SlideShare uma empresa Scribd logo
Oficina de
Desenho infantil
Claudia Pedral
Outubro / 2011
A CRIANÇA E SEU
DESENHO
O DESENHO
»CONCEITO
• O desenho, traz em seu conteúdo a expressão
do sentir e pensar de um individuo. E na
criança, tem o significado da expressão do
seu desenvolvimento motor e aquisições do
seu relacionamento com o meio social.
O significado do
desenho
• Para V. Lowenfeld (70), ...”desenhar, pintar ou
construir, constituem um processo complexo
em que a criança reune diversos elementos
em sua experiência, para formar um novo e
significativo todo. No processo de selecionar,
interpretar e reformar esses elementos, a
criança proporciona mais que um
quadro...proporciona, parte de si própria,
como PENSA, como SENTE, como VÊ”.
A Historia do desenho
A Historia do desenho
• PARA PSICOLOGIA – data do século passado-
1900. Nessa época;
• Descobre-se a originalidade da infância;
• Rosseau, leva a distinguir as diferentes etapas
do desenvolvimento gráfico;
• Introdução do desenho do tratamento
psicanalítico/ psicológico.
• Ref :O desenho infantil; Méredieu de, Florence
A originalidade
• Ainda visto como adultos mirins ou maquetes
de adultos; a criança apresentava fracassos na
suas intervenções que se apresentavam com
objetivos de preparar um futuro artista. A
descoberta da originalidade infantil,
perpassou pela descoberta da ação da criança
e da evolução a padrões reconhecíveis e
depois interpretáveis.
• Ref :O desenho infantil; Méredieu de, Floren
A psicologia
• Surge como uma linguagem para a ciência,
tendo sido necessário a prudência quanto aos
critérios, diante da distinção da criança frente
aos signos gráficos e sua evolução, pela
discriminação.
• Através da influencia do adulto, a criança
começa sua produção que passa de rabiscos
para gráficos com significados.
Ref :O desenho infantil; Méredieu de, Florence
A psicologia
• Levando a psicologia a interpretação e analise
do desenho infantil.
• Existem algumas pistas que podem orientar os
pais sobre o que diz o desenho do seu filho. No
entanto, são puramente orientações. Segundo a
especialista canadense, Nicole Bédard, o
desenho diz muitas coisas.
• http://br.guiainfantil.com/desenho-infantil/210-como-interpretar-os-desenhos-das-criancas.html
A interpretação do
desenho
• Posição do desenho – Todo desenho na parte superior do papel,
está relacionado com a cabeça, o intelecto, a imaginação, a
curiosidade e o desejo de descobrir coisas novas. A parte inferior
do papel nos informa sobre as necessidades físicas e materiais
que pode ter a criança. O lado esquerdo indica pensamentos que
giram em torno ao passado, enquanto o lado direito, ao futuro.
Se o desenho se situa no centro do papel, representa o momento
atual.
• Dimensões do desenho - Os desenhos com formas grandes
mostram certa segurança, enquanto os de formas pequenas
parecem ser feitas por crianças que normalmente precisam de
pouco espaço para se expressar. Podem também sugerir uma
criança reflexiva ou com falta de confiança.
A interpretação do
desenho
• Traços do desenho - Os contínuos, sem
interrupções, parecem denotar um espírito
dócil, enquanto o apagado ou falhado, pode
revelar uma criança um pouco insegura e
impulsiva.
• A pressão do desenho - Uma boa preensão
indica entusiasmo e vontade. Quanto mais forte
seja o desenho, mais agressividade existirá,
enquanto as mais superficiais demonstra falta
de vontade ou fadiga física.
A interpretação do
desenho• As cores do desenho – O vermelho representa a vida, o ardor, o
ativo; o amarelo, a curiosidade e alegria de viver; o laranja,
necessidade de contato social e público, impaciência; o azul, a
paz e a tranqüilidade; o verde, certa maturidade, sensibilidade e
intuição; o negro representa o inconsciente; o marrom, a
segurança e planejamento. É necessário acrescentar que o
desenho de uma só cor, pode denotar preguiça ou falta de
motivação.
• Esses tipos de interpretação, são apenas uma pincelada dentro
do grande mundo que é o desenho infantil. Não devemos
generalizá-los. Cada criança é um mundo, assim como as regras
de interpretação do desenho infantil. Se alguma coisa te
preocupa no seu filho, e se for necessário, busque um
especialista.
A educação
• Na criança, desenho e antes de mais nada
motor, há um prazer no gesto, mas não uma
identificação.
• “Cada desenho reflete os sentimentos, a
capacidade intelectual, o desenvolvimento
físico, a acuidade perceptiva, o envolvimento
do criador, o gosto estético e até a evolução
social da criança, como individuo”.(Lowenfeld,70)
Evolução do desenho
• O desenvolvimento progressivo do desenho implica em mudanças significativas que, no
início, dizem respeito à passagem dos rabiscos iniciais da garatuja para construções cada
vez mais ordenadas, fazendo surgir os primeiros símbolos. Essa passagem é possível
graças às interações da criança com o ato de desenhar e com desenhos de outras pessoas.
Na garatuja, a criança tem como hipótese que o desenho é simplesmente uma ação sobre
uma superfície, e ela sente prazer ao constatar os efeitos visuais que essa ação produziu.
No decorrer do tempo, as garatujas, que refletiam sobretudo o prolongamento de
movimentos rítmicos de ir e vir, transformam-se em formas definidas que apresentam
maior ordenação, e podem estar se referindo a objetos naturais, objetos imaginários ou
mesmo a outros desenhos.
O desenho como possibilidade de brincar, o desenho como possibilidade de falar de
registrar, marca o desenvolvimento da infância, porém em cada estágio, o desenho
assume um caráter próprio.
• http://johannaterapeutaocupacional.blogspot.com
A criança de 1 a 3
anos
É a idade das famosas garatujas:
simples riscos ainda desprovidos de
controle motor, a criança ignora os
limites do papel e mexe todo o corpo
para desenhar, avançando os
traçados pelas paredes e chão.
As primeiras garatujas são linhas
longitudinais que, com o tempo, vão
se tornando circulares e, por fim, se
fecham em formas independentes.
Fases da idade
Fases das garatujas :
o Desordenadas – atitude puramente motora, utilizam
o braço (alavanca do cotovelo.)
o Ordenadas – pode ocorrer após um tempo curto de
experimentação da criança. Ocupa todo espaço do
papel, diverte-se com os efeitos, é fase de evolução
motora.
o Ordenadas com atribuição de nomes – mesmo sem
formas reconhecíveis, atribui-lhe nomes.
Caracteristicas
 ALGUMAS CARACTERISTICAS FAZEM PARTE DESSA ETAPA
