SlideShare uma empresa Scribd logo
A GRANDE
DEPRESSÃO
A CRISE DOS ANOS 30
Década de 20
Confiança no poder americano:
Os EUA tornam-se os grandes
credores da Europa e constituem uma
verdadeira potência industrial
(estabilidade financeira que conduz a
uma estabilidade no emprego. Assim,
aumenta o consumo e a produção);
Prosperidade aparente (na realidade, não circula dinheiro);
Níveis elevados de produção agrícola e industrial;
Especulação bolsista (ações em alta, muitos investidores);
Deflação.
Década de 20
Primeiros sinais de crise (1921): uma crise de superprodução:
desequilíbrio entre a capacidade de produção da Economia americana e as
possibilidades de escoamento;
a produção não tinha em conta a redução do mercado provocada pelo fim
da guerra;
produzia-se mais do que se consumia.
O governo leva a cabo medidas protecionistas:
o aumento das taxas alfandegárias,
a diminuição das importações (“Lei Seca”),
o controle da produção, para escoamento dos stocks.
A pouco e pouco os stocks vão-se escoando, permitindo reorganizar a economia.
O crash da Bolsa
Persiste o problema do desemprego em certos sectores,
A produção agrícola não tem escoamento,
A ruína dos agricultores leva à diminuição das compras de artigos
industrializados,
As ações estão sobrevalorizadas,
Em 24 de Outubro de 1929, as ações são colocadas à venda. No entanto, não há
compradores.
É o CRASH DA BOLSA DE
WALL STREET.
A Grande Depressão
Crise prolongada que afeta todos os setores:
economia (falências);
sociedade (desemprego);
política (mudança de governos)...
Surge nos Estados Unidos da América, mas espalha-se por todo o mundo.
Conduz ao:
ACUMULAÇÃO
DE STOCKS
CICLO VICIOSO DA CRISE
FALÊNCIA DAS
EMPRESAS
DIMINUIÇÃO DO
CONSUMO
AUMENTO DE
DESEMPREGO
Propagação (mundialização) da crise
O peso da economia dos Estados Unidos no mundo - este país constituía a maior
potência económica mundial e a que mais empréstimos tinha concedido a outros
países;
Retirada dos capitais americanos investidos fora dos EUA:
as empresas europeias financiadas pelos americanos abrem falência,
Os grandes bancos europeus abrem falência e a libra perde valor.
Diminuição das compras de matéria prima aos países subdesenvolvidos, que
dependiam das compras americanas e assim entram em crise.
Contração do comércio mundial.
Cobrança das dívidas contraídas no fim da primeira guerra mundial:
empobrecimento dos estados dependentes,
quebra nos rendimentos.
Consequências da crise
Económicas:
A produção industrial contraiu-se rápida e violentamente.
Os preços dos géneros agrícolas afundaram-se.
O volume das trocas internacionais declinou (diminui o comércio).
A queda da Bolsa provoca falências, ruína dos empresários.
Fim do investimento bancário e falência dos bancos.
Agravamento da superprodução. Para resolver esta situação, a produção é
sistematicamente destruída em variados países.
A deflação, que arrasta milhares e milhares
para a miséria.
Consequências da crise
Sociais:
Êxodo rural (fuga do campo para as cidades).
O aumento do desemprego, o que gera miséria, angústia e desespero.
O arruinar da classe média.
Os pequenos e médios proprietários tornam-se assalariados.
Respostas à crise
O plano americano liderado por Franklin Roosevelt aponta:
em 1º lugar para a necessidade de combater o desemprego. Segundo
Roosevelt, fosse possível assegurar a sobrevivência das pessoas, garantindo-
lhes a possibilidade de aquisição do indispensável, seria fácil ou pelo menos
possível, debelar a crise;
em 2º lugar para o aumento do poder de compra;
em 3º lugar, para o relançar do consumo e da produção.
É levado a cabo um conjunto
de medidas para obter estes objetivos,
denominado de NEW DEAL.
O New Deal americano
O New Deal propôs-se combater o desemprego para estimular o consumo e
consequentemente relançar a economia. Para isso adotou:
Medidas financeiras rigorosas que passavam pela fiscalização das próprias
instituições bancárias (a fim de controlar a especulação excessiva e a
inflação);
política de grandes trabalhos - criaram-se trabalhos públicos: arranjo de
estradas, construção de pontes, limpeza das ruas e outras obras dependentes
do Estado;
estipula-se um salário mínimo nacional (apesar de baixo, permite
sobreviver);
proteção à agricultura através da concessão quer de subsídios a fundo
perdido, quer a juro bonificado, o Estado auxilia a recuperação dos
proprietários agrícolas.
O New Deal americano
Estipula-se um horário de trabalho mais reduzido de forma a garantir um
maior número de empregos. Os operários ganhavam menos do que
anteriormente, mas o valor era distribuído por um número maior de
trabalhadores.
Para incentivar este tipo de atuação, o Estado concede ainda às empresas
importantes isenções ou reduções fiscais.
Este tipo de medidas insere-se numa legislação protecionista, com duas
grandes preocupações:
Estabilizar a economia interna / garantia de emprego.
Diminuir a saída de receitas para o estrangeiro.
Na Europa
O caso Inglês - Procura-se estabilizar a economia interna. Para tal, os partidos
Conservador, Trabalhista e Liberal formam a União Nacional, que desenvolve
medidas de:
combate ao desemprego;
introdução de políticas protecionistas;
concessão de subsídios;
incitamento à compra de produtos nacionais (“Buy British”)…
O caso francês – após a fase de instabilidade, o governo é entregue à Frente
Popular. Esta toma medidas no sentido de:
criar mais postos de trabalho;
diminuir o horário de trabalho e aumentar os salários;
nacionalizar algumas empresas (caminhos de ferro, por ex.).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
Carlos Vieira
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
Carlos Vieira
 
