SlideShare uma empresa Scribd logo
Plano Anual de Actividades das BE’s do Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio – Ano lectivo 2010/11
IGE – Inspecção Geral da Educação MAABE
Quadro de referência para a avaliação de escolas e agrupamentos Quadro de referência para avaliação das BE’s
0
de Avaliação Externa
Relatórios
Análise crítica
Agrupamento Vertical
de Escolas Cego do Maio
Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE
IGE – Inspecção
Geral da Educação
Agrupamento de Escolas Abel Varzim
(Barcelos) – 2007
Agrupamento de Escolas António
Correia de Oliveira (Esposende) – 2008
Agrupamento Vertical de Escolas Cego
do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010
1
Delfim Fernandes (Novembro 2010)
I – Introdução Sem referências Sem referências Sem referências
II – Caracterização do
Agrupamento
(…) dispõe de espaços adequados à sua
oferta educativa com destaque para a
biblioteca escolar que reúne vasta
documentação em diferentes suportes de
informação e se assume como uma aposta
firme da escola na promoção dos hábitos de
leitura e pesquisa.
A Escola sede desenvolve as suas
actividades em cinco blocos
diferenciados, garantindo o
funcionamento continuo das suas
valências, entre as 8,30 e as 16,35 horas
(reprografia, papelaria, serviços
administrativos, bar e biblioteca).
Sem referências
Análise Crítica de três Relatórios da Avaliação Externa das Escolas (IGE) e suas referências às BE’s
A amostra seleccionada é constituída por relatórios de três Agrupamentos de Escolas da Região Norte, nomeadamente o Agrupamento de Escolas Abel
Varzim (Barcelos), de Novembro de 2007, o Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende), de Novembro de 2008, e o Agrupamento Vertical
de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim), de Janeiro de 2010.
A escolha destas escolas não foi ao acaso: a primeira escolhi-a por ser a da minha terra de origem; a segunda, porque nela trabalhei, tendo criado a Biblioteca
Escolar, e a terceira por ser a escola onde estou a trabalhar.
Passemos à análise das referências às Bibliotecas Escolares (BE) nos relatórios de Avaliação Externa da Inspecção Geral de Educação (IGE).
IGE – Inspecção
Geral da Educação
Agrupamento de Escolas Abel Varzim
(Barcelos) – 2007
Agrupamento de Escolas António
Correia de Oliveira (Esposende) – 2008
Agrupamento Vertical de Escolas Cego
do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010
Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE
IGE – Inspecção
Geral da Educação
Agrupamento de Escolas Abel Varzim
(Barcelos) – 2007
Agrupamento de Escolas António
Correia de Oliveira (Esposende) – 2008
Agrupamento Vertical de Escolas Cego
do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010
2
Delfim Fernandes (Novembro 2010)
III – Conclusões da Avaliação por Domínio
1.Resultados Sem referências Sem referências Sem referências
2. Prestação do serviço
educativo
2.4. Abrangência do currículo e
valorização dos saberes e da
aprendizagem
O projecto de animação e divulgação da
Biblioteca da EB 2,3 está na primeira linha
da valorização dos saberes e da
aprendizagem dado que se encontra aberta
durante o horário lectivo e existe uma
política bem definida de formação dos
novos utilizadores (alunos do 5° ano). Os
professores de Estudo Acompanhado destas
turmas conduzem os alunos à Biblioteca
(…) de modo a incutir-lhes hábitos da
leitura, da escrita e da investigação, O “Baú
dos livros escolares” é um exemplo de
biblioteca itinerante (…).
Sem referências
O Agrupamento desenvolve diversos
projectos a nível local e nacional que
potenciam a formação integral dos alunos,
nomeadamente a nível das componentes
culturais, sociais, artísticas, ambientais e
desportivas. Neste âmbito é de destacar o
trabalho desenvolvido nos clubes existentes
e na Biblioteca Escolar/Centro de
Recursos Educativos.
3. Organização e gestão
escolar
3.2. Gestão dos recursos humanos
Para colmatar eventuais ausências dos
docentes, a EB 2,3 implementou o
funcionamento da sala de estudo, o clube
das ciências exactas, a biblioteca escolar…
Sem referências Sem referências
4. Liderança Sem referências Sem referências Sem referências
5. Capacidade de auto-
regulação e melhoria
do Agrupamento
Sem referências Sem referências Sem referências
Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE
IGE – Inspecção
Geral da Educação
Agrupamento de Escolas Abel Varzim
(Barcelos) – 2007
Agrupamento de Escolas António
Correia de Oliveira (Esposende) – 2008
