SlideShare uma empresa Scribd logo
Abalar os tronos e
derrubar os
altares...
MOVIMENTOS LIBERAIS
CAPITALISTAS DOS SÉCULOS
XVII E XVIII
A REVOLUÇÃO
INGLESA
DEFINIÇÃO
FOI A PRIMEIRA REVOLUÇÃO
BURGUESA DA EUROPA.
ROMPEU DEFINITIVAMENTE
COM O FEUDALISMO,
DESTRUIU O ESTADO
ABSOLUTISTA E CRIOU
CONDIÇÕES PARA O AVANÇO
DO CAPITALISMO INDUSTRIAL
(REVOLUÇÃO INDUSTRIAL).
CONCEITOS
INTRODUTÓRIOS
HENRIQUE PLANTAGENETA –
SÉCULO XII (TENTATIVA DE
ABSOLUTISMO);
MAGNA CARTA (JOÃO “SEM-
TERRA): CRIAÇÃO DO
PARLAMENTO (COMMONLAW)
O Parlamento não era um órgão
permanente, mas uma assembléia
temporária e aconselhadora. O monarca
inglês podia ordenar a sua dissolução.
Tinha o encargo de recolher os impostos e
taxas do rei. O rei recebia os avisos do
Parlamento por intermédio dos chamados
bill of rights, mas sem obrigação de os
seguir.
MONARQUIA x BURGUESIA:
DA ALIANÇA AO CONFLITO
SÉC. XVI - DINASTIA DOS TUDOR
 ABSOLUTISMO DE FATO;
 APOIO DA BURGUESIA E DA
GENTRY:
 CENTRALIZAÇÃO DO PODER COMO
GARANTIA DE ORDEM SOCIAL;
 UNIFORMIZAÇÃO DAS MOEDAS,
DOS PESOS E DAS TARIFAS
ALFANDEGÁRIAS;
PERMISSÃO AS ATIVIDADES
DOS CORSÁRIOS;
IGREJA ANGLICANA: FORMA
CATÓLICA E CONTEÚDO
CALVINISTA (MAIS ADEQUADA
AOS VALORES CAPITALISTAS).
MONARQUIA x BURGUESIA:
DA ALIANÇA AO CONFLITO
MONARQUIA x BURGUESIA:
DA ALIANÇA AO CONFLITO
DINASTIA DOS TUDOR
FUNDADOR: HENRIQUE VII
PACIFICOU O PAÍS (FIM DA
GUERRA DAS DUAS ROSAS);
CONSOLIDOU O ESTADO
NACIONAL INGLÊS.
HENRIQUE VIII
IMPLANTOU O
ABSOLUTISMO;
REALIZOU A
REFORMA
ANGLICANA (I ATO
DE SUPREMACIA
MONARQUIA x BURGUESIA:
DA ALIANÇA AO CONFLITO
EDUARDO VI
GARANTIU A
REFORMA
RELIGIOSA
MARIA I
CASOU-SE COM
O REI CATÓLICO
ESPANHOL,
FELIPE II E
PERSEGUIU OS
PROTESTANTES.
BLOOD MARY
MONARQUIA x BURGUESIA:
DA ALIANÇA AO CONFLITO
ELIZABETH I
II ATO DE
SUPREMACIA;
MERCANTILISMO
AGRESSIVO;
PIRATARIA REAL;
DERROTA DA
INVENCÍVEL ARMADA
ESPANHOLA
MONARQUIA x BURGUESIA:
DA ALIANÇA AO CONFLITO
SÉC. XVII - DINASTIA DOS
STUART
DESEJAVA O ABSOLUTISMO
DE DIREITO: CHOQUE COM O
PARLAMENTO.
MONARQUIA x BURGUESIA:
DA ALIANÇA AO CONFLITO
JAIME I
Apoio ao rei: senhores
feudais, igreja anglicana
e alta burguesia.
Apoio ao parlamento:
pequena e média
burguesia, gentry
(nobreza mercantil) e
puritanos (calvinistas
ingleses).
DINASTIA DOS STUART
DINASTIA DOS STUART
JAIME I
Anglicanismo rigoroso:
migração dos puritanos
calvinistas para a
América (Mayflower).
Aumento de impostos.
Dissolução do
parlamento (1614 – 1622).
CARLOS I
Carlos I, filho de Jaime I da
Inglaterra, sonhava em
reunir todas as ilhas
britânicas num só reino.
Como o seu pai, ele
acreditava no "direito divino
dos reis". Profundamente
católico e autoritário, uma
série de incidentes com os
membros do Parlamento
levaram a um grave conflito
entre os dois.
DINASTIA DOS STUART
Pouco depois de subir ao trono em 1625, Carlos I
casa-se com a princesa francesa e católica
Henrietta Maria, contrariando a poderosa minoria
puritana, um terço dos membros do Parlamento. A
participação nas guerras européias agravou as
oposições entre o rei e os parlamentares.
Consideradas como cruzadas católicas, Carlos I
mandou como comandante um dos seus favoritos,
George Villiers, 1º duque de Buckingham. Desde
Jaime I, o Parlamento desconfiava de Buckingham
e pediu que caso ele não alcançasse os seus
objetivos, lhe fosse retirado o comando das forças.
Depois de desastroso raide na França, o
Parlamento demitiu Buckingham do seu cargo em
1626. Carlos I, furioso, estimando esta decisão
como uma insulta pessoal, dissolveu o Parlamento
incompetente.
Um novo Parlamento é reunido em Março
de 1628. É o terceiro parlamento do
reinado de Carlos I. Oliver Cromwell é um
dos eleitos. Em Junho, o rei aprova a
Petição dos direitos que exige:
O fim das detenções arbitrárias;
O consentimento do Parlamento para
todos os impostos;
