SlideShare uma empresa Scribd logo
Agrupamento de Escolas D. Manuel de Faria e Sousa
                                Língua Portuguesa
                                       8º Ano
                           Ficha de trabalho: Pontuação


                                   TEXTO E SINAIS DE PONTUAÇÃO

1. TEXTO
       No texto, distinguem-se vários blocos: os parágrafos. O parágrafo é assinalado por um recuo de
linha.
       O parágrafo é composto por frases. A frase inicia-se com letra maiúscula e termina em ponto final
ou sinal de pontuação equivalente.
       A frase pode conter uma ou várias orações.

2. SINAIS DE PONTUAÇÃO
       Pontuar não é um acto sem importância. Não resulta indiferente colocar ou não uma vírgula, como
também não é ao acaso que se opta pelo emprego de um ponto em vez de reticências.
       Analise as seguintes frases:
       - Morra Salazar! Não faz falta à nação!
       - Morra Salazar, não! Faz falta à nação!
       Apesar de as frases terem o mesmo material, não transmitem a mesma informação. A alteração de
sentido foi provocada pelo uso dos sinais de pontuação. É importante, por isso, conhecê-los e saber
utilizá-los.

→ VÍRGULA
      Assinala, no interior da frase, a pausa de mais curta duração. Emprega-se, entre outros casos, para
separar:
      a) o vocativo do resto da frase (ex.: Minha Senhora, você anda mesmo perdida.);
      b) elementos com a mesma função sintáctica (ex.: Era bonita, simpática, delicada e carinhosa.);
      c) uma enumeração (ex.: Tomou banho, vestiu uma roupa nova, penteou-se e foi comer.);
      d) os advérbios sim e não, quando independentes na frase (– Não, podes ir.);
      e) frases participiais e gerundivas (exs.: Passados dois dias, Teresa chegou a casa com dois
bilhetes para as Caraíbas. / Ele sorriu, pensando na felicidade das crianças.);
      f) frases coordenadas adversativas – mas, contudo, no entanto, porém, todavia... (exs.: Ela gosta de
teatro, mas não gosta de cinema. / Ele gosta de bolos; contudo, não gosta de chocolates.);
      g) frases coordenadas conclusivas – logo, portanto, por conseguinte, por consequência e pois (exs.:
A loja estava fechada; portanto, ele não pôde comprar o que queria. / Ele disse-lhe a verdade; teve, pois,
um comportamento correcto.);
      h) frases subordinadas temporais (ex.: Quando chegares a casa, telefona-me.);
      i) frases subordinadas adverbiais causais – porque, pois, uma vez que, visto que, já que... (exs.: Ela
foi-se embora, porque já não havia nada a fazer. / O João não pôde cantar, uma vez que estava
afónico.);
      j) frases subordinadas adverbiais concessivas – embora, ainda que, mesmo que, se bem que, por
mais que... (ex.: Mesmo que me apeteça, não irei ao cinema.);
      k) expressões do tipo ou seja, isto é, sem dúvida, por exemplo, a meu ver, com efeito, na verdade
(Esta casa é muito cara, ou seja, não é para o meu bolso!);
      l) nas datas, o nome do lugar (ex.: Aveiro, 23 de Setembro de 2006).
- NÃO SE SEPARAM POR VÍRGULAS:
     a) o sujeito do predicado (ex.: O rapaz moreno de óculos e camisa branca é meu primo.);
     b) o verbo dos seus complementos (ex.: Ele deu uma prenda à Ana.);
     c) frases (com sujeitos iguais) e elementos da frase coordenados com a conjunção e (exs.: Ele
começou a trabalhar e a ter mais dinheiro. / O filme é extremamente divertido e interessante.).

→ PONTO E VÍRGULA
      Assinala uma pausa maior do que a vírgula, mas menor do que a do ponto. Utiliza-se:
      a) numa enumeração cujos elementos já estão separados por vírgulas (ex.: Alguns tipos de
problemas da cidade são: a poluição, que é provocada pelos fumos industriais, pelos escapes dos
automóveis e pela produção de detritos de origem doméstica, industrial, hospitalar ou outra; a degradação
dos edifícios; a diminuição dos espaços verdes; o envelhecimento da população; etc...);
      b) numa listagem de tópicos (ex.: Numa exposição oral, devemos assumir uma postura correcta e
adequada:
      - falar olhando para o público;
      - não pôr as mãos nos bolsos, atrás das costas, na boca, etc.;
      - não mexer no apagador;
      - não balançar as pernas nem os braços;
      - não virar as costas ao público;
      - não ler os apontamentos;
      - falar num tom de voz audível.).

