SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
© ABNT 2004
ABNT NBR
ISO
10012
NORMA
BRASILEIRA
Primeira edição
30.04.2004
Válida a partir de
31.05.2004
Sistemas de gestão de medição –
Requisitos para os processos de medição e
equipamento de medição
Measurement management systems – Requirements for measurement
processes and measuring equipment
Palavras-chave: Sistemas de gestão. Medição. Requisitos. Processos de
medição. Equipamento de medição
Descriptors Management systems. Measurement. Requirements.
Measurement processes. Measuring equipment
ICS 03.120.10; 17.020
Número de referência
ABNT NBR ISO 10012:2004
20 páginas
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
ii © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
© ABNT 2004
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser
reproduzida ou utilizada em qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e
microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT.
Sede da ABNT
Av. Treze de Maio, 13 – 28º andar
20003-900 – Rio de Janeiro – RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 2220-1762
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br
Impresso no Brasil
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados iii
Sumário Página
Prefácio...............................................................................................................................................................iv
Introdução ...........................................................................................................................................................v
1 Objetivo e campo de aplicação............................................................................................................1
2 Referências normativas........................................................................................................................1
3 Termos e definições..............................................................................................................................1
4 Requisitos gerais...................................................................................................................................2
5 Responsabilidade da direção...............................................................................................................3
5.1 Função metrológica ..............................................................................................................................3
5.2 Foco no cliente ......................................................................................................................................3
5.3 Objetivos da qualidade .........................................................................................................................3
5.4 Análise crítica pela direção..................................................................................................................3
6 Gestão de recursos...............................................................................................................................4
6.1 Recursos humanos ...............................................................................................................................4
6.2 Recursos de informação ......................................................................................................................4
6.3 Recursos materiais ...............................................................................................................................5
6.4 Fornecedores externos.........................................................................................................................6
7 Comprovação metrológica e realização do processo de medição..................................................7
7.1 Comprovação metrológica ...................................................................................................................7
7.2 Processo de medição..........................................................................................................................10
7.3 Incerteza de medição e rastreabilidade ............................................................................................12
8 Análise e melhoria do sistema de gestão de medição....................................................................13
8.1 Generalidades......................................................................................................................................13
8.2 Auditoria e monitoramento ................................................................................................................13
8.3 Controle de não-conformidades........................................................................................................14
8.4 Melhoria................................................................................................................................................16
Anexo (informativo) Visão geral do processo de comprovação metrológica .............................................18
Bibliografia........................................................................................................................................................20
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
iv © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
Prefácio
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização.
As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos
Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias
(ABNT/CEET), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores
envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros)
A ABNT NBR ISO 10012 foi elaborada no Comitê Brasileiro da Qualidade (ABNT/CB–25), pela Comissão de
Estudo de Tecnologia de Suporte (CE–25:000.03). O Projeto circulou em Consulta Pública conforme Edital
nº 08 de 28.10.2003, com o número Projeto 25:000.03-001.
Esta Norma cancela e substitui as ABNT NBR ISO 10012-1:1993 e ABNT NBR ISO 10012-2:1999.
Esta Norma é equivalente à ISO 10012:2003.
Esta Norma contém o anexo A, de caráter informativo.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados v
Introdução
Um sistema de gestão de medição eficaz assegura que o equipamento de medição e os processos de
medição são adequados para seu uso pretendido e é importante para atingir os objetivos da qualidade do
produto e gerenciar o risco de resultado de medição incorreta. O objetivo de um sistema de gestão de
medição é gerenciar o risco de que o equipamento de medição e os processos de medição possam produzir
resultados incorretos afetando a qualidade dos produtos de uma organização. Os métodos usados para o
sistema de gestão de medição variam da verificação básica do equipamento à aplicação de técnicas
estatísticas no controle do processo de medição.
Nesta Norma, o termo “processo de medição” aplica-se às atividades físicas de medição (por exemplo, em
projeto, teste, produção, inspeção).
Referências a esta Norma podem ser feitas:
— por um cliente ao especificar os produtos requeridos,
— por um fornecedor ao especificar produtos ofertados,
— por organismos legisladores ou regulamentadores, e
— em avaliação e auditoria de sistemas de gestão de medição.
Um dos princípios de gestão estabelecidos na ABNT NBR ISO 9000 trata da abordagem orientada ao
processo. Recomenda-se que os processos de medição sejam considerados como processos específicos que
objetivem dar suporte à qualidade dos produtos produzidos pela organização. O modelo de sistema de gestão
de medição aplicável, utilizado nesta Norma é apresentado na figura 1.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
vi © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
Figura 1 — Modelo de sistema de gestão de medição
Esta Norma inclui tanto requisitos como orientação para implementação de sistemas de gestão de medição e
pode ser útil na melhoria de atividades de medição e da qualidade de produtos. Os requisitos aparecem no
texto em caracteres normais. A orientação aparece em caracteres itálicos dentro de uma caixa de texto, após
o parágrafo apropriado de requisitos. A orientação é somente para informação e não constitui adição,
limitação ou modificação de qualquer requisito.
Organizações têm a responsabilidade de determinar o nível dos controles necessários e especificar os
requisitos do sistema de gestão de medição a ser aplicado como parte do seu sistema de gestão global.
Exceto por acordo, esta Norma não tem a intenção de adicionar, subtrair nem substituir qualquer requisito de
outras normas.
Seguir os requisitos estabelecidos nesta Norma facilitará o cumprimento dos requisitos para medições e
controle do processo de medição especificado em outras normas, por exemplo, as
ABNT NBR ISO 9001:2000, subseção 7.6, e ABNT NBR ISO 14001:1996, subseção 4.5.1.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 1
Sistemas de gestão de medição – Requisitos para os processos
de medição e equipamento de medição
1 Objetivo e campo de aplicação
Esta Norma especifica requisitos genéricos e fornece orientação para a gestão de processos de medição e
comprovação metrológica de equipamento de medição usado para dar suporte e demonstrar conformidade
com requisitos metrológicos. Ela especifica requisitos de gestão da qualidade de um sistema de gestão de
medição que pode ser usado por uma organização que executa medições como parte de um sistema de
gestão global, e para assegurar que os requisitos metrológicos são atendidos.
Esta Norma não tem a intenção de ser usada como um requisito para demonstrar a conformidade com a
ABNT NBR ISO 9001, ABNT NBR ISO 14001 ou qualquer outra norma. Partes interessadas podem concordar
em usar esta Norma como uma entrada para satisfazer os requisitos do sistema de gestão de medição nas
atividades de certificação.
Esta Norma não pretende ser um substituto ou uma adição aos requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025.
NOTA Existem outras normas e guias para elementos particulares que afetam os resultados de medição, por
exemplo, detalhes de métodos de medição, competência de pessoal e comparações interlaboratoriais.
2 Referências normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis para a aplicação desta Norma. Para as referências
datadas, somente a edição citada se aplica. Para referencias não datadas, a última edição do documento
referenciado (incluindo qualquer aditamento) se aplica. A ABNT mantém registros das normas atualizadas.
ABNT NBR ISO 9000:2000 - Sistemas de gestão da qualidade – Fundamentos e vocabulário
VIM:19931) - Vocabulário Internacional de termos fundamentais e gerais de metrologia. BIPM, IEC, IFCC, ISO,
IUPAC, IUPAP, OIML
3 Termos e definições
Para os efeitos desta Norma, aplicam-se os termos e definições das ABNT NBR ISO 9000 e VIM e os
seguintes:
3.1
sistema de gestão de medição
conjunto de elementos inter-relacionados e interativos, necessários para obter a comprovação metrológica e o
controle contínuo dos processos de medição
3.2
processo de medição
conjunto de operações para determinar o valor de uma grandeza
1)
Nota da tradução: Adotado no Brasil através da portaria n° 29/1995 do INMETRO
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
2 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
3.3
equipamento de medição
instrumento de medição, programa de computador, padrão de medição, material de referência ou dispositivos
auxiliares, ou uma combinação deles, necessários para executar um processo de medição
3.4
característica metrológica
propriedade distinta que pode influenciar os resultados de medição
NOTA 1 Equipamentos de medição normalmente têm várias características metrológicas.
NOTA 2 Características metrológicas podem estar sujeitas à calibração.
3.5
comprovação metrológica
conjunto de operações necessárias para assegurar que um equipamento de medição atende aos requisitos do
seu uso pretendido.
NOTA 1 Comprovação metrológica normalmente inclui calibração ou verificação, qualquer ajuste ou reparo necessário,
e subseqüente recalibração, comparação com os requisitos metrológicos para o uso pretendido do equipamento, assim
como qualquer etiqueta ou lacre necessários.
NOTA 2 Comprovação metrológica não é alcançada, até que, e a menos que, a adequação do equipamento de
medição para o seu uso pretendido tenha sido demonstrada e documentada.
NOTA 3 Os requisitos para o uso pretendido incluem considerações tais como amplitude, resolução, erro máximo/erro
permitido.
NOTA 4 Os requisitos de comprovação metrológica são normalmente distintos dos requisitos do produto, e não estão
especificados nestes requisitos.
NOTA 5 Um diagrama dos processos envolvidos na comprovação metrológica é apresentado na figura 2.
3.6
função metrológica
função com responsabilidade técnica e administrativa para definir e implementar o sistema de gestão de
medição
4 Requisitos gerais
O sistema de gestão de medição deve assegurar que requisitos metrológicos especificados são satisfeitos.
Orientação
Requisitos metrológicos especificados são derivados de requisitos para o produto. Estes requisitos são
necessários tanto para o equipamento de medição quanto para os processos de medição. Requisitos podem
ser expressos como erro máximo permissível, incerteza permissível, faixa, estabilidade, resolução,
condições ambientais ou habilidades do operador.
A organização deve especificar os processos de medição e o equipamento de medição que estão sujeitos às
provisões desta Norma. Ao decidir o escopo e a extensão do sistema de gestão de medição, devem ser
levados em consideração os riscos e as conseqüências de falhas no cumprimento dos requisitos metrológicos.
O sistema de gestão de medição consiste no controle de processos de medição indicados e em comprovação
metrológica de equipamento de medição (ver figura 2), e dos processos de suporte necessários.
Os processos de medição contidos no sistema de gestão de medição devem ser controlados (ver 7.2). Todo
equipamento de medição que faz parte do sistema de gestão de medição deve ser comprovado (ver 7.1).
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 3
Mudanças no sistema de gestão de medição devem estar em concordância com os procedimentos da
organização.
5 Responsabilidade da direção
5.1 Função metrológica
A função metrológica deve ser definida pela organização. A Alta Direção da organização deve assegurar a
disponibilidade dos recursos necessários para estabelecer e manter a função metrológica.
Orientação
A função metrológica pode ser um departamento único ou estar distribuída em toda a organização.
A gestão da função metrológica deve estabelecer, documentar e manter o sistema de gestão de medição e
continuamente melhorar a sua eficácia.
5.2 Foco no cliente
A gestão da função metrológica deve assegurar que:
a) os requisitos de medição do cliente estão definidos e convertidos em requisitos metrológicos,
b) o sistema de gestão de medição atende aos requisitos metrológicos do cliente, e
c) a conformidade aos requisitos especificados pelo cliente pode ser demonstrada.
5.3 Objetivos da qualidade
A gestão da função metrológica deve definir e estabelecer objetivos mensuráveis da qualidade para o sistema
de gestão de medição. Critérios de objetivos de desempenho e procedimentos para os processos de medição
e seu controle devem ser definidos.
Orientação
Exemplos de tais objetivos da qualidade em diferentes níveis da organização:
— nenhum produto não-conforme, nem produto conforme rejeitado devido a medições incorretas, deve
ser aceito;
— nenhum processo de medição pode estar fora de controle por mais de um dia sem ser detectado;
— todas as comprovações metrológicas devem ser completadas dentro dos prazos acordados;
— não pode haver registro algum ilegível de comprovações metrológicas;
— todos os programas de treinamento dos técnicos devem ser completados dentro do cronograma
estabelecido;
— o tempo em que o equipamento de medição ficar fora de operação deve ser reduzido por uma
percentagem definida.
5.4 Análise critica pela direção
A Alta Direção da organização deve assegurar a análise crítica sistemática do sistema de gestão de medição
em intervalos planejados, para assegurar sua contínua pertinência, adequação e eficácia. A Alta Direção deve
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
4 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
assegurar que os recursos necessários estejam disponíveis para analisar criticamente o sistema de gestão de
medição.
Os resultados da análise crítica pela direção devem ser usados pela gestão da função metrológica para
modificar o sistema quando necessário, incluindo melhorias nos processos de medição (ver seção 8) e
analisando criticamente os objetivos da qualidade. Os resultados de todas as análises críticas e as ações
tomadas devem ser registrados.
6 Gestão de recursos
6.1 Recursos humanos
6.1.1 Responsabilidade do pessoal
A gestão da função metrológica deve definir e documentar as responsabilidades de todo o pessoal designado
para o sistema de gestão de medição.
Orientação
Estas responsabilidades podem ser definidas em organogramas, descrição de atribuições e instruções de
trabalho ou procedimentos.
Esta Norma não exclui o uso de pessoal especialista externo para a função metrológica.
6.1.2 Competência e treinamento
A gestão da função metrológica deve assegurar que o pessoal envolvido no sistema de gestão de medição
tenha demonstrado ter habilidade para desempenhar as tarefas designadas. Qualquer habilidade
especializada requerida deve ser especificada. A gestão da função metrológica deve assegurar que seja
fornecido treinamento focado nas necessidades identificadas, sejam mantidos registros das atividades de
treinamento, e que a eficácia do treinamento seja avaliada e registrada. O pessoal deve ser conscientizado
sobre a extensão de suas responsabilidades e do impacto de suas atividades sobre a eficácia do sistema de
gestão de medição e na qualidade do produto.
Orientação
A competência pode ser obtida através da educação, treinamento e experiência, e demonstrada por testes
ou desempenho observado.
Quando pessoal que está em treinamento é usado, deve ser fornecida supervisão adequada.
6.2 Recursos de informação
6.2.1 Procedimentos
Os procedimentos do sistema de gestão de medição devem ser documentados na extensão necessária e
validados para assegurar a implementação adequada, sua consistência de aplicação e a validade dos
resultados de medição.
Novos procedimentos ou alterações em procedimentos documentados devem ser autorizados e controlados.
Procedimentos devem estar atualizados, disponíveis e fornecidos quando requeridos.
Orientação
Procedimentos técnicos podem ser baseados em práticas de medição, padrão publicados ou em instruções
escritas de clientes ou de fabricantes de equipamento.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 5
6.2.2 Programa de computador (software)
Programas de computador usados nos procedimentos de medição e cálculos de resultados devem ser
documentados, identificados e controlados para assegurar sua adequabilidade para o uso continuado.
Programa de computador e qualquer revisão dele devem ser testados e/ou validados antes do uso inicial,
aprovados para uso e arquivados. Testes devem ser realizados na extensão necessária para assegurar
resultados válidos das medições.
Orientação
Programas de computadores podem estar em diversas formas, tais como embutidos, programáveis, ou
prontos para aquisição.
Programas de computadores prontos para aquisição podem não requerer testes.
Testes podem incluir verificação de vírus, verificação dos algoritmos programados do usuário, ou uma
