SlideShare uma empresa Scribd logo
ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013

CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL EM PALMAS, TO: BRASIL 
 
 
José Wilson Rodrigues de Melo   
 
1

 
Resumo  
 
A  diversidade  cultural  é  uma  riqueza  da  humanidade.  Este  pressuposto  situou  o  lugar  para 
desenvolver a pesquisa. O objetivo foi analisar a valorização da diversidade cultural na cidade 
de  Palmas  pelos/as  professores/as  em  seus  discursos.  A  abordagem  metodológica  foi 
qualitativa.  O  instrumento  de  coleta  de  dados  foi  a  entrevista  semi‐estruturada.  A  coleta, 
sistematização  e  análise  dos  dados  se  deram  a  partir  do  conteúdo  expresso  pelo  discurso 
docente.  Foi observado o fato de a realidade não ser problematizada tomando como enfoque 
as  implicações  educacionais.    O  complemento  da  argumentação  dos  docentes  atribui  aos 
familiares uma falta de compromisso com a escolaridade dos filhos. A educação multicultural é 
um  desafio  ao  professorado  diante  das  mudanças  nas  atitudes  e  posturas  cotidianas  para 
fortalecer a inclusão social e cultural.   
 
PALAVRAS‐CHAVES: currículo, diversidade cultural, educação básica, temas transversais.  
 
 
Abstract 
 
Cultural diversity is a richness of humanity. This assumption has placed the place to develop 
the survey. The aim was to analyze the value of cultural diversity in the city of Palmas / the 
teachers  /  those  in  his  speeches.  The  methodological  approach  was  qualitative.  The  data 
collection  instrument  was  a  semi‐structured  interview.  The  collection,  organization  and 
analysis  of  data  made  themselves  from  the  content  expressed  by  the  speech  teacher.  We 
observed the fact that reality is not problematic as taking focus the educational implications. 
The  complement  of  teachers  assigned  to  the  argument  of  a  lack  of  family  commitment  to 
education of children. Multicultural education is a challenge to teachers in the face of changes 
in  attitudes  and  daily  postures  to  strengthen  the  social  and  cultural  inclusion. 
 
Keywords: curriculum, cultural diversity, elementary school, cross‐cutting themes. 
 
 
 
 
 

INTRODUÇÃO 
 
A diversidade cultural é uma riqueza da humanidade. Valorizá‐la significa potencializar 
o respeito à dignidade humana (Direitos Humanos). É, ainda, um fator de fortalecimento da 
democracia. Este valor gera uma cultura ponderada da paz como necessidade e utopia. Em um 
plano  mais  terreno,  redunda  em  justiça social.  O  multiculturalismo democrático (TOURAINE, 
A., 1995: 25) se constitui em uma busca capital da pluralidade cultural intercalada por políticas 
1

Professor Adjunto I da Universidade Federal do Tocantins – UFT. Leciona as disciplinas de Sociologia
da Educação e Política, legislação e organização da educação básica no curso de Pedagogia, campus de
Palmas. Concluiu os estudos de doutoramento na Universidade de Santiago de Compostela, Espanha.
(2008). Email: jwilsonrm@uft.edu.br
ISSN 1983-1579
http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec

180
ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013

públicas de reconhecimento e ponderação da diferença. A atenção à diversidade, pois, como 
projeto  cultural  e  educativo,  implica  no  desafio  de  formar  o  caráter  e  o  espírito  das  novas 
gerações (IMBERNÓN, F., 1999).  
Frente  ao  exposto,  o  multiculturalismo  configura‐se  como  política  de  gestão  da 
multiculturalidade  e/ou  movimentos  culturais  demandados  pela  valorização  da  diferença 
como  fator  de  expressão  de  identidade(s).  O  multiculturalismo,  enquanto  movimento  de 
idéias, resulta de um tipo de consciência coletiva para a qual as orientações do agir humano se 
oporiam  a  toda  forma  de  centrismos.  O  ponto  de  partida  do  multiculturalismo,  como 
movimento  de  idéias,  “é  a  pluralidade  de  experiências  culturais,  que  moldam  as  interações 
sociais por inteiro (GONÇALVES, L. e SILVA, P., 2000:14)”. O multiculturalismo, pois, afronta as 
concepções  monoculturais  das  sociedades  etnocêntricas.  Isto,  para  alguns,  chega  a  pôr  em 
perigo  a  nação  (divide/fragmenta)  2.  Outros  o  vêem  como  um  meio  de  fortalecimento  do 
tecido social. Portanto, um rico fator de democracia e educação para a cidadania (igualdade 
diferenciada). 
A situação no âmbito da cultura faz do multiculturalismo um destacado interlocutor da 
educação.  Como  agência  social,  a  escola  foi  convertida  em  um  palco  onde  as  questões 
multiculturais  se  exprimem  em  face  de  debates  e  controvérsias  manifestas  das  tensões  e 
conflitos da sociedade (SEMPRINI, A., 1999; HINDESS, B., 1993; BANKS, 1992; BANKS e BANKS, 
1993; SILVA, T., 2000; McLAREN, P., 1997; KINCHELOE, J. e STEINBERG, S., 2000; GONÇALVES, 
L.  e  SILVA,  P.,  2000;  SANTOS,  L.  e  PARAÍSO,  M.,  1996;  CANDAU,  V.  2005;  TORRES,  J.,  1995; 
GIMENO, J., 1992, 2000, 2001; CONNEL, W., 1997). 
Como  prática  social,  a  educação  passou  por  um  conjunto  de  reconsiderações 
estruturais  em  torno  da  sua  função  política  e  cultural.  O  multiculturalismo  retrata  a 
multiculturalidade de um todo social buscado na perspectiva de integração de minorias sociais, 
étnicas e culturais no bojo do processo de escolarização. No atual contexto, sobretudo a partir 
dos  anos  de  1980  e  de  1990  no  Brasil,  o  multiculturalismo  passou  a  permear  o  campo  do 
currículo  (GIMENO,  J.,  1992,  2000,  20001).  Este  entendido  como  uma  instância  onde  as 
implicações culturais fazem eco com os mecanismos de poder da sociedade: tração de tensões 
e conflitos. Portanto, um campo de luta (SILVA, T., 2000; SANTOS, L. e PARAÍSO, M., 1996). O 
currículo como um elemento refratário de conhecimento e de subjetividade. Assim, o campo 
do currículo foi percebido como um espaço‐tempo implicado com as políticas de identidade 
(SILVA, T., 2000).  
Na  prática,  os  conteúdos  de  história  e  estudos  sociais  precisavam  traduzir  a 
participação  das  minorias,  nem  sempre  numéricas,  na  organização  social.  Deste  modo,  os 
campos antes silenciados deveriam ser reconhecidos (TORRES, J., 1995;  PARAÍSO, M., 1996). 
Dentre os temas de maior relevância nas universidades americanas, sobressaem‐se os estudos 
afro‐americanos,  de  mulheres,  de  gays,  de  lésbicas,  etc.  Na  Europa  os  temas ancorados  na 
imigração e na circulação livre dos/das cidadãos/cidadãs comunitários/as estabelecem a tônica 
das discussões multi/interculturais. No Brasil há um anseio pelo reconhecimento da diferença 
2

Elósegui ITXASO (1998:304), no artigo Una apuesta por el interculturalismo contra el
multiculturalismo, faz uma crítica ácida ao denominado multiculturalismo relativista. Assim se pronuncia:
Al hacer hincapié en las diferencias se termina realzando lo que separa en lugar de buscar lo que une. Los
peligros son graves; el racismo, la disgregación social y el empobrecimiento cultural. La alternativa se
debate entre una nueva homogeneización, irrespetuosa con otras viniculturas diferentes dentro de ella, o
la no comunicación, muchos mini-grupos culturales diferentes sin interrelación o interacción. E continua:
Lo que cuenta son los derechos de la colectividad, pero no los derechos del individuo. Se impone la
supremacía del grupo sobre el individuo, que puede degenerar hasta en una tiranía colectiva. Una muestra
estaría en esos grupos culturales cerrados que no permiten el matrimonio exogámico, sino sólo el
endogámico. (…)
ISSN 1983-1579
http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec

181
ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013

através  de  políticas  compensatórias  (índios,  negros,  portadores  de  necessidades  especiais, 
mulheres,  jovens,  idosos,  etc.).  Não  obstante,  este  reconhecimento  é  marcado  por 
contradições próprias da nossa formação social, política e cultural expressa em desigualdades. 
 