 Nessa etapa a COR, desempenha papel secundario; inicia a
busca pela cor, quando dando nome as garatujas, o que não
significa ainda conhecimento da cor, mas distinção de tons.
 Nessa época, quanto mais EXPERIÊNCIA VIVIDA pela criança,
mais amadurecimento ela obterá, em seu desenvolvimento.
 Quanto aos MATERIAIS, lápis cera, pequeno ou estaca, piloto;
quanto a superfícies, os tamanhos A3, são os mais indicados;
Tinta guache, com consistência razoável, usar papel na parede
para facilitar a criatividade; massa de modelar.
A criança de 3 a 4 anos
Conquistou a forma e seus
desenhos têm a intenção de
reproduzir algo.
Respeita melhor os limites do
papel.
Inicio do aparecimento das
células.
Inicio do desenho de um ser
humano com pernas e braços.
Os movimentos circulares
e longitudinais, convertem-
se em formas
reconhecíveis.
Geralmente, a primeira
forma é exatamente, o
esquema corporal.
Isso por que, essa é a
representação que a
criança tem de si mesma.
Por volta dos 4 anos, as
crianças já fazem formas
reconhecíveis, embora não
sejam alvos de analises
significativas.
Aos 5 anos, esses traços já
são, com freqüência,
distinguíveis,como pessoas,
casas ou árvores.
Aos 6 anos essas formas
evoluem para desenhos,
com tema e claramente
identificáveis.
A Criança de 4 a 5
anos
É uma fase de temas clássicos do
desenho infantil: como paisagens,
casinhas, flores, super-heróis, veículos
e animais
Varia no uso das cores, buscando um
certo realismo.
Figuras humanas já dispõem de novos
detalhes, como cabelos, pés e mãos.
Inicio do aparecimento tênue da linha
de base, céu e chão.
De 4 a 5 anos
Aparece ainda a tendência à
antropomorfização, ou seja, a
emprestar características humanas a
elementos da natureza, como o
famoso sol com olhos e boca. Esta
tendência deve se estender até 7 ou 8
anos.
Fase do desenho PRÉ- ESQUEMATISMO: fase pré-operatória, descoberta
da relação entre desenho, pensamento e realidade. Os elementos são
dispersos e não relacionados entre si. O uso das cores não tem relação com
a realidade, depende do interesse emocional.
Criança de 5 a 6
anosOs desenhos sempre se baseiam em
roteiros com começo, meio e fim.
Figuras humanas aparecem vestidas.
Grande atenção a detalhes como as
cores.
Os temas variam e o fato de não terem
nada a ver com a vida dela são um
indício de desprendimento e
capacidade de contar histórias sobre o
mundo.
Caracteristicas
• Os desenhos são frutos de EVOLUÇÃO motora e social.
• MUDANÇAS constantes e avanços diários.
• Ainda aqui, a relação de COR e desenho, ainda é rara na sua identificação.
• Há favoritismo com cores, para suas produções.
• Uso do espaço, como sendo, aquilo que o cerca, assim os objetos
aparecerão acima, em baixo ou ao lado uns dos outros.
• O desenho passa a ser uma experiência de aprendizagem.
• Quanto aos MATERIAIS, tinta guache espessa, com pincel grosso, e o
papel A4, e absorvente. Uso de lápis cera e papeis A3; já em uso de
grafites, triangular ou jumbo.
Criança de 7 e 8
anos
O esquematismo é a marca desta fase,
em que surge também a noção de
perspectiva. Ou seja, os desenhos da
criança já dão uma impressão de
profundidade e distância.
Extremamente exigentes, muitas deixam
de desenhar, se acham que seus
trabalhos não ficam bonitos.
O importante é respeitar os ritmos de
cada criança e permitir que ela possa
desenhar livremente, sem intervenção
direta, explorando diversos materiais,
suportes e situações.
Crianças de 7 e 8
anos
• FASE DO ESQUEMATISMO: Fase das operações
concretas (7 a 10 anos).Esquemas representativos, começa a
construir formas diferenciadas para cada categoria de objeto,
por exemplo descobre que pode fazer um pássaro com a leta
"V". Uso da linha de base e descoberta da relação cor objeto.
Já tem um conceito definido quanto a figura humana, porém
aparecem desvios do esquema como: exagero, negligência,
omissão ou mudança de símbolo. Aparecem fenômenos como
a transparência e o rebatimento.
Crianças de 9 e 10
anos
Desenhos expressivos. Não
contam só histórias, bem como
refletem suas realidades.
Esquemas altamente
individualizados , que dizem
respeito a algo de importante para
eles.
Caracteristicas
 A partir dos 7 anos, a figura humana, enriquece em detalhes e
tipos diferentes.
 A criança já demonstra que adquiriu conceitos, mediante
combinação de vários fatores.
 Definição da ordem espacial.
 Aparecimento da linha de base, fase inerente ao
desenvolvimento da criança.
 Representação do tempo
 Transparência nos desenhos
 A COR, aparece afinidade entre cores e objetos; já como
mostra de evolução em seus processos.
Caracteristicas
 Uso de MATERIAIS, uso em profusão de gauche,
espesso; uso de lápis de cor, grafites para
desenhos; Introdução de hidrôcor, para
desenhos, contornos, escritas, caneta
esferográfica. Pinceis de pelo, achatado, finos
e grossos. Papel A3.
Crianças de 10
anos .....• REALISMO: final das operações concretas . Consciência maior do sexo e
autocrítica pronunciada. No espaço é descoberto o plano e a
superposição. Abandona a linha de base. As formas geométricas
aparecem com apropriação e funcionalidade. Maior rigidez e formalismo.
Acentuação das roupas diferenciando os sexos.
• PSEUDO NATURALISMO: fase das operações abstratas (10 anos em
diante).É o fim da arte como atividade expontânea. Inicia a investigação
de sua própria personalidade.
Características: realismo, objetividade, profundidade,espaço subjetivo,
uso consciente da cor.
Na figura humana as características sexuais são exageradas, presença das
articulações e proporções.
E as crianças
especiais???
• O DESENHO E A CRIANÇA ESPECIAL.
Apresentam características próprias;
Demonstram a imaturidade da criança ou individuo.
Demonstram seu nível intelectual.
Por vezes apresentam desenhos estereotipados.
Demonstram o desequilíbrio entre a idade
cronológica e a idade mental
De acordo com seu comprometimento motor,
demonstram suas incapacidades ou suas dificuldades
motoras.
Desenhos de alunos especiais
R. com SD – 12 anos T.M. com DM – 13 anos
A. Com DM – 15 anos
Imagens estereotipadas
Desenhos de alunos especiais
F. Com S.D – 12 anos A.P. Com DM – 13 anos
L.G. com A.M.- 4 anos
Desenhos de alunos especiais
V. ‘dito normal’ – 8 anos
Copiado por
L. Com S.D – 12 anos
Estou indo...!
No
coração!
Vejam : www.cpedral.com.br
Obrigada! E me acessem.
Meus contatos:
contato@cpedral.com.br
Claudia.pedral@clinicaencontro.com.br
Cel: 8222 5378 / 9204 4535

