SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
Introdução
Propriedades Organoléticas
 Meia Curtimenta
 Bica Aberta
 Maceração Pelicular
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
2
Breve História
 6000 a 4000 a.C. (cultivo da vinha)
 2000 a 1000 a.C. (cultivo da uva branca)
 Vinho Branco (Vinho de elites e status superior)
 Vinho Tinto ( séc. XX)
(superou o status do vinho branco)
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
3
Castas Brancas
 Fernão Pires
 a) Sensível às geadas, prefere os solos férteis, de
clima temperado ou quente;
 b) Rica em compostos aromáticos;
 c) Descritores aromáticos que lhe estão associados
alternam entre a lima, limão, ervas aromáticas,
rosa, tangerina e flor de laranjeira;
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
4
 Arinto
 Fácil adaptação a diferentes terrenos e climas.
 Bastante sensível à podridão cinzenta dos cachos,
devido à sua elevada compactidade.
 O aroma é relativamente discreto, sobressaindo
notas minerais, de maçã verde, lima e limão
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
Castas Brancas
5
 Chardonnay
 Casta francesa de maior sucesso, através dos
famosos vinhos brancos da Borgonha;
 Adapta-se bem a solos calcários de média a baixa
fertilidade, é sensível ao oídio e, em situações de
alto vigor, à podridão cinzenta, resiste bem ao
frio;
 Em cubas de aço inox sobressaem os aroma mais
minerais, papaia, manga e a maçã verde.
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
Castas Brancas
6
Definida como estratégia a maceração pelicular, com as castas brancas –
Fernão Pires, Arinto e Chardonnay. (10.000 Kg ≈ 7.500 Litros de mosto).
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
 Maceração Pelicular
 a) Extração de substâncias (tempo e temperatura);
 b) Minimiza a difusão de compostos fenólicos, ou seja
a propagação de partículas na osmose. Diminui o
potencial de adstringência e amargor do vinho e leva à
obtenção de vinhos jovens, frescos e frutados.
 c) O aroma do vinho depende de vários fatores, como
o clima, a região, práticas vitícolas, castas, leveduras
e das diferentes técnicas de vinificação. Nos vinhos
brancos a maceração pré-fermentativa é um processo
de enriquecimento em aromas frutados e florais.
 António Dias Cardoso (2007)
7
FLUXOGRAMADEPRODUÇÃODOVINHOBRANCO
8
DESCRIÇÃO DAS ETAPAS TECNOLÓGICAS
(processos pré-fermentativos)
 Colheita
 Receção das uvas
 Pesagem
 Desengace/ Esmagamento
 Sulfitação do mosto (SO2 , Ácido ascórbico)
 Encuba
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
9
 Maceração pelicular (taninos e enzimas)
 Defecação/Sedimentação
 Prensa pneumática / de membrana
DESCRIÇÃO DAS ETAPAS TECNOLÓGICAS
(processos pré-fermentativos)
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
10
 Fermentação Alcoólica
(leveduras e nutrientes)
 Sulfitação do vinho
(SO2)
 Trasfega
DESCRIÇÃO DAS ETAPAS TECNOLÓGICAS
(processos fermentativos)
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
11
MONOTORIZAÇÃO DA FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA
DIAS TEMP. OC DENSIDADE ALCOOL % AÇUCARES g
INICIO 20 OC 1090 12.6 % 215,71
1º DIA 12 OC 1085 11.8 % 204.55
2º DIA 11,5 OC 1065 8.8 % 159.02
3º DIA 10 OC 1050 6.6 % 123.87
4º DIA 9 OC 1045 5.9 % 111.95
5º DIA 10 OC 1035 4.5 % 87.81
6º DIA 10 OC 1025 3.2 % 63.25
7º DIA 9.5 OC 1015 1.9 % 38.26
8º DIA 9.5 OC 1010 1.3 % 25.61
9 DIA 10 OC 1005 0.6 % 12.83
10º DIA 10 OC 0.9911 0% ≅ 𝟎
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
12
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
 Maturação (Taninos)
 Estabilização tartárica (Frio)
 Clarificação (Bentonite - PVPP)
 Filtração
 Engarrafamento (Goma Arábica)
DESCRIÇÃO DAS ETAPAS TECNOLÓGICAS
(processos pós-fermentativos)
13
 Agente Sulfitante AST MC (SO2 – Ácido Ascórbico)
 Antioxidante de largo espetro de ação que bloqueia as enzimas oxidases
(tirosinase e lacase) catalisadoras da oxidação do mosto.
 Agente antissético, dissolvente, estimulante e seletivo pois favorece o
desenvolvimento das leveduras alcoogéneas.
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
14
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
