SlideShare uma empresa Scribd logo
O 25 DE ABRIL MUSEU MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA
Talvez já tenhas ouvido falar no 25 de Abril de 1974 ou da revolução dos cravos, mas provavelmente, não conheces a realidade, como os teus pais ou os teus avós a viveram. Vamos perceber o que se passou nessa época.
Antes do 25 de Abril de 1974, os estrangeiros que visitavam Portugal, encontravam pessoas boas e hospitaleiras, e fizeram muitos amigos. Ao mesmo tempo, perceberam que os Portugueses eram muito pobres, sentiam-se muito tristes e viviam com muito medo.  I – O PAÍS DAS PESSOAS TRISTES
Os visitantes tentavam saber o que se passava. Iam a casa dos amigos, e estes após fecharem todas as janelas e portas, contavam o segredo da sua tristeza.  Contavam que havia um grande tesouro em Portugal, mas que lhes fora roubado. O tesouro era a  Liberdade .
Toda a gente que tivesse aquele tesouro era livre de fazer o que quisesse, desde que não fizesse mal a ninguém.
Os Portugueses não podiam dizer o que pensavam ou o que sentiam, nem partir e visitar outros países e conhecer outros povos. Viviam fechados no seu país como se fosse uma prisão. Nem sequer podiam contar esse segredo a ninguém, porque seriam presos e torturados.
Esses visitantes depois de conhecerem o segredo foram para as ruas e verificaram que tudo era verdade.  Haviam polícias por toda a parte, não os que orientam o trânsito ou os que prendem os ladrões, mas sim, polícias disfarçados que vigiavam as pessoas e impediam que elas falassem entre si.
As crianças nesta altura, não podiam ouvir as músicas, nem ver os filmes, nem ler os livros e as revistas de que gostavam, mas só as músicas, os filmes e os livros que o governo queria. Nem sequer podiam beber Coca Cola, porque era proibido. II – AS CRIANÇAS DO  PAÍS DAS PESSOAS TRISTES
As raparigas e os rapazes não podiam conversar nem conviver uns com os outros e tinham que andar em escolas separadas e brincar em recreios separados por muros e por grades. As raparigas não podiam vestir calças nem andar sem meias.
Os rapazes, quando cresciam, eram mandados para guerras horríveis, em países longínquos e obrigados a matar gente que não conheciam e que nunca lhes tinha feito mal nenhum. Muitos deles morriam ou regressavam doentes. Guerra colonial. Guiné. 1963.
E as crianças e os seus pais, não conseguiam alterar esta situação e recuperar o tesouro, pois viviam numa ditadura. Sabes o que é uma Ditadura? III – A DITADURA E O ESTADO NOVO Ditadura é o regime político autoritário em que todos os poderes (legislativo, executivo e judiciário) estão nas mãos de uma única pessoa ou grupo de pessoas, que exerce o poder de maneira absoluta sobre o povo.
Esta ditadura começou  no ano de 1926. Ano em que o tesouro da Liberdade foi roubado aos Portugueses. A partir do ano de 1933, o regime político era conhecido por Estado Novo. Nessa altura quem chefiava o governo era  António de   Oliveira Salazar , que só o abandonou em 1968. Salazar
Foi então substituído por  Marcelo Caetano , que dirigiu o País até ao dia de 25 de Abril de 1974. Marcelo Caetano.
Realmente, deveria ser muito triste viver naquela altura, em Portugal. Mas há mais, por exemplo, sabias que, durante o Estado Novo: ,[object Object],[object Object],[object Object]
Artigos Censurados.
[object Object],[object Object],[object Object],As manifestações eram proibidas.
[object Object],[object Object],Saudação dos alunos ao professor.
[object Object],Mocidade Portuguesa
IV – O 25 DE ABRIL DE 1974 Alguns capitães e soldados reuniram-se nos quartéis e pegaram nas armas para arrancar finalmente o tesouro das mãos dos ladrões. E toda a gente saiu para a rua e acompanhou os soldados, cantando e gritando “Viva a Liberdade, Viva a Liberdade”. Até que um dia no País das Pessoas Tristes, decidiram reconquistar o seu tesouro.
 