Agrupamento Vertical de Escolas Cego
do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010
3
Delfim Fernandes (Novembro 2010)
IV – Avaliação por Factor
1. Resultados
1.1.Sucesso Académico
(…) a sala de estudo e o apoio à leitura na
Biblioteca (…)
1.2.Participação e Desenvolvimento
Cívico
(…) a Biblioteca da EB2,3 é uma valência
promotora da participação e
desenvolvimento cívico dos alunos através
da apresentação e exposição de trabalhos
das turmas ao longo do ano lectivo e dos
concursos permanentes (…) a “Hora do
conto infantil” que promove a participação
das crianças da educação pré-escolar e dos
alunos da educação especial (…).
Sem referências
1.4. Valorização e impacto das
aprendizagens
As frequentes exposições temáticas e outras
formas de divulgação dos trabalhos dos
alunos, nomeadamente no Jornal Mar de
Letras (…)
2. Prestação do serviço
educativo
2.4. Abrangência do currículo e
valorização dos saberes e da
aprendizagem
(…) juntamente com outros, o projecto de
animação e divulgação da Biblioteca da EB
2,3 está na primeira linha da valorização
dos saberes e da aprendizagem dado que se
encontra aberta durante o horário lectivo e
existe uma política bem definida de
formação dos novos utilizadores (alunos do
5° ano). Os professores (…) conduzem os
alunos à Biblioteca onde lhes são dadas a
conhecer as regras de utilização do espaço e
dos recursos (…). O “Baú dos livros
escolares” é um exemplo de biblioteca
itinerante (…).
Sem referências
2.4. Abrangência do currículo e
valorização dos saberes e da
aprendizagem
O Agrupamento valoriza as dimensões
artísticas, culturais, ambientais, desportivas
e sociais através da promoção de diferentes
acções e projectos desenvolvidos pelos
diferentes órgãos e estruturas de
coordenação e supervisão, individualmente
ou em parceria com instituições da região.
Neste âmbito, são de destacar os clubes
(…) a dinamização da Biblioteca Escolar/
Centro de Recursos Educativos (…)
Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE
IGE – Inspecção
Geral da Educação
Agrupamento de Escolas Abel Varzim
(Barcelos) – 2007
Agrupamento de Escolas António
Correia de Oliveira (Esposende) – 2008
Agrupamento Vertical de Escolas Cego
do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010
4
Delfim Fernandes (Novembro 2010)
3. Organização e Gestão
Escolar
3.2. Gestão dos recursos humanos
(…) Para colmatar eventuais ausências dos
docentes, a EB 2,3 implementou o
funcionamento da sala de estudo, o clube
das ciências exactas, a biblioteca escolar,
(…)
3.3. Gestão dos recursos materiais e
financeiros
O refeitório, a biblioteca e outros recursos
da Escola sede encontram-se acessíveis e
organizados (…)
3.3. Gestão dos recursos materiais e
financeiros
(…) a biblioteca da Escola-Sede, integrada
na Rede de Bibliotecas Escolares que
apresenta boas condições de habitabilidade
e bom acervo bibliográfico, também a da
EB1/JI do Século se encontra integrada na
Rede de Bibliotecas Escolares (…).
3.4. Participação dos pais e outros
elementos da comunidade educativa
(…) Existe um trabalho de promoção e de
integração do Agrupamento na
comunidade, através de diversas actividades
de que se destacam palestras dirigidas a
toda a comunidade escolar, divulgação dos
trabalhos feitos por alunos, abertura da
Biblioteca à comunidade e a feira do livro.
4. Liderança
4.4. Parcerias, protocolos e projectos:
No domínio da participação em programas,
destaca-se o Projecto de Educação para a
Saúde, a Rede de Bibliotecas Escolares, o
Plano de Acção da Matemática ou o Plano
Nacional de Leitura (…).
4.4. Parcerias, protocolos e projectos
Quanto à participação em projectos
nacionais relevam o Projecto de Educação
para a Saúde, a Rede de Bibliotecas
Escolares, o Plano de Acção para a
Matemática e o Plano Nacional de Leitura
(…).
4.2. Motivação e empenho
No Agrupamento recorre-se a diversos
meios, enquanto instrumentos de
mobilização dos diferentes agentes da
comunidade educativa, entre os quais (…) o
Jornal Escolar – Mar de Letras (…).
4.4. Parcerias, protocolos e projectos
O Agrupamento encontra-se envolvido em
diversos projectos nacionais (Plano de
Acção para a Matemática, Plano Nacional
de Leitura, Educação para a Saúde, Rede de
Bibliotecas Escolares (…).
Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE
IGE – Inspecção
Geral da Educação
Agrupamento de Escolas Abel Varzim
(Barcelos) – 2007
Agrupamento de Escolas António
Correia de Oliveira (Esposende) – 2008
Agrupamento Vertical de Escolas Cego
do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010
