SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
     PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO




               José Alem, cmf pe.
           “Não é possível não comunicar...
não existe comportamento que não seja comunicação”.
                  Paul Watzalawick
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
                 PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO




                     Comunicar para Acolher

01. A comunicação como dimensão humana.
   O ser humano é e se realiza na comunicação que faz. O ser humano é um ser
multidimensional, e a sua capacidade de se comunicar é uma de suas características
mais expressivas e significativas. Não se pode não comunicar. Cada comportamento
humano é comunicação.

   Para se comunicar o ser humano usa diversas linguagens, tipos de inteligência e
expressões. Entre elas estão as dimensões espiritual, emocional, intelectual, corporal,
vocal. Cada comportamento pode ser aprendido e requer novas habilidades
comunicativas.

   Existe uma comunicação que privilegia a palavra que é conhecida como linguagem ou
comunicação verbal.

    Há um outro modo que as pessoas usam para se comunicarem e que é mais incisiva e
significativa e que não usa as palavras mas os gestos, as atitudes, os comportamentos,
os sentimentos, os afetos, as ações e a reações, os símbolos, as linguagens para verbais
que é conhecido como linguagem ou comunicação não verbal. A linguagem não verbal é
expressa também através do silencio, das expressões faciais, da tonalidade, da
intensidade, do timbre tanto da voz como da pele, do olhar, do odor e estão sempre inter-
ligadas e inter-relacionadas. Nessa diversidade de linguagens, há pessoas que usam
mais uma que outra, conhecem mais um determinado tipo de linguagem e tem
dificuldades de comunicarem-se com outro tipo. Existe uma linguagem explícita e uma
linguagem implícita, intencional ou casual.

   O significado da comunicação é a resposta que se recebe.

   No processo de comunicação a pessoa é o principal meio.

    Por motivos vários, temperamento, tipo de convivência e influência, condicionamentos
internos e externos, experiências marcantes as pessoas podem se comunicar melhor ou
terem dificuldades para se comunicarem. Bloqueios mentais e emocionais são a causa
mais freqüente das pessoas terem dificuldades de se comunicarem, isto é, de con-
viverem.

        Para se desenvolver uma boa comunicação é preciso libertar-se dos bloqueios, ser
criativo e espontâneo, evitando seguir regras rígidas e a idéia de uma única resposta
certa, evitar ambigüidades e ser prático.




               http://www.arquidioceserp.org.br/   1   arquidioceserp@netsite.com.br
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
                 PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO

       Aprender a interpretar a linguagem do corpo, entender e usar gestos, aprender a
ouvir, saber fazer perguntas, ler com eficiência, prestar atenção e tomar notas, aprender a
fazer contato, passar informação, o uso correto do telefone e das novas tecnologias são
alguns requisitos essenciais para uma comunicação mais eficiente nos diversos setores
da vida da sociedade de hoje, inclusive nas comunidades eclesiais.

       O conhecimento e o uso de algumas técnicas são necessários para aprimorar a
comunicação entre as pessoas no ambiente de trabalho. Entre as quais: como dar
instruções, a comunicação um a um, como conduzir reuniões, como falar em público,
como negociar, como redigir relatórios, como escrever propostas, impacto visual,
comunicação estratégica: identidade corporativa, relações públicas, publicidade,
comunicação interna, recepção da mensagem.

      Uma comunicação eficiente supõe: saber administrar o tempo, saber o que e como
perguntar, reduzir o estresse, saber liderar reuniões, motivar pessoas, gerenciar equipes,
delegar tarefas, fazer apresentações, gerenciar mudanças, planejar, ter idéias inovadoras,
saber administrar conflitos profissionais, como assumir uma nova postura.

        A comunicação é uma necessidade humana e como fenômeno é universal e único.
São muitas as linguagens que utilizamos para nos comunicarmos. Mas a comunicação é
sempre uma só. Todas as linguagens servem para nos comunicarmos e também podem
ser utilizadas com eficiência na prática pastoral.

      Particular importância possui:
         1. A linguagem dos gestos: sorriso, ritmo cardíaco, as mãos, a dança, o
             caminhar, o choro, o olhar, os gestos.