A PROBLEMÁTICA ANUNCIADA E DESENVOLVIDA 
O  quadro  histórico,  sociopolítico‐cultural  brasileiro  e  as  perspectivas  teóricas  do 
multiculturalismo  nos  instigou  a  verificar  como  a  diversidade  cultural,  a  partir  das 
argumentações  (discurso) docentes  vinha sendo observada  e  valorizada  em  escolas  públicas 
estaduais do ensino fundamental na cidade de Palmas, TO – Brasil.  
Atendendo  ao  objeto  de  estudo  da  pesquisa,  a  atenção  dispensada  à  diversidade 
cultural  pelos  docentes  em  seus  discursos,  foram  escolhidas  as  áreas  de  ensino  de  Língua 
Portuguesa,  História  e  Geografia,  na  5ª,  6ª  e  8ª  séries  do  Ensino  Fundamental.  Escolhemos 
trabalhar  com  o  discurso  docente  buscando  apreender  o  sentido  e  o  valor  dispensado  à 
diversidade cultural no âmbito escolar.  
Dentre outras escolhas para objeto de estudo nos decidimos pela diversidade cultural 
na cidade de Palmas. A questão‐mor foi saber qual era a valorização deste objeto nos discursos 
e  práticas  curriculares  docentes.  Qual  o  principal  objetivo,  então?  Analisar  a  valorização 
atribuída  à  diversidade  cultural  (multiculturalidade)  na  cidade  de  Palmas  pelos/as 
professores/as  em  seus  discursos  diante  das  práticas  curriculares  em  escolas  públicas 
estaduais do ensino fundamental (5ª à 8ª série). 
Esta  problematização  vinculou‐se  à  necessidade  de  conhecermos  a  fundo  o 
multiculturalismo  como  gestão  política  da  diversidade.    Assim,  conhecemos  o  seu  histórico 
remontando a Alex de TOQUEVILLE (1832) na apreciação da democracia na América. Passamos 
por  John  DEWEY  (1916)  ao  entender  haver  uma  relação  entre  o  pluralismo  da  sociedade 
estadunidense e a educação. A luta pelos direitos civis nos anos de 1960 e o protagonismo dos 
movimentos afro‐american constituem um ícone dessa história. Chegamos, por fim, a Charles 
TAYLOR  (1992)  ao  converter  o  multiculturalismo  em  políticas  de  reconhecimento.  Nosso 
objeto de estudo foi clareado por buscarmos uma valorização da multiculturalidade. Esta, em 
nosso entendimento, deveria ser desenvolvida por um multiculturalismo democrático e crítico. 
Um multiculturalismo não apenas preocupado em identificar a pluralidade. O pressuposto era 
desenvolver  a  interação  democrática  dentro  da  pluralidade.  Este  feito  possibilitaria  um 
exercício de cidadania e fortalecimento de sociedade permeada pela idéia de uma democracia 
diferenciada. Aqui, a diferença não pode redundar em desigualdade social.    
 

DESENVOLVIMENTO DA PROBLEMÁTICA 
Que  poderíamos  dizer  sobre  os  resultados  alcançados  pelas  observações  e  análises 
realizadas diante do  objeto  investigado  tendo  como  produto o discurso  docente?  Pensamos 
haver  sido  detalhista  na  tomada,  sistematização  e  análise  dos  dados.  Mas,  em  termos  de 
síntese,  poderíamos  tecer  algumas  considerações.  Primeiro,  como  percebemos  a  visão 
docente sobre a diversidade cultural da cidade de Palmas? Podemos constatar os sentimentos 
da  existência  desta  diversidade  sendo  os  docentes  também  protagonistas  da  mesma.  No 
entanto, detectamos o fato de a realidade não ser problematizada ao tomar como enfoque as 
implicações educacionais.  Ela existe, mas como compreendê‐la a partir da gestão pedagógica 
na  sala  de  aula  e  na  escola?  Percebemos,  pois,  perdurar  uma  necessidade  de  melhor 
compreensão de uma sociedade com tais características e os desafios postos para a educação. 
ISSN 1983-1579
http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec

182
ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013

Assim, podemos argüir:  existe  uma  valorização  da  diversidade  cultural no  discurso docente? 
Algumas considerações para a formação continuada de professores com atenção à diversidade 
cultural.  Aqui,  desenvolvemos  análises  e  discussões  como  forma  de  melhorar  o  ensino  e  a 
formação docente neste particular. 
Ao tomarmos esta questão como mote central da investigação realizada, asseguramos 
haver  uma  valorização  em  discurso,  mas  não  traduzida  para  uma  dimensão  cotidiana  da 
organização curricular e pedagógica do trabalho docente. No conjunto a diversidade cultural é 
uma  riqueza  do  mundo,  mas  para  que  serve  mesmo  a  problematização  pedagógica  como 
conteúdo de ensino? 
O que nos leva a afirmação tão inquietante? Primeiro, os/as professores/as tendem, 
em  nossa  análise,  a  dizer:  a  razão  dos  estudantes  estarem  na  escola  é  para  estudar  os 
conteúdos específicos de cada disciplina. Fazemos esta observação por termos identificado o 
domínio de uma razão instrumental como fundamento situado no bojo da fala destes. Outro 
argumento  condensador da  nossa observação  é  quando  eles/as asseguram ser  a  indisciplina 
dos/as alunos/as um dos problemas hercúleos da escola. Contudo, asseguram haver uma boa 
convivência entre os/as estudantes sem conflitos e tensões emanados por razões explicitas das 
diferenças culturais. O complemento da argumentação é realizado ao atribuir aos pais e mães 
(familiares)  uma  espécie  de  descompromisso  com  a  escolaridade  dos  filhos.  Possivelmente 
poderíamos  recolher  um  axioma:  o  fracasso  escolar  é  um  problema  da  família.  Ou  seja,  o 
fracasso da escola está diretamente ligado ao fracasso da família que por sua vez implica na 
falência das instituições sociais. No extremo, seria também um fracasso da ação pedagógica 
docente?   
Como pensarmos,  então,  a  sistematização  de  um  processo  de  formação  continuada 
atenta à diversidade? Esta deve ser uma formação em serviço tendo o âmbito da prática como 
universo  de  aprendizado  e  de  exercício.  O/a  professor/a  é  tomado  como  pesquisador/a  da 
prática  vivencial  no  ambiente  escolar.  Ser  professor/a  como  pesquisador/a  implica  em uma 
problematização da realidade social e da organização didático‐pedagógica.  Neste universo, é 
preciso  entender  a  diversidade  como  um  componente  da  organização  social.  Este  deve  se 
integrar  à  organização  escolar.  Isto  requer  situar‐se  para  além  de  uma  dimensão 
metodológica.  
Este  foco  na  organização  escolar  implica  em  uma  visão  ampliada  do  currículo.  Em 
nossas  sistematizações  o  compreendemos  como  o  substrato  das  atividades  escolares.    Não 
concordamos com os argumentos de este ser um guia ou roteiro para o desenvolvimento da 
pratica pedagógica. O currículo expressa uma prática. Esta é uma síntese da ação curricular. 
Nessa  abordagem,  a  atenção  à  diversidade  cultural  está  relacionada  à  superação  das 
discriminações,  preconceitos  e  racismos.  Por  outro  lado,  a  interação  da  escola  com  a 
comunidade pressupõe uma lógica similar.   
Talvez, seja extremamente forte e exagerado esticar a questão até aí. Contudo, é uma 
conclusão possível.  Não queremos, entretanto, atribuir culpa aos/às professores/as diante da 
situação. Longe das culpas nós defendemos o papel desempenhado pelo corpo docente como 
de extrema valia, mesmo face às adversidades. Percebemos, apenas, a existência de uma visão 
com certo grau de miopia em relação a um processo mais amplo. No entanto, concordamos 
haver uma luz vermelha a piscar e a deixar os docentes em estado de alerta pelo desgaste na 
relação com o cotidiano das escolas visitadas, dentre outras. Estaria a escola da modernidade, 
como instituição social, dando seus últimos suspiros?  
Outro ponto de observação e análise ficou centrado no currículo. O discurso docente 
foi  fugaz  e  fortuito  na  explanação  das  considerações  sobre  este  instrumento  do  processo 
ISSN 1983-1579
http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec

183
ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013

educativo.  Os  docentes  demonstraram  dispor  de poucos  elementos para uma  compreensão 
técnico‐profissional  diante  do  substrato  crucial  da  escolarização.  É  possível  situarmos  tais 
lacunas na formação inicial e continuada. As considerações anteriores podem ser declinadas 
para o projeto político‐pedagógico e a proposta curricular da escola. Talvez, a labuta no lesco‐
lesco distancie o docente de uma priorização na organização do seu projeto educativo. Apesar 
de  esses/as afirmarem participar das discussões na  escola.  Contudo,  o discurso  nos  autoriza 
assegurar essas questões como não sendo prioritárias neste processo de organização didática 
e escolar. 
A  grande  descoberta  deste  estudo  foi  a  convicção  de  não  nos  conhecermos  em 
profundidade naquilo que somos como povo, como cultura, como sociedade e como desejo de 
transformação  desta  em  um  processo  co‐adjuvante  com  a  educação.  Estudar  o 
multiculturalismo presente nos nossos fenótipos, composições sociais e culturais é um desafio 
de  elevação  da  nossa  condição  humana.  Como  bem  pensou  FREIRE  (1996:  36):  A  prática 
preconceituosa de raça, de classe, de gênero ofende a substantividade do ser humano e nega 
radicalmente  a  democracia.  Enfim,  cada  homem  é  sozinho  a  casa  da  humanidade.  (Tom  Zé, 
2006).     
 

CONCLUSÕES 
A organização do pensamento docente sobre a valorização da diversidade cultural na 
cidade  de  Palmas nos  conduziu  às  seguintes  constatações.  Ao  tomar  o/a  professor/a,  escola 
por escola, detectamos elementos de percepção comuns a todos/as entrevistados/as. Comuns 
em  uma  escola,  diferente  em  outra,  enfim. O  pensamento  docente  traz saberes  comuns  da 
profissão e da convivência com os pares. Comporta saberes específicos da disciplina de ensino. 
Embute  saberes  do  curso  de  formação  e  saberes  baseados  na  experiência.  Deste  modo,  o 
saber  docente  é  também  social  por  condensar  uma  gama  diversa  de  outras  contribuições 
adensadas  nas  representações  especificas  destes  profissionais.  Assim,  o  discurso  docente  é 
uma  somatória  dessas  contribuições  digeridas  e  refletidas  no  processo  de  constituição  do 
saber  docente  (DANDURAND  e  OLLIVIER,  1991).  Com  esta  mesma  natureza  encontra‐se  a 
pesquisa.  
Com  base  nessa  orientação  metodológica  percebemos  haver  uma  unanimidade  em 
torno do livro didático. Algumas falas apontam para uma percepção não‐hegemônica do livro‐
texto  adotado para o  trabalho  em  sala de aula  na disciplina.  Afirmam  haver necessidade de 
outras  fontes  de  consulta  e  para  a diversificação  do  trabalho.  No  entanto,  o  bojo  das  falas 
atribuiu o protagonismo deste recurso didático no desenvolvimento das aulas. Ele chega a ser 
um guia do processo escolar. Daí concluirmos o livro didático ser o currículo por antonomásia.  
Não houve uma concordância sobre os PCN (BRASIL, 1998). O discurso sobre os PCN é 
uma apreciação mal  digerida.  Na  observação dos  discursos  podemos  constatar  não  haver o 
desenvolvimento do ensino com base em habilidades e competências. Podemos observar uma 
ausência  de  consistência  dessa  discussão.  Nesta  mesma  classificação  encontram‐se  a 
percepção sobre os temais transversais, em específico a pluralidade cultural. Uma professora 
declarou não serem mais usados como antes. Parecem estar fora de moda. O espanto ficou 
por  essa  professora  afirmar  participar  do  movimento  negro  e  ser  favorável  à  discussão  da 
diversidade  como  um  valor na sociedade.  Observamos,  por  fim,  a  inexistência de uma  ação 
curricular  no  envolvimento  da  transversalidade  como  recurso  de  tematização.  Outra 
professora  afirmou  a  necessidade  de  uma  disciplina  especifica  para  tratar  da  diversidade 
cultural.        Estes  e  outros  foram  pontos  de  contradição  interna  dos  discursos.  Enfim,  a 
valorização  da  diversidade  pontuada  no  discurso  docente  foi  expressa  como  na  linguagem 
ISSN 1983-1579
http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec

184
ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013

binária  convertida  em  sinais  e  ausência  de  luz,  mas  possibilitando  o  fantástico  mundo  da 
informática. A diversidade é um valor. Precisa, no entanto, ser implementada enquanto tal. 
  O discurso docente afirma a diversidade cultural. Contudo, as observações e análises 
da pesquisa demonstraram haver uma necessidade de implementação de ações voltadas para 
as  mudanças.  A  visão  docente  precisa  ser  ampliada  para  enxergar  no  tratamento  dado  à 
diversidade uma atenção para a inclusão social na educação. O valor da educação é sempre 
ressalvado na dimensão financeira e ocupacional para o desenvolvimento do país. O discurso 
corrente  assinala  não  haver  desenvolvimento  econômico  sem  educação de  qualidade.  Mas, 
primeiro deveríamos indagar nosso entendimento sobre qualidade. A qualidade pressupõe na 
superação  de  uma  compreensão  meramente  financeira  para  engrandecê‐la  na  perspectiva 
social. Assim, uma educação multicultural é uma premissa para o desenvolvimento humano. 
Educar  na perspectiva  da  diversidade  cultural  é uma  dimensão  democrática  de  considerar a 
todos/as  como  sujeitos  da  história  e  da  educação.  Ser  sujeito  da  história  implica  em  ser 
também participe dos resultados da mesma.     
Outro ponto de observação e análise ficou centrado no currículo. O discurso docente 
foi  fugaz  e  fortuito  na  explanação  das  considerações  sobre  este  instrumento  do  processo 
educativo.  Os  docentes  demonstraram  dispor  de poucos  elementos para uma  compreensão 
técnico‐profissional  diante  do  substrato  crucial  da  escolarização.  É  possível  situarmos  tais 
lacunas na formação inicial e continuada. As considerações anteriores podem ser declinadas 
para o projeto político‐pedagógico e a proposta curricular da escola. Talvez, a labuta no lesco‐
lesco distancie o docente de uma priorização na organização do seu projeto educativo. Apesar 
de  esses/as afirmarem participar das discussões na  escola.  Contudo,  o discurso  nos  autoriza 
assegurar essas questões como não sendo prioritárias neste processo de organização didática 
e escolar.  
As  políticas  educacionais,  portanto,  devem  ocorrer  atreladas  a  políticas  culturais de 
fortalecimento  da  diferença.  Destarte,  o  currículo  pressupõe  uma  peça  de  condensação  da 
escolarização. Um estado com uma estrutura jurídica de ordem multicultural necessita ouvir a 
sociedade  civil  através  dos  movimentos  sociais  a  desmanchar  uma  tradição  infestada  nos 
espaços de trabalho e escolares. É fato, a mudança da sociedade não ocorrer por decreto. É a 
própria  sociedade  que  deve  fazê‐la.  No  entanto,  os  canais  de  alcance  social  precisam  ser 
democratizados para as transformações culturais e educacionais.  
 

REFERÊNCIAS 
BANKS, J. e BANKS, C. Multicultural education: issues and perspectives. Boston: Ally and Bacon, 
1993. 
BANKS, J. “Multicultural education: approaches, developments and dimensions”. In. LYNCH, J.; 
MODGIL, C.; MODGIL, S. Cultural diversity and school. London: Washington D.C.: The Falmer 
Press, 1992. 
BRASIL.  Secretaria  de  Educação  Fundamental.  Parâmetros  curriculares  nacionais:  temas 
transversais. Brasília: MEC / SEF, 1998. 
CONNELL, W.  Escuelas y justícia social, Madrid, Morata, 1997. 
DANDURAND  et  OLLIVIER.  “Centralité  des  savoir  et  éducation:  vers  de  nouvelles 
problematiques”. Sociologie et societé, vol. XXIII, nº. 05, 1991,p.55‐62.  

