SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
A dor Compreendendo seus mecanismos, função, importância e o seu bom aproveitamento             Ana Cláudia Leal
Conceito de dor é um sinal fisiológico que caracteriza uma injuria celular visando a integridade da organismo pelo reflexo de retirada. Não ocorre apenas nos casos de doença. É uma alarme de que um grupo de células estão morrendo. O cérebro entende que o que se esta fazendo é prejudicial a integridade do organismo. Não sentir dor é sinal de doença. Mecanismos fisiológico da dor
O córtex cerebral corresponde à camada mais externa do cérebro dos vertebrados, sendo rico em neurônios e o local do processamento neuronal mais sofisticado e distinto. O córtex humano tem 2-4mm de espessura, com uma área de 0,22m2 (se fosse disposto num plano) e desempenha um papel central em funções complexas do cérebro como na memória, atenção, consciência, linguagem, percepção e pensamento. Filogeneticamente, o córtex cerebral pode ser divido em arquicórtex, paleocórtex e neocórtex.  O arquicórtex, no homem, é encontrado no hipocampo; o paleocórtex está no úncus e também parte no giro para-hipocampal.  Ao restante do córtex dá-se o nome de neocórtex.  Os dois primeiros estão localizados em áreas corticais antigas relacionadas com a olfação e também comportamento emocional, fazendo parte do rinencéfalo e sistema límbico. Córtex
O arquicórtex (ou rinencéfalo) preside aos mecanismos instintivos, ligados à preservação do indivíduo e da própria espécie. Arquiocórtex
O neocórtex, já mais desenvolvido nos primatas, fornece suporte a atividades cognitivas e voluntárias, que atingem na espécie humana o seu máximo desenvolvimento. Neocórtex
Isto produz alívio da dor (analgesia). Um pouco desse alívio vem da estimulação dos neurotransmissores narcóticos naturais de alívio da dor chamados de endorfina, e encefalina. Os sinais de dor podem disparar os caminhos no sistema nervoso autônomo quando passam através da medula, provocando aumento do batimento cardíaco, respiração ofegante e transpiração. A extensão dessas reações depende muito da intensidade da dor, e elas podem ser atenuadas pelos centros cerebrais no córtex através de vários caminhos descendentes. Como os caminhos ascendentes da dor viajam pela espinha dorsal e medula, eles também podem ser disparados pela dor neuropática - danos aos nervos periféricos, espinha dorsal e o próprio cérebro. Contudo, a extensão do dano pode limitar a reação dos caminhos descendentes do cérebro. Caminho da dor
Sistema analgésico CentralOpióides naturais ou fisiológicos:  Endorfinas e Encefalinas:  Está localizado no arquiocórtex Bloqueiam a dor, agindo naturalmente no corpo como analgésicos. 
Esses hormonios, que também atuam como neurotransmissores tem efeito analgésico, minorado os efeitos das dores, inclusive as dores afetivas.  Como efeitos de opiáceos que, como as drogas heroína e morfina elas modulam a dor, reduzindo o desconforto.  À medida em que estas neurotransmissõesencefalinergicas e endorfinérgicas vão se processando dentro do cérebro e no sistema nervoso central, o corpo em sua totalidade vai reagindo com suores, secreções, taquicardias, tremores, paralizações, dilatações da pupila, gagueira, excitação sexual, vômitos e lágrimas, por exemplo.  Elas promovem uma espécie de catarse psíquico/corporal. Quem nunca se sentiu melhor após uma sessão de vômitos, uma crise de choro ou um forte momento de transpiração?  Portanto emoção é uma reação involuntária ligada às funções orgânicas, ou seja, o corpo é que produz, e que por vezes pode ser observada por terceiros. Emoção o corpo é que experimenta. Já o sentimento é a interpretação que damos à emoção.
Portal de Controle da Dor