          2. A linguagem das imagens: a palavra possui sentido mais convencional, a
             imagem é mais natural. A palavra atinge mais uma região do cérebro, o
             hemisfério direito. A imagem é mais informal, emotiva e atinge o hemisfério
             esquerdo do cérebro. A palavra expressa mais racionalidade, a imagem
             mais a emotividade.

          3. A linguagem da palavra, no entanto, não é unívoca. Há pelo menos dois
             níveis diferentes para se conhecer e reconhecer a linguagem oral: o nível
             simbólico e o nível conceitual. O que se aprende com os sentidos fica
             gravado na memória profunda. O que se aprende com as palavras em geral
             atinge mais o conceitual e nem sempre se chega à experiência. As
             experiências não se esquecem.

       Comunicar significa "colocar em comum". Comunicação é um processo
permanente para produzir a fraternidade entre as pessoas, o amor verdadeiro e a
amizade estimulando valores como o respeito, o diálogo, a partilha e a capacidade de
con-viver.




                http://www.arquidioceserp.org.br/   2   arquidioceserp@netsite.com.br
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
                PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO

       A comunicação acontece quando uma pessoa é, age e se expressa de tal modo
que entre ela e as outras se estabelece uma união, livre e libertadora, de tal modo que
elas crescem e se aprofundam no conhecimento, no respeito no amor.

      Comunicação é um processo. Mais que idéias, sentimentos, informações, a
comunicação produz fraternidade. A Comunicação pretende antes de tudo que as
pessoas se humanizem, sejam mais gente, um ser humano melhor.

Revendo:
- Destacar as idéias centrais e destacar as atitudes básicas decorrentes
- Selecionar 5 atitudes que considere as mais importantes para se iniciar uma nova
experiência de comunicação.
- Avaliar sua conduta pessoal. Em que se comunica melhor. Em que tem mais dificuldade
para se comunicar.


02. Comunicação e Ação Pastoral.
        A Igreja existe como lugar de Comunhão. Essa é a sua verdadeira vocação e
missão. Tudo o que se faz na Igreja e como Igreja tem esse objetivo: criar, ser, viver a
comunhão. Assim na terra, como no céu. Toda a ação Pastoral da Igreja, nas suas
múltiplas expressões são meios para criar a comunidade, isto é, a comunhão entre as
pessoas. O agir deve conduzir ao ser. Portanto importa não só o que se faz mas como se
faz pastoral. Para expressar a linguagem comunhão, o apóstolo Paulo usa a imagem do
corpo. No capítulo 12 da primeira carta à comunidade de Corinto, ele mostra que a Igreja
é uma realidade semelhante ao corpo humano. O corpo não é um amontoado de
membros, de órgãos, de células, mas um conjunto harmonioso onde tudo se relaciona, se
articula. Há uma ação e reação conjunta. As pernas, por exemplo, não existem por causa
delas mesmas, mas para que todo o corpo possa caminhar. Ainda mais, entre os
membros do corpo existe uma inter-relação e dependência, de tal modo que todos
são importantes.

  A Igreja é semelhante ao corpo humano que é um símbolo de comunhão. Assim
como o corpo tem um órgão que harmoniza e coordena e até mesmo todos os seus
membros, a Igreja, comunidade de comunhão no amor, tem a caridade como centro
 de sua vida e de sua ação. É a caridade a fonte e o destino da Igreja. Nela se vive a
vocação e a missão. No capítulo 13 da mesma carta, Paulo fala da Caridade como o
eixo que deve sustentar toda a vida e toda a ação da Igreja. Sem ela, nada tem valor.

       O modelo de Igreja comunhão integra a imagem de Povo de Deus. O conceito de
povo implica um projeto comum de vida, participação e organização. A vida da Igreja é
organizada como um meio de favorecer a comunhão. Ações, movimentos, ministérios,
serviços, pastorais são atividades destinadas a proporcionar ao povo de Deus, à Igreja,
uma experiência de comunhão.




               http://www.arquidioceserp.org.br/   3   arquidioceserp@netsite.com.br
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
                 PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO

       Comunhão significa que a Igreja é um lugar, um espaço onde se possa viver
relações intersubjetivas como amizade, conhecimento, proximidade, solidariedade,
buscas comuns. Para que todas essas experiências sejam expressão e ao mesmo tempo
construam a comunhão na Igreja são necessárias atitudes fundamentais de fé, acolhida e
vivência partilhada da palavra; experiência de oração e vivência das fontes de Deus nos
sacramentos; a partilha da vida em comum, o testemunho e a ação apostólico-
missionária.

