SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Eduardo Mariño Rial
Coordenador de Área - História
INTRODUÇÃO
Uma das tradições da área tem sido a de contribuir para a
construção da identidade, sendo esta entendida como a formação do
“cidadão patriótico”, do “homem civilizado” ou da “pessoa ajustada ao
seu meio” Isto é, caberia à História desenvolver no aluno a sua identidade
com a pátria, com o mundo civilizado ou com o país do trabalho e do
desenvolvimento.
Atualmente é preciso considerar essa tradição no ensino de
História, mas é necessário, simultaneamente, repensar sobre o que se
entende por identidade e qual a sua relevância para a sociedade brasileira
contemporânea .
PROBLEMÁTICA
Nas últimas décadas, a sociedade brasileira vive:
Internamente:
 Intenso processo migratório;
Nas suas relações com o mundo:
 Assimilação e intercâmbio de comportamentos, valores e tecnologiasAssimilação e intercâmbio de comportamentos, valores e tecnologias
que desarticulam formas tradicionais de trabalho e de relações
socioculturais.
 Deslocamentos populacionais e a expansão da economia e da cultura
mundial.
Esses fatores acabam criando situações dramáticas para a
identidade local, regional e nacional, na medida em que desestruturam
relações historicamente estabelecidas e desagregam valores. Essas,
situações atingem alcances que ainda não se pode avaliar.
AMENIZANDO A PROBLEMÁTICA
Os estudos históricos desempenham um papel importante, na
medida em que contemplam pesquisas e reflexões das representações
construídas socialmente e das relações estabelecidas entre os indivíduos,
os grupos, os povos e o mundo social, em uma época. Nesse sentido, o
ensino de História pode fazer escolhas pedagógicas capazes de
possibilitar ao aluno refletir sobre seus valores e suas práticas cotidianas
e relacioná-los com problemáticas históricas inerentes ao seu grupo de
convívio, à sua localidade, à sua região e à sociedade nacional e mundial.
Para se formar cidadãos conscientes e críticos da realidade em
que estão inseridos, é necessário fazer escolhas pedagógicas pelas quais
o estudante possa conhecer as problemáticas e os anseios individuais, de
classes e de grupos - local, regional, nacional e internacional - que
projetam a cidadania como prática e ideal; distinguir as diferenças do
significado de cidadania para vários povos, e conhecer conceituações
históricas delineadas por estudiosos do tema em diferentes épocas.
 Uma das sugestões para a questão da identidade, é o trabalho
favorecendo a construção, pelo aluno, de noções de diferença,
semelhança, transformação e permanência. Essas são noções que
auxiliam na identificação e na distinção do “eu”, do “outro” e do
“nós” no tempo.
 A percepção do “outro” (diferente) e do “nós” (semelhante) é
diversa em cada cultura e no tempo. Ela depende de informações e
de valores sociais historicamente construídos. É sempre mediada
por comportamentos e por experiências pessoais e da sociedade
em que se vive.
 E o “eu”????
Hoje em dia, a percepção do “outro” e do “nós” está
relacionada à possibilidade de identificação das diferenças e,
simultaneamente, das semelhanças. A sociedade atual solicita:
 Que se enfrente a heterogeneidade e que se distinga as
particularidades dos grupos e das culturas, seus valores, interesses e
identidades.
 Que o reconhecimento das diferenças não fundamente relações de
dominação, submissão, preconceito ou desigualdade.
 Reconhecer o papel que é exercido pelas mediações construídas
por experiências sociais e culturais na organização de valores, que:
• sugerem, mas não impõem (o que é bom, mau, belo, feio, superior,
inferior, etc).
• orientam, mas não restringem (as ações de aproximação,
distanciamento, isolamento, assimilação, rejeição, etc).
Do ponto de vista da historiografia e do ensino de História, a
questão da cidadania tem sido debatida como um problema
fundamental das sociedades deste final de milênio. Se em outras épocas
a sua abrangência estava relacionada principalmente à questão da
participação política no Estado, aliando-se à questão dos direitos sociais,
hoje sua dimensão tem sido sistematicamente ampliada para incluir
novos direitos conforme as condições de vida do mundo
contemporâneo. Têm sido reavaliadas as contradições e as tensões
manifestas na realidade ligadas ao distanciamento entre os direitos
constitucionais e as práticas cotidianas. Assim, a questão da cidadania
envolve hoje novos temas e problemas tais como, dentre outros: o
desemprego; a segregação étnica e religiosa; o reconhecimento da
especificidade cultural indígena; os novos movimentos sociais; o
desrespeito pela vida e pela saúde; a preservação do patrimônio
histórico-cultural; a preservação do meio ambiente; a ausência de ética
nos meios de comunicação de massa; o crescimento da violência e da
criminalidade.
LEI Nº 11.645, DE 10 MARÇO DE 2008.
 Altera  a  Lei  no
 9.394,  de  20  de  dezembro  de  1996,  modificada  pela  Lei  no
 10.639,  de  9  de 
janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial 
da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte 
Lei:
Art. 1o
  O art. 26-A da Lei no
 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar com a seguinte redação:
“Art. 26-A.  Nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados, torna-
se obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena.
§  1o
   O  conteúdo  programático  a  que  se  refere  este  artigo  incluirá  diversos  aspectos  da  história  e  da 
cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos étnicos, tais 
como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a 
cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as 
suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil.
§ 2o
  Os conteúdos referentes à história e cultura afro-brasileira e dos povos indígenas brasileiros serão 
ministrados  no  âmbito  de  todo  o  currículo  escolar,  em  especial  nas  áreas  de  educação  artística  e  de 
literatura e história brasileiras.” (NR)
Art. 2o
  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília,  10  de  março  de 2008; 187o
 da Independência e 120o
 da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Fernando Haddad
Este texto não substitui o publicado no DOU de 11.3.2008.
 