A proibição do aboleto de militares em
casas privadas;
A proibição da lei marcial em tempo de
paz.
CARLOS I
Apesar de jurar o “Bill of
Rights” (Petição dos
Direitos), o rei
novamente aumenta os
impostos e fecha o
parlamento (1629)
Tentativa de impor o
anglicanismo na Escócia
(revolta).
1642: REVOLTA DO
CONGRESSO.
DINASTIA DOS STUART
1ª FASE: GUERRA CIVIL
CABEÇAS REDONDAS:
FORÇAS DO PARLA-
MENTO LIDERADAS POR
OLIVER CROMWELL,
CRIADOR DO
NEW MODEL ARMY .
CAVALEIROS: FORÇAS DO REI,
LATIFUNDIÁRIOS, CATÓLICOS E
ANGLICANOS.
O mapa mostra a divisão da Inglaterra em áreas
dominadas pelos partidários da monarquia Stuart
(de lilás) e pelos adeptos do Parlamento (de verde)
durante a guerra civil, que culminou com a
implantação da República puritana.
2ª FASE: REPÚBLICA
O GOVERNO CROMWELL
PROTETORADO: ditadura pró-
burguesia puritana (calvinista);
Unificação da Grã-Bretanha;
Repressão a opositores
externos (escócia e Irlanda) e
internos:
- levellers – niveladores
- diggers – escavadores
2ª FASE: REPÚBLICA
Criação dos Atos de Navegação
(1650) – somente navios ingleses
transportariam mercadorias
inglesas ou de outros países para
a Inglaterra. Em caso de venda
para a Inglaterra só navios do país
de origem do produto estariam
autorizados a entrar na Inglaterra:
2ª FASE: REPÚBLICA
OS ATOS DE NAVEGAÇÃO
Guerra contra a Holanda (1652
– 1654).
Vitória da Inglaterra
(supremacia naval).
Desenvolvimento da marinha e
do capitalismo inglês.
Oliver Cromwell nomeia-se
Lorde Protetor da Inglaterra
(1653).
2ª FASE: REPÚBLICA
Após a morte de Oliver (1658),
seu filho, Ricardo Cromwell
assume o poder, porém, sem a
habilidade e carisma do pai,
enfrenta nova guerra civil no
país, que acaba com a sua
derrota e recoloca os
monarquistas no poder..
3ª FASE: RESTAURAÇÃO
3ª FASE: RESTAURAÇÃO
A RESTAURAÇÃO NÃO ACABOU COM
OS PROBLEMAS. FOI MARCADA POR
ACONTECIMENTOS GRAVES COMO A
PARGA DE LONDRES E O INCÊNDIO DE
UMA CIDADE PORTUÁRIA EM 1666.
Carlos II (1660 – 1685).
Jaime II (1683 – 1688).
Católico.
Tentativa de restabelecer o
absolutismo.
Apoiado por Luís XIV
(FRA).
3ª FASE: RESTAURAÇÃO
Parlamento temeroso com a
restituição do catolicismo
oferece a coroa a Guilherme de
Orange (HOL), casado com
Maria Stuart, filha mais velha
de Jaime II. Em troca, pedia o
parlamento livre e a
manutenção do anglicanismo.
3ª FASE: RESTAURAÇÃO
4ª FASE: REV. GLORIOSA
 Revolução burguesa.
 1689: Guilherme de Orange acata ao
Bill of Rights (Declaração dos
Direitos).
 Parlamento decidiria sobre
impostos, garantia a propriedade
privada, as liberdades individuais e
divide o poder.
 Fim do absolutismo na Inglaterra.
 Burguesia assume o poder por meio
do parlamento (Monarquia
Parlamentar).
 Implantação do liberalismo.
CONSEQÜÊNCIAS
No plano político: monarquia
parlamentarista: a teoria da
tripartição dos poderes;
No plano socioeconômico: acordo
entre a burguesia urbana e rural;
consolidação das bases do
desenvolvimento industrial
(revolução industrial).
O ILUMINISMO
Século XVIII
DEFINIÇÃO
MOVIMENTO CULTURAL E IDEO-
LÓGICO, CRIADO E DEFENDIDO
PELA BURGUESIA, QUE COMBA-
TIA O ABSOLUTISMO MONÁRQUI-
CO, O MERCANTILISMO E O
PODER DA IGREJA.
Onde? ING (início), FRA (auge);
Quem? O iluminismo representou
basicamente a forma da burguesia
interpretar o mundo;
Características básicas:
Racionalismo;
Cientificismo;
Antiabsolutismo;
Anticlericalismo;
Defesa das liberdades individuais.
FICHA TÉCNICA
VALORES ILUMINISTAS
IGUALDADE JURÍDICA;
TOLERÂNCIA RELIGIOSA E FILO-
SÓFICA;
LIBERDADE PESSOAL E SOCIAL;
 PROPRIEDADE PRIVADA.
PRECURSSORES DO
ILUMINISMO
RENÉ DESCARTE: O
RACIONALISMO
DEFENDIA MÉTODOS
LÓGICOS E
RACIONAIS PARA
ATINGIR O
CONHECIMENTO.
“PENSO, LOGO
EXISTO”
ISAAC NEWTON: O MECANISMO
CIENTISTA INGLÊS, DESCOBRIU
AS LÉIS FÍSICAS APLICÁVEIS AO
UNIVERSO. “MATÉRIA ATRAI
MATÉRIA NA RAZÃO DIRETA DAS