→ PONTO
      Marca a pausa mais longa da voz. Coloca-se no fim da frase, indicando que aquilo que se pretende
dizer está completo.
      Utiliza-se para: indicar o fim de todas as frases excepto o das interrogativas directas e exclamativas
(ex.: Bernardo estudava em Madrid. Apesar de ter sido bem recebido em Espanha e ter colegas
fantásticos, sentia saudades da família e dos amigos que deixou em Portugal. Assim, decidiu regressar e
continuar os seus estudos aqui.).

→ DOIS PONTOS
      Utilizam-se para:
      a) introduzir o discurso directo (ex.: A mãe disse: – Levanta a mesa, se fazes favor.);
      b) introduzir uma enumeração (ex.: O André foi à Feira do Livro e comprou: dois romances, um
dicionário bilingue e uma enciclopédia.);
      c) introduzir uma explicação (ex.: Ele voltou para trás: tinha-se esquecido da carteira e dos óculos.);
      d) introduzir uma citação (ex.: Camões escreveu: «Amor é um fogo que arde sem se ver».).

→ TRAVESSÃO
     Utiliza-se o travessão para:
     a) marcar a fala de uma personagem em discurso directo (ex.: O Rodrigo exclamou: – Que linda
paisagem!);
     b) isolar, num determinado contexto, palavras ou frases (ex.: Foram de férias – estavam muito
cansados!).

→ RETICÊNCIAS
     Assinalam uma interrupção voluntária do discurso. Utilizam-se para:
     a) indicar uma interrupção no pensamento ou uma hesitação (exs.: Se ao menos pudesse ouvir a
sua voz... / Não sei se espere mais tempo...);
b) marcar a omissão de informação que se pode subentender (ex,: Naquela sala, tudo é muito
original: os sofás, as mesas, os quadros, a carpete, os móveis...).

→ PONTO DE INTERROGAÇÃO
     Utiliza-se o ponto de interrogação: nas frases interrogativas directas (ex.: Disseste alguma coisa?).

→ PONTO DE EXCLAMAÇÃO
     Utiliza-se o ponto de exclamação:
     a) nas frases exclamativas (ex.: Que dia maravilhoso!);
     b) em algumas frases imperativas (ex.: Não me deixes sozinha!).



EXERCÍCIOS
A. Reescreve as frases com as vírgulas que faltam.

1. De qualquer forma José não tens razão. → ________________________________________________
2. Para onde foi ele meu Deus? → _________________________________________________________
3. Dona lnácia a dona desta casa espera-o na sala. → _________________________________________
4. Espero porém que nos encontremos brevemente. → ________________________________________
5. Professor como se faz este exercício? → __________________________________________________
6. Pensa um pouco Júlio. → ______________________________________________________________


B. Explica o emprego de itálico e de aspas nas seguintes situações:

1. Por um clik magnético acendeu-se no meu cérebro a imagem do Zé Pedro, meu colega de escola, o
«Papa-histórias», como depois lhe chamaríamos.
_____________________________________________________________________________________
2. A cara do meu colega era um mar de sardas, os olhos redondos e vivos e os dentes salientes. Mesmo
assim mantinha aquele ar solene e o tom de voz de quem «sabe coisas».
_____________________________________________________________________________________
3. Lera o Tintim, o Sandokan, o Tio Patinhas, o Tarzan, como todos nós, e o David Copperfield.
_____________________________________________________________________________________


C. Reescreve as frases do texto com os sinais de pontuação necessários.

1. ao voltar a casa à tarde Maria encontrou o gato na cozinha aninhado a comer um rato que tinha
apanhado.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
2. tinha ratos em casa que fazer como resolver aquilo
_____________________________________________________________________________________
3. no dia seguinte após as tarefas matinais disse ao filho hoje vou levar-te comigo porque não te quero
sozinho em casa vamos lá João
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
4. no escritório foi um alvoroço olha que menino tão bonito
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________


D. Coloca parênteses, travessões ou vírgulas nos sítios das frases onde são necessários.

1. Os dois países da Península Ibérica Portugal e Espanha foram em tempos pertença dos Árabes.
_____________________________________________________________________________________
2. O senhor Ricardo creio que é esse o seu nome é meu vizinho de patamar.
_____________________________________________________________________________________
3. Posso garantir-te e eu não sei mentir que acabo de o ver na rua.
_____________________________________________________________________________________


