SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Margarida Barbosa Teixeira
BIODIVERSIDA
DE
Noções Básicas - Fotossíntese
 A Fotossíntese consiste na
produção de alimento - compostos
orgânicos, com intervenção da
energia solar.
 A energia solar é captada por
pigmentos específicos – clorofilas.
 A energia luminosa transforma-se
em energia química (contida nos
compostos orgânicos).
 Os seres fotossintéticos consomem
CO2 e H2O, para produzirem glicose
(composto orgânico). Neste
processo libertam O2.
2
Noções Básicas - Quimiossíntese
 A quimiossíntese consiste na produção de alimento - compostos
orgânicos, a partir da energia química dos compostos minerais (H2S,
CO2, NH3…).
 A energia química dos compostos minerais (compostos inorgânicos) é
transferida para os compostos orgânicos – glicose.
 Com este processo obtém-se pouca quantidade de compostos
orgânicos (é um processo pouco rentável).
 Só seres muito simples, com baixas necessidades energéticas, como
as bactérias, é que realizam a quimiossíntese.
3
Noções Básicas - Quimiossíntese
4
 No fundo dos oceanos, onde não chega a luz solar, podem encontrar-
se populações muito variadas.
 Como não há luz, os produtores não podem ser seres fotossintéticos,
como as plantas ou as algas.
Noções Básicas - Quimiossíntese
5
As fontes hidrotermais dos fundos
oceânicos emitem águas ricas em
sulfureto de enxofre (H2S)
Nestas zonas existem bactérias
sulfurosas que utilizam a energia química
do sulfureto de hidrogénio para
produzirem compostos orgânicos.
Estas bactérias sulfurosas, ao
realizarem a quimiossíntese produzem o
alimento, que permite a instalação de
ecossistemas ricos e variados.
Noções Básicas - Respiração
6
 Toda a atividade que ocorre na célula (atividade celular) consome
energia.
 A respiração consiste na degradação de compostos orgânicos – glicose
- para obtenção de energia, necessária para a atividade celular.
 Neste processo a célula consome O2 e liberta CO2 e H2O.
Noções Básicas –Tipos de Nutrição
7
Tipo de
nutrição
Autotrófico Heterotrófico
Quimiossintético Fotossintético Por absorção
(de micromoléculas
– monómeros)
Por ingestão
(digestão
intracorporal)
Digestão
intracelular
(no interior da
célula)
Digestão
extracelular
(Em cavidade
digestiva)
Posição ocupada pelos seres vivos
no ecossistema
 Os seres vivos podem ocupar diferentes posições no ecossistema:
- produtores,
- consumidores – microconsumidores ou macroconsumidores,
- decompositores.
8
Seres vivos unicelulares / multicelulares
 A célula é a unidade fundamental da
vida.
 As células podem surgir na natureza
de forma isolada - seres unicelulares
– ou associadas entre si – seres
multicelulares (ou pluricelulares).
9
Seres procariontes / eucariontes
 Os seres procariontes são formados por uma só
célula muito simples, sem núcleo organizado –
célula procariótica.
 As bactérias são seres procariontes.
 Os seres eucariontes apresentam células mais
complexas, com núcleo organizado e delimitado
por um invólucro – células eucarióticas.
 Os seres que possuem células eucarióticas
podem ser unicelulares ou pluricelulares.
10
Sistemas de classificação
 Para facilitar a
compreensão da atual
diversidade, os biólogos
utilizam sistemas de
classificação para
agrupar os seres vivos.
 Um dos sistemas de
classificação mais
utilizado foi proposto por
Whittaker (1979).
 O sistema de Whittaker
considera 5 Reinos:
 Monera,
 Protista,
 Fungos,
 Plantas,
 Animal.
11
Sistemas de classificação
 A classificação de Whittaker baseia-se nos seguintes critérios:
 Nível de organização celular,
 Tipo de nutrição,
 Posição no ecossistema.
12
Nível de
organização
celular
Procarionte Eucarionte
Unicelular Multicelular
Posição no
ecossistema
Produtor Consumidor
Micro-
consumidor
Macro-
consumidor
Sistemas de classificação
 A classificação de Whittaker baseia-se nos seguintes critérios:
 Nível de organização celular,
 Tipo de nutrição,
 Posição no ecossistema.
13
Tipo de
nutrição
Autotrófico Heterotrófico
Quimiossintético Fotossintético Por absorção Por ingestão
Sistemas de classificação
14
Reino Monera
 Formado por organismos:
o procariontes
o unicelulares,
o autotróficos (fotossíntese ou quimiossíntese) ou heterotróficos
(por absorção),
o microconsumidores
15
Reino Protista
 Formado por organismos:
- eucariontes,
- unicelulares (exceto as algas, pluricelulares com baixo grau de
diferenciação),
- autotróficos (fotossíntese) ou heterotróficos (por absorção ou por
ingestão).
16
Reino dos Fungos
 Seres eucariontes, multicelulares (exceto
as leveduras, unicelulares), heterotróficos
(por absorção) e microconsumidores.
 Absorvem as substâncias alimentares do
meio (por vezes digeridas por digestão
extracorporal).
 Podem ser:
- decompositores
- parasitas
- simbióticos (fungos+algas=líquenes)
17
Reino das Plantas
 Seres eucariontes,
pluricelulares, autotróficos
(fotossíntese).
18
Reino dos Animais
 Seres eucariontes, pluricelulares e
heterotróficos (ingestão, com
digestão intracorporal - intracelular
e/ou extracelular).
19
Biodiversidade
 Biodiversidade abarca várias dimensões:
o diversidade genética - cada indivíduo no interior de uma espécie
é geneticamente diferente dos outros
variabilidade dentro da espécie.
o diversidade ecológica - as associações de espécies existentes
num determinado ecossistema são diferentes das de outro
ecossistema.
variabilidade no número e tipo de espécies em cada área
o diversidade de espécies – variedade de espécies à escala local,
regional ou global.
20
Biosfera
 Sistema global que inclui:
- todas as formas de vida
existentes na Terra,
- os respetivos ambientes,
- todas as relações
estabelecidas entre si.
21
Sistemas biológicos
 Os sistemas biológicos estão organizados de uma forma hierárquica.
22
Organização hierárquica dos sistemas biológicos
23
Organização hierárquica dos sistemas biológicos (cont.)
24
Célula
 A célula é a unidade
fundamental da vida.
25
Organização biológica - da célula ao organismo
 Nos seres multicelulares, as células,
iguais ou diferentes, associam-se para
realizar uma determinada função,
formando um tecido.
 Normalmente, diferentes grupos de
tecidos associam-se para formar
grandes estruturas designadas
órgãos.
 Estes órgãos podem formar sistemas
de órgãos.
 Os sistemas de órgãos cooperam na
formação de organismos.
26
Espécie e população
 São da mesma espécie os
organismos idênticos, capazes
de se cruzarem entre si e
originarem descendentes
férteis.
 Os seres vivos da mesma
espécie que habitam uma
determinada área constituem
uma população.
27
Comunidade
 Indivíduos de espécies
diferentes (diferentes
populações) que habitam uma
mesma área e estabelecem