MASSAS E INVERSA DO
QUADRADO DA DISTÂNCIA.”
PRECURSSORES DO
ILUMINISMO
PENSADORES ILUMINISTAS
JOHN LOCKE (1632-
1704): “PAI DO ILUMINIS-
MO”. OBRA: ENSAIO
SOBRE O ENTENDIMEN-
TO HUMANO. CONDE-
NOU O ABSOLUTISMO E
DEFENDIA A LIBERDADE
INDIVIDUAL DO CIDA-
DÃO.
PENSADORES ILUMINISTAS
MONTESQUIEU (1689-
1755): OBRA: O
ESPÍRITO DAS LEIS.
DEFENDEU A
TRIPARTIÇÃO DOS
PODERES COMO
FORMA DE EVITAR
ABUSOS.
PENSADORES ILUMINISTAS
VOLTAIRE (1694-1778):
MAIS FAMOSO
PENSADOR
ILUMINISTA. OBRA:
CARTAS INGLESAS.
CRÍTICO FERRENHO
DA IGREJA CATÓLICA
E DA PREPOTÊNCIA
DOS PODEROSOS.
ERA A FAVOR DE UM
SOBERANO
ESCLARECIDO.
“Posso não concordar com
nenhuma de suas palavras, mas
defenderei até a morte o seu
direito de dizê-las.”
VOLTAIRE
DIDEROT E D’ALAMBERT (1713-1784):
PRINCIPAIS ORGANIZADORES DA
ENCICLOPÉDIA, UMA OBRA DE 33
VOLUMES QUE REUNIA OS PRINCIPAIS
CONHECIMENTOS ARTÍSTICOS,
CIENTÍFICOS E FILOSÓFICOS.
DEFENDIA O RACIONALISMO, A
INDEPENDÊNCIA DO ESTADO EM
RELAÇÃO A IGREJA E A CONFIANÇA
NO PROGRESSO HUMANO ATRAVÉS
DA CIÊNCIA.
PENSADORES ILUMINISTAS
DIDEROT
D’ALEMBERT
PENSADORES ILUMINISTAS
JEAN-JACQUES ROUSSEAU
(1712-1778): O MAIS
RADICAL. OBRA: O
CONTRATO SOCIAL.
DEFENDIA UM ESTADO COM
BASES DEMOCRÁTICAS
(SULFRÁGIO UNIVERSAL),
MAS TAMBÉM ERA CONTRA
A GRANDE DESIGUALDADE
SOCIAL. DIZIA QUE “O
HOMEM É NATURALMENTE
BOM, A SOCIEDADE É QUE O
PERVERTE”.
EMANUEL KENT (1724-
1804): FOLÓSOFO
ALEMÃO, ELABOROU A
TEORIA CRÍTICA DO
CONHECIMENTO.
SEGUNDO ELE, FOI NO
ILUMINISMO QUE A
MENTE HUMANA
ALCANÇOU A
MAIORIDADE.
PENSADORES ILUMINISTAS
TEORIAS ECONÔMICAS
DA BURGUESIA
l FISIOCRACISMO: PRINCIPAL
DEFENSOR - FRANÇOIS
QUESNAY (1694-1774). DEFENDIA
UM CAPITALISMO AGRÁRIO. SE
OPUNHA A INTERVENÇÃO DO
ESTADO NA ECONOMIA.
TEORIAS ECONÔMICAS
DA BURGUESIA
 LIBERALISMO ECONÔMICO:
PRINCIPAL DEFENSOR - ADAM
SMITH. OBRA: ENSAIO SOBRE A
RIQUEZA DAS NAÇÕES. DEFENDIA
QUE A VERDADEIRA FONTE DE
RIQUEZA ERA O TRABALHO E ESSE
TRABALHO DEVERIA SER
CONDUZIDO PELA LIVRE INICIATIVA
DOS PARTICULARES (LAISSEZ-
FAIRE). SE OPUNHA AO
INTERVENCIONISMO ESTATAL.
DÉSPOTAS
ESCLARECIDOS
GOVERNANTES ABSOLUTISTAS
QUE ADERIAM A CERTAS IDEAIS
ILUMINISTAS, DE MANEIRA
DEMAGÓGICA, NO INTUITO DE
FORTALECEREM OS SEUS
PODERES.
FREDERICO II: REI DA PRÚSSIA.
ABOLIU A TORTURA AOS
CRIMINOSOS, CONSTRUIU
DIVERSAS ESCOLAS
DESTINADAS AO ENSINO
ELEMENTAR, MANTEVE AMIZADE
COM VÁRIOS ILUMINISTAS COMO
VOLTAIRE.
DÉSPOTAS
ESCLARECIDOS
CATARINA II: RAINHA DA RÚSSIA.
MODERNIZOU CIDADES,
CONSTRUIU ESCOLAS E
HOSPITAIS E MELHOROU A
ADMINISTRAÇÃO DO PAÍS.
MANTEVE CORRESPONDÊNCIA
COM DIDEROT, D’LAMBERT E
VOLTAIRE.
DÉSPOTAS
ESCLARECIDOS
JOSÉ II: REI DA ÁUSTRIA.
DIMINUIU O PODER DA IGREJA
CATÓLICA, CONFISCANDO
TERRAS; LIBERTOU SERVOS E
ABOLIU AS OBRIGAÇÕES
FEUDAIS; INTRODUZIU O
SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO.
DÉSPOTAS
ESCLARECIDOS
MARQUÊS DE POMBAL: IMPOR-
TANTE MINISTRO DO REI DE
PORTUGAL, D. JOSÉ I.
MODERNIZOU A ECONOMIA
PORTUGUESA, EXPULSOU OS
JESUÍTAS DO PAÍS, DETERMINOU
A REFORMA DO ENSINO E
REORGANIZOU O EXÉRCITO.
DÉSPOTAS
ESCLARECIDOS
CONSEQUÊNCIAS DO
DESPOTISMO
O DESPOTISMO VISAVA UMA
CONCILIAÇÃO DE INTERESSES
ENTRE A TRADICIONAL
SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME
E A NOVA FORMAÇÃO
BURGUESA – CAPITALISTA. SUA
INTENÇÃO, AO EMPREENDER
PROJETOS DE MODERNIZAÇÃO
ERA PREVENIR REVOLTAS.
NO ENTANTO, AO MODERNIZAR-
SE, O ESTADO ABSOLUTISTA
ACABOU POR EXPOR SEU
ATRASO POLÍTCO E CRIAR
MENTES CRÍTICAS DAUQELA
SITUAÇÃO. O FEITIÇO VOLTOU-SE
CONTRA O FEITICEIRO...
CONSEQUÊNCIAS DO
DESPOTISMO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. MedeirosAs Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Douglas Barraqui
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
Edenilson Morais
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Portal do Vestibulando
 
