SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA DE ÉTICA
2012
CURSO ESPECIAL DE FORMAÇÃO DE CABOS
INTRODUÇÃO
ÉTICA
Prezado aluno, o cotidiano está repleto de situações em que o ser
humano se depara com uma infinidade de problemas. Contudo, resolvê-los é a
questão que pode se tornar simples ou complexa.
Normalmente, ao decidir por uma ou outra ação, o ser humano recorre, ou
a uma experiência adquirida, ou a um argumento, ou a um juízo formulado, ou
ainda, a uma norma aceita ou prescrita.
Essas medidas tomadas no dia-a-dia e que fazem parte da rotina do ser
humano são chamadas de comportamento prático-moral, que pode variar no
tempo e no espaço, mas também, de pessoa para pessoa ou de uma
sociedade para outra.
Obviamente, ao decidir por esta ou aquela solução, mediante a um
determinado problema, o homem avalia a dimensão e a consequência do seu
próprio ato, sendo tal reflexão uma base para comportamentos futuros,
considerando aí os resultados benéficos ou nocivos.
À passagem da ação vivenciada e praticada para a reflexão do ato em
seus resultados, podemos denominar como comportamento teórico-ético ou
comportamento ético.
Nenhum ser humano pode buscar na ética uma norma de ação para
resolver um problema concreto ou real, pois a resposta sobre o que fazer
diante de uma determinada situação é prático-moral e não teórico-ético.
Decidir é um problema prático-moral; no entanto, agir também. Todavia,
investigar os critérios de responsabilidade, definir a liberdade e o determinismo
da ação, são problemas teóricos e da competência da ética.
Portanto, pode-se dizer que o ser humano, no seu comportamento prático
moral, e na sua reflexão teórico-ética, situa-se na sociedade e na sua vida
comum, orientando sua conduta nas diversas situações encontradas.
AULA I
O que é Ética?
Ética – segundo o Dicionário Aurélio, é o Estudo dos juízos de apreciação
referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do
bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo
absoluto. Em palavras mais simples, podemos definir ética como “o esforço
inteligente para descobrir critérios ou padrões para tomar decisões”
(Tácito da Gama Leite Filho). Portanto, decisão é a palavra-chave que
caracteriza a natureza humana. Através do seu livre arbítrio o homem está pré-
destinado a tomar decisões, portanto, a ética busca estabelecer parâmetros
para estas ações e atitudes tomadas por cada indivíduo.
Objetivos da ética:
• Elaborar princípios capazes de orientar o homem para uma decisão
moralmente correta.
• Refletir sobre os sistemas morais que cercam a humanidade.
As questões éticas abrangem um longo campo da vida humana e os
diversos tipos de dimensões o qual homem está sujeito, assim como a
dimensão individual, a social, a espiritual e a natural. O homem se relaciona
com Deus, com a natureza, consigo mesmo, com pessoas, com grupos e com
Instituições. O agir humano atinge à sua fé, a si mesmo, à natureza, a outras
pessoas e à sociedade.
Vemos, portanto, que as reflexões éticas não se restringem apenas à
busca de conhecimento teórico sobre os valores humanos, cuja origem e
desenvolvimento levantam questões de caráter sociológico, antropológico,
religioso, etc.
A ética tem preocupações práticas na adoção de decisões que levarão a
comportamentos baseados nos valores pessoais mais íntimos, e frutos
resultantes dos valores morais de cada indivíduo.
AULA II
MORAL E DIREITO
O que significa Moral?
Podemos conceituar moral como um conjunto de normas aceitas livre e
conscientemente, que regulam o comportamento individual e social dos
homens, todavia, podemos também dizer, que moral é um conjunto de
prescrições a respeito do comportamento, lícito ou ilícito, estabelecidas e
aceitas em uma época por determinada comunidade humana.
A ética abrange as normas morais e as normas jurídicas.
Como disciplina prática, a ética procura responder as questões do tipo: O
que devo fazer? Como devo agir?
Quando essas questões éticas são colocadas pelos indivíduos ou grupos
e respondidas apenas por suas consciências (individual e coletiva), surgem às
normas morais.
Por outro lado, as que são colocadas pela sociedade e respondidas pelo
Estado, surgem às normas jurídicas.
- Normas morais: São normas éticas que tem como base à consciência moral
das pessoas ou de um grupo social. Sua transgressão não acarreta sanção do
Estado.
- Normas Jurídicas: Norma social de conduta que tem como base o poder
social do Estado sobre a população que habita seu território. Sua transgressão
acarreta sanção do Estado.
Consciência Moral e Liberdade
A consciência permite o desenvolvimento do saber e da racionalidade que
se empenha em distinguir, o verdadeiro do falso.
Contudo, além dessa consciência lógica, o ser humano possui também
uma consciência moral, ou seja, a faculdade de observar a própria conduta e
formular juízos sobre os atos passados, presentes e intenções futuras. Assim,
a consciência moral é uma característica peculiar ao homem de julgar suas
ações, decidindo se elas são boas ou más, certas ou erradas.
Liberdade
É a possibilidade que o homem tem de escolher seu próprio caminho na
vida.
É exercida dentro das limitações impostas pelas circunstancias históricas.
O seu exercício é a luta para ampliar ou romper limites, onde alguns também a
chamam de “livre arbítrio”.
A liberdade e a consciência moral estão relacionadas, porque só tem
sentido julgar moralmente a ação de uma pessoa se essa ação foi praticada
em liberdade.
Virtude e Vício
A palavra virtude deriva do latim “virtus” e significa atitude ou ação digna
do homem. Ela designa, portanto, a prática constante do bem, correspondendo
ao uso da liberdade com responsabilidade moral.
O oposto à virtude é o vício, que consiste na prática constante do mal,
correspondendo ao uso da liberdade sem responsabilidade moral.
Responsabilidade
O termo vem do latim “respondere” , e significa estar em condições de
responder pelos atos praticados, isto é, de justificar as ações perante a
consciência moral.
A responsabilidade moral está no compromisso livremente assumido.
Responsável é a pessoa que reconhece seus atos como resultantes da
vontade e responde pelas consequências deles.
Valores
Atribuir um valor a alguma coisa é não ficar indiferente a ela. Portanto a
não indiferença é a principal característica do valor.
Os valores resultam da experiência vivida pelo homem ao se relacionar
com os outros homens. Isso significa que os valores são em parte herdamos da
cultura. Aliás, a primeira compreensão que temos de mundo é fundada no solo
dos valores da comunidade a que pertencemos.
Em tese, tais valores existem para que a sociedade subsista, mantenha a
integridade e possa se desenvolver. Os grupos humanos precisam de regras
para se relacionarem bem. Dentro deste conceito de integridade humana é que
surge a idéia de certo e errado.
Relativismo Ético
É a tolerância como virtude, em conseqüência de uma multiplicidade de
valores e códigos morais, alguns pensadores defendem a teoria do relativismo
ético.
Para o relativista ético, a consciência moral dos homens é formada pelo
conjunto de princípios e valores herdados de cada cultura. Portanto, o
conteúdo da consciência moral varia no tempo e no espaço, porém, o que é
virtude para um pacifista moderno, pode não ter sido para um guerreiro
medieval.
Percebe-se, então, que as sociedades humanas constroem ao decorrer
de sua história seus próprios códigos morais que, por sua vez, refletem os
valores éticos dominantes em cada cultura. Assim, verificamos que há
sociedades onde o valor dominante é a busca pela estética. Em outras, o valor
moral mais importante é a glorificação religiosa, todavia, em outras, como a
sociedade em que vivemos, o valor dominante se refere à conquista do poder
econômico, sucesso pessoal e acúmulo de riquezas (capitalismo).
O relativismo ético afirma que não há base objetiva e universal sobre a
qual se possa erguer um único sistema moral válido para todos os homens. A
moral é fruto do padrão cultural vigente em cada sociedade. A ética é uma
questão de ótica assentada pelos grupos sociais para permitir um mínimo de
ordem, direção e solidariedade.
O relativismo defende que a virtude não pode se restringir a um conteúdo
rígido de normas ou a um mandamento unilateral. Tendo por base esta visão, a
virtude estaria na tolerância atribuída aos diferentes sistemas morais que, entre
si, convivem pacificamente.
Podemos entender o relativismo ético a partir do conhecimento e
entendimento das diversidades culturais existentes na composição das
sociedades.
"Cada esfera da vida social possui uma legalidade própria, uma lógica
interna de funcionamento, uma capacidade de observar o externo,
comunicando-se consigo mesma, tendo por objetivo uma adaptação melhor ao
ambiente e até a capacidade de se produzir automatizando-se por um sistema
anterior” (R. Mancini, 2000).
AULA III
CONDUTA POLICIAL MILITAR
A Imagem da Polícia
Toda Instituição seja ela civil ou militar possui uma imagem perante a
população, e é dever dos seus integrantes preservar esta imagem sob pena de
sofrerem constrangimentos pelo simples fato de pertencer a uma ou outra
Instituição.
A preservação da imagem de uma Instituição deve constituir preocupação
em todos os níveis da Hierarquia Administrativa ou Funcional. Por este motivo
compete ao Policial Militar fazer a si mesmo, sempre a mesma pergunta: Como
eu acho que a população vê a Polícia Militar? Contudo, esta pergunta poderá
ser respondida de diversas maneiras, as quais dentre elas poderemos obter as
seguintes respostas: Ruim, legal, violenta, educada, firme, perigosa, corrupta,
etc. Evidentemente que nem todas estas respostas nos interessam, mesmo
porque a polícia que desejamos é aquela que reflita a melhor imagem a
população ordeira.
Aparência
A sua aparência faz de você uma autoridade confiável ou não,
principalmente em situações em que você se apresente bem, ou seja, com a
farda limpa e passada, com os sapatos engraxados, com a barba feita, com os
cabelos aparados e penteados e com o bigode raspado ou aparado, sendo
assim, o cidadão vê o Policial Militar e atribui valores ao que sua aparência