relações entre si formam uma
comunidade biótica (ou
biocenose).
28
Ecossistema
 O conjunto da comunidade, do
ambiente e as relações que se
estabelecem entre si, formam um
sistema ecológico ou ecossistema.
 Todos os ecossistemas da Terra
formam a biosfera.
 Num ecossistema existem os
componentes bióticos (seres
vivos) e componentes abióticos
(fatores ambientais).
29
Modos de nutrição
Autotrófico
Quimiossíntes
e
Fotossíntese
Heterotrófico
Absorção
(de monómeros)
Ingestão
Digestão intracorporal
Digestão intracelular Digestão extracelular
30
Cadeias alimentares
 Os seres vivos de um ecossistema
estabelecem relações tróficas
(alimentares), que envolvem
transferências de matéria e
energia, quer entre os seres vivos,
quer entre esses seres vivos e o
meio.
 Estas relações tróficas constituem
as cadeias alimentares.
 Uma cadeia alimentar pode ser
definida como uma sequência de
seres vivos que se inter-relacionam
a nível alimentar.
31
Teias alimentares
 As cadeias alimentares inter-
relacionam-se, originando as
teias alimentares ou redes
tróficas.
32
Níveis tróficos
 Nas cadeias alimentares, pode considerar-se a existência de três
categorias de seres vivos:
- produtores,
- consumidores,
- decompositores.
33
Produtores
 Seres capazes de produzirem compostos orgânicos – seres
autotróficos - a partir de compostos inorgânicos, através da
quimiossíntese e da fotossíntese.
34
Consumidores
 São seres vivos incapazes de produzir compostos orgânicos a
partir de compostos inorgânicos – seres heterotróficos – e, por
isso, alimentam-se direta ou indiretamente da matéria elaborada
pelos produtores.
35
Decompositores
 Transformam a matéria
orgânica em matéria inorgânica
(mineral), assegurando a
devolução dos minerais
(inicialmente incorporados pelos
produtores) ao meio.
 Seres vivos que obtêm a
matéria orgânica a partir de
outros seres vivos, decompondo:
- detritos vegetais,
- cadáveres,
- excrementos de animais.
36
Fluxo de matéria
 Os seres fotossintéticos produzem matéria orgânica a partir da
energia solar, água, sais minerais e dióxido de carbono (CO2).
 Os consumidores alimentam-se da matéria orgânica existente no
corpo dos produtores ou em outros consumidores.
 Os decompositores transformam a matéria orgânica em matéria
mineral, permitindo que a matéria mineral regresse ao solo ou à água
podendo novamente ser usada pelos produtores.
 A matéria circula dos produtores para os consumidores e de ambos
para os decompositores e destes novamente para os produtores.
O fluxo da matéria é cíclico
37
Fluxo de energia
 A energia luminosa é transformada em energia química pelas plantas
e outros seres fotossintéticos.
 Esta energia é utilizada pelos seres fotossintéticos para as suas
atividades e alguma fica armazenada nas substâncias orgânicas que
constituem o seu corpo.
 Os herbívoros ao comerem as plantas vão obter energia a partir dos
alimentos que ingerirem. Dos consumidores de 1.ª ordem a energia
passa para os de 2.ª e assim sucessivamente.
 Há um fluxo de energia que passa do Sol para os seres
autotróficos e destes para os heterotróficos.
 O fluxo de energia diminui à medida que o nível trófico aumenta.
O fluxo de energia é unidirecional
38
Fluxo de energia
 Nas reações químicas que
ocorrem ao nível do
metabolismo celular há perda
de energia sob a forma de
calor.
 No ecossistema, de um nível
trófico para o seguinte, há
perda de energia.
 Da base para o topo da
pirâmide a quantidade de
energia vai diminuindo.
39
Evolução e extinção
40
Evolução e extinção
 Desde que a vida surgiu na Terra, até à
atualidade:
- seres unicelulares deram origem,
por evolução, a uma enorme
diversidade de organismos com
diferentes graus de complexidade.
- um elevado número de espécies terá
surgido e outras tantas terão sido
extintas.
41
Evolução e extinção
No passado, as extinções em massa foram
originadas por factores climáticos e
geológicos, como por exemplo:
–grandes variações de temperatura
(aquecimento global/ glaciação),
–variações do nível do mar (regressões
/transgressões),
- movimento dos continentes,
- vulcanismo muito ativo,
- impactos de meteoros, cometas e asteróides
- …..
42
Evolução e extinção
Atualmente, o ritmo de extinção é 1000 a 10.000 vezes
superior devido à ação direta ou indireta do Homem:
- sobre-exploração/exploração excessiva dos recursos agrícolas,
florestais, cinegéticos, piscícolas…,
- introdução de predadores, doenças ou espécies exóticas,
- alterações climáticas (chuvas ácidas e intensificação do efeito de
estufa),
- interrupções de relações de mutualismo,
- destruição/fragmentação do habitat (poluição, turismo,
urbanização, desflorestação, exploração agrícola),
- redução do potencial genético derivado da consanguinidade,
resultante do aumento de cruzamentos entre indivíduos
geneticamente próximos,
- ruptura das cadeias alimentares…
43
Evolução e extinção
44
Conservação
45
Áreas protegidas
Conservação
 A necessidade da conservação tem levado à
criação de áreas protegidas.
 Uma área protegida é uma zona delimitada
em que qualquer intervenção humana está
condicionada e sujeita a regulamentos
específicos tendo em vista a proteção
ambiental e a conservação do património
natural, não só para as gerações atuais
como para as gerações futuras.
46
Conservação
Estratégias de conservação e recuperação das espécies em risco
1ª Etapa: identificar quais as espécies que se encontram em vias
de extinção.
2ªEtapa: identificar as causas do declínio para assim conhecer os
factores que estão a provocar a extinção de uma espécie.
3ªEtapa: inverter a tendência do declínio promovendo a
neutralização e /ou remoção dos agentes causadores de extinção.
47
Conservação - Medidas a adoptar
 Criação de zonas protegidas (reservas, parques naturais).
 Educar e informar a população, especialmente os jovens sobre a
necessidade de proteger os habitats e as espécies.
 Definir as utilizações dos habitats que possam dar maior
benefício ao Homem sem os destruir, evitando as que possam
degradá-los.
 Recuperação de áreas degradadas.
 Incentivar as investigações científica e tecnológica, no campo
de práticas não poluentes.
 Proteger espécies ameaçadas ou em risco de extinção, quer por
parte dos governos quer por parte de grupos ecologistas.
 Criar leis que assegurem o cumprimento dos aspectos
anteriormente referidos.
48
Importância dos ecossistemas
Do bom funcionamento dos ecossistemas depende:
- a biodiversidade;
- a manutenção da fertilidade dos solos;
- a prevenção da erosão dos solos;
- a reciclagem de produtos residuais;
- a regulação do ciclo da água e da composição da atmosfera;
- o controlo das pragas na agricultura…
49

