SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Datas da visita: 12 a 14 de Novembro de 2007
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS
ABEL VARZIM
BARCELOS
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
2
I – Introdução
A Lei n.º 31/2002, de 20 de Dezembro, aprovou o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-
escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações gerais para a auto-avaliação e para a avaliação
externa. Por sua vez, o programa do XVII Governo Constitucional estabeleceu o lançamento de um “programa
nacional de avaliação das escolas básicas e secundárias que considere as dimensões fundamentais do seu
trabalho”.
Após a realização de uma fase piloto, da responsabilidade de um Grupo de Trabalho (Despacho conjunto n.º
370/2006, de 3 de Maio), a Senhora Ministra da Educação incumbiu a Inspecção-Geral da Educação de acolher e
dar continuidade ao processo de avaliação externa das escolas. Neste sentido, apoiando-se no modelo construído
e na experiência adquirida durante a fase piloto, a IGE está a desenvolver esta actividade, entretanto consignada
como sua competência no Decreto Regulamentar n.º 81-B/2007, de 31 de Julho.
O presente relatório expressa os resultados da avaliação externa do Agrupamento de Escolas Abel Varzim
realizada pela equipa de avaliação que visitou o Agrupamento entre 12 e 14 de Novembro de 2007.
Os capítulos do relatório ― caracterização do agrupamento/escola, conclusões da avaliação por domínio,
avaliação por factor e considerações finais ― decorrem da análise dos documentos fundamentais do
Agrupamento, da sua apresentação e da realização de entrevistas em painel.
Espera-se que o processo de avaliação externa fomente a auto-avaliação e resulte numa oportunidade de melhoria
para o Agrupamento, constituindo este relatório um instrumento de reflexão e de debate. De facto, ao identificar
pontos fortes e pontos fracos, bem como oportunidades e constrangimentos, a avaliação externa oferece
elementos para a construção ou o aperfeiçoamento de planos de melhoria e de desenvolvimento de cada escola,
em articulação com a administração educativa e com a comunidade em que se insere.
A equipa de avaliação externa congratula-se com a atitude de colaboração demonstrada pelas pessoas com quem
interagiu na preparação e no decurso da avaliação.
O texto integral deste relatório, bem como um eventual contraditório apresentado pelo Agrupamento, será
oportunamente disponibilizado no sítio internet da IGE (www.ige.min-edu.pt).
Escala de avaliação utilizada
Níveis de classificação dos cinco domínios
Muito Bom ― Predominam os pontos fortes, evidenciando uma regulação sistemática, com base em
procedimentos explícitos, generalizados e eficazes. Apesar de alguns aspectos menos conseguidos, a
organização mobiliza-se para o aperfeiçoamento contínuo e a sua acção tem proporcionado um impacto
muito forte na melhoria dos resultados dos alunos.
Bom ― Revela bastantes pontos fortes decorrentes de uma acção intencional e frequente, com base em
procedimentos explícitos e eficazes. As actuações positivas são a norma, mas decorrem muitas vezes do
empenho e da iniciativa individuais. As acções desenvolvidas têm proporcionado um impacto forte na
melhoria dos resultados dos alunos.
Suficiente ― Os pontos fortes e os pontos fracos equilibram-se, revelando uma acção com alguns
aspectos positivos, mas pouco explícita e sistemática. As acções de aperfeiçoamento são pouco
consistentes ao longo do tempo e envolvem áreas limitadas do agrupamento/escola. No entanto, essas
acções têm um impacto positivo na melhoria dos resultados dos alunos.
Insuficiente ― Os pontos fracos sobrepõem-se aos pontos fortes. Não demonstra uma prática coerente e
não desenvolve suficientes acções positivas e coesas. A capacidade interna de melhoria é reduzida,
podendo existir alguns aspectos positivos, mas pouco relevantes para o desempenho global. As acções
desenvolvidas têm proporcionado um impacto limitado na melhoria dos resultados dos alunos.
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
3
II – Caracterização do Agrupamento
O Agrupamento de Escolas Abel Varzim distribui-se por nove freguesias do concelho de Barcelos onde
predominam, como actividades económicas principais, a agricultura e a pequena indústria familiar. Este
Agrupamento integra a Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Abel Varzim (EB 2,3), escola sede, oito Jardins-de-infância
(JI) e onze Escolas Básicas do 1º ciclo (EB1) que funcionam em dezasseis edifícios de tipologias diferenciadas.
Destes, quatro são JI, sete EB1, quatro EB1/JI e um corresponde à escola sede. O parque escolar afecto à educação
pré-escolar e ao 1º ciclo denota a existência de algumas carências, das quais se destacam a inexistência de
logradouros para recreio ou, noutros casos, a existência de espaço físico circundante sem qualquer tipo de infra-
estrutura que preserve a segurança das crianças, aquando da sua utilização. A limitação das instalações escolares
e a escassez de materiais didácticos adequados à criação de ambientes mais propícios às aprendizagens dos
alunos, sobretudo nas escolas do 1º ciclo, têm-se revelado um factor perturbador para o melhor desenvolvimento
das actividades curriculares.
A EB 2,3 foi projectada para 24 turmas, pelo que a lotação actual de 31 turmas se situa bastante acima do
inicialmente projectado. Nestas circunstâncias, os espaços para o ensino, salas comuns ou específicas estão
totalmente ocupados, provocando uma sobre -utilização dos equipamentos e recursos. A escola passou a dispor, a
partir deste ano lectivo, de um pavilhão polidesportivo construído de raiz que abre novas perspectivas para uma
melhoria na prestação do serviço educativo, conquanto não se encontrem ainda asseguradas, por parte da
autarquia, as condições de acessibilidade para todos os alunos do Agrupamento. Refira-se, neste âmbito, que a
dispersão geográfica dos vários estabelecimentos, associada à falta de transporte regular para os alunos, dificulta
a participação em actividades globais do Agrupamento e a partilha dos equipamentos instalados, sobretudo na
escola sede. Esta dispõe de espaços adequados à sua oferta educativa com destaque para a biblioteca escolar que
reúne vasta documentação em diferentes suportes de informação e se assume como uma aposta firme da escola
na promoção dos hábitos de leitura e pesquisa.
Em termos globais, o Agrupamento é frequentado por 1439 crianças /alunos distribuídos por 89 grupos/turmas (9
da educação pré-escolar; 78 do ensino básico regular; 2 dos cursos de educação e formação).
O 1º ciclo do ensino básico é frequentado por 589 alunos agrupados em 49 turmas, cuja média de idades se situa
em 6,10, para o 1º ano, 7,15, para o 2º ano, 8,13, para o 3º ano e 9,36 para o 4º ano. O 2º ciclo é frequentado por
286 alunos agrupados em 13 turmas, cuja média de idades se situa em 10,34, para o 5º ano e 11,51, para o 6º
ano. O 3º ciclo é frequentado por 362 alunos, agrupados em 16 turmas, cuja média de idades se situa em 12,47,
para o 7º ano, 13,36, para o 8º ano e 14,38, para o 9º ano. Neste nível de ensino existem, ainda, 2 cursos de
educação e formação (CEF) que são frequentados por 40 alunos distribuídos por 2 turmas e cuja média de idades
se situa nos 15,15 anos. É reduzido o número de alunos pertencente a outros grupos culturais e étnicos, sendo a
maioria oriunda da etnia cigana.
Decorrente dos dados caracterizadores no perfil do Agrupamento, verifica-se que o nível de carência económica
dos agregados familiares dos alunos não é um dado negligenciável na medida em que 23% dos 1277 alunos do
ensino básico usufruem de apoios socio-económicos. O capital cultural presente nas respectivas famílias é
marcado pelo baixo nível de escolarização dos pais e encarregados de educação dado que 47% apresenta como
habilitações o 2º ciclo do ensino básico, 25% o 1º ciclo, 6,7% o 3º ciclo e 3,2% o ensino secundário. Por outro lado,
as profissões dominantes enquadram-se na categoria de trabalhadores não qualificados com 30,3% dos casos,
25,5% na categoria dos operadores de máquinas e trabalhadores da montagem, 19,8% são operários, artífices e
trabalhadores similares, 9,0% são pessoal dos serviços e vendedores e 5,6%, são trabalhadores rurais. Especial
relevância assume o facto de 80,5% dos alunos do ensino básico não terem, em casa, computador ligado à
Internet. Este equipamento existe, apenas, em 7,2% dos casos; 12,2% dos alunos possuem computador sem
ligação à Internet. Decorrente destes indicadores, existe a crença, largamente partilhada no Agrupamento, que as
expectativas dos alunos e respectivas famílias são diminutas em relação à cultura escolar e que isto se reflecte no
desempenho escolar dos alunos.
Sobre o pessoal docente, verifica-se que 54% dos professores pertencem ao Quadro de Escola, 34,7% ao Quadro de
Zona Pedagógica e 11,3% são Contratados. A sua experiência profissional situa-se, maioritariamente, acima dos 10
anos de serviço, sendo de relevar que 20,9% estão acima dos 20 anos de serviço. Estes indicadores, e
considerando o regime de colocação plurianual, asseguram uma grande estabilidade do corpo docente.
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
4
III – Conclusões da avaliação por domínio
1. Resultados
Bom
Tendo como referência o ano lectivo de 2006/2007, verifica-se que as taxas de sucesso académico nos 1º e 2º
ciclos do ensino básico variam entre os 94% e o 100%. Porém, no 3º ciclo, estas taxas reduzem-se em cerca de dez
pontos percentuais não obstante a sua evolução corresponder a uma tendência sustentada de melhoria nos
últimos três anos. Por sua vez, a análise efectuada às classificações dos exames nacionais do 9º ano permite
concluir que os resultados obtidos na disciplina de Língua Portuguesa evoluíram muito positivamente de 2006
para 2007, o que não se verificou na disciplina da Matemática, apesar de esta se manter em linha com a média
nacional. Embora seja evidente uma aposta firme na monitorização dos resultados escolares e ainda que
permaneça a convicção de que o espaço de melhoria dos resultados será conquistado num futuro próximo,
regista-se que o Agrupamento não sustenta, por enquanto, práticas de comparabilidade dos seus resultados com
os de outras organizações de características semelhantes ou da mesma região. A partilha de experiências não se
traduz numa estratégia de melhoria contínua. Não são identificáveis, com clareza, os factores que mais
directamente influenciam o sucesso ou o insucesso dos alunos. Regista-se, neste Agrupamento, a efectividade do
trabalho em equipa por parte do corpo docente, a realização da avaliação diagnostica em algumas disciplinas e o
acompanhamento permanente do percurso escolar dos alunos.
O abandono escolar é praticamente inexistente, facto que resulta de uma política de prevenção e de intervenção
junto dos alunos e da comunidade envolvente, com resultados muito positivos.
Não obstante sentirem o peso das regras e o controlo sistemático do seu comportamento no espaço escolar, os
alunos identificam-se com a sua escola, e com a segurança que esta lhes proporciona, e destacam, positivamente,
o bom relacionamento existente com os seus professores e com os auxiliares de acção educativa. Não se registam
incidentes disciplinares dignos de relevância. O clima é tranquilo e propício às aprendizagens.
2. Prestação do serviço educativo Bom
Na prossecução das estratégias de acção definidas no projecto educativo, o Agrupamento tem vindo a construir
progressivamente uma cultura de articulação e de trabalho em equipa como base de sustentação para atingir os
objectivos definidos. Assim, a realização de reuniões de articulação curricular entre os diferentes níveis de
educação ou ensino, bem como o trabalho cooperativo entre os grupos de docência e entre os departamentos
curriculares são opções vincadamente assumidas pela organização e constituem um dos traços mais marcantes na
prestação do serviço educativo. Ainda que se evidencie a falta de metas claras a alcançar no final de cada ano
lectivo, pelo trabalho desenvolvido no seio de cada departamento curricular ou do conselho de docentes, é
patente um empenho colectivo em prosseguir estratégias de melhoria que, na perspectiva dos professores,
passam pela monitorização contínua dos resultados escolares e pelo reajuste das estratégias de acção definidas
nos projectos curriculares de turma. É assumida a necessidade de permanente articulação e partilha de
conhecimentos, experiências e recursos que ocorrem, também com grande significado, nos momentos informais.
Por outro lado, a sequencialidade entre os diferentes ciclos de educação e ensino tem sido uma prioridade no seio
do Agrupamento, embora resulte melhor afirmada entre a educação pré-escolar e os 1º e 2º ciclos. Esta evidência
decorre da existência de reuniões entre os docentes titulares de turma do 4º ano e as equipas pedagógicas do 5º
ano onde são analisadas as competências adquiridas pelos alunos nas disciplinas de Língua Portuguesa e
Matemática e onde se procede à elaboração conjunta de uma ficha de avaliação diagnostica. A sequencialidade
entre os 2º e 3º ciclos não é expressiva no domínio das opções da escola. Todavia são promovidas estratégias
organizativas que procuram garantir a continuidade do grupo turma na transição inter-ciclos e a constituição de
equipas pedagógicas, tanto quanto possível, estáveis e reduzidas.
No domínio da gestão pedagógica, são disponibilizados apoios educativos aos alunos que revelam dificuldades de
aprendizagem e apoio ao estudo de forma a minimizar o défice de acompanhamento por parte das famílias com
menor capital cultural.
O acompanhamento e a supervisão da prática lectiva não se encontram assumidos pelos órgãos de gestão e
administração muito embora se procure, dentro de cada departamento curricular, avaliar o grau de cumprimento
dos conteúdos programáticos e a sua adequação ao ritmo de aprendizagem dos alunos.
A par de outros projectos que procuram a valorização dos saberes e da aprendizagem, é o projecto de animação e
divulgação da Biblioteca da EB 2,3 que está na primeira linha da valorização destes saberes dado que disponibiliza
a informação em diferentes suportes, encontra-se aberta durante o horário lectivo e existe uma política bem
definida de formação dos novos utilizadores (alunos do 5º ano).
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
5
3. Organização e gestão escolar Bom
As actividades do Agrupamento alinham com as prioridades inscritas no projecto educativo. Este documento
estruturante incorpora as problemáticas decorrentes do processo de auto-avaliação e preconiza o envolvimento de
todos os intervenientes no processo educativo, de modo a alcançar os objectivos propostos. As estratégias de
acção orientam-se para o aprofundamento da articulação curricular entre o grupo de docentes e o departamento
curricular, incidindo em metodologias de planificação interdisciplinar e de reflexão pedagógico-didáctica. Porém,
não se encontram estabelecidas, para os resultados escolares, as metas a atingir no final do triénio, o que pode
reduzir o comprometimento dos intervenientes e gorar as expectativas iniciais.
O Conselho Executivo imprime rigor à organização e arranque do ano escolar encontrando-se bem definidos os
critérios que presidem à elaboração dos horários dos alunos e à distribuição do serviço docente, incluindo a Área
Projecto e o Estudo Acompanhado. Os directores de turma são, regra geral, seleccionados pelo seu perfil de
liderança e experiência no desempenho do cargo.
O relacionamento entre docentes e funcionários é saudável, existindo momentos de partilha e discussão sobre o
funcionamento dos serviços e as melhorias a introduzir. O índice de satisfação com a gestão e o sentimento de
pertença é positivo.
O Agrupamento tem procurado, de forma reconhecida, o envolvimento dos pais na vida escolar, muito embora
estes considerem que nem sempre este acompanhamento é efectivo, diminuindo à medida que o aluno progride
nos anos de escolaridade.
4. Liderança Muito Bom
O cruzamento de olhares sobre este domínio evidencia a capacidade de liderança deste Agrupamento, alicerçada
numa estratégia que procura ser uma referência de qualidade, gestão, acolhimento e profissionalismo. Os
mecanismos de identificação da comunidade escolar com esta liderança enfatizam a sua grande disponibilidade e
proximidade, para ouvir e receber todos os que a procuram, o que favorece a construção quer de uma identidade
colectiva, quer de um forte sentimento de pertença. A clareza das opções que traçam o caminho, o rumo
imprimido ao funcionamento do Agrupamento e o empenho em resolver os problemas mais imediatos com
equidade e justiça são factores mobilizadores para o corpo docente e para o aprofundamento do exercício das
outras lideranças no Agrupamento. As parcerias com instituições sociais, empresas e outros parceiros locais são,