O congresso de viena
O congresso de vienaO congresso de viena
O congresso de viena
Vitor Ferreira
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
Valéria Shoujofan
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Professor de História
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
dmflores21
 
Segundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - CrisesSegundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - Crises
carlosbidu
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Claudenilson da Silva
 
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre MoraisHistória do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
Curso Livre Redação-Eliani Martins
 
Aula 06 holandeses no brasil
Aula 06  holandeses no brasilAula 06  holandeses no brasil
Aula 06 holandeses no brasil
Fabiana Tonsis
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
Edenilson Morais
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 

Mais procurados (20)

As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. MedeirosAs Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
As Revoluções Inglesas do Século XVII - Prof. Medeiros
 
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismoSéc xix   o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
Séc xix o mundo em transformação - socialismo - liberalismo
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
O congresso de viena
O congresso de vienaO congresso de viena
O congresso de viena
 
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira ParteRepública Velha (1889-1930) - Primeira Parte
República Velha (1889-1930) - Primeira Parte
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
Segundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - CrisesSegundo Reinado - Crises
Segundo Reinado - Crises
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre MoraisHistória do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
História do Brasil - Brasil República - Prof. Alexandre Morais
 
Aula 06 holandeses no brasil
Aula 06  holandeses no brasilAula 06  holandeses no brasil
Aula 06 holandeses no brasil
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Teóricos do Absolutismo
Teóricos do AbsolutismoTeóricos do Absolutismo
Teóricos do Absolutismo
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 

Destaque

Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesaRevolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
ximeneshistoriador
 
Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América ...
Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América ...Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América ...
Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América ...
Edvaldo Lopes
 
[c7s] Revolução Inglesa
[c7s] Revolução Inglesa[c7s] Revolução Inglesa
[c7s] Revolução Inglesa
7 de Setembro
 
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Carlos Glufke
 
Robert Owen.
Robert Owen.Robert Owen.
Robert Owen.
Didacticainfantil10
 
Revolução Industrial, Neoclassicismo, Estilo Vitoriano e Panorama de estilos
Revolução Industrial, Neoclassicismo, Estilo Vitoriano e Panorama de estilosRevolução Industrial, Neoclassicismo, Estilo Vitoriano e Panorama de estilos
Revolução Industrial, Neoclassicismo, Estilo Vitoriano e Panorama de estilos
angelicaferraz
 
Hegemonia Inglesa
Hegemonia InglesaHegemonia Inglesa
Hegemonia Inglesa
Margarida Moreira
 
As teorias liberais e socialistas na idade moderna
As teorias liberais e socialistas na idade modernaAs teorias liberais e socialistas na idade moderna
As teorias liberais e socialistas na idade moderna
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
As Principais Revoluções Liberais
As Principais Revoluções Liberais As Principais Revoluções Liberais
As Principais Revoluções Liberais
Carlos Teles de Menezes Junior
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Paulo Alexandre
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Thamires Bragança
 
Liberalismo Inglês
Liberalismo InglêsLiberalismo Inglês
Liberalismo Inglês
Mari Anny Souza
 
8 aula 6 república velha
8   aula 6 república velha8   aula 6 república velha
8 aula 6 república velha
profdu
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
profdu
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
profdu
 
Da crise do império `a proclamação da república
Da crise do império `a proclamação da repúblicaDa crise do império `a proclamação da república
Da crise do império `a proclamação da república
profdu
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
profdu
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
profdu
 
Segundo reinado brasileiro
Segundo reinado brasileiroSegundo reinado brasileiro
Segundo reinado brasileiro
profdu
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
profdu
 

Destaque (20)

Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesaRevolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
Revolução inglesa e suas diversas perspectivas na historiografia inglesa
 
Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América ...
Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América ...Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América ...
Revoluções Inglesas; Iluminismo; Revolução Industrial; Independência América ...
 
[c7s] Revolução Inglesa
[c7s] Revolução Inglesa[c7s] Revolução Inglesa
[c7s] Revolução Inglesa
 
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
 
Robert Owen.
Robert Owen.Robert Owen.
Robert Owen.
 
Revolução Industrial, Neoclassicismo, Estilo Vitoriano e Panorama de estilos
Revolução Industrial, Neoclassicismo, Estilo Vitoriano e Panorama de estilosRevolução Industrial, Neoclassicismo, Estilo Vitoriano e Panorama de estilos
Revolução Industrial, Neoclassicismo, Estilo Vitoriano e Panorama de estilos
 
Hegemonia Inglesa
Hegemonia InglesaHegemonia Inglesa
Hegemonia Inglesa
 
As teorias liberais e socialistas na idade moderna
As teorias liberais e socialistas na idade modernaAs teorias liberais e socialistas na idade moderna
As teorias liberais e socialistas na idade moderna
 
As Principais Revoluções Liberais
As Principais Revoluções Liberais As Principais Revoluções Liberais
As Principais Revoluções Liberais
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Liberalismo Inglês
Liberalismo InglêsLiberalismo Inglês
Liberalismo Inglês
 
8 aula 6 república velha
8   aula 6 república velha8   aula 6 república velha
8 aula 6 república velha
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Da crise do império `a proclamação da república
Da crise do império `a proclamação da repúblicaDa crise do império `a proclamação da república
Da crise do império `a proclamação da república
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Segundo reinado brasileiro
Segundo reinado brasileiroSegundo reinado brasileiro
Segundo reinado brasileiro
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 

Semelhante a Revolucao Inglesa e Iluminismo

Revolução inglesa 2º. ano
Revolução inglesa   2º. anoRevolução inglesa   2º. ano
Revolução inglesa 2º. ano
Fatima Freitas
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
profceleri
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
joana71
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Luiz Antonio Souza
 