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terramargaridabt
 
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)InesTeixeiraDuarte
 
Fotossíntese e quimiossíntese
Fotossíntese e quimiossínteseFotossíntese e quimiossíntese
Fotossíntese e quimiossínteseProfessora Raquel
 
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivosHugo Martins
 
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia-  obtenção de matériaMódulo 2 - biologia-  obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia- obtenção de matériaRaquel Rodrigues
 
7 métodos estudo interior da terra
7   métodos estudo interior da terra7   métodos estudo interior da terra
7 métodos estudo interior da terramargaridabt
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraAna Castro
 
1 a idade da terra
1   a idade da terra1   a idade da terra
1 a idade da terramargaridabt
 
Obtenção de matéria seres autotróficos
Obtenção de matéria   seres autotróficosObtenção de matéria   seres autotróficos
Obtenção de matéria seres autotróficosIsabel Lopes
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosferaHugo Martins
 
Membrana plasmática
Membrana  plasmáticaMembrana  plasmática
Membrana plasmáticamargaridabt
 
BioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoBioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoRita Rainho
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Bio
 
Movimentos transmembranares
Movimentos transmembranaresMovimentos transmembranares
Movimentos transmembranaresmargaridabt
 

Mais procurados (20)

Digestão
DigestãoDigestão
Digestão
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
 
Biomoléculas
BiomoléculasBiomoléculas
Biomoléculas
 
Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
 
Fotossíntese e quimiossíntese
Fotossíntese e quimiossínteseFotossíntese e quimiossíntese
Fotossíntese e quimiossíntese
 
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
 
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia-  obtenção de matériaMódulo 2 - biologia-  obtenção de matéria
Módulo 2 - biologia- obtenção de matéria
 
7 métodos estudo interior da terra
7   métodos estudo interior da terra7   métodos estudo interior da terra
7 métodos estudo interior da terra
 
11) fotossíntese
11) fotossíntese11) fotossíntese
11) fotossíntese
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
 