E. Pontua o texto que se segue:

                                     Uma história de solidariedade

     O nome dele era Fleming e era um pobre fazendeiro escocês um dia enquanto trabalhava para
ganhar a vida e o sustento para a sua família ouviu um pedido desesperado de socorro vindo de um
pântano nas proximidades imediatamente largou as suas ferramentas e correu para lá ao chegar
encontrou um menino gritando e tentando livrar-se da morte pois estava enlameado até à cintura o
fazendeiro Fleming salvou o rapaz de uma morte lenta e terrível no dia seguinte uma carruagem
riquíssima chega à humilde casa do escocês um nobre saiu e apresentou-se como o pai do menino que o
fazendeiro Fleming havia salvado
     Eu quero recompensá-lo disse o nobre o senhor salvou a vida do meu filho
     Não eu não posso aceitar qualquer pagamento pelo que fiz respondeu o fazendeiro escocês
recusando a oferta
     Naquele momento o filho do fazendeiro veio à porta do casebre
     É seu filho perguntou o nobre
     Sim respondeu o fazendeiro com orgulho
     Então faço-lhe uma proposta deixe-me levá-lo e dar-lhe-ei uma boa educação se o rapaz for como é
o seu pai ele crescerá e será um homem do qual o senhor terá muito orgulho
     E foi o que ele fez tempos depois o filho do fazendeiro Fleming formou-se no St. Mary’s Hospital
Medical School de Londres e ficou conhecido no mundo como o notável Senhor Alexander Fleming que
descobriu a penicilina
     Anos depois o filho do nobre estava doente com pneumonia o que o salvou a penicilina o nome do
nobre senhor Randolph Churchill o nome do filho dele senhor Winston Churchill
     É com exemplos e gestos como estes que o mundo se torna um lugar melhor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso de atualização redação oficial
Curso de atualização  redação oficialCurso de atualização  redação oficial
Curso de atualização redação oficial
telasnorte1
 
Pontuacao 2015
Pontuacao 2015Pontuacao 2015
Pontuacao 2015
Flávio Ferreira
 
Planos 31 lições
Planos   31 liçõesPlanos   31 lições
Planos 31 lições
monicarosario11
 
Pontuacao
PontuacaoPontuacao
Pontuacao
Flávio Ferreira
 
Pontuacao
PontuacaoPontuacao
Pontuacao
Marcos Welber
 
Ficha de Trabalho: os Nomes
Ficha de Trabalho: os NomesFicha de Trabalho: os Nomes
Ficha de Trabalho: os Nomes
A. Simoes
 
Consciência fonológica - livro de atividades e.u
  Consciência fonológica - livro de atividades e.u  Consciência fonológica - livro de atividades e.u
Consciência fonológica - livro de atividades e.u
monicarosario11
 
Portugues vol2
Portugues vol2Portugues vol2
Portugues vol2
Blaunier Matheus
 
Português
PortuguêsPortuguês
Plano outubro 2014 anamel
Plano outubro 2014 anamelPlano outubro 2014 anamel
Plano outubro 2014 anamel
Sala do Empreendedor
 
LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3LIBRAS - AULA 3
Aula 9
Aula 9Aula 9
Apostila de portugues correto 4 pontuacao
Apostila de portugues correto 4 pontuacaoApostila de portugues correto 4 pontuacao
Apostila de portugues correto 4 pontuacao
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
Gedalias .
 
Cefet/Coltec - Aula 19 Pontuação
Cefet/Coltec - Aula 19  PontuaçãoCefet/Coltec - Aula 19  Pontuação
Cefet/Coltec - Aula 19 Pontuação
ProfFernandaBraga
 
Guia pratico de conjugacao e concordancia dos verbos em portugues
Guia pratico de conjugacao e concordancia dos verbos em portuguesGuia pratico de conjugacao e concordancia dos verbos em portugues
Guia pratico de conjugacao e concordancia dos verbos em portugues
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Pontuacao
PontuacaoPontuacao
Fichas de reeducação em dislexia
Fichas de reeducação em dislexiaFichas de reeducação em dislexia
Fichas de reeducação em dislexia
Fatima Rodrigues
 
20 de março início do outono
20 de março   início do outono20 de março   início do outono
20 de março início do outono
Jesilaine Vinhais
 