5
Delfim Fernandes (Novembro 2010)
Comentário Crítico
Após a leitura dos documentos que norteiam a avaliação propostos pela RBE (Rede de Bibliotecas Escolares) e pela IGE (Inspecção-Geral de Educação),
encontramos uma linha comum nos seus pressupostos de recolha de evidências, definição de pontos fortes e pontos fracos e elaboração de um plano de melhoria.
Relativamente à presença da BE nos relatórios da IGE, ela não é regular, ocupando lugar no âmbito da oferta de serviços e recursos, mas pouco valorizada no
domínio pedagógico e/ou educativo. Do estudo comparativo efectuado pode concluir-se que não há uma uniformidade nas referências à BE nos relatórios de avaliação
externa da IGE.
Dos relatórios analisados, e conhecendo bem a BE/CRE do Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira, surpreendeu-me as poucas referências à
mesma no relatório da IGE.
Podemos já concluir que, nos relatórios da IGE, a BE não só não é suficientemente valorizada, como há disparidade na forma como as referências às suas
dinâmicas são apontadas, diluídas nos diferentes campos/domínios.
Efectuando o cruzamento do MAABE, factor de avaliação interna da escola, com o processo de avaliação externa realizado pela Inspecção Geral de Educação
(IGE), a BE é pouco referenciada na avaliação por Domínios. Raramente é colocada a atenção no serviço educativo que a BE constitui, bem como são poucas as
5. Capacidade de auto-
regulação e melhoria
do Agrupamento.
Sem referências
5.1. Auto-avaliação:
A informação conseguida é abrangente
tendo sido tratada em formato de relatório
de auto-avaliação, divulgada em vários
órgãos e disponibilizado na Escola sede
em vários locais (por exemplo, na
Biblioteca).
Sem referências
V – Considerações Finais Sem referências Sem referências Sem referências
Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE
IGE – Inspecção
Geral da Educação
Agrupamento de Escolas Abel Varzim
(Barcelos) – 2007
Agrupamento de Escolas António
Correia de Oliveira (Esposende) – 2008
Agrupamento Vertical de Escolas Cego
do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010
6
Delfim Fernandes (Novembro 2010)
referências relativamente ao apoio ao desenvolvimento curricular e às competências de leitura e de literacia. Curioso é também verificar que os relatórios enunciam
várias medidas de combate ao insucesso escolar, nas quais incluem algumas vezes o PNL, mas ignoram a função da BE neste processo de promoção da leitura.
É também possível perceber que o domínio da IGE onde é mais referida a presença da BE é o Domínio 2 – Prestação de Serviço Educativo, encontrando-se
os outros Domínios mais carecidos de referências efectuadas, o que demonstra o parco contributo da BE, quer nos resultados, quer na capacidade de auto-regulação e
melhoria da escola. Este último mostra claramente a falta de cultura de auto-avaliação nas BE’s, que urge generalizar com urgência.
Já no que se refere à avaliação externa por Factores, o papel da BE aparece muito bem referenciado, no caso da nossa amostra, com uma grave lacuna em
relação à BE/CRE do Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira.
Mesmo assim, podemos dizer que o MAABE está contextualizado na dinâmica interna da escola e no diálogo que a BE estabelecer com os seus elementos e
com a comunidade educativa em geral. A abertura da avaliação da BE à avaliação da escola integra-a numa política e estratégia global conduzida pela escola ao longo
do ano, tomando em conta os seus resultados no processo de planeamento do ano seguinte. O propósito da auto-avaliação será então apoiar o desenvolvimento das
BE’s e demonstrar a sua contribuição e impacto no ensino/aprendizagem, de modo a que responda cada vez mais às necessidades da escola na prossecução da sua
missão e dos seus objectivos. Daí, talvez a necessidade do Professor Bibliotecário, para além de ter lugar no Conselho Pedagógico, fazer parte da Comissão de Auto-
Avaliação da Escola/Agrupamento, aliás como já o referi num post no Fórum da sessão anterior, que me pareceu ter sido mal interpretado.
Sendo a BE entendida como um centro de aprendizagem e de construção de saberes, o trabalho a desencadear tenderá a compreender uma acção conjunta dos
docentes, com a acção predominante de uma equipa responsável pela gestão e dinamização desta estrutura.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Asma de difícil controle
Asma de difícil controleAsma de difícil controle
Asma de difícil controle
Flávia Salame
 
