SlideShare uma empresa Scribd logo
1
LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS
CAPÍTULO VIII: EMANCIPAÇÃO DA ALMA
8.1 – O sono e os sonhos
8.2 – Visitas espíritas entre pessoas vivas
8.3 – Transmissão oculta do pensamento
8.4 – Letargia, catalepsia e mortes aparentes
8.5 – Sonambulismo
8.6 – Êxtase
8.7 – Segunda vista
8.8 – Resumo teórico do sonambulismo, do êxtase e da segunda vista
Referências
SLIDES:
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/281-o-sono-e-os-sonhos
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/282-visitas-espiritas-entre-
pessoas-vivas
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/283-letargia-catalepsia-e-
mortes-aparentes
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/284-sonambulismo
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/285-extase
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/286-segunda-vista
https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/287-rresumo-teorico-do-
sonambulismo-do-extase-e-da-segunda-vista
2
INTRODUÇÃO AO CAPÍTULO VIII
O livro dos espíritos publicado em 18/04/1857 é a obra fundadora do espiritismo. Ele trata
dos aspectos científico, filosófico e religioso da doutrina, lançando as bases que seriam
posteriormente aprofundadas, por Allan Kardec, nas demais obras da codificação espírita.
A sua edição definitiva é composta por 1018 questões distribuídas em quatro partes:
 Livro primeiro - causas primeiras;
 Livro segundo - mundo espiritual ou dos espíritos;
 Livro terceiro - leis morais;
 Livro quarto - esperanças e consolações.
Estamos no livro segundo de “o livro dos espíritos”, a qual trata especificamente do espírito
que é o objeto de estudo escolhido por Kardec para o estudo da doutrina espírita. Dessa
forma, estuda a origem e natureza dos espíritos, o períspirito e as diferentes ordens de
espíritos; analisa as seis situações em que se pode encontrar o espírito:
Emancipação da alma – estado particular da vida humana, durante o qual, desprendendo-
se dos laços materiais, a alma recobra algumas de suas faculdades de espírito, e entra
mais facilmente em comunicação com os seres incorpóreos. Tal estado se manifesta
principalmente pelo fenômeno dos sonhos, da sonolência, da dupla vista, do sonambulismo
natural ou magnético e do êxtase.
Desdobramento espiritual – é uma faculdade anímica onde o espírito encarnado desliga-
se parcialmente do seu corpo físico. É uma capacidade intrínseca ao ser humano que
desenvolveu, ao longo da evolução da espécie, a possibilidade de desembaraçar-se do
corpo material, dentro de certos limites, adquirindo alguma sensação de liberdade. O
desdobramento espiritual acontece, na maior parte das vezes, durante o sono.
3
Sono é um estado em que cessam as atividades físicas motoras e sensoriais.
Sonho é a lembrança dos fatos, dos acontecimentos ocorridos durante o sono.
Leituras
Eclesiastes 12:6
O livro dos médiuns, Allan Kardec – laço fluídico, cap. VII, item 118, e o cap. XXV, item 284.
Evangelho Segundo o Espiritismo – capítulo v, item 11. / capítulo XXVIII, item 38.
A gênese, Allan Kardec, no capítulo XIV, item 23.
Os mensageiros - capítulo 38
Missionários da luz - capítulo 8
Nosso lar - capítulo 36
No mundo maior – capítulo 3
Nos domínios da mediunidade - capítulos 11 e 24
Mecanismos da mediunidade - capítulo 21
Ação e reação - capítulos 13 e 16
Entre a terra e o céu - capítulo 5
Libertação - capítulo 16
O consolador - questão 49
Viver em plenitude – capítulo: mergulho na eternidade
Estudando a mediunidade, josé Martins Peralva, capítulo 17
A luz do consolador, Yvonne Amaral pereira, capítulo denominado sonhos
O problema do ser, do destino e da dor, Léon Denis, capítulo 55
4
8.1 – O sono e os sonhos
400 – O espírito encarnado permanece voluntariamente em seu
envoltório corporal?
É como se perguntasses se o prisioneiro se alegra com a prisão. O espírito
encarnado aspira sem cessar à sua libertação, e quanto mais o envoltório é
grosseiro, mais deseja estar dele desembaraçado.
Comentários:
O nosso corpo material para o espírito representa um cárcere, uma prisão.
Algo que limita a manifestação livre do espírito.
O espírito encarnado é como se fosse um encarcerado: está preso na carne
por laços fluídicos que o fazem prisioneiro por determinado tempo. Ele aspira
constantemente à liberdade, no entanto, a sua consciência lhe avisa que ele
tem um dever a cumprir, que abandonar o corpo antes do tempo poderá ser
bem pior.
Nas questões seguintes vamos entender o que significa a emancipação da
alma para o espírito.
401 – Durante o sono, a alma repousa como o corpo?
Não, o espírito jamais está inativo. Durante o sono, os laços que o unem ao
corpo se relaxam, e o corpo não necessita do espírito. Então ele percorre o
espaço e entra em relação mais direta com os outros espíritos.
Comentários:
O que tem sono é o corpo e não o espírito.
Apenas o corpo físico precisa permanecer inativo para recuperar as energias
através do descanso.
Durante o sono do corpo,o espírito ficamais livre. Com o corpo em descanso,
afrouxam-se os laços e a alma sai para o espaço até onde seu pensamento,
sua vontade o envia.
O espírito não fica inativo; ele busca a liberdade parcial, pelo sono, pois é
nessas saídas que encontramos com mais facilidade os nossos companheiros
fora da carne e travamos conversações com eles acerca dos assuntos que
nos convém falar e ouvir.
LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU
MUNDO DOS ESPÍRITOS
Capítulo VIII – Emancipação da Alma
5
O corpo precisa de descanso, e os seus órgãos se recompõem com as
energias auridas pelo espírito no mundo espiritual, de forma que no dia
seguinte está com mais alegria e ânimo para a labuta que corresponde ao seu
dever.
Sonhar é sair do corpo por instantes, onde a alma vai, aqui e ali, buscando os
fluidos divinos para manutenção do seu aparelho físico.
Enquanto o corpo descansa, a alma trabalha; enquanto o corpo trabalha, a
alma trabalha. O espírito é ativo onde quer que seja. Ele descansa trocando
de labor.
A vida na matéria é uma vida difícil, de esforço, de luta constante.
Diferentemente, do corpo físico que precisa estar inativo e descansar, o
espírito não. Daí aproveita justamente esse períodopara aurir novas energias
e usufruir um pouco das faculdades de espírito,momento em que consegue a
libertação parcial. É como se vivesse um pouquinho a vida espiritual. Isso faz
com que se sinta com um pouco mais de liberdade, menos preso ao corpo
físico.
Quem não se libertou do ódio, do orgulho, do egoísmo e de outras
inferioridades na faixa das paixões humanas, mesmo dormindo poroito horas
não consegue o devido descanso. As energias são queimadas pelas
inferioridades do espírito.
Quando o espírito se encontradesencarnado,e não tem certa evolução moral,
ele precisa,igualmente, de descanso,em um estado semelhante ao sono dos
homens, e também sonham, buscando novas energias para seu corpo
espiritual.
402 – Como podemosapreciara liberdade do espírito durante o sono?
Pelos sonhos. Crede, enquanto o corpo repousa, o espírito dispõe de mais
faculdades do que na vigília. Tem o conhecimento do passado e, algumas
vezes, previsão do futuro. Adquire maior energia e pode entrar em
comunicação com os outros espíritos,sejaneste mundo,sejaem outro. Muitas
vezes,dizes: tive um sonho bizarro, um sonho horrível, mas que não tem nada
de verossímil;enganaste,é frequentemente umalembrança dos lugares e das
coisas que viste e verás em uma outra existência ou em um outro momento.
Estando o corpo entorpecido,o espírito esforça-se por quebrar seus grilhões,
procurando no passado e no futuro.
Pobres homens, que pouco conheceis os fenômenos mais simples da vida!
Acreditai-vos sábios e vos embaraçais com as coisas mais vulgares. Ficais
Tela 10
6
perturbados a esta pergunta de todas as crianças: que fazemos quando
dormimos, e que é o sonho?
Comentários:
A liberdade do espírito durante o sono é proporcionada pelo ato de vontade.
O que conduz o espírito é a sua essência, são seus pensamentos, seus
sentimentos, os valores que o orientam.
Então algumas vezes, durante o sono, o espírito aproveita esse momento de
liberdade para atenuar seus problemas, para se complicar ainda mais,
voltando ao status da sua realidade espiritual de onde ele está tentando se
libertar, mas o sentimento preso à situação, é encaminhado para essa
realidade.
Ou dependendodaelevação adquirida, das suas mudanças íntimas, aproveita
o sono para resolver suas pendências, buscar mais esclarecimentos.
Às vezes, podemos ir para lugares onde objetivamente não gostaríamos de
estar, outras vezes vamos para ambientes sublimes.
Somos complexos. Há várias ligações que estabelecemos com a nossa
família, com o nosso trabalho, com a nossa relação consigo mesmo, nossa
relação com os outros, nossa relação com deus.
A preocupação com a família, com um ser doente, por exemplo. O nosso
pensamento pode nos levar até essa pessoa durante o sono.
Há uma infinidade de possibilidades durante o sono. Onde o nosso
pensamento estiver, é para lá que iremos.
O sonho é uma rememoração da vivência do sono.
O sonho, aquilo que é guardado na memória. É o registro das experiências
que tivemos durante o período de sono.
Devemos nos preparar para o sono. Fazer uma prece. Solicitar o auxílio do
mentor espiritual.
O sonho liberta, em parte, a alma do corpo. Quando se dorme, se está,
momentaneamente,no estado em que o homem se encontra, de maneira fixa,
depois da morte. Espíritos que se desligam logo da matéria, em sua morte
tiveram sonhos inteligentes; estes, quando dormem, reúnem-se à sociedade
de outros seres superiores aeles.Com eles,viajam, conversam e se instruem,
trabalhando mesmo em obras que encontram prontas quando morrem. Isto
deve vos ensinar, uma vez mais, a não temera morte,pois que morreis todos
os dias, segundo a palavra de um santo. Isso para os espíritos elevados.
Tela 11
7
Todavia, a massa dos homens que, na morte, deve ficar longas horas em
perturbação, nessa incerteza da qual vos falaram, esses vão, seja para
mundos inferiores à terra, onde velhas afeiçõesos evocam,seja a procurar os
prazeres que podem ser mais inferiores que aqueles que têm aí. Eles vão
haurir doutrinas ainda mais vis, mais ignóbeis, mais nocivas que as que
professam em vosso meio.
Comentários:
Durante o sono, nós estando parcialmente libertos podemos vivenciar
inúmeras experiências no plano espiritual.
Aproveitamos o momento do sono para ter contato com a espiritualidade
superior, crescer, evoluir, receber orientações, fazer cursos, aprender,
conversar com os amigos espirituais de forma mais intensa, mais
transparente, realizar inúmeras atividades indispensáveis para nosso
fortalecimento espiritual.
Durante essasocialização com nossosamigos e familiares espirituais estamos
nos fortalecendo.
As maiores dificuldades que temos no plano material são tratadas no plano
espiritual. Muitas vezes recebemos na espiritualidade tratamentos de passe,
de energização, de limpeza fluídica.
Os benfeitores espirituais fazem isso pornós,pois somosseus tutelados,seus
protegidos para que consigamos levar a nossa missão, as nossas
responsabilidades até o fim.
Não temos que temer a morte, pois morremos todos os dias.A morte não é
uma estagnação ou o fim das nossas existências, mas apenas uma mudança
de plano. Quando estamos em sono vivemos a vida de espírito e assim será
quando desencarnarmos.
Ex: se a pessoaé dada ao vício como a bebida,durante o sono irá estar com
os seus afins reforçando os seus desejos.
Se a pessoa gosta de uma boa leitura ou de utilizar o seu tempo numa
atividade intelectual superior, quando está no sono ele vai buscar isso de
forma mais intensa.
A busca é conforme os interesses da pessoa, seja no sexo, seja no uso de
drogas, na administração de bens, no respeito ao próximo, no respeito a si
mesmo, etc.
No sono continuamos a sermos nós mesmos de formamais intensa. Cada um
demonstra sua personalidade de forma mais forte, mais livre.
8
O que gera a simpatia sobre a terra não é outra coisaque o fato de se sentirem
ao despertar, ligados pelo coração, àqueles com quem vieram de passar oito
ou nove horas de felicidade ou de prazer. Isso explica também as antipatias
invencíveis, pois sabem no fundo do seu coração que essas pessoas de lá
têm uma consciênciadiversa da nossa e a conhecem sem as ter visto jamais
com os olhos. Explica, ainda, a indiferença, visto que não se deseja fazer
novos amigos quando a gente sabe que existem outras pessoas que nos
amam e nos querem.Em uma palavra, o sono influi mais do que pensais sobre
vossa vida.
Pelo efeito do sono,os espíritos encarnados estão sempre em relacionamento
com o mundo dos espíritos, e é isso que faz com que os espíritos superiores
consintam, sem demasiadarepulsa, em encarnarem entre vós. Quis deus que
durante o seu contato com o vício eles possam ir se renovar nas fontes do
bem, para não falirem, eles que vêm instruir os outros.
Comentários:
Os espíritosmenos elevados,ainda apegados às paixões inferiores durante o
sono vão às zonas inferiores da terra, onde encontram as velhas afeições,os
seus vícios, as suas imperfeições.
Se a pessoa é voltada para a bebida, para as drogas, para o sexo, para o
orgulho, é exatamente esse tipo de companhia que vai procurar durante o seu
sono.
É por isso que muitas pessoas ao acordarem se sentem mal, se sentem
cansadas, se sentem como se não tivesse dormido nada, pois saturaram
negativamente o seu perispírito durante o sono. Ao invés de refazer suas
energias com vibrações e sentimentos nobres foi exatamente o inverso.
Emboraa gente não lembre,mas as sensações nos mostram se fizemos algo
bom ou algo ruim.
Os espíritos elevados (Gandhi, madre Tereza, Chico Xavier, Divaldo Franco,
Emmanuel, etc) quando vem para cá onde estamos muito atrasados em
relação a eles, têm o descanso, o refrigério nos momentos de sono e de
sonhos poder ter contato com outros espíritos superiores do alto. Durante o
dia nas labutas do trabalho, à noite retorna à casa para o descanso.
O sono é a porta que Deus lhes abriu até seus amigos do céu. É o recreio
depois do trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a liberação final
que deve devolvê-los ao seu verdadeiro meio.
O sonho é a lembrançado que vosso espírito viudurante o sono. Notai, porém,
que não sonhais sempre porque não recordais sempre do que vistes, ou de
Tela 12
Tela 13
9
tudo o que vistes. Vossa alma não está em pleno desdobramento. Não é,
muitas vezes, senão a lembrança da perturbação que acompanha vossa
partida ou vossa volta, à qual se junta a do que fizestes ou do que vos
preocupou no estado de vigília. Sem isso, como explicareis esses sonhos
absurdos que têm os sábios,assim como os mais simples?Os maus espíritos
também se servem dos sonhos para atormentar as almas fracas e
pusilânimes.
De resto, vereis dentro em pouco se desenrolar outra espécie de sonho, tão
velha quanto a que conheceis, mas vós a ignorais.
Comentários:
Os espíritos superiores quando estão na carne tem essa possibilidade de
descanso, de repouso, de renovação de forças para realizarem as suas
missões.
O fato de não lembrarmos dos nossos sonhos não quer dizer que não
tenhamos vivido experiências no plano espiritual. Apenas que o nosso corpo
não consegue reter essas informações que são vivenciadas pelo nosso
perispírito e não pelo corpo físico.O nosso cérebro físico tem dificuldades de
reter informações.
Nós não recordamos sempre as nossas experiências durante o sono, como
também, não recordamos de tudo o que vimos ou participamos.
O sonho é aquilo que a gente foi capaz de registrar. É a lembrança de parte
das experiências vividas durante o sono.
Há experiências vivenciadas pelo espírito de forma tão profunda, na sua vida
de espírito, em outras dimensões, que o cérebro (físico) não consegue
registrar.
Muitas vezes quando o cérebro registra é de forma fragmentada (apenas
pedaços), de forma descontinuada (um lugar, depois outro, uma situação,
depois outra, outras pessoas, outro tempo). Ao lembrarmos apenas dos
fragmentos não encontramos uma sequência lógica, achamos sem sentido,
achamos estranho.
No meio do sonho pode aparecer a construção de uma narrativa relacionada
à vivência durante o dia anterior ou nos dias anteriores.
Pode aparecer no meio do caminho um adversário (mau espírito) que pode
emitir uma imagem e a gente captar como uma coisa pavorosa. E tudo isso
vai sendo misturado fora de ordem.
O sonho é o resultado da interação de todas as narrativas vivenciadas pelo
espírito durante o sono do corpo físico.
10
O cérebro é impactado com informações por cinco canais físicos: a visão, a
audição, o olfato,o paladar e o tato. Os cinco sentidos pelos quais registramos
informações no nosso cérebro. Imagina o trabalho do cérebro em registrar
informações chegandoporum canal além dessescinco,do qual o corpo físico
não participa do processo. O espírito vivendo essas experiências
completamente diversas da realidade do cérebro, numa velocidade
completamente diversa, uma realidade atemporal, fora dos eixos espaço-
tempo.Daí a dificuldade do cérebro juntar os pedacinhos “do filme” e dar uma
sequência lógica.
Informações registradas no subconsciente e no inconsciente vazam para os
canais superiores podendo interferir no consciente.
Sonhos com pessoas que nessa encarnação a gente não conhece, lugares
em que nessa encarnação nunca estivemos. Podem ser experiências do
nosso passado para o nosso presente e que a gente não consegue fazer a
relação com a nossa realidade atual.
Nesse tipo de sonho, a alma não está completamente desdobrada, pois
continua ligada ao corpo, sofrendo os reflexos orgânicos e as seguintes
interferências:
- Da realidade vivenciada no decorrer do dia;
- Das preocupações;
- Dos problemas fisiológicos;
- Das recordações registradas no subconsciente;
- De Espíritos amigos ou os desafetos;
Quanto mais nos prepararmos para dormir, quanto mais nos reformarmos
intimamente, mais teremos consciência,lembranças das experiências vividas
durante o sono (emancipação)
Por isso é importante se preparar, fazer uma prece, mentalizar as coisas
agradáveis, buscar elevar a frequência e mantê-la elevada.
Tercuidado com o que assiste,com o que ouve,com o que acessano decorrer
do dia e, principalmente, à noite.
O sonho de Joana, o sonho de Jacob,o sonho dos profetas judeus e de alguns
adivinhos indianos. Esse sonho é alembrançada alma, inteiramente desligada
do corpo, a lembrança dessa segunda vida de que sempre vos falo.
Tela 14
11
Procurai distinguir bem essas duas espécies de sonhos naqueles dos quais
vos lembrais;sem isso,caireis em contradição e nos erros que serão funestos
à vossa fé.
Comentários:
Neste tipo de sonho a alma está completamente desligada do corpo
(conectada pelo laço fluídico prateado) vivendo inteiramente uma realidade
espiritual. Não tem nada a ver com o corpo físico,vivenciando outra realidade.
São mais nítidos, mais conscientes, mais lógicos.
Essas experiencias vão se somando no nosso inconsciente junto às
experiências pretéritas das nossas existências físicas e espirituais. Tudo isso
fica registrado no nosso perispírito (é o nosso grande banco de dados).
Nesse tipo de sonho,o processo é inverso.A informação vem. É o espírito que
vive a experiênciae transfere para o nosso consciente,para o nosso cérebro,
em forma de sonho.
Sonhos comuns – interferência do cotidiano.
Sonho espírita – experiências vivida pelo espírito.
Atentemos para essas duas espécies de sonho. Não queiramos conduzir a
vida conforme os sonhos, mas retirar deles o que for possível para o nosso
crescimento, o nosso adiantamento moral.
Ex: se sonhei tal fato vai acontecer tal situação ou terei que agir de tal forma.
Sonho não é uma informação precisa para que tomemos decisões diárias.
Esses comportamentos é que faz com que algumas pessoas (fracas) se
deixam levar por alguns espertalhões que tentam nos conduzir por caminhos
diversos por interpretações oníricas.
Sonhar é dar notícias de algo que existe no mundo dos espíritos.
Tipos de sonhos
Martins Peralva, no livro "Estudando a Mediunidade", propõe a seguinte
classificação dos sonhos:
Sonhos comuns
Repercussão de nossas disposições físicas ou psicológicas.
São aqueles que refletem nossas vivências diárias. Nos sonhos comuns,
quase não há exteriorização perispiritual.
12
Puramente cerebral,simples repercussão de nossas disposições físicas oude
nossas preocupações morais. É também o reflexo de impressões e imagens
arquivadas no cérebro durante a vigília (vivências ocorridas durante o dia,
quando acordados).
Exemplos:
Fisiológico: é aquele que dramatiza algo que acontece com nosso corpo.
- Se está frio e nos descobrimos,sono pesado,sem despertarpoderemosnos
ver num campo de neve, tiritando.
- Pessoas com incontinência urinária sonham que estão satisfazendo essa
necessidade fisiológica, enquanto molham a cama.
Psicológico: é aquele que exprime nossos estados íntimos.
- Richard Simonetti – “antes do advento dos computadoresno banco do Brasil,
era preciso somar as contas correntes, cujo total, segundo o jargão bancário
devia “bater” com o balancete. Trabalho insano. Eram doze mil contas. Nunca
“batia”. Ficávamos horas repetindo verificações. Nessas oportunidades, ao
dormir, via-me no banco às voltas com o tedioso serviço.”1
Sonhos reflexivos
Exteriorização de impressões e imagens arquivadas na mente do Espírito.
Por reflexivos, categorizamos os sonhos, em que a alma, abandonando o
corpo físico, registra as impressões e imagens arquivadas no subconsciente,
inconsciente e superconsciente e plasmadas na organização perispiritual.
Tal registro é possível de ser feito em virtude da modificação vibratória, que
põe o espírito em relação com fatos e paisagens remotos, desta e de outras
existências.
A modificação vibratória, determinada pela liberdade de que passa a gozar o
espírito,no sono,o faz entrar em relação com acontecimentos e cenas de eras
distantes, vindos à tona em forma de sonho.
Mentores espirituais poderão trazer à tona acontecimentos de outras vidas,
cujas lembranças nos tragam esclarecimentos, lições ou advertências.
Poderão os espíritos inferiores motivarem estas recordaçõescom a finalidade
de nos perseguirem, amedrontar, desanimar ou humilhar, desviando-nos dos
objetivos benéficos da existência atual.
1 - Livro Viver em Plenitude – Richard Simonetti, pág 59.
13
Sonhos espíritas
Atividade real e efetiva do espírito durante o sono.
Também chamados de viagem astral ou espiritual; há mais ampla
exteriorização do perispírito.
Emancipação daalma extremamente consciente,onde estamos perfeitamente
lúcidos e sabemos o que fazemos, onde fomos, com quem interagimos.
Durante a viagem astral, a alma, desprendidado corpo, exerce atividade real
e efetiva,encontrando-se com parentes,amigos,instrutores e também com os
inimigos desta e de outras existências.
É algo ainda muito incipiente para a humanidade terrena, mas com o tempo
as nossas viagens astrais (lúcidas) serão lembradas, como no caso dos
profetas.
Como podemos distinguir o sonho?
Sonhos comuns são como a palha que logo o vento leva e perece. São
fugidios, mal delineados.
Os sonhos espíritas são mais nítidos, mais claros. Guardamos melhor.
Geralmente são coloridos,o que não costuma ocorrercom as demais formas,
que se apresentam em preto e branco. São muito claros e inesquecíveis,
trazendo preocupação por sua seriedade. São ensinamentos e às vezes
revelações de deus através do auxílio da espiritualidade. (mateus 2:12-22).
Ao acordar de um sonho, faça uma prece pedindo a deus a orientação acerca
da mensagem vivenciada.
A interpretação de um sonho nem sempre é literal ou da forma como foi visto
no sonho. Não podemos cair em misticismo estabelecendo regras de
interpretação como,por exemplo,listas de significados,por isso a solicitação
do auxílio da espiritualidade para extrair o maior aproveitamento possívelpara
o próprio crescimento.
Allan Kardec:
Os sonhos são o produto da emancipação da alma, que se torna mais
independente pela suspensão da vidaativa e de relação.Daíuma espécie
de clarividência indefinidaque se estende aos lugaresmais distantes,ou
que jamais se viu e, algumas vezes, mesmo a outros mundos, assim
como a lembrança que traz à memória os acontecimentos ocorridos na
existência presente ou nas existências anteriores; a estranheza de
imagens do que se passa ou se passou em mundos desconhecidos,
Tela 18
14
entremeadas de coisas do mundo atual, formam esses conjuntos
bizarros e confusos que parecem não ter nem sentido, nem ligação.
A incoerência dos sonhos se explica,ainda,pelas lacunas que produza
lembrança incompleta do que nos apareceu em sonho. Tal seria uma
narração qualse tenha truncado frases ao acaso,ou parte de frases; os
fragmentos restantes reunidos perderiam toda significação razoável.
Comentários:
Muitas vezes os sonhos parecem sem sentido,pois se unem imagens de vidas
passadas, imagens de futuro, situações da vida atual, as preocupações, as
recordações incompletas das nossas vivências e das nossas atividades
espirituais. Ficam as imagens meio confusas, dando a impressão de que não
tem sentido.
Antigamente, os sonhos eram considerados visões proféticas e reveladoras
do futuro, onde homens entravam em contato com deuses e demônios.Muitas
vezes,suas interpretações ligavam-se asuperstições,numerologia,crendices,
astrologia, entre outros.
Ainda hoje, pessoas aproveitam da ignorância dos homens sobre o assunto e
ganham dinheiro fácil na interpretação dos sonhos de quem as procura com o
intuito de decifrá-los. Assim, tornam-se vulneráveis nas mãos de gente
insensata ou espíritos zombeteiros, levianos e obsessores.
Devemos repudiar as interpretações supersticiosas que pretendam
correlacionar os sonhos com jogos de azar e acontecimentos mundanos,
gastando preciosos recursos e oportunidades da existência em preocupação
viciosa e fútil.
Podemos extrair sempre os objetivos edificantes desse ou daquele painel
entrevisto em sonho.
Com o tempo e à medidaque dermos mais importânciaaos sonhos nós vamos
conseguir saber interpretá-los e compreendê-los.
Devemos darimportância,mas sem transformá-los em bússolas paraconduzir
nossa vida e sim retirar os ensinamentos para a nossa aprendizagem, para
melhorar a nossa vivência.
Em tudo há sempre uma lição.
Estudar espiritismo é adentrar nos caminhos que nos levam à ciência, à filosofia e à religião.
Essa questão não trata de religião, mas de conhecimento factual da nossa realidade.
Independentemente da crença que se professa, a pessoa deve buscar conhecer para que
possa se conduzir na vida com um pouco mais de racionalidade, de informação sobre toda
a realidade que nos envolve.
403 – Por que não nos lembramos sempre dos sonhos?
15
No que tu chamas de sono, só há o repouso do corpo, porque o espírito está
sempre em movimento. Aí ele recobra um pouco de sua liberdade e se
corresponde com aqueles que lhe são caros, seja neste mundo, seja em
outros. Todavia, como o corpo é matéria pesada e grosseira, dificilmente
conserva as impressões que o espírito recebeu, porque este não a recebeu
pelos órgãos do corpo.
Comentários:
Durante o desdobramento do sono é o espírito que vivencia as experiências,
não havendo a percepção dos nossos sentidos carnais que estão
adormecidos.
Como todas as experiências são vivenciadas pelo cérebro perispiritual e não
pelo cérebro carnal, quando nosso peirspírito retorna ao corpo físico,algumas
daquelas vivências o nosso cérebro físico consegue reter, mas não de forma
completa. A grande maioria das coisas e dos fatos vivenciado na
espiritualidade durante o sono nós não lembramos. O nosso cérebro é
constituído de matéria grosseira que dificulta a retenção dessas informações.
É por isso que ao acordarmos não lembramos dos sonhos ou lembramos de
forma fragmentada.
No sonho espírita, o completo desdobramento, quando lembramos é que
aquela vivência impressionou fortemente o espírito e quando voltamos ao
corpo aquela impressão forte é registrada pelos canais sensoriais, nossa
mente, nossa memória. É exceção, não é regra. Vivência muito forte.
A alma, no seu estado mais livre, durante o sono, nem sempre pode trazer
tudo o que vê e ouve para a matéria. Quando o espírito volta ao corpo,ocorre
uma espécie de filtragem na lembrança do que ocorreu no mundo espiritual.
Esses acontecimentos não são apagados damemória,visto que,pelalei, nada
se perde. Entretanto, eles ficam gravados no fundo da consciência, vindo à
tona quando necessário, manifestando-se como lições ou testes para o
espírito.
Se nos lembrássemos de todo o ocorrido no mundo dos sonhos,a mente não
iria suportar essacarga além das suas forças e perturbaria a vida na matéria.
Se sonhamos com boas companhias em planos elevados, e se isso pudesse
repetir sempre, certamente que o corpo físico iria definhando até falecer,
porque o instinto de todos nós é buscar o melhor.
Se somente sonhássemos com as trevas, ficaríamos muito apegados às
coisas materiais, no entanto, isso é o que acontece mais frequentemente.
A natureza é comedidaem tudo o que existe; ela não se esquece de filtrar as
recordações, deixando somente o que precisamos para a alegria ou para as
lições.
16
Como melhorar a questão das lembranças:
- Ao fazer a prece antes de dormir pedir à espiritualidade a permissão. Se
possível,para lembrar das experiências mais relevantes que forem importante
para o nosso crescimento, que permitam a nossa participação em cursos,
palestras, estudos, mecanismos de aprimorar a retenção de informações
durante o sono para que ao acordar possamos lembrar de alguma coisa;
- Ao acordar anotar as lembranças das experiências vividas (sonhos) como
forma de educar o cérebro corporal (físico)
 Os Mensageiros – Cáp. 38 – pág. 231
404 – Que pensar da significação atribuída aos sonhos?
Os sonhos não são verdadeiros como entendem certos adivinhos, porque é
absurdo crer-se que sonhar com tal coisa, anuncia tal coisa. Eles são
verdadeiros no sentido de que apresentam imagens reais para o espírito,mas
que, frequentemente, não têm relação com o que se passa na vida corporal.
Muitas vezes, também, como já o dissemos, é uma lembrança e pode ser,
enfim, algumas vezes, um pressentimento do futuro, se deus o permite, ou a
visão do que se passa nesse momento em outro lugar, para onde a alma se
transporta. Não tendes numerosos exemplos de pessoas que aparecem em
sonho e vêm advertir seus parentes ou seus amigos do que lhes acontece?
Que são essas aparições senão a alma ou o espírito dessas pessoas que vêm
comunicar-se com o vosso? Quando estais certos de que aquilo que vistes
realmente se deu, não é uma prova de que a imaginação não tomou parte em
nada, sobretudo se essa coisa não esteve de modo algum em vosso
pensamento durante a vigília?
Comentários:
Nós às vezes nos preocupamos muito com os sentidos dos sonhos. O que
pode significar determinada coisa.
Os sonhos podem significar muitas coisas, mas nem sempre significam
exatamente aquilo que sonhamos.
Os sonhos podem ser:
- Reflexos das nossas ansiedades e vivências diárias;
- Previsões do futuro (com a permissão de deus e auxílio da espiritualidade);
- Lembranças do passado;
- Avisos, alertas, conselhos, notícias (extraordinários);
17
- Vivências espirituais na espiritualidade.
Precisamos termuita cautela na interpretação dos sonhos para não corrermos
o risco de fazer interpretações completamente equivocadas.
Com o tempo e à medida que aprimorarmos as nossas vivências, nós vamos
conseguir saber interpretá-los e compreendê-los. E para isso vamos:
- Refletir conscientemente sobre a vida;
- Meditar
- Seguir o conselho de santo agostinho (autoexame, autoanálise)
- Estudar (aperfeiçoar no conhecimento em todas as suas facetas)
Muitas pessoas ao passar pelas situações mais importantes da vida
(marcantes), tanto as difíceis, quanto as agradáveis (que traz alegria,
felicidade, realizações) sonham com os eventos que ocorrerão.
A Bíblia está repleta de sonhos como alertas, avisos, orientação...
Estudar, buscar informações, construir conhecimento é o caminho para nos
libertar da ignorância compreendendo melhora vida e tudo o que nos envolve
e nos cerca.
A doutrina espíritaé transversal às filosofias e às religiões,e oferece à ciência
uma base do ponto de vista espiritual para que a ciência possa interpretar e