ISSN 1983-1579
http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec

185
ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013

DEWEY,  J..  Democracy  and  education:  an  introduction  to  the  philosophy  of  education.  New 
York: Macmillan, 1916. 
FREIRE,  P.  Pedagogia  da  autonomia:  saberes  necessários  à  prática  educativa.  33ª  ed.,  São 
Paulo: Paz e Terra, 1996.  
GIMENO, J. Educar y convivir en la cultura global. Madrid: Morata, 2001. 
_______. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre, ArtMed, 2000. 
_______.  Curriculum  y diversidad  cultural. In.  Revista  Educación  y  Sociedad,   n.  11,  Madrid, 
1992, p.127‐153. 
GONÇALVES, L. e SILVA,  P. O jogo das diferenças: o multiculturalismo e seus contextos. Belo 
Horizonte, Autêntica, 2000. 
HINDESS, B. “Multiculturalism and citizenship”. In. KUKATHAS, C. (Org.): Multicultural citizens. 
The philosophy and politics of identity. St. Leonards: Center for Independent Studies, 1993, p. 
33‐45.  
IMBERNÓN, F. “Amplitud y profundidad de la mirada. La educación ayer, hoy y mañana”. En. 
IMPBERNÓN,  R.  (Coord.).  La  educación  en  el  siglo  XXI.  Los  retos  del  futuro  inmediato. 
Barcelona, Editorial Graó, 1999, p.63‐80. 
ITXASO, E. “Una apuesta por el interculturalismo contra el multiculturalismo”. Revista Veritas, 
n.2, 1998, p.303‐318.  
KINCHELOE, J. e SREINBERG, S. Repensar el multiculturalismo. Barcelona, Octaedro, 2000. 
McLAREN, P. Multiculturalismo crítico. S.Paulo, Cortez, 1997. 
SANTOS, L. e PARAÍSO, M. “Currículo e diferenças culturais em tempo de globalização”. Revista 
Presença Pedagógica, v.2, nº. 10 Belo Horizonte: Dimensão, jul./ago., 1996, p. 17‐22.  
SEMPRINI, A. Multiculturalismo.  Bauru, EDUSC, 1999. 
SILVA, T. Teoria cultural e educação: um vocabulário crítico. Belo Horizonte, Autêntica, 2000. 
TAYLOR, C. Multiculturalism and the politics of recognition. Princeton: PUP, 1992. 
TOCQUEVILLE, A. La democracia en América, v.1, Madrid: Alianza Editorial, 1980. 
TOM  ZÉ  (2006).  Unimultiplicidade.  http://tom‐ze.letras.terra.com.br/imprimir‐letra/919299/, 
20/12/06. 
TORRES, J. “As culturas negadas e silenciadas no currículo”. In. SILVA, T.T. (Org.). Alienígenas 
na  sala  de  aula:  uma  introdução  aos  estudos  culturais  em  educação.  Petrópolis,  RJ:  Vozes, 
1995, p. 159‐177. 
TOURAINE, A. “Qué es una sociedad multicultural? Falsos y verdaderos problemas”,  Revista 
Claves de Razón Práctica, n. 56, 1995, p. 14 – 25. 
 

ISSN 1983-1579
http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec

186

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)
Surane Nogueira
 
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALIYour file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
temastransversais
 
Educacao ed1
Educacao ed1Educacao ed1
Educacao ed1
Gleide Alcântara
 
Fichamento patrícia
Fichamento patríciaFichamento patrícia
Fichamento patrícia
Manu Dias
 
Conhecimento escolar e diversidade cultural
Conhecimento  escolar e diversidade culturalConhecimento  escolar e diversidade cultural
Conhecimento escolar e diversidade cultural
Carla Regina
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
Aline Vaz
 
Artigo disciplina edir veiga
Artigo   disciplina edir veigaArtigo   disciplina edir veiga
Artigo disciplina edir veiga
E.E.E.M.Magalhães Barata
 
Texto 2 - Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
Texto 2 -  Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...Texto 2 -  Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
Texto 2 - Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
Vanubia_sampaio
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
Geraa Ufms
 
Monografia Cintia Pedagogia 2011
Monografia Cintia Pedagogia 2011Monografia Cintia Pedagogia 2011
Monografia Cintia Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
Instituto Uka
 
True (1)
True (1)True (1)
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade culturalKelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly Castro
 
413 1559-1-pb
413 1559-1-pb413 1559-1-pb
413 1559-1-pb
Geraa Ufms
 
Livro101
Livro101Livro101
Livro101
Renata Costa
 
Artigo - De olho no diversidade na universidade
Artigo - De olho no diversidade na universidade Artigo - De olho no diversidade na universidade
Artigo - De olho no diversidade na universidade
Jose Arnaldo Silva
 
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
Fabio Salvari
 
Hellen cristina de souza
Hellen cristina de souzaHellen cristina de souza
Hellen cristina de souza
prsamuelneves
 
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
José Oliveira Junior
 

Mais procurados (20)

05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)
 
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALIYour file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
 
Educacao ed1
Educacao ed1Educacao ed1
Educacao ed1
 
Fichamento patrícia
Fichamento patríciaFichamento patrícia
Fichamento patrícia
 
Conhecimento escolar e diversidade cultural
Conhecimento  escolar e diversidade culturalConhecimento  escolar e diversidade cultural
Conhecimento escolar e diversidade cultural
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
Artigo disciplina edir veiga
Artigo   disciplina edir veigaArtigo   disciplina edir veiga
Artigo disciplina edir veiga
 
Texto 2 - Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
Texto 2 -  Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...Texto 2 -  Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
Texto 2 - Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
Monografia Cintia Pedagogia 2011
Monografia Cintia Pedagogia 2011Monografia Cintia Pedagogia 2011
Monografia Cintia Pedagogia 2011
 
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
 
True (1)
True (1)True (1)
True (1)
 
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade culturalKelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
 
413 1559-1-pb
413 1559-1-pb413 1559-1-pb
413 1559-1-pb
 
Livro101
Livro101Livro101
Livro101
 
Artigo - De olho no diversidade na universidade
Artigo - De olho no diversidade na universidade Artigo - De olho no diversidade na universidade
Artigo - De olho no diversidade na universidade
 
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2Tradicoes traducoes na_cultura_popular  para ssa 2
Tradicoes traducoes na_cultura_popular para ssa 2
 
Hellen cristina de souza
Hellen cristina de souzaHellen cristina de souza
Hellen cristina de souza
 
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
 
Diversidade
DiversidadeDiversidade
Diversidade
 

Destaque

Direitos humanos congresso
Direitos humanos congressoDireitos humanos congresso
Direitos humanos congresso
Wilson Melo
 
CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL: inflexões para a formacão de professores/as
CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL: inflexões para a formacão de professores/asCURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL: inflexões para a formacão de professores/as
CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL: inflexões para a formacão de professores/as
Wilson Melo
 
La réussite et la persévérance dans l’enseignement supérieure
La réussite et la persévérance dans l’enseignement supérieureLa réussite et la persévérance dans l’enseignement supérieure
La réussite et la persévérance dans l’enseignement supérieure
Wilson Melo
 
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanos
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanosMulticulturalismo, diversidade e direitos humanos
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanos
Wilson Melo
 
Higher education and ethnocultural diversity
Higher education and ethnocultural diversityHigher education and ethnocultural diversity
Higher education and ethnocultural diversity
Wilson Melo
 
Consumo alienado
Consumo alienadoConsumo alienado
Consumo alienado
Lucimar Levenhagen
 
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Geografia
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - GeografiaConteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Geografia
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Geografia
denisealvesf
 
Trabalho fotos declaração dos direitos humanos
Trabalho fotos   declaração dos direitos humanosTrabalho fotos   declaração dos direitos humanos
Trabalho fotos declaração dos direitos humanos
Alessandro Mattia
 
A classe dos adjetivos ficha de trabalho - 5º ano
A classe dos adjetivos   ficha de trabalho - 5º anoA classe dos adjetivos   ficha de trabalho - 5º ano
A classe dos adjetivos ficha de trabalho - 5º ano
Ana Cristina Carvalho
 
Exercicio valor posicional
Exercicio valor  posicionalExercicio valor  posicional
Exercicio valor posicional
Marcia Roberto
 
Políticas públicas educacionais aula 1
Políticas públicas educacionais   aula   1Políticas públicas educacionais   aula   1
Políticas públicas educacionais aula 1
Darlan Campos
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
Jose Wilson Melo
 

Destaque (12)

Direitos humanos congresso
Direitos humanos congressoDireitos humanos congresso
Direitos humanos congresso
 
CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL: inflexões para a formacão de professores/as
CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL: inflexões para a formacão de professores/asCURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL: inflexões para a formacão de professores/as
CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL: inflexões para a formacão de professores/as
 