Guerra Civil Inglesa
Guerra Civil Inglesa Guerra Civil Inglesa
Guerra Civil Inglesa
Thiago Bro
 
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa11 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
flaviaLION
 
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiModerna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Julia Selistre
 
Resumo revoluoesinglesas
Resumo revoluoesinglesasResumo revoluoesinglesas
Resumo revoluoesinglesas
Claudenilson da Silva
 
Inglaterra nos séculos XVII e XVIII
Inglaterra nos séculos XVII e XVIIIInglaterra nos séculos XVII e XVIII
Inglaterra nos séculos XVII e XVIII
Elton Zanoni
 
Revolinglesa
Revolinglesa Revolinglesa
Revolinglesa
Carla Teixeira
 
2 - SLIDE - REVOLUÇÕES INGLESAS - 2º ANO .pdf
2 - SLIDE - REVOLUÇÕES INGLESAS - 2º ANO .pdf2 - SLIDE - REVOLUÇÕES INGLESAS - 2º ANO .pdf
2 - SLIDE - REVOLUÇÕES INGLESAS - 2º ANO .pdf
margaridabotanica
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolucao inglesa.filé
Revolucao inglesa.filéRevolucao inglesa.filé
Revolucao inglesa.filé
mundica broda
 
Revoluções inglesas e surgimento do pensamento liberal.ppt
Revoluções inglesas e surgimento do pensamento liberal.pptRevoluções inglesas e surgimento do pensamento liberal.ppt
Revoluções inglesas e surgimento do pensamento liberal.ppt
VinciusKusma
 
Apostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - SagradoApostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - Sagrado
jorgeccpeixoto
 
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
PollyanaRibeiroFerra
 
Revolucao Inglesa Ii
Revolucao Inglesa IiRevolucao Inglesa Ii
Revolucao Inglesa Ii
secretaria estadual de educação
 
9
99
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Daniel Alves Bronstrup
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Ewerton Anacleto de Souza
 

Semelhante a Revolucao Inglesa e Iluminismo (20)

Revolução inglesa 2º. ano
Revolução inglesa   2º. anoRevolução inglesa   2º. ano
Revolução inglesa 2º. ano
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Guerra Civil Inglesa
Guerra Civil Inglesa Guerra Civil Inglesa
Guerra Civil Inglesa
 
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa11 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
1 216-ensino-fundamental-7a-serie-historia-jadilson-silveira-revolucao-inglesa1
 
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiModerna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
 
Resumo revoluoesinglesas
Resumo revoluoesinglesasResumo revoluoesinglesas
Resumo revoluoesinglesas
 
Inglaterra nos séculos XVII e XVIII
Inglaterra nos séculos XVII e XVIIIInglaterra nos séculos XVII e XVIII
Inglaterra nos séculos XVII e XVIII
 
Revolinglesa
Revolinglesa Revolinglesa
Revolinglesa
 
2 - SLIDE - REVOLUÇÕES INGLESAS - 2º ANO .pdf
2 - SLIDE - REVOLUÇÕES INGLESAS - 2º ANO .pdf2 - SLIDE - REVOLUÇÕES INGLESAS - 2º ANO .pdf
2 - SLIDE - REVOLUÇÕES INGLESAS - 2º ANO .pdf
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Revolucao inglesa.filé
Revolucao inglesa.filéRevolucao inglesa.filé
Revolucao inglesa.filé
 
Revoluções inglesas e surgimento do pensamento liberal.ppt
Revoluções inglesas e surgimento do pensamento liberal.pptRevoluções inglesas e surgimento do pensamento liberal.ppt
Revoluções inglesas e surgimento do pensamento liberal.ppt
 
Apostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - SagradoApostila 2ª fase - Sagrado
Apostila 2ª fase - Sagrado
 
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
2ª Série - As Revoluções Inglesas (1).pdf
 
Revolucao Inglesa Ii
Revolucao Inglesa IiRevolucao Inglesa Ii
Revolucao Inglesa Ii
 
9
99
9
 
Revoluções Burguesas - Inglaterra
Revoluções Burguesas -  InglaterraRevoluções Burguesas -  Inglaterra
Revoluções Burguesas - Inglaterra
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 

Mais de eiprofessor

Período Joanino, Independência e I Reinado
Período Joanino, Independência e I ReinadoPeríodo Joanino, Independência e I Reinado
Período Joanino, Independência e I Reinado
eiprofessor
 
História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)
eiprofessor
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
eiprofessor
 
Nazifascismo
NazifascismoNazifascismo
Nazifascismo
eiprofessor
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
eiprofessor
 
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no BrasilDa Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
eiprofessor
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
eiprofessor
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
eiprofessor
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
eiprofessor
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
eiprofessor
 
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste AsiáticoAs Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiáticoeiprofessor
 
República Velha (Revoltas)
República Velha (Revoltas)República Velha (Revoltas)
República Velha (Revoltas)
eiprofessor
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
eiprofessor
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
eiprofessor
 
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas SociaisMovimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
eiprofessor
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
eiprofessor
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
eiprofessor
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
Revolucão Industrial
Revolucão IndustrialRevolucão Industrial
Revolucão Industrial
eiprofessor
 

Mais de eiprofessor (20)

Período Joanino, Independência e I Reinado
Período Joanino, Independência e I ReinadoPeríodo Joanino, Independência e I Reinado
Período Joanino, Independência e I Reinado
 
História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)História Social Inglesa (do trabalho)
História Social Inglesa (do trabalho)
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Nazifascismo
NazifascismoNazifascismo
Nazifascismo
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no BrasilDa Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
Da Igreja a Moenda - Sociedade Colonial no Brasil
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
 
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste AsiáticoAs Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
As Guerras de Independência da África e Sudeste Asiático
 
