SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
Baixar para ler offline
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
“Poucos países no mundo têm tanta responsabilidade com a preservação das biodiversidades
regionais quanto o Brasil. Pelo fato de ter herdado grandes espaços físicos e ecológicos, de máxima
riqueza em termos de diversidade biológica; acrescido o fato de termos podido manter, praticamente
intactas, até a década dos 60, nossas grandes florestas tropicais úmidas do norte do país; temos o
privilégio e o peso de uma herança que ultrapassa o nível de percepção de nossas elites políticas e
tecnocratas (…).”
AB’SÁBER, Aziz Nacib. Amazônia: proteção ecológica e desenvolvimento, com o máximo da floresta-em-pé. Revista do Instituto de
Estudos Avançados. São Paulo: USP, 1993. p. 20. (Série Ciências Ambientais n. 14.)
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Devido à inclinação do eixo terrestre, a faixa intertropical, recebe consideravelmente mais radiação solar do que as
áreas mais próximas ao polo.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A temperatura diminui com o aumento
da LATITUDE, uma vez que a fonte de
calor é mais intensa no Equador e
diminui no sentido dos polos
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Quanto maior a altitude, mais rarefeito torna-se
o ar, ocorrendo também menor irradiação e,
por consequência, menores temperaturas
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
A temperatura diminui em média 1°C a cada 180m de altitude.
Isso ocorre porque o calor do ar é transmitido pelo solo aquecido por meio de
irradiação solar.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Faz frio em lugares altos porque a pressão
do ar vai se tornando cada vez menor,
fazendo o ar se expandir, retendo menos
calor do sol.
A altitude exerce grande influência sobre a temperatura.
O calor é irradiado para cima, e a atmosfera
aquece-se por irradiação.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
http://www.unicerj.org.br/cgi-local/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=29&sid=43
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografiahttp://www.unicerj.org.br/cgi-local/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=29&sid=43
Porque existem outros fatores que condicionam o clima: altitude, disposição
do relevo, proximidade do mar, continentalidade etc.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Quanto mais próximo dos grandes corpos hídricos, menor será a variação da
temperatura (MARITIMIDADE) e quanto mais distante das grandes massas líquidas
maior será a variação da temperatura (CONTINENTALIDADE).
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
As correntes marítimas são massas menores de água que se deslocam por distintas
direções, mantendo suas características de cor, salinidade e temperatura, isso quer
dizer que elas não se misturam.
Esse deslocamento é proveniente da ação dos ventos e também pelo movimento
de rotação da Terra.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
•TEMPO→ se refere a uma escala muito menor. Características atmosféricas de
determinado lugar em um momento específico. O tempo pode mudar em questão de
horas, dias, semanas.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
•CLIMA→ o conceito de clima envolve uma escala temporal mais ampla (Não
inferior a 30 anos). Um extenso período de observações em que climatologistas
verificam se determinados índices são constantes na maior parte do período
estudado.
•TEMPO→ se refere a uma escala muito menor. Características atmosféricas de
determinado lugar em um momento específico. O tempo pode mudar em questão de
horas, dias, semanas.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
As massas de ar que se formam sobre o continente são secas (com exceção das
formadas sobre áreas de densas florestas tropicais)
As massas que se formam sobre os oceanos, por sua vez, são úmidas
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
•mEa – atua principalmente na região NE, porém, conforme avança pelo
interior do país a massa vai perdendo a umidade, por isso não causa chuvas
significativas na porção norte do litoral nordestino.
•mEc – é a massa que exerce maior influência no Brasil.
•mTa – No litoral das regiões Sul e Sudeste, o encontro da mTa com as áreas
elevadas da Serra do Mar, provoca chuvas orográficas ou de montanha.
•mTc – No Brasil atua no Centro Oeste e noroeste das regiões Sul e Sudeste,
onde ocorrem longos períodos de tempo quente e seco.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
•mEa – perde um pouco a sua intensidade.
•mEc – no inverso a mEc recua e sua ação fica restrita a Amazônia Ocidental.
•mTa – aumenta de intensidade nos meses mais frios.
•mTc – se forma no final do inverno e início da primavera.
•mPa – massa que atua praticamente nas épocas frias (inverno). Algumas
vezes pode chegar até a região amazônica.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
TUBELIS, A; NASCIMENTO, F. L. do. Meteorologia descritiva: fundamentos e aplicações brasileiras. São Paulo: Nobel, 1980. [Adaptado].
A dinâmica das massas de ar é um dos fatores que explica a caracterização climática de uma área. A leitura e a interpretação dos
mapas indicam que o clima do território goiano é influenciado pela atuação da massa
a) Equatorial continental durante o ano todo.
b) Tropical atlântica no verão e Polar atlântica durante o inverno.
c) Equatorial continental no verão e Equatorial atlântica no inverno.
d) Tropical atlântica durante o ano todo.
e) Equatorial continental no verão e Tropical atlântica no inverno
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
TUBELIS, A; NASCIMENTO, F. L. do. Meteorologia descritiva: fundamentos e aplicações brasileiras. São Paulo: Nobel, 1980. [Adaptado].
A dinâmica das massas de ar é um dos fatores que explica a caracterização climática de uma área. A leitura e a interpretação dos
mapas indicam que o clima do território goiano é influenciado pela atuação da massa
a) Equatorial continental durante o ano todo.
b) Tropical atlântica no verão e Polar atlântica durante o inverno.
c) Equatorial continental no verão e Equatorial atlântica no inverno.
d) Tropical atlântica durante o ano todo.
e) Equatorial continental no verão e Tropical atlântica no inverno
Resposta certa: letra e
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
-Área de abrangência: quase toda a região Norte, parte do C. Oeste
(norte de MT) e oeste do MA.
-Área que sofre intensa ação da mEc e mEa (ambas quentes e
úmidas)
-reduzida amplitude térmica (não ultrapassa 4°C)
-médias térmicas: entre 24°C e 28°C
-No inverno essa região pode sofrer um fenômeno conhecido como
‘FRIAGEM’ (mPa)
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
-Área de abrangência: maior parte do C. Oeste e SE, trechos de
vários estados do NE
-elevado índice pluviométrico, em função da atuação da mEC (verão)