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
Adriana Mércia
 
Fundamentos e metodologia da educação infantil
Fundamentos e metodologia da educação infantilFundamentos e metodologia da educação infantil
Fundamentos e metodologia da educação infantil
mirafontela
 
Concepçâo de infancia
Concepçâo de infanciaConcepçâo de infancia
Concepçâo de infancia
Jaisna Luara
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ritagatti
 
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criançaPNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
ElieneDias
 
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencaoPsicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Sergio Luis dos Santos Lima
 
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Joelson Honoratto
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
Heloiza Moura
 
Educação de Crianças em Creches - Grupo União
Educação de Crianças em Creches - Grupo UniãoEducação de Crianças em Creches - Grupo União
Educação de Crianças em Creches - Grupo União
grupouniao
 
Protagonismo juvenil 3
Protagonismo juvenil 3Protagonismo juvenil 3
Protagonismo juvenil 3
Jonas Araújo
 
A importancia do brincar
A importancia do brincarA importancia do brincar
A importancia do brincar
Renata Costa
 
Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
Débora Rodrigues
 
Estágio pré – operatório
Estágio pré – operatórioEstágio pré – operatório
Estágio pré – operatório
patty_lilikinha
 
Teorias cognitivas tabela comparativa
Teorias cognitivas   tabela comparativaTeorias cognitivas   tabela comparativa
Teorias cognitivas tabela comparativa
CDIM Daniel
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e Desafios
ACTEBA
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Jogos Pedagógicos
Jogos Pedagógicos Jogos Pedagógicos
Jogos Pedagógicos
Patrícia Rodrigues
 
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagemTeorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Lucas Vinícius
 
Arquivo 3 - Protagonismo Até altas Horas - Acolhimento Estudantes.pdf
Arquivo 3 - Protagonismo Até altas Horas - Acolhimento Estudantes.pdfArquivo 3 - Protagonismo Até altas Horas - Acolhimento Estudantes.pdf
Arquivo 3 - Protagonismo Até altas Horas - Acolhimento Estudantes.pdf
ErlissonPinheiro
 

Mais procurados (20)

Jean piaget
Jean piagetJean piaget
Jean piaget
 
Educação Infantil
Educação InfantilEducação Infantil
Educação Infantil
 
Fundamentos e metodologia da educação infantil
Fundamentos e metodologia da educação infantilFundamentos e metodologia da educação infantil
Fundamentos e metodologia da educação infantil
 