Concentrada a atividade elétrica na região do Arquiocórtex menor é a atividade do sistema analgésico central. Esta maior atividade cerebral nesta região gera uma menor produção de substâncias analgésicas são  liberadas na corrente sanguínea.  Pois, o portão de controle da dor se abre e o indivíduo sente mais dor. Mais atividade elétrica na região do Neoocórtex Aumento da atividade elétrica cerebral nesta região libera a ação do sistema analgésico central. Diminuindo a atividade elétrica no arquiocórtex gerando uma  maior produção de encefalinas e endorfinas e, é fechado o portão de controle da dor e mesmos dor é percebida A dor  pode ser percebida:
A Percepção da dor é Individual Portão de controle da dor: Aberto:todos os estímulos dolorosos são sentidos Parcialmente aberto:  alguns estímulos de dor são sentidos Fechado:  sem dor
“Potência da alma.” “Tudo o que vive neste mundo, natureza, animal, homem, sofre e, todavia, o amor é a lei do Universo e por amor foi que Deus formou os seres.” (...) “É uma lei de equilíbrio e educação, é uma necessidade de ordem natural.” (...) “A dor e o prazer são extremos das sensações.” (...) A dor Segundo Léon DenisO problema do ser do destino e da dor
O homem em sua ignorância busca suprimir a dor “Suprimi a dor e suprimireis, ao mesmo tempo, o que é mais digno de admiração neste mundo, isto é, a coragem de suportá-la. O mais nobre ensinamento que se pode apresentar aos homens não é a memória daqueles que sofreram e morreram pela verdade e pela justiça? Há coisa mais augusta, mais venerável que seus túmulos? Nada iguala o poder moral que daí provém. As almas que deram tais exemplos avultam aos nossos olhos com os séculos e parecem, de longe, mais imponentes ainda; são outras tantas fontes de força, mais imponentes ainda; são outras tantas fontes de força e beleza onde vão retemperar-se as gerações. Através do tempo e do espaço, sua irradiação, como a luz dos astros, estende-se sobre a Terra. Sua morte gerou a vida, e sua lembrança, como aroma sutil, vai lançar em toda a parte a semente dos entusiasmos futuros. É, como nos ensinaram essas almas, pela dedicação, pelo sofrimento dignamente suportados que se sobem os caminhos do céu. A história do mundo não é outra coisa mais que a sagração do espírito pela dor. Sem ela, não pode haver virtude completa, nem glória imperecível. É necessário sofrer para adquirir e conquistar. Os atos de sacrifício aumentam as radiações psíquicas.” “É muito difícil fazer entender aos homens que o sofrimento é bom. Cada qual quereria refazer e embelezar a vida à sua vontade, adorná-la com todos os deleites, sem pensar que não há bem sem dor, ascensão sem suores e esforços.”
Dor física & dor moral “A dor física produz sensações” “O sofrimento moral produz sentimentos” “A dor física é, em geral, um aviso da Natureza, que procura preservar-nos dos excessos. Sem ela, abusaríamos de nossos órgãos até ao ponto de os destruirmos antes do tempo.” “Às almas fracas, a doença ensina a paciência, a sabedoria, o governo de si mesmas. Às almas fortes pode oferecer compensações de ideal, deixando ao Espírito o livre voo de suas aspirações até ao ponto de esquecer os sofrimentos físicos.”
 É, pois, realmente, pelo amor que nos tem, que Deus envia o sofrimento. Fere-nos, corrige-nos como a mãe corrige o filho para educá-lo e melhorá-lo; trabalha incessantemente para tornar dóceis, para purificar e embelezar nossas almas, porque elas não podem ser verdadeiras, completamente felizes, senão na medida correspondente às suas perfeições.
Origem da dor: “De duas espécies são as vicissitudes da vida, ou, se o preferirem, promanam de duas fontes bem diferentes, que importa distinguir. Umas têm sua causa na vida presente; outras, fora desta vida.”  				E.S.E.
Função da dor: “A todos aqueles que perguntam: Para que serve a dor? Respondo: Para polir a pedra, esculpir o mármore, fundir o vidro, martelar o ferro. Serve para edificar e ornar o templo magnífico, cheio de raios, de vibrações, de hinos, de perfumes, onde se combinam todas as artes para exprimirem o divino, prepararem a apoteose do pensamento consciente, celebrarem a libertação do Espírito!”  			Leon Denis
