SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
DOR E SUBJETIVIDADE PatriciaBader Coord. Serviço de Psicologia HMSL – Itaim Maio/2010
Começarei pelo engano...  A dor física depende do domínio da neurofisiologia afetando o psiquismo quando se reflete na pessoa do homem sofredor. De um lado o trânsito dos estímulos no SN e de outro as conseqüências psicológicas e sociais da dor.
Conceito de dor Associação Internacional de Estudos da Dor (IASP) “Experiência sensorial e emocional desagradável, associada a dano presente ou potencial, ou descrita em termos de tal dano”. Tal afirmação aponta para a gênese da dor tanto na sensorialidade quanto na emoção que evoca a lesão ou dano: definição reconhece que existe uma dor REAL sem necessariamente existir uma agressão orgânica que a justifique. Reconhecida como dor atípica ou psicogênica.
Metapsicologia Dor intensa sempre nasce de um transtorno do eu, ainda que momentânea, uma vez ancorada no inconsciente, ela reaparecerá, transformada em acontecimentos penosos e inexplicados da vida cotidiana. Eu como: pessoa, corpo, consciência, órgão endoperceptor, memória e inconsciente. O inconsciente como alicerce do eu.
Dor da lesão, da comoção e da reação Como uma dor nasce no corpo e se transforma em uma dor inconsciente? Exemplo: queimadura. Etapas: Momento de anestesiamento pelo choque DOR DA LESÃO - O eu percebe uma dor externa  DOR DA COMOÇÃO- O eu é invadido por um estado de comoção interna (percepções misturadas na vivência de um mesmo afeto doloroso são distintas – uma cs e outra ics) DOR DA REAÇÃO - Como defesa a comoção interna, o eu aumenta a dor periférica
DOR DA LESÃO  O eu sempre sente a dor de forma periférica, seja de fora ou de dentro, a dor se faz na fronteira, a dor é uma ruptura fronteiriça.  Em casos graves, como um acidente, um tiro, um derrame, etc. podem romper totalmente o invólucro periférico. O eu se apaga. O sujeito percebe a excitação na zona periférica; imprime uma imagem no eu correspondente ao local lesado, sente a dor e visualiza essa imagem registrando na consciência uma REPRESENTAÇÃO DO LOCAL LESADO E DOLORIDO DO CORPO.
Essa representação ganha autonomia diante do eu, como se estivesse destacado do eu, enfraquecendo-o. A dor não esta mais na lesão, ela agora está na representação que habita no EU. “O eu é um captor sensível das mudanças tissulares, mas um mau cartógrafo. Identifica toda lesão corporal como lesão periférica, e, além disso, engana-se quando crê que a dor está na lesão. A dor está no cérebro quanto à sensação dolorosa e nos alicerces do eu (Ics) quanto à emoção dolorosa.”
DOR DA COMOÇÃO A percepção da dor fica marcada na memória do eu e dependendo de sua intensidade também na memória do Ics ( alicerce do eu). A dor resulta de uma dupla percepção: uma voltada para fora (percepção externa – capta a lesão e a sensação dolorosa) e outra para captar o transtorno psíquico que se segue. Primeira SOMATO-SENSORIAL e a segunda SOMATO-PULSIONAL. O sujeito transita entre TENHO DOR ( circunscrevo-a ) e SOU DOR (não a possuo, ela me possui). A organização da memória Ics funciona por outra lógica. O que ficará registrado são traços mnêmicos associados a experiência dolorosa. Não sabemos quais. Pode ser um cheiro, um som, uma cor, um objeto,.... Usar exemplo da paciente em relação ao andar do hospital, ou ao cheiro da comida, ao barulho do motor do dentista, etc.
Freud propõe o termo TRILHAMENTO – qualquer desses elementos – externos ou internos reativarão as memórias associadas a dor e sua manifestação , normalmente deslocada do lugar inicial da dor.  O retorno ao Eu emergirá de formas diferentes a primeira representação. Ex: memória do acidente e/ou convertida numa outra dor somática e/ou transfigurada pelo afeto da culpa e/ou da raiva e/ou por um ato impulsivo.  O sujeito experimentará uma sensação dolorosa inexplicada, isto é, sem causa orgânica detectável. Sofrerá sem saber que sua dor presente é a lembrança agida de uma dor passada. “O sujeito repete sem saber que se trata de uma repetição” – Freud
Não conseguimos representar em palavras todas as marcas inconscientes, nem tão pouco afirmar qual traço de memória será reativado quando o sujeito se depara com uma dor. Faremos a reconstrução através do discurso, do encadeamento proposto pelo sujeito. Por isso a dor é única. O clínico que recebe esse sujeito, queixando-se dessa NEO-DOR, concluirá se tratar de uma dor psicogênica.  Até aqui podemos afirmar que a dor corporal carrega em si a vivência afetiva de outras experiências dolorosas.
DOR DA REAÇÃO O mesmo eu que recebe a dor (externa ou interna) , cria uma representação para a dor, tentará criar uma estratégia de defesa para curar o mal estar.  Toda a energia circulante no eu, que esta também a serviço de tantas outras representações farão um movimento reativo de energia – contrainvestimento.  Ao contrário de minimizá-la ela se intensifica. Porquê?  Porque o eu trata não da lesão , mas sim da sua representação, na tentativa de dominar a representação dolorosa que fez com que o eu se percebesse cindido, ameaçado de sua integridade.
ABORDAGEM PSICOLÓGICA  Avaliar as funções egoícas: Atenção, percepção e pensamento Memória e temporalidade Controle voluntário das ações Consciência  e contato com a realidade Flexibilidade e juízo crítico Capacidade de síntese, conhecimento, linguagem e comunicação .
Referências Nasio, J.D – O livro da dor e do amor – Ed Zahar, 1997, S.P. www.pileup.com/babyart/ buga.com.sapo.pt/arquivo/intolerancia.jpg www.alternative-zine.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Dor ucp
Dor ucpDor ucp
Dor ucp
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Emoção
EmoçãoEmoção
Emoção
 
