Teoria rh.

1.698 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.698
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria rh.

  1. 1. Fatec – Itaquaquecetuba. Curso Tecnológico de Gestão Comercial. Administração Geral . Professor: Michel M. Machado.o Cláudio Ap. de Meira.o Janaina Felix.o Jefté Silva.o Regina Carvalhoo Wodson Cruz.
  2. 2. INTRODUÇÃO. Profº. Elton Mayo ( 1880 – 1949), conhecido como fundador da Teoria das Relações Humanas, Estudo realizado na empresa Western Electric Company , (Hawthorne , Chigago – EUA),  Duração de + ou - uma década (1924 – 1932) divido em quatro (04) fases,  É opositor a abordagem da Teoria Clássica de Fayol e da Administração Cientifica de Taylor, Estabelece o modelo de natureza humana “Homo Social” no lugar do até então conhecido “Homo Econoicus”.
  3. 3. EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE.1ª Fase - Os Estudos 2ª Fase - Sala deda Iluminação. montagem de relés.
  4. 4. EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE.3ª Fase - O programa de entrevistas.
  5. 5. EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE.4ª Fase - Sala de montagem de terminais.
  6. 6. CONCLUSÕES DA EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE.1) Nível de produção é resultante da integridade social nãoda capacidade física;2) O comportamento do individuo se apoia totalmente nogrupo (age ou reage como membro do grupo);3) As pessoas são motivadas pela necessidade dereconhecimento;4) Grupos informais - organização vista não pelos seusaspectos formais (autoridade, especialização, tempos emovimentos etc.);
  7. 7. CONCLUSÕES DA EXPERIÊNCIA DE HAWTHORNE.5) As Relações Humanas: Os indivíduos em uma organização participam de grupos sociais em constante interação;6) A importância do conteúdo do cargo: reflete sofre a moral dos trabalhadores, ou seja, especialzação = repetitivo = monotonia;7) Ênfase nos aspectos emocionais e até mesmo irracionais.
  8. 8. PONTOS CRITICOS I.1) Oposição à Teoria Clássica: 2) Inadequada visualização dos problemas de relaçõesindustriais:3) Concepção ingênua e romântica do operário:4) Limitação do campo experimental:
  9. 9. PONTOS CRITICOS II.5) Parcialidade das conclusões:6) Ênfase nos grupos informais:7) Enfoque manipulativo das relações humanas:8) Outras críticas:
  10. 10. BIBLIOGRAFIA E FONTE DE PESQUISA:  Slide: Administração, Profº Michel M. Motta, 2012.  Chiavenato, Idalberto, Introdução à Teoria Geral da Administração, Idalberto Chiavenato, 8. edição - Rio Janeiro: Elsevier, 2011.  Livro: Iniciação a Administração Geral, 3º Edição. Editora: Copyriht, 2009. Autor: Chiavenato.  Oliveira, Djalma de Pinho Rebouças de, Introdução à Administração: Teória e Prática/ Djalma de Pinho Rebouças de Oliveira. SP, Atlas, 2009.  http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAxy4AL/apostila-teoria-das- relacoes-humanas  http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos_Administracao/Teoria_d as_Relacoes_Humanas.htm  https://www.google.com.br/
  11. 11. CONCLUSÃO DO GRUPO:

×