Talvez já tenhas ouvido falar de alguns desses capitães, como, por exemplo: Salgueiro Maia Vasco Lourenço Otelo Saraiva de Carvalho Vasco Gonçalves Melo Antunes
Após o cerco dos soldados ao Quartel do Carmo, em Lisboa, onde estava o chefe do governo, Marcelo Caetano rendeu-se e entregou o poder.
Os corações exultaram de alegria e as janelas encheram-se de bandeiras. Como não houve a violência habitual das revoluções, com muito sangue de inocentes,  o povo ofereceu cravos aos militares que os puseram nos canos das armas.
As pessoas que tinham sido expulsas e obrigadas a refugiar-se longe de Portugal regressaram; as portas das cadeias abriram-se e os presos políticos voltaram a casa. Libertação dos presos políticos.
Os Soldados prenderam os elementos da Polícia Política - PIDE.
Os jovens vieram da guerra e os meninos e as meninas puderam pela primeira vez dar as mãos e brincar juntos, sem castigos.
Todo o País se transformou numa grande festa. Era o dia 25 de Abril, e porque foi nesse dia que aquele povo recuperou o tesouro da liberdade, esse dia passou para sempre a chamar-se o Dia da Liberdade.
Tudo isto aconteceu há muito tempo, ainda tu não tinhas nascido. A esse país das pessoas tristes, chama-se hoje Portugal. O tesouro pertence-te a ti, és tu agora que tens de cuidar dele, guardando-o muito bem, para que ninguém to roube outra vez.
Como curiosidade, ficas a saber que os capitães utilizaram músicas como senhas, para que a polícia politica não descobrisse o que se estava a passar.  A canção “ E depois do Adeus ”, de Paulo de Carvalho, foi um dos sinais previamente combinados pelos militares e que espoletava o início das operações militares. Letra da Música  E Depois do Adeus
A canção  Grândola Vila Morena , de José Afonso,  foi a senha escolhida pelo MFA, como sinal confirmativo de que as operações militares estão em marcha e são irreversíveis. Grândola, vila morena Terra da fraternidade O povo é quem mais ordena Dentro de ti, ó cidade Dentro de ti, ó cidade O povo é quem mais ordena Terra da fraternidade Grândola, vila morena Em cada esquina um amigo Em cada rosto igualdade Grândola, vila morena Terra da fraternidade Terra da fraternidade Grândola, vila morena Em cada rosto igualdade O povo é quem mais ordena À sombra duma azinheira Que já não sabia a idade Jurei ter por companheira Grândola a tua vontade. Zeca Afonso .
DA RESISTÊNCIA À LIBERDADE em Vila Franca de Xira MUSEU MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA
Em Vila Franca de Xira, a Revolução de Abril foi aclamada com bastante entusiasmo, assinalando-se como momento triunfal, o 1º de Maio de 1974, festejado em liberdade por todo o concelho.
1º de Maio. VFX.
Alguns dos presos políticos libertados, eram oriundos desta região. Eram homens e mulheres que, apenas porque sonharam e lutaram por um país livre e democrático, ao fim de anos de cativeiro, tortura e até de morte, foram finalmente libertados! Diversos grupos locais comemoraram em Lisboa, com os seus conterrâneos, a sua libertação e os alvores da liberdade.
 
Vila Franca. João Abel Manta.
 
Ficha de cadastro de  registo de captura de António dos Santos Barbosa da Polícia de Segurança Pública. Vila Franca de Xira. Polícia Segurança Pública. 17 de Agosto de 1937. Boletim do Registo Policial de captura de Tatone Asmano. Vila Franca de Xira. Polícia Segurança Pública. 1939.
Ofício do Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira,  Major Alfredo Horácio da Cunha Nery, ao Director da PIDE, sobre a distribuição de propaganda comunista levada a cabo por Albano Mendes.  Vila Franca de Xira. Major Alfredo Horácio da Cunha Nery. 14 de Março de 1946.
Ofício do vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira ao Director da Polícia de Vigilância e Defesa do Estado sobre distribuição de folhetos clandestinos sobre a falta de géneros. Vila Franca de Xira. Major Joaquim da Silva Delgado. 5 de Maio de 1943.
De facto no nosso concelho, havia uma grande miséria, não havia alimentos para comer, porque eram enviados para a Alemanha, para alimentar as tropas de Hitler.  Na mercearia de Marciano Mendonça, em Vila Franca de Xira, as pessoas esperavam pela sua vez para serem atendidas com senhas de racionamento.  O grande descontentamento levou  às greves de 8 e 9 de Maio de 1944, pelo pão e falta de géneros. Os que se manifestaram foram severamente reprimidos, presos e despedidos.
Fila à porta da mercearia Marciano Mendonça devido ao racionamento de géneros. Vila Franca de Xira. 1940.
 