Doses Aplicação
7500 Litros 20 g/hL 1500 g
15-20 g/hL
 Enzima AROM MP
 Enzima pectolítica que tem como principal função aumentar a extração de
percursores aromáticos na obtenção de vinhos mais frutados.
 Enaltece a expressão dos aromas endógenos e melhora a estabilidade
proteica, preservando assim a estrutura do vinho. Usado durante a prensa e
maceração.
15
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
Doses Aplicação
7500 Litros 3 g/hL 225 g
2 – 4 g/hL
 Leveduras Ferm Q Citrus (Saccharomyces Cerevisiae)
 Estirpe com elevada expressão aromática, revelando os aromas frutados e florais.
 Produz aromas de fermentação intensos tornando o carácter varietal mais complexo.
 Estamos perante umas leveduras com fator killer neutro, elevada resistência ao SO2 e
com temperatura de fermentação entre os 8 e 150 C.
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
16
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
Doses Aplicação
7500 Litros 40 g/hL 3000 g
20-40 g/hL
17
 Nutriferm Arom Plus
 Nutriente biológico e regulador de fermentação aplicado no início da
fermentação.
 Constituído por leveduras autolisadas com elevado teor em aminoácidos
livres e fatores de sobrevivência, tiamina.
 Os aminoácidos são os percursores mais importantes que as leveduras
utilizam para sintetizar substâncias que contribuem para o aparecimento
geral de compostos aromáticos ativos no vinho.
18
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
Doses Aplicação
7500 Litros 30 g/hL 2250 g
15-30 g/hL
 Nutriferm Advance
 Nutriente rico em azoto, previne a morte das leveduras e é adicionado em plena
fermentação (aproximadamente a
1
3
da fermentação);
 Manter a viabilidade e o crescimento das leveduras até ao final da fermentação,
evitando assim amuos ou paragens de fermentação. (evitando o pico lático)
19
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
Doses Aplicação
7500 Litros 30 g/hL 2250 g
20-40 g/hL
 Solução Sulfurosa 6% (Bissulfito de Potássio 6%)
 Utilização deste agente sulfitante recorrendo à fórmula para encontrar e
potencializar a estabilização microbiológica, ficando assim o vinho protegido
dos agentes contaminantes. Com esta solução também se inibem as bactérias
láticas fomentadoras da fermentação malolática.
(cálculo a efetuar posteriormente depois do boletim de análises).
20
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
 Tanino Enológico (tanBlanc)
 É um tanino gálico hidrolisável que protege os compostos aromáticos do vinho
da oxidação, previne o aparecimento de aromas de redução bem como a
formação de compostos responsáveis pelo defeito “gosto de luz”.
21
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
Doses Aplicação
7500 Litros 10 g/hL 750 g
Em vinificação 2 Aplicações - em pré fermentação e
maturação
 Agente Clarificante (Claril AF)
 Agente de colagem de gama allergen free, para a clarificação e estabilização
do vinho.
 Remove de uma forma seletiva os compostos fenólicos oxidados e os
polifenóis parcialmente condensados que causam a adstringência do vinho.
 Possibilita a estabilidade proteica e uma redução da turbidez do vinho. Na sua
composição contém PVPP (polivinilpolipirrolidona), proteína vegetal, sílica
ativa e bentonite com elevado poder clarificante.
22
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
Doses Aplicação
7500 Litros 60 g/hL 4500 g
50-90 g/hL
 Agente Estabilizante (Aromagum)
 Solução aquosa de goma-arábica,
 Estabilizante da matéria corante, é capaz de interagir com as substâncias
aromáticas do vinho através de ligações químicas.
 A aplicação desta goma acentua, a perceção de aromas frescos, doces e
frutados e além disto, permite manter intactas no vinho, estas características
de frescura.
23
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS
(Matéria Biológica e Compostos Químicos)
Doses Aplicação
7500 Litros 80 g/hL 6000 g
50 – 100 ml/hL
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
Item Nome Comercial Quant. Prç. Uni Preço Total
Agente sulfitante AST MC 2 Kgs 12.50 € 25.00 €
Enzima ENZIMA AROM MP 1 Kg 127.40 € 127.40 €
Leveduras (Saccharomyces Cerevisiae) FERM Q CITRUS 3 Kgs 35.10 € 100.04 €