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialConsequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

O estalinismo
O estalinismoO estalinismo
O estalinismo
 
O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
 
A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30A Grande Depressao dos anos 30
A Grande Depressao dos anos 30
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
 
As Vanguardas: Ruturas com os Cânones das Artes
As Vanguardas: Ruturas com os Cânones das ArtesAs Vanguardas: Ruturas com os Cânones das Artes
As Vanguardas: Ruturas com os Cânones das Artes
 
O fascismo italiano
O fascismo italianoO fascismo italiano
O fascismo italiano
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
Crash 29 - Completo
Crash 29 - CompletoCrash 29 - Completo
Crash 29 - Completo
 
Estado novo portugal
Estado novo portugalEstado novo portugal
Estado novo portugal
 
RevoluçãO Russa
RevoluçãO RussaRevoluçãO Russa
RevoluçãO Russa
 
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 3010 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
10 1 crise_ditaduras e democracias na década de 30
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
Consequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra MundialConsequências da 2ª Guerra Mundial
Consequências da 2ª Guerra Mundial
 
A Guerra Fria
A Guerra FriaA Guerra Fria
A Guerra Fria
 
O século xx
O século xx O século xx
O século xx
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 

Semelhante a A grande depressão

A crise de 1929. 02ppt
A crise de 1929. 02pptA crise de 1929. 02ppt
A crise de 1929. 02ppt
Odairdesouza
 
Os anos 1920 e a grande depressão
Os anos 1920 e a grande depressãoOs anos 1920 e a grande depressão
Os anos 1920 e a grande depressão
Fernando Fagundes
 
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressãoO capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
Alessandro de Moura
 
Slide crise de 1929
Slide crise de 1929Slide crise de 1929
Slide crise de 1929
viviancostta
 

Semelhante a A grande depressão (20)

Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Crise de 29
Crise de 29Crise de 29
Crise de 29
 
A Grande DepressãO
A Grande DepressãOA Grande DepressãO
A Grande DepressãO
 
Crise 1
Crise 1Crise 1
Crise 1
 
Crise 1929-1229128886287390-3
Crise 1929-1229128886287390-3Crise 1929-1229128886287390-3
Crise 1929-1229128886287390-3
 
A Grande Crise Do Capitalismo
A Grande Crise Do CapitalismoA Grande Crise Do Capitalismo
A Grande Crise Do Capitalismo
 
A Crise De 1929
A Crise De 1929A Crise De 1929
A Crise De 1929
 
A Crise De 1929
A Crise De 1929A Crise De 1929
A Crise De 1929
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Crise 1929-1229128886287390-3
Crise 1929-1229128886287390-3Crise 1929-1229128886287390-3
Crise 1929-1229128886287390-3
 
A crise de 1929. 02ppt
A crise de 1929. 02pptA crise de 1929. 02ppt
A crise de 1929. 02ppt
 
A crise de 29
A crise de 29A crise de 29
A crise de 29
 
Os anos 1920 e a grande depressão
Os anos 1920 e a grande depressãoOs anos 1920 e a grande depressão
Os anos 1920 e a grande depressão
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressãoO capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
 
Ag gd cac3
Ag gd cac3Ag gd cac3
Ag gd cac3
 
Aula 3 crise de 1929
Aula 3   crise de 1929Aula 3   crise de 1929
Aula 3 crise de 1929
 
Crise 2
Crise 2Crise 2
Crise 2
 
Slide crise de 1929
Slide crise de 1929Slide crise de 1929
Slide crise de 1929
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 

