SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
1
Graduando do curso de licenciatura em Letras (UFMS/CPTL), Bolsista do Programa Institucional de
Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). E-mail: camila_fernandes.29@hotmail.com
² Graduando do curso de licenciatura em Letras (UFMS/CPTL), Bolsista do Programa Institucional de
Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). E-mail: faccioniufms@hotmail.com
³ Graduando do curso de licenciatura em Letras (UFMS/CPTL), Bolsista do Programa Institucional de
Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). E-mail: thaislaine_souza@hotmail.com
4
Docente da UFSCAR. E-mail: jocelistassise@hotmail.com
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
105
INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE NO GÊNERO
DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO
SILVA, C. F. da ¹
FACCIONI, F. ²
LIMA, T. S. ³
STASSI-SÉ, J. C. 4
RESUMO
Partindo de uma experiência no Programa institucional de bolsa de iniciação à docência
(PIBID) relata-se neste trabalho, passo a passo, a organização da sequência didática em
que se explora as características da redação do Exame Nacional do Ensino Médio
(Enem) enquanto gênero textual. Esta pesquisa fundamenta-se no conceito de gênero
textual de Marcuschi (2008), e na proposta de trabalho pedagógico com projetos de
produção de gêneros discursivos desenvolvida por Schneuwly; Dolz (2004). Parte-se da
ideia de que os temas das propostas de redação do Enem, são de cunho social e podem e
devem ser tratados pelo viés propriamente sociológico, mas também pelo viés político,
histórico, linguístico, científico etc. Aspectos sociais, dentre outros, dependendo do
recorte temático imposto pela coletânea de textos motivadores, são fundamentais em
uma dissertação-argumentativa do Enem. O aspecto intertextual da proposta de redação
do Enem abre a possibilidade do intercâmbio de ideias e de práticas por parte do
candidato, que tem a sua frente várias possibilidades de abordagem do tema por meio da
intertextualidade e da interdisciplinaridade. Nessa perspectiva, o objetivo geral deste
artigo é refletir como se deve ensinar as competências exigidas na redação do Enem,
analisando a produção oral e escrita em aulas de Língua Portuguesa do segundo ano do
Ensino Médio. Para a proposta de dissertação foram escolhidos os temas de cultura e
identidade africana. Discutiremos nesta pesquisa as relações entre história, educação
escolar, e ensino interdisciplinar tendo como suporte teórico: Munanga (2005); Fazenda
(2008); Souza (2008). Os resultados reafirmam que o trabalho interdisciplinar e
intertextual realiza um movimento de transformação no currículo, na didática e na sala
de aula, proporcionando um diálogo entre as disciplinas escolares, e um efeito positivo
no desempenho da escrita dos alunos.
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
106
PALAVRAS–CHAVES: Interdisciplinaridade; Gênero textual; Dissertação
argumentativa.
INTRODUÇÃO
São muitos os desafios encontrados pelo professor no ensino de língua portuguesa, e
muitas são as dificuldades dos alunos em relação à produção de textos. Ao analisar a
escrita de alunos do ensino médio pode-se perceber que poucos dominam as
competências dissertativas argumentativas solicitadas no exame nacional do ensino
médio (ENEM). O maior desafio do professor é compreender o texto como um produto
histórico-social, relacioná-lo a outros textos já lidos e/ou ouvidos e admitir a
multiplicidade de leituras por ele ocasionadas e transmitir isso ao aluno.
Percebe-se que há a necessidade de trabalhar, em sala de aula, com diversos gêneros
textuais, usados em diferentes situações e com objetivos múltiplos: construir e
desconstruir esses textos, ressaltando os efeitos provocados pelas alterações, criar
intertextos, verificar o gênero textual e modificá-lo etc. Isto é, para realizar esse tipo de
trabalho com a língua portuguesa, o professor precisa ter consciência da diferença entre
saber usar uma língua, adequando-a convenientemente a contextos e saber analisá-la,
tendo conhecimento de conceitos sobre sua estrutura e funcionamento e a nomenclatura
gramatical correspondente.
“Conceber o texto como unidade de ensino/ aprendizagem é entende-lo como um lugar
de entrada para este diálogo com outros textos, que remetem a textos passados e que
farão surgir textos futuros. Conceber o aluno como produtor deste diálogo contínuo:
com textos e com leitores. ” (GERALDI, 2002 p. 22)
Dessa forma, o aluno está, ora na posição de leitor, ora na posição de produtor de textos,
ou seja, os textos que produz o constituem como humano. Os textos “são um “artefato
cultural” importante como parte integrante da estrutura comunicativa de nossa
sociedade.” (MARCUSCHI 2008 p. 149)
Segundo Kristeva (1969, p. 85), “todo texto se constrói como um mosaico de citações,
todo texto é a absorção e transformação de um outro texto”.1
Assim, nessa perspectiva,
o trabalho do professor é, dentre outros, desenvolver no aluno a capacidade de
identificar um intertexto. O professor deve, então, investir na ideia de que um texto é
1
Tradução nossa de: “tout texte se construit comme mosaique de citations, tout texte est absorption et
transformation d’un autre texte”
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
107
sempre proveniente de outros textos orais ou escritos. Por isso, é imprescindível que o
professor leve o aluno a perceber isso.
O processo ensino/aprendizagem de Língua Portuguesa deve fundamentar-se assim em
propostas interativas a fim de promover o desenvolvimento do indivíduo numa
dimensão integral. A intertextualidade acontece em várias áreas, e saber construir
argumentação é saber interpretar e interligar as diferentes áreas do conhecimento. Tendo
isso em vista, o presente trabalho ancora-se no pressuposto de que os caminhos que
levam o aluno a dominar a escrita passam por um compromisso de trabalho com a
linguagem. Ou seja, a produção e leitura de textos devem estar ligadas a uma sequência
planejada de atividades com objetivos definidos e que demandam escritas, leituras e
reescritas, além de uma avaliação do que foi produzido.
OBJETIVOS PROPOSTOS
O Enem, ao contrário dos vestibulares comuns, possui uma abordagem focada na
interdisciplinaridade, ou seja, a maioria das suas questões são referentes a mais de uma
disciplina. Para obter relações corretas entre os temas selecionados para a proposta de
redação da prova do Enem, o candidato deve ser completamente coerente, coeso e
referencial, sabendo que a redação proposta trata-se de uma redação dissertativa de
cunho argumentativo. Além disso, os temas do exame são sociais, históricos,
linguísticos, políticos, entre outros. Isto é, o aluno que participa do Enem precisa:
“I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso
das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa. II.
Compreender fenômenos (CF): construir e aplicar conceitos das várias áreas do
conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-
geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas. III. Enfrentar
situações-problema (SP): selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e
informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar
situações-problema. IV. Construir argumentação (CA): relacionar informações,
representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações
concretas, para construir argumentação consistente. V. Elaborar propostas (EP): recorrer
aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção
solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade
sociocultural.” (Matrizes de Referência Para ENEM 2015. MEC.)
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
108
A própria Matriz de Referência para o ENEM demonstra a obrigatoriedade de dominar
os conhecimentos intertextuais e interdisciplinares, ou seja, precisa-se romper com o
ensino tradicional de Língua Portuguesa e encarar novos desafios dentro da sala de aula.
Como nos sugere Souza (2008):
“[...] a história das disciplinas escolares surge como um novo modo de olhar a história
da educação, por conceber a escola enquanto espaço de construção do conhecimento e
não como mero reflexo de outros contextos.” (SOUZA, 2008,p. 82)
Além de discutir com os alunos a proposta do Enem, buscou-se, durante as aulas,
dinamizar o processo de ensino de produção textual e solucionar alguns problemas na