combinação deles, sempre que necessário para encontrar o resultado de medição requerido.
Controle da configuração de programas de computador pode ajudar a manter a integridade e validade dos
processos de medição que utilizam programas de computador. O arquivamento pode ser pela criação de
cópias-reserva, armazenagem em locais diferentes, ou qualquer outro meio de salvaguardar a programação,
assegurar acessibilidade e fornecer o nível de rastreabilidade necessário.
6.2.3 Registros
Devem ser mantidos registros contendo informações requeridas para a operação do sistema de gestão de
medição. Procedimentos documentados devem assegurar a identificação, armazenagem, proteção,
recuperação, tempo de retenção e disposição dos registros.
Orientação
Exemplos de registros são: resultados de comprovação, resultado de medição, aquisição, dados
operacionais, dados de não-conformidades, reclamações de clientes, treinamento, qualificação ou qualquer
outro dado histórico que suporte os processos de medição.
6.2.4 Identificação
Equipamentos de medição e procedimentos técnicos usados no sistema de gestão de medição devem ser
claramente identificados, individual ou coletivamente. Deve haver uma identificação da situação da
comprovação metrológica do equipamento.
Equipamento comprovado para ser utilizado unicamente em um processo ou processos de medição
específicos deve ser claramente identificado ou controlado de outra forma para evitar o uso não autorizado.
Equipamento usado no sistema de gestão de medição deve ser distinguível de outro equipamento.
6.3 Recursos materiais
6.3.1 Equipamento de medição
Todo equipamento de medição necessário para satisfazer requisitos metrológicos especificados deve estar
disponível e identificado no sistema de gestão de medição. O equipamento de medição deve ter uma situação
de calibração válida antes de ser comprovado. Equipamentos de medição devem ser usados em um ambiente
que é conhecido ou controlado na extensão necessária para assegurar resultados de medição válidos.
Equipamentos de medição usados para monitorar e registrar as grandezas que influenciam devem ser
incluídos no sistema de gestão de medição.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
6 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
Orientação
Equipamento de medição pode ser comprovado para uso em processos específicos de medição e não
comprovado para uso em outros processos de medição por causa de diferentes requisitos metrológicos.
Requisitos metrológicos para o equipamento de medição são derivados de requisitos especificados para o
produto ou dos equipamentos a serem calibrados, verificados e comprovados.
O erro máximo permissível pode ser definido pela referência às especificações publicadas do fabricante do
equipamento de medição ou pela função metrológica.
Equipamentos de medição podem ser calibrados por uma organização distinta daquela que desempenha a
função metrológica na comprovação metrológica.
A caracterização de materiais de referência pode satisfazer o requisito para a calibração.
A gestão da função metrológica deve estabelecer, manter e usar procedimentos documentados para receber,
manusear, transportar, armazenar e expedir equipamentos de medição, no sentido de prevenir abusos, mau
uso, danos e mudanças nas suas características metrológicas. Deve haver procedimento para processar a
retirada ou introdução de equipamentos de medição do sistema de gestão de medição.
6.3.2 Ambiente
As condições ambientais requeridas para a operação eficaz dos processos de medição cobertos pelo sistema
de gestão de medição devem ser documentadas.
As condições ambientais que afetam as medições devem ser monitoradas e registradas. Correções baseadas
nas condições ambientais devem ser registradas e aplicadas aos resultados de medição.
Orientação
Condições ambientais que afetam os resultados de medição podem incluir temperatura, taxa de variação da
temperatura, umidade, iluminação, vibração, controle de poeira, limpeza, interferência eletromagnética e
outros fatores. Fabricantes de equipamentos normalmente fornecem especificações, dando faixas e cargas
máximas, e limitações das condições ambientais, para o correto uso do equipamento.
6.4 Fornecedores externos
A gestão da função metrológica deve definir e documentar os requisitos para produtos e serviços a serem
fornecidos por fornecedores externos para o sistema de gestão de medição. Fornecedores externos devem
ser avaliados e selecionados com base na sua habilidade em atender aos requisitos documentados. Critérios
de seleção, monitoramento e avaliação devem ser definidos e documentados, e os resultados da avaliação
devem ser registrados. Devem ser mantidos registros dos produtos e serviços fornecidos pelos fornecedores
externos.
Orientação
Se um fornecedor externo for usado para testes ou calibração, o fornecedor deve ser capaz de demonstrar
competência técnica com uma norma de laboratório tal como a ABNT NBR ISO/IEC 17025. Produtos e
serviços fornecidos por fornecedores externos podem requerer verificações dos requisitos especificados.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 7
7 Comprovação metrológica e realização do processo de medição
7.1 Comprovação metrológica
7.1.1 Generalidades
A comprovação metrológica (ver figura 2 e anexo A) deve ser projetada e implementada para assegurar que
características metrológicas do equipamento de medição satisfaçam os requisitos metrológicos do processo
de medição. A comprovação metrológica compreende a calibração e a verificação do equipamento de
medição.
Orientação
Recalibração de um equipamento de medição não é necessária se o equipamento já estiver em uma
situação de calibração válida. Procedimento de comprovação metrológica pode incluir métodos para verificar
que as incertezas de medição e/os erros de equipamento de medição estão dentro dos limites permissíveis
especificados nos requisitos metrológicos.
Informação pertinente à comprovação metrológica da situação do equipamento de medição deve estar
prontamente disponível para o operador, incluindo quaisquer limitações ou requisitos especiais.
As características metrológicas do equipamento de medição devem ser adequadas para seu uso pretendido.
Orientação
Exemplos de características para equipamentos de medição incluem:
— faixa,
— tendência,
— repetibilidade,
— estabilidade,
— histerese,
— variações,
— efeitos de grandezas que influenciam,
— resolução,
— discriminação (limite),
— erro,
— faixa morta.
Características metrológicas de equipamento de medição são fatores que contribuem para a incerteza de
medição (ver 7.3.1), os quais possibilitam comparação direta com os requisitos metrológicos no
estabelecimento da comprovação metrológica.
Recomenda-se que sejam evitadas sentenças qualitativas das características metrológicas em termos de,
por exemplo, “exatidão requerida do equipamento de medição”.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
8 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
7.1.2 Intervalos de comprovação metrológica
Os métodos usados para a determinação ou mudança dos intervalos entre comprovações metrológicas
devem ser descritos em procedimentos documentados. Esses intervalos devem ser analisados criticamente e
ajustados quando necessário para assegurar a contínua conformidade com os requisitos metrológicos
especificados.
Orientação
Dados obtidos de histórias de calibração e comprovação metrológica, e avanços de tecnologia e de
conhecimento podem ser usados para determinação dos intervalos entre comprovações metrológicas.
Registros obtidos usando técnicas de controle estatístico de processo para medições podem ser úteis na
determinação da necessidade ou não de alterar os intervalos de comprovação metrológica.
O intervalo de calibração pode ser igual ao intervalo de comprovação metrológica. (ver OIML D10).
Cada vez que um equipamento de medição não conforme é reparado, ajustado ou modificado o intervalo para
sua comprovação metrológica deve ser analisado criticamente.
7.1.3 Controle de ajustes de equipamento
Acessos aos meios de ajustes e dispositivos sobre equipamento de medição comprovado, cuja posição afeta
o desempenho, devem ser selados ou de alguma outra forma protegidos para prevenir mudanças não
autorizadas. Selos ou proteções devem ser projetados e implementados de tal forma que mudanças não
autorizadas sejam detectadas.
Procedimentos do processo de comprovação metrológica devem incluir ações a serem tomadas quando selos
ou proteção são encontrados quebrados, danificados, contornados ou faltando.
Orientação
O requisito para selagem não se aplica a meios ou dispositivos de ajuste que são intencionalmente
posicionados pelo usuário sem a necessidade de referências externas; por exemplo, ajustes de zero.
Recomenda-se que seja dada atenção especial para técnicas de proteção de escrita, para prevenir
alterações não autorizadas em programas de computadores e nos procedimentos da organização.
Recomenda-se que as decisões sobre que equipamento de medição deveria ser selado, os controles ou
ajustes que serão selados e o material de selagem, tais como etiquetas, soldas, fios, tintas, sejam
normalmente deixadas para a função metrológica. Recomenda-se que a implementação de um programa de
selagem pela função metrológica seja documentada. Nem todos os equipamentos de medição têm a
possibilidade de serem selados.
7.1.4 Registros do processo de comprovação metrológica
Registros do processo de comprovação metrológica devem ser datados e aprovados por uma pessoa
autorizada para atestar a correção dos resultados, como apropriado.
Esses registros devem ser mantidos e estar disponíveis.
Orientação
O tempo mínimo para a retenção de registros depende de muitos fatores, incluindo os requisitos do cliente,
requisitos estatutários ou regulamentares e responsabilidade civil do fabricante. Registros relacionados com
padrões de medição podem precisar ser mantidos indefinidamente.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 9
Registros do processo de comprovação metrológica devem demonstrar se cada item do equipamento de
medição satisfaz os requisitos metrológicos especificados.
Os registros devem incluir, quando necessário:
a) descrição e identificação única do fabricante do equipamento, tipo, número de série etc.;
b) data na qual a comprovação metrológica foi completada;
c) resultado da comprovação metrológica;
d) intervalo fixado para comprovação metrológica;
e) identificação do procedimento de comprovação metrológica (ver 6.2.1);
f) erro(s) máximo(s) permissível(eis) definido(s);
g) condições ambientais pertinentes e declaração sobre quaisquer correções necessárias;
h) incertezas envolvidas na calibração do equipamento;
i) detalhes de qualquer manutenção, tais como ajustes, reparos ou modificações realizadas;
j) quaisquer limitações de uso;
k) identificação da(s) pessoa(s) que realiza(m) a comprovação metrológica;
l) identificação da(s) pessoa(s) responsável(eis) pela correção da informação registrada;
m) identificação única (como números de série) de qualquer relatório ou certificado de calibração e outros
documentos pertinentes;
n) evidência da rastreabilidade dos resultados da calibração;
o) requisitos metrológicos para o uso pretendido;
p) resultados da calibração obtidos após, e onde requerido, antes de qualquer ajuste, modificação ou reparo.
Orientação
Recomenda-se que resultados de calibração sejam registrados de forma que a rastreabilidade de todas as
medições possa ser demonstrada e de forma que os resultados das calibrações possam ser reproduzidos
sob condições próximas das condições originais.
Algumas vezes, o resultado da verificação é incluído no relatório ou certificado de calibração onde é
declarado se o equipamento está em conformidade (ou falha em estar em conformidade ) com os requisitos
especificados.
Os registros podem ser manuscritos, datilografados ou microfilmados, ou em um meio eletrônico ou em
meio magnético, ou outro meio de informação.
O erro máximo permissível pode ser determinado pela função metrológica, ou por referência às
especificações publicadas do fabricante do equipamento de medição.
A função metrológica deve assegurar que somente a pessoas autorizadas seja permitido gerar, emendar,
emitir ou apagar registros.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
10 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
7.2 Processo de medição
7.2.1 Generalidades
Processos de medição que são partes do sistema de gestão de medição devem ser planejados, validados,
implementados, documentados e controlados. Grandezas de influências que afetem os processos de medição
devem ser identificadas e consideradas.
A especificação completa de cada processo de medição deve incluir a identificação de todo o equipamento
pertinente, procedimentos de medição, programas de computador para medição, condições de uso,
habilidades do operador e todos os outros fatores que afetam a confiabilidade do resultado de medição.
O controle dos processos de medição deve ser conduzido de acordo com procedimentos documentados.
Orientação
Um processo de medição pode ser limitado ao uso de um único equipamento de medição.
Um processo de medição pode requerer correção de dados, por exemplo, devido às condições ambientais.
7.2.2 Projeto do processo de medição
Os requisitos metrológicos devem ser determinados com base nos requisitos do cliente, da organização,
estatutários e regulamentares. Os processos de medição projetados para satisfazer esses requisitos
especificados devem ser documentados, validados como apropriado e, se necessário, acordados com o
cliente.
Para cada processo de medição, os elementos e os controles do processo pertinente devem ser identificados.
A escolha de elementos e limites de controle deve ser compatível com o risco de falha na conformidade com
os requisitos especificados. Esses elementos e controles do processo devem incluir os efeitos de operadores,
equipamento, condições ambientais, grandezas de influência e métodos de aplicação.
Orientação
Ao especificar os processos de medição, pode ser necessário determinar:
— quais medições são necessárias para assegurar a qualidade do produto;
— os métodos de medição;
— o equipamento requerido para executar a medição e defini-lo;
— a qualificação e habilidade requeridas do pessoal que executa a medição;
Os processos de medição podem ser validados por comparação com resultados de outros processos
validados, pela comparação de resultados por outros métodos de medição ou por análise contínua de
características de processo de medição.
O processo de medição deve ser projetado para prevenir resultados de medições errôneos e deve assegurar
a pronta detecção de deficiências e ações corretivas em tempo oportuno.
Orientação
Recomenda-se que o esforço dedicado ao controle do processo de medição seja compatível com a
importância das medições para a qualidade do produto final da organização. Exemplos de onde um alto
grau de controle do processo de medição é apropriado incluem sistemas de medição críticos ou complexos,
medições que assegurem segurança do produto ou medições que resultem em alto custo subseqüente, se
for incorreta. Controles mínimos de processo podem ser adequados para medições simples de partes não
críticas. Procedimentos para controle do processo podem ser genéricos para tipos similares de
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 11
equipamentos de medição e aplicações, tais como o uso de ferramentas de mão para medir partes
usinadas.
Recomenda-se que o impacto das grandezas de influência sobre o processo de medição seja quantificado.
Pode ser necessário projetar e realizar experimentos ou investigações específicos para este fim. Quando
isto não é possível, recomenda-se que sejam usados os dados, especificações e advertências fornecidas
por um fabricante de equipamento.
As características de desempenho requeridas para o uso pretendido do processo de medição devem ser
identificadas e quantificadas.
Orientação
Exemplos de características incluem
— incerteza de medição,
— estabilidade,
— erro máximo permissível,
— repetibilidade,
— reprodutibilidade, e
— nível de habilidade do operador.
Outras características podem ser importantes para alguns processos de medição.
7.2.3 Realização do processo de medição
O processo de medição deve ser realizado sob condições controladas projetadas para atender aos requisitos
metrológicos.
As condições a serem controladas devem incluir:
a) o uso de equipamento comprovado,
b) aplicação de procedimentos de medição validados,
c) a disponibilidade das fontes de informações requeridas,
d) manutenção das condições ambientais requeridas,
e) o uso de pessoal competente,
f) o relato adequado dos resultados, e
g) a implementação de monitoramento como especificado.
7.2.4 Registros de processos de medição
A função metrológica deve manter registros para demonstrar conformidade com os requisitos do processo de
medição, incluindo:
a) uma descrição completa dos processos de medição implementados, incluindo todos os elementos (por
exemplo, operadores, qualquer equipamento de medição ou padrões de verificação) usados e as
condições de operação pertinentes;
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
12 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
b) os dados pertinentes obtidos dos controles do processo de medição, incluindo qualquer informação
pertinente à incerteza de medição;
c) quaisquer ações tomadas como um resultado de dados do controle do processo de medição;
d) a(s) data(s) na(s) qual(is) foi conduzida cada atividade de controle do processo de medição;
e) a identificação de quaisquer documentos de verificação pertinente;
f) a identificação da pessoa responsável por prover a informação para os registros;
g) as habilidades (requeridas e alcançadas) do pessoal.
Orientação
Para os propósitos de registro, identificações por lote podem ser adequadas para itens de consumo usados
em controle de processo de medição.
A função metrológica deve assegurar que somente a pessoas autorizadas é permitido gerar, emendar, emitir
ou apagar registros.
7.3 Incerteza de medição e rastreabilidade
7.3.1 Incerteza de medição
A incerteza de medição deve ser estimada para cada processo de medição abrangido pelo sistema de gestão
de medição (ver 5.1).
Estimativas da incerteza devem ser registradas. A análise das incertezas de medição deve ser completada
antes da comprovação metrológica do equipamento de medição e da validação do processo de medição.
Todas as fontes conhecidas da variabilidade de medição devem ser documentadas.
Orientação
Os conceitos envolvidos e os métodos que podem ser usados na combinação dos componentes de
incerteza e a apresentação dos resultados são apresentados no “Guia para a expressão de incerteza em
medição” (GUM). Outros métodos documentados e aceitos podem ser usados.
É possível que alguns componentes de incerteza sejam pequenos comparados com outros componentes, o
que poderia tornar injustificável sua determinação detalhada sob aspectos técnicos ou econômicos. Desta
forma, recomenda-se que a decisão e a justificativa sejam registradas. Em todos os casos, recomenda-se
que o esforço dedicado na determinação e registro de incerteza de medições seja compatível com a
importância dos resultados de medição para a qualidade do produto da organização. O registro de
determinações de incerteza pode tomar a forma de “declarações genéricas” para tipos similares de
equipamento de medição, com contribuições sendo adicionadas para processos de medição individuais.
Recomenda-se que a incerteza de um resultado de medição leve em conta, entre outras contribuições, a
