SlideShare uma empresa Scribd logo
Educação de 
Jovens e Adultos 
Este material é organizado com o objetivo de atender aqueles que desejam completar seus estudos 
a nível médio de maneira rápida e eficiente. 
Todo o material foi elaborado com base no PCN (Parâmetro Curricular Nacional) por profissionais 
altamente qualificados, com especial cuidado a área de educação à distância, podendo o participante, 
sozinho, estudar, resolver os exercícios e realizar as provas simuladas de avaliação quando houver 
disponibilidade de tempo. 
Para sua segurança, este apostila é totalmente pró-ativa e respeita as mais modernas metodologias 
de aprendizagem, permitindo ao aluno um processo constante de educação. 
Acreditamos que o entendimento e a reflexão sobre os principais fundamentos da transparência, 
integridade e respeito permitirá alcançar padrões morais e éticos cada vez mais elevados. 
Ensino Médio 
Sociologia
Dicas & Sugestões 
* Marque suas dificuldades de entendimento para que pesquise suas respostas; 
* Procure praticar seus conhecimentos em sua vida pessoal (em casa, com parentes, amigos e colegas de estudo); 
* Faça sua prova com atenção. Não marque prova indo ou vindo de compromissos importantes. Tudo começa com bom 
planejamento. 
* Verifique todas as normas de procedimentos do seu curso. É indispensável este domínio pessoal para seu melhor aproveitamento. 
* Leia com atenção, descontração e interesse cada capítulo. Ler pouco não é recomendável, mas ler em demasia não oferece 
segurança. Reler o mesmo assunto é uma prática saudável e melhora a assimilação dos assuntos; 
* Seja criativo nas leituras. Crie exemplos. Imagine situações parecidas. Perceba os números, os fatos, as relações. Leia com 
vontade de aprender, não de cumprir uma tarefa; 
* Escrever bem e correto será conseqüência de boas leituras. Só escreve bem quem lê continuamente. Só escreve com qualidade 
quem souber ler com criatividade; 
* Educação não é privilégio. Todos têm direito a educação. Depende principalmente do querer pessoal. O início dos estudos 
assusta, mas os resultados positivos chegam logo. Quando você adquire conhecimentos, você adquire confiança. Dê uma grande 
oportunidade a você própria para alcançar o sucesso que você pretende
EJA FÁCIL 
AS CIÊNCIAS SOCIAIS 
O comportamento social humano e suas várias formas de organização são o principal foco da pesquisa e do 
estudo das Ciências Sociais. 
O objeto das Ciências Sociais é o ser humano em suas relações sociais, e o objetivo é ampliar o 
conhecimento sobre o ser humano em suas interações sociais. Logo, os variados comportamentos humanos como 
casar, receber salário, fazer greve, participar de eventos, educar filhos, são considerados comportamentos sociais 
pois se desenvolvem em sociedade. 
Com o avanço do conhecimento fez-se necessária a divisão das Ciências Sociais, para que cada uma das 
disciplinas pudessem se ocupar de um aspecto específico da realidade social, embora todas sejam complementares 
entre si. As disciplinas abaixo formam as Ciências Sociais. 
Sociologia – estuda as relações sociais e as formas de associação, considerando as interações que ocorrem 
na vida em sociedade. 
Economia – estuda as atividades humanas ligadas a produção, circulação, distribuição e consumo de bens e 
serviços, como por exemplo a distribuição de renda num país, a política salarial, a produtividade, entre outros. 
Antropologia – estuda e pesquisa as semelhanças e as diferenças culturais entre vários agrupamentos 
humanos, assim como a origem e a evolução das culturas. 
Política – estuda a distribuição de poder na sociedade, bem como a formação e o desenvolvimento das 
diversas formas de governo. 
A História da Sociologia 
Tem sido uma constante na vida dos seres humanos a reflexão sobre os grupos e as sociedades para sua 
melhor compreensão. Os gregos na antiguidade recorriam a mitologia para compreender os fenômenos sociais, 
baseados na imaginação, na fantasia e na especulação. As tentativas de explicar a sociedade foram muito 
influenciadas pela filosofia e religião. Na antiguidade e durante a Idade Média, Platão em seu livro “A República” , e 
Aristóteles com a obra “Política” foram o marco. É de Aristóteles a afirmação de que “o homem nasce para viver em 
sociedade”. A influência da religião observa-se em Santo Agostinho em sua obra “A cidade de Deus”, onde afirmava 
que nas cidades reinava o pecado. 
O empenho em atribuir ao estudo da sociedade um status semelhante ao das Ciências Naturais, que regulam 
os fenômenos físicos, químicos e biológicos, teve como resultado o nascimento da Sociologia. A preocupação com os 
fenômenos sociais sempre acompanhou a história das idéias do homem, no entanto, só se firmou como ciência no 
século XIX, quando se definiu seu campo de investigação e o modo pelo qual se procura conhecê-lo. 
A Primeira Forma de Pensamento Social 
A primeira corrente teórica sistematizada de pensamento sociológico foi o Positivismo, a primeira a definir 
precisamente o objeto, a estabelecer conceitos e uma metodologia de investigação. Seu primeiro representante foi o 
pensador francês Auguste Comte. 
O Positivismo derivou do “cientificismo”, isto é, da crença no poder exclusivo e absoluto da razão humana em 
conhecer a realidade e traduzi-la sob a forma de leis naturais. Essas leis seriam a base da regulamentação da vida do 
homem, da natureza como um todo e do próprio universo. Seu conhecimento pretendia substituir as explicações 
teológicas, filosóficas e de senso comum por meio das quais o homem explicava a realidade. 
O Positivismo reconhecia que os princípios reguladores do mundo físico e do mundo social diferiam quanto à 
sua essência. Comte denominou “física social” às suas análises da sociedade, antes de criar o termo sociologia, numa 
evidente tentativa de derivar as Ciências Sociais das Ciências Físicas. 
Cabe lembrar que tal filosofia inspirava-se no método de investigação das ciências da natureza, procurando 
identificar na vida social as mesmas relações e princípios com os quais os cientistas explicavam a vida natural. 
Procurava resolver os conflitos sociais por meio da exaltação à coesão, à harmonia natural entre os indivíduos, ao 
bem estar do todo social. 
- 3 -
Ensino Médio Sociologia Módulo I 
A Sociologia de Durkheim 
Embora Comte seja considerado o pai da Sociologia, Émile Durkheim é tido como um dos seus primeiros 
grandes teóricos, tendo sido com ele que a Sociologia passou a ser considerada uma ciência. Formulou as primeiras 
orientações para a Sociologia e demonstrou que os fatos sociais têm características próprias, que os distinguem dos 
que são estudados pelas outras ciências. Para ele a Sociologia é o estudo dos fatos sociais. 
Para Durkheim, os fatos sociais são o modo de pensar, sentir e agir de um grupo social. Os fatos têm três 
características: generalidade, exterioridade e coercitividade. Tais conceitos serão objeto de estudo na unidade 
seguinte. Para ele a Sociologia tinha por finalidade não só explicar a sociedade como também encontrar soluções 
para a vida social. A teoria de Durkheim pretende demonstrar que os fatos sociais têm existência própria e 
independem daquilo que pensa e faz cada indivíduo em particular. Embora todos possuam sua consciência individual, 
seu modo próprio de se comportar e interpretar a vida, observa-se nos grupos ou sociedades formas padronizadas de 
conduta e pensamento. E com base nesta constatação definiu consciência coletiva. Na obra “Da divisão do trabalho 
social” aparece a definição de consciência coletiva como sendo “conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à 
média dos membros de uma mesma sociedade” que “forma um sistema determinado com vida própria” (342). 
A partir da segunda metade do século XX, com o fortalecimento do capitalismo, que se tornou também mais 
complexo, a Sociologia ganha nova importância, deparando-se com questões com que até então não havia se 
preocupado como a ruptura de normas sociais, desagregação familiar, cidadania, minorias, violência, crimes. Esses 
temas levaram a Sociologia a buscar respostas para os novos desafios, que exigem uma análise científica de todos os 
aspectos da vida em sociedade, a fim de entender o presente e projetar o futuro. 
Max Weber e a Ação Social 
Para Weber o objeto da Sociologia seria a Ação Social, a ação humana intencional. 
A compreensão do que é Ação Social seria a única forma para explicar os fatos sociais. Assim, a Ação Social 
não deveria apenas ser constatada ou descrita exteriormente, mas compreendida. O homem, enquanto indivíduo, 
passou a ter significado e especificidade. É ele que dá sentido à sua Ação Social: estabelece a conexão entre o 
motivo da ação, a ação propriamente dita e seus efeitos. 
Para a Sociologia Positivista, a ordem social submete os indivíduos como força exterior a eles. Para Weber, 
ao contrário, não existe oposição entre indivíduo e sociedade: as normas sociais só se tornam concretas quando se 
manifestam em cada indivíduo sob a forma de motivação. Cada sujeito age levado por um motivo que é dado pela 
tradição, por interesses racionais ou pela emotividade. 
Um dos trabalhos mais conhecidos e importantes de Weber é “A ética protestante e o espírito do capitalismo”, 
no qual ele relaciona o papel do protestantismo na formação do comportamento típico do capitalismo ocidental 
moderno Sua maior influência nos ramos especializados da Sociologia foi no estudo das religiões, estabelecendo 
relações entre formações políticas e crenças religiosas. 
Karl Marx e a Sociologia 
Com o objetivo de entender o capitalismo, Marx produziu obras de filosofia, economia e sociologia. Sua 
intenção ia além de contribuir para o desenvolvimento da ciência, pois tencionava uma ampla transformação política, 
econômica e social. 
Desenvolveu o conceito de alienação mostrando que a industrialização, a propriedade privada e o 
assalariamento separavam o trabalhador dos meios de produção (ferramentas, matéria-prima, terra e máquina), que 
se tornaram propriedade do capitalista. Separava também, ou alienava, o trabalhador do fruto do seu trabalho, que 
também é apropriado pelo capitalista. Essa é a base da alienação econômica do homem sob o capital. Max relata que 
a história do homem é a história da luta de classes, luta constante e de interesses opostos. 
De acordo com Marx o capitalismo tem seus dias contados, pois concentra cada vez mais dinheiro nas mãos 
de cada vez menos pessoas. No final, haverá tantos sem dinheiro que eles derrubarão o sistema e o substituirão por 
outro no qual o dinheiro não seja importante. Esse novo sistema denomina-se “comunismo”. Sob o comunismo todos 
serão livres para trabalharem para si e pelo bem comum. Entretanto, os países que tentaram por em prática tais 
idéias, como China, Cuba e a ex-União Soviética, tiveram resultados variados, além de questionarmos se foram fiéis 
às idéias de Marx. 
- 4 -
EJA FÁCIL 
É preciso lembrar que as teorias marxistas, como o próprio Marx propôs, transcendem o momento histórico no 
qual são concebidas e têm uma validade que extrapola qualquer das iniciativas concretas que buscam viabilizar a 
sociedade justa e igualitária proposta por Marx. Nunca será bastante lembrar que a ausência da propriedade privada 
dos meios de produção é condição necessária mas não suficiente da sociedade comunista teorizada por Marx. Assim, 
não se devem confundir tentativas de realizações levadas a efeito por inspiração das teorias marxistas com as 
propostas por Marx de superação das contradições capitalistas. 
Como Marx mostrou, o próprio esforço por manter e reproduzir um modo de produção acarreta modificações 
qualitativas nas forças em oposição. Enganam-se os teóricos de direita e de esquerda que vêem em dado momento a 
realização mítica de um modelo ideal de sociedade. Hoje se vive nas ciências um momento de particular cautela, pois, 
após dois ou três séculos de crença absoluta na capacidade redentora da ciência, em sua possibilidade de explicitar 
de maneira inequívoca e permanente a realidade, já não se acredita na infalibilidade dos modelos, sendo necessário o 
trabalho permanente de discussão, revisão e complementação. 
A Sociologia no Brasil 
Desde o início vimos estudando o desenvolvimento do pensamento sociológico como resultado de um longo 
processo, que culmina com a elaboração científica do pensamento social, no século XIX, quando dá sua plena 
autonomia em relação à filosofia social e quando realiza a concepção de objetos, conceitos e métodos próprios de 
análise, tendo como sustentação as condições sócio-históricas do capitalismo na Europa, a partir do Renascimento. 
Na América Latina, em especial no Brasil, esse processo obedeceu também às condições de desenvolvimento 
do capitalismo e à dinâmica própria de inserção do país na ordem capitalista mundial. Reflete, assim, a situação 
colonial, a herança da cultura jesuítica e o lento processo de formação do Estado nacional. 
Assim, vamos acompanhar um breve histórico da formação cultural no Brasil, ressaltando o desenvolvimento 
das idéias sociais a partir do contexto histórico. 
Dos Jesuítas aos dias atuais 
A colonização do Brasil, como a história já nos mostrou, é marcada pela vinda dos jesuítas e com eles a 
cultura européia introduzindo a religião como domínio cultural por três séculos. Apesar de instituírem o tupi como 
“língua geral”, os jesuítas foram os responsáveis pelo extermínio gradativo da cultura nativa, assim como a submissão 
das populações escravas, conduzindo à subordinação da colônia aos interesses de Portugal e da Igreja. Assim 
durante séculos a cultura no Brasil manteve seu caráter ilustrado, de distinção social e dominação. 
Com a vinda da Corte Portuguesa para o Brasil, em 1808, as atividades culturais surgem para atender a 
demanda da burguesia aqui instalada. As inovações implementadas foram: Criação da Imprensa Régia; surgimento da 
Biblioteca, hoje Biblioteca Nacional; incentivo ao estudo de botânica e zoologia com a criação do Jardim Botânico; 
surge o Museu Real (hoje Museu Nacional); vinda da Missão Cultural Francesa e a criação do Museu de Belas Artes. 
Nosso processo cultural no século XIX é marcado pela importação de idéias e concepções européias, 
introduzidas à revelia de nossa realidade. Desde então o processo educacional sofre várias mudanças ficando, por 
fim, a educação do povo a cargo das províncias, futuros estados, e a educação da elite sob responsabilidade do poder 
central; o que impediu a unidade do sistema educacional. A elitização do ensino fica evidenciada, portanto, com a 