Concepçâo de infancia
Concepçâo de infanciaConcepçâo de infancia
Concepçâo de infancia
 
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTILLUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criançaPNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
 
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencaoPsicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
 
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
Estudo sobre o desenvolvimento humano (parte I)
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Educação de Crianças em Creches - Grupo União
Educação de Crianças em Creches - Grupo UniãoEducação de Crianças em Creches - Grupo União
Educação de Crianças em Creches - Grupo União
 
Protagonismo juvenil 3
Protagonismo juvenil 3Protagonismo juvenil 3
Protagonismo juvenil 3
 
A importancia do brincar
A importancia do brincarA importancia do brincar
A importancia do brincar
 
Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)Teoria de piaget (slides)
Teoria de piaget (slides)
 
Estágio pré – operatório
Estágio pré – operatórioEstágio pré – operatório
Estágio pré – operatório
 
Teorias cognitivas tabela comparativa
Teorias cognitivas   tabela comparativaTeorias cognitivas   tabela comparativa
Teorias cognitivas tabela comparativa
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e Desafios
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
Jogos Pedagógicos
Jogos Pedagógicos Jogos Pedagógicos
Jogos Pedagógicos
 
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagemTeorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
Teorias da aprendizagem de Piaget: equilibração e fases de aprendizagem
 
Arquivo 3 - Protagonismo Até altas Horas - Acolhimento Estudantes.pdf
Arquivo 3 - Protagonismo Até altas Horas - Acolhimento Estudantes.pdfArquivo 3 - Protagonismo Até altas Horas - Acolhimento Estudantes.pdf
Arquivo 3 - Protagonismo Até altas Horas - Acolhimento Estudantes.pdf
 

Destaque

O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
PTAI
 
As fases do desenho infantil por simone helen drumond
As fases do desenho infantil por simone helen drumondAs fases do desenho infantil por simone helen drumond
As fases do desenho infantil por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
A importancia da garatuja
A importancia da garatujaA importancia da garatuja
A importancia da garatuja
SimoneHelenDrumond
 
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
Lucia Barbosa
 
Expressão gráfica na infância completo
Expressão gráfica na infância   completoExpressão gráfica na infância   completo
Expressão gráfica na infância completo
Herica Silva Teixeira
 
A evolução do desenho infantil
A evolução do desenho infantilA evolução do desenho infantil
A evolução do desenho infantil
Lakalondres
 
O desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantilO desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantil
vivianelima
 
desenho infantil_animacao_e_dinamizacao_de_act_ludico_expressivas
desenho infantil_animacao_e_dinamizacao_de_act_ludico_expressivasdesenho infantil_animacao_e_dinamizacao_de_act_ludico_expressivas
desenho infantil_animacao_e_dinamizacao_de_act_ludico_expressivas
Sandra Nani
 
Grafismo Infantil - Marita Redin
Grafismo Infantil - Marita RedinGrafismo Infantil - Marita Redin
Grafismo Infantil - Marita Redin
Paulo Fochi
 
A evolução do desenho
A evolução do desenhoA evolução do desenho
A evolução do desenho
Leandra Teixeira Falcão
 
Análise de desenho
Análise de desenhoAnálise de desenho
Análise de desenho
Lucia Schermack
 
Formas de pensar o desenho
Formas de pensar o desenhoFormas de pensar o desenho
Formas de pensar o desenho
Lídia Ganhito
 
Monografia Érica Pedagogia 2012
Monografia Érica Pedagogia 2012Monografia Érica Pedagogia 2012
Monografia Érica Pedagogia 2012
Biblioteca Campus VII
 
Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção
Perturbação de Hiperatividade e Défice de AtençãoPerturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção
Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção
Rita Domingues
 
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Vis-UAB
 
Desenvolvimento artistico artesvisuais
Desenvolvimento artistico artesvisuaisDesenvolvimento artistico artesvisuais
Desenvolvimento artistico artesvisuais
Anaí Peña
 
A cosntrucao da nocao de corpo represetada atraves de desenho
A cosntrucao da nocao de corpo represetada atraves de desenhoA cosntrucao da nocao de corpo represetada atraves de desenho
A cosntrucao da nocao de corpo represetada atraves de desenho
Eloi Alexandre Pereira Neto
 
Dimensoes do processo_de_apropriacao_cultural_de_bernardi andréia
Dimensoes do processo_de_apropriacao_cultural_de_bernardi andréiaDimensoes do processo_de_apropriacao_cultural_de_bernardi andréia
Dimensoes do processo_de_apropriacao_cultural_de_bernardi andréia
Andréia De Bernardi
 
Y'guaçu - clitóris
Y'guaçu - clitórisY'guaçu - clitóris
Y'guaçu - clitóris
mallkuchanez
 
Jorge Aldrovandi e 5 histórias de e-marketing
Jorge Aldrovandi e 5 histórias de e-marketingJorge Aldrovandi e 5 histórias de e-marketing
Jorge Aldrovandi e 5 histórias de e-marketing
Jorge Aldrovandi & Babel-Team
 

Destaque (20)

O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
 
As fases do desenho infantil por simone helen drumond
As fases do desenho infantil por simone helen drumondAs fases do desenho infantil por simone helen drumond
As fases do desenho infantil por simone helen drumond
 
A importancia da garatuja
A importancia da garatujaA importancia da garatuja
A importancia da garatuja
 
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
A evolucao-do-desenho-infantil-slides44
 