incerteza da calibração do equipamento de medição.
O uso apropriado de técnicas estatísticas para análise dos resultados de calibrações prévias e para a
avaliação dos resultados de calibrações de vários itens similares de equipamento de medição pode auxiliar
na estimativa de incertezas.
7.3.2 Rastreabilidade
A gestão da função metrológica deve assegurar que todos resultados de medição sejam rastreáveis às
unidades padrões do Sistema Internacional (SI).
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 13
Rastreabilidade de medições às unidades do SI deve ser alcançada por referência a um padrão primário
apropriado ou por referência a uma constante natural, cujo valor em termos de unidades SI pertinentes é
conhecido e recomendado pela Conferência Geral de Pesos e Medidas e pelo Comitê Internacional de Pesos
e Medidas.
Onde acordado, padrões de consenso usados em situações contratuais devem ser somente usados quando
não existem unidades do SI ou constantes naturais reconhecidas.
Orientação
Rastreabilidade é usualmente alcançada através de laboratórios de calibração confiáveis tendo sua própria
rastreabilidade aos padrões nacionais de medição. Por exemplo, um laboratório que atenda aos requisitos
da ABNT NBR ISO/IEC 17025 poderia ser considerado confiável.
Institutos Nacionais de Metrologia são responsáveis por padrões nacionais de medição e sua
rastreabilidade, incluindo aqueles casos onde o padrão nacional de medição é mantido por Instituições
outras que não sejam os Institutos Nacionais de Metrologia. Resultados de medição podem ser rastreáveis
através de um Instituto Nacional de Metrologia externo ao país onde a medição é feita.
Materiais de referência certificados podem ser considerados como padrões de referência.
Registros de rastreabilidade de resultados de medições devem ser mantidos por tanto tempo quanto
requerido pelo sistema de gestão de medição, pelo cliente ou por requisitos estatutários e regulamentares.
8 Análise e melhoria do sistema de gestão de medição
8.1 Generalidades
A função metrológica deve planejar e implementar o monitoramento, análise e melhorias necessários para:
a) assegurar conformidade do sistema de gestão de medição com esta Norma, e
b) melhorar continuamente o sistema de gestão de medição.
8.2 Auditoria e monitoramento
8.2.1 Generalidades
A função metrológica deve usar auditoria, monitoramento e outras técnicas, como apropriado, para determinar
a adequação e a eficácia do sistema de gestão de medição.
8.2.2 Satisfação do cliente
A função metrológica deve monitorar informações relativas à satisfação do cliente para verificar se as
necessidades metrológicas do cliente foram satisfeitas. Os métodos para obter e usar esta informação devem
ser especificados.
8.2.3 Auditoria do sistema de gestão de medição
A função metrológica deve planejar e conduzir auditorias do sistema de gestão de medição para assegurar
sua implementação eficaz contínua e atendimento aos requisitos especificados. Resultados das auditorias
devem ser relatados para as partes envolvidas na gestão da organização.
Os resultados de todas as auditorias do sistema de gestão de medição e todas as mudanças do sistema
devem ser registrados. A organização deve assegurar que ações são tomadas sem atrasos indevidos para
eliminar não-conformidades detectadas e suas causas.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
14 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
Orientação
Auditorias do sistema de gestão de medição podem ser conduzidas como uma parte das auditorias do
sistema de gestão da organização.
A ABNT NBR ISO 19011 fornece orientações sobre sistemas de auditoria.
Auditorias do sistema de gestão de medição podem ser conduzidas pela função metrológica da
organização, ou por pessoal contratado ou de terceira parte. Recomenda-se que auditores não auditem
suas próprias áreas de responsabilidade.
8.2.4 Monitoramento do sistema de gestão de medição
Nos processos contidos no sistema de gestão de medição, devem ser monitorados a comprovação
metrológica e os processos de medição. O monitoramento deve ser realizado de acordo com procedimentos
documentados e a intervalos estabelecidos.
Ele deve incluir a determinação de métodos aplicáveis, incluindo técnicas estatísticas, e a extensão do seu
uso.
O monitoramento do sistema de gestão de medição deve prevenir desvios dos requisitos, assegurando a
pronta detecção de deficiências e tomando, em tempo oportuno, ações para sua correção.
Este monitoramento deve ser na proporção correta ao risco de falha para atender os requisitos especificados.
Os resultados do monitoramento dos processos de medição e comprovação e quaisquer ações corretivas
resultantes devem ser documentados para demonstrar que a medição e os processos de comprovação vêm
atendendo continuamente com os requisitos documentados.
8.3 Controle de não-conformidades
8.3.1 Sistemas de gestão de medição não-conformes
A função metrológica deve assegurar a detecção de quaisquer não-conformidades e adotar ação imediata.
Orientação
Convém que elementos não-conformes sejam identificados para prevenir uso inadvertido.
Neste ínterim, ações (por exemplo, planos imediatos) podem ser tomadas até que as ações corretivas sejam
implementadas.
8.3.2 Processos de medição não-conformes
Qualquer processo de medição conhecido que produza, ou seja, suspeito de produzir, resultados de medição
incorretos, deve ser adequadamente identificado e não deve ser usado até que ações apropriadas tenham
sido tomadas.
Se um processo de medição não-conforme for identificado, o usuário do processo deve determinar as
conseqüências potenciais, fazer as correções necessárias e tomar as ações corretivas necessárias.
Um processo de medição, modificado devido a uma não-conformidade, deve ser validado antes do seu uso.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 15
Orientação
Falha de um processo de medição devida, por exemplo, à deterioração de um padrão de verificação ou
mudanças na competência do operador podem ser reveladas pelos indicadores pós-processo tais como:
— análise de gráficos de controle,
— análise de gráficos de tendência,
— inspeções subseqüentes,
— comparações interlaboratoriais,
— auditorias internas, e
— retroalimentação de cliente.
8.3.3 Equipamentos de medição não-conformes
Qualquer equipamento de medição comprovado que é suspeito ou conhecido:
a) ter sido danificado,
b) ter sido sobrecarregado,
c) ter mau funcionamento de forma que possa invalidar seu uso pretendido,
d) produzir resultados de medição incorretos,
e) estar além do seu intervalo de comprovação metrológica especificado,
f) ter sido manuseado erroneamente,
g) ter um selo ou proteção danificado ou quebrado,
h) ter sido exposto à influência de grandezas que possam afetar adversamente seu uso pretendido (por
exemplo, campo eletromagnético, poeira)
deve ser removido do serviço por segregação ou identificado por marcação ou etiquetagem facilmente visível,
a não-conformidade deve ser verificada e um relatório de não-conformidade deve ser preparado.
Tal equipamento não deve retornar ao serviço até que as razões para sua não-conformidade tenham sido
eliminadas e ele seja comprovado novamente.
Equipamento de medição não-conforme, que não retornou às suas características metrológicas pretendidas,
deve ser claramente marcado ou identificado de outra maneira. A comprovação metrológica de tal
equipamento para outros usos deve assegurar que a situação de alteração está claramente aparente e inclui
identificação de qualquer limitação de uso.
Orientação
Se for impraticável ajustar, reparar ou revisar com o propósito de ser reparado o equipamento considerado
não adequado para seu uso pretendido, uma opção é rebaixamento de função ou uma mudança em seu
uso pretendido. Convém que reclassificação seja somente usada com muito cuidado, pois pode causar
confusão entre os usos permitidos de partes de equipamentos aparentemente idênticas. Isto inclui
comprovações metrológicas limitadas de somente algumas faixas ou funções de equipamentos multifaixas.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
16 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
Se o resultado de uma verificação metrológica antes de qualquer ajuste ou reparo indicar que o equipamento
de medição não atendeu aos requisitos metrológicos de tal forma que a correção dos resultados de medição
pode ter sido comprometido, o usuário do equipamento deve determinar as conseqüências potenciais e tomar
qualquer ação necessária. Isto pode envolver reexame do produto produzido, usando medições realizadas
com o equipamento de medição não-conforme.
8.4 Melhoria
8.4.1 Generalidades
A função metrológica deve planejar e gerenciar a melhoria contínua do sistema de gestão de medição com
base nos resultados das auditorias, análise crítica pela administração e outros fatores pertinentes, tais como,
retroalimentação dos clientes. A função metrológica deve analisar criticamente e identificar oportunidades
potenciais para a melhoria do sistema de gestão de medição e modificá-lo se necessário.
8.4.2 Ação corretiva
Quando um elemento importante do sistema de gestão de medição não atende aos requisitos especificados,
ou quando dados pertinentes mostram um comportamento inaceitável, ações devem ser tomadas para
identificar a causa e eliminar a discrepância.
Correções e soluções de ação corretiva devem ser verificadas antes de retornar o processo de medição ao
uso.
O critério para a adoção de ação corretiva deve ser documentado.
8.4.3 Ação preventiva
A função metrológica deve determinar ação(ões) para eliminar as causas potenciais de não-conformidade de
medição ou comprovação, no sentido de prevenir suas ocorrências. Ações preventivas devem ser apropriadas
para o efeito do problema potencial. Um procedimento documentado deve ser estabelecido para definir
requisitos para:
a) determinação de não-conformidades potenciais e suas causas,
b) avaliação da necessidade de ações para prevenir ocorrência de não-conformidades,
c) determinação e implementação de ações necessárias,
d) registro de resultados de ação tomada, e
e) análise crítica de ação preventiva adotada.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 17
Figura 2 – Processo de comprovação metrológica para equipamento de medição
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
18 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
Anexo A
(informativo)
Visão geral do processo de comprovação metrológica
A.1 Introdução
O processo de comprovação metrológica tem duas entradas, os requisitos metrológicos do cliente (RMC) e as
características metrológicas do equipamento de medição (CMEM), e uma saída, a situação de comprovação
metrológica do equipamento de medição.
A.2 Requisitos metrológicos do cliente (RMC)
Os requisitos metrológicos do cliente são aqueles requisitos de medição especificados pelo cliente como
pertinente para os processos de produção do cliente. Eles, portanto, dependem das especificações para as
variáveis a serem medidas. Os RMC incluem aqueles envolvidos na verificação da conformidade do produto
com as especificações do cliente, em adição àqueles oriundos do controle do processo de produção e suas
entradas. A determinação e especificação destes requisitos é de responsabilidade do cliente, embora este
processo possa ser desempenhado em nome do cliente por algumas pessoas qualificadas adequadamente.
Isto freqüentemente requer um profundo conhecimento do processo de produção, bem como de metrologia.
Recomenda-se que os RMC também levem em conta o risco de más medições e os efeitos delas sobre a
organização e os negócios. Os RMC podem ser expressos em termos de erro máximo permissível, limites
operacionais etc. Recomenda-se que eles sejam suficientemente detalhados para permitir aos operadores do
processo de comprovação metrológica decidir inequivocamente se um equipamento de medição particular é
capaz ou não de controlar, medir ou monitorar a variável ou quantidade especificada de acordo com o seu uso
pretendido.
Exemplo: É requerido que a pressão seja controlada entre 200 kPa e 250 kPa em um reator de processo para
uma operação crítica. Este requisito deve ser interpretado e expresso como um RMC para o equipamento de
medição de pressão. Isto poderia resultar em um RMC que o equipamento seja capaz de medir uma faixa de
pressão de 150 kPa a 300 kPa, com 2 kPa de erro máximo permissível, uma incerteza de medição de 0,3 kPa
(não incluindo os efeitos relacionados com o tempo), e com uma tendência não maior que 0,1 kPa por período
de tempo especificado. O cliente compara os RMC com as características (explícitas ou implícitas)
especificadas pelo fabricante do equipamento e seleciona equipamento de medição e procedimentos que
melhor atendam aos RMC. O cliente pode especificar um fornecedor particular para um manômetro com uma
classe de exatidão de 0,5% e faixa de 0 kPa a 400 kPa.
A.3 Características metrológicas do equipamento de medição (CMEM)
Visto que as CMEM são freqüentemente determinadas por calibração (ou várias calibrações) e/ou testes, a
função metrológica dentro do sistema de comprovação metrológica especifica e controla todas aquelas
atividades necessárias. As entradas para o processo de calibração são o equipamento de medição, um
padrão de medição e um procedimento que estabeleça as condições ambientais. Convém que os resultados
da calibração incluam uma declaração da incerteza da medição.
Esta é uma importante característica como uma entrada quando se avalia a incerteza da medição para o
processo de medição quando o equipamento é usado.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 19
Os resultados da calibração podem ser documentados dentro do sistema de comprovação metrológica por
qualquer método apropriado como, por exemplo, certificados de calibração ou relatórios de calibração (onde
calibrações são terceirizadas ) ou por registros dos resultados da calibração (quando desempenhado
inteiramente dentro da função metrológica da organização).
Características importantes para a medição, por exemplo, incerteza de medição, são não só dependentes do
equipamento, mas, também, do ambiente, do procedimento de medição específico e, algumas vezes, da
habilidade e experiência do operador. Por esta razão, é muito importante que o processo de medição
completo seja considerado quando se seleciona o equipamento de medição para satisfazer requisitos.
Esta consideração é a responsabilidade da função metrológica para a organização, embora atividades
específicas possam ser desempenhadas pela organização ou por uma pessoa adequadamente qualificada,
como um metrologista independente.
A.4 Verificação e comprovação metrológica
Após a calibração, as características metrológicas do equipamento de medição (CMEM) são comparadas aos
requisitos metrológicos do cliente (RMC) antes de confirmar o equipamento para seu uso pretendido. Por
exemplo, o erro relatado da indicação do equipamento de medição deveria ser comparado ao erro máximo
especificado como um requisito metrológico do cliente (RMC). Se o erro for menor que o erro máximo
permissível, então o equipamento está conforme com aqueles requisitos e pode ser comprovado para uso. Se
o erro for maior, ações deveriam ser tomadas para remover a não-conformidade ou o consumidor deve ser
informado que o equipamento não pode ser comprovado.
Tal comparação direta do CMEM e RMC é freqüentemente chamada de verificação (ver
ABNT NBR ISO 9000:2000). O sistema de comprovação metrológica é firmemente baseado em tais
verificações, mas convém, também, incluir considerações detalhadas e análise crítica do processo de
medição completo, no sentido de fornecer garantia da qualidade das medições feitas com o equipamento em
apoio à determinação da conformidade do produto com os requisitos do cliente.
Exemplo: Seguindo o exemplo de A.2, é assumido que o erro encontrado pela calibração é 3 kPa em 200 kPa,
com uma incerteza da medição na calibração de 0,3 kPa. Portanto, o instrumento não atende ao requisito de
erro máximo permissível. Após o ajuste, o erro encontrado pela calibração é 0,6 kPa e a incerteza no
processo de calibração é 0,3 kPa. O instrumento agora atende ao requisito do erro máximo permissível e
pode ser confirmado para uso, assumindo que a evidência de demonstração de atendimento do requisito de
tendência vem sendo obtida. Contudo, se o instrumento foi submetido a recomprovação, convém que o
usuário do instrumento seja informado dos resultados da primeira calibração, uma vez que ações corretivas
referentes à realização do produto podem ser requeridas para o período antes que instrumento tenha sido
retirado do uso aguardando a reconfimação.
Se a verificação dos processos for desempenhada pelos usuários ou pela função metrológica, os resultados
desta verificação podem ser compilados em um documento de verificação, em adição a quaisquer relatórios
ou certificados de calibração ou teste, como parte de observação de auditoria dentro do sistema de
comprovação metrológica. O estágio final no sistema de comprovação metrológica é a identificação adequada
da situação do equipamento de medição, por exemplo, por etiquetagem, marcação etc. Após isto, o
equipamento de medição pode ser usado para a finalidade para a qual ele tenha sido comprovado.
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS
ABNT NBR ISO 10012:2004
20 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados
Bibliografia
[1] ISO 3534-1:1993, Statistics ⎯ Vocabulary and symbols ⎯ Part 1: Probability and general statistical
terms.
[2] ISO 3534-2:1993, Statistics ⎯ Vocabulary and symbols ⎯ Part 2: Statistical quality control
[3] ISO 5725-1, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 1: General
principles and definitions.
[4] ISO 5725-2, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 2: Basic
methods for the determination of repeatability and reproducibility of a standard measurement method.
[5] ISO 5725-3, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 3:
Intermediate measures of the precision of a standard measurement method
[6] ISO 5725-4, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 4: Basic
methods for the determination of the trueness of a standard measurement method.
[7] ISO 5725-5, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 5:
Alternative methods for the determination of the precision of a standard measurement method.
[8] ISO 5725-6, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 6; Use in
practice of accuracy values
[9] ABNT NBR ISO 9001:2000, Sistemas de gestão da qualidade ⎯ Requisitos
[10] ABNT NBR ISO 9004:2000, Sistemas de gestão da qualidade – Diretrizes para melhorias de
desempenho
[11] ABNT NBR ISO 19011:2002, Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou
ambiental
[12] ISO 14001:1996, Environmental management systems — Specification with guidance for use
[13] ABNT ISO/TR 10017:1999:— 2) Guias de técnicas para ABNT NBR ISO 9001:1994
[14] ISO/TR 13425:1995 — Guide for the selection of statistical methods in standardization and specification
[15] ABNT NBR ISO/IEC 17025:1999 — Requisitos gerais para competência de laboratório de teste e
calibração
[16] GUM:1995, Guide to the expression of uncertainty in measurement. Published jointly by BIPM, IEC,
IFCC, ISO, IUPAC, IUPAP, OIML
[17] OIML D10:1984, Guidelines for the determination of recalibration intervals of measuring equipment
used in testing laboratories.
2)
A ser publicada. (Revisão do ISO/TR 10017:1999)TTT
Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31
Impresso por: PETROBRAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeSandra Silva
 
Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Não Conformidade, Ação Corretiva e PreventivaNão Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Não Conformidade, Ação Corretiva e PreventivaTemplum Consultoria Online
 
Sistemas de Gestão da Qualidade
Sistemas de Gestão da QualidadeSistemas de Gestão da Qualidade
Sistemas de Gestão da QualidadeGiulianno Sousa
 
Reunião da analise crítica
Reunião da analise crítica Reunião da analise crítica
Reunião da analise crítica Ythia Karla
 
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão Luciano Moreira
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosMarcos Abreu
 
Iso 9001 palestra power point
Iso  9001 palestra   power pointIso  9001 palestra   power point
Iso 9001 palestra power pointFabiano Mesquita
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Alisson Sena, MBA
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Erick Luiz Coutinho dos Santos
 
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Pop   aquisição e qualificação de fornecedoresPop   aquisição e qualificação de fornecedores
Pop aquisição e qualificação de fornecedoresJuciê Vasconcelos
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosMarcos Abreu
 
Apresentação qualidade
Apresentação qualidadeApresentação qualidade
Apresentação qualidadeGuilmour Rossi
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Adeildo Caboclo
 

Mais procurados (20)

Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
 
Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Não Conformidade, Ação Corretiva e PreventivaNão Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
 
Check list auditoria
Check list auditoriaCheck list auditoria
Check list auditoria
 
Sistemas de Gestão da Qualidade
Sistemas de Gestão da QualidadeSistemas de Gestão da Qualidade
Sistemas de Gestão da Qualidade
 
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
2012 11-05 - aula 13 - as normas da qualidade
 
Reunião da analise crítica
Reunião da analise crítica Reunião da analise crítica
Reunião da analise crítica
 
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de Documentos
 
Iso 9001 palestra power point
Iso  9001 palestra   power pointIso  9001 palestra   power point
Iso 9001 palestra power point
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
 
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Pop   aquisição e qualificação de fornecedoresPop   aquisição e qualificação de fornecedores
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
 
Acao corretiva
Acao corretivaAcao corretiva
Acao corretiva
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de Documentos
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
 
Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001Auditoria iso 9001
Auditoria iso 9001
 
Apresentação qualidade
Apresentação qualidadeApresentação qualidade
Apresentação qualidade
 
Vibrações
VibraçõesVibrações
Vibrações
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
 

Semelhante a Requisitos para sistemas de gestão de medição

Mba [uniesp] nbr 16002-2005 - sistema de gestão - responsabilidade social
Mba [uniesp]   nbr 16002-2005 - sistema de gestão - responsabilidade socialMba [uniesp]   nbr 16002-2005 - sistema de gestão - responsabilidade social
Mba [uniesp] nbr 16002-2005 - sistema de gestão - responsabilidade socialRogério Sene
 
Equipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorizaçãoEquipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorizaçãoBruno Lagarto
 
Jtfilho final
Jtfilho finalJtfilho final
Jtfilho finalabntweb
 
Nbr 14011 2001 - auditoria ambiental procedimentos
Nbr 14011 2001 - auditoria ambiental procedimentosNbr 14011 2001 - auditoria ambiental procedimentos
Nbr 14011 2001 - auditoria ambiental procedimentosZailda Firmino
 
Manual de auditoria do TCU
Manual de auditoria do TCUManual de auditoria do TCU
Manual de auditoria do TCULidia Alba
 
Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008Rogério Souza
 
Metrologia e sistemas da qualidade
Metrologia e sistemas da qualidadeMetrologia e sistemas da qualidade
Metrologia e sistemas da qualidadeYthia Karla
 
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
387 padronizacao e_sistemas_de_medicaoClailtonVitalDeolind
 