República Velha (Revoltas)
República Velha (Revoltas)República Velha (Revoltas)
República Velha (Revoltas)
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas SociaisMovimento Operário e Doutrinas Sociais
Movimento Operário e Doutrinas Sociais
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Revolucão Industrial
Revolucão IndustrialRevolucão Industrial
Revolucão Industrial
 

Revolucao Inglesa e Iluminismo

  • 1. Abalar os tronos e derrubar os altares... MOVIMENTOS LIBERAIS CAPITALISTAS DOS SÉCULOS XVII E XVIII
  • 3. DEFINIÇÃO FOI A PRIMEIRA REVOLUÇÃO BURGUESA DA EUROPA. ROMPEU DEFINITIVAMENTE COM O FEUDALISMO, DESTRUIU O ESTADO ABSOLUTISTA E CRIOU CONDIÇÕES PARA O AVANÇO DO CAPITALISMO INDUSTRIAL (REVOLUÇÃO INDUSTRIAL).
  • 4. CONCEITOS INTRODUTÓRIOS HENRIQUE PLANTAGENETA – SÉCULO XII (TENTATIVA DE ABSOLUTISMO); MAGNA CARTA (JOÃO “SEM- TERRA): CRIAÇÃO DO PARLAMENTO (COMMONLAW)
  • 5.
  • 6. O Parlamento não era um órgão permanente, mas uma assembléia temporária e aconselhadora. O monarca inglês podia ordenar a sua dissolução. Tinha o encargo de recolher os impostos e taxas do rei. O rei recebia os avisos do Parlamento por intermédio dos chamados bill of rights, mas sem obrigação de os seguir.
  • 7. MONARQUIA x BURGUESIA: DA ALIANÇA AO CONFLITO SÉC. XVI - DINASTIA DOS TUDOR  ABSOLUTISMO DE FATO;  APOIO DA BURGUESIA E DA GENTRY:  CENTRALIZAÇÃO DO PODER COMO GARANTIA DE ORDEM SOCIAL;  UNIFORMIZAÇÃO DAS MOEDAS, DOS PESOS E DAS TARIFAS ALFANDEGÁRIAS;
  • 8. PERMISSÃO AS ATIVIDADES DOS CORSÁRIOS; IGREJA ANGLICANA: FORMA CATÓLICA E CONTEÚDO CALVINISTA (MAIS ADEQUADA AOS VALORES CAPITALISTAS). MONARQUIA x BURGUESIA: DA ALIANÇA AO CONFLITO
  • 9. MONARQUIA x BURGUESIA: DA ALIANÇA AO CONFLITO DINASTIA DOS TUDOR FUNDADOR: HENRIQUE VII PACIFICOU O PAÍS (FIM DA GUERRA DAS DUAS ROSAS); CONSOLIDOU O ESTADO NACIONAL INGLÊS.
  • 10. HENRIQUE VIII IMPLANTOU O ABSOLUTISMO; REALIZOU A REFORMA ANGLICANA (I ATO DE SUPREMACIA MONARQUIA x BURGUESIA: DA ALIANÇA AO CONFLITO
  • 11. EDUARDO VI GARANTIU A REFORMA RELIGIOSA MARIA I CASOU-SE COM O REI CATÓLICO ESPANHOL, FELIPE II E PERSEGUIU OS PROTESTANTES. BLOOD MARY MONARQUIA x BURGUESIA: DA ALIANÇA AO CONFLITO
  • 12. ELIZABETH I II ATO DE SUPREMACIA; MERCANTILISMO AGRESSIVO; PIRATARIA REAL; DERROTA DA INVENCÍVEL ARMADA ESPANHOLA MONARQUIA x BURGUESIA: DA ALIANÇA AO CONFLITO
  • 13. SÉC. XVII - DINASTIA DOS STUART DESEJAVA O ABSOLUTISMO DE DIREITO: CHOQUE COM O PARLAMENTO. MONARQUIA x BURGUESIA: DA ALIANÇA AO CONFLITO
  • 14. JAIME I Apoio ao rei: senhores feudais, igreja anglicana e alta burguesia. Apoio ao parlamento: pequena e média burguesia, gentry (nobreza mercantil) e puritanos (calvinistas ingleses). DINASTIA DOS STUART
  • 15. DINASTIA DOS STUART JAIME I Anglicanismo rigoroso: migração dos puritanos calvinistas para a América (Mayflower). Aumento de impostos. Dissolução do parlamento (1614 – 1622).
  • 16. CARLOS I Carlos I, filho de Jaime I da Inglaterra, sonhava em reunir todas as ilhas britânicas num só reino. Como o seu pai, ele acreditava no "direito divino dos reis". Profundamente católico e autoritário, uma série de incidentes com os membros do Parlamento levaram a um grave conflito entre os dois. DINASTIA DOS STUART
  • 17. Pouco depois de subir ao trono em 1625, Carlos I casa-se com a princesa francesa e católica Henrietta Maria, contrariando a poderosa minoria puritana, um terço dos membros do Parlamento. A participação nas guerras européias agravou as oposições entre o rei e os parlamentares. Consideradas como cruzadas católicas, Carlos I mandou como comandante um dos seus favoritos, George Villiers, 1º duque de Buckingham. Desde Jaime I, o Parlamento desconfiava de Buckingham e pediu que caso ele não alcançasse os seus objetivos, lhe fosse retirado o comando das forças. Depois de desastroso raide na França, o Parlamento demitiu Buckingham do seu cargo em 1626. Carlos I, furioso, estimando esta decisão como uma insulta pessoal, dissolveu o Parlamento incompetente.