criação das escolas de nível superior que atendessem às necessidades da burguesia e do estado constituído. Cabe 
ressaltar que a alienação cultural, utilizando modelos europeus, atendia a premissa de garantir o domínio do poder 
imperial. 
Grandes disparidades foram observadas com o distanciamento da classe culta da maioria da população, com 
apenas 10% da população em idade escolar matriculada nas escolas primárias, o alto índice de analfabetismo e 
educação predominantemente masculina, pois a feminina aparece aos poucos no final do século XIX, vez que à 
mulher cabia se dedicar às prendas domésticas e à aprendizagem de boas maneiras, dentro de uma estrutura de 
sociedade com regime político imperialista de economia agrícola e patriarcal de base escravocrata. 
No início do século XX o capitalismo de monopólios acentua a concentração de renda e as conseqüentes 
disparidades sociais. É marcado no mundo por grandes conflitos nos diversos continentes, culminando com a Primeira 
Grande Guerra. O poderio econômico americano e o impacto mundial da crise da quebra da Bolsa de Nova Iorque 
geram desemprego em massa, o que exige a substituição do capitalismo liberal pelo capitalismo de organização, o 
que leva os países não desenvolvidos a uma crise em face de sua base agrícola. A ênfase na ciência e na tecnologia 
transforma os usos e costumes da humanidade. 
- 5 -
Ensino Médio Sociologia Módulo I 
A década de 20 é marcada por um alo índice de analfabetismo (80%). Surge a escolanovista, e com ela a 
reação católica; as alternativas anarquistas são objetos de perseguição face ao incentivo ao ativismo político. A 
repressão acentua-se e fica mais distante a participação da sociedade, sendo reivindicadas autonomia, autogestão e 
diálogo. 
A década de 30 marcou a preocupação com o Brasil real, em oposição a colonização, o desenvolvimento 
nacionalista, como sentimento capaz de unir as diversas camadas sociais em torno de questões internas da nação e 
como inspiração para as políticas econômica e administrativa de proteção ao comércio e à indústria nacional. 
É fundada nessa época a Escola Livre de Sociologia e Política (1933), dedicada a estudos orientados pela 
sociologia norte-americana, e da Faculdade de Filosofia, Ciências e letras (1934). Procurou-se, assim, iniciar o estudo 
sistemático da sociologia, opondo-se ao caráter genérico de “humanidades” que adquiriu na formação de engenheiros, 
médicos e advogados, bem como diferenciar esse conhecimento, por seu cientificismo e pragmatismo, daquele 
apropriado pelo Estado. Citamos aqui expoentes desse período: Caio Prado Júnior, Gilberto Freire, Sérgio Buarque de 
Hollanda e Fernando Azevedo. 
Com a Segunda Guerra Mundial grandes transformações sociais e políticas marcaram o início da década de 
40, quando EUA e a então URSS firmaram-se como potências mundiais. E com a mudança de cenário, uma nova 
ordem social se afirmava, de caráter transformador, em especial para os países do chamado Terceiro Mundo. A 
industrialização transformava as relações sociais entre classes, entre setores e entre regiões. Acentua-se o êxodo 
rural, com o abandono do campo por uma massa de população significativa, gerando forte dependência das áreas 
agrícolas à região Sudeste industrializada. O país adquiria nessa época a consciência de sua complexidade e de sua 
particularidade. Aqui os sociólogos denotam grande preocupação com a realidade latino-americana, desenvolvendo 
estudos entre semelhanças e diferenças existentes entre os conflitos e as sociedades latino-americanas. Destaca-se 
nesse momento por suas pesquisas Emílio Willems. 
Florestan Fernandes e Celso Furtado, importantes pensadores e responsáveis pela formação de duas 
grandes correntes do pensamento social brasileiro, marcam a década de 50. Discípulo de Roger Bastide, Florestan 
Fernandes desenvolveu importante pesquisa sobre negros e a questão racial no Brasil. Segundo ele a sociedade 
podia ser estudada pelos padrões e estruturas, isto é, os fundamentos da organização social e pelos dilemas, 
conjunturas históricas, que eram as contradições geradas pela dinâmica interna da estrutura. Daí sua abordagem 
muitas vezes denominada “histórico-cultural”. No campo da sociologia ocupou-se do estudo das relações sociais e da 
estrutura de classes da sociedade brasileira, o capitalismo dependente e o papel do intelectual. 
Celso Furtado foi o grande inovador do pensamento econômico, não só no Brasil como em toda América 
Latina. É apontado como o fundador da economia política brasileira. Foi o defensor da idéia de que o 
subdesenvolvimento não correspondia a uma etapa histórica das sociedades rumo ao capitalismo, mas se tratava de 
uma formação econômica gerada pelo próprio capitalismo internacional. 
Neste mesmo período Darcy Ribeiro desponta com a questão indígena e mais adiante exerce forte influência, 
enquanto político, na mudança da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. A sociologia entre o período de 40 
e 60 produziu inúmeros trabalhos denunciando as desigualdades sociais e as relações de domínio e opressão 
internas e externas. 
Instalada a Segunda República com forte influência americana no golpe militar de 1964. Os reflexos da 
instalação da ditadura militar na sociedade e na sociologia são significativos, uma vez que a repressão ao pensa 
social e político deu-se de inúmeras formas. Universidades foram fechadas, bem como entidades de classe estudantil, 
os principais nomes da sociologia no Brasil foram sumariamente aposentados e impedidos de lecionar. Muitos foram 
exilados, outros se exilaram, passando a publicar seus trabalhos no exterior. Várias reformas foram instituídas com a 
finalidade única de atender ao poder político dominante e repressor, impedindo o progresso cultural no País. 
Com a transição democrática e o primeiro governo civil pós-ditadura militar, importante avaliação sugere uma 
revisão da situação política do país com a criação de partidos, bem como o ingresso de cientistas sociais na política. 
O Partido dos Trabalhadores (PT) teve adeptos a sua luta política como Florestan Fernandes, Antônio Cândido e 
Mello e Souza e Francisco Weffort. Darcy Ribeiro filiou-se ao Partido Democrático Trabalhista (PDT), Fernando 
Henrique Cardoso esteve presente a fundação do Partido Social-Democrata Brasileiro (PSDB), surgido da dissidência 
do antigo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). 
Uma progressiva diversificação das ciências sociais, e especial da sociologia. Multiplicaram-se os campos de 
estudo, fazendo surgir análises sobre a condição feminina, do menor, das favelas, das artes, da violência urbana e 
rural, da religião, entre outras. A sociologia vem se tornando cada vez mais interdisciplinar e plural, com a 
multiplicação de seus objetos de estudos. 
- 6 -
EJA FÁCIL 
Vemos emergir um novo milênio com uma ordem social transformadora das relações influenciada pela 
evolução das comunicações, nos permite a comunicação em tempo real e a universalização da imagem através da 
TV, alterando a maneira de pensar e agir das pessoas. Os sociólogos buscam redefinir os conceitos de dependência 
e divisão internacional do trabalho num mundo globalizado. 
A Vida Social – Conceitos Importantes 
Quase todas as referências sobre a sociedade são feitas em termos de relações sociais. Em geral, pensa-se 
nas relações entre pai e filho, entre empregador e empregado, entre líder e partidário, entre comerciante e cliente, ou 
das que existem entre amigos, inimigos, etc. Essas relações estão situadas entre as características mais comuns da 
sociedade e, conseqüentemente, pode parecer atitude perfeitamente óbvia estudar a sua natureza. Entretanto, a 
Sociologia deve analisá-las e classificá-las porque representam não somente uma forma comum, como também 
fundamental para a organização dos dados sociais. Em resumo, a sociedade deve ser encarada como um sistema de 
relações. 
Ao analisar as relações sociais verifica-se que são muito mais complexas que a princípio podem parecer. 
Todas as sociedades contêm centenas, talvez mesmo milhares de relações sociais convenientemente definidas. Tais 
relações sociais foram classificadas como interações, as quais podem ocorrer de pessoa para pessoa, entre uma 
pessoa e um grupo e entre um grupo e outro. 
Contato Social 
O contato social é a base da vida social. É o primeiro passo para que ocorra qualquer associação humana. 
Podemos considerar que existem dois tipos de contados sociais: primários e secundários. Os contatos sociais 
primários são os contatos pessoais, diretos e que têm forte base emocional, pois as pessoas envolvidas compartilham 
suas experiências individuais. Temos como exemplo os familiares, os de vizinhança, as relações sociais na escola, no 
clube. Já os contatos sociais secundários são impessoais, calculados, formais, um meio para atingir determinado fim. 
Como no caso do passageiro com o cobrador de ônibus, apenas para pagar a passagem; o cliente com o caixa do 
banco, para descontar um cheque. 
É importante destacar que com a industrialização e a urbanização diminuíram os contatos primários, pois a 
cidade é a área em que há mais grupos nos quais predominam os contatos secundários. As relações humanas nas 
grandes cidades podem ser mais fragmentadas e impessoais, caracterizando uma tendência ao individualismo. 
A Socialização 
Todo indivíduo é, em parte, produto de duas espécies distintas de transmissão, uma hereditária e outra social. 
À primeira age através do mecanismo dos genes, cromossomos, e da reprodução humana - refere-se ao plano geral 
da realidade designado como biológico e estudado por um ramo especial da ciência biológica chamado “Genética”. O 
segundo funciona por intermédio do mecanismo do hábito, da educação e da comunicação simbólica - refere-se ao 
nível geral da realidade designado como sócio-cultural, e é tratado por outro ramo da Ciência Social que pode ser 
chamado de Estudo da Socialização. 
Entretanto, a complexidade do assunto vai mais além. Não somente o indivíduo é um produto desses dois 
processos dinâmicos de transmissão, como também dos vários e diferentes tipos de ambiente. Nem a transmissão 
genética, nem a comunicativa podem ocorrer num homem que não disponha de um meio geográfico, biológico, 
cultural e interpessoal. 
Pelo acima podemos afirmar que a socialização é um processo pelo qual os seres humanos passam ao 
viverem em sociedade, pois a vida em grupo é uma exigência da natureza humana. O homem necessita de seus 
semelhantes para sobreviver, perpetuar a espécie e também para se realizar plenamente como pessoa. 
Convívio Social, Isolamento e Atitudes 
Considerando-se que no convívio social o compartilhamento entre indivíduos se dá pelos contatos sociais, 
podemos dizer da importância dessa interação entre indivíduos para a perpetuação da espécie humana. 
E a maneira mais rápida de verificar o significado e a natureza do contato social consiste na observação da 
ausência de tal contato. 
- 7 -
Ensino Médio Sociologia Módulo I 
O isolamento social caracteriza-se pela ausência de contatos sociais. Existem mecanismos que reforçam o 
isolamento social e entre eles estão as atitudes de ordem social e as atitudes de ordem individual. 
As atitudes de ordem social envolvem os vários tipos de preconceitos, como de cor, de sexo, de religião, etc. 
As atitudes de ordem individual que reforçam o isolamento dizem respeito a ação do próprio indivíduo como por 
exemplo a timidez, o confinamento solitário por devoção a alguma religião, o exercício de uma profissão solitária, 
anonimato urbano sem amizades, abandono voluntário da companhia humana, entre outros. 
A Comunicação e os Processos Sociais 
“Há setenta anos, Frederico II, imperador do Sacro Império Romano-Germânico, efetuou um experimento para 
determinar que língua as crianças falariam quando crescessem, se jamais tivessem ouvido uma única palavra falada: 
falariam hebraico (que então julgava ser a língua mais antiga), grego, latim ou a língua de seu país? 
Deu instruções às amas e mães adotivas para que alimentassem as crianças e lhes dessem banho, mas que 
sob hipótese nenhuma falassem com elas ou perto delas. O experimento fracassou, porque todas as crianças 
morreram.” 
(Paul B. Horton e Chester L. Hunt) 
O texto acima confirma a vital importância da comunicação para os seres humanos, enquanto ser social e 
para o desenvolvimento da cultura. 
O homem tem como principal meio de comunicação a linguagem. Através da linguagem o ser humano atribui 
significados aos sons articulados que emite, e isto é possível porque somos dotados de inteligência. Graças à 
linguagem podemos transmitir pensamentos e sentimentos aos nossos semelhantes, bem como passar aos 
descendentes nossas experiências e descobertas, fazendo com que os conhecimentos adquiridos não se percam. 
À medida que as sociedades se tornaram mais complexas, os meios de comunicação foram se aperfeiçoando. 
Um grande avanço foi o surgimento da escrita, na Mesopotâmia, por volta de 4000 a.C. A invenção da imprensa por 
Gutenberg, no século XV, foi outro passo importante. Nos séculos XIX e XX assistimos à invenção do telégrafo, do 
telefone, do rádio, do cinema, da televisão, do telex, da comunicação por satélite, da internet, etc. 
Pelos meios de comunicação, os fatos, as idéias, os sentimentos, as atitudes, as opiniões são compartilhados 
por um conjunto enorme de indivíduos e atingem um grande número de países. Segundo o especialista em 
comunicação Marshall McLuhan, o mundo contemporâneo é uma autêntica “aldeia global”, onde fatos, opiniões e 
modos de vida são compartilhados por inúmeras pessoas. Os meios de comunicação de massa moldam hoje as 
idéias e opiniões de grupos cada vez maiores de indivíduos. E isso vem se verificando com uma intensidade 
crescente graças sobre tudo à Internet. Já mencionamos que as interações ocorrem como princípio básico para a 
relação social. Neste sentido, também as interações estão no contexto dos processos sociais. 
Processo é o nome que se dá à contínua mudança de alguma coisa numa direção definida. Processo social 
indica interação social, movimento, mudança. Os processos sociais são as diversas maneiras pelas quais os 
indivíduos e os grupos atuam uns com os outros, a forma como os indivíduos se relacionam e estabelecem relações 
sociais. 
Qualquer mudança proveniente dos contatos e da interação social entre os membros de uma sociedade 
