Climas 2014

388 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Climas 2014

  1. 1. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  2. 2. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  3. 3. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia A temperatura diminui com o aumento da LATITUDE, uma vez que a fonte de calor é mais intensa no Equador e diminui no sentido dos polos.
  4. 4. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Quanto maior a altitude, mais rarefeito torna-se o ar, ocorrendo também menor irradiação e, por consequência, menores temperaturas.
  5. 5. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia A temperatura diminui em média 1°C a cada 180m de altitude. Isso ocorre porque o calor do ar é transmitido pelo solo aquecido por meio de irradiação solar.
  6. 6. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Aaltitudeexercegrandeinfluênciasobreatemperatura. Ocaloréirradiadoparacima,eaatmosferaaquece-seporirradiação. Fazfrioemlugaresaltosporqueapressãodoarvaisetornandocadavezmenor,fazendooarseexpandir,retendomenoscalordosol.
  7. 7. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Ar mais quente (moléculas dilatadas) portanto o ar é mais leve Ar mais frio, mais pesado (maior n°de moléculas por cm²) TEMPERATURA Maior temperatura menor a P.A
  8. 8. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Menor altitude, maior a P.A ALTITUDE Ar mais frio, mais pesado (moléculas contraídas) porém, pela altitude o ar está mais rarefeito (menor n°de moléculas por cm²) –MENOR P.A TEMPERATURA Maior temperatura (calor)menor a P.A
  9. 9. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  10. 10. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Osoceanospodemarmazenarenormequantidadedeenergiasolar,liberandoessaenergiaprogressivamente,semqueatemperaturadaáguavariedemaneirasensívelduranteesseprocesso(MARITIMIDADE).Talpropriedadedaáguatornaoconjuntodosoceanos,incluindoo“oceanoatmosférico”formadopelasnuvens,umgrandeREGULADORDOCLIMAedosfenômenosmeteorológicos. Gelo Precipitação Arrefecimento Evaporação Aquecimento Vento Correntes Marítimas
  11. 11. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  12. 12. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  13. 13. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia As correntes marítimas são massas menores de água que se deslocam por distintas direções, mantendo suas características de cor, salinidade e temperatura, isso quer dizer que elas não se misturam. Esse deslocamento é proveniente da ação dos ventos e também pelo movimento de rotação da Terra.
  14. 14. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia De acordo com sua região de origem, as correntes marinhas podem ser: • QUENTES–provenientes da zona equatorial, como a das Guianas e a corrente do Golfo do México; • FRIAS–oriundas das regiões polares ou frias, como as do Labrador, de Humboldt e da Groenlândia.
  15. 15. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia As correntes marítimas, são uma das responsáveis pela condução de calor do Equador para os pólos, regulando as temperaturas do planeta. Em sua maioria, essas correntes são geradas pelos ventos, que transferem energia para os metros superiores dos oceanos, colocando a água em movimento e transportando energia e calor de um lugar para outro do oceano.
  16. 16. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia As correntes marítimas, são uma das responsáveis pela condução de calor do Equador para os pólos, regulando as temperaturas do planeta. Em sua maioria, essas correntes são geradas pelos ventos, que transferem energia para os metros superiores dos oceanos, colocando a água em movimento e transportando energia e calor de um lugar para outro do oceano.
  17. 17. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Fonte: G.Corbellini. II Marcopolo. Turim: Marietti, 1998. p. 171 (adaptado).
  18. 18. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  19. 19. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia FRIAS Corrente da Califórnia Corrente de Humboldt Corrente das Canárias Corrente de Labrador Corrente de Benguela Corrente da Groelândia Corrente OyaShivo QUENTES Corrente das Guianas Corrente do Brasil Corrente do Golfo Corrente Centro Equatorial Corrente Sul Equatorial Corrente Deriva Norte-Pacífico Corrente KuroShivo
  20. 20. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia AcorrentedoGolfo(Eminglês:GulfStream),éumacorrentemarítimapotente,rápidaequentedooceanoAtlânticoquetemorigemnoGolfodoMéxico,escapapeloestreitodaFlóridaesegueacostalestedosEstadosUnidosdaAméricaeasuaextensãoatéàEuropatornaospaísesdooestedestecontinentemaisquentesdoqueelesseriamsemessacorrente
  21. 21. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia OefeitodacorrentedoGolfoésuficienteparafazercomquecertasregiõesdooestedaGrã-Bretanha,dosudoestedaNoruegaetodaaIrlandatenhamumatemperaturamédiadeváriosgrausCelsiusmaiselevadadoqueoutrasregiõesdaquelespaíses AcorrentedoGolfoemlaranjaeamarelonessarepresentaçãodatemperaturadaáguanooceanoAtlântico.