Substantivos: exercícios diversos
Substantivos: exercícios diversosSubstantivos: exercícios diversos
Substantivos: exercícios diversos
Madalena Joaninho
 

Mais procurados (20)

Curso de atualização redação oficial
Curso de atualização  redação oficialCurso de atualização  redação oficial
Curso de atualização redação oficial
 
Pontuacao 2015
Pontuacao 2015Pontuacao 2015
Pontuacao 2015
 
Planos 31 lições
Planos   31 liçõesPlanos   31 lições
Planos 31 lições
 
Pontuacao
PontuacaoPontuacao
Pontuacao
 
Pontuacao
PontuacaoPontuacao
Pontuacao
 
Ficha de Trabalho: os Nomes
Ficha de Trabalho: os NomesFicha de Trabalho: os Nomes
Ficha de Trabalho: os Nomes
 
Consciência fonológica - livro de atividades e.u
  Consciência fonológica - livro de atividades e.u  Consciência fonológica - livro de atividades e.u
Consciência fonológica - livro de atividades e.u
 
Portugues vol2
Portugues vol2Portugues vol2
Portugues vol2
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Plano outubro 2014 anamel
Plano outubro 2014 anamelPlano outubro 2014 anamel
Plano outubro 2014 anamel
 
LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Apostila de portugues correto 4 pontuacao
Apostila de portugues correto 4 pontuacaoApostila de portugues correto 4 pontuacao
Apostila de portugues correto 4 pontuacao
 
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015Aula 8   pontuação e vírgula-16maio2015
Aula 8 pontuação e vírgula-16maio2015
 
Cefet/Coltec - Aula 19 Pontuação
Cefet/Coltec - Aula 19  PontuaçãoCefet/Coltec - Aula 19  Pontuação
Cefet/Coltec - Aula 19 Pontuação
 
Guia pratico de conjugacao e concordancia dos verbos em portugues
Guia pratico de conjugacao e concordancia dos verbos em portuguesGuia pratico de conjugacao e concordancia dos verbos em portugues
Guia pratico de conjugacao e concordancia dos verbos em portugues
 
Pontuacao
PontuacaoPontuacao
Pontuacao
 
Fichas de reeducação em dislexia
Fichas de reeducação em dislexiaFichas de reeducação em dislexia
Fichas de reeducação em dislexia
 
20 de março início do outono
20 de março   início do outono20 de março   início do outono
20 de março início do outono
 
Substantivos: exercícios diversos
Substantivos: exercícios diversosSubstantivos: exercícios diversos
Substantivos: exercícios diversos
 

Semelhante a W21 Pontuacao

Sinais pontuação auxiliares_escrita
Sinais pontuação auxiliares_escritaSinais pontuação auxiliares_escrita
Sinais pontuação auxiliares_escrita
Paulo Fonseca Pauloprofpt
 
Pontuação Gráfica
Pontuação GráficaPontuação Gráfica
Pontuação Gráfica
linguonautas
 
regras de pontuação
regras de pontuaçãoregras de pontuação
regras de pontuação
carvalho31
 
pontuacao.ppt
pontuacao.pptpontuacao.ppt
pontuacao.ppt
Guilhermino1
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
pontuacao.ppt
pontuacao.pptpontuacao.ppt
pontuacao.ppt
MarluceBrum1
 
Aula iii.ugs.tce.2010
Aula iii.ugs.tce.2010Aula iii.ugs.tce.2010
Aula iii.ugs.tce.2010
LeYa
 
sinais de pontuacao -adaptado.ppt
sinais de pontuacao -adaptado.pptsinais de pontuacao -adaptado.ppt
sinais de pontuacao -adaptado.ppt
MaicolBarbosa1
 
Língua portuguesa
Língua portuguesaLíngua portuguesa
Língua portuguesa
karinecm
 
A pontuação
A pontuaçãoA pontuação
A pontuação
Milena Silva
 
5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt
tatianesouza923757
 
Pontuacao7
Pontuacao7Pontuacao7
Pontuacao7
Damisa
 
Pontuacao (1)2
Pontuacao (1)2Pontuacao (1)2
Pontuacao (1)2
Marcos Moraes
 
Ppt apto para slide share semana de 06 a 10 de julho
Ppt apto para slide share  semana de 06 a 10 de julhoPpt apto para slide share  semana de 06 a 10 de julho
Ppt apto para slide share semana de 06 a 10 de julho
EglePinho
 