Também, no nosso concelho, houve pessoas que lutaram contra a ditadura. Estas juntavam-se, às escondidas, para discutir maneiras de combater o governo e ajudar os mais pobres. Por vezes, reuniam-se em barcos, no rio Tejo, com a desculpa que estavam a passear, para despistarem a polícia. Também, utilizavam a sede do clube de futebol de Vila Franca de Xira, dizendo que estavam a falar de cultura. Igualmente, já deves ter ouvido o nome de algumas dessas pessoas, como por exemplo: Alves Redol, Soeiro Pereira Gomes, Álvaro Cunhal, Manuel da Fonseca, Arquimedes da Silva Santos, António Dias Lourenço, Lopes-Graça, José Cardoso Pires e Baptista Bastos.
Passeios no Tejo.  Vila Franca de Xira. [s. a.]. Anos 40 (Séc. XX). Reprodução fotográfica. Nota: Reconhecem-se  da esquerda para a direita, Lopes Graça, Bento Caraça, Alves Redol, Manuel da Fonseca, Fernando Piteira Santos, entre outros. Passeios no Tejo. Vila Franca de Xira. [s. a.].Anos 40 (Séc. XX). Reprodução fotográfica. Nota: Reconhecem-se da esquerda para a direita,  Carlos Pato, Soeiro Pereira Gomes, Álvaro Cunhal, António Vitorino, entre outros.
Conferência na Secção Cultural da UDV. Anos 60. Baptista Bastos, Alves Redol e José Cardoso Pires.
Uma das primeiras grandes derrotas de Salazar, foi quando o General Humberto Delgado, opositor do regime, ganhou as eleições para a Presidência da República no nosso concelho, contra o candidato Américo Tomás que era apoiado por Salazar, em 1958. Os apoiantes do governo nem queriam acreditar que Américo Tomás perdera. Segundo eles, depois de terem feito tantas obras (como a ponte), as pessoas tinham sido ingratas. Aliás, logo de seguida a polícia política prendeu alguns populares, que tinham andado a colocar cartazes de apoio a Humberto Delgado.
Humberto Delgado, em campanha.
Inauguração da Ponte. 1951.
Outros momentos houve, de contestação ao poder…. Em 1969, no funeral de Alves Redol, houve uma grande manifestação de consternação e mágoa, pela sua morte, mas também, de contestação ao regime político. Vila Franca de Xira esteve em peso na última homenagem que lhe prestaram.
Outro momento de contestação ao regime foram as sessões do programa recreativo e cultural ZiP-Xira, gravado no Cine – Teatro de Vila Franca de Xira (19 de Janeiro e 30 de Março de 1970). O programa juntava pessoas de vários quadrantes intelectuais e artísticos: João Conceição, Belchior, Constantino, Rogério Ceitil, Jacinto Ramos, Guida Maria e António Mota Redol. A sua programação consistia numa nítida manifestação de repúdio pelas atitudes e actividades do governo.  Só foram realizadas duas sessões pois a P.I.D.E. proibiu o programa e apreendeu o material que pôde.
Com o 25 de Abril, os exilados da região puderam regressar; houve eleições livres e os populares puderam ir votar. Certificado de Refugiado atribuído a natural de Alhandra, pelas Nações Unidas. 21 Fevereiro 1972.
Primeiras eleições autárquicas. 1976. Casa do Povo de Vila Franca de Xira.
 