por um lado, práticas de gestão que se orientam para a melhoria dos serviços prestados e, por outro, abrem o
processo de decisão às opções dos actores locais, através do incentivo à participação, e à co-responsabilização,
em função dos meios e resultados. Esta opção estratégica de abertura à mudança, de partilha e adequação de
esforços com a comunidade envolvente para melhor enfrentar e resolver os problemas que se assumem como
prioritários, está prevista no projecto educativo. As estruturas de orientação educativa e os órgãos de
administração e gestão são envolvidos nos processos de decisão e na concretização de acções relacionadas com a
organização em todas as áreas do funcionamento escolar.
5. Capacidade de auto-regulação e melhoria do agrupamento Muito Bom
A capacidade de auto-regulação e de melhoria contínua do Agrupamento é consistente. A auto-avaliação é um
processo, estruturado desde o ano lectivo de 2002/2003, aberto aos membros da comunidade educativa e serve
como instrumento estratégico para a melhoria da organização. As metodologias basearam-se no inquérito por
questionário, entrevista e análise documental. Os inquéritos foram aplicados a uma amostra representativa de
alunos e pais/encarregados de educação e ao universo de docentes e não docentes do Agrupamento. Trata-se de
um processo abrangente, dado que no ano lectivo de 2006/2007 foram analisados, por exemplo, os resultados
escolares e a sua evolução nos últimos três anos, a eficácia dos apoios educativos em todos os anos de
escolaridade, a articulação curricular, o Plano Anual de Actividades, o funcionamento global do Agrupamento, o
clima e ambiente educativos, o cumprimento da escolaridade obrigatória e os apoios socio-económicos.
Os resultados são analisados nos conselhos de docentes/departamentos curriculares e nos órgãos de
administração e gestão, com o objectivo de traçar um plano de melhoria. É estreita a articulação entre o projecto
educativo e o projecto de auto-avaliação dado que o primeiro, incorporando as problemáticas identificadas pelo
segundo, propõe uma acção estratégica de melhoria a desenvolver pela organização num horizonte de três anos.
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
6
Neste sentido, o Agrupamento conhece os seus pontos fracos, tem uma estratégia de melhoria para fazer face às
dificuldades e revela capacidade para aproveitar as oportunidades que o contexto lhe oferece para melhorar a sua
oferta educativa e o seu desempenho. Por outro lado, a qualidade das relações inter-pessoais, a abertura à
comunidade e o desempenho da liderança são garantes de que realiza um progresso sustentado.
IV – Avaliação por factor
1. Resultados
1.1 Sucesso académico
Tendo como referência o ano de 2006/2007, verifica-se que as taxas de retenção registadas nos 1º e 2º ciclos do
ensino básico oscilam entre os 0% e os 5,2%, atingindo a sua maior expressão no 2º ano, com 4,7%, e no 5º ano,
com 5,2%. Porém, no 3º ciclo, estas taxas elevam-se para 15,4%, no 7º ano e 15,7%, no 8º ano, observando-se uma
melhoria na taxa de retenção do 9º ano que desce para os 11,3%. A evolução dos resultados académicos regista
uma tendência sustentada de melhoria nos últimos três anos. A taxa global de retenção no Agrupamento entre os
anos de 2004/2005 e 2006/2007 diminuiu dos 10% para os 6,4%. No domínio dos resultados dos exames
nacionais do 9.º ano, é de destacar que a classificação média em Português registou uma evolução positiva do ano
2006 para o ano 2007, em que se atingiram valores em linha com a média nacional e se observou a convergência
entre a média da classificação interna e a média da classificação do exame. Na disciplina de Matemática, a média
da classificação interna foi, nestes dois anos, superior à média da classificação do exame, muito embora esta se
mantenha em linha com a média nacional.
Na prova de aferição de Língua Portuguesa, do 4º ano de escolaridade, a taxa de sucesso foi de 56,6%,
ligeiramente abaixo da média nacional (57,4%) e, em Matemática, a taxa de sucesso foi de 45,7%, abaixo da média
nacional (56,6%). Na prova de aferição do 6º ano de escolaridade, a taxa de sucesso a Língua Portuguesa foi de
82,9%, ligeiramente abaixo da média nacional (83,4%), mas, em contrapartida, a taxa de sucesso a Matemática foi
de 91%, acima da média nacional (85,2%).
Não obstante os condicionalismos decorrentes do baixo capital cultural, do menor acompanhamento por parte das
famílias e das taxas significativas de alunos carenciados, o Agrupamento evidencia uma acção concertada para a
melhoria dos indicadores de sucesso. A educação pré-escolar funciona em articulação estreita com o 1º ciclo, onde
os professores demonstram capacidade para trabalhar com mais do que um ano de escolaridade dentro da mesma
turma, sem que isso represente um constrangimento para a obtenção de melhores resultados escolares. Os
resultados são alvo de avaliação constante por parte dos departamentos curriculares/conselho de docentes, bem
como dos conselhos executivo e pedagógico. A disponibilização dos apoios educativos às disciplinas de
Português, Matemática e Inglês, a realização da avaliação diagnóstica em todos os anos de escolaridade, a sala de
estudo e o apoio à leitura na Biblioteca, a aplicação de uma ficha global aos 5º, 7º e 8º anos de escolaridade nos
dias em que decorrem os exames nacionais para o 9º ano, são exemplos da determinação com que se trabalha
para a sustentação dos patamares de melhoria já alcançados e para a sua progressão. Fruto de uma acção de
prevenção junto dos alunos e das respectivas famílias conjugada com novas ofertas curriculares, o abandono
escolar é praticamente inexistente, o que denota a eficácia das estratégias implementadas pelo Agrupamento.
1.2 Participação e desenvolvimento cívico
O envolvimento dos alunos nas actividades da escola decorre, fundamentalmente, do cumprimento do Plano anual
de actividades e do projecto curricular de turma. As actividades que motivam um maior envolvimento dos alunos
são a Feira Verde, a Comunhão Pascal, os tapetes florais, os torneios de futebol, entre outras. Na perspectiva dos
pais e encarregados de educação, os alunos identificam-se com a sua escola, sentem-se seguros e participam nas
actividades que lhes são propostas.
Pela centralidade que assume na dinâmica da vida escolar, a Biblioteca da EB2,3 é uma valência promotora da
participação e desenvolvimento cívico dos alunos através da apresentação e exposição de trabalhos das turmas ao
longo do ano lectivo e dos concursos permanentes, por exemplo, “O Detective” que envolve pesquisa bibliográfica,
e a “Hora do conto infantil” que promove a participação das crianças da educação pré-escolar e dos alunos da
educação especial que frequentam os currículos alternativos. Também a Revista Abel Varzim Magazine é um
projecto aberto a todos os alunos do Agrupamento que integra trabalhos de crianças da educação pré-escolar e do
1º ciclo. Porém os alunos ainda sentem a falta de actividades ou projectos que os possam envolver de forma mais
activa e dinâmica e de um maior acompanhamento dos professores para as actividades que os alunos propõem.
De igual modo, destacam como factor positivo a limpeza dos espaços da escola e a importância do projecto
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
7
“ECOS” na sensibilização dos alunos mais novos. Por outro lado, regista-se a inexistência de estratégias formativas
junto das turmas, no sentido de criar significados para o papel da liderança e da representatividade dos
respectivos delegados.
1.3 Comportamento e disciplina
De uma forma geral, os alunos são disciplinados e os seus comportamentos incorrectos são ocasionais, não
suscitando preocupações junto do corpo docente e dos representantes da comunidade educativa. Quando se
verifica algum comportamento incorrecto é o director de turma que recebe a respectiva participação e a comunica,
de imediato, aos pais, dado ser este um procedimento obrigatório. Os alunos sentem o peso das regras e do
controlo dentro do espaço escolar, sendo estas temáticas abordadas na área de Formação Cívica. Todavia, a EB 2,3
tem desenvolvido acções de sensibilização junto dos alunos, no sentido de melhorar o comportamento cívico em
contexto escolar. A introdução do cartão electrónico é um exemplo de como a escola pretende responsabilizar os
alunos na utilização dos serviços que coloca à sua disposição, podendo, posteriormente, fornecer aos pais, caso a
solicitem, a informação daí decorrente.
1.4 Valorização e impacto das aprendizagens
Através da concretização do Plano anual de actividades, o Agrupamento procura a estimulação e a valorização das
aprendizagens e dos saberes nas diferentes áreas do currículo. A iniciação à utilização das tecnologias de
informação e comunicação, recorrendo à Internet como ferramenta da aprendizagem no 1º ciclo, é um exemplo
desta valorização. Assim, o Agrupamento estrutura a sua acção procurando ir ao encontro aos alunos, aos
professores, às famílias e ao meio social envolvente. Aos alunos, pela diversidade das ofertas curriculares e de
complemento curricular; aos professores, pela aplicação de questionários no sentido de avaliar os aspectos
positivos e negativos da sua prática pedagógica e do funcionamento dos órgãos de gestão e das estruturas de
orientação educativa; às famílias, pela oferta da componente de apoio à família na educação pré-escolar, pelo
contacto permanente com os directores de turma em horas ajustadas às suas necessidades e pela participação na
vida escolar em convívios e datas festivas; ao meio social pela criação de cursos de alfabetização em parceria com
o Centro Social Abel Varzim e pela criação de um Curso de Educação e Formação de Adultos para conclusão do 6º
ano de escolaridade. Destaque, ainda, para os protocolos de cooperação com empresas da região que visam o
desenvolvimento da componente vocacional dos alunos com currículo escolar alternativo. Por outro lado, a
orientação vocacional para os alunos do 9º ano é um exemplo de como a escola procura a sua valorização, e a
promoção de outros percursos escolares que se abrem no final do ensino básico.
2. Prestação do serviço educativo
2.1 Articulação e sequencialidade
Decorrente das prioridades estabelecidas no projecto educativo, o Agrupamento delineou algumas estratégias de
acção, por exemplo, a realização de reuniões mensais ou trimestrais de articulação curricular entre todos os níveis
de educação e ensino que envolvem os grupos disciplinares, os departamentos curriculares e os conselhos de
docentes. Esta evidência decorre, por exemplo, da existência de reuniões entre os docentes titulares de turma do
4º ano e as equipas pedagógicas do 5º ano onde são analisadas as competências adquiridas pelos alunos nas
disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática e onde se procede à elaboração conjunta de uma ficha de avaliação
diagnostica. É prática do Agrupamento, no início de cada ano lectivo, a realização desta modalidade de avaliação
nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática do 5º ano de escolaridade e, no 7º ano, na disciplina de Inglês.
Os relatórios dos resultados da avaliação diagnóstica são, posteriormente, analisados pelo Conselho Pedagógico,
pelos departamentos curriculares e por equipas de trabalho interciclos, que definem as estratégias comuns de
actuação para a melhoria dos resultados. No conselho de docentes do 1º ciclo, prepara-se a realização conjunta de
fichas de avaliação aferida para os quatro anos de escolaridade a aplicar no final de cada período lectivo. Neste
sentido, a sequencialidade entre a educação pré-escolar e os 1º e 2º ciclos é um propósito explícito no
Agrupamento. A sequencialidade entre os 2º e 3º ciclos não é expressiva no domínio das opções da escola.
Todavia, são promovidas estratégias organizativas que procuram garantir a continuidade do grupo turma na
transição interciclos e a constituição de equipas pedagógicas, tanto quanto possível, estáveis e reduzidas.
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
8
2.2 Acompanhamento da prática lectiva em sala de aula
A supervisão pedagógica das actividades e a monitorização dos resultados académicos são asseguradas,
fundamentalmente, pelos coordenadores das diversas estruturas de orientação educativa, em articulação com os
conselhos executivo e pedagógico. A elaboração dos relatórios periódicos de execução das actividades e do
cumprimento das planificações curriculares constitui um exemplo do acompanhamento realizado a este nível.
Todavia, o acompanhamento da prática lectiva não se encontra assumido pelos órgãos de gestão e administração
do Agrupamento.
Os docentes dispõem, da parte do conselho executivo, dos coordenadores das diversas estruturas assim como dos
seus próprios pares, de apoio na resolução de eventuais problemas ou dificuldades, que possam sentir nos
domínios pedagógico, relacional ou organizacional. Os alunos quando ouvidos não reconhecem empenho nem
qualidade ao trabalho dos professores que leccionam as aulas de substituição, nem vislumbram qualquer
vantagem para a melhoria do seu desempenho escolar na medida em que, na generalidade dos casos, o professor
substituto não é da mesma área curricular. Neste sentido, não se garante o aproveitamento das aulas de
substituição para promover o ensino e o treino de estratégias de aprendizagem.
Os docentes procuram adequar os testes e classificações a partir da realização das fichas de avaliação diagnóstica
feita nas disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática e Inglês. No domínio da formação, regista-se o facto de 29
docentes terem frequentado, no ano de 2007, acções de formação contínua.
2.3 Diferenciação e apoios
A resposta às necessidades educativas de cada aluno é uma preocupação dos profissionais que trabalham no
Agrupamento. Para garantir que todos os alunos, a quem sejam diagnosticadas dificuldades acentuadas de
aprendizagem, usufruam de apoio educativo, a organização dos horários das turmas dos 2º e 3º ciclos contempla
a possibilidade da introdução desses tempos. Estes apoios que visam a superação de dificuldades de
aprendizagem são dados nas disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática e Inglês.
O Agrupamento, por sua iniciativa e fruto de um trabalho empenhado junto dos alunos de etnia cigana que
residem na sua área de abrangência tem promovido, com sucesso, a integração de alguns alunos provenientes de
dois acampamentos desta etnia. O Agrupamento conta com um número significativo de alunos sinalizados com
necessidades educativas especiais, apesar da limitação dos recursos humanos especializados para prestar o apoio
mais indicado a cada caso, Para minimizar este constrangimento, os professores dos apoios educativos relevam a
colaboração que tem tido por parte dos docentes, sobretudo dos 1º e 2º ciclos, em prol da melhoria deste serviço.
2.4 Abrangência do currículo e valorização dos saberes e da aprendizagem
Para os professores, os projectos curriculares das turmas são documentos estruturantes de planificação e
articulação pedagógica e cujo valor reconhecem e respeitam. Porém, os alunos gostariam de ter aulas mais
dinâmicas, criativas e motivadoras, com recurso a outras ferramentas de aprendizagem, para além do tradicional
manual escolar.
Juntamente com outros, o projecto de animação e divulgação da Biblioteca da EB 2,3 está na primeira linha da
valorização dos saberes e da aprendizagem dado que se encontra aberta durante o horário lectivo e existe uma
política bem definida de formação dos novos utilizadores (alunos do 5º ano). Os professores de Estudo
Acompanhado destas turmas conduzem os alunos à Biblioteca onde lhes são dadas a conhecer as regras de
utilização do espaço e dos recursos, de modo a incutir-lhes hábitos da leitura, da escrita e da investigação. O “Baú
dos livros escolares” é um exemplo de biblioteca itinerante que pode ser requisitada por qualquer escola do
Agrupamento, e ilustra a forma de promover os hábitos de leitura em todo o Agrupamento. O projecto “Educação
para a Saúde” também se prende com a valorização das aprendizagens, na medida em que contribui para a
aquisição de competências das crianças e dos jovens, permitindo-lhes escolhas individuais, conscientes e
responsáveis. A promoção da educação para a saúde na escola tem como missão criar ambientes facilitadores
dessas escolhas e estimular o espírito crítico para o exercício de uma cidadania activa.
3. Organização e gestão escolar
3.1 Concepção, planeamento e desenvolvimento da actividade
O envolvimento de todos os intervenientes no processo educativo, preconizado nas prioridades inscritas no
projecto educativo, está contemplado nas actividades do Agrupamento. As estratégias de acção orientam-se para o
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
9
aprofundamento da articulação curricular ao nível dos departamentos curriculares e dos grupos de docentes,