Nbr iso 19011-2012-diretrizes para auditoria de sistemas de gestao-lucas
Nbr iso 19011-2012-diretrizes para auditoria de sistemas de gestao-lucasNbr iso 19011-2012-diretrizes para auditoria de sistemas de gestao-lucas
Nbr iso 19011-2012-diretrizes para auditoria de sistemas de gestao-lucaslucasrenato01
 
Nbr iso 14004_-_2007_-_sistema_de_gestao_ambiental_-_diretrizes_gerais_sobre_...
Nbr iso 14004_-_2007_-_sistema_de_gestao_ambiental_-_diretrizes_gerais_sobre_...Nbr iso 14004_-_2007_-_sistema_de_gestao_ambiental_-_diretrizes_gerais_sobre_...
Nbr iso 14004_-_2007_-_sistema_de_gestao_ambiental_-_diretrizes_gerais_sobre_...RonanMs23
 
METROLOGIA.............................pptx
METROLOGIA.............................pptxMETROLOGIA.............................pptx
METROLOGIA.............................pptxJosieleMarcanssoniOr2
 
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.docPR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.docCarlosJunior481127
 
Enegep2009 tn sto_092_623_13743
Enegep2009 tn sto_092_623_13743Enegep2009 tn sto_092_623_13743
Enegep2009 tn sto_092_623_13743edumm001
 

Semelhante a Requisitos para sistemas de gestão de medição (20)

Mba [uniesp] nbr 16002-2005 - sistema de gestão - responsabilidade social
Mba [uniesp]   nbr 16002-2005 - sistema de gestão - responsabilidade socialMba [uniesp]   nbr 16002-2005 - sistema de gestão - responsabilidade social
Mba [uniesp] nbr 16002-2005 - sistema de gestão - responsabilidade social
 
Equipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorizaçãoEquipamentos de monotorização
Equipamentos de monotorização
 
Abnt iso9001
Abnt iso9001Abnt iso9001
Abnt iso9001
 
Iso 19011 em portugues
Iso 19011 em portuguesIso 19011 em portugues
Iso 19011 em portugues
 
Jtfilho final
Jtfilho finalJtfilho final
Jtfilho final
 
Nbr 14011 2001 - auditoria ambiental procedimentos
Nbr 14011 2001 - auditoria ambiental procedimentosNbr 14011 2001 - auditoria ambiental procedimentos
Nbr 14011 2001 - auditoria ambiental procedimentos
 
Manual de auditoria do TCU
Manual de auditoria do TCUManual de auditoria do TCU
Manual de auditoria do TCU
 
Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008
 
Metrologia e sistemas da qualidade
Metrologia e sistemas da qualidadeMetrologia e sistemas da qualidade
Metrologia e sistemas da qualidade
 
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
387 padronizacao e_sistemas_de_medicao
 
Nbr iso 19011-2012-diretrizes para auditoria de sistemas de gestao-lucas
Nbr iso 19011-2012-diretrizes para auditoria de sistemas de gestao-lucasNbr iso 19011-2012-diretrizes para auditoria de sistemas de gestao-lucas
Nbr iso 19011-2012-diretrizes para auditoria de sistemas de gestao-lucas
 
Nbr iso 14004_-_2007_-_sistema_de_gestao_ambiental_-_diretrizes_gerais_sobre_...
Nbr iso 14004_-_2007_-_sistema_de_gestao_ambiental_-_diretrizes_gerais_sobre_...Nbr iso 14004_-_2007_-_sistema_de_gestao_ambiental_-_diretrizes_gerais_sobre_...
Nbr iso 14004_-_2007_-_sistema_de_gestao_ambiental_-_diretrizes_gerais_sobre_...
 
Guias da Qualidade ANVISA
Guias da Qualidade ANVISAGuias da Qualidade ANVISA
Guias da Qualidade ANVISA
 
METROLOGIA.............................pptx
METROLOGIA.............................pptxMETROLOGIA.............................pptx
METROLOGIA.............................pptx
 
ISO9001
ISO9001ISO9001
ISO9001
 
Iso19011
Iso19011Iso19011
Iso19011
 
Iso19011
Iso19011Iso19011
Iso19011
 
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.docPR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
PR-GGQ-027 Cont. de Disp. de Med e Monitoramento r2.doc
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
 
Enegep2009 tn sto_092_623_13743
Enegep2009 tn sto_092_623_13743Enegep2009 tn sto_092_623_13743
Enegep2009 tn sto_092_623_13743
 

Último

AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxTherionAkkad2
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfAroldoMenezes1
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...DL assessoria 31
 

Último (7)

AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
 

Requisitos para sistemas de gestão de medição

  • 1. © ABNT 2004 ABNT NBR ISO 10012 NORMA BRASILEIRA Primeira edição 30.04.2004 Válida a partir de 31.05.2004 Sistemas de gestão de medição – Requisitos para os processos de medição e equipamento de medição Measurement management systems – Requirements for measurement processes and measuring equipment Palavras-chave: Sistemas de gestão. Medição. Requisitos. Processos de medição. Equipamento de medição Descriptors Management systems. Measurement. Requirements. Measurement processes. Measuring equipment ICS 03.120.10; 17.020 Número de referência ABNT NBR ISO 10012:2004 20 páginas Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 2. ABNT NBR ISO 10012:2004 ii © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados © ABNT 2004 Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou utilizada em qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT. Sede da ABNT Av. Treze de Maio, 13 – 28º andar 20003-900 – Rio de Janeiro – RJ Tel.: + 55 21 3974-2300 Fax: + 55 21 2220-1762 abnt@abnt.org.br www.abnt.org.br Impresso no Brasil Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 3. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados iii Sumário Página Prefácio...............................................................................................................................................................iv Introdução ...........................................................................................................................................................v 1 Objetivo e campo de aplicação............................................................................................................1 2 Referências normativas........................................................................................................................1 3 Termos e definições..............................................................................................................................1 4 Requisitos gerais...................................................................................................................................2 5 Responsabilidade da direção...............................................................................................................3 5.1 Função metrológica ..............................................................................................................................3 5.2 Foco no cliente ......................................................................................................................................3 5.3 Objetivos da qualidade .........................................................................................................................3 5.4 Análise crítica pela direção..................................................................................................................3 6 Gestão de recursos...............................................................................................................................4 6.1 Recursos humanos ...............................................................................................................................4 6.2 Recursos de informação ......................................................................................................................4 6.3 Recursos materiais ...............................................................................................................................5 6.4 Fornecedores externos.........................................................................................................................6 7 Comprovação metrológica e realização do processo de medição..................................................7 7.1 Comprovação metrológica ...................................................................................................................7 7.2 Processo de medição..........................................................................................................................10 7.3 Incerteza de medição e rastreabilidade ............................................................................................12 8 Análise e melhoria do sistema de gestão de medição....................................................................13 8.1 Generalidades......................................................................................................................................13 8.2 Auditoria e monitoramento ................................................................................................................13 8.3 Controle de não-conformidades........................................................................................................14 8.4 Melhoria................................................................................................................................................16 Anexo (informativo) Visão geral do processo de comprovação metrológica .............................................18 Bibliografia........................................................................................................................................................20 Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 4. ABNT NBR ISO 10012:2004 iv © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros) A ABNT NBR ISO 10012 foi elaborada no Comitê Brasileiro da Qualidade (ABNT/CB–25), pela Comissão de Estudo de Tecnologia de Suporte (CE–25:000.03). O Projeto circulou em Consulta Pública conforme Edital nº 08 de 28.10.2003, com o número Projeto 25:000.03-001. Esta Norma cancela e substitui as ABNT NBR ISO 10012-1:1993 e ABNT NBR ISO 10012-2:1999. Esta Norma é equivalente à ISO 10012:2003. Esta Norma contém o anexo A, de caráter informativo. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 5. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados v Introdução Um sistema de gestão de medição eficaz assegura que o equipamento de medição e os processos de medição são adequados para seu uso pretendido e é importante para atingir os objetivos da qualidade do produto e gerenciar o risco de resultado de medição incorreta. O objetivo de um sistema de gestão de medição é gerenciar o risco de que o equipamento de medição e os processos de medição possam produzir resultados incorretos afetando a qualidade dos produtos de uma organização. Os métodos usados para o sistema de gestão de medição variam da verificação básica do equipamento à aplicação de técnicas estatísticas no controle do processo de medição. Nesta Norma, o termo “processo de medição” aplica-se às atividades físicas de medição (por exemplo, em projeto, teste, produção, inspeção). Referências a esta Norma podem ser feitas: — por um cliente ao especificar os produtos requeridos, — por um fornecedor ao especificar produtos ofertados, — por organismos legisladores ou regulamentadores, e — em avaliação e auditoria de sistemas de gestão de medição. Um dos princípios de gestão estabelecidos na ABNT NBR ISO 9000 trata da abordagem orientada ao processo. Recomenda-se que os processos de medição sejam considerados como processos específicos que objetivem dar suporte à qualidade dos produtos produzidos pela organização. O modelo de sistema de gestão de medição aplicável, utilizado nesta Norma é apresentado na figura 1. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 6. ABNT NBR ISO 10012:2004 vi © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados Figura 1 — Modelo de sistema de gestão de medição Esta Norma inclui tanto requisitos como orientação para implementação de sistemas de gestão de medição e pode ser útil na melhoria de atividades de medição e da qualidade de produtos. Os requisitos aparecem no texto em caracteres normais. A orientação aparece em caracteres itálicos dentro de uma caixa de texto, após o parágrafo apropriado de requisitos. A orientação é somente para informação e não constitui adição, limitação ou modificação de qualquer requisito. Organizações têm a responsabilidade de determinar o nível dos controles necessários e especificar os requisitos do sistema de gestão de medição a ser aplicado como parte do seu sistema de gestão global. Exceto por acordo, esta Norma não tem a intenção de adicionar, subtrair nem substituir qualquer requisito de outras normas. Seguir os requisitos estabelecidos nesta Norma facilitará o cumprimento dos requisitos para medições e controle do processo de medição especificado em outras normas, por exemplo, as ABNT NBR ISO 9001:2000, subseção 7.6, e ABNT NBR ISO 14001:1996, subseção 4.5.1. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 7. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 1 Sistemas de gestão de medição – Requisitos para os processos de medição e equipamento de medição 1 Objetivo e campo de aplicação Esta Norma especifica requisitos genéricos e fornece orientação para a gestão de processos de medição e comprovação metrológica de equipamento de medição usado para dar suporte e demonstrar conformidade com requisitos metrológicos. Ela especifica requisitos de gestão da qualidade de um sistema de gestão de medição que pode ser usado por uma organização que executa medições como parte de um sistema de gestão global, e para assegurar que os requisitos metrológicos são atendidos. Esta Norma não tem a intenção de ser usada como um requisito para demonstrar a conformidade com a ABNT NBR ISO 9001, ABNT NBR ISO 14001 ou qualquer outra norma. Partes interessadas podem concordar em usar esta Norma como uma entrada para satisfazer os requisitos do sistema de gestão de medição nas atividades de certificação. Esta Norma não pretende ser um substituto ou uma adição aos requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025. NOTA Existem outras normas e guias para elementos particulares que afetam os resultados de medição, por exemplo, detalhes de métodos de medição, competência de pessoal e comparações interlaboratoriais. 2 Referências normativas Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis para a aplicação desta Norma. Para as referências datadas, somente a edição citada se aplica. Para referencias não datadas, a última edição do documento referenciado (incluindo qualquer aditamento) se aplica. A ABNT mantém registros das normas atualizadas. ABNT NBR ISO 9000:2000 - Sistemas de gestão da qualidade – Fundamentos e vocabulário VIM:19931) - Vocabulário Internacional de termos fundamentais e gerais de metrologia. BIPM, IEC, IFCC, ISO, IUPAC, IUPAP, OIML 3 Termos e definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se os termos e definições das ABNT NBR ISO 9000 e VIM e os seguintes: 3.1 sistema de gestão de medição conjunto de elementos inter-relacionados e interativos, necessários para obter a comprovação metrológica e o controle contínuo dos processos de medição 3.2 processo de medição conjunto de operações para determinar o valor de uma grandeza 1) Nota da tradução: Adotado no Brasil através da portaria n° 29/1995 do INMETRO Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 8. ABNT NBR ISO 10012:2004 2 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 3.3 equipamento de medição instrumento de medição, programa de computador, padrão de medição, material de referência ou dispositivos auxiliares, ou uma combinação deles, necessários para executar um processo de medição 3.4 característica metrológica propriedade distinta que pode influenciar os resultados de medição NOTA 1 Equipamentos de medição normalmente têm várias características metrológicas. NOTA 2 Características metrológicas podem estar sujeitas à calibração. 3.5 comprovação metrológica conjunto de operações necessárias para assegurar que um equipamento de medição atende aos requisitos do seu uso pretendido. NOTA 1 Comprovação metrológica normalmente inclui calibração ou verificação, qualquer ajuste ou reparo necessário, e subseqüente recalibração, comparação com os requisitos metrológicos para o uso pretendido do equipamento, assim como qualquer etiqueta ou lacre necessários. NOTA 2 Comprovação metrológica não é alcançada, até que, e a menos que, a adequação do equipamento de medição para o seu uso pretendido tenha sido demonstrada e documentada. NOTA 3 Os requisitos para o uso pretendido incluem considerações tais como amplitude, resolução, erro máximo/erro permitido. NOTA 4 Os requisitos de comprovação metrológica são normalmente distintos dos requisitos do produto, e não estão especificados nestes requisitos. NOTA 5 Um diagrama dos processos envolvidos na comprovação metrológica é apresentado na figura 2. 3.6 função metrológica função com responsabilidade técnica e administrativa para definir e implementar o sistema de gestão de medição 4 Requisitos gerais O sistema de gestão de medição deve assegurar que requisitos metrológicos especificados são satisfeitos. Orientação Requisitos metrológicos especificados são derivados de requisitos para o produto. Estes requisitos são necessários tanto para o equipamento de medição quanto para os processos de medição. Requisitos podem ser expressos como erro máximo permissível, incerteza permissível, faixa, estabilidade, resolução, condições ambientais ou habilidades do operador. A organização deve especificar os processos de medição e o equipamento de medição que estão sujeitos às provisões desta Norma. Ao decidir o escopo e a extensão do sistema de gestão de medição, devem ser levados em consideração os riscos e as conseqüências de falhas no cumprimento dos requisitos metrológicos. O sistema de gestão de medição consiste no controle de processos de medição indicados e em comprovação metrológica de equipamento de medição (ver figura 2), e dos processos de suporte necessários. Os processos de medição contidos no sistema de gestão de medição devem ser controlados (ver 7.2). Todo equipamento de medição que faz parte do sistema de gestão de medição deve ser comprovado (ver 7.1). Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 9. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 3 Mudanças no sistema de gestão de medição devem estar em concordância com os procedimentos da organização. 5 Responsabilidade da direção 5.1 Função metrológica A função metrológica deve ser definida pela organização. A Alta Direção da organização deve assegurar a disponibilidade dos recursos necessários para estabelecer e manter a função metrológica. Orientação A função metrológica pode ser um departamento único ou estar distribuída em toda a organização. A gestão da função metrológica deve estabelecer, documentar e manter o sistema de gestão de medição e continuamente melhorar a sua eficácia. 5.2 Foco no cliente A gestão da função metrológica deve assegurar que: a) os requisitos de medição do cliente estão definidos e convertidos em requisitos metrológicos, b) o sistema de gestão de medição atende aos requisitos metrológicos do cliente, e c) a conformidade aos requisitos especificados pelo cliente pode ser demonstrada. 5.3 Objetivos da qualidade A gestão da função metrológica deve definir e estabelecer objetivos mensuráveis da qualidade para o sistema de gestão de medição. Critérios de objetivos de desempenho e procedimentos para os processos de medição e seu controle devem ser definidos. Orientação Exemplos de tais objetivos da qualidade em diferentes níveis da organização: — nenhum produto não-conforme, nem produto conforme rejeitado devido a medições incorretas, deve ser aceito; — nenhum processo de medição pode estar fora de controle por mais de um dia sem ser detectado; — todas as comprovações metrológicas devem ser completadas dentro dos prazos acordados; — não pode haver registro algum ilegível de comprovações metrológicas; — todos os programas de treinamento dos técnicos devem ser completados dentro do cronograma estabelecido; — o tempo em que o equipamento de medição ficar fora de operação deve ser reduzido por uma percentagem definida. 5.4 Análise critica pela direção A Alta Direção da organização deve assegurar a análise crítica sistemática do sistema de gestão de medição em intervalos planejados, para assegurar sua contínua pertinência, adequação e eficácia. A Alta Direção deve Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 10. ABNT NBR ISO 10012:2004 4 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados assegurar que os recursos necessários estejam disponíveis para analisar criticamente o sistema de gestão de medição. Os resultados da análise crítica pela direção devem ser usados pela gestão da função metrológica para modificar o sistema quando necessário, incluindo melhorias nos processos de medição (ver seção 8) e analisando criticamente os objetivos da qualidade. Os resultados de todas as análises críticas e as ações tomadas devem ser registrados. 6 Gestão de recursos 6.1 Recursos humanos 6.1.1 Responsabilidade do pessoal A gestão da função metrológica deve definir e documentar as responsabilidades de todo o pessoal designado para o sistema de gestão de medição. Orientação Estas responsabilidades podem ser definidas em organogramas, descrição de atribuições e instruções de trabalho ou procedimentos. Esta Norma não exclui o uso de pessoal especialista externo para a função metrológica. 6.1.2 Competência e treinamento A gestão da função metrológica deve assegurar que o pessoal envolvido no sistema de gestão de medição tenha demonstrado ter habilidade para desempenhar as tarefas designadas. Qualquer habilidade especializada requerida deve ser especificada. A gestão da função metrológica deve assegurar que seja fornecido treinamento focado nas necessidades identificadas, sejam mantidos registros das atividades de treinamento, e que a eficácia do treinamento seja avaliada e registrada. O pessoal deve ser conscientizado sobre a extensão de suas responsabilidades e do impacto de suas atividades sobre a eficácia do sistema de gestão de medição e na qualidade do produto. Orientação A competência pode ser obtida através da educação, treinamento e experiência, e demonstrada por testes ou desempenho observado. Quando pessoal que está em treinamento é usado, deve ser fornecida supervisão adequada. 6.2 Recursos de informação 6.2.1 Procedimentos Os procedimentos do sistema de gestão de medição devem ser documentados na extensão necessária e validados para assegurar a implementação adequada, sua consistência de aplicação e a validade dos resultados de medição. Novos procedimentos ou alterações em procedimentos documentados devem ser autorizados e controlados. Procedimentos devem estar atualizados, disponíveis e fornecidos quando requeridos. Orientação Procedimentos técnicos podem ser baseados em práticas de medição, padrão publicados ou em instruções escritas de clientes ou de fabricantes de equipamento. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 11. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 5 6.2.2 Programa de computador (software) Programas de computador usados nos procedimentos de medição e cálculos de resultados devem ser documentados, identificados e controlados para assegurar sua adequabilidade para o uso continuado. Programa de computador e qualquer revisão dele devem ser testados e/ou validados antes do uso inicial, aprovados para uso e arquivados. Testes devem ser realizados na extensão necessária para assegurar resultados válidos das medições. Orientação Programas de computadores podem estar em diversas formas, tais como embutidos, programáveis, ou prontos para aquisição. Programas de computadores prontos para aquisição podem não requerer testes. Testes podem incluir verificação de vírus, verificação dos algoritmos programados do usuário, ou uma combinação deles, sempre que necessário para encontrar o resultado de medição requerido. Controle da configuração de programas de computador pode ajudar a manter a integridade e validade dos processos de medição que utilizam programas de computador. O arquivamento pode ser pela criação de cópias-reserva, armazenagem em locais diferentes, ou qualquer outro meio de salvaguardar a programação, assegurar acessibilidade e fornecer o nível de rastreabilidade necessário. 