  • 18. Um novo Parlamento é reunido em Março de 1628. É o terceiro parlamento do reinado de Carlos I. Oliver Cromwell é um dos eleitos. Em Junho, o rei aprova a Petição dos direitos que exige: O fim das detenções arbitrárias; O consentimento do Parlamento para todos os impostos; A proibição do aboleto de militares em casas privadas; A proibição da lei marcial em tempo de paz.
  • 19. CARLOS I Apesar de jurar o “Bill of Rights” (Petição dos Direitos), o rei novamente aumenta os impostos e fecha o parlamento (1629) Tentativa de impor o anglicanismo na Escócia (revolta). 1642: REVOLTA DO CONGRESSO. DINASTIA DOS STUART
  • 20. 1ª FASE: GUERRA CIVIL CABEÇAS REDONDAS: FORÇAS DO PARLA- MENTO LIDERADAS POR OLIVER CROMWELL, CRIADOR DO NEW MODEL ARMY . CAVALEIROS: FORÇAS DO REI, LATIFUNDIÁRIOS, CATÓLICOS E ANGLICANOS.
  • 21. O mapa mostra a divisão da Inglaterra em áreas dominadas pelos partidários da monarquia Stuart (de lilás) e pelos adeptos do Parlamento (de verde) durante a guerra civil, que culminou com a implantação da República puritana.
  • 22. 2ª FASE: REPÚBLICA O GOVERNO CROMWELL
  • 23. PROTETORADO: ditadura pró- burguesia puritana (calvinista); Unificação da Grã-Bretanha; Repressão a opositores externos (escócia e Irlanda) e internos: - levellers – niveladores - diggers – escavadores 2ª FASE: REPÚBLICA
  • 24. Criação dos Atos de Navegação (1650) – somente navios ingleses transportariam mercadorias inglesas ou de outros países para a Inglaterra. Em caso de venda para a Inglaterra só navios do país de origem do produto estariam autorizados a entrar na Inglaterra: 2ª FASE: REPÚBLICA
  • 25. OS ATOS DE NAVEGAÇÃO
  • 26. Guerra contra a Holanda (1652 – 1654). Vitória da Inglaterra (supremacia naval). Desenvolvimento da marinha e do capitalismo inglês. Oliver Cromwell nomeia-se Lorde Protetor da Inglaterra (1653). 2ª FASE: REPÚBLICA
  • 27. Após a morte de Oliver (1658), seu filho, Ricardo Cromwell assume o poder, porém, sem a habilidade e carisma do pai, enfrenta nova guerra civil no país, que acaba com a sua derrota e recoloca os monarquistas no poder.. 3ª FASE: RESTAURAÇÃO
  • 28. 3ª FASE: RESTAURAÇÃO A RESTAURAÇÃO NÃO ACABOU COM OS PROBLEMAS. FOI MARCADA POR ACONTECIMENTOS GRAVES COMO A PARGA DE LONDRES E O INCÊNDIO DE UMA CIDADE PORTUÁRIA EM 1666.
  • 29. Carlos II (1660 – 1685). Jaime II (1683 – 1688). Católico. Tentativa de restabelecer o absolutismo. Apoiado por Luís XIV (FRA). 3ª FASE: RESTAURAÇÃO
  • 30. Parlamento temeroso com a restituição do catolicismo oferece a coroa a Guilherme de Orange (HOL), casado com Maria Stuart, filha mais velha de Jaime II. Em troca, pedia o parlamento livre e a manutenção do anglicanismo. 3ª FASE: RESTAURAÇÃO
  • 31. 4ª FASE: REV. GLORIOSA  Revolução burguesa.  1689: Guilherme de Orange acata ao Bill of Rights (Declaração dos Direitos).  Parlamento decidiria sobre impostos, garantia a propriedade privada, as liberdades individuais e divide o poder.  Fim do absolutismo na Inglaterra.  Burguesia assume o poder por meio do parlamento (Monarquia Parlamentar).  Implantação do liberalismo.
  • 32. CONSEQÜÊNCIAS No plano político: monarquia parlamentarista: a teoria da tripartição dos poderes; No plano socioeconômico: acordo entre a burguesia urbana e rural; consolidação das bases do desenvolvimento industrial (revolução industrial).
  • 34. DEFINIÇÃO MOVIMENTO CULTURAL E IDEO- LÓGICO, CRIADO E DEFENDIDO PELA BURGUESIA, QUE COMBA- TIA O ABSOLUTISMO MONÁRQUI- CO, O MERCANTILISMO E O PODER DA IGREJA.
  • 35. Onde? ING (início), FRA (auge); Quem? O iluminismo representou basicamente a forma da burguesia interpretar o mundo; Características básicas: Racionalismo; Cientificismo; Antiabsolutismo; Anticlericalismo; Defesa das liberdades individuais. FICHA TÉCNICA
  • 36. VALORES ILUMINISTAS IGUALDADE JURÍDICA; TOLERÂNCIA RELIGIOSA E FILO- SÓFICA; LIBERDADE PESSOAL E SOCIAL;  PROPRIEDADE PRIVADA.