-inverno seco, em função da atuação da mTc
-amplitude térmica anual: entre 5°C e 7°C
-médias térmicas: entre 20°C e 27°C
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
-Área de abrangência: interior do NE (Polígono das Secas)
-baixo índice pluviométrico
-sofre influência da mEc e mTa (chega ao Sertão com pouca
umidade)
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
O planalto de Borborema (região Nordeste do Brasil) sofre intervenção direta do relevo no clima.
Devido às maiores altitudes do planalto, a chegada de chuvas ao interior do Nordeste é dificultada, contribuindo para a
ocorrência do clima semiárido.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
O contato do vapor de água com as temperaturas mais baixas das áreas de maior altitude leva à condensação do vapor e provoca as chamadas
chuvas orográficas ou de relevo.
Ao encontrarem um relevo de altitude mais elevada, as massas de ar sobem. Em contato com o ar atmosférico mais frio, o vapor
de água transportado pela massa de ar úmida se condensa e pode ocorrer chuva. Ocorrem na serra do Mar.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
-Área de abrangência: nas mais elevadas latitudes do Brasil.
-sofre influência direta da mPa
-médias térmicas: abaixo de 18°C
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
-Área de abrangência: típico do SE (terras altas)
-baixas temperaturas: entre 17°C e 22°C
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a
verificação da sazonalidade climática de determinada região.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a
verificação da sazonalidade climática de determinada região.
Um climograma tem duas
ordenadas: uma à esquerda,
onde normalmente são
representadas as
precipitações, e outra à direita,
onde são marcadas as
temperaturas. No eixo das
abscissas são assinalados os
meses do ano.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a
verificação da sazonalidade climática de determinada região.
Um climograma tem duas
ordenadas: uma à esquerda,
onde normalmente são
representadas as
precipitações, e outra à direita,
onde são marcadas as
temperaturas. No eixo das
abscissas são assinalados os
meses do ano.
TEMPERATURAS são representadas por uma linha e as PRECIPITAÇÕES são representadas por barras.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - GeografiaPágina 9 da Apostila. Climograma de Cuiabá.
COMO
ANALISAR UM
CLIMOGRAMA
?
CHUVAS
-Deve-se observar o total de precipitações
-Sua distribuição ao longo do ano
-Meses mais chuvosos e menos chuvosos
-Se há períodos sem precipitações (secas)
TEMPERATURAS
-Mês com a temperatura mais elevada
-Mês com a temperatura menos elevada
-Amplitude Térmica
*OBS: Se a localidade está no Hemisfério Sul, os meses mais quentes serão entre
dezembro e Março; no Hemisfério Norte, serão entre Junho e Setembro.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
(Ufscar) Os climogramas referem-se a três localidades de diferentes partes do mundo.
A sua análise permite afirmar que:
a) na localidade I, o inverno apresenta grande pluviosidade, sendo característico do
clima mediterrâneo.
b) nas localidades II e III, a amplitude térmica é pequena, característica de climas
equatoriais.
c) a menor amplitude térmica está na localidade II e a maior amplitude pluviométrica
está na localidade I.
d) o pequeno volume pluviométrico do inverno, na localidade III, caracteriza o clima
monçônico.
e) os climogramas das localidades I e II referem-se a climas do hemisfério norte e o
climograma da localidade III, a clima do hemisfério sul.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
(Ufscar) Os climogramas referem-se a três localidades de diferentes partes do mundo.
A sua análise permite afirmar que:
a) na localidade I, o inverno apresenta grande pluviosidade, sendo característico do
clima mediterrâneo.
b) nas localidades II e III, a amplitude térmica é pequena, característica de climas
equatoriais.
c) a menor amplitude térmica está na localidade II e a maior amplitude pluviométrica
está na localidade I.
d) o pequeno volume pluviométrico do inverno, na localidade III, caracteriza o clima
monçônico.
e) os climogramas das localidades I e II referem-se a climas do hemisfério norte e o
climograma da localidade III, a clima do hemisfério sul.
Resposta certa: letra e
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
•O Fenômeno conhecido por El Niño se refere ao aquecimento anormal
das águas superficiais nas porções central e leste do Oceano Pacífico,
nas proximidades da América do Sul, mais particularmente na costa do
Peru
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
•Ventos Alísios sopram dos Trópicos para a região da Linha do Equador
•Os ventos movimentam as águas do Oceano Pacífico.
•As águas frias sobem a região oeste da América do Sul, enquanto na região Leste
(Equatorial) da Ásia as águas superficiais são quentes. (*Ressurgência)
•O mar aquece o ar, que sobe e forma nuvens de tempestade que precipitam sobre a
região do leste asiático.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
•Os ventos alísios ficam enfraquecidos.
•Sem os ventos fortes, todo o Oceano Pacífico Equatorial começa a aquecer, liberando
evaporação e formando nuvens com intensas chuvas no Pacífico Equatorial Ocidental.
•A mudança da formação das nuvens gera modificações no padrão de circulação do ar
•e da umidade na atmosfera, alterando o clima no mundo inteiro.
•O fenômeno dura de 12 a 18 meses,em média.
•Com o El Niño, a temperatura da superfície do mar chega a ficar até 4,5ºC acima da
média.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Fenômeno oposto ao El Niño: em vez de as águas do Pacífico leste se aquecerem, elas esfriam.
Isso acontece porque os ventos alísios, que carregam a água quente para o oeste, ficam mais
intensos. Consequentemente, as águas quentes da superfície são deslocadas em maior
quantidade para o oeste e a água mais fria vem à tona.
A temperatura do oceano diminui n região próxima à costa oeste da América do Sul, e o clima
fica mais úmido na Austrália e Indonésia, por causa das massas de ar quente.
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
Portal SAS
http://professoralexeinowatzki.webnode.com.br/climatologia/chuvas/
http://geoprotagonista.blogspot.com.br/2014/03/a-acao-do-planalto-da-borborema-no.html
http://sesi.webensino.com.br/sistema/webensino/aulas/3070_166/058_ENS_FUN_F05_05/para_comeco_de_conversa.html
http://slideplayer.com.br/slide/1223193/
http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://images.slideplayer.com.br/3/1223193/slides/slide_68.jpg&imgrefurl=http://sli
deplayer.com.br/slide/1223193/&h=720&w=960&tbnid=q6M4yJf0cM51UM:&zoom=1&docid=ErZFvXuFGyE2rM&ei=hShiVfL8FtD
fggSWyYG4AQ&tbm=isch&ved=0CB0QMygBMAE
http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/blog-do-clima/files/2013/08/efeitos-mudancas-climaticas-brasil-pbmc1.jpg