incidindo em metodologias de planificação interdisciplinar e de reflexão didáctica. O Conselho Executivo imprime
rigor à organização e arranque do ano escolar encontrando-se bem definidos os critérios que presidem à
elaboração dos horários dos alunos e à distribuição do serviço docente, incluindo a Área de Projecto e o Estudo
Acompanhado. Os horários dos alunos contemplam, tanto quanto possível, quer a alternância de disciplinas
teóricas e práticas, quer a equidade ao nível de tempos para todas as turmas de cada ciclo. O que se pretende é
que a distribuição dos tempos lectivos semanais seja uniforme em todas as turmas do mesmo ano e que o
intervalo para o almoço seja igual para todos os alunos.
O projecto curricular do Agrupamento não se apresenta como documento único pois desdobra-se num projecto
para o 1º ciclo e num outro para os 2º e 3º ciclos, o que os professores justificam pela diferença organizativa
inerente a cada um dos ciclos. Na perspectiva dos docentes do 1º ciclo, a articulação com os professores das
Actividades de Enriquecimento Curricular tem sido a mais problemática, sobretudo após as 15h 30m, dada a falta
de pessoal auxiliar para proceder, no final do dia escolar, à limpeza das salas. Reafirma-se a inexistência de
espaços adequados para se promover, nas melhores condições, estas actividades.
A planificação do trabalho a desenvolver pelos docentes concretiza-se, na elaboração do projecto curricular de
turma, entendido, pelos professores, como um documento que facilita a criação de equipas de trabalho, bem
como a uniformização de procedimentos e a sequencialidade do trabalho com cada turma.
Ainda que o projecto educativo não identifique as metas para a redução do insucesso escolar, os professores
sentem a necessidade de trabalhar com essa orientação e assumem que a preparação dos alunos para a avaliação
aferida e para os exames nacionais se assume como um dos seus maiores desafios.
3.2 Gestão dos recursos humanos
Os critérios para a distribuição do serviço docente são aprovados pelo Conselho Pedagógico. Na opinião do
Conselho Executivo, a estabilidade que decorre da colocação plurianual dos professores torna possível a
continuidade do trabalho pedagógico com as mesmas turmas e a manutenção de projectos que constituem
apostas firmes do Agrupamento. O objectivo é a constituição de equipas pedagógicas estáveis e reduzidas. A
distribuição das direcções de turma tem em conta o perfil de liderança e a experiência no desempenho do cargo.
Os níveis de assiduidade são avaliados como positivos tanto do corpo docente como do pessoal auxiliar. Para
colmatar eventuais ausências dos docentes, a EB 2,3 implementou o funcionamento da sala de estudo, o clube das
ciências exactas, a biblioteca escolar, bem como o acompanhamento dos alunos em sala de aula e permutas de
aulas entre docentes do conselho de turma. Porém, a excelência das relações interpessoais, o empenhamento
evidenciado pelo corpo docente e não docente e a flexibilidade para contornar as limitações decorrentes da falta
de pessoal auxiliar, sem prejuízo evidente para o normal funcionamento dos serviços, atestam a capacidade para
gerir, com eficácia, os recursos humanos existentes no Agrupamento.
3.3 Gestão dos recursos materiais e financeiros
No domínio das instalações escolares, o Agrupamento debate-se com a insuficiência de espaços, com repercussão
directa nas actividades realizadas em todas as escolas que o integram. Todavia, o parque escolar afecto à
educação pré-escolar e ao 1º ciclo tem vindo a receber melhorias graduais por parte da autarquia, sem que
estejam, ainda, reunidas as condições desejáveis para a prestação de um melhor serviço educativo. No 1º ciclo,
sentem-se carências ao nível dos equipamentos e materiais didácticos que são responsabilidade da autarquia; na
escola sede, o parque informático apresenta limitações face à elevada procura. As receitas próprias do orçamento
da escola são canalizadas para a aquisição de equipamentos e materiais didácticos, bem como para a dinamização
de projectos. Por outro lado, a escola tem procurado junto da comunidade local, a comparticipação em projectos
de modernização das instalações, por exemplo, a informatização do acesso aos serviços com a introdução do
cartão magnético na escola sede. As associações de pais, existentes na maioria dos estabelecimentos do
Agrupamento, são parceiros privilegiados, comparticipando no financiamento de alguns projectos e minimizando,
assim, os constrangimentos decorrentes do financiamento da autarquia.
3.4 Participação dos pais e outros elementos da comunidade educativa
A comunicação com as famílias é feita de forma sistemática e por diversos meios formais (caderneta do aluno,
brochuras de informação), ou informais (contactos pessoais).
A presença dos pais e encarregados de educação nos órgãos de administração e gestão constitui uma
oportunidade de participar activamente na vida da escola, ainda que os níveis de participação dos pais (não
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
10
representados numa única associação) não seja uniforme em todos os ciclos. Verifica-se uma participação mais
efectiva na educação pré-escolar e no 1º ciclo e uma maior ausência nos 2º e 3º ciclos. Por outro lado, a sua
presença nas reuniões dos conselhos de turma/conselho de docentes, assim como a realização de reuniões
periódicas são medidas concretas que apelam à sua participação, aliás, de acordo com existência de um horário
semanal de atendimento flexibilizado pelos professores.
Não obstante o esforço da escola, os pais reconhecem e assumem o défice da sua participação, sobretudo na EB
2,3 e identificam que esta é uma das áreas que necessitam de melhorar.
3.5 Equidade e justiça
Por parte da escola e dos seus órgãos de gestão, há uma actuação orientada para a equidade e justiça no
tratamento dos alunos, facto que é sublinhado pelos seus responsáveis e partilhado pelo corpo docente, não
docente e pais/encarregados de educação. Os alunos consideram, por outro lado, que a avaliação se faz com
justiça e que não sentem qualquer diferença de tratamento no espaço escolar. Releva-se a grande disponibilidade
para a integração dos alunos provenientes da etnia cigana, localizados e trazidos à escola por iniciativa do próprio
Agrupamento, e para a integração dos alunos provenientes de um Centro de Acolhimento temporário para
crianças em risco, que se situa na zona de influência do Agrupamento. Mais do que receios, os professores
afirmam ter expectativas positivas em relação a estes alunos. São feitas reuniões prévias com os técnicos deste
Centro para preparar essa integração. Neste sentido, é evidente a existência de uma política bem definida para o
acompanhamento, valorização e encaminhamento dos alunos com mais dificuldades de adaptação à escola e/ou
com situações familiares desagregadas ou mais desfavorecidas.
4. Liderança
4.1 Visão e estratégia
A visão estratégica do Agrupamento filia-se na temática do seu projecto educativo “Interagir para melhor servir”,
que assume o diagnóstico decorrente da auto-avaliação. As opções pretendem ir ao encontro dos desafios da
mudança e da abertura do processo de decisão aos actores locais. É nesta articulação que o Agrupamento tem
encontrado as melhores respostas para servir a sua comunidade, tendo como propósito melhorar os serviços
escolares, concretamente na área da componente do apoio à família, no serviço de refeições e transporte dos
alunos, nas actividades de enriquecimento curricular para o 1º ciclo, através da construção de uma rede de
parcerias com as instituições locais. Da agenda escolar e para um futuro próximo, em colaboração com o Instituto
de Emprego e Formação Profissional, faz parte o alargamento do leque de ofertas curriculares, com cursos de
educação e formação para o ensino básico, cursos de educação e formação de adultos, cursos de alfabetização
para a comunidade local e ainda o ensino secundário nocturno. É de salientar que tal colaboração já existe na
prática, pois a EB 2,3 é uma escola UNIVA – Unidade de Inserção na Vida Activa – o que lhe confere um papel de
parceiro privilegiado no diálogo com as empresas e acrescenta competências no domínio dessa articulação.
4.2 Motivação e empenho
Os múltiplos olhares sobre a organização e o seu funcionamento sublinham a identificação da comunidade escolar
com a liderança do Agrupamento, cujo traço mais marcante é a disponibilidade para ouvir e receber todos os que
a procuram, o que favorece a construção quer de uma identidade colectiva, quer de um forte sentimento de
pertença. É praticada uma gestão rigorosa nos domínios da organização do ano lectivo e dos recursos humanos e
materiais. A acção educativa orienta-se, com determinação, para o trabalho em equipa e para o comprometimento
e responsabilidade dos diferentes órgãos e estruturas de orientação educativa.
A clareza das opções traçadas pelo Conselho Executivo, o rumo imprimido ao funcionamento da escola e o
empenho em resolver os problemas com equidade e justiça são factores mobilizadores do corpo docente e para o
aprofundamento do exercício das outras lideranças. A Assembleia do Agrupamento articula-se, de forma muito
estreita, com o Conselho Executivo, conquanto não tenha sido perceptível o seu papel de liderança na articulação
com a comunidade educativa.
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
11
4.3 Abertura à inovação
Pela rede alargada de protocolos e parcerias com instituições externas, e nas mais diferentes áreas, o
Agrupamento mostra-se aberto à inovação. Uma dessas áreas é a das tecnologias de informação e comunicação,
sendo de registar a utilização do quadro electrónico como recurso didáctico, ainda que limitado a uma sala de
aula, o sítio da escola na Internet, e a produção de conteúdos educativos. Neste domínio, a Escola apresentou um
projecto designado “Abel Varzim on-line” que mereceu o apoio do Ministério da Educação para a produção de
conteúdos educativos em CD-ROM. Uma outra área de inovação diz respeito às novas ofertas curriculares que
estão neste momento a ser equacionadas, incluindo as que são proporcionadas pelo programa Novas
Oportunidades, como estratégia de aumentar a escolarização dos alunos, dos seus encarregados de educação e de
outros elementos da comunidade.
4.4 Parcerias, protocolos e projectos
Para a concretização da componente vocacional dos alunos com necessidades educativas especiais e para a
prestação dos serviços de apoio à família, refeições e transportes, o Agrupamento instituiu uma rede de parcerias
com Centros Sociais da comunidade, Juntas de Freguesia, associações de pais e empresas de comércio e serviços,
para a prestação destas componentes. De igual modo foram celebrados, com a autarquia local, protocolos de
cooperação, com vista ao financiamento da educação pré-escolar e do 1º ciclo. O Agrupamento apresenta um
elevado dinamismo tanto no desenvolvimento de projectos, quanto na angariação de apoios externos para a sua
concretização. Encontra-se nesta linha, um protocolo com uma instituição bancária que visa apoiar o Agrupamento
na realização de ciclos de debate, conferências, sessões de formação ou outras de cariz académico.
No domínio da participação em programas, destaca-se o Projecto de Educação para a Saúde, a Rede de Bibliotecas
Escolares, o Plano de Acção da Matemática ou o Plano Nacional de Leitura.
5. Capacidade de auto-regulação e melhoria do agrupamento
5.1 Auto-avaliação
Iniciado no ano lectivo de 2002/2003, o projecto de auto-avaliação do desempenho organizacional e de melhoria
do Agrupamento é consistente. Trata-se de um processo orientado por uma Comissão que integra docentes, não
docentes, alunos e encarregados de educação representantes dos diferentes níveis de ensino. A metodologia para
recolha de informação recorre tanto ao inquérito por questionário aos alunos, pais, pessoal docente e não
docente, quanto ao inquérito por entrevista e à análise documental. Os domínios em que incide a avaliação
abrangem os resultados escolares e sua evolução nos últimos três anos, a articulação curricular, o Plano anual de
actividades, o funcionamento global do Agrupamento, o clima e ambiente educativo, o cumprimento da
escolaridade obrigatória e a acção social escolar. Todos os dados são objecto de tratamento estatístico visando a
construção de planos de melhoria para que a organização reflicta sobre os resultados obtidos e os processos que
lhe estão subjacentes. Neste sentido, o Agrupamento conhece os seus pontos fracos, tem uma estratégia de
melhoria para fazer face às dificuldades e revela capacidade para aproveitar as oportunidades que o contexto lhe
oferece para melhorar a sua oferta educativa e o seu desempenho. O projecto educativo e o projecto de auto-
avaliação apresentam-se articulados entre si, dado que o primeiro, incorporando as problemáticas identificadas
pelo segundo, propõe uma acção estratégica de melhoria a desenvolver pela organização num horizonte de três
anos.
5.2 Sustentabilidade do progresso
A progressiva melhoria dos resultados escolares, a estabilidade e motivação dos educadores e professores, a
qualidade do clima e da relação com a comunidade e as dinâmicas de liderança evidenciam que o Agrupamento
tem vindo a realizar um progresso sustentado. A organização conhece os seus pontos fracos mas revela
capacidade para ultrapassar as dificuldades e para aproveitar as oportunidades que o contexto lhe oferece.
Evidencia-se a capacidade para incrementar a sua autonomia na gestão dos recursos, no planeamento das
actividades educativas e na organização escolar. A linha de rumo face ao futuro passa pela melhoria da sua oferta
educativa e do seu desempenho nos diferentes domínios que orientam a sua acção.
Relatório de Avaliação Externa
Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos
12 a 14 de Novembro de 2007
12
V – Considerações finais
Apresenta-se, de seguida, uma síntese dos atributos do Agrupamento (pontos fortes e pontos fracos) e das
condições de desenvolvimento da sua actividade (oportunidades e constrangimentos) que poderá orientar a sua
estratégia de melhoria.
Neste âmbito, entende-se por ponto forte: atributo da organização que ajuda a alcançar os seus objectivos; ponto
fraco: atributo da organização que prejudica o cumprimento dos seus objectivos; oportunidade: condição externa
à organização que poderá ajudar a alcançar os seus objectivos; constrangimento: condição externa à organização
que poderá prejudicar o cumprimento dos seus objectivos.
Todos os tópicos seguidamente identificados foram objecto de uma abordagem mais detalhada ao longo deste
relatório.
Pontos fortes
a qualidade da liderança protagonizada pelo Conselho Executivo;
a forte ligação à comunidade através do estabelecimento de protocolos e parcerias;
a capacidade de auto-regulação e de melhoria contínua;
a aposta firme em diferentes ofertas curriculares;
a promoção de políticas activas de inclusão escolar
a sequencialidade entre a educação pré-escolar, o 1º e o 2º ciclos;
a forte determinação para a partilha e para o trabalho em equipa.
Pontos fracos
o parque escolar envelhecido e menos adequado, por insuficiência das instalações, às actuais exigências
curriculares;
o menor aproveitamento das aulas de substituição para promover o ensino e o treino de estratégias de
aprendizagem;
a insuficiência de pessoal auxiliar nas escolas do 1º ciclo face ao alargamento dos horários de
funcionamento destes estabelecimentos de ensino;
a inexistência de práticas de comparabilidade dos resultados académicos com os de outros
agrupamentos da região com características semelhantes;
a inexistência de um acompanhamento efectivo da prática lectiva em sala de aula;
o menor envolvimento dos pais no percurso escolar dos alunos, sobretudo, nos 2º e 3º ciclos.
Oportunidades
a receptividade das instituições locais para colaborar na melhoria dos serviços educativos prestados pelo
Agrupamento e na procura de novas iniciativas tendentes à valorização das aprendizagens;
as parcerias com o Instituto de Emprego e Formação Profissional e com o Centro Social Abel Varzim na
identificação e reforço de novas ofertas de formação.
Constrangimentos
a fragilidade do tecido económico e o eventual crescimento do desemprego na área de influência do
Agrupamento pode vir a aumentar os níveis de carência económica dos agregados familiares e
condicionar a melhoria sustentada dos resultados escolares, ambicionada pelo Agrupamento;
o menor investimento da autarquia na remodelação e ampliação dos jardins de infância e escolas do 1º
ciclo podem condicionar a valorização das aprendizagens das crianças e o desenvolvimento das
actividades de enriquecimento curricular.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reunião de pais 21 09-21
Reunião de pais 21 09-21Reunião de pais 21 09-21
Reunião de pais 21 09-21josihy
 