texto extraído de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm
O QUE DIZ O MEC
Com relação ao ensino da história e cultura indígena, a Coordenação
Geral da Educação Escolar Indígena, ligada à Secretaria de Educação Continuada,
Alfabetização e Diversidade (Secad) do Mec, explica que a escolha sobre a forma
de abordagem dos temas depende da realidade de cada escola. "Depende do
projeto pedagógico da escola. Se for um projeto multidisciplinar, a abordagem não
será em disciplinas, mas por temas de estudo. Nos estudos da língua, por
exemplo, pode-se discutir a literatura oral dos povos indígenas e mais
recentemente a literatura também escrita. Nos estudos da sociedade, discutir as
formas de organização social dos povos indígenas que diferem entre si e entre
nossa sociedade. Nos estudos de matemática, apresentar os diferentes sistemas
de contagem dos povos indígenas e em que esses sistemas são empregados. Se o
projeto for disciplinar, será melhor trabalhar por temática específica para
aprofundar o conhecimento", orienta a coordenação, por meio da assessoria de
imprensa.
A coordenadora geral de Educação da Diversidade da Secad, Leonor
Franco, reafirma que a história e cultura afro-brasileiras, africanas e indígenas são
componentes curriculares a serem incluídos em todas as disciplinas,
especialmente naquelas destacadas pela legislação - educação artística, literatura
e história
OBS: Não deve existir preocupação em ensinar formalmente aos
alunos os ritmos de tempo predominantes em uma ou em outra
sociedade histórica. Deve-se estudar relações e estabelecer
distinções ao se realizar estudos de épocas. Dessa forma, os alunos
podem encarar de modo crítico os valores que predominam na
sociedade atual, na qual o ritmo avassalador do relógio, da
produção da fábrica, da velocidade da informação e do
processamento dos computadores impõe, política, econômica e
culturalmente, as dinâmicas e as vivências de crianças, jovens,
mulheres, homens e velhos.
Bom trabalho!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coromandel pluraridade cultural g7
Coromandel pluraridade cultural g7Coromandel pluraridade cultural g7
Coromandel pluraridade cultural g7
temastransversais
 
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALIYour file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
temastransversais
 
Resumo pcn história1
Resumo pcn história1Resumo pcn história1
Resumo pcn história1
cmsrial13
 
Eixos temáticos de História
Eixos temáticos de HistóriaEixos temáticos de História
Eixos temáticos de História
Edenilson Morais
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
João Couto
 
Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade Cultural
Carminha
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
temastransversais
 
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
José Oliveira Junior
 
2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (1)
2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (1)2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (1)
2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (1)
Cristiane Taveira
 
Direitos humanos congresso
Direitos humanos congressoDireitos humanos congresso
Direitos humanos congresso
Wilson Melo
 
