SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Viemos com o peso do passado e da         só se quer a vida cheia quem teve vida
semente                                   parada
esperar tantos anos torna tudo mais       Só há liberdade a sério quando houver
urgente                                   a paz o pão
e a sede de uma espera só se ataca na     habitação
torrente                                  saúde educação
e a sede de uma espera só se ataca na     só há liberdade a sério quando houver
torrente                                  liberdade de mudar e decidir
Vivemos tantos anos a falar pela calada   quando pertencer ao povo o que o povo
só se pode querer tudo quanto não se      produzir.
teve nada
só se quer a vida cheia quem teve vida     Liberdade
parada                                     Sérgio Godinho
A madrugada do dia 25 de Abril de 1974 Lisboa assistiu a
um movimento militar pouco comum. Homens e veículos
avançam, através da noite, pela capital do império e vão
ocupando, sem resistência visível, vários alvos estratégicos,
com o objectivo de derrubar o regime vigente.
Os militares golpistas, auto denominados Movimento das
Forças Armadas – MFA – são comandados, secretamente, a
partir do Quartel da Pontinha, em Lisboa, por Otelo
Saraiva de Carvalho, um dos principais impulsionadores
da acção.
.
Ao longo do dia os revoltosos foram tomando outros
objectivos militares e civis e, pese embora tenham existido
algumas situações tensas entre as forças fiéis ao regime e as
tropas que desencadearam o golpe, a verdade é que não
houve notícia de qualquer confronto armado nas ruas de
Lisboa.
O único derramamento de sangue teve lugar à porta das
instalações da PIDE (Polícia de Investigação e Defesa do
Estado) onde um grupo de cidadãos se manifestava contra
os abusos daquela organização e alguns dos agentes que se
encontravam no interior abriram fogo, atingindo
mortalmente 4 populares.
A censura, a PIDE e a Legião e a Mocidade Portuguesas são
alguns exemplos do que os cidadãos tinham de enfrentar
no seu dia-a-dia. Por outro lado, a pobreza, a fome e a falta
de oportunidades para um futuro melhor, frutos do
isolamento a que o país estava votado há
décadas, provocaram um fluxo de emigração que
agravava, cada vez mais, as fracas condições da economia
nacional.
A par das movimentações em Lisboa, também no Porto os
militares tomam posições. São ocupados o Quartel-General
da Região Militar do Porto, o Aeroporto de Pedras Rubras
e as instalações da RTP na cidade invicta.
Mais tarde Salgueiro Maia desloca parte das suas tropas
para o Quartel do Carmo onde está o chefe do governo,
Marcelo Caetano, que acaba por se render no final do dia
com apenas uma exigência: entregar as responsabilidades
de governação ao General António Spínola, oficial que não
pertencia ao MFA, para que “o poder não caía nas ruas”. O
Presidente do Conselho, que anos antes tinha sucedido a
Salazar no poder, é transportado para a Madeira e daí
enviado para o exílio no Brasil.
Por detrás dos acontecimentos daquele dia 25 de Abril
estão mais de 40 anos de um regime autoritário, que
governava em ditadura e fazia uso de todos os meios ao
seu alcance para reprimir as tentativas de transição para
um estado de direito democrático.
Internacionalmente o país era pressionado para acabar com
a guerra e permitir a autodeterminação das populações das
colónias. A falta de armas nas forças portuguesas era
proporcional ao aumento de meios dos movimentos
independentistas. Os soldados portugueses morriam às
centenas a milhares de quilómetros de casa.
Mas a gota de água que terá despoletado a acção
revolucionária dos militares que, durante tantos anos
tinham apoiado e ajudado a manter o regime, foi a guerra
colonial em África. Com 3 frentes abertas em outros tantos
países, Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, os militares
portugueses, passada mais de uma década, começavam a
olhar para o conflito como uma causa perdida.
Todos estes factores contribuíram para um
descontentamento crescente entre as forças armadas,
sobretudo entre os oficiais de patentes inferiores, o que
levou à organização e concretização de um golpe militar
contra o regime do Estado Novo.
25 de Abril de 1974 ficará, para sempre, na história como o
dia em que Portugal deu os seus primeiros passos em
direcção à democracia.
A coluna de blindados vindos da cidade ribatejana chega a
Lisboa ainda o dia não tinha despontado, ocupa posições
frente ao Tejo e controla, sem problemas aquela importante
zona da capital.
Não foi difícil perceber que a colisão frontal entre o Limite
e a administração da Renascença de então resultou do facto
de se ter usado a estação para a transmissão da senha. Até
hoje, ao que se saiba, nunca a estação assumiu como ponto
de honra o facto de ter acontecido nessa casa o gesto que
significou a mudança radical da vida portuguesa, pois, se o
fizesse, dificilmente poderia evitar a alma do Limite que
tem todos os motivos para descansar em paz.
Aos homens da Escola Prática de Cavalaria de
Santarém, comandados por Salgueiro Maia, coube o papel
mais importante: a ocupação do Terreiro do Paço e dos
ministérios ali instalados.
As primeiras reportagens sobre o 25 de Abril e o que estava
a acontecer nas ruas da capital, solicitadas como serviço a
Adelino Gomes, a quem foram disponibilizados meios
profissionais adequados, foram transmitidas por
responsabilidade do Limite.