Expressão gráfica na infância completo
Expressão gráfica na infância   completoExpressão gráfica na infância   completo
Expressão gráfica na infância completo
 
A evolução do desenho infantil
A evolução do desenho infantilA evolução do desenho infantil
A evolução do desenho infantil
 
O desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantilO desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantil
 
desenho infantil_animacao_e_dinamizacao_de_act_ludico_expressivas
desenho infantil_animacao_e_dinamizacao_de_act_ludico_expressivasdesenho infantil_animacao_e_dinamizacao_de_act_ludico_expressivas
desenho infantil_animacao_e_dinamizacao_de_act_ludico_expressivas
 
Grafismo Infantil - Marita Redin
Grafismo Infantil - Marita RedinGrafismo Infantil - Marita Redin
Grafismo Infantil - Marita Redin
 
A evolução do desenho
A evolução do desenhoA evolução do desenho
A evolução do desenho
 
Análise de desenho
Análise de desenhoAnálise de desenho
Análise de desenho
 
Formas de pensar o desenho
Formas de pensar o desenhoFormas de pensar o desenho
Formas de pensar o desenho
 
Monografia Érica Pedagogia 2012
Monografia Érica Pedagogia 2012Monografia Érica Pedagogia 2012
Monografia Érica Pedagogia 2012
 
Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção
Perturbação de Hiperatividade e Défice de AtençãoPerturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção
Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção
 
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
DESENHO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Desenvolvimento artistico artesvisuais
Desenvolvimento artistico artesvisuaisDesenvolvimento artistico artesvisuais
Desenvolvimento artistico artesvisuais
 
A cosntrucao da nocao de corpo represetada atraves de desenho
A cosntrucao da nocao de corpo represetada atraves de desenhoA cosntrucao da nocao de corpo represetada atraves de desenho
A cosntrucao da nocao de corpo represetada atraves de desenho
 
Dimensoes do processo_de_apropriacao_cultural_de_bernardi andréia
Dimensoes do processo_de_apropriacao_cultural_de_bernardi andréiaDimensoes do processo_de_apropriacao_cultural_de_bernardi andréia
Dimensoes do processo_de_apropriacao_cultural_de_bernardi andréia
 
Y'guaçu - clitóris
Y'guaçu - clitórisY'guaçu - clitóris
Y'guaçu - clitóris
 
Jorge Aldrovandi e 5 histórias de e-marketing
Jorge Aldrovandi e 5 histórias de e-marketingJorge Aldrovandi e 5 histórias de e-marketing
Jorge Aldrovandi e 5 histórias de e-marketing
 

Semelhante a A criança e_seu_desenho_-_oficina_uneb (1)

a-evolucao-do-desenho-infantil-slides44-130701172621-phpapp02.pdf
a-evolucao-do-desenho-infantil-slides44-130701172621-phpapp02.pdfa-evolucao-do-desenho-infantil-slides44-130701172621-phpapp02.pdf
a-evolucao-do-desenho-infantil-slides44-130701172621-phpapp02.pdf
MarinaSantos580780
 
O desenho infantil
O desenho infantil   O desenho infantil
O desenho infantil
gabifavarim
 
Meu tcc
Meu tccMeu tcc
Artigo 1 desenho.pdf
Artigo 1 desenho.pdfArtigo 1 desenho.pdf
Artigo 1 desenho.pdf
Andrea Nogueira
 
O fazer das Artes Plásticas na EI (1).ppt
O fazer das Artes Plásticas na EI (1).pptO fazer das Artes Plásticas na EI (1).ppt
O fazer das Artes Plásticas na EI (1).ppt
Adriana983313
 
O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
Olga Rodrigues
 
O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
Olga Rodrigues
 
Meu tcc
Meu tccMeu tcc
Avaliação do desenho infantil (1).pdf
Avaliação do desenho infantil (1).pdfAvaliação do desenho infantil (1).pdf
Avaliação do desenho infantil (1).pdf
KarlaCardosoArajo
 
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Helena de Brum
 
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdfUso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
IBEE5
 
10 coisas que você precisa saber sobre o desenho da criança
10 coisas que você precisa saber sobre o desenho da criança10 coisas que você precisa saber sobre o desenho da criança
10 coisas que você precisa saber sobre o desenho da criança
Janete Machado
 
Artigo: A Percepção do desenho infantil : Como pensar o desenho infantil?
Artigo: A Percepção do desenho infantil : Como pensar o desenho infantil?Artigo: A Percepção do desenho infantil : Como pensar o desenho infantil?
Artigo: A Percepção do desenho infantil : Como pensar o desenho infantil?
Julian Coelho
 
Artes visuais: desenho e pintura
Artes visuais: desenho e pinturaArtes visuais: desenho e pintura
Artes visuais: desenho e pintura
lechemi
 
Grafismo Infantil - Marita Redin
Grafismo Infantil - Marita RedinGrafismo Infantil - Marita Redin
Grafismo Infantil - Marita Redin
guest6aa638a
 
Projeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentaçãoProjeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentação
Rose Silva
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infância
educadores
 
Aline eliane
Aline elianeAline eliane
Aline eliane
Fernando Pissuto
 
Análise do Desenho Infantil.pptx
Análise do Desenho Infantil.pptxAnálise do Desenho Infantil.pptx
Análise do Desenho Infantil.pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
Arte educação e terapia by sidnei
Arte educação e terapia by sidneiArte educação e terapia by sidnei
Arte educação e terapia by sidnei
sidtkt
 