 
“ A democracia surgiu quando, devido ao facto de que todos são iguais em certo sentido, acreditou-se que todos fossem absolutamente iguais entre si”   Aristóteles (Filósofo Grego 384-322 a.C)   Ontem apenas fomos a voz sufocada dum povo a dizer não quero; fomos os bobos-do-rei mastigando desespero. Ontem apenas fomos o povo a chorar na sarjeta dos que, à força, ultrajaram e venderam esta terra, hoje nossa. Uma gaivota voava, voava, assas de vento, coração de mar. Como ela, somos livres, somos livres de voar. Uma papoila crescia, crescia, grito vermelho num campo qualquer. Como ela somos livres, somos livres de crescer. Uma criança dizia, dizia "quando for grande não vou combater". Como ela, somos livres, somos livres de dizer. Somos um povo que cerra fileiras, parte à conquista do pão e da paz. Somos livres, somos livres, não voltaremos atrás. Somos Livres (uma gaivota voava, voava). Ermelinda Duarte

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos
becastanheiradepera
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução  de 25 de abril de 1974 A Revolução  de 25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974
bandeirolas
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
Paula Morgado
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
Paula Morgado
 
1ª RepúBlica
1ª RepúBlica1ª RepúBlica
1ª RepúBlica
crie_historia9
 
A Oposição Democrática
A Oposição DemocráticaA Oposição Democrática
A Oposição Democrática
Sónia Cruz
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
Joana Algodão Doce
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
1ª Republica
1ª Republica1ª Republica
1ª Republica
Carlos Vieira
 
Fotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abrilFotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abril
BE Esah
 
Regime salazarista
Regime salazaristaRegime salazarista
Regime salazarista
josepinho
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
Becre Celorico de Basto
 
A censura antes do 25 de Abril
A censura antes do 25 de AbrilA censura antes do 25 de Abril
A censura antes do 25 de Abril
João Camacho
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
Jorge Almeida
 
Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
A 1ª república símbolos e figuras
A 1ª república   símbolos e figurasA 1ª república   símbolos e figuras
A 1ª república símbolos e figuras
Gina Rodrigues
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novo
bandeirolas
 
Guerra colonial
Guerra colonialGuerra colonial
Guerra colonial
patriciacamejo
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
itsmydianasoares
 

Mais procurados (20)

25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos25 de abril - Revolução dos Cravos
25 de abril - Revolução dos Cravos
 
A Revolução de 25 de abril de 1974
A Revolução  de 25 de abril de 1974 A Revolução  de 25 de abril de 1974
A Revolução de 25 de abril de 1974
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
Revolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º anoRevolução 25 de abril 6º ano
Revolução 25 de abril 6º ano
 
1ª RepúBlica
1ª RepúBlica1ª RepúBlica
1ª RepúBlica
 
A Oposição Democrática
A Oposição DemocráticaA Oposição Democrática
A Oposição Democrática
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
1ª Republica
1ª Republica1ª Republica
1ª Republica
 
Fotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abrilFotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abril
 
Regime salazarista
Regime salazaristaRegime salazarista
Regime salazarista
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
A censura antes do 25 de Abril
A censura antes do 25 de AbrilA censura antes do 25 de Abril
A censura antes do 25 de Abril
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974
 
A 1ª república símbolos e figuras
A 1ª república   símbolos e figurasA 1ª república   símbolos e figuras
A 1ª república símbolos e figuras
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novo
 
Guerra colonial
Guerra colonialGuerra colonial
Guerra colonial
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 

Destaque

25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]
Ana Sêco
 
25 De Abril De 1974
25 De Abril De 197425 De Abril De 1974
25 De Abril De 1974
cigm1
 
25 de abril de 1974 miguel nascimento (1)
25 de abril de 1974    miguel nascimento (1)25 de abril de 1974    miguel nascimento (1)
25 de abril de 1974 miguel nascimento (1)
fatimarico
 
Power Point Música de Intervenção
Power Point Música de IntervençãoPower Point Música de Intervenção
Power Point Música de Intervenção
FloraCosta
 
A Canção de Intervenção
A Canção de Intervenção A Canção de Intervenção
A Canção de Intervenção
Dina Baptista
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
cruchinho
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
Paula Morgado
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
I.Braz Slideshares
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
Carlos Vieira
 

Destaque (9)

25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]25 de abril de 1974[1]
25 de abril de 1974[1]
 
25 De Abril De 1974
25 De Abril De 197425 De Abril De 1974
25 De Abril De 1974
 
25 de abril de 1974 miguel nascimento (1)
25 de abril de 1974    miguel nascimento (1)25 de abril de 1974    miguel nascimento (1)
25 de abril de 1974 miguel nascimento (1)
 