Regras vírgula gqm_05_04
Regras vírgula gqm_05_04Regras vírgula gqm_05_04
Regras vírgula gqm_05_04
Moises Ribeiro
 
Sinais De Pontuação
Sinais De PontuaçãoSinais De Pontuação
Sinais De Pontuação
Diana Enes
 
Ppt apto para slide share semana de 22 a 26 de junho.
Ppt apto para slide share  semana de 22 a 26 de junho.Ppt apto para slide share  semana de 22 a 26 de junho.
Ppt apto para slide share semana de 22 a 26 de junho.
EglePinho
 
Ppt apto para slide share semana de 22 a 26 de junho.
Ppt apto para slide share  semana de 22 a 26 de junho.Ppt apto para slide share  semana de 22 a 26 de junho.
Ppt apto para slide share semana de 22 a 26 de junho.
EglePinho
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Ana Arminda Moreira
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
Ana Arminda Moreira
 

Semelhante a W21 Pontuacao (20)

Sinais pontuação auxiliares_escrita
Sinais pontuação auxiliares_escritaSinais pontuação auxiliares_escrita
Sinais pontuação auxiliares_escrita
 
Pontuação Gráfica
Pontuação GráficaPontuação Gráfica
Pontuação Gráfica
 
regras de pontuação
regras de pontuaçãoregras de pontuação
regras de pontuação
 
pontuacao.ppt
pontuacao.pptpontuacao.ppt
pontuacao.ppt
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
pontuacao.ppt
pontuacao.pptpontuacao.ppt
pontuacao.ppt
 
Aula iii.ugs.tce.2010
Aula iii.ugs.tce.2010Aula iii.ugs.tce.2010
Aula iii.ugs.tce.2010
 
sinais de pontuacao -adaptado.ppt
sinais de pontuacao -adaptado.pptsinais de pontuacao -adaptado.ppt
sinais de pontuacao -adaptado.ppt
 
Língua portuguesa
Língua portuguesaLíngua portuguesa
Língua portuguesa
 
A pontuação
A pontuaçãoA pontuação
A pontuação
 
5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt
 
Pontuacao7
Pontuacao7Pontuacao7
Pontuacao7
 
Pontuacao (1)2
Pontuacao (1)2Pontuacao (1)2
Pontuacao (1)2
 
Ppt apto para slide share semana de 06 a 10 de julho
Ppt apto para slide share  semana de 06 a 10 de julhoPpt apto para slide share  semana de 06 a 10 de julho
Ppt apto para slide share semana de 06 a 10 de julho
 
Regras vírgula gqm_05_04
Regras vírgula gqm_05_04Regras vírgula gqm_05_04
Regras vírgula gqm_05_04
 
Sinais De Pontuação
Sinais De PontuaçãoSinais De Pontuação
Sinais De Pontuação
 
Ppt apto para slide share semana de 22 a 26 de junho.
Ppt apto para slide share  semana de 22 a 26 de junho.Ppt apto para slide share  semana de 22 a 26 de junho.
Ppt apto para slide share semana de 22 a 26 de junho.
 
Ppt apto para slide share semana de 22 a 26 de junho.
Ppt apto para slide share  semana de 22 a 26 de junho.Ppt apto para slide share  semana de 22 a 26 de junho.
Ppt apto para slide share semana de 22 a 26 de junho.
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 
Pontuação
PontuaçãoPontuação
Pontuação
 

Mais de Fernanda Soares

Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
Fernanda Soares
 
Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
Fernanda Soares
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 ElimResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Fernanda Soares
 
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 eResultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Fernanda Soares
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
Fernanda Soares
 
Game Rooms House
Game Rooms HouseGame Rooms House
Game Rooms House
Fernanda Soares
 
Musical Challenge
Musical ChallengeMusical Challenge
Musical Challenge
Fernanda Soares
 
Game Types Houses
Game Types HousesGame Types Houses
Game Types Houses
Fernanda Soares
 
W8 Past Simple Further Practice
W8 Past Simple  Further PracticeW8 Past Simple  Further Practice
W8 Past Simple Further Practice
Fernanda Soares
 
W8 Past Simple Practice
W8 Past Simple  PracticeW8 Past Simple  Practice
W8 Past Simple Practice
Fernanda Soares
 
W4 Articles Indefinite And Definite
W4 Articles  Indefinite And DefiniteW4 Articles  Indefinite And Definite
W4 Articles Indefinite And Definite
Fernanda Soares
 