escrita dos alunos. Para isso trabalhou-se, passo a passo, em aulas de língua portuguesa,
objetivos mais específicos, como: a) observar os conhecimentos dos alunos sobre o
texto dissertativo-argumentativo; b) expor, caracterizar e exemplificar a estrutura do
texto dissertativo-argumentativo; c) contextualizar o texto dissertativo-argumentativo
com base nas orientações do ENEM e discutir as competências estabelecidas para a
avaliação desse gênero; d) trabalhar a proposta do ENEM para produção de textos
dissertativo- argumentativos; e) construir nos alunos uma representação do conteúdo
temático; f) preparar os alunos para dominar as normas linguísticas do gênero
argumentativo para melhorar suas capacidades de escrever e falar.
Para alcançar tais objetivos, foi desenvolvido um trabalho de leitura e produção de
textos com base nos pressupostos teóricos sobre sequência didática de Dolz e
Scheneuwly (2004) e nas ponderações de Marcuschi (2008) acerca dos gêneros textuais.
REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS
Na busca de novas perspectivas de ensino, Dolz e Schneuwly (2004) propõem uma rede
de procedimentos que os autores denominam de sequência didática, isto é, “um
conjunto de atividades escolares organizadas, de maneira sistemática, em torno de um
gênero textual oral ou escrito” (2004, p. 82). O ensino através de uma sequência
didática permite a assimilação das noções, das técnicas e instrumentos que beneficiam o
desenvolvimento da capacidade de expressão oral e escrita dos alunos, nas mais
diversas situações de comunicação. Assim, o trabalho com a sequência didática tem o
objetivo de ajudar o aluno a dominar o gênero de texto que este desconhece ou cujo
domínio ainda é considerado insuficiente, proporcionando-lhe escrever ou falar de
forma mais adequada a cada situação.
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
109
A escolha do tema “identidade africana” surgiu com a urgência de desconstruir
preconceitos instaurados na sociedade. O procedimento visa, além de transformar o
modo de falar e escrever dos alunos, modificar o comportamento.
“Se nossa sociedade é plural, étnica e culturalmente, desde os primórdios de sua
invenção pela força colonial, só podemos construí-la democraticamente respeitando a
diversidade do nosso povo, ou seja, as matrizes étnico-raciais que deram ao Brasil atual
sua feição multicolor composta de índios, negros, orientais, brancos e mestiços.”
(MUNANGA 2005, p. 17 e 18)
Um primeiro encontro com o gênero
Iniciando o trabalho em classe de segundo ano do ensino médio, foi feita uma proposta
de dissertação argumentativa em prosa com o tema “A construção de uma sociedade
mais justa: ações contra a discriminação” (Proposta do ENEM 2007), para diagnosticar
questões macro e microestruturais do texto, além de verificar quais eram as primeiras
concepções dos alunos a respeito do tema e do gênero dissertativo argumentativo.
Os problemas fundamentais das produções são discutidos em sala de aula. Primeiro,
apontam-se os aspectos positivos dos textos – os alunos fazem paragrafação, pontuam
bem, e há poucos problemas ortográficos. Depois, são debatidas questões de coerência e
coesão. Nesse tipo de texto deve-se trabalhar o plano referencial da linguagem, pois se
trata de um gênero argumentativo e, como tal, a informatividade é o ponto principal que
o aluno deve focar para sua escrita.
Realizada essa primeira produção, segue-se à sequência, que será desenvolvida em
módulos didáticos. Nos módulos trabalharemos os “problemas” que apareceram na
primeira produção.
Módulo 1: O contato com o conteúdo temático.
O aluno deverá ser capaz de sistematizar e relacionar seus conhecimentos sobre o tema.
O assunto que escolhemos é “identidade africana”, levamos discursos e
questionamentos sobre racismo, preconceito, e identidade afro. Tendo em vista que um
professor deve intervir de maneira a desconstruir todo e qualquer preconceito, como
propõe Munanga:
“... é o respeito às matrizes culturais a partir das quais se constrói a identidade dos
alunos, com, atenção voltada para tudo aquilo que vá resgatar suas origens e sua história
(o que também significa respeitar os direitos humanos!), como condição de afirmação
de sua dignidade enquanto pessoa, e da especificidade da herança cultural que ele
carrega, como parte da infinita diversidade que constitui a riqueza do ser humano. Este é
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
110
um valor que se revela essencial numa sociedade marcada simultaneamente por uma
formação pluriétnica e pelo peso da herança escravocrata.” (MUNANGA, 2005, p.76)
Compreendendo a língua como “um conjunto de práticas sociais e cognitivas
historicamente situadas” (MARCUSCHI, 2008, p 61), podemos concluir que não se
deve trabalhar um gênero textual independente da realidade social em que se insere,
pois, um gênero passa a existir e é moldado em função das mais diversas situações
sociais de comunicação que realizamos no nosso dia a dia.
Por meio de apresentação multimídia, trabalhamos nesse primeiro módulo, a
intertextualidade do discurso “I have a dream” de Martin Luther King (disponível em
:https://www.youtube.com/watch?v=hyKSX9nOhds) e a música de Matsyahu “One
Day”(disponível em : https://www.youtube.com/watch?v=f7ALF_-ETT4), e a
apresentação em vídeo sobre a vida de Nelson Mandela (disponível em
:https://www.youtube.com/watch?v=fAAICXGd6vc). Apresentamos também o discurso
de desvalorização da mulher negra na sociedade antiga e atual. Foram expostas as
histórias de personalidades como Sarah Bartman (África do Sul), a ministra Luiza
Helena de Bairros (Brasil), a Miss Universo Leila Lopes (Angola) e os discursos atuais
que circulam na internet (facebook) sobre a mulher negra. Assistimos também em sala
de aula um trecho de um documentário sobre o cabelo crespo “Raíz Forte” (disponível
em :https://www.youtube.com/watch?v=JTsYOyZPRew), e o vídeo que mostra a
diferença entre a boneca negra e a boneca branca na visão de uma criança negra.
(disponível em :https://www.youtube.com/watch?v=pgCkC1BultQ).
Módulo 2: Debate.
A ideia de trabalhar, nesse módulo, com o debate público, surgiu para reconhecer e
treinar as capacidades de argumentação do alunado.
“[...] esse gênero pertence claramente às formas orais de comunicação
(o que não significa que a escrita esteja aí totalmente ausente) e inclui
um conjunto de capacidades privilegiadas, escuta do outro, retomada
de seu discurso em suas próprias intervenções etc.” (DOLZ,
SCHNEUWLY, 2004, p 214)
Para nortear o debate entre os alunos levamos a música “Negro Drama” do Racionais
MC recitada pelo cantor Seu Jorge (disponível em
:https://www.youtube.com/watch?v=jSnIZfx5BOI) , a entrevista do cantor Emicida
sobre o caso do jogador de futebol Aranha (disponível em
:http://trivela.uol.com.br/emicida-estava-vendo-gremio-x-santos-e-veja-o-que-ele-tem-
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
111
dizer-sobre-o-caso-aranha/), e o código penal que respalda questões de preconceito
racial (disponível em : http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7716.htm).
O aluno deveria ser a favor ou contrário as seguintes indagações “O preconceito racial
continua nos dias atuais? ” “Somos todos macacos?”
Módulo 3: Modalidade Escrita (ENEM).
Os alunos foram submetidos a aulas referentes à modalidade escrita. A partir de slides
práticos, os alunos foram expostos aos erros mais frequentes da língua portuguesa no
ENEM, e à escrita correta fazendo com que houvesse uma comparação destes, para
assim reforçar o aprendizado. Tivemos como suporte para este módulo o guia do
estudante da editora Abril (disponível em: http://guiadoestudante.abril.com.br/enem/).
Módulo 4: Coesão e Coerência.
Os alunos foram expostos aos mecanismos que constroem um texto compreensível.
Puderam, através das aulas, reconhecer e analisar elementos linguísticos responsáveis
pelo estabelecimento da coesão textual e identificar a relação semântica entre os meios
constituintes de um texto responsável pelo estabelecimento da coerência. No ensino
dessa habilidade procuramos criar estratégias para que facilitassem o entendimento do
que foi exposto, assim usamos recursos midiáticos e jogos pedagógicos, em que essas
atividades em grupos estabeleciam uma linguagem de interação dos alunos entre si e
com os professores.
Módulo 5: Conectivos.