explicar muitas coisas que ainda não compreende.
405 – Veem-se frequentemente, em sonhos, coisas que parecem
pressentimentos e que não se cumprem; de onde vem isso?
Eles podem cumprir-se para o espírito, se não para o corpo, isto é, o espírito
vê a coisa que deseja porque vai procurá-la. É preciso não se esquecer que,
durante o sono, a alma está sempre, mais ou menos, sob a influência da
matéria, e que, por conseguinte, ela jamais se liberta completamente das
ideias terrenas. Disso resulta que as preocupações da vigília podem dar, ao
que se vê, a aparência do que se deseja ou do que se teme; a isso,
verdadeiramente, pode-se chamar um efeito da imaginação. Quando se está
fortemente preocupado com uma ideia, a ela se liga tudo aquilo que se vê.
Comentários:
Algumas coisas que parecem pressentimentos e não se confirmam:
1.º - Nos sonhos reflexivos podemoster pressentimentos,onde pode acessar
o passado e ter pressentimentos do futuro, mas nem todo pressentimento é
para acontecer, pois muitas vezes são avisos, alertas que a espiritualidade
nos fornece para que no cotidiano possamos adotarmedidas cautelares para
18
que aquele pressentimento não aconteça. Alguns podem acontecer e outros
são apenas alertas para não acontecer. São avisos da espiritualidade para nos
precaver.
Às vezes o pressentimento acontecepara o espírito em desdobramento e não
quando está em vigília (o corpo acordado). O espírito vivencia aquele
pressentimento e não o corpo físico. Muitas vezes quando as coisas não
acontecem em estado de vigília, dá a impressão de que o fato não se
confirmou. Mas pode ter confirmado quando estávamos desdobrados pelo
sono.
2.º - Como estamos influenciados pela matéria, pois estamos ligados pelos
laços fluídicos(fio prateado)não conseguimoslibertarmos completamente das
nossas ideias e preocupações terrenas que se fixam no nosso cérebro
material e espiritual. Muitas vivências durante o sono estão ligadas a essas
preocupações ouideias que nos acompanham no decorrerdo dia. É tanto que
quando estamos preocupados sonhamos muitas vezes com a mesma
situação, tanto positivamente, quanto negativa.
Dessaforma,sonhamos com muitas coisas que não acontecem,sendo estado
de imaginação,pois foio nosso cérebrofísicoe espiritualque acumulou aquela
imagem no decorrer do dia (ou dos dias) – sonhos comuns
Durante o sono o espírito está sob a influência da matéria. A emancipação é
parcial. A emancipação total só acontece com o desencarne.
O melhor indicador para nos guiar nas interpretações dos sonhos é o nosso
coração. O que aquele episódio, aquelas imagens representam? Que
mensagem edificante podemos extrair dessaexperiência? São maneiras para
usar o sonho.
Não devemos projetar a nossa vida, o nosso dia a dia baseando nos sonhos.
E nem usar os sonhos para adivinhar o futuro, pois não faz parte da doutrina
espírita.
- No Mundo Maior – capítulo 3
406 – Quando vemos em sonhos pessoas vivas, que conhecemos
perfeitamente, realizando atos em que não pensam, de maneira alguma,
não é um efeito da imaginação?
Atos em que não pensam, de maneira alguma? Que sabes tu? Seu espírito
pode visitar o teu, assim como o teu pode visitá-lo, e nem sempre sabes em
que ele pensa. Aliás, frequentemente, atribuís às pessoas que conheceis, e
segundo vossos desejos, o que se passou ou que se passa em outras
existências.
19
Comentários:
Quando em sonho vemos pessoas praticando atitudes que não imaginamos
que fariam. O que nós sabemos sobre aquela pessoa? O que se passa no
íntimo?
Apenas deus sabe o que se passa no íntimo daquele coração.
Muitas pessoas na vida material apresentam de certa forma que não
representa aquilo que realmente são. Conseguem camuflar a sua realidade.
Mas no desdobramento do sono,ganhando a liberdade de espírito,dão vazão
aos seus instintos.
Por isso podemos encontrar pessoas em desdobramento e vê-las cometendo
atitudes que acreditaríamos inadequada ou incompatível com sua conduta,
sua personalidade. Porém reflete o interior daquela pessoa.
Pode ser também experiências vivenciadas em outras existências físicas.
Por outro lado, também pode ser projeção do nosso próprio pensamento em
relação a nós mesmos ou em relação àquela pessoa.
Nós não podemos traçar nenhum julgamento em relação ao outro, pois nós
não o conhecemos. Não conhecemos nem a nós mesmos.
Só deus conhece os nossos corações, os nossos sentimentos, os nossos
pensamentos.
407 – O sono completo é necessário para a emancipação do espírito?
Não, o espírito recobra sua liberdade quando os sentidos se entorpecem;ele
aproveita, para se emancipar, de todos os instantes de repouso que o corpo
lhe dá. Desde que haja prostração das forças vitais, o espírito se desprende,
e quanto mais o corpo está enfraquecido, mais o espírito está livre.
Allan Kardec:
É assim que a sonolênciaou um simplesentorpecimento dos sentidos
apresenta, frequentemente, as mesmas imagens do sonho.
Comentários:
Para a emancipação do Espírito basta o afrouxamento do corpo. O
relaxamento faz com que os sentidosentrem em torpor,de modoque o espírito
encontra mais facilidade para a sua parcial liberdade pelo sono.
20
No menor instante (cochilo), assim que entramos em um processo de torpor,
de prostração das forças vitais, nosso perispírito aproveita para desdobrar,
para se libertar parcialmente do cárcere (corpo físico).Qualquer oportunidade
é aproveitada pelo espírito por mais rápida e leve que seja.
Por isso frequentemente em uma rápida sonolêncianós vemos imagens como
nos sonhos. Pois quando estamos meio dormindo, em estado de torpor, mas
ainda com certa lucidez vemos imagens, determinados quadros, isso denota
que o nosso espírito já está acessando o plano espiritual.
Por isso devemos constantemente estarmos preparados para dormir, pois
apenas um cochilo nos fornece oportunidades para entrarmos em
desdobramento nos emancipando parcialmente e participarmos de
experiências agradáveis ou desagradáveis, dependendo da nossa conduta,
dos nossos sentimentos e pensamentos.
Quanto mais o corpo está enfraquecido, mais o espírito está livre. Além do
sono há outras maneiras de enfraquecimento do corpo proporcionando a
emancipação do espírito:
- Cochilo
- Estado de saúde debilitado
- Situações de senilidade
- Experiências de quase morte
- Qualquer situação que leve o corpo ao estado de enfraquecimento reduz as
forças vitais do organismo
Na história dos santos e dos místicos pode-se observar o fenômeno da
saída do corpo por instantes, em se realizando grandes coisas.
Exemplos: (bilocação e bicorporeidade) – Livro dos Médiuns – item 114 e
119.
- Santo Antônio de Pádua –
- Eurípedes Barsanulfo –
Um “relax” de uns dez minutos é muito bom até para recuperar as forças
perdidas nos trabalhos diários, e mesmo espirituais.
408 – Parece-nos ouvir, algumas vezes em nós mesmos, palavras
pronunciadas distintamente e que não têm nenhuma relação com o que
nos preocupa; de onde vem isso?
21
Sim, e mesmo frases inteiras, sobretudo quando os sentidos começam a se
entorpecer. É, algumas vezes, um fraco eco de um espírito que veio
comunicar-se contigo.
Comentários:
No estado de torpor algumas vezes ouvimos palavras dentro de nós
mesmos, dentro da nossa mente. Palavras que não tem nexo com o que
estamos pensando. Muitas vezes não só palavras soltas, mas frases inteiras.
Nesse momento já há o processo de emancipação da alma e estamos
entrando em contato com outros espíritos que já falam conosco e nós ainda
meio acordados,meio adormecidos ouvimos aquelas palavras, aquelas frases
em nossa mente.
Isso acontece todos os dias com muitas pessoas no lar, no trabalho, nas
ruas e frequentemente no lazer.
Nessa situação há um certo sinal de mediunidade que se apresenta de
infinitas maneiras.
Os médiuns têm mais facilidade de emancipar, inclusive em estado de
lucidez que se conectam com a espiritualidade conseguindo visualizar
imagens, ouvir os espíritos.Uns de forma mais sensível,mais intensa, outros
menos intensa. Depende de cada um.
Cada um tem a percepção do seu jeito.
A mediunidade intuitiva que essa voz que fala dentro de nós. Nós não
ouvimos com os ouvidos, mas temos a percepção de ideias que aparecem,
que vêm à nossa mente (insight) e outras vezes a mediunidade intuitiva nos
diz diretamente na caixa mental.
Há também o animismo (ânime – alma) – acessamos experiências pretéritas
armazenadas no nosso subconsciente ou no inconsciente que podem vazar e
chegar no nosso consciente.
409 – Frequentemente, em um estado que não é ainda de sonolência,
quando temos os olhos fechados,vemos imagens distintas,figuras das
quais apreendemos os mais minuciosos detalhes; é isso um efeito de
visão ou de imaginação?
Estando o corpo entorpecido,o espírito procura quebrar seus grilhões: ele se
transporta e vê. Se o sono fosse completo, isso seria um sonho.
Comentários:
22
Percepção de imagens.
O espírito ao entrar em desdobramento no estado de torpor, já emancipa e
acessa o plano espiritual. Já entra em relação com a espiritualidade podendo
não apenas ouvir os espíritos, mas percebê-los, visualizá-los e visualizar
imagens do plano espiritual.
As imagens que se percebem, estando o corpo em estado de torpor,
ocorrem pela dilatação visual da alma, quando ela percebe com mais nitidez
o mundo espiritual que a rodeia. Quando não há entorpecimento do corpo e
evidenciam-se os dons espirituais, é que a criatura é dotada de vidência ou
clarividência, ao passo que, no estado de relaxamento, todas as criaturas
podem perceberimagens,porentrarem mais diretamente no mundo espiritual.
410 – A gente tem,algumasvezes,durante o sonoou a sonolência, ideias
que parecem muito boas e que, malgrado os esforços que se faz para
lembrá-las, se apagam da memória: de onde provêm essas ideias?
Elas são o resultado da liberdade do espírito,que se emancipae goza de mais
faculdades durante esse momento. Frequentemente, são conselhos que dão
outros espíritos.
410.a) De que servem essas ideias e esses conselhos, uma vez que se
perde a lembrança e não se pode aproveitá-los?
Essas ideias pertencem,algumas vezes, mais ao mundo dos espíritos que ao
mundo corporal; mas, com mais frequência,se o corpo esquece,o espírito se
lembra, e a ideia revive no instante necessário, como uma inspiração do
momento.
Comentários:
Eventualmente, quando encarnados e parcialmente desprendidos do corpo,
pelo sono ou pelo adormecimento, surgem na alma ideias vigorosas, das
quais, apesardo esforço que sefazapós despertar,não se consegue recordar.
São transmissões dos espíritos livres que nos querem bem, são conselhos.
Notemos bem: esquecemos as ideias, mas não esquecemos que elas nos
foram ditas.
Letra A:
As informações repassadas durante a emancipação da alma podem ser a
respeito da vida de espírito e não em nossa vida em vigília como encarnado,
do nosso cotidiano na vida material.
23
Como também essas informações, embora não lembremos delas de forma
consciente, no momento certo aquelas informações retornam na forma de
intuição nos ajudando na solução de problemas, de dificuldades.
Se aquela informação for importante ela vai retornar ao nosso conhecimento.
Quando ela vir na formade intuição, sai do inconsciente e entra no consciente.
411 – O Espírito encarnado,nos momentosem que se desliga da matéria
e age como espírito, conhece a época de sua morte?
Frequentemente, ele a pressente; algumas vezes tem plena consciência, e é
isso que, no estado de vigília, lhe dá a intuição. Daí vem o fato de certas
pessoas preverem algumas vezes, sua morte, com grande exatidão.
Comentários:
Quando fazemos nosso planejamento reencarnatório, a morte é um dos
pontos previstos no nosso planejamento, a forma como ocorrerá o nosso
desencarne, a época mais ou menos em que ocorrerá. Por mais que não
lembremos quando estamos encarnados aquelainformação está conosco,ela
faz parte da nossa trajetória.
O espírito desprendido tem maiores possibilidades de ter essa informação.
Fato que ocorre algumas vezes, com algumas pessoas. Depende da
sensibilidade.
Quando chega perto nós vamos pressentindo. É uma intuição. Tem plena
consciência dessa época justamente porque participou do planejamento
reencarnatório, tendo ciência de quando isso ocorreria. Claro que não exato,
dia e hora, mas o período.
O espírito, quando está parcialmente desligado da matéria, mesmo que seja
em relaxamento profundo, por vezes tem a intuição do período da sua
desencarnação, quando está preparado para tal revelação.
Um dos casos mais conhecidos:
Abraham Lincoln (1809-1865)
Foi presidente dos EUA no período de 4 de março de 1861 até seu assassinato em 15 de
abril de 1865.
De acordo com Ward colina Lamon – amigo e guarda-costas de Lincoln – ele sonhou com
sua morte. De acordo com cartas enviadas para sua esposa e histórias de membros de seu
gabinete, o ex-presidente Abraham Lincoln, aparentemente, gostava bastante de falar
sobre seus sonhos e o que eles significavam.
24
Poucos dias antes de seu assassinato, Lamon disse que Lincoln lhe contou um sonho que
teve: onde entrava no salão leste da casa branca e via um cadáver cercado por soldados.
E ao perguntar aos soldados quem tinha morrido, um soldado respondeu: “o presidente.
Ele foi assassinado”.
- Chico Xavier
412 – A atividade do Espírito durante o repouso ou o sonodo corpo,pode
fazê-lo experimentar fadiga, quando retorna?
Sim, porque o espírito tem um corpo,como o balão cativo tem um poste.Ora,
da mesmaformaque a agitação do balão abala o poste,aatividade do espírito
reage sobre o corpo e pode fazê-lo experimentar fadiga.
Comentários:
Enquanto descansamos o nosso corpo físico, nós estamos em atividade
enquanto espíritos parcialmente libertos.
O espírito está em atividade ligado ao corpo físico pelo fio prateado.
Com certeza todos nós já tivemos pesadelos – coração acelerado, corpo
suado, calafrios, tremor. Ocorre impacto no corpo físico.
Dependendo das atividades, positivas ou negativas, fatigantes ou não,
realizadas pelo espírito em desdobramento pode repercutir no espírito.
Dependendo do que fizermos durante o desdobramento podemos cansar ou
renovar o espírito e, consequentemente, o nosso corpo físico também.
Nós precisamos nos preparar para dormir:
Recomendações úteis
- Fazer leituras edificantes.O ideal é fazer leitura evangélica - ao se deitar, ler,
em voz normal, o evangelho segundo o espiritismo. Este hábito faz-nos ficar
mais calmos e, acalma também, os espíritos menos felizes que nos
acompanham; aqueles que querem nos
Prejudicar durante o sono.
- Evitar tensões graves no momento que antecede o sono.
- Evitar comer em excesso e se alimentar com comida leve, suave
25
- Ter cuidado com o que assiste, com o que ouve, com o que acessa no
decorrer do dia e, principalmente, à noite. Se for assistir algo procurar
programas construtivos.
- Meditação
- Entrar em contato consigo mesmo e com Deus seguindo a orientação de
Santo Agostinho (questão 919 do livro dos espíritos)
- No caso de insônia, fazer algum exercício de relaxamento.
- Oração
- Agenda noturna de atividades em desdobramento – solicitar ao mentor e à
espiritualidade superior com a permissão de Deus (estudar, participar de
palestras ou cursos, atividades caritativas, reencontrar com entes queridos
que já desencarnaram, estar ao lado do mentor espiritual, trabalhar no auxílio
ao próximo).Assim, enquanto o corpo repousar estaremos convivendo com
amigos e mentores, aprendendo e servindo, como um ensaio feliz para a
transferência definitiva, quando a morte nos convocar.
Prece – Minha alma vai estar por alguns instantes com os outros espíritos.
Venham os bons ajudar-me com seus conselhos. Faze, meu anjo guardião,
que, ao despertar, eu conserve durável e salutar impressão desse convívio.
(esse – coletânea de preces, item 39)
Ao acordar:
- Oração
Extrair sempre os objetivos edificantes desse ou daquele painel entrevisto em
sonho. Em tudo há sempre uma lição.
Repudiar as interpretações supersticiosas que pretendam correlacionar os
sonhos com jogos de azar e acontecimentos mundanos, gastando preciosos
recursos e oportunidades da existência em preocupação viciosa e fútil.
- Caso queira, registre o sonho em um caderno
Objetivos elevados, tempo aproveitado.
Quanto mais nos prepararmos para dormir, quanto mais nos reformarmos
intimamente, mais teremos consciência,lembranças das experiências vividas
durante o sono (emancipação)
Maneira de orar – evangelho segundo o espiritismo – cap. XXVII, item 22.
26
8.2 – Visitas espíritas entre pessoas vivas
413 – Do princípio da emancipação da alma durante o sono, parece
resultar que temos uma dupla e simultânea existência: a do corpo que
nos dá a vida de relação exterior e a da alma que nos dá a vida de relação
oculta; isto é exato?
No estado de emancipação, a vida do corpo cede lugar à vida da alma; mas
não são, propriamente falando, duas existências: são mais duas fases da
mesma existência, porque o homem não vive duplamente.
Comentários:
A vida é uma só, desde o princípio espiritual quando ainda estagiamos no
reino mineral, no reino vegetal e no reino animal.
É apenas uma existência que tem duas fases:
- Quando está em vigília (acordado) que é a vida de relações exteriores,
mais extensiva.
- Quando está em desdobramento pelo sono ou desdobramento mediúnico
tem a oportunidade de viver a vida de espírito.
Seria muito difícil para o Espírito viver uma reencarnação inteira
permanentemente preso na carne. Essafase de desdobramento é o momento
em que o espírito consegue se libertar, mesmo que parcial. É como se fosse
um descanso do cárcere do corpo físico.
Então Deus permite através do desdobramento (1/3 do dia) nós vivermos
momentos de alívio, de liberdade do corpo físico.
414 – Duas pessoasque se conhecempodem se visitar duranteo sono?
Sim, e muitas outras que creem não se conhecerem,se reúnem e conversam.
Podes ter,sem disso suspeitar,amigos em outro país. O fato de ir ver, durante
o sono, os amigos, os parentes, os conhecidos, as pessoas que vos podem
ser úteis, é tão frequente que o fazeis quase todas as noites.
Comentários:
Durante o desdobramento pelo sono nos encontramos com outras pessoas,
nossos familiares, amigos dessa existência atual, como também de outras
LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS
Capítulo VIII – Emancipação da Alma
27
existências que podem estar encarnados em outros países e não as
conhecemos nessa reencarnação.
Isso é um fato. É real. Assim como há a rotina na vida material (em vigília), há
a rotina na vida espiritual (durante o sono).
Há uma vida de relação. Nos encontramos, conversamos, aprendemos,
crescemos.
O desdobramento nos proporciona o encontro não apenas com espíritos
desencarnados, mas também com espíritos encarnados também em
desdobramento pelo sono.
Isso é muito comum. Durante a noite (durante o sono)fazermos essas visitas.
É comum nós mesmos encarnados continuarmos fazendo cursos juntos na
Espiritualidade.
415 – Qual pode ser a utilidade dessas visitas noturnas, uma vez que
delas não nos lembramos?
Fica, comumente,ao despertar,uma intuição que é, frequentemente,a origem
de certas ideias que vêm espontaneamente, sem que se as explique, e que
não são outras que aquelas adquiridas nessas conversas.
Comentários:
Às vezes a necessidade que temos não é de lembrar de toda a vivência
espiritual durante o sono, mas a intuição que fica dos conhecimentosobtidos,
dos diálogos nesse período é que é importante para nós.
No momento que necessitarmos daquela informação ela nos vem.
São essas ideias que nos vem, que muitas vezes não sabemos de onde
vem, é que partem dessas conversas realizadas durante o desdobramento
espiritual.
Se fosse inútil, se nada fosse aproveitado durante o período de
desdobramento pelo sono, não teríamos condições e nem motivos para
lembrar de nada, de determinadas passagens, de determinadas imagens.
Se lembramos é porque tem utilidade em algum momento da nossa vida
atual. Saindo do subconsciente e vindo para o consciente.
28
416 – O homem pode provocar as visitas espíritas pela sua vontade?
Pode ele, por exemplo, dizer ao dormir: esta noite eu vou me encontrar,
em espírito, com tal pessoa, falar-lhe e dizer-lhe tal coisa?
Eis o que se passa: o homem adormecendo,seu espírito desperta,e o que o
homem resolveu,o espírito, frequentemente,estábem longe de seguir,porque
a vida do homem interessa pouco ao Espírito, quando este está desprendido
da matéria. Isto se aplica aos homens já muito elevados;os outros passam de
outra forma sua existência espiritual: entregando-se às suas paixões ou
permanecendo na inatividade. Pode, pois, acontecer que, segundo o motivo
pelos quais se propôs, o espírito vá visitar as pessoas que deseja; mas sua
vontade, no estado de vigília, não é uma razão para que o faça.
Comentários:
Há várias situações para que esse encontro possa ocorrer ou não.
O Espírito ao despertar, ao estar vivenciando a vida de Espírito tem outros
interesses que são muito mais amplos e intensos.(A nossafamília espiritual é
ampla. Quantos pais, quantas mães já tivemos?)
Os Espíritos mais evoluídos possuem interesse mais nobres. Não vai perder
tempo para encontrar pessoas que almeja encontrar enquanto está no
momento de vigília. Com as percepções ampliadas, seus interesses também
se ampliam.
Espíritos que se encontram escravizados às paixões darão vazão aos seus
instintos inferiores, buscando aquilo que lhe atrai.
Mas também pode acontecer que o Espírito vá ao encontro daqueles que
deseja encontrar.
Pode acontecer que essa paixão seja tão forte que escraviza aquele Espírito
e como ele está escravizado, vinculado emocionalmente a determinado
Espírito fará que ele procure aquela pessoa quando está em desdobramento
pelo sono.
E não pelo fato de dizer que gostaria de estar com aquela pessoa,mas pelas
paixões que o atrai.
Depende também daoutra pessoa.Se elaestiver em outra sintonia o encontro
não ocorrerá.
O interesse deve ser mútuo.
417 – Um certo número de Espíritos encarnados pode reunir-se em
assembleia?
29
Sem nenhuma dúvida. Os laços de amizade, antigos ou novos, reúnem,
frequentemente,diversosespíritos,ditososde se encontrarem em assembleia.
Allan Kardec:
Pela palavra antigo é preciso entender os laços de amizade contraídos
em outras existências anteriores. Trazemos, ao despertar, uma intuição
das ideias que adquirimos nessas conversas ocultas, ignorando sua
fonte.
Comentários:
Durante o desdobramento pelo sono podemos estar reunidos com outros
Espíritos encarnados em desdobramento ou com outros Espíritos
desencarnados para participar de reuniões, de assembleias, tendo a
oportunidade de aprender através de palestras, cursos, das artes, de
experiências.
Da mesma forma que em vigília nos reunimos com diversos objetivos,
igualmente, no plano espiritual.
Da mesma forma que aqui buscamos os nossos afins, no plano espiritual
também.
As almas afins que se reúnem para trocar ideias. Assim os bons, assim os
maus. Há as assembleias também daqueles que vivem ainda nas paixões
inferiores.
há assembleias voltadas a todos os assuntos, todos os motivos, todas as
vontades.
As assembleias que André Luizdescreve em NossoLare nas demais obras
da série: Vida no Mundo Espiritual são pessoas extremamente bem-
intencionadas, comprometidas com o Evangelho de Jesus.
Porém, nem todas as reuniões são de nível elevado. Pessoas com
interesses escusos também se reúnem na Espiritualidade para coordenar
seus esforços conforme seus propósitos.
André Luiz traz exemplos das duas vertentes: o bem e a ausência do bem
(mal)
Quanta oportunidade de aprendizado,de progresso nós temos ao participar
desses encontros com ideais elevados e construtivos.
Estar com outras pessoas durante o sono não é ilusão, mas a vivência do
nosso Espírito.
30
418 – Uma pessoaque acreditasseum de seus amigos morto, enquanto
ele não esteja, poderia se encontrar com ele em espírito e saber, assim,
que está vivo? Poderia, nesse caso, ter a intuição ao despertar?
Como espírito, certamente, pode vê-lo e conhecer sua sorte. Se não lhe é
imposta como uma prova a crença na morte do amigo, ele terá um
pressentimento da sua existência, como poderá tê-lo de sua morte.
Comentários:
O Espírito de uma pessoa encarnada, em desdobramento pode pelo
merecimento e permissão de Deus saber da sorte daquela que ele supunha
estar desencarnado e perceber pela intuição que essa pessoa encontra-se
ainda encarnada dando continuidade à sua vida física.
Se não for uma prova, pois por alguma razão, é necessário que pense que
aquela pessoa está desencarnada. Daí não terá a percepção de que outro
ainda está no mundo dos encarnados.
E pode sero contrário também.Caso a outra pessoatenha desencarnado,
se for do merecimento e da permissão de Deus, essa pessoa poderá ter a
noção pela intuição que essa outra pessoa está desencarnada.
Ex: Muito comum entre as mães em que os filhos saem, desaparecem e
não enviam notícias.
31
8.3 – Transmissão oculta do pensamento
419 – Por que a mesma ideia, a de uma descoberta, por exemplo, se
produz sobre vários pontos ao mesmo tempo?
Já vos dissemos que,durante o sono,os espíritos se comunicam entre si. Pois
bem, quando o corpo desperta, o espírito se lembra do que aprendeu e o
homem acredita tê-lo inventado. Assim, vários podem encontrar a mesma
coisaa um só tempo.Quando dizeis que uma ideiaestá no ar, usais uma figura
mais justa do que acreditais.Cada um contribui em propagá-la, sem suspeitar.
Allan Kardec:
Nosso Espírito revela,assim, frequentemente,a outros Espíritos e sem o
nosso conhecimento, o que se faz objeto de nossas preocupações
durante a vigília.
Comentários:
Nós temos uma realidade Espiritual muito mais rica do que a nossa vivência
material que o nosso corpo físico permite.
Temos uma vivência mental muito intensa.
Às vezes uma determinada ideia, uma determinada descoberta surge em
vários pontos do planeta ao mesmo tempo. Isso ocorre que durante o
desdobramento pelo sono quando encontramos diversas pessoas,colocamos
nossas ideias, trocamos informações propagando o conhecimento e
recebendo orientação da Espiritualidade sobre determinado assunto,
determinado tema. – Não recebemos pronto, temos que fazer a nossa parte,
buscando a aprendizagem, o conhecimento como mérito para evoluir.
Ao acordarmos trazemos no íntimo as intuições para podermos
desenvolver ideias que muitas vezes são necessárias para o progresso da
humanidade.
A Espiritualidade não vai limitar as ideias para o avanço da humanidade a
uma única pessoa, propagando aquela ideia a várias pessoas ao mesmo
tempo. Todos aptos a receber aquela ideia pela intuição.
Isso é um indicativo de que todos aqueles Espíritos dialogaram, trocaram
informações,participaram de encontros,de palestras,de experiênciaspráticas
propagando a ideia em vários pontos do planeta ao mesmo tempo.
Ao acordarem, lembram-se da chave que lhes faltava para completar seu
ideal, e como foram muitos os que ali estiveram em assembleia, vindos de
LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS
Capítulo VIII – Emancipação da Alma
32
vários países, as “descobertas” surgem simultaneamente em vários lugares
do globo,uns mais atrasados e outros com certadianteira, tudo de acordo com
a percepção de cada criatura e determinação do plano espiritual.
Dessa forma uma mesma ideia é percebida por várias pessoas em vários
lugares ao mesmo tempo ou em tempos próximos. Como também, uma
“descoberta” ou ideia é sequência de outra.
- Na ciência, na arte, na organização social, na tecnologia, ou seja, em
todos os setores.
Somos instrumentos da Divindade para aquela “descoberta”, naquele
momento, naquele planeta, junto àquela humanidade.
Não somos descobridores de nada, somos apenas instrumentos da
Divindade. Quando a ideia chega por aqui há muito tempo já estava na
Espiritualidade. Tudo aqui é cópia pálida da verdadeira realidade.
Devemos usar da humildade para reconhecer essa verdade.
420 – Podem os Espíritos se comunicar,se o corpo está completamente
desperto?
O espírito não está encerrado no corpo como numa caixa: ele irradia portodos
os lados. Por isso, ele pode se comunicar com outros espíritos mesmo no
estado de vigília, ainda que o faça mais dificilmente.
Comentários:
A matéria (corpo)impede amanifestação do Espírito em vários pontos,mas
não elimina completamente a sua capacidade de comunicação.
Telepatia – comunicação direta e a distância entre duas mentes, ou
conhecimento, poralguém,dos processosmentais de outrem,além dos limites
da percepção ordinária.
Há várias pessoas que conseguem comunicar-se portelepatia. Basta haver
a sintonia de pensamentos, de emoções e de fluidos.
É muito comum entre casais, irmãos gêmeos, mães e filhos. Depende da
afinidade e da sintonia. Pensam a mesma coisa. Todos nós temos a
capacidade de comunicarmos por telepatia estando em estado de vigília.
À medidaque formos evoluindo perceberemosque ahabilidade de telepatia
será mais natural e frequente em nossas vidas.
De Espírito para Espírito se dá a comunicação, estejam eles encarnados
ou desencarnados. O pensamento fala onde quer que seja.
33
421 – Por que duas pessoas, perfeitamente despertas, têm
instantaneamente a mesma ideia?
São dois espíritos simpáticos que se comunicam e veem, reciprocamente,
seus pensamentos, mesmo quando o corpo não dorme.
Allan Kardec:
Há, entre os Espíritos que se encontram, uma comunicação de
pensamentos que faz duas pessoas se verem e se compreenderem sem
necessidade dos sinais exteriores da linguagem. Poder-se-ia dizer que
elas falam a linguagem dos espíritos.
Comentários:
São Espíritos simpáticos. O amor, a simpatia, os sentimentos, a energia
vibracional entre as pessoas faz com que estejam sempre conectadas umas
às outras.
Essa conexão envolve também pensamentos. Essas pessoas têm certa
afinidade de princípios, de pensamentos e de ideias. Isso faz com que
consigam captar o pensamento uma da outra. É como se já estivessem se
comunicando com a linguagem dos Espíritos (Extrassensorial) que é a
linguagem do pensamento.
Todo Pensamento irradia as características do estado mental que o envolve
(felizes ou menos felizes).
Cada Espírito, segundo a Codificação, é uma unidade indivisível, que pode
irradiar seus pensamentos para diversos pontos sem que se fracione para tal
efeito.
Pelos desejos,pelafixação de seus interesses, emitem e captam certa ordem
de ideias em regime de influência recíprocas. (sintonia).
Devemos observar quais são os pensamentos que estamos emitindo,pois são
eles que nos conectam a pensamentos semelhantes.
34
8.4 – Letargia, catalepsia e mortes aparentes
Letargia (do latim lethargia: "lethe" — "esquecimento" — e "argia" — "inação") é a perda
temporária ou completa da sensibilidade e do movimento por causa fisiológica, ainda não
identificada, levando o indivíduo a um estado mórbido, em que as funções vitais estão
atenuadas de tal forma que parece estarem suspensas, dando ao corpo a aparência de
morte.
A pessoa fica imóvel, os membros pendentes sem rigidez alguma, a respiração e o pulso
ficam praticamente imperceptíveis, as pupilas dilatadas e sem reação à luz. Há casos em
que a pessoa, apesar da inércia absoluta, tudo percebe e compreende, mas se encontra
totalmente impossibilitado de reagir de qualquer forma. Por motivo da atividade psíquica
conservada durante esse estado letárgico, dá-se o nome de letargia lúcida.
Antigamente, devido à falta de recursos da medicina, havia casos de pessoas dadas como
mortas e que, posteriormente, no caso de exumações, verificou-se que o cadáver se
encontrava em posiçãodiferente da qual fora colocado no caixão ou de tampas arranhadas,
sugerindo que tais pessoas foram enterradas vivas durante um estado letárgico. Atualmente
a medicina reconhece como mortas somente as pessoas que não apresentem nenhuma
atividade cerebral, o que impossibilitaria tal fato. Há o auxílio dos aparelhos que detectam
aas funções vitais.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Letargia
A catalepsia é um distúrbio em que a pessoa não consegue se movimentar devido a rigidez
muscular, não sendo capaz de mexer os membros, a cabeça e até sendo incapaz de
falar. No entanto, todos seus sentidos e funções vitais continuam funcionando
corretamente, o que pode causar extrema sensação de pânico e ansiedade.
Esta condição geralmente se mantém por alguns minutos, mas, em casos mais raros, pode