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple PastW6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
Fernanda Soares
 
W5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr ContinuousW5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr Continuous
Fernanda Soares
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 BResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Fernanda Soares
 
Ft29 Ines De Castro
Ft29 Ines De CastroFt29 Ines De Castro
Ft29 Ines De Castro
Fernanda Soares
 
Ft28 Quadro Global Lusiadas
Ft28 Quadro Global LusiadasFt28 Quadro Global Lusiadas
Ft28 Quadro Global Lusiadas
Fernanda Soares
 
Ft26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio DeusesFt26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio Deuses
Fernanda Soares
 
Ft25 Relativas
Ft25 RelativasFt25 Relativas
Ft25 Relativas
Fernanda Soares
 
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFt24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Fernanda Soares
 

Mais de Fernanda Soares (20)

Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
 
Exame 2010
Exame 2010Exame 2010
Exame 2010
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 ElimResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B 2 Elim
 
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 eResultados do campeonato de ortografia 8 e
Resultados do campeonato de ortografia 8 e
 
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
 
Game Rooms House
Game Rooms HouseGame Rooms House
Game Rooms House
 
Musical Challenge
Musical ChallengeMusical Challenge
Musical Challenge
 
Game Types Houses
Game Types HousesGame Types Houses
Game Types Houses
 
A Special House
A Special HouseA Special House
A Special House
 
W8 Past Simple Further Practice
W8 Past Simple  Further PracticeW8 Past Simple  Further Practice
W8 Past Simple Further Practice
 
W8 Past Simple Practice
W8 Past Simple  PracticeW8 Past Simple  Practice
W8 Past Simple Practice
 
W4 Articles Indefinite And Definite
W4 Articles  Indefinite And DefiniteW4 Articles  Indefinite And Definite
W4 Articles Indefinite And Definite
 
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple PastW6 My Happy Ending   Verbo To Be Simple Past
W6 My Happy Ending Verbo To Be Simple Past
 
W5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr ContinuousW5 Present Simple Pr Continuous
W5 Present Simple Pr Continuous
 
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 BResultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
Resultados Do Campeonato De Ortografia 9 B
 
Ft29 Ines De Castro
Ft29 Ines De CastroFt29 Ines De Castro
Ft29 Ines De Castro
 
Ft28 Quadro Global Lusiadas
Ft28 Quadro Global LusiadasFt28 Quadro Global Lusiadas
Ft28 Quadro Global Lusiadas
 
Ft26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio DeusesFt26 ConsíLio Deuses
Ft26 ConsíLio Deuses
 
Ft25 Relativas
Ft25 RelativasFt25 Relativas
Ft25 Relativas
 
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo LusiadasFt24 Figuras Estilo Lusiadas
Ft24 Figuras Estilo Lusiadas
 

