
Concepa
Concer
Econorte
Rio Verde
Rio Canoas
Administradores e
Controladores
100%
62,5%
100%
100%
100% 50%
58,5%
23,0 %
100%
5,5% 34,2%
60,3%
LogísticaEnergiaRodovias
Portonaus
Maestra
Portonave / Iceport
Aeroportos Brasil -
Viracopos
ATUAÇÃO
Nossa
Rodovias – 640 Km de rodovias, estrategicamente
localizadas no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio
Grande do Sul.
Administração Portuária – Terminal portuário, em
Santa Catarina, com capacidade atual para operar 750 mil
TEUs/ano, com potencial para atingir 1,3 milhões de TEUs.
Geração de Energia – Venda garantida de 594 MW/ano
de energia, ampliação para 1.105 MW/ano a partir de 2014.
Cabotagem – frota de quatro navio operando nos
principais portos, de Navegantes (SC) a Manaus (AM).
Novos projetos
• Vetria - extração, logística e comercialização de
minério de Corumbá (MT) a Santos (SP);
• Operação do Aeroporto de Viracopos, em
Campinas (SP).
ATUAÇÃO
Nossa
Mais de
3.000 colaboradores
Presente em
8 estados
CONCESSÕES
KnowHow
Combinação de conhecimento de causa e experiência.
Entendimento dos fatores que levam ao resultado mais acertado.
Acompanhamento atencioso aos marcos legais e ao surgimento de
novas oportunidades.
Este know-how reflete-se em um portifólio de projetos
bem-sucedidos, rentáveis e com alto nível de
aprovação dos usuários finais.
CONCESSÕES
Nossas
CONCEPA
Rodoviário
BR
290
Período de concessão: 1997-2017
121 km - 3 Praças de pedágio
Participação da Triunfo: 100%
Empresa de serviços: Rio Guaíba
Tráfego médio anual: 33 milhões de veículos.
Agência Reguladora: ANTT
Período de concessão: 1995-2020
180 km - 3 Praças de pedágio
Participação da Triunfo : 62,5%
Empresa de serviços: Rio Bonito
Tráfego médio anual: 30 milhões de veículos.
Agência Reguladora: ANTT
CONCER
Rodoviário
Rio de Janeiro
Duque de Caxias
PetrópolisTrês Rios
Simão Pereira
Matias Barbosa
Juiz de Fora
BR
040
BR
040
ECONORTE
Rodoviário
Período de concessão : 1997-2021
341 km - 3 Praças de pedágio
Participação da Triunfo : 100%
Empresa de Serviços: Rio Tibagi
Tráfego médio anual: 15 milhões de veículos
Agência Reguladora: DER-PR
BR
153
BR
369
PR
090
PR
323
PR
445
Cambé
Londrina
Assai
Ibiporã
SertanópolisSertaneja
Rancho Alegre
Jataizinho
Uraí Comélio Procópio
Sta, Marina
Bandeirantes
Andirá
Barra do Jacaré
Cambara
Jacarezinho
Sto, Antonio da Platina
Tráfego de Veículos Equivalentes
(milhares)
Receita Liquida(1) (R$ milhões)
64.085
70.985
76.940
2009 2010 2011
19.793
21.290
1T11 1T12
CAGR = 12,9%
13,5%
(1) Receita operacional liquida ajustada, excluindo receita de construção de rodovias.
CAGR = 9,6%
7,6%
EBITDA Ajustado (R$ milhões)
CAGR = 16,4%
22,9%
247
297
315
2009 2010 2011
101
118
1T11 1T12
211
245
286
2009 2010 2011
70
86
1T11 1T12
67,7% 67,7% 69,7% 68,0% 73,3%
RODOVIÁRIO
Segmento
PORTUÁRIO
Segmento
PORTUÁRIO
Segmento
1993
2001
2001
2005
2006
2008
É instituída, em 25 de
fevereiro de 1993, a Lei do
Portos, com o objetivo de
regimentar a exploração
dos portos organizados e
das instalações portuárias.
LeidosPortos
AutorizaçãodaPortonave
CriaçãodaANTAQ
Resolução517
RatificaçãodaautorizaçãodaPortonave
Decreto6620
Em 30 de maio de 2001, a
Portonave firma com o
Ministério dos Transportes,
contrato que autoriza a
Portonave a explorar
Terminal Portuário de Uso
Privativo.
No dia 05 de junho de
2001, através da Lei
10.233, é criada a Agência
Nacional de Transportes
Aquaviários – ANTAQ.
Agência que desde então
exerce o papel de regulador
do segmento de transportes
aquaviários.
Em 18 de outubro de 2005,
a ANTAQ aprova a
Resolução 517, que
normatiza a forma de
outorga de autorização para
construção, exploração e
ampliação de terminais de
uso privativo.
Em 15 de agosto de 2006,
a ANTAQ ratifica a
autorização outorgada à
Portonave em 2001.
Em 29 de outubro de 2008,
o Presidente da Republica
faz um decreto que dispõe
sobre as políticas e
diretrizes para o
desenvolvimento e fomento
do setor de portos e
terminais portuários.
PORTONAVE
Portuário
Movimentação de Contêineres
Capacidade atual: 750 mil TEUs, podendo
atingir 1,3 milhões de TEUs.
Cais de 900 m (aprox. 3 berços)
Calado: em aprofundamento para 14,0 m
Participação da Triunfo: 50%
Agência Reguladora: ANTAQ
Trading company = carga própria do
terminal;
Câmara Frigorificada com capacidade de 16
mil toneladas.
413.968
582.137
545.158
2009 2010 2011
124.228
139.719
1T11 1T12
Movimentação de TEUs – 100% do negócio
CAGR = 14,8%
12,5%
Receita Liquida* (R$ milhões) EBITDA Ajustado*(R$ milhões)
CAGR = 50,9%
40%
CAGR = 22,9%
31,3%
71%
29%
Breakdown da Receita 1T12
Carga de Terceiros
Carga Própria
76
119
173
2009 2010 2011
35
49
1T11 1T12
45
61
68
2009 2010 2011
16
21
1T11 1T12
52,3% 47,5% 39,2% 45,3% 42,8%
PORTUÁRIO
Segmento
ENERGIA
Segmento
RIO VERDE
GeraçãodeEnergia
Geração a partir de 2010
Capacidade instalada - 108 MW
Garantia Física – 63,8 MWh Médios
Capex – R$450 Milhões
30 anos de geração
Agência Reguladora: ANEEL
Upsides do projeto
Motorização adicional 8 MW (usina 116 MW)
Determinação nova curva chave de projeto
Implantação eixo alternativo 500 m jusante
Mobilização política junto MME para metodologia
revisão extraordinária de Garantia Física
Portaria 33 do MME de 19 AGO 2011. Nova Garantia
Física de 67,8 MWh (4 MWh adicionais)
100% dos 67,8 MWh vendidos por 16 anos
291.384
570.596
2010 2011
137.872
148.143
1T11 1T12
Receita Liquida (R$ milhões)
95,2%
7,4%
63,0% 13,9%
Energia Assegurada Vendida (MW)
56
91
2010 2011
22
25
1T11 1T12
EBITDA Ajustado (R$ milhões)
82,6% 22,1%
35
64
2010 2011
15
19
1T11 1T12
62,1% 69,5% 69,0% 73,9%
RIO VERDE
GeraçãodeEnergia
RIO CANOAS
GeraçãodeEnergia
UHE Garibaldi (SC)
Capacidade instalada – 177,9 MW
Garantia Física – 83,3 MWh Médios
70% da energia vendida
Capex estimado: R$760 Milhões (valores de 2010)
Direitos de concessão: 35 anos
Agência Reguladora: ANEEL
Upsides do projeto
Motorização adicional 14 MW – usina 191,9 MW
Redução do prazo de construção (40 para 30 meses).
Geração será antecipada para agosto de 2013
Geração adicional 10 meses vendidas no ACL
Implantação eixo alternativo 500 m jusante
Determinação nova curva chave de projeto
Redução do túnel de 2 km para 900 metros
Eliminação do vertedouro controlado
CABOTAGEM
Segmento
MAESTRA
Cabotagem
Operação com 4 Navios de Contêineres, a partir de
março de 2012: Maestra Mediterrâneo, Maestra
Atlântico, Maestra Pacífico e Maestra Caribe;
Capacidade média – 1.300 TEUs;
Rotas semanais até Manaus;
Parcerias para fornecer um serviço porta a porta;
JV com japonesa NYK – 10% da cabotagem desde
out/11.
Agência Reguladora: ANTAQ
AEROPORTOS
Segmento
VIRACOPOS
Aeroportuário
Concessão: 30 anos
Participação da Triunfo: 23%
Inicio da operação: novembro/2012
Previsão de início das obras: Agosto/2012