Frida Kahlo “Eu pinto-me porque estou muitas vezes sozinha e porque sou o tema que conheço melhor". É considerada uma das mais grandiosas pintoras mexicanas. Ela pintava para si mesma, numa tentativa de minorar a sua dor. Sua vida foi marcada por tragédias que acabaram por traçar o seu caminho e influenciar o modo como via o mundo e tudo aquilo o que a rodeava. Aos 6 anos, contraiu poliomielite, que lhe trouxe sequelas que a haviam de acompanhar pela vida fora, tendo ficado coxa devido a problemas na perna direita e no pé esquerdo. Aos 18 anos, sofreu um acidente o autocarro onde seguia bateu num eléctrico e Frida sofreu graves ferimentos na coluna, costas, pélvis, ombros e pés. Esteve hospitalizada muitos meses e foi nessa altura que começou a pintar, para se distrair e para minimizar a tristeza que sentia. A impossibilidade de ser mãe, devido ao grave acidente que sofreu, foi o seu maior desgosto. A gravidez e o aborto foram dos temas mais retratados, em telas cheias de revolta e tristeza.
Nasceu  em 04/06/1914 no Bairro de Santíssimo na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Nasceu normal, cresceu rápido, andou... Correu como toda a criança até completar sete anos, foi quando começou a sentir dores e câimbras nas pernas. A doença foi diagnosticada como Artrite ReumatóideInfecciosa, quandfotiha 19 anos.  Certa manhã ao despertar apoiou a mão para se sentar, porém a bacia do lado direito não flexionou.  Daí por diante, as articulações foram enrijecendo, obrigando-o a ficar permanentemente na posição horizontal. Com o falecimento de sua mãe, mudou-se para a sede do Grêmio Espírita Luz e Amor, em Bangu, que tinha como o seu presidente o Sr. Vicente Moretti, e lá Aurino viveria por vinte e dois anos e prepararia a fundação da ACVM. Em 1961. O tempo corria célere e a deficiência respiratória de Aurino agravou-se, foi quando lhe  orientaram a amputação de suas pernas, para que na posição vertical, em uma cadeira de rodas, ele pudesse se locomover e sanar em parte a suas dificuldades físicas. Em 19 de junho de 1967, submeteu-se a cirurgia. E na posição vertical tornou-se mais ativo. Passando a dedicar-se cada vez mais ao crescimento da Instituição. Desencarno em 1986 na Beneficência Portuguesa.                                 AurinoCosta1914 - 1986
Bem-aventurados os que choram, pois que serão consolados.  Bem-aventurados os famintos e os sequiosos de justiça, pois que serão saciados.  Bem-aventurados os que sofrem perseguição pela justiça, pois que é deles o reino dos céus.  		(S. MATEUS, cap. V, vv. 5, 6 e 10.) Causas de Resignação
Instrução dos Espíritos   Evangelho Segundo espiritismo 	“Mas, ah! poucos sofrem bem; poucos compreendem que somente as provas bem suportadas podem conduzi-los ao reino de Deus. O desânimo é uma falta. Deus vos recusa consolações, desde que vos falte coragem. A prece é um apoio para a alma; contudo, não basta: é preciso tenha por base uma fé viva na bondade de Deus. Ele já muitas vezes vos disse que não coloca fardos pesados em ombros fracos. O fardo é proporcionado às forças, como a recompensa o será à resignação e à coragem. Mais opulenta será a recompensa, do que penosa a aflição. Cumpre, porém, merecê-la, e é para isso que a vida se apresenta cheia de tribulações.”(...) 	“Bem-aventurados os aflitos pode então traduzir-se assim: Bem-aventurados os que têm ocasião de provar sua fé, sua firmeza, sua perseverança e sua submissão à vontade de Deus, porque terão centuplicada a alegria que lhes falta na Terra, porque depois do labor virá o repouso.” Lacordaire. (Havre, 1863.)
pérola Acorda, o mundo lá fora te espera Muitos precisam de um sorriso, uma palavra amiga E você preocupado com a sua dor Pare, pense no outro, esquece um pouco de si E verás a dor que agora te alucina, é o grão de areia Que, na ostra, vira pérola enfeitando a vida Sorria, afaste a dor do coração Ajudando a quem precisa de uma força maior Capaz de transformar aflições Em fortaleza de fé em Deus Em fortaleza de fé em Deus “Tudo se regata pela dor.”  Léon Denis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
igmateus
 