Power Point Música de Intervenção
Power Point Música de IntervençãoPower Point Música de Intervenção
Power Point Música de Intervenção
 
A Canção de Intervenção
A Canção de Intervenção A Canção de Intervenção
A Canção de Intervenção
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
 

Semelhante a 2º ciclo , 25 Abril

fake work
fake workfake work
fake work
David Fernandes
 
ApresentaçãO125de Abril
ApresentaçãO125de AbrilApresentaçãO125de Abril
ApresentaçãO125de Abril
nidiamcv
 
Livro 25 de abril
Livro 25 de abrilLivro 25 de abril
Livro 25 de abril
Helena Amaral
 
A revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilA revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abril
AEDFL
 
Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!
Susana Cardoso
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
quendadeira
 
A resistência negra na Africa do Sul
A resistência negra na Africa do SulA resistência negra na Africa do Sul
A resistência negra na Africa do Sul
DonaRayane
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
franciscaf
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
João Lima
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
Isabel Ribeiro
 
A igualdade que não veio
A igualdade que não veioA igualdade que não veio
A igualdade que não veio
primeiraopcao
 
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
Ana Paiva
 
Módulo V
Módulo VMódulo V
Módulo V
Priscila Santana
 
Modulo 5 pibid
Modulo 5 pibidModulo 5 pibid
Modulo 5 pibid
stuff5678
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
Maria Oliveira
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
Anonymous99K
 
25 de abril_de_1974
25 de abril_de_197425 de abril_de_1974
25 de abril_de_1974
elsamariana
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
João Camacho
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)
adelaide1970
 
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra CivilGeorge Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
Wesley Guedes
 

Semelhante a 2º ciclo , 25 Abril (20)

fake work
fake workfake work
fake work
 
ApresentaçãO125de Abril
ApresentaçãO125de AbrilApresentaçãO125de Abril
ApresentaçãO125de Abril
 
Livro 25 de abril
Livro 25 de abrilLivro 25 de abril
Livro 25 de abril
 
A revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilA revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abril
 
Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!Era uma vez 25 de abril!
Era uma vez 25 de abril!
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
A resistência negra na Africa do Sul
A resistência negra na Africa do SulA resistência negra na Africa do Sul
A resistência negra na Africa do Sul
 
Revolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abrilRevolução do 25 de abril
Revolução do 25 de abril
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
A igualdade que não veio
A igualdade que não veioA igualdade que não veio
A igualdade que não veio
 
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point25 de abril de 1974  » trabalho de grupo -» power point
25 de abril de 1974 » trabalho de grupo -» power point
 
Módulo V
Módulo VMódulo V
Módulo V
 
Modulo 5 pibid
Modulo 5 pibidModulo 5 pibid
Modulo 5 pibid
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
25 de abril_de_1974
25 de abril_de_197425 de abril_de_1974
25 de abril_de_1974
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)25 de abril de 1974 (2)
25 de abril de 1974 (2)
 
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra CivilGeorge Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