1 a idade da terra
1   a idade da terra1   a idade da terra
1 a idade da terra
 
Obtenção de matéria seres autotróficos
Obtenção de matéria   seres autotróficosObtenção de matéria   seres autotróficos
Obtenção de matéria seres autotróficos
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
 
Membrana plasmática
Membrana  plasmáticaMembrana  plasmática
Membrana plasmática
 
BioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológicoBioGeo10-mobilismo geológico
BioGeo10-mobilismo geológico
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Fermentação
FermentaçãoFermentação
Fermentação
 
Ingestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorçãoIngestão, digestão e absorção
Ingestão, digestão e absorção
 
Movimentos transmembranares
Movimentos transmembranaresMovimentos transmembranares
Movimentos transmembranares
 

Destaque

10 unicelularidade e multicelularidade
10  unicelularidade e multicelularidade10  unicelularidade e multicelularidade
10 unicelularidade e multicelularidademargaridabt
 
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energiaHugo Martins
 
Trabalho biomoléculas
Trabalho biomoléculasTrabalho biomoléculas
Trabalho biomoléculasmargaridabt
 
B6 obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
B6   obtenção de matéria pelos seres heterotróficosB6   obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
B6 obtenção de matéria pelos seres heterotróficosNuno Correia
 
1 intervenção do homem ...
1   intervenção do homem ...1   intervenção do homem ...
1 intervenção do homem ...margaridabt
 
Obtencao de materia_pelos_seres_heterotroficos_-_membrana_celular
Obtencao de materia_pelos_seres_heterotroficos_-_membrana_celularObtencao de materia_pelos_seres_heterotroficos_-_membrana_celular
Obtencao de materia_pelos_seres_heterotroficos_-_membrana_celularDaniel Gonçalves
 
Resumo 11º ano - rochas sedimentares
Resumo   11º ano - rochas sedimentaresResumo   11º ano - rochas sedimentares
Resumo 11º ano - rochas sedimentaresHugo Martins
 
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicasHugo Martins
 
Obtenção de matéria seres heterotróficos
Obtenção de matéria   seres heterotróficosObtenção de matéria   seres heterotróficos
Obtenção de matéria seres heterotróficosIsabel Lopes
 
(6) biologia e geologia 10º ano - distribuição de matéria
(6) biologia e geologia   10º ano - distribuição de matéria(6) biologia e geologia   10º ano - distribuição de matéria
(6) biologia e geologia 10º ano - distribuição de matériaHugo Martins
 
Resumo 11º ano - rochas metamórficas
Resumo   11º ano - rochas metamórficasResumo   11º ano - rochas metamórficas
Resumo 11º ano - rochas metamórficasHugo Martins
 
Resumo sismologia e estrutura interna da terra
Resumo   sismologia e estrutura interna da terraResumo   sismologia e estrutura interna da terra
Resumo sismologia e estrutura interna da terraHugo Martins
 
Kahoot biomoléculas e alimentação
Kahoot   biomoléculas e alimentaçãoKahoot   biomoléculas e alimentação
Kahoot biomoléculas e alimentaçãomargaridabt
 
Apoio para os testes intermédios
Apoio para os testes intermédiosApoio para os testes intermédios
Apoio para os testes intermédiosHugo Martins
 

Destaque (20)

10 unicelularidade e multicelularidade
10  unicelularidade e multicelularidade10  unicelularidade e multicelularidade
10 unicelularidade e multicelularidade
 
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia(8) biologia e geologia   10º ano - obtenção de energia
(8) biologia e geologia 10º ano - obtenção de energia
 
A CéLula
A CéLulaA CéLula
A CéLula
 
8 vulcanologia
8   vulcanologia8   vulcanologia
8 vulcanologia
 
Trabalho biomoléculas
Trabalho biomoléculasTrabalho biomoléculas
Trabalho biomoléculas
 
Biosfera 3
Biosfera 3Biosfera 3
Biosfera 3
 
B6 obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
B6   obtenção de matéria pelos seres heterotróficosB6   obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
B6 obtenção de matéria pelos seres heterotróficos
 
1 intervenção do homem ...
1   intervenção do homem ...1   intervenção do homem ...
1 intervenção do homem ...
 
Obtencao de materia_pelos_seres_heterotroficos_-_membrana_celular
Obtencao de materia_pelos_seres_heterotroficos_-_membrana_celularObtencao de materia_pelos_seres_heterotroficos_-_membrana_celular
Obtencao de materia_pelos_seres_heterotroficos_-_membrana_celular
 
Cn vulcanismo 1
Cn   vulcanismo 1 Cn   vulcanismo 1
Cn vulcanismo 1
 
Resumo 11º ano - rochas sedimentares
Resumo   11º ano - rochas sedimentaresResumo   11º ano - rochas sedimentares
Resumo 11º ano - rochas sedimentares
 
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
 
Obtenção de matéria seres heterotróficos
Obtenção de matéria   seres heterotróficosObtenção de matéria   seres heterotróficos
Obtenção de matéria seres heterotróficos
 
(6) biologia e geologia 10º ano - distribuição de matéria
(6) biologia e geologia   10º ano - distribuição de matéria(6) biologia e geologia   10º ano - distribuição de matéria
(6) biologia e geologia 10º ano - distribuição de matéria
 
Resumo 11º ano - rochas metamórficas
Resumo   11º ano - rochas metamórficasResumo   11º ano - rochas metamórficas
Resumo 11º ano - rochas metamórficas
 