Mais procurados (20)

Como encarar a dor e o sofrimento
Como encarar a dor e o sofrimentoComo encarar a dor e o sofrimento
Como encarar a dor e o sofrimento
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moralPalestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
 
O Homem de Bem
O Homem de BemO Homem de Bem
O Homem de Bem
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
Justiça das Aflições
Justiça das AfliçõesJustiça das Aflições
Justiça das Aflições
 
Pecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultérioPecado por pensamento e adultério
Pecado por pensamento e adultério
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Indulgencia
 
Humildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtudeHumildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtude
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
 
Palestra o carater educativo da dor
Palestra  o carater educativo da dorPalestra  o carater educativo da dor
Palestra o carater educativo da dor
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
 
O verdadeiro cilicio
O verdadeiro cilicio O verdadeiro cilicio
O verdadeiro cilicio
 
Da Lei de Liberdade
Da Lei de LiberdadeDa Lei de Liberdade
Da Lei de Liberdade
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
 

Destaque

Neuroanatomia, Corteza cerebral
Neuroanatomia, Corteza cerebralNeuroanatomia, Corteza cerebral
Neuroanatomia, Corteza cerebral
Raul Lazos
 
Areas funcionales de la corteza cerebral
Areas funcionales de la corteza cerebralAreas funcionales de la corteza cerebral
Areas funcionales de la corteza cerebral
Marco Romero
 
Priones, Enfermedades degenarativas del sistema nervioso central
Priones, Enfermedades degenarativas del sistema nervioso centralPriones, Enfermedades degenarativas del sistema nervioso central
Priones, Enfermedades degenarativas del sistema nervioso central
Tylo Campos
 

Destaque (15)

A IMPORTANCIA DA DOR
A  IMPORTANCIA DA DORA  IMPORTANCIA DA DOR
A IMPORTANCIA DA DOR
 
Neuroanatomia, Corteza cerebral
Neuroanatomia, Corteza cerebralNeuroanatomia, Corteza cerebral
Neuroanatomia, Corteza cerebral
 
Corteza cerebral, estructura y localización funcional.
Corteza cerebral, estructura y localización funcional.Corteza cerebral, estructura y localización funcional.
Corteza cerebral, estructura y localización funcional.
 
Corteza cerebral
Corteza cerebral Corteza cerebral
Corteza cerebral
 
Areas funcionales de la corteza cerebral
Areas funcionales de la corteza cerebralAreas funcionales de la corteza cerebral
Areas funcionales de la corteza cerebral
 
Priones, Enfermedades degenarativas del sistema nervioso central
Priones, Enfermedades degenarativas del sistema nervioso centralPriones, Enfermedades degenarativas del sistema nervioso central
Priones, Enfermedades degenarativas del sistema nervioso central
 
Presentación sistematizacion corteza cerebral
Presentación sistematizacion corteza cerebralPresentación sistematizacion corteza cerebral
Presentación sistematizacion corteza cerebral
 
Lenguaje y lobulo frontal
Lenguaje y lobulo frontalLenguaje y lobulo frontal
Lenguaje y lobulo frontal
 
Corteza cerebral y áreas de Brodmann
Corteza cerebral y áreas de BrodmannCorteza cerebral y áreas de Brodmann
Corteza cerebral y áreas de Brodmann
 
Estructura y localización funcional de la corteza cerebral
Estructura y localización funcional de la corteza cerebralEstructura y localización funcional de la corteza cerebral
Estructura y localización funcional de la corteza cerebral
 
La Corteza Cerebral
La Corteza CerebralLa Corteza Cerebral
La Corteza Cerebral
 
Neurolingüística (final)
Neurolingüística (final)Neurolingüística (final)
Neurolingüística (final)
 
Corteza Cerebral
Corteza CerebralCorteza Cerebral
Corteza Cerebral
 
Korbinian Brodman 52 areas del cerebro
Korbinian Brodman 52 areas del cerebroKorbinian Brodman 52 areas del cerebro
Korbinian Brodman 52 areas del cerebro
 
Areas de brodmann completas con descripción
Areas de brodmann completas con descripción Areas de brodmann completas con descripción
Areas de brodmann completas con descripción
 

Semelhante a A importância da dor pra a doutrina espírita

A relação emoção corpo
A relação emoção corpoA relação emoção corpo
A relação emoção corpo
Dalila Melo
 
Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]
Jeanne Geyer
 
Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]
Jeanne Geyer
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
jcevadro
 

Semelhante a A importância da dor pra a doutrina espírita (20)

50 arrobas com Jesus ficam mais leves
50 arrobas com Jesus ficam mais leves50 arrobas com Jesus ficam mais leves
50 arrobas com Jesus ficam mais leves
 
Doenças da alma
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da alma
 
Corpos e curas2
Corpos e curas2Corpos e curas2
Corpos e curas2
 
Disciplina mental
Disciplina mental  Disciplina mental
Disciplina mental
 
Doenças e Saúde - atualizado nov2022.pptx
Doenças e Saúde - atualizado nov2022.pptxDoenças e Saúde - atualizado nov2022.pptx
Doenças e Saúde - atualizado nov2022.pptx
 