Existem conectivos específicos para um texto argumentativo, tendo isso em vista,
apresentamos, nesse módulo, o uso adequado de conectivos. Organizamos a sala de aula
em dois grupos, selecionamos alguns tipos de conectivos. O grupo teve 5 minutos para
criar uma frase com os conectivos sorteados. Depois fizemos exercícios para reforçar a
aprendizagem.
Módulo 6: Texto dissertativo argumentativo.
Os alunos aprenderam nesse módulo como se deve estruturar um texto de acordo com
as especificidades do gênero argumentativo. Apresentamos o conceito de texto
dissertativo/argumentativo e suas características. Fizemos um jogo com redações
fragmentadas em que os alunos em duplas tiveram que reorganizá-las de forma a deixá-
las coesas e de acordo com as características do gênero.
Produção Final: Os alunos receberam a proposta de produção textual, e tiveram uma
aula (50 minutos) para desenvolvê-la em rascunho. Deveriam ser capazes de estruturar
um texto dissertativo argumentativo, utilizar um vocabulário apropriado a uma dada
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
112
situação e introduzir argumentos. A proposta foi elaborada a partir da notícia publicada
no site da ESPN “torcedora gremista chora e pede perdão por chamar jogador de
macaco” (disponível em: http://espn.uol.com.br/noticia/437794_torcedora-gremista-
chora-e-pede-perdao-advogado-chamar-de-macaco-nao-e-racismo), e o artigo de
opinião publicado na revista fórum “Mulher negra nem escrava nem objeto” (disponível
em:http://www.revistaforum.com.br/questaodegenero/2013/11/11/mulher-negra-nem-
escrava-nem-objeto/). A partir dos textos base os alunos tiveram que produzir um texto
dissertativo/argumentativo, em prosa, com no mínimo 15 linhas e no máximo 30 com o
seguinte tema: “Na sociedade atual ainda há preconceito racial?”
Para finalizar a sequência didática, fizemos a correção e devolução dos textos para
reescrita.
RESULTADOS E CONCLUSÕES
Ao comparar a produção inicial com a produção final percebemos a eficácia do
procedimento de modularidade (DOLZ, NOVERRAZ,SCHNEUWLY, 2004). Sabemos
que produzir textos escritos e orais é um processo complexo, com diversos níveis. Os
dois textos, produzidos pelos alunos, diferenciam-se entre eles porque foram produzidos
em condições diferentes. Ao expor para os alunos as especificidades do texto
argumentativo e ao oferecer um material rico em textos de referência, escritos e orais, os
alunos puderam de fato inspirar-se para suas produções. Outro instrumento
indispensável para o nosso trabalho em sala de aula foi a exposição do conteúdo
temático “identidade africana” sobre o qual os alunos puderam refletir melhor a respeito
de suas ações como cidadãos. A interdisciplinaridade se tornou um método
imprescindível em sala de aula, como nos esclarece:
“ A educação é, na sua totalidade, prática interdisciplinar por ser
mediação do todo da existência; a interdisciplinaridade constitui o
processo que deve levar do múltiplo ao uno. O processo educativo e
seus fundamentos epistemológicos e axiológicos baseiam-se em uma
multidisciplinaridade, em uma pluridisciplinaridade. É que, dadas as
nossas condições e a complexidade da prática, precisamos de
múltiplos enfoques mediatizados pelas abordagens das várias ciências
particulares; mas não se trata apenas de uma justaposição de múltiplos
saberes: é preciso chegar à unidade na qual o todo se reconstitui como
uma síntese que, nessa unidade, é maior do que a soma das partes. Por
isso, precisa ser também prática transdisciplinar.” (SEVERINO,
1998,P. 43)
Este trabalho nos permitiu aprimorar nosso olhar, reforçar os conceitos subjacentes a
nosso trabalho e conhecer melhor as dificuldades dos alunos.
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
113
Segundo Fazenda (2008), a interdisciplinaridade caracteriza-se por ser uma atitude de
busca, de inclusão, de acordo e de sintonia diante do conhecimento.
O trabalho interdisciplinar garantiu maior interação entre os alunos, destes com os
professores, sem falar na experiência e na convivência em grupo. Fez-nos repensar essa
metodologia como uma forma de promover a união escolar em torno do objetivo
comum de formação de indivíduos sociais. Percebemos que a interdisciplinaridade
proporcionou aos alunos possibilidades diferentes de olhar um mesmo acontecimento.
É de suma importância que o aluno de Ensino Médio saiba que a redação do ENEM
cumpre um papel social, ou seja, é um texto inserido numa situação de comunicação
específica em que o candidato é o autor do texto, e o leitor deste texto é a banca
examinatória do Exame.
Efetivaram-se, assim, papéis essenciais do professor: o de especificar o conteúdo que
será estudado; o de intervir pontualmente; e o de dar sentido às atividades da sequência
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
DOLZ, J. e SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. / tradução e
organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras,
2004.
FAZENDA, Ivani Catarina A. (org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez,
2008.
GERALDI, João Wanderlei. Da redação à produção de textos. In: CHIAPPINI, Lígia
(coord. Geral). Aprender e ensinar com textos - 5ed.- São Paulo: Cortez, 2002.
KRISTEVA, J. Sèméiotikè: recherches pour une sémanalyse. Paris: Seuil, 1969.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão.
São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
MEC. Matrizes de Referência Para ENEM 2015. Disponível em:
<http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/edital/2015/edital_enem_2015.pdf
> Acesso em setembro de 2015.
MUNANGA, Kabengele (org). Superando o Racismo na escola. 2ª edição revisada /
[Brasília]: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e
Diversidade, 2005.
SEVERINO, Antônio Joaquim. O conhecimento pedagógico e a interdisciplinaridade: o
saber como intencionalização da prática. In: FAZENDA, Ivani CA. (org.). Didática e
interdisciplinaridade. Campinas, SP: Papirus, 1998.
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
114
SOUZA, C. C. . Disciplinas escolares: um olhar sobre os discursos das pesquisas
históricas em educação. In: Vania Maria Lescano Guerra; Marlene Durigan; Edgar
Cézar Nolasco. (Org.). Identidade e discurso: história, instituições e práticas.
1ed.Campo Grande: Editora da UFMS, 2008, v. , p. 69-82
SITES UTILIZADOS
Artigo de opinião “Mulher negra, nem escrava, nem objeto. ” Disponível em:
<http://www.revistaforum.com.br/questaodegenero/2013/11/11/mulher-negra-nem-
escrava-nem-objeto/> Acesso em setembro de 2015.
A vida de Nelson Mandela. Disponível em
:<https://www.youtube.com/watch?v=fAAICXGd6vc> Acesso em setembro de 2015.
Boneca negra e a boneca branca na visão de uma criança negra. Disponível em
:<https://www.youtube.com/watch?v=pgCkC1BultQ>. Acesso em setembro de 2015.
Código penal que respalda questões sobre preconceito racial. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7716.htm>. Acesso em setembro de
2015.
Discurso “I have a dream” de Martin Luther King. Disponível em
:<https://www.youtube.com/watch?v=hyKSX9nOhds> Acesso em setembro de 2015.
Documentário “Raiz Forte”. Disponível em
:<https://www.youtube.com/watch?v=JTsYOyZPRew> Acesso em setembro de 2015.
Edital do ENEM 2015. Disponível em:
<http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/edital/2015/edital_enem_2015.pdf
>. Acesso em setembro de 2015.
Entrevista de Emicida sobre o caso do jogador de futebol Aranha. Disponível em:
<http://trivela.uol.com.br/emicida-estava-vendo-gremio-x-santos-e-veja-o-que-ele-tem-
dizer-sobre-o-caso-aranha/> Acesso em setembro de 2015.
Guia do Estudante Abril. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/enem/>.
Acesso em setembro de 2015.
Matisyahu - One Day (tradução). Disponível
em: <https://www.youtube.com/watch?v=f7ALF_-ETT4> Acesso em setembro de
2015.
“Negro Drama” de Racionais MC recitada pelo cantor Seu Jorge. Disponível em:
:<https://www.youtube.com/watch?v=jSnIZfx5BOI> Acesso em setembro de 2015.
Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1
115
Torcedora Gremista pede perdão ao jogador Aranha. Disponível em:
<http://espn.uol.com.br/noticia/437794_torcedora-gremista-chora-e-pede-perdao-
advogado-chamar-de-macaco-nao-e-racismo>. Acesso em setembro de 2015.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori SeichiMetodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori SeichiAdriana Takamori
 