Semelhante a A criança e_seu_desenho_-_oficina_uneb (1) (20)

a-evolucao-do-desenho-infantil-slides44-130701172621-phpapp02.pdf
a-evolucao-do-desenho-infantil-slides44-130701172621-phpapp02.pdfa-evolucao-do-desenho-infantil-slides44-130701172621-phpapp02.pdf
a-evolucao-do-desenho-infantil-slides44-130701172621-phpapp02.pdf
 
O desenho infantil
O desenho infantil   O desenho infantil
O desenho infantil
 
Meu tcc
Meu tccMeu tcc
Meu tcc
 
Artigo 1 desenho.pdf
Artigo 1 desenho.pdfArtigo 1 desenho.pdf
Artigo 1 desenho.pdf
 
O fazer das Artes Plásticas na EI (1).ppt
O fazer das Artes Plásticas na EI (1).pptO fazer das Artes Plásticas na EI (1).ppt
O fazer das Artes Plásticas na EI (1).ppt
 
O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
 
O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
 
Meu tcc
Meu tccMeu tcc
Meu tcc
 
Avaliação do desenho infantil (1).pdf
Avaliação do desenho infantil (1).pdfAvaliação do desenho infantil (1).pdf
Avaliação do desenho infantil (1).pdf
 
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
Portfólio de atividades da Helena - 1º semestre de 2013
 
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdfUso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
Uso_e_Interpretacao_do_Desenho_Infantil_na_Pratica.pdf
 
10 coisas que você precisa saber sobre o desenho da criança
10 coisas que você precisa saber sobre o desenho da criança10 coisas que você precisa saber sobre o desenho da criança
10 coisas que você precisa saber sobre o desenho da criança
 
Artigo: A Percepção do desenho infantil : Como pensar o desenho infantil?
Artigo: A Percepção do desenho infantil : Como pensar o desenho infantil?Artigo: A Percepção do desenho infantil : Como pensar o desenho infantil?
Artigo: A Percepção do desenho infantil : Como pensar o desenho infantil?
 
Artes visuais: desenho e pintura
Artes visuais: desenho e pinturaArtes visuais: desenho e pintura
Artes visuais: desenho e pintura
 
Grafismo Infantil - Marita Redin
Grafismo Infantil - Marita RedinGrafismo Infantil - Marita Redin
Grafismo Infantil - Marita Redin
 
Projeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentaçãoProjeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentação
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infância
 
Aline eliane
Aline elianeAline eliane
Aline eliane
 
Análise do Desenho Infantil.pptx
Análise do Desenho Infantil.pptxAnálise do Desenho Infantil.pptx
Análise do Desenho Infantil.pptx
 
Arte educação e terapia by sidnei
Arte educação e terapia by sidneiArte educação e terapia by sidnei
Arte educação e terapia by sidnei
 

A criança e_seu_desenho_-_oficina_uneb (1)