Ilicínea pluralidade cultural 2
Ilicínea pluralidade cultural 2Ilicínea pluralidade cultural 2
Ilicínea pluralidade cultural 2
temastransversais
 

Mais procurados (20)

Coromandel pluraridade cultural g7
Coromandel pluraridade cultural g7Coromandel pluraridade cultural g7
Coromandel pluraridade cultural g7
 
05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)05 08 pluraridade (1)
05 08 pluraridade (1)
 
Livro101
Livro101Livro101
Livro101
 
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
Pcn   10.2   Tt Pluralidade CulturalPcn   10.2   Tt Pluralidade Cultural
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
 
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALIYour file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
Your file BICASTIRADENTES_PLURALIDADECULTURALI
 
Pcn Historia Ef
Pcn Historia   EfPcn Historia   Ef
Pcn Historia Ef
 
Resumo pcn história1
Resumo pcn história1Resumo pcn história1
Resumo pcn história1
 
Eixos temáticos de História
Eixos temáticos de HistóriaEixos temáticos de História
Eixos temáticos de História
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
Educação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade CulturalEducação e Diversidade Cultural
Educação e Diversidade Cultural
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
 
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
EducaçãO Para A Diversidade (Out09)
 
Diversidade
DiversidadeDiversidade
Diversidade
 
Texto 2 - Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
Texto 2 -  Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...Texto 2 -  Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
Texto 2 - Currículo Intercultural e o processo de implantação da Lei 11. 645...
 
Workshop TIC@Algarve 2010 - As TIC como Ferramentas de Apoio à Diversidade Cu...
Workshop TIC@Algarve 2010 - As TIC como Ferramentas de Apoio à Diversidade Cu...Workshop TIC@Algarve 2010 - As TIC como Ferramentas de Apoio à Diversidade Cu...
Workshop TIC@Algarve 2010 - As TIC como Ferramentas de Apoio à Diversidade Cu...
 
2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (1)
2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (1)2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (1)
2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (1)
 
Pluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e EtniaPluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e Etnia
 
Direitos humanos congresso
Direitos humanos congressoDireitos humanos congresso
Direitos humanos congresso
 
Multiculturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologiaMulticulturalismo e a sociologia
Multiculturalismo e a sociologia
 
Ilicínea pluralidade cultural 2
Ilicínea pluralidade cultural 2Ilicínea pluralidade cultural 2
Ilicínea pluralidade cultural 2
 

Semelhante a Pcn história

Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
Aline Vaz
 
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocaretéLeitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Feab Campos Dos Goytacazes
 
Educação e Diversidade
Educação  e DiversidadeEducação  e Diversidade
Educação e Diversidade
culturaafro
 
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ivanizehonorato
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
Geraa Ufms
 
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
Instituto Uka
 
Bicastiradentes pluralidadeculturalii
Bicastiradentes pluralidadeculturaliiBicastiradentes pluralidadeculturalii
Bicastiradentes pluralidadeculturalii
temastransversais
 

Semelhante a Pcn história (20)

Apresentação diversidade 2013
Apresentação diversidade 2013Apresentação diversidade 2013
Apresentação diversidade 2013
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
Apresentação Diversidade 2013
Apresentação Diversidade 2013Apresentação Diversidade 2013
Apresentação Diversidade 2013
 
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocaretéLeitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
Leitura entre-mundos-metodologia-de-educação-ocareté
 
CULINARIA AFETIVA POWERPOINT.pptx
CULINARIA AFETIVA POWERPOINT.pptxCULINARIA AFETIVA POWERPOINT.pptx
CULINARIA AFETIVA POWERPOINT.pptx
 
Projeto memórias programação1
Projeto memórias programação1Projeto memórias programação1
Projeto memórias programação1
 
Educação e Diversidade
Educação  e DiversidadeEducação  e Diversidade
Educação e Diversidade
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
 
True (1)
True (1)True (1)
True (1)
 
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
 
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A  REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
A LITERATURA INDÍGENA NA ESCOLA: UM CAMINHO PARA A REFLEXÃO SOBRE A PLURALID...
 