2º ciclo , 25 Abril

  • 1. O 25 DE ABRIL MUSEU MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA
  • 2. Talvez já tenhas ouvido falar no 25 de Abril de 1974 ou da revolução dos cravos, mas provavelmente, não conheces a realidade, como os teus pais ou os teus avós a viveram. Vamos perceber o que se passou nessa época.
  • 3. Antes do 25 de Abril de 1974, os estrangeiros que visitavam Portugal, encontravam pessoas boas e hospitaleiras, e fizeram muitos amigos. Ao mesmo tempo, perceberam que os Portugueses eram muito pobres, sentiam-se muito tristes e viviam com muito medo. I – O PAÍS DAS PESSOAS TRISTES
  • 4. Os visitantes tentavam saber o que se passava. Iam a casa dos amigos, e estes após fecharem todas as janelas e portas, contavam o segredo da sua tristeza. Contavam que havia um grande tesouro em Portugal, mas que lhes fora roubado. O tesouro era a Liberdade .
  • 5. Toda a gente que tivesse aquele tesouro era livre de fazer o que quisesse, desde que não fizesse mal a ninguém.
  • 6. Os Portugueses não podiam dizer o que pensavam ou o que sentiam, nem partir e visitar outros países e conhecer outros povos. Viviam fechados no seu país como se fosse uma prisão. Nem sequer podiam contar esse segredo a ninguém, porque seriam presos e torturados.
  • 7. Esses visitantes depois de conhecerem o segredo foram para as ruas e verificaram que tudo era verdade. Haviam polícias por toda a parte, não os que orientam o trânsito ou os que prendem os ladrões, mas sim, polícias disfarçados que vigiavam as pessoas e impediam que elas falassem entre si.
  • 8. As crianças nesta altura, não podiam ouvir as músicas, nem ver os filmes, nem ler os livros e as revistas de que gostavam, mas só as músicas, os filmes e os livros que o governo queria. Nem sequer podiam beber Coca Cola, porque era proibido. II – AS CRIANÇAS DO PAÍS DAS PESSOAS TRISTES
  • 9. As raparigas e os rapazes não podiam conversar nem conviver uns com os outros e tinham que andar em escolas separadas e brincar em recreios separados por muros e por grades. As raparigas não podiam vestir calças nem andar sem meias.
  • 10. Os rapazes, quando cresciam, eram mandados para guerras horríveis, em países longínquos e obrigados a matar gente que não conheciam e que nunca lhes tinha feito mal nenhum. Muitos deles morriam ou regressavam doentes. Guerra colonial. Guiné. 1963.
  • 11. E as crianças e os seus pais, não conseguiam alterar esta situação e recuperar o tesouro, pois viviam numa ditadura. Sabes o que é uma Ditadura? III – A DITADURA E O ESTADO NOVO Ditadura é o regime político autoritário em que todos os poderes (legislativo, executivo e judiciário) estão nas mãos de uma única pessoa ou grupo de pessoas, que exerce o poder de maneira absoluta sobre o povo.
  • 12. Esta ditadura começou no ano de 1926. Ano em que o tesouro da Liberdade foi roubado aos Portugueses. A partir do ano de 1933, o regime político era conhecido por Estado Novo. Nessa altura quem chefiava o governo era António de Oliveira Salazar , que só o abandonou em 1968. Salazar
  • 13. Foi então substituído por Marcelo Caetano , que dirigiu o País até ao dia de 25 de Abril de 1974. Marcelo Caetano.
  • 14.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. IV – O 25 DE ABRIL DE 1974 Alguns capitães e soldados reuniram-se nos quartéis e pegaram nas armas para arrancar finalmente o tesouro das mãos dos ladrões. E toda a gente saiu para a rua e acompanhou os soldados, cantando e gritando “Viva a Liberdade, Viva a Liberdade”. Até que um dia no País das Pessoas Tristes, decidiram reconquistar o seu tesouro.
  • 20.  
  • 21. Talvez já tenhas ouvido falar de alguns desses capitães, como, por exemplo: Salgueiro Maia Vasco Lourenço Otelo Saraiva de Carvalho Vasco Gonçalves Melo Antunes
  • 22. Após o cerco dos soldados ao Quartel do Carmo, em Lisboa, onde estava o chefe do governo, Marcelo Caetano rendeu-se e entregou o poder.
  • 23. Os corações exultaram de alegria e as janelas encheram-se de bandeiras. Como não houve a violência habitual das revoluções, com muito sangue de inocentes, o povo ofereceu cravos aos militares que os puseram nos canos das armas.