  • 1. Oficina de Desenho infantil Claudia Pedral Outubro / 2011
  • 2. A CRIANÇA E SEU DESENHO
  • 3. O DESENHO »CONCEITO • O desenho, traz em seu conteúdo a expressão do sentir e pensar de um individuo. E na criança, tem o significado da expressão do seu desenvolvimento motor e aquisições do seu relacionamento com o meio social.
  • 4. O significado do desenho • Para V. Lowenfeld (70), ...”desenhar, pintar ou construir, constituem um processo complexo em que a criança reune diversos elementos em sua experiência, para formar um novo e significativo todo. No processo de selecionar, interpretar e reformar esses elementos, a criança proporciona mais que um quadro...proporciona, parte de si própria, como PENSA, como SENTE, como VÊ”.
  • 5. A Historia do desenho
  • 6. A Historia do desenho • PARA PSICOLOGIA – data do século passado- 1900. Nessa época; • Descobre-se a originalidade da infância; • Rosseau, leva a distinguir as diferentes etapas do desenvolvimento gráfico; • Introdução do desenho do tratamento psicanalítico/ psicológico. • Ref :O desenho infantil; Méredieu de, Florence
  • 7. A originalidade • Ainda visto como adultos mirins ou maquetes de adultos; a criança apresentava fracassos na suas intervenções que se apresentavam com objetivos de preparar um futuro artista. A descoberta da originalidade infantil, perpassou pela descoberta da ação da criança e da evolução a padrões reconhecíveis e depois interpretáveis. • Ref :O desenho infantil; Méredieu de, Floren
  • 8. A psicologia • Surge como uma linguagem para a ciência, tendo sido necessário a prudência quanto aos critérios, diante da distinção da criança frente aos signos gráficos e sua evolução, pela discriminação. • Através da influencia do adulto, a criança começa sua produção que passa de rabiscos para gráficos com significados. Ref :O desenho infantil; Méredieu de, Florence
  • 9. A psicologia • Levando a psicologia a interpretação e analise do desenho infantil. • Existem algumas pistas que podem orientar os pais sobre o que diz o desenho do seu filho. No entanto, são puramente orientações. Segundo a especialista canadense, Nicole Bédard, o desenho diz muitas coisas. • http://br.guiainfantil.com/desenho-infantil/210-como-interpretar-os-desenhos-das-criancas.html
  • 10. A interpretação do desenho • Posição do desenho – Todo desenho na parte superior do papel, está relacionado com a cabeça, o intelecto, a imaginação, a curiosidade e o desejo de descobrir coisas novas. A parte inferior do papel nos informa sobre as necessidades físicas e materiais que pode ter a criança. O lado esquerdo indica pensamentos que giram em torno ao passado, enquanto o lado direito, ao futuro. Se o desenho se situa no centro do papel, representa o momento atual. • Dimensões do desenho - Os desenhos com formas grandes mostram certa segurança, enquanto os de formas pequenas parecem ser feitas por crianças que normalmente precisam de pouco espaço para se expressar. Podem também sugerir uma criança reflexiva ou com falta de confiança.
  • 11. A interpretação do desenho • Traços do desenho - Os contínuos, sem interrupções, parecem denotar um espírito dócil, enquanto o apagado ou falhado, pode revelar uma criança um pouco insegura e impulsiva. • A pressão do desenho - Uma boa preensão indica entusiasmo e vontade. Quanto mais forte seja o desenho, mais agressividade existirá, enquanto as mais superficiais demonstra falta de vontade ou fadiga física.
  • 12. A interpretação do desenho• As cores do desenho – O vermelho representa a vida, o ardor, o ativo; o amarelo, a curiosidade e alegria de viver; o laranja, necessidade de contato social e público, impaciência; o azul, a paz e a tranqüilidade; o verde, certa maturidade, sensibilidade e intuição; o negro representa o inconsciente; o marrom, a segurança e planejamento. É necessário acrescentar que o desenho de uma só cor, pode denotar preguiça ou falta de motivação. • Esses tipos de interpretação, são apenas uma pincelada dentro do grande mundo que é o desenho infantil. Não devemos generalizá-los. Cada criança é um mundo, assim como as regras de interpretação do desenho infantil. Se alguma coisa te preocupa no seu filho, e se for necessário, busque um especialista.
  • 13. A educação • Na criança, desenho e antes de mais nada motor, há um prazer no gesto, mas não uma identificação. • “Cada desenho reflete os sentimentos, a capacidade intelectual, o desenvolvimento físico, a acuidade perceptiva, o envolvimento do criador, o gosto estético e até a evolução social da criança, como individuo”.(Lowenfeld,70)
  • 14. Evolução do desenho • O desenvolvimento progressivo do desenho implica em mudanças significativas que, no início, dizem respeito à passagem dos rabiscos iniciais da garatuja para construções cada vez mais ordenadas, fazendo surgir os primeiros símbolos. Essa passagem é possível graças às interações da criança com o ato de desenhar e com desenhos de outras pessoas. Na garatuja, a criança tem como hipótese que o desenho é simplesmente uma ação sobre uma superfície, e ela sente prazer ao constatar os efeitos visuais que essa ação produziu. No decorrer do tempo, as garatujas, que refletiam sobretudo o prolongamento de movimentos rítmicos de ir e vir, transformam-se em formas definidas que apresentam maior ordenação, e podem estar se referindo a objetos naturais, objetos imaginários ou mesmo a outros desenhos. O desenho como possibilidade de brincar, o desenho como possibilidade de falar de registrar, marca o desenvolvimento da infância, porém em cada estágio, o desenho assume um caráter próprio. • http://johannaterapeutaocupacional.blogspot.com
  • 15. A criança de 1 a 3 anos É a idade das famosas garatujas: simples riscos ainda desprovidos de controle motor, a criança ignora os limites do papel e mexe todo o corpo para desenhar, avançando os traçados pelas paredes e chão. As primeiras garatujas são linhas longitudinais que, com o tempo, vão se tornando circulares e, por fim, se fecham em formas independentes.
  • 16. Fases da idade Fases das garatujas : o Desordenadas – atitude puramente motora, utilizam o braço (alavanca do cotovelo.) o Ordenadas – pode ocorrer após um tempo curto de experimentação da criança. Ocupa todo espaço do papel, diverte-se com os efeitos, é fase de evolução motora. o Ordenadas com atribuição de nomes – mesmo sem formas reconhecíveis, atribui-lhe nomes.
