Geografia agricultura mundial e brasileira

592 visualizações

Publicada em

Aula de geografia com o Professor Paulo Henrique Netinho do canal Aprovação virtual para sobre produção agrícola par ajudar a galera no vestibular e afins, Bons estudos!!!

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Geografia agricultura mundial e brasileira

  1. 1. Geografia – Agricultura E Pecuária Geral Prof. Paulo Henrique Netinho
  2. 2. Agricultura Agricultura é um termo que remete para a arte de cultivar os campos, representando também o trabalho e técnicas usadas para a obtenção dos produtos agrícolas. O economista Colin Clark, responsável pela divisão da economia de um país em três categorias, afirmou que a agricultura, juntamente com a silvicultura, a pecuária e a pesca constituem o setor primário da economia.
  3. 3. Existem dois tipos : Extensivo: Tipo de agricultura realizada em grandes áreas, empregando pouco capital e técnicas agrícolas tradicionais e por isso apresenta baixa produtividade. Intensiva: Tipo de agricultura que utiliza técnicas modernas, mais produtividade - grandes empresas podendo acarretar impactos ambientais.
  4. 4. Sistemas Agrícolas Agricultura familiar: É vista como o cultivo da terra por parte de uma família, onde os agricultores são gestores e trabalhadores das suas próprias terras. No entanto, agricultura familiar pode não representar uma pequena produção, pequeno agricultor ou agricultura de subsistência. Muitos desses termos implicam que o agricultor vive em uma situação precária, o que pode não corresponder à verdade. .
  5. 5. Agricultura Orgânica Agricultura orgânica: Também conhecida como agricultura biológica, a agricultura orgânica remete para a produção sem a utilização de agrotóxicos, com o objetivo de obter produtos mais saudáveis, naturais e com maior durabilidade. Em muitos casos, a agricultura está intimamente relacionada com a agricultura sustentável.
  6. 6. Agricultura moderna A agricultura moderna: surgiu após a primeira fase da Revolução Industrial, situada entre o final do século XVIII e o inicio do século XIX, com base na utilização da energia a vapor e também da eletricidade. Logo, ela é aquela caracterizada pela maior regularização das safras e o aumento da produção agrícola devido à utilização de tratores, colheitadeiras, semeadeiras e alguns novos implementos agrícolas
  7. 7. Revolução Verde A "Revolução Verde" foi um programa que tinha como objetivo explícito contribuir para o aumento da produção e da produtividade agrícola no mundo, através do desenvolvimento de experiências no campo da genética vegetal para a criação e multiplicação de sementes adequadas às condições dos diferentes solos e climas e resistentes às doenças e pragas, bem como a descoberta e aplicação de técnicas agrícolas ou tratos culturais modernos e eficientes.
  8. 8. Transgênicos Os alimentos transgênicos são modificados geneticamente em laboratórios com o objetivo de conseguir melhorar a qualidade do produto. Os genes de plantas e animais são manipulados e muitas vezes combinados. Os organismos geneticamente modificados, depois da fase laboratorial, são implantados na agricultura ou na pecuária. Vários países estão adotando este método como forma de aumentar a produção e diminuir seus custos.
  9. 9. Estrutura fundiária • Módulo rural é uma unidade de medida agrária, expressa em hectares, que busca refletir a interdependência entre a dimensão, a situação geográfica e as condições de aproveitamento econômico do imóvel rural. • Latifúndio - É uma propriedade agrícola de grande extensão, baixos rendimentos unitários, uso da terra abaixo do nível de exploração máxima, baixa capitalização, baixo nível tecnológico, mão de obra empregada em condições precárias e, consequentemente, com baixa qualidade de vida. • O minifúndio é a propriedade fundiária de dimensão mínima, em função de vários fatores: a situação regional, o destino econômico e a produtividade.
  10. 10. Estrutura fundiária • Empresa rural - É um empreendimento de pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que explore econômica e racionalmente imóvel rural, dentro das condições de cumprimento da função social da terra e atendidos simultaneamente os seguintes requisitos: • tenha grau de utilização da terra igual ou superior a 80%;- tenha grau de eficiência ou exploração, igual ou superior a 100%; cumpra integralmente a legislação que rege as relações de trabalho e contratos de uso temporário da terra.