        Para viver sua vocação-missão a Igreja precisa ser profética. Estar presente no
tempo, no espaço, na história e desenvolver práticas que proporcionem condições para
que comunhão se torne cada vez mais efetiva. Nesse processo de construir a comunhão,
o caminho é o seguimento a Jesus, caminho que gera a vida através do amor que é
mistério de paixão e morte e ressurreição. Por isso a comunhão se constrói com a
participação de cada membro, na experiência concreta do amor que é serviço. Isso supõe
gastar tempo, energia, conhecimento, sentimento, dons, serviços, silêncios, palavras,
gestos, atitudes, enfim, tudo o que envolve as exigências comuns da vida de um ser
humano para que sua convivência seja construtora de comunhão. A comunhão se
constrói sobretudo no encontro do ser humano consigo mesmo, reconhecendo sua
dignidade e seu valor, o encontro com o outro como semelhante, o encontro com o mundo
como ambiente e lugar de viver a comunhão, e encontro com Deus, em Jesus Cristo, no
Espírito Santo como razão e sentido do que é e do que faz.

      A comunhão é um processo permanente, um aprendizado. É um aprendizado
pessoal e comunitário. Supõe uma postura física, mental, emocional, moral, espiritual que
combine com suas exigências. Para isso é necessário superar condicionamentos de
ordem pessoal, familiar, grupal, cultural e mesmo de imagem de Deus e da Igreja.

       Por ser formada de seres humanos com todas as suas características, a Igreja é
expressão das pessoas que a compõe com seus valores e suas dificuldades e limitações.
Por isso, o processo de Educação do ser é condição fundamental para que a Igreja nos
seus diversos serviços, possa realizar uma missão mais eficiente e de qualidade. Educar
é mais que adestrar (fazer ações) ou treinar (repetir ações). Isso faz a diferença entre um
comunicação e conseqüente ação pastoral autêntica e inautêntica, racional e emocional,
capacitada e incapacitada, segura e insegura, sábia e medíocre, libertadora ou opressora,
aberta, humilde, refletida ou improvisada. Não se trata de uma ação perfeito e completa
mas motivada pelos valores fundamentais da vida traduzidos em experiências sinceras de
vida e em permanente processo de construção.

      Toda ação da Igreja deve favorecer e supor ao mesmo tempo um dinâmico
processo de maturação humana e cristã, fazer que a pessoa cresça e faça crescer.

   Revendo:
   - Quais os aspectos teológicos e pastorais que mais lhe chamam a atenção.
   - O que mais favorece a Comunhão.
   - O que mais prejudica a Comunhão.
   - Cite 5 passos concretos para criar um processo de comunhão.



                http://www.arquidioceserp.org.br/   4   arquidioceserp@netsite.com.br
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
                 PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO

03. Acolher: um modelo de comunicação.
       Uma das características da vida de comunhão é a acolhida. Se entendermos bem o
conteúdo dessa palavra e do que ela diz, podemos dizer que toda a ação da Igreja é
acolhida, a Igreja existe para acolher. Toda ação humana e pastoral nasce e vive do
desejo de acolher e ser acolhido.

      O que é Acolher. Acolher, etimologicamente significa dar acolhida, receber,
atender, receber, dar crédito a, dar ouvidos a, admitir, aceitar, tomar em consideração,
atender a, abrigar.

      Há alguns anos, revisando sua prática pastoral a Igreja descobriu que a acolhida
deveria ser melhorada, priorizada, transformada, por assim dizer, na sua característica.