Nutriente de Fermentação NUTRIFERM AROM PLUS 3 Kgs 33.00 € 94.05 €
Nutriente de Fermentação NUTRIFERM ADVENCE 3 Kgs 11.60 € 34.92 €
Solução Sulfurosa 6% BISSULFITO DE POTÁSSIO 6% 5 Lt 0.97 € 4.85 €
Tanino enológico (gálico) TAN BLANC 2 Kgs 24.90 € 24.90 €
Agente Clarificante CLARIL AF 5 Kgs 16.20 81.00 €
Agente Estabilizante AROMAGUM 10 kgs 4.99 49.90 €
Ácido Tartárico 10 Kgs 11.00 € 110.00 €
TOTAL 676.96 €
24
25
DESIGNAÇÃO RESULTADO MÉTODO
Massa Volúmica a 20o C 0.9911 g/ml FTIR
Titulo Alcoométrico Volume adquirido a 20o C 12.60 % FTIR
Acidez Volátil 0.45 g ác. Acét./L FTIR
Acidez Total 5.9 g ác. Tart../L FTIR
pH 3.39 FTIR
Dióxido de Enxofre Livre 16 mg/ L Ripper Simples
Dióxido de Enxofre Total 70 mg/ L Ripper Simples
Extrato Seco Total 25.8 g/L FTIR
Cor (1-5) 3 Interno
Limpidez (1-5) 4 Interno
Primeira Impressão Olfativa (1-5) 5 Interno
Qualidade de Aroma (1-5) 5 Interno
Apreciação Global (0-100) 51 Interno
Ácido Málico 2.2 g/L FTIR
Ácido Lático 0.0 g/L FTIR
Açucares – substâncias redutoras - Vinhos 2.5 g/L FTIR
BOLETIM DE ANÁLISE I
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
26
(Adaptado de : IVV, 2015) Tabela representativa dos valores limite impostos por lei para os diversos componentes do vinho.
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
CONTROLO ANALITICO DOS VINHOS
27
DESIGNAÇÃO RESULTADO MÉTODO
Massa Volúmica a 20o C 0.9911 g/ml FTIR
Titulo Alcoométrico Volume adquirido a 20o C 12.60 % FTIR
Acidez Volátil 0.45 g ác. Acét./L FTIR
Acidez Total 6.8 g ác. Tart../L FTIR
pH 3.35 FTIR
Dióxido de Enxofre Livre 31 mg/ L Ripper Simples
Dióxido de Enxofre Total 110 mg/ L Ripper Simples
Extrato Seco Total 25.8 g/L FTIR
Cor (1-5) 3 Interno
Limpidez (1-5) 4 Interno
Primeira Impressão Olfativa (1-5) 5 Interno
Qualidade de Aroma (1-5) 5 Interno
Apreciação Global (0-100) 51 Interno
Ácido Málico 2.2 g/L FTIR
Ácido Lático 0.0 g/L FTIR
Açucares – substâncias redutoras - Vinhos 2.5 g/L FTIR
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
BOLETIM DE ANÁLISE I I
28
Item Nome Comercial Quant
.
Prç. Uni Preço Total
Agente sulfitante AST MC 2 Kgs 12.50 € 25.00 €
Enzima ENZIMA AROM MP 1 Kg 127.40 € 127.40 €
Leveduras (Sacharomisae
Cerevisiae)
FERM Q CITRUS 3 Kgs 35.10 € 100.04 €
Nutriente de Fermentação NUTRIFERM AROM PLUS 3 Kgs 33.00 € 94.05 €
Nutriente de Fermentação NUTRIFERM ADVENCE 3 Kgs 11.60 € 34.92 €
Solução Sulfurosa 6% BISSULFITO DE POTÁSSIO 6% 5 Lt 0.97 € 4.85 €
Tanino enológico (gálico) TAN BLANC 2 Kgs 24.90 € 24.90 €
Agente Clarificante CLARIL AF 5 Kgs 16.20 81.00 €
Agente Estabilizante AROMAGUM 10 kgs 4.99 49.90 €
Ácido Tartárico 10 Kgs 11.00 € 110.00 €
TOTAL 676.96 €
Item Nome comercial Quant. Prç. Uni Preço Total
Garrafa 0,75 L 10000 0.20 € 2000.00 €
Rolha de cortiça 10000 0.02 € 200.00 €
Screw Cap 10000 0.08 € 800.00 €
Rótulo e contra-rótulo 20000 0.85 € 17000.00€
TOTAL 20.000,00 €
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
Garrafa
Screw Cap
Rolha de Cortiça
Figura 10 – Forma de
arrolhamento
Item Preço Total
Receitas 120.000,00
Despesas 20.676,96
Ratio 99.323,04
 Depois da multiplicidade dos produtos enológicos tão variados que o mercado nos
apresenta, definimos por opção estratégica a aplicação deste produtos, com base
na maximização dos compostos aromáticos e florais em todo o processo de
vinificação. Daí toda a nossa escolha neste produtos e a sua aplicação correta para
que não pudessem aparecer determinados desvios organoléticos.
 Do controlo analítico foi possível concluir que as análises mais importantes
realizadas ao vinho são o SO2 livre e a acidez volátil,
 O primeiro indica-nos que o vinho se encontra protegido e o segundo se o vinho se
encontra estável,
 Dois parâmetros são imprescindíveis para a obtenção de um vinho de qualidade,
que apresente as características pretendidas, e que esteja de acordo com os
valores máximos legislados.
 Assim obtivemos um vinho com as seguintes características:
29
Cor: amarela-citrina
Aroma: frutado, complexo e delicado
Sabor: fresco e com um final exuberante
Textura: suave, com acidez equilibrada
VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
CONCLUSÃO
30