Os noticiários da Renascença até 27 de Abril continuaram
com reservas sobre a queda da ditadura e ninguém
esperava que o MFA fosse ocupar o Rádio Clube Português
para mandar fazer reportagens... A Emissora Nacional
dava música clássica e quanto aos Emissores Associados,
ninguém ouvia nem podia ouvir isto.
Os primeiros debates políticos com intenção
deliberadamente pluralista aconteceram no Limite. Mas
também todo este sonho acabou no dia 8 de Junho de
1974, após a transmissão da primeira entrevista com
Arnaldo Matos (na presença de Fernando Rosas, o
historiador deve recordar bem a cena) e depois de terem
sido ouvidas personalidades dos mais diversos quadrantes.

A Renascença acabou com o Limite trocando-o pelo
efémero "Voz dos Trabalhadores" decidido em
plenário, onde também ninguém se solidarizou com as
circunstâncias que ditaram o fim do contrato firmado entre
o Limite e a Renascença.
Digamos que sobre o Limite caiu uma espécie de maldição
impensável e da qual, por certo, nestas páginas de alguma
forma se livra tendo sido necessário deixar passar estes 25
anos para que se diga à vontade o que jamais pode ser
entendido como defesa de causa própria. Na verdade, algo
de fundamental para a Revolução do 25 de Abril faz parte
do património disso que hoje é já mera lembrança e simples
recordação, mas que para aquela grande parte de uma
geração a entrar nos 40, 50 e 60 que não perdeu ou não quis
perder a memória, continua a ser a evocação suave de uma
deliberada cultura de sensibilidade e da fragrância de um
perfume com as possíveis palavras rasgadas nas noites de
terror.
Até ao último momento da existência do programa
ninguém compreendeu como a Igreja perdeu uma
oportunidade excelente para, logo em 1974, sair da sexta-
feira pouco santa da ditadura para decididamente entrar
no dia de ar livre da ressurreição que começou a ocorrer
apenas passados anos, limitada e tardiamente.
Não se está a sugerir o descerramento de uma placa à
entrada da Renascença, nem outra coisa qualquer. O que se
sugere é que já era altura de a Renascença assumir o Limite
como facto importante da sua biografia, como altura é dos
historiadores e candidatos a isso serem mais rigorosos e
precisos, quanto a nomes, horas e formas.
Sobretudo, ouvindo quem fez sobre o que fez.
TRABALHO FEITO
POR:

Alexandre Vilão nº1
Inês Costa nº13
Tiago Ferreira nº25
      6ºB

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974Jorge Almeida
 
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power pointAna Paiva
 
25 De Abril De 1974
25 De Abril De 197425 De Abril De 1974
25 De Abril De 1974cigm1
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abrilcattonia
 
A revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilA revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilAEDFL
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]Jorge Almeida
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974Lecinha
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilfranciscaf
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01becastanheiradepera
 