continuar por várias horas. Por esse motivo, existem histórias de pessoas que foram
enterradas vivas durante um estado cataléptico, o que hoje em dia seria impossível, já que
existem aparelhos que detectam as funções vitais, como é o caso do eletroencefalograma
e do eletrocardiograma.
https://www.tuasaude.com/catalepsia/
A letargia e a catalepsia tem o mesmo fundamento: a perda temporária da sensibilidade e
do movimento decorrente de uma causa fisiológica ainda não completamente estabelecida.
A diferença entre as duas reside no fato de que na letargia a paralisação do corpo é geral,
os membros pendentes, sem rigidez e dá ao corpo a aparência de morte, enquanto que na
catalepsia, a paralisação é localizada, os membros rijos, podendo atingir uma parte mais
ou menos extensa do corpo.
http://espiritismocursos.blogspot.com/2016/10/22-aula-parte-curso-aprendizes-do.html
LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS
Capítulo VIII – Emancipação da Alma
35
https://espiritismodaalma.wordpress.com/2019/02/09/desdobramento-catalepsia-e-
letargia-fenomenos-espirituais/
422 – Os letárgicos e os catalépticos veem e ouvem, geralmente, o que
se passa ao seu redor, mas não podem se manifestar; é pelos olhos e
orelhas do corpo?
Não, pelo Espírito. O Espírito se reconhece, mas não pode se comunicar.
422.a) Por que ele não pode se comunicar?
O estado do corpo se opõe aisso.Estado particular dos órgãos vos dá a prova
de que há, no homem,outra coisaalém do corpo,visto que o corpo não tendo
mais função, o Espírito age.
Comentários:
Letargia e catalepsia– quando há a paralisação total ou parcial do corpo físico.
No caso da paralisação total, fornece a ideia de uma morte aparente.
O corpo físico depende dos órgãos para manter suas relações com o mundo
exterior, ou seja, necessitados olhos para ver, dos ouvidos para ouvir, mas o
Espírito tem suas percepções em todo o corpo perispiritual. São percepções a
360°.
Os letárgicos e os catalépticos estão nessa condição de ausentes do corpo
físico. Não dependem das reações físicas, tendo uma percepção ampla de
tudo o que envolve.
Durante esse período o Espírito não fica preso ao corpo físico. O Espírito se
emancipa vivenciando a vida de Espírito
Nessas situações o Espírito se mantém lúcido, tendo consciência de tudo o
que está acontecendo ao seu redor. Porém não consegue exprimir as suas
percepções em função da paralisação orgânica.
Letra A:
O corpo está adormecido, está inerte naquele momento.
O Espírito está desprendido e não pode contar com o seu corpo para se
comunicar. Daí a impossibilidadedo letárgico oucataléptico se comunicarcom
outras pessoas.
Desprendido do corpo (parcialmente) o Espírito passa a ter mais liberdade
para se comunicar com aqueles que podem se comunicar com ele, mas fica
impossibilitado da comunicação com outros seres encarnados.
36
423 – Na letargia, o Espírito pode se separar inteiramente do corpo, de
maneira a dar-lhe todas as aparências da morte e voltar em seguida?
Na letargia o corpo não está morto, já que há funções que permanecem. A
vitalidade aí está em estado latente, como na crisálida, mas não está
aniquilada. Ora, o Espírito está unido ao corpo, tanto que ele vive. Uma vez
rompidos os laços pela morte real e a desagregação dos órgãos,a separação
é completa e o Espírito aí não retorna mais. Quando um homem que tem as
aparências da morte retorna à vida, é porque a morte não havia se
completado.
Comentários:
A separação integral do Espírito com o corpo físico só acontece com a morte.
A tese da ressurreição dos mortos – o Espírito retornaria e assumiria o seu
corpo. Tese bem antiga, desde o Egito antigo – Embalsamar o corpo para
deixa-lo protegido para quando sua alma retornasse o corpo estaria
preservado.
A doutrina Espírita e a própria ciência demonstram de forma clara que uma
vez ocorrida a desagregação molecular dos órgãos não tem como o Espírito
retornar para aquele corpo.
Rompidos os laços que prendem o corpo físico ao perispírito, não tem como
retornar.
O Espírito reencarna, mas o corpo não ressuscita.
A letargia é uma morte aparente.
A pessoa,no estado de letargia, seu corpo não está morto. Está apenas com
as funções paralisadas, mantendo o fluido vital e as funções básicas em
atividade (mesmo que esteja imperceptível) para se manter vivo, pois o
Espírito ainda está ligado ao corpo.
A letargia – quando o organismo fica paralisado e o Espírito perde o seu
domínio sobreo corpo.O Espírito tem avida de Espírito,podever,ouvir, sentir,
perceber, mas não tem como agir fisicamente com o seu corpo.
A alma, ainda estandoligadaao corpo físico,em muitoscasos pode a ele voltara viverno seu instrumento
físico, mas, depois que se romperemesses laços espirituais,terminou sua atividade no mundo das formas,
como Espírito encarnado. Somente resta a esperança de reencarnar em novo corpo, para novas tarefas
evolutivas.Nãosendocompletaamorte,há meiosdoEspírito retornaràs suasfunçõese comandaros seus
órgãos e todo o seu corpo, para continuar a sua tarefa, em nome de Deus.
Exemplos:
- A filha de Jairo – A Gênese – Capítulo XV, item 37, pág. 217
- O Filho da viúva de Naim – A Gênese – Capítulo XV, item 38, pág. 218
- A ressurreição de Lázaro – João 11:1-44
37
424 – Pode-se, por meio de cuidados dados a tempo, reatar os laços
prestes a se romper e tornar à vida um ser que, por falta de socorro,
estaria definitivamente morto?
Sim, sem dúvida, e disso tendes, todos os dias, a prova. O magnetismo é,
nesse caso, um poderoso meio porque restitui ao corpo o fluido vital que lhe
falta e que era insuficiente para manter o funcionamento dos órgãos.
Comentários:
Nós temos diversos exemplos de pessoas que quase morrem, quase
desencarnam, mas por uma ação de outra pessoa pode retornar à vida.
Enquanto não houver o completo desligamento do perispírito em relação ao
corpo físico é possível que através de novos fluidos vitais que possam
revigorar o corpo debilitado e a vida ser restituída.
Nós podemos doar o fluido vital.
O passe espírita que é uma transfusão energética, uma transfusão
espiritual e magnética é um desses instrumentos para que possa repor o
potencial energético para a manutenção da vida orgânica.
Através do fluido pelo passe auxiliamos na troca das células mal sãs por
células salutares, restituindo no corpo físicoasaúde e o bem-estar.O médium
generoso é capaz de assimilar o fluido universal, transformando-o em
magnetismo animal e, se em torno de si existem companheiros de alta
linhagem espiritual, é possívellevantarcaídos,curarenfermos e mesmoreatar
laços quase a serem desfeitos, mudando completamente o quadro da
situação.
Jesus fez isso muitas vezes durante sua passagem aqui no plano físico,
através do seu fluido magnético divino. conhecedor de todos os segredos da
vida humana, dava apenas uma ordem ao moribundo e restabeleciatodas as
funções dos seus órgãos em decadência.Assim fazia com os cegos,leprosos
e mesmo com os tidos como mortos. Era a força poderosa da Sua mente,
carregada de magnetismo divino.
Recomenda-se:
- O passe bem orientado
- A água fluidificada
- A leitura nobre
- Conversações edificantes.
- Pensamentos e ações voltados para o bem.
38
Allan Kardec:
A letargia e a catalepsia têm o mesmo princípio, que é a perda
momentâneada sensibilidadee do movimento porumacausafisiológica,
ainda inexplicada. Elas diferem em que, na letargia, a suspensão das
forças vitais é geral e dá ao corpo todas as aparências da morte, e, na
catalepsia, ela é localizada e pode afetar uma parte mais ou menos
extensa do corpo, de maneira a deixar a inteligência livre para se
manifestar, o que não permite confundi-la com a morte. A letargia é
sempre natural;a catalepsia é,algumasvezes,espontânea,mas pode ser
provocada e desfeita artificialmente pela ação magnética.
Comentários:
Letargia – sempre natural – causas fisiológicas ainda desconhecidas
(inexplicada) até mesmo para a Ciência. Não tem uma causa externa. É o
próprio organismo.
Catalepsia – pode sernatural ou provocada – Pode ocorrerem função de uma
doença, produtos alucinógenos, desequilíbrio emocional, etc. Algo que possa
provocar uma situação cataléptica no corpo.
Outra letargia e outra catalepsia piores que as do corpo, são aquelas dos
sentimentos espirituais, dos que dormem no mal.
Os seres humanos que param nas paixões inferiores se encontram em estado
de letargia profunda, da qual podem demorar a se desligar.
Outros, estão envolvidos na catalepsia do crime e da violência, vindo, depois,
a sofrerem as consequências da aceitação desse estado anormal.
A cabeçado indivíduo que somente forma ideias perniciosas está em fase de
horrível catalepsia e somente o tempo, a ajuda dos benfeitoresespirituais e a
sua boa vontade poderão ajudá-lo a sair dessas trevas. As sequelas ainda o
acompanham por muito tempo.
Os que ainda se encontram na letargia do egoísmo, do orgulho, da vaidade,
do ciúme e da violência demoram muito tempo recebendo a dor como terapia
divina, para despertar do sono e fazer lugar com certas reformas no mundo
íntimo, ao amor, à paz e ao desprendimento, dedicando-se ao perdão sem
condições, com pulso forte, para a conquista da fraternidade.
O Espiritismo com o Cristo tem o poder de nos acordar para a luz de Deus,
moldando as nossas forças paraas forças do bem,conduzindo-nos para a paz
de consciência.
39
Deus criou apenas três coisas: o princípio material (matéria), o princípio
espiritual (Espírito) e definiu as leis que regem esses dois princípios. A partir
daí entra o cumprimento dessas leis com as infinitas combinaçõesdamatéria,
e, através do automatismo da natureza repete-se os processos.Ex:a semente
germinando (plantas), a reprodução física dos seres ocorre através da
fecundação pelo processo da interação macho e fêmea.
Do princípio espiritual, advém o Espírito.O princípio espiritual inicia começao
seu processo de aprimoramento,de crescimento,de conhecimento láno reino
mineral.
O princípio espiritual anima o reino mineral, após milhões de anos migra para
o reino vegetal (com funções biológicas), após outros milhões de anos está
ele no reino animal (com funções mais complexas), vai adquirindo sua
individualidade, mais uma sequência de milhões de anos de aperfeiçoamento
é galgado à condição de Espírito. Nessa condição de Espírito passa a
participar do reino hominal fazendo parte da humanidade.
Quando o princípio espiritual passa à condição de Espírito, normalmente, ele
habita mundos primitivos, quando esses seres começam a encarnar e
reencarnar em corpos humanos iniciando a fase de crescimento do Espírito
que busca a perfeição relativa.
O princípio material dá a origem a uma matéria básica da natureza chamada
Fluido Cósmico Universal. Desse fluido advém os elementos químicos
(contidos na tabela periódicade química) e através das diversas combinações
desses elementos formam-se a infinita diversidade da matéria. O princípio
material fornece todas as condiçõespara que haja todas as manifestaçõesda
matéria.
Nesses dois princípios (material e espiritual) se baseia toda a vida universal a
partir da criação divina.
40
A filha de Jairo
37. Tendo Jesus passado novamente, de barca, para a outra margem, logo
que desembarcou grande multidão se reuniu em torno dele.
Então, um chefe de sinagoga, chamado Jairo, veio ao seu encontro e, ao
aproximar-se dele, se lançou aos seus pés — a suplicar com insistência,
dizendo: “Tenho uma filha que está no momento extremo, vem impor-lhe as
mãos para a curar e lhe salvar a vida.”
Jesus foi com ele, acompanhado de grande multidão, que o comprimia.
Quando Jairo ainda falava, vieram pessoas que lhe eram subordinadas e lhe
disseram:“Tua filha está morta; por que hás de dar ao Mestre o incômodo de
ir mais longe?” — Jesus, porém, ouvindo isso, disse ao chefe da sinagoga:
“Não te aflijas, crê apenas.” — E a ninguém permitiu que o acompanhasse,a
não ser Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago.
Chegando à casa do chefe da sinagoga, viu Ele uma aglomeração confusade
pessoas que choravam e soltavam grandes gritos. — Entrando, disse-lhes Ele:
“Por que fazeis tanto alarido e por que chorais? Esta menina não está morta,
está apenas adormecida.” — Zombavam dele. Tendo feito que toda a gente
saísse, chamou o pai e a mãe da menina e os que tinham vindo em sua
companhia e entrou no lugar onde a menina se achava deitada.
— Tomou-lhe a mão e disse: “Talita cumi”, isto é, “minha filha, levanta-te, eu
to ordeno.”
— No mesmo instante a menina se levantou e se pôs a andar, pois contava
doze anos, e ficaram todos maravilhados e espantados. (Marcos, 5:21, 35 a
42.)
O filho da viúva de Naim
38. No dia seguinte, Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim;
acompanhavam-no seus discípulos e grande multidão. — Quando estava
perto da porta da cidade, aconteceu que levavam um morto para ser
sepultado, filho único de sua mãe; e essa mulher era viúva; estava com ela
grande número de pessoas da cidade. — Tendo-a visto, o Senhor se tomou
de compaixão para com ela e lhe disse: “Não chores.” — Depois,
aproximando-se,tocouo esquife e os que o conduziam pararam. Então, disse
Ele: “Jovem, levanta-te, eu o ordeno.” — Imediatamente o moço se sentou e
começou a falar. E Jesus o restituiu à sua mãe.
Todos os que estavam presentes ficaram tomados de espanto e glorificavam
a Deus, dizendo: “Um grande profeta surgiu entre nós e Deus visitou o seu
povo.” — O rumor desse milagre que Ele fizera se espalhou por toda a Judeia
e por todas as regiões circunvizinhas. (Lucas, 7:11 a 17.)
41
Comentários:
Não podemos afirmarcom absoluta certeza se nos casos do filho da viúva de
Naim e da filha de Jairo teria ocorrido um estado de catalepsia ou de letargia,
pois não há dados suficientes nos relatos bíblicos para que possamos
distinguir um fenômeno do outro. De qualquer maneira, podemosafiançar que
nos dois casos temos uma morte aparente, condição revertida pela pronta
atuação magnética de Jesus. Caso isso não tivesse ocorrido, provavelmente
os dois teriam sido sepultados sem estarem ainda mortos, fato que acontecia
com frequência em épocas onde a Medicina não se encontrava devidamente
desenvolvidapara diagnosticare registrar as funções vitais, como o batimento
cardíaco e a atividade cerebral, de maneira eficaz como acontece na
atualidade.
A ressurreição de Lázaro
Estava, porém, enfermo um certo Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta.
E Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com unguento, e lhe tinha enxugado os pés
com os seus cabelos, cujo irmão Lázaro estava enfermo.
Mandaram-lhe, pois, suas irmãs dizer: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas.
E Jesus, ouvindo isto, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus,
para que o Filho de Deus seja glorificado por ela.
Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro.
Ouvindo, pois, que estava enfermo, ficou ainda dois dias no lugar onde estava.
Depois disto, disse aos seus discípulos: Vamos outra vez para a Judéia.
Disseram-lhe os discípulos: Rabi, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e tornas
para lá?
Jesus respondeu: Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque
vê a luz deste mundo; Mas, se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz.
Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do
sono.
Disseram, pois, os seus discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo.
Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono.
Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto; E folgo, por amor de vós, de que eu
lá não estivesse, para que acrediteis; mas vamos ter com ele.
Disse, pois, Tomé, chamado Dídimo, aos condiscípulos: Vamos nós também, para
morrermos com ele.
Chegando, pois, Jesus, achou que já havia quatro dias que estava na sepultura. (Ora
Betânia distava de Jerusalém quase quinze estádios.)
E muitos dos judeus tinham ido consolar a Marta e a Maria, acerca de seu irmão.
42
Ouvindo, pois, Marta que Jesus vinha, saiu-lhe ao encontro; Maria, porém, ficou assentada
em casa.
Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.
Mas também agora sei que tudo quanto pedires a Deus, Deus to concederá.
Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar.
Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia.
Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto,
viverá;
E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?
Disse-lhe ela: Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao
mundo.
E, dito isto, partiu, e chamou em segredo a Maria, sua irmã, dizendo: O Mestre está cá, e
chama-te.
Ela, ouvindo isto, levantou-se logo, e foi ter com ele. (Pois, Jesus ainda não tinha chegado
à aldeia, mas estava no lugar onde Marta o encontrara.)
Vendo, pois, os judeus, que estavam com ela em casa e a consolavam, que Maria
apressadamente se levantara e saíra, seguiram-na, dizendo: Vai ao sepulcro para chorar
ali.
Tendo, pois, Maria chegado aonde Jesus estava, e vendo-o, lançou-se aos seus pés,
dizendo-lhe: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.
Jesus, pois, quando a viu chorar, e também chorando os judeus que com ela vinham,
moveu-se muito em espírito, e perturbou-se.
E disse: Onde o pusestes? Disseram-lhe: Senhor, vem e vê.
Jesus chorou.
Disseram, pois, os judeus: Vede como o amava.
E alguns deles disseram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer também com
que este não morresse?
Jesus, pois, movendo-se outra vez muito em si mesmo, veio ao sepulcro; e era uma
caverna, e tinha uma pedra posta sobre ela.
Disse Jesus: Tirai a pedra. Marta, irmã do defunto, disse-lhe: Senhor, já cheira mal, porque
é já de quatro dias.
Disse-lhe Jesus: Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus?
Tiraram, pois, a pedra de onde o defunto jazia. E Jesus, levantando os olhos para cima,
disse: Pai, graças te dou, por me haveres ouvido.
Eu bem sei que sempre me ouves, mas eu disse isto por causa da multidão que está em
redor, para que creiam que tu me enviaste.
E, tendo dito isto, clamou com grande voz: Lázaro, sai para fora.
E o defunto saiu, tendo as mãos e os pés ligados com faixas, e o seu rosto envolto num
lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o, e deixai-o ir.
João 11:1-44
Jesus não lamentaria a morte, pois foi Ele o portador da imortalidade.
43
Jesus chorouporaqueles corações paraos quais expuserasublimes lições do
seu amor e, ainda não O haviam compreendido. Até hoje não O
compreendemos.
Jesus chorou pela ignorância de que os homens eram e somos portadores.
Comentários:
No relato de Lázaro, acreditamos tratar-se de um estado de letargia, já que se
encontrava “sepultado há quatro dias e cheirava mal”. Não é incomum a
decomposição de um membro nesses casos.
Lázaro, portanto, em estado letárgico, apresentava-se com perda total dos
movimentos,mas suas funções vitais pertinentes ao corpo físicocontinuavam
a ser executadas, embora a sua aparência fosse de morte.
Sabedor deste fato, o Mestre utilizou seu fluido magnético, e mesmo
decorridosvários dias em que Lázaro encontrava-se nesse estado,vitalizou-o
sobremaneira, permitindo que imediatamente a movimentação retomasse.
Todos se maravilharam, pois nada se conhecia a respeito deste assunto.
“O Livro dos Espíritos” explica-nos, em sua questão 422 que os letárgicos e
os catalépticos podem vere ouvir, muitas vezes, o que se passa ao seu redor,
mas não podem comunicar-se, embora mantenham consciência de si
mesmos.
A percepção de tudo o que ocorre ao seu redor é do Espírito imortal, isso
porque não houve ruptura completados laços fluídicos que ligam o Espírito ao
seu corpo físico,o que, caso acontecesse,ocasionaria a morte do corpo. Em
verdade, ocorre nesses casos uma frouxidão maior entre os laços do Espírito
e do corpo,a qual permite ao Espírito um estado maior de desprendimento da
alma.
44
8.5 – Sonambulismo
425 – O sonambulismo natural tem relação com os sonhos? Como se
pode explicá-lo?
É uma independência da alma, mais completa que no sonho, e nesse caso
suas faculdades estão mais desenvolvidas. Ela tem percepções que não tem
no sonho, que é um estado incompleto de sonambulismo.No sonambulismo,
o Espírito é inteiramente ele mesmo.Os órgãos materiais estando, de alguma
forma, em estado cataléptico, não recebem mais as impressões exteriores.
Este estado se manifesta sobretudo durante o sono e é o momento em que o
Espírito pode deixar provisoriamente o corpo, ficando este entregue ao
repouso indispensável à matéria. Quando os fatos do sonambulismo se
produzem, é que o Espírito, preocupado por uma coisa ou por outra, se
entrega a uma ação qualquerque necessitado uso do corpo,do qualse serve,
então, de um modo análogo ao emprego que faz de uma mesa ou de outros
objetos materiais nos fenômenosde manifestação física,ou mesmo de vossa
mão naqueles de comunicação escrita. Nos sonhos, de que se tem
consciência,os órgãos,incluindo o da memória, começam a despertar; estes
recebem, imperfeitamente, as impressões produzidas pelos objetos ou pelas
causas exteriores, e as comunicam ao Espírito que, também, então, em
repouso,não capta senão sensações confusas e, frequentemente,sem nexo
e sem alguma razão de ser aparente, misturadas que são de vagas
lembranças, seja desta existência, seja de existências anteriores. É fácil,
então, compreender por que os sonâmbulos não têm nenhuma lembrança, e
por que os sonhos, dos quais se conserva a memória, não têm, o mais
frequentemente, nenhum sentido. Eu disse o mais frequentemente, porque
ocorre que eles são a consequência de uma lembrança precisa de
acontecimentos de uma vida anterior, e, algumas vezes mesmo,uma espécie
de intuição do futuro.
Comentários:
Para a ciência:
Sonambulismo – São movimentos e/ou comportamentos que representam
fenômenosfísicosdecorrentesdaativação do sistemanervoso centrallevando
à queda da qualidade do sono. É um tipo de parassonia (transtornos do sono que
se caracterizam por experiências, comportamentos ou eventos psicológicos anormais, que podem ocorrer
em várias fases do sono, durante a transição entre o sono-vigília, o sono ou o despertar. Ex:
sonambulismo, terrores noturnos, bruxismo, pesadelos e transtornos de movimento)
Episódios de comportamento:
- Levantar-se da cama
- Conversar
LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU
MUNDO DOS ESPÍRITOS
Capítulo VIII – Emancipação da Alma
45
- Perambular pelo quarto ou pela casa
- Despertar sem que a pessoa se lembre na manhã seguinte do episódio
sonâmbulo, etc.
Ocorrência:
- É frequente nas crianças (em torno de 5 anos, com pico de ocorrência na
adolescência) – 15 a 30%
- Nos adultos – Cerca de 1%
- Ocorrem durante o sono delta (sono de ondas lentas, mais profundo)
Não se deve acordar o indivíduo sob o risco de prolongar o episódio de
parassonia, mas a informação de que se o sonâmbulo for acordado pode
morrer, é mito.
(http://www.institutobrasileirodosono.com.br/index.php/disturbios -do-sono)
Para a doutrina Espírita:
Sonambulismo – É um estado de emancipação da alma igualmente no sonho,
porém maior e mais ampla, mais profunda. O Espírito em desdobramento
consegue se deslocar a regiões mais distantes. O cérebro material fica mais
longe do corpo perispiritual.
O perispírito ficaligado com um fio muito tênue (delicado,leve)ao corpo físico.
É como se estivesse quase livre, pleno em sua vida de Espírito.
Durante o sono, o Espírito se desprende do corpo físico, tem as suas
experiências que podem ficar registradas no nosso cérebro. Por isso que nós
lembramos no dia seguinte.
No caso do sonâmbulo é um aprofundamento maiorno sono,pois a separação
do Espírito (perispírito) em relação ao corpo físico é maior. Não é definitiva,
pois a separação definitiva só acontece com a morte do corpo físico e a
separação dos laços que unem o Espírito ao corpo.
A liberdade que o Espírito sente durante o estado sonambúlico é maior que a
liberdade que ele tem durante o sono físico, havendo maior disponibilidade
das faculdades espirituais para a experiência do Espírito. Que são mais
profundas.
As percepções do corpo físico no tocante o que acontece ao Espírito é muito
menor. Por isso, o Espírito ao despertar no corpo físico não lembra do que
vivenciou em estado de sonambulismo.
Como está vivendo inúmeras experiências no plano espiritual, em
determinadas situações, ele pode precisar estar fazendo alguma coisa que
necessita do corpo físico. Por isso utiliza o corpo físico para realizar as suas
46
necessidades sendo executadas em Espírito em outro lugar e, não
necessariamente perto do corpo.
Na realidade não necessita do corpo físico para a realização das suas
atividades, porém acredita que precisa e vai se servir desse como se utiliza
qualquer outro objeto ou da mão do médium para a escrita. A alma não está
ali. Está muito longe.
Durante o estado sonambúlico o corpo está cataléptico (paralisado), mas o
Espírito usando do fluido magnético fazcom que o corpo haja e obedeçaa sua
vontade, daí a razão de alguns sonâmbulos fazer determinadas coisas e no
dia seguinte não se lembrar de nada, pois aquelas ações não estavam
impactando o cérebro e nem os demais órgãos sensoriais.
O Espírito utiliza o corpo como se fosse qualquer outro objeto. É a ação
magnética coordenada pelo Espírito no corpo material
Ex: as mesas girantes. Uso do fluido magnético dos médiuns para a mesa
levantar e girar. A ação magnética coordenadapelo Espírito sobre a matéria.
O sonâmbulo atua sob a influência do próprio Espírito.
Nos domínios da mediunidade – Cap. 8 e 10.
Mecanismos da mediunidade – Cap. 13
Evolução em dois mundos – Cap. 01
Gênese – Princípio Vital (Cap. X, pág. 127) – Fluidos (Cap. XIV, pág. 178)
Livro dos Médiuns – item 172 e 173
426 – O sonambulismo chamado magnético tem relação com o
sonambulismo natural?
É a mesma coisa, exceto que ele é provocado.
Comentários:
O sonambulismo magnético é aquele provocado pelos homens
(magnetizador, hipnotizador). – Paralisa a pessoa. Faz a pessoa dormir.
O sonambulismo natural é espontâneo, a pessoa entra em estado
sonambúlico a partir do sono do corpo.
Não devemos estimularo sonambulismo,pois nem todas as pessoas estão
preparadas para as percepções que possam ter, que possam presenciar no
estado de sonambulismo.
47
Às vezes envolvidas pela curiosidade, lhes faltam entendimento sobre o
que acontece durante o processo de sonambulismo, lhes falta maturidade
espiritual.
É necessário estudar, conheceros processosde emancipação da alma, se
preparar para as vivências de Espírito.
Se acessarmos determinadas informaçõessem o devidopreparo,podemos
nos desequilibrar.
427 – Qual a natureza do agente chamado fluido magnético?
Fluido vital, eletricidade animal, que são modificações do fluido universal.
Comentários:
Deus:
— Inteligência Suprema, causa primeira de todas as coisas.
— Deus é o criador de tudo.
— Deus é o princípio dos princípios.É a causa primeira de tudo.
— É uma força superior que direciona todas as coisas.
— Deus é amor.
48
Criação:
— São criação Divina toda a Espiritualidade, todos os seres animados e
inanimados, todos os astros que se movem no espaço, assim como os
fluidos que o enchem.
— Deus criou os dois princípios constitutivos do Universo: o Princípio Material
e o Princípio Espiritual e suas respectivas Leis.
Princípio Espiritual / Princípio inteligente
— É o elemento inteligente do Universo que age em tudo e por toda parte, sob
o impulso do pensamento divino. (A Gênese – pág. 142 – 3.º § do item 28)
Objetivo: atingir a perfeição;
Criação: simples e ignorante;
Dinâmica: individualização e evolução.
Espírito
— É a individualização do princípio inteligente assim como o corpo é a
individualização do princípio material. Essa individualização do princípio
inteligente se efetua numa série de existências que precedem o períododa
Humanidade.
— Ser eterno, criado por Deus, simples e ignorante, sem ciência, com a
missão de progressivamente, alcançar a perfeição atingindo a felicidade
eterna.
Princípio Material
Objetivo: permitir a manifestação do espírito;
Criação: estado de pureza absoluta;
Dinâmica: transformação, combinações.
Fluido Cósmico Universal
— O FCU ou Fluido Cósmico Universal foi o nome dado pelos Espíritos ao
fluido elementar imponderável que serve como intermediário entre o
Espírito e a matéria.
— Sofre infinitas metamorfoses através das infinitas combinações dando
origem a diversos fluidos, diversos tipos de matéria.
— Dois estados do Fluido Cósmico Universal (FCU):
— Matéria Ponderável: é a matéria do mundo físico que preenche o mundo
dos encarnados e dá origem aos corpos físicos.
49
— Matéria Imponderável: é a matéria do mundo espiritual. Forma o
perispírito, as construções do mundo espiritual e os fluidos espirituais.
Matéria e Energia
— Matéria é o agente, o intermediário com o auxílio do qual e sobre o qual
atua o espírito.
— Todamatéria existente no Universo, visívele invisível, tem origem no fluido
cósmico ou matéria cósmica primitiva.
— Na essência toda matéria é energia tornada visível.
Fluido Vital
— É uma das modificações do Fluido Cósmico Universal
— É responsável pela força motriz, que movimenta os corpos vivos
(orgânicos). Sem ele a matéria é inerte. A matéria sem ele não tem vida,
assim como ele sem a matéria não é vida.
— Os seres orgânicos assimilaram o princípio vital. Cada um tem uma
quantidade de Fluido Vital de acordo com as necessidades.
— Modificando a constituição molecular desse corpo, o fluido vital dá-lhe
propriedades especiais = VIDA.
— A atividade do princípio vital é alimentada durante a vida pela ação do
funcionamento dos órgãos.
— Cessada aquela ação, por motivo da morte, o princípio vital se extingue.
— o Fluido Vital pode ser transmitido de um indivíduo para outro.
Fluido magnético,fluido vital, eletricidade animal são todas modificaçõesdo
fluido cósmico universal.
O fluido magnético estápresente tanto no sonambulismo natural, quanto no
provocado. Por isso Kardec pergunta sobre o fluido magnético.
Os fluidos captam as energias, as sensações, os sentimentos, a evolução
de quem os possui. Os nossos fluidos são carregados de energias boas ou
ruim, conforme o seu possuidor.
Doamos o fluido vital através do passe (magnetização).
O fluido vital é o mesmo princípio do passe espírita.
O passe espírita é misto – se compõe de fluido magnético, elétrico do
organismo do passista e de fluidos espirituais, oriundos da espiritualidade
(mais refinados).
No momento do passe,o passista está ali na função de intermediário entre
a ação da Espiritualidade agindo sobre ele para que possajuntar a emanação
50
de energias espirituais com o seu potencial magnético e magnetizar a pessoa
que está recebendo o passe.
Por isso que o passe espírita requer do passista muito sentimento e
também conhecimentos básicos para que saiba o que está fazendo para que
obtenha maiores efeitos daquela magnetização.
Jesus tinha domínio do princípio materiale do princípio espiritual.Dominava
e manipulava os elementos da natureza. O processo de magnetização de
Jesus ocorria no nível que não conhecemos.
Nós não temos a pureza de coração que precisamos ter e nem o
conhecimento intelectual para o domínio efetivo damatéria (dos elementos da
natureza). Estamos engatinhando.
Se queremos melhorar nossos fluidos, melhoremos a nossa conduta. As
modificações interiores são capazes de gerar as mudanças externas.
Esse fluido vital, eletricidade animalizada, é esse magnetismo do qual
nossas mãos estão carregadas, e que toma a forma que o nosso coração se
dispuser a dar-lhe. Em nossa intimidade, há uma fonte inesgotável; quanto
mais damos, mais temos para distribuir.
Perispírito
É o princípio intermediário, substância semimaterial que serve de primeiro
envoltório ao Espírito e liga a alma ao corpo.
Questões: 27 e 65 a 67.
428 – Qual é a causa da clarividência sonambúlica?
Já o dissemos: é a alma que vê.
Comentários:
Clarividência sonambúlica – É ter uma visão melhor da realidade em um
estado de sonambulismo. A alma está enxergando. Não está limitada pelo
corpo.
Durante o processo de sonambulismo há a emancipação da alma. A alma
se desprende parcialmente do corpo físico, ligada pelo cordão prateado e
vivencia a vida de Espírito, conseguindo acessar o mundo espiritual, os
Espíritos desencarnados, outros Espíritos encarnados em desdobramento.
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma
Capitulo VIII - Emancipacao da alma