  • 37. PRECURSSORES DO ILUMINISMO RENÉ DESCARTE: O RACIONALISMO DEFENDIA MÉTODOS LÓGICOS E RACIONAIS PARA ATINGIR O CONHECIMENTO. “PENSO, LOGO EXISTO”
  • 38. ISAAC NEWTON: O MECANISMO CIENTISTA INGLÊS, DESCOBRIU AS LÉIS FÍSICAS APLICÁVEIS AO UNIVERSO. “MATÉRIA ATRAI MATÉRIA NA RAZÃO DIRETA DAS MASSAS E INVERSA DO QUADRADO DA DISTÂNCIA.” PRECURSSORES DO ILUMINISMO
  • 39. PENSADORES ILUMINISTAS JOHN LOCKE (1632- 1704): “PAI DO ILUMINIS- MO”. OBRA: ENSAIO SOBRE O ENTENDIMEN- TO HUMANO. CONDE- NOU O ABSOLUTISMO E DEFENDIA A LIBERDADE INDIVIDUAL DO CIDA- DÃO.
  • 40. PENSADORES ILUMINISTAS MONTESQUIEU (1689- 1755): OBRA: O ESPÍRITO DAS LEIS. DEFENDEU A TRIPARTIÇÃO DOS PODERES COMO FORMA DE EVITAR ABUSOS.
  • 41. PENSADORES ILUMINISTAS VOLTAIRE (1694-1778): MAIS FAMOSO PENSADOR ILUMINISTA. OBRA: CARTAS INGLESAS. CRÍTICO FERRENHO DA IGREJA CATÓLICA E DA PREPOTÊNCIA DOS PODEROSOS. ERA A FAVOR DE UM SOBERANO ESCLARECIDO.
  • 42. “Posso não concordar com nenhuma de suas palavras, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-las.” VOLTAIRE
  • 43. DIDEROT E D’ALAMBERT (1713-1784): PRINCIPAIS ORGANIZADORES DA ENCICLOPÉDIA, UMA OBRA DE 33 VOLUMES QUE REUNIA OS PRINCIPAIS CONHECIMENTOS ARTÍSTICOS, CIENTÍFICOS E FILOSÓFICOS. DEFENDIA O RACIONALISMO, A INDEPENDÊNCIA DO ESTADO EM RELAÇÃO A IGREJA E A CONFIANÇA NO PROGRESSO HUMANO ATRAVÉS DA CIÊNCIA. PENSADORES ILUMINISTAS
  • 45. PENSADORES ILUMINISTAS JEAN-JACQUES ROUSSEAU (1712-1778): O MAIS RADICAL. OBRA: O CONTRATO SOCIAL. DEFENDIA UM ESTADO COM BASES DEMOCRÁTICAS (SULFRÁGIO UNIVERSAL), MAS TAMBÉM ERA CONTRA A GRANDE DESIGUALDADE SOCIAL. DIZIA QUE “O HOMEM É NATURALMENTE BOM, A SOCIEDADE É QUE O PERVERTE”.
  • 46.
  • 47. EMANUEL KENT (1724- 1804): FOLÓSOFO ALEMÃO, ELABOROU A TEORIA CRÍTICA DO CONHECIMENTO. SEGUNDO ELE, FOI NO ILUMINISMO QUE A MENTE HUMANA ALCANÇOU A MAIORIDADE. PENSADORES ILUMINISTAS
  • 48. TEORIAS ECONÔMICAS DA BURGUESIA l FISIOCRACISMO: PRINCIPAL DEFENSOR - FRANÇOIS QUESNAY (1694-1774). DEFENDIA UM CAPITALISMO AGRÁRIO. SE OPUNHA A INTERVENÇÃO DO ESTADO NA ECONOMIA.
  • 49. TEORIAS ECONÔMICAS DA BURGUESIA  LIBERALISMO ECONÔMICO: PRINCIPAL DEFENSOR - ADAM SMITH. OBRA: ENSAIO SOBRE A RIQUEZA DAS NAÇÕES. DEFENDIA QUE A VERDADEIRA FONTE DE RIQUEZA ERA O TRABALHO E ESSE TRABALHO DEVERIA SER CONDUZIDO PELA LIVRE INICIATIVA DOS PARTICULARES (LAISSEZ- FAIRE). SE OPUNHA AO INTERVENCIONISMO ESTATAL.
  • 50. DÉSPOTAS ESCLARECIDOS GOVERNANTES ABSOLUTISTAS QUE ADERIAM A CERTAS IDEAIS ILUMINISTAS, DE MANEIRA DEMAGÓGICA, NO INTUITO DE FORTALECEREM OS SEUS PODERES.
  • 51. FREDERICO II: REI DA PRÚSSIA. ABOLIU A TORTURA AOS CRIMINOSOS, CONSTRUIU DIVERSAS ESCOLAS DESTINADAS AO ENSINO ELEMENTAR, MANTEVE AMIZADE COM VÁRIOS ILUMINISTAS COMO VOLTAIRE. DÉSPOTAS ESCLARECIDOS
  • 52. CATARINA II: RAINHA DA RÚSSIA. MODERNIZOU CIDADES, CONSTRUIU ESCOLAS E HOSPITAIS E MELHOROU A ADMINISTRAÇÃO DO PAÍS. MANTEVE CORRESPONDÊNCIA COM DIDEROT, D’LAMBERT E VOLTAIRE. DÉSPOTAS ESCLARECIDOS
  • 53. JOSÉ II: REI DA ÁUSTRIA. DIMINUIU O PODER DA IGREJA CATÓLICA, CONFISCANDO TERRAS; LIBERTOU SERVOS E ABOLIU AS OBRIGAÇÕES FEUDAIS; INTRODUZIU O SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO. DÉSPOTAS ESCLARECIDOS
  • 54. MARQUÊS DE POMBAL: IMPOR- TANTE MINISTRO DO REI DE PORTUGAL, D. JOSÉ I. MODERNIZOU A ECONOMIA PORTUGUESA, EXPULSOU OS JESUÍTAS DO PAÍS, DETERMINOU A REFORMA DO ENSINO E REORGANIZOU O EXÉRCITO. DÉSPOTAS ESCLARECIDOS
  • 55. CONSEQUÊNCIAS DO DESPOTISMO O DESPOTISMO VISAVA UMA CONCILIAÇÃO DE INTERESSES ENTRE A TRADICIONAL SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME E A NOVA FORMAÇÃO BURGUESA – CAPITALISTA. SUA INTENÇÃO, AO EMPREENDER PROJETOS DE MODERNIZAÇÃO ERA PREVENIR REVOLTAS.
  • 56. NO ENTANTO, AO MODERNIZAR- SE, O ESTADO ABSOLUTISTA ACABOU POR EXPOR SEU ATRASO POLÍTCO E CRIAR MENTES CRÍTICAS DAUQELA SITUAÇÃO. O FEITIÇO VOLTOU-SE CONTRA O FEITICEIRO... CONSEQUÊNCIAS DO DESPOTISMO