SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
25 de abr
l
1974
Mafalda Nascimento-
Como começou o 25 de abril de 1974?
• A Guerra Colonial tinha começado em 1961. Os Portugueses lutavam contra independência
dos territórios africanos que Portugal na altura governava: Angola, Moçambique e Guiné. O
governo chamava a esses territórios «províncias ultramarinas» (porque estavam para além do
mar) e afirmava que faziam parte de Portugal da mesma forma que o Minho ou o Algarve. Na
verdade eram colónias, ou seja, países com populações e línguas próprias que no passado
tinham sido conquistados e ocupados pelos portugueses. Muitos países europeus tinham tido
colónias em África, mas em 1973 e em 1974 essas colónias já se tinham tornado países
independentes quer dizer, já não dependiam das metrópoles, que era como se chamava aos
países colonizadores. Mas o governo português da altura teimava em manter a posse das
colónias, e por isso enviava para a guerra todos os jovens. O serviço militar a tropa, como se
costuma dizer durava então quatro anos, os primeiros dois passados na «metrópole», em
instrução e os dois últimos no «ultramar», em combate. Muitos jovens morriam nos combates
em África.
O que foi o 25 de abril de 1974?
• Durante os 13 anos que durou a guerra perderam a vida quase 9 mil pessoas e uns 30 mil
ficaram feridos. Quase todas as famílias estavam de luto, pois tinham pelo menos um morto
na guerra. Em 1973, Portugal tinha 150 mil homens a combater. Muitos dos sobreviventes,
depois de regressarem, mostravam dificuldade em integrarem-se na vida civil e eram
frequentes as doenças psiquiátricas provocadas pela terrível experiência por que tinham
passado. Além disso, Portugal (que era, como agora, um país pobre) dirigia para as despesas
da guerra cerca de metade do dinheiro que gastava. Portanto, quase não havia obras públicas;
construíam-se poucas estradas, pontes, escolas ou hospitais. A Guerra Colonial nunca poderia
ser ganha pelos portugueses, pois o seu combate era contra a própria História. Quase toda a
África era já independente. Nesse tempo não se podia criticar o governo, mas como a guerra
se arrastava, os mortos eram já muitos e as despesas cresciam cada vez mais, as pessoas
passaram a estar fartas daquilo tudo. A certa altura, os militares começaram a ser apontados
como os culpados por a guerra se arrastar. Ora, como eles sabiam melhor do que ninguém que
uma guerra daquelas nunca poderia ser ganha, resolveram derrubar o governo pela força.
Fazer o que se chama um golpe de Estado. Por isso formaram o Movimento das Forças
Armadas.
O que aconteceu no Dia da Revolução?
O dia escolhido para a ação foi 25 de Abril de 1974. De madrugada, militares do MFA ( movimento das forças
armadas) ocuparam os estúdios do Rádio Clube Português e, através da rádio, explicaram à população que
pretendiam que o País fosse de novo uma democracia, com eleições e liberdades de toda a ordem. E punham no ar
músicas de que a ditadura não gostava, como Grândola Vila Morena, de José Afonso.
Ao mesmo tempo, uma coluna militar com tanques, comandada pelo capitão Salgueiro Maia, saiu da Escola Prática
de Cavalaria, em Santarém, e marchou para Lisboa. Na capital, tomou posições junto dos ministérios e depois
cercou o quartel da GNR do Carmo, onde se tinha refugiado Marcelo Caetano, o sucessor de Salazar à frente da
ditadura. Durante o dia, a população de Lisboa foi-se juntando aos militares. E o que era um golpe de Estado
transformou-se numa verdadeira revolução.
Ao fim da tarde, Marcelo Caetano rendeu-se e entregou o poder ao general Spínola, que, embora não pertencesse
ao MFA, não pensava da mesma maneira que o governo acerca das colónias.Um ano depois, a 25 de Abril de 1975,
os portugueses votaram pela primeira vez em liberdade desde há muitas décadas.
O que mudou com a Revolução dos Cravos?
Muitas coisas mudaram. Estas são apenas algumas das mudanças mais
importantes
ANTES DEPOiS
Só havia um partido, a ação nacional
popular
Passou a haver vários partidos políticos
Não havia eleições livres Cada um pode votar em quem quer
As mulheres só podiam votar se tivessem
concluído o secundário
Toda a gente pode votar
As mulheres não podiam viajar para fora
do país se a autorização do marido
Homens e mulheres têm os mesmos
direitos
Havia uma polícia com informadores em
todo lado que escutava as conversas
Não existe polícia politica
As pessoas, quando criticavam o governo
eram presas
Todos podem dar a sua opinião
Cada patrão pagava o que queria aos seus
trabalhadores
Existe um salário mínimo nacional
FIM

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974

Teste de história
Teste de históriaTeste de história
Teste de história
Ana Martins
 
O 25 de abril
O 25 de abrilO 25 de abril
O 25 de abril
nani
 
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
fatiper
 

Semelhante a Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974 (20)

25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
ImplantaçãO RepúBlica
ImplantaçãO RepúBlicaImplantaçãO RepúBlica
ImplantaçãO RepúBlica
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 
Teste de história
Teste de históriaTeste de história
Teste de história
 
Independência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e MoçambiqueIndependência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e Moçambique
 
Independência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e MoçambiqueIndependência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e Moçambique
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Salazarismo
SalazarismoSalazarismo
Salazarismo
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
A revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abrilA revolução dos cravos – 25 de abril
A revolução dos cravos – 25 de abril
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
A Revolução do 5 de Outubro e a 1ª República aléxia
A Revolução do 5 de Outubro e a 1ª República  aléxiaA Revolução do 5 de Outubro e a 1ª República  aléxia
A Revolução do 5 de Outubro e a 1ª República aléxia
 
1ª república
1ª república1ª república
1ª república
 
O 25 de abril
O 25 de abrilO 25 de abril
O 25 de abril
 
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
Luta contra o regime e revolução 25 abril de 1974
 
25 De A Bril
25 De A Bril25 De A Bril
25 De A Bril
 
Descolonização africana trabalho de marcos nunes
Descolonização africana   trabalho de marcos nunesDescolonização africana   trabalho de marcos nunes
Descolonização africana trabalho de marcos nunes
 
100 anos ..
100 anos ..100 anos ..
100 anos ..
 