Resumo sismologia e estrutura interna da terra
Resumo   sismologia e estrutura interna da terraResumo   sismologia e estrutura interna da terra
Resumo sismologia e estrutura interna da terra
 
Biosfera 2
Biosfera 2Biosfera 2
Biosfera 2
 
Kahoot biomoléculas e alimentação
Kahoot   biomoléculas e alimentaçãoKahoot   biomoléculas e alimentação
Kahoot biomoléculas e alimentação
 
CéLula 1
CéLula 1CéLula 1
CéLula 1
 
Apoio para os testes intermédios
Apoio para os testes intermédiosApoio para os testes intermédios
Apoio para os testes intermédios
 

Semelhante a 1 biodiversidade (2017)

1 biodiversidade
1   biodiversidade1   biodiversidade
1 biodiversidademargaridabt
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point margaridabt
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point margaridabt
 
1 biodiversidade
1   biodiversidade1   biodiversidade
1 biodiversidademargaridabt
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point margaridabt
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point margaridabt
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraCarla Brites
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraCarla Brites
 
resumoglobalgeologia10ano_2.docx
resumoglobalgeologia10ano_2.docxresumoglobalgeologia10ano_2.docx
resumoglobalgeologia10ano_2.docxNonoTuber
 
Vida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivosVida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivosJolealpp
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresAngela Boucinha
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia8ºC
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia8ºC
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia8ºC
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia8ºC
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia8ºC
 
Capítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaCapítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaSarah Lemes
 
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoResumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoVitor Perfeito
 

Semelhante a 1 biodiversidade (2017) (20)

1 biodiversidade
1   biodiversidade1   biodiversidade
1 biodiversidade
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 
1 biodiversidade
1   biodiversidade1   biodiversidade
1 biodiversidade
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 
Biosfera power point
Biosfera  power point Biosfera  power point
Biosfera power point
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
Fluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéraFluxo de energia e ciclo de matéra
Fluxo de energia e ciclo de matéra
 
resumoglobalgeologia10ano_2.docx
resumoglobalgeologia10ano_2.docxresumoglobalgeologia10ano_2.docx
resumoglobalgeologia10ano_2.docx
 
Vida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivosVida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivos
 
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentaresFicha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
Ficha e-trabalho-cadeias-e-teias-alimentares
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRiaFluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
Fluxo De Energia E Ciclo De MatéRia
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
 
Biologia vol3
Biologia vol3Biologia vol3
Biologia vol3
 
Capítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaCapítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vida
 
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoResumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
 

Mais de margaridabt

1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestresmargaridabt
 
Critérios de avaliação
Critérios de avaliação Critérios de avaliação
Critérios de avaliação margaridabt
 
Programação 11ºC - 2017-18
Programação 11ºC - 2017-18Programação 11ºC - 2017-18
Programação 11ºC - 2017-18margaridabt
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaismargaridabt
 
Programação Anual 10º 2016/17
Programação Anual 10º 2016/17Programação Anual 10º 2016/17
Programação Anual 10º 2016/17margaridabt
 
Critérios de classificação dos testes
Critérios de classificação dos testesCritérios de classificação dos testes
Critérios de classificação dos testesmargaridabt
 
Criterios avaliação 10 e 11 biologia geologia12biologia 2016 17
Criterios avaliação 10 e 11 biologia geologia12biologia 2016 17Criterios avaliação 10 e 11 biologia geologia12biologia 2016 17
Criterios avaliação 10 e 11 biologia geologia12biologia 2016 17margaridabt
 
Temas 10ºano testes 11º
Temas 10ºano testes 11ºTemas 10ºano testes 11º
Temas 10ºano testes 11ºmargaridabt
 
Programação anual 11ºB
Programação anual 11ºBProgramação anual 11ºB
Programação anual 11ºBmargaridabt
 
Criterios av. 10 11º biologia geologia 15-16
Criterios av. 10 11º biologia geologia 15-16Criterios av. 10 11º biologia geologia 15-16
Criterios av. 10 11º biologia geologia 15-16margaridabt
 
Critérios classificação testes BG
Critérios classificação testes BGCritérios classificação testes BG
Critérios classificação testes BGmargaridabt
 
Programação anual 10º C
Programação anual 10º CProgramação anual 10º C
Programação anual 10º Cmargaridabt
 
Matriz exame bg 2015
Matriz exame bg 2015Matriz exame bg 2015
Matriz exame bg 2015margaridabt
 
Programação 11º B 2014 15
Programação 11º B 2014 15Programação 11º B 2014 15
Programação 11º B 2014 15margaridabt
 
Criterios biologiageologia2014 15
Criterios biologiageologia2014 15Criterios biologiageologia2014 15
Criterios biologiageologia2014 15margaridabt
 
Critérios de classificação dos testes
Critérios de classificação dos testes Critérios de classificação dos testes
Critérios de classificação dos testes margaridabt
 
Temas 10ºano testes 11º6 testes
Temas 10ºano testes 11º6 testesTemas 10ºano testes 11º6 testes
Temas 10ºano testes 11º6 testesmargaridabt
 
Programação 10º b pais 2014 15
Programação 10º b pais 2014 15Programação 10º b pais 2014 15
Programação 10º b pais 2014 15margaridabt
 
Método Científico
Método CientíficoMétodo Científico
Método Científicomargaridabt
 

Mais de margaridabt (20)

1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
 
Critérios de avaliação
Critérios de avaliação Critérios de avaliação
Critérios de avaliação
 