Agência Reguladora: ANAC
Contrato de Concessão do Aeroporto Internacional de Campinas
 ANAC e Aeroportos Brasil Viracopos S.A
 assinado em 14/06/2012.
Objeto: Concessão dos serviços públicos para a ampliação, manutenção e exploração da
infraestrutura e melhoria dos níveis de serviço.
Prazo: A vigência do Contrato será pelo prazo 30 (trinta) anos para o Aeroporto de Campinas,
podendo ser prorrogado por até 5 (cinco) anos, uma única vez, para fins de recomposição
de equilíbrio econômico-financeiro, em decorrência da Revisão Extraordinária, na forma
prevista no Contrato .
Preço: O valor do Contrato corresponde ao valor presente das Receitas Tarifárias e Não-
Tarifárias estimadas para todo o prazo de concessão, é de R$ 12.983.951.000,00 (doze
bilhões, novecentos e oitenta e três milhões e novecentos e cinquenta um mil reais).
CONCESSÃO
Contrato
CONCESSÃO
Contrato
Contribuição fixa anual: R$ 127.366.666,67 (cento e vinte e sete milhões, trezentos e sessenta e seis
mil, seiscentos e sessenta e seis reais e sessenta e sete centavos), que serão paga ao longo do prazo
de vigência do Contrato.
Contribuição Variável: A contribuição variável corresponde ao montante anual resultante da aplicação
de alíquota de 5% ou 7,5%, em cascata, dependendo da Receita.
Governança Corporativa: É dever da Concessionária publicar, na forma da lei, as demonstrações
financeiras e manter os registros contábeis de todas as operações em conformidade com as normas
aplicáveis às companhias abertas.
Cláusula de Alocação de Riscos: Riscos que serão suportados pela ANAC, que poderão ensejar
Revisão extraordinária, exemplo:
- Ocorrência de eventos de força maior ou caso fortuito.
- Atrasos nas obras decorrentes da demora na obtenção de licenças ambientais quando os prazos de
análise do órgão ambiental ultrapassarem as previsões legais, exceto se decorrente de
fato imputável a Concessionária.
Equilíbrio Econômico Financeiro: As tarifas referentes à atividade de armazenagem e capatazia
serão submetidas à aplicação do fator X e Q.
PROJETOS
Novos
 Criada em 1969, a Vetorial Mineração tem
atividades no setor minero-siderúrgico, mais
especificamente na produção de minério de ferro
gusa, e carvão vegetal
 Know-how em mineração, time de profissionais
experientes
 Um dos maiores produtores de ferro gusa do Brasil
33,8% 50,4% 15,8%
 Maior empresa independente de serviços de
logística da América do Sul, com os modais
ferroviário e rodoviário integrado
 Criada em 1997 e listada na BM&F Bovespa
desde 2004
 Entrou no Novo Mercado em 2010
VETRIA
Mineração
Extração, logística e comercialização de minério de ferro.
VETRIA
Mineração
Terreno comprado em 2008 por R$70 milhões.
Área de 1,9 km² - já possui licença ambiental prévia
para operação portuária.
Calado de 15,5m possibilitando navios de até 125 mil
ton.
Hoje faz parte da Vetria Mineração, avaliado em R$
350 milhões
PORTONAUS
Portuário
Terminal de Conteiner da Amazonas;
Inicio previsto para Janeiro de 2014;
Capacidade para 200.000 TEUs;
Estrutura – 300 m de pier flutuante e 3 guindastes;
Pátio de 100.000 m²
Ponto estratégico para Cabotagem
Manaus – A região
5° maior porto do Brasil;
6° PIB mais relevante do país;
90% do consumo local chega pela hidrovia;
Processo de conteinerização em constante
crescimento;
Zona Franca de Manaus.
Portonaus - O projeto
Manaus - AM
DESEMPENHO
Nosso
DESEMPENHO
Nosso
Receita Operacional Liquida (R$ milhões)* EBITDA Ajustado (R$ milhões)*
CAGR = 33,5%
25,4%
388
537
692
2009 2010 2011
161
202
1T11 1T12
CAGR = 21.1%
22,2%
240
311
352
2009 2010 2011
90
110
1T11 1T12
60,2% 57,9% 50,9% 55,9% 54,4%
* Receita operacional liquida ajustada, excluindo receita de construção de rodovias.
DESEMPENHO
Nosso
312.000; 80%
76.000; 20%
Rodovias Porto
Receita Líquida 2009
411.000; 59%173.000; 25%
91.000; 13% 17.000; 3%
Rodovias Porto Geração de energia Cabotagem
Receita Líquida 2011
RIO VERDE RODOVIAS PORTO SUBTOTAL
Dívida Líquida 294.436 316.083 66.676 677.195
EBITDA 12 meses 66.869 301.643 73.207 441.719
Dívida Líquida/EBITDA 12 meses 4,40 1,05 0,91 1,53
ALAVANCAGEM – PROJETOS EM OPERAÇÃO
* Rio Verde iniciou sua operação em 2010. Rio Canoas iniciará operação em 2013.
O cronograma da dívida da Rio Canoas é pró-forma: Considera a liberação de R$366 mm do financiamento de longo prazo do BNDES e o pagamento
de R$157 mm do empréstimo ponte.
ALAVANCAGEM
CONSOLIDADA
Dívida Líquida
EBITDA 12 meses
Dívida Líquida/EBITDA 12 meses
1.292.788
371.891
3,48
ENDIVIDAMENTO – PROJETOS EM OPERAÇÃO
RIO VERDE RODOVIAS PORTO SUBTOTAL CONTROLADORA RIO CANOAS* CABOTAGEM SUBTOTAL
2012 16.382 65.705 16.042 258.927 20.539 4.089 30.101 54.729
2013 21.844 64.086 20.772 112.461 57.658 5.759 27.592 91.009
2014 21.844 54.708 20.772 103.668 57.949 6.344 27.592 91.885
2015 21.844 73.739 20.772 120.070 102.949 3.715 9.621 116.285
2016 21.844 86.897 0 109.535 49.549 12.250 729 62.528
Após 2016 212.972 15.548 0 228.520 94.927 354.544 7.287 456.758
Dívida Bruta de
projetos em operação
316.730 360.683 78.358 755.771 383.571 386.701 102.922 873.194
ENDIVIDAMENTO – NOVOS PROJETOS
RIO VERDE RODOVIAS PORTO SUBTOTAL CONTROLADORA RIO CANOAS* CABOTAGEM SUBTOTAL
2012 16.382 65.705 16.042 258.927 20.539 4.089 30.101 54.729
2013 21.844 64.086 20.772 112.461 57.658 5.759 27.592 91.009
2014 21.844 54.708 20.772 103.668 57.949 6.344 27.592 91.885
2015 21.844 73.739 20.772 120.070 102.949 3.715 9.621 116.285
2016 21.844 86.897 0 109.535 49.549 12.250 729 62.528
Após 2016 212.972 15.548 0 228.520 94.927 354.544 7.287 456.758
Dívida Bruta de
projetos em operação
316.730 360.683 78.358 755.771 383.571 386.701 102.922 873.194
DESEMPENHO
Nosso
Dividendos Distribuídos (R$ mil)
0,0575 por ação
0,1763 por ação
0,1516 por ação
8.400
25.700
22.133
2009 2010 2011
Dividend Yield
2010 – 3,3%
2011 – 1,6%
1T12 LTM – 1,8%
Lucro Base de Dividendos (R$ milhões) Lucro Liquido (R$ milhões)
74,5%
28,8%
25
32
1T11 1T12
9
15
1T11 1T12
DESEMPENHO
Nosso
POTENCIAIS
Projetos
Rodovias BR 040 - 937 Km entre Minas Gerais e Distrito Federal.
BR 116 - 816 km em Minas Gerais.
BR 381 - 301 km em Minas Gerais.
Possibilidade de extensão dos contratos existentes.
Portos Suape
Aeroportos Aeroporto Internacional do Galeão (RJ)
Aeroporto Internacional de Confins (MG)
Geração de
Energia
Leilão A-5 – ANEEL planeja licitar 04 usinas. Ao todo serão
1.100 MW de potência.
Projeto de PCHs – 05 projetos já foram enviados à ANEEL. Ao
todo são 160 MW de potência.
Novos
segmentos
Inspeção Veicular – Regulamentação prevê que mais 10
estados brasileiros serão obrigados a aderir à inspeção veicular.
POTENCIAIS
Projetos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Corporativa
Apresentação CorporativaApresentação Corporativa
Apresentação CorporativaMPX_RI
 