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Professora Vanúcia Moreira: Climas
Professora Vanúcia Moreira: ClimasProfessora Vanúcia Moreira: Climas
Professora Vanúcia Moreira: ClimasVanúcia Moreira
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Clima
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia - Clima www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia - Clima
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - ClimaAulas De Geografia Apoio
 
1235584572 factores climaticos
1235584572 factores climaticos1235584572 factores climaticos
1235584572 factores climaticosPelo Siro
 
Prova completa resposta - 1 s-rie
Prova  completa   resposta - 1  s-rieProva  completa   resposta - 1  s-rie
Prova completa resposta - 1 s-rieledaesteves
 
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)Yasmim Ribeiro
 
Geografia os grandes complexos climaticos e botanicos do territorio brasileiro
Geografia   os grandes complexos climaticos e botanicos do territorio brasileiroGeografia   os grandes complexos climaticos e botanicos do territorio brasileiro
Geografia os grandes complexos climaticos e botanicos do territorio brasileiroGustavo Soares
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilCarson Souza
 
26 02 orientação movimentos e fusos
26 02 orientação movimentos e fusos26 02 orientação movimentos e fusos
26 02 orientação movimentos e fusosFernanda Lopes
 
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilClimatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilProfMario De Mori
 
Os ventos e seus efeitos explicando os riscos
Os ventos e seus efeitos   explicando os riscosOs ventos e seus efeitos   explicando os riscos
Os ventos e seus efeitos explicando os riscosDarley Fabian
 
Fatores climato botânicos
Fatores climato botânicosFatores climato botânicos
Fatores climato botânicosColégio Aprov
 

Mais procurados (18)

Professora Vanúcia Moreira: Climas
Professora Vanúcia Moreira: ClimasProfessora Vanúcia Moreira: Climas
Professora Vanúcia Moreira: Climas
 
Cliima
CliimaCliima
Cliima
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Clima
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia - Clima www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia - Clima
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Clima
 
1235584572 factores climaticos
1235584572 factores climaticos1235584572 factores climaticos
1235584572 factores climaticos
 
Climas da terra
Climas da terraClimas da terra
Climas da terra
 
Prova completa resposta - 1 s-rie
Prova  completa   resposta - 1  s-rieProva  completa   resposta - 1  s-rie
Prova completa resposta - 1 s-rie
 