Anexos xxiii 2014 - plano de gestão
Anexos xxiii   2014 - plano de gestãoAnexos xxiii   2014 - plano de gestão
Anexos xxiii 2014 - plano de gestãoManuel-BorbaGato
 
A gestão da escola aprendente
A gestão da escola aprendenteA gestão da escola aprendente
A gestão da escola aprendentetelasnorte1
 
Ampliação do ensino fundamental para nove anos
Ampliação do ensino fundamental para nove anosAmpliação do ensino fundamental para nove anos
Ampliação do ensino fundamental para nove anosAcp2010
 
PLANO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA UMA PROPOSTA DE FORTALECIMENTO DAS PRÁTICAS PEDA...
PLANO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA UMA PROPOSTA DE FORTALECIMENTO DAS PRÁTICAS PEDA...PLANO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA UMA PROPOSTA DE FORTALECIMENTO DAS PRÁTICAS PEDA...
PLANO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA UMA PROPOSTA DE FORTALECIMENTO DAS PRÁTICAS PEDA...Valdirene1977
 
Programas De CorreçãO De Fluxo
Programas De CorreçãO De FluxoProgramas De CorreçãO De Fluxo
Programas De CorreçãO De Fluxoguestd17cc5
 
Projeto de aceleração
Projeto de aceleraçãoProjeto de aceleração
Projeto de aceleraçãoMônix Sousa
 
Ampliação e f 9 anos
Ampliação e f 9 anosAmpliação e f 9 anos
Ampliação e f 9 anosshs_oliveira
 
Projeto Educativo - PÓLO Nº III DE PONTA D ´ÁGUA – A
Projeto Educativo - PÓLO Nº III DE PONTA D ´ÁGUA – AProjeto Educativo - PÓLO Nº III DE PONTA D ´ÁGUA – A
Projeto Educativo - PÓLO Nº III DE PONTA D ´ÁGUA – ADMEDPraia
 
Ensino Fundamental de 9 anos
Ensino Fundamental de 9 anosEnsino Fundamental de 9 anos
Ensino Fundamental de 9 anosprofandre
 
Projeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro
Projeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de JaneiroProjeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro
Projeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de JaneiroDMEDPraia
 
Se Liga e Acelera em Itabaiana
Se Liga e Acelera em ItabaianaSe Liga e Acelera em Itabaiana
Se Liga e Acelera em Itabaianaguest90f41f
 
Projeto Educativo - PÓLO EDUCATIVO XVIII DA ESCOLA BÁSICA DA VÁRZEA
Projeto Educativo - PÓLO EDUCATIVO XVIII DA ESCOLA BÁSICA DA VÁRZEAProjeto Educativo - PÓLO EDUCATIVO XVIII DA ESCOLA BÁSICA DA VÁRZEA
Projeto Educativo - PÓLO EDUCATIVO XVIII DA ESCOLA BÁSICA DA VÁRZEADMEDPraia
 

Mais procurados (19)

Reunião de pais 21 09-21
Reunião de pais 21 09-21Reunião de pais 21 09-21
Reunião de pais 21 09-21
 
Anexos xxiii 2014 - plano de gestão
Anexos xxiii   2014 - plano de gestãoAnexos xxiii   2014 - plano de gestão
Anexos xxiii 2014 - plano de gestão
 
PPP 2014 SAAD A. SARQUIS
PPP 2014 SAAD A. SARQUISPPP 2014 SAAD A. SARQUIS
PPP 2014 SAAD A. SARQUIS
 
A gestão da escola aprendente
A gestão da escola aprendenteA gestão da escola aprendente
A gestão da escola aprendente
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Revisão curricular
Revisão curricularRevisão curricular
Revisão curricular
 
Revisao Curricular
Revisao CurricularRevisao Curricular
Revisao Curricular
 
Ampliação do ensino fundamental para nove anos
Ampliação do ensino fundamental para nove anosAmpliação do ensino fundamental para nove anos
Ampliação do ensino fundamental para nove anos
 
PLANO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA UMA PROPOSTA DE FORTALECIMENTO DAS PRÁTICAS PEDA...
PLANO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA UMA PROPOSTA DE FORTALECIMENTO DAS PRÁTICAS PEDA...PLANO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA UMA PROPOSTA DE FORTALECIMENTO DAS PRÁTICAS PEDA...
PLANO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA UMA PROPOSTA DE FORTALECIMENTO DAS PRÁTICAS PEDA...
 