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Presentes corporativos de luxo | Presti Importadora Vinhos e Azeites
Presentes corporativos de luxo | Presti Importadora Vinhos e AzeitesPresentes corporativos de luxo | Presti Importadora Vinhos e Azeites
Presentes corporativos de luxo | Presti Importadora Vinhos e Azeites
 
Elaboraçao de vinhos
Elaboraçao de vinhosElaboraçao de vinhos
Elaboraçao de vinhos
 
Chopp de Vinho
Chopp de VinhoChopp de Vinho
Chopp de Vinho
 
Enologia
EnologiaEnologia
Enologia
 
Portugal - Enologia
Portugal - EnologiaPortugal - Enologia
Portugal - Enologia
 
vinhos- wilsonsilva
vinhos- wilsonsilvavinhos- wilsonsilva
vinhos- wilsonsilva
 
Enologia 2
Enologia 2Enologia 2
Enologia 2
 
2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos Oficial2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos Oficial
 
Vinhos Itália - Enologia / Enogastronomia
Vinhos Itália - Enologia / EnogastronomiaVinhos Itália - Enologia / Enogastronomia
Vinhos Itália - Enologia / Enogastronomia
 
Curso basicodevinhos
Curso basicodevinhosCurso basicodevinhos
Curso basicodevinhos
 
Vinhos
VinhosVinhos
Vinhos
 
1ºAula De Vinhos Oficial
1ºAula De Vinhos Oficial1ºAula De Vinhos Oficial
1ºAula De Vinhos Oficial
 
Vinificação passa a passo
Vinificação passa a passoVinificação passa a passo
Vinificação passa a passo
 
Produção de Vinho
Produção de VinhoProdução de Vinho
Produção de Vinho
 
AeB Srviço de Vinhos
AeB Srviço de VinhosAeB Srviço de Vinhos
AeB Srviço de Vinhos
 
Curiosidades sobre vinho
Curiosidades sobre vinhoCuriosidades sobre vinho
Curiosidades sobre vinho
 
Tudo da produção de vinho
Tudo da produção de vinhoTudo da produção de vinho
Tudo da produção de vinho
 
Trabalho de vinhos
Trabalho de vinhosTrabalho de vinhos
Trabalho de vinhos
 
Vinho
VinhoVinho
Vinho
 
Vinhos
VinhosVinhos
Vinhos
 

Semelhante a Enologia

Análise da Cerveja- Processos Industriais
Análise da Cerveja- Processos IndustriaisAnálise da Cerveja- Processos Industriais
Análise da Cerveja- Processos IndustriaisIFRS- Campus Feliz
 
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhosE book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhosMaryana Moreira
 
Fabricacaode cerveja apresentacao
Fabricacaode cerveja apresentacaoFabricacaode cerveja apresentacao
Fabricacaode cerveja apresentacaoMarli Correa
 
Higienização no sector vitivinicola
Higienização no sector vitivinicolaHigienização no sector vitivinicola
Higienização no sector vitivinicolaandre7saraiva
 
Higienização no sector vitivinicola
Higienização no sector vitivinicolaHigienização no sector vitivinicola
Higienização no sector vitivinicolaandre7saraiva
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento FermentadorMarcos Abreu
 
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontro
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontroConfraria pane, vinum et caseus 3o encontro
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontroFabio Barnes
 
Composição química do refrigerante
Composição química do refrigeranteComposição química do refrigerante
Composição química do refrigeranteNeusa Fialho
 
Fichas técnicas produtos vsa
Fichas técnicas produtos vsaFichas técnicas produtos vsa
Fichas técnicas produtos vsaredespronuncia
 