  11. 11. Agricultura brasileira • O modelo implantado no Brasil no período colonial era fundamentado no trinômio: grande propriedade, monocultura de produtos destinados ao mercado externo e mão-de-obra escrava ( Plantation). • Nos séculos XVI e XVII a cana-de-açúcar era o produto predominante. • O algodão e o fumo destacavam-se como culturas secundárias no nordeste do país. As terras eram tratadas como “produto descartável”, pois, quando se esgotavam, eram substituídas por outras. Isso ocorria porque a extensão territorial era grande, e as terras eram consideradas recurso inesgotável.
  12. 12. Agricultura brasileira • Já no século XVIII o país conheceu a riqueza e a prosperidade do café, cujo foi grande responsável pela ocupação das extensas áreas dos estados de São Paulo e Paraná respectivamente. • Elas se baseavam no sistema de plantations, que consistia em grandes monoculturas (apenas um cultivo), com o emprego da mão de obra escrava, cuja produção destinava-se à exportação.
  13. 13. Espaço Agrário brasileiro • Em meado do século XIX, em uma tentativa de regularizar a posse da terra no Brasil, foi estabelecida a chamada Lei de Terras, que determinava que a posse da terra só seria reconhecida mediante compra. Com essa medida, pretendia- se eliminar o usucapião, ou seja, a titulação da posse da terra pela ocupação, sem a compra efetiva da mesma. Os maiores beneficiados dessa medida foram os membros da elite agrária brasileira, que expandiram suas propriedades, elevando a concentração de terras no país.
  14. 14. Espaço agrário brasileiro • Na segunda metade do século XX, eclodiram reformas agrárias na América Latina, com no México e na Bolívia. No Brasil, crescia o temor de uma revolução camponesa, que traria como consequência a reforma agrária. Assim, em 1964, os militares recém chegados ao poder, elaboram o Estatuto da Terra, uma tentativa de apaziguar os ânimos dos camponeses brasileiros por uma reforma na distribuição de terras. O Estatuto previa basicamente a execução da reforma agrária brasileira, mas não estabelecia prazos para que isso acontecesse.
  15. 15. Espaço agrário brasileiro A produção agrícola no Brasil está organizada basicamente em dois modelos: • Agricultura familiar – Dedica-se basicamente à produção de alimentos que abastecem o mercado interno. Nesse tipo de agricultura, as técnicas empregadas são em geral rudimentares, ou seja, sem um elevado grau tecnológico. São utilizadas técnicas que não contribuem para elevada produtividade, como por exemplo as queimadas, ou mesmo a rotação de culturas e pousio. Esse agricultores contam com o apoio de programas de acesso ao crédito, como o “Pronaf”, contudo ainda tem dificuldades na aquisição dos insumos agrícolas, como fertilizantes e maquinário.
  16. 16. Espaço Agrário brasileiro • Agricultura comercial - Também conhecida como agronegócio, baseia-se na produção em larga escala das chamadas COMMODITIES agrícolas, principalmente de grãos como a soja, milho e café. Esses produtos tem grande demanda mundial, e tem seus valores definidos por ela. São produzidos em grandes extensões de terra, uma vez que a abundância delas no Brasil reduz seu valor. Como esses agricultores detêm elevado poder econômico ocorre a aquisição de largas faixas do território brasileiro, com destaque para as regiões Centro-Oeste e mais recentemente Norte e Nordeste (oeste da Bahia, Tocantins, Piauí e Maranhão).
  17. 17. Espaço Agrário O emprego da tecnologia garante a esses produtores agrícolas grande eficiência na produção, o que também repercute em lucros elevados. As lavouras também são restritas a um único tipo de cultivo, as chamadas “monoculturas de exportação”. É importante destacar que essas lavouras respondem por 22% do PIB brasileiro e que promovem crescimento econômico também no setor secundário, por meio da produção de máquinas e equipamentos utilizados no plantio/colheita, bem como no setor terciário, uma vez que dependem do armazenamento, transporte e comércio de sua produção.