Educaçao multicultural
Educaçao multiculturalEducaçao multicultural
Educaçao multicultural
 
Reunião pedagógica 03 06 2016
Reunião pedagógica 03 06 2016Reunião pedagógica 03 06 2016
Reunião pedagógica 03 06 2016
 
1524251146708.pdf
1524251146708.pdf1524251146708.pdf
1524251146708.pdf
 
Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
 
Interculturalidade
InterculturalidadeInterculturalidade
Interculturalidade
 
Bicastiradentes pluralidadeculturalii
Bicastiradentes pluralidadeculturaliiBicastiradentes pluralidadeculturalii
Bicastiradentes pluralidadeculturalii
 

Mais de Eduardo Mariño Rial

Curriculo do estado de sp ciências humanas
Curriculo do estado de sp   ciências humanasCurriculo do estado de sp   ciências humanas
Curriculo do estado de sp ciências humanas
Eduardo Mariño Rial
 
Atividades Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
Atividades Imperialismo e Primeira Guerra MundialAtividades Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
Atividades Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
Eduardo Mariño Rial
 
Atividades Guerra Fria e o Mundo Bipolar
Atividades Guerra Fria e o Mundo BipolarAtividades Guerra Fria e o Mundo Bipolar
Atividades Guerra Fria e o Mundo Bipolar
Eduardo Mariño Rial
 
Atividades Crise de 1929 e Regimes Totalitários
Atividades Crise de 1929 e Regimes TotalitáriosAtividades Crise de 1929 e Regimes Totalitários
Atividades Crise de 1929 e Regimes Totalitários
Eduardo Mariño Rial
 
Atividades Unificação da Itália
Atividades   Unificação da ItáliaAtividades   Unificação da Itália
Atividades Unificação da Itália
Eduardo Mariño Rial
 
Atividades Expansão Marítima e Colonizações
Atividades   Expansão Marítima e ColonizaçõesAtividades   Expansão Marítima e Colonizações
Atividades Expansão Marítima e Colonizações
Eduardo Mariño Rial
 
Atividades Capitalismo e Absolutismo
Atividades   Capitalismo e AbsolutismoAtividades   Capitalismo e Absolutismo
Atividades Capitalismo e Absolutismo
Eduardo Mariño Rial
 

Mais de Eduardo Mariño Rial (20)

Trabalho Multidisciplinar com Africanidade e Cultura Indígena
Trabalho Multidisciplinar com Africanidade e Cultura Indígena Trabalho Multidisciplinar com Africanidade e Cultura Indígena
Trabalho Multidisciplinar com Africanidade e Cultura Indígena
 
Lista de músicas para de trabalhar em História
Lista de músicas para de trabalhar em História Lista de músicas para de trabalhar em História
Lista de músicas para de trabalhar em História
 
Atividades Brasil Império
Atividades Brasil ImpérioAtividades Brasil Império
Atividades Brasil Império
 
Atividades Brasil Colônia
Atividades Brasil ColôniaAtividades Brasil Colônia
Atividades Brasil Colônia
 
Atividades Brasil pré-colonial
Atividades Brasil pré-colonialAtividades Brasil pré-colonial
Atividades Brasil pré-colonial
 
Imigração Espanhola (Galegos) em Santos
Imigração Espanhola (Galegos) em SantosImigração Espanhola (Galegos) em Santos
Imigração Espanhola (Galegos) em Santos
 
Curriculo do estado de sp ciências humanas
Curriculo do estado de sp   ciências humanasCurriculo do estado de sp   ciências humanas
Curriculo do estado de sp ciências humanas
 
Atividades Segunda Guerra Mundial
Atividades Segunda Guerra MundialAtividades Segunda Guerra Mundial
Atividades Segunda Guerra Mundial
 
Atividades Revolução Russa
Atividades Revolução RussaAtividades Revolução Russa
Atividades Revolução Russa
 
Atividades Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
Atividades Imperialismo e Primeira Guerra MundialAtividades Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
Atividades Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
 
Atividades Guerra Fria e o Mundo Bipolar
Atividades Guerra Fria e o Mundo BipolarAtividades Guerra Fria e o Mundo Bipolar
Atividades Guerra Fria e o Mundo Bipolar
 
Atividades Crise de 1929 e Regimes Totalitários
Atividades Crise de 1929 e Regimes TotalitáriosAtividades Crise de 1929 e Regimes Totalitários
Atividades Crise de 1929 e Regimes Totalitários
 