1geo09
1geo091geo09
1geo09
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
Aula Tempo e clima (Geografia 6o ano)
 
Geografia os grandes complexos climaticos e botanicos do territorio brasileiro
Geografia   os grandes complexos climaticos e botanicos do territorio brasileiroGeografia   os grandes complexos climaticos e botanicos do territorio brasileiro
Geografia os grandes complexos climaticos e botanicos do territorio brasileiro
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
26 02 orientação movimentos e fusos
26 02 orientação movimentos e fusos26 02 orientação movimentos e fusos
26 02 orientação movimentos e fusos
 
Aula sobre climas do brasil
Aula sobre climas do brasilAula sobre climas do brasil
Aula sobre climas do brasil
 
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilClimatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
 
Geofísica 3.0
Geofísica 3.0Geofísica 3.0
Geofísica 3.0
 
Os ventos e seus efeitos explicando os riscos
Os ventos e seus efeitos   explicando os riscosOs ventos e seus efeitos   explicando os riscos
Os ventos e seus efeitos explicando os riscos
 
Fatores climato botânicos
Fatores climato botânicosFatores climato botânicos
Fatores climato botânicos
 
Ar fenômenos naturais
Ar fenômenos naturaisAr fenômenos naturais
Ar fenômenos naturais
 

Destaque

Clima equatorial (Jon, Jose, Izan)
Clima equatorial (Jon, Jose, Izan)Clima equatorial (Jon, Jose, Izan)
Clima equatorial (Jon, Jose, Izan)cmendez6
 
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasQuestões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasFernanda Lopes
 
Questões ambientaissss
Questões ambientaissssQuestões ambientaissss
Questões ambientaissssFernanda Lopes
 
áFrica formação das nações africanas
áFrica formação das nações africanasáFrica formação das nações africanas
áFrica formação das nações africanasFernanda Lopes
 
Aspectos econômicos do brasil
Aspectos econômicos do brasilAspectos econômicos do brasil
Aspectos econômicos do brasilFernanda Lopes
 
America anglo saxonica física final
America anglo saxonica física finalAmerica anglo saxonica física final
America anglo saxonica física finalFernanda Lopes
 
Migrações ilegais na europaaa
Migrações ilegais na europaaaMigrações ilegais na europaaa
Migrações ilegais na europaaaFernanda Lopes
 
Atualidades questão nuclear somente
Atualidades questão nuclear somenteAtualidades questão nuclear somente
Atualidades questão nuclear somenteFernanda Lopes
 
Conflitos nacionalistas na europa
Conflitos nacionalistas na europaConflitos nacionalistas na europa
Conflitos nacionalistas na europaFernanda Lopes
 
Cap4 1 eras geológicas
Cap4 1 eras geológicasCap4 1 eras geológicas
Cap4 1 eras geológicasFernanda Lopes
 
2 cap4 brasil-localização_iiiii
2 cap4 brasil-localização_iiiii2 cap4 brasil-localização_iiiii
2 cap4 brasil-localização_iiiiiFernanda Lopes
 

Destaque (18)

Clima equatorial (Jon, Jose, Izan)
Clima equatorial (Jon, Jose, Izan)Clima equatorial (Jon, Jose, Izan)
Clima equatorial (Jon, Jose, Izan)
 
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasQuestões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
 
Questões ambientaissss
Questões ambientaissssQuestões ambientaissss
Questões ambientaissss
 
áFrica formação das nações africanas
áFrica formação das nações africanasáFrica formação das nações africanas
áFrica formação das nações africanas
 
China
ChinaChina
China
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
 
Aspectos econômicos do brasil
Aspectos econômicos do brasilAspectos econômicos do brasil
Aspectos econômicos do brasil
 
America anglo saxonica física final
America anglo saxonica física finalAmerica anglo saxonica física final
America anglo saxonica física final
 
Terrorismo
TerrorismoTerrorismo
Terrorismo
 
Oriente medio
Oriente medioOriente medio
Oriente medio
 
Migrações ilegais na europaaa
Migrações ilegais na europaaaMigrações ilegais na europaaa
Migrações ilegais na europaaa
 
América central
América centralAmérica central
América central
 
Atualidades questão nuclear somente
Atualidades questão nuclear somenteAtualidades questão nuclear somente
Atualidades questão nuclear somente
 
2 cap3 mercosul
2 cap3 mercosul2 cap3 mercosul
2 cap3 mercosul
 
Conflitos nacionalistas na europa
Conflitos nacionalistas na europaConflitos nacionalistas na europa
Conflitos nacionalistas na europa
 
Cap4 1 eras geológicas
Cap4 1 eras geológicasCap4 1 eras geológicas
Cap4 1 eras geológicas
 
2 cap4 brasil-localização_iiiii
2 cap4 brasil-localização_iiiii2 cap4 brasil-localização_iiiii
2 cap4 brasil-localização_iiiii
 
México
MéxicoMéxico
México
 

Semelhante a 2 climas do brasil

Europa físico terceirao
Europa físico terceiraoEuropa físico terceirao
Europa físico terceiraoFernanda Lopes
 