Programação 11ºC - 2017-18
Programação 11ºC - 2017-18Programação 11ºC - 2017-18
Programação 11ºC - 2017-18
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
Programação Anual 10º 2016/17
Programação Anual 10º 2016/17Programação Anual 10º 2016/17
Programação Anual 10º 2016/17
 
2 as rochas
2   as rochas2   as rochas
2 as rochas
 
Critérios de classificação dos testes
Critérios de classificação dos testesCritérios de classificação dos testes
Critérios de classificação dos testes
 
Criterios avaliação 10 e 11 biologia geologia12biologia 2016 17
Criterios avaliação 10 e 11 biologia geologia12biologia 2016 17Criterios avaliação 10 e 11 biologia geologia12biologia 2016 17
Criterios avaliação 10 e 11 biologia geologia12biologia 2016 17
 
Temas 10ºano testes 11º
Temas 10ºano testes 11ºTemas 10ºano testes 11º
Temas 10ºano testes 11º
 
Programação anual 11ºB
Programação anual 11ºBProgramação anual 11ºB
Programação anual 11ºB
 
Criterios av. 10 11º biologia geologia 15-16
Criterios av. 10 11º biologia geologia 15-16Criterios av. 10 11º biologia geologia 15-16
Criterios av. 10 11º biologia geologia 15-16
 
Critérios classificação testes BG
Critérios classificação testes BGCritérios classificação testes BG
Critérios classificação testes BG
 
Programação anual 10º C
Programação anual 10º CProgramação anual 10º C
Programação anual 10º C
 
Matriz exame bg 2015
Matriz exame bg 2015Matriz exame bg 2015
Matriz exame bg 2015
 
Programação 11º B 2014 15
Programação 11º B 2014 15Programação 11º B 2014 15
Programação 11º B 2014 15
 
Criterios biologiageologia2014 15
Criterios biologiageologia2014 15Criterios biologiageologia2014 15
Criterios biologiageologia2014 15
 
Critérios de classificação dos testes
Critérios de classificação dos testes Critérios de classificação dos testes
Critérios de classificação dos testes
 
Temas 10ºano testes 11º6 testes
Temas 10ºano testes 11º6 testesTemas 10ºano testes 11º6 testes
Temas 10ºano testes 11º6 testes
 
Programação 10º b pais 2014 15
Programação 10º b pais 2014 15Programação 10º b pais 2014 15
Programação 10º b pais 2014 15
 
Método Científico
Método CientíficoMétodo Científico
Método Científico
 

Último

Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 

Último (20)

Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 

1 biodiversidade (2017)