demonstra, pois você reflete a imagem da Policia Militar.
Caro aluno, não há como demonstrar autoridade se a sua apresentação
denota desleixo e despreocupação.
Postura
A postura do policial é muito importante, porque você é a sua instituição
exposta na rua diariamente. Por isso aja sempre assim: olhe sempre direto
para quem você vai abordar ou atender; quando de pé, mantenha os seus
ombros para trás e o peito firme.
A postura policial adequada é aquela que demonstra ao povo
confiabilidade, e não medo. Se a sua postura não for firme e sim desleixada,
consequentemente, o cidadão comum não acreditará em suas atitudes, o que
acarretará a perda de confiança em nossa bi-secular instituição.
Urbanidade
Cada vez que você trata um educadamente um cidadão de bem, e um
cidadão à margem da lei com firmeza, você está para que sua corporação,
seus colegas e você mesmo seja cada vez mais respeitado.
Tratar bem não é perder a firmeza e nem a autoridade; é tratar com
educação e com respeito os Direitos Humanos. Você é a autoridade constituída
no momento em que ajuda, detém ou prende, todavia, como Policial Militar,
você precisa ser e dar o exemplo.
Quando você se dirigir a quem você não tem certeza de que esteja
praticando algum delito, não custa nada dirigir-se de forma educada e chamá-lo
de senhor ou senhora, como toda ação requer uma reação, no mínimo você
obrigará a pessoa a tratá-lo com o mesmo respeito.
Por outro lado, você não deve falar ou agir diante de uma pessoa,
utilizando um tom de voz tão alto a ponto de chamar a atenção de outras
pessoas, e muito menos falar tão baixo a ponto de não ser ouvido pelo seu
interlocutor, da mesma forma, evitar emitir palavras mal pronunciadas a ponto
de não serem entendidas.
Evite dirigir-se a um cidadão do povo com a boca cheia ou mastigando
algum alimento, ou com cigarro no canto da boca, apresentando uma
aparência desleixada.
Ao agir, evite estar com o olhar disperso ou distante como se não
estivesse nem aí.
E o mais importante: é impossível agir com as mãos no bolso.
Você é um Policial e deve estar sempre atento. A sua forma de falar e agir
diante de uma pessoa deve ser serena, sua voz deve ser em tom normal, as
palavras bem pronunciadas e claras. Seu olhar deve estar atento, percebendo
todos os movimentos, sem ficar fixo em um ponto qualquer. Suas mãos devem
apresentar gestos finos, claros e precisos sem exagero.
Educação
É o processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral
da criança e do ser humano em geral, visando a sua melhor integração
individual e social. Podemos dizer também que ser educado é utilizar o
conhecimento e prática dos usos de sociedades, civilidade, delicadeza, polidez
e cortesia.
Seja gentil! Por que gritar? Tremer de raiva. Dar socos no ar. Estes gestos
indicam atitudes de pessoas nervosas, contudo, a autoridade precisa manter a
tranqüilidade.
Com educação, o cidadão comum entende que quando você o abordar,
pede seus documentos ou o revista, você está protegendo-o.
Seja confiante, pois quando o marginal percebe sua abordagem correta,
dificilmente ele arriscará uma reação. Quando você age corretamente como
autoridade, você inspira confiança.
Portanto, não se precisa gritar, porque você sabe que a autoridade não se
impõe pelo grito, mas sim pelo exemplo e atitude.
A atitude policial não é uma coisa ensaiada, tem que ser sempre
verdadeira, seja nos quartéis, em casa ou na rua, por isso, evite em público
cuspir no chão, falar palavrão, se coçar, gritar ou andar desalinhado.
Por isso jamais esqueça certas palavras e que não custam nada, seja em
qualquer situação, ou em qualquer lugar, tais como: senhor, senhora, bom dia,
boa tarde, boa noite, por favor, com licença, obrigado(a). Colocadas sempre de
forma educada e firme.
Dessa forma, poderemos estabelecer o perfil do bom policial que atenderá
as características de valente na hora certa, educado sempre, corajoso e
prudente na hora da ação. Tratar a todos os cidadãos com respeito e os
marginais sem violência, porém, com firmeza, é o que precisamos para ter
uma polícia democrática e comprometida com os direitos e as garantias
individuais do cidadão.
Do mesmo modo, devemos tratar os nossos companheiros com amizade,
respeito e urbanidade, pois, futuramente você poderá depender deste mesmo
companheiro para tirá-lo de uma situação difícil.
Tendo em vista o que foi apresentado neste módulo, podemos concluir
que tratar a todos de forma educada e urbana, é dever do policial cidadão.
AULA IV
CÓDIGO DE CONDUTA PARA FUNCIONÁRIOS RESPONSÁVEIS
PELA APLICAÇÃO DA LEI
A Assembléia Geral,
Considerando que um dos objetivos proclamados na Carta das Nações
Unidas é o da realização da cooperação internacional para o desenvolvimento
e encorajamento do respeito pelos direitos do homem e das liberdades
fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua ou religião,
Lembrando, em particular, a Declaração Universal dos Direitos do Homem
e os Pactos Internacionais sobre os Direitos do Homem,
Lembrando igualmente a Declaração sobre a Proteção de Todas as
Pessoas contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos
ou Degradantes, adotada pela Assembléia Geral na sua resolução 3452 de 09
de Dezembro de 1975,
Consciente de que a natureza das funções de aplicação da lei para defesa
da ordem pública e a forma como essas funções são exercidas, têm uma
incidência direta sobre a qualidade de vida dos indivíduos e da sociedade no
seu conjunto,
Consciente das importantes tarefas que os funcionários responsáveis pela
aplicação da lei levam a cabo, com diligência e dignidade, em conformidade
com os princípios dos direitos do homem,
Consciente, no entanto, das possibilidades de abuso que o exercício
destas tarefas proporciona,
Reconhecendo que a elaboração de um Código de Conduta para os
Funcionários Responsáveis pela Aplicação da Lei é apenas uma das várias
medidas importantes para garantir a proteção de todos os direitos e interesses
dos cidadãos servidos pelos referidos funcionários,
Consciente de que existem outros importantes princípios e condições
prévias ao desempenho humanitário das funções de aplicação da lei,
nomeadamente:
a) Que, como qualquer órgão do sistema de justiça penal, todos os órgãos de
aplicação da lei devem ser representativos da comunidade no seu conjunto,
responder às suas necessidades e ser responsáveis perante ela,
b) Que o respeito efetivo de normas éticas pelos funcionários responsáveis
pela aplicação da lei, depende da existência de um sistema jurídico bem
concebido, aceite pela população e de caráter humano,
c) Que qualquer funcionário responsável pela aplicação da lei é um elemento
do sistema de justiça penal, cujo objetivo consiste em prevenir o crime e lutar
contra a delinqüência, e que a conduta de cada funcionário do sistema tem
uma incidência sobre o sistema no seu conjunto,
d) Que qualquer órgão encarregado da aplicação da lei, em cumprimento da
primeira norma de qualquer profissão, tem o dever de autodisciplina, em plena
conformidade com os princípios e normas aqui previstos, e que os atos dos
funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem estar sujeitos ao
escrutínio público, exercido por uma comissão de controle, um ministério, um
procurador-geral, pela magistratura, por um provedor, uma comissão de
cidadãos, ou por vários destes órgãos, ou ainda por um outro organismo de
controle,
e) Que as normas, enquanto tais careçam de valor prático, a menos que o seu
conteúdo e significado seja incultido em todos os funcionários responsáveis
pela aplicação da lei, mediante educação, formação e controle,
Adota o Código de Conduta para os Funcionários Responsáveis pela
Aplicação da Lei, que figura em anexo à presente resolução e decide transmiti-
lo aos Governos, recomendando que encarem favoravelmente a sua utilização
no quadro da legislação e prática nacionais como conjunto de princípios que
deverão ser observados pelos funcionários responsáveis pela aplicação da lei.
Resolução de 17 de dezembro de 1979, da Assembléia Geral
das Nações Unidas.
Código de Conduta para os Funcionários Responsáveis pela
Aplicação da Lei.
ARTIGO 1.º
Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem cumprir, a todo
o momento, o dever que a lei lhes impõe, servindo a comunidade e protegendo
todas as pessoas contra atos ilegais, em conformidade com o elevado grau de
responsabilidade que a sua profissão requer.
Comentário
a) A expressão “funcionários responsáveis pela aplicação da lei” inclui todos os
agentes da lei, quer nomeados, quer eleitos, que exerçam poderes de polícia,
especialmente poderes de prisão ou detenção.
b) Nos países onde os poderes policiais são exercidos por autoridades
militares, quer em uniforme, quer não, ou por forças de segurança do Estado, a
definição dos funcionários responsáveis pela aplicação da lei incluirá os
funcionários de tais serviços.
c) O serviço à comunidade deve incluir, em particular, a prestação de serviços
de assistência aos membros da comunidade que, por razões de ordem
pessoal, econômica, social e outras emergências, necessitam de ajuda
imediata.
d) A presente disposição visa, não só todos os atos violentos, destruidores e
prejudiciais, mas também a totalidade dos atos proibidos pela legislação penal.
É igualmente aplicável à conduta de pessoas não susceptíveis de incorrerem
em responsabilidade criminal.
ARTIGO 2.º
No cumprimento do seu dever, os funcionários responsáveis pela
aplicação da lei devem respeitar e proteger a dignidade humana, manter e
apoiar os direitos fundamentais de todas as pessoas.
Comentário
a) Os direitos do homem em questão são identificados e protegidos pelo direito
nacional e internacional. Dentre os instrumentos internacionais relevantes
incluímos a Declaração Universal dos Direitos do Homem, o Pacto
Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos, a Declaração sobre a Proteção
de Todas as Pessoas contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis,
Desumanos ou Degradantes, a Declaração das Nações Unidas sobre a
Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, a Convenção
Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid, a
Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio, as Regras
Mínimas para o Tratamento de Reclusos, e a Convenção de Viena sobre
Relações Consulares.
b) Os comentários nacionais a esta cláusula devem indicar as provisões
regionais ou nacionais que definem e protegem estes direitos.
ARTIGO 3.º
Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei só podem empregar a
força quando tal se afigure estritamente necessário e na medida exigida para o
cumprimento do seu dever.
Comentário
a) Esta disposição salienta que o emprego da força por parte dos funcionários
responsáveis pela aplicação da lei deve ser excepcional. Embora admita que
estes funcionários possam estar autorizados a utilizar a força na medida em
que tal seja razoavelmente considerada como necessário, tendo em vista as
circunstâncias, para a prevenção de um crime ou para deter ou ajudar à
detenção legal de delinquentes ou de suspeitos, qualquer uso da força fora
deste contexto não é permitido.
b) A lei nacional restringe normalmente o emprego da força pelos funcionários
responsáveis pela aplicação da lei, de acordo com o princípio da
proporcionalidade. Deve-se entender que tais princípios nacionais de
proporcionalidade devem ser respeitados na interpretação desta disposição. A
presente disposição não deve ser, em caso algum, interpretada no sentido da
autorização do emprego da força em desacordo ou desproporção com o
legítimo objetivo a atingir.
c) O emprego de armas de fogo é considerado uma medida extrema. Devem
ser feitos todos os esforços no sentido de excluir a utilização de armas de fogo,
especialmente contra as crianças. Em geral, não se deve utilizar armas de
fogo, exceto quando um suspeito ofereça resistência armada, ou quando, de
qualquer forma coloque em perigo vidas alheias e não haja suficientes medidas
menos extremas para dominar ou deter. Cada vez que uma arma de fogo for
disparada, deverá informar-se prontamente as autoridades competentes.
ARTIGO 4.º
As informações de natureza confidencial em poder dos funcionários
responsáveis pela aplicação da lei devem ser mantidas em segredo, a não ser
que o cumprimento do dever ou as necessidades da justiça estritamente exijam
outro comportamento.
Comentário
Devido à natureza dos seus deveres, os funcionários responsáveis pela
aplicação da lei obtêm informações que podem relacionar-se com a vida
particular de outras pessoas, ou ser potencialmente prejudiciais aos seus
interesses e especialmente à sua reputação. Deve-se ter a máxima cautela na
salvaguarda e utilização dessas informações, as quais só devem ser
divulgadas no desempenho do dever ou no interesse. Qualquer divulgação
dessas informações para outros fins é totalmente abusiva.
ARTIGO 5.º
Nenhum funcionário responsável pela aplicação da lei pode infligir, instigar
ou tolerar qualquer ato de tortura ou qualquer outra pena ou tratamento cruel,
desumano ou degradante, nem invocar ordens superiores ou circunstanciais
excepcionais, tais como o estado de guerra ou uma ameaça à segurança
nacional, instabilidade política interna ou qualquer outra emergência pública
como justificação para torturas ou outras penas ou tratamentos cruéis,
desumanos ou degradantes.
Comentário
a) Esta proibição decorre da Declaração sobre a Proteção de Todas as
Pessoas contra a Tortura e outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos
ou Degradantes, adotada pela Assembléia Geral, de acordo com a qual: “ tal
ato é uma ofensa contra a dignidade humana e será condenado como uma
negação aos propósitos da Carta das Nações Unidas e como uma violação aos
direitos e liberdades fundamentais afirmados na Declaração Universal dos
Direitos do Homem (e noutros instrumentos internacionais sobre os direitos do
homem)”.
b) A Declaração define tortura da seguinte forma:
“Tortura significa qualquer ato pelo qual uma dor violenta ou sofrimento
físico ou mental é imposto intencionalmente a uma pessoa por um funcionário
público, ou por sua instigação, com objetivos tais como obter dela ou de uma
terceira pessoa informação ou confissão, puni-la por um ato que tenha
cometido ou se supõe tenha cometido, ou intimidá-la a ela ou a outras pessoas.
Não se considera tortura a dor ou sofrimento apenas resultante, inerente
ou consequência de sanções legítimas, na medida em que sejam compatíveis
com as Regras Mínimas para o Tratamento de Reclusos*”.
c) A expressão “penas ou tratamento cruéis, desumanos ou degradantes” não
foi definida pela Assembléia Geral, mas deve ser interpretada de forma a
abranger uma proteção tão ampla quanto possível contra abusos, quer físicos
quer mentais.
ARTIGO 6.º
Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem assegurar a
proteção da saúde das pessoas à sua guarda e, em especial, devem tomar
medidas imediatas para assegurar a prestação de cuidados médicos sempre
que tal seja necessário.
Comentário
a) “Cuidados Médicos” - significando serviços prestados por qualquer pessoa
com qualificação médica, incluindo médicos diplomados e paramédicos, o que
devem ser assegurados quando necessários ou solicitados.
b) Embora o pessoal médico esteja geralmente restritos aos serviços de
aplicação da lei, os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem
tomar em consideração a opinião de tal pessoal, quando este recomendar que
deve proporcionar-se à pessoa detida tratamento adequado, através ou em
colaboração com pessoal médico não adstrito aos serviços de aplicação da lei.
c) Subentende-se que os funcionários responsáveis pela aplicação da lei
devem assegurar também cuidados médicos às vítimas de violação da lei ou
de acidentes que dela decorram.
ARTIGO 7.º
Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei não devem cometer
qualquer ato de corrupção. Devem, igualmente, opor-se rigorosamente e
combater todos os atos desta índole.
Comentário
a) Qualquer ato de corrupção, tal como qualquer outro abuso de autoridade, é
incompatível com a profissão de funcionário responsável pela aplicação da lei.
A lei deve ser aplicada na íntegra em relação a qualquer funcionário que
cometa um ato de corrupção, dado que os Governos não podem esperar
aplicar a lei aos cidadãos se não a puderem ou quiserem aplicar aos seus
próprios agentes e dentro dos seus próprios organismos.
b) Embora a definição de corrupção deva estar sujeita à legislação nacional,
deve entender-se como incluindo tanto a execução ou a omissão de um ato,
praticada pelo responsável, no desempenho das suas funções ou com estas
relacionado, em virtude de ofertas, promessas ou vantagens, pedidas ou
aceitas, como a aceitação ilícita destas, uma vez a ação cometida ou omitida.
c) A expressão “ato de corrupção”, anteriormente referida, deve ser entendida
no sentido de abranger tentativas de corrupção.
ARTIGO 8.º
Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem respeitar a lei e
o presente Código. Devem, também, na medida das suas possibilidades, evitar
e opor-se vigorosamente a quaisquer violações da lei ou do Código.
Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei que tiverem motivos
para acreditar que se produziu ou irá produzir uma violação deste Código,
devem comunicar o fato aos seus superiores e, se necessário, a outras
autoridades com poderes de controle ou de reparação competentes.
Comentário
a) Este Código será observado sempre que tenha sido incorporado na
legislação ou na prática nacionais. Se a legislação ou a prática contiverem
disposições mais limitativas do que as do atual Código, devem observar-se
essas disposições mais limitativas.
b) O presente artigo procura preservar o equilíbrio entre a necessidade de
disciplina interna do organismo do qual, em larga escala, depende a segurança
pública, por um lado, e a necessidade de, por outro lado, tomar medidas em
caso de violações dos direitos humanos básicos. Os funcionários responsáveis
pela aplicação da lei devem informar das violações os seus superiores
hierárquicos e tomar medidas legítimas sem respeitar a via hierárquica
somente quando não houver outros meios disponíveis ou eficazes.
Subentende-se que os funcionários responsáveis pela aplicação da lei
não devem sofrer sanções administrativas ou de outra natureza pelo fato de
terem comunicado que se produziu ou que está prestes a produzir-se uma
violação deste Código.
c) A expressão “autoridade com poderes de controlo e de reparação
competentes”, refere-se a qualquer autoridade ou organismo existente ao
abrigo da legislação nacional, quer esteja integrado nos organismos de
aplicação da lei quer seja independente destes, com poderes estatutários,
consuetudinários ou outros para examinarem reclamações e queixas
resultantes de violações deste Código.
d) Em alguns países, pode se considerar que os meios de comunicação social
(“mass media”) desempenham funções de controle, análogas às descritas na
alínea anterior. Consequentemente, os funcionários responsáveis pela
aplicação da lei poderão como último recurso e com respeito pelas leis e
costumes do seu país e pelo disposto no artigo 4.º do presente Código, levar
as violações à atenção da opinião pública através dos meios de comunicação
social.
e) Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei que cumpram as
disposições deste Código merecem o respeito, o total apoio e a colaboração da
comunidade em que exercem as suas funções, do organismo de aplicação da
lei no qual servem e dos demais funcionários responsáveis pela aplicação da
lei.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ética e moral desafios contemporâneos
Ética e moral   desafios contemporâneosÉtica e moral   desafios contemporâneos
Ética e moral desafios contemporâneos
Daniela Barroso
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
Ética e Responsabilidade Social
Ética e Responsabilidade SocialÉtica e Responsabilidade Social
Ética e Responsabilidade Social
Silvia Helena Carvalho Ramos Valladao de CAMARGO
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
Karla Carioca
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Herbert Santana
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
ProfessorRogerioSant
 