La réussite et la persévérance dans l’enseignement supérieure
La réussite et la persévérance dans l’enseignement supérieureLa réussite et la persévérance dans l’enseignement supérieure
La réussite et la persévérance dans l’enseignement supérieure
 
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanos
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanosMulticulturalismo, diversidade e direitos humanos
Multiculturalismo, diversidade e direitos humanos
 
Higher education and ethnocultural diversity
Higher education and ethnocultural diversityHigher education and ethnocultural diversity
Higher education and ethnocultural diversity
 
Consumo alienado
Consumo alienadoConsumo alienado
Consumo alienado
 
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Geografia
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - GeografiaConteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Geografia
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Geografia
 
Trabalho fotos declaração dos direitos humanos
Trabalho fotos   declaração dos direitos humanosTrabalho fotos   declaração dos direitos humanos
Trabalho fotos declaração dos direitos humanos
 
A classe dos adjetivos ficha de trabalho - 5º ano
A classe dos adjetivos   ficha de trabalho - 5º anoA classe dos adjetivos   ficha de trabalho - 5º ano
A classe dos adjetivos ficha de trabalho - 5º ano
 
Exercicio valor posicional
Exercicio valor  posicionalExercicio valor  posicional
Exercicio valor posicional
 
Políticas públicas educacionais aula 1
Políticas públicas educacionais   aula   1Políticas públicas educacionais   aula   1
Políticas públicas educacionais aula 1
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 

Semelhante a CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL EM PALMAS, TO: BRASIL

Educaçao multicultural
Educaçao multiculturalEducaçao multicultural
Educaçao multicultural
Hebert Balieiro
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
Israel serique
 
Curriculo, diversidade étnica e infância
Curriculo, diversidade étnica  e infânciaCurriculo, diversidade étnica  e infância
Curriculo, diversidade étnica e infância
Wilson Melo
 
EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL.
EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL.EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL.
EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL.
Jose Wilson Melo
 
Pluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e EtniaPluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e Etnia
Welton Castro
 
Aula 6- Currículo intercultural e Pedagogia Contracolonial.pdf
Aula 6- Currículo intercultural e Pedagogia Contracolonial.pdfAula 6- Currículo intercultural e Pedagogia Contracolonial.pdf
Aula 6- Currículo intercultural e Pedagogia Contracolonial.pdf
RafaellaFlix
 
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
Pcn   10.2   Tt Pluralidade CulturalPcn   10.2   Tt Pluralidade Cultural
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
literatoliberato
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
isabela30
 
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão EscolarDiversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
LIMA, Alan Lucas de
 
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ivanizehonorato
 
Pcn história
Pcn históriaPcn história
Pcn história
cmsrial13
 
DIVERSIDADE.pdf
DIVERSIDADE.pdfDIVERSIDADE.pdf
DIVERSIDADE.pdf
MariaIsiliaSousa
 
Bicastiradentes pluralidadeculturalii
Bicastiradentes pluralidadeculturaliiBicastiradentes pluralidadeculturalii
Bicastiradentes pluralidadeculturalii
temastransversais
 
Reunião pedagógica 03 06 2016
Reunião pedagógica 03 06 2016Reunião pedagógica 03 06 2016
Reunião pedagógica 03 06 2016
Fábio Peixoto
 
Filme: "O contador de Histórias"
Filme: "O contador de Histórias"Filme: "O contador de Histórias"
Filme: "O contador de Histórias"
andre barbosa
 
Multiculturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologiaMulticulturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologia
Leonardo de Barros
 
Portfólio Gestão do Projeto Educativo
Portfólio Gestão do Projeto Educativo Portfólio Gestão do Projeto Educativo
Portfólio Gestão do Projeto Educativo
PatriciaFrana46
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
Aline Martendal
 
Comunicação Interculturalidade, Inclusão e Educação
Comunicação Interculturalidade, Inclusão e EducaçãoComunicação Interculturalidade, Inclusão e Educação
Comunicação Interculturalidade, Inclusão e Educação
Dilaila Botas
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
temastransversais
 

Semelhante a CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL EM PALMAS, TO: BRASIL (20)

Educaçao multicultural
Educaçao multiculturalEducaçao multicultural
Educaçao multicultural
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
 
Curriculo, diversidade étnica e infância
Curriculo, diversidade étnica  e infânciaCurriculo, diversidade étnica  e infância
Curriculo, diversidade étnica e infância
 
EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL.
EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL.EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL.
EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE, TRABALHO E JUSTIÇA SOCIAL.
 
Pluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e EtniaPluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e Etnia
 
Aula 6- Currículo intercultural e Pedagogia Contracolonial.pdf
Aula 6- Currículo intercultural e Pedagogia Contracolonial.pdfAula 6- Currículo intercultural e Pedagogia Contracolonial.pdf
Aula 6- Currículo intercultural e Pedagogia Contracolonial.pdf
 
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
Pcn   10.2   Tt Pluralidade CulturalPcn   10.2   Tt Pluralidade Cultural
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
 
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão EscolarDiversidade de Gênero na Gestão Escolar
Diversidade de Gênero na Gestão Escolar
 
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
 
Pcn história
Pcn históriaPcn história
Pcn história
 
DIVERSIDADE.pdf
DIVERSIDADE.pdfDIVERSIDADE.pdf
DIVERSIDADE.pdf
 
Bicastiradentes pluralidadeculturalii
Bicastiradentes pluralidadeculturaliiBicastiradentes pluralidadeculturalii
Bicastiradentes pluralidadeculturalii
 
Reunião pedagógica 03 06 2016
Reunião pedagógica 03 06 2016Reunião pedagógica 03 06 2016
Reunião pedagógica 03 06 2016
 
Filme: "O contador de Histórias"
Filme: "O contador de Histórias"Filme: "O contador de Histórias"
Filme: "O contador de Histórias"
 
Multiculturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologiaMulticulturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologia
 
Portfólio Gestão do Projeto Educativo
Portfólio Gestão do Projeto Educativo Portfólio Gestão do Projeto Educativo
Portfólio Gestão do Projeto Educativo
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
 
Comunicação Interculturalidade, Inclusão e Educação
Comunicação Interculturalidade, Inclusão e EducaçãoComunicação Interculturalidade, Inclusão e Educação
Comunicação Interculturalidade, Inclusão e Educação
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
 

Último

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 

Último (20)