Apresentação Governo de Pernambuco - HUB LATAM
Apresentação Governo de Pernambuco - HUB LATAMApresentação Governo de Pernambuco - HUB LATAM
Apresentação Governo de Pernambuco - HUB LATAMADDiper
 
Apresentação institucional 2012
Apresentação institucional 2012Apresentação institucional 2012
Apresentação institucional 2012comgasri
 
Release Intermodal 2017 - Terminal de Sete Lagoas
Release Intermodal 2017 - Terminal de Sete LagoasRelease Intermodal 2017 - Terminal de Sete Lagoas
Release Intermodal 2017 - Terminal de Sete LagoasMRS Logística
 
Mmx abril 2013 - português - vfinal
Mmx   abril 2013 - português - vfinalMmx   abril 2013 - português - vfinal
Mmx abril 2013 - português - vfinalmmxriweb
 
Mmx abril 2013 - português - v3
Mmx   abril 2013 - português - v3Mmx   abril 2013 - português - v3
Mmx abril 2013 - português - v3mmxriweb
 
ConcessõEs RodoviáRias No Brasil Aula Na Gv Versao Final
ConcessõEs RodoviáRias No Brasil   Aula Na Gv   Versao FinalConcessõEs RodoviáRias No Brasil   Aula Na Gv   Versao Final
ConcessõEs RodoviáRias No Brasil Aula Na Gv Versao FinalMauricio Portugal Ribeiro
 
Apresentação Corporativa MPX
Apresentação Corporativa MPXApresentação Corporativa MPX
Apresentação Corporativa MPXMPX_RI
 
LLX Apresentação Corporativa Setembro 2011
LLX Apresentação Corporativa Setembro 2011LLX Apresentação Corporativa Setembro 2011
LLX Apresentação Corporativa Setembro 2011LLX
 
Gb2013 carlos antonio cavalcanti_federação das indústrias do estado de são paulo
Gb2013 carlos antonio cavalcanti_federação das indústrias do estado de são pauloGb2013 carlos antonio cavalcanti_federação das indústrias do estado de são paulo
Gb2013 carlos antonio cavalcanti_federação das indústrias do estado de são pauloGalvabrasil
 
LLX Apresentação Corporativa Outubro 2011
LLX Apresentação Corporativa Outubro 2011LLX Apresentação Corporativa Outubro 2011
LLX Apresentação Corporativa Outubro 2011LLX
 
LLX Apresentação Corporativa - Setembro 2011
LLX Apresentação Corporativa - Setembro 2011LLX Apresentação Corporativa - Setembro 2011
LLX Apresentação Corporativa - Setembro 2011LLX
 
INFRAESTRUTURA REGIÃO SUL-DESAFIOS-ARTIGO REVISTA AMANHÃ
INFRAESTRUTURA REGIÃO SUL-DESAFIOS-ARTIGO REVISTA AMANHÃINFRAESTRUTURA REGIÃO SUL-DESAFIOS-ARTIGO REVISTA AMANHÃ
INFRAESTRUTURA REGIÃO SUL-DESAFIOS-ARTIGO REVISTA AMANHÃPLANORS
 
Mpx corp presentation port
Mpx corp presentation portMpx corp presentation port
Mpx corp presentation portMPX_RI
 
Apresentação institucional 1 t12
Apresentação institucional 1 t12Apresentação institucional 1 t12
Apresentação institucional 1 t12comgasri
 
Apresentação institucional 1 t13
Apresentação institucional 1 t13Apresentação institucional 1 t13
Apresentação institucional 1 t13comgasri
 
Apresentação institucional 1 t13
Apresentação institucional 1 t13Apresentação institucional 1 t13
Apresentação institucional 1 t13comgasri
 
PPP alto tietê. Estudo de caso da primeira PPP da Sabesp
PPP alto tietê. Estudo de caso da primeira PPP da SabespPPP alto tietê. Estudo de caso da primeira PPP da Sabesp
PPP alto tietê. Estudo de caso da primeira PPP da SabespFernando S. Marcato
 
Arrendamentos de Portos
Arrendamentos de PortosArrendamentos de Portos
Arrendamentos de PortosCasa Civil
 

Mais procurados (20)

Apresentação Corporativa
Apresentação CorporativaApresentação Corporativa
Apresentação Corporativa
 
Apresentação Governo de Pernambuco - HUB LATAM
Apresentação Governo de Pernambuco - HUB LATAMApresentação Governo de Pernambuco - HUB LATAM
Apresentação Governo de Pernambuco - HUB LATAM
 
Apresentação institucional 2012
Apresentação institucional 2012Apresentação institucional 2012
Apresentação institucional 2012
 
Release Intermodal 2017 - Terminal de Sete Lagoas
Release Intermodal 2017 - Terminal de Sete LagoasRelease Intermodal 2017 - Terminal de Sete Lagoas
Release Intermodal 2017 - Terminal de Sete Lagoas
 
Mmx abril 2013 - português - vfinal
Mmx   abril 2013 - português - vfinalMmx   abril 2013 - português - vfinal
Mmx abril 2013 - português - vfinal
 
Mmx abril 2013 - português - v3
Mmx   abril 2013 - português - v3Mmx   abril 2013 - português - v3
Mmx abril 2013 - português - v3
 
ConcessõEs RodoviáRias No Brasil Aula Na Gv Versao Final
ConcessõEs RodoviáRias No Brasil   Aula Na Gv   Versao FinalConcessõEs RodoviáRias No Brasil   Aula Na Gv   Versao Final
ConcessõEs RodoviáRias No Brasil Aula Na Gv Versao Final
 
Apresentação Corporativa MPX
Apresentação Corporativa MPXApresentação Corporativa MPX
Apresentação Corporativa MPX
 
LLX Apresentação Corporativa Setembro 2011
LLX Apresentação Corporativa Setembro 2011LLX Apresentação Corporativa Setembro 2011
LLX Apresentação Corporativa Setembro 2011
 