  18. 18. Conflitos fundiários no Brasil Os conflitos fundiários são disputas pela posse da terra presentes ao longo de toda a história brasileira. Eles estão ligados basicamente a grande abundância desse fator produtivo (a terra), aliada aos processos concentradores, bem como a consolidação de um cenário de grande desigualdade social no campo. Em 1850, a promulgação da Lei de Terras, estabeleceu a compra como único meio de obtenção desse importante recurso produtivo. Dessa forma, as elites agrárias foram beneficiadas, dado que elas dispunham do poder econômico, o que lhes conferiu grande vantagem na aquisição de vastas áreas.
  19. 19. Conflitos fundiários no Brasil • Ao mesmo tempo, os pequenos agricultores, destituídos do poder econômico (e também político), acabaram por se manter a margem da aquisição de terras.
  20. 20. Formasde trabalho rural no Brasil No Brasil, aproximadamente 17,8 milhões de pessoas estão envolvidas no trabalho rural, número que corresponde a 21,1% da população economicamente ativa do país. O trabalho no campo não se desenvolve de maneira homogênea, existem diversas formas de relação. Desse modo, são classificadas em: • Posseiros: São trabalhadores rurais que ocupam terras do governo com a finalidade de desenvolver a agropecuária. • Parceiros: São parcerias fixadas entre o dono de terras e um trabalhador rural. Dessa forma, um disponibiliza o espaço agrário e outro a força de trabalho. Ao fim do processo, toda a produção é dividida conforme acordo pré-estabelecido, para determinar o percentual que cabe para cada uma das partes.
  21. 21. Formas de trabalho rural no Brasil • Pequenos proprietários: São pequenos produtores rurais que atuam em sua terra, geralmente com mão-de-obra familiar. A produção gerada na propriedade é destinada ao abastecimento da própria família e o excedente é comercializado no mercado local. • Arrendatários: Agricultores que não possuem terras, mas que dispõem de equipamentos agrícolas. Desse modo, para produzir, alugam ou arrendam a terra de terceiros. O pagamento do aluguel é realizado em moeda corrente ou com parte da produção. • Assalariados permanentes: Trabalho com certa estabilidade. Isso quer dizer que o serviço não tem um prazo determinado para terminar, ou seja, é fixo.
  22. 22. Formas de trabalho rural no Brasil • Assalariados temporários: Trabalhadores rurais que desempenham atividades por um período determinado. Essa relação de trabalho pode acontecer por dia, empreitadas, períodos de colheitas. Isso é comum no corte de cana; os boias-frias trabalham por alguns meses do ano. • Não-remunerados: Corresponde ao trabalho realizado muitas vezes pelo grupo familiar (filhos, esposas, etc.), sem que haja o pagamento de salários. Existe outra forma de trabalho não-remunerado: o trabalho escravo, que ainda tem sido praticado em algumas fazendas do Brasil.
  23. 23. Reforma agrária no Brasil • Reforma Agrária na atualidade Para corrigir esta distorção, nas últimas décadas vem sendo desenvolvido em nosso país o sistema de reforma agrária. Embora lento, já tem demonstrado bons resultados. Os trabalhadores rurais organizaram o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) que pressiona o governo, através de manifestações e ocupações, para conseguir acelerar a reforma agrária e garantir o acesso à terra para milhares de trabalhadores rurais. Cabe ao governo todo o processo de reforma agrária através de um órgão federal chamado INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Ao contrário do que muitos pensam, a reforma agrária é realizada em nosso país dentro das leis vigentes, respeitando a propriedade privada e os direitos constituídos. Não visa apenas distribuir terras, mas sim garantir, aos pequenos agricultores, condições de desenvolvimento agrário e produtividade, gerando renda e melhores condições de vidas para as famílias assentadas.
  24. 24. Reforma agrária no Brasil • Famílias assentadas no Brasil nos últimos governos (média anual): • Governo Figueiredo (1979-85) - 18.500 famílias- Governo Sarney (1985-90) - 18.000 famílias- Governo Collor (1990-92) - 19.000 famílias- Governo Itamar Franco (1992-95) - 11.000 famílias- Governo Fernando Henrique (1995 - 2003) - 67.588 famílias- Governo Lula (2003 - 2010) - 76.761 famílias- Governo Dilma (2001-13) - 25.112 famílias

×