Semiologia da Dor
Semiologia da DorSemiologia da Dor
Semiologia da Dor
 
Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
 
Aula Perispirito e Enfermidade -Rosana De Rosa
Aula Perispirito e Enfermidade -Rosana De RosaAula Perispirito e Enfermidade -Rosana De Rosa
Aula Perispirito e Enfermidade -Rosana De Rosa
 
A relação emoção corpo
A relação emoção corpoA relação emoção corpo
A relação emoção corpo
 
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
29297663 curso-de-apometria-nucleo-ramatis
 
A DÍVIDA, O TEMPO E A EUTANÁSIA
A DÍVIDA, O TEMPO E A EUTANÁSIAA DÍVIDA, O TEMPO E A EUTANÁSIA
A DÍVIDA, O TEMPO E A EUTANÁSIA
 
Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]
 
Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]Desencarne processo de[1]
Desencarne processo de[1]
 
Gee perispirito e enfermidade
Gee perispirito e enfermidadeGee perispirito e enfermidade
Gee perispirito e enfermidade
 
Clodoaldo Pacheco - Flor de íris, depressão e hipotireoidismo
Clodoaldo Pacheco - Flor de íris, depressão e hipotireoidismoClodoaldo Pacheco - Flor de íris, depressão e hipotireoidismo
Clodoaldo Pacheco - Flor de íris, depressão e hipotireoidismo
 
Doenças: Uma Visão Espírita
Doenças: Uma Visão EspíritaDoenças: Uma Visão Espírita
Doenças: Uma Visão Espírita
 
Porque sofremos
Porque sofremosPorque sofremos
Porque sofremos
 
Apostila neuropsicanálise atual
Apostila neuropsicanálise atualApostila neuropsicanálise atual
Apostila neuropsicanálise atual
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
 

Mais de Ana Cláudia Leal Felgueiras

Livro do médiuns - Do maravilhoso ao Sobrenatural
Livro do médiuns - Do maravilhoso ao SobrenaturalLivro do médiuns - Do maravilhoso ao Sobrenatural
Livro do médiuns - Do maravilhoso ao Sobrenatural
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 

Mais de Ana Cláudia Leal Felgueiras (20)

O Livro dos Espíritos perg. 128 a 131 Anjos e Demônios.
O Livro dos Espíritos perg. 128 a 131 Anjos e Demônios.O Livro dos Espíritos perg. 128 a 131 Anjos e Demônios.
O Livro dos Espíritos perg. 128 a 131 Anjos e Demônios.
 
Espiritismo no mundo
Espiritismo no mundoEspiritismo no mundo
Espiritismo no mundo
 
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para MocidadeMediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
 
Gratidão
GratidãoGratidão
Gratidão
 
Parábola do Últimos Lugares
Parábola do Últimos LugaresParábola do Últimos Lugares
Parábola do Últimos Lugares
 
Parábola das Bodas
Parábola das BodasParábola das Bodas
Parábola das Bodas
 
Ovelha Perdida
Ovelha PerdidaOvelha Perdida
Ovelha Perdida
 
Congresso das Mocidades Espíritas do estado do Rio de Janeiro
Congresso das Mocidades Espíritas do estado do Rio de JaneiroCongresso das Mocidades Espíritas do estado do Rio de Janeiro
Congresso das Mocidades Espíritas do estado do Rio de Janeiro
 
Sexo e obsessão
Sexo e obsessãoSexo e obsessão
Sexo e obsessão
 
Lei de reprodução
Lei de reproduçãoLei de reprodução
Lei de reprodução
 
Simpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenasSimpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenas
 
Resposta sexo
Resposta sexoResposta sexo
Resposta sexo
 
"Ainda que eu falasse as línguas dos homens..."
"Ainda que eu falasse as línguas dos homens...""Ainda que eu falasse as línguas dos homens..."
"Ainda que eu falasse as línguas dos homens..."
 
Livro do médiuns - Do maravilhoso ao Sobrenatural
Livro do médiuns - Do maravilhoso ao SobrenaturalLivro do médiuns - Do maravilhoso ao Sobrenatural
Livro do médiuns - Do maravilhoso ao Sobrenatural
 
História do espiritismo no Brasil
História do espiritismo no BrasilHistória do espiritismo no Brasil
História do espiritismo no Brasil
 
Senhor que queres que eu faça?
Senhor que queres que eu faça?Senhor que queres que eu faça?
Senhor que queres que eu faça?
 
Pluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitadosPluralidade dos mundos habitados
Pluralidade dos mundos habitados
 
Ananias e Saulo
Ananias e SauloAnanias e Saulo
Ananias e Saulo
 
Se quisesse
Se quisesseSe quisesse
Se quisesse
 
Tipos de mediunidade
Tipos de mediunidadeTipos de mediunidade
Tipos de mediunidade
 

A importância da dor pra a doutrina espírita

  • 1. A dor Compreendendo seus mecanismos, função, importância e o seu bom aproveitamento Ana Cláudia Leal
  • 2. Conceito de dor é um sinal fisiológico que caracteriza uma injuria celular visando a integridade da organismo pelo reflexo de retirada. Não ocorre apenas nos casos de doença. É uma alarme de que um grupo de células estão morrendo. O cérebro entende que o que se esta fazendo é prejudicial a integridade do organismo. Não sentir dor é sinal de doença. Mecanismos fisiológico da dor
  • 3. O córtex cerebral corresponde à camada mais externa do cérebro dos vertebrados, sendo rico em neurônios e o local do processamento neuronal mais sofisticado e distinto. O córtex humano tem 2-4mm de espessura, com uma área de 0,22m2 (se fosse disposto num plano) e desempenha um papel central em funções complexas do cérebro como na memória, atenção, consciência, linguagem, percepção e pensamento. Filogeneticamente, o córtex cerebral pode ser divido em arquicórtex, paleocórtex e neocórtex. O arquicórtex, no homem, é encontrado no hipocampo; o paleocórtex está no úncus e também parte no giro para-hipocampal. Ao restante do córtex dá-se o nome de neocórtex. Os dois primeiros estão localizados em áreas corticais antigas relacionadas com a olfação e também comportamento emocional, fazendo parte do rinencéfalo e sistema límbico. Córtex
  • 4. O arquicórtex (ou rinencéfalo) preside aos mecanismos instintivos, ligados à preservação do indivíduo e da própria espécie. Arquiocórtex
  • 5. O neocórtex, já mais desenvolvido nos primatas, fornece suporte a atividades cognitivas e voluntárias, que atingem na espécie humana o seu máximo desenvolvimento. Neocórtex
  • 6. Isto produz alívio da dor (analgesia). Um pouco desse alívio vem da estimulação dos neurotransmissores narcóticos naturais de alívio da dor chamados de endorfina, e encefalina. Os sinais de dor podem disparar os caminhos no sistema nervoso autônomo quando passam através da medula, provocando aumento do batimento cardíaco, respiração ofegante e transpiração. A extensão dessas reações depende muito da intensidade da dor, e elas podem ser atenuadas pelos centros cerebrais no córtex através de vários caminhos descendentes. Como os caminhos ascendentes da dor viajam pela espinha dorsal e medula, eles também podem ser disparados pela dor neuropática - danos aos nervos periféricos, espinha dorsal e o próprio cérebro. Contudo, a extensão do dano pode limitar a reação dos caminhos descendentes do cérebro. Caminho da dor
  • 7.
  • 8. Sistema analgésico CentralOpióides naturais ou fisiológicos: Endorfinas e Encefalinas: Está localizado no arquiocórtex Bloqueiam a dor, agindo naturalmente no corpo como analgésicos. 
Esses hormonios, que também atuam como neurotransmissores tem efeito analgésico, minorado os efeitos das dores, inclusive as dores afetivas. Como efeitos de opiáceos que, como as drogas heroína e morfina elas modulam a dor, reduzindo o desconforto.  À medida em que estas neurotransmissõesencefalinergicas e endorfinérgicas vão se processando dentro do cérebro e no sistema nervoso central, o corpo em sua totalidade vai reagindo com suores, secreções, taquicardias, tremores, paralizações, dilatações da pupila, gagueira, excitação sexual, vômitos e lágrimas, por exemplo.  Elas promovem uma espécie de catarse psíquico/corporal. Quem nunca se sentiu melhor após uma sessão de vômitos, uma crise de choro ou um forte momento de transpiração? Portanto emoção é uma reação involuntária ligada às funções orgânicas, ou seja, o corpo é que produz, e que por vezes pode ser observada por terceiros. Emoção o corpo é que experimenta. Já o sentimento é a interpretação que damos à emoção.