Propostas do SETCESP para o Abastecimento Urbano
Propostas do SETCESP para o Abastecimento UrbanoPropostas do SETCESP para o Abastecimento Urbano
Propostas do SETCESP para o Abastecimento Urbano
 
Gb2013 carlos antonio cavalcanti_federação das indústrias do estado de são paulo
Gb2013 carlos antonio cavalcanti_federação das indústrias do estado de são pauloGb2013 carlos antonio cavalcanti_federação das indústrias do estado de são paulo
Gb2013 carlos antonio cavalcanti_federação das indústrias do estado de são paulo
 
LLX Apresentação Corporativa Outubro 2011
LLX Apresentação Corporativa Outubro 2011LLX Apresentação Corporativa Outubro 2011
LLX Apresentação Corporativa Outubro 2011
 
LLX Apresentação Corporativa - Setembro 2011
LLX Apresentação Corporativa - Setembro 2011LLX Apresentação Corporativa - Setembro 2011
LLX Apresentação Corporativa - Setembro 2011
 
INFRAESTRUTURA REGIÃO SUL-DESAFIOS-ARTIGO REVISTA AMANHÃ
INFRAESTRUTURA REGIÃO SUL-DESAFIOS-ARTIGO REVISTA AMANHÃINFRAESTRUTURA REGIÃO SUL-DESAFIOS-ARTIGO REVISTA AMANHÃ
INFRAESTRUTURA REGIÃO SUL-DESAFIOS-ARTIGO REVISTA AMANHÃ
 
Mpx corp presentation port
Mpx corp presentation portMpx corp presentation port
Mpx corp presentation port
 
Apresentação institucional 1 t12
Apresentação institucional 1 t12Apresentação institucional 1 t12
Apresentação institucional 1 t12
 
Apresentação institucional 1 t13
Apresentação institucional 1 t13Apresentação institucional 1 t13
Apresentação institucional 1 t13
 
Apresentação institucional 1 t13
Apresentação institucional 1 t13Apresentação institucional 1 t13
Apresentação institucional 1 t13
 
PPP alto tietê. Estudo de caso da primeira PPP da Sabesp
PPP alto tietê. Estudo de caso da primeira PPP da SabespPPP alto tietê. Estudo de caso da primeira PPP da Sabesp
PPP alto tietê. Estudo de caso da primeira PPP da Sabesp
 
Arrendamentos de Portos
Arrendamentos de PortosArrendamentos de Portos
Arrendamentos de Portos
 

Destaque

Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de GrupoProcessos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de GrupoJoão Silva
 
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalAula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalProf. Leonardo Rocha
 
羅馬
羅馬羅馬
羅馬Ct Wu
 
Bradesco - Reposicionamento de Marca
Bradesco - Reposicionamento de MarcaBradesco - Reposicionamento de Marca
Bradesco - Reposicionamento de MarcaLeonardo Marques
 
Carta comercial oficial da força aerea assinada por brigadeiro Valadares
Carta comercial oficial da força aerea assinada por brigadeiro Valadares Carta comercial oficial da força aerea assinada por brigadeiro Valadares
Carta comercial oficial da força aerea assinada por brigadeiro Valadares DAVINCCI LOURENÇO DE ALMEIDA
 
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...TvSaj
 
26094 EstratéGia Empresarial E GestãO De Rh Slides 5
26094 EstratéGia Empresarial E GestãO De Rh Slides 526094 EstratéGia Empresarial E GestãO De Rh Slides 5
26094 EstratéGia Empresarial E GestãO De Rh Slides 5guest4a78bd
 
Como elaborar uma bibliografia
Como elaborar uma bibliografiaComo elaborar uma bibliografia
Como elaborar uma bibliografiaamelasa
 
Caderno - Processos Organizacionais
Caderno - Processos OrganizacionaisCaderno - Processos Organizacionais
Caderno - Processos OrganizacionaisCadernos PPT
 
McDonalds - Estudo de MKT
McDonalds - Estudo de MKTMcDonalds - Estudo de MKT
McDonalds - Estudo de MKTCarlos Oliveira
 
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's Roberta Muniz
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacionalCorreios
 

Destaque (18)

Bradesco
BradescoBradesco
Bradesco
 
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de GrupoProcessos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
 
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura OrganizacionalAula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
Aula 3 - Dimensão 1 - Estrutura Organizacional
 
羅馬
羅馬羅馬
羅馬
 
Bradesco - Reposicionamento de Marca
Bradesco - Reposicionamento de MarcaBradesco - Reposicionamento de Marca
Bradesco - Reposicionamento de Marca
 
Carta comercial oficial da força aerea assinada por brigadeiro Valadares
Carta comercial oficial da força aerea assinada por brigadeiro Valadares Carta comercial oficial da força aerea assinada por brigadeiro Valadares
Carta comercial oficial da força aerea assinada por brigadeiro Valadares
 
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
Slides palestra sobre Tratamento de Dejetos Sanitários, Eneida Borborema, EMB...
 
Mudança organizacional
Mudança organizacionalMudança organizacional
Mudança organizacional
 
26094 EstratéGia Empresarial E GestãO De Rh Slides 5
26094 EstratéGia Empresarial E GestãO De Rh Slides 526094 EstratéGia Empresarial E GestãO De Rh Slides 5
26094 EstratéGia Empresarial E GestãO De Rh Slides 5
 
Como elaborar uma bibliografia
Como elaborar uma bibliografiaComo elaborar uma bibliografia
Como elaborar uma bibliografia
 
Caderno - Processos Organizacionais
Caderno - Processos OrganizacionaisCaderno - Processos Organizacionais
Caderno - Processos Organizacionais
 
RH na Prática
RH na PráticaRH na Prática
RH na Prática
 
McDonalds - Estudo de MKT
McDonalds - Estudo de MKTMcDonalds - Estudo de MKT
McDonalds - Estudo de MKT
 
Organograma 2012_01
Organograma 2012_01Organograma 2012_01
Organograma 2012_01
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
 
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
Apresentação de Marketing - empresa McDonald's
 
Aula 5 estrutura organizacional
Aula 5   estrutura organizacionalAula 5   estrutura organizacional
Aula 5 estrutura organizacional
 
Criando Bons Slides - Prof. Jiani Cardoso
Criando Bons Slides - Prof. Jiani CardosoCriando Bons Slides - Prof. Jiani Cardoso
Criando Bons Slides - Prof. Jiani Cardoso
 

Semelhante a Apresentação – conferência sobre concessões bradesco – bbi

Apresentação 1T08
Apresentação 1T08Apresentação 1T08
Apresentação 1T08Arteris S.A.
 