A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 

CURRICULO E DIVERSIDADE CULTURAL EM PALMAS, TO: BRASIL

  • 1. ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013 CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL EM PALMAS, TO: BRASIL      José Wilson Rodrigues de Melo      1   Resumo     A  diversidade  cultural  é  uma  riqueza  da  humanidade.  Este  pressuposto  situou  o  lugar  para  desenvolver a pesquisa. O objetivo foi analisar a valorização da diversidade cultural na cidade  de  Palmas  pelos/as  professores/as  em  seus  discursos.  A  abordagem  metodológica  foi  qualitativa.  O  instrumento  de  coleta  de  dados  foi  a  entrevista  semi‐estruturada.  A  coleta,  sistematização  e  análise  dos  dados  se  deram  a  partir  do  conteúdo  expresso  pelo  discurso  docente.  Foi observado o fato de a realidade não ser problematizada tomando como enfoque  as  implicações  educacionais.    O  complemento  da  argumentação  dos  docentes  atribui  aos  familiares uma falta de compromisso com a escolaridade dos filhos. A educação multicultural é  um  desafio  ao  professorado  diante  das  mudanças  nas  atitudes  e  posturas  cotidianas  para  fortalecer a inclusão social e cultural.      PALAVRAS‐CHAVES: currículo, diversidade cultural, educação básica, temas transversais.       Abstract    Cultural diversity is a richness of humanity. This assumption has placed the place to develop  the survey. The aim was to analyze the value of cultural diversity in the city of Palmas / the  teachers  /  those  in  his  speeches.  The  methodological  approach  was  qualitative.  The  data  collection  instrument  was  a  semi‐structured  interview.  The  collection,  organization  and  analysis  of  data  made  themselves  from  the  content  expressed  by  the  speech  teacher.  We  observed the fact that reality is not problematic as taking focus the educational implications.  The  complement  of  teachers  assigned  to  the  argument  of  a  lack  of  family  commitment  to  education of children. Multicultural education is a challenge to teachers in the face of changes  in  attitudes  and  daily  postures  to  strengthen  the  social  and  cultural  inclusion.    Keywords: curriculum, cultural diversity, elementary school, cross‐cutting themes.            INTRODUÇÃO    A diversidade cultural é uma riqueza da humanidade. Valorizá‐la significa potencializar  o respeito à dignidade humana (Direitos Humanos). É, ainda, um fator de fortalecimento da  democracia. Este valor gera uma cultura ponderada da paz como necessidade e utopia. Em um  plano  mais  terreno,  redunda  em  justiça social.  O  multiculturalismo democrático (TOURAINE,  A., 1995: 25) se constitui em uma busca capital da pluralidade cultural intercalada por políticas  1 Professor Adjunto I da Universidade Federal do Tocantins – UFT. Leciona as disciplinas de Sociologia da Educação e Política, legislação e organização da educação básica no curso de Pedagogia, campus de Palmas. Concluiu os estudos de doutoramento na Universidade de Santiago de Compostela, Espanha. (2008). Email: jwilsonrm@uft.edu.br ISSN 1983-1579 http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec 180
  • 2. ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013 públicas de reconhecimento e ponderação da diferença. A atenção à diversidade, pois, como  projeto  cultural  e  educativo,  implica  no  desafio  de  formar  o  caráter  e  o  espírito  das  novas  gerações (IMBERNÓN, F., 1999).   Frente  ao  exposto,  o  multiculturalismo  configura‐se  como  política  de  gestão  da  multiculturalidade  e/ou  movimentos  culturais  demandados  pela  valorização  da  diferença  como  fator  de  expressão  de  identidade(s).  O  multiculturalismo,  enquanto  movimento  de  idéias, resulta de um tipo de consciência coletiva para a qual as orientações do agir humano se  oporiam  a  toda  forma  de  centrismos.  O  ponto  de  partida  do  multiculturalismo,  como  movimento  de  idéias,  “é  a  pluralidade  de  experiências  culturais,  que  moldam  as  interações  sociais por inteiro (GONÇALVES, L. e SILVA, P., 2000:14)”. O multiculturalismo, pois, afronta as  concepções  monoculturais  das  sociedades  etnocêntricas.  Isto,  para  alguns,  chega  a  pôr  em  perigo  a  nação  (divide/fragmenta)  2.  Outros  o  vêem  como  um  meio  de  fortalecimento  do  tecido social. Portanto, um rico fator de democracia e educação para a cidadania (igualdade  diferenciada).  A situação no âmbito da cultura faz do multiculturalismo um destacado interlocutor da  educação.  Como  agência  social,  a  escola  foi  convertida  em  um  palco  onde  as  questões  multiculturais  se  exprimem  em  face  de  debates  e  controvérsias  manifestas  das  tensões  e  conflitos da sociedade (SEMPRINI, A., 1999; HINDESS, B., 1993; BANKS, 1992; BANKS e BANKS,  1993; SILVA, T., 2000; McLAREN, P., 1997; KINCHELOE, J. e STEINBERG, S., 2000; GONÇALVES,  L.  e  SILVA,  P.,  2000;  SANTOS,  L.  e  PARAÍSO,  M.,  1996;  CANDAU,  V.  2005;  TORRES,  J.,  1995;  GIMENO, J., 1992, 2000, 2001; CONNEL, W., 1997).  Como  prática  social,  a  educação  passou  por  um  conjunto  de  reconsiderações  estruturais  em  torno  da  sua  função  política  e  cultural.  O  multiculturalismo  retrata  a  multiculturalidade de um todo social buscado na perspectiva de integração de minorias sociais,  étnicas e culturais no bojo do processo de escolarização. No atual contexto, sobretudo a partir  dos  anos  de  1980  e  de  1990  no  Brasil,  o  multiculturalismo  passou  a  permear  o  campo  do  currículo  (GIMENO,  J.,  1992,  2000,  20001).  Este  entendido  como  uma  instância  onde  as  implicações culturais fazem eco com os mecanismos de poder da sociedade: tração de tensões  e conflitos. Portanto, um campo de luta (SILVA, T., 2000; SANTOS, L. e PARAÍSO, M., 1996). O  currículo como um elemento refratário de conhecimento e de subjetividade. Assim, o campo  do currículo foi percebido como um espaço‐tempo implicado com as políticas de identidade  (SILVA, T., 2000).   Na  prática,  os  conteúdos  de  história  e  estudos  sociais  precisavam  traduzir  a  participação  das  minorias,  nem  sempre  numéricas,  na  organização  social.  Deste  modo,  os  campos antes silenciados deveriam ser reconhecidos (TORRES, J., 1995;  PARAÍSO, M., 1996).  Dentre os temas de maior relevância nas universidades americanas, sobressaem‐se os estudos  afro‐americanos,  de  mulheres,  de  gays,  de  lésbicas,  etc.  Na  Europa  os  temas ancorados  na  imigração e na circulação livre dos/das cidadãos/cidadãs comunitários/as estabelecem a tônica  das discussões multi/interculturais. No Brasil há um anseio pelo reconhecimento da diferença  2 Elósegui ITXASO (1998:304), no artigo Una apuesta por el interculturalismo contra el multiculturalismo, faz uma crítica ácida ao denominado multiculturalismo relativista. Assim se pronuncia: Al hacer hincapié en las diferencias se termina realzando lo que separa en lugar de buscar lo que une. Los peligros son graves; el racismo, la disgregación social y el empobrecimiento cultural. La alternativa se debate entre una nueva homogeneización, irrespetuosa con otras viniculturas diferentes dentro de ella, o la no comunicación, muchos mini-grupos culturales diferentes sin interrelación o interacción. E continua: Lo que cuenta son los derechos de la colectividad, pero no los derechos del individuo. Se impone la supremacía del grupo sobre el individuo, que puede degenerar hasta en una tiranía colectiva. Una muestra estaría en esos grupos culturales cerrados que no permiten el matrimonio exogámico, sino sólo el endogámico. (…) ISSN 1983-1579 http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec 181