Atividade de ética profissional
Atividade de ética profissionalAtividade de ética profissional
Atividade de ética profissional
Waldeval Sousa
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
Silvio Mmax
 
AULA PARANÁ - 2 SÉRIE - INTRODUÇÃO À ÉTICA I.pptx
AULA PARANÁ - 2 SÉRIE - INTRODUÇÃO À ÉTICA I.pptxAULA PARANÁ - 2 SÉRIE - INTRODUÇÃO À ÉTICA I.pptx
AULA PARANÁ - 2 SÉRIE - INTRODUÇÃO À ÉTICA I.pptx
GUILHERMEBERTOLIN2
 
Direito público x direito privado
Direito público x direito privadoDireito público x direito privado
Direito público x direito privado
Leonardo Leitão
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
Alex Eduardo Ribeiro
 
Etica
EticaEtica
Tecido hematopoietico e sanguineo
Tecido hematopoietico e sanguineoTecido hematopoietico e sanguineo
Tecido hematopoietico e sanguineo
whybells
 
Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica
Gerssica Caldas
 
56164709 exercicios-etica
56164709 exercicios-etica56164709 exercicios-etica
56164709 exercicios-etica
Flavio Jose Fereira José
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humana
Marília Gomes
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese prótese
eduardo alves medina
 
Aula1 -etica_conceito
Aula1  -etica_conceitoAula1  -etica_conceito
Aula1 -etica_conceito
ederneif
 
Sistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.pptSistema esqueletico.ppt
Exercicio anatomia planos
Exercicio anatomia planosExercicio anatomia planos
Exercicio anatomia planos
Janiel Celio Dos Santos
 

Mais procurados (20)

Ética e moral desafios contemporâneos
Ética e moral   desafios contemporâneosÉtica e moral   desafios contemporâneos
Ética e moral desafios contemporâneos
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Ética e Responsabilidade Social
Ética e Responsabilidade SocialÉtica e Responsabilidade Social
Ética e Responsabilidade Social
 
Diferença entre moral e ética
Diferença entre moral e éticaDiferença entre moral e ética
Diferença entre moral e ética
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
 
Atividade de ética profissional
Atividade de ética profissionalAtividade de ética profissional
Atividade de ética profissional
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
 
AULA PARANÁ - 2 SÉRIE - INTRODUÇÃO À ÉTICA I.pptx
AULA PARANÁ - 2 SÉRIE - INTRODUÇÃO À ÉTICA I.pptxAULA PARANÁ - 2 SÉRIE - INTRODUÇÃO À ÉTICA I.pptx
AULA PARANÁ - 2 SÉRIE - INTRODUÇÃO À ÉTICA I.pptx
 
Direito público x direito privado
Direito público x direito privadoDireito público x direito privado
Direito público x direito privado
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
Tecido hematopoietico e sanguineo
Tecido hematopoietico e sanguineoTecido hematopoietico e sanguineo
Tecido hematopoietico e sanguineo
 
Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica
 
56164709 exercicios-etica
56164709 exercicios-etica56164709 exercicios-etica
56164709 exercicios-etica
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humana
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese prótese
 
Aula1 -etica_conceito
Aula1  -etica_conceitoAula1  -etica_conceito
Aula1 -etica_conceito
 
Sistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.pptSistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.ppt
 
Exercicio anatomia planos
Exercicio anatomia planosExercicio anatomia planos
Exercicio anatomia planos
 

Destaque

Apostila etica em PDF
Apostila etica em PDFApostila etica em PDF
Apostila etica em PDF
Eduardo Oliveira
 
Apostila de Ética e Responsabilidade Social
Apostila de Ética e Responsabilidade SocialApostila de Ética e Responsabilidade Social
Apostila de Ética e Responsabilidade Social
Cássio Morelli
 
Gestão de Segurança de Processos Baseada em Riscos (RBPS)
Gestão de Segurança de Processos Baseada em Riscos (RBPS)Gestão de Segurança de Processos Baseada em Riscos (RBPS)
Gestão de Segurança de Processos Baseada em Riscos (RBPS)
Robson Peixoto
 
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinhoWorkshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
Emir Pinho
 
Aula - Produção Gráfica - Bureau de Impressão
Aula - Produção Gráfica - Bureau de ImpressãoAula - Produção Gráfica - Bureau de Impressão
Aula - Produção Gráfica - Bureau de Impressão
Gabriel Ferraciolli
 
Apostila ética empresarial
Apostila ética empresarialApostila ética empresarial
Apostila ética empresarial
Sustentare Escola de Negócios
 
Produção gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao I
Produção gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao IProdução gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao I
Produção gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao I
Daniel Castro
 
Aula - Produção Gráfica - Processos de Impressão
Aula - Produção Gráfica - Processos de ImpressãoAula - Produção Gráfica - Processos de Impressão
Aula - Produção Gráfica - Processos de Impressão
Gabriel Ferraciolli
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
Denis Carlos Sodré
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 

Destaque (13)

Apostila etica em PDF
Apostila etica em PDFApostila etica em PDF
Apostila etica em PDF
 
Apostila de Ética e Responsabilidade Social
Apostila de Ética e Responsabilidade SocialApostila de Ética e Responsabilidade Social
Apostila de Ética e Responsabilidade Social
 
Gestão de Segurança de Processos Baseada em Riscos (RBPS)
Gestão de Segurança de Processos Baseada em Riscos (RBPS)Gestão de Segurança de Processos Baseada em Riscos (RBPS)
Gestão de Segurança de Processos Baseada em Riscos (RBPS)
 
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinhoWorkshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
Workshop - A Arte da #Inovação em Segurança Privada - @emirpinho
 
Aula - Produção Gráfica - Bureau de Impressão
Aula - Produção Gráfica - Bureau de ImpressãoAula - Produção Gráfica - Bureau de Impressão
Aula - Produção Gráfica - Bureau de Impressão
 
Apostila ética empresarial
Apostila ética empresarialApostila ética empresarial
Apostila ética empresarial
 