Projecto de expansão do Porto de Maputo
Projecto de expansão do Porto de MaputoProjecto de expansão do Porto de Maputo
Projecto de expansão do Porto de Maputoaplop
 
Mmx abril 2013 - português - v2
Mmx   abril 2013 - português - v2Mmx   abril 2013 - português - v2
Mmx abril 2013 - português - v2mmxriweb
 
CONCESSÕES DE INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL - FIESP/CCR
CONCESSÕES DE INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL - FIESP/CCRCONCESSÕES DE INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL - FIESP/CCR
CONCESSÕES DE INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL - FIESP/CCRPLANORS
 
O Desenvolvimento de Infraestrutura de Transportes Contribuições do TCU - Min...
O Desenvolvimento de Infraestrutura de Transportes Contribuições do TCU - Min...O Desenvolvimento de Infraestrutura de Transportes Contribuições do TCU - Min...
O Desenvolvimento de Infraestrutura de Transportes Contribuições do TCU - Min...Editora Fórum
 
Mmx setembro 2013 - português - vfinal
Mmx   setembro 2013 - português - vfinalMmx   setembro 2013 - português - vfinal
Mmx setembro 2013 - português - vfinalmmxriweb
 
Ministro eliseu padilha apresentação aeroporto salgado filho
Ministro eliseu padilha   apresentação aeroporto salgado filhoMinistro eliseu padilha   apresentação aeroporto salgado filho
Ministro eliseu padilha apresentação aeroporto salgado filhoEliseu Padilha Deputado Federal
 
Apresentação Sinduscon - PPP
Apresentação Sinduscon - PPPApresentação Sinduscon - PPP
Apresentação Sinduscon - PPPFernando Marcato
 
Mmx outubro 2013 - português - vfinal
Mmx   outubro 2013 - português - vfinalMmx   outubro 2013 - português - vfinal
Mmx outubro 2013 - português - vfinalmmxriweb
 
Apresentação reunião pública junho 2011
Apresentação reunião pública   junho 2011Apresentação reunião pública   junho 2011
Apresentação reunião pública junho 2011TriunfoRi
 
Public meeting presentation june 2011
Public meeting presentation   june 2011Public meeting presentation   june 2011
Public meeting presentation june 2011TriunfoRi
 
Mmx agosto 2013 - português - vfinal
Mmx   agosto 2013 - português - vfinalMmx   agosto 2013 - português - vfinal
Mmx agosto 2013 - português - vfinalmmxriweb
 
Mmx agosto 2013 - português - vfinal
Mmx   agosto 2013 - português - vfinalMmx   agosto 2013 - português - vfinal
Mmx agosto 2013 - português - vfinalmmxriweb
 

Semelhante a Apresentação – conferência sobre concessões bradesco – bbi (20)

Apresentação 1T08
Apresentação 1T08Apresentação 1T08
Apresentação 1T08
 
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: PortosNota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
 
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo PerrupatoPIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
PIT - Construção Sustentável em Rodovias, por Marcelo Perrupato
 
Novidades Legislativas Nº11 | 26/03/2013
Novidades Legislativas Nº11 | 26/03/2013Novidades Legislativas Nº11 | 26/03/2013
Novidades Legislativas Nº11 | 26/03/2013
 
Projecto de expansão do Porto de Maputo
Projecto de expansão do Porto de MaputoProjecto de expansão do Porto de Maputo
Projecto de expansão do Porto de Maputo
 
Mmx abril 2013 - português - v2
Mmx   abril 2013 - português - v2Mmx   abril 2013 - português - v2
Mmx abril 2013 - português - v2
 
CONCESSÕES DE INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL - FIESP/CCR
CONCESSÕES DE INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL - FIESP/CCRCONCESSÕES DE INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL - FIESP/CCR
CONCESSÕES DE INFRA-ESTRUTURA NO BRASIL - FIESP/CCR
 
O Desenvolvimento de Infraestrutura de Transportes Contribuições do TCU - Min...
O Desenvolvimento de Infraestrutura de Transportes Contribuições do TCU - Min...O Desenvolvimento de Infraestrutura de Transportes Contribuições do TCU - Min...
O Desenvolvimento de Infraestrutura de Transportes Contribuições do TCU - Min...
 
Mmx setembro 2013 - português - vfinal
Mmx   setembro 2013 - português - vfinalMmx   setembro 2013 - português - vfinal
Mmx setembro 2013 - português - vfinal
 
Concessões Rodoviárias: o que é melhor para o Brasil?”
Concessões Rodoviárias: o que é melhor para o Brasil?” Concessões Rodoviárias: o que é melhor para o Brasil?”
Concessões Rodoviárias: o que é melhor para o Brasil?”
 
Proposta de Ação Emergencial
Proposta de Ação EmergencialProposta de Ação Emergencial
Proposta de Ação Emergencial
 
Ministro eliseu padilha apresentação aeroporto salgado filho
Ministro eliseu padilha   apresentação aeroporto salgado filhoMinistro eliseu padilha   apresentação aeroporto salgado filho
Ministro eliseu padilha apresentação aeroporto salgado filho
 
Apresentação Sinduscon - PPP
Apresentação Sinduscon - PPPApresentação Sinduscon - PPP
Apresentação Sinduscon - PPP
 
13 alternativas de_financiamento_bndes
13 alternativas de_financiamento_bndes13 alternativas de_financiamento_bndes
13 alternativas de_financiamento_bndes
 
Mmx outubro 2013 - português - vfinal
Mmx   outubro 2013 - português - vfinalMmx   outubro 2013 - português - vfinal
Mmx outubro 2013 - português - vfinal
 
Cenário do Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil 2019
Cenário do Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil 2019Cenário do Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil 2019
Cenário do Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil 2019
 
Apresentação reunião pública junho 2011
Apresentação reunião pública   junho 2011Apresentação reunião pública   junho 2011
Apresentação reunião pública junho 2011
 
Public meeting presentation june 2011
Public meeting presentation   june 2011Public meeting presentation   june 2011
Public meeting presentation june 2011
 
Mmx agosto 2013 - português - vfinal
Mmx   agosto 2013 - português - vfinalMmx   agosto 2013 - português - vfinal
Mmx agosto 2013 - português - vfinal
 
Mmx agosto 2013 - português - vfinal
Mmx   agosto 2013 - português - vfinalMmx   agosto 2013 - português - vfinal
Mmx agosto 2013 - português - vfinal
 

Mais de TriunfoRi

Apresentação resultados 3_t13_port_final
Apresentação resultados 3_t13_port_finalApresentação resultados 3_t13_port_final
Apresentação resultados 3_t13_port_finalTriunfoRi
 
Apresentação resultados 3_t13_eng
Apresentação resultados 3_t13_engApresentação resultados 3_t13_eng
Apresentação resultados 3_t13_engTriunfoRi
 
2 t08 inglês 080811-v04 (final)
2 t08 inglês   080811-v04 (final)2 t08 inglês   080811-v04 (final)
2 t08 inglês 080811-v04 (final)TriunfoRi
 
2 t08 port 080811-v06 (final)
2 t08 port   080811-v06 (final)2 t08 port   080811-v06 (final)
2 t08 port 080811-v06 (final)TriunfoRi
 
1 t08 eng 080512-v6
1 t08 eng   080512-v61 t08 eng   080512-v6
1 t08 eng 080512-v6TriunfoRi
 
3 t09 inglês 091109
3 t09 inglês   0911093 t09 inglês   091109
3 t09 inglês 091109TriunfoRi
 
Apresentacao 2 t09_12-08-2009port
Apresentacao 2 t09_12-08-2009portApresentacao 2 t09_12-08-2009port
Apresentacao 2 t09_12-08-2009portTriunfoRi
 
1 t09 inglês 090518 v03
1 t09 inglês   090518 v031 t09 inglês   090518 v03
1 t09 inglês 090518 v03TriunfoRi
 
Apresentacao 1 t09_18-05-2009port
Apresentacao 1 t09_18-05-2009portApresentacao 1 t09_18-05-2009port
Apresentacao 1 t09_18-05-2009portTriunfoRi
 
Apresentacao resultados 2_t13_eng
Apresentacao resultados 2_t13_engApresentacao resultados 2_t13_eng
Apresentacao resultados 2_t13_engTriunfoRi
 
Apresentacao resultados 2_t13_port
Apresentacao resultados 2_t13_portApresentacao resultados 2_t13_port
Apresentacao resultados 2_t13_portTriunfoRi
 
A regulação do setor portuário (flávio bettega)
A regulação do setor portuário (flávio bettega)A regulação do setor portuário (flávio bettega)
A regulação do setor portuário (flávio bettega)TriunfoRi
 
Resultados 3 t10 (sandro lima)
Resultados 3 t10 (sandro lima)Resultados 3 t10 (sandro lima)
Resultados 3 t10 (sandro lima)TriunfoRi
 