  • 2. Noções Básicas - Fotossíntese  A Fotossíntese consiste na produção de alimento - compostos orgânicos, com intervenção da energia solar.  A energia solar é captada por pigmentos específicos – clorofilas.  A energia luminosa transforma-se em energia química (contida nos compostos orgânicos).  Os seres fotossintéticos consomem CO2 e H2O, para produzirem glicose (composto orgânico). Neste processo libertam O2. 2
  • 3. Noções Básicas - Quimiossíntese  A quimiossíntese consiste na produção de alimento - compostos orgânicos, a partir da energia química dos compostos minerais (H2S, CO2, NH3…).  A energia química dos compostos minerais (compostos inorgânicos) é transferida para os compostos orgânicos – glicose.  Com este processo obtém-se pouca quantidade de compostos orgânicos (é um processo pouco rentável).  Só seres muito simples, com baixas necessidades energéticas, como as bactérias, é que realizam a quimiossíntese. 3
  • 4. Noções Básicas - Quimiossíntese 4  No fundo dos oceanos, onde não chega a luz solar, podem encontrar- se populações muito variadas.  Como não há luz, os produtores não podem ser seres fotossintéticos, como as plantas ou as algas.
  • 5. Noções Básicas - Quimiossíntese 5 As fontes hidrotermais dos fundos oceânicos emitem águas ricas em sulfureto de enxofre (H2S) Nestas zonas existem bactérias sulfurosas que utilizam a energia química do sulfureto de hidrogénio para produzirem compostos orgânicos. Estas bactérias sulfurosas, ao realizarem a quimiossíntese produzem o alimento, que permite a instalação de ecossistemas ricos e variados.
  • 6. Noções Básicas - Respiração 6  Toda a atividade que ocorre na célula (atividade celular) consome energia.  A respiração consiste na degradação de compostos orgânicos – glicose - para obtenção de energia, necessária para a atividade celular.  Neste processo a célula consome O2 e liberta CO2 e H2O.
  • 7. Noções Básicas –Tipos de Nutrição 7 Tipo de nutrição Autotrófico Heterotrófico Quimiossintético Fotossintético Por absorção (de micromoléculas – monómeros) Por ingestão (digestão intracorporal) Digestão intracelular (no interior da célula) Digestão extracelular (Em cavidade digestiva)
  • 8. Posição ocupada pelos seres vivos no ecossistema  Os seres vivos podem ocupar diferentes posições no ecossistema: - produtores, - consumidores – microconsumidores ou macroconsumidores, - decompositores. 8
  • 9. Seres vivos unicelulares / multicelulares  A célula é a unidade fundamental da vida.  As células podem surgir na natureza de forma isolada - seres unicelulares – ou associadas entre si – seres multicelulares (ou pluricelulares). 9
  • 10. Seres procariontes / eucariontes  Os seres procariontes são formados por uma só célula muito simples, sem núcleo organizado – célula procariótica.  As bactérias são seres procariontes.  Os seres eucariontes apresentam células mais complexas, com núcleo organizado e delimitado por um invólucro – células eucarióticas.  Os seres que possuem células eucarióticas podem ser unicelulares ou pluricelulares. 10
  • 11. Sistemas de classificação  Para facilitar a compreensão da atual diversidade, os biólogos utilizam sistemas de classificação para agrupar os seres vivos.  Um dos sistemas de classificação mais utilizado foi proposto por Whittaker (1979).  O sistema de Whittaker considera 5 Reinos:  Monera,  Protista,  Fungos,  Plantas,  Animal. 11
  • 12. Sistemas de classificação  A classificação de Whittaker baseia-se nos seguintes critérios:  Nível de organização celular,  Tipo de nutrição,  Posição no ecossistema. 12 Nível de organização celular Procarionte Eucarionte Unicelular Multicelular Posição no ecossistema Produtor Consumidor Micro- consumidor Macro- consumidor
  • 13. Sistemas de classificação  A classificação de Whittaker baseia-se nos seguintes critérios:  Nível de organização celular,  Tipo de nutrição,  Posição no ecossistema. 13 Tipo de nutrição Autotrófico Heterotrófico Quimiossintético Fotossintético Por absorção Por ingestão
  • 15. Reino Monera  Formado por organismos: o procariontes o unicelulares, o autotróficos (fotossíntese ou quimiossíntese) ou heterotróficos (por absorção), o microconsumidores 15
  • 16. Reino Protista  Formado por organismos: - eucariontes, - unicelulares (exceto as algas, pluricelulares com baixo grau de diferenciação), - autotróficos (fotossíntese) ou heterotróficos (por absorção ou por ingestão). 16
  • 17. Reino dos Fungos  Seres eucariontes, multicelulares (exceto as leveduras, unicelulares), heterotróficos (por absorção) e microconsumidores.  Absorvem as substâncias alimentares do meio (por vezes digeridas por digestão extracorporal).  Podem ser: - decompositores - parasitas - simbióticos (fungos+algas=líquenes) 17
  • 18. Reino das Plantas  Seres eucariontes, pluricelulares, autotróficos (fotossíntese). 18
  • 19. Reino dos Animais  Seres eucariontes, pluricelulares e heterotróficos (ingestão, com digestão intracorporal - intracelular e/ou extracelular). 19
  • 20. Biodiversidade  Biodiversidade abarca várias dimensões: o diversidade genética - cada indivíduo no interior de uma espécie é geneticamente diferente dos outros variabilidade dentro da espécie. o diversidade ecológica - as associações de espécies existentes num determinado ecossistema são diferentes das de outro ecossistema. variabilidade no número e tipo de espécies em cada área o diversidade de espécies – variedade de espécies à escala local, regional ou global. 20
  • 21. Biosfera  Sistema global que inclui: - todas as formas de vida existentes na Terra, - os respetivos ambientes, - todas as relações estabelecidas entre si. 21
  • 22. Sistemas biológicos  Os sistemas biológicos estão organizados de uma forma hierárquica. 22
  • 23. Organização hierárquica dos sistemas biológicos 23
  • 24. Organização hierárquica dos sistemas biológicos (cont.) 24
  • 25. Célula  A célula é a unidade fundamental da vida. 25
  • 26. Organização biológica - da célula ao organismo  Nos seres multicelulares, as células, iguais ou diferentes, associam-se para realizar uma determinada função, formando um tecido.  Normalmente, diferentes grupos de tecidos associam-se para formar grandes estruturas designadas órgãos.  Estes órgãos podem formar sistemas de órgãos.  Os sistemas de órgãos cooperam na formação de organismos. 26
  • 27. Espécie e população  São da mesma espécie os organismos idênticos, capazes de se cruzarem entre si e originarem descendentes férteis.  Os seres vivos da mesma espécie que habitam uma determinada área constituem uma população. 27
  • 28. Comunidade  Indivíduos de espécies diferentes (diferentes populações) que habitam uma mesma área e estabelecem relações entre si formam uma comunidade biótica (ou biocenose). 28