Produção de texto multimodal como recurso para o ensino e aprendizagem gramat...
Produção de texto multimodal como recurso para o ensino e aprendizagem gramat...Produção de texto multimodal como recurso para o ensino e aprendizagem gramat...
Produção de texto multimodal como recurso para o ensino e aprendizagem gramat...Elaine Teixeira
 
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.Antônio Fernandes
 
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e ContradiçõesSeminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradiçõeslagunaedu
 
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...myrianlaste
 
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e GustavoMetodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e GustavoVanessa Miranda
 
Estágio 1o.dia
Estágio   1o.diaEstágio   1o.dia
Estágio 1o.dialiterenata
 
Introdução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsIntrodução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsascotas
 
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inêsSíntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês'Ines Tavares
 
Leitura e producao_de_texto
Leitura e producao_de_textoLeitura e producao_de_texto
Leitura e producao_de_textoWellington Alves
 
Das teorias à sala de aula propostas de ensino de gramática letraria
Das teorias à sala de aula propostas de ensino de gramática   letrariaDas teorias à sala de aula propostas de ensino de gramática   letraria
Das teorias à sala de aula propostas de ensino de gramática letrariassuserb21eb0
 
Midias na aula de le apostila 2012 efii em
Midias na aula de le apostila 2012 efii emMidias na aula de le apostila 2012 efii em
Midias na aula de le apostila 2012 efii emPatrícia Talhari
 
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguisticaA formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguisticaFernanda Moliterno
 
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa Leticia Costa
 
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaDidatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaVelasco Carneiro Francisco
 
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português   ana andreiaSíntese dos conceitos básicos da didáctica do português   ana andreia
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia'Ines Tavares
 
Introdução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoIntrodução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoascotas
 

Mais procurados (20)

Trabalho projetos
Trabalho   projetosTrabalho   projetos
Trabalho projetos
 
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori SeichiMetodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
Metodologia do ensino de lingua inglesa avaliação - Adriana Yuri Takamori Seichi
 
Produção de texto multimodal como recurso para o ensino e aprendizagem gramat...
Produção de texto multimodal como recurso para o ensino e aprendizagem gramat...Produção de texto multimodal como recurso para o ensino e aprendizagem gramat...
Produção de texto multimodal como recurso para o ensino e aprendizagem gramat...
 
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
 
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e ContradiçõesSeminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
Seminário academico. O Ensino da Língua Portuguesa: Perspectivas e Contradições
 
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
 
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e GustavoMetodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
Metodologia do Ensino de Lingua Inglesa Vanessa e Gustavo
 
Estágio 1o.dia
Estágio   1o.diaEstágio   1o.dia
Estágio 1o.dia
 
Texto linguistica
Texto linguisticaTexto linguistica
Texto linguistica
 
Introdução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsIntrodução à didáctica do português
Introdução à didáctica do português
 
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inêsSíntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português cátia e inês
 
Leitura e producao_de_texto
Leitura e producao_de_textoLeitura e producao_de_texto
Leitura e producao_de_texto
 
Das teorias à sala de aula propostas de ensino de gramática letraria
Das teorias à sala de aula propostas de ensino de gramática   letrariaDas teorias à sala de aula propostas de ensino de gramática   letraria
Das teorias à sala de aula propostas de ensino de gramática letraria
 
Midias na aula de le apostila 2012 efii em
Midias na aula de le apostila 2012 efii emMidias na aula de le apostila 2012 efii em
Midias na aula de le apostila 2012 efii em
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguisticaA formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
 
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
 
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaDidatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
 
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português   ana andreiaSíntese dos conceitos básicos da didáctica do português   ana andreia
Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia
 
Introdução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoIntrodução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensão
 

Semelhante a 1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617

Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1Lais Renata
 
Sugestão de atividades língua portuguesa
Sugestão de atividades   língua portuguesaSugestão de atividades   língua portuguesa
Sugestão de atividades língua portuguesajosivaldopassos
 
Uma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsUma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsJosé Dantas
 
Atividade avaliativa de encontro presencial
Atividade avaliativa de encontro presencialAtividade avaliativa de encontro presencial
Atividade avaliativa de encontro presencialLOCIMAR MASSALAI
 
As meta regras de challores
As meta regras de challoresAs meta regras de challores
As meta regras de challoresUpap Upapce
 
Tcc,pc ns e a transposição dos gêneros textuais
Tcc,pc ns e a transposição dos gêneros textuaisTcc,pc ns e a transposição dos gêneros textuais
Tcc,pc ns e a transposição dos gêneros textuaisÉrica Araújo
 