       O Documento 45 da CNBB, Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no
Brasil, 1991-1994 considera a importância do acolhimento para a Igreja, a sua postura
acolhedora, a valorização da pessoa para que seja acolhida. Fala também de formas
sistemáticas e organizadas de acolher. Surge a proposta de um ministério da acolhida,
uma ação pastoral de comunicação caracterizada pela cordialidade e pela fraternidade.
Essa ação supõe tanto receber como ir ao encontro. O ministério da acolhida é uma ação
feita em nome da comunidade e para acolher na comunidade. Para isso o documento
fala de evitar atitudes unilaterais como intelectualismo, intimismo, emocionalismo e fuga
do compromisso.

        Assim o Ministério da acolhida passa a ser uma ação da pastoral, missionária e
litúrgica da Igreja. Uma pastoral da comunicação.

      Acolher é para a Igreja evangelização e missão.

       O Documento 61 da CNBB Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no
Brasil 1999-2002 reafirma a necessidade de a Igreja abrir-se para uma atitude de acolhida
do outro, em especial de quem pertence a tradições religiosas e culturais diferentes. A
acolhida refere-se especialmente às suas experiências espirituais mais profundas
revelando assim, que acolher é uma atitude evangélica, um gesto concreto de amor, é
uma espiritualidade que nasce da prática de Jesus e que sintetiza o seu mandamento
novo.

      O Projeto “Ser Igreja no novo milênio” da CNBB convoca a Igreja nas suas
comunidades a abrirem portas e corações à Palavra. Abrir no sentido literal e simbólico.
Espaços, ambientes, posturas, práticas, métodos, ações, conteúdos, tudo deve expressar
a acolhida como característica de uma comunidade católica, isto é, acolhedora, e por isso
aberta. O lugar onde a pessoa acolhe a fé é o coração... analogamente, o dom da fé e da
conversão é descrito como abrir os olhos.




               http://www.arquidioceserp.org.br/   5   arquidioceserp@netsite.com.br
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
                 PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO

      Como acolher. Atitudes e critérios.

      Acolher é antes de tudo uma atitude e uma conduta. Não é automática. É preciso
educar-se e educar para sermos acolhedores.

      No mundo atual, marcado por novo contexto, mudanças constantes e velozes, as
relações interpessoais mudam também. Por isso a Igreja-Comunidade precisa se
preocupar com o tratamento que dá às pessoas e com a qualidade desse acolhimento.

     Acolher é um anúncio explícito de Jesus Cristo. Virtude cultivada por todas as
comunidades, expressão de alegria, fé, pertença à Igreja. A pessoa é o evangelho vivo.

       Para acolher é necessário ter uma idéia única do ser humano, amar a todos,
despir-se de estruturas internas ou externas e preconceitos, romper com práticas elitistas.

       Acolhida supõe escuta e diálogo. Saudar, demonstrar interesse pelas pessoas,
amabilidade, orientar, acomodar, agir com qualidade no atendimento como ao telefone,
nas celebrações litúrgicas, na convivência são alguns aspectos que favorecem a cultura
do diálogo e da acolhida.

       Deixar-se conduzir pelo Espírito, viver em contínua comunhão com Cristo, viver a
caridade apostólica, atenção, ternura, compaixão, acolhimento, disponibilidade, empenho,
tolerância, respeito, misericórdia são atitudes fundamentais para que a acolhida seja sinal
do Cristo acolhedor. A acolhida tem uma dimensão eclesial: é a comunidade que acolhe
através de quem acolhe.

       Ações:
       1. Educar a comunidade para acolher. Desenvolver nas crianças e nos jovens, nos
agentes de pastoral a dimensão comunicativa em suas múltiplas faces, a cultura da
acolhida.
       2. Proporcionar a cultura da acolhida através de meios e ambientes e situações.
       3. Motivar ações que favoreçam a atitude de acolhida.
       4. Preparo e treinamento dos que desenvolvem serviços na comunidade como
secretários/as.
       5. Desenvolver a consciência da acolhida como estilo de vida entre as diversas
pastorais.
       6. Favorecer o espaço acolhedor: igreja, salas, etc...
       7. Favorecer o atendimento específico da acolhida com agentes de acolhida e
recursos e meios.
       8. Realizar plantões de atendimento com pessoas treinadas para isso.
       9. Ir ao encontro das pessoas por meio de: visitas organizadas e permanentes a
ambientes: escolas, locais públicos como cemitério, hospitais, famílias. Para isso,
preparar agentes. Zeladores de rua, ou quarteirão, ou prédio. Maior presença nos meios
de comunicação e uso de meios populares como folhetos, telefonemas (telemarketing).
Conquistar novos espaços. Garantir o serviço de atendimento em escolas, universidades,
shopping etc... Atender e promover celebrações ou devoções que favoreçam o contato
com pessoas.

