O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Política nacional de humanização

30.149 visualizações

Publicada em

  • Olha, os princípios norteadores não se resumem só a isso. Nas cartilhas divulgadas pelo MS, há pelo menos 7.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Política nacional de humanização

  1. 1. POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO SUS Enfª Priscila Tenório
  2. 2. O humanizaSUS, como também é conhecida a PNH, foi criada em 2003 e aposta na inclusão de trabalhadores, usuários e gestores na produção e gestão do cuidado e dos processos de trabalho
  3. 3. A comunicação entre os três atores provocam inquietações e perturbações. Estes sentimentos são considerados pela PNH como o “Motor” de mudanças.
  4. 4. O programa de humanização surgiu devido a necessidade de: *Ampliar a discussão da saúde pública com servidores e usuários em busca de propostas para melhorar o sistema; *Trazer a gestão para perto das pessoas; *Melhorar os processos de trabalho; *Aumentar a resolutividade
  5. 5. Humanizar se traduz, então, como inclusão das diferenças nos processos de gestão e cuidado. Tais mudanças são construídas de forma coletiva e compartilhada
  6. 6. A PNH se estrutura a partir de: * Princípios; * Diretrizes; * Método; * Dispositivos.
  7. 7. PRINCÍPIOS: Entende-se o que causa ou força a ação, ou que dispara um determinado movimento. *Transversalidade; * Indissociabilidade entre atenção e gestão; *Protagonismo, corresponsabilidade e autonomia dos sujeitos coletivos.
  8. 8. PRINCÍPIOS *Transversalidade: -Aumento do grau de comunicação intra e intergrupos.
  9. 9. *Indissociabilidade entre atenção e gestão: -Alteração dos modos de cuidar inseparável dos modos de gerir e se apropriar do trabalho.
  10. 10. *Protagonismo, corresponsabilidade e autonomia dos sujeitos coletivos: -As mudanças na gestão e na atenção ganham maior efetividade quando produzidas pela afirmação da autonomia dos sujeitos envolvidos, que contratam entre sí responsabilidade compartilhadas nos processos de gerir e de cuidar.
  11. 11. Diretrizes: Entende-se as orientações gerais de determinada política. *Acolhimento; * Gestão participativa e cogestão; *Ambiência; *Clínica ampliada e compartilhada; *Valorização do trabalhador; *Defesa dos direitos do usuários.
  12. 12. Diretrizes *Acolhimento: é dar acolhida, admitir, aceitar, dar ouvidos, dar crédito a, agasalhar, receber, atender, admitir (ferreira,1975). Ou seja, uma atitude de inclusão.
  13. 13. Diretrizes O acolhimento não é um espaço ou um local, mas uma postura ética. Desse modo é que o diferenciamos de triagem, pois ele não se constitui como uma etapa do processo, mas como uma ação que deve ocorrer em todos os locais e momentos do serviço de saúde.
  14. 14. O acolhimento é um modo de operar os processos de trabalho em saúde, de forma a atender a todos que procuram os serviços de saúde. Ou seja, requer prestar um atendimento com resolutividade e responsabilização. Encaminhando para a continuidade da assistência quando necessário e articulando com estes serviços para garantir a eficácia desses encaminhamentos.
  15. 15. O conceito de acolhimento se concretiza no cotidiano das práticas de saúde por meio da escuta qualificada e da capacidade de pactuação entre a demanda do usuário e a possibilidade de resposta do serviço. Todos os profissionais de saúde fazem acolhimento!
  16. 16. Acolhimento com classificação de risco: Tem como objetivo: Adequar o tempo /resposta em que o paciente será visto pelo médico ou outros profissionais através da identificação das prioridades clínicas Facilitar a gestão da clínica de cada paciente e a gestão do serviço como um todo. O método consiste em: 1. Identificar a demanda 2. Identificar o paciente 3. Descrever a situação 4. Avaliar sinais e sintomas 5. Gerar um resultado
  17. 17. Acolhimento com classificação de risco Fluxos de Atendimento x CR Área de Emergência Vermelho: prioridade zero – necessidade de atendimento imediato. Laranja: prioridade 1: sem risco iminente de morte (até 15”) Área de Pronto Atendimento Amarelo: prioridade 3 – urgência, atendimento o mais rápido possível, preferencialmente imediato Verdes: prioridade 4 – atendimento médico por ordem de chegada. Azuis: prioridade 5 – (atendimento por outros profissionais, curativos, medicações, inalação, agendamento de consultas)
  18. 18. Ambiência e Fluxos EMERGÊNCIA Acolhimento Área Vermelha Observação Observação criticos não criticos PRONTO ATENDIMENTO Acolhimento Classificação de Risco Amarelo Verde Azul
  19. 19. Diretrizes *Gestão participativa e Cogestão: é o modo de administrar que inclui o pensar e o fazer coletivo. Para a realização dos objetivos de saúde é necessário incluir trabalhadores, gestores e usuários dos serviços em um pacto de corresponsabilidade.
  20. 20. Diretrizes O modelo de gestão que a PNH propõe é centrado no trabalho em equipe, na construção coletiva(planeja quem executa) e em espaços coletivos que garantem que o poder seja de fato compartilhado, por meio de análises, decisões e avaliações construídas coletivamente.
  21. 21. Diretrizes Cogestão significa a inclusão de novos sujeitos no processo de gestão. Assim ela seria exercida não por poucos ou alguns, mas por um conjunto mais ampliado de sujeitos que compõe a organização. Todos são gestores de seus processos de trabalhos!
  22. 22. Diretrizes A cogestão proporciona uma corresponsabilização, uma vez que as produções de tarefas são derivadas de pactos entre os sujeitos. Isto resulta em melhor e mais produção em saúde.

×