Cap2 orientação movimentos e fusos
Cap2 orientação movimentos e fusosCap2 orientação movimentos e fusos
Cap2 orientação movimentos e fusosFernanda Lopes
 
América do sul economia populacao e fisico
América do sul economia populacao e fisicoAmérica do sul economia populacao e fisico
América do sul economia populacao e fisicoFernanda Lopes
 
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdfPROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdfDeto - Geografia
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioArtur Lara
 
clima-ensinomdio-161002212521.pdf
clima-ensinomdio-161002212521.pdfclima-ensinomdio-161002212521.pdf
clima-ensinomdio-161002212521.pdfEduardoBarroso37
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasilJonatas Carlos
 
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasQuestões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasFernanda Lopes
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoChristie Freitas
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Christie Freitas
 
Europa geográfica e política
Europa geográfica e políticaEuropa geográfica e política
Europa geográfica e políticaKolliexD
 
Atmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - GeografiaAtmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - GeografiaPositivo e Sesi
 
Geografia a dinamica do clima
Geografia   a dinamica do climaGeografia   a dinamica do clima
Geografia a dinamica do climaGustavo Soares
 

Semelhante a 2 climas do brasil (20)

América do sul
América do sulAmérica do sul
América do sul
 
Europa físico terceirao
Europa físico terceiraoEuropa físico terceirao
Europa físico terceirao
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
 
Cap2 orientação movimentos e fusos
Cap2 orientação movimentos e fusosCap2 orientação movimentos e fusos
Cap2 orientação movimentos e fusos
 
América do sul economia populacao e fisico
América do sul economia populacao e fisicoAmérica do sul economia populacao e fisico
América do sul economia populacao e fisico
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdfPROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
PROF DEMETRIO MELO - FATORES CLIMÁTICOS E VEGETAÇÃO.pdf
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
 
clima-ensinomdio-161002212521.pdf
clima-ensinomdio-161002212521.pdfclima-ensinomdio-161002212521.pdf
clima-ensinomdio-161002212521.pdf
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
05 el nino
05 el nino05 el nino
05 el nino
 
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águasQuestões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
Questões ambientais buraco ozônio e poluição das águas
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
Europa geográfica e política
Europa geográfica e políticaEuropa geográfica e política
Europa geográfica e política
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Atmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - GeografiaAtmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - Geografia
 
As regiões polares
As regiões polaresAs regiões polares
As regiões polares
 
CLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.pptCLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.ppt
 
Geografia a dinamica do clima
Geografia   a dinamica do climaGeografia   a dinamica do clima
Geografia a dinamica do clima
 

Mais de Fernanda Lopes

Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020Fernanda Lopes
 
Cap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundoCap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundoFernanda Lopes
 
Piores acidentes nucleares da história
Piores acidentes nucleares da históriaPiores acidentes nucleares da história
Piores acidentes nucleares da históriaFernanda Lopes
 
Blocos econômicos primeiro ano
Blocos econômicos  primeiro anoBlocos econômicos  primeiro ano
Blocos econômicos primeiro anoFernanda Lopes
 
Cap 14 conflitos mundiais 1
Cap 14 conflitos mundiais 1Cap 14 conflitos mundiais 1
Cap 14 conflitos mundiais 1Fernanda Lopes
 
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sulCap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sulFernanda Lopes
 
Cap 14 b regiões geoeconômicas_ne
Cap 14 b regiões geoeconômicas_neCap 14 b regiões geoeconômicas_ne
Cap 14 b regiões geoeconômicas_neFernanda Lopes
 
Cap 14 regiões geoeconômicas amazônia
Cap 14 regiões geoeconômicas amazôniaCap 14 regiões geoeconômicas amazônia
Cap 14 regiões geoeconômicas amazôniaFernanda Lopes
 
Cap 13 mundo ex socialista
Cap 13 mundo ex socialistaCap 13 mundo ex socialista
Cap 13 mundo ex socialistaFernanda Lopes
 
Cap 13 b a região concentrada
Cap 13 b a região concentradaCap 13 b a região concentrada
Cap 13 b a região concentradaFernanda Lopes
 
Cap 12 desenvolvimento mundiallll
Cap 12 desenvolvimento mundiallllCap 12 desenvolvimento mundiallll
Cap 12 desenvolvimento mundiallllFernanda Lopes
 
Cap 12 organização politico administrativa do brasilll
Cap 12 organização politico administrativa do brasilllCap 12 organização politico administrativa do brasilll
Cap 12 organização politico administrativa do brasilllFernanda Lopes
 

Mais de Fernanda Lopes (20)

Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
Cap 1 primeiro ano aula 2-principais conceitos-2020
 
Cap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundoCap 1 da europa para o mundo
Cap 1 da europa para o mundo
 
Mariana tragédia
Mariana tragédiaMariana tragédia
Mariana tragédia
 
Piores acidentes nucleares da história
Piores acidentes nucleares da históriaPiores acidentes nucleares da história
Piores acidentes nucleares da história
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
China conteúdo
China conteúdoChina conteúdo
China conteúdo
 