Último

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

W21 Pontuacao

  • 1. Agrupamento de Escolas D. Manuel de Faria e Sousa Língua Portuguesa 8º Ano Ficha de trabalho: Pontuação TEXTO E SINAIS DE PONTUAÇÃO 1. TEXTO No texto, distinguem-se vários blocos: os parágrafos. O parágrafo é assinalado por um recuo de linha. O parágrafo é composto por frases. A frase inicia-se com letra maiúscula e termina em ponto final ou sinal de pontuação equivalente. A frase pode conter uma ou várias orações. 2. SINAIS DE PONTUAÇÃO Pontuar não é um acto sem importância. Não resulta indiferente colocar ou não uma vírgula, como também não é ao acaso que se opta pelo emprego de um ponto em vez de reticências. Analise as seguintes frases: - Morra Salazar! Não faz falta à nação! - Morra Salazar, não! Faz falta à nação! Apesar de as frases terem o mesmo material, não transmitem a mesma informação. A alteração de sentido foi provocada pelo uso dos sinais de pontuação. É importante, por isso, conhecê-los e saber utilizá-los. → VÍRGULA Assinala, no interior da frase, a pausa de mais curta duração. Emprega-se, entre outros casos, para separar: a) o vocativo do resto da frase (ex.: Minha Senhora, você anda mesmo perdida.); b) elementos com a mesma função sintáctica (ex.: Era bonita, simpática, delicada e carinhosa.); c) uma enumeração (ex.: Tomou banho, vestiu uma roupa nova, penteou-se e foi comer.); d) os advérbios sim e não, quando independentes na frase (– Não, podes ir.); e) frases participiais e gerundivas (exs.: Passados dois dias, Teresa chegou a casa com dois bilhetes para as Caraíbas. / Ele sorriu, pensando na felicidade das crianças.); f) frases coordenadas adversativas – mas, contudo, no entanto, porém, todavia... (exs.: Ela gosta de teatro, mas não gosta de cinema. / Ele gosta de bolos; contudo, não gosta de chocolates.); g) frases coordenadas conclusivas – logo, portanto, por conseguinte, por consequência e pois (exs.: A loja estava fechada; portanto, ele não pôde comprar o que queria. / Ele disse-lhe a verdade; teve, pois, um comportamento correcto.); h) frases subordinadas temporais (ex.: Quando chegares a casa, telefona-me.); i) frases subordinadas adverbiais causais – porque, pois, uma vez que, visto que, já que... (exs.: Ela foi-se embora, porque já não havia nada a fazer. / O João não pôde cantar, uma vez que estava afónico.); j) frases subordinadas adverbiais concessivas – embora, ainda que, mesmo que, se bem que, por mais que... (ex.: Mesmo que me apeteça, não irei ao cinema.); k) expressões do tipo ou seja, isto é, sem dúvida, por exemplo, a meu ver, com efeito, na verdade (Esta casa é muito cara, ou seja, não é para o meu bolso!); l) nas datas, o nome do lugar (ex.: Aveiro, 23 de Setembro de 2006).
  • 2. - NÃO SE SEPARAM POR VÍRGULAS: a) o sujeito do predicado (ex.: O rapaz moreno de óculos e camisa branca é meu primo.); b) o verbo dos seus complementos (ex.: Ele deu uma prenda à Ana.); c) frases (com sujeitos iguais) e elementos da frase coordenados com a conjunção e (exs.: Ele começou a trabalhar e a ter mais dinheiro. / O filme é extremamente divertido e interessante.). → PONTO E VÍRGULA Assinala uma pausa maior do que a vírgula, mas menor do que a do ponto. Utiliza-se: a) numa enumeração cujos elementos já estão separados por vírgulas (ex.: Alguns tipos de problemas da cidade são: a poluição, que é provocada pelos fumos industriais, pelos escapes dos automóveis e pela produção de detritos de origem doméstica, industrial, hospitalar ou outra; a degradação dos edifícios; a diminuição dos espaços verdes; o envelhecimento da população; etc...); b) numa listagem de tópicos (ex.: Numa exposição oral, devemos assumir uma postura correcta e adequada: - falar olhando para o público; - não pôr as mãos nos bolsos, atrás das costas, na boca, etc.; - não mexer no apagador; - não balançar as pernas nem os braços; - não virar as costas ao público; - não ler os apontamentos; - falar num tom de voz audível.). → PONTO Marca a pausa mais longa da voz. Coloca-se no fim da frase, indicando que aquilo que se pretende dizer está completo. Utiliza-se para: indicar o fim de todas as frases excepto o das interrogativas directas e exclamativas (ex.: Bernardo estudava em Madrid. Apesar de ter sido bem recebido em Espanha e ter colegas fantásticos, sentia saudades da família e dos amigos que deixou em Portugal. Assim, decidiu regressar e continuar os seus estudos aqui.). → DOIS PONTOS Utilizam-se para: a) introduzir o discurso directo (ex.: A mãe disse: – Levanta a mesa, se fazes favor.); b) introduzir uma enumeração (ex.: O André foi à Feira do Livro e comprou: dois romances, um dicionário bilingue e uma enciclopédia.); c) introduzir uma explicação (ex.: Ele voltou para trás: tinha-se esquecido da carteira e dos óculos.); d) introduzir uma citação (ex.: Camões escreveu: «Amor é um fogo que arde sem se ver».). → TRAVESSÃO Utiliza-se o travessão para: a) marcar a fala de uma personagem em discurso directo (ex.: O Rodrigo exclamou: – Que linda paisagem!); b) isolar, num determinado contexto, palavras ou frases (ex.: Foram de férias – estavam muito cansados!). → RETICÊNCIAS Assinalam uma interrupção voluntária do discurso. Utilizam-se para: a) indicar uma interrupção no pensamento ou uma hesitação (exs.: Se ao menos pudesse ouvir a sua voz... / Não sei se espere mais tempo...);