Produção gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao I
Produção gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao IProdução gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao I
Produção gráfica - Aula 03 Tipos De Impressao I
 
Aula - Produção Gráfica - Processos de Impressão
Aula - Produção Gráfica - Processos de ImpressãoAula - Produção Gráfica - Processos de Impressão
Aula - Produção Gráfica - Processos de Impressão
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Apostila de etica

Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Conteúdos Transversais – Ministério do Turismo
 Conteúdos Transversais – Ministério do Turismo Conteúdos Transversais – Ministério do Turismo
Conteúdos Transversais – Ministério do Turismo
Eveline do Rosário Santos
 
éTica e moral
éTica e moral éTica e moral
éTica e moral
Julia Martins
 
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
Rafael Monteiro Moyses
 
èTica profissional ii
èTica profissional iièTica profissional ii
èTica profissional ii
Sheila Cristino
 
Texto ética e moral - leitura básica
Texto    ética e moral - leitura básicaTexto    ética e moral - leitura básica
Texto ética e moral - leitura básica
Nilia Lacerda
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
Maria Freitas
 
Ética e Cidadania: Compromisso Social
Ética e Cidadania: Compromisso SocialÉtica e Cidadania: Compromisso Social
Ética e Cidadania: Compromisso Social
Maria Deuza dos Santos
 
éTica
éTicaéTica
éTica
John Fjv
 
Aula 03. Ética e Moral no cenário at.pdf
Aula 03. Ética e Moral no cenário at.pdfAula 03. Ética e Moral no cenário at.pdf
Aula 03. Ética e Moral no cenário at.pdf
anailsonalves2017
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
Mary Alvarenga
 
3 ANO FILOSOFIA ETICA 1.pdf
3 ANO FILOSOFIA ETICA 1.pdf3 ANO FILOSOFIA ETICA 1.pdf
3 ANO FILOSOFIA ETICA 1.pdf
DaianaAreas
 
Conceitos fundamentais de ética para administração
Conceitos fundamentais de ética para administraçãoConceitos fundamentais de ética para administração
Conceitos fundamentais de ética para administração
paulocesarSilva47
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro ano
Fabio Santos
 
Texto26 P7
Texto26 P7Texto26 P7
Texto26 P7
renatotf
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
Mary Alvarenga
 
Ue 5 -_a_etica_e_seus_instrumentos_criticos
Ue 5 -_a_etica_e_seus_instrumentos_criticosUe 5 -_a_etica_e_seus_instrumentos_criticos
Ue 5 -_a_etica_e_seus_instrumentos_criticos
Di Bilizario
 
Aula ética na administração
Aula ética na administraçãoAula ética na administração
Aula ética na administração
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Ética da educação slides
Ética da educação slidesÉtica da educação slides
Ética da educação slides
unieubra
 

Semelhante a Apostila de etica (20)

Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Filosofia 4
 
Conteúdos Transversais – Ministério do Turismo
 Conteúdos Transversais – Ministério do Turismo Conteúdos Transversais – Ministério do Turismo
Conteúdos Transversais – Ministério do Turismo
 
éTica e moral
éTica e moral éTica e moral
éTica e moral
 
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
18 - Áreas do filosofar - 53. Ética e moral..pptx
 
èTica profissional ii
èTica profissional iièTica profissional ii
èTica profissional ii
 
Texto ética e moral - leitura básica
Texto    ética e moral - leitura básicaTexto    ética e moral - leitura básica
Texto ética e moral - leitura básica
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Ética e Cidadania: Compromisso Social
Ética e Cidadania: Compromisso SocialÉtica e Cidadania: Compromisso Social
Ética e Cidadania: Compromisso Social
 
éTica
éTicaéTica
éTica
 
Aula 03. Ética e Moral no cenário at.pdf
Aula 03. Ética e Moral no cenário at.pdfAula 03. Ética e Moral no cenário at.pdf
Aula 03. Ética e Moral no cenário at.pdf
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
 
3 ANO FILOSOFIA ETICA 1.pdf
3 ANO FILOSOFIA ETICA 1.pdf3 ANO FILOSOFIA ETICA 1.pdf
3 ANO FILOSOFIA ETICA 1.pdf
 
Conceitos fundamentais de ética para administração
Conceitos fundamentais de ética para administraçãoConceitos fundamentais de ética para administração
Conceitos fundamentais de ética para administração
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro ano
 
Texto26 P7
Texto26 P7Texto26 P7
Texto26 P7
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
 
Ue 5 -_a_etica_e_seus_instrumentos_criticos
Ue 5 -_a_etica_e_seus_instrumentos_criticosUe 5 -_a_etica_e_seus_instrumentos_criticos
Ue 5 -_a_etica_e_seus_instrumentos_criticos
 
A+ética+é..
A+ética+é..A+ética+é..
A+ética+é..
 
Aula ética na administração
Aula ética na administraçãoAula ética na administração
Aula ética na administração
 
Ética da educação slides
Ética da educação slidesÉtica da educação slides
Ética da educação slides
 

Mais de Vivi Velozo

Regimes dos bens do casamento
Regimes dos bens do casamento  Regimes dos bens do casamento
Regimes dos bens do casamento
Vivi Velozo
 
Fichamenmtoa dos delitos e das penas
Fichamenmtoa dos delitos e das penasFichamenmtoa dos delitos e das penas
Fichamenmtoa dos delitos e das penas
Vivi Velozo
 
Empreendedorismor
EmpreendedorismorEmpreendedorismor
Empreendedorismor
Vivi Velozo
 
Os denunciantes invejosos. vivi
Os denunciantes invejosos. viviOs denunciantes invejosos. vivi
Os denunciantes invejosos. vivi
Vivi Velozo
 
Dos Delitos e das penas
 Dos Delitos e das penas Dos Delitos e das penas
Dos Delitos e das penas
Vivi Velozo
 
Desajuste da sentença slide
Desajuste da sentença  slideDesajuste da sentença  slide
Desajuste da sentença slide
Vivi Velozo
 
Condominio edilício vivi
Condominio edilício viviCondominio edilício vivi
Condominio edilício vivi
Vivi Velozo
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
Vivi Velozo
 
Constitucional ii vivi
Constitucional ii viviConstitucional ii vivi
Constitucional ii vivi
Vivi Velozo
 
Fichamento modelo
Fichamento modeloFichamento modelo
Fichamento modelo
Vivi Velozo
 
Paper getulio
Paper getulioPaper getulio
Paper getulio
Vivi Velozo
 

Mais de Vivi Velozo (11)

Regimes dos bens do casamento
Regimes dos bens do casamento  Regimes dos bens do casamento
Regimes dos bens do casamento
 
Fichamenmtoa dos delitos e das penas
Fichamenmtoa dos delitos e das penasFichamenmtoa dos delitos e das penas
Fichamenmtoa dos delitos e das penas
 
Empreendedorismor
EmpreendedorismorEmpreendedorismor
Empreendedorismor
 
Os denunciantes invejosos. vivi
Os denunciantes invejosos. viviOs denunciantes invejosos. vivi
Os denunciantes invejosos. vivi
 
Dos Delitos e das penas
 Dos Delitos e das penas Dos Delitos e das penas
Dos Delitos e das penas
 
Desajuste da sentença slide
Desajuste da sentença  slideDesajuste da sentença  slide
Desajuste da sentença slide
 
Condominio edilício vivi
Condominio edilício viviCondominio edilício vivi
Condominio edilício vivi
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
 
Constitucional ii vivi
Constitucional ii viviConstitucional ii vivi
Constitucional ii vivi
 