Blocos econômicos primeiro ano
Blocos econômicos  primeiro anoBlocos econômicos  primeiro ano
Blocos econômicos primeiro ano
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Questão palestina
Questão palestinaQuestão palestina
Questão palestina
 
Conflitos mundiais 2
Conflitos mundiais 2Conflitos mundiais 2
Conflitos mundiais 2
 
Cap 14 conflitos mundiais 1
Cap 14 conflitos mundiais 1Cap 14 conflitos mundiais 1
Cap 14 conflitos mundiais 1
 
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sulCap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
Cap 14 c regiões geoeconômicas_centro sul
 
Cap 14 b regiões geoeconômicas_ne
Cap 14 b regiões geoeconômicas_neCap 14 b regiões geoeconômicas_ne
Cap 14 b regiões geoeconômicas_ne
 
Cap 14 regiões geoeconômicas amazônia
Cap 14 regiões geoeconômicas amazôniaCap 14 regiões geoeconômicas amazônia
Cap 14 regiões geoeconômicas amazônia
 
Cap 13 mundo ex socialista
Cap 13 mundo ex socialistaCap 13 mundo ex socialista
Cap 13 mundo ex socialista
 
Rússia país
Rússia paísRússia país
Rússia país
 
Cap 13 b a região concentrada
Cap 13 b a região concentradaCap 13 b a região concentrada
Cap 13 b a região concentrada
 
Cap 12 desenvolvimento mundiallll
Cap 12 desenvolvimento mundiallllCap 12 desenvolvimento mundiallll
Cap 12 desenvolvimento mundiallll
 
Cap 12 organização politico administrativa do brasilll
Cap 12 organização politico administrativa do brasilllCap 12 organização politico administrativa do brasilll
Cap 12 organização politico administrativa do brasilll
 