  22. 22. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia NascendopertodaAntártica,elaéacorrentemaisfriadomundo,comumatemperaturaaproximadamente7ou8°Cinferioràtemperaturamédiadooceanonamesmalatitude.AcorrentedeHumboldtacompanhaascostasdoChileedoPeru,naAméricadoSul. Ricasemplâncton,suaságuasatraemmuitospeixes. AcorrentedeHumboldtouCorrentedoPeruéumacorrentefriaquepercorreooceanoPacífico. FoiassimdenominadaemhomenagemaonaturalistaalemãoAlexanderVonHumboldt,queadescobriueestudou.
  23. 23. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Devidoàinclinaçãodoeixoterrestre,afaixaintertropical–entreosTrópicosdeCânceredeCapricórnio–recebeconsideravelmentemaisradiaçãosolardoqueasáreasmaispróximasaospólos.
  24. 24. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia DuranteofenômenodoElNiño,eladesapareceedeixaemseulugarumacorrentequente,diminuindooplânctoneaumentandoasprecipitaçõespluviométricasnacostasul-americanadoPacífico.Suaságuastêmcaracterísticasdiferentesdaságuasoceânicas.Porteremoutratemperatura,salinidade,coloraçãoedensidade,elasnãosemisturamfacilmentecomaságuasdomarporondepassam.Abaixatemperaturaimpedeaevaporaçãoedeixaaumidaderelativadoarbaixa Corrente quente para oeste Ásia América Ventos fortes para oeste Ausência de ventos fortes Ásia América Corrente quente para leste
  25. 25. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Ascorrentesfriaslocalizadaspróximasaolitoralprovocamprecipitaçõesnomardevidoaoesfriamentodasmassasdearúmidasquevêmdooceano,fazendocomqueosventoscheguempraticamentesemumidadeaocontinente.AcorrentedeHumboldtéresponsávelpelaformaçãododesertodeAtacamanonortedoChileeacorrentedeBenguelaprovocaaformaçãododesertodeKalaharinaNamíbia. Deserto do Atacama-Chile Corrente Fria de Humboldt
  26. 26. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia AcorrentedoLabradorinicia-sepelacorrentelestedaGroenlândiaqueterminanosuldaGroenlândia. Acorrenteestende-sedosudoestedaGroenlândiaatéonorteecontinuapelacostalestedoCanadádonorteatéosul, encontrando-secomacorrentedaFlórida.RecebeoseunomedaPenínsuladoLabrador.
  27. 27. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia ACorrentedeBenguelaéumacorrenteoceânicageladadesuperfíciequepercorreacostaoestedaÁfrica,emdireçãonorte,atésedesviarparaesquerdaemdireçãoalinhadoEquador,aondevaiemdireçãosul, passandopelascostasdoBrasil,quandorefleteemdireçãoàÁfrica.
  28. 28. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  29. 29. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Correntes quentes Correntes frias Regiões quentes Regiões frias Influem no clima desses locais.
  30. 30. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Ondas As ondas também podem ser causadas por abalos sísmicos no fundo do mar, formando ondas gigantescas. Movimentos superficiais produzidos pelo vento Maremotos
  31. 31. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  32. 32. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia São grandes ondas, provocadas por perturbações no fundo do mar, como abalos sísmicos (maremotos), erupções vulcânicas ou deslizamentos no fundo do oceano.
  33. 33. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Ondas gigantes são provocadas por três tipos de fenômenos:
  34. 34. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia ERUPÇÕES VULCÂNICAS Erupçõesvulcânicasinjetamtoneladasdelavasnochãooceânico, provocandoondasdevastadoras. Ondas gigantes são provocadas por três tipos de fenômenos:
  35. 35. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia ERUPÇÕES VULCÂNICAS Erupçõesvulcânicasinjetamtoneladasdelavasnochãooceânico, provocandoondasdevastadoras. TERREMOTOS SUBMARINOS Essesterremotosdeslocamacrostaoceânica,empurrandoamassadeáguaparacima. Ondas gigantes são provocadas por três tipos de fenômenos:
  36. 36. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia ERUPÇÕES VULCÂNICAS Erupçõesvulcânicasinjetamtoneladasdelavasnochãooceânico, provocandoondasdevastadoras. TERREMOTOS SUBMARINOS Essesterremotosdeslocamacrostaoceânica,empurrandoamassadeáguaparacima. BOLHA DE GÁS Umaimensabolhadegásseformanofundodosolooceânico,surtindoomesmoefeitodeumagrandeexplosão. Ondas gigantes são provocadas por três tipos de fenômenos:
  37. 37. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Umdeclivemenosacentuadonabeira-marfazasondasperderemumpoucodasuaforça,atenuandootsunami. Umamaiorprofundidadenaencostajogaasondasparacima,amplificandosuapotência.