Programas De CorreçãO De Fluxo
Programas De CorreçãO De FluxoProgramas De CorreçãO De Fluxo
Programas De CorreçãO De Fluxo
 
Projeto de aceleração
Projeto de aceleraçãoProjeto de aceleração
Projeto de aceleração
 
Ampliação e f 9 anos
Ampliação e f 9 anosAmpliação e f 9 anos
Ampliação e f 9 anos
 
Bia
BiaBia
Bia
 
Programas Educacionais 2012
Programas Educacionais 2012Programas Educacionais 2012
Programas Educacionais 2012
 
Projeto Educativo - PÓLO Nº III DE PONTA D ´ÁGUA – A
Projeto Educativo - PÓLO Nº III DE PONTA D ´ÁGUA – AProjeto Educativo - PÓLO Nº III DE PONTA D ´ÁGUA – A
Projeto Educativo - PÓLO Nº III DE PONTA D ´ÁGUA – A
 
Ensino Fundamental de 9 anos
Ensino Fundamental de 9 anosEnsino Fundamental de 9 anos
Ensino Fundamental de 9 anos
 
Projeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro
Projeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de JaneiroProjeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro
Projeto Educativo - Pólo Educativo NºX de Palmarejo, Escola 13 de Janeiro
 
Se Liga e Acelera em Itabaiana
Se Liga e Acelera em ItabaianaSe Liga e Acelera em Itabaiana
Se Liga e Acelera em Itabaiana
 
Projeto Educativo - PÓLO EDUCATIVO XVIII DA ESCOLA BÁSICA DA VÁRZEA
Projeto Educativo - PÓLO EDUCATIVO XVIII DA ESCOLA BÁSICA DA VÁRZEAProjeto Educativo - PÓLO EDUCATIVO XVIII DA ESCOLA BÁSICA DA VÁRZEA
Projeto Educativo - PÓLO EDUCATIVO XVIII DA ESCOLA BÁSICA DA VÁRZEA
 

Semelhante a Aee 08 agr_abel_varzim_r

Aee 10 ag_cego_maio_r
Aee 10 ag_cego_maio_rAee 10 ag_cego_maio_r
Aee 10 ag_cego_maio_rddfdelfim
 
Aee ae francisco simões versão final
Aee ae francisco simões versão finalAee ae francisco simões versão final
Aee ae francisco simões versão finalIsabel Paulos
 
Doc2 relatório igec aee2012 ag cuba
Doc2 relatório igec aee2012 ag cubaDoc2 relatório igec aee2012 ag cuba
Doc2 relatório igec aee2012 ag cubamfcpestana
 
Modelo de Apresentação do Seminário
Modelo de Apresentação do SeminárioModelo de Apresentação do Seminário
Modelo de Apresentação do SeminárioMarcelle Pires
 
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdfPROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdfMarianaMoraesMathias
 
Agrupamento De Escolas De Valadares
Agrupamento De Escolas De ValadaresAgrupamento De Escolas De Valadares
Agrupamento De Escolas De Valadaresjsilva76
 
Pi reestruturado
Pi reestruturadoPi reestruturado
Pi reestruturadokarfrio
 
Relatório de avaliacao 2012-13 da Biblioteca Escolar Pedro Nunes,
Relatório de avaliacao 2012-13 da Biblioteca Escolar Pedro Nunes, Relatório de avaliacao 2012-13 da Biblioteca Escolar Pedro Nunes,
Relatório de avaliacao 2012-13 da Biblioteca Escolar Pedro Nunes, bepedronunes
 
Relatorio Autoavaliação da BE 2012 2013
Relatorio  Autoavaliação da BE 2012 2013Relatorio  Autoavaliação da BE 2012 2013
Relatorio Autoavaliação da BE 2012 2013BELidiaJorge
 
Power Point Reu Dt
Power Point Reu DtPower Point Reu Dt
Power Point Reu DtPaulina
 
Dossie2 celjs 2013
 Dossie2 celjs 2013 Dossie2 celjs 2013
Dossie2 celjs 2013cmevangelico
 
Paebes revista pedagogica-ch_3_em_2012
Paebes revista pedagogica-ch_3_em_2012Paebes revista pedagogica-ch_3_em_2012
Paebes revista pedagogica-ch_3_em_2012Eliton Meneses
 
Projeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico EscolarProjeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico EscolarLOCIMAR MASSALAI
 
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13bepedronunes
 
Doc9 dsea relatório final 12 13
Doc9 dsea relatório final 12 13Doc9 dsea relatório final 12 13
Doc9 dsea relatório final 12 13mfcpestana
 
Orientacoes 2020 2021 bom do ministerio tenho de ler
Orientacoes 2020 2021 bom do ministerio tenho de lerOrientacoes 2020 2021 bom do ministerio tenho de ler
Orientacoes 2020 2021 bom do ministerio tenho de lerpaulaoliveiraoliveir2
 

Semelhante a Aee 08 agr_abel_varzim_r (20)

Aee 10 ag_cego_maio_r
Aee 10 ag_cego_maio_rAee 10 ag_cego_maio_r
Aee 10 ag_cego_maio_r
 
Aees3ºceb anselmo andrade
Aees3ºceb anselmo andradeAees3ºceb anselmo andrade
Aees3ºceb anselmo andrade
 
Aee ae francisco simões versão final
Aee ae francisco simões versão finalAee ae francisco simões versão final
Aee ae francisco simões versão final
 
Aee 08 agr_elias_garcia_r
Aee 08 agr_elias_garcia_rAee 08 agr_elias_garcia_r
Aee 08 agr_elias_garcia_r
 
Doc2 relatório igec aee2012 ag cuba
Doc2 relatório igec aee2012 ag cubaDoc2 relatório igec aee2012 ag cuba
Doc2 relatório igec aee2012 ag cuba
 
Modelo de Apresentação do Seminário
Modelo de Apresentação do SeminárioModelo de Apresentação do Seminário
Modelo de Apresentação do Seminário
 
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdfPROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
PROGRAMA DE AÇÃO 2024 - MARIANA DA SILVA MORAES.pdf
 
Agrupamento De Escolas De Valadares
Agrupamento De Escolas De ValadaresAgrupamento De Escolas De Valadares
Agrupamento De Escolas De Valadares
 
Pi reestruturado
Pi reestruturadoPi reestruturado
Pi reestruturado
 
Relatório de avaliacao 2012-13 da Biblioteca Escolar Pedro Nunes,
Relatório de avaliacao 2012-13 da Biblioteca Escolar Pedro Nunes, Relatório de avaliacao 2012-13 da Biblioteca Escolar Pedro Nunes,
Relatório de avaliacao 2012-13 da Biblioteca Escolar Pedro Nunes,
 
2 relatdeaval2013-2014
2 relatdeaval2013-20142 relatdeaval2013-2014
2 relatdeaval2013-2014
 
Relatorio Autoavaliação da BE 2012 2013
Relatorio  Autoavaliação da BE 2012 2013Relatorio  Autoavaliação da BE 2012 2013
Relatorio Autoavaliação da BE 2012 2013
 
Power Point Reu Dt
Power Point Reu DtPower Point Reu Dt
Power Point Reu Dt
 
Dossie2 celjs 2013
 Dossie2 celjs 2013 Dossie2 celjs 2013
Dossie2 celjs 2013
 
Paebes revista pedagogica-ch_3_em_2012
Paebes revista pedagogica-ch_3_em_2012Paebes revista pedagogica-ch_3_em_2012
Paebes revista pedagogica-ch_3_em_2012
 
Projeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico EscolarProjeto Pedagógico Escolar
Projeto Pedagógico Escolar
 
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
 
Doc9 dsea relatório final 12 13
Doc9 dsea relatório final 12 13Doc9 dsea relatório final 12 13
Doc9 dsea relatório final 12 13
 
Orientacoes 2020 2021 bom do ministerio tenho de ler
Orientacoes 2020 2021 bom do ministerio tenho de lerOrientacoes 2020 2021 bom do ministerio tenho de ler
Orientacoes 2020 2021 bom do ministerio tenho de ler
 
Plano de Melhoria - TEIP3
Plano de Melhoria - TEIP3Plano de Melhoria - TEIP3
Plano de Melhoria - TEIP3
 

Mais de ddfdelfim

Nome do projeto
Nome do projetoNome do projeto
Nome do projetoddfdelfim
 
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_ddfdelfim
 
Maabe ige critica
Maabe ige criticaMaabe ige critica
Maabe ige criticaddfdelfim
 
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamentoO modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamentoddfdelfim
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]ddfdelfim
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]ddfdelfim
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)ddfdelfim
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010ddfdelfim
 

Mais de ddfdelfim (8)

Nome do projeto
Nome do projetoNome do projeto
Nome do projeto
 
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
 
Maabe ige critica
Maabe ige criticaMaabe ige critica
Maabe ige critica
 
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamentoO modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
 