  • 24. As pessoas que tinham sido expulsas e obrigadas a refugiar-se longe de Portugal regressaram; as portas das cadeias abriram-se e os presos políticos voltaram a casa. Libertação dos presos políticos.
  • 25. Os Soldados prenderam os elementos da Polícia Política - PIDE.
  • 26. Os jovens vieram da guerra e os meninos e as meninas puderam pela primeira vez dar as mãos e brincar juntos, sem castigos.
  • 27. Todo o País se transformou numa grande festa. Era o dia 25 de Abril, e porque foi nesse dia que aquele povo recuperou o tesouro da liberdade, esse dia passou para sempre a chamar-se o Dia da Liberdade.
  • 28. Tudo isto aconteceu há muito tempo, ainda tu não tinhas nascido. A esse país das pessoas tristes, chama-se hoje Portugal. O tesouro pertence-te a ti, és tu agora que tens de cuidar dele, guardando-o muito bem, para que ninguém to roube outra vez.
  • 29. Como curiosidade, ficas a saber que os capitães utilizaram músicas como senhas, para que a polícia politica não descobrisse o que se estava a passar. A canção “ E depois do Adeus ”, de Paulo de Carvalho, foi um dos sinais previamente combinados pelos militares e que espoletava o início das operações militares. Letra da Música E Depois do Adeus
  • 30. A canção Grândola Vila Morena , de José Afonso, foi a senha escolhida pelo MFA, como sinal confirmativo de que as operações militares estão em marcha e são irreversíveis. Grândola, vila morena Terra da fraternidade O povo é quem mais ordena Dentro de ti, ó cidade Dentro de ti, ó cidade O povo é quem mais ordena Terra da fraternidade Grândola, vila morena Em cada esquina um amigo Em cada rosto igualdade Grândola, vila morena Terra da fraternidade Terra da fraternidade Grândola, vila morena Em cada rosto igualdade O povo é quem mais ordena À sombra duma azinheira Que já não sabia a idade Jurei ter por companheira Grândola a tua vontade. Zeca Afonso .
  • 31. DA RESISTÊNCIA À LIBERDADE em Vila Franca de Xira MUSEU MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA
  • 32. Em Vila Franca de Xira, a Revolução de Abril foi aclamada com bastante entusiasmo, assinalando-se como momento triunfal, o 1º de Maio de 1974, festejado em liberdade por todo o concelho.
  • 33. 1º de Maio. VFX.
  • 34. Alguns dos presos políticos libertados, eram oriundos desta região. Eram homens e mulheres que, apenas porque sonharam e lutaram por um país livre e democrático, ao fim de anos de cativeiro, tortura e até de morte, foram finalmente libertados! Diversos grupos locais comemoraram em Lisboa, com os seus conterrâneos, a sua libertação e os alvores da liberdade.
  • 35.  
  • 36. Vila Franca. João Abel Manta.
  • 37.  
  • 38. Ficha de cadastro de registo de captura de António dos Santos Barbosa da Polícia de Segurança Pública. Vila Franca de Xira. Polícia Segurança Pública. 17 de Agosto de 1937. Boletim do Registo Policial de captura de Tatone Asmano. Vila Franca de Xira. Polícia Segurança Pública. 1939.
  • 39. Ofício do Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Major Alfredo Horácio da Cunha Nery, ao Director da PIDE, sobre a distribuição de propaganda comunista levada a cabo por Albano Mendes. Vila Franca de Xira. Major Alfredo Horácio da Cunha Nery. 14 de Março de 1946.
  • 40. Ofício do vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira ao Director da Polícia de Vigilância e Defesa do Estado sobre distribuição de folhetos clandestinos sobre a falta de géneros. Vila Franca de Xira. Major Joaquim da Silva Delgado. 5 de Maio de 1943.
  • 41. De facto no nosso concelho, havia uma grande miséria, não havia alimentos para comer, porque eram enviados para a Alemanha, para alimentar as tropas de Hitler. Na mercearia de Marciano Mendonça, em Vila Franca de Xira, as pessoas esperavam pela sua vez para serem atendidas com senhas de racionamento. O grande descontentamento levou às greves de 8 e 9 de Maio de 1944, pelo pão e falta de géneros. Os que se manifestaram foram severamente reprimidos, presos e despedidos.
  • 42. Fila à porta da mercearia Marciano Mendonça devido ao racionamento de géneros. Vila Franca de Xira. 1940.
  • 43.  