  38. 38. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia •OFenômenoconhecidoporElNiñoserefereaoaquecimentoanormaldaságuassuperficiaisnasporçõescentralelestedoOceanoPacífico,nasproximidadesdaAméricadoSul,maisparticularmentenacostadoPeru
  39. 39. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia •Ventos Alísios sopram dos Trópicos para a região da Linha do Equador •Os ventos movimentam as águas do Oceano Pacífico. •As águas frias sobem a região oeste da América do Sul, enquanto na região Leste (Equatorial) da Ásia as águas superficiais são quentes. (*Ressurgência) •O mar aquece o ar, que sobe e forma nuvens de tempestade que precipitam sobre a região do leste asiático.
  40. 40. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia •Os ventos alísios ficam enfraquecidos. •Sem os ventos fortes, todo o Oceano Pacífico Equatorial começa a aquecer, liberando evaporação e formando nuvens com intensas chuvas no Pacífico Equatorial Ocidental. •A mudança da formação das nuvens gera modificações no padrão de circulação do ar •e da umidade na atmosfera, alterando o clima no mundo inteiro. •O fenômeno dura de 12 a 18 meses,em média. •Com o El Niño, a temperatura da superfície do mar chega a ficar até 4,5ºC acima da média.
  41. 41. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  42. 42. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  43. 43. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia OElNiñoocorreemmédiaumaouduasvezesacadadezanos,ealteraoecossistemamarinho, poiscomonãoháodeslocamentodaságuasquentesdasuperfície,aságuasprofundas,quesãomaisfriasecarregadasdenutrientes,nãoconseguemviràtona,naressurgênciaeapopulaçãodepeixesdiminuidrasticamente.
  44. 44. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia FenômenoopostoaoElNiño:emvezdeaságuasdoPacíficolesteseaquecerem,elasesfriam. Issoaconteceporqueosventosalísios,quecarregamaáguaquenteparaooeste,ficammaisintensos.Consequentemente,aságuasquentesdasuperfíciesãodeslocadasemmaiorquantidadeparaooesteeaáguamaisfriavemàtona. AtemperaturadooceanodiminuinregiãopróximaàcostaoestedaAméricadoSul,eoclimaficamaisúmidonaAustráliaeIndonésia,porcausadasmassasdearquente.
  45. 45. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  46. 46. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  47. 47. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  48. 48. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia
  49. 49. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia Asmassasdearqueseformamsobreocontinentesãosecas(comexceçãodasformadassobreáreasdedensasflorestastropicais) Asmassasqueseformamsobreosoceanos,porsuavez,sãoúmidas. Massas que atuam diretamente no Brasil:
  50. 50. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia VERÃO INVERNO
  51. 51. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia AS MASSAS DE AR VERÃO •mEa–atuaprincipalmentenaregiãoNE, porém,conformeavançapelointeriordopaísamassavaiperdendoaumidade,porissonãocausachuvassignificativasnaporçãonortedolitoralnordestino. •mEc–éamassaqueexercemaiorinfluêncianoBrasil. •mTa–NolitoraldasregiõesSuleSudeste,oencontrodamTacomasáreaselevadasdaSerradoMar,provocachuvasorográficasoudemontanha. •mTc–NoBrasilatuanoCentroOesteenoroestedasregiõesSuleSudeste,ondeocorremlongosperíodosdetempoquenteeseco.
  52. 52. Apresentação elaborada pela Professora FERNANDA BRUM LOPES-Geografia INVERNO AS MASSAS DE AR •mEa–perdeumpoucoasuaintensidade. •mEc–noinversoamEcrecuaesuaaçãoficarestritaaAmazôniaOcidental. •mTa–aumentadeintensidadenosmesesmaisfrios. •mTc–seformanofinaldoinvernoeiníciodaprimavera. •mPa–massaqueatuapraticamentenasépocasfrias(inverno).Algumasvezespodechegaratéaregiãoamazônica.

×