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Claudio Macedo
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
Leonardo Pereira
 
A vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hA vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5h
home
 
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan KardecSonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
marjoriestavismeyer
 
Estados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hsEstados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hs
home
 
Desdobramento Espiritual e Transporte
Desdobramento Espiritual e TransporteDesdobramento Espiritual e Transporte
Desdobramento Espiritual e Transporte
paikachambi
 
Magnetismo - Espiritísmo
Magnetismo - EspiritísmoMagnetismo - Espiritísmo
Magnetismo - Espiritísmo
Luan Góes Rocha de Lima
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
duadv
 
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismoSono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Deborah Oliver
 
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdfO esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
Rosimeire Alves
 
Palestra lei destruição
Palestra lei destruiçãoPalestra lei destruição
Palestra lei destruição
Izabel Cristina Fonseca
 
Letargia, catalepsia e sonambulismo
Letargia, catalepsia e sonambulismoLetargia, catalepsia e sonambulismo
Letargia, catalepsia e sonambulismo
marjoriestavismeyer
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Divulgador do Espiritismo
 
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Marta Gomes
 
2.7.3 Faculdades morais e intelectuais do homem
2.7.3   Faculdades morais e intelectuais do homem2.7.3   Faculdades morais e intelectuais do homem
2.7.3 Faculdades morais e intelectuais do homem
Marta Gomes
 
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Elysio Laroide Lugarinho
 
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
Marta Gomes
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
Ponte de Luz ASEC
 
A Prece
A PreceA Prece
2.7.7 Simpatias e antipatias terrestres
2.7.7   Simpatias e antipatias terrestres2.7.7   Simpatias e antipatias terrestres
2.7.7 Simpatias e antipatias terrestres
Marta Gomes
 

Mais procurados (20)

Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
Das penas e recompensas futuras espiritismo o céu e inferno_com_2014
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
 
A vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hA vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5h
 
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan KardecSonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Sonambulismo, êxtase e dupla vista - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
Estados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hsEstados de emancipação da alma-1,5hs
Estados de emancipação da alma-1,5hs
 
Desdobramento Espiritual e Transporte
Desdobramento Espiritual e TransporteDesdobramento Espiritual e Transporte
Desdobramento Espiritual e Transporte
 
Magnetismo - Espiritísmo
Magnetismo - EspiritísmoMagnetismo - Espiritísmo
Magnetismo - Espiritísmo
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
 
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismoSono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
Sono & sonhos ; sonhos; ESDE; espiritismo
 
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdfO esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
O esquecimento do passado - justificativas da sua necessidade.pdf
 
Palestra lei destruição
Palestra lei destruiçãoPalestra lei destruição
Palestra lei destruição
 
Letargia, catalepsia e sonambulismo
Letargia, catalepsia e sonambulismoLetargia, catalepsia e sonambulismo
Letargia, catalepsia e sonambulismo
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
 
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritualCapitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
Capitulo III Retorno da vida corporea a vida espiritual
 
2.7.3 Faculdades morais e intelectuais do homem
2.7.3   Faculdades morais e intelectuais do homem2.7.3   Faculdades morais e intelectuais do homem
2.7.3 Faculdades morais e intelectuais do homem
 
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
 
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas2.8.2   Visitas espiritas entre pessoas vivas
2.8.2 Visitas espiritas entre pessoas vivas
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
2.7.7 Simpatias e antipatias terrestres
2.7.7   Simpatias e antipatias terrestres2.7.7   Simpatias e antipatias terrestres
2.7.7 Simpatias e antipatias terrestres
 

Semelhante a Capitulo VIII - Emancipacao da alma

Sonhos na visão espírita
Sonhos na visão espíritaSonhos na visão espírita
Sonhos na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Evangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e SonhosEvangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e Sonhos
Antonino Silva
 
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
dariosr40
 
Visaoespiritasonosonhos
VisaoespiritasonosonhosVisaoespiritasonosonhos
Visaoespiritasonosonhos
Neusa Lustosa
 
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2
Graça Maciel
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Maria Salete da Cunha
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Maria Salete da Cunha
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
Silvio Figueirôa
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
07 sono e sonhos
07   sono e sonhos07   sono e sonhos
07 sono e sonhos
jcevadro
 
O SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOSO SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOS
Isnande Mota Barros
 
2.8.4 sonambulismo
2.8.4   sonambulismo2.8.4   sonambulismo
2.8.4 sonambulismo
Marta Gomes
 
Emancipação da alma
Emancipação da almaEmancipação da alma
Emancipação da alma
Maria Salete da Cunha
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
Shantappa Jewur
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
Shantappa Jewur
 

Semelhante a Capitulo VIII - Emancipacao da alma (20)

Sonhos na visão espírita
Sonhos na visão espíritaSonhos na visão espírita
Sonhos na visão espírita
 
Evangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e SonhosEvangeliza - Sono e Sonhos
Evangeliza - Sono e Sonhos
 
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
081029 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos
 
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
Paletras - Sonhos, mensagens da alma ...
 