  • 10. Concentrada a atividade elétrica na região do Arquiocórtex menor é a atividade do sistema analgésico central. Esta maior atividade cerebral nesta região gera uma menor produção de substâncias analgésicas são liberadas na corrente sanguínea. Pois, o portão de controle da dor se abre e o indivíduo sente mais dor. Mais atividade elétrica na região do Neoocórtex Aumento da atividade elétrica cerebral nesta região libera a ação do sistema analgésico central. Diminuindo a atividade elétrica no arquiocórtex gerando uma maior produção de encefalinas e endorfinas e, é fechado o portão de controle da dor e mesmos dor é percebida A dor pode ser percebida:
  • 11. A Percepção da dor é Individual Portão de controle da dor: Aberto:todos os estímulos dolorosos são sentidos Parcialmente aberto: alguns estímulos de dor são sentidos Fechado: sem dor
  • 12. “Potência da alma.” “Tudo o que vive neste mundo, natureza, animal, homem, sofre e, todavia, o amor é a lei do Universo e por amor foi que Deus formou os seres.” (...) “É uma lei de equilíbrio e educação, é uma necessidade de ordem natural.” (...) “A dor e o prazer são extremos das sensações.” (...) A dor Segundo Léon DenisO problema do ser do destino e da dor
  • 13. O homem em sua ignorância busca suprimir a dor “Suprimi a dor e suprimireis, ao mesmo tempo, o que é mais digno de admiração neste mundo, isto é, a coragem de suportá-la. O mais nobre ensinamento que se pode apresentar aos homens não é a memória daqueles que sofreram e morreram pela verdade e pela justiça? Há coisa mais augusta, mais venerável que seus túmulos? Nada iguala o poder moral que daí provém. As almas que deram tais exemplos avultam aos nossos olhos com os séculos e parecem, de longe, mais imponentes ainda; são outras tantas fontes de força, mais imponentes ainda; são outras tantas fontes de força e beleza onde vão retemperar-se as gerações. Através do tempo e do espaço, sua irradiação, como a luz dos astros, estende-se sobre a Terra. Sua morte gerou a vida, e sua lembrança, como aroma sutil, vai lançar em toda a parte a semente dos entusiasmos futuros. É, como nos ensinaram essas almas, pela dedicação, pelo sofrimento dignamente suportados que se sobem os caminhos do céu. A história do mundo não é outra coisa mais que a sagração do espírito pela dor. Sem ela, não pode haver virtude completa, nem glória imperecível. É necessário sofrer para adquirir e conquistar. Os atos de sacrifício aumentam as radiações psíquicas.” “É muito difícil fazer entender aos homens que o sofrimento é bom. Cada qual quereria refazer e embelezar a vida à sua vontade, adorná-la com todos os deleites, sem pensar que não há bem sem dor, ascensão sem suores e esforços.”
  • 14. Dor física & dor moral “A dor física produz sensações” “O sofrimento moral produz sentimentos” “A dor física é, em geral, um aviso da Natureza, que procura preservar-nos dos excessos. Sem ela, abusaríamos de nossos órgãos até ao ponto de os destruirmos antes do tempo.” “Às almas fracas, a doença ensina a paciência, a sabedoria, o governo de si mesmas. Às almas fortes pode oferecer compensações de ideal, deixando ao Espírito o livre voo de suas aspirações até ao ponto de esquecer os sofrimentos físicos.”
  • 15. É, pois, realmente, pelo amor que nos tem, que Deus envia o sofrimento. Fere-nos, corrige-nos como a mãe corrige o filho para educá-lo e melhorá-lo; trabalha incessantemente para tornar dóceis, para purificar e embelezar nossas almas, porque elas não podem ser verdadeiras, completamente felizes, senão na medida correspondente às suas perfeições.
  • 16. Origem da dor: “De duas espécies são as vicissitudes da vida, ou, se o preferirem, promanam de duas fontes bem diferentes, que importa distinguir. Umas têm sua causa na vida presente; outras, fora desta vida.” E.S.E.
  • 17. Função da dor: “A todos aqueles que perguntam: Para que serve a dor? Respondo: Para polir a pedra, esculpir o mármore, fundir o vidro, martelar o ferro. Serve para edificar e ornar o templo magnífico, cheio de raios, de vibrações, de hinos, de perfumes, onde se combinam todas as artes para exprimirem o divino, prepararem a apoteose do pensamento consciente, celebrarem a libertação do Espírito!” Leon Denis