  • 3. ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013 através  de  políticas  compensatórias  (índios,  negros,  portadores  de  necessidades  especiais,  mulheres,  jovens,  idosos,  etc.).  Não  obstante,  este  reconhecimento  é  marcado  por  contradições próprias da nossa formação social, política e cultural expressa em desigualdades.    A PROBLEMÁTICA ANUNCIADA E DESENVOLVIDA  O  quadro  histórico,  sociopolítico‐cultural  brasileiro  e  as  perspectivas  teóricas  do  multiculturalismo  nos  instigou  a  verificar  como  a  diversidade  cultural,  a  partir  das  argumentações  (discurso) docentes  vinha sendo observada  e  valorizada  em  escolas  públicas  estaduais do ensino fundamental na cidade de Palmas, TO – Brasil.   Atendendo  ao  objeto  de  estudo  da  pesquisa,  a  atenção  dispensada  à  diversidade  cultural  pelos  docentes  em  seus  discursos,  foram  escolhidas  as  áreas  de  ensino  de  Língua  Portuguesa,  História  e  Geografia,  na  5ª,  6ª  e  8ª  séries  do  Ensino  Fundamental.  Escolhemos  trabalhar  com  o  discurso  docente  buscando  apreender  o  sentido  e  o  valor  dispensado  à  diversidade cultural no âmbito escolar.   Dentre outras escolhas para objeto de estudo nos decidimos pela diversidade cultural  na cidade de Palmas. A questão‐mor foi saber qual era a valorização deste objeto nos discursos  e  práticas  curriculares  docentes.  Qual  o  principal  objetivo,  então?  Analisar  a  valorização  atribuída  à  diversidade  cultural  (multiculturalidade)  na  cidade  de  Palmas  pelos/as  professores/as  em  seus  discursos  diante  das  práticas  curriculares  em  escolas  públicas  estaduais do ensino fundamental (5ª à 8ª série).  Esta  problematização  vinculou‐se  à  necessidade  de  conhecermos  a  fundo  o  multiculturalismo  como  gestão  política  da  diversidade.    Assim,  conhecemos  o  seu  histórico  remontando a Alex de TOQUEVILLE (1832) na apreciação da democracia na América. Passamos  por  John  DEWEY  (1916)  ao  entender  haver  uma  relação  entre  o  pluralismo  da  sociedade  estadunidense e a educação. A luta pelos direitos civis nos anos de 1960 e o protagonismo dos  movimentos afro‐american constituem um ícone dessa história. Chegamos, por fim, a Charles  TAYLOR  (1992)  ao  converter  o  multiculturalismo  em  políticas  de  reconhecimento.  Nosso  objeto de estudo foi clareado por buscarmos uma valorização da multiculturalidade. Esta, em  nosso entendimento, deveria ser desenvolvida por um multiculturalismo democrático e crítico.  Um multiculturalismo não apenas preocupado em identificar a pluralidade. O pressuposto era  desenvolver  a  interação  democrática  dentro  da  pluralidade.  Este  feito  possibilitaria  um  exercício de cidadania e fortalecimento de sociedade permeada pela idéia de uma democracia  diferenciada. Aqui, a diferença não pode redundar em desigualdade social.       DESENVOLVIMENTO DA PROBLEMÁTICA  Que  poderíamos  dizer  sobre  os  resultados  alcançados  pelas  observações  e  análises  realizadas diante do  objeto  investigado  tendo  como  produto o discurso  docente?  Pensamos  haver  sido  detalhista  na  tomada,  sistematização  e  análise  dos  dados.  Mas,  em  termos  de  síntese,  poderíamos  tecer  algumas  considerações.  Primeiro,  como  percebemos  a  visão  docente sobre a diversidade cultural da cidade de Palmas? Podemos constatar os sentimentos  da  existência  desta  diversidade  sendo  os  docentes  também  protagonistas  da  mesma.  No  entanto, detectamos o fato de a realidade não ser problematizada ao tomar como enfoque as  implicações educacionais.  Ela existe, mas como compreendê‐la a partir da gestão pedagógica  na  sala  de  aula  e  na  escola?  Percebemos,  pois,  perdurar  uma  necessidade  de  melhor  compreensão de uma sociedade com tais características e os desafios postos para a educação.  ISSN 1983-1579 http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec 182
  • 4. ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013 Assim, podemos argüir:  existe  uma  valorização  da  diversidade  cultural no  discurso docente?  Algumas considerações para a formação continuada de professores com atenção à diversidade  cultural.  Aqui,  desenvolvemos  análises  e  discussões  como  forma  de  melhorar  o  ensino  e  a  formação docente neste particular.  Ao tomarmos esta questão como mote central da investigação realizada, asseguramos  haver  uma  valorização  em  discurso,  mas  não  traduzida  para  uma  dimensão  cotidiana  da  organização curricular e pedagógica do trabalho docente. No conjunto a diversidade cultural é  uma  riqueza  do  mundo,  mas  para  que  serve  mesmo  a  problematização  pedagógica  como  conteúdo de ensino?  O que nos leva a afirmação tão inquietante? Primeiro, os/as professores/as tendem,  em  nossa  análise,  a  dizer:  a  razão  dos  estudantes  estarem  na  escola  é  para  estudar  os  conteúdos específicos de cada disciplina. Fazemos esta observação por termos identificado o  domínio de uma razão instrumental como fundamento situado no bojo da fala destes. Outro  argumento  condensador da  nossa observação  é  quando  eles/as asseguram ser  a  indisciplina  dos/as alunos/as um dos problemas hercúleos da escola. Contudo, asseguram haver uma boa  convivência entre os/as estudantes sem conflitos e tensões emanados por razões explicitas das  diferenças culturais. O complemento da argumentação é realizado ao atribuir aos pais e mães  (familiares)  uma  espécie  de  descompromisso  com  a  escolaridade  dos  filhos.  Possivelmente  poderíamos  recolher  um  axioma:  o  fracasso  escolar  é  um  problema  da  família.  Ou  seja,  o  fracasso da escola está diretamente ligado ao fracasso da família que por sua vez implica na  falência das instituições sociais. No extremo, seria também um fracasso da ação pedagógica  docente?    Como pensarmos,  então,  a  sistematização  de  um  processo  de  formação  continuada  atenta à diversidade? Esta deve ser uma formação em serviço tendo o âmbito da prática como  universo  de  aprendizado  e  de  exercício.  O/a  professor/a  é  tomado  como  pesquisador/a  da  prática  vivencial  no  ambiente  escolar.  Ser  professor/a  como  pesquisador/a  implica  em uma  problematização da realidade social e da organização didático‐pedagógica.  Neste universo, é  preciso  entender  a  diversidade  como  um  componente  da  organização  social.  Este  deve  se  integrar  à  organização  escolar.  Isto  requer  situar‐se  para  além  de  uma  dimensão  metodológica.   Este  foco  na  organização  escolar  implica  em  uma  visão  ampliada  do  currículo.  Em  nossas  sistematizações  o  compreendemos  como  o  substrato  das  atividades  escolares.    Não  concordamos com os argumentos de este ser um guia ou roteiro para o desenvolvimento da  pratica pedagógica. O currículo expressa uma prática. Esta é uma síntese da ação curricular.  Nessa  abordagem,  a  atenção  à  diversidade  cultural  está  relacionada  à  superação  das  discriminações,  preconceitos  e  racismos.  Por  outro  lado,  a  interação  da  escola  com  a  comunidade pressupõe uma lógica similar.    Talvez, seja extremamente forte e exagerado esticar a questão até aí. Contudo, é uma  conclusão possível.  Não queremos, entretanto, atribuir culpa aos/às professores/as diante da  situação. Longe das culpas nós defendemos o papel desempenhado pelo corpo docente como  de extrema valia, mesmo face às adversidades. Percebemos, apenas, a existência de uma visão  com certo grau de miopia em relação a um processo mais amplo. No entanto, concordamos  haver uma luz vermelha a piscar e a deixar os docentes em estado de alerta pelo desgaste na  relação com o cotidiano das escolas visitadas, dentre outras. Estaria a escola da modernidade,  como instituição social, dando seus últimos suspiros?   Outro ponto de observação e análise ficou centrado no currículo. O discurso docente  foi  fugaz  e  fortuito  na  explanação  das  considerações  sobre  este  instrumento  do  processo  ISSN 1983-1579 http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec 183
  • 5. ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013 educativo.  Os  docentes  demonstraram  dispor  de poucos  elementos para uma  compreensão  técnico‐profissional  diante  do  substrato  crucial  da  escolarização.  É  possível  situarmos  tais  lacunas na formação inicial e continuada. As considerações anteriores podem ser declinadas  para o projeto político‐pedagógico e a proposta curricular da escola. Talvez, a labuta no lesco‐ lesco distancie o docente de uma priorização na organização do seu projeto educativo. Apesar  de  esses/as afirmarem participar das discussões na  escola.  Contudo,  o discurso  nos  autoriza  assegurar essas questões como não sendo prioritárias neste processo de organização didática  e escolar.  A  grande  descoberta  deste  estudo  foi  a  convicção  de  não  nos  conhecermos  em  profundidade naquilo que somos como povo, como cultura, como sociedade e como desejo de  transformação  desta  em  um  processo  co‐adjuvante  com  a  educação.  Estudar  o  multiculturalismo presente nos nossos fenótipos, composições sociais e culturais é um desafio  de  elevação  da  nossa  condição  humana.  Como  bem  pensou  FREIRE  (1996:  36):  A  prática  preconceituosa de raça, de classe, de gênero ofende a substantividade do ser humano e nega  radicalmente  a  democracia.  Enfim,  cada  homem  é  sozinho  a  casa  da  humanidade.  (Tom  Zé,  2006).        CONCLUSÕES  A organização do pensamento docente sobre a valorização da diversidade cultural na  cidade  de  Palmas nos  conduziu  às  seguintes  constatações.  