A relação da dor com a Medicina Chinesa e a Psicossomática

1.391 visualizações

Publicada em

Palestra ministrada no Congresso Ceata de Acupuntura em 01 de junho de 2014

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.391
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
183
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
110
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A relação da dor com a Medicina Chinesa e a Psicossomática

  1. 1. A Relação da Dor com a Medicina Chinesa e a Psicossomática RENATA PATRICIA PUDO 2014
  2. 2. HIPÓTESE As dores músculos-esqueléticas analisadas pela Medicina Tradicional Chinesa tem como causa a Estagnação do Qi no Elemento Madeira. Esta Estagnação ocorre como resultado da desafetação.
  3. 3. BREVE HISTÓRICO
  4. 4. Medicina Tradicional Chinesa  Nei Ching – Livro das doenças internas – escrito por volta de 5000 anos  Su Wen – “Tratado de Medicina Interna”  Ling Shu – “ o Pivot Maravilhoso”
  5. 5. MTC no Ocidente  Divulgou os conhecimentos chineses no meio acadêmico  Escrito na década de 30. Primeira obra escrita para o ocidente
  6. 6. MTC no Ocidente Visita diplomática do Presidente americano Richard Nixon a China 1972
  7. 7. Editor-Chefe do New York Times James Reston sofreu de um crise de apêndice e foi submetido a uma cirurgia de emergência. MTC no Ocidente
  8. 8. MTC no ocidente No seu pós-operatório, os chineses utilizaram acupuntura o que o deixou perplexo com o alivio da dor e fez com que ao retornar ele escrevesse sobre sua experiência.
  9. 9. Psicossomática Psicanálitica Emmanuel Kant (1724-1804) “ Corpo e alma compartilham o bem e o mal que lhes acontece. O espirito é incapaz de funcionar quando o corpo está cansado, e uma dedicação exclusiva aos espírito destrói o corpo, incapaz de regenera e de fazer o trabalho de reparação”
  10. 10. Psicossomática Psicanalítica Sigmund Freud (1856 – 1939) Em 1900 desenvolvendo um clínica e fundamentos teóricos que buscam permitir a compreensão das diferentes passagens e relações entre as manifestações os psíquicas e corporais
  11. 11. Psicossomática Psicanalítica Joyce Mcdougall (1920 – 2011) Neozelandesa exerceu a psicanálise clínica e didática na Inglaterra e França sendo membro efetivo do Instituto de Psicanálise de Paris
  12. 12. CONCEITOS DA MTC
  13. 13. Energia, Força Vital, Poder vital
  14. 14. Manifesta-se simultaneamente sobre os níveis físicos e espiritual É um estado constante de fluxo em estados variados de agregação. (condensa a energia , se transforma, acumula em forma física)
  15. 15. Etiologia das desarmonias do Qi  Fatores Exógenos  Fatores Patogênicos  Fatores Endógenos  Excesso  Deficiência  Estagnação
  16. 16. CONCEITOS DA PSICOSSOMÁTICA PSICANALÍTICA
  17. 17. Freud diz: “... Uma pulsão nos aparecerá como sendo um conceito situado na fronteira entre o mental e o somático, como representante psíquico dos estímulos que se originam dentro do organismo e alcançam a mente, como uma medida de exigência feita à mente no sentido de trabalhar em consequências da sua ligação com o corpo”
  18. 18.  Para Freud a pulsão só se faz presente no psiquismo através de seus representantes :  Representante ideativo (ideia)  Estado Afetivo (afeto)
  19. 19. “O afeto é um quantum pulsional, a soma de excitações, tem todas as características de uma quantidade – embora não exista meio para medi-la. É passível de aumento, diminuição, deslocamento e descarga e se espalha sobre os traços mnêmicos das representações como faria uma carga elétrica sobre a superfícies do corpo” Cristina Ocariz (2007)
  20. 20.  Joyce Mcdougall Insiste na ideia de que o afeto constituem vínculos privilegiados entre o psiquismo e o soma. Sendo um conceito-limite, o afeto é o meio caminho entre o somático e psíquico.
  21. 21.  Freud indicou três transformações possíveis para o afeto inacessível ao consciente:  Conversão histérica,  Neurose obsessiva  Neurose atual
  22. 22. Joyce McDouygall considerou plausível acrescentar a essas um quarta eventualidade. Forclusão do afeto : “ capacidade incomum de expulsar de seus discursos analítico certas experiências carregadas de afeto como a consequência de que estas encontram expressão fora da analise de certo modo, fora do psiquismo.”
  23. 23. Desta forma, ao ocorrer a atuação do mecanismo de defesa da forclusão do afeto o indivíduo consegue realizar a desafetação do afeto.
  24. 24. Na desafetação segundo McDougall: “O afeto não pode ser concebido como acontecimento puramente mental ou puramente físico. A emoção é essencialmente psicossomática. Assim o fato de ejetar a parte psíquica de uma emoção permite à parte fisiológica exprimir-se como na primeira infância, o que leva a ressomatização do afeto. O sinal psíquico reduz-se a uma mensagem de ação não verbal. Os indivíduos tratam a emoção dessa maneira são presas potenciais de explosões somáticas de todos os tipos, quando determinados acontecimentos (acidentes, nascimentos, lutos, divórcio, abandono) ocorrem.”
  25. 25. RELACÃO ENTRE A MTC E A PSICOSSOMÁTICA
  26. 26. O Elemento Madeira  Fluxo livre do Qi  Controlar os sentimento (raiva),  Yang – movimento expansivo  Yin - espera, recolhimento “O equilíbrio nasce da alternância entre movimento e recolhimento. O elemento madeira imprime o ritmo biológico e psicológico de cada um.” (Helena Campiglia)
  27. 27. Sendo o Afeto um quantum energético que afeta o psiquismo e o soma e sendo o Qi uma energia que através dos estudos da MTC afeta o psiquismo e o soma, podemos relacionar estas duas ideias aparentemente tão diferentes, mas que que unem neste ponto.
  28. 28. O Elemento Madeira tem como uma das funções principais o controle dos sentimentos, manifestações da raiva. O processo de desafetação pode ter grande relevância nesta situação. Pois o afeto que não encontra uma expressão psíquica terá uma manifestação no soma
  29. 29. A aplicação de determinadas técnicas de acupuntura (como aplicação de agulhas finas) ventosas, moxabustão e massagens tem como resultado a liberação deste fluxo de Qi, levando a desestaganação, ou seja o alivio da dor.
  30. 30. A desestagnação pode hipotéticamente gerar uma mudança no mecanismo de defesa da forclusão e através da associação livre de ideias auxiliar o paciente a formar uma representação ideia sobre o ocorrido.
  31. 31. RENATA PATRICIA PUDO www.renatapudo.blogspot.com.br Espaço Renata Pudo / Facebook
  32. 32. DOR AGUDA Seu papel é de alerta!!!!
  33. 33. DOR CRÔNICA Indica que algo faz tempo que não esta bem

×