  • 18. Frida Kahlo “Eu pinto-me porque estou muitas vezes sozinha e porque sou o tema que conheço melhor". É considerada uma das mais grandiosas pintoras mexicanas. Ela pintava para si mesma, numa tentativa de minorar a sua dor. Sua vida foi marcada por tragédias que acabaram por traçar o seu caminho e influenciar o modo como via o mundo e tudo aquilo o que a rodeava. Aos 6 anos, contraiu poliomielite, que lhe trouxe sequelas que a haviam de acompanhar pela vida fora, tendo ficado coxa devido a problemas na perna direita e no pé esquerdo. Aos 18 anos, sofreu um acidente o autocarro onde seguia bateu num eléctrico e Frida sofreu graves ferimentos na coluna, costas, pélvis, ombros e pés. Esteve hospitalizada muitos meses e foi nessa altura que começou a pintar, para se distrair e para minimizar a tristeza que sentia. A impossibilidade de ser mãe, devido ao grave acidente que sofreu, foi o seu maior desgosto. A gravidez e o aborto foram dos temas mais retratados, em telas cheias de revolta e tristeza.
  • 19. Nasceu em 04/06/1914 no Bairro de Santíssimo na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Nasceu normal, cresceu rápido, andou... Correu como toda a criança até completar sete anos, foi quando começou a sentir dores e câimbras nas pernas. A doença foi diagnosticada como Artrite ReumatóideInfecciosa, quandfotiha 19 anos. Certa manhã ao despertar apoiou a mão para se sentar, porém a bacia do lado direito não flexionou. Daí por diante, as articulações foram enrijecendo, obrigando-o a ficar permanentemente na posição horizontal. Com o falecimento de sua mãe, mudou-se para a sede do Grêmio Espírita Luz e Amor, em Bangu, que tinha como o seu presidente o Sr. Vicente Moretti, e lá Aurino viveria por vinte e dois anos e prepararia a fundação da ACVM. Em 1961. O tempo corria célere e a deficiência respiratória de Aurino agravou-se, foi quando lhe orientaram a amputação de suas pernas, para que na posição vertical, em uma cadeira de rodas, ele pudesse se locomover e sanar em parte a suas dificuldades físicas. Em 19 de junho de 1967, submeteu-se a cirurgia. E na posição vertical tornou-se mais ativo. Passando a dedicar-se cada vez mais ao crescimento da Instituição. Desencarno em 1986 na Beneficência Portuguesa. AurinoCosta1914 - 1986
  • 20. Bem-aventurados os que choram, pois que serão consolados. Bem-aventurados os famintos e os sequiosos de justiça, pois que serão saciados. Bem-aventurados os que sofrem perseguição pela justiça, pois que é deles o reino dos céus. (S. MATEUS, cap. V, vv. 5, 6 e 10.) Causas de Resignação
  • 21. Instrução dos Espíritos Evangelho Segundo espiritismo “Mas, ah! poucos sofrem bem; poucos compreendem que somente as provas bem suportadas podem conduzi-los ao reino de Deus. O desânimo é uma falta. Deus vos recusa consolações, desde que vos falte coragem. A prece é um apoio para a alma; contudo, não basta: é preciso tenha por base uma fé viva na bondade de Deus. Ele já muitas vezes vos disse que não coloca fardos pesados em ombros fracos. O fardo é proporcionado às forças, como a recompensa o será à resignação e à coragem. Mais opulenta será a recompensa, do que penosa a aflição. Cumpre, porém, merecê-la, e é para isso que a vida se apresenta cheia de tribulações.”(...) “Bem-aventurados os aflitos pode então traduzir-se assim: Bem-aventurados os que têm ocasião de provar sua fé, sua firmeza, sua perseverança e sua submissão à vontade de Deus, porque terão centuplicada a alegria que lhes falta na Terra, porque depois do labor virá o repouso.” Lacordaire. (Havre, 1863.)
  • 22. pérola Acorda, o mundo lá fora te espera Muitos precisam de um sorriso, uma palavra amiga E você preocupado com a sua dor Pare, pense no outro, esquece um pouco de si E verás a dor que agora te alucina, é o grão de areia Que, na ostra, vira pérola enfeitando a vida Sorria, afaste a dor do coração Ajudando a quem precisa de uma força maior Capaz de transformar aflições Em fortaleza de fé em Deus Em fortaleza de fé em Deus “Tudo se regata pela dor.” Léon Denis