                http://www.arquidioceserp.org.br/   6   arquidioceserp@netsite.com.br
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
                 PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO

      Para organizar a pastoral da acolhida.

       Planejar a ação: ver, julgar e agir. A ação deve permear toda a comunidade, todas
as pastorais e serviços e ministérios.
Método: criação de uma equipe diocesana de acolhida. Prever as metas e as atividades a
serem realizadas por quem, onde, como, quando, por que, para quem, com que meios.
Preparar agentes da acolhida. Contar com assessoria e favorecer a expressão criativa do
grupo.


       Para levar avante um projeto como este é necessário criar grupos de reflexão e
ação; realizar cursos, oficinas em diversos níveis para que se desperte a consciência para
a novidade da comunicação acolhedora e de seus meios e exercitem dinâmicas
alternativas que reflitam numa progressiva prática educativa. Essa preparação supõe
ainda uma competência técnica.

       Acolhida se faz através e sobretudo do encontro pessoal mas também através do
ambiente, com uso de meios, através da linguagem e de recursos humanos, materiais e
técnicos.




      Sugestão de leituras:

Pastoral da Acolhida. Pe. Jerônimo Gasques. Editora Vozes. Petrópolis. RJ.

Acolher é comunicar. Como trabalhar o Ministério da Acolhida. Helena Corazza, fsp.
Paulinas. São Paulo. SP.

Ministérios da acolhida e da presidência. Francisco Rodrigues, cmf. Ave Maria Edições.
São Paulo. SP

    Conteúdo desenvolvido e organizado por: José Alem, cmf pe.
    Contato:   (11)   3661-6961      –    Email:    josealem@bol.com.br                ou
    joseallen@msn.com




               http://www.arquidioceserp.org.br/   7   arquidioceserp@netsite.com.br
ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO
                      PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO


Índice:

01. A comunicação como dimensão humana.

03. Comunicação e Ação Pastoral.

05. Acolher: um modelo de comunicação.




Autoria:
José Alem, cmf pe.
Contato: (11) 3661-6961               josealem@bol.com.br ou joseallen@msn.com

Coordenadores:
Márcio Smiguel Pimenta                arquidioceserp@netsite.com.br
José Geraldo Marcão (Gera)            gerabignose@bol.com.br


Realização:
Arquidiocese Ribeirão Preto

R. Tibiriça, 879 – Centro –
Cx.Postal 105
14001-970 - Ribeirão Preto – SP

Fone/Fax (16) 610.8477 – 610.1288
arquidioceserp@netsite.com.br




                     http://www.arquidioceserp.org.br/   8   arquidioceserp@netsite.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo 3 espiritualidade da rcc
Capítulo 3   espiritualidade da rccCapítulo 3   espiritualidade da rcc
Capítulo 3 espiritualidade da rccKlaus Newman
 
Capítulo 1 identidade da rcc
Capítulo 1   identidade da rccCapítulo 1   identidade da rcc
Capítulo 1 identidade da rccKlaus Newman
 
Vocação e missão_do_catequista 03out15
Vocação e missão_do_catequista 03out15Vocação e missão_do_catequista 03out15
Vocação e missão_do_catequista 03out15Paróquia Pardilhó
 
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de CatequeseCNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de CatequeseLuís Miguel Rodrigues
 
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral ParoquialFormação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral Paroquialeusouaimaculada
 
Capitulo 1 a Oração na Vida cristã
Capitulo 1   a Oração na Vida cristãCapitulo 1   a Oração na Vida cristã
Capitulo 1 a Oração na Vida cristãKlaus Newman