Fichamento modelo
Fichamento modeloFichamento modelo
Fichamento modelo
 
Paper getulio
Paper getulioPaper getulio
Paper getulio
 

Apostila de etica

  • 1. APOSTILA DE ÉTICA 2012 CURSO ESPECIAL DE FORMAÇÃO DE CABOS
  • 2. INTRODUÇÃO ÉTICA Prezado aluno, o cotidiano está repleto de situações em que o ser humano se depara com uma infinidade de problemas. Contudo, resolvê-los é a questão que pode se tornar simples ou complexa. Normalmente, ao decidir por uma ou outra ação, o ser humano recorre, ou a uma experiência adquirida, ou a um argumento, ou a um juízo formulado, ou ainda, a uma norma aceita ou prescrita. Essas medidas tomadas no dia-a-dia e que fazem parte da rotina do ser humano são chamadas de comportamento prático-moral, que pode variar no tempo e no espaço, mas também, de pessoa para pessoa ou de uma sociedade para outra. Obviamente, ao decidir por esta ou aquela solução, mediante a um determinado problema, o homem avalia a dimensão e a consequência do seu próprio ato, sendo tal reflexão uma base para comportamentos futuros, considerando aí os resultados benéficos ou nocivos. À passagem da ação vivenciada e praticada para a reflexão do ato em seus resultados, podemos denominar como comportamento teórico-ético ou comportamento ético. Nenhum ser humano pode buscar na ética uma norma de ação para resolver um problema concreto ou real, pois a resposta sobre o que fazer diante de uma determinada situação é prático-moral e não teórico-ético. Decidir é um problema prático-moral; no entanto, agir também. Todavia, investigar os critérios de responsabilidade, definir a liberdade e o determinismo da ação, são problemas teóricos e da competência da ética. Portanto, pode-se dizer que o ser humano, no seu comportamento prático moral, e na sua reflexão teórico-ética, situa-se na sociedade e na sua vida comum, orientando sua conduta nas diversas situações encontradas.
  • 3. AULA I O que é Ética? Ética – segundo o Dicionário Aurélio, é o Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo absoluto. Em palavras mais simples, podemos definir ética como “o esforço inteligente para descobrir critérios ou padrões para tomar decisões” (Tácito da Gama Leite Filho). Portanto, decisão é a palavra-chave que caracteriza a natureza humana. Através do seu livre arbítrio o homem está pré- destinado a tomar decisões, portanto, a ética busca estabelecer parâmetros para estas ações e atitudes tomadas por cada indivíduo. Objetivos da ética: • Elaborar princípios capazes de orientar o homem para uma decisão moralmente correta. • Refletir sobre os sistemas morais que cercam a humanidade. As questões éticas abrangem um longo campo da vida humana e os diversos tipos de dimensões o qual homem está sujeito, assim como a dimensão individual, a social, a espiritual e a natural. O homem se relaciona com Deus, com a natureza, consigo mesmo, com pessoas, com grupos e com Instituições. O agir humano atinge à sua fé, a si mesmo, à natureza, a outras pessoas e à sociedade. Vemos, portanto, que as reflexões éticas não se restringem apenas à busca de conhecimento teórico sobre os valores humanos, cuja origem e desenvolvimento levantam questões de caráter sociológico, antropológico, religioso, etc. A ética tem preocupações práticas na adoção de decisões que levarão a comportamentos baseados nos valores pessoais mais íntimos, e frutos resultantes dos valores morais de cada indivíduo.
  • 4. AULA II MORAL E DIREITO O que significa Moral? Podemos conceituar moral como um conjunto de normas aceitas livre e conscientemente, que regulam o comportamento individual e social dos homens, todavia, podemos também dizer, que moral é um conjunto de prescrições a respeito do comportamento, lícito ou ilícito, estabelecidas e aceitas em uma época por determinada comunidade humana. A ética abrange as normas morais e as normas jurídicas. Como disciplina prática, a ética procura responder as questões do tipo: O que devo fazer? Como devo agir? Quando essas questões éticas são colocadas pelos indivíduos ou grupos e respondidas apenas por suas consciências (individual e coletiva), surgem às normas morais. Por outro lado, as que são colocadas pela sociedade e respondidas pelo Estado, surgem às normas jurídicas. - Normas morais: São normas éticas que tem como base à consciência moral das pessoas ou de um grupo social. Sua transgressão não acarreta sanção do Estado. - Normas Jurídicas: Norma social de conduta que tem como base o poder social do Estado sobre a população que habita seu território. Sua transgressão acarreta sanção do Estado. Consciência Moral e Liberdade A consciência permite o desenvolvimento do saber e da racionalidade que se empenha em distinguir, o verdadeiro do falso. Contudo, além dessa consciência lógica, o ser humano possui também uma consciência moral, ou seja, a faculdade de observar a própria conduta e
  • 5. formular juízos sobre os atos passados, presentes e intenções futuras. Assim, a consciência moral é uma característica peculiar ao homem de julgar suas ações, decidindo se elas são boas ou más, certas ou erradas. Liberdade É a possibilidade que o homem tem de escolher seu próprio caminho na vida. É exercida dentro das limitações impostas pelas circunstancias históricas. O seu exercício é a luta para ampliar ou romper limites, onde alguns também a chamam de “livre arbítrio”. A liberdade e a consciência moral estão relacionadas, porque só tem sentido julgar moralmente a ação de uma pessoa se essa ação foi praticada em liberdade. Virtude e Vício A palavra virtude deriva do latim “virtus” e significa atitude ou ação digna do homem. Ela designa, portanto, a prática constante do bem, correspondendo ao uso da liberdade com responsabilidade moral. O oposto à virtude é o vício, que consiste na prática constante do mal, correspondendo ao uso da liberdade sem responsabilidade moral. Responsabilidade O termo vem do latim “respondere” , e significa estar em condições de responder pelos atos praticados, isto é, de justificar as ações perante a consciência moral. A responsabilidade moral está no compromisso livremente assumido. Responsável é a pessoa que reconhece seus atos como resultantes da vontade e responde pelas consequências deles.
  • 6. Valores Atribuir um valor a alguma coisa é não ficar indiferente a ela. Portanto a não indiferença é a principal característica do valor. Os valores resultam da experiência vivida pelo homem ao se relacionar com os outros homens. Isso significa que os valores são em parte herdamos da cultura. Aliás, a primeira compreensão que temos de mundo é fundada no solo dos valores da comunidade a que pertencemos. Em tese, tais valores existem para que a sociedade subsista, mantenha a integridade e possa se desenvolver. Os grupos humanos precisam de regras para se relacionarem bem. Dentro deste conceito de integridade humana é que surge a idéia de certo e errado. Relativismo Ético É a tolerância como virtude, em conseqüência de uma multiplicidade de valores e códigos morais, alguns pensadores defendem a teoria do relativismo ético. Para o relativista ético, a consciência moral dos homens é formada pelo conjunto de princípios e valores herdados de cada cultura. Portanto, o conteúdo da consciência moral varia no tempo e no espaço, porém, o que é virtude para um pacifista moderno, pode não ter sido para um guerreiro medieval. Percebe-se, então, que as sociedades humanas constroem ao decorrer de sua história seus próprios códigos morais que, por sua vez, refletem os valores éticos dominantes em cada cultura. Assim, verificamos que há sociedades onde o valor dominante é a busca pela estética. Em outras, o valor moral mais importante é a glorificação religiosa, todavia, em outras, como a sociedade em que vivemos, o valor dominante se refere à conquista do poder econômico, sucesso pessoal e acúmulo de riquezas (capitalismo). O relativismo ético afirma que não há base objetiva e universal sobre a qual se possa erguer um único sistema moral válido para todos os homens. A moral é fruto do padrão cultural vigente em cada sociedade. A ética é uma
  • 7. questão de ótica assentada pelos grupos sociais para permitir um mínimo de ordem, direção e solidariedade. O relativismo defende que a virtude não pode se restringir a um conteúdo rígido de normas ou a um mandamento unilateral. Tendo por base esta visão, a virtude estaria na tolerância atribuída aos diferentes sistemas morais que, entre si, convivem pacificamente. Podemos entender o relativismo ético a partir do conhecimento e entendimento das diversidades culturais existentes na composição das sociedades. "Cada esfera da vida social possui uma legalidade própria, uma lógica interna de funcionamento, uma capacidade de observar o externo, comunicando-se consigo mesma, tendo por objetivo uma adaptação melhor ao ambiente e até a capacidade de se produzir automatizando-se por um sistema anterior” (R. Mancini, 2000).
  • 8. AULA III CONDUTA POLICIAL MILITAR A Imagem da Polícia Toda Instituição seja ela civil ou militar possui uma imagem perante a população, e é dever dos seus integrantes preservar esta imagem sob pena de sofrerem constrangimentos pelo simples fato de pertencer a uma ou outra Instituição. A preservação da imagem de uma Instituição deve constituir preocupação em todos os níveis da Hierarquia Administrativa ou Funcional. Por este motivo compete ao Policial Militar fazer a si mesmo, sempre a mesma pergunta: Como eu acho que a população vê a Polícia Militar? Contudo, esta pergunta poderá ser respondida de diversas maneiras, as quais dentre elas poderemos obter as seguintes respostas: Ruim, legal, violenta, educada, firme, perigosa, corrupta, etc. Evidentemente que nem todas estas respostas nos interessam, mesmo porque a polícia que desejamos é aquela que reflita a melhor imagem a população ordeira. Aparência A sua aparência faz de você uma autoridade confiável ou não, principalmente em situações em que você se apresente bem, ou seja, com a farda limpa e passada, com os sapatos engraxados, com a barba feita, com os cabelos aparados e penteados e com o bigode raspado ou aparado, sendo assim, o cidadão vê o Policial Militar e atribui valores ao que sua aparência demonstra, pois você reflete a imagem da Policia Militar. Caro aluno, não há como demonstrar autoridade se a sua apresentação denota desleixo e despreocupação.