Visaoespiritasonosonhos
VisaoespiritasonosonhosVisaoespiritasonosonhos
Visaoespiritasonosonhos
 
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
081105 le–livro ii-cap.8–o sono e os sonhos-cont
 
Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2Emancipação Parcial da Alma 2
Emancipação Parcial da Alma 2
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
 
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)Estados da emancipação da alma   parte 1 (elio mollo)
Estados da emancipação da alma parte 1 (elio mollo)
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
 
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...( Espiritismo)   # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
( Espiritismo) # - aluney e a silva - atividade noturna do espirito, desdob...
 
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
1 5. sono, sonambulismo, êxtase e dupla vista claudio c. conti
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
07 sono e sonhos
07   sono e sonhos07   sono e sonhos
07 sono e sonhos
 
O SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOSO SONO E OS SONHOS
O SONO E OS SONHOS
 
2.8.4 sonambulismo
2.8.4   sonambulismo2.8.4   sonambulismo
2.8.4 sonambulismo
 
Emancipação da alma
Emancipação da almaEmancipação da alma
Emancipação da alma
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
 
O sono e os sonhos
O sono e os sonhosO sono e os sonhos
O sono e os sonhos
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
Marta Gomes
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Marta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
Marta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
Marta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
Marta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
Marta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
Marta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
Marta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
Marta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
Marta Gomes
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
Marta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 
PASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docxPASSE ESPÍRITA.docx
PASSE ESPÍRITA.docx
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
 

Último

PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (18)

PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 

Capitulo VIII - Emancipacao da alma

  • 1. 1 LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO VIII: EMANCIPAÇÃO DA ALMA 8.1 – O sono e os sonhos 8.2 – Visitas espíritas entre pessoas vivas 8.3 – Transmissão oculta do pensamento 8.4 – Letargia, catalepsia e mortes aparentes 8.5 – Sonambulismo 8.6 – Êxtase 8.7 – Segunda vista 8.8 – Resumo teórico do sonambulismo, do êxtase e da segunda vista Referências SLIDES: https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/281-o-sono-e-os-sonhos https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/282-visitas-espiritas-entre- pessoas-vivas https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/283-letargia-catalepsia-e- mortes-aparentes https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/284-sonambulismo https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/285-extase https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/286-segunda-vista https://pt.slideshare.net/MartaMiranda6/287-rresumo-teorico-do- sonambulismo-do-extase-e-da-segunda-vista
  • 2. 2 INTRODUÇÃO AO CAPÍTULO VIII O livro dos espíritos publicado em 18/04/1857 é a obra fundadora do espiritismo. Ele trata dos aspectos científico, filosófico e religioso da doutrina, lançando as bases que seriam posteriormente aprofundadas, por Allan Kardec, nas demais obras da codificação espírita. A sua edição definitiva é composta por 1018 questões distribuídas em quatro partes:  Livro primeiro - causas primeiras;  Livro segundo - mundo espiritual ou dos espíritos;  Livro terceiro - leis morais;  Livro quarto - esperanças e consolações. Estamos no livro segundo de “o livro dos espíritos”, a qual trata especificamente do espírito que é o objeto de estudo escolhido por Kardec para o estudo da doutrina espírita. Dessa forma, estuda a origem e natureza dos espíritos, o períspirito e as diferentes ordens de espíritos; analisa as seis situações em que se pode encontrar o espírito: Emancipação da alma – estado particular da vida humana, durante o qual, desprendendo- se dos laços materiais, a alma recobra algumas de suas faculdades de espírito, e entra mais facilmente em comunicação com os seres incorpóreos. Tal estado se manifesta principalmente pelo fenômeno dos sonhos, da sonolência, da dupla vista, do sonambulismo natural ou magnético e do êxtase. Desdobramento espiritual – é uma faculdade anímica onde o espírito encarnado desliga- se parcialmente do seu corpo físico. É uma capacidade intrínseca ao ser humano que desenvolveu, ao longo da evolução da espécie, a possibilidade de desembaraçar-se do corpo material, dentro de certos limites, adquirindo alguma sensação de liberdade. O desdobramento espiritual acontece, na maior parte das vezes, durante o sono.
  • 3. 3 Sono é um estado em que cessam as atividades físicas motoras e sensoriais. Sonho é a lembrança dos fatos, dos acontecimentos ocorridos durante o sono. Leituras Eclesiastes 12:6 O livro dos médiuns, Allan Kardec – laço fluídico, cap. VII, item 118, e o cap. XXV, item 284. Evangelho Segundo o Espiritismo – capítulo v, item 11. / capítulo XXVIII, item 38. A gênese, Allan Kardec, no capítulo XIV, item 23. Os mensageiros - capítulo 38 Missionários da luz - capítulo 8 Nosso lar - capítulo 36 No mundo maior – capítulo 3 Nos domínios da mediunidade - capítulos 11 e 24 Mecanismos da mediunidade - capítulo 21 Ação e reação - capítulos 13 e 16 Entre a terra e o céu - capítulo 5 Libertação - capítulo 16 O consolador - questão 49 Viver em plenitude – capítulo: mergulho na eternidade Estudando a mediunidade, josé Martins Peralva, capítulo 17 A luz do consolador, Yvonne Amaral pereira, capítulo denominado sonhos O problema do ser, do destino e da dor, Léon Denis, capítulo 55
  • 4. 4 8.1 – O sono e os sonhos 400 – O espírito encarnado permanece voluntariamente em seu envoltório corporal? É como se perguntasses se o prisioneiro se alegra com a prisão. O espírito encarnado aspira sem cessar à sua libertação, e quanto mais o envoltório é grosseiro, mais deseja estar dele desembaraçado. Comentários: O nosso corpo material para o espírito representa um cárcere, uma prisão. Algo que limita a manifestação livre do espírito. O espírito encarnado é como se fosse um encarcerado: está preso na carne por laços fluídicos que o fazem prisioneiro por determinado tempo. Ele aspira constantemente à liberdade, no entanto, a sua consciência lhe avisa que ele tem um dever a cumprir, que abandonar o corpo antes do tempo poderá ser bem pior. Nas questões seguintes vamos entender o que significa a emancipação da alma para o espírito. 401 – Durante o sono, a alma repousa como o corpo? Não, o espírito jamais está inativo. Durante o sono, os laços que o unem ao corpo se relaxam, e o corpo não necessita do espírito. Então ele percorre o espaço e entra em relação mais direta com os outros espíritos. Comentários: O que tem sono é o corpo e não o espírito. Apenas o corpo físico precisa permanecer inativo para recuperar as energias através do descanso. Durante o sono do corpo,o espírito ficamais livre. Com o corpo em descanso, afrouxam-se os laços e a alma sai para o espaço até onde seu pensamento, sua vontade o envia. O espírito não fica inativo; ele busca a liberdade parcial, pelo sono, pois é nessas saídas que encontramos com mais facilidade os nossos companheiros fora da carne e travamos conversações com eles acerca dos assuntos que nos convém falar e ouvir. LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS Capítulo VIII – Emancipação da Alma
  • 5. 5 O corpo precisa de descanso, e os seus órgãos se recompõem com as energias auridas pelo espírito no mundo espiritual, de forma que no dia seguinte está com mais alegria e ânimo para a labuta que corresponde ao seu dever. Sonhar é sair do corpo por instantes, onde a alma vai, aqui e ali, buscando os fluidos divinos para manutenção do seu aparelho físico. Enquanto o corpo descansa, a alma trabalha; enquanto o corpo trabalha, a alma trabalha. O espírito é ativo onde quer que seja. Ele descansa trocando de labor. A vida na matéria é uma vida difícil, de esforço, de luta constante. Diferentemente, do corpo físico que precisa estar inativo e descansar, o espírito não. Daí aproveita justamente esse períodopara aurir novas energias e usufruir um pouco das faculdades de espírito,momento em que consegue a libertação parcial. É como se vivesse um pouquinho a vida espiritual. Isso faz com que se sinta com um pouco mais de liberdade, menos preso ao corpo físico. Quem não se libertou do ódio, do orgulho, do egoísmo e de outras inferioridades na faixa das paixões humanas, mesmo dormindo poroito horas não consegue o devido descanso. As energias são queimadas pelas inferioridades do espírito. Quando o espírito se encontradesencarnado,e não tem certa evolução moral, ele precisa,igualmente, de descanso,em um estado semelhante ao sono dos homens, e também sonham, buscando novas energias para seu corpo espiritual. 402 – Como podemosapreciara liberdade do espírito durante o sono? Pelos sonhos. Crede, enquanto o corpo repousa, o espírito dispõe de mais faculdades do que na vigília. Tem o conhecimento do passado e, algumas vezes, previsão do futuro. Adquire maior energia e pode entrar em comunicação com os outros espíritos,sejaneste mundo,sejaem outro. Muitas vezes,dizes: tive um sonho bizarro, um sonho horrível, mas que não tem nada de verossímil;enganaste,é frequentemente umalembrança dos lugares e das coisas que viste e verás em uma outra existência ou em um outro momento. Estando o corpo entorpecido,o espírito esforça-se por quebrar seus grilhões, procurando no passado e no futuro. Pobres homens, que pouco conheceis os fenômenos mais simples da vida! Acreditai-vos sábios e vos embaraçais com as coisas mais vulgares. Ficais Tela 10
  • 6. 6 perturbados a esta pergunta de todas as crianças: que fazemos quando dormimos, e que é o sonho? Comentários: A liberdade do espírito durante o sono é proporcionada pelo ato de vontade. O que conduz o espírito é a sua essência, são seus pensamentos, seus sentimentos, os valores que o orientam. Então algumas vezes, durante o sono, o espírito aproveita esse momento de liberdade para atenuar seus problemas, para se complicar ainda mais, voltando ao status da sua realidade espiritual de onde ele está tentando se libertar, mas o sentimento preso à situação, é encaminhado para essa realidade. Ou dependendodaelevação adquirida, das suas mudanças íntimas, aproveita o sono para resolver suas pendências, buscar mais esclarecimentos. Às vezes, podemos ir para lugares onde objetivamente não gostaríamos de estar, outras vezes vamos para ambientes sublimes. Somos complexos. Há várias ligações que estabelecemos com a nossa família, com o nosso trabalho, com a nossa relação consigo mesmo, nossa relação com os outros, nossa relação com deus. A preocupação com a família, com um ser doente, por exemplo. O nosso pensamento pode nos levar até essa pessoa durante o sono. Há uma infinidade de possibilidades durante o sono. Onde o nosso pensamento estiver, é para lá que iremos. O sonho é uma rememoração da vivência do sono. O sonho, aquilo que é guardado na memória. É o registro das experiências que tivemos durante o período de sono. Devemos nos preparar para o sono. Fazer uma prece. Solicitar o auxílio do mentor espiritual. O sonho liberta, em parte, a alma do corpo. Quando se dorme, se está, momentaneamente,no estado em que o homem se encontra, de maneira fixa, depois da morte. Espíritos que se desligam logo da matéria, em sua morte tiveram sonhos inteligentes; estes, quando dormem, reúnem-se à sociedade de outros seres superiores aeles.Com eles,viajam, conversam e se instruem, trabalhando mesmo em obras que encontram prontas quando morrem. Isto deve vos ensinar, uma vez mais, a não temera morte,pois que morreis todos os dias, segundo a palavra de um santo. Isso para os espíritos elevados. Tela 11
  • 7. 7 Todavia, a massa dos homens que, na morte, deve ficar longas horas em perturbação, nessa incerteza da qual vos falaram, esses vão, seja para mundos inferiores à terra, onde velhas afeiçõesos evocam,seja a procurar os prazeres que podem ser mais inferiores que aqueles que têm aí. Eles vão haurir doutrinas ainda mais vis, mais ignóbeis, mais nocivas que as que professam em vosso meio. Comentários: Durante o sono, nós estando parcialmente libertos podemos vivenciar inúmeras experiências no plano espiritual. Aproveitamos o momento do sono para ter contato com a espiritualidade superior, crescer, evoluir, receber orientações, fazer cursos, aprender, conversar com os amigos espirituais de forma mais intensa, mais transparente, realizar inúmeras atividades indispensáveis para nosso fortalecimento espiritual. Durante essasocialização com nossosamigos e familiares espirituais estamos nos fortalecendo. As maiores dificuldades que temos no plano material são tratadas no plano espiritual. Muitas vezes recebemos na espiritualidade tratamentos de passe, de energização, de limpeza fluídica. Os benfeitores espirituais fazem isso pornós,pois somosseus tutelados,seus protegidos para que consigamos levar a nossa missão, as nossas responsabilidades até o fim. Não temos que temer a morte, pois morremos todos os dias.A morte não é uma estagnação ou o fim das nossas existências, mas apenas uma mudança de plano. Quando estamos em sono vivemos a vida de espírito e assim será quando desencarnarmos. Ex: se a pessoaé dada ao vício como a bebida,durante o sono irá estar com os seus afins reforçando os seus desejos. Se a pessoa gosta de uma boa leitura ou de utilizar o seu tempo numa atividade intelectual superior, quando está no sono ele vai buscar isso de forma mais intensa. A busca é conforme os interesses da pessoa, seja no sexo, seja no uso de drogas, na administração de bens, no respeito ao próximo, no respeito a si mesmo, etc. No sono continuamos a sermos nós mesmos de formamais intensa. Cada um demonstra sua personalidade de forma mais forte, mais livre.
  • 8. 8 O que gera a simpatia sobre a terra não é outra coisaque o fato de se sentirem ao despertar, ligados pelo coração, àqueles com quem vieram de passar oito ou nove horas de felicidade ou de prazer. Isso explica também as antipatias invencíveis, pois sabem no fundo do seu coração que essas pessoas de lá têm uma consciênciadiversa da nossa e a conhecem sem as ter visto jamais com os olhos. Explica, ainda, a indiferença, visto que não se deseja fazer novos amigos quando a gente sabe que existem outras pessoas que nos amam e nos querem.Em uma palavra, o sono influi mais do que pensais sobre vossa vida. Pelo efeito do sono,os espíritos encarnados estão sempre em relacionamento com o mundo dos espíritos, e é isso que faz com que os espíritos superiores consintam, sem demasiadarepulsa, em encarnarem entre vós. Quis deus que durante o seu contato com o vício eles possam ir se renovar nas fontes do bem, para não falirem, eles que vêm instruir os outros. Comentários: Os espíritosmenos elevados,ainda apegados às paixões inferiores durante o sono vão às zonas inferiores da terra, onde encontram as velhas afeições,os seus vícios, as suas imperfeições. Se a pessoa é voltada para a bebida, para as drogas, para o sexo, para o orgulho, é exatamente esse tipo de companhia que vai procurar durante o seu sono. É por isso que muitas pessoas ao acordarem se sentem mal, se sentem cansadas, se sentem como se não tivesse dormido nada, pois saturaram negativamente o seu perispírito durante o sono. Ao invés de refazer suas energias com vibrações e sentimentos nobres foi exatamente o inverso. Emboraa gente não lembre,mas as sensações nos mostram se fizemos algo bom ou algo ruim. Os espíritos elevados (Gandhi, madre Tereza, Chico Xavier, Divaldo Franco, Emmanuel, etc) quando vem para cá onde estamos muito atrasados em relação a eles, têm o descanso, o refrigério nos momentos de sono e de sonhos poder ter contato com outros espíritos superiores do alto. Durante o dia nas labutas do trabalho, à noite retorna à casa para o descanso. O sono é a porta que Deus lhes abriu até seus amigos do céu. É o recreio depois do trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a liberação final que deve devolvê-los ao seu verdadeiro meio. O sonho é a lembrançado que vosso espírito viudurante o sono. Notai, porém, que não sonhais sempre porque não recordais sempre do que vistes, ou de Tela 12 Tela 13
  • 9. 9 tudo o que vistes. Vossa alma não está em pleno desdobramento. Não é, muitas vezes, senão a lembrança da perturbação que acompanha vossa partida ou vossa volta, à qual se junta a do que fizestes ou do que vos preocupou no estado de vigília. Sem isso, como explicareis esses sonhos absurdos que têm os sábios,assim como os mais simples?Os maus espíritos também se servem dos sonhos para atormentar as almas fracas e pusilânimes. De resto, vereis dentro em pouco se desenrolar outra espécie de sonho, tão velha quanto a que conheceis, mas vós a ignorais. Comentários: Os espíritos superiores quando estão na carne tem essa possibilidade de descanso, de repouso, de renovação de forças para realizarem as suas missões. O fato de não lembrarmos dos nossos sonhos não quer dizer que não tenhamos vivido experiências no plano espiritual. Apenas que o nosso corpo não consegue reter essas informações que são vivenciadas pelo nosso perispírito e não pelo corpo físico.O nosso cérebro físico tem dificuldades de reter informações. Nós não recordamos sempre as nossas experiências durante o sono, como também, não recordamos de tudo o que vimos ou participamos. O sonho é aquilo que a gente foi capaz de registrar. É a lembrança de parte das experiências vividas durante o sono. Há experiências vivenciadas pelo espírito de forma tão profunda, na sua vida de espírito, em outras dimensões, que o cérebro (físico) não consegue registrar. Muitas vezes quando o cérebro registra é de forma fragmentada (apenas pedaços), de forma descontinuada (um lugar, depois outro, uma situação, depois outra, outras pessoas, outro tempo). Ao lembrarmos apenas dos fragmentos não encontramos uma sequência lógica, achamos sem sentido, achamos estranho. No meio do sonho pode aparecer a construção de uma narrativa relacionada à vivência durante o dia anterior ou nos dias anteriores. Pode aparecer no meio do caminho um adversário (mau espírito) que pode emitir uma imagem e a gente captar como uma coisa pavorosa. E tudo isso vai sendo misturado fora de ordem. O sonho é o resultado da interação de todas as narrativas vivenciadas pelo espírito durante o sono do corpo físico.
  • 10. 10 O cérebro é impactado com informações por cinco canais físicos: a visão, a audição, o olfato,o paladar e o tato. Os cinco sentidos pelos quais registramos informações no nosso cérebro. Imagina o trabalho do cérebro em registrar informações chegandoporum canal além dessescinco,do qual o corpo físico não participa do processo. O espírito vivendo essas experiências completamente diversas da realidade do cérebro, numa velocidade completamente diversa, uma realidade atemporal, fora dos eixos espaço- tempo.Daí a dificuldade do cérebro juntar os pedacinhos “do filme” e dar uma sequência lógica. Informações registradas no subconsciente e no inconsciente vazam para os canais superiores podendo interferir no consciente. Sonhos com pessoas que nessa encarnação a gente não conhece, lugares em que nessa encarnação nunca estivemos. Podem ser experiências do nosso passado para o nosso presente e que a gente não consegue fazer a relação com a nossa realidade atual. Nesse tipo de sonho, a alma não está completamente desdobrada, pois continua ligada ao corpo, sofrendo os reflexos orgânicos e as seguintes interferências: - Da realidade vivenciada no decorrer do dia; - Das preocupações; - Dos problemas fisiológicos; - Das recordações registradas no subconsciente; - De Espíritos amigos ou os desafetos; Quanto mais nos prepararmos para dormir, quanto mais nos reformarmos intimamente, mais teremos consciência,lembranças das experiências vividas durante o sono (emancipação) Por isso é importante se preparar, fazer uma prece, mentalizar as coisas agradáveis, buscar elevar a frequência e mantê-la elevada. Tercuidado com o que assiste,com o que ouve,com o que acessano decorrer do dia e, principalmente, à noite. O sonho de Joana, o sonho de Jacob,o sonho dos profetas judeus e de alguns adivinhos indianos. Esse sonho é alembrançada alma, inteiramente desligada do corpo, a lembrança dessa segunda vida de que sempre vos falo. Tela 14
  • 11. 11 Procurai distinguir bem essas duas espécies de sonhos naqueles dos quais vos lembrais;sem isso,caireis em contradição e nos erros que serão funestos à vossa fé. Comentários: Neste tipo de sonho a alma está completamente desligada do corpo (conectada pelo laço fluídico prateado) vivendo inteiramente uma realidade espiritual. Não tem nada a ver com o corpo físico,vivenciando outra realidade. São mais nítidos, mais conscientes, mais lógicos. Essas experiencias vão se somando no nosso inconsciente junto às experiências pretéritas das nossas existências físicas e espirituais. Tudo isso fica registrado no nosso perispírito (é o nosso grande banco de dados). Nesse tipo de sonho,o processo é inverso.A informação vem. É o espírito que vive a experiênciae transfere para o nosso consciente,para o nosso cérebro, em forma de sonho. Sonhos comuns – interferência do cotidiano. Sonho espírita – experiências vivida pelo espírito. Atentemos para essas duas espécies de sonho. Não queiramos conduzir a vida conforme os sonhos, mas retirar deles o que for possível para o nosso crescimento, o nosso adiantamento moral. Ex: se sonhei tal fato vai acontecer tal situação ou terei que agir de tal forma. Sonho não é uma informação precisa para que tomemos decisões diárias. Esses comportamentos é que faz com que algumas pessoas (fracas) se deixam levar por alguns espertalhões que tentam nos conduzir por caminhos diversos por interpretações oníricas. Sonhar é dar notícias de algo que existe no mundo dos espíritos. Tipos de sonhos Martins Peralva, no livro "Estudando a Mediunidade", propõe a seguinte classificação dos sonhos: Sonhos comuns Repercussão de nossas disposições físicas ou psicológicas. São aqueles que refletem nossas vivências diárias. Nos sonhos comuns, quase não há exteriorização perispiritual.
  • 12. 12 Puramente cerebral,simples repercussão de nossas disposições físicas oude nossas preocupações morais. É também o reflexo de impressões e imagens arquivadas no cérebro durante a vigília (vivências ocorridas durante o dia, quando acordados). Exemplos: Fisiológico: é aquele que dramatiza algo que acontece com nosso corpo. - Se está frio e nos descobrimos,sono pesado,sem despertarpoderemosnos ver num campo de neve, tiritando. - Pessoas com incontinência urinária sonham que estão satisfazendo essa necessidade fisiológica, enquanto molham a cama. Psicológico: é aquele que exprime nossos estados íntimos. - Richard Simonetti – “antes do advento dos computadoresno banco do Brasil, era preciso somar as contas correntes, cujo total, segundo o jargão bancário devia “bater” com o balancete. Trabalho insano. Eram doze mil contas. Nunca “batia”. Ficávamos horas repetindo verificações. Nessas oportunidades, ao dormir, via-me no banco às voltas com o tedioso serviço.”1 Sonhos reflexivos Exteriorização de impressões e imagens arquivadas na mente do Espírito. Por reflexivos, categorizamos os sonhos, em que a alma, abandonando o corpo físico, registra as impressões e imagens arquivadas no subconsciente, inconsciente e superconsciente e plasmadas na organização perispiritual. Tal registro é possível de ser feito em virtude da modificação vibratória, que põe o espírito em relação com fatos e paisagens remotos, desta e de outras existências. A modificação vibratória, determinada pela liberdade de que passa a gozar o espírito,no sono,o faz entrar em relação com acontecimentos e cenas de eras distantes, vindos à tona em forma de sonho. Mentores espirituais poderão trazer à tona acontecimentos de outras vidas, cujas lembranças nos tragam esclarecimentos, lições ou advertências. Poderão os espíritos inferiores motivarem estas recordaçõescom a finalidade de nos perseguirem, amedrontar, desanimar ou humilhar, desviando-nos dos objetivos benéficos da existência atual. 1 - Livro Viver em Plenitude – Richard Simonetti, pág 59.
  • 13. 13 Sonhos espíritas Atividade real e efetiva do espírito durante o sono. Também chamados de viagem astral ou espiritual; há mais ampla exteriorização do perispírito. Emancipação daalma extremamente consciente,onde estamos perfeitamente lúcidos e sabemos o que fazemos, onde fomos, com quem interagimos. Durante a viagem astral, a alma, desprendidado corpo, exerce atividade real e efetiva,encontrando-se com parentes,amigos,instrutores e também com os inimigos desta e de outras existências. É algo ainda muito incipiente para a humanidade terrena, mas com o tempo as nossas viagens astrais (lúcidas) serão lembradas, como no caso dos profetas. Como podemos distinguir o sonho? Sonhos comuns são como a palha que logo o vento leva e perece. São fugidios, mal delineados. Os sonhos espíritas são mais nítidos, mais claros. Guardamos melhor. Geralmente são coloridos,o que não costuma ocorrercom as demais formas, que se apresentam em preto e branco. São muito claros e inesquecíveis, trazendo preocupação por sua seriedade. São ensinamentos e às vezes revelações de deus através do auxílio da espiritualidade. (mateus 2:12-22). Ao acordar de um sonho, faça uma prece pedindo a deus a orientação acerca da mensagem vivenciada. A interpretação de um sonho nem sempre é literal ou da forma como foi visto no sonho. Não podemos cair em misticismo estabelecendo regras de interpretação como,por exemplo,listas de significados,por isso a solicitação do auxílio da espiritualidade para extrair o maior aproveitamento possívelpara o próprio crescimento. Allan Kardec: Os sonhos são o produto da emancipação da alma, que se torna mais independente pela suspensão da vidaativa e de relação.Daíuma espécie de clarividência indefinidaque se estende aos lugaresmais distantes,ou que jamais se viu e, algumas vezes, mesmo a outros mundos, assim como a lembrança que traz à memória os acontecimentos ocorridos na existência presente ou nas existências anteriores; a estranheza de imagens do que se passa ou se passou em mundos desconhecidos, Tela 18
  • 14. 14 entremeadas de coisas do mundo atual, formam esses conjuntos bizarros e confusos que parecem não ter nem sentido, nem ligação. A incoerência dos sonhos se explica,ainda,pelas lacunas que produza lembrança incompleta do que nos apareceu em sonho. Tal seria uma narração qualse tenha truncado frases ao acaso,ou parte de frases; os fragmentos restantes reunidos perderiam toda significação razoável. Comentários: Muitas vezes os sonhos parecem sem sentido,pois se unem imagens de vidas passadas, imagens de futuro, situações da vida atual, as preocupações, as recordações incompletas das nossas vivências e das nossas atividades espirituais. Ficam as imagens meio confusas, dando a impressão de que não tem sentido. Antigamente, os sonhos eram considerados visões proféticas e reveladoras do futuro, onde homens entravam em contato com deuses e demônios.Muitas vezes,suas interpretações ligavam-se asuperstições,numerologia,crendices, astrologia, entre outros. Ainda hoje, pessoas aproveitam da ignorância dos homens sobre o assunto e ganham dinheiro fácil na interpretação dos sonhos de quem as procura com o intuito de decifrá-los. Assim, tornam-se vulneráveis nas mãos de gente insensata ou espíritos zombeteiros, levianos e obsessores. Devemos repudiar as interpretações supersticiosas que pretendam correlacionar os sonhos com jogos de azar e acontecimentos mundanos, gastando preciosos recursos e oportunidades da existência em preocupação viciosa e fútil. Podemos extrair sempre os objetivos edificantes desse ou daquele painel entrevisto em sonho. Com o tempo e à medidaque dermos mais importânciaaos sonhos nós vamos conseguir saber interpretá-los e compreendê-los. Devemos darimportância,mas sem transformá-los em bússolas paraconduzir nossa vida e sim retirar os ensinamentos para a nossa aprendizagem, para melhorar a nossa vivência. Em tudo há sempre uma lição. Estudar espiritismo é adentrar nos caminhos que nos levam à ciência, à filosofia e à religião. Essa questão não trata de religião, mas de conhecimento factual da nossa realidade. Independentemente da crença que se professa, a pessoa deve buscar conhecer para que possa se conduzir na vida com um pouco mais de racionalidade, de informação sobre toda a realidade que nos envolve. 403 – Por que não nos lembramos sempre dos sonhos?
  • 15. 15 No que tu chamas de sono, só há o repouso do corpo, porque o espírito está sempre em movimento. Aí ele recobra um pouco de sua liberdade e se corresponde com aqueles que lhe são caros, seja neste mundo, seja em outros. Todavia, como o corpo é matéria pesada e grosseira, dificilmente conserva as impressões que o espírito recebeu, porque este não a recebeu pelos órgãos do corpo. Comentários: Durante o desdobramento do sono é o espírito que vivencia as experiências, não havendo a percepção dos nossos sentidos carnais que estão adormecidos. Como todas as experiências são vivenciadas pelo cérebro perispiritual e não pelo cérebro carnal, quando nosso peirspírito retorna ao corpo físico,algumas daquelas vivências o nosso cérebro físico consegue reter, mas não de forma completa. A grande maioria das coisas e dos fatos vivenciado na espiritualidade durante o sono nós não lembramos. O nosso cérebro é constituído de matéria grosseira que dificulta a retenção dessas informações. É por isso que ao acordarmos não lembramos dos sonhos ou lembramos de forma fragmentada. No sonho espírita, o completo desdobramento, quando lembramos é que aquela vivência impressionou fortemente o espírito e quando voltamos ao corpo aquela impressão forte é registrada pelos canais sensoriais, nossa mente, nossa memória. É exceção, não é regra. Vivência muito forte. A alma, no seu estado mais livre, durante o sono, nem sempre pode trazer tudo o que vê e ouve para a matéria. Quando o espírito volta ao corpo,ocorre uma espécie de filtragem na lembrança do que ocorreu no mundo espiritual. Esses acontecimentos não são apagados damemória,visto que,pelalei, nada se perde. Entretanto, eles ficam gravados no fundo da consciência, vindo à tona quando necessário, manifestando-se como lições ou testes para o espírito. Se nos lembrássemos de todo o ocorrido no mundo dos sonhos,a mente não iria suportar essacarga além das suas forças e perturbaria a vida na matéria. Se sonhamos com boas companhias em planos elevados, e se isso pudesse repetir sempre, certamente que o corpo físico iria definhando até falecer, porque o instinto de todos nós é buscar o melhor. Se somente sonhássemos com as trevas, ficaríamos muito apegados às coisas materiais, no entanto, isso é o que acontece mais frequentemente. A natureza é comedidaem tudo o que existe; ela não se esquece de filtrar as recordações, deixando somente o que precisamos para a alegria ou para as lições.
  • 16. 16 Como melhorar a questão das lembranças: - Ao fazer a prece antes de dormir pedir à espiritualidade a permissão. Se possível,para lembrar das experiências mais relevantes que forem importante para o nosso crescimento, que permitam a nossa participação em cursos, palestras, estudos, mecanismos de aprimorar a retenção de informações durante o sono para que ao acordar possamos lembrar de alguma coisa; - Ao acordar anotar as lembranças das experiências vividas (sonhos) como forma de educar o cérebro corporal (físico)  Os Mensageiros – Cáp. 38 – pág. 231 404 – Que pensar da significação atribuída aos sonhos? Os sonhos não são verdadeiros como entendem certos adivinhos, porque é absurdo crer-se que sonhar com tal coisa, anuncia tal coisa. Eles são verdadeiros no sentido de que apresentam imagens reais para o espírito,mas que, frequentemente, não têm relação com o que se passa na vida corporal. Muitas vezes, também, como já o dissemos, é uma lembrança e pode ser, enfim, algumas vezes, um pressentimento do futuro, se deus o permite, ou a visão do que se passa nesse momento em outro lugar, para onde a alma se transporta. Não tendes numerosos exemplos de pessoas que aparecem em sonho e vêm advertir seus parentes ou seus amigos do que lhes acontece? Que são essas aparições senão a alma ou o espírito dessas pessoas que vêm comunicar-se com o vosso? Quando estais certos de que aquilo que vistes realmente se deu, não é uma prova de que a imaginação não tomou parte em nada, sobretudo se essa coisa não esteve de modo algum em vosso pensamento durante a vigília? Comentários: Nós às vezes nos preocupamos muito com os sentidos dos sonhos. O que pode significar determinada coisa. Os sonhos podem significar muitas coisas, mas nem sempre significam exatamente aquilo que sonhamos. Os sonhos podem ser: - Reflexos das nossas ansiedades e vivências diárias; - Previsões do futuro (com a permissão de deus e auxílio da espiritualidade); - Lembranças do passado; - Avisos, alertas, conselhos, notícias (extraordinários);