25 de abril de 1974(acabadinho2)
25 de abril de 1974(acabadinho2)25 de abril de 1974(acabadinho2)
25 de abril de 1974(acabadinho2)Isabel Ribeiro
 
2º ciclo , 25 Abril
2º ciclo ,  25 Abril2º ciclo ,  25 Abril
2º ciclo , 25 Abrilguest4550a6
 
25 de abril 1974
25 de abril 197425 de abril 1974
25 de abril 1974BabyTita
 
Era uma vez 25 de abril
Era uma vez 25 de abrilEra uma vez 25 de abril
Era uma vez 25 de abrilBE ESGN
 
Hgp 25 de abril 6º g -dixon
Hgp 25 de abril 6º g -dixonHgp 25 de abril 6º g -dixon
Hgp 25 de abril 6º g -dixonRui Pinto
 
Hgp 25 de abril 6º g -joaõ miguel e baía
Hgp  25 de abril  6º g -joaõ miguel e baíaHgp  25 de abril  6º g -joaõ miguel e baía
Hgp 25 de abril 6º g -joaõ miguel e baíaRui Pinto
 

Mais procurados (20)

A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
 
25 De Abril De 1974
25 De Abril De 197425 De Abril De 1974
25 De Abril De 1974
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
A revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilA revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abril
 
25 abril
25 abril25 abril
25 abril
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
 
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
Oestadonovoeo25deabril afonso-120525154212-phpapp01
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
25 de abril de 1974(acabadinho2)
25 de abril de 1974(acabadinho2)25 de abril de 1974(acabadinho2)
25 de abril de 1974(acabadinho2)
 
2º ciclo , 25 Abril
2º ciclo ,  25 Abril2º ciclo ,  25 Abril
2º ciclo , 25 Abril
 
25 de abril 1974
25 de abril 197425 de abril 1974
25 de abril 1974
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
Era uma vez 25 de abril
Era uma vez 25 de abrilEra uma vez 25 de abril
Era uma vez 25 de abril
 
Hgp 25 de abril 6º g -dixon
Hgp 25 de abril 6º g -dixonHgp 25 de abril 6º g -dixon
Hgp 25 de abril 6º g -dixon
 
Salgueiro Maia
Salgueiro MaiaSalgueiro Maia
Salgueiro Maia
 
Hgp 25 de abril 6º g -joaõ miguel e baía
Hgp  25 de abril  6º g -joaõ miguel e baíaHgp  25 de abril  6º g -joaõ miguel e baía
Hgp 25 de abril 6º g -joaõ miguel e baía
 

Destaque

25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974gueste47a98
 
25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]Ana Sêco
 
O 25 de Abril de 1974 em fotografia
O 25 de Abril de 1974 em fotografiaO 25 de Abril de 1974 em fotografia
O 25 de Abril de 1974 em fotografiaanitabragues1970
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974Ana Paiva
 
25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºabeelvas
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)adelaide1970
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974Sónia Cruz
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução  de 25 de abril de 1974 A Revolução  de 25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974 bandeirolas
 
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974Ivo Madureira
 
Etapas da revolução do 25 de abril por Beatriz Bértolo e Catarina Fonseca
Etapas da revolução do  25 de abril por Beatriz Bértolo e Catarina FonsecaEtapas da revolução do  25 de abril por Beatriz Bértolo e Catarina Fonseca
Etapas da revolução do 25 de abril por Beatriz Bértolo e Catarina Fonsecaandreialag
 

Destaque (20)

25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
O Golpe Militar do 25 de Abril de 1974
O Golpe Militar do 25 de Abril de 1974O Golpe Militar do 25 de Abril de 1974
O Golpe Militar do 25 de Abril de 1974
 
25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
O 25 de Abril de 1974 em fotografia
O 25 de Abril de 1974 em fotografiaO 25 de Abril de 1974 em fotografia
O 25 de Abril de 1974 em fotografia
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa25 de abril de 1974 carina 9ºa
25 de abril de 1974 carina 9ºa
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de Abril 1974 em Debate na Biblioteca Escolar
25 de Abril 1974 em Debate na Biblioteca Escolar25 de Abril 1974 em Debate na Biblioteca Escolar
25 de Abril 1974 em Debate na Biblioteca Escolar
 