Questões ambientais
Questões ambientaisQuestões ambientais
Questões ambientais
 

Último

Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 

2 climas do brasil

  • 1. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 2. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia “Poucos países no mundo têm tanta responsabilidade com a preservação das biodiversidades regionais quanto o Brasil. Pelo fato de ter herdado grandes espaços físicos e ecológicos, de máxima riqueza em termos de diversidade biológica; acrescido o fato de termos podido manter, praticamente intactas, até a década dos 60, nossas grandes florestas tropicais úmidas do norte do país; temos o privilégio e o peso de uma herança que ultrapassa o nível de percepção de nossas elites políticas e tecnocratas (…).” AB’SÁBER, Aziz Nacib. Amazônia: proteção ecológica e desenvolvimento, com o máximo da floresta-em-pé. Revista do Instituto de Estudos Avançados. São Paulo: USP, 1993. p. 20. (Série Ciências Ambientais n. 14.)
  • 3. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 4. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Devido à inclinação do eixo terrestre, a faixa intertropical, recebe consideravelmente mais radiação solar do que as áreas mais próximas ao polo.
  • 5. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 6. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 7. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A temperatura diminui com o aumento da LATITUDE, uma vez que a fonte de calor é mais intensa no Equador e diminui no sentido dos polos
  • 8. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Quanto maior a altitude, mais rarefeito torna-se o ar, ocorrendo também menor irradiação e, por consequência, menores temperaturas
  • 9. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia A temperatura diminui em média 1°C a cada 180m de altitude. Isso ocorre porque o calor do ar é transmitido pelo solo aquecido por meio de irradiação solar.
  • 10. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Faz frio em lugares altos porque a pressão do ar vai se tornando cada vez menor, fazendo o ar se expandir, retendo menos calor do sol. A altitude exerce grande influência sobre a temperatura. O calor é irradiado para cima, e a atmosfera aquece-se por irradiação.
  • 11. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 12. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia http://www.unicerj.org.br/cgi-local/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=29&sid=43
  • 13. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 14. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografiahttp://www.unicerj.org.br/cgi-local/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=29&sid=43 Porque existem outros fatores que condicionam o clima: altitude, disposição do relevo, proximidade do mar, continentalidade etc.
  • 15. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 16. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 17. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 18. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Quanto mais próximo dos grandes corpos hídricos, menor será a variação da temperatura (MARITIMIDADE) e quanto mais distante das grandes massas líquidas maior será a variação da temperatura (CONTINENTALIDADE).
  • 19. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 20. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As correntes marítimas são massas menores de água que se deslocam por distintas direções, mantendo suas características de cor, salinidade e temperatura, isso quer dizer que elas não se misturam. Esse deslocamento é proveniente da ação dos ventos e também pelo movimento de rotação da Terra.
  • 21. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 22. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 23. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 24. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 25. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 26. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •TEMPO→ se refere a uma escala muito menor. Características atmosféricas de determinado lugar em um momento específico. O tempo pode mudar em questão de horas, dias, semanas.
  • 27. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •CLIMA→ o conceito de clima envolve uma escala temporal mais ampla (Não inferior a 30 anos). Um extenso período de observações em que climatologistas verificam se determinados índices são constantes na maior parte do período estudado. •TEMPO→ se refere a uma escala muito menor. Características atmosféricas de determinado lugar em um momento específico. O tempo pode mudar em questão de horas, dias, semanas.
  • 28. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia As massas de ar que se formam sobre o continente são secas (com exceção das formadas sobre áreas de densas florestas tropicais) As massas que se formam sobre os oceanos, por sua vez, são úmidas
  • 29. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 30. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •mEa – atua principalmente na região NE, porém, conforme avança pelo interior do país a massa vai perdendo a umidade, por isso não causa chuvas significativas na porção norte do litoral nordestino. •mEc – é a massa que exerce maior influência no Brasil. •mTa – No litoral das regiões Sul e Sudeste, o encontro da mTa com as áreas elevadas da Serra do Mar, provoca chuvas orográficas ou de montanha. •mTc – No Brasil atua no Centro Oeste e noroeste das regiões Sul e Sudeste, onde ocorrem longos períodos de tempo quente e seco.
  • 31. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •mEa – perde um pouco a sua intensidade. •mEc – no inverso a mEc recua e sua ação fica restrita a Amazônia Ocidental. •mTa – aumenta de intensidade nos meses mais frios. •mTc – se forma no final do inverno e início da primavera. •mPa – massa que atua praticamente nas épocas frias (inverno). Algumas vezes pode chegar até a região amazônica.
  • 32. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia TUBELIS, A; NASCIMENTO, F. L. do. Meteorologia descritiva: fundamentos e aplicações brasileiras. São Paulo: Nobel, 1980. [Adaptado]. A dinâmica das massas de ar é um dos fatores que explica a caracterização climática de uma área. A leitura e a interpretação dos mapas indicam que o clima do território goiano é influenciado pela atuação da massa a) Equatorial continental durante o ano todo. b) Tropical atlântica no verão e Polar atlântica durante o inverno. c) Equatorial continental no verão e Equatorial atlântica no inverno. d) Tropical atlântica durante o ano todo. e) Equatorial continental no verão e Tropical atlântica no inverno
  • 33. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia TUBELIS, A; NASCIMENTO, F. L. do. Meteorologia descritiva: fundamentos e aplicações brasileiras. São Paulo: Nobel, 1980. [Adaptado]. A dinâmica das massas de ar é um dos fatores que explica a caracterização climática de uma área. A leitura e a interpretação dos mapas indicam que o clima do território goiano é influenciado pela atuação da massa a) Equatorial continental durante o ano todo. b) Tropical atlântica no verão e Polar atlântica durante o inverno. c) Equatorial continental no verão e Equatorial atlântica no inverno. d) Tropical atlântica durante o ano todo. e) Equatorial continental no verão e Tropical atlântica no inverno Resposta certa: letra e
  • 34. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 35. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia -Área de abrangência: quase toda a região Norte, parte do C. Oeste (norte de MT) e oeste do MA. -Área que sofre intensa ação da mEc e mEa (ambas quentes e úmidas) -reduzida amplitude térmica (não ultrapassa 4°C) -médias térmicas: entre 24°C e 28°C -No inverno essa região pode sofrer um fenômeno conhecido como ‘FRIAGEM’ (mPa)