Último

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 

Aee 08 agr_abel_varzim_r

  • 1. Datas da visita: 12 a 14 de Novembro de 2007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL VARZIM BARCELOS
  • 2. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 2 I – Introdução A Lei n.º 31/2002, de 20 de Dezembro, aprovou o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré- escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações gerais para a auto-avaliação e para a avaliação externa. Por sua vez, o programa do XVII Governo Constitucional estabeleceu o lançamento de um “programa nacional de avaliação das escolas básicas e secundárias que considere as dimensões fundamentais do seu trabalho”. Após a realização de uma fase piloto, da responsabilidade de um Grupo de Trabalho (Despacho conjunto n.º 370/2006, de 3 de Maio), a Senhora Ministra da Educação incumbiu a Inspecção-Geral da Educação de acolher e dar continuidade ao processo de avaliação externa das escolas. Neste sentido, apoiando-se no modelo construído e na experiência adquirida durante a fase piloto, a IGE está a desenvolver esta actividade, entretanto consignada como sua competência no Decreto Regulamentar n.º 81-B/2007, de 31 de Julho. O presente relatório expressa os resultados da avaliação externa do Agrupamento de Escolas Abel Varzim realizada pela equipa de avaliação que visitou o Agrupamento entre 12 e 14 de Novembro de 2007. Os capítulos do relatório ― caracterização do agrupamento/escola, conclusões da avaliação por domínio, avaliação por factor e considerações finais ― decorrem da análise dos documentos fundamentais do Agrupamento, da sua apresentação e da realização de entrevistas em painel. Espera-se que o processo de avaliação externa fomente a auto-avaliação e resulte numa oportunidade de melhoria para o Agrupamento, constituindo este relatório um instrumento de reflexão e de debate. De facto, ao identificar pontos fortes e pontos fracos, bem como oportunidades e constrangimentos, a avaliação externa oferece elementos para a construção ou o aperfeiçoamento de planos de melhoria e de desenvolvimento de cada escola, em articulação com a administração educativa e com a comunidade em que se insere. A equipa de avaliação externa congratula-se com a atitude de colaboração demonstrada pelas pessoas com quem interagiu na preparação e no decurso da avaliação. O texto integral deste relatório, bem como um eventual contraditório apresentado pelo Agrupamento, será oportunamente disponibilizado no sítio internet da IGE (www.ige.min-edu.pt). Escala de avaliação utilizada Níveis de classificação dos cinco domínios Muito Bom ― Predominam os pontos fortes, evidenciando uma regulação sistemática, com base em procedimentos explícitos, generalizados e eficazes. Apesar de alguns aspectos menos conseguidos, a organização mobiliza-se para o aperfeiçoamento contínuo e a sua acção tem proporcionado um impacto muito forte na melhoria dos resultados dos alunos. Bom ― Revela bastantes pontos fortes decorrentes de uma acção intencional e frequente, com base em procedimentos explícitos e eficazes. As actuações positivas são a norma, mas decorrem muitas vezes do empenho e da iniciativa individuais. As acções desenvolvidas têm proporcionado um impacto forte na melhoria dos resultados dos alunos. Suficiente ― Os pontos fortes e os pontos fracos equilibram-se, revelando uma acção com alguns aspectos positivos, mas pouco explícita e sistemática. As acções de aperfeiçoamento são pouco consistentes ao longo do tempo e envolvem áreas limitadas do agrupamento/escola. No entanto, essas acções têm um impacto positivo na melhoria dos resultados dos alunos. Insuficiente ― Os pontos fracos sobrepõem-se aos pontos fortes. Não demonstra uma prática coerente e não desenvolve suficientes acções positivas e coesas. A capacidade interna de melhoria é reduzida, podendo existir alguns aspectos positivos, mas pouco relevantes para o desempenho global. As acções desenvolvidas têm proporcionado um impacto limitado na melhoria dos resultados dos alunos.
  • 3. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 3 II – Caracterização do Agrupamento O Agrupamento de Escolas Abel Varzim distribui-se por nove freguesias do concelho de Barcelos onde predominam, como actividades económicas principais, a agricultura e a pequena indústria familiar. Este Agrupamento integra a Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Abel Varzim (EB 2,3), escola sede, oito Jardins-de-infância (JI) e onze Escolas Básicas do 1º ciclo (EB1) que funcionam em dezasseis edifícios de tipologias diferenciadas. Destes, quatro são JI, sete EB1, quatro EB1/JI e um corresponde à escola sede. O parque escolar afecto à educação pré-escolar e ao 1º ciclo denota a existência de algumas carências, das quais se destacam a inexistência de logradouros para recreio ou, noutros casos, a existência de espaço físico circundante sem qualquer tipo de infra- estrutura que preserve a segurança das crianças, aquando da sua utilização. A limitação das instalações escolares e a escassez de materiais didácticos adequados à criação de ambientes mais propícios às aprendizagens dos alunos, sobretudo nas escolas do 1º ciclo, têm-se revelado um factor perturbador para o melhor desenvolvimento das actividades curriculares. A EB 2,3 foi projectada para 24 turmas, pelo que a lotação actual de 31 turmas se situa bastante acima do inicialmente projectado. Nestas circunstâncias, os espaços para o ensino, salas comuns ou específicas estão totalmente ocupados, provocando uma sobre -utilização dos equipamentos e recursos. A escola passou a dispor, a partir deste ano lectivo, de um pavilhão polidesportivo construído de raiz que abre novas perspectivas para uma melhoria na prestação do serviço educativo, conquanto não se encontrem ainda asseguradas, por parte da autarquia, as condições de acessibilidade para todos os alunos do Agrupamento. Refira-se, neste âmbito, que a dispersão geográfica dos vários estabelecimentos, associada à falta de transporte regular para os alunos, dificulta a participação em actividades globais do Agrupamento e a partilha dos equipamentos instalados, sobretudo na escola sede. Esta dispõe de espaços adequados à sua oferta educativa com destaque para a biblioteca escolar que reúne vasta documentação em diferentes suportes de informação e se assume como uma aposta firme da escola na promoção dos hábitos de leitura e pesquisa. Em termos globais, o Agrupamento é frequentado por 1439 crianças /alunos distribuídos por 89 grupos/turmas (9 da educação pré-escolar; 78 do ensino básico regular; 2 dos cursos de educação e formação). O 1º ciclo do ensino básico é frequentado por 589 alunos agrupados em 49 turmas, cuja média de idades se situa em 6,10, para o 1º ano, 7,15, para o 2º ano, 8,13, para o 3º ano e 9,36 para o 4º ano. O 2º ciclo é frequentado por 286 alunos agrupados em 13 turmas, cuja média de idades se situa em 10,34, para o 5º ano e 11,51, para o 6º ano. O 3º ciclo é frequentado por 362 alunos, agrupados em 16 turmas, cuja média de idades se situa em 12,47, para o 7º ano, 13,36, para o 8º ano e 14,38, para o 9º ano. Neste nível de ensino existem, ainda, 2 cursos de educação e formação (CEF) que são frequentados por 40 alunos distribuídos por 2 turmas e cuja média de idades se situa nos 15,15 anos. É reduzido o número de alunos pertencente a outros grupos culturais e étnicos, sendo a maioria oriunda da etnia cigana. Decorrente dos dados caracterizadores no perfil do Agrupamento, verifica-se que o nível de carência económica dos agregados familiares dos alunos não é um dado negligenciável na medida em que 23% dos 1277 alunos do ensino básico usufruem de apoios socio-económicos. O capital cultural presente nas respectivas famílias é marcado pelo baixo nível de escolarização dos pais e encarregados de educação dado que 47% apresenta como habilitações o 2º ciclo do ensino básico, 25% o 1º ciclo, 6,7% o 3º ciclo e 3,2% o ensino secundário. Por outro lado, as profissões dominantes enquadram-se na categoria de trabalhadores não qualificados com 30,3% dos casos, 25,5% na categoria dos operadores de máquinas e trabalhadores da montagem, 19,8% são operários, artífices e trabalhadores similares, 9,0% são pessoal dos serviços e vendedores e 5,6%, são trabalhadores rurais. Especial relevância assume o facto de 80,5% dos alunos do ensino básico não terem, em casa, computador ligado à Internet. Este equipamento existe, apenas, em 7,2% dos casos; 12,2% dos alunos possuem computador sem ligação à Internet. Decorrente destes indicadores, existe a crença, largamente partilhada no Agrupamento, que as expectativas dos alunos e respectivas famílias são diminutas em relação à cultura escolar e que isto se reflecte no desempenho escolar dos alunos. Sobre o pessoal docente, verifica-se que 54% dos professores pertencem ao Quadro de Escola, 34,7% ao Quadro de Zona Pedagógica e 11,3% são Contratados. A sua experiência profissional situa-se, maioritariamente, acima dos 10 anos de serviço, sendo de relevar que 20,9% estão acima dos 20 anos de serviço. Estes indicadores, e considerando o regime de colocação plurianual, asseguram uma grande estabilidade do corpo docente.
  • 4. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 4 III – Conclusões da avaliação por domínio 1. Resultados Bom Tendo como referência o ano lectivo de 2006/2007, verifica-se que as taxas de sucesso académico nos 1º e 2º ciclos do ensino básico variam entre os 94% e o 100%. Porém, no 3º ciclo, estas taxas reduzem-se em cerca de dez pontos percentuais não obstante a sua evolução corresponder a uma tendência sustentada de melhoria nos últimos três anos. Por sua vez, a análise efectuada às classificações dos exames nacionais do 9º ano permite concluir que os resultados obtidos na disciplina de Língua Portuguesa evoluíram muito positivamente de 2006 para 2007, o que não se verificou na disciplina da Matemática, apesar de esta se manter em linha com a média nacional. Embora seja evidente uma aposta firme na monitorização dos resultados escolares e ainda que permaneça a convicção de que o espaço de melhoria dos resultados será conquistado num futuro próximo, regista-se que o Agrupamento não sustenta, por enquanto, práticas de comparabilidade dos seus resultados com os de outras organizações de características semelhantes ou da mesma região. A partilha de experiências não se traduz numa estratégia de melhoria contínua. Não são identificáveis, com clareza, os factores que mais directamente influenciam o sucesso ou o insucesso dos alunos. Regista-se, neste Agrupamento, a efectividade do trabalho em equipa por parte do corpo docente, a realização da avaliação diagnostica em algumas disciplinas e o acompanhamento permanente do percurso escolar dos alunos. O abandono escolar é praticamente inexistente, facto que resulta de uma política de prevenção e de intervenção junto dos alunos e da comunidade envolvente, com resultados muito positivos. Não obstante sentirem o peso das regras e o controlo sistemático do seu comportamento no espaço escolar, os alunos identificam-se com a sua escola, e com a segurança que esta lhes proporciona, e destacam, positivamente, o bom relacionamento existente com os seus professores e com os auxiliares de acção educativa. Não se registam incidentes disciplinares dignos de relevância. O clima é tranquilo e propício às aprendizagens. 2. Prestação do serviço educativo Bom Na prossecução das estratégias de acção definidas no projecto educativo, o Agrupamento tem vindo a construir progressivamente uma cultura de articulação e de trabalho em equipa como base de sustentação para atingir os objectivos definidos. Assim, a realização de reuniões de articulação curricular entre os diferentes níveis de educação ou ensino, bem como o trabalho cooperativo entre os grupos de docência e entre os departamentos curriculares são opções vincadamente assumidas pela organização e constituem um dos traços mais marcantes na prestação do serviço educativo. Ainda que se evidencie a falta de metas claras a alcançar no final de cada ano lectivo, pelo trabalho desenvolvido no seio de cada departamento curricular ou do conselho de docentes, é patente um empenho colectivo em prosseguir estratégias de melhoria que, na perspectiva dos professores, passam pela monitorização contínua dos resultados escolares e pelo reajuste das estratégias de acção definidas nos projectos curriculares de turma. É assumida a necessidade de permanente articulação e partilha de conhecimentos, experiências e recursos que ocorrem, também com grande significado, nos momentos informais. Por outro lado, a sequencialidade entre os diferentes ciclos de educação e ensino tem sido uma prioridade no seio do Agrupamento, embora resulte melhor afirmada entre a educação pré-escolar e os 1º e 2º ciclos. Esta evidência decorre da existência de reuniões entre os docentes titulares de turma do 4º ano e as equipas pedagógicas do 5º ano onde são analisadas as competências adquiridas pelos alunos nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática e onde se procede à elaboração conjunta de uma ficha de avaliação diagnostica. A sequencialidade entre os 2º e 3º ciclos não é expressiva no domínio das opções da escola. Todavia são promovidas estratégias organizativas que procuram garantir a continuidade do grupo turma na transição inter-ciclos e a constituição de equipas pedagógicas, tanto quanto possível, estáveis e reduzidas. No domínio da gestão pedagógica, são disponibilizados apoios educativos aos alunos que revelam dificuldades de aprendizagem e apoio ao estudo de forma a minimizar o défice de acompanhamento por parte das famílias com menor capital cultural. O acompanhamento e a supervisão da prática lectiva não se encontram assumidos pelos órgãos de gestão e administração muito embora se procure, dentro de cada departamento curricular, avaliar o grau de cumprimento dos conteúdos programáticos e a sua adequação ao ritmo de aprendizagem dos alunos. A par de outros projectos que procuram a valorização dos saberes e da aprendizagem, é o projecto de animação e divulgação da Biblioteca da EB 2,3 que está na primeira linha da valorização destes saberes dado que disponibiliza a informação em diferentes suportes, encontra-se aberta durante o horário lectivo e existe uma política bem definida de formação dos novos utilizadores (alunos do 5º ano).
  • 5. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 5 3. Organização e gestão escolar Bom As actividades do Agrupamento alinham com as prioridades inscritas no projecto educativo. Este documento estruturante incorpora as problemáticas decorrentes do processo de auto-avaliação e preconiza o envolvimento de todos os intervenientes no processo educativo, de modo a alcançar os objectivos propostos. As estratégias de acção orientam-se para o aprofundamento da articulação curricular entre o grupo de docentes e o departamento curricular, incidindo em metodologias de planificação interdisciplinar e de reflexão pedagógico-didáctica. Porém, não se encontram estabelecidas, para os resultados escolares, as metas a atingir no final do triénio, o que pode reduzir o comprometimento dos intervenientes e gorar as expectativas iniciais. O Conselho Executivo imprime rigor à organização e arranque do ano escolar encontrando-se bem definidos os critérios que presidem à elaboração dos horários dos alunos e à distribuição do serviço docente, incluindo a Área Projecto e o Estudo Acompanhado. Os directores de turma são, regra geral, seleccionados pelo seu perfil de liderança e experiência no desempenho do cargo. O relacionamento entre docentes e funcionários é saudável, existindo momentos de partilha e discussão sobre o funcionamento dos serviços e as melhorias a introduzir. O índice de satisfação com a gestão e o sentimento de pertença é positivo. O Agrupamento tem procurado, de forma reconhecida, o envolvimento dos pais na vida escolar, muito embora estes considerem que nem sempre este acompanhamento é efectivo, diminuindo à medida que o aluno progride nos anos de escolaridade. 4. Liderança Muito Bom O cruzamento de olhares sobre este domínio evidencia a capacidade de liderança deste Agrupamento, alicerçada numa estratégia que procura ser uma referência de qualidade, gestão, acolhimento e profissionalismo. Os mecanismos de identificação da comunidade escolar com esta liderança enfatizam a sua grande disponibilidade e proximidade, para ouvir e receber todos os que a procuram, o que favorece a construção quer de uma identidade colectiva, quer de um forte sentimento de pertença. A clareza das opções que traçam o caminho, o rumo imprimido ao funcionamento do Agrupamento e o empenho em resolver os problemas mais imediatos com equidade e justiça são factores mobilizadores para o corpo docente e para o aprofundamento do exercício das outras lideranças no Agrupamento. As parcerias com instituições sociais, empresas e outros parceiros locais são, por um lado, práticas de gestão que se orientam para a melhoria dos serviços prestados e, por outro, abrem o processo de decisão às opções dos actores locais, através do incentivo à participação, e à co-responsabilização, em função dos meios e resultados. Esta opção estratégica de abertura à mudança, de partilha e adequação de esforços com a comunidade envolvente para melhor enfrentar e resolver os problemas que se assumem como prioritários, está prevista no projecto educativo. As estruturas de orientação educativa e os órgãos de administração e gestão são envolvidos nos processos de decisão e na concretização de acções relacionadas com a organização em todas as áreas do funcionamento escolar. 5. Capacidade de auto-regulação e melhoria do agrupamento Muito Bom A capacidade de auto-regulação e de melhoria contínua do Agrupamento é consistente. A auto-avaliação é um processo, estruturado desde o ano lectivo de 2002/2003, aberto aos membros da comunidade educativa e serve como instrumento estratégico para a melhoria da organização. As metodologias basearam-se no inquérito por questionário, entrevista e análise documental. Os inquéritos foram aplicados a uma amostra representativa de alunos e pais/encarregados de educação e ao universo de docentes e não docentes do Agrupamento. Trata-se de um processo abrangente, dado que no ano lectivo de 2006/2007 foram analisados, por exemplo, os resultados escolares e a sua evolução nos últimos três anos, a eficácia dos apoios educativos em todos os anos de escolaridade, a articulação curricular, o Plano Anual de Actividades, o funcionamento global do Agrupamento, o clima e ambiente educativos, o cumprimento da escolaridade obrigatória e os apoios socio-económicos. Os resultados são analisados nos conselhos de docentes/departamentos curriculares e nos órgãos de administração e gestão, com o objectivo de traçar um plano de melhoria. É estreita a articulação entre o projecto educativo e o projecto de auto-avaliação dado que o primeiro, incorporando as problemáticas identificadas pelo segundo, propõe uma acção estratégica de melhoria a desenvolver pela organização num horizonte de três anos.