constitui um processo social. Os processo sociais podem ser associativos, como a cooperação, ou dissociativos como 
a competição e conflito. 
O conflito é uma constante das relações humanas. Pede ser resolvido em determinado nível, como quando 
se registra um acordo sobre os fins em vista, para manifestar-se de novo sobre a questão dos meios. Entretanto, esse 
conflito parcial é diferente do conflito total pois no conflito total implica na inexistência de qualquer nível de acordo, e 
sugere que o único método para a solução da disparidade de interesses é o recurso à força física. 
A competição, em contraste com o conflito que visa a destruir ou banir o adversário, destina-se simplesmente 
a anular o competidor na luta por objetivo comum. Sugere a existência de regras do jogo que os competidores 
precisam respeitar e que por trás dessas regras, justificando-as e sustentando-as, existe um conjunto de valores 
comuns superiores aos interesses antagônicos. 
A cooperação ocorre quando o ser humano trabalha em conjunto para conquista de um objetivo comum. A 
cooperação pode ser direta, quando compreende as atividades que as pessoas realizam juntas, como é o caso dos 
mutirões para construção de casas populares; ou indireta, aquela em que as pessoas, mesmo realizando trabalhos 
diferentes, necessitam indiretamente umas das outras, por não serem auto-suficientes, como por exemplo o médico e 
- 8 -
EJA FÁCIL 
o lavrador: o médico necessita dos alimentos produzidos pelo lavrador, e este necessita do médico quando fica 
doente. 
É preciso deixar claro que as formas de interação acima descritas são todas interdependentes. São aspectos 
constantes da sociedade humana. Todos os sistemas sociais, e na verdade toda e qualquer situação concreta, 
possuem-nas de forma completa e entrelaçada. Não existe cooperação de grupo, por mais harmoniosa que seja, que 
não contenha as sementes do conflito reprimido. Não existe conflito, por mais violento que possa ser, que não ofereça 
uma certa base oculta de entendimento. Não há competição, mesmo a mais implacável e impessoal, que não seja 
capaz de oferecer certa dose de contribuição à causa superior cooperativa. 
Deve ficar estabelecido que a análise do comportamento social em termos de formas de interação é um modo 
indispensável para o estudo dos fenômenos sociais. 
Problemas Sociais 
Embora sejam muitas as formas pelas quais a Sociologia pode ser aplicada, é evidente que muitos sociólogos, 
e a maioria dos que estão empenhados em trabalhos práticos, consideram a Sociologia aplicada principalmente em 
termos de sua capacidade de fornecer remédios para determinados males sociais. Vamos começar examinando o que 
constitui um problema social. 
Uma questão fundamental diz respeito à idéia de discriminação entre grupos sociais, bem como a maneira 
como as sociedades no mundo vivem e os homens desfrutam os bens e as oportunidades na vida social. Podemos 
dizer que é um problema de relações humanas que ameaça seriamente a sociedade. 
Um problema social existe quando a capacidade de uma sociedade organizada para ordenar as relações 
entre as pessoas parece estar falhando, como por exemplo leis transgredidas, o fracasso na transmissão de valores 
de uma geração para outra, a delinqüência juvenil, o desvio de verbas públicas, a pobreza, conflitos industriais, a 
guerra, entre outros. 
O processo histórico tem mostrado como uma tendência marcante a diferenciação e a crescente 
complexidade da sociedade. Da pequena diferenciação social existente nas sociedades tribais, as diversas 
civilizações foram passando por processos que as levaram a formar os mais diferentes grupos, que começaram a se 
distinguir por etnia, nacionalidade, religião, profissão e, de forma mais acentuada, por classe social. A caminho das 
sociedades plurais, foram se formando inúmeros grupos, cada um com uma função, um conjunto de direitos, deveres, 
obrigações e possibilidades de ação social. 
O mundo contemporâneo assiste ao resultado desse longo processo histórico de formação de uma civilização 
complexa e diferenciada, na qual os diversos grupos procuram monopolizar seus privilégios e as possibilidades de 
acesso à produção de bens e mecanismos de distribuição desses bens na sociedade. 
AUTO-AVALIAÇÃO 
01 – Quais são as reações humanas chamadas instintivas? 
( ) trabalhar, respirar 
( ) medo, frio 
( ) administrar, governar 
( ) obedecer, engatinhar 
02 – Que habilidades humanas são desenvolvidas pela aprendizagem? 
( ) comer, obedecer 
( ) beber, trabalhar 
( ) brincar, governar 
( ) todas as respostas acima são verdadeiras 
03 – Em que se inspirava o positivismo? 
( ) Ciências Médicas 
( ) Ciências Sociais 
( ) Ciências da Natureza 
( ) Nenhuma das respostas anteriores 
- 9 -
Ensino Médio Sociologia Módulo I 
04 – Quem é considerado o primeiro grande teórico da Sociologia? 
( ) Max Weber 
( ) Celso Furtado 
( ) Auguste Comte 
( ) Émile Durkheim 
05 – Qual a área de estudo em que Weber mais se destacou? 
( ) Antropologia 
( ) Ação Social 
( ) Economia 
( ) História das relações 
06 – Que tipo de sociedade Karl Marx idealizou e onde se difundiram suas idéias? 
( ) Positivista – França, Inglaterra 
( ) Capitalista – Brasil, Canadá 
( ) Comunista – China, Cuba 
( ) Socialista – EUA, Bélgica 
07 – Qual o marco da Sociologia no ano de 1933? 
( ) Fundação da Biblioteca Nacional 
( ) Fundação da Universidade de Brasília 
( ) Fundação da Escola Livre de sociologia e Política 
( ) Fundação da Escola Nacional de Belas Artes 
08 – Quais os pensadores que marcaram a década de 50? 
( ) Florestan Fernandes e Celso Furtado 
( ) Florestan Fernandes e Roger Bastide 
( ) Florestan Fernandes e Darcy Ribeiro 
( ) Florestan Fernandes e Emílio Willems 
09 – Qual o enfoque dado pelo pensamento de Celso Furtado? 
( ) Político 
( ) Econômico 
( ) Antropológico 
( ) Social 
10 – O que a Sociologia busca em relação aos problemas sociais? 
( ) Liberar os conflitos 
( ) Aumentar os processos de competição 
( ) Dar soluções para os males sociais 
( ) Organizar a cooperação 
A POBREZA E SUAS IMPLICAÇÕES 
As evidências históricas têm mostrado que a cultura humana está ligada a questão das desigualdades, 
distinção e discriminação entre os grupos sociais. Mesmo nas sociedades mais homogêneas e simples existiam 
diferenças de sexo e idade atribuindo aos grupos assim discriminados funções diferentes, certa parcela de poder, 
determinados direitos e deveres. Desde então, as sociedades que foram se tornando mais complexas, seus membros 
não tinham igualdade de acesso a certas vantagens como poder de decisão e a liberdade. O patriarcado existente nas 
mais remotas civilizações, garantindo aos homens o poder sobre a família e seus bens, demonstra que a igualdade é 
uma grande utopia, um ideal ainda não vivido pela humanidade. 
O mundo atual exibe um saldo de imensas conquistas e tristes derrotas. Os avanços científicos, tecnológicos 
e espaciais não acabaram com a fome, a falta de moradia, o desamparo à saúde e os baixos salários. Depois de cem 
anos de socialismo e capitalismo, a miséria no mundo aumentou e a economia transformou-se numa fábrica de 
- 10 -
EJA FÁCIL 
exclusão racionalizada. A modernidade produziu um mundo menor que a humanidade, advertiu o sociólogo Herbert de 
Souza. O sistema de exclusão fica patente nas avaliações estatísticas: apenas 15% da população mundial concentra 
80% da renda econômica do planeta. E mais de 1 bilhão de pessoas vivem na pobreza absoluta, que mata 40 mil 
crianças por dia. 
Entre os Estados independentes do mundo, podemos distinguir pelo menos, dois grandes conjuntos: 
Países do Primeiro Mundo – privilegiado núcleo de países de capitalismo avançado. São nações 
desenvolvidas e poderosas, como Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Inglaterra, Japão e Itália. A maioria 
dessas nações está situada no hemisfério norte. 
Países do Terceiro Mundo – vasto e heterogêneo conjunto de países subdesenvolvidos ou em vias de 
desenvolvimento, espalhados pela África, Ásia e América Latina. A maioria dessas nações está situada no hemisfério 
sul. 
A expressão Terceiro Mundo foi utilizada pela primeira vez em 1952 pelo demógrafo francês Alfred Suvy. Ele 
se inspirou na idéia de terceiro estado, camada que constituía a maioria da população da França durante o antigo 
Regime e que promoveu a revolução Francesa. A expressão difundiu-se e, hoje, aplica-se à maioria dos países 
pobres (75% das nações do mundo), explorados e marginalizados pelos países desenvolvidos. 
Observamos que, enquanto os países do mundo desenvolvido vivem atualmente graves problemas sociais: 
falta de perspectivas e delinqüência entre os mais jovens, alcoolismo, suicídios, degradação dos centros urbanos, 
desemprego estrutural, entre outros, as sociedades modernas do chamado mundo subdesenvolvido possuem muitos 
elementos que as diferenciam das outras. Apesar do enorme crescimento econômico de alguns países (Brasil, 
México, Argentina, Tigres Asiáticos), industrialização, acelerada urbanização, etc, seus problemas sociais são 
imensos e têm algumas peculiaridades. 
No plano social a modernização, nesses países, já nasce sob o signo da exclusão. De um lado, as formas 
tradicionais de produzir e viver foram inviabilizadas pela modernização capitalista; de outro, criam-se enormes 
contingentes que vivem totalmente alijados dos benefícios eventuais do mundo moderno. Essa exclusão pode ser 
expressa pela fome e miséria, assim como pelas guerras e pela instauração de verdadeiras estruturas de poder 
paralelo ao Estado, como a do narcotráfico. 
Os fatos mais significativos para demonstrar o atual estágio das condições de vida dos países 
subdesenvolvidos são a fome e a miséria generalizadas. Igualmente graves são os problemas de acesso à educação, 
saúde e saneamento básico. 
Segundo o Fundo de População das Nações Unidas, dos quase 6 bilhões de habitantes do planeta, 1,1 bilhão 
de pessoas no mundo está abaixo da linha da miséria e 3 bilhões são pobres. A maior parte desse contingentes está 
no mundo subdesenvolvido. 
Na África, 60 milhões de pessoas estão à beira da morte, por fome, epidemias ou violência das guerras. 
Somando-se a população à beira da inanição de quatro países africanos – Sudão, Etiópia, Libéria e Moçambique – 
chega-se a 16 milhões de pessoas. 
No final da década de 80, 47% dos latino-americanos estavam na faixa de pobreza, contra cerca de 41% em 
1980. São legiões de famintos no Nordeste do Brasil e nas grandes metrópoles brasileiras, na Bolívia, na Venezuela, 
na Colômbia, na Nicarágua, em Honduras, nas ilhas do Caribe (Jamaica, Haiti, entre outros), etc. O mesmo ocorre no 
continente asiático, como na Índia, Bangladesh, Paquistão. 
Essa situação corresponde, na maioria desses países, aos altos índices de concentração de renda e de terras. 
Porém, diferentemente do que se poderia imaginar, muitos países do mundo subdesenvolvido são grandes produtores 
de alimentos, mas para exportação pois, para o mercado interno resta a fome. E nesse caso o Brasil se destaca. 
Um dos aspectos mais perversos da fome refere-se aos impactos por ela causados às crianças. Muitas das 
seqüelas produzidas pela fome são irremediáveis no futuro desenvolvimento, quando não causam a morte. A enorme 
discrepância entre as taxas de mortalidade dos países ricos e dos pobres demonstra esse fato. 
- 11 -
Ensino Médio Sociologia Módulo I 
Pobreza E Abundância 
Outro aspecto da sociedade contemporânea que torna mais difícil aceitar a pobreza de certas parcelas da 
população é o pleno desenvolvimento da indústria de massa, que põe em circulação na sociedade uma quantidade de 
produtos nunca antes imaginada. Por sua quantidade, os bens produzidos pela indústria de massa seriam capazes de 
manter e reproduzir toda a população do planeta. Restaria ainda um excedente, garantem alguns economistas. Mas a 
diferenciação, a oposição e a concorrência entre os grupos sociais acabam por criar mecanismos de apropriação e 
monopólio dos bens econômicos e sociais, gerando crescente concentração de renda. E é em meio à sociedade da 
abundância que a pobreza adquire um caráter contraditório. 
Agrava esse caráter contraditório e revelador da pobreza – como um dos impasses da sociedade 
contemporânea – o caráter consumista da vida social. Ao lado da crescente pobreza, o apelo ao consumo por meio 
das campanhas publicitárias veiculadas pelos meios de comunicação de massa torna a distância social entre ricos e 
pobres ainda mais trágica e inaceitável. Consumismo e abundância fazem parte desse ideário do bem-estar social no 
interior do qual as populações carentes não param de crescer. 
Os produtos inundam o mercado, milhares de similares fazem concorrência cerrada em busca dos 
consumidores. Mercadorias que em pouco tempo se tornam anacrônicas, ultrapassadas e obsoletas, devem ser 
substituídas por outras de formato, cor ou programa diferente e exigem consumidores com disponibilidade 
permanente de compra. É nessa sociedade que a pobreza se torna cada vez mais contraditória e perturbadora. 
A Responsabilidade Do Estado 
Desde que se constituiu na Idade Moderna, no século XV, o Estado, como o conhecemos hoje, foi adquirindo 
sempre mais poder e desenvolvendo um caráter acentuadamente regulador da vida social. Sendo o responsável pela 
política econômica nacional, pelos programas sociais, pelas relações internas e externas, tornou-se o responsável 
pelas condições de vida dos seus cidadãos. Todos esses aspectos resultaram de uma ampliação significativa de suas 
atribuições e funções. 
O Estado, enquanto instituição representativa da sociedade como um todo, passou a ser responsabilizado 
também pelo bem-estar social. Não sem certa razão, na medida em que é ele que regula os mecanismos de 
distribuição de renda, por meio do controle do salário mínimo, preço de produtos, impostos e financiamentos. 
Conseqüentemente, é ele também – indiretamente – responsável pelo crescimento galopante da pobreza no mundo. 
Essa responsabilidade do Estado para com a população carente de uma nação parece não tender a diminuir 
sequer na atualidade, quando se reavaliam suas atribuições e se verifica uma nítida tendência ao “enxugamento” de 
suas funções nas diversas nações. Mesmo que se almeje um Estado que não intervenha na economia, permitindo que 
o mercado seja auto-regulamentado, ninguém pretende eximi-lo de suas responsabilidades para com a saúde, a 
educação e as populações pobres. 
Portanto, se a responsabilidade do Estado em relação à pobreza foi maior nas economias dirigidas e 