  • 44. Também, no nosso concelho, houve pessoas que lutaram contra a ditadura. Estas juntavam-se, às escondidas, para discutir maneiras de combater o governo e ajudar os mais pobres. Por vezes, reuniam-se em barcos, no rio Tejo, com a desculpa que estavam a passear, para despistarem a polícia. Também, utilizavam a sede do clube de futebol de Vila Franca de Xira, dizendo que estavam a falar de cultura. Igualmente, já deves ter ouvido o nome de algumas dessas pessoas, como por exemplo: Alves Redol, Soeiro Pereira Gomes, Álvaro Cunhal, Manuel da Fonseca, Arquimedes da Silva Santos, António Dias Lourenço, Lopes-Graça, José Cardoso Pires e Baptista Bastos.
  • 45. Passeios no Tejo. Vila Franca de Xira. [s. a.]. Anos 40 (Séc. XX). Reprodução fotográfica. Nota: Reconhecem-se da esquerda para a direita, Lopes Graça, Bento Caraça, Alves Redol, Manuel da Fonseca, Fernando Piteira Santos, entre outros. Passeios no Tejo. Vila Franca de Xira. [s. a.].Anos 40 (Séc. XX). Reprodução fotográfica. Nota: Reconhecem-se da esquerda para a direita, Carlos Pato, Soeiro Pereira Gomes, Álvaro Cunhal, António Vitorino, entre outros.
  • 46. Conferência na Secção Cultural da UDV. Anos 60. Baptista Bastos, Alves Redol e José Cardoso Pires.
  • 47. Uma das primeiras grandes derrotas de Salazar, foi quando o General Humberto Delgado, opositor do regime, ganhou as eleições para a Presidência da República no nosso concelho, contra o candidato Américo Tomás que era apoiado por Salazar, em 1958. Os apoiantes do governo nem queriam acreditar que Américo Tomás perdera. Segundo eles, depois de terem feito tantas obras (como a ponte), as pessoas tinham sido ingratas. Aliás, logo de seguida a polícia política prendeu alguns populares, que tinham andado a colocar cartazes de apoio a Humberto Delgado.
  • 48. Humberto Delgado, em campanha.
  • 50. Outros momentos houve, de contestação ao poder…. Em 1969, no funeral de Alves Redol, houve uma grande manifestação de consternação e mágoa, pela sua morte, mas também, de contestação ao regime político. Vila Franca de Xira esteve em peso na última homenagem que lhe prestaram.
  • 51. Outro momento de contestação ao regime foram as sessões do programa recreativo e cultural ZiP-Xira, gravado no Cine – Teatro de Vila Franca de Xira (19 de Janeiro e 30 de Março de 1970). O programa juntava pessoas de vários quadrantes intelectuais e artísticos: João Conceição, Belchior, Constantino, Rogério Ceitil, Jacinto Ramos, Guida Maria e António Mota Redol. A sua programação consistia numa nítida manifestação de repúdio pelas atitudes e actividades do governo. Só foram realizadas duas sessões pois a P.I.D.E. proibiu o programa e apreendeu o material que pôde.
  • 52. Com o 25 de Abril, os exilados da região puderam regressar; houve eleições livres e os populares puderam ir votar. Certificado de Refugiado atribuído a natural de Alhandra, pelas Nações Unidas. 21 Fevereiro 1972.
  • 53. Primeiras eleições autárquicas. 1976. Casa do Povo de Vila Franca de Xira.
  • 54.  
  • 55.  
  • 56. “ A democracia surgiu quando, devido ao facto de que todos são iguais em certo sentido, acreditou-se que todos fossem absolutamente iguais entre si” Aristóteles (Filósofo Grego 384-322 a.C) Ontem apenas fomos a voz sufocada dum povo a dizer não quero; fomos os bobos-do-rei mastigando desespero. Ontem apenas fomos o povo a chorar na sarjeta dos que, à força, ultrajaram e venderam esta terra, hoje nossa. Uma gaivota voava, voava, assas de vento, coração de mar. Como ela, somos livres, somos livres de voar. Uma papoila crescia, crescia, grito vermelho num campo qualquer. Como ela somos livres, somos livres de crescer. Uma criança dizia, dizia "quando for grande não vou combater". Como ela, somos livres, somos livres de dizer. Somos um povo que cerra fileiras, parte à conquista do pão e da paz. Somos livres, somos livres, não voltaremos atrás. Somos Livres (uma gaivota voava, voava). Ermelinda Duarte

Notas do Editor

  1. Painel 1.1
  2. Painel 1.1
  3. Painel 1.2
  4. Painel 3.1
  5. Abel Manta
  6. Vitrina 1.1
  7. Vitrina 2.1
  8. Painel 2.1
  9. Painel 2.3
  10. Painel 2.3
  11. Painel 2.3