  • 6. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 6 Neste sentido, o Agrupamento conhece os seus pontos fracos, tem uma estratégia de melhoria para fazer face às dificuldades e revela capacidade para aproveitar as oportunidades que o contexto lhe oferece para melhorar a sua oferta educativa e o seu desempenho. Por outro lado, a qualidade das relações inter-pessoais, a abertura à comunidade e o desempenho da liderança são garantes de que realiza um progresso sustentado. IV – Avaliação por factor 1. Resultados 1.1 Sucesso académico Tendo como referência o ano de 2006/2007, verifica-se que as taxas de retenção registadas nos 1º e 2º ciclos do ensino básico oscilam entre os 0% e os 5,2%, atingindo a sua maior expressão no 2º ano, com 4,7%, e no 5º ano, com 5,2%. Porém, no 3º ciclo, estas taxas elevam-se para 15,4%, no 7º ano e 15,7%, no 8º ano, observando-se uma melhoria na taxa de retenção do 9º ano que desce para os 11,3%. A evolução dos resultados académicos regista uma tendência sustentada de melhoria nos últimos três anos. A taxa global de retenção no Agrupamento entre os anos de 2004/2005 e 2006/2007 diminuiu dos 10% para os 6,4%. No domínio dos resultados dos exames nacionais do 9.º ano, é de destacar que a classificação média em Português registou uma evolução positiva do ano 2006 para o ano 2007, em que se atingiram valores em linha com a média nacional e se observou a convergência entre a média da classificação interna e a média da classificação do exame. Na disciplina de Matemática, a média da classificação interna foi, nestes dois anos, superior à média da classificação do exame, muito embora esta se mantenha em linha com a média nacional. Na prova de aferição de Língua Portuguesa, do 4º ano de escolaridade, a taxa de sucesso foi de 56,6%, ligeiramente abaixo da média nacional (57,4%) e, em Matemática, a taxa de sucesso foi de 45,7%, abaixo da média nacional (56,6%). Na prova de aferição do 6º ano de escolaridade, a taxa de sucesso a Língua Portuguesa foi de 82,9%, ligeiramente abaixo da média nacional (83,4%), mas, em contrapartida, a taxa de sucesso a Matemática foi de 91%, acima da média nacional (85,2%). Não obstante os condicionalismos decorrentes do baixo capital cultural, do menor acompanhamento por parte das famílias e das taxas significativas de alunos carenciados, o Agrupamento evidencia uma acção concertada para a melhoria dos indicadores de sucesso. A educação pré-escolar funciona em articulação estreita com o 1º ciclo, onde os professores demonstram capacidade para trabalhar com mais do que um ano de escolaridade dentro da mesma turma, sem que isso represente um constrangimento para a obtenção de melhores resultados escolares. Os resultados são alvo de avaliação constante por parte dos departamentos curriculares/conselho de docentes, bem como dos conselhos executivo e pedagógico. A disponibilização dos apoios educativos às disciplinas de Português, Matemática e Inglês, a realização da avaliação diagnóstica em todos os anos de escolaridade, a sala de estudo e o apoio à leitura na Biblioteca, a aplicação de uma ficha global aos 5º, 7º e 8º anos de escolaridade nos dias em que decorrem os exames nacionais para o 9º ano, são exemplos da determinação com que se trabalha para a sustentação dos patamares de melhoria já alcançados e para a sua progressão. Fruto de uma acção de prevenção junto dos alunos e das respectivas famílias conjugada com novas ofertas curriculares, o abandono escolar é praticamente inexistente, o que denota a eficácia das estratégias implementadas pelo Agrupamento. 1.2 Participação e desenvolvimento cívico O envolvimento dos alunos nas actividades da escola decorre, fundamentalmente, do cumprimento do Plano anual de actividades e do projecto curricular de turma. As actividades que motivam um maior envolvimento dos alunos são a Feira Verde, a Comunhão Pascal, os tapetes florais, os torneios de futebol, entre outras. Na perspectiva dos pais e encarregados de educação, os alunos identificam-se com a sua escola, sentem-se seguros e participam nas actividades que lhes são propostas. Pela centralidade que assume na dinâmica da vida escolar, a Biblioteca da EB2,3 é uma valência promotora da participação e desenvolvimento cívico dos alunos através da apresentação e exposição de trabalhos das turmas ao longo do ano lectivo e dos concursos permanentes, por exemplo, “O Detective” que envolve pesquisa bibliográfica, e a “Hora do conto infantil” que promove a participação das crianças da educação pré-escolar e dos alunos da educação especial que frequentam os currículos alternativos. Também a Revista Abel Varzim Magazine é um projecto aberto a todos os alunos do Agrupamento que integra trabalhos de crianças da educação pré-escolar e do 1º ciclo. Porém os alunos ainda sentem a falta de actividades ou projectos que os possam envolver de forma mais activa e dinâmica e de um maior acompanhamento dos professores para as actividades que os alunos propõem. De igual modo, destacam como factor positivo a limpeza dos espaços da escola e a importância do projecto
  • 7. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 7 “ECOS” na sensibilização dos alunos mais novos. Por outro lado, regista-se a inexistência de estratégias formativas junto das turmas, no sentido de criar significados para o papel da liderança e da representatividade dos respectivos delegados. 1.3 Comportamento e disciplina De uma forma geral, os alunos são disciplinados e os seus comportamentos incorrectos são ocasionais, não suscitando preocupações junto do corpo docente e dos representantes da comunidade educativa. Quando se verifica algum comportamento incorrecto é o director de turma que recebe a respectiva participação e a comunica, de imediato, aos pais, dado ser este um procedimento obrigatório. Os alunos sentem o peso das regras e do controlo dentro do espaço escolar, sendo estas temáticas abordadas na área de Formação Cívica. Todavia, a EB 2,3 tem desenvolvido acções de sensibilização junto dos alunos, no sentido de melhorar o comportamento cívico em contexto escolar. A introdução do cartão electrónico é um exemplo de como a escola pretende responsabilizar os alunos na utilização dos serviços que coloca à sua disposição, podendo, posteriormente, fornecer aos pais, caso a solicitem, a informação daí decorrente. 1.4 Valorização e impacto das aprendizagens Através da concretização do Plano anual de actividades, o Agrupamento procura a estimulação e a valorização das aprendizagens e dos saberes nas diferentes áreas do currículo. A iniciação à utilização das tecnologias de informação e comunicação, recorrendo à Internet como ferramenta da aprendizagem no 1º ciclo, é um exemplo desta valorização. Assim, o Agrupamento estrutura a sua acção procurando ir ao encontro aos alunos, aos professores, às famílias e ao meio social envolvente. Aos alunos, pela diversidade das ofertas curriculares e de complemento curricular; aos professores, pela aplicação de questionários no sentido de avaliar os aspectos positivos e negativos da sua prática pedagógica e do funcionamento dos órgãos de gestão e das estruturas de orientação educativa; às famílias, pela oferta da componente de apoio à família na educação pré-escolar, pelo contacto permanente com os directores de turma em horas ajustadas às suas necessidades e pela participação na vida escolar em convívios e datas festivas; ao meio social pela criação de cursos de alfabetização em parceria com o Centro Social Abel Varzim e pela criação de um Curso de Educação e Formação de Adultos para conclusão do 6º ano de escolaridade. Destaque, ainda, para os protocolos de cooperação com empresas da região que visam o desenvolvimento da componente vocacional dos alunos com currículo escolar alternativo. Por outro lado, a orientação vocacional para os alunos do 9º ano é um exemplo de como a escola procura a sua valorização, e a promoção de outros percursos escolares que se abrem no final do ensino básico. 2. Prestação do serviço educativo 2.1 Articulação e sequencialidade Decorrente das prioridades estabelecidas no projecto educativo, o Agrupamento delineou algumas estratégias de acção, por exemplo, a realização de reuniões mensais ou trimestrais de articulação curricular entre todos os níveis de educação e ensino que envolvem os grupos disciplinares, os departamentos curriculares e os conselhos de docentes. Esta evidência decorre, por exemplo, da existência de reuniões entre os docentes titulares de turma do 4º ano e as equipas pedagógicas do 5º ano onde são analisadas as competências adquiridas pelos alunos nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática e onde se procede à elaboração conjunta de uma ficha de avaliação diagnostica. É prática do Agrupamento, no início de cada ano lectivo, a realização desta modalidade de avaliação nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática do 5º ano de escolaridade e, no 7º ano, na disciplina de Inglês. Os relatórios dos resultados da avaliação diagnóstica são, posteriormente, analisados pelo Conselho Pedagógico, pelos departamentos curriculares e por equipas de trabalho interciclos, que definem as estratégias comuns de actuação para a melhoria dos resultados. No conselho de docentes do 1º ciclo, prepara-se a realização conjunta de fichas de avaliação aferida para os quatro anos de escolaridade a aplicar no final de cada período lectivo. Neste sentido, a sequencialidade entre a educação pré-escolar e os 1º e 2º ciclos é um propósito explícito no Agrupamento. A sequencialidade entre os 2º e 3º ciclos não é expressiva no domínio das opções da escola. Todavia, são promovidas estratégias organizativas que procuram garantir a continuidade do grupo turma na transição interciclos e a constituição de equipas pedagógicas, tanto quanto possível, estáveis e reduzidas.
  • 8. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 8 2.2 Acompanhamento da prática lectiva em sala de aula A supervisão pedagógica das actividades e a monitorização dos resultados académicos são asseguradas, fundamentalmente, pelos coordenadores das diversas estruturas de orientação educativa, em articulação com os conselhos executivo e pedagógico. A elaboração dos relatórios periódicos de execução das actividades e do cumprimento das planificações curriculares constitui um exemplo do acompanhamento realizado a este nível. Todavia, o acompanhamento da prática lectiva não se encontra assumido pelos órgãos de gestão e administração do Agrupamento. Os docentes dispõem, da parte do conselho executivo, dos coordenadores das diversas estruturas assim como dos seus próprios pares, de apoio na resolução de eventuais problemas ou dificuldades, que possam sentir nos domínios pedagógico, relacional ou organizacional. Os alunos quando ouvidos não reconhecem empenho nem qualidade ao trabalho dos professores que leccionam as aulas de substituição, nem vislumbram qualquer vantagem para a melhoria do seu desempenho escolar na medida em que, na generalidade dos casos, o professor substituto não é da mesma área curricular. Neste sentido, não se garante o aproveitamento das aulas de substituição para promover o ensino e o treino de estratégias de aprendizagem. Os docentes procuram adequar os testes e classificações a partir da realização das fichas de avaliação diagnóstica feita nas disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática e Inglês. No domínio da formação, regista-se o facto de 29 docentes terem frequentado, no ano de 2007, acções de formação contínua. 2.3 Diferenciação e apoios A resposta às necessidades educativas de cada aluno é uma preocupação dos profissionais que trabalham no Agrupamento. Para garantir que todos os alunos, a quem sejam diagnosticadas dificuldades acentuadas de aprendizagem, usufruam de apoio educativo, a organização dos horários das turmas dos 2º e 3º ciclos contempla a possibilidade da introdução desses tempos. Estes apoios que visam a superação de dificuldades de aprendizagem são dados nas disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática e Inglês. O Agrupamento, por sua iniciativa e fruto de um trabalho empenhado junto dos alunos de etnia cigana que residem na sua área de abrangência tem promovido, com sucesso, a integração de alguns alunos provenientes de dois acampamentos desta etnia. O Agrupamento conta com um número significativo de alunos sinalizados com necessidades educativas especiais, apesar da limitação dos recursos humanos especializados para prestar o apoio mais indicado a cada caso, Para minimizar este constrangimento, os professores dos apoios educativos relevam a colaboração que tem tido por parte dos docentes, sobretudo dos 1º e 2º ciclos, em prol da melhoria deste serviço. 2.4 Abrangência do currículo e valorização dos saberes e da aprendizagem Para os professores, os projectos curriculares das turmas são documentos estruturantes de planificação e articulação pedagógica e cujo valor reconhecem e respeitam. Porém, os alunos gostariam de ter aulas mais dinâmicas, criativas e motivadoras, com recurso a outras ferramentas de aprendizagem, para além do tradicional manual escolar. Juntamente com outros, o projecto de animação e divulgação da Biblioteca da EB 2,3 está na primeira linha da valorização dos saberes e da aprendizagem dado que se encontra aberta durante o horário lectivo e existe uma política bem definida de formação dos novos utilizadores (alunos do 5º ano). Os professores de Estudo Acompanhado destas turmas conduzem os alunos à Biblioteca onde lhes são dadas a conhecer as regras de utilização do espaço e dos recursos, de modo a incutir-lhes hábitos da leitura, da escrita e da investigação. O “Baú dos livros escolares” é um exemplo de biblioteca itinerante que pode ser requisitada por qualquer escola do Agrupamento, e ilustra a forma de promover os hábitos de leitura em todo o Agrupamento. O projecto “Educação para a Saúde” também se prende com a valorização das aprendizagens, na medida em que contribui para a aquisição de competências das crianças e dos jovens, permitindo-lhes escolhas individuais, conscientes e responsáveis. A promoção da educação para a saúde na escola tem como missão criar ambientes facilitadores dessas escolhas e estimular o espírito crítico para o exercício de uma cidadania activa. 3. Organização e gestão escolar 3.1 Concepção, planeamento e desenvolvimento da actividade O envolvimento de todos os intervenientes no processo educativo, preconizado nas prioridades inscritas no projecto educativo, está contemplado nas actividades do Agrupamento. As estratégias de acção orientam-se para o