6.2.3 Registros Devem ser mantidos registros contendo informações requeridas para a operação do sistema de gestão de medição. Procedimentos documentados devem assegurar a identificação, armazenagem, proteção, recuperação, tempo de retenção e disposição dos registros. Orientação Exemplos de registros são: resultados de comprovação, resultado de medição, aquisição, dados operacionais, dados de não-conformidades, reclamações de clientes, treinamento, qualificação ou qualquer outro dado histórico que suporte os processos de medição. 6.2.4 Identificação Equipamentos de medição e procedimentos técnicos usados no sistema de gestão de medição devem ser claramente identificados, individual ou coletivamente. Deve haver uma identificação da situação da comprovação metrológica do equipamento. Equipamento comprovado para ser utilizado unicamente em um processo ou processos de medição específicos deve ser claramente identificado ou controlado de outra forma para evitar o uso não autorizado. Equipamento usado no sistema de gestão de medição deve ser distinguível de outro equipamento. 6.3 Recursos materiais 6.3.1 Equipamento de medição Todo equipamento de medição necessário para satisfazer requisitos metrológicos especificados deve estar disponível e identificado no sistema de gestão de medição. O equipamento de medição deve ter uma situação de calibração válida antes de ser comprovado. Equipamentos de medição devem ser usados em um ambiente que é conhecido ou controlado na extensão necessária para assegurar resultados de medição válidos. Equipamentos de medição usados para monitorar e registrar as grandezas que influenciam devem ser incluídos no sistema de gestão de medição. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 12. ABNT NBR ISO 10012:2004 6 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados Orientação Equipamento de medição pode ser comprovado para uso em processos específicos de medição e não comprovado para uso em outros processos de medição por causa de diferentes requisitos metrológicos. Requisitos metrológicos para o equipamento de medição são derivados de requisitos especificados para o produto ou dos equipamentos a serem calibrados, verificados e comprovados. O erro máximo permissível pode ser definido pela referência às especificações publicadas do fabricante do equipamento de medição ou pela função metrológica. Equipamentos de medição podem ser calibrados por uma organização distinta daquela que desempenha a função metrológica na comprovação metrológica. A caracterização de materiais de referência pode satisfazer o requisito para a calibração. A gestão da função metrológica deve estabelecer, manter e usar procedimentos documentados para receber, manusear, transportar, armazenar e expedir equipamentos de medição, no sentido de prevenir abusos, mau uso, danos e mudanças nas suas características metrológicas. Deve haver procedimento para processar a retirada ou introdução de equipamentos de medição do sistema de gestão de medição. 6.3.2 Ambiente As condições ambientais requeridas para a operação eficaz dos processos de medição cobertos pelo sistema de gestão de medição devem ser documentadas. As condições ambientais que afetam as medições devem ser monitoradas e registradas. Correções baseadas nas condições ambientais devem ser registradas e aplicadas aos resultados de medição. Orientação Condições ambientais que afetam os resultados de medição podem incluir temperatura, taxa de variação da temperatura, umidade, iluminação, vibração, controle de poeira, limpeza, interferência eletromagnética e outros fatores. Fabricantes de equipamentos normalmente fornecem especificações, dando faixas e cargas máximas, e limitações das condições ambientais, para o correto uso do equipamento. 6.4 Fornecedores externos A gestão da função metrológica deve definir e documentar os requisitos para produtos e serviços a serem fornecidos por fornecedores externos para o sistema de gestão de medição. Fornecedores externos devem ser avaliados e selecionados com base na sua habilidade em atender aos requisitos documentados. Critérios de seleção, monitoramento e avaliação devem ser definidos e documentados, e os resultados da avaliação devem ser registrados. Devem ser mantidos registros dos produtos e serviços fornecidos pelos fornecedores externos. Orientação Se um fornecedor externo for usado para testes ou calibração, o fornecedor deve ser capaz de demonstrar competência técnica com uma norma de laboratório tal como a ABNT NBR ISO/IEC 17025. Produtos e serviços fornecidos por fornecedores externos podem requerer verificações dos requisitos especificados. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 13. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 7 7 Comprovação metrológica e realização do processo de medição 7.1 Comprovação metrológica 7.1.1 Generalidades A comprovação metrológica (ver figura 2 e anexo A) deve ser projetada e implementada para assegurar que características metrológicas do equipamento de medição satisfaçam os requisitos metrológicos do processo de medição. A comprovação metrológica compreende a calibração e a verificação do equipamento de medição. Orientação Recalibração de um equipamento de medição não é necessária se o equipamento já estiver em uma situação de calibração válida. Procedimento de comprovação metrológica pode incluir métodos para verificar que as incertezas de medição e/os erros de equipamento de medição estão dentro dos limites permissíveis especificados nos requisitos metrológicos. Informação pertinente à comprovação metrológica da situação do equipamento de medição deve estar prontamente disponível para o operador, incluindo quaisquer limitações ou requisitos especiais. As características metrológicas do equipamento de medição devem ser adequadas para seu uso pretendido. Orientação Exemplos de características para equipamentos de medição incluem: — faixa, — tendência, — repetibilidade, — estabilidade, — histerese, — variações, — efeitos de grandezas que influenciam, — resolução, — discriminação (limite), — erro, — faixa morta. Características metrológicas de equipamento de medição são fatores que contribuem para a incerteza de medição (ver 7.3.1), os quais possibilitam comparação direta com os requisitos metrológicos no estabelecimento da comprovação metrológica. Recomenda-se que sejam evitadas sentenças qualitativas das características metrológicas em termos de, por exemplo, “exatidão requerida do equipamento de medição”. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 14. ABNT NBR ISO 10012:2004 8 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 7.1.2 Intervalos de comprovação metrológica Os métodos usados para a determinação ou mudança dos intervalos entre comprovações metrológicas devem ser descritos em procedimentos documentados. Esses intervalos devem ser analisados criticamente e ajustados quando necessário para assegurar a contínua conformidade com os requisitos metrológicos especificados. Orientação Dados obtidos de histórias de calibração e comprovação metrológica, e avanços de tecnologia e de conhecimento podem ser usados para determinação dos intervalos entre comprovações metrológicas. Registros obtidos usando técnicas de controle estatístico de processo para medições podem ser úteis na determinação da necessidade ou não de alterar os intervalos de comprovação metrológica. O intervalo de calibração pode ser igual ao intervalo de comprovação metrológica. (ver OIML D10). Cada vez que um equipamento de medição não conforme é reparado, ajustado ou modificado o intervalo para sua comprovação metrológica deve ser analisado criticamente. 7.1.3 Controle de ajustes de equipamento Acessos aos meios de ajustes e dispositivos sobre equipamento de medição comprovado, cuja posição afeta o desempenho, devem ser selados ou de alguma outra forma protegidos para prevenir mudanças não autorizadas. Selos ou proteções devem ser projetados e implementados de tal forma que mudanças não autorizadas sejam detectadas. Procedimentos do processo de comprovação metrológica devem incluir ações a serem tomadas quando selos ou proteção são encontrados quebrados, danificados, contornados ou faltando. Orientação O requisito para selagem não se aplica a meios ou dispositivos de ajuste que são intencionalmente posicionados pelo usuário sem a necessidade de referências externas; por exemplo, ajustes de zero. Recomenda-se que seja dada atenção especial para técnicas de proteção de escrita, para prevenir alterações não autorizadas em programas de computadores e nos procedimentos da organização. Recomenda-se que as decisões sobre que equipamento de medição deveria ser selado, os controles ou ajustes que serão selados e o material de selagem, tais como etiquetas, soldas, fios, tintas, sejam normalmente deixadas para a função metrológica. Recomenda-se que a implementação de um programa de selagem pela função metrológica seja documentada. Nem todos os equipamentos de medição têm a possibilidade de serem selados. 7.1.4 Registros do processo de comprovação metrológica Registros do processo de comprovação metrológica devem ser datados e aprovados por uma pessoa autorizada para atestar a correção dos resultados, como apropriado. Esses registros devem ser mantidos e estar disponíveis. Orientação O tempo mínimo para a retenção de registros depende de muitos fatores, incluindo os requisitos do cliente, requisitos estatutários ou regulamentares e responsabilidade civil do fabricante. Registros relacionados com padrões de medição podem precisar ser mantidos indefinidamente. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 15. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 9 Registros do processo de comprovação metrológica devem demonstrar se cada item do equipamento de medição satisfaz os requisitos metrológicos especificados. Os registros devem incluir, quando necessário: a) descrição e identificação única do fabricante do equipamento, tipo, número de série etc.; b) data na qual a comprovação metrológica foi completada; c) resultado da comprovação metrológica; d) intervalo fixado para comprovação metrológica; e) identificação do procedimento de comprovação metrológica (ver 6.2.1); f) erro(s) máximo(s) permissível(eis) definido(s); g) condições ambientais pertinentes e declaração sobre quaisquer correções necessárias; h) incertezas envolvidas na calibração do equipamento; i) detalhes de qualquer manutenção, tais como ajustes, reparos ou modificações realizadas; j) quaisquer limitações de uso; k) identificação da(s) pessoa(s) que realiza(m) a comprovação metrológica; l) identificação da(s) pessoa(s) responsável(eis) pela correção da informação registrada; m) identificação única (como números de série) de qualquer relatório ou certificado de calibração e outros documentos pertinentes; n) evidência da rastreabilidade dos resultados da calibração; o) requisitos metrológicos para o uso pretendido; p) resultados da calibração obtidos após, e onde requerido, antes de qualquer ajuste, modificação ou reparo. Orientação Recomenda-se que resultados de calibração sejam registrados de forma que a rastreabilidade de todas as medições possa ser demonstrada e de forma que os resultados das calibrações possam ser reproduzidos sob condições próximas das condições originais. Algumas vezes, o resultado da verificação é incluído no relatório ou certificado de calibração onde é declarado se o equipamento está em conformidade (ou falha em estar em conformidade ) com os requisitos especificados. Os registros podem ser manuscritos, datilografados ou microfilmados, ou em um meio eletrônico ou em meio magnético, ou outro meio de informação. O erro máximo permissível pode ser determinado pela função metrológica, ou por referência às especificações publicadas do fabricante do equipamento de medição. A função metrológica deve assegurar que somente a pessoas autorizadas seja permitido gerar, emendar, emitir ou apagar registros. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 16. ABNT NBR ISO 10012:2004 10 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 7.2 Processo de medição 7.2.1 Generalidades Processos de medição que são partes do sistema de gestão de medição devem ser planejados, validados, implementados, documentados e controlados. Grandezas de influências que afetem os processos de medição devem ser identificadas e consideradas. A especificação completa de cada processo de medição deve incluir a identificação de todo o equipamento pertinente, procedimentos de medição, programas de computador para medição, condições de uso, habilidades do operador e todos os outros fatores que afetam a confiabilidade do resultado de medição. O controle dos processos de medição deve ser conduzido de acordo com procedimentos documentados. Orientação Um processo de medição pode ser limitado ao uso de um único equipamento de medição. Um processo de medição pode requerer correção de dados, por exemplo, devido às condições ambientais. 7.2.2 Projeto do processo de medição Os requisitos metrológicos devem ser determinados com base nos requisitos do cliente, da organização, estatutários e regulamentares. Os processos de medição projetados para satisfazer esses requisitos especificados devem ser documentados, validados como apropriado e, se necessário, acordados com o cliente. Para cada processo de medição, os elementos e os controles do processo pertinente devem ser identificados. A escolha de elementos e limites de controle deve ser compatível com o risco de falha na conformidade com os requisitos especificados. Esses elementos e controles do processo devem incluir os efeitos de operadores, equipamento, condições ambientais, grandezas de influência e métodos de aplicação. Orientação Ao especificar os processos de medição, pode ser necessário determinar: — quais medições são necessárias para assegurar a qualidade do produto; — os métodos de medição; — o equipamento requerido para executar a medição e defini-lo; — a qualificação e habilidade requeridas do pessoal que executa a medição; Os processos de medição podem ser validados por comparação com resultados de outros processos validados, pela comparação de resultados por outros métodos de medição ou por análise contínua de características de processo de medição. O processo de medição deve ser projetado para prevenir resultados de medições errôneos e deve assegurar a pronta detecção de deficiências e ações corretivas em tempo oportuno. Orientação Recomenda-se que o esforço dedicado ao controle do processo de medição seja compatível com a importância das medições para a qualidade do produto final da organização. Exemplos de onde um alto grau de controle do processo de medição é apropriado incluem sistemas de medição críticos ou complexos, medições que assegurem segurança do produto ou medições que resultem em alto custo subseqüente, se for incorreta. Controles mínimos de processo podem ser adequados para medições simples de partes não críticas. Procedimentos para controle do processo podem ser genéricos para tipos similares de Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 17. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 11 equipamentos de medição e aplicações, tais como o uso de ferramentas de mão para medir partes usinadas. Recomenda-se que o impacto das grandezas de influência sobre o processo de medição seja quantificado. Pode ser necessário projetar e realizar experimentos ou investigações específicos para este fim. Quando isto não é possível, recomenda-se que sejam usados os dados, especificações e advertências fornecidas por um fabricante de equipamento. As características de desempenho requeridas para o uso pretendido do processo de medição devem ser identificadas e quantificadas. Orientação Exemplos de características incluem — incerteza de medição, — estabilidade, — erro máximo permissível, — repetibilidade, — reprodutibilidade, e — nível de habilidade do operador. Outras características podem ser importantes para alguns processos de medição. 7.2.3 Realização do processo de medição O processo de medição deve ser realizado sob condições controladas projetadas para atender aos requisitos metrológicos. As condições a serem controladas devem incluir: a) o uso de equipamento comprovado, b) aplicação de procedimentos de medição validados, c) a disponibilidade das fontes de informações requeridas, d) manutenção das condições ambientais requeridas, e) o uso de pessoal competente, f) o relato adequado dos resultados, e g) a implementação de monitoramento como especificado. 7.2.4 Registros de processos de medição A função metrológica deve manter registros para demonstrar conformidade com os requisitos do processo de medição, incluindo: a) uma descrição completa dos processos de medição implementados, incluindo todos os elementos (por exemplo, operadores, qualquer equipamento de medição ou padrões de verificação) usados e as condições de operação pertinentes; Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 18. ABNT NBR ISO 10012:2004 12 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados b) os dados pertinentes obtidos dos controles do processo de medição, incluindo qualquer informação pertinente à incerteza de medição; c) quaisquer ações tomadas como um resultado de dados do controle do processo de medição; d) a(s) data(s) na(s) qual(is) foi conduzida cada atividade de controle do processo de medição; e) a identificação de quaisquer documentos de verificação pertinente; f) a identificação da pessoa responsável por prover a informação para os registros; g) as habilidades (requeridas e alcançadas) do pessoal. Orientação Para os propósitos de registro, identificações por lote podem ser adequadas para itens de consumo usados em controle de processo de medição. A função metrológica deve assegurar que somente a pessoas autorizadas é permitido gerar, emendar, emitir ou apagar registros. 7.3 Incerteza de medição e rastreabilidade 7.3.1 Incerteza de medição A incerteza de medição deve ser estimada para cada processo de medição abrangido pelo sistema de gestão de medição (ver 5.1). Estimativas da incerteza devem ser registradas. A análise das incertezas de medição deve ser completada antes da comprovação metrológica do equipamento de medição e da validação do processo de medição. Todas as fontes conhecidas da variabilidade de medição devem ser documentadas. Orientação Os conceitos envolvidos e os métodos que podem ser usados na combinação dos componentes de incerteza e a apresentação dos resultados são apresentados no “Guia para a expressão de incerteza em medição” (GUM). Outros métodos documentados e aceitos podem ser usados. É possível que alguns componentes de incerteza sejam pequenos comparados com outros componentes, o que poderia tornar injustificável sua determinação detalhada sob aspectos técnicos ou econômicos. Desta forma, recomenda-se que a decisão e a justificativa sejam registradas. Em todos os casos, recomenda-se que o esforço dedicado na determinação e registro de incerteza de medições seja compatível com a importância dos resultados de medição para a qualidade do produto da organização. O registro de determinações de incerteza pode tomar a forma de “declarações genéricas” para tipos similares de equipamento de medição, com contribuições sendo adicionadas para processos de medição individuais. Recomenda-se que a incerteza de um resultado de medição leve em conta, entre outras contribuições, a incerteza da calibração do equipamento de medição. O uso apropriado de técnicas estatísticas para análise dos resultados de calibrações prévias e para a avaliação dos resultados de calibrações de vários itens similares de equipamento de medição pode auxiliar na estimativa de incertezas. 