centralizadas, ainda hoje se exigem medidas corretivas para a crescente pobreza de parte da população. 
Espera-se que o Estado promova a reforma agrária, diminuindo a concentração de terras e assegurando a 
permanência da população rural no campo. Ao mesmo tempo, o Estado deve desenvolver uma política de crédito 
agrícola capaz de auxiliar os pequenos proprietários rurais. 
A HUMANIDADE E A VIOLÊNCIA 
Diante da contínua degradação das condições de vida, os índices de violência e criminalidade em algumas 
grandes cidades do mundo desenvolvido são muito altos, especialmente no Estados Unidos da América, não ficando 
atrás os países subdesenvolvidos. 
À percepção de incompetência do sistema econômico e político soma-se o desconforto de saber que, nos 
grandes centros, milhares de pessoas não se encontram sob a vigilância das instituições sociais, vivem como podem, 
à deriva e à revelia dos planejamentos oficiais. Cria-se, em relação a essa população, um sentimento de desconfiança 
e de insegurança. Há uma relação entre o crescimento dessa população e o aumento da criminalidade nos grandes 
centros urbanos, que se evidencia tanto na mídia como nos estudos de caráter científico. 
- 12 -
EJA FÁCIL 
O perfil social dos criminosos também ajuda a reforçar essa associação entre pobreza e criminalidade: os 
autores dos crimes oficialmente denunciados são geralmente analfabetos, trabalhadores braçais e 
predominantemente de cor negra. 
Entretanto, sociólogos mais cuidadosos têm estabelecido outras relações. Constata-se que inúmeros crimes 
não são denunciados, que as estatísticas apenas expõem aquela população que, tida de início como suspeita, é 
sistematicamente controlada. Existe, portanto, em relação aos dados, uma distorção provocada pela “suspeita 
sistemática”, como a definiu o cientista social brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro. Segundo essa ótica, é contra a 
população pobre, estigmatizada que se conduz a prática policial, a investigação e as formas de punição. Conclui o 
autor citado que a prática policial preconceituosa, somada à desproteção das classes subalternas, torna a relação 
entre pobreza e criminalidade uma profecia autocumprida. Forma-se um círculo vicioso em que o indivíduo para ter 
trabalho, precisa ter domicílio, registro, carteira profissional e uma situação civil legal. Impossibilitado de trabalhar por 
não cumprir tais exigências, ele passa a engrossar as fileiras de marginalizados que vivem sob constante vigilância 
policial. 
Desse modo, a urbanização tem resultado no crescimento da pobreza urbana, atraindo para os centros 
industriais populações expulsas do campo pela mecanização do trabalho agrícola, pela baixa produtividade do meio 
rural e pela concentração da terra. Um verdadeiro fluxo populacional se estabelece do campo para a periferia das 
grandes cidades ou para os centros das cidades que se deterioram. Recentes estatísticas demonstram que o 
desenvolvimento econômico tem aumentado a pobreza e a desigualdade social. 
No Brasil, existem cerca de 35 milhões de crianças e adolescentes na linha de “pobreza”. São cerca de 4 
milhões de menores que vivem nas ruas. O mesmo ocorre em vários países da América Latina, como o Peru, a 
Bolívia e a Colômbia. Os menores de rua, em geral, além de não possuírem um lar ou família, estão expostos a 
violência policial, estupros, prostituição, sendo conduzidos a uma vida de roubos e contato com as drogas. Muitos 
deles têm menos de 10 anos de idade. 
Conforme dados da Federação Internacional dos direitos do Homem (FIDH), que aponta o Brasil como um dos 
piores casos de extermínio de menores, a morte de uma criança no Rio de Janeiro pode ser encomendada por 
US$10. Em 1988, 73% das mortes de jovens nesse estado foram provocadas por assassinatos; das crianças entre 6 e 
12 anos que morreram nesse mesmo ano, 63% foram executadas. Os dados mostram ainda que 86% dos casos 
ocorreram nos grandes centros urbanos; os negros foram os mais atingidos: 83% dos casos. As meninas 
assassinadas perfazem 27% do total. 
Ainda no caso brasileiro, a violência de grupos de extermínio, muitos deles formados por policiais e ex-policiais, 
dirige-se contra adultos, também em sua maior parte negros. No estado de São Paulo, em 1991, a Polícia 
Militar matou 1.141 pessoas; no mesmo ano, a título de comparação, em Nova Iorque a polícia eliminou 27 pessoas. 
Analistas que criticam esse tipo de postura do Estado apontam que essa é uma fórmula encontrada para 
eliminar a pobreza: eliminando os pobres, com mal disfarçadas políticas de extermínio. Além disso, o extermínio de 
pessoas funciona como uma pena de morte informal, sem tribunal ou condenação. E isso não tem significado queda 
nos índices de criminalidade, já que a atitude de extermínio é ato criminoso, dos mais hediondos, que aumenta o nível 
de violência e criminalidade. 
Documento elaborado no Brasil pela Escola Superior de Guerra, intitulado “Estrutura do poder nacional para o 
ano de 2001 – 1990/2000, a década vital por um Brasil moderno e democrático”, identifica os bolsões de miséria das 
grandes cidades e os menores abandonados como o principal problema a ser “combatido”, pois seriam “fatores de 
desestabilização do sistema”. 
Posturas semelhantes existem em outros países do mundo subdesenvolvido. Mas, infelizmente para nós, o 
Brasil é o grande “destaque” nessa área. No Rio de Janeiro, o crime organizado constituiu-se em um verdadeiro 
“Estado”, controlando territórios, fluxos de drogas e armas, fazendo sua própria justiça e submetendo populações. 
O mercado mundial de narcóticos tornou-se uma altíssima fonte de renda para aqueles que o controlam. Esse 
mercado é formado principalmente por três tipos de drogas: a maconha, cujo principal centro produtor são os países 
do caribe, da América Central e da África; a cocaína, produzida especialmente nos países andinos – Colômbia, Peru e 
Bolívia – mas que já se expande para Brasil, Venezuela e Equador; e o ópio, produzido nos países do subcontinente 
indiano e Sudeste asiático. Os principais centro consumidores são os EUA e a Europa Ocidental. 
Na outra ponta do sistema estão os centros de “lavagem” do dinheiro ilegal obtido com a venda de drogas. 
São “paraísos fiscais”, onde os traficantes investem em capital financeiro, compram propriedades e bens de consumo. 
Alguns centros de “lavagem” são as ilhas Cayman e Bahamas, no Caribe, o emirado de Abu Dhabi, no Oriente Médio, 
a ilha de Chipre, no Mediterrâneo, e, claro, os centros consumidores, dos quais os EUA são os principais. 
- 13 -
Ensino Médio Sociologia Módulo I 
A violência é um fenômeno assustador e está ligada a variáveis como exclusões sociais, monopólio e 
concentração de bens econômicos, pobreza, narcotráfico, questões religiosas, poder político, entre outros. A 
globalização da economia, a industrialização, tem feito surgir uma nova ordem mundial, em face da escalada da 
pobreza e da criminalidade. Os povos estão se voltando para a necessidade de um desenvolvimento sustentável, 
onde a desigualdade social seja reavaliada, com vistas à construção de sociedades mais harmônicas e igualitárias. 
Quando isso se dará efetivamente e de maneira responsável, somente o tempo nos dirá. 
ÉTICA E SOCIEDADE 
INTRODUÇÃO À ÉTICA 
Toda cultura e cada sociedade institui uma moral, isto é, valores concernentes ao bem e ao mal, ao permitido 
e ao proibido, e à conduta correta, válidos para todos os seus membros. No entanto, a simples existência da moral 
não significa a presença explícita de uma ética, entendida como filosofia moral, isto é, uma reflexão que discuta, 
problematize e interprete o significado dos valores morais. 
Nossos sentimentos, nossas condutas, nossas ações e nossos comportamentos são modelados pelas 
condições em que vivemos (família, classe e grupo social, escola, religião, trabalho, circunstâncias políticas, etc.). 
Somos formados pelos costumes de nossa sociedade, que nos educa para respeitarmos e reproduzirmos os valores 
propostos por ela como bons e, portanto, como obrigações e deveres. Dessa maneira, valores e deveres parecem ser 
naturais e intemporais, fatos ou dados com os quais nos relacionamos desde nosso nascimento: somos 
recompensados quando os seguimos, punidos quando os transgredimos. 
Senso Moral e Consciência Moral 
Senso Moral – é expresso por nossos sentimentos e nossas ações. 
Consciência Moral – decisões que conduzem às ações com assunção das conseqüências pelas opções. 
O Senso Moral e a Consciência Moral referem-se aos valores (justiça, honradez, espírito de sacrifício, 
integridade, generosidade), a sentimentos provocados pelos valores (admiração, vergonha, culpa remorso, 
contentamento, cólera, amor, dúvida, medo) e as decisões que conduzem a ações com conseqüências para nós e 
para os outros. Embora os conteúdos dos valores variem, podemos notar que estão referidos a um valor mais 
profundo, mesmo que subentendido: o bom ou o bem. Os sentimentos e as ações, nascidos de uma opção entre o 
bom e o mau ou entre o bem e o mal, também estão referidos a algo mais profundo e subentendido: nosso desejo de 
afastar a dor e o sofrimento e de alcançar a felicidade, seja por ficarmos contentes conosco mesmos, seja por 
recebermos a aprovação dos outros. 
O Senso Moral e a Consciência Moral dizem respeito a valores, sentimentos, intenções, decisões e ações 
referidos ao bem e ao mal e ao desejo de felicidade. Dizem respeito às relações que mantemos com os outros e, 
portanto, nascem e existem como parte de nossa vida intersubjetiva. 
Juízo de Fato e Juízo de Valor 
Juízo de Fato – são aqueles que dizem o que as coisas são, como são e porque são. 
Juízo de Valor – avaliam as coisas, pessoas, ações, experiências, acontecimentos, sentimentos, estados de 
espírito, intenções e decisões como bons ou maus, desejáveis ou indesejáveis. 
Os Juízos Éticos de Valor podem ser normativos, isto é, enunciam obrigações e avaliam intenções e ações 
segundo o critério do correto e do incorreto. Dizem-nos o que são o bem, o mal, a felicidade. Nos dizem que 
sentimentos, atos, intenções e comportamentos devemos ter para alcançarmos o bem e a felicidade. Enunciam 
também que atos, sentimentos, intenções e comportamentos são condenáveis ou incorretos do ponto de vista moral. 
Como se pode observar, Senso Moral e Consciência Moral são inseparáveis da vida cultural, uma vez que 
esta define para seus membros os valores positivos e negativos que devem respeitar ou detestar. 
Os Constituintes o Campo Ético 
Para que haja conduta ética é preciso que exista o agente consciente, aquele que conhece a diferença entre o 
bem e o mal, certo e errado, permitido e proibido, virtude e vício. 
- 14 -
EJA FÁCIL 
O sujeito ético ou moral, isto é, a pessoa, só pode existir se preencher as seguintes condições: 
· Ser consciente de si e dos outros, isto é, ser capaz de reflexão e de reconhecer a existência dos outros 
como sujeitos éticos iguais a ele; 
· Ser dotado de vontade, isto é, de capacidade para controlar e orientar desejos, impulsos, tendências, 
sentimentos (para que estejam em conformidade com a consciência) e de capacidade para deliberar entre 
várias alternativas possíveis; 
· Ser responsável, isto é, reconhecer-se como autor da ação, avaliar os efeitos e conseqüências dela sobre 
si e sobre os outros, assumi-la bem como as suas conseqüências, respondendo por elas; 
· Ser livre, isto é, ser capaz de oferecer-se como causa interna de seus sentimentos, atitudes e ações, por 
não estar submetido a poderes externos que o forcem e o constranjam a sentir, a querer e a fazer alguma 
coisa. A liberdade não é tanto o poder para escolher entre várias possíveis, mas o poder para se 
autodeterminar, dando a si mesmo as regras de conduta. 
O campo ético é, portanto, constituído por dois pólos internamente relacionados: o agente ou sujeito moral e 
os valores morais ou virtudes éticas. 
Sujeito Passivo se deixa governar e arrastar por seus impulsos, inclinações e paixões, pelas 
circunstâncias, pela boa ou má sorte, pela opinião alheia, pelo medo dos outros, pela vontade de um outro, não 
exercendo sua própria consciência, vontade, liberdade e responsabilidade. 
Sujeito Ativo  controla interiormente seus impulsos, suas inclinações e suas paixões, discute consigo 
mesmo e com os outros o sentido dos valores e dos fins estabelecidos, tem consideração pelos outros sem 
subordinar-se nem se submeter cegamente a eles, respondendo pelo que faz, julga suas próprias intenções e recusa 
a violência contra si e contra os outros. É autônomo. Aquele que tem o poder de dar a si mesmo a regra, a norma, a 
lei. 
O maior desafio do mundo contemporâneo é a construção de uma ordem social justa no plano das nações. É 
necessário criar estruturas novas de tal modo que as necessidades básicas dos seres humanos sejam preenchidas, 
ou seja, que sirvam ao bem humano. Uma nova ética se faz imperiosa no novo milênio. Relações harmoniosas, onde 
as questões comuns sejam mais bem observadas, onde a cooperação e a interdependência humanas sejam 
respeitadas. 
Até bem pouco tempo os tratados de ética limitavam-se à microétiva, aos comportamentos interpessoais, 
analisando a estrutura interior dos atos humanos que, para serem imputados, deviam realizar-se com plena 
consciência, conhecimento e liberdade. A macroética avalia com igual ênfase e importância a dimensão pública e 
comunitária da ação. É certo que a educação, a saúde, a distribuição dos bens, a propriedade, a economia, a 
promoção da família e a ordem social da comunidade dependem cada vez mais das decisões coletivas do que das 
orientações e ações individuais. A macroética decorre da atual organização do mundo em macro-estruturas que, em 
muitos setores, alcançam dimensões planetárias. 
Entre a micro e a macroética não há conflitos irredutíveis. Tanto a filosofia contemporânea como a clássica 
englobam em suas premissas fundamentais os dois aspectos da ética. Em nosso século a fenomenologia não trata o 
ser humano como indivíduo auto-suficiente, mas trata o ser-no-mundo, como estrutura ontológica aberta que se 
realiza com os semelhantes e com a natureza. 
- 15 - 
passividade 
Sujeito Moral/Agente 
atividade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades Diversas Cláudia
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
Mary Alvarenga
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Mary Alvarenga
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º ano
Duzg
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e Estado
Mary Alvarenga
 