A grande depressão

  • 2. Década de 20 Confiança no poder americano: Os EUA tornam-se os grandes credores da Europa e constituem uma verdadeira potência industrial (estabilidade financeira que conduz a uma estabilidade no emprego. Assim, aumenta o consumo e a produção); Prosperidade aparente (na realidade, não circula dinheiro); Níveis elevados de produção agrícola e industrial; Especulação bolsista (ações em alta, muitos investidores); Deflação.
  • 3. Década de 20 Primeiros sinais de crise (1921): uma crise de superprodução: desequilíbrio entre a capacidade de produção da Economia americana e as possibilidades de escoamento; a produção não tinha em conta a redução do mercado provocada pelo fim da guerra; produzia-se mais do que se consumia. O governo leva a cabo medidas protecionistas: o aumento das taxas alfandegárias, a diminuição das importações (“Lei Seca”), o controle da produção, para escoamento dos stocks. A pouco e pouco os stocks vão-se escoando, permitindo reorganizar a economia.
  • 4. O crash da Bolsa Persiste o problema do desemprego em certos sectores, A produção agrícola não tem escoamento, A ruína dos agricultores leva à diminuição das compras de artigos industrializados, As ações estão sobrevalorizadas, Em 24 de Outubro de 1929, as ações são colocadas à venda. No entanto, não há compradores. É o CRASH DA BOLSA DE WALL STREET.
  • 5. A Grande Depressão Crise prolongada que afeta todos os setores: economia (falências); sociedade (desemprego); política (mudança de governos)... Surge nos Estados Unidos da América, mas espalha-se por todo o mundo. Conduz ao: ACUMULAÇÃO DE STOCKS CICLO VICIOSO DA CRISE FALÊNCIA DAS EMPRESAS DIMINUIÇÃO DO CONSUMO AUMENTO DE DESEMPREGO
  • 6. Propagação (mundialização) da crise O peso da economia dos Estados Unidos no mundo - este país constituía a maior potência económica mundial e a que mais empréstimos tinha concedido a outros países; Retirada dos capitais americanos investidos fora dos EUA: as empresas europeias financiadas pelos americanos abrem falência, Os grandes bancos europeus abrem falência e a libra perde valor. Diminuição das compras de matéria prima aos países subdesenvolvidos, que dependiam das compras americanas e assim entram em crise. Contração do comércio mundial. Cobrança das dívidas contraídas no fim da primeira guerra mundial: empobrecimento dos estados dependentes, quebra nos rendimentos.
  • 7.
  • 8. Consequências da crise Económicas: A produção industrial contraiu-se rápida e violentamente. Os preços dos géneros agrícolas afundaram-se. O volume das trocas internacionais declinou (diminui o comércio). A queda da Bolsa provoca falências, ruína dos empresários. Fim do investimento bancário e falência dos bancos. Agravamento da superprodução. Para resolver esta situação, a produção é sistematicamente destruída em variados países. A deflação, que arrasta milhares e milhares para a miséria.
  • 9. Consequências da crise Sociais: Êxodo rural (fuga do campo para as cidades). O aumento do desemprego, o que gera miséria, angústia e desespero. O arruinar da classe média. Os pequenos e médios proprietários tornam-se assalariados.
  • 10. Respostas à crise O plano americano liderado por Franklin Roosevelt aponta: em 1º lugar para a necessidade de combater o desemprego. Segundo Roosevelt, fosse possível assegurar a sobrevivência das pessoas, garantindo- lhes a possibilidade de aquisição do indispensável, seria fácil ou pelo menos possível, debelar a crise; em 2º lugar para o aumento do poder de compra; em 3º lugar, para o relançar do consumo e da produção. É levado a cabo um conjunto de medidas para obter estes objetivos, denominado de NEW DEAL.
  • 11. O New Deal americano O New Deal propôs-se combater o desemprego para estimular o consumo e consequentemente relançar a economia. Para isso adotou: Medidas financeiras rigorosas que passavam pela fiscalização das próprias instituições bancárias (a fim de controlar a especulação excessiva e a inflação); política de grandes trabalhos - criaram-se trabalhos públicos: arranjo de estradas, construção de pontes, limpeza das ruas e outras obras dependentes do Estado; estipula-se um salário mínimo nacional (apesar de baixo, permite sobreviver); proteção à agricultura através da concessão quer de subsídios a fundo perdido, quer a juro bonificado, o Estado auxilia a recuperação dos proprietários agrícolas.
  • 12. O New Deal americano Estipula-se um horário de trabalho mais reduzido de forma a garantir um maior número de empregos. Os operários ganhavam menos do que anteriormente, mas o valor era distribuído por um número maior de trabalhadores. Para incentivar este tipo de atuação, o Estado concede ainda às empresas importantes isenções ou reduções fiscais. Este tipo de medidas insere-se numa legislação protecionista, com duas grandes preocupações: Estabilizar a economia interna / garantia de emprego. Diminuir a saída de receitas para o estrangeiro.
  • 13. Na Europa O caso Inglês - Procura-se estabilizar a economia interna. Para tal, os partidos Conservador, Trabalhista e Liberal formam a União Nacional, que desenvolve medidas de: combate ao desemprego; introdução de políticas protecionistas; concessão de subsídios; incitamento à compra de produtos nacionais (“Buy British”)… O caso francês – após a fase de instabilidade, o governo é entregue à Frente Popular. Esta toma medidas no sentido de: criar mais postos de trabalho; diminuir o horário de trabalho e aumentar os salários; nacionalizar algumas empresas (caminhos de ferro, por ex.).