Psicossomatica e Cancer
Psicossomatica e CancerPsicossomatica e Cancer
Psicossomatica e Cancer
 
16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"
 
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICAESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
ESTUDO DIRIGIDO - PSICOSSOMÁTICA
 
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano01 sentimentos e emoções no comportamento humano
01 sentimentos e emoções no comportamento humano
 
Psicossomática - Por Rosemeire Zago
Psicossomática - Por Rosemeire ZagoPsicossomática - Por Rosemeire Zago
Psicossomática - Por Rosemeire Zago
 
Processos emocionais
Processos emocionaisProcessos emocionais
Processos emocionais
 
Fisiologia das Emoções
Fisiologia das EmoçõesFisiologia das Emoções
Fisiologia das Emoções
 
O homem integral
O homem integralO homem integral
O homem integral
 
Seminário de neuroanatomia: Emoções
Seminário de neuroanatomia: EmoçõesSeminário de neuroanatomia: Emoções
Seminário de neuroanatomia: Emoções
 
Vivências em Biodanza
Vivências em BiodanzaVivências em Biodanza
Vivências em Biodanza
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
 
Trabalho emoção
Trabalho emoçãoTrabalho emoção
Trabalho emoção
 
Porque Sentimos Dor
Porque Sentimos DorPorque Sentimos Dor
Porque Sentimos Dor
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
Sentimentos sob a ótica da Análise do Comportamento.
 