Trab1 8a grp07
Trab1 8a grp07Trab1 8a grp07
Trab1 8a grp07
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

Mais sobre a revolução do dia 25 de abril de 1974

  • 2. Como começou o 25 de abril de 1974? • A Guerra Colonial tinha começado em 1961. Os Portugueses lutavam contra independência dos territórios africanos que Portugal na altura governava: Angola, Moçambique e Guiné. O governo chamava a esses territórios «províncias ultramarinas» (porque estavam para além do mar) e afirmava que faziam parte de Portugal da mesma forma que o Minho ou o Algarve. Na verdade eram colónias, ou seja, países com populações e línguas próprias que no passado tinham sido conquistados e ocupados pelos portugueses. Muitos países europeus tinham tido colónias em África, mas em 1973 e em 1974 essas colónias já se tinham tornado países independentes quer dizer, já não dependiam das metrópoles, que era como se chamava aos países colonizadores. Mas o governo português da altura teimava em manter a posse das colónias, e por isso enviava para a guerra todos os jovens. O serviço militar a tropa, como se costuma dizer durava então quatro anos, os primeiros dois passados na «metrópole», em instrução e os dois últimos no «ultramar», em combate. Muitos jovens morriam nos combates em África.
  • 3. O que foi o 25 de abril de 1974? • Durante os 13 anos que durou a guerra perderam a vida quase 9 mil pessoas e uns 30 mil ficaram feridos. Quase todas as famílias estavam de luto, pois tinham pelo menos um morto na guerra. Em 1973, Portugal tinha 150 mil homens a combater. Muitos dos sobreviventes, depois de regressarem, mostravam dificuldade em integrarem-se na vida civil e eram frequentes as doenças psiquiátricas provocadas pela terrível experiência por que tinham passado. Além disso, Portugal (que era, como agora, um país pobre) dirigia para as despesas da guerra cerca de metade do dinheiro que gastava. Portanto, quase não havia obras públicas; construíam-se poucas estradas, pontes, escolas ou hospitais. A Guerra Colonial nunca poderia ser ganha pelos portugueses, pois o seu combate era contra a própria História. Quase toda a África era já independente. Nesse tempo não se podia criticar o governo, mas como a guerra se arrastava, os mortos eram já muitos e as despesas cresciam cada vez mais, as pessoas passaram a estar fartas daquilo tudo. A certa altura, os militares começaram a ser apontados como os culpados por a guerra se arrastar. Ora, como eles sabiam melhor do que ninguém que uma guerra daquelas nunca poderia ser ganha, resolveram derrubar o governo pela força. Fazer o que se chama um golpe de Estado. Por isso formaram o Movimento das Forças Armadas.
  • 4. O que aconteceu no Dia da Revolução? O dia escolhido para a ação foi 25 de Abril de 1974. De madrugada, militares do MFA ( movimento das forças armadas) ocuparam os estúdios do Rádio Clube Português e, através da rádio, explicaram à população que pretendiam que o País fosse de novo uma democracia, com eleições e liberdades de toda a ordem. E punham no ar músicas de que a ditadura não gostava, como Grândola Vila Morena, de José Afonso. Ao mesmo tempo, uma coluna militar com tanques, comandada pelo capitão Salgueiro Maia, saiu da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém, e marchou para Lisboa. Na capital, tomou posições junto dos ministérios e depois cercou o quartel da GNR do Carmo, onde se tinha refugiado Marcelo Caetano, o sucessor de Salazar à frente da ditadura. Durante o dia, a população de Lisboa foi-se juntando aos militares. E o que era um golpe de Estado transformou-se numa verdadeira revolução. Ao fim da tarde, Marcelo Caetano rendeu-se e entregou o poder ao general Spínola, que, embora não pertencesse ao MFA, não pensava da mesma maneira que o governo acerca das colónias.Um ano depois, a 25 de Abril de 1975, os portugueses votaram pela primeira vez em liberdade desde há muitas décadas.
  • 5. O que mudou com a Revolução dos Cravos? Muitas coisas mudaram. Estas são apenas algumas das mudanças mais importantes ANTES DEPOiS Só havia um partido, a ação nacional popular Passou a haver vários partidos políticos Não havia eleições livres Cada um pode votar em quem quer As mulheres só podiam votar se tivessem concluído o secundário Toda a gente pode votar As mulheres não podiam viajar para fora do país se a autorização do marido Homens e mulheres têm os mesmos direitos Havia uma polícia com informadores em todo lado que escutava as conversas Não existe polícia politica As pessoas, quando criticavam o governo eram presas Todos podem dar a sua opinião Cada patrão pagava o que queria aos seus trabalhadores Existe um salário mínimo nacional
  • 6. FIM