Panorama de negócios – rodovias (carlo alberto bottarelli)
Panorama de negócios – rodovias (carlo alberto bottarelli)Panorama de negócios – rodovias (carlo alberto bottarelli)
Panorama de negócios – rodovias (carlo alberto bottarelli)TriunfoRi
 
Panorama de negócios – maestra (fernando real)
Panorama de negócios – maestra (fernando real)Panorama de negócios – maestra (fernando real)
Panorama de negócios – maestra (fernando real)TriunfoRi
 
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)TriunfoRi
 
Apresentação reunião pública impactos do ifrs nas demonstrações financeiras
Apresentação reunião pública   impactos do ifrs nas demonstrações financeirasApresentação reunião pública   impactos do ifrs nas demonstrações financeiras
Apresentação reunião pública impactos do ifrs nas demonstrações financeirasTriunfoRi
 
Apresentação web conferência corretora souza barros
Apresentação web conferência   corretora souza barrosApresentação web conferência   corretora souza barros
Apresentação web conferência corretora souza barrosTriunfoRi
 
Speech 3 q11 presentation
Speech   3 q11 presentationSpeech   3 q11 presentation
Speech 3 q11 presentationTriunfoRi
 
Speech apresentação 3 t11
Speech   apresentação 3 t11Speech   apresentação 3 t11
Speech apresentação 3 t11TriunfoRi
 

Mais de TriunfoRi (20)

Apresentação resultados 3_t13_port_final
Apresentação resultados 3_t13_port_finalApresentação resultados 3_t13_port_final
Apresentação resultados 3_t13_port_final
 
Apresentação resultados 3_t13_eng
Apresentação resultados 3_t13_engApresentação resultados 3_t13_eng
Apresentação resultados 3_t13_eng
 
2 t08 inglês 080811-v04 (final)
2 t08 inglês   080811-v04 (final)2 t08 inglês   080811-v04 (final)
2 t08 inglês 080811-v04 (final)
 
2 t08 port 080811-v06 (final)
2 t08 port   080811-v06 (final)2 t08 port   080811-v06 (final)
2 t08 port 080811-v06 (final)
 
1 t08 eng 080512-v6
1 t08 eng   080512-v61 t08 eng   080512-v6
1 t08 eng 080512-v6
 
3 t09 inglês 091109
3 t09 inglês   0911093 t09 inglês   091109
3 t09 inglês 091109
 
Apresentacao 2 t09_12-08-2009port
Apresentacao 2 t09_12-08-2009portApresentacao 2 t09_12-08-2009port
Apresentacao 2 t09_12-08-2009port
 
1 t09 inglês 090518 v03
1 t09 inglês   090518 v031 t09 inglês   090518 v03
1 t09 inglês 090518 v03
 
Apresentacao 1 t09_18-05-2009port
Apresentacao 1 t09_18-05-2009portApresentacao 1 t09_18-05-2009port
Apresentacao 1 t09_18-05-2009port
 
Apresentacao resultados 2_t13_eng
Apresentacao resultados 2_t13_engApresentacao resultados 2_t13_eng
Apresentacao resultados 2_t13_eng
 
Apresentacao resultados 2_t13_port
Apresentacao resultados 2_t13_portApresentacao resultados 2_t13_port
Apresentacao resultados 2_t13_port
 
A regulação do setor portuário (flávio bettega)
A regulação do setor portuário (flávio bettega)A regulação do setor portuário (flávio bettega)
A regulação do setor portuário (flávio bettega)
 
Resultados 3 t10 (sandro lima)
Resultados 3 t10 (sandro lima)Resultados 3 t10 (sandro lima)
Resultados 3 t10 (sandro lima)
 
Panorama de negócios – rodovias (carlo alberto bottarelli)
Panorama de negócios – rodovias (carlo alberto bottarelli)Panorama de negócios – rodovias (carlo alberto bottarelli)
Panorama de negócios – rodovias (carlo alberto bottarelli)
 
Panorama de negócios – maestra (fernando real)
Panorama de negócios – maestra (fernando real)Panorama de negócios – maestra (fernando real)
Panorama de negócios – maestra (fernando real)
 
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
Panorama de negócios – energia (luiz alberto kuster)
 
Apresentação reunião pública impactos do ifrs nas demonstrações financeiras
Apresentação reunião pública   impactos do ifrs nas demonstrações financeirasApresentação reunião pública   impactos do ifrs nas demonstrações financeiras
Apresentação reunião pública impactos do ifrs nas demonstrações financeiras
 
Apresentação web conferência corretora souza barros
Apresentação web conferência   corretora souza barrosApresentação web conferência   corretora souza barros
Apresentação web conferência corretora souza barros
 
Speech 3 q11 presentation
Speech   3 q11 presentationSpeech   3 q11 presentation
Speech 3 q11 presentation
 
Speech apresentação 3 t11
Speech   apresentação 3 t11Speech   apresentação 3 t11
Speech apresentação 3 t11
 