Semiologia da Dor
Semiologia da DorSemiologia da Dor
Semiologia da Dor
 
A relação da dor com a Medicina Chinesa e a Psicossomática
A relação da dor com a Medicina Chinesa e a PsicossomáticaA relação da dor com a Medicina Chinesa e a Psicossomática
A relação da dor com a Medicina Chinesa e a Psicossomática
 

Destaque (14)

fisiologia da dor
fisiologia da dorfisiologia da dor
fisiologia da dor
 
Fisiologia da dor
Fisiologia da dorFisiologia da dor
Fisiologia da dor
 
Dor - Prevalência, Avaliação, Tratamento
Dor - Prevalência, Avaliação, TratamentoDor - Prevalência, Avaliação, Tratamento
Dor - Prevalência, Avaliação, Tratamento
 
O Banquete, Platão
O Banquete, PlatãoO Banquete, Platão
O Banquete, Platão
 
O banquete
O banqueteO banquete
O banquete
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
 
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimaraDor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
Dor 5º sinal vital cb dor aula enfª lucimara
 
Dor
DorDor
Dor
 
Sinais vitais_
Sinais  vitais_Sinais  vitais_
Sinais vitais_
 
Receptores Sensoriais
Receptores SensoriaisReceptores Sensoriais
Receptores Sensoriais
 
Capitulo 1 a origem da filosofia
Capitulo 1   a origem da filosofiaCapitulo 1   a origem da filosofia
Capitulo 1 a origem da filosofia
 
Origem Da Filosofia
Origem Da FilosofiaOrigem Da Filosofia
Origem Da Filosofia
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 

Semelhante a Dor e subjetividade

Depressão psicologia clínica e da saúde
Depressão psicologia clínica e da saúdeDepressão psicologia clínica e da saúde
Depressão psicologia clínica e da saúdeAna Lopes
 
Dor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
Dor vs Sofrimento - Rosana De RosaDor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
Dor vs Sofrimento - Rosana De RosaRosana De Rosa
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdfCarlaFreire34
 
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.pptesde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.pptRobsonTeles6
 
Significado e Significante e a Dinâmica do Inconsciente na Terapia Regressiva
Significado e Significante e a Dinâmica do Inconsciente na Terapia RegressivaSignificado e Significante e a Dinâmica do Inconsciente na Terapia Regressiva
Significado e Significante e a Dinâmica do Inconsciente na Terapia RegressivaGSArt Web Solutions
 
Além do princípio do prazer,pdf
Além do princípio do prazer,pdfAlém do princípio do prazer,pdf
Além do princípio do prazer,pdfWagner da Matta
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectosguested634f
 
Dor sofrimento e escuta clinica feijoo 2019
Dor sofrimento e escuta clinica feijoo 2019Dor sofrimento e escuta clinica feijoo 2019
Dor sofrimento e escuta clinica feijoo 2019Sílvia Morais
 
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptxPROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptxconsultoriofisioerpg1
 
Notas sobre a Teoria de Wilhem Reich
Notas sobre a Teoria de Wilhem ReichNotas sobre a Teoria de Wilhem Reich
Notas sobre a Teoria de Wilhem ReichSilvia Marina Anaruma
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Caio Grimberg
 

Semelhante a Dor e subjetividade (20)

Depressão psicologia clínica e da saúde
Depressão psicologia clínica e da saúdeDepressão psicologia clínica e da saúde
Depressão psicologia clínica e da saúde
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Dor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
Dor vs Sofrimento - Rosana De RosaDor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
Dor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
 
Emoções - Mundo dos Negócios
Emoções - Mundo dos NegóciosEmoções - Mundo dos Negócios
Emoções - Mundo dos Negócios
 
_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf_Emoção- Apresentação.pdf
_Emoção- Apresentação.pdf
 
Doenças da alma
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da alma
 
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.pptesde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
 
Significado e Significante e a Dinâmica do Inconsciente na Terapia Regressiva
Significado e Significante e a Dinâmica do Inconsciente na Terapia RegressivaSignificado e Significante e a Dinâmica do Inconsciente na Terapia Regressiva
Significado e Significante e a Dinâmica do Inconsciente na Terapia Regressiva
 
Além do princípio do prazer,pdf
Além do princípio do prazer,pdfAlém do princípio do prazer,pdf
Além do princípio do prazer,pdf
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Doenças da alma
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
 