25 abril 40_anos
25 abril 40_anos25 abril 40_anos
25 abril 40_anos
 
25 de abril 1974 (1)
25 de abril 1974 (1)25 de abril 1974 (1)
25 de abril 1974 (1)
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução  de 25 de abril de 1974 A Revolução  de 25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974
 
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
Revolução dos escravos/25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
 
Etapas da revolução do 25 de abril por Beatriz Bértolo e Catarina Fonseca
Etapas da revolução do  25 de abril por Beatriz Bértolo e Catarina FonsecaEtapas da revolução do  25 de abril por Beatriz Bértolo e Catarina Fonseca
Etapas da revolução do 25 de abril por Beatriz Bértolo e Catarina Fonseca
 

Semelhante a 25 de abril de 1974

Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravosDg Guimarães
 
Um olhar sobre Abril
Um olhar sobre AbrilUm olhar sobre Abril
Um olhar sobre AbrilJoão Camacho
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974João Lima
 
Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974
Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974
Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974124481
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonsoPaula Morgado
 
Os cem anos da república
Os cem anos da repúblicaOs cem anos da república
Os cem anos da repúblicacaltzeitao
 
Capites de abril
Capites de abrilCapites de abril
Capites de abriltomascm1
 
Capites de abril
Capites de abrilCapites de abril
Capites de abriltomascm1
 
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novosYoublisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novosLurdes Trindade
 
Republica tiago nunes
Republica tiago nunesRepublica tiago nunes
Republica tiago nuneseb23ja
 
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)João Camacho
 
Um olhar sobre Abril (Josué Rogério, 12º A)
Um olhar sobre Abril (Josué Rogério, 12º A)Um olhar sobre Abril (Josué Rogério, 12º A)
Um olhar sobre Abril (Josué Rogério, 12º A)João Camacho
 

Semelhante a 25 de abril de 1974 (20)

25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravos
 
Um olhar sobre Abril
Um olhar sobre AbrilUm olhar sobre Abril
Um olhar sobre Abril
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974
Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974
Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
 
Os cem anos da república
Os cem anos da repúblicaOs cem anos da república
Os cem anos da república
 
Capites de abril
Capites de abrilCapites de abril
Capites de abril
 
Capites de abril
Capites de abrilCapites de abril
Capites de abril
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
ImplantaçãO RepúBlica
ImplantaçãO RepúBlicaImplantaçãO RepúBlica
ImplantaçãO RepúBlica
 
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novosYoublisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
Youblisher.com 114909-o 25-de_abril_contado_aos_mais_novos
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Republica tiago nunes
Republica tiago nunesRepublica tiago nunes
Republica tiago nunes
 
25 De Abril
25 De Abril25 De Abril
25 De Abril
 
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
Um olhar sobre Abril (André Santos, 12º A)
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Um olhar sobre Abril (Josué Rogério, 12º A)
Um olhar sobre Abril (Josué Rogério, 12º A)Um olhar sobre Abril (Josué Rogério, 12º A)
Um olhar sobre Abril (Josué Rogério, 12º A)
 

Mais de Alexandre Vilão (16)

Chris froome
Chris froomeChris froome
Chris froome
 
Droga
DrogaDroga
Droga
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
António de oliveira salazar
António de oliveira salazarAntónio de oliveira salazar
António de oliveira salazar
 
Lunas en uruguay
Lunas en uruguayLunas en uruguay
Lunas en uruguay
 
Los luneros regresaron a la reserva y se acostaron pronto
Los luneros regresaron a la reserva y se acostaron prontoLos luneros regresaron a la reserva y se acostaron pronto
Los luneros regresaron a la reserva y se acostaron pronto
 
Folheto de geografia
Folheto de geografiaFolheto de geografia
Folheto de geografia
 
Paul do boquilobo
Paul do boquiloboPaul do boquilobo
Paul do boquilobo
 
A evolução dos modelos atómicos
A evolução dos modelos atómicosA evolução dos modelos atómicos
A evolução dos modelos atómicos
 