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia - Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Miro Santos
 
Tópico 3 cidadania e direitos sociais
Tópico 3 cidadania e direitos sociaisTópico 3 cidadania e direitos sociais
Tópico 3 cidadania e direitos sociais
Atividades Diversas Cláudia
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia -  Política, poder e EstadoCruzadinha de Filosofia -  Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Mary Alvarenga
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)
Paula Meyer Piagentini
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Darlan Campos
 
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Miro Santos
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
Paula Meyer Piagentini
 
Dinâmica para aula de sociologia e filosofia
Dinâmica para aula de sociologia e filosofiaDinâmica para aula de sociologia e filosofia
Dinâmica para aula de sociologia e filosofia
Severina Maria Vieira
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Mary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Edenilson Morais
 
Plano de curso sociologia 1 ano
Plano de curso  sociologia 1 anoPlano de curso  sociologia 1 ano
Plano de curso sociologia 1 ano
João Marcelo
 

Mais procurados (20)

Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
 
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médioApostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
Apostila de sociologia para o 1º ano ensino médio
 
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º ano
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e Estado
 
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia - Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
Atividade de Reflexão 2 - Sociologia -
 
Tópico 3 cidadania e direitos sociais
Tópico 3 cidadania e direitos sociaisTópico 3 cidadania e direitos sociais
Tópico 3 cidadania e direitos sociais
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia -  Política, poder e EstadoCruzadinha de Filosofia -  Política, poder e Estado
Cruzadinha de Filosofia - Política, poder e Estado
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
 
Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1Atividades de Reflexão - Sociologia 1
Atividades de Reflexão - Sociologia 1
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Dinâmica para aula de sociologia e filosofia
Dinâmica para aula de sociologia e filosofiaDinâmica para aula de sociologia e filosofia
Dinâmica para aula de sociologia e filosofia
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
 
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
 
Plano de curso sociologia 1 ano
Plano de curso  sociologia 1 anoPlano de curso  sociologia 1 ano
Plano de curso sociologia 1 ano
 

Semelhante a Apostila sociologia - eja fácil

Apostila sociologia
Apostila sociologiaApostila sociologia
Apostila sociologia
Allan Almeida de Araújo
 
Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)
Allan Almeida de Araújo
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
Fernando Alcoforado
 
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
anaely13
 
Apostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologiaApostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologia
Cristina Bentes
 
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadoresSociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Roger Jose
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
gabriela_eiras
 
Aula 1 soc em
Aula 1   soc emAula 1   soc em
Aula 1 soc em
Walney M.F
 
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Matheus Alves
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
Wladimir Crippa
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
guest6a86aa
 
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensivaSociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Daniele Rubim
 
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIAINTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
IsabellaGomes58
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
LilianeBA
 
Max weber
Max weberMax weber
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
mundica broda
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
mundica broda
 
Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim  Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim
Nayanne Santos
 
Fundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoFundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educação
celiferreira
 

Semelhante a Apostila sociologia - eja fácil (20)

Apostila sociologia
Apostila sociologiaApostila sociologia
Apostila sociologia
 
Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
 
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
Apostila classicos-sociologia-131031092141-phpapp01
 
Apostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologiaApostila classicos-sociologia
Apostila classicos-sociologia
 
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadoresSociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadores
 
Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
 
Aula 1 soc em
Aula 1   soc emAula 1   soc em
Aula 1 soc em
 
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensivaSociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
 
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIAINTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
 
Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim  Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim
 
Fundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoFundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educação
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Bioética
BioéticaBioética
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD (20)

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
 
A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 

Último

6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 

Último (20)