Asma zen enero 2011
Asma zen enero 2011Asma zen enero 2011
Asma zen enero 2011
Carmen Iglesias Arrabal
 
Asma Dificil, Difficult Asthma
Asma Dificil, Difficult AsthmaAsma Dificil, Difficult Asthma
Asma Dificil, Difficult Asthma
Julián Vega Adauy
 
Antiasthmatics - drdhriti
Antiasthmatics - drdhritiAntiasthmatics - drdhriti
Antiasthmatics - drdhriti
http://neigrihms.gov.in/
 
Manejo del asma- GINA 2014
Manejo del asma- GINA 2014Manejo del asma- GINA 2014
Manejo del asma- GINA 2014
Jeinny Maroto Fernández
 
Anti Immunoglobulin E Therapy
Anti Immunoglobulin E TherapyAnti Immunoglobulin E Therapy
Asma - GINA 2014
Asma - GINA 2014Asma - GINA 2014
Asma - GINA 2014
Andres Valle Gutierrez
 

Destaque (7)

Asma de difícil controle
Asma de difícil controleAsma de difícil controle
Asma de difícil controle
 
Asma zen enero 2011
Asma zen enero 2011Asma zen enero 2011
Asma zen enero 2011
 
Asma Dificil, Difficult Asthma
Asma Dificil, Difficult AsthmaAsma Dificil, Difficult Asthma
Asma Dificil, Difficult Asthma
 
Antiasthmatics - drdhriti
Antiasthmatics - drdhritiAntiasthmatics - drdhriti
Antiasthmatics - drdhriti
 
Manejo del asma- GINA 2014
Manejo del asma- GINA 2014Manejo del asma- GINA 2014
Manejo del asma- GINA 2014
 
Anti Immunoglobulin E Therapy
Anti Immunoglobulin E TherapyAnti Immunoglobulin E Therapy
Anti Immunoglobulin E Therapy
 
Asma - GINA 2014
Asma - GINA 2014Asma - GINA 2014
Asma - GINA 2014
 

Semelhante a Maabe ige critica

Comentario critico relatorios_ige
Comentario critico relatorios_igeComentario critico relatorios_ige
Comentario critico relatorios_ige
Teresa Gonçalves
 
7ª O Modelo De Auto AvaliaçãO SessãO 7
7ª   O Modelo De Auto AvaliaçãO SessãO 77ª   O Modelo De Auto AvaliaçãO SessãO 7
7ª O Modelo De Auto AvaliaçãO SessãO 7
andretti26
 
Escolas Comparacao
Escolas  ComparacaoEscolas  Comparacao
Escolas Comparacao
andretti26
 
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das be
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das beAnálise e comentário crítico à presença de referências a respeito das be
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das be
eb23am
 
Maabe tarefa 7ª sessão 2
Maabe  tarefa 7ª sessão 2Maabe  tarefa 7ª sessão 2
Maabe tarefa 7ª sessão 2
sandraazevedo
 
6 análise e comentário crítico vera monteiro
6 análise e comentário crítico vera monteiro6 análise e comentário crítico vera monteiro
6 análise e comentário crítico vera monteiro
Be Moinho Das Leituras
 
Para que serve a BE
Para que serve a BEPara que serve a BE
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
bepedronunes
 
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos...
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE  nos...Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE  nos...
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos...
Teresa Gonçalves
 
Análise de Relatórios Tarefa 6
Análise de Relatórios Tarefa 6Análise de Relatórios Tarefa 6
Análise de Relatórios Tarefa 6
isabelsousaalves
 
Analise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externaAnalise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externa
alexandranuneslopes
 
Analise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externaAnalise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externa
alexandranuneslopes
 
Analise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externaAnalise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externa
alexandranuneslopes
 
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Lucilia Fonseca
 
Apresentação da nossa BE - setembro 2011
Apresentação da nossa BE - setembro 2011Apresentação da nossa BE - setembro 2011
Apresentação da nossa BE - setembro 2011
Escola Secundária Sta Maria do Olival
 