  • 29. Ecossistema  O conjunto da comunidade, do ambiente e as relações que se estabelecem entre si, formam um sistema ecológico ou ecossistema.  Todos os ecossistemas da Terra formam a biosfera.  Num ecossistema existem os componentes bióticos (seres vivos) e componentes abióticos (fatores ambientais). 29
  • 30. Modos de nutrição Autotrófico Quimiossíntes e Fotossíntese Heterotrófico Absorção (de monómeros) Ingestão Digestão intracorporal Digestão intracelular Digestão extracelular 30
  • 31. Cadeias alimentares  Os seres vivos de um ecossistema estabelecem relações tróficas (alimentares), que envolvem transferências de matéria e energia, quer entre os seres vivos, quer entre esses seres vivos e o meio.  Estas relações tróficas constituem as cadeias alimentares.  Uma cadeia alimentar pode ser definida como uma sequência de seres vivos que se inter-relacionam a nível alimentar. 31
  • 32. Teias alimentares  As cadeias alimentares inter- relacionam-se, originando as teias alimentares ou redes tróficas. 32
  • 33. Níveis tróficos  Nas cadeias alimentares, pode considerar-se a existência de três categorias de seres vivos: - produtores, - consumidores, - decompositores. 33
  • 34. Produtores  Seres capazes de produzirem compostos orgânicos – seres autotróficos - a partir de compostos inorgânicos, através da quimiossíntese e da fotossíntese. 34
  • 35. Consumidores  São seres vivos incapazes de produzir compostos orgânicos a partir de compostos inorgânicos – seres heterotróficos – e, por isso, alimentam-se direta ou indiretamente da matéria elaborada pelos produtores. 35
  • 36. Decompositores  Transformam a matéria orgânica em matéria inorgânica (mineral), assegurando a devolução dos minerais (inicialmente incorporados pelos produtores) ao meio.  Seres vivos que obtêm a matéria orgânica a partir de outros seres vivos, decompondo: - detritos vegetais, - cadáveres, - excrementos de animais. 36
  • 37. Fluxo de matéria  Os seres fotossintéticos produzem matéria orgânica a partir da energia solar, água, sais minerais e dióxido de carbono (CO2).  Os consumidores alimentam-se da matéria orgânica existente no corpo dos produtores ou em outros consumidores.  Os decompositores transformam a matéria orgânica em matéria mineral, permitindo que a matéria mineral regresse ao solo ou à água podendo novamente ser usada pelos produtores.  A matéria circula dos produtores para os consumidores e de ambos para os decompositores e destes novamente para os produtores. O fluxo da matéria é cíclico 37
  • 38. Fluxo de energia  A energia luminosa é transformada em energia química pelas plantas e outros seres fotossintéticos.  Esta energia é utilizada pelos seres fotossintéticos para as suas atividades e alguma fica armazenada nas substâncias orgânicas que constituem o seu corpo.  Os herbívoros ao comerem as plantas vão obter energia a partir dos alimentos que ingerirem. Dos consumidores de 1.ª ordem a energia passa para os de 2.ª e assim sucessivamente.  Há um fluxo de energia que passa do Sol para os seres autotróficos e destes para os heterotróficos.  O fluxo de energia diminui à medida que o nível trófico aumenta. O fluxo de energia é unidirecional 38
  • 39. Fluxo de energia  Nas reações químicas que ocorrem ao nível do metabolismo celular há perda de energia sob a forma de calor.  No ecossistema, de um nível trófico para o seguinte, há perda de energia.  Da base para o topo da pirâmide a quantidade de energia vai diminuindo. 39
  • 41. Evolução e extinção  Desde que a vida surgiu na Terra, até à atualidade: - seres unicelulares deram origem, por evolução, a uma enorme diversidade de organismos com diferentes graus de complexidade. - um elevado número de espécies terá surgido e outras tantas terão sido extintas. 41
  • 42. Evolução e extinção No passado, as extinções em massa foram originadas por factores climáticos e geológicos, como por exemplo: –grandes variações de temperatura (aquecimento global/ glaciação), –variações do nível do mar (regressões /transgressões), - movimento dos continentes, - vulcanismo muito ativo, - impactos de meteoros, cometas e asteróides - ….. 42
  • 43. Evolução e extinção Atualmente, o ritmo de extinção é 1000 a 10.000 vezes superior devido à ação direta ou indireta do Homem: - sobre-exploração/exploração excessiva dos recursos agrícolas, florestais, cinegéticos, piscícolas…, - introdução de predadores, doenças ou espécies exóticas, - alterações climáticas (chuvas ácidas e intensificação do efeito de estufa), - interrupções de relações de mutualismo, - destruição/fragmentação do habitat (poluição, turismo, urbanização, desflorestação, exploração agrícola), - redução do potencial genético derivado da consanguinidade, resultante do aumento de cruzamentos entre indivíduos geneticamente próximos, - ruptura das cadeias alimentares… 43
  • 46. Conservação  A necessidade da conservação tem levado à criação de áreas protegidas.  Uma área protegida é uma zona delimitada em que qualquer intervenção humana está condicionada e sujeita a regulamentos específicos tendo em vista a proteção ambiental e a conservação do património natural, não só para as gerações atuais como para as gerações futuras. 46
  • 47. Conservação Estratégias de conservação e recuperação das espécies em risco 1ª Etapa: identificar quais as espécies que se encontram em vias de extinção. 2ªEtapa: identificar as causas do declínio para assim conhecer os factores que estão a provocar a extinção de uma espécie. 3ªEtapa: inverter a tendência do declínio promovendo a neutralização e /ou remoção dos agentes causadores de extinção. 47
  • 48. Conservação - Medidas a adoptar  Criação de zonas protegidas (reservas, parques naturais).  Educar e informar a população, especialmente os jovens sobre a necessidade de proteger os habitats e as espécies.  Definir as utilizações dos habitats que possam dar maior benefício ao Homem sem os destruir, evitando as que possam degradá-los.  Recuperação de áreas degradadas.  Incentivar as investigações científica e tecnológica, no campo de práticas não poluentes.  Proteger espécies ameaçadas ou em risco de extinção, quer por parte dos governos quer por parte de grupos ecologistas.  Criar leis que assegurem o cumprimento dos aspectos anteriormente referidos. 48
  • 49. Importância dos ecossistemas Do bom funcionamento dos ecossistemas depende: - a biodiversidade; - a manutenção da fertilidade dos solos; - a prevenção da erosão dos solos; - a reciclagem de produtos residuais; - a regulação do ciclo da água e da composição da atmosfera; - o controlo das pragas na agricultura… 49