6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 

Apostila sociologia - eja fácil

  • 1. Educação de Jovens e Adultos Este material é organizado com o objetivo de atender aqueles que desejam completar seus estudos a nível médio de maneira rápida e eficiente. Todo o material foi elaborado com base no PCN (Parâmetro Curricular Nacional) por profissionais altamente qualificados, com especial cuidado a área de educação à distância, podendo o participante, sozinho, estudar, resolver os exercícios e realizar as provas simuladas de avaliação quando houver disponibilidade de tempo. Para sua segurança, este apostila é totalmente pró-ativa e respeita as mais modernas metodologias de aprendizagem, permitindo ao aluno um processo constante de educação. Acreditamos que o entendimento e a reflexão sobre os principais fundamentos da transparência, integridade e respeito permitirá alcançar padrões morais e éticos cada vez mais elevados. Ensino Médio Sociologia
  • 2. Dicas & Sugestões * Marque suas dificuldades de entendimento para que pesquise suas respostas; * Procure praticar seus conhecimentos em sua vida pessoal (em casa, com parentes, amigos e colegas de estudo); * Faça sua prova com atenção. Não marque prova indo ou vindo de compromissos importantes. Tudo começa com bom planejamento. * Verifique todas as normas de procedimentos do seu curso. É indispensável este domínio pessoal para seu melhor aproveitamento. * Leia com atenção, descontração e interesse cada capítulo. Ler pouco não é recomendável, mas ler em demasia não oferece segurança. Reler o mesmo assunto é uma prática saudável e melhora a assimilação dos assuntos; * Seja criativo nas leituras. Crie exemplos. Imagine situações parecidas. Perceba os números, os fatos, as relações. Leia com vontade de aprender, não de cumprir uma tarefa; * Escrever bem e correto será conseqüência de boas leituras. Só escreve bem quem lê continuamente. Só escreve com qualidade quem souber ler com criatividade; * Educação não é privilégio. Todos têm direito a educação. Depende principalmente do querer pessoal. O início dos estudos assusta, mas os resultados positivos chegam logo. Quando você adquire conhecimentos, você adquire confiança. Dê uma grande oportunidade a você própria para alcançar o sucesso que você pretende
  • 3. EJA FÁCIL AS CIÊNCIAS SOCIAIS O comportamento social humano e suas várias formas de organização são o principal foco da pesquisa e do estudo das Ciências Sociais. O objeto das Ciências Sociais é o ser humano em suas relações sociais, e o objetivo é ampliar o conhecimento sobre o ser humano em suas interações sociais. Logo, os variados comportamentos humanos como casar, receber salário, fazer greve, participar de eventos, educar filhos, são considerados comportamentos sociais pois se desenvolvem em sociedade. Com o avanço do conhecimento fez-se necessária a divisão das Ciências Sociais, para que cada uma das disciplinas pudessem se ocupar de um aspecto específico da realidade social, embora todas sejam complementares entre si. As disciplinas abaixo formam as Ciências Sociais. Sociologia – estuda as relações sociais e as formas de associação, considerando as interações que ocorrem na vida em sociedade. Economia – estuda as atividades humanas ligadas a produção, circulação, distribuição e consumo de bens e serviços, como por exemplo a distribuição de renda num país, a política salarial, a produtividade, entre outros. Antropologia – estuda e pesquisa as semelhanças e as diferenças culturais entre vários agrupamentos humanos, assim como a origem e a evolução das culturas. Política – estuda a distribuição de poder na sociedade, bem como a formação e o desenvolvimento das diversas formas de governo. A História da Sociologia Tem sido uma constante na vida dos seres humanos a reflexão sobre os grupos e as sociedades para sua melhor compreensão. Os gregos na antiguidade recorriam a mitologia para compreender os fenômenos sociais, baseados na imaginação, na fantasia e na especulação. As tentativas de explicar a sociedade foram muito influenciadas pela filosofia e religião. Na antiguidade e durante a Idade Média, Platão em seu livro “A República” , e Aristóteles com a obra “Política” foram o marco. É de Aristóteles a afirmação de que “o homem nasce para viver em sociedade”. A influência da religião observa-se em Santo Agostinho em sua obra “A cidade de Deus”, onde afirmava que nas cidades reinava o pecado. O empenho em atribuir ao estudo da sociedade um status semelhante ao das Ciências Naturais, que regulam os fenômenos físicos, químicos e biológicos, teve como resultado o nascimento da Sociologia. A preocupação com os fenômenos sociais sempre acompanhou a história das idéias do homem, no entanto, só se firmou como ciência no século XIX, quando se definiu seu campo de investigação e o modo pelo qual se procura conhecê-lo. A Primeira Forma de Pensamento Social A primeira corrente teórica sistematizada de pensamento sociológico foi o Positivismo, a primeira a definir precisamente o objeto, a estabelecer conceitos e uma metodologia de investigação. Seu primeiro representante foi o pensador francês Auguste Comte. O Positivismo derivou do “cientificismo”, isto é, da crença no poder exclusivo e absoluto da razão humana em conhecer a realidade e traduzi-la sob a forma de leis naturais. Essas leis seriam a base da regulamentação da vida do homem, da natureza como um todo e do próprio universo. Seu conhecimento pretendia substituir as explicações teológicas, filosóficas e de senso comum por meio das quais o homem explicava a realidade. O Positivismo reconhecia que os princípios reguladores do mundo físico e do mundo social diferiam quanto à sua essência. Comte denominou “física social” às suas análises da sociedade, antes de criar o termo sociologia, numa evidente tentativa de derivar as Ciências Sociais das Ciências Físicas. Cabe lembrar que tal filosofia inspirava-se no método de investigação das ciências da natureza, procurando identificar na vida social as mesmas relações e princípios com os quais os cientistas explicavam a vida natural. Procurava resolver os conflitos sociais por meio da exaltação à coesão, à harmonia natural entre os indivíduos, ao bem estar do todo social. - 3 -
  • 4. Ensino Médio Sociologia Módulo I A Sociologia de Durkheim Embora Comte seja considerado o pai da Sociologia, Émile Durkheim é tido como um dos seus primeiros grandes teóricos, tendo sido com ele que a Sociologia passou a ser considerada uma ciência. Formulou as primeiras orientações para a Sociologia e demonstrou que os fatos sociais têm características próprias, que os distinguem dos que são estudados pelas outras ciências. Para ele a Sociologia é o estudo dos fatos sociais. Para Durkheim, os fatos sociais são o modo de pensar, sentir e agir de um grupo social. Os fatos têm três características: generalidade, exterioridade e coercitividade. Tais conceitos serão objeto de estudo na unidade seguinte. Para ele a Sociologia tinha por finalidade não só explicar a sociedade como também encontrar soluções para a vida social. A teoria de Durkheim pretende demonstrar que os fatos sociais têm existência própria e independem daquilo que pensa e faz cada indivíduo em particular. Embora todos possuam sua consciência individual, seu modo próprio de se comportar e interpretar a vida, observa-se nos grupos ou sociedades formas padronizadas de conduta e pensamento. E com base nesta constatação definiu consciência coletiva. Na obra “Da divisão do trabalho social” aparece a definição de consciência coletiva como sendo “conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à média dos membros de uma mesma sociedade” que “forma um sistema determinado com vida própria” (342). A partir da segunda metade do século XX, com o fortalecimento do capitalismo, que se tornou também mais complexo, a Sociologia ganha nova importância, deparando-se com questões com que até então não havia se preocupado como a ruptura de normas sociais, desagregação familiar, cidadania, minorias, violência, crimes. Esses temas levaram a Sociologia a buscar respostas para os novos desafios, que exigem uma análise científica de todos os aspectos da vida em sociedade, a fim de entender o presente e projetar o futuro. Max Weber e a Ação Social Para Weber o objeto da Sociologia seria a Ação Social, a ação humana intencional. A compreensão do que é Ação Social seria a única forma para explicar os fatos sociais. Assim, a Ação Social não deveria apenas ser constatada ou descrita exteriormente, mas compreendida. O homem, enquanto indivíduo, passou a ter significado e especificidade. É ele que dá sentido à sua Ação Social: estabelece a conexão entre o motivo da ação, a ação propriamente dita e seus efeitos. Para a Sociologia Positivista, a ordem social submete os indivíduos como força exterior a eles. Para Weber, ao contrário, não existe oposição entre indivíduo e sociedade: as normas sociais só se tornam concretas quando se manifestam em cada indivíduo sob a forma de motivação. Cada sujeito age levado por um motivo que é dado pela tradição, por interesses racionais ou pela emotividade. Um dos trabalhos mais conhecidos e importantes de Weber é “A ética protestante e o espírito do capitalismo”, no qual ele relaciona o papel do protestantismo na formação do comportamento típico do capitalismo ocidental moderno Sua maior influência nos ramos especializados da Sociologia foi no estudo das religiões, estabelecendo relações entre formações políticas e crenças religiosas. Karl Marx e a Sociologia Com o objetivo de entender o capitalismo, Marx produziu obras de filosofia, economia e sociologia. Sua intenção ia além de contribuir para o desenvolvimento da ciência, pois tencionava uma ampla transformação política, econômica e social. Desenvolveu o conceito de alienação mostrando que a industrialização, a propriedade privada e o assalariamento separavam o trabalhador dos meios de produção (ferramentas, matéria-prima, terra e máquina), que se tornaram propriedade do capitalista. Separava também, ou alienava, o trabalhador do fruto do seu trabalho, que também é apropriado pelo capitalista. Essa é a base da alienação econômica do homem sob o capital. Max relata que a história do homem é a história da luta de classes, luta constante e de interesses opostos. De acordo com Marx o capitalismo tem seus dias contados, pois concentra cada vez mais dinheiro nas mãos de cada vez menos pessoas. No final, haverá tantos sem dinheiro que eles derrubarão o sistema e o substituirão por outro no qual o dinheiro não seja importante. Esse novo sistema denomina-se “comunismo”. Sob o comunismo todos serão livres para trabalharem para si e pelo bem comum. Entretanto, os países que tentaram por em prática tais idéias, como China, Cuba e a ex-União Soviética, tiveram resultados variados, além de questionarmos se foram fiéis às idéias de Marx. - 4 -
  • 5. EJA FÁCIL É preciso lembrar que as teorias marxistas, como o próprio Marx propôs, transcendem o momento histórico no qual são concebidas e têm uma validade que extrapola qualquer das iniciativas concretas que buscam viabilizar a sociedade justa e igualitária proposta por Marx. Nunca será bastante lembrar que a ausência da propriedade privada dos meios de produção é condição necessária mas não suficiente da sociedade comunista teorizada por Marx. Assim, não se devem confundir tentativas de realizações levadas a efeito por inspiração das teorias marxistas com as propostas por Marx de superação das contradições capitalistas. Como Marx mostrou, o próprio esforço por manter e reproduzir um modo de produção acarreta modificações qualitativas nas forças em oposição. Enganam-se os teóricos de direita e de esquerda que vêem em dado momento a realização mítica de um modelo ideal de sociedade. Hoje se vive nas ciências um momento de particular cautela, pois, após dois ou três séculos de crença absoluta na capacidade redentora da ciência, em sua possibilidade de explicitar de maneira inequívoca e permanente a realidade, já não se acredita na infalibilidade dos modelos, sendo necessário o trabalho permanente de discussão, revisão e complementação. A Sociologia no Brasil Desde o início vimos estudando o desenvolvimento do pensamento sociológico como resultado de um longo processo, que culmina com a elaboração científica do pensamento social, no século XIX, quando dá sua plena autonomia em relação à filosofia social e quando realiza a concepção de objetos, conceitos e métodos próprios de análise, tendo como sustentação as condições sócio-históricas do capitalismo na Europa, a partir do Renascimento. Na América Latina, em especial no Brasil, esse processo obedeceu também às condições de desenvolvimento do capitalismo e à dinâmica própria de inserção do país na ordem capitalista mundial. Reflete, assim, a situação colonial, a herança da cultura jesuítica e o lento processo de formação do Estado nacional. Assim, vamos acompanhar um breve histórico da formação cultural no Brasil, ressaltando o desenvolvimento das idéias sociais a partir do contexto histórico. Dos Jesuítas aos dias atuais A colonização do Brasil, como a história já nos mostrou, é marcada pela vinda dos jesuítas e com eles a cultura européia introduzindo a religião como domínio cultural por três séculos. Apesar de instituírem o tupi como “língua geral”, os jesuítas foram os responsáveis pelo extermínio gradativo da cultura nativa, assim como a submissão das populações escravas, conduzindo à subordinação da colônia aos interesses de Portugal e da Igreja. Assim durante séculos a cultura no Brasil manteve seu caráter ilustrado, de distinção social e dominação. Com a vinda da Corte Portuguesa para o Brasil, em 1808, as atividades culturais surgem para atender a demanda da burguesia aqui instalada. As inovações implementadas foram: Criação da Imprensa Régia; surgimento da Biblioteca, hoje Biblioteca Nacional; incentivo ao estudo de botânica e zoologia com a criação do Jardim Botânico; surge o Museu Real (hoje Museu Nacional); vinda da Missão Cultural Francesa e a criação do Museu de Belas Artes. Nosso processo cultural no século XIX é marcado pela importação de idéias e concepções européias, introduzidas à revelia de nossa realidade. Desde então o processo educacional sofre várias mudanças ficando, por fim, a educação do povo a cargo das províncias, futuros estados, e a educação da elite sob responsabilidade do poder central; o que impediu a unidade do sistema educacional. A elitização do ensino fica evidenciada, portanto, com a criação das escolas de nível superior que atendessem às necessidades da burguesia e do estado constituído. Cabe ressaltar que a alienação cultural, utilizando modelos europeus, atendia a premissa de garantir o domínio do poder imperial. Grandes disparidades foram observadas com o distanciamento da classe culta da maioria da população, com apenas 10% da população em idade escolar matriculada nas escolas primárias, o alto índice de analfabetismo e educação predominantemente masculina, pois a feminina aparece aos poucos no final do século XIX, vez que à mulher cabia se dedicar às prendas domésticas e à aprendizagem de boas maneiras, dentro de uma estrutura de sociedade com regime político imperialista de economia agrícola e patriarcal de base escravocrata. No início do século XX o capitalismo de monopólios acentua a concentração de renda e as conseqüentes disparidades sociais. É marcado no mundo por grandes conflitos nos diversos continentes, culminando com a Primeira Grande Guerra. O poderio econômico americano e o impacto mundial da crise da quebra da Bolsa de Nova Iorque geram desemprego em massa, o que exige a substituição do capitalismo liberal pelo capitalismo de organização, o que leva os países não desenvolvidos a uma crise em face de sua base agrícola. A ênfase na ciência e na tecnologia transforma os usos e costumes da humanidade. - 5 -
  • 6. Ensino Médio Sociologia Módulo I A década de 20 é marcada por um alo índice de analfabetismo (80%). Surge a escolanovista, e com ela a reação católica; as alternativas anarquistas são objetos de perseguição face ao incentivo ao ativismo político. A repressão acentua-se e fica mais distante a participação da sociedade, sendo reivindicadas autonomia, autogestão e diálogo. A década de 30 marcou a preocupação com o Brasil real, em oposição a colonização, o desenvolvimento nacionalista, como sentimento capaz de unir as diversas camadas sociais em torno de questões internas da nação e como inspiração para as políticas econômica e administrativa de proteção ao comércio e à indústria nacional. É fundada nessa época a Escola Livre de Sociologia e Política (1933), dedicada a estudos orientados pela sociologia norte-americana, e da Faculdade de Filosofia, Ciências e letras (1934). Procurou-se, assim, iniciar o estudo sistemático da sociologia, opondo-se ao caráter genérico de “humanidades” que adquiriu na formação de engenheiros, médicos e advogados, bem como diferenciar esse conhecimento, por seu cientificismo e pragmatismo, daquele apropriado pelo Estado. Citamos aqui expoentes desse período: Caio Prado Júnior, Gilberto Freire, Sérgio Buarque de Hollanda e Fernando Azevedo. Com a Segunda Guerra Mundial grandes transformações sociais e políticas marcaram o início da década de 40, quando EUA e a então URSS firmaram-se como potências mundiais. E com a mudança de cenário, uma nova ordem social se afirmava, de caráter transformador, em especial para os países do chamado Terceiro Mundo. A industrialização transformava as relações sociais entre classes, entre setores e entre regiões. Acentua-se o êxodo rural, com o abandono do campo por uma massa de população significativa, gerando forte dependência das áreas agrícolas à região Sudeste industrializada. O país adquiria nessa época a consciência de sua complexidade e de sua particularidade. Aqui os sociólogos denotam grande preocupação com a realidade latino-americana, desenvolvendo estudos entre semelhanças e diferenças existentes entre os conflitos e as sociedades latino-americanas. Destaca-se nesse momento por suas pesquisas Emílio Willems. Florestan Fernandes e Celso Furtado, importantes pensadores e responsáveis pela formação de duas grandes correntes do pensamento social brasileiro, marcam a década de 50. Discípulo de Roger Bastide, Florestan Fernandes desenvolveu importante pesquisa sobre negros e a questão racial no Brasil. Segundo ele a sociedade podia ser estudada pelos padrões e estruturas, isto é, os fundamentos da organização social e pelos dilemas, conjunturas históricas, que eram as contradições geradas pela dinâmica interna da estrutura. Daí sua abordagem muitas vezes denominada “histórico-cultural”. No campo da sociologia ocupou-se do estudo das relações sociais e da estrutura de classes da sociedade brasileira, o capitalismo dependente e o papel do intelectual. Celso Furtado foi o grande inovador do pensamento econômico, não só no Brasil como em toda América Latina. É apontado como o fundador da economia política brasileira. Foi o defensor da idéia de que o subdesenvolvimento não correspondia a uma etapa histórica das sociedades rumo ao capitalismo, mas se tratava de uma formação econômica gerada pelo próprio capitalismo internacional. Neste mesmo período Darcy Ribeiro desponta com a questão indígena e mais adiante exerce forte influência, enquanto político, na mudança da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. A sociologia entre o período de 40 e 60 produziu inúmeros trabalhos denunciando as desigualdades sociais e as relações de domínio e opressão internas e externas. Instalada a Segunda República com forte influência americana no golpe militar de 1964. Os reflexos da instalação da ditadura militar na sociedade e na sociologia são significativos, uma vez que a repressão ao pensa social e político deu-se de inúmeras formas. Universidades foram fechadas, bem como entidades de classe estudantil, os principais nomes da sociologia no Brasil foram sumariamente aposentados e impedidos de lecionar. Muitos foram exilados, outros se exilaram, passando a publicar seus trabalhos no exterior. Várias reformas foram instituídas com a finalidade única de atender ao poder político dominante e repressor, impedindo o progresso cultural no País. Com a transição democrática e o primeiro governo civil pós-ditadura militar, importante avaliação sugere uma revisão da situação política do país com a criação de partidos, bem como o ingresso de cientistas sociais na política. O Partido dos Trabalhadores (PT) teve adeptos a sua luta política como Florestan Fernandes, Antônio Cândido e Mello e Souza e Francisco Weffort. Darcy Ribeiro filiou-se ao Partido Democrático Trabalhista (PDT), Fernando Henrique Cardoso esteve presente a fundação do Partido Social-Democrata Brasileiro (PSDB), surgido da dissidência do antigo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Uma progressiva diversificação das ciências sociais, e especial da sociologia. Multiplicaram-se os campos de estudo, fazendo surgir análises sobre a condição feminina, do menor, das favelas, das artes, da violência urbana e rural, da religião, entre outras. A sociologia vem se tornando cada vez mais interdisciplinar e plural, com a multiplicação de seus objetos de estudos. - 6 -