Comentario Critico Helia Pereira
Comentario Critico   Helia PereiraComentario Critico   Helia Pereira
Comentario Critico Helia Pereira
Hélia Jacob
 
Reuniao concelhia porto_out_2012
Reuniao concelhia porto_out_2012Reuniao concelhia porto_out_2012
Reuniao concelhia porto_out_2012
IsabelPereira2010
 
Apresentação digital
Apresentação digitalApresentação digital
Apresentação digital
ceciliavaz25
 
Apresentação digital
Apresentação digitalApresentação digital
Apresentação digital
ceciliavaz25
 
Análise e comentário crítico
Análise e comentário críticoAnálise e comentário crítico
Análise e comentário crítico
mariaemilianovais
 

Semelhante a Maabe ige critica (20)

Comentario critico relatorios_ige
Comentario critico relatorios_igeComentario critico relatorios_ige
Comentario critico relatorios_ige
 
7ª O Modelo De Auto AvaliaçãO SessãO 7
7ª   O Modelo De Auto AvaliaçãO SessãO 77ª   O Modelo De Auto AvaliaçãO SessãO 7
7ª O Modelo De Auto AvaliaçãO SessãO 7
 
Escolas Comparacao
Escolas  ComparacaoEscolas  Comparacao
Escolas Comparacao
 
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das be
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das beAnálise e comentário crítico à presença de referências a respeito das be
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das be
 
Maabe tarefa 7ª sessão 2
Maabe  tarefa 7ª sessão 2Maabe  tarefa 7ª sessão 2
Maabe tarefa 7ª sessão 2
 
6 análise e comentário crítico vera monteiro
6 análise e comentário crítico vera monteiro6 análise e comentário crítico vera monteiro
6 análise e comentário crítico vera monteiro
 
Para que serve a BE
Para que serve a BEPara que serve a BE
Para que serve a BE
 
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
Relatório de avaliação da biblioteca escolar esas 2012-13
 
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos...
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE  nos...Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE  nos...
Análise e comentário crítico à presença de referências a respeito das BE nos...
 
Análise de Relatórios Tarefa 6
Análise de Relatórios Tarefa 6Análise de Relatórios Tarefa 6
Análise de Relatórios Tarefa 6
 
Analise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externaAnalise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externa
 
Analise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externaAnalise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externa
 
Analise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externaAnalise relatorios av.externa
Analise relatorios av.externa
 
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
 
Apresentação da nossa BE - setembro 2011
Apresentação da nossa BE - setembro 2011Apresentação da nossa BE - setembro 2011
Apresentação da nossa BE - setembro 2011
 
Comentario Critico Helia Pereira
Comentario Critico   Helia PereiraComentario Critico   Helia Pereira
Comentario Critico Helia Pereira
 
Reuniao concelhia porto_out_2012
Reuniao concelhia porto_out_2012Reuniao concelhia porto_out_2012
Reuniao concelhia porto_out_2012
 
Apresentação digital
Apresentação digitalApresentação digital
Apresentação digital
 
Apresentação digital
Apresentação digitalApresentação digital
Apresentação digital
 
Análise e comentário crítico
Análise e comentário críticoAnálise e comentário crítico
Análise e comentário crítico
 

Mais de ddfdelfim

Nome do projeto
Nome do projetoNome do projeto
Nome do projeto
ddfdelfim
 
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_ddfdelfim
 
Aee 10 ag_cego_maio_r
Aee 10 ag_cego_maio_rAee 10 ag_cego_maio_r
Aee 10 ag_cego_maio_r
ddfdelfim
 
Aee 09 ag_antonio_correia_oliveira_r
Aee 09 ag_antonio_correia_oliveira_rAee 09 ag_antonio_correia_oliveira_r
Aee 09 ag_antonio_correia_oliveira_r
ddfdelfim
 
Aee 08 agr_abel_varzim_r
Aee 08 agr_abel_varzim_rAee 08 agr_abel_varzim_r
Aee 08 agr_abel_varzim_r
ddfdelfim
 
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamentoO modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
ddfdelfim
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
ddfdelfim
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
ddfdelfim
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
ddfdelfim
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
ddfdelfim
 

Mais de ddfdelfim (10)

Nome do projeto
Nome do projetoNome do projeto
Nome do projeto
 
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
Metodologias de operacionalizacao_quadro_maabe_e_ige_
 