  • 3. b) marcar a omissão de informação que se pode subentender (ex,: Naquela sala, tudo é muito original: os sofás, as mesas, os quadros, a carpete, os móveis...). → PONTO DE INTERROGAÇÃO Utiliza-se o ponto de interrogação: nas frases interrogativas directas (ex.: Disseste alguma coisa?). → PONTO DE EXCLAMAÇÃO Utiliza-se o ponto de exclamação: a) nas frases exclamativas (ex.: Que dia maravilhoso!); b) em algumas frases imperativas (ex.: Não me deixes sozinha!). EXERCÍCIOS A. Reescreve as frases com as vírgulas que faltam. 1. De qualquer forma José não tens razão. → ________________________________________________ 2. Para onde foi ele meu Deus? → _________________________________________________________ 3. Dona lnácia a dona desta casa espera-o na sala. → _________________________________________ 4. Espero porém que nos encontremos brevemente. → ________________________________________ 5. Professor como se faz este exercício? → __________________________________________________ 6. Pensa um pouco Júlio. → ______________________________________________________________ B. Explica o emprego de itálico e de aspas nas seguintes situações: 1. Por um clik magnético acendeu-se no meu cérebro a imagem do Zé Pedro, meu colega de escola, o «Papa-histórias», como depois lhe chamaríamos. _____________________________________________________________________________________ 2. A cara do meu colega era um mar de sardas, os olhos redondos e vivos e os dentes salientes. Mesmo assim mantinha aquele ar solene e o tom de voz de quem «sabe coisas». _____________________________________________________________________________________ 3. Lera o Tintim, o Sandokan, o Tio Patinhas, o Tarzan, como todos nós, e o David Copperfield. _____________________________________________________________________________________ C. Reescreve as frases do texto com os sinais de pontuação necessários. 1. ao voltar a casa à tarde Maria encontrou o gato na cozinha aninhado a comer um rato que tinha apanhado. _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 2. tinha ratos em casa que fazer como resolver aquilo _____________________________________________________________________________________ 3. no dia seguinte após as tarefas matinais disse ao filho hoje vou levar-te comigo porque não te quero sozinho em casa vamos lá João _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________
  • 4. _____________________________________________________________________________________ 4. no escritório foi um alvoroço olha que menino tão bonito _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ D. Coloca parênteses, travessões ou vírgulas nos sítios das frases onde são necessários. 1. Os dois países da Península Ibérica Portugal e Espanha foram em tempos pertença dos Árabes. _____________________________________________________________________________________ 2. O senhor Ricardo creio que é esse o seu nome é meu vizinho de patamar. _____________________________________________________________________________________ 3. Posso garantir-te e eu não sei mentir que acabo de o ver na rua. _____________________________________________________________________________________ E. Pontua o texto que se segue: Uma história de solidariedade O nome dele era Fleming e era um pobre fazendeiro escocês um dia enquanto trabalhava para ganhar a vida e o sustento para a sua família ouviu um pedido desesperado de socorro vindo de um pântano nas proximidades imediatamente largou as suas ferramentas e correu para lá ao chegar encontrou um menino gritando e tentando livrar-se da morte pois estava enlameado até à cintura o fazendeiro Fleming salvou o rapaz de uma morte lenta e terrível no dia seguinte uma carruagem riquíssima chega à humilde casa do escocês um nobre saiu e apresentou-se como o pai do menino que o fazendeiro Fleming havia salvado Eu quero recompensá-lo disse o nobre o senhor salvou a vida do meu filho Não eu não posso aceitar qualquer pagamento pelo que fiz respondeu o fazendeiro escocês recusando a oferta Naquele momento o filho do fazendeiro veio à porta do casebre É seu filho perguntou o nobre Sim respondeu o fazendeiro com orgulho Então faço-lhe uma proposta deixe-me levá-lo e dar-lhe-ei uma boa educação se o rapaz for como é o seu pai ele crescerá e será um homem do qual o senhor terá muito orgulho E foi o que ele fez tempos depois o filho do fazendeiro Fleming formou-se no St. Mary’s Hospital Medical School de Londres e ficou conhecido no mundo como o notável Senhor Alexander Fleming que descobriu a penicilina Anos depois o filho do nobre estava doente com pneumonia o que o salvou a penicilina o nome do nobre senhor Randolph Churchill o nome do filho dele senhor Winston Churchill É com exemplos e gestos como estes que o mundo se torna um lugar melhor