A importância da dor pra a doutrina espírita
A importância da dor pra a doutrina espíritaA importância da dor pra a doutrina espírita
A importância da dor pra a doutrina espírita
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕESNO LIMITE DAS EMOÇÕES
NO LIMITE DAS EMOÇÕES
 
A medicina e o espiritismo
A medicina e o espiritismoA medicina e o espiritismo
A medicina e o espiritismo
 
Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Dor sofrimento e escuta clinica feijoo 2019
Dor sofrimento e escuta clinica feijoo 2019Dor sofrimento e escuta clinica feijoo 2019
Dor sofrimento e escuta clinica feijoo 2019
 
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptxPROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
 
Notas sobre a Teoria de Wilhem Reich
Notas sobre a Teoria de Wilhem ReichNotas sobre a Teoria de Wilhem Reich
Notas sobre a Teoria de Wilhem Reich
 
Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010Desenvolvimento emocional 09 2010
Desenvolvimento emocional 09 2010
 

Mais de Núcleo Pró-Creare - Psicologia - Assistência & Ensino (6)

Grupo de humanização ao luto
Grupo de humanização ao lutoGrupo de humanização ao luto
Grupo de humanização ao luto
 
O discurso psicológico e o discurso médico
O discurso psicológico e o discurso médicoO discurso psicológico e o discurso médico
O discurso psicológico e o discurso médico
 
Intervenções psicológicas em saúde pública
Intervenções psicológicas em saúde públicaIntervenções psicológicas em saúde pública
Intervenções psicológicas em saúde pública
 
Estresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedadeEstresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedade
 
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentaçãoAspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
 
Aspectos psíquicos em gestação de alto risco
Aspectos psíquicos em gestação de alto riscoAspectos psíquicos em gestação de alto risco
Aspectos psíquicos em gestação de alto risco
 