Apresentacao Producao Escrita Im Pressao
Apresentacao Producao Escrita Im PressaoApresentacao Producao Escrita Im Pressao
Apresentacao Producao Escrita Im Pressaotelasnorte1
 
PNAIC - Unidade 5 geral
PNAIC - Unidade 5   geralPNAIC - Unidade 5   geral
PNAIC - Unidade 5 geralElieneDias
 
Vol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraVol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraClaudio Luis
 
Vol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraVol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraBarto Freitas
 
CASTELA - TICS E LINGUA ESPANHOLA.pdf
CASTELA - TICS E LINGUA ESPANHOLA.pdfCASTELA - TICS E LINGUA ESPANHOLA.pdf
CASTELA - TICS E LINGUA ESPANHOLA.pdfssuserbf3b85
 

Semelhante a 1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617 (20)

Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
Sugestão de atividades língua portuguesa
Sugestão de atividades   língua portuguesaSugestão de atividades   língua portuguesa
Sugestão de atividades língua portuguesa
 
Generos textuais diversos
Generos textuais diversosGeneros textuais diversos
Generos textuais diversos
 
Uma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcnsUma leitura dos pcns
Uma leitura dos pcns
 
Atividade avaliativa de encontro presencial
Atividade avaliativa de encontro presencialAtividade avaliativa de encontro presencial
Atividade avaliativa de encontro presencial
 
310 1017-1-pb (1)
310 1017-1-pb (1)310 1017-1-pb (1)
310 1017-1-pb (1)
 
As meta regras de challores
As meta regras de challoresAs meta regras de challores
As meta regras de challores
 
Tcc,pc ns e a transposição dos gêneros textuais
Tcc,pc ns e a transposição dos gêneros textuaisTcc,pc ns e a transposição dos gêneros textuais
Tcc,pc ns e a transposição dos gêneros textuais
 
Apresentacao Producao Escrita Im Pressao
Apresentacao Producao Escrita Im PressaoApresentacao Producao Escrita Im Pressao
Apresentacao Producao Escrita Im Pressao
 
PNAIC - Unidade 5 geral
PNAIC - Unidade 5   geralPNAIC - Unidade 5   geral
PNAIC - Unidade 5 geral
 
04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto04 ekalinovskitrabalhocompleto
04 ekalinovskitrabalhocompleto
 
Projeto de linguagem
Projeto de linguagemProjeto de linguagem
Projeto de linguagem
 
Projeto de linguagem
Projeto de linguagemProjeto de linguagem
Projeto de linguagem
 
3ª Sessão
3ª Sessão3ª Sessão
3ª Sessão
 
SLIDE AULA 5.pdf
SLIDE AULA 5.pdfSLIDE AULA 5.pdf
SLIDE AULA 5.pdf
 
Sequência didática adair eliana
Sequência didática adair elianaSequência didática adair eliana
Sequência didática adair eliana
 
Vol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraVol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeira
 
Vol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeiraVol2 linguaestrangeira
Vol2 linguaestrangeira
 
CASTELA - TICS E LINGUA ESPANHOLA.pdf
CASTELA - TICS E LINGUA ESPANHOLA.pdfCASTELA - TICS E LINGUA ESPANHOLA.pdf
CASTELA - TICS E LINGUA ESPANHOLA.pdf
 

Mais de Adriano Alves de Souza (18)

FATO X OPINIÃO.pptx
FATO X OPINIÃO.pptxFATO X OPINIÃO.pptx
FATO X OPINIÃO.pptx
 
Funções da linguagem.ppt
Funções da linguagem.pptFunções da linguagem.ppt
Funções da linguagem.ppt
 
REVISÃO PAS - AULA 02 .ppt
REVISÃO PAS - AULA 02 .pptREVISÃO PAS - AULA 02 .ppt
REVISÃO PAS - AULA 02 .ppt
 
DISTRIBUIÇÃO DA PONTUAÇÃO DE REDAÇÃO.doc
DISTRIBUIÇÃO DA PONTUAÇÃO DE REDAÇÃO.docDISTRIBUIÇÃO DA PONTUAÇÃO DE REDAÇÃO.doc
DISTRIBUIÇÃO DA PONTUAÇÃO DE REDAÇÃO.doc
 
COESÃO POR PRONOMES.ppt
COESÃO POR PRONOMES.pptCOESÃO POR PRONOMES.ppt
COESÃO POR PRONOMES.ppt
 
Uberização
UberizaçãoUberização
Uberização
 
Apometria
ApometriaApometria
Apometria
 
Figuras de linguagem 2020
Figuras de linguagem 2020 Figuras de linguagem 2020
Figuras de linguagem 2020
 
Arte espirita
Arte espiritaArte espirita
Arte espirita
 
Prolegomenos
ProlegomenosProlegomenos
Prolegomenos
 
Qualidade na pratica mediunica (autores diversos) (1)
Qualidade na pratica mediunica (autores diversos) (1)Qualidade na pratica mediunica (autores diversos) (1)
Qualidade na pratica mediunica (autores diversos) (1)
 
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)
4 prticamedinica-perisprito-110324150330-phpapp02 (1)
 
Adolescente
AdolescenteAdolescente
Adolescente
 
Aula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercíciosAula vírus viroses_exercícios
Aula vírus viroses_exercícios
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
Doc participante evt_2953_1450092056951_k-comissao-permanente-cdh-20151214_ex...
 
Apresentação paraíso
Apresentação paraíso Apresentação paraíso
Apresentação paraíso
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 

Último

Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 

Último (20)

Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

1906 texto do artigo-5343-1-10-20160617

  • 1. 1 Graduando do curso de licenciatura em Letras (UFMS/CPTL), Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). E-mail: camila_fernandes.29@hotmail.com ² Graduando do curso de licenciatura em Letras (UFMS/CPTL), Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). E-mail: faccioniufms@hotmail.com ³ Graduando do curso de licenciatura em Letras (UFMS/CPTL), Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). E-mail: thaislaine_souza@hotmail.com 4 Docente da UFSCAR. E-mail: jocelistassise@hotmail.com Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 105 INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE NO GÊNERO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO SILVA, C. F. da ¹ FACCIONI, F. ² LIMA, T. S. ³ STASSI-SÉ, J. C. 4 RESUMO Partindo de uma experiência no Programa institucional de bolsa de iniciação à docência (PIBID) relata-se neste trabalho, passo a passo, a organização da sequência didática em que se explora as características da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) enquanto gênero textual. Esta pesquisa fundamenta-se no conceito de gênero textual de Marcuschi (2008), e na proposta de trabalho pedagógico com projetos de produção de gêneros discursivos desenvolvida por Schneuwly; Dolz (2004). Parte-se da ideia de que os temas das propostas de redação do Enem, são de cunho social e podem e devem ser tratados pelo viés propriamente sociológico, mas também pelo viés político, histórico, linguístico, científico etc. Aspectos sociais, dentre outros, dependendo do recorte temático imposto pela coletânea de textos motivadores, são fundamentais em uma dissertação-argumentativa do Enem. O aspecto intertextual da proposta de redação do Enem abre a possibilidade do intercâmbio de ideias e de práticas por parte do candidato, que tem a sua frente várias possibilidades de abordagem do tema por meio da intertextualidade e da interdisciplinaridade. Nessa perspectiva, o objetivo geral deste artigo é refletir como se deve ensinar as competências exigidas na redação do Enem, analisando a produção oral e escrita em aulas de Língua Portuguesa do segundo ano do Ensino Médio. Para a proposta de dissertação foram escolhidos os temas de cultura e identidade africana. Discutiremos nesta pesquisa as relações entre história, educação escolar, e ensino interdisciplinar tendo como suporte teórico: Munanga (2005); Fazenda (2008); Souza (2008). Os resultados reafirmam que o trabalho interdisciplinar e intertextual realiza um movimento de transformação no currículo, na didática e na sala de aula, proporcionando um diálogo entre as disciplinas escolares, e um efeito positivo no desempenho da escrita dos alunos.
  • 2. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 106 PALAVRAS–CHAVES: Interdisciplinaridade; Gênero textual; Dissertação argumentativa. INTRODUÇÃO São muitos os desafios encontrados pelo professor no ensino de língua portuguesa, e muitas são as dificuldades dos alunos em relação à produção de textos. Ao analisar a escrita de alunos do ensino médio pode-se perceber que poucos dominam as competências dissertativas argumentativas solicitadas no exame nacional do ensino médio (ENEM). O maior desafio do professor é compreender o texto como um produto histórico-social, relacioná-lo a outros textos já lidos e/ou ouvidos e admitir a multiplicidade de leituras por ele ocasionadas e transmitir isso ao aluno. Percebe-se que há a necessidade de trabalhar, em sala de aula, com diversos gêneros textuais, usados em diferentes situações e com objetivos múltiplos: construir e desconstruir esses textos, ressaltando os efeitos provocados pelas alterações, criar intertextos, verificar o gênero textual e modificá-lo etc. Isto é, para realizar esse tipo de trabalho com a língua portuguesa, o professor precisa ter consciência da diferença entre saber usar uma língua, adequando-a convenientemente a contextos e saber analisá-la, tendo conhecimento de conceitos sobre sua estrutura e funcionamento e a nomenclatura gramatical correspondente. “Conceber o texto como unidade de ensino/ aprendizagem é entende-lo como um lugar de entrada para este diálogo com outros textos, que remetem a textos passados e que farão surgir textos futuros. Conceber o aluno como produtor deste diálogo contínuo: com textos e com leitores. ” (GERALDI, 2002 p. 22) Dessa forma, o aluno está, ora na posição de leitor, ora na posição de produtor de textos, ou seja, os textos que produz o constituem como humano. Os textos “são um “artefato cultural” importante como parte integrante da estrutura comunicativa de nossa sociedade.” (MARCUSCHI 2008 p. 149) Segundo Kristeva (1969, p. 85), “todo texto se constrói como um mosaico de citações, todo texto é a absorção e transformação de um outro texto”.1 Assim, nessa perspectiva, o trabalho do professor é, dentre outros, desenvolver no aluno a capacidade de identificar um intertexto. O professor deve, então, investir na ideia de que um texto é 1 Tradução nossa de: “tout texte se construit comme mosaique de citations, tout texte est absorption et transformation d’un autre texte”
  • 3. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 107 sempre proveniente de outros textos orais ou escritos. Por isso, é imprescindível que o professor leve o aluno a perceber isso. O processo ensino/aprendizagem de Língua Portuguesa deve fundamentar-se assim em propostas interativas a fim de promover o desenvolvimento do indivíduo numa dimensão integral. A intertextualidade acontece em várias áreas, e saber construir argumentação é saber interpretar e interligar as diferentes áreas do conhecimento. Tendo isso em vista, o presente trabalho ancora-se no pressuposto de que os caminhos que levam o aluno a dominar a escrita passam por um compromisso de trabalho com a linguagem. Ou seja, a produção e leitura de textos devem estar ligadas a uma sequência planejada de atividades com objetivos definidos e que demandam escritas, leituras e reescritas, além de uma avaliação do que foi produzido. OBJETIVOS PROPOSTOS O Enem, ao contrário dos vestibulares comuns, possui uma abordagem focada na interdisciplinaridade, ou seja, a maioria das suas questões são referentes a mais de uma disciplina. Para obter relações corretas entre os temas selecionados para a proposta de redação da prova do Enem, o candidato deve ser completamente coerente, coeso e referencial, sabendo que a redação proposta trata-se de uma redação dissertativa de cunho argumentativo. Além disso, os temas do exame são sociais, históricos, linguísticos, políticos, entre outros. Isto é, o aluno que participa do Enem precisa: “I. Dominar linguagens (DL): dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa. II. Compreender fenômenos (CF): construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico- geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas. III. Enfrentar situações-problema (SP): selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema. IV. Construir argumentação (CA): relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente. V. Elaborar propostas (EP): recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.” (Matrizes de Referência Para ENEM 2015. MEC.)