Ao  tomar  o/a  professor/a,  escola  por escola, detectamos elementos de percepção comuns a todos/as entrevistados/as. Comuns  em  uma  escola,  diferente  em  outra,  enfim. O  pensamento  docente  traz saberes  comuns  da  profissão e da convivência com os pares. Comporta saberes específicos da disciplina de ensino.  Embute  saberes  do  curso  de  formação  e  saberes  baseados  na  experiência.  Deste  modo,  o  saber  docente  é  também  social  por  condensar  uma  gama  diversa  de  outras  contribuições  adensadas  nas  representações  especificas  destes  profissionais.  Assim,  o  discurso  docente  é  uma  somatória  dessas  contribuições  digeridas  e  refletidas  no  processo  de  constituição  do  saber  docente  (DANDURAND  e  OLLIVIER,  1991).  Com  esta  mesma  natureza  encontra‐se  a  pesquisa.   Com  base  nessa  orientação  metodológica  percebemos  haver  uma  unanimidade  em  torno do livro didático. Algumas falas apontam para uma percepção não‐hegemônica do livro‐ texto  adotado para o  trabalho  em  sala de aula  na disciplina.  Afirmam  haver necessidade de  outras  fontes  de  consulta  e  para  a diversificação  do  trabalho.  No  entanto,  o  bojo  das  falas  atribuiu o protagonismo deste recurso didático no desenvolvimento das aulas. Ele chega a ser  um guia do processo escolar. Daí concluirmos o livro didático ser o currículo por antonomásia.   Não houve uma concordância sobre os PCN (BRASIL, 1998). O discurso sobre os PCN é  uma apreciação mal  digerida.  Na  observação dos  discursos  podemos  constatar  não  haver o  desenvolvimento do ensino com base em habilidades e competências. Podemos observar uma  ausência  de  consistência  dessa  discussão.  Nesta  mesma  classificação  encontram‐se  a  percepção sobre os temais transversais, em específico a pluralidade cultural. Uma professora  declarou não serem mais usados como antes. Parecem estar fora de moda. O espanto ficou  por  essa  professora  afirmar  participar  do  movimento  negro  e  ser  favorável  à  discussão  da  diversidade  como  um  valor na sociedade.  Observamos,  por  fim,  a  inexistência de uma  ação  curricular  no  envolvimento  da  transversalidade  como  recurso  de  tematização.  Outra  professora  afirmou  a  necessidade  de  uma  disciplina  especifica  para  tratar  da  diversidade  cultural.        Estes  e  outros  foram  pontos  de  contradição  interna  dos  discursos.  Enfim,  a  valorização  da  diversidade  pontuada  no  discurso  docente  foi  expressa  como  na  linguagem  ISSN 1983-1579 http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec 184
  • 6. ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013 binária  convertida  em  sinais  e  ausência  de  luz,  mas  possibilitando  o  fantástico  mundo  da  informática. A diversidade é um valor. Precisa, no entanto, ser implementada enquanto tal.    O discurso docente afirma a diversidade cultural. Contudo, as observações e análises  da pesquisa demonstraram haver uma necessidade de implementação de ações voltadas para  as  mudanças.  A  visão  docente  precisa  ser  ampliada  para  enxergar  no  tratamento  dado  à  diversidade uma atenção para a inclusão social na educação. O valor da educação é sempre  ressalvado na dimensão financeira e ocupacional para o desenvolvimento do país. O discurso  corrente  assinala  não  haver  desenvolvimento  econômico  sem  educação de  qualidade.  Mas,  primeiro deveríamos indagar nosso entendimento sobre qualidade. A qualidade pressupõe na  superação  de  uma  compreensão  meramente  financeira  para  engrandecê‐la  na  perspectiva  social. Assim, uma educação multicultural é uma premissa para o desenvolvimento humano.  Educar  na perspectiva  da  diversidade  cultural  é uma  dimensão  democrática  de  considerar a  todos/as  como  sujeitos  da  história  e  da  educação.  Ser  sujeito  da  história  implica  em  ser  também participe dos resultados da mesma.      Outro ponto de observação e análise ficou centrado no currículo. O discurso docente  foi  fugaz  e  fortuito  na  explanação  das  considerações  sobre  este  instrumento  do  processo  educativo.  Os  docentes  demonstraram  dispor  de poucos  elementos para uma  compreensão  técnico‐profissional  diante  do  substrato  crucial  da  escolarização.  É  possível  situarmos  tais  lacunas na formação inicial e continuada. As considerações anteriores podem ser declinadas  para o projeto político‐pedagógico e a proposta curricular da escola. Talvez, a labuta no lesco‐ lesco distancie o docente de uma priorização na organização do seu projeto educativo. Apesar  de  esses/as afirmarem participar das discussões na  escola.  Contudo,  o discurso  nos  autoriza  assegurar essas questões como não sendo prioritárias neste processo de organização didática  e escolar.   As  políticas  educacionais,  portanto,  devem  ocorrer  atreladas  a  políticas  culturais de  fortalecimento  da  diferença.  Destarte,  o  currículo  pressupõe  uma  peça  de  condensação  da  escolarização. Um estado com uma estrutura jurídica de ordem multicultural necessita ouvir a  sociedade  civil  através  dos  movimentos  sociais  a  desmanchar  uma  tradição  infestada  nos  espaços de trabalho e escolares. É fato, a mudança da sociedade não ocorrer por decreto. É a  própria  sociedade  que  deve  fazê‐la.  No  entanto,  os  canais  de  alcance  social  precisam  ser  democratizados para as transformações culturais e educacionais.     REFERÊNCIAS  BANKS, J. e BANKS, C. Multicultural education: issues and perspectives. Boston: Ally and Bacon,  1993.  BANKS, J. “Multicultural education: approaches, developments and dimensions”. In. LYNCH, J.;  MODGIL, C.; MODGIL, S. Cultural diversity and school. London: Washington D.C.: The Falmer  Press, 1992.  BRASIL.  Secretaria  de  Educação  Fundamental.  Parâmetros  curriculares  nacionais:  temas  transversais. Brasília: MEC / SEF, 1998.  CONNELL, W.  Escuelas y justícia social, Madrid, Morata, 1997.  DANDURAND  et  OLLIVIER.  “Centralité  des  savoir  et  éducation:  vers  de  nouvelles  problematiques”. Sociologie et societé, vol. XXIII, nº. 05, 1991,p.55‐62.   ISSN 1983-1579 http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec 185
  • 7. ESPAÇO DO CURRÍCULO, v.6, n.1, p.171-186, Janeiro a Abril de 2013 DEWEY,  J..  Democracy  and  education:  an  introduction  to  the  philosophy  of  education.  New  York: Macmillan, 1916.  FREIRE,  P.  Pedagogia  da  autonomia:  saberes  necessários  à  prática  educativa.  33ª  ed.,  São  Paulo: Paz e Terra, 1996.   GIMENO, J. Educar y convivir en la cultura global. Madrid: Morata, 2001.  _______. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre, ArtMed, 2000.  _______.  Curriculum  y diversidad  cultural. In.  Revista  Educación  y  Sociedad,   n.  11,  Madrid,  1992, p.127‐153.  GONÇALVES, L. e SILVA,  P. O jogo das diferenças: o multiculturalismo e seus contextos. Belo  Horizonte, Autêntica, 2000.  HINDESS, B. “Multiculturalism and citizenship”. In. KUKATHAS, C. (Org.): Multicultural citizens.  The philosophy and politics of identity. St. Leonards: Center for Independent Studies, 1993, p.  33‐45.   IMBERNÓN, F. “Amplitud y profundidad de la mirada. La educación ayer, hoy y mañana”. En.  IMPBERNÓN,  R.  (Coord.).  La  educación  en  el  siglo  XXI.  Los  retos  del  futuro  inmediato.  Barcelona, Editorial Graó, 1999, p.63‐80.  ITXASO, E. “Una apuesta por el interculturalismo contra el multiculturalismo”. Revista Veritas,  n.2, 1998, p.303‐318.   KINCHELOE, J. e SREINBERG, S. Repensar el multiculturalismo. Barcelona, Octaedro, 2000.  McLAREN, P. Multiculturalismo crítico. S.Paulo, Cortez, 1997.  SANTOS, L. e PARAÍSO, M. “Currículo e diferenças culturais em tempo de globalização”. Revista  Presença Pedagógica, v.2, nº. 10 Belo Horizonte: Dimensão, jul./ago., 1996, p. 17‐22.   SEMPRINI, A. Multiculturalismo.  Bauru, EDUSC, 1999.  SILVA, T. Teoria cultural e educação: um vocabulário crítico. Belo Horizonte, Autêntica, 2000.  TAYLOR, C. Multiculturalism and the politics of recognition. Princeton: PUP, 1992.  TOCQUEVILLE, A. La democracia en América, v.1, Madrid: Alianza Editorial, 1980.  TOM  ZÉ  (2006).  Unimultiplicidade.  http://tom‐ze.letras.terra.com.br/imprimir‐letra/919299/,  20/12/06.  TORRES, J. “As culturas negadas e silenciadas no currículo”. In. SILVA, T.T. (Org.). Alienígenas  na  sala  de  aula:  uma  introdução  aos  estudos  culturais  em  educação.  Petrópolis,  RJ:  Vozes,  1995, p. 159‐177.  TOURAINE, A. “Qué es una sociedad multicultural? Falsos y verdaderos problemas”,  Revista  Claves de Razón Práctica, n. 56, 1995, p. 14 – 25.    ISSN 1983-1579 http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec 186