Aee 10 ag_cego_maio_r
Aee 10 ag_cego_maio_rAee 10 ag_cego_maio_r
Aee 10 ag_cego_maio_r
 
Aee 09 ag_antonio_correia_oliveira_r
Aee 09 ag_antonio_correia_oliveira_rAee 09 ag_antonio_correia_oliveira_r
Aee 09 ag_antonio_correia_oliveira_r
 
Aee 08 agr_abel_varzim_r
Aee 08 agr_abel_varzim_rAee 08 agr_abel_varzim_r
Aee 08 agr_abel_varzim_r
 
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamentoO modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
O modelo de_auto-avaliacao_no_contexto_escola_agrupamento
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b[1]
 
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
Metodologias de operacionalizacao_do_maabe_-_dominio_b (tarefa 4)
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
 

Último

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

Maabe ige critica

  • 1. Plano Anual de Actividades das BE’s do Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio – Ano lectivo 2010/11 IGE – Inspecção Geral da Educação MAABE Quadro de referência para a avaliação de escolas e agrupamentos Quadro de referência para avaliação das BE’s 0 de Avaliação Externa Relatórios Análise crítica Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio
  • 2. Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE IGE – Inspecção Geral da Educação Agrupamento de Escolas Abel Varzim (Barcelos) – 2007 Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende) – 2008 Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010 1 Delfim Fernandes (Novembro 2010) I – Introdução Sem referências Sem referências Sem referências II – Caracterização do Agrupamento (…) dispõe de espaços adequados à sua oferta educativa com destaque para a biblioteca escolar que reúne vasta documentação em diferentes suportes de informação e se assume como uma aposta firme da escola na promoção dos hábitos de leitura e pesquisa. A Escola sede desenvolve as suas actividades em cinco blocos diferenciados, garantindo o funcionamento continuo das suas valências, entre as 8,30 e as 16,35 horas (reprografia, papelaria, serviços administrativos, bar e biblioteca). Sem referências Análise Crítica de três Relatórios da Avaliação Externa das Escolas (IGE) e suas referências às BE’s A amostra seleccionada é constituída por relatórios de três Agrupamentos de Escolas da Região Norte, nomeadamente o Agrupamento de Escolas Abel Varzim (Barcelos), de Novembro de 2007, o Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende), de Novembro de 2008, e o Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim), de Janeiro de 2010. A escolha destas escolas não foi ao acaso: a primeira escolhi-a por ser a da minha terra de origem; a segunda, porque nela trabalhei, tendo criado a Biblioteca Escolar, e a terceira por ser a escola onde estou a trabalhar. Passemos à análise das referências às Bibliotecas Escolares (BE) nos relatórios de Avaliação Externa da Inspecção Geral de Educação (IGE). IGE – Inspecção Geral da Educação Agrupamento de Escolas Abel Varzim (Barcelos) – 2007 Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende) – 2008 Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010
  • 3. Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE IGE – Inspecção Geral da Educação Agrupamento de Escolas Abel Varzim (Barcelos) – 2007 Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende) – 2008 Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010 2 Delfim Fernandes (Novembro 2010) III – Conclusões da Avaliação por Domínio 1.Resultados Sem referências Sem referências Sem referências 2. Prestação do serviço educativo 2.4. Abrangência do currículo e valorização dos saberes e da aprendizagem O projecto de animação e divulgação da Biblioteca da EB 2,3 está na primeira linha da valorização dos saberes e da aprendizagem dado que se encontra aberta durante o horário lectivo e existe uma política bem definida de formação dos novos utilizadores (alunos do 5° ano). Os professores de Estudo Acompanhado destas turmas conduzem os alunos à Biblioteca (…) de modo a incutir-lhes hábitos da leitura, da escrita e da investigação, O “Baú dos livros escolares” é um exemplo de biblioteca itinerante (…). Sem referências O Agrupamento desenvolve diversos projectos a nível local e nacional que potenciam a formação integral dos alunos, nomeadamente a nível das componentes culturais, sociais, artísticas, ambientais e desportivas. Neste âmbito é de destacar o trabalho desenvolvido nos clubes existentes e na Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos. 3. Organização e gestão escolar 3.2. Gestão dos recursos humanos Para colmatar eventuais ausências dos docentes, a EB 2,3 implementou o funcionamento da sala de estudo, o clube das ciências exactas, a biblioteca escolar… Sem referências Sem referências 4. Liderança Sem referências Sem referências Sem referências 5. Capacidade de auto- regulação e melhoria do Agrupamento Sem referências Sem referências Sem referências