  • 7. EJA FÁCIL Vemos emergir um novo milênio com uma ordem social transformadora das relações influenciada pela evolução das comunicações, nos permite a comunicação em tempo real e a universalização da imagem através da TV, alterando a maneira de pensar e agir das pessoas. Os sociólogos buscam redefinir os conceitos de dependência e divisão internacional do trabalho num mundo globalizado. A Vida Social – Conceitos Importantes Quase todas as referências sobre a sociedade são feitas em termos de relações sociais. Em geral, pensa-se nas relações entre pai e filho, entre empregador e empregado, entre líder e partidário, entre comerciante e cliente, ou das que existem entre amigos, inimigos, etc. Essas relações estão situadas entre as características mais comuns da sociedade e, conseqüentemente, pode parecer atitude perfeitamente óbvia estudar a sua natureza. Entretanto, a Sociologia deve analisá-las e classificá-las porque representam não somente uma forma comum, como também fundamental para a organização dos dados sociais. Em resumo, a sociedade deve ser encarada como um sistema de relações. Ao analisar as relações sociais verifica-se que são muito mais complexas que a princípio podem parecer. Todas as sociedades contêm centenas, talvez mesmo milhares de relações sociais convenientemente definidas. Tais relações sociais foram classificadas como interações, as quais podem ocorrer de pessoa para pessoa, entre uma pessoa e um grupo e entre um grupo e outro. Contato Social O contato social é a base da vida social. É o primeiro passo para que ocorra qualquer associação humana. Podemos considerar que existem dois tipos de contados sociais: primários e secundários. Os contatos sociais primários são os contatos pessoais, diretos e que têm forte base emocional, pois as pessoas envolvidas compartilham suas experiências individuais. Temos como exemplo os familiares, os de vizinhança, as relações sociais na escola, no clube. Já os contatos sociais secundários são impessoais, calculados, formais, um meio para atingir determinado fim. Como no caso do passageiro com o cobrador de ônibus, apenas para pagar a passagem; o cliente com o caixa do banco, para descontar um cheque. É importante destacar que com a industrialização e a urbanização diminuíram os contatos primários, pois a cidade é a área em que há mais grupos nos quais predominam os contatos secundários. As relações humanas nas grandes cidades podem ser mais fragmentadas e impessoais, caracterizando uma tendência ao individualismo. A Socialização Todo indivíduo é, em parte, produto de duas espécies distintas de transmissão, uma hereditária e outra social. À primeira age através do mecanismo dos genes, cromossomos, e da reprodução humana - refere-se ao plano geral da realidade designado como biológico e estudado por um ramo especial da ciência biológica chamado “Genética”. O segundo funciona por intermédio do mecanismo do hábito, da educação e da comunicação simbólica - refere-se ao nível geral da realidade designado como sócio-cultural, e é tratado por outro ramo da Ciência Social que pode ser chamado de Estudo da Socialização. Entretanto, a complexidade do assunto vai mais além. Não somente o indivíduo é um produto desses dois processos dinâmicos de transmissão, como também dos vários e diferentes tipos de ambiente. Nem a transmissão genética, nem a comunicativa podem ocorrer num homem que não disponha de um meio geográfico, biológico, cultural e interpessoal. Pelo acima podemos afirmar que a socialização é um processo pelo qual os seres humanos passam ao viverem em sociedade, pois a vida em grupo é uma exigência da natureza humana. O homem necessita de seus semelhantes para sobreviver, perpetuar a espécie e também para se realizar plenamente como pessoa. Convívio Social, Isolamento e Atitudes Considerando-se que no convívio social o compartilhamento entre indivíduos se dá pelos contatos sociais, podemos dizer da importância dessa interação entre indivíduos para a perpetuação da espécie humana. E a maneira mais rápida de verificar o significado e a natureza do contato social consiste na observação da ausência de tal contato. - 7 -
  • 8. Ensino Médio Sociologia Módulo I O isolamento social caracteriza-se pela ausência de contatos sociais. Existem mecanismos que reforçam o isolamento social e entre eles estão as atitudes de ordem social e as atitudes de ordem individual. As atitudes de ordem social envolvem os vários tipos de preconceitos, como de cor, de sexo, de religião, etc. As atitudes de ordem individual que reforçam o isolamento dizem respeito a ação do próprio indivíduo como por exemplo a timidez, o confinamento solitário por devoção a alguma religião, o exercício de uma profissão solitária, anonimato urbano sem amizades, abandono voluntário da companhia humana, entre outros. A Comunicação e os Processos Sociais “Há setenta anos, Frederico II, imperador do Sacro Império Romano-Germânico, efetuou um experimento para determinar que língua as crianças falariam quando crescessem, se jamais tivessem ouvido uma única palavra falada: falariam hebraico (que então julgava ser a língua mais antiga), grego, latim ou a língua de seu país? Deu instruções às amas e mães adotivas para que alimentassem as crianças e lhes dessem banho, mas que sob hipótese nenhuma falassem com elas ou perto delas. O experimento fracassou, porque todas as crianças morreram.” (Paul B. Horton e Chester L. Hunt) O texto acima confirma a vital importância da comunicação para os seres humanos, enquanto ser social e para o desenvolvimento da cultura. O homem tem como principal meio de comunicação a linguagem. Através da linguagem o ser humano atribui significados aos sons articulados que emite, e isto é possível porque somos dotados de inteligência. Graças à linguagem podemos transmitir pensamentos e sentimentos aos nossos semelhantes, bem como passar aos descendentes nossas experiências e descobertas, fazendo com que os conhecimentos adquiridos não se percam. À medida que as sociedades se tornaram mais complexas, os meios de comunicação foram se aperfeiçoando. Um grande avanço foi o surgimento da escrita, na Mesopotâmia, por volta de 4000 a.C. A invenção da imprensa por Gutenberg, no século XV, foi outro passo importante. Nos séculos XIX e XX assistimos à invenção do telégrafo, do telefone, do rádio, do cinema, da televisão, do telex, da comunicação por satélite, da internet, etc. Pelos meios de comunicação, os fatos, as idéias, os sentimentos, as atitudes, as opiniões são compartilhados por um conjunto enorme de indivíduos e atingem um grande número de países. Segundo o especialista em comunicação Marshall McLuhan, o mundo contemporâneo é uma autêntica “aldeia global”, onde fatos, opiniões e modos de vida são compartilhados por inúmeras pessoas. Os meios de comunicação de massa moldam hoje as idéias e opiniões de grupos cada vez maiores de indivíduos. E isso vem se verificando com uma intensidade crescente graças sobre tudo à Internet. Já mencionamos que as interações ocorrem como princípio básico para a relação social. Neste sentido, também as interações estão no contexto dos processos sociais. Processo é o nome que se dá à contínua mudança de alguma coisa numa direção definida. Processo social indica interação social, movimento, mudança. Os processos sociais são as diversas maneiras pelas quais os indivíduos e os grupos atuam uns com os outros, a forma como os indivíduos se relacionam e estabelecem relações sociais. Qualquer mudança proveniente dos contatos e da interação social entre os membros de uma sociedade constitui um processo social. Os processo sociais podem ser associativos, como a cooperação, ou dissociativos como a competição e conflito. O conflito é uma constante das relações humanas. Pede ser resolvido em determinado nível, como quando se registra um acordo sobre os fins em vista, para manifestar-se de novo sobre a questão dos meios. Entretanto, esse conflito parcial é diferente do conflito total pois no conflito total implica na inexistência de qualquer nível de acordo, e sugere que o único método para a solução da disparidade de interesses é o recurso à força física. A competição, em contraste com o conflito que visa a destruir ou banir o adversário, destina-se simplesmente a anular o competidor na luta por objetivo comum. Sugere a existência de regras do jogo que os competidores precisam respeitar e que por trás dessas regras, justificando-as e sustentando-as, existe um conjunto de valores comuns superiores aos interesses antagônicos. A cooperação ocorre quando o ser humano trabalha em conjunto para conquista de um objetivo comum. A cooperação pode ser direta, quando compreende as atividades que as pessoas realizam juntas, como é o caso dos mutirões para construção de casas populares; ou indireta, aquela em que as pessoas, mesmo realizando trabalhos diferentes, necessitam indiretamente umas das outras, por não serem auto-suficientes, como por exemplo o médico e - 8 -
  • 9. EJA FÁCIL o lavrador: o médico necessita dos alimentos produzidos pelo lavrador, e este necessita do médico quando fica doente. É preciso deixar claro que as formas de interação acima descritas são todas interdependentes. São aspectos constantes da sociedade humana. Todos os sistemas sociais, e na verdade toda e qualquer situação concreta, possuem-nas de forma completa e entrelaçada. Não existe cooperação de grupo, por mais harmoniosa que seja, que não contenha as sementes do conflito reprimido. Não existe conflito, por mais violento que possa ser, que não ofereça uma certa base oculta de entendimento. Não há competição, mesmo a mais implacável e impessoal, que não seja capaz de oferecer certa dose de contribuição à causa superior cooperativa. Deve ficar estabelecido que a análise do comportamento social em termos de formas de interação é um modo indispensável para o estudo dos fenômenos sociais. Problemas Sociais Embora sejam muitas as formas pelas quais a Sociologia pode ser aplicada, é evidente que muitos sociólogos, e a maioria dos que estão empenhados em trabalhos práticos, consideram a Sociologia aplicada principalmente em termos de sua capacidade de fornecer remédios para determinados males sociais. Vamos começar examinando o que constitui um problema social. Uma questão fundamental diz respeito à idéia de discriminação entre grupos sociais, bem como a maneira como as sociedades no mundo vivem e os homens desfrutam os bens e as oportunidades na vida social. Podemos dizer que é um problema de relações humanas que ameaça seriamente a sociedade. Um problema social existe quando a capacidade de uma sociedade organizada para ordenar as relações entre as pessoas parece estar falhando, como por exemplo leis transgredidas, o fracasso na transmissão de valores de uma geração para outra, a delinqüência juvenil, o desvio de verbas públicas, a pobreza, conflitos industriais, a guerra, entre outros. O processo histórico tem mostrado como uma tendência marcante a diferenciação e a crescente complexidade da sociedade. Da pequena diferenciação social existente nas sociedades tribais, as diversas civilizações foram passando por processos que as levaram a formar os mais diferentes grupos, que começaram a se distinguir por etnia, nacionalidade, religião, profissão e, de forma mais acentuada, por classe social. A caminho das sociedades plurais, foram se formando inúmeros grupos, cada um com uma função, um conjunto de direitos, deveres, obrigações e possibilidades de ação social. O mundo contemporâneo assiste ao resultado desse longo processo histórico de formação de uma civilização complexa e diferenciada, na qual os diversos grupos procuram monopolizar seus privilégios e as possibilidades de acesso à produção de bens e mecanismos de distribuição desses bens na sociedade. AUTO-AVALIAÇÃO 01 – Quais são as reações humanas chamadas instintivas? ( ) trabalhar, respirar ( ) medo, frio ( ) administrar, governar ( ) obedecer, engatinhar 02 – Que habilidades humanas são desenvolvidas pela aprendizagem? ( ) comer, obedecer ( ) beber, trabalhar ( ) brincar, governar ( ) todas as respostas acima são verdadeiras 03 – Em que se inspirava o positivismo? ( ) Ciências Médicas ( ) Ciências Sociais ( ) Ciências da Natureza ( ) Nenhuma das respostas anteriores - 9 -
  • 10. Ensino Médio Sociologia Módulo I 04 – Quem é considerado o primeiro grande teórico da Sociologia? ( ) Max Weber ( ) Celso Furtado ( ) Auguste Comte ( ) Émile Durkheim 05 – Qual a área de estudo em que Weber mais se destacou? ( ) Antropologia ( ) Ação Social ( ) Economia ( ) História das relações 06 – Que tipo de sociedade Karl Marx idealizou e onde se difundiram suas idéias? ( ) Positivista – França, Inglaterra ( ) Capitalista – Brasil, Canadá ( ) Comunista – China, Cuba ( ) Socialista – EUA, Bélgica 07 – Qual o marco da Sociologia no ano de 1933? ( ) Fundação da Biblioteca Nacional ( ) Fundação da Universidade de Brasília ( ) Fundação da Escola Livre de sociologia e Política ( ) Fundação da Escola Nacional de Belas Artes 08 – Quais os pensadores que marcaram a década de 50? ( ) Florestan Fernandes e Celso Furtado ( ) Florestan Fernandes e Roger Bastide ( ) Florestan Fernandes e Darcy Ribeiro ( ) Florestan Fernandes e Emílio Willems 09 – Qual o enfoque dado pelo pensamento de Celso Furtado? ( ) Político ( ) Econômico ( ) Antropológico ( ) Social 10 – O que a Sociologia busca em relação aos problemas sociais? ( ) Liberar os conflitos ( ) Aumentar os processos de competição ( ) Dar soluções para os males sociais ( ) Organizar a cooperação A POBREZA E SUAS IMPLICAÇÕES As evidências históricas têm mostrado que a cultura humana está ligada a questão das desigualdades, distinção e discriminação entre os grupos sociais. Mesmo nas sociedades mais homogêneas e simples existiam diferenças de sexo e idade atribuindo aos grupos assim discriminados funções diferentes, certa parcela de poder, determinados direitos e deveres. Desde então, as sociedades que foram se tornando mais complexas, seus membros não tinham igualdade de acesso a certas vantagens como poder de decisão e a liberdade. O patriarcado existente nas mais remotas civilizações, garantindo aos homens o poder sobre a família e seus bens, demonstra que a igualdade é uma grande utopia, um ideal ainda não vivido pela humanidade. O mundo atual exibe um saldo de imensas conquistas e tristes derrotas. Os avanços científicos, tecnológicos e espaciais não acabaram com a fome, a falta de moradia, o desamparo à saúde e os baixos salários. Depois de cem anos de socialismo e capitalismo, a miséria no mundo aumentou e a economia transformou-se numa fábrica de - 10 -
  • 11. EJA FÁCIL exclusão racionalizada. A modernidade produziu um mundo menor que a humanidade, advertiu o sociólogo Herbert de Souza. O sistema de exclusão fica patente nas avaliações estatísticas: apenas 15% da população mundial concentra 80% da renda econômica do planeta. E mais de 1 bilhão de pessoas vivem na pobreza absoluta, que mata 40 mil crianças por dia. Entre os Estados independentes do mundo, podemos distinguir pelo menos, dois grandes conjuntos: Países do Primeiro Mundo – privilegiado núcleo de países de capitalismo avançado. São nações desenvolvidas e poderosas, como Estados Unidos, Canadá, Alemanha, França, Inglaterra, Japão e Itália. A maioria dessas nações está situada no hemisfério norte. Países do Terceiro Mundo – vasto e heterogêneo conjunto de países subdesenvolvidos ou em vias de desenvolvimento, espalhados pela África, Ásia e América Latina. A maioria dessas nações está situada no hemisfério sul. A expressão Terceiro Mundo foi utilizada pela primeira vez em 1952 pelo demógrafo francês Alfred Suvy. Ele se inspirou na idéia de terceiro estado, camada que constituía a maioria da população da França durante o antigo Regime e que promoveu a revolução Francesa. A expressão difundiu-se e, hoje, aplica-se à maioria dos países pobres (75% das nações do mundo), explorados e marginalizados pelos países desenvolvidos. Observamos que, enquanto os países do mundo desenvolvido vivem atualmente graves problemas sociais: falta de perspectivas e delinqüência entre os mais jovens, alcoolismo, suicídios, degradação dos centros urbanos, desemprego estrutural, entre outros, as sociedades modernas do chamado mundo subdesenvolvido possuem muitos elementos que as diferenciam das outras. Apesar do enorme crescimento econômico de alguns países (Brasil, México, Argentina, Tigres Asiáticos), industrialização, acelerada urbanização, etc, seus problemas sociais são imensos e têm algumas peculiaridades. No plano social a modernização, nesses países, já nasce sob o signo da exclusão. De um lado, as formas tradicionais de produzir e viver foram inviabilizadas pela modernização capitalista; de outro, criam-se enormes contingentes que vivem totalmente alijados dos benefícios eventuais do mundo moderno. Essa exclusão pode ser expressa pela fome e miséria, assim como pelas guerras e pela instauração de verdadeiras estruturas de poder paralelo ao Estado, como a do narcotráfico. Os fatos mais significativos para demonstrar o atual estágio das condições de vida dos países subdesenvolvidos são a fome e a miséria generalizadas. Igualmente graves são os problemas de acesso à educação, saúde e saneamento básico. Segundo o Fundo de População das Nações Unidas, dos quase 6 bilhões de habitantes do planeta, 1,1 bilhão de pessoas no mundo está abaixo da linha da miséria e 3 bilhões são pobres. A maior parte desse contingentes está no mundo subdesenvolvido. Na África, 60 milhões de pessoas estão à beira da morte, por fome, epidemias ou violência das guerras. Somando-se a população à beira da inanição de quatro países africanos – Sudão, Etiópia, Libéria e Moçambique – chega-se a 16 milhões de pessoas. No final da década de 80, 47% dos latino-americanos estavam na faixa de pobreza, contra cerca de 41% em 1980. São legiões de famintos no Nordeste do Brasil e nas grandes metrópoles brasileiras, na Bolívia, na Venezuela, na Colômbia, na Nicarágua, em Honduras, nas ilhas do Caribe (Jamaica, Haiti, entre outros), etc. O mesmo ocorre no continente asiático, como na Índia, Bangladesh, Paquistão. Essa situação corresponde, na maioria desses países, aos altos índices de concentração de renda e de terras. Porém, diferentemente do que se poderia imaginar, muitos países do mundo subdesenvolvido são grandes produtores de alimentos, mas para exportação pois, para o mercado interno resta a fome. E nesse caso o Brasil se destaca. Um dos aspectos mais perversos da fome refere-se aos impactos por ela causados às crianças. Muitas das seqüelas produzidas pela fome são irremediáveis no futuro desenvolvimento, quando não causam a morte. A enorme discrepância entre as taxas de mortalidade dos países ricos e dos pobres demonstra esse fato. - 11 -