  • 17. 17 - Vivências espirituais na espiritualidade. Precisamos termuita cautela na interpretação dos sonhos para não corrermos o risco de fazer interpretações completamente equivocadas. Com o tempo e à medida que aprimorarmos as nossas vivências, nós vamos conseguir saber interpretá-los e compreendê-los. E para isso vamos: - Refletir conscientemente sobre a vida; - Meditar - Seguir o conselho de santo agostinho (autoexame, autoanálise) - Estudar (aperfeiçoar no conhecimento em todas as suas facetas) Muitas pessoas ao passar pelas situações mais importantes da vida (marcantes), tanto as difíceis, quanto as agradáveis (que traz alegria, felicidade, realizações) sonham com os eventos que ocorrerão. A Bíblia está repleta de sonhos como alertas, avisos, orientação... Estudar, buscar informações, construir conhecimento é o caminho para nos libertar da ignorância compreendendo melhora vida e tudo o que nos envolve e nos cerca. A doutrina espíritaé transversal às filosofias e às religiões,e oferece à ciência uma base do ponto de vista espiritual para que a ciência possa interpretar e explicar muitas coisas que ainda não compreende. 405 – Veem-se frequentemente, em sonhos, coisas que parecem pressentimentos e que não se cumprem; de onde vem isso? Eles podem cumprir-se para o espírito, se não para o corpo, isto é, o espírito vê a coisa que deseja porque vai procurá-la. É preciso não se esquecer que, durante o sono, a alma está sempre, mais ou menos, sob a influência da matéria, e que, por conseguinte, ela jamais se liberta completamente das ideias terrenas. Disso resulta que as preocupações da vigília podem dar, ao que se vê, a aparência do que se deseja ou do que se teme; a isso, verdadeiramente, pode-se chamar um efeito da imaginação. Quando se está fortemente preocupado com uma ideia, a ela se liga tudo aquilo que se vê. Comentários: Algumas coisas que parecem pressentimentos e não se confirmam: 1.º - Nos sonhos reflexivos podemoster pressentimentos,onde pode acessar o passado e ter pressentimentos do futuro, mas nem todo pressentimento é para acontecer, pois muitas vezes são avisos, alertas que a espiritualidade nos fornece para que no cotidiano possamos adotarmedidas cautelares para
  • 18. 18 que aquele pressentimento não aconteça. Alguns podem acontecer e outros são apenas alertas para não acontecer. São avisos da espiritualidade para nos precaver. Às vezes o pressentimento acontecepara o espírito em desdobramento e não quando está em vigília (o corpo acordado). O espírito vivencia aquele pressentimento e não o corpo físico. Muitas vezes quando as coisas não acontecem em estado de vigília, dá a impressão de que o fato não se confirmou. Mas pode ter confirmado quando estávamos desdobrados pelo sono. 2.º - Como estamos influenciados pela matéria, pois estamos ligados pelos laços fluídicos(fio prateado)não conseguimoslibertarmos completamente das nossas ideias e preocupações terrenas que se fixam no nosso cérebro material e espiritual. Muitas vivências durante o sono estão ligadas a essas preocupações ouideias que nos acompanham no decorrerdo dia. É tanto que quando estamos preocupados sonhamos muitas vezes com a mesma situação, tanto positivamente, quanto negativa. Dessaforma,sonhamos com muitas coisas que não acontecem,sendo estado de imaginação,pois foio nosso cérebrofísicoe espiritualque acumulou aquela imagem no decorrer do dia (ou dos dias) – sonhos comuns Durante o sono o espírito está sob a influência da matéria. A emancipação é parcial. A emancipação total só acontece com o desencarne. O melhor indicador para nos guiar nas interpretações dos sonhos é o nosso coração. O que aquele episódio, aquelas imagens representam? Que mensagem edificante podemos extrair dessaexperiência? São maneiras para usar o sonho. Não devemos projetar a nossa vida, o nosso dia a dia baseando nos sonhos. E nem usar os sonhos para adivinhar o futuro, pois não faz parte da doutrina espírita. - No Mundo Maior – capítulo 3 406 – Quando vemos em sonhos pessoas vivas, que conhecemos perfeitamente, realizando atos em que não pensam, de maneira alguma, não é um efeito da imaginação? Atos em que não pensam, de maneira alguma? Que sabes tu? Seu espírito pode visitar o teu, assim como o teu pode visitá-lo, e nem sempre sabes em que ele pensa. Aliás, frequentemente, atribuís às pessoas que conheceis, e segundo vossos desejos, o que se passou ou que se passa em outras existências.
  • 19. 19 Comentários: Quando em sonho vemos pessoas praticando atitudes que não imaginamos que fariam. O que nós sabemos sobre aquela pessoa? O que se passa no íntimo? Apenas deus sabe o que se passa no íntimo daquele coração. Muitas pessoas na vida material apresentam de certa forma que não representa aquilo que realmente são. Conseguem camuflar a sua realidade. Mas no desdobramento do sono,ganhando a liberdade de espírito,dão vazão aos seus instintos. Por isso podemos encontrar pessoas em desdobramento e vê-las cometendo atitudes que acreditaríamos inadequada ou incompatível com sua conduta, sua personalidade. Porém reflete o interior daquela pessoa. Pode ser também experiências vivenciadas em outras existências físicas. Por outro lado, também pode ser projeção do nosso próprio pensamento em relação a nós mesmos ou em relação àquela pessoa. Nós não podemos traçar nenhum julgamento em relação ao outro, pois nós não o conhecemos. Não conhecemos nem a nós mesmos. Só deus conhece os nossos corações, os nossos sentimentos, os nossos pensamentos. 407 – O sono completo é necessário para a emancipação do espírito? Não, o espírito recobra sua liberdade quando os sentidos se entorpecem;ele aproveita, para se emancipar, de todos os instantes de repouso que o corpo lhe dá. Desde que haja prostração das forças vitais, o espírito se desprende, e quanto mais o corpo está enfraquecido, mais o espírito está livre. Allan Kardec: É assim que a sonolênciaou um simplesentorpecimento dos sentidos apresenta, frequentemente, as mesmas imagens do sonho. Comentários: Para a emancipação do Espírito basta o afrouxamento do corpo. O relaxamento faz com que os sentidosentrem em torpor,de modoque o espírito encontra mais facilidade para a sua parcial liberdade pelo sono.
  • 20. 20 No menor instante (cochilo), assim que entramos em um processo de torpor, de prostração das forças vitais, nosso perispírito aproveita para desdobrar, para se libertar parcialmente do cárcere (corpo físico).Qualquer oportunidade é aproveitada pelo espírito por mais rápida e leve que seja. Por isso frequentemente em uma rápida sonolêncianós vemos imagens como nos sonhos. Pois quando estamos meio dormindo, em estado de torpor, mas ainda com certa lucidez vemos imagens, determinados quadros, isso denota que o nosso espírito já está acessando o plano espiritual. Por isso devemos constantemente estarmos preparados para dormir, pois apenas um cochilo nos fornece oportunidades para entrarmos em desdobramento nos emancipando parcialmente e participarmos de experiências agradáveis ou desagradáveis, dependendo da nossa conduta, dos nossos sentimentos e pensamentos. Quanto mais o corpo está enfraquecido, mais o espírito está livre. Além do sono há outras maneiras de enfraquecimento do corpo proporcionando a emancipação do espírito: - Cochilo - Estado de saúde debilitado - Situações de senilidade - Experiências de quase morte - Qualquer situação que leve o corpo ao estado de enfraquecimento reduz as forças vitais do organismo Na história dos santos e dos místicos pode-se observar o fenômeno da saída do corpo por instantes, em se realizando grandes coisas. Exemplos: (bilocação e bicorporeidade) – Livro dos Médiuns – item 114 e 119. - Santo Antônio de Pádua – - Eurípedes Barsanulfo – Um “relax” de uns dez minutos é muito bom até para recuperar as forças perdidas nos trabalhos diários, e mesmo espirituais. 408 – Parece-nos ouvir, algumas vezes em nós mesmos, palavras pronunciadas distintamente e que não têm nenhuma relação com o que nos preocupa; de onde vem isso?
  • 21. 21 Sim, e mesmo frases inteiras, sobretudo quando os sentidos começam a se entorpecer. É, algumas vezes, um fraco eco de um espírito que veio comunicar-se contigo. Comentários: No estado de torpor algumas vezes ouvimos palavras dentro de nós mesmos, dentro da nossa mente. Palavras que não tem nexo com o que estamos pensando. Muitas vezes não só palavras soltas, mas frases inteiras. Nesse momento já há o processo de emancipação da alma e estamos entrando em contato com outros espíritos que já falam conosco e nós ainda meio acordados,meio adormecidos ouvimos aquelas palavras, aquelas frases em nossa mente. Isso acontece todos os dias com muitas pessoas no lar, no trabalho, nas ruas e frequentemente no lazer. Nessa situação há um certo sinal de mediunidade que se apresenta de infinitas maneiras. Os médiuns têm mais facilidade de emancipar, inclusive em estado de lucidez que se conectam com a espiritualidade conseguindo visualizar imagens, ouvir os espíritos.Uns de forma mais sensível,mais intensa, outros menos intensa. Depende de cada um. Cada um tem a percepção do seu jeito. A mediunidade intuitiva que essa voz que fala dentro de nós. Nós não ouvimos com os ouvidos, mas temos a percepção de ideias que aparecem, que vêm à nossa mente (insight) e outras vezes a mediunidade intuitiva nos diz diretamente na caixa mental. Há também o animismo (ânime – alma) – acessamos experiências pretéritas armazenadas no nosso subconsciente ou no inconsciente que podem vazar e chegar no nosso consciente. 409 – Frequentemente, em um estado que não é ainda de sonolência, quando temos os olhos fechados,vemos imagens distintas,figuras das quais apreendemos os mais minuciosos detalhes; é isso um efeito de visão ou de imaginação? Estando o corpo entorpecido,o espírito procura quebrar seus grilhões: ele se transporta e vê. Se o sono fosse completo, isso seria um sonho. Comentários:
  • 22. 22 Percepção de imagens. O espírito ao entrar em desdobramento no estado de torpor, já emancipa e acessa o plano espiritual. Já entra em relação com a espiritualidade podendo não apenas ouvir os espíritos, mas percebê-los, visualizá-los e visualizar imagens do plano espiritual. As imagens que se percebem, estando o corpo em estado de torpor, ocorrem pela dilatação visual da alma, quando ela percebe com mais nitidez o mundo espiritual que a rodeia. Quando não há entorpecimento do corpo e evidenciam-se os dons espirituais, é que a criatura é dotada de vidência ou clarividência, ao passo que, no estado de relaxamento, todas as criaturas podem perceberimagens,porentrarem mais diretamente no mundo espiritual. 410 – A gente tem,algumasvezes,durante o sonoou a sonolência, ideias que parecem muito boas e que, malgrado os esforços que se faz para lembrá-las, se apagam da memória: de onde provêm essas ideias? Elas são o resultado da liberdade do espírito,que se emancipae goza de mais faculdades durante esse momento. Frequentemente, são conselhos que dão outros espíritos. 410.a) De que servem essas ideias e esses conselhos, uma vez que se perde a lembrança e não se pode aproveitá-los? Essas ideias pertencem,algumas vezes, mais ao mundo dos espíritos que ao mundo corporal; mas, com mais frequência,se o corpo esquece,o espírito se lembra, e a ideia revive no instante necessário, como uma inspiração do momento. Comentários: Eventualmente, quando encarnados e parcialmente desprendidos do corpo, pelo sono ou pelo adormecimento, surgem na alma ideias vigorosas, das quais, apesardo esforço que sefazapós despertar,não se consegue recordar. São transmissões dos espíritos livres que nos querem bem, são conselhos. Notemos bem: esquecemos as ideias, mas não esquecemos que elas nos foram ditas. Letra A: As informações repassadas durante a emancipação da alma podem ser a respeito da vida de espírito e não em nossa vida em vigília como encarnado, do nosso cotidiano na vida material.
  • 23. 23 Como também essas informações, embora não lembremos delas de forma consciente, no momento certo aquelas informações retornam na forma de intuição nos ajudando na solução de problemas, de dificuldades. Se aquela informação for importante ela vai retornar ao nosso conhecimento. Quando ela vir na formade intuição, sai do inconsciente e entra no consciente. 411 – O Espírito encarnado,nos momentosem que se desliga da matéria e age como espírito, conhece a época de sua morte? Frequentemente, ele a pressente; algumas vezes tem plena consciência, e é isso que, no estado de vigília, lhe dá a intuição. Daí vem o fato de certas pessoas preverem algumas vezes, sua morte, com grande exatidão. Comentários: Quando fazemos nosso planejamento reencarnatório, a morte é um dos pontos previstos no nosso planejamento, a forma como ocorrerá o nosso desencarne, a época mais ou menos em que ocorrerá. Por mais que não lembremos quando estamos encarnados aquelainformação está conosco,ela faz parte da nossa trajetória. O espírito desprendido tem maiores possibilidades de ter essa informação. Fato que ocorre algumas vezes, com algumas pessoas. Depende da sensibilidade. Quando chega perto nós vamos pressentindo. É uma intuição. Tem plena consciência dessa época justamente porque participou do planejamento reencarnatório, tendo ciência de quando isso ocorreria. Claro que não exato, dia e hora, mas o período. O espírito, quando está parcialmente desligado da matéria, mesmo que seja em relaxamento profundo, por vezes tem a intuição do período da sua desencarnação, quando está preparado para tal revelação. Um dos casos mais conhecidos: Abraham Lincoln (1809-1865) Foi presidente dos EUA no período de 4 de março de 1861 até seu assassinato em 15 de abril de 1865. De acordo com Ward colina Lamon – amigo e guarda-costas de Lincoln – ele sonhou com sua morte. De acordo com cartas enviadas para sua esposa e histórias de membros de seu gabinete, o ex-presidente Abraham Lincoln, aparentemente, gostava bastante de falar sobre seus sonhos e o que eles significavam.
  • 24. 24 Poucos dias antes de seu assassinato, Lamon disse que Lincoln lhe contou um sonho que teve: onde entrava no salão leste da casa branca e via um cadáver cercado por soldados. E ao perguntar aos soldados quem tinha morrido, um soldado respondeu: “o presidente. Ele foi assassinado”. - Chico Xavier 412 – A atividade do Espírito durante o repouso ou o sonodo corpo,pode fazê-lo experimentar fadiga, quando retorna? Sim, porque o espírito tem um corpo,como o balão cativo tem um poste.Ora, da mesmaformaque a agitação do balão abala o poste,aatividade do espírito reage sobre o corpo e pode fazê-lo experimentar fadiga. Comentários: Enquanto descansamos o nosso corpo físico, nós estamos em atividade enquanto espíritos parcialmente libertos. O espírito está em atividade ligado ao corpo físico pelo fio prateado. Com certeza todos nós já tivemos pesadelos – coração acelerado, corpo suado, calafrios, tremor. Ocorre impacto no corpo físico. Dependendo das atividades, positivas ou negativas, fatigantes ou não, realizadas pelo espírito em desdobramento pode repercutir no espírito. Dependendo do que fizermos durante o desdobramento podemos cansar ou renovar o espírito e, consequentemente, o nosso corpo físico também. Nós precisamos nos preparar para dormir: Recomendações úteis - Fazer leituras edificantes.O ideal é fazer leitura evangélica - ao se deitar, ler, em voz normal, o evangelho segundo o espiritismo. Este hábito faz-nos ficar mais calmos e, acalma também, os espíritos menos felizes que nos acompanham; aqueles que querem nos Prejudicar durante o sono. - Evitar tensões graves no momento que antecede o sono. - Evitar comer em excesso e se alimentar com comida leve, suave
  • 25. 25 - Ter cuidado com o que assiste, com o que ouve, com o que acessa no decorrer do dia e, principalmente, à noite. Se for assistir algo procurar programas construtivos. - Meditação - Entrar em contato consigo mesmo e com Deus seguindo a orientação de Santo Agostinho (questão 919 do livro dos espíritos) - No caso de insônia, fazer algum exercício de relaxamento. - Oração - Agenda noturna de atividades em desdobramento – solicitar ao mentor e à espiritualidade superior com a permissão de Deus (estudar, participar de palestras ou cursos, atividades caritativas, reencontrar com entes queridos que já desencarnaram, estar ao lado do mentor espiritual, trabalhar no auxílio ao próximo).Assim, enquanto o corpo repousar estaremos convivendo com amigos e mentores, aprendendo e servindo, como um ensaio feliz para a transferência definitiva, quando a morte nos convocar. Prece – Minha alma vai estar por alguns instantes com os outros espíritos. Venham os bons ajudar-me com seus conselhos. Faze, meu anjo guardião, que, ao despertar, eu conserve durável e salutar impressão desse convívio. (esse – coletânea de preces, item 39) Ao acordar: - Oração Extrair sempre os objetivos edificantes desse ou daquele painel entrevisto em sonho. Em tudo há sempre uma lição. Repudiar as interpretações supersticiosas que pretendam correlacionar os sonhos com jogos de azar e acontecimentos mundanos, gastando preciosos recursos e oportunidades da existência em preocupação viciosa e fútil. - Caso queira, registre o sonho em um caderno Objetivos elevados, tempo aproveitado. Quanto mais nos prepararmos para dormir, quanto mais nos reformarmos intimamente, mais teremos consciência,lembranças das experiências vividas durante o sono (emancipação) Maneira de orar – evangelho segundo o espiritismo – cap. XXVII, item 22.
  • 26. 26 8.2 – Visitas espíritas entre pessoas vivas 413 – Do princípio da emancipação da alma durante o sono, parece resultar que temos uma dupla e simultânea existência: a do corpo que nos dá a vida de relação exterior e a da alma que nos dá a vida de relação oculta; isto é exato? No estado de emancipação, a vida do corpo cede lugar à vida da alma; mas não são, propriamente falando, duas existências: são mais duas fases da mesma existência, porque o homem não vive duplamente. Comentários: A vida é uma só, desde o princípio espiritual quando ainda estagiamos no reino mineral, no reino vegetal e no reino animal. É apenas uma existência que tem duas fases: - Quando está em vigília (acordado) que é a vida de relações exteriores, mais extensiva. - Quando está em desdobramento pelo sono ou desdobramento mediúnico tem a oportunidade de viver a vida de espírito. Seria muito difícil para o Espírito viver uma reencarnação inteira permanentemente preso na carne. Essafase de desdobramento é o momento em que o espírito consegue se libertar, mesmo que parcial. É como se fosse um descanso do cárcere do corpo físico. Então Deus permite através do desdobramento (1/3 do dia) nós vivermos momentos de alívio, de liberdade do corpo físico. 414 – Duas pessoasque se conhecempodem se visitar duranteo sono? Sim, e muitas outras que creem não se conhecerem,se reúnem e conversam. Podes ter,sem disso suspeitar,amigos em outro país. O fato de ir ver, durante o sono, os amigos, os parentes, os conhecidos, as pessoas que vos podem ser úteis, é tão frequente que o fazeis quase todas as noites. Comentários: Durante o desdobramento pelo sono nos encontramos com outras pessoas, nossos familiares, amigos dessa existência atual, como também de outras LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS Capítulo VIII – Emancipação da Alma
  • 27. 27 existências que podem estar encarnados em outros países e não as conhecemos nessa reencarnação. Isso é um fato. É real. Assim como há a rotina na vida material (em vigília), há a rotina na vida espiritual (durante o sono). Há uma vida de relação. Nos encontramos, conversamos, aprendemos, crescemos. O desdobramento nos proporciona o encontro não apenas com espíritos desencarnados, mas também com espíritos encarnados também em desdobramento pelo sono. Isso é muito comum. Durante a noite (durante o sono)fazermos essas visitas. É comum nós mesmos encarnados continuarmos fazendo cursos juntos na Espiritualidade. 415 – Qual pode ser a utilidade dessas visitas noturnas, uma vez que delas não nos lembramos? Fica, comumente,ao despertar,uma intuição que é, frequentemente,a origem de certas ideias que vêm espontaneamente, sem que se as explique, e que não são outras que aquelas adquiridas nessas conversas. Comentários: Às vezes a necessidade que temos não é de lembrar de toda a vivência espiritual durante o sono, mas a intuição que fica dos conhecimentosobtidos, dos diálogos nesse período é que é importante para nós. No momento que necessitarmos daquela informação ela nos vem. São essas ideias que nos vem, que muitas vezes não sabemos de onde vem, é que partem dessas conversas realizadas durante o desdobramento espiritual. Se fosse inútil, se nada fosse aproveitado durante o período de desdobramento pelo sono, não teríamos condições e nem motivos para lembrar de nada, de determinadas passagens, de determinadas imagens. Se lembramos é porque tem utilidade em algum momento da nossa vida atual. Saindo do subconsciente e vindo para o consciente.
  • 28. 28 416 – O homem pode provocar as visitas espíritas pela sua vontade? Pode ele, por exemplo, dizer ao dormir: esta noite eu vou me encontrar, em espírito, com tal pessoa, falar-lhe e dizer-lhe tal coisa? Eis o que se passa: o homem adormecendo,seu espírito desperta,e o que o homem resolveu,o espírito, frequentemente,estábem longe de seguir,porque a vida do homem interessa pouco ao Espírito, quando este está desprendido da matéria. Isto se aplica aos homens já muito elevados;os outros passam de outra forma sua existência espiritual: entregando-se às suas paixões ou permanecendo na inatividade. Pode, pois, acontecer que, segundo o motivo pelos quais se propôs, o espírito vá visitar as pessoas que deseja; mas sua vontade, no estado de vigília, não é uma razão para que o faça. Comentários: Há várias situações para que esse encontro possa ocorrer ou não. O Espírito ao despertar, ao estar vivenciando a vida de Espírito tem outros interesses que são muito mais amplos e intensos.(A nossafamília espiritual é ampla. Quantos pais, quantas mães já tivemos?) Os Espíritos mais evoluídos possuem interesse mais nobres. Não vai perder tempo para encontrar pessoas que almeja encontrar enquanto está no momento de vigília. Com as percepções ampliadas, seus interesses também se ampliam. Espíritos que se encontram escravizados às paixões darão vazão aos seus instintos inferiores, buscando aquilo que lhe atrai. Mas também pode acontecer que o Espírito vá ao encontro daqueles que deseja encontrar. Pode acontecer que essa paixão seja tão forte que escraviza aquele Espírito e como ele está escravizado, vinculado emocionalmente a determinado Espírito fará que ele procure aquela pessoa quando está em desdobramento pelo sono. E não pelo fato de dizer que gostaria de estar com aquela pessoa,mas pelas paixões que o atrai. Depende também daoutra pessoa.Se elaestiver em outra sintonia o encontro não ocorrerá. O interesse deve ser mútuo. 417 – Um certo número de Espíritos encarnados pode reunir-se em assembleia?
  • 29. 29 Sem nenhuma dúvida. Os laços de amizade, antigos ou novos, reúnem, frequentemente,diversosespíritos,ditososde se encontrarem em assembleia. Allan Kardec: Pela palavra antigo é preciso entender os laços de amizade contraídos em outras existências anteriores. Trazemos, ao despertar, uma intuição das ideias que adquirimos nessas conversas ocultas, ignorando sua fonte. Comentários: Durante o desdobramento pelo sono podemos estar reunidos com outros Espíritos encarnados em desdobramento ou com outros Espíritos desencarnados para participar de reuniões, de assembleias, tendo a oportunidade de aprender através de palestras, cursos, das artes, de experiências. Da mesma forma que em vigília nos reunimos com diversos objetivos, igualmente, no plano espiritual. Da mesma forma que aqui buscamos os nossos afins, no plano espiritual também. As almas afins que se reúnem para trocar ideias. Assim os bons, assim os maus. Há as assembleias também daqueles que vivem ainda nas paixões inferiores. há assembleias voltadas a todos os assuntos, todos os motivos, todas as vontades. As assembleias que André Luizdescreve em NossoLare nas demais obras da série: Vida no Mundo Espiritual são pessoas extremamente bem- intencionadas, comprometidas com o Evangelho de Jesus. Porém, nem todas as reuniões são de nível elevado. Pessoas com interesses escusos também se reúnem na Espiritualidade para coordenar seus esforços conforme seus propósitos. André Luiz traz exemplos das duas vertentes: o bem e a ausência do bem (mal) Quanta oportunidade de aprendizado,de progresso nós temos ao participar desses encontros com ideais elevados e construtivos. Estar com outras pessoas durante o sono não é ilusão, mas a vivência do nosso Espírito.
  • 30. 30 418 – Uma pessoaque acreditasseum de seus amigos morto, enquanto ele não esteja, poderia se encontrar com ele em espírito e saber, assim, que está vivo? Poderia, nesse caso, ter a intuição ao despertar? Como espírito, certamente, pode vê-lo e conhecer sua sorte. Se não lhe é imposta como uma prova a crença na morte do amigo, ele terá um pressentimento da sua existência, como poderá tê-lo de sua morte. Comentários: O Espírito de uma pessoa encarnada, em desdobramento pode pelo merecimento e permissão de Deus saber da sorte daquela que ele supunha estar desencarnado e perceber pela intuição que essa pessoa encontra-se ainda encarnada dando continuidade à sua vida física. Se não for uma prova, pois por alguma razão, é necessário que pense que aquela pessoa está desencarnada. Daí não terá a percepção de que outro ainda está no mundo dos encarnados. E pode sero contrário também.Caso a outra pessoatenha desencarnado, se for do merecimento e da permissão de Deus, essa pessoa poderá ter a noção pela intuição que essa outra pessoa está desencarnada. Ex: Muito comum entre as mães em que os filhos saem, desaparecem e não enviam notícias.
  • 31. 31 8.3 – Transmissão oculta do pensamento 419 – Por que a mesma ideia, a de uma descoberta, por exemplo, se produz sobre vários pontos ao mesmo tempo? Já vos dissemos que,durante o sono,os espíritos se comunicam entre si. Pois bem, quando o corpo desperta, o espírito se lembra do que aprendeu e o homem acredita tê-lo inventado. Assim, vários podem encontrar a mesma coisaa um só tempo.Quando dizeis que uma ideiaestá no ar, usais uma figura mais justa do que acreditais.Cada um contribui em propagá-la, sem suspeitar. Allan Kardec: Nosso Espírito revela,assim, frequentemente,a outros Espíritos e sem o nosso conhecimento, o que se faz objeto de nossas preocupações durante a vigília. Comentários: Nós temos uma realidade Espiritual muito mais rica do que a nossa vivência material que o nosso corpo físico permite. Temos uma vivência mental muito intensa. Às vezes uma determinada ideia, uma determinada descoberta surge em vários pontos do planeta ao mesmo tempo. Isso ocorre que durante o desdobramento pelo sono quando encontramos diversas pessoas,colocamos nossas ideias, trocamos informações propagando o conhecimento e recebendo orientação da Espiritualidade sobre determinado assunto, determinado tema. – Não recebemos pronto, temos que fazer a nossa parte, buscando a aprendizagem, o conhecimento como mérito para evoluir. Ao acordarmos trazemos no íntimo as intuições para podermos desenvolver ideias que muitas vezes são necessárias para o progresso da humanidade. A Espiritualidade não vai limitar as ideias para o avanço da humanidade a uma única pessoa, propagando aquela ideia a várias pessoas ao mesmo tempo. Todos aptos a receber aquela ideia pela intuição. Isso é um indicativo de que todos aqueles Espíritos dialogaram, trocaram informações,participaram de encontros,de palestras,de experiênciaspráticas propagando a ideia em vários pontos do planeta ao mesmo tempo. Ao acordarem, lembram-se da chave que lhes faltava para completar seu ideal, e como foram muitos os que ali estiveram em assembleia, vindos de LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS Capítulo VIII – Emancipação da Alma
  • 32. 32 vários países, as “descobertas” surgem simultaneamente em vários lugares do globo,uns mais atrasados e outros com certadianteira, tudo de acordo com a percepção de cada criatura e determinação do plano espiritual. Dessa forma uma mesma ideia é percebida por várias pessoas em vários lugares ao mesmo tempo ou em tempos próximos. Como também, uma “descoberta” ou ideia é sequência de outra. - Na ciência, na arte, na organização social, na tecnologia, ou seja, em todos os setores. Somos instrumentos da Divindade para aquela “descoberta”, naquele momento, naquele planeta, junto àquela humanidade. Não somos descobridores de nada, somos apenas instrumentos da Divindade. Quando a ideia chega por aqui há muito tempo já estava na Espiritualidade. Tudo aqui é cópia pálida da verdadeira realidade. Devemos usar da humildade para reconhecer essa verdade. 420 – Podem os Espíritos se comunicar,se o corpo está completamente desperto? O espírito não está encerrado no corpo como numa caixa: ele irradia portodos os lados. Por isso, ele pode se comunicar com outros espíritos mesmo no estado de vigília, ainda que o faça mais dificilmente. Comentários: A matéria (corpo)impede amanifestação do Espírito em vários pontos,mas não elimina completamente a sua capacidade de comunicação. Telepatia – comunicação direta e a distância entre duas mentes, ou conhecimento, poralguém,dos processosmentais de outrem,além dos limites da percepção ordinária. Há várias pessoas que conseguem comunicar-se portelepatia. Basta haver a sintonia de pensamentos, de emoções e de fluidos. É muito comum entre casais, irmãos gêmeos, mães e filhos. Depende da afinidade e da sintonia. Pensam a mesma coisa. Todos nós temos a capacidade de comunicarmos por telepatia estando em estado de vigília. À medidaque formos evoluindo perceberemosque ahabilidade de telepatia será mais natural e frequente em nossas vidas. De Espírito para Espírito se dá a comunicação, estejam eles encarnados ou desencarnados. O pensamento fala onde quer que seja.
  • 33. 33 421 – Por que duas pessoas, perfeitamente despertas, têm instantaneamente a mesma ideia? São dois espíritos simpáticos que se comunicam e veem, reciprocamente, seus pensamentos, mesmo quando o corpo não dorme. Allan Kardec: Há, entre os Espíritos que se encontram, uma comunicação de pensamentos que faz duas pessoas se verem e se compreenderem sem necessidade dos sinais exteriores da linguagem. Poder-se-ia dizer que elas falam a linguagem dos espíritos. Comentários: São Espíritos simpáticos. O amor, a simpatia, os sentimentos, a energia vibracional entre as pessoas faz com que estejam sempre conectadas umas às outras. Essa conexão envolve também pensamentos. Essas pessoas têm certa afinidade de princípios, de pensamentos e de ideias. Isso faz com que consigam captar o pensamento uma da outra. É como se já estivessem se comunicando com a linguagem dos Espíritos (Extrassensorial) que é a linguagem do pensamento. Todo Pensamento irradia as características do estado mental que o envolve (felizes ou menos felizes). Cada Espírito, segundo a Codificação, é uma unidade indivisível, que pode irradiar seus pensamentos para diversos pontos sem que se fracione para tal efeito. Pelos desejos,pelafixação de seus interesses, emitem e captam certa ordem de ideias em regime de influência recíprocas. (sintonia). Devemos observar quais são os pensamentos que estamos emitindo,pois são eles que nos conectam a pensamentos semelhantes.
  • 34. 34 8.4 – Letargia, catalepsia e mortes aparentes Letargia (do latim lethargia: "lethe" — "esquecimento" — e "argia" — "inação") é a perda temporária ou completa da sensibilidade e do movimento por causa fisiológica, ainda não identificada, levando o indivíduo a um estado mórbido, em que as funções vitais estão atenuadas de tal forma que parece estarem suspensas, dando ao corpo a aparência de morte. A pessoa fica imóvel, os membros pendentes sem rigidez alguma, a respiração e o pulso ficam praticamente imperceptíveis, as pupilas dilatadas e sem reação à luz. Há casos em que a pessoa, apesar da inércia absoluta, tudo percebe e compreende, mas se encontra totalmente impossibilitado de reagir de qualquer forma. Por motivo da atividade psíquica conservada durante esse estado letárgico, dá-se o nome de letargia lúcida. Antigamente, devido à falta de recursos da medicina, havia casos de pessoas dadas como mortas e que, posteriormente, no caso de exumações, verificou-se que o cadáver se encontrava em posiçãodiferente da qual fora colocado no caixão ou de tampas arranhadas, sugerindo que tais pessoas foram enterradas vivas durante um estado letárgico. Atualmente a medicina reconhece como mortas somente as pessoas que não apresentem nenhuma atividade cerebral, o que impossibilitaria tal fato. Há o auxílio dos aparelhos que detectam aas funções vitais. https://pt.wikipedia.org/wiki/Letargia A catalepsia é um distúrbio em que a pessoa não consegue se movimentar devido a rigidez muscular, não sendo capaz de mexer os membros, a cabeça e até sendo incapaz de falar. No entanto, todos seus sentidos e funções vitais continuam funcionando corretamente, o que pode causar extrema sensação de pânico e ansiedade. Esta condição geralmente se mantém por alguns minutos, mas, em casos mais raros, pode continuar por várias horas. Por esse motivo, existem histórias de pessoas que foram enterradas vivas durante um estado cataléptico, o que hoje em dia seria impossível, já que existem aparelhos que detectam as funções vitais, como é o caso do eletroencefalograma e do eletrocardiograma. https://www.tuasaude.com/catalepsia/ A letargia e a catalepsia tem o mesmo fundamento: a perda temporária da sensibilidade e do movimento decorrente de uma causa fisiológica ainda não completamente estabelecida. A diferença entre as duas reside no fato de que na letargia a paralisação do corpo é geral, os membros pendentes, sem rigidez e dá ao corpo a aparência de morte, enquanto que na catalepsia, a paralisação é localizada, os membros rijos, podendo atingir uma parte mais ou menos extensa do corpo. http://espiritismocursos.blogspot.com/2016/10/22-aula-parte-curso-aprendizes-do.html LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS Capítulo VIII – Emancipação da Alma