  • 4. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 108 A própria Matriz de Referência para o ENEM demonstra a obrigatoriedade de dominar os conhecimentos intertextuais e interdisciplinares, ou seja, precisa-se romper com o ensino tradicional de Língua Portuguesa e encarar novos desafios dentro da sala de aula. Como nos sugere Souza (2008): “[...] a história das disciplinas escolares surge como um novo modo de olhar a história da educação, por conceber a escola enquanto espaço de construção do conhecimento e não como mero reflexo de outros contextos.” (SOUZA, 2008,p. 82) Além de discutir com os alunos a proposta do Enem, buscou-se, durante as aulas, dinamizar o processo de ensino de produção textual e solucionar alguns problemas na escrita dos alunos. Para isso trabalhou-se, passo a passo, em aulas de língua portuguesa, objetivos mais específicos, como: a) observar os conhecimentos dos alunos sobre o texto dissertativo-argumentativo; b) expor, caracterizar e exemplificar a estrutura do texto dissertativo-argumentativo; c) contextualizar o texto dissertativo-argumentativo com base nas orientações do ENEM e discutir as competências estabelecidas para a avaliação desse gênero; d) trabalhar a proposta do ENEM para produção de textos dissertativo- argumentativos; e) construir nos alunos uma representação do conteúdo temático; f) preparar os alunos para dominar as normas linguísticas do gênero argumentativo para melhorar suas capacidades de escrever e falar. Para alcançar tais objetivos, foi desenvolvido um trabalho de leitura e produção de textos com base nos pressupostos teóricos sobre sequência didática de Dolz e Scheneuwly (2004) e nas ponderações de Marcuschi (2008) acerca dos gêneros textuais. REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS Na busca de novas perspectivas de ensino, Dolz e Schneuwly (2004) propõem uma rede de procedimentos que os autores denominam de sequência didática, isto é, “um conjunto de atividades escolares organizadas, de maneira sistemática, em torno de um gênero textual oral ou escrito” (2004, p. 82). O ensino através de uma sequência didática permite a assimilação das noções, das técnicas e instrumentos que beneficiam o desenvolvimento da capacidade de expressão oral e escrita dos alunos, nas mais diversas situações de comunicação. Assim, o trabalho com a sequência didática tem o objetivo de ajudar o aluno a dominar o gênero de texto que este desconhece ou cujo domínio ainda é considerado insuficiente, proporcionando-lhe escrever ou falar de forma mais adequada a cada situação.
  • 5. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 109 A escolha do tema “identidade africana” surgiu com a urgência de desconstruir preconceitos instaurados na sociedade. O procedimento visa, além de transformar o modo de falar e escrever dos alunos, modificar o comportamento. “Se nossa sociedade é plural, étnica e culturalmente, desde os primórdios de sua invenção pela força colonial, só podemos construí-la democraticamente respeitando a diversidade do nosso povo, ou seja, as matrizes étnico-raciais que deram ao Brasil atual sua feição multicolor composta de índios, negros, orientais, brancos e mestiços.” (MUNANGA 2005, p. 17 e 18) Um primeiro encontro com o gênero Iniciando o trabalho em classe de segundo ano do ensino médio, foi feita uma proposta de dissertação argumentativa em prosa com o tema “A construção de uma sociedade mais justa: ações contra a discriminação” (Proposta do ENEM 2007), para diagnosticar questões macro e microestruturais do texto, além de verificar quais eram as primeiras concepções dos alunos a respeito do tema e do gênero dissertativo argumentativo. Os problemas fundamentais das produções são discutidos em sala de aula. Primeiro, apontam-se os aspectos positivos dos textos – os alunos fazem paragrafação, pontuam bem, e há poucos problemas ortográficos. Depois, são debatidas questões de coerência e coesão. Nesse tipo de texto deve-se trabalhar o plano referencial da linguagem, pois se trata de um gênero argumentativo e, como tal, a informatividade é o ponto principal que o aluno deve focar para sua escrita. Realizada essa primeira produção, segue-se à sequência, que será desenvolvida em módulos didáticos. Nos módulos trabalharemos os “problemas” que apareceram na primeira produção. Módulo 1: O contato com o conteúdo temático. O aluno deverá ser capaz de sistematizar e relacionar seus conhecimentos sobre o tema. O assunto que escolhemos é “identidade africana”, levamos discursos e questionamentos sobre racismo, preconceito, e identidade afro. Tendo em vista que um professor deve intervir de maneira a desconstruir todo e qualquer preconceito, como propõe Munanga: “... é o respeito às matrizes culturais a partir das quais se constrói a identidade dos alunos, com, atenção voltada para tudo aquilo que vá resgatar suas origens e sua história (o que também significa respeitar os direitos humanos!), como condição de afirmação de sua dignidade enquanto pessoa, e da especificidade da herança cultural que ele carrega, como parte da infinita diversidade que constitui a riqueza do ser humano. Este é
  • 6. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 110 um valor que se revela essencial numa sociedade marcada simultaneamente por uma formação pluriétnica e pelo peso da herança escravocrata.” (MUNANGA, 2005, p.76) Compreendendo a língua como “um conjunto de práticas sociais e cognitivas historicamente situadas” (MARCUSCHI, 2008, p 61), podemos concluir que não se deve trabalhar um gênero textual independente da realidade social em que se insere, pois, um gênero passa a existir e é moldado em função das mais diversas situações sociais de comunicação que realizamos no nosso dia a dia. Por meio de apresentação multimídia, trabalhamos nesse primeiro módulo, a intertextualidade do discurso “I have a dream” de Martin Luther King (disponível em :https://www.youtube.com/watch?v=hyKSX9nOhds) e a música de Matsyahu “One Day”(disponível em : https://www.youtube.com/watch?v=f7ALF_-ETT4), e a apresentação em vídeo sobre a vida de Nelson Mandela (disponível em :https://www.youtube.com/watch?v=fAAICXGd6vc). Apresentamos também o discurso de desvalorização da mulher negra na sociedade antiga e atual. Foram expostas as histórias de personalidades como Sarah Bartman (África do Sul), a ministra Luiza Helena de Bairros (Brasil), a Miss Universo Leila Lopes (Angola) e os discursos atuais que circulam na internet (facebook) sobre a mulher negra. Assistimos também em sala de aula um trecho de um documentário sobre o cabelo crespo “Raíz Forte” (disponível em :https://www.youtube.com/watch?v=JTsYOyZPRew), e o vídeo que mostra a diferença entre a boneca negra e a boneca branca na visão de uma criança negra. (disponível em :https://www.youtube.com/watch?v=pgCkC1BultQ). Módulo 2: Debate. A ideia de trabalhar, nesse módulo, com o debate público, surgiu para reconhecer e treinar as capacidades de argumentação do alunado. “[...] esse gênero pertence claramente às formas orais de comunicação (o que não significa que a escrita esteja aí totalmente ausente) e inclui um conjunto de capacidades privilegiadas, escuta do outro, retomada de seu discurso em suas próprias intervenções etc.” (DOLZ, SCHNEUWLY, 2004, p 214) Para nortear o debate entre os alunos levamos a música “Negro Drama” do Racionais MC recitada pelo cantor Seu Jorge (disponível em :https://www.youtube.com/watch?v=jSnIZfx5BOI) , a entrevista do cantor Emicida sobre o caso do jogador de futebol Aranha (disponível em :http://trivela.uol.com.br/emicida-estava-vendo-gremio-x-santos-e-veja-o-que-ele-tem-
  • 7. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 111 dizer-sobre-o-caso-aranha/), e o código penal que respalda questões de preconceito racial (disponível em : http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7716.htm). O aluno deveria ser a favor ou contrário as seguintes indagações “O preconceito racial continua nos dias atuais? ” “Somos todos macacos?” Módulo 3: Modalidade Escrita (ENEM). Os alunos foram submetidos a aulas referentes à modalidade escrita. A partir de slides práticos, os alunos foram expostos aos erros mais frequentes da língua portuguesa no ENEM, e à escrita correta fazendo com que houvesse uma comparação destes, para assim reforçar o aprendizado. Tivemos como suporte para este módulo o guia do estudante da editora Abril (disponível em: http://guiadoestudante.abril.com.br/enem/). Módulo 4: Coesão e Coerência. Os alunos foram expostos aos mecanismos que constroem um texto compreensível. Puderam, através das aulas, reconhecer e analisar elementos linguísticos responsáveis pelo estabelecimento da coesão textual e identificar a relação semântica entre os meios constituintes de um texto responsável pelo estabelecimento da coerência. No ensino dessa habilidade procuramos criar estratégias para que facilitassem o entendimento do que foi exposto, assim usamos recursos midiáticos e jogos pedagógicos, em que essas atividades em grupos estabeleciam uma linguagem de interação dos alunos entre si e com os professores. Módulo 5: Conectivos. Existem conectivos específicos para um texto argumentativo, tendo isso em vista, apresentamos, nesse módulo, o uso adequado de conectivos. Organizamos a sala de aula em dois grupos, selecionamos alguns tipos de conectivos. O grupo teve 5 minutos para criar uma frase com os conectivos sorteados. Depois fizemos exercícios para reforçar a aprendizagem. Módulo 6: Texto dissertativo argumentativo. Os alunos aprenderam nesse módulo como se deve estruturar um texto de acordo com as especificidades do gênero argumentativo. Apresentamos o conceito de texto dissertativo/argumentativo e suas características. Fizemos um jogo com redações fragmentadas em que os alunos em duplas tiveram que reorganizá-las de forma a deixá- las coesas e de acordo com as características do gênero. Produção Final: Os alunos receberam a proposta de produção textual, e tiveram uma aula (50 minutos) para desenvolvê-la em rascunho. Deveriam ser capazes de estruturar um texto dissertativo argumentativo, utilizar um vocabulário apropriado a uma dada