Apresentação – conferência sobre concessões bradesco – bbi

  • 1. Conferência sobre Concessões Bradesco – BBI Agosto - 2012
  • 3. DESAFIO Nosso Realizar e entregar soluções em serviços públicos de infraestrutura, com qualidade e inteligência. Sempre buscando ganhos estratégicos, financeiros, sociais e ambientais.
  • 5. 2007 2007 2008 2008 2010 2012 IPO – Triunfo passa a integrar o segmento do Novo Mercado. Início da operação da Portonave e ampliação da participação da Triunfo de 16,3% para 50%. Ampliação da participação da Triunfo na Concepa, de 70% para 100% e aquisição do terreno de Santa Rita. Triunfo encerra o ano com receita líquida de R$ 300 milhões, apresentando um crescimento médio de 33,4% nos últimos 3 anos. Inicio da operação da usina da Rio Verde e Triunfo vence leilão da ANEEL para implantar mais uma usina. 2011 2011 A Triunfo cria a Vetria Mineração, JV com ALL e Vetorial mineração Triunfo vence leilão da ANAC para operar o Aeroporto Internacional de Campinas, com UTC e Egis. Triunfo encerra o ano com receita líquida de R$ 787 milhões, quadruplicando a receita em 4 anos. Maestra inicia operação com a frota completa de 4 navios. 2012 2007 Ampliação da participação da Triunfo na Econorte de 50% para 100%. 2009 Inicio da operação da Iceport. Décadade90 Governo inicia programa de Concessões de rodovias e Triunfo vence 03 lotes: Concer, Concepa e a Econorte (estadual) 2001e2002 Triunfo compra a área em Navegantes e consegue a autorização para operar o primeiro terminal de conteineres privado do país. 2006 Reestruturação societária: separação das atividades de construção. HISTÓRIA Nossa
  • 7. ESTRUTURA Nossa 15,8% Vetria THP – Triunfo Holding de Participações Concepa Concer Econorte Rio Verde Rio Canoas Administradores e Controladores 100% 62,5% 100% 100% 100% 50% 58,5% 23,0 % 100% 5,5% 34,2% 60,3% LogísticaEnergiaRodovias Portonaus Maestra Portonave / Iceport Aeroportos Brasil - Viracopos
  • 9. Rodovias – 640 Km de rodovias, estrategicamente localizadas no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. Administração Portuária – Terminal portuário, em Santa Catarina, com capacidade atual para operar 750 mil TEUs/ano, com potencial para atingir 1,3 milhões de TEUs. Geração de Energia – Venda garantida de 594 MW/ano de energia, ampliação para 1.105 MW/ano a partir de 2014. Cabotagem – frota de quatro navio operando nos principais portos, de Navegantes (SC) a Manaus (AM). Novos projetos • Vetria - extração, logística e comercialização de minério de Corumbá (MT) a Santos (SP); • Operação do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). ATUAÇÃO Nossa Mais de 3.000 colaboradores Presente em 8 estados
  • 10. CONCESSÕES KnowHow Combinação de conhecimento de causa e experiência. Entendimento dos fatores que levam ao resultado mais acertado. Acompanhamento atencioso aos marcos legais e ao surgimento de novas oportunidades. Este know-how reflete-se em um portifólio de projetos bem-sucedidos, rentáveis e com alto nível de aprovação dos usuários finais.
  • 12. CONCEPA Rodoviário BR 290 Período de concessão: 1997-2017 121 km - 3 Praças de pedágio Participação da Triunfo: 100% Empresa de serviços: Rio Guaíba Tráfego médio anual: 33 milhões de veículos. Agência Reguladora: ANTT
  • 13. Período de concessão: 1995-2020 180 km - 3 Praças de pedágio Participação da Triunfo : 62,5% Empresa de serviços: Rio Bonito Tráfego médio anual: 30 milhões de veículos. Agência Reguladora: ANTT CONCER Rodoviário Rio de Janeiro Duque de Caxias PetrópolisTrês Rios Simão Pereira Matias Barbosa Juiz de Fora BR 040 BR 040
  • 14. ECONORTE Rodoviário Período de concessão : 1997-2021 341 km - 3 Praças de pedágio Participação da Triunfo : 100% Empresa de Serviços: Rio Tibagi Tráfego médio anual: 15 milhões de veículos Agência Reguladora: DER-PR BR 153 BR 369 PR 090 PR 323 PR 445 Cambé Londrina Assai Ibiporã SertanópolisSertaneja Rancho Alegre Jataizinho Uraí Comélio Procópio Sta, Marina Bandeirantes Andirá Barra do Jacaré Cambara Jacarezinho Sto, Antonio da Platina
  • 15. Tráfego de Veículos Equivalentes (milhares) Receita Liquida(1) (R$ milhões) 64.085 70.985 76.940 2009 2010 2011 19.793 21.290 1T11 1T12 CAGR = 12,9% 13,5% (1) Receita operacional liquida ajustada, excluindo receita de construção de rodovias. CAGR = 9,6% 7,6% EBITDA Ajustado (R$ milhões) CAGR = 16,4% 22,9% 247 297 315 2009 2010 2011 101 118 1T11 1T12 211 245 286 2009 2010 2011 70 86 1T11 1T12 67,7% 67,7% 69,7% 68,0% 73,3% RODOVIÁRIO Segmento
  • 17. PORTUÁRIO Segmento 1993 2001 2001 2005 2006 2008 É instituída, em 25 de fevereiro de 1993, a Lei do Portos, com o objetivo de regimentar a exploração dos portos organizados e das instalações portuárias. LeidosPortos AutorizaçãodaPortonave CriaçãodaANTAQ Resolução517 RatificaçãodaautorizaçãodaPortonave Decreto6620 Em 30 de maio de 2001, a Portonave firma com o Ministério dos Transportes, contrato que autoriza a Portonave a explorar Terminal Portuário de Uso Privativo. No dia 05 de junho de 2001, através da Lei 10.233, é criada a Agência Nacional de Transportes Aquaviários – ANTAQ. Agência que desde então exerce o papel de regulador do segmento de transportes aquaviários. Em 18 de outubro de 2005, a ANTAQ aprova a Resolução 517, que normatiza a forma de outorga de autorização para construção, exploração e ampliação de terminais de uso privativo. Em 15 de agosto de 2006, a ANTAQ ratifica a autorização outorgada à Portonave em 2001. Em 29 de outubro de 2008, o Presidente da Republica faz um decreto que dispõe sobre as políticas e diretrizes para o desenvolvimento e fomento do setor de portos e terminais portuários.
  • 18. PORTONAVE Portuário Movimentação de Contêineres Capacidade atual: 750 mil TEUs, podendo atingir 1,3 milhões de TEUs. Cais de 900 m (aprox. 3 berços) Calado: em aprofundamento para 14,0 m Participação da Triunfo: 50% Agência Reguladora: ANTAQ Trading company = carga própria do terminal; Câmara Frigorificada com capacidade de 16 mil toneladas.
  • 19. 413.968 582.137 545.158 2009 2010 2011 124.228 139.719 1T11 1T12 Movimentação de TEUs – 100% do negócio CAGR = 14,8% 12,5% Receita Liquida* (R$ milhões) EBITDA Ajustado*(R$ milhões) CAGR = 50,9% 40% CAGR = 22,9% 31,3% 71% 29% Breakdown da Receita 1T12 Carga de Terceiros Carga Própria 76 119 173 2009 2010 2011 35 49 1T11 1T12 45 61 68 2009 2010 2011 16 21 1T11 1T12 52,3% 47,5% 39,2% 45,3% 42,8% PORTUÁRIO Segmento
  • 21. RIO VERDE GeraçãodeEnergia Geração a partir de 2010 Capacidade instalada - 108 MW Garantia Física – 63,8 MWh Médios Capex – R$450 Milhões 30 anos de geração Agência Reguladora: ANEEL Upsides do projeto Motorização adicional 8 MW (usina 116 MW) Determinação nova curva chave de projeto Implantação eixo alternativo 500 m jusante Mobilização política junto MME para metodologia revisão extraordinária de Garantia Física Portaria 33 do MME de 19 AGO 2011. Nova Garantia Física de 67,8 MWh (4 MWh adicionais) 100% dos 67,8 MWh vendidos por 16 anos
  • 22. 291.384 570.596 2010 2011 137.872 148.143 1T11 1T12 Receita Liquida (R$ milhões) 95,2% 7,4% 63,0% 13,9% Energia Assegurada Vendida (MW) 56 91 2010 2011 22 25 1T11 1T12 EBITDA Ajustado (R$ milhões) 82,6% 22,1% 35 64 2010 2011 15 19 1T11 1T12 62,1% 69,5% 69,0% 73,9% RIO VERDE GeraçãodeEnergia