  • 9. Postura A postura do policial é muito importante, porque você é a sua instituição exposta na rua diariamente. Por isso aja sempre assim: olhe sempre direto para quem você vai abordar ou atender; quando de pé, mantenha os seus ombros para trás e o peito firme. A postura policial adequada é aquela que demonstra ao povo confiabilidade, e não medo. Se a sua postura não for firme e sim desleixada, consequentemente, o cidadão comum não acreditará em suas atitudes, o que acarretará a perda de confiança em nossa bi-secular instituição. Urbanidade Cada vez que você trata um educadamente um cidadão de bem, e um cidadão à margem da lei com firmeza, você está para que sua corporação, seus colegas e você mesmo seja cada vez mais respeitado. Tratar bem não é perder a firmeza e nem a autoridade; é tratar com educação e com respeito os Direitos Humanos. Você é a autoridade constituída no momento em que ajuda, detém ou prende, todavia, como Policial Militar, você precisa ser e dar o exemplo. Quando você se dirigir a quem você não tem certeza de que esteja praticando algum delito, não custa nada dirigir-se de forma educada e chamá-lo de senhor ou senhora, como toda ação requer uma reação, no mínimo você obrigará a pessoa a tratá-lo com o mesmo respeito. Por outro lado, você não deve falar ou agir diante de uma pessoa, utilizando um tom de voz tão alto a ponto de chamar a atenção de outras pessoas, e muito menos falar tão baixo a ponto de não ser ouvido pelo seu interlocutor, da mesma forma, evitar emitir palavras mal pronunciadas a ponto de não serem entendidas. Evite dirigir-se a um cidadão do povo com a boca cheia ou mastigando algum alimento, ou com cigarro no canto da boca, apresentando uma aparência desleixada.
  • 10. Ao agir, evite estar com o olhar disperso ou distante como se não estivesse nem aí. E o mais importante: é impossível agir com as mãos no bolso. Você é um Policial e deve estar sempre atento. A sua forma de falar e agir diante de uma pessoa deve ser serena, sua voz deve ser em tom normal, as palavras bem pronunciadas e claras. Seu olhar deve estar atento, percebendo todos os movimentos, sem ficar fixo em um ponto qualquer. Suas mãos devem apresentar gestos finos, claros e precisos sem exagero. Educação É o processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando a sua melhor integração individual e social. Podemos dizer também que ser educado é utilizar o conhecimento e prática dos usos de sociedades, civilidade, delicadeza, polidez e cortesia. Seja gentil! Por que gritar? Tremer de raiva. Dar socos no ar. Estes gestos indicam atitudes de pessoas nervosas, contudo, a autoridade precisa manter a tranqüilidade. Com educação, o cidadão comum entende que quando você o abordar, pede seus documentos ou o revista, você está protegendo-o. Seja confiante, pois quando o marginal percebe sua abordagem correta, dificilmente ele arriscará uma reação. Quando você age corretamente como autoridade, você inspira confiança. Portanto, não se precisa gritar, porque você sabe que a autoridade não se impõe pelo grito, mas sim pelo exemplo e atitude. A atitude policial não é uma coisa ensaiada, tem que ser sempre verdadeira, seja nos quartéis, em casa ou na rua, por isso, evite em público cuspir no chão, falar palavrão, se coçar, gritar ou andar desalinhado. Por isso jamais esqueça certas palavras e que não custam nada, seja em qualquer situação, ou em qualquer lugar, tais como: senhor, senhora, bom dia, boa tarde, boa noite, por favor, com licença, obrigado(a). Colocadas sempre de forma educada e firme.
  • 11. Dessa forma, poderemos estabelecer o perfil do bom policial que atenderá as características de valente na hora certa, educado sempre, corajoso e prudente na hora da ação. Tratar a todos os cidadãos com respeito e os marginais sem violência, porém, com firmeza, é o que precisamos para ter uma polícia democrática e comprometida com os direitos e as garantias individuais do cidadão. Do mesmo modo, devemos tratar os nossos companheiros com amizade, respeito e urbanidade, pois, futuramente você poderá depender deste mesmo companheiro para tirá-lo de uma situação difícil. Tendo em vista o que foi apresentado neste módulo, podemos concluir que tratar a todos de forma educada e urbana, é dever do policial cidadão.
  • 12. AULA IV CÓDIGO DE CONDUTA PARA FUNCIONÁRIOS RESPONSÁVEIS PELA APLICAÇÃO DA LEI A Assembléia Geral, Considerando que um dos objetivos proclamados na Carta das Nações Unidas é o da realização da cooperação internacional para o desenvolvimento e encorajamento do respeito pelos direitos do homem e das liberdades fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua ou religião, Lembrando, em particular, a Declaração Universal dos Direitos do Homem e os Pactos Internacionais sobre os Direitos do Homem, Lembrando igualmente a Declaração sobre a Proteção de Todas as Pessoas contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes, adotada pela Assembléia Geral na sua resolução 3452 de 09 de Dezembro de 1975, Consciente de que a natureza das funções de aplicação da lei para defesa da ordem pública e a forma como essas funções são exercidas, têm uma incidência direta sobre a qualidade de vida dos indivíduos e da sociedade no seu conjunto, Consciente das importantes tarefas que os funcionários responsáveis pela aplicação da lei levam a cabo, com diligência e dignidade, em conformidade com os princípios dos direitos do homem, Consciente, no entanto, das possibilidades de abuso que o exercício destas tarefas proporciona, Reconhecendo que a elaboração de um Código de Conduta para os Funcionários Responsáveis pela Aplicação da Lei é apenas uma das várias medidas importantes para garantir a proteção de todos os direitos e interesses dos cidadãos servidos pelos referidos funcionários, Consciente de que existem outros importantes princípios e condições prévias ao desempenho humanitário das funções de aplicação da lei, nomeadamente:
  • 13. a) Que, como qualquer órgão do sistema de justiça penal, todos os órgãos de aplicação da lei devem ser representativos da comunidade no seu conjunto, responder às suas necessidades e ser responsáveis perante ela, b) Que o respeito efetivo de normas éticas pelos funcionários responsáveis pela aplicação da lei, depende da existência de um sistema jurídico bem concebido, aceite pela população e de caráter humano, c) Que qualquer funcionário responsável pela aplicação da lei é um elemento do sistema de justiça penal, cujo objetivo consiste em prevenir o crime e lutar contra a delinqüência, e que a conduta de cada funcionário do sistema tem uma incidência sobre o sistema no seu conjunto, d) Que qualquer órgão encarregado da aplicação da lei, em cumprimento da primeira norma de qualquer profissão, tem o dever de autodisciplina, em plena conformidade com os princípios e normas aqui previstos, e que os atos dos funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem estar sujeitos ao escrutínio público, exercido por uma comissão de controle, um ministério, um procurador-geral, pela magistratura, por um provedor, uma comissão de cidadãos, ou por vários destes órgãos, ou ainda por um outro organismo de controle, e) Que as normas, enquanto tais careçam de valor prático, a menos que o seu conteúdo e significado seja incultido em todos os funcionários responsáveis pela aplicação da lei, mediante educação, formação e controle, Adota o Código de Conduta para os Funcionários Responsáveis pela Aplicação da Lei, que figura em anexo à presente resolução e decide transmiti- lo aos Governos, recomendando que encarem favoravelmente a sua utilização no quadro da legislação e prática nacionais como conjunto de princípios que deverão ser observados pelos funcionários responsáveis pela aplicação da lei.
  • 14. Resolução de 17 de dezembro de 1979, da Assembléia Geral das Nações Unidas. Código de Conduta para os Funcionários Responsáveis pela Aplicação da Lei. ARTIGO 1.º Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem cumprir, a todo o momento, o dever que a lei lhes impõe, servindo a comunidade e protegendo todas as pessoas contra atos ilegais, em conformidade com o elevado grau de responsabilidade que a sua profissão requer. Comentário a) A expressão “funcionários responsáveis pela aplicação da lei” inclui todos os agentes da lei, quer nomeados, quer eleitos, que exerçam poderes de polícia, especialmente poderes de prisão ou detenção. b) Nos países onde os poderes policiais são exercidos por autoridades militares, quer em uniforme, quer não, ou por forças de segurança do Estado, a definição dos funcionários responsáveis pela aplicação da lei incluirá os funcionários de tais serviços. c) O serviço à comunidade deve incluir, em particular, a prestação de serviços de assistência aos membros da comunidade que, por razões de ordem pessoal, econômica, social e outras emergências, necessitam de ajuda imediata. d) A presente disposição visa, não só todos os atos violentos, destruidores e prejudiciais, mas também a totalidade dos atos proibidos pela legislação penal. É igualmente aplicável à conduta de pessoas não susceptíveis de incorrerem em responsabilidade criminal.