  • 36. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia -Área de abrangência: maior parte do C. Oeste e SE, trechos de vários estados do NE -elevado índice pluviométrico, em função da atuação da mEC (verão) -inverno seco, em função da atuação da mTc -amplitude térmica anual: entre 5°C e 7°C -médias térmicas: entre 20°C e 27°C
  • 37. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia -Área de abrangência: interior do NE (Polígono das Secas) -baixo índice pluviométrico -sofre influência da mEc e mTa (chega ao Sertão com pouca umidade)
  • 38. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia O planalto de Borborema (região Nordeste do Brasil) sofre intervenção direta do relevo no clima. Devido às maiores altitudes do planalto, a chegada de chuvas ao interior do Nordeste é dificultada, contribuindo para a ocorrência do clima semiárido.
  • 39. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 40. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia O contato do vapor de água com as temperaturas mais baixas das áreas de maior altitude leva à condensação do vapor e provoca as chamadas chuvas orográficas ou de relevo. Ao encontrarem um relevo de altitude mais elevada, as massas de ar sobem. Em contato com o ar atmosférico mais frio, o vapor de água transportado pela massa de ar úmida se condensa e pode ocorrer chuva. Ocorrem na serra do Mar.
  • 41. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 42. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia -Área de abrangência: nas mais elevadas latitudes do Brasil. -sofre influência direta da mPa -médias térmicas: abaixo de 18°C
  • 43. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia -Área de abrangência: típico do SE (terras altas) -baixas temperaturas: entre 17°C e 22°C
  • 44. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 45. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a verificação da sazonalidade climática de determinada região.
  • 46. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a verificação da sazonalidade climática de determinada região. Um climograma tem duas ordenadas: uma à esquerda, onde normalmente são representadas as precipitações, e outra à direita, onde são marcadas as temperaturas. No eixo das abscissas são assinalados os meses do ano.
  • 47. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Climograma é uma forma de representação gráfica do clima, o qual permite de uma maneira simples e eficaz a verificação da sazonalidade climática de determinada região. Um climograma tem duas ordenadas: uma à esquerda, onde normalmente são representadas as precipitações, e outra à direita, onde são marcadas as temperaturas. No eixo das abscissas são assinalados os meses do ano. TEMPERATURAS são representadas por uma linha e as PRECIPITAÇÕES são representadas por barras.
  • 48. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - GeografiaPágina 9 da Apostila. Climograma de Cuiabá. COMO ANALISAR UM CLIMOGRAMA ? CHUVAS -Deve-se observar o total de precipitações -Sua distribuição ao longo do ano -Meses mais chuvosos e menos chuvosos -Se há períodos sem precipitações (secas) TEMPERATURAS -Mês com a temperatura mais elevada -Mês com a temperatura menos elevada -Amplitude Térmica *OBS: Se a localidade está no Hemisfério Sul, os meses mais quentes serão entre dezembro e Março; no Hemisfério Norte, serão entre Junho e Setembro.
  • 49. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia (Ufscar) Os climogramas referem-se a três localidades de diferentes partes do mundo. A sua análise permite afirmar que: a) na localidade I, o inverno apresenta grande pluviosidade, sendo característico do clima mediterrâneo. b) nas localidades II e III, a amplitude térmica é pequena, característica de climas equatoriais. c) a menor amplitude térmica está na localidade II e a maior amplitude pluviométrica está na localidade I. d) o pequeno volume pluviométrico do inverno, na localidade III, caracteriza o clima monçônico. e) os climogramas das localidades I e II referem-se a climas do hemisfério norte e o climograma da localidade III, a clima do hemisfério sul.
  • 50. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia (Ufscar) Os climogramas referem-se a três localidades de diferentes partes do mundo. A sua análise permite afirmar que: a) na localidade I, o inverno apresenta grande pluviosidade, sendo característico do clima mediterrâneo. b) nas localidades II e III, a amplitude térmica é pequena, característica de climas equatoriais. c) a menor amplitude térmica está na localidade II e a maior amplitude pluviométrica está na localidade I. d) o pequeno volume pluviométrico do inverno, na localidade III, caracteriza o clima monçônico. e) os climogramas das localidades I e II referem-se a climas do hemisfério norte e o climograma da localidade III, a clima do hemisfério sul. Resposta certa: letra e
  • 51. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •O Fenômeno conhecido por El Niño se refere ao aquecimento anormal das águas superficiais nas porções central e leste do Oceano Pacífico, nas proximidades da América do Sul, mais particularmente na costa do Peru
  • 52. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •Ventos Alísios sopram dos Trópicos para a região da Linha do Equador •Os ventos movimentam as águas do Oceano Pacífico. •As águas frias sobem a região oeste da América do Sul, enquanto na região Leste (Equatorial) da Ásia as águas superficiais são quentes. (*Ressurgência) •O mar aquece o ar, que sobe e forma nuvens de tempestade que precipitam sobre a região do leste asiático.
  • 53. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia •Os ventos alísios ficam enfraquecidos. •Sem os ventos fortes, todo o Oceano Pacífico Equatorial começa a aquecer, liberando evaporação e formando nuvens com intensas chuvas no Pacífico Equatorial Ocidental. •A mudança da formação das nuvens gera modificações no padrão de circulação do ar •e da umidade na atmosfera, alterando o clima no mundo inteiro. •O fenômeno dura de 12 a 18 meses,em média. •Com o El Niño, a temperatura da superfície do mar chega a ficar até 4,5ºC acima da média.
  • 54. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 55. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 56. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Fenômeno oposto ao El Niño: em vez de as águas do Pacífico leste se aquecerem, elas esfriam. Isso acontece porque os ventos alísios, que carregam a água quente para o oeste, ficam mais intensos. Consequentemente, as águas quentes da superfície são deslocadas em maior quantidade para o oeste e a água mais fria vem à tona. A temperatura do oceano diminui n região próxima à costa oeste da América do Sul, e o clima fica mais úmido na Austrália e Indonésia, por causa das massas de ar quente.
  • 57. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 58. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 59. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 60. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia
  • 61. Oficina elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES - Geografia Portal SAS http://professoralexeinowatzki.webnode.com.br/climatologia/chuvas/ http://geoprotagonista.blogspot.com.br/2014/03/a-acao-do-planalto-da-borborema-no.html http://sesi.webensino.com.br/sistema/webensino/aulas/3070_166/058_ENS_FUN_F05_05/para_comeco_de_conversa.html http://slideplayer.com.br/slide/1223193/ http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://images.slideplayer.com.br/3/1223193/slides/slide_68.jpg&imgrefurl=http://sli deplayer.com.br/slide/1223193/&h=720&w=960&tbnid=q6M4yJf0cM51UM:&zoom=1&docid=ErZFvXuFGyE2rM&ei=hShiVfL8FtD fggSWyYG4AQ&tbm=isch&ved=0CB0QMygBMAE http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/blog-do-clima/files/2013/08/efeitos-mudancas-climaticas-brasil-pbmc1.jpg