Led
LedLed
Led
 
Trabalho de filosofia: Filme A onda
Trabalho de filosofia: Filme A ondaTrabalho de filosofia: Filme A onda
Trabalho de filosofia: Filme A onda
 
8 b alex bia vasco e sergio
8 b alex bia vasco e sergio8 b alex bia vasco e sergio
8 b alex bia vasco e sergio
 
o ulisses
o ulisseso ulisses
o ulisses
 
O tabagismo
O tabagismoO tabagismo
O tabagismo
 
O palácio de queluz
O palácio de queluzO palácio de queluz
O palácio de queluz
 
Resistência1 (4)
Resistência1 (4)Resistência1 (4)
Resistência1 (4)
 

25 de abril de 1974

  • 1. Viemos com o peso do passado e da só se quer a vida cheia quem teve vida semente parada esperar tantos anos torna tudo mais Só há liberdade a sério quando houver urgente a paz o pão e a sede de uma espera só se ataca na habitação torrente saúde educação e a sede de uma espera só se ataca na só há liberdade a sério quando houver torrente liberdade de mudar e decidir Vivemos tantos anos a falar pela calada quando pertencer ao povo o que o povo só se pode querer tudo quanto não se produzir. teve nada só se quer a vida cheia quem teve vida Liberdade parada Sérgio Godinho
  • 2. A madrugada do dia 25 de Abril de 1974 Lisboa assistiu a um movimento militar pouco comum. Homens e veículos avançam, através da noite, pela capital do império e vão ocupando, sem resistência visível, vários alvos estratégicos, com o objectivo de derrubar o regime vigente. Os militares golpistas, auto denominados Movimento das Forças Armadas – MFA – são comandados, secretamente, a partir do Quartel da Pontinha, em Lisboa, por Otelo Saraiva de Carvalho, um dos principais impulsionadores da acção. .
  • 3. Ao longo do dia os revoltosos foram tomando outros objectivos militares e civis e, pese embora tenham existido algumas situações tensas entre as forças fiéis ao regime e as tropas que desencadearam o golpe, a verdade é que não houve notícia de qualquer confronto armado nas ruas de Lisboa. O único derramamento de sangue teve lugar à porta das instalações da PIDE (Polícia de Investigação e Defesa do Estado) onde um grupo de cidadãos se manifestava contra os abusos daquela organização e alguns dos agentes que se encontravam no interior abriram fogo, atingindo mortalmente 4 populares.
  • 4. A censura, a PIDE e a Legião e a Mocidade Portuguesas são alguns exemplos do que os cidadãos tinham de enfrentar no seu dia-a-dia. Por outro lado, a pobreza, a fome e a falta de oportunidades para um futuro melhor, frutos do isolamento a que o país estava votado há décadas, provocaram um fluxo de emigração que agravava, cada vez mais, as fracas condições da economia nacional. A par das movimentações em Lisboa, também no Porto os militares tomam posições. São ocupados o Quartel-General da Região Militar do Porto, o Aeroporto de Pedras Rubras e as instalações da RTP na cidade invicta.
  • 5. Mais tarde Salgueiro Maia desloca parte das suas tropas para o Quartel do Carmo onde está o chefe do governo, Marcelo Caetano, que acaba por se render no final do dia com apenas uma exigência: entregar as responsabilidades de governação ao General António Spínola, oficial que não pertencia ao MFA, para que “o poder não caía nas ruas”. O Presidente do Conselho, que anos antes tinha sucedido a Salazar no poder, é transportado para a Madeira e daí enviado para o exílio no Brasil.
  • 6. Por detrás dos acontecimentos daquele dia 25 de Abril estão mais de 40 anos de um regime autoritário, que governava em ditadura e fazia uso de todos os meios ao seu alcance para reprimir as tentativas de transição para um estado de direito democrático. Internacionalmente o país era pressionado para acabar com a guerra e permitir a autodeterminação das populações das colónias. A falta de armas nas forças portuguesas era proporcional ao aumento de meios dos movimentos independentistas. Os soldados portugueses morriam às centenas a milhares de quilómetros de casa.