Fichas técnicas produtos vsa
Fichas técnicas produtos vsaFichas técnicas produtos vsa
Fichas técnicas produtos vsaredespronuncia
 
Termos vinicos
Termos vinicosTermos vinicos
Termos vinicospedroaecc
 
Fermentação do Vinho_20231113_082913_0000.pdf
Fermentação do Vinho_20231113_082913_0000.pdfFermentação do Vinho_20231113_082913_0000.pdf
Fermentação do Vinho_20231113_082913_0000.pdfRafaMaier
 

Semelhante a Enologia (20)

Apresentação lúpulo completa
Apresentação lúpulo completaApresentação lúpulo completa
Apresentação lúpulo completa
 
Análise da Cerveja- Processos Industriais
Análise da Cerveja- Processos IndustriaisAnálise da Cerveja- Processos Industriais
Análise da Cerveja- Processos Industriais
 
50811.ppt
50811.ppt50811.ppt
50811.ppt
 
50811.ppt
50811.ppt50811.ppt
50811.ppt
 
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhosE book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
E book-6-passos-para-se-tornar-um-expert-em-vinhos
 
Fabricacaode cerveja apresentacao
Fabricacaode cerveja apresentacaoFabricacaode cerveja apresentacao
Fabricacaode cerveja apresentacao
 
Açucar e Alcool
Açucar e AlcoolAçucar e Alcool
Açucar e Alcool
 
Açúcar e Alcool
Açúcar e AlcoolAçúcar e Alcool
Açúcar e Alcool
 
Rum
RumRum
Rum
 
Palestra 2010
Palestra 2010Palestra 2010
Palestra 2010
 
Higienização no sector vitivinicola
Higienização no sector vitivinicolaHigienização no sector vitivinicola
Higienização no sector vitivinicola
 
Higienização no sector vitivinicola
Higienização no sector vitivinicolaHigienização no sector vitivinicola
Higienização no sector vitivinicola
 
Treinamento Fermentador
Treinamento FermentadorTreinamento Fermentador
Treinamento Fermentador
 
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontro
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontroConfraria pane, vinum et caseus 3o encontro
Confraria pane, vinum et caseus 3o encontro
 
Composição química do refrigerante
Composição química do refrigeranteComposição química do refrigerante
Composição química do refrigerante
 
Fichas técnicas produtos vsa
Fichas técnicas produtos vsaFichas técnicas produtos vsa
Fichas técnicas produtos vsa
 
Fichas técnicas produtos vsa
Fichas técnicas produtos vsaFichas técnicas produtos vsa
Fichas técnicas produtos vsa
 
SLIDES DE RESIDUOS.pdf
SLIDES DE RESIDUOS.pdfSLIDES DE RESIDUOS.pdf
SLIDES DE RESIDUOS.pdf
 
Termos vinicos
Termos vinicosTermos vinicos
Termos vinicos
 
Fermentação do Vinho_20231113_082913_0000.pdf
Fermentação do Vinho_20231113_082913_0000.pdfFermentação do Vinho_20231113_082913_0000.pdf
Fermentação do Vinho_20231113_082913_0000.pdf
 

Último

plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdfplantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdfMikeMicas
 
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...DL assessoria 31
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfAula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfesusana86
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                    o.pdfrelatorio para alun                    o.pdf
relatorio para alun o.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (7)

plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdfplantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
 
henograma .pdf
henograma                                  .pdfhenograma                                  .pdf
henograma .pdf
 
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...
CASO CLÍNICO – OBESIDADE É possível um paciente ser obeso e apresentar carênc...
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdfAula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
Aula 5 - Doenças transmitidas por alimentos - DTA.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                    o.pdfrelatorio para alun                    o.pdf
relatorio para alun o.pdf
 