Nova Ordem Mundial
Nova Ordem MundialNova Ordem Mundial
Nova Ordem Mundial
 
Atividades Unificação da Itália
Atividades   Unificação da ItáliaAtividades   Unificação da Itália
Atividades Unificação da Itália
 
Atividades Revolução Francesa
Atividades   Revolução FrancesaAtividades   Revolução Francesa
Atividades Revolução Francesa
 
Atividades Renascimento
Atividades   RenascimentoAtividades   Renascimento
Atividades Renascimento
 
Atividades Iluminismo
Atividades   IluminismoAtividades   Iluminismo
Atividades Iluminismo
 
Atividades Expansão Marítima e Colonizações
Atividades   Expansão Marítima e ColonizaçõesAtividades   Expansão Marítima e Colonizações
Atividades Expansão Marítima e Colonizações
 
Atividades Colonialismo
Atividades   ColonialismoAtividades   Colonialismo
Atividades Colonialismo
 
Atividades Capitalismo e Absolutismo
Atividades   Capitalismo e AbsolutismoAtividades   Capitalismo e Absolutismo
Atividades Capitalismo e Absolutismo
 

Pcn história

  • 1. Eduardo Mariño Rial Coordenador de Área - História
  • 2. INTRODUÇÃO Uma das tradições da área tem sido a de contribuir para a construção da identidade, sendo esta entendida como a formação do “cidadão patriótico”, do “homem civilizado” ou da “pessoa ajustada ao seu meio” Isto é, caberia à História desenvolver no aluno a sua identidade com a pátria, com o mundo civilizado ou com o país do trabalho e do desenvolvimento. Atualmente é preciso considerar essa tradição no ensino de História, mas é necessário, simultaneamente, repensar sobre o que se entende por identidade e qual a sua relevância para a sociedade brasileira contemporânea .
  • 3. PROBLEMÁTICA Nas últimas décadas, a sociedade brasileira vive: Internamente:  Intenso processo migratório; Nas suas relações com o mundo:  Assimilação e intercâmbio de comportamentos, valores e tecnologiasAssimilação e intercâmbio de comportamentos, valores e tecnologias que desarticulam formas tradicionais de trabalho e de relações socioculturais.  Deslocamentos populacionais e a expansão da economia e da cultura mundial. Esses fatores acabam criando situações dramáticas para a identidade local, regional e nacional, na medida em que desestruturam relações historicamente estabelecidas e desagregam valores. Essas, situações atingem alcances que ainda não se pode avaliar.
  • 4. AMENIZANDO A PROBLEMÁTICA Os estudos históricos desempenham um papel importante, na medida em que contemplam pesquisas e reflexões das representações construídas socialmente e das relações estabelecidas entre os indivíduos, os grupos, os povos e o mundo social, em uma época. Nesse sentido, o ensino de História pode fazer escolhas pedagógicas capazes de possibilitar ao aluno refletir sobre seus valores e suas práticas cotidianas e relacioná-los com problemáticas históricas inerentes ao seu grupo de convívio, à sua localidade, à sua região e à sociedade nacional e mundial. Para se formar cidadãos conscientes e críticos da realidade em que estão inseridos, é necessário fazer escolhas pedagógicas pelas quais o estudante possa conhecer as problemáticas e os anseios individuais, de classes e de grupos - local, regional, nacional e internacional - que projetam a cidadania como prática e ideal; distinguir as diferenças do significado de cidadania para vários povos, e conhecer conceituações históricas delineadas por estudiosos do tema em diferentes épocas.
  • 5.  Uma das sugestões para a questão da identidade, é o trabalho favorecendo a construção, pelo aluno, de noções de diferença, semelhança, transformação e permanência. Essas são noções que auxiliam na identificação e na distinção do “eu”, do “outro” e do “nós” no tempo.  A percepção do “outro” (diferente) e do “nós” (semelhante) é diversa em cada cultura e no tempo. Ela depende de informações e de valores sociais historicamente construídos. É sempre mediada por comportamentos e por experiências pessoais e da sociedade em que se vive.  E o “eu”????
  • 6.
  • 7. Hoje em dia, a percepção do “outro” e do “nós” está relacionada à possibilidade de identificação das diferenças e, simultaneamente, das semelhanças. A sociedade atual solicita:  Que se enfrente a heterogeneidade e que se distinga as particularidades dos grupos e das culturas, seus valores, interesses e identidades.  Que o reconhecimento das diferenças não fundamente relações de dominação, submissão, preconceito ou desigualdade.  Reconhecer o papel que é exercido pelas mediações construídas por experiências sociais e culturais na organização de valores, que: • sugerem, mas não impõem (o que é bom, mau, belo, feio, superior, inferior, etc). • orientam, mas não restringem (as ações de aproximação, distanciamento, isolamento, assimilação, rejeição, etc).