  • 35. 35 https://espiritismodaalma.wordpress.com/2019/02/09/desdobramento-catalepsia-e- letargia-fenomenos-espirituais/ 422 – Os letárgicos e os catalépticos veem e ouvem, geralmente, o que se passa ao seu redor, mas não podem se manifestar; é pelos olhos e orelhas do corpo? Não, pelo Espírito. O Espírito se reconhece, mas não pode se comunicar. 422.a) Por que ele não pode se comunicar? O estado do corpo se opõe aisso.Estado particular dos órgãos vos dá a prova de que há, no homem,outra coisaalém do corpo,visto que o corpo não tendo mais função, o Espírito age. Comentários: Letargia e catalepsia– quando há a paralisação total ou parcial do corpo físico. No caso da paralisação total, fornece a ideia de uma morte aparente. O corpo físico depende dos órgãos para manter suas relações com o mundo exterior, ou seja, necessitados olhos para ver, dos ouvidos para ouvir, mas o Espírito tem suas percepções em todo o corpo perispiritual. São percepções a 360°. Os letárgicos e os catalépticos estão nessa condição de ausentes do corpo físico. Não dependem das reações físicas, tendo uma percepção ampla de tudo o que envolve. Durante esse período o Espírito não fica preso ao corpo físico. O Espírito se emancipa vivenciando a vida de Espírito Nessas situações o Espírito se mantém lúcido, tendo consciência de tudo o que está acontecendo ao seu redor. Porém não consegue exprimir as suas percepções em função da paralisação orgânica. Letra A: O corpo está adormecido, está inerte naquele momento. O Espírito está desprendido e não pode contar com o seu corpo para se comunicar. Daí a impossibilidadedo letárgico oucataléptico se comunicarcom outras pessoas. Desprendido do corpo (parcialmente) o Espírito passa a ter mais liberdade para se comunicar com aqueles que podem se comunicar com ele, mas fica impossibilitado da comunicação com outros seres encarnados.
  • 36. 36 423 – Na letargia, o Espírito pode se separar inteiramente do corpo, de maneira a dar-lhe todas as aparências da morte e voltar em seguida? Na letargia o corpo não está morto, já que há funções que permanecem. A vitalidade aí está em estado latente, como na crisálida, mas não está aniquilada. Ora, o Espírito está unido ao corpo, tanto que ele vive. Uma vez rompidos os laços pela morte real e a desagregação dos órgãos,a separação é completa e o Espírito aí não retorna mais. Quando um homem que tem as aparências da morte retorna à vida, é porque a morte não havia se completado. Comentários: A separação integral do Espírito com o corpo físico só acontece com a morte. A tese da ressurreição dos mortos – o Espírito retornaria e assumiria o seu corpo. Tese bem antiga, desde o Egito antigo – Embalsamar o corpo para deixa-lo protegido para quando sua alma retornasse o corpo estaria preservado. A doutrina Espírita e a própria ciência demonstram de forma clara que uma vez ocorrida a desagregação molecular dos órgãos não tem como o Espírito retornar para aquele corpo. Rompidos os laços que prendem o corpo físico ao perispírito, não tem como retornar. O Espírito reencarna, mas o corpo não ressuscita. A letargia é uma morte aparente. A pessoa,no estado de letargia, seu corpo não está morto. Está apenas com as funções paralisadas, mantendo o fluido vital e as funções básicas em atividade (mesmo que esteja imperceptível) para se manter vivo, pois o Espírito ainda está ligado ao corpo. A letargia – quando o organismo fica paralisado e o Espírito perde o seu domínio sobreo corpo.O Espírito tem avida de Espírito,podever,ouvir, sentir, perceber, mas não tem como agir fisicamente com o seu corpo. A alma, ainda estandoligadaao corpo físico,em muitoscasos pode a ele voltara viverno seu instrumento físico, mas, depois que se romperemesses laços espirituais,terminou sua atividade no mundo das formas, como Espírito encarnado. Somente resta a esperança de reencarnar em novo corpo, para novas tarefas evolutivas.Nãosendocompletaamorte,há meiosdoEspírito retornaràs suasfunçõese comandaros seus órgãos e todo o seu corpo, para continuar a sua tarefa, em nome de Deus. Exemplos: - A filha de Jairo – A Gênese – Capítulo XV, item 37, pág. 217 - O Filho da viúva de Naim – A Gênese – Capítulo XV, item 38, pág. 218 - A ressurreição de Lázaro – João 11:1-44
  • 37. 37 424 – Pode-se, por meio de cuidados dados a tempo, reatar os laços prestes a se romper e tornar à vida um ser que, por falta de socorro, estaria definitivamente morto? Sim, sem dúvida, e disso tendes, todos os dias, a prova. O magnetismo é, nesse caso, um poderoso meio porque restitui ao corpo o fluido vital que lhe falta e que era insuficiente para manter o funcionamento dos órgãos. Comentários: Nós temos diversos exemplos de pessoas que quase morrem, quase desencarnam, mas por uma ação de outra pessoa pode retornar à vida. Enquanto não houver o completo desligamento do perispírito em relação ao corpo físico é possível que através de novos fluidos vitais que possam revigorar o corpo debilitado e a vida ser restituída. Nós podemos doar o fluido vital. O passe espírita que é uma transfusão energética, uma transfusão espiritual e magnética é um desses instrumentos para que possa repor o potencial energético para a manutenção da vida orgânica. Através do fluido pelo passe auxiliamos na troca das células mal sãs por células salutares, restituindo no corpo físicoasaúde e o bem-estar.O médium generoso é capaz de assimilar o fluido universal, transformando-o em magnetismo animal e, se em torno de si existem companheiros de alta linhagem espiritual, é possívellevantarcaídos,curarenfermos e mesmoreatar laços quase a serem desfeitos, mudando completamente o quadro da situação. Jesus fez isso muitas vezes durante sua passagem aqui no plano físico, através do seu fluido magnético divino. conhecedor de todos os segredos da vida humana, dava apenas uma ordem ao moribundo e restabeleciatodas as funções dos seus órgãos em decadência.Assim fazia com os cegos,leprosos e mesmo com os tidos como mortos. Era a força poderosa da Sua mente, carregada de magnetismo divino. Recomenda-se: - O passe bem orientado - A água fluidificada - A leitura nobre - Conversações edificantes. - Pensamentos e ações voltados para o bem.
  • 38. 38 Allan Kardec: A letargia e a catalepsia têm o mesmo princípio, que é a perda momentâneada sensibilidadee do movimento porumacausafisiológica, ainda inexplicada. Elas diferem em que, na letargia, a suspensão das forças vitais é geral e dá ao corpo todas as aparências da morte, e, na catalepsia, ela é localizada e pode afetar uma parte mais ou menos extensa do corpo, de maneira a deixar a inteligência livre para se manifestar, o que não permite confundi-la com a morte. A letargia é sempre natural;a catalepsia é,algumasvezes,espontânea,mas pode ser provocada e desfeita artificialmente pela ação magnética. Comentários: Letargia – sempre natural – causas fisiológicas ainda desconhecidas (inexplicada) até mesmo para a Ciência. Não tem uma causa externa. É o próprio organismo. Catalepsia – pode sernatural ou provocada – Pode ocorrerem função de uma doença, produtos alucinógenos, desequilíbrio emocional, etc. Algo que possa provocar uma situação cataléptica no corpo. Outra letargia e outra catalepsia piores que as do corpo, são aquelas dos sentimentos espirituais, dos que dormem no mal. Os seres humanos que param nas paixões inferiores se encontram em estado de letargia profunda, da qual podem demorar a se desligar. Outros, estão envolvidos na catalepsia do crime e da violência, vindo, depois, a sofrerem as consequências da aceitação desse estado anormal. A cabeçado indivíduo que somente forma ideias perniciosas está em fase de horrível catalepsia e somente o tempo, a ajuda dos benfeitoresespirituais e a sua boa vontade poderão ajudá-lo a sair dessas trevas. As sequelas ainda o acompanham por muito tempo. Os que ainda se encontram na letargia do egoísmo, do orgulho, da vaidade, do ciúme e da violência demoram muito tempo recebendo a dor como terapia divina, para despertar do sono e fazer lugar com certas reformas no mundo íntimo, ao amor, à paz e ao desprendimento, dedicando-se ao perdão sem condições, com pulso forte, para a conquista da fraternidade. O Espiritismo com o Cristo tem o poder de nos acordar para a luz de Deus, moldando as nossas forças paraas forças do bem,conduzindo-nos para a paz de consciência.
  • 39. 39 Deus criou apenas três coisas: o princípio material (matéria), o princípio espiritual (Espírito) e definiu as leis que regem esses dois princípios. A partir daí entra o cumprimento dessas leis com as infinitas combinaçõesdamatéria, e, através do automatismo da natureza repete-se os processos.Ex:a semente germinando (plantas), a reprodução física dos seres ocorre através da fecundação pelo processo da interação macho e fêmea. Do princípio espiritual, advém o Espírito.O princípio espiritual inicia começao seu processo de aprimoramento,de crescimento,de conhecimento láno reino mineral. O princípio espiritual anima o reino mineral, após milhões de anos migra para o reino vegetal (com funções biológicas), após outros milhões de anos está ele no reino animal (com funções mais complexas), vai adquirindo sua individualidade, mais uma sequência de milhões de anos de aperfeiçoamento é galgado à condição de Espírito. Nessa condição de Espírito passa a participar do reino hominal fazendo parte da humanidade. Quando o princípio espiritual passa à condição de Espírito, normalmente, ele habita mundos primitivos, quando esses seres começam a encarnar e reencarnar em corpos humanos iniciando a fase de crescimento do Espírito que busca a perfeição relativa. O princípio material dá a origem a uma matéria básica da natureza chamada Fluido Cósmico Universal. Desse fluido advém os elementos químicos (contidos na tabela periódicade química) e através das diversas combinações desses elementos formam-se a infinita diversidade da matéria. O princípio material fornece todas as condiçõespara que haja todas as manifestaçõesda matéria. Nesses dois princípios (material e espiritual) se baseia toda a vida universal a partir da criação divina.
  • 40. 40 A filha de Jairo 37. Tendo Jesus passado novamente, de barca, para a outra margem, logo que desembarcou grande multidão se reuniu em torno dele. Então, um chefe de sinagoga, chamado Jairo, veio ao seu encontro e, ao aproximar-se dele, se lançou aos seus pés — a suplicar com insistência, dizendo: “Tenho uma filha que está no momento extremo, vem impor-lhe as mãos para a curar e lhe salvar a vida.” Jesus foi com ele, acompanhado de grande multidão, que o comprimia. Quando Jairo ainda falava, vieram pessoas que lhe eram subordinadas e lhe disseram:“Tua filha está morta; por que hás de dar ao Mestre o incômodo de ir mais longe?” — Jesus, porém, ouvindo isso, disse ao chefe da sinagoga: “Não te aflijas, crê apenas.” — E a ninguém permitiu que o acompanhasse,a não ser Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago. Chegando à casa do chefe da sinagoga, viu Ele uma aglomeração confusade pessoas que choravam e soltavam grandes gritos. — Entrando, disse-lhes Ele: “Por que fazeis tanto alarido e por que chorais? Esta menina não está morta, está apenas adormecida.” — Zombavam dele. Tendo feito que toda a gente saísse, chamou o pai e a mãe da menina e os que tinham vindo em sua companhia e entrou no lugar onde a menina se achava deitada. — Tomou-lhe a mão e disse: “Talita cumi”, isto é, “minha filha, levanta-te, eu to ordeno.” — No mesmo instante a menina se levantou e se pôs a andar, pois contava doze anos, e ficaram todos maravilhados e espantados. (Marcos, 5:21, 35 a 42.) O filho da viúva de Naim 38. No dia seguinte, Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim; acompanhavam-no seus discípulos e grande multidão. — Quando estava perto da porta da cidade, aconteceu que levavam um morto para ser sepultado, filho único de sua mãe; e essa mulher era viúva; estava com ela grande número de pessoas da cidade. — Tendo-a visto, o Senhor se tomou de compaixão para com ela e lhe disse: “Não chores.” — Depois, aproximando-se,tocouo esquife e os que o conduziam pararam. Então, disse Ele: “Jovem, levanta-te, eu o ordeno.” — Imediatamente o moço se sentou e começou a falar. E Jesus o restituiu à sua mãe. Todos os que estavam presentes ficaram tomados de espanto e glorificavam a Deus, dizendo: “Um grande profeta surgiu entre nós e Deus visitou o seu povo.” — O rumor desse milagre que Ele fizera se espalhou por toda a Judeia e por todas as regiões circunvizinhas. (Lucas, 7:11 a 17.)
  • 41. 41 Comentários: Não podemos afirmarcom absoluta certeza se nos casos do filho da viúva de Naim e da filha de Jairo teria ocorrido um estado de catalepsia ou de letargia, pois não há dados suficientes nos relatos bíblicos para que possamos distinguir um fenômeno do outro. De qualquer maneira, podemosafiançar que nos dois casos temos uma morte aparente, condição revertida pela pronta atuação magnética de Jesus. Caso isso não tivesse ocorrido, provavelmente os dois teriam sido sepultados sem estarem ainda mortos, fato que acontecia com frequência em épocas onde a Medicina não se encontrava devidamente desenvolvidapara diagnosticare registrar as funções vitais, como o batimento cardíaco e a atividade cerebral, de maneira eficaz como acontece na atualidade. A ressurreição de Lázaro Estava, porém, enfermo um certo Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta. E Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com unguento, e lhe tinha enxugado os pés com os seus cabelos, cujo irmão Lázaro estava enfermo. Mandaram-lhe, pois, suas irmãs dizer: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas. E Jesus, ouvindo isto, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela. Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro. Ouvindo, pois, que estava enfermo, ficou ainda dois dias no lugar onde estava. Depois disto, disse aos seus discípulos: Vamos outra vez para a Judéia. Disseram-lhe os discípulos: Rabi, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e tornas para lá? Jesus respondeu: Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo; Mas, se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz. Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono. Disseram, pois, os seus discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono. Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto; E folgo, por amor de vós, de que eu lá não estivesse, para que acrediteis; mas vamos ter com ele. Disse, pois, Tomé, chamado Dídimo, aos condiscípulos: Vamos nós também, para morrermos com ele. Chegando, pois, Jesus, achou que já havia quatro dias que estava na sepultura. (Ora Betânia distava de Jerusalém quase quinze estádios.) E muitos dos judeus tinham ido consolar a Marta e a Maria, acerca de seu irmão.
  • 42. 42 Ouvindo, pois, Marta que Jesus vinha, saiu-lhe ao encontro; Maria, porém, ficou assentada em casa. Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. Mas também agora sei que tudo quanto pedires a Deus, Deus to concederá. Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar. Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia. Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto? Disse-lhe ela: Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo. E, dito isto, partiu, e chamou em segredo a Maria, sua irmã, dizendo: O Mestre está cá, e chama-te. Ela, ouvindo isto, levantou-se logo, e foi ter com ele. (Pois, Jesus ainda não tinha chegado à aldeia, mas estava no lugar onde Marta o encontrara.) Vendo, pois, os judeus, que estavam com ela em casa e a consolavam, que Maria apressadamente se levantara e saíra, seguiram-na, dizendo: Vai ao sepulcro para chorar ali. Tendo, pois, Maria chegado aonde Jesus estava, e vendo-o, lançou-se aos seus pés, dizendo-lhe: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. Jesus, pois, quando a viu chorar, e também chorando os judeus que com ela vinham, moveu-se muito em espírito, e perturbou-se. E disse: Onde o pusestes? Disseram-lhe: Senhor, vem e vê. Jesus chorou. Disseram, pois, os judeus: Vede como o amava. E alguns deles disseram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer também com que este não morresse? Jesus, pois, movendo-se outra vez muito em si mesmo, veio ao sepulcro; e era uma caverna, e tinha uma pedra posta sobre ela. Disse Jesus: Tirai a pedra. Marta, irmã do defunto, disse-lhe: Senhor, já cheira mal, porque é já de quatro dias. Disse-lhe Jesus: Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus? Tiraram, pois, a pedra de onde o defunto jazia. E Jesus, levantando os olhos para cima, disse: Pai, graças te dou, por me haveres ouvido. Eu bem sei que sempre me ouves, mas eu disse isto por causa da multidão que está em redor, para que creiam que tu me enviaste. E, tendo dito isto, clamou com grande voz: Lázaro, sai para fora. E o defunto saiu, tendo as mãos e os pés ligados com faixas, e o seu rosto envolto num lenço. Disse-lhes Jesus: Desligai-o, e deixai-o ir. João 11:1-44 Jesus não lamentaria a morte, pois foi Ele o portador da imortalidade.
  • 43. 43 Jesus chorouporaqueles corações paraos quais expuserasublimes lições do seu amor e, ainda não O haviam compreendido. Até hoje não O compreendemos. Jesus chorou pela ignorância de que os homens eram e somos portadores. Comentários: No relato de Lázaro, acreditamos tratar-se de um estado de letargia, já que se encontrava “sepultado há quatro dias e cheirava mal”. Não é incomum a decomposição de um membro nesses casos. Lázaro, portanto, em estado letárgico, apresentava-se com perda total dos movimentos,mas suas funções vitais pertinentes ao corpo físicocontinuavam a ser executadas, embora a sua aparência fosse de morte. Sabedor deste fato, o Mestre utilizou seu fluido magnético, e mesmo decorridosvários dias em que Lázaro encontrava-se nesse estado,vitalizou-o sobremaneira, permitindo que imediatamente a movimentação retomasse. Todos se maravilharam, pois nada se conhecia a respeito deste assunto. “O Livro dos Espíritos” explica-nos, em sua questão 422 que os letárgicos e os catalépticos podem vere ouvir, muitas vezes, o que se passa ao seu redor, mas não podem comunicar-se, embora mantenham consciência de si mesmos. A percepção de tudo o que ocorre ao seu redor é do Espírito imortal, isso porque não houve ruptura completados laços fluídicos que ligam o Espírito ao seu corpo físico,o que, caso acontecesse,ocasionaria a morte do corpo. Em verdade, ocorre nesses casos uma frouxidão maior entre os laços do Espírito e do corpo,a qual permite ao Espírito um estado maior de desprendimento da alma.
  • 44. 44 8.5 – Sonambulismo 425 – O sonambulismo natural tem relação com os sonhos? Como se pode explicá-lo? É uma independência da alma, mais completa que no sonho, e nesse caso suas faculdades estão mais desenvolvidas. Ela tem percepções que não tem no sonho, que é um estado incompleto de sonambulismo.No sonambulismo, o Espírito é inteiramente ele mesmo.Os órgãos materiais estando, de alguma forma, em estado cataléptico, não recebem mais as impressões exteriores. Este estado se manifesta sobretudo durante o sono e é o momento em que o Espírito pode deixar provisoriamente o corpo, ficando este entregue ao repouso indispensável à matéria. Quando os fatos do sonambulismo se produzem, é que o Espírito, preocupado por uma coisa ou por outra, se entrega a uma ação qualquerque necessitado uso do corpo,do qualse serve, então, de um modo análogo ao emprego que faz de uma mesa ou de outros objetos materiais nos fenômenosde manifestação física,ou mesmo de vossa mão naqueles de comunicação escrita. Nos sonhos, de que se tem consciência,os órgãos,incluindo o da memória, começam a despertar; estes recebem, imperfeitamente, as impressões produzidas pelos objetos ou pelas causas exteriores, e as comunicam ao Espírito que, também, então, em repouso,não capta senão sensações confusas e, frequentemente,sem nexo e sem alguma razão de ser aparente, misturadas que são de vagas lembranças, seja desta existência, seja de existências anteriores. É fácil, então, compreender por que os sonâmbulos não têm nenhuma lembrança, e por que os sonhos, dos quais se conserva a memória, não têm, o mais frequentemente, nenhum sentido. Eu disse o mais frequentemente, porque ocorre que eles são a consequência de uma lembrança precisa de acontecimentos de uma vida anterior, e, algumas vezes mesmo,uma espécie de intuição do futuro. Comentários: Para a ciência: Sonambulismo – São movimentos e/ou comportamentos que representam fenômenosfísicosdecorrentesdaativação do sistemanervoso centrallevando à queda da qualidade do sono. É um tipo de parassonia (transtornos do sono que se caracterizam por experiências, comportamentos ou eventos psicológicos anormais, que podem ocorrer em várias fases do sono, durante a transição entre o sono-vigília, o sono ou o despertar. Ex: sonambulismo, terrores noturnos, bruxismo, pesadelos e transtornos de movimento) Episódios de comportamento: - Levantar-se da cama - Conversar LIVRO SEGUNDO: DO MUNDO ESPÍRITA OU MUNDO DOS ESPÍRITOS Capítulo VIII – Emancipação da Alma
  • 45. 45 - Perambular pelo quarto ou pela casa - Despertar sem que a pessoa se lembre na manhã seguinte do episódio sonâmbulo, etc. Ocorrência: - É frequente nas crianças (em torno de 5 anos, com pico de ocorrência na adolescência) – 15 a 30% - Nos adultos – Cerca de 1% - Ocorrem durante o sono delta (sono de ondas lentas, mais profundo) Não se deve acordar o indivíduo sob o risco de prolongar o episódio de parassonia, mas a informação de que se o sonâmbulo for acordado pode morrer, é mito. (http://www.institutobrasileirodosono.com.br/index.php/disturbios -do-sono) Para a doutrina Espírita: Sonambulismo – É um estado de emancipação da alma igualmente no sonho, porém maior e mais ampla, mais profunda. O Espírito em desdobramento consegue se deslocar a regiões mais distantes. O cérebro material fica mais longe do corpo perispiritual. O perispírito ficaligado com um fio muito tênue (delicado,leve)ao corpo físico. É como se estivesse quase livre, pleno em sua vida de Espírito. Durante o sono, o Espírito se desprende do corpo físico, tem as suas experiências que podem ficar registradas no nosso cérebro. Por isso que nós lembramos no dia seguinte. No caso do sonâmbulo é um aprofundamento maiorno sono,pois a separação do Espírito (perispírito) em relação ao corpo físico é maior. Não é definitiva, pois a separação definitiva só acontece com a morte do corpo físico e a separação dos laços que unem o Espírito ao corpo. A liberdade que o Espírito sente durante o estado sonambúlico é maior que a liberdade que ele tem durante o sono físico, havendo maior disponibilidade das faculdades espirituais para a experiência do Espírito. Que são mais profundas. As percepções do corpo físico no tocante o que acontece ao Espírito é muito menor. Por isso, o Espírito ao despertar no corpo físico não lembra do que vivenciou em estado de sonambulismo. Como está vivendo inúmeras experiências no plano espiritual, em determinadas situações, ele pode precisar estar fazendo alguma coisa que necessita do corpo físico. Por isso utiliza o corpo físico para realizar as suas
  • 46. 46 necessidades sendo executadas em Espírito em outro lugar e, não necessariamente perto do corpo. Na realidade não necessita do corpo físico para a realização das suas atividades, porém acredita que precisa e vai se servir desse como se utiliza qualquer outro objeto ou da mão do médium para a escrita. A alma não está ali. Está muito longe. Durante o estado sonambúlico o corpo está cataléptico (paralisado), mas o Espírito usando do fluido magnético fazcom que o corpo haja e obedeçaa sua vontade, daí a razão de alguns sonâmbulos fazer determinadas coisas e no dia seguinte não se lembrar de nada, pois aquelas ações não estavam impactando o cérebro e nem os demais órgãos sensoriais. O Espírito utiliza o corpo como se fosse qualquer outro objeto. É a ação magnética coordenada pelo Espírito no corpo material Ex: as mesas girantes. Uso do fluido magnético dos médiuns para a mesa levantar e girar. A ação magnética coordenadapelo Espírito sobre a matéria. O sonâmbulo atua sob a influência do próprio Espírito. Nos domínios da mediunidade – Cap. 8 e 10. Mecanismos da mediunidade – Cap. 13 Evolução em dois mundos – Cap. 01 Gênese – Princípio Vital (Cap. X, pág. 127) – Fluidos (Cap. XIV, pág. 178) Livro dos Médiuns – item 172 e 173 426 – O sonambulismo chamado magnético tem relação com o sonambulismo natural? É a mesma coisa, exceto que ele é provocado. Comentários: O sonambulismo magnético é aquele provocado pelos homens (magnetizador, hipnotizador). – Paralisa a pessoa. Faz a pessoa dormir. O sonambulismo natural é espontâneo, a pessoa entra em estado sonambúlico a partir do sono do corpo. Não devemos estimularo sonambulismo,pois nem todas as pessoas estão preparadas para as percepções que possam ter, que possam presenciar no estado de sonambulismo.
  • 47. 47 Às vezes envolvidas pela curiosidade, lhes faltam entendimento sobre o que acontece durante o processo de sonambulismo, lhes falta maturidade espiritual. É necessário estudar, conheceros processosde emancipação da alma, se preparar para as vivências de Espírito. Se acessarmos determinadas informaçõessem o devidopreparo,podemos nos desequilibrar. 427 – Qual a natureza do agente chamado fluido magnético? Fluido vital, eletricidade animal, que são modificações do fluido universal. Comentários: Deus: — Inteligência Suprema, causa primeira de todas as coisas. — Deus é o criador de tudo. — Deus é o princípio dos princípios.É a causa primeira de tudo. — É uma força superior que direciona todas as coisas. — Deus é amor.
  • 48. 48 Criação: — São criação Divina toda a Espiritualidade, todos os seres animados e inanimados, todos os astros que se movem no espaço, assim como os fluidos que o enchem. — Deus criou os dois princípios constitutivos do Universo: o Princípio Material e o Princípio Espiritual e suas respectivas Leis. Princípio Espiritual / Princípio inteligente — É o elemento inteligente do Universo que age em tudo e por toda parte, sob o impulso do pensamento divino. (A Gênese – pág. 142 – 3.º § do item 28) Objetivo: atingir a perfeição; Criação: simples e ignorante; Dinâmica: individualização e evolução. Espírito — É a individualização do princípio inteligente assim como o corpo é a individualização do princípio material. Essa individualização do princípio inteligente se efetua numa série de existências que precedem o períododa Humanidade. — Ser eterno, criado por Deus, simples e ignorante, sem ciência, com a missão de progressivamente, alcançar a perfeição atingindo a felicidade eterna. Princípio Material Objetivo: permitir a manifestação do espírito; Criação: estado de pureza absoluta; Dinâmica: transformação, combinações. Fluido Cósmico Universal — O FCU ou Fluido Cósmico Universal foi o nome dado pelos Espíritos ao fluido elementar imponderável que serve como intermediário entre o Espírito e a matéria. — Sofre infinitas metamorfoses através das infinitas combinações dando origem a diversos fluidos, diversos tipos de matéria. — Dois estados do Fluido Cósmico Universal (FCU): — Matéria Ponderável: é a matéria do mundo físico que preenche o mundo dos encarnados e dá origem aos corpos físicos.
  • 49. 49 — Matéria Imponderável: é a matéria do mundo espiritual. Forma o perispírito, as construções do mundo espiritual e os fluidos espirituais. Matéria e Energia — Matéria é o agente, o intermediário com o auxílio do qual e sobre o qual atua o espírito. — Todamatéria existente no Universo, visívele invisível, tem origem no fluido cósmico ou matéria cósmica primitiva. — Na essência toda matéria é energia tornada visível. Fluido Vital — É uma das modificações do Fluido Cósmico Universal — É responsável pela força motriz, que movimenta os corpos vivos (orgânicos). Sem ele a matéria é inerte. A matéria sem ele não tem vida, assim como ele sem a matéria não é vida. — Os seres orgânicos assimilaram o princípio vital. Cada um tem uma quantidade de Fluido Vital de acordo com as necessidades. — Modificando a constituição molecular desse corpo, o fluido vital dá-lhe propriedades especiais = VIDA. — A atividade do princípio vital é alimentada durante a vida pela ação do funcionamento dos órgãos. — Cessada aquela ação, por motivo da morte, o princípio vital se extingue. — o Fluido Vital pode ser transmitido de um indivíduo para outro. Fluido magnético,fluido vital, eletricidade animal são todas modificaçõesdo fluido cósmico universal. O fluido magnético estápresente tanto no sonambulismo natural, quanto no provocado. Por isso Kardec pergunta sobre o fluido magnético. Os fluidos captam as energias, as sensações, os sentimentos, a evolução de quem os possui. Os nossos fluidos são carregados de energias boas ou ruim, conforme o seu possuidor. Doamos o fluido vital através do passe (magnetização). O fluido vital é o mesmo princípio do passe espírita. O passe espírita é misto – se compõe de fluido magnético, elétrico do organismo do passista e de fluidos espirituais, oriundos da espiritualidade (mais refinados). No momento do passe,o passista está ali na função de intermediário entre a ação da Espiritualidade agindo sobre ele para que possajuntar a emanação
  • 50. 50 de energias espirituais com o seu potencial magnético e magnetizar a pessoa que está recebendo o passe. Por isso que o passe espírita requer do passista muito sentimento e também conhecimentos básicos para que saiba o que está fazendo para que obtenha maiores efeitos daquela magnetização. Jesus tinha domínio do princípio materiale do princípio espiritual.Dominava e manipulava os elementos da natureza. O processo de magnetização de Jesus ocorria no nível que não conhecemos. Nós não temos a pureza de coração que precisamos ter e nem o conhecimento intelectual para o domínio efetivo damatéria (dos elementos da natureza). Estamos engatinhando. Se queremos melhorar nossos fluidos, melhoremos a nossa conduta. As modificações interiores são capazes de gerar as mudanças externas. Esse fluido vital, eletricidade animalizada, é esse magnetismo do qual nossas mãos estão carregadas, e que toma a forma que o nosso coração se dispuser a dar-lhe. Em nossa intimidade, há uma fonte inesgotável; quanto mais damos, mais temos para distribuir. Perispírito É o princípio intermediário, substância semimaterial que serve de primeiro envoltório ao Espírito e liga a alma ao corpo. Questões: 27 e 65 a 67. 428 – Qual é a causa da clarividência sonambúlica? Já o dissemos: é a alma que vê. Comentários: Clarividência sonambúlica – É ter uma visão melhor da realidade em um estado de sonambulismo. A alma está enxergando. Não está limitada pelo corpo. Durante o processo de sonambulismo há a emancipação da alma. A alma se desprende parcialmente do corpo físico, ligada pelo cordão prateado e vivencia a vida de Espírito, conseguindo acessar o mundo espiritual, os Espíritos desencarnados, outros Espíritos encarnados em desdobramento.