Último

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

Dor e subjetividade

  • 1. DOR E SUBJETIVIDADE PatriciaBader Coord. Serviço de Psicologia HMSL – Itaim Maio/2010
  • 2. Começarei pelo engano... A dor física depende do domínio da neurofisiologia afetando o psiquismo quando se reflete na pessoa do homem sofredor. De um lado o trânsito dos estímulos no SN e de outro as conseqüências psicológicas e sociais da dor.
  • 3. Conceito de dor Associação Internacional de Estudos da Dor (IASP) “Experiência sensorial e emocional desagradável, associada a dano presente ou potencial, ou descrita em termos de tal dano”. Tal afirmação aponta para a gênese da dor tanto na sensorialidade quanto na emoção que evoca a lesão ou dano: definição reconhece que existe uma dor REAL sem necessariamente existir uma agressão orgânica que a justifique. Reconhecida como dor atípica ou psicogênica.
  • 4. Metapsicologia Dor intensa sempre nasce de um transtorno do eu, ainda que momentânea, uma vez ancorada no inconsciente, ela reaparecerá, transformada em acontecimentos penosos e inexplicados da vida cotidiana. Eu como: pessoa, corpo, consciência, órgão endoperceptor, memória e inconsciente. O inconsciente como alicerce do eu.
  • 5. Dor da lesão, da comoção e da reação Como uma dor nasce no corpo e se transforma em uma dor inconsciente? Exemplo: queimadura. Etapas: Momento de anestesiamento pelo choque DOR DA LESÃO - O eu percebe uma dor externa DOR DA COMOÇÃO- O eu é invadido por um estado de comoção interna (percepções misturadas na vivência de um mesmo afeto doloroso são distintas – uma cs e outra ics) DOR DA REAÇÃO - Como defesa a comoção interna, o eu aumenta a dor periférica
  • 6. DOR DA LESÃO O eu sempre sente a dor de forma periférica, seja de fora ou de dentro, a dor se faz na fronteira, a dor é uma ruptura fronteiriça. Em casos graves, como um acidente, um tiro, um derrame, etc. podem romper totalmente o invólucro periférico. O eu se apaga. O sujeito percebe a excitação na zona periférica; imprime uma imagem no eu correspondente ao local lesado, sente a dor e visualiza essa imagem registrando na consciência uma REPRESENTAÇÃO DO LOCAL LESADO E DOLORIDO DO CORPO.
  • 7. Essa representação ganha autonomia diante do eu, como se estivesse destacado do eu, enfraquecendo-o. A dor não esta mais na lesão, ela agora está na representação que habita no EU. “O eu é um captor sensível das mudanças tissulares, mas um mau cartógrafo. Identifica toda lesão corporal como lesão periférica, e, além disso, engana-se quando crê que a dor está na lesão. A dor está no cérebro quanto à sensação dolorosa e nos alicerces do eu (Ics) quanto à emoção dolorosa.”
  • 8. DOR DA COMOÇÃO A percepção da dor fica marcada na memória do eu e dependendo de sua intensidade também na memória do Ics ( alicerce do eu). A dor resulta de uma dupla percepção: uma voltada para fora (percepção externa – capta a lesão e a sensação dolorosa) e outra para captar o transtorno psíquico que se segue. Primeira SOMATO-SENSORIAL e a segunda SOMATO-PULSIONAL. O sujeito transita entre TENHO DOR ( circunscrevo-a ) e SOU DOR (não a possuo, ela me possui). A organização da memória Ics funciona por outra lógica. O que ficará registrado são traços mnêmicos associados a experiência dolorosa. Não sabemos quais. Pode ser um cheiro, um som, uma cor, um objeto,.... Usar exemplo da paciente em relação ao andar do hospital, ou ao cheiro da comida, ao barulho do motor do dentista, etc.
  • 9. Freud propõe o termo TRILHAMENTO – qualquer desses elementos – externos ou internos reativarão as memórias associadas a dor e sua manifestação , normalmente deslocada do lugar inicial da dor. O retorno ao Eu emergirá de formas diferentes a primeira representação. Ex: memória do acidente e/ou convertida numa outra dor somática e/ou transfigurada pelo afeto da culpa e/ou da raiva e/ou por um ato impulsivo. O sujeito experimentará uma sensação dolorosa inexplicada, isto é, sem causa orgânica detectável. Sofrerá sem saber que sua dor presente é a lembrança agida de uma dor passada. “O sujeito repete sem saber que se trata de uma repetição” – Freud
  • 10. Não conseguimos representar em palavras todas as marcas inconscientes, nem tão pouco afirmar qual traço de memória será reativado quando o sujeito se depara com uma dor. Faremos a reconstrução através do discurso, do encadeamento proposto pelo sujeito. Por isso a dor é única. O clínico que recebe esse sujeito, queixando-se dessa NEO-DOR, concluirá se tratar de uma dor psicogênica. Até aqui podemos afirmar que a dor corporal carrega em si a vivência afetiva de outras experiências dolorosas.
  • 11. DOR DA REAÇÃO O mesmo eu que recebe a dor (externa ou interna) , cria uma representação para a dor, tentará criar uma estratégia de defesa para curar o mal estar. Toda a energia circulante no eu, que esta também a serviço de tantas outras representações farão um movimento reativo de energia – contrainvestimento. Ao contrário de minimizá-la ela se intensifica. Porquê? Porque o eu trata não da lesão , mas sim da sua representação, na tentativa de dominar a representação dolorosa que fez com que o eu se percebesse cindido, ameaçado de sua integridade.
  • 12. ABORDAGEM PSICOLÓGICA Avaliar as funções egoícas: Atenção, percepção e pensamento Memória e temporalidade Controle voluntário das ações Consciência e contato com a realidade Flexibilidade e juízo crítico Capacidade de síntese, conhecimento, linguagem e comunicação .
  • 13. Referências Nasio, J.D – O livro da dor e do amor – Ed Zahar, 1997, S.P. www.pileup.com/babyart/ buga.com.sapo.pt/arquivo/intolerancia.jpg www.alternative-zine.com