  • 23. RIO CANOAS GeraçãodeEnergia UHE Garibaldi (SC) Capacidade instalada – 177,9 MW Garantia Física – 83,3 MWh Médios 70% da energia vendida Capex estimado: R$760 Milhões (valores de 2010) Direitos de concessão: 35 anos Agência Reguladora: ANEEL Upsides do projeto Motorização adicional 14 MW – usina 191,9 MW Redução do prazo de construção (40 para 30 meses). Geração será antecipada para agosto de 2013 Geração adicional 10 meses vendidas no ACL Implantação eixo alternativo 500 m jusante Determinação nova curva chave de projeto Redução do túnel de 2 km para 900 metros Eliminação do vertedouro controlado
  • 25. MAESTRA Cabotagem Operação com 4 Navios de Contêineres, a partir de março de 2012: Maestra Mediterrâneo, Maestra Atlântico, Maestra Pacífico e Maestra Caribe; Capacidade média – 1.300 TEUs; Rotas semanais até Manaus; Parcerias para fornecer um serviço porta a porta; JV com japonesa NYK – 10% da cabotagem desde out/11. Agência Reguladora: ANTAQ
  • 27. VIRACOPOS Aeroportuário Concessão: 30 anos Participação da Triunfo: 23% Inicio da operação: novembro/2012 Previsão de início das obras: Agosto/2012 Agência Reguladora: ANAC
  • 28. Contrato de Concessão do Aeroporto Internacional de Campinas  ANAC e Aeroportos Brasil Viracopos S.A  assinado em 14/06/2012. Objeto: Concessão dos serviços públicos para a ampliação, manutenção e exploração da infraestrutura e melhoria dos níveis de serviço. Prazo: A vigência do Contrato será pelo prazo 30 (trinta) anos para o Aeroporto de Campinas, podendo ser prorrogado por até 5 (cinco) anos, uma única vez, para fins de recomposição de equilíbrio econômico-financeiro, em decorrência da Revisão Extraordinária, na forma prevista no Contrato . Preço: O valor do Contrato corresponde ao valor presente das Receitas Tarifárias e Não- Tarifárias estimadas para todo o prazo de concessão, é de R$ 12.983.951.000,00 (doze bilhões, novecentos e oitenta e três milhões e novecentos e cinquenta um mil reais). CONCESSÃO Contrato
  • 29. CONCESSÃO Contrato Contribuição fixa anual: R$ 127.366.666,67 (cento e vinte e sete milhões, trezentos e sessenta e seis mil, seiscentos e sessenta e seis reais e sessenta e sete centavos), que serão paga ao longo do prazo de vigência do Contrato. Contribuição Variável: A contribuição variável corresponde ao montante anual resultante da aplicação de alíquota de 5% ou 7,5%, em cascata, dependendo da Receita. Governança Corporativa: É dever da Concessionária publicar, na forma da lei, as demonstrações financeiras e manter os registros contábeis de todas as operações em conformidade com as normas aplicáveis às companhias abertas. Cláusula de Alocação de Riscos: Riscos que serão suportados pela ANAC, que poderão ensejar Revisão extraordinária, exemplo: - Ocorrência de eventos de força maior ou caso fortuito. - Atrasos nas obras decorrentes da demora na obtenção de licenças ambientais quando os prazos de análise do órgão ambiental ultrapassarem as previsões legais, exceto se decorrente de fato imputável a Concessionária. Equilíbrio Econômico Financeiro: As tarifas referentes à atividade de armazenagem e capatazia serão submetidas à aplicação do fator X e Q.
  • 31.  Criada em 1969, a Vetorial Mineração tem atividades no setor minero-siderúrgico, mais especificamente na produção de minério de ferro gusa, e carvão vegetal  Know-how em mineração, time de profissionais experientes  Um dos maiores produtores de ferro gusa do Brasil 33,8% 50,4% 15,8%  Maior empresa independente de serviços de logística da América do Sul, com os modais ferroviário e rodoviário integrado  Criada em 1997 e listada na BM&F Bovespa desde 2004  Entrou no Novo Mercado em 2010 VETRIA Mineração Extração, logística e comercialização de minério de ferro.
  • 32. VETRIA Mineração Terreno comprado em 2008 por R$70 milhões. Área de 1,9 km² - já possui licença ambiental prévia para operação portuária. Calado de 15,5m possibilitando navios de até 125 mil ton. Hoje faz parte da Vetria Mineração, avaliado em R$ 350 milhões
  • 33. PORTONAUS Portuário Terminal de Conteiner da Amazonas; Inicio previsto para Janeiro de 2014; Capacidade para 200.000 TEUs; Estrutura – 300 m de pier flutuante e 3 guindastes; Pátio de 100.000 m² Ponto estratégico para Cabotagem Manaus – A região 5° maior porto do Brasil; 6° PIB mais relevante do país; 90% do consumo local chega pela hidrovia; Processo de conteinerização em constante crescimento; Zona Franca de Manaus. Portonaus - O projeto Manaus - AM
  • 35. DESEMPENHO Nosso Receita Operacional Liquida (R$ milhões)* EBITDA Ajustado (R$ milhões)* CAGR = 33,5% 25,4% 388 537 692 2009 2010 2011 161 202 1T11 1T12 CAGR = 21.1% 22,2% 240 311 352 2009 2010 2011 90 110 1T11 1T12 60,2% 57,9% 50,9% 55,9% 54,4% * Receita operacional liquida ajustada, excluindo receita de construção de rodovias.
  • 36. DESEMPENHO Nosso 312.000; 80% 76.000; 20% Rodovias Porto Receita Líquida 2009 411.000; 59%173.000; 25% 91.000; 13% 17.000; 3% Rodovias Porto Geração de energia Cabotagem Receita Líquida 2011
  • 37. RIO VERDE RODOVIAS PORTO SUBTOTAL Dívida Líquida 294.436 316.083 66.676 677.195 EBITDA 12 meses 66.869 301.643 73.207 441.719 Dívida Líquida/EBITDA 12 meses 4,40 1,05 0,91 1,53 ALAVANCAGEM – PROJETOS EM OPERAÇÃO * Rio Verde iniciou sua operação em 2010. Rio Canoas iniciará operação em 2013. O cronograma da dívida da Rio Canoas é pró-forma: Considera a liberação de R$366 mm do financiamento de longo prazo do BNDES e o pagamento de R$157 mm do empréstimo ponte. ALAVANCAGEM CONSOLIDADA Dívida Líquida EBITDA 12 meses Dívida Líquida/EBITDA 12 meses 1.292.788 371.891 3,48 ENDIVIDAMENTO – PROJETOS EM OPERAÇÃO RIO VERDE RODOVIAS PORTO SUBTOTAL CONTROLADORA RIO CANOAS* CABOTAGEM SUBTOTAL 2012 16.382 65.705 16.042 258.927 20.539 4.089 30.101 54.729 2013 21.844 64.086 20.772 112.461 57.658 5.759 27.592 91.009 2014 21.844 54.708 20.772 103.668 57.949 6.344 27.592 91.885 2015 21.844 73.739 20.772 120.070 102.949 3.715 9.621 116.285 2016 21.844 86.897 0 109.535 49.549 12.250 729 62.528 Após 2016 212.972 15.548 0 228.520 94.927 354.544 7.287 456.758 Dívida Bruta de projetos em operação 316.730 360.683 78.358 755.771 383.571 386.701 102.922 873.194 ENDIVIDAMENTO – NOVOS PROJETOS RIO VERDE RODOVIAS PORTO SUBTOTAL CONTROLADORA RIO CANOAS* CABOTAGEM SUBTOTAL 2012 16.382 65.705 16.042 258.927 20.539 4.089 30.101 54.729 2013 21.844 64.086 20.772 112.461 57.658 5.759 27.592 91.009 2014 21.844 54.708 20.772 103.668 57.949 6.344 27.592 91.885 2015 21.844 73.739 20.772 120.070 102.949 3.715 9.621 116.285 2016 21.844 86.897 0 109.535 49.549 12.250 729 62.528 Após 2016 212.972 15.548 0 228.520 94.927 354.544 7.287 456.758 Dívida Bruta de projetos em operação 316.730 360.683 78.358 755.771 383.571 386.701 102.922 873.194 DESEMPENHO Nosso
  • 38. Dividendos Distribuídos (R$ mil) 0,0575 por ação 0,1763 por ação 0,1516 por ação 8.400 25.700 22.133 2009 2010 2011 Dividend Yield 2010 – 3,3% 2011 – 1,6% 1T12 LTM – 1,8% Lucro Base de Dividendos (R$ milhões) Lucro Liquido (R$ milhões) 74,5% 28,8% 25 32 1T11 1T12 9 15 1T11 1T12 DESEMPENHO Nosso
  • 40. Rodovias BR 040 - 937 Km entre Minas Gerais e Distrito Federal. BR 116 - 816 km em Minas Gerais. BR 381 - 301 km em Minas Gerais. Possibilidade de extensão dos contratos existentes. Portos Suape Aeroportos Aeroporto Internacional do Galeão (RJ) Aeroporto Internacional de Confins (MG) Geração de Energia Leilão A-5 – ANEEL planeja licitar 04 usinas. Ao todo serão 1.100 MW de potência. Projeto de PCHs – 05 projetos já foram enviados à ANEEL. Ao todo são 160 MW de potência. Novos segmentos Inspeção Veicular – Regulamentação prevê que mais 10 estados brasileiros serão obrigados a aderir à inspeção veicular. POTENCIAIS Projetos