  • 7. Mas a gota de água que terá despoletado a acção revolucionária dos militares que, durante tantos anos tinham apoiado e ajudado a manter o regime, foi a guerra colonial em África. Com 3 frentes abertas em outros tantos países, Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, os militares portugueses, passada mais de uma década, começavam a olhar para o conflito como uma causa perdida.
  • 8. Todos estes factores contribuíram para um descontentamento crescente entre as forças armadas, sobretudo entre os oficiais de patentes inferiores, o que levou à organização e concretização de um golpe militar contra o regime do Estado Novo. 25 de Abril de 1974 ficará, para sempre, na história como o dia em que Portugal deu os seus primeiros passos em direcção à democracia. A coluna de blindados vindos da cidade ribatejana chega a Lisboa ainda o dia não tinha despontado, ocupa posições frente ao Tejo e controla, sem problemas aquela importante zona da capital.
  • 9. Não foi difícil perceber que a colisão frontal entre o Limite e a administração da Renascença de então resultou do facto de se ter usado a estação para a transmissão da senha. Até hoje, ao que se saiba, nunca a estação assumiu como ponto de honra o facto de ter acontecido nessa casa o gesto que significou a mudança radical da vida portuguesa, pois, se o fizesse, dificilmente poderia evitar a alma do Limite que tem todos os motivos para descansar em paz. Aos homens da Escola Prática de Cavalaria de Santarém, comandados por Salgueiro Maia, coube o papel mais importante: a ocupação do Terreiro do Paço e dos ministérios ali instalados.
  • 10. As primeiras reportagens sobre o 25 de Abril e o que estava a acontecer nas ruas da capital, solicitadas como serviço a Adelino Gomes, a quem foram disponibilizados meios profissionais adequados, foram transmitidas por responsabilidade do Limite. Os noticiários da Renascença até 27 de Abril continuaram com reservas sobre a queda da ditadura e ninguém esperava que o MFA fosse ocupar o Rádio Clube Português para mandar fazer reportagens... A Emissora Nacional dava música clássica e quanto aos Emissores Associados, ninguém ouvia nem podia ouvir isto.
  • 11. Os primeiros debates políticos com intenção deliberadamente pluralista aconteceram no Limite. Mas também todo este sonho acabou no dia 8 de Junho de 1974, após a transmissão da primeira entrevista com Arnaldo Matos (na presença de Fernando Rosas, o historiador deve recordar bem a cena) e depois de terem sido ouvidas personalidades dos mais diversos quadrantes. A Renascença acabou com o Limite trocando-o pelo efémero "Voz dos Trabalhadores" decidido em plenário, onde também ninguém se solidarizou com as circunstâncias que ditaram o fim do contrato firmado entre o Limite e a Renascença.
  • 12. Digamos que sobre o Limite caiu uma espécie de maldição impensável e da qual, por certo, nestas páginas de alguma forma se livra tendo sido necessário deixar passar estes 25 anos para que se diga à vontade o que jamais pode ser entendido como defesa de causa própria. Na verdade, algo de fundamental para a Revolução do 25 de Abril faz parte do património disso que hoje é já mera lembrança e simples recordação, mas que para aquela grande parte de uma geração a entrar nos 40, 50 e 60 que não perdeu ou não quis perder a memória, continua a ser a evocação suave de uma deliberada cultura de sensibilidade e da fragrância de um perfume com as possíveis palavras rasgadas nas noites de terror.
  • 13. Até ao último momento da existência do programa ninguém compreendeu como a Igreja perdeu uma oportunidade excelente para, logo em 1974, sair da sexta- feira pouco santa da ditadura para decididamente entrar no dia de ar livre da ressurreição que começou a ocorrer apenas passados anos, limitada e tardiamente. Não se está a sugerir o descerramento de uma placa à entrada da Renascença, nem outra coisa qualquer. O que se sugere é que já era altura de a Renascença assumir o Limite como facto importante da sua biografia, como altura é dos historiadores e candidatos a isso serem mais rigorosos e precisos, quanto a nomes, horas e formas. Sobretudo, ouvindo quem fez sobre o que fez.
  • 14. TRABALHO FEITO POR: Alexandre Vilão nº1 Inês Costa nº13 Tiago Ferreira nº25 6ºB