  • 9. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 9 aprofundamento da articulação curricular ao nível dos departamentos curriculares e dos grupos de docentes, incidindo em metodologias de planificação interdisciplinar e de reflexão didáctica. O Conselho Executivo imprime rigor à organização e arranque do ano escolar encontrando-se bem definidos os critérios que presidem à elaboração dos horários dos alunos e à distribuição do serviço docente, incluindo a Área de Projecto e o Estudo Acompanhado. Os horários dos alunos contemplam, tanto quanto possível, quer a alternância de disciplinas teóricas e práticas, quer a equidade ao nível de tempos para todas as turmas de cada ciclo. O que se pretende é que a distribuição dos tempos lectivos semanais seja uniforme em todas as turmas do mesmo ano e que o intervalo para o almoço seja igual para todos os alunos. O projecto curricular do Agrupamento não se apresenta como documento único pois desdobra-se num projecto para o 1º ciclo e num outro para os 2º e 3º ciclos, o que os professores justificam pela diferença organizativa inerente a cada um dos ciclos. Na perspectiva dos docentes do 1º ciclo, a articulação com os professores das Actividades de Enriquecimento Curricular tem sido a mais problemática, sobretudo após as 15h 30m, dada a falta de pessoal auxiliar para proceder, no final do dia escolar, à limpeza das salas. Reafirma-se a inexistência de espaços adequados para se promover, nas melhores condições, estas actividades. A planificação do trabalho a desenvolver pelos docentes concretiza-se, na elaboração do projecto curricular de turma, entendido, pelos professores, como um documento que facilita a criação de equipas de trabalho, bem como a uniformização de procedimentos e a sequencialidade do trabalho com cada turma. Ainda que o projecto educativo não identifique as metas para a redução do insucesso escolar, os professores sentem a necessidade de trabalhar com essa orientação e assumem que a preparação dos alunos para a avaliação aferida e para os exames nacionais se assume como um dos seus maiores desafios. 3.2 Gestão dos recursos humanos Os critérios para a distribuição do serviço docente são aprovados pelo Conselho Pedagógico. Na opinião do Conselho Executivo, a estabilidade que decorre da colocação plurianual dos professores torna possível a continuidade do trabalho pedagógico com as mesmas turmas e a manutenção de projectos que constituem apostas firmes do Agrupamento. O objectivo é a constituição de equipas pedagógicas estáveis e reduzidas. A distribuição das direcções de turma tem em conta o perfil de liderança e a experiência no desempenho do cargo. Os níveis de assiduidade são avaliados como positivos tanto do corpo docente como do pessoal auxiliar. Para colmatar eventuais ausências dos docentes, a EB 2,3 implementou o funcionamento da sala de estudo, o clube das ciências exactas, a biblioteca escolar, bem como o acompanhamento dos alunos em sala de aula e permutas de aulas entre docentes do conselho de turma. Porém, a excelência das relações interpessoais, o empenhamento evidenciado pelo corpo docente e não docente e a flexibilidade para contornar as limitações decorrentes da falta de pessoal auxiliar, sem prejuízo evidente para o normal funcionamento dos serviços, atestam a capacidade para gerir, com eficácia, os recursos humanos existentes no Agrupamento. 3.3 Gestão dos recursos materiais e financeiros No domínio das instalações escolares, o Agrupamento debate-se com a insuficiência de espaços, com repercussão directa nas actividades realizadas em todas as escolas que o integram. Todavia, o parque escolar afecto à educação pré-escolar e ao 1º ciclo tem vindo a receber melhorias graduais por parte da autarquia, sem que estejam, ainda, reunidas as condições desejáveis para a prestação de um melhor serviço educativo. No 1º ciclo, sentem-se carências ao nível dos equipamentos e materiais didácticos que são responsabilidade da autarquia; na escola sede, o parque informático apresenta limitações face à elevada procura. As receitas próprias do orçamento da escola são canalizadas para a aquisição de equipamentos e materiais didácticos, bem como para a dinamização de projectos. Por outro lado, a escola tem procurado junto da comunidade local, a comparticipação em projectos de modernização das instalações, por exemplo, a informatização do acesso aos serviços com a introdução do cartão magnético na escola sede. As associações de pais, existentes na maioria dos estabelecimentos do Agrupamento, são parceiros privilegiados, comparticipando no financiamento de alguns projectos e minimizando, assim, os constrangimentos decorrentes do financiamento da autarquia. 3.4 Participação dos pais e outros elementos da comunidade educativa A comunicação com as famílias é feita de forma sistemática e por diversos meios formais (caderneta do aluno, brochuras de informação), ou informais (contactos pessoais). A presença dos pais e encarregados de educação nos órgãos de administração e gestão constitui uma oportunidade de participar activamente na vida da escola, ainda que os níveis de participação dos pais (não
  • 10. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 10 representados numa única associação) não seja uniforme em todos os ciclos. Verifica-se uma participação mais efectiva na educação pré-escolar e no 1º ciclo e uma maior ausência nos 2º e 3º ciclos. Por outro lado, a sua presença nas reuniões dos conselhos de turma/conselho de docentes, assim como a realização de reuniões periódicas são medidas concretas que apelam à sua participação, aliás, de acordo com existência de um horário semanal de atendimento flexibilizado pelos professores. Não obstante o esforço da escola, os pais reconhecem e assumem o défice da sua participação, sobretudo na EB 2,3 e identificam que esta é uma das áreas que necessitam de melhorar. 3.5 Equidade e justiça Por parte da escola e dos seus órgãos de gestão, há uma actuação orientada para a equidade e justiça no tratamento dos alunos, facto que é sublinhado pelos seus responsáveis e partilhado pelo corpo docente, não docente e pais/encarregados de educação. Os alunos consideram, por outro lado, que a avaliação se faz com justiça e que não sentem qualquer diferença de tratamento no espaço escolar. Releva-se a grande disponibilidade para a integração dos alunos provenientes da etnia cigana, localizados e trazidos à escola por iniciativa do próprio Agrupamento, e para a integração dos alunos provenientes de um Centro de Acolhimento temporário para crianças em risco, que se situa na zona de influência do Agrupamento. Mais do que receios, os professores afirmam ter expectativas positivas em relação a estes alunos. São feitas reuniões prévias com os técnicos deste Centro para preparar essa integração. Neste sentido, é evidente a existência de uma política bem definida para o acompanhamento, valorização e encaminhamento dos alunos com mais dificuldades de adaptação à escola e/ou com situações familiares desagregadas ou mais desfavorecidas. 4. Liderança 4.1 Visão e estratégia A visão estratégica do Agrupamento filia-se na temática do seu projecto educativo “Interagir para melhor servir”, que assume o diagnóstico decorrente da auto-avaliação. As opções pretendem ir ao encontro dos desafios da mudança e da abertura do processo de decisão aos actores locais. É nesta articulação que o Agrupamento tem encontrado as melhores respostas para servir a sua comunidade, tendo como propósito melhorar os serviços escolares, concretamente na área da componente do apoio à família, no serviço de refeições e transporte dos alunos, nas actividades de enriquecimento curricular para o 1º ciclo, através da construção de uma rede de parcerias com as instituições locais. Da agenda escolar e para um futuro próximo, em colaboração com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, faz parte o alargamento do leque de ofertas curriculares, com cursos de educação e formação para o ensino básico, cursos de educação e formação de adultos, cursos de alfabetização para a comunidade local e ainda o ensino secundário nocturno. É de salientar que tal colaboração já existe na prática, pois a EB 2,3 é uma escola UNIVA – Unidade de Inserção na Vida Activa – o que lhe confere um papel de parceiro privilegiado no diálogo com as empresas e acrescenta competências no domínio dessa articulação. 4.2 Motivação e empenho Os múltiplos olhares sobre a organização e o seu funcionamento sublinham a identificação da comunidade escolar com a liderança do Agrupamento, cujo traço mais marcante é a disponibilidade para ouvir e receber todos os que a procuram, o que favorece a construção quer de uma identidade colectiva, quer de um forte sentimento de pertença. É praticada uma gestão rigorosa nos domínios da organização do ano lectivo e dos recursos humanos e materiais. A acção educativa orienta-se, com determinação, para o trabalho em equipa e para o comprometimento e responsabilidade dos diferentes órgãos e estruturas de orientação educativa. A clareza das opções traçadas pelo Conselho Executivo, o rumo imprimido ao funcionamento da escola e o empenho em resolver os problemas com equidade e justiça são factores mobilizadores do corpo docente e para o aprofundamento do exercício das outras lideranças. A Assembleia do Agrupamento articula-se, de forma muito estreita, com o Conselho Executivo, conquanto não tenha sido perceptível o seu papel de liderança na articulação com a comunidade educativa.
  • 11. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 11 4.3 Abertura à inovação Pela rede alargada de protocolos e parcerias com instituições externas, e nas mais diferentes áreas, o Agrupamento mostra-se aberto à inovação. Uma dessas áreas é a das tecnologias de informação e comunicação, sendo de registar a utilização do quadro electrónico como recurso didáctico, ainda que limitado a uma sala de aula, o sítio da escola na Internet, e a produção de conteúdos educativos. Neste domínio, a Escola apresentou um projecto designado “Abel Varzim on-line” que mereceu o apoio do Ministério da Educação para a produção de conteúdos educativos em CD-ROM. Uma outra área de inovação diz respeito às novas ofertas curriculares que estão neste momento a ser equacionadas, incluindo as que são proporcionadas pelo programa Novas Oportunidades, como estratégia de aumentar a escolarização dos alunos, dos seus encarregados de educação e de outros elementos da comunidade. 4.4 Parcerias, protocolos e projectos Para a concretização da componente vocacional dos alunos com necessidades educativas especiais e para a prestação dos serviços de apoio à família, refeições e transportes, o Agrupamento instituiu uma rede de parcerias com Centros Sociais da comunidade, Juntas de Freguesia, associações de pais e empresas de comércio e serviços, para a prestação destas componentes. De igual modo foram celebrados, com a autarquia local, protocolos de cooperação, com vista ao financiamento da educação pré-escolar e do 1º ciclo. O Agrupamento apresenta um elevado dinamismo tanto no desenvolvimento de projectos, quanto na angariação de apoios externos para a sua concretização. Encontra-se nesta linha, um protocolo com uma instituição bancária que visa apoiar o Agrupamento na realização de ciclos de debate, conferências, sessões de formação ou outras de cariz académico. No domínio da participação em programas, destaca-se o Projecto de Educação para a Saúde, a Rede de Bibliotecas Escolares, o Plano de Acção da Matemática ou o Plano Nacional de Leitura. 5. Capacidade de auto-regulação e melhoria do agrupamento 5.1 Auto-avaliação Iniciado no ano lectivo de 2002/2003, o projecto de auto-avaliação do desempenho organizacional e de melhoria do Agrupamento é consistente. Trata-se de um processo orientado por uma Comissão que integra docentes, não docentes, alunos e encarregados de educação representantes dos diferentes níveis de ensino. A metodologia para recolha de informação recorre tanto ao inquérito por questionário aos alunos, pais, pessoal docente e não docente, quanto ao inquérito por entrevista e à análise documental. Os domínios em que incide a avaliação abrangem os resultados escolares e sua evolução nos últimos três anos, a articulação curricular, o Plano anual de actividades, o funcionamento global do Agrupamento, o clima e ambiente educativo, o cumprimento da escolaridade obrigatória e a acção social escolar. Todos os dados são objecto de tratamento estatístico visando a construção de planos de melhoria para que a organização reflicta sobre os resultados obtidos e os processos que lhe estão subjacentes. Neste sentido, o Agrupamento conhece os seus pontos fracos, tem uma estratégia de melhoria para fazer face às dificuldades e revela capacidade para aproveitar as oportunidades que o contexto lhe oferece para melhorar a sua oferta educativa e o seu desempenho. O projecto educativo e o projecto de auto- avaliação apresentam-se articulados entre si, dado que o primeiro, incorporando as problemáticas identificadas pelo segundo, propõe uma acção estratégica de melhoria a desenvolver pela organização num horizonte de três anos. 5.2 Sustentabilidade do progresso A progressiva melhoria dos resultados escolares, a estabilidade e motivação dos educadores e professores, a qualidade do clima e da relação com a comunidade e as dinâmicas de liderança evidenciam que o Agrupamento tem vindo a realizar um progresso sustentado. A organização conhece os seus pontos fracos mas revela capacidade para ultrapassar as dificuldades e para aproveitar as oportunidades que o contexto lhe oferece. Evidencia-se a capacidade para incrementar a sua autonomia na gestão dos recursos, no planeamento das actividades educativas e na organização escolar. A linha de rumo face ao futuro passa pela melhoria da sua oferta educativa e do seu desempenho nos diferentes domínios que orientam a sua acção.
  • 12. Relatório de Avaliação Externa Agrupamento de Escolas Abel Varzim, Barcelos 12 a 14 de Novembro de 2007 12 V – Considerações finais Apresenta-se, de seguida, uma síntese dos atributos do Agrupamento (pontos fortes e pontos fracos) e das condições de desenvolvimento da sua actividade (oportunidades e constrangimentos) que poderá orientar a sua estratégia de melhoria. Neste âmbito, entende-se por ponto forte: atributo da organização que ajuda a alcançar os seus objectivos; ponto fraco: atributo da organização que prejudica o cumprimento dos seus objectivos; oportunidade: condição externa à organização que poderá ajudar a alcançar os seus objectivos; constrangimento: condição externa à organização que poderá prejudicar o cumprimento dos seus objectivos. Todos os tópicos seguidamente identificados foram objecto de uma abordagem mais detalhada ao longo deste relatório. Pontos fortes a qualidade da liderança protagonizada pelo Conselho Executivo; a forte ligação à comunidade através do estabelecimento de protocolos e parcerias; a capacidade de auto-regulação e de melhoria contínua; a aposta firme em diferentes ofertas curriculares; a promoção de políticas activas de inclusão escolar a sequencialidade entre a educação pré-escolar, o 1º e o 2º ciclos; a forte determinação para a partilha e para o trabalho em equipa. Pontos fracos o parque escolar envelhecido e menos adequado, por insuficiência das instalações, às actuais exigências curriculares; o menor aproveitamento das aulas de substituição para promover o ensino e o treino de estratégias de aprendizagem; a insuficiência de pessoal auxiliar nas escolas do 1º ciclo face ao alargamento dos horários de funcionamento destes estabelecimentos de ensino; a inexistência de práticas de comparabilidade dos resultados académicos com os de outros agrupamentos da região com características semelhantes; a inexistência de um acompanhamento efectivo da prática lectiva em sala de aula; o menor envolvimento dos pais no percurso escolar dos alunos, sobretudo, nos 2º e 3º ciclos. Oportunidades a receptividade das instituições locais para colaborar na melhoria dos serviços educativos prestados pelo Agrupamento e na procura de novas iniciativas tendentes à valorização das aprendizagens; as parcerias com o Instituto de Emprego e Formação Profissional e com o Centro Social Abel Varzim na identificação e reforço de novas ofertas de formação. Constrangimentos a fragilidade do tecido económico e o eventual crescimento do desemprego na área de influência do Agrupamento pode vir a aumentar os níveis de carência económica dos agregados familiares e condicionar a melhoria sustentada dos resultados escolares, ambicionada pelo Agrupamento; o menor investimento da autarquia na remodelação e ampliação dos jardins de infância e escolas do 1º ciclo podem condicionar a valorização das aprendizagens das crianças e o desenvolvimento das actividades de enriquecimento curricular.