7.3.2 Rastreabilidade A gestão da função metrológica deve assegurar que todos resultados de medição sejam rastreáveis às unidades padrões do Sistema Internacional (SI). Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 19. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 13 Rastreabilidade de medições às unidades do SI deve ser alcançada por referência a um padrão primário apropriado ou por referência a uma constante natural, cujo valor em termos de unidades SI pertinentes é conhecido e recomendado pela Conferência Geral de Pesos e Medidas e pelo Comitê Internacional de Pesos e Medidas. Onde acordado, padrões de consenso usados em situações contratuais devem ser somente usados quando não existem unidades do SI ou constantes naturais reconhecidas. Orientação Rastreabilidade é usualmente alcançada através de laboratórios de calibração confiáveis tendo sua própria rastreabilidade aos padrões nacionais de medição. Por exemplo, um laboratório que atenda aos requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 poderia ser considerado confiável. Institutos Nacionais de Metrologia são responsáveis por padrões nacionais de medição e sua rastreabilidade, incluindo aqueles casos onde o padrão nacional de medição é mantido por Instituições outras que não sejam os Institutos Nacionais de Metrologia. Resultados de medição podem ser rastreáveis através de um Instituto Nacional de Metrologia externo ao país onde a medição é feita. Materiais de referência certificados podem ser considerados como padrões de referência. Registros de rastreabilidade de resultados de medições devem ser mantidos por tanto tempo quanto requerido pelo sistema de gestão de medição, pelo cliente ou por requisitos estatutários e regulamentares. 8 Análise e melhoria do sistema de gestão de medição 8.1 Generalidades A função metrológica deve planejar e implementar o monitoramento, análise e melhorias necessários para: a) assegurar conformidade do sistema de gestão de medição com esta Norma, e b) melhorar continuamente o sistema de gestão de medição. 8.2 Auditoria e monitoramento 8.2.1 Generalidades A função metrológica deve usar auditoria, monitoramento e outras técnicas, como apropriado, para determinar a adequação e a eficácia do sistema de gestão de medição. 8.2.2 Satisfação do cliente A função metrológica deve monitorar informações relativas à satisfação do cliente para verificar se as necessidades metrológicas do cliente foram satisfeitas. Os métodos para obter e usar esta informação devem ser especificados. 8.2.3 Auditoria do sistema de gestão de medição A função metrológica deve planejar e conduzir auditorias do sistema de gestão de medição para assegurar sua implementação eficaz contínua e atendimento aos requisitos especificados. Resultados das auditorias devem ser relatados para as partes envolvidas na gestão da organização. Os resultados de todas as auditorias do sistema de gestão de medição e todas as mudanças do sistema devem ser registrados. A organização deve assegurar que ações são tomadas sem atrasos indevidos para eliminar não-conformidades detectadas e suas causas. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 20. ABNT NBR ISO 10012:2004 14 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados Orientação Auditorias do sistema de gestão de medição podem ser conduzidas como uma parte das auditorias do sistema de gestão da organização. A ABNT NBR ISO 19011 fornece orientações sobre sistemas de auditoria. Auditorias do sistema de gestão de medição podem ser conduzidas pela função metrológica da organização, ou por pessoal contratado ou de terceira parte. Recomenda-se que auditores não auditem suas próprias áreas de responsabilidade. 8.2.4 Monitoramento do sistema de gestão de medição Nos processos contidos no sistema de gestão de medição, devem ser monitorados a comprovação metrológica e os processos de medição. O monitoramento deve ser realizado de acordo com procedimentos documentados e a intervalos estabelecidos. Ele deve incluir a determinação de métodos aplicáveis, incluindo técnicas estatísticas, e a extensão do seu uso. O monitoramento do sistema de gestão de medição deve prevenir desvios dos requisitos, assegurando a pronta detecção de deficiências e tomando, em tempo oportuno, ações para sua correção. Este monitoramento deve ser na proporção correta ao risco de falha para atender os requisitos especificados. Os resultados do monitoramento dos processos de medição e comprovação e quaisquer ações corretivas resultantes devem ser documentados para demonstrar que a medição e os processos de comprovação vêm atendendo continuamente com os requisitos documentados. 8.3 Controle de não-conformidades 8.3.1 Sistemas de gestão de medição não-conformes A função metrológica deve assegurar a detecção de quaisquer não-conformidades e adotar ação imediata. Orientação Convém que elementos não-conformes sejam identificados para prevenir uso inadvertido. Neste ínterim, ações (por exemplo, planos imediatos) podem ser tomadas até que as ações corretivas sejam implementadas. 8.3.2 Processos de medição não-conformes Qualquer processo de medição conhecido que produza, ou seja, suspeito de produzir, resultados de medição incorretos, deve ser adequadamente identificado e não deve ser usado até que ações apropriadas tenham sido tomadas. Se um processo de medição não-conforme for identificado, o usuário do processo deve determinar as conseqüências potenciais, fazer as correções necessárias e tomar as ações corretivas necessárias. Um processo de medição, modificado devido a uma não-conformidade, deve ser validado antes do seu uso. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 21. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 15 Orientação Falha de um processo de medição devida, por exemplo, à deterioração de um padrão de verificação ou mudanças na competência do operador podem ser reveladas pelos indicadores pós-processo tais como: — análise de gráficos de controle, — análise de gráficos de tendência, — inspeções subseqüentes, — comparações interlaboratoriais, — auditorias internas, e — retroalimentação de cliente. 8.3.3 Equipamentos de medição não-conformes Qualquer equipamento de medição comprovado que é suspeito ou conhecido: a) ter sido danificado, b) ter sido sobrecarregado, c) ter mau funcionamento de forma que possa invalidar seu uso pretendido, d) produzir resultados de medição incorretos, e) estar além do seu intervalo de comprovação metrológica especificado, f) ter sido manuseado erroneamente, g) ter um selo ou proteção danificado ou quebrado, h) ter sido exposto à influência de grandezas que possam afetar adversamente seu uso pretendido (por exemplo, campo eletromagnético, poeira) deve ser removido do serviço por segregação ou identificado por marcação ou etiquetagem facilmente visível, a não-conformidade deve ser verificada e um relatório de não-conformidade deve ser preparado. Tal equipamento não deve retornar ao serviço até que as razões para sua não-conformidade tenham sido eliminadas e ele seja comprovado novamente. Equipamento de medição não-conforme, que não retornou às suas características metrológicas pretendidas, deve ser claramente marcado ou identificado de outra maneira. A comprovação metrológica de tal equipamento para outros usos deve assegurar que a situação de alteração está claramente aparente e inclui identificação de qualquer limitação de uso. Orientação Se for impraticável ajustar, reparar ou revisar com o propósito de ser reparado o equipamento considerado não adequado para seu uso pretendido, uma opção é rebaixamento de função ou uma mudança em seu uso pretendido. Convém que reclassificação seja somente usada com muito cuidado, pois pode causar confusão entre os usos permitidos de partes de equipamentos aparentemente idênticas. Isto inclui comprovações metrológicas limitadas de somente algumas faixas ou funções de equipamentos multifaixas. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 22. ABNT NBR ISO 10012:2004 16 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados Se o resultado de uma verificação metrológica antes de qualquer ajuste ou reparo indicar que o equipamento de medição não atendeu aos requisitos metrológicos de tal forma que a correção dos resultados de medição pode ter sido comprometido, o usuário do equipamento deve determinar as conseqüências potenciais e tomar qualquer ação necessária. Isto pode envolver reexame do produto produzido, usando medições realizadas com o equipamento de medição não-conforme. 8.4 Melhoria 8.4.1 Generalidades A função metrológica deve planejar e gerenciar a melhoria contínua do sistema de gestão de medição com base nos resultados das auditorias, análise crítica pela administração e outros fatores pertinentes, tais como, retroalimentação dos clientes. A função metrológica deve analisar criticamente e identificar oportunidades potenciais para a melhoria do sistema de gestão de medição e modificá-lo se necessário. 8.4.2 Ação corretiva Quando um elemento importante do sistema de gestão de medição não atende aos requisitos especificados, ou quando dados pertinentes mostram um comportamento inaceitável, ações devem ser tomadas para identificar a causa e eliminar a discrepância. Correções e soluções de ação corretiva devem ser verificadas antes de retornar o processo de medição ao uso. O critério para a adoção de ação corretiva deve ser documentado. 8.4.3 Ação preventiva A função metrológica deve determinar ação(ões) para eliminar as causas potenciais de não-conformidade de medição ou comprovação, no sentido de prevenir suas ocorrências. Ações preventivas devem ser apropriadas para o efeito do problema potencial. Um procedimento documentado deve ser estabelecido para definir requisitos para: a) determinação de não-conformidades potenciais e suas causas, b) avaliação da necessidade de ações para prevenir ocorrência de não-conformidades, c) determinação e implementação de ações necessárias, d) registro de resultados de ação tomada, e e) análise crítica de ação preventiva adotada. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 23. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 17 Figura 2 – Processo de comprovação metrológica para equipamento de medição Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 24. ABNT NBR ISO 10012:2004 18 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados Anexo A (informativo) Visão geral do processo de comprovação metrológica A.1 Introdução O processo de comprovação metrológica tem duas entradas, os requisitos metrológicos do cliente (RMC) e as características metrológicas do equipamento de medição (CMEM), e uma saída, a situação de comprovação metrológica do equipamento de medição. A.2 Requisitos metrológicos do cliente (RMC) Os requisitos metrológicos do cliente são aqueles requisitos de medição especificados pelo cliente como pertinente para os processos de produção do cliente. Eles, portanto, dependem das especificações para as variáveis a serem medidas. Os RMC incluem aqueles envolvidos na verificação da conformidade do produto com as especificações do cliente, em adição àqueles oriundos do controle do processo de produção e suas entradas. A determinação e especificação destes requisitos é de responsabilidade do cliente, embora este processo possa ser desempenhado em nome do cliente por algumas pessoas qualificadas adequadamente. Isto freqüentemente requer um profundo conhecimento do processo de produção, bem como de metrologia. Recomenda-se que os RMC também levem em conta o risco de más medições e os efeitos delas sobre a organização e os negócios. Os RMC podem ser expressos em termos de erro máximo permissível, limites operacionais etc. Recomenda-se que eles sejam suficientemente detalhados para permitir aos operadores do processo de comprovação metrológica decidir inequivocamente se um equipamento de medição particular é capaz ou não de controlar, medir ou monitorar a variável ou quantidade especificada de acordo com o seu uso pretendido. Exemplo: É requerido que a pressão seja controlada entre 200 kPa e 250 kPa em um reator de processo para uma operação crítica. Este requisito deve ser interpretado e expresso como um RMC para o equipamento de medição de pressão. Isto poderia resultar em um RMC que o equipamento seja capaz de medir uma faixa de pressão de 150 kPa a 300 kPa, com 2 kPa de erro máximo permissível, uma incerteza de medição de 0,3 kPa (não incluindo os efeitos relacionados com o tempo), e com uma tendência não maior que 0,1 kPa por período de tempo especificado. O cliente compara os RMC com as características (explícitas ou implícitas) especificadas pelo fabricante do equipamento e seleciona equipamento de medição e procedimentos que melhor atendam aos RMC. O cliente pode especificar um fornecedor particular para um manômetro com uma classe de exatidão de 0,5% e faixa de 0 kPa a 400 kPa. A.3 Características metrológicas do equipamento de medição (CMEM) Visto que as CMEM são freqüentemente determinadas por calibração (ou várias calibrações) e/ou testes, a função metrológica dentro do sistema de comprovação metrológica especifica e controla todas aquelas atividades necessárias. As entradas para o processo de calibração são o equipamento de medição, um padrão de medição e um procedimento que estabeleça as condições ambientais. Convém que os resultados da calibração incluam uma declaração da incerteza da medição. Esta é uma importante característica como uma entrada quando se avalia a incerteza da medição para o processo de medição quando o equipamento é usado. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 25. ABNT NBR ISO 10012:2004 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 19 Os resultados da calibração podem ser documentados dentro do sistema de comprovação metrológica por qualquer método apropriado como, por exemplo, certificados de calibração ou relatórios de calibração (onde calibrações são terceirizadas ) ou por registros dos resultados da calibração (quando desempenhado inteiramente dentro da função metrológica da organização). Características importantes para a medição, por exemplo, incerteza de medição, são não só dependentes do equipamento, mas, também, do ambiente, do procedimento de medição específico e, algumas vezes, da habilidade e experiência do operador. Por esta razão, é muito importante que o processo de medição completo seja considerado quando se seleciona o equipamento de medição para satisfazer requisitos. Esta consideração é a responsabilidade da função metrológica para a organização, embora atividades específicas possam ser desempenhadas pela organização ou por uma pessoa adequadamente qualificada, como um metrologista independente. A.4 Verificação e comprovação metrológica Após a calibração, as características metrológicas do equipamento de medição (CMEM) são comparadas aos requisitos metrológicos do cliente (RMC) antes de confirmar o equipamento para seu uso pretendido. Por exemplo, o erro relatado da indicação do equipamento de medição deveria ser comparado ao erro máximo especificado como um requisito metrológico do cliente (RMC). Se o erro for menor que o erro máximo permissível, então o equipamento está conforme com aqueles requisitos e pode ser comprovado para uso. Se o erro for maior, ações deveriam ser tomadas para remover a não-conformidade ou o consumidor deve ser informado que o equipamento não pode ser comprovado. Tal comparação direta do CMEM e RMC é freqüentemente chamada de verificação (ver ABNT NBR ISO 9000:2000). O sistema de comprovação metrológica é firmemente baseado em tais verificações, mas convém, também, incluir considerações detalhadas e análise crítica do processo de medição completo, no sentido de fornecer garantia da qualidade das medições feitas com o equipamento em apoio à determinação da conformidade do produto com os requisitos do cliente. Exemplo: Seguindo o exemplo de A.2, é assumido que o erro encontrado pela calibração é 3 kPa em 200 kPa, com uma incerteza da medição na calibração de 0,3 kPa. Portanto, o instrumento não atende ao requisito de erro máximo permissível. Após o ajuste, o erro encontrado pela calibração é 0,6 kPa e a incerteza no processo de calibração é 0,3 kPa. O instrumento agora atende ao requisito do erro máximo permissível e pode ser confirmado para uso, assumindo que a evidência de demonstração de atendimento do requisito de tendência vem sendo obtida. Contudo, se o instrumento foi submetido a recomprovação, convém que o usuário do instrumento seja informado dos resultados da primeira calibração, uma vez que ações corretivas referentes à realização do produto podem ser requeridas para o período antes que instrumento tenha sido retirado do uso aguardando a reconfimação. Se a verificação dos processos for desempenhada pelos usuários ou pela função metrológica, os resultados desta verificação podem ser compilados em um documento de verificação, em adição a quaisquer relatórios ou certificados de calibração ou teste, como parte de observação de auditoria dentro do sistema de comprovação metrológica. O estágio final no sistema de comprovação metrológica é a identificação adequada da situação do equipamento de medição, por exemplo, por etiquetagem, marcação etc. Após isto, o equipamento de medição pode ser usado para a finalidade para a qual ele tenha sido comprovado. Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS
  • 26. ABNT NBR ISO 10012:2004 20 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados Bibliografia [1] ISO 3534-1:1993, Statistics ⎯ Vocabulary and symbols ⎯ Part 1: Probability and general statistical terms. [2] ISO 3534-2:1993, Statistics ⎯ Vocabulary and symbols ⎯ Part 2: Statistical quality control [3] ISO 5725-1, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 1: General principles and definitions. [4] ISO 5725-2, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 2: Basic methods for the determination of repeatability and reproducibility of a standard measurement method. [5] ISO 5725-3, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 3: Intermediate measures of the precision of a standard measurement method [6] ISO 5725-4, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 4: Basic methods for the determination of the trueness of a standard measurement method. [7] ISO 5725-5, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 5: Alternative methods for the determination of the precision of a standard measurement method. [8] ISO 5725-6, Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results — Part 6; Use in practice of accuracy values [9] ABNT NBR ISO 9001:2000, Sistemas de gestão da qualidade ⎯ Requisitos [10] ABNT NBR ISO 9004:2000, Sistemas de gestão da qualidade – Diretrizes para melhorias de desempenho [11] ABNT NBR ISO 19011:2002, Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental [12] ISO 14001:1996, Environmental management systems — Specification with guidance for use [13] ABNT ISO/TR 10017:1999:— 2) Guias de técnicas para ABNT NBR ISO 9001:1994 [14] ISO/TR 13425:1995 — Guide for the selection of statistical methods in standardization and specification [15] ABNT NBR ISO/IEC 17025:1999 — Requisitos gerais para competência de laboratório de teste e calibração [16] GUM:1995, Guide to the expression of uncertainty in measurement. Published jointly by BIPM, IEC, IFCC, ISO, IUPAC, IUPAP, OIML [17] OIML D10:1984, Guidelines for the determination of recalibration intervals of measuring equipment used in testing laboratories. 2) A ser publicada. (Revisão do ISO/TR 10017:1999)TTT Exemplarautorizadoparausoexclusivo-PETROLEOBRASILEIRO-33.000.167/0036-31 Impresso por: PETROBRAS