  • 15. ARTIGO 2.º No cumprimento do seu dever, os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem respeitar e proteger a dignidade humana, manter e apoiar os direitos fundamentais de todas as pessoas. Comentário a) Os direitos do homem em questão são identificados e protegidos pelo direito nacional e internacional. Dentre os instrumentos internacionais relevantes incluímos a Declaração Universal dos Direitos do Homem, o Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos, a Declaração sobre a Proteção de Todas as Pessoas contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes, a Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, a Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid, a Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio, as Regras Mínimas para o Tratamento de Reclusos, e a Convenção de Viena sobre Relações Consulares. b) Os comentários nacionais a esta cláusula devem indicar as provisões regionais ou nacionais que definem e protegem estes direitos. ARTIGO 3.º Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei só podem empregar a força quando tal se afigure estritamente necessário e na medida exigida para o cumprimento do seu dever.
  • 16. Comentário a) Esta disposição salienta que o emprego da força por parte dos funcionários responsáveis pela aplicação da lei deve ser excepcional. Embora admita que estes funcionários possam estar autorizados a utilizar a força na medida em que tal seja razoavelmente considerada como necessário, tendo em vista as circunstâncias, para a prevenção de um crime ou para deter ou ajudar à detenção legal de delinquentes ou de suspeitos, qualquer uso da força fora deste contexto não é permitido. b) A lei nacional restringe normalmente o emprego da força pelos funcionários responsáveis pela aplicação da lei, de acordo com o princípio da proporcionalidade. Deve-se entender que tais princípios nacionais de proporcionalidade devem ser respeitados na interpretação desta disposição. A presente disposição não deve ser, em caso algum, interpretada no sentido da autorização do emprego da força em desacordo ou desproporção com o legítimo objetivo a atingir. c) O emprego de armas de fogo é considerado uma medida extrema. Devem ser feitos todos os esforços no sentido de excluir a utilização de armas de fogo, especialmente contra as crianças. Em geral, não se deve utilizar armas de fogo, exceto quando um suspeito ofereça resistência armada, ou quando, de qualquer forma coloque em perigo vidas alheias e não haja suficientes medidas menos extremas para dominar ou deter. Cada vez que uma arma de fogo for disparada, deverá informar-se prontamente as autoridades competentes. ARTIGO 4.º As informações de natureza confidencial em poder dos funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem ser mantidas em segredo, a não ser que o cumprimento do dever ou as necessidades da justiça estritamente exijam outro comportamento.
  • 17. Comentário Devido à natureza dos seus deveres, os funcionários responsáveis pela aplicação da lei obtêm informações que podem relacionar-se com a vida particular de outras pessoas, ou ser potencialmente prejudiciais aos seus interesses e especialmente à sua reputação. Deve-se ter a máxima cautela na salvaguarda e utilização dessas informações, as quais só devem ser divulgadas no desempenho do dever ou no interesse. Qualquer divulgação dessas informações para outros fins é totalmente abusiva. ARTIGO 5.º Nenhum funcionário responsável pela aplicação da lei pode infligir, instigar ou tolerar qualquer ato de tortura ou qualquer outra pena ou tratamento cruel, desumano ou degradante, nem invocar ordens superiores ou circunstanciais excepcionais, tais como o estado de guerra ou uma ameaça à segurança nacional, instabilidade política interna ou qualquer outra emergência pública como justificação para torturas ou outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes. Comentário a) Esta proibição decorre da Declaração sobre a Proteção de Todas as Pessoas contra a Tortura e outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes, adotada pela Assembléia Geral, de acordo com a qual: “ tal ato é uma ofensa contra a dignidade humana e será condenado como uma negação aos propósitos da Carta das Nações Unidas e como uma violação aos direitos e liberdades fundamentais afirmados na Declaração Universal dos Direitos do Homem (e noutros instrumentos internacionais sobre os direitos do homem)”.
  • 18. b) A Declaração define tortura da seguinte forma: “Tortura significa qualquer ato pelo qual uma dor violenta ou sofrimento físico ou mental é imposto intencionalmente a uma pessoa por um funcionário público, ou por sua instigação, com objetivos tais como obter dela ou de uma terceira pessoa informação ou confissão, puni-la por um ato que tenha cometido ou se supõe tenha cometido, ou intimidá-la a ela ou a outras pessoas. Não se considera tortura a dor ou sofrimento apenas resultante, inerente ou consequência de sanções legítimas, na medida em que sejam compatíveis com as Regras Mínimas para o Tratamento de Reclusos*”. c) A expressão “penas ou tratamento cruéis, desumanos ou degradantes” não foi definida pela Assembléia Geral, mas deve ser interpretada de forma a abranger uma proteção tão ampla quanto possível contra abusos, quer físicos quer mentais. ARTIGO 6.º Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem assegurar a proteção da saúde das pessoas à sua guarda e, em especial, devem tomar medidas imediatas para assegurar a prestação de cuidados médicos sempre que tal seja necessário. Comentário a) “Cuidados Médicos” - significando serviços prestados por qualquer pessoa com qualificação médica, incluindo médicos diplomados e paramédicos, o que devem ser assegurados quando necessários ou solicitados. b) Embora o pessoal médico esteja geralmente restritos aos serviços de aplicação da lei, os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem tomar em consideração a opinião de tal pessoal, quando este recomendar que deve proporcionar-se à pessoa detida tratamento adequado, através ou em colaboração com pessoal médico não adstrito aos serviços de aplicação da lei.
  • 19. c) Subentende-se que os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem assegurar também cuidados médicos às vítimas de violação da lei ou de acidentes que dela decorram. ARTIGO 7.º Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei não devem cometer qualquer ato de corrupção. Devem, igualmente, opor-se rigorosamente e combater todos os atos desta índole. Comentário a) Qualquer ato de corrupção, tal como qualquer outro abuso de autoridade, é incompatível com a profissão de funcionário responsável pela aplicação da lei. A lei deve ser aplicada na íntegra em relação a qualquer funcionário que cometa um ato de corrupção, dado que os Governos não podem esperar aplicar a lei aos cidadãos se não a puderem ou quiserem aplicar aos seus próprios agentes e dentro dos seus próprios organismos. b) Embora a definição de corrupção deva estar sujeita à legislação nacional, deve entender-se como incluindo tanto a execução ou a omissão de um ato, praticada pelo responsável, no desempenho das suas funções ou com estas relacionado, em virtude de ofertas, promessas ou vantagens, pedidas ou aceitas, como a aceitação ilícita destas, uma vez a ação cometida ou omitida. c) A expressão “ato de corrupção”, anteriormente referida, deve ser entendida no sentido de abranger tentativas de corrupção. ARTIGO 8.º Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem respeitar a lei e o presente Código. Devem, também, na medida das suas possibilidades, evitar e opor-se vigorosamente a quaisquer violações da lei ou do Código.
  • 20. Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei que tiverem motivos para acreditar que se produziu ou irá produzir uma violação deste Código, devem comunicar o fato aos seus superiores e, se necessário, a outras autoridades com poderes de controle ou de reparação competentes. Comentário a) Este Código será observado sempre que tenha sido incorporado na legislação ou na prática nacionais. Se a legislação ou a prática contiverem disposições mais limitativas do que as do atual Código, devem observar-se essas disposições mais limitativas. b) O presente artigo procura preservar o equilíbrio entre a necessidade de disciplina interna do organismo do qual, em larga escala, depende a segurança pública, por um lado, e a necessidade de, por outro lado, tomar medidas em caso de violações dos direitos humanos básicos. Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei devem informar das violações os seus superiores hierárquicos e tomar medidas legítimas sem respeitar a via hierárquica somente quando não houver outros meios disponíveis ou eficazes. Subentende-se que os funcionários responsáveis pela aplicação da lei não devem sofrer sanções administrativas ou de outra natureza pelo fato de terem comunicado que se produziu ou que está prestes a produzir-se uma violação deste Código. c) A expressão “autoridade com poderes de controlo e de reparação competentes”, refere-se a qualquer autoridade ou organismo existente ao abrigo da legislação nacional, quer esteja integrado nos organismos de aplicação da lei quer seja independente destes, com poderes estatutários, consuetudinários ou outros para examinarem reclamações e queixas resultantes de violações deste Código.
  • 21. d) Em alguns países, pode se considerar que os meios de comunicação social (“mass media”) desempenham funções de controle, análogas às descritas na alínea anterior. Consequentemente, os funcionários responsáveis pela aplicação da lei poderão como último recurso e com respeito pelas leis e costumes do seu país e pelo disposto no artigo 4.º do presente Código, levar as violações à atenção da opinião pública através dos meios de comunicação social. e) Os funcionários responsáveis pela aplicação da lei que cumpram as disposições deste Código merecem o respeito, o total apoio e a colaboração da comunidade em que exercem as suas funções, do organismo de aplicação da lei no qual servem e dos demais funcionários responsáveis pela aplicação da lei.