  • 8. Do ponto de vista da historiografia e do ensino de História, a questão da cidadania tem sido debatida como um problema fundamental das sociedades deste final de milênio. Se em outras épocas a sua abrangência estava relacionada principalmente à questão da participação política no Estado, aliando-se à questão dos direitos sociais, hoje sua dimensão tem sido sistematicamente ampliada para incluir novos direitos conforme as condições de vida do mundo contemporâneo. Têm sido reavaliadas as contradições e as tensões manifestas na realidade ligadas ao distanciamento entre os direitos constitucionais e as práticas cotidianas. Assim, a questão da cidadania envolve hoje novos temas e problemas tais como, dentre outros: o desemprego; a segregação étnica e religiosa; o reconhecimento da especificidade cultural indígena; os novos movimentos sociais; o desrespeito pela vida e pela saúde; a preservação do patrimônio histórico-cultural; a preservação do meio ambiente; a ausência de ética nos meios de comunicação de massa; o crescimento da violência e da criminalidade.
  • 9. LEI Nº 11.645, DE 10 MARÇO DE 2008.  Altera  a  Lei  no  9.394,  de  20  de  dezembro  de  1996,  modificada  pela  Lei  no  10.639,  de  9  de  janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial  da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte  Lei: Art. 1o   O art. 26-A da Lei no  9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 26-A.  Nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados, torna- se obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena. §  1o    O  conteúdo  programático  a  que  se  refere  este  artigo  incluirá  diversos  aspectos  da  história  e  da  cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos étnicos, tais  como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a  cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as  suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil. § 2o   Os conteúdos referentes à história e cultura afro-brasileira e dos povos indígenas brasileiros serão  ministrados  no  âmbito  de  todo  o  currículo  escolar,  em  especial  nas  áreas  de  educação  artística  e  de  literatura e história brasileiras.” (NR) Art. 2o   Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília,  10  de  março  de 2008; 187o  da Independência e 120o  da República. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Fernando Haddad Este texto não substitui o publicado no DOU de 11.3.2008.   texto extraído de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm
  • 10. O QUE DIZ O MEC Com relação ao ensino da história e cultura indígena, a Coordenação Geral da Educação Escolar Indígena, ligada à Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) do Mec, explica que a escolha sobre a forma de abordagem dos temas depende da realidade de cada escola. "Depende do projeto pedagógico da escola. Se for um projeto multidisciplinar, a abordagem não será em disciplinas, mas por temas de estudo. Nos estudos da língua, por exemplo, pode-se discutir a literatura oral dos povos indígenas e mais recentemente a literatura também escrita. Nos estudos da sociedade, discutir as formas de organização social dos povos indígenas que diferem entre si e entre nossa sociedade. Nos estudos de matemática, apresentar os diferentes sistemas de contagem dos povos indígenas e em que esses sistemas são empregados. Se o projeto for disciplinar, será melhor trabalhar por temática específica para aprofundar o conhecimento", orienta a coordenação, por meio da assessoria de imprensa. A coordenadora geral de Educação da Diversidade da Secad, Leonor Franco, reafirma que a história e cultura afro-brasileiras, africanas e indígenas são componentes curriculares a serem incluídos em todas as disciplinas, especialmente naquelas destacadas pela legislação - educação artística, literatura e história
  • 11.
  • 12.
  • 13. OBS: Não deve existir preocupação em ensinar formalmente aos alunos os ritmos de tempo predominantes em uma ou em outra sociedade histórica. Deve-se estudar relações e estabelecer distinções ao se realizar estudos de épocas. Dessa forma, os alunos podem encarar de modo crítico os valores que predominam na sociedade atual, na qual o ritmo avassalador do relógio, da produção da fábrica, da velocidade da informação e do processamento dos computadores impõe, política, econômica e culturalmente, as dinâmicas e as vivências de crianças, jovens, mulheres, homens e velhos. Bom trabalho!!!