  • 4. Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE IGE – Inspecção Geral da Educação Agrupamento de Escolas Abel Varzim (Barcelos) – 2007 Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende) – 2008 Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010 3 Delfim Fernandes (Novembro 2010) IV – Avaliação por Factor 1. Resultados 1.1.Sucesso Académico (…) a sala de estudo e o apoio à leitura na Biblioteca (…) 1.2.Participação e Desenvolvimento Cívico (…) a Biblioteca da EB2,3 é uma valência promotora da participação e desenvolvimento cívico dos alunos através da apresentação e exposição de trabalhos das turmas ao longo do ano lectivo e dos concursos permanentes (…) a “Hora do conto infantil” que promove a participação das crianças da educação pré-escolar e dos alunos da educação especial (…). Sem referências 1.4. Valorização e impacto das aprendizagens As frequentes exposições temáticas e outras formas de divulgação dos trabalhos dos alunos, nomeadamente no Jornal Mar de Letras (…) 2. Prestação do serviço educativo 2.4. Abrangência do currículo e valorização dos saberes e da aprendizagem (…) juntamente com outros, o projecto de animação e divulgação da Biblioteca da EB 2,3 está na primeira linha da valorização dos saberes e da aprendizagem dado que se encontra aberta durante o horário lectivo e existe uma política bem definida de formação dos novos utilizadores (alunos do 5° ano). Os professores (…) conduzem os alunos à Biblioteca onde lhes são dadas a conhecer as regras de utilização do espaço e dos recursos (…). O “Baú dos livros escolares” é um exemplo de biblioteca itinerante (…). Sem referências 2.4. Abrangência do currículo e valorização dos saberes e da aprendizagem O Agrupamento valoriza as dimensões artísticas, culturais, ambientais, desportivas e sociais através da promoção de diferentes acções e projectos desenvolvidos pelos diferentes órgãos e estruturas de coordenação e supervisão, individualmente ou em parceria com instituições da região. Neste âmbito, são de destacar os clubes (…) a dinamização da Biblioteca Escolar/ Centro de Recursos Educativos (…)
  • 5. Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE IGE – Inspecção Geral da Educação Agrupamento de Escolas Abel Varzim (Barcelos) – 2007 Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende) – 2008 Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010 4 Delfim Fernandes (Novembro 2010) 3. Organização e Gestão Escolar 3.2. Gestão dos recursos humanos (…) Para colmatar eventuais ausências dos docentes, a EB 2,3 implementou o funcionamento da sala de estudo, o clube das ciências exactas, a biblioteca escolar, (…) 3.3. Gestão dos recursos materiais e financeiros O refeitório, a biblioteca e outros recursos da Escola sede encontram-se acessíveis e organizados (…) 3.3. Gestão dos recursos materiais e financeiros (…) a biblioteca da Escola-Sede, integrada na Rede de Bibliotecas Escolares que apresenta boas condições de habitabilidade e bom acervo bibliográfico, também a da EB1/JI do Século se encontra integrada na Rede de Bibliotecas Escolares (…). 3.4. Participação dos pais e outros elementos da comunidade educativa (…) Existe um trabalho de promoção e de integração do Agrupamento na comunidade, através de diversas actividades de que se destacam palestras dirigidas a toda a comunidade escolar, divulgação dos trabalhos feitos por alunos, abertura da Biblioteca à comunidade e a feira do livro. 4. Liderança 4.4. Parcerias, protocolos e projectos: No domínio da participação em programas, destaca-se o Projecto de Educação para a Saúde, a Rede de Bibliotecas Escolares, o Plano de Acção da Matemática ou o Plano Nacional de Leitura (…). 4.4. Parcerias, protocolos e projectos Quanto à participação em projectos nacionais relevam o Projecto de Educação para a Saúde, a Rede de Bibliotecas Escolares, o Plano de Acção para a Matemática e o Plano Nacional de Leitura (…). 4.2. Motivação e empenho No Agrupamento recorre-se a diversos meios, enquanto instrumentos de mobilização dos diferentes agentes da comunidade educativa, entre os quais (…) o Jornal Escolar – Mar de Letras (…). 4.4. Parcerias, protocolos e projectos O Agrupamento encontra-se envolvido em diversos projectos nacionais (Plano de Acção para a Matemática, Plano Nacional de Leitura, Educação para a Saúde, Rede de Bibliotecas Escolares (…).