  • 17. Caracteristicas  ALGUMAS CARACTERISTICAS FAZEM PARTE DESSA ETAPA  Nessa etapa a COR, desempenha papel secundario; inicia a busca pela cor, quando dando nome as garatujas, o que não significa ainda conhecimento da cor, mas distinção de tons.  Nessa época, quanto mais EXPERIÊNCIA VIVIDA pela criança, mais amadurecimento ela obterá, em seu desenvolvimento.  Quanto aos MATERIAIS, lápis cera, pequeno ou estaca, piloto; quanto a superfícies, os tamanhos A3, são os mais indicados; Tinta guache, com consistência razoável, usar papel na parede para facilitar a criatividade; massa de modelar.
  • 18. A criança de 3 a 4 anos Conquistou a forma e seus desenhos têm a intenção de reproduzir algo. Respeita melhor os limites do papel. Inicio do aparecimento das células. Inicio do desenho de um ser humano com pernas e braços.
  • 19. Os movimentos circulares e longitudinais, convertem- se em formas reconhecíveis. Geralmente, a primeira forma é exatamente, o esquema corporal. Isso por que, essa é a representação que a criança tem de si mesma.
  • 20. Por volta dos 4 anos, as crianças já fazem formas reconhecíveis, embora não sejam alvos de analises significativas. Aos 5 anos, esses traços já são, com freqüência, distinguíveis,como pessoas, casas ou árvores. Aos 6 anos essas formas evoluem para desenhos, com tema e claramente identificáveis.
  • 21. A Criança de 4 a 5 anos É uma fase de temas clássicos do desenho infantil: como paisagens, casinhas, flores, super-heróis, veículos e animais Varia no uso das cores, buscando um certo realismo. Figuras humanas já dispõem de novos detalhes, como cabelos, pés e mãos. Inicio do aparecimento tênue da linha de base, céu e chão.
  • 22. De 4 a 5 anos Aparece ainda a tendência à antropomorfização, ou seja, a emprestar características humanas a elementos da natureza, como o famoso sol com olhos e boca. Esta tendência deve se estender até 7 ou 8 anos. Fase do desenho PRÉ- ESQUEMATISMO: fase pré-operatória, descoberta da relação entre desenho, pensamento e realidade. Os elementos são dispersos e não relacionados entre si. O uso das cores não tem relação com a realidade, depende do interesse emocional.
  • 23. Criança de 5 a 6 anosOs desenhos sempre se baseiam em roteiros com começo, meio e fim. Figuras humanas aparecem vestidas. Grande atenção a detalhes como as cores. Os temas variam e o fato de não terem nada a ver com a vida dela são um indício de desprendimento e capacidade de contar histórias sobre o mundo.
  • 24. Caracteristicas • Os desenhos são frutos de EVOLUÇÃO motora e social. • MUDANÇAS constantes e avanços diários. • Ainda aqui, a relação de COR e desenho, ainda é rara na sua identificação. • Há favoritismo com cores, para suas produções. • Uso do espaço, como sendo, aquilo que o cerca, assim os objetos aparecerão acima, em baixo ou ao lado uns dos outros. • O desenho passa a ser uma experiência de aprendizagem. • Quanto aos MATERIAIS, tinta guache espessa, com pincel grosso, e o papel A4, e absorvente. Uso de lápis cera e papeis A3; já em uso de grafites, triangular ou jumbo.
  • 25. Criança de 7 e 8 anos O esquematismo é a marca desta fase, em que surge também a noção de perspectiva. Ou seja, os desenhos da criança já dão uma impressão de profundidade e distância. Extremamente exigentes, muitas deixam de desenhar, se acham que seus trabalhos não ficam bonitos. O importante é respeitar os ritmos de cada criança e permitir que ela possa desenhar livremente, sem intervenção direta, explorando diversos materiais, suportes e situações.
  • 26. Crianças de 7 e 8 anos • FASE DO ESQUEMATISMO: Fase das operações concretas (7 a 10 anos).Esquemas representativos, começa a construir formas diferenciadas para cada categoria de objeto, por exemplo descobre que pode fazer um pássaro com a leta "V". Uso da linha de base e descoberta da relação cor objeto. Já tem um conceito definido quanto a figura humana, porém aparecem desvios do esquema como: exagero, negligência, omissão ou mudança de símbolo. Aparecem fenômenos como a transparência e o rebatimento.
  • 27. Crianças de 9 e 10 anos Desenhos expressivos. Não contam só histórias, bem como refletem suas realidades. Esquemas altamente individualizados , que dizem respeito a algo de importante para eles.
  • 28. Caracteristicas  A partir dos 7 anos, a figura humana, enriquece em detalhes e tipos diferentes.  A criança já demonstra que adquiriu conceitos, mediante combinação de vários fatores.  Definição da ordem espacial.  Aparecimento da linha de base, fase inerente ao desenvolvimento da criança.  Representação do tempo  Transparência nos desenhos  A COR, aparece afinidade entre cores e objetos; já como mostra de evolução em seus processos.
  • 29. Caracteristicas  Uso de MATERIAIS, uso em profusão de gauche, espesso; uso de lápis de cor, grafites para desenhos; Introdução de hidrôcor, para desenhos, contornos, escritas, caneta esferográfica. Pinceis de pelo, achatado, finos e grossos. Papel A3.
  • 30. Crianças de 10 anos .....• REALISMO: final das operações concretas . Consciência maior do sexo e autocrítica pronunciada. No espaço é descoberto o plano e a superposição. Abandona a linha de base. As formas geométricas aparecem com apropriação e funcionalidade. Maior rigidez e formalismo. Acentuação das roupas diferenciando os sexos. • PSEUDO NATURALISMO: fase das operações abstratas (10 anos em diante).É o fim da arte como atividade expontânea. Inicia a investigação de sua própria personalidade. Características: realismo, objetividade, profundidade,espaço subjetivo, uso consciente da cor. Na figura humana as características sexuais são exageradas, presença das articulações e proporções.
  • 31. E as crianças especiais??? • O DESENHO E A CRIANÇA ESPECIAL. Apresentam características próprias; Demonstram a imaturidade da criança ou individuo. Demonstram seu nível intelectual. Por vezes apresentam desenhos estereotipados. Demonstram o desequilíbrio entre a idade cronológica e a idade mental De acordo com seu comprometimento motor, demonstram suas incapacidades ou suas dificuldades motoras.
  • 32. Desenhos de alunos especiais R. com SD – 12 anos T.M. com DM – 13 anos A. Com DM – 15 anos Imagens estereotipadas
  • 33. Desenhos de alunos especiais F. Com S.D – 12 anos A.P. Com DM – 13 anos L.G. com A.M.- 4 anos
  • 34. Desenhos de alunos especiais V. ‘dito normal’ – 8 anos Copiado por L. Com S.D – 12 anos
  • 37. Obrigada! E me acessem. Meus contatos: contato@cpedral.com.br Claudia.pedral@clinicaencontro.com.br Cel: 8222 5378 / 9204 4535