  • 12. Ensino Médio Sociologia Módulo I Pobreza E Abundância Outro aspecto da sociedade contemporânea que torna mais difícil aceitar a pobreza de certas parcelas da população é o pleno desenvolvimento da indústria de massa, que põe em circulação na sociedade uma quantidade de produtos nunca antes imaginada. Por sua quantidade, os bens produzidos pela indústria de massa seriam capazes de manter e reproduzir toda a população do planeta. Restaria ainda um excedente, garantem alguns economistas. Mas a diferenciação, a oposição e a concorrência entre os grupos sociais acabam por criar mecanismos de apropriação e monopólio dos bens econômicos e sociais, gerando crescente concentração de renda. E é em meio à sociedade da abundância que a pobreza adquire um caráter contraditório. Agrava esse caráter contraditório e revelador da pobreza – como um dos impasses da sociedade contemporânea – o caráter consumista da vida social. Ao lado da crescente pobreza, o apelo ao consumo por meio das campanhas publicitárias veiculadas pelos meios de comunicação de massa torna a distância social entre ricos e pobres ainda mais trágica e inaceitável. Consumismo e abundância fazem parte desse ideário do bem-estar social no interior do qual as populações carentes não param de crescer. Os produtos inundam o mercado, milhares de similares fazem concorrência cerrada em busca dos consumidores. Mercadorias que em pouco tempo se tornam anacrônicas, ultrapassadas e obsoletas, devem ser substituídas por outras de formato, cor ou programa diferente e exigem consumidores com disponibilidade permanente de compra. É nessa sociedade que a pobreza se torna cada vez mais contraditória e perturbadora. A Responsabilidade Do Estado Desde que se constituiu na Idade Moderna, no século XV, o Estado, como o conhecemos hoje, foi adquirindo sempre mais poder e desenvolvendo um caráter acentuadamente regulador da vida social. Sendo o responsável pela política econômica nacional, pelos programas sociais, pelas relações internas e externas, tornou-se o responsável pelas condições de vida dos seus cidadãos. Todos esses aspectos resultaram de uma ampliação significativa de suas atribuições e funções. O Estado, enquanto instituição representativa da sociedade como um todo, passou a ser responsabilizado também pelo bem-estar social. Não sem certa razão, na medida em que é ele que regula os mecanismos de distribuição de renda, por meio do controle do salário mínimo, preço de produtos, impostos e financiamentos. Conseqüentemente, é ele também – indiretamente – responsável pelo crescimento galopante da pobreza no mundo. Essa responsabilidade do Estado para com a população carente de uma nação parece não tender a diminuir sequer na atualidade, quando se reavaliam suas atribuições e se verifica uma nítida tendência ao “enxugamento” de suas funções nas diversas nações. Mesmo que se almeje um Estado que não intervenha na economia, permitindo que o mercado seja auto-regulamentado, ninguém pretende eximi-lo de suas responsabilidades para com a saúde, a educação e as populações pobres. Portanto, se a responsabilidade do Estado em relação à pobreza foi maior nas economias dirigidas e centralizadas, ainda hoje se exigem medidas corretivas para a crescente pobreza de parte da população. Espera-se que o Estado promova a reforma agrária, diminuindo a concentração de terras e assegurando a permanência da população rural no campo. Ao mesmo tempo, o Estado deve desenvolver uma política de crédito agrícola capaz de auxiliar os pequenos proprietários rurais. A HUMANIDADE E A VIOLÊNCIA Diante da contínua degradação das condições de vida, os índices de violência e criminalidade em algumas grandes cidades do mundo desenvolvido são muito altos, especialmente no Estados Unidos da América, não ficando atrás os países subdesenvolvidos. À percepção de incompetência do sistema econômico e político soma-se o desconforto de saber que, nos grandes centros, milhares de pessoas não se encontram sob a vigilância das instituições sociais, vivem como podem, à deriva e à revelia dos planejamentos oficiais. Cria-se, em relação a essa população, um sentimento de desconfiança e de insegurança. Há uma relação entre o crescimento dessa população e o aumento da criminalidade nos grandes centros urbanos, que se evidencia tanto na mídia como nos estudos de caráter científico. - 12 -
  • 13. EJA FÁCIL O perfil social dos criminosos também ajuda a reforçar essa associação entre pobreza e criminalidade: os autores dos crimes oficialmente denunciados são geralmente analfabetos, trabalhadores braçais e predominantemente de cor negra. Entretanto, sociólogos mais cuidadosos têm estabelecido outras relações. Constata-se que inúmeros crimes não são denunciados, que as estatísticas apenas expõem aquela população que, tida de início como suspeita, é sistematicamente controlada. Existe, portanto, em relação aos dados, uma distorção provocada pela “suspeita sistemática”, como a definiu o cientista social brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro. Segundo essa ótica, é contra a população pobre, estigmatizada que se conduz a prática policial, a investigação e as formas de punição. Conclui o autor citado que a prática policial preconceituosa, somada à desproteção das classes subalternas, torna a relação entre pobreza e criminalidade uma profecia autocumprida. Forma-se um círculo vicioso em que o indivíduo para ter trabalho, precisa ter domicílio, registro, carteira profissional e uma situação civil legal. Impossibilitado de trabalhar por não cumprir tais exigências, ele passa a engrossar as fileiras de marginalizados que vivem sob constante vigilância policial. Desse modo, a urbanização tem resultado no crescimento da pobreza urbana, atraindo para os centros industriais populações expulsas do campo pela mecanização do trabalho agrícola, pela baixa produtividade do meio rural e pela concentração da terra. Um verdadeiro fluxo populacional se estabelece do campo para a periferia das grandes cidades ou para os centros das cidades que se deterioram. Recentes estatísticas demonstram que o desenvolvimento econômico tem aumentado a pobreza e a desigualdade social. No Brasil, existem cerca de 35 milhões de crianças e adolescentes na linha de “pobreza”. São cerca de 4 milhões de menores que vivem nas ruas. O mesmo ocorre em vários países da América Latina, como o Peru, a Bolívia e a Colômbia. Os menores de rua, em geral, além de não possuírem um lar ou família, estão expostos a violência policial, estupros, prostituição, sendo conduzidos a uma vida de roubos e contato com as drogas. Muitos deles têm menos de 10 anos de idade. Conforme dados da Federação Internacional dos direitos do Homem (FIDH), que aponta o Brasil como um dos piores casos de extermínio de menores, a morte de uma criança no Rio de Janeiro pode ser encomendada por US$10. Em 1988, 73% das mortes de jovens nesse estado foram provocadas por assassinatos; das crianças entre 6 e 12 anos que morreram nesse mesmo ano, 63% foram executadas. Os dados mostram ainda que 86% dos casos ocorreram nos grandes centros urbanos; os negros foram os mais atingidos: 83% dos casos. As meninas assassinadas perfazem 27% do total. Ainda no caso brasileiro, a violência de grupos de extermínio, muitos deles formados por policiais e ex-policiais, dirige-se contra adultos, também em sua maior parte negros. No estado de São Paulo, em 1991, a Polícia Militar matou 1.141 pessoas; no mesmo ano, a título de comparação, em Nova Iorque a polícia eliminou 27 pessoas. Analistas que criticam esse tipo de postura do Estado apontam que essa é uma fórmula encontrada para eliminar a pobreza: eliminando os pobres, com mal disfarçadas políticas de extermínio. Além disso, o extermínio de pessoas funciona como uma pena de morte informal, sem tribunal ou condenação. E isso não tem significado queda nos índices de criminalidade, já que a atitude de extermínio é ato criminoso, dos mais hediondos, que aumenta o nível de violência e criminalidade. Documento elaborado no Brasil pela Escola Superior de Guerra, intitulado “Estrutura do poder nacional para o ano de 2001 – 1990/2000, a década vital por um Brasil moderno e democrático”, identifica os bolsões de miséria das grandes cidades e os menores abandonados como o principal problema a ser “combatido”, pois seriam “fatores de desestabilização do sistema”. Posturas semelhantes existem em outros países do mundo subdesenvolvido. Mas, infelizmente para nós, o Brasil é o grande “destaque” nessa área. No Rio de Janeiro, o crime organizado constituiu-se em um verdadeiro “Estado”, controlando territórios, fluxos de drogas e armas, fazendo sua própria justiça e submetendo populações. O mercado mundial de narcóticos tornou-se uma altíssima fonte de renda para aqueles que o controlam. Esse mercado é formado principalmente por três tipos de drogas: a maconha, cujo principal centro produtor são os países do caribe, da América Central e da África; a cocaína, produzida especialmente nos países andinos – Colômbia, Peru e Bolívia – mas que já se expande para Brasil, Venezuela e Equador; e o ópio, produzido nos países do subcontinente indiano e Sudeste asiático. Os principais centro consumidores são os EUA e a Europa Ocidental. Na outra ponta do sistema estão os centros de “lavagem” do dinheiro ilegal obtido com a venda de drogas. São “paraísos fiscais”, onde os traficantes investem em capital financeiro, compram propriedades e bens de consumo. Alguns centros de “lavagem” são as ilhas Cayman e Bahamas, no Caribe, o emirado de Abu Dhabi, no Oriente Médio, a ilha de Chipre, no Mediterrâneo, e, claro, os centros consumidores, dos quais os EUA são os principais. - 13 -
  • 14. Ensino Médio Sociologia Módulo I A violência é um fenômeno assustador e está ligada a variáveis como exclusões sociais, monopólio e concentração de bens econômicos, pobreza, narcotráfico, questões religiosas, poder político, entre outros. A globalização da economia, a industrialização, tem feito surgir uma nova ordem mundial, em face da escalada da pobreza e da criminalidade. Os povos estão se voltando para a necessidade de um desenvolvimento sustentável, onde a desigualdade social seja reavaliada, com vistas à construção de sociedades mais harmônicas e igualitárias. Quando isso se dará efetivamente e de maneira responsável, somente o tempo nos dirá. ÉTICA E SOCIEDADE INTRODUÇÃO À ÉTICA Toda cultura e cada sociedade institui uma moral, isto é, valores concernentes ao bem e ao mal, ao permitido e ao proibido, e à conduta correta, válidos para todos os seus membros. No entanto, a simples existência da moral não significa a presença explícita de uma ética, entendida como filosofia moral, isto é, uma reflexão que discuta, problematize e interprete o significado dos valores morais. Nossos sentimentos, nossas condutas, nossas ações e nossos comportamentos são modelados pelas condições em que vivemos (família, classe e grupo social, escola, religião, trabalho, circunstâncias políticas, etc.). Somos formados pelos costumes de nossa sociedade, que nos educa para respeitarmos e reproduzirmos os valores propostos por ela como bons e, portanto, como obrigações e deveres. Dessa maneira, valores e deveres parecem ser naturais e intemporais, fatos ou dados com os quais nos relacionamos desde nosso nascimento: somos recompensados quando os seguimos, punidos quando os transgredimos. Senso Moral e Consciência Moral Senso Moral – é expresso por nossos sentimentos e nossas ações. Consciência Moral – decisões que conduzem às ações com assunção das conseqüências pelas opções. O Senso Moral e a Consciência Moral referem-se aos valores (justiça, honradez, espírito de sacrifício, integridade, generosidade), a sentimentos provocados pelos valores (admiração, vergonha, culpa remorso, contentamento, cólera, amor, dúvida, medo) e as decisões que conduzem a ações com conseqüências para nós e para os outros. Embora os conteúdos dos valores variem, podemos notar que estão referidos a um valor mais profundo, mesmo que subentendido: o bom ou o bem. Os sentimentos e as ações, nascidos de uma opção entre o bom e o mau ou entre o bem e o mal, também estão referidos a algo mais profundo e subentendido: nosso desejo de afastar a dor e o sofrimento e de alcançar a felicidade, seja por ficarmos contentes conosco mesmos, seja por recebermos a aprovação dos outros. O Senso Moral e a Consciência Moral dizem respeito a valores, sentimentos, intenções, decisões e ações referidos ao bem e ao mal e ao desejo de felicidade. Dizem respeito às relações que mantemos com os outros e, portanto, nascem e existem como parte de nossa vida intersubjetiva. Juízo de Fato e Juízo de Valor Juízo de Fato – são aqueles que dizem o que as coisas são, como são e porque são. Juízo de Valor – avaliam as coisas, pessoas, ações, experiências, acontecimentos, sentimentos, estados de espírito, intenções e decisões como bons ou maus, desejáveis ou indesejáveis. Os Juízos Éticos de Valor podem ser normativos, isto é, enunciam obrigações e avaliam intenções e ações segundo o critério do correto e do incorreto. Dizem-nos o que são o bem, o mal, a felicidade. Nos dizem que sentimentos, atos, intenções e comportamentos devemos ter para alcançarmos o bem e a felicidade. Enunciam também que atos, sentimentos, intenções e comportamentos são condenáveis ou incorretos do ponto de vista moral. Como se pode observar, Senso Moral e Consciência Moral são inseparáveis da vida cultural, uma vez que esta define para seus membros os valores positivos e negativos que devem respeitar ou detestar. Os Constituintes o Campo Ético Para que haja conduta ética é preciso que exista o agente consciente, aquele que conhece a diferença entre o bem e o mal, certo e errado, permitido e proibido, virtude e vício. - 14 -
  • 15. EJA FÁCIL O sujeito ético ou moral, isto é, a pessoa, só pode existir se preencher as seguintes condições: · Ser consciente de si e dos outros, isto é, ser capaz de reflexão e de reconhecer a existência dos outros como sujeitos éticos iguais a ele; · Ser dotado de vontade, isto é, de capacidade para controlar e orientar desejos, impulsos, tendências, sentimentos (para que estejam em conformidade com a consciência) e de capacidade para deliberar entre várias alternativas possíveis; · Ser responsável, isto é, reconhecer-se como autor da ação, avaliar os efeitos e conseqüências dela sobre si e sobre os outros, assumi-la bem como as suas conseqüências, respondendo por elas; · Ser livre, isto é, ser capaz de oferecer-se como causa interna de seus sentimentos, atitudes e ações, por não estar submetido a poderes externos que o forcem e o constranjam a sentir, a querer e a fazer alguma coisa. A liberdade não é tanto o poder para escolher entre várias possíveis, mas o poder para se autodeterminar, dando a si mesmo as regras de conduta. O campo ético é, portanto, constituído por dois pólos internamente relacionados: o agente ou sujeito moral e os valores morais ou virtudes éticas. Sujeito Passivo se deixa governar e arrastar por seus impulsos, inclinações e paixões, pelas circunstâncias, pela boa ou má sorte, pela opinião alheia, pelo medo dos outros, pela vontade de um outro, não exercendo sua própria consciência, vontade, liberdade e responsabilidade. Sujeito Ativo  controla interiormente seus impulsos, suas inclinações e suas paixões, discute consigo mesmo e com os outros o sentido dos valores e dos fins estabelecidos, tem consideração pelos outros sem subordinar-se nem se submeter cegamente a eles, respondendo pelo que faz, julga suas próprias intenções e recusa a violência contra si e contra os outros. É autônomo. Aquele que tem o poder de dar a si mesmo a regra, a norma, a lei. O maior desafio do mundo contemporâneo é a construção de uma ordem social justa no plano das nações. É necessário criar estruturas novas de tal modo que as necessidades básicas dos seres humanos sejam preenchidas, ou seja, que sirvam ao bem humano. Uma nova ética se faz imperiosa no novo milênio. Relações harmoniosas, onde as questões comuns sejam mais bem observadas, onde a cooperação e a interdependência humanas sejam respeitadas. Até bem pouco tempo os tratados de ética limitavam-se à microétiva, aos comportamentos interpessoais, analisando a estrutura interior dos atos humanos que, para serem imputados, deviam realizar-se com plena consciência, conhecimento e liberdade. A macroética avalia com igual ênfase e importância a dimensão pública e comunitária da ação. É certo que a educação, a saúde, a distribuição dos bens, a propriedade, a economia, a promoção da família e a ordem social da comunidade dependem cada vez mais das decisões coletivas do que das orientações e ações individuais. A macroética decorre da atual organização do mundo em macro-estruturas que, em muitos setores, alcançam dimensões planetárias. Entre a micro e a macroética não há conflitos irredutíveis. Tanto a filosofia contemporânea como a clássica englobam em suas premissas fundamentais os dois aspectos da ética. Em nosso século a fenomenologia não trata o ser humano como indivíduo auto-suficiente, mas trata o ser-no-mundo, como estrutura ontológica aberta que se realiza com os semelhantes e com a natureza. - 15 - passividade Sujeito Moral/Agente atividade