  • 6. Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE IGE – Inspecção Geral da Educação Agrupamento de Escolas Abel Varzim (Barcelos) – 2007 Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende) – 2008 Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010 5 Delfim Fernandes (Novembro 2010) Comentário Crítico Após a leitura dos documentos que norteiam a avaliação propostos pela RBE (Rede de Bibliotecas Escolares) e pela IGE (Inspecção-Geral de Educação), encontramos uma linha comum nos seus pressupostos de recolha de evidências, definição de pontos fortes e pontos fracos e elaboração de um plano de melhoria. Relativamente à presença da BE nos relatórios da IGE, ela não é regular, ocupando lugar no âmbito da oferta de serviços e recursos, mas pouco valorizada no domínio pedagógico e/ou educativo. Do estudo comparativo efectuado pode concluir-se que não há uma uniformidade nas referências à BE nos relatórios de avaliação externa da IGE. Dos relatórios analisados, e conhecendo bem a BE/CRE do Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira, surpreendeu-me as poucas referências à mesma no relatório da IGE. Podemos já concluir que, nos relatórios da IGE, a BE não só não é suficientemente valorizada, como há disparidade na forma como as referências às suas dinâmicas são apontadas, diluídas nos diferentes campos/domínios. Efectuando o cruzamento do MAABE, factor de avaliação interna da escola, com o processo de avaliação externa realizado pela Inspecção Geral de Educação (IGE), a BE é pouco referenciada na avaliação por Domínios. Raramente é colocada a atenção no serviço educativo que a BE constitui, bem como são poucas as 5. Capacidade de auto- regulação e melhoria do Agrupamento. Sem referências 5.1. Auto-avaliação: A informação conseguida é abrangente tendo sido tratada em formato de relatório de auto-avaliação, divulgada em vários órgãos e disponibilizado na Escola sede em vários locais (por exemplo, na Biblioteca). Sem referências V – Considerações Finais Sem referências Sem referências Sem referências
  • 7. Análise Crítica dos Relatórios da Avaliação Externa das Escolas – IGE IGE – Inspecção Geral da Educação Agrupamento de Escolas Abel Varzim (Barcelos) – 2007 Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira (Esposende) – 2008 Agrupamento Vertical de Escolas Cego do Maio (Póvoa de Varzim) – 2010 6 Delfim Fernandes (Novembro 2010) referências relativamente ao apoio ao desenvolvimento curricular e às competências de leitura e de literacia. Curioso é também verificar que os relatórios enunciam várias medidas de combate ao insucesso escolar, nas quais incluem algumas vezes o PNL, mas ignoram a função da BE neste processo de promoção da leitura. É também possível perceber que o domínio da IGE onde é mais referida a presença da BE é o Domínio 2 – Prestação de Serviço Educativo, encontrando-se os outros Domínios mais carecidos de referências efectuadas, o que demonstra o parco contributo da BE, quer nos resultados, quer na capacidade de auto-regulação e melhoria da escola. Este último mostra claramente a falta de cultura de auto-avaliação nas BE’s, que urge generalizar com urgência. Já no que se refere à avaliação externa por Factores, o papel da BE aparece muito bem referenciado, no caso da nossa amostra, com uma grave lacuna em relação à BE/CRE do Agrupamento de Escolas António Correia de Oliveira. Mesmo assim, podemos dizer que o MAABE está contextualizado na dinâmica interna da escola e no diálogo que a BE estabelecer com os seus elementos e com a comunidade educativa em geral. A abertura da avaliação da BE à avaliação da escola integra-a numa política e estratégia global conduzida pela escola ao longo do ano, tomando em conta os seus resultados no processo de planeamento do ano seguinte. O propósito da auto-avaliação será então apoiar o desenvolvimento das BE’s e demonstrar a sua contribuição e impacto no ensino/aprendizagem, de modo a que responda cada vez mais às necessidades da escola na prossecução da sua missão e dos seus objectivos. Daí, talvez a necessidade do Professor Bibliotecário, para além de ter lugar no Conselho Pedagógico, fazer parte da Comissão de Auto- Avaliação da Escola/Agrupamento, aliás como já o referi num post no Fórum da sessão anterior, que me pareceu ter sido mal interpretado. Sendo a BE entendida como um centro de aprendizagem e de construção de saberes, o trabalho a desencadear tenderá a compreender uma acção conjunta dos docentes, com a acção predominante de uma equipa responsável pela gestão e dinamização desta estrutura.