  • 8. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 112 situação e introduzir argumentos. A proposta foi elaborada a partir da notícia publicada no site da ESPN “torcedora gremista chora e pede perdão por chamar jogador de macaco” (disponível em: http://espn.uol.com.br/noticia/437794_torcedora-gremista- chora-e-pede-perdao-advogado-chamar-de-macaco-nao-e-racismo), e o artigo de opinião publicado na revista fórum “Mulher negra nem escrava nem objeto” (disponível em:http://www.revistaforum.com.br/questaodegenero/2013/11/11/mulher-negra-nem- escrava-nem-objeto/). A partir dos textos base os alunos tiveram que produzir um texto dissertativo/argumentativo, em prosa, com no mínimo 15 linhas e no máximo 30 com o seguinte tema: “Na sociedade atual ainda há preconceito racial?” Para finalizar a sequência didática, fizemos a correção e devolução dos textos para reescrita. RESULTADOS E CONCLUSÕES Ao comparar a produção inicial com a produção final percebemos a eficácia do procedimento de modularidade (DOLZ, NOVERRAZ,SCHNEUWLY, 2004). Sabemos que produzir textos escritos e orais é um processo complexo, com diversos níveis. Os dois textos, produzidos pelos alunos, diferenciam-se entre eles porque foram produzidos em condições diferentes. Ao expor para os alunos as especificidades do texto argumentativo e ao oferecer um material rico em textos de referência, escritos e orais, os alunos puderam de fato inspirar-se para suas produções. Outro instrumento indispensável para o nosso trabalho em sala de aula foi a exposição do conteúdo temático “identidade africana” sobre o qual os alunos puderam refletir melhor a respeito de suas ações como cidadãos. A interdisciplinaridade se tornou um método imprescindível em sala de aula, como nos esclarece: “ A educação é, na sua totalidade, prática interdisciplinar por ser mediação do todo da existência; a interdisciplinaridade constitui o processo que deve levar do múltiplo ao uno. O processo educativo e seus fundamentos epistemológicos e axiológicos baseiam-se em uma multidisciplinaridade, em uma pluridisciplinaridade. É que, dadas as nossas condições e a complexidade da prática, precisamos de múltiplos enfoques mediatizados pelas abordagens das várias ciências particulares; mas não se trata apenas de uma justaposição de múltiplos saberes: é preciso chegar à unidade na qual o todo se reconstitui como uma síntese que, nessa unidade, é maior do que a soma das partes. Por isso, precisa ser também prática transdisciplinar.” (SEVERINO, 1998,P. 43) Este trabalho nos permitiu aprimorar nosso olhar, reforçar os conceitos subjacentes a nosso trabalho e conhecer melhor as dificuldades dos alunos.
  • 9. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 113 Segundo Fazenda (2008), a interdisciplinaridade caracteriza-se por ser uma atitude de busca, de inclusão, de acordo e de sintonia diante do conhecimento. O trabalho interdisciplinar garantiu maior interação entre os alunos, destes com os professores, sem falar na experiência e na convivência em grupo. Fez-nos repensar essa metodologia como uma forma de promover a união escolar em torno do objetivo comum de formação de indivíduos sociais. Percebemos que a interdisciplinaridade proporcionou aos alunos possibilidades diferentes de olhar um mesmo acontecimento. É de suma importância que o aluno de Ensino Médio saiba que a redação do ENEM cumpre um papel social, ou seja, é um texto inserido numa situação de comunicação específica em que o candidato é o autor do texto, e o leitor deste texto é a banca examinatória do Exame. Efetivaram-se, assim, papéis essenciais do professor: o de especificar o conteúdo que será estudado; o de intervir pontualmente; e o de dar sentido às atividades da sequência REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS DOLZ, J. e SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. / tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. FAZENDA, Ivani Catarina A. (org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008. GERALDI, João Wanderlei. Da redação à produção de textos. In: CHIAPPINI, Lígia (coord. Geral). Aprender e ensinar com textos - 5ed.- São Paulo: Cortez, 2002. KRISTEVA, J. Sèméiotikè: recherches pour une sémanalyse. Paris: Seuil, 1969. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. MEC. Matrizes de Referência Para ENEM 2015. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/edital/2015/edital_enem_2015.pdf > Acesso em setembro de 2015. MUNANGA, Kabengele (org). Superando o Racismo na escola. 2ª edição revisada / [Brasília]: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. SEVERINO, Antônio Joaquim. O conhecimento pedagógico e a interdisciplinaridade: o saber como intencionalização da prática. In: FAZENDA, Ivani CA. (org.). Didática e interdisciplinaridade. Campinas, SP: Papirus, 1998.
  • 10. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 114 SOUZA, C. C. . Disciplinas escolares: um olhar sobre os discursos das pesquisas históricas em educação. In: Vania Maria Lescano Guerra; Marlene Durigan; Edgar Cézar Nolasco. (Org.). Identidade e discurso: história, instituições e práticas. 1ed.Campo Grande: Editora da UFMS, 2008, v. , p. 69-82 SITES UTILIZADOS Artigo de opinião “Mulher negra, nem escrava, nem objeto. ” Disponível em: <http://www.revistaforum.com.br/questaodegenero/2013/11/11/mulher-negra-nem- escrava-nem-objeto/> Acesso em setembro de 2015. A vida de Nelson Mandela. Disponível em :<https://www.youtube.com/watch?v=fAAICXGd6vc> Acesso em setembro de 2015. Boneca negra e a boneca branca na visão de uma criança negra. Disponível em :<https://www.youtube.com/watch?v=pgCkC1BultQ>. Acesso em setembro de 2015. Código penal que respalda questões sobre preconceito racial. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7716.htm>. Acesso em setembro de 2015. Discurso “I have a dream” de Martin Luther King. Disponível em :<https://www.youtube.com/watch?v=hyKSX9nOhds> Acesso em setembro de 2015. Documentário “Raiz Forte”. Disponível em :<https://www.youtube.com/watch?v=JTsYOyZPRew> Acesso em setembro de 2015. Edital do ENEM 2015. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/edital/2015/edital_enem_2015.pdf >. Acesso em setembro de 2015. Entrevista de Emicida sobre o caso do jogador de futebol Aranha. Disponível em: <http://trivela.uol.com.br/emicida-estava-vendo-gremio-x-santos-e-veja-o-que-ele-tem- dizer-sobre-o-caso-aranha/> Acesso em setembro de 2015. Guia do Estudante Abril. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/enem/>. Acesso em setembro de 2015. Matisyahu - One Day (tradução). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=f7ALF_-ETT4> Acesso em setembro de 2015. “Negro Drama” de Racionais MC recitada pelo cantor Seu Jorge. Disponível em: :<https://www.youtube.com/watch?v=jSnIZfx5BOI> Acesso em setembro de 2015.
  • 11. Revista Interdisciplinar de Educação do Campus de Três Lagoas/ MS – CPTL/UFMS V. 1 115 Torcedora Gremista pede perdão ao jogador Aranha. Disponível em: <http://espn.uol.com.br/noticia/437794_torcedora-gremista-chora-e-pede-perdao- advogado-chamar-de-macaco-nao-e-racismo>. Acesso em setembro de 2015.