Enologia

  • 2. Introdução Propriedades Organoléticas  Meia Curtimenta  Bica Aberta  Maceração Pelicular VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 2
  • 3. Breve História  6000 a 4000 a.C. (cultivo da vinha)  2000 a 1000 a.C. (cultivo da uva branca)  Vinho Branco (Vinho de elites e status superior)  Vinho Tinto ( séc. XX) (superou o status do vinho branco) VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 3
  • 4. Castas Brancas  Fernão Pires  a) Sensível às geadas, prefere os solos férteis, de clima temperado ou quente;  b) Rica em compostos aromáticos;  c) Descritores aromáticos que lhe estão associados alternam entre a lima, limão, ervas aromáticas, rosa, tangerina e flor de laranjeira; VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 4
  • 5.  Arinto  Fácil adaptação a diferentes terrenos e climas.  Bastante sensível à podridão cinzenta dos cachos, devido à sua elevada compactidade.  O aroma é relativamente discreto, sobressaindo notas minerais, de maçã verde, lima e limão VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS Castas Brancas 5
  • 6.  Chardonnay  Casta francesa de maior sucesso, através dos famosos vinhos brancos da Borgonha;  Adapta-se bem a solos calcários de média a baixa fertilidade, é sensível ao oídio e, em situações de alto vigor, à podridão cinzenta, resiste bem ao frio;  Em cubas de aço inox sobressaem os aroma mais minerais, papaia, manga e a maçã verde. VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS Castas Brancas 6
  • 7. Definida como estratégia a maceração pelicular, com as castas brancas – Fernão Pires, Arinto e Chardonnay. (10.000 Kg ≈ 7.500 Litros de mosto). VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS  Maceração Pelicular  a) Extração de substâncias (tempo e temperatura);  b) Minimiza a difusão de compostos fenólicos, ou seja a propagação de partículas na osmose. Diminui o potencial de adstringência e amargor do vinho e leva à obtenção de vinhos jovens, frescos e frutados.  c) O aroma do vinho depende de vários fatores, como o clima, a região, práticas vitícolas, castas, leveduras e das diferentes técnicas de vinificação. Nos vinhos brancos a maceração pré-fermentativa é um processo de enriquecimento em aromas frutados e florais.  António Dias Cardoso (2007) 7
  • 9. DESCRIÇÃO DAS ETAPAS TECNOLÓGICAS (processos pré-fermentativos)  Colheita  Receção das uvas  Pesagem  Desengace/ Esmagamento  Sulfitação do mosto (SO2 , Ácido ascórbico)  Encuba VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 9
  • 10.  Maceração pelicular (taninos e enzimas)  Defecação/Sedimentação  Prensa pneumática / de membrana DESCRIÇÃO DAS ETAPAS TECNOLÓGICAS (processos pré-fermentativos) VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 10
  • 11.  Fermentação Alcoólica (leveduras e nutrientes)  Sulfitação do vinho (SO2)  Trasfega DESCRIÇÃO DAS ETAPAS TECNOLÓGICAS (processos fermentativos) VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 11
  • 12. MONOTORIZAÇÃO DA FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA DIAS TEMP. OC DENSIDADE ALCOOL % AÇUCARES g INICIO 20 OC 1090 12.6 % 215,71 1º DIA 12 OC 1085 11.8 % 204.55 2º DIA 11,5 OC 1065 8.8 % 159.02 3º DIA 10 OC 1050 6.6 % 123.87 4º DIA 9 OC 1045 5.9 % 111.95 5º DIA 10 OC 1035 4.5 % 87.81 6º DIA 10 OC 1025 3.2 % 63.25 7º DIA 9.5 OC 1015 1.9 % 38.26 8º DIA 9.5 OC 1010 1.3 % 25.61 9 DIA 10 OC 1005 0.6 % 12.83 10º DIA 10 OC 0.9911 0% ≅ 𝟎 VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 12
  • 13. VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS  Maturação (Taninos)  Estabilização tartárica (Frio)  Clarificação (Bentonite - PVPP)  Filtração  Engarrafamento (Goma Arábica) DESCRIÇÃO DAS ETAPAS TECNOLÓGICAS (processos pós-fermentativos) 13
  • 14.  Agente Sulfitante AST MC (SO2 – Ácido Ascórbico)  Antioxidante de largo espetro de ação que bloqueia as enzimas oxidases (tirosinase e lacase) catalisadoras da oxidação do mosto.  Agente antissético, dissolvente, estimulante e seletivo pois favorece o desenvolvimento das leveduras alcoogéneas. VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 14 APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos) Doses Aplicação 7500 Litros 20 g/hL 1500 g 15-20 g/hL
  • 15.  Enzima AROM MP  Enzima pectolítica que tem como principal função aumentar a extração de percursores aromáticos na obtenção de vinhos mais frutados.  Enaltece a expressão dos aromas endógenos e melhora a estabilidade proteica, preservando assim a estrutura do vinho. Usado durante a prensa e maceração. 15 VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos) Doses Aplicação 7500 Litros 3 g/hL 225 g 2 – 4 g/hL
  • 16.  Leveduras Ferm Q Citrus (Saccharomyces Cerevisiae)  Estirpe com elevada expressão aromática, revelando os aromas frutados e florais.  Produz aromas de fermentação intensos tornando o carácter varietal mais complexo.  Estamos perante umas leveduras com fator killer neutro, elevada resistência ao SO2 e com temperatura de fermentação entre os 8 e 150 C. VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS 16 APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos) Doses Aplicação 7500 Litros 40 g/hL 3000 g 20-40 g/hL
  • 17. 17
  • 18.  Nutriferm Arom Plus  Nutriente biológico e regulador de fermentação aplicado no início da fermentação.  Constituído por leveduras autolisadas com elevado teor em aminoácidos livres e fatores de sobrevivência, tiamina.  Os aminoácidos são os percursores mais importantes que as leveduras utilizam para sintetizar substâncias que contribuem para o aparecimento geral de compostos aromáticos ativos no vinho. 18 VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos) Doses Aplicação 7500 Litros 30 g/hL 2250 g 15-30 g/hL
  • 19.  Nutriferm Advance  Nutriente rico em azoto, previne a morte das leveduras e é adicionado em plena fermentação (aproximadamente a 1 3 da fermentação);  Manter a viabilidade e o crescimento das leveduras até ao final da fermentação, evitando assim amuos ou paragens de fermentação. (evitando o pico lático) 19 VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos) Doses Aplicação 7500 Litros 30 g/hL 2250 g 20-40 g/hL
  • 20.  Solução Sulfurosa 6% (Bissulfito de Potássio 6%)  Utilização deste agente sulfitante recorrendo à fórmula para encontrar e potencializar a estabilização microbiológica, ficando assim o vinho protegido dos agentes contaminantes. Com esta solução também se inibem as bactérias láticas fomentadoras da fermentação malolática. (cálculo a efetuar posteriormente depois do boletim de análises). 20 VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos)
  • 21.  Tanino Enológico (tanBlanc)  É um tanino gálico hidrolisável que protege os compostos aromáticos do vinho da oxidação, previne o aparecimento de aromas de redução bem como a formação de compostos responsáveis pelo defeito “gosto de luz”. 21 VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos) Doses Aplicação 7500 Litros 10 g/hL 750 g Em vinificação 2 Aplicações - em pré fermentação e maturação
  • 22.  Agente Clarificante (Claril AF)  Agente de colagem de gama allergen free, para a clarificação e estabilização do vinho.  Remove de uma forma seletiva os compostos fenólicos oxidados e os polifenóis parcialmente condensados que causam a adstringência do vinho.  Possibilita a estabilidade proteica e uma redução da turbidez do vinho. Na sua composição contém PVPP (polivinilpolipirrolidona), proteína vegetal, sílica ativa e bentonite com elevado poder clarificante. 22 VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos) Doses Aplicação 7500 Litros 60 g/hL 4500 g 50-90 g/hL
  • 23.  Agente Estabilizante (Aromagum)  Solução aquosa de goma-arábica,  Estabilizante da matéria corante, é capaz de interagir com as substâncias aromáticas do vinho através de ligações químicas.  A aplicação desta goma acentua, a perceção de aromas frescos, doces e frutados e além disto, permite manter intactas no vinho, estas características de frescura. 23 VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS APLICAÇÃO DOS PRODUTOS ENOLÓGICOS E OBJETIVOS (Matéria Biológica e Compostos Químicos) Doses Aplicação 7500 Litros 80 g/hL 6000 g 50 – 100 ml/hL
  • 24. VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS Item Nome Comercial Quant. Prç. Uni Preço Total Agente sulfitante AST MC 2 Kgs 12.50 € 25.00 € Enzima ENZIMA AROM MP 1 Kg 127.40 € 127.40 € Leveduras (Saccharomyces Cerevisiae) FERM Q CITRUS 3 Kgs 35.10 € 100.04 € Nutriente de Fermentação NUTRIFERM AROM PLUS 3 Kgs 33.00 € 94.05 € Nutriente de Fermentação NUTRIFERM ADVENCE 3 Kgs 11.60 € 34.92 € Solução Sulfurosa 6% BISSULFITO DE POTÁSSIO 6% 5 Lt 0.97 € 4.85 € Tanino enológico (gálico) TAN BLANC 2 Kgs 24.90 € 24.90 € Agente Clarificante CLARIL AF 5 Kgs 16.20 81.00 € Agente Estabilizante AROMAGUM 10 kgs 4.99 49.90 € Ácido Tartárico 10 Kgs 11.00 € 110.00 € TOTAL 676.96 € 24
  • 25. 25 DESIGNAÇÃO RESULTADO MÉTODO Massa Volúmica a 20o C 0.9911 g/ml FTIR Titulo Alcoométrico Volume adquirido a 20o C 12.60 % FTIR Acidez Volátil 0.45 g ác. Acét./L FTIR Acidez Total 5.9 g ác. Tart../L FTIR pH 3.39 FTIR Dióxido de Enxofre Livre 16 mg/ L Ripper Simples Dióxido de Enxofre Total 70 mg/ L Ripper Simples Extrato Seco Total 25.8 g/L FTIR Cor (1-5) 3 Interno Limpidez (1-5) 4 Interno Primeira Impressão Olfativa (1-5) 5 Interno Qualidade de Aroma (1-5) 5 Interno Apreciação Global (0-100) 51 Interno Ácido Málico 2.2 g/L FTIR Ácido Lático 0.0 g/L FTIR Açucares – substâncias redutoras - Vinhos 2.5 g/L FTIR BOLETIM DE ANÁLISE I VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS
  • 26. 26 (Adaptado de : IVV, 2015) Tabela representativa dos valores limite impostos por lei para os diversos componentes do vinho. VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS CONTROLO ANALITICO DOS VINHOS
  • 27. 27 DESIGNAÇÃO RESULTADO MÉTODO Massa Volúmica a 20o C 0.9911 g/ml FTIR Titulo Alcoométrico Volume adquirido a 20o C 12.60 % FTIR Acidez Volátil 0.45 g ác. Acét./L FTIR Acidez Total 6.8 g ác. Tart../L FTIR pH 3.35 FTIR Dióxido de Enxofre Livre 31 mg/ L Ripper Simples Dióxido de Enxofre Total 110 mg/ L Ripper Simples Extrato Seco Total 25.8 g/L FTIR Cor (1-5) 3 Interno Limpidez (1-5) 4 Interno Primeira Impressão Olfativa (1-5) 5 Interno Qualidade de Aroma (1-5) 5 Interno Apreciação Global (0-100) 51 Interno Ácido Málico 2.2 g/L FTIR Ácido Lático 0.0 g/L FTIR Açucares – substâncias redutoras - Vinhos 2.5 g/L FTIR VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS BOLETIM DE ANÁLISE I I
  • 28. 28 Item Nome Comercial Quant . Prç. Uni Preço Total Agente sulfitante AST MC 2 Kgs 12.50 € 25.00 € Enzima ENZIMA AROM MP 1 Kg 127.40 € 127.40 € Leveduras (Sacharomisae Cerevisiae) FERM Q CITRUS 3 Kgs 35.10 € 100.04 € Nutriente de Fermentação NUTRIFERM AROM PLUS 3 Kgs 33.00 € 94.05 € Nutriente de Fermentação NUTRIFERM ADVENCE 3 Kgs 11.60 € 34.92 € Solução Sulfurosa 6% BISSULFITO DE POTÁSSIO 6% 5 Lt 0.97 € 4.85 € Tanino enológico (gálico) TAN BLANC 2 Kgs 24.90 € 24.90 € Agente Clarificante CLARIL AF 5 Kgs 16.20 81.00 € Agente Estabilizante AROMAGUM 10 kgs 4.99 49.90 € Ácido Tartárico 10 Kgs 11.00 € 110.00 € TOTAL 676.96 € Item Nome comercial Quant. Prç. Uni Preço Total Garrafa 0,75 L 10000 0.20 € 2000.00 € Rolha de cortiça 10000 0.02 € 200.00 € Screw Cap 10000 0.08 € 800.00 € Rótulo e contra-rótulo 20000 0.85 € 17000.00€ TOTAL 20.000,00 € VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS Garrafa Screw Cap Rolha de Cortiça Figura 10 – Forma de arrolhamento Item Preço Total Receitas 120.000,00 Despesas 20.676,96 Ratio 99.323,04
  • 29.  Depois da multiplicidade dos produtos enológicos tão variados que o mercado nos apresenta, definimos por opção estratégica a aplicação deste produtos, com base na maximização dos compostos aromáticos e florais em todo o processo de vinificação. Daí toda a nossa escolha neste produtos e a sua aplicação correta para que não pudessem aparecer determinados desvios organoléticos.  Do controlo analítico foi possível concluir que as análises mais importantes realizadas ao vinho são o SO2 livre e a acidez volátil,  O primeiro indica-nos que o vinho se encontra protegido e o segundo se o vinho se encontra estável,  Dois parâmetros são imprescindíveis para a obtenção de um vinho de qualidade, que apresente as características pretendidas, e que esteja de acordo com os valores máximos legislados.  Assim obtivemos um vinho com as seguintes características: 29 Cor: amarela-citrina Aroma: frutado, complexo e delicado Sabor: fresco e com um final exuberante Textura: suave, com acidez equilibrada VINIFICAÇÃO DE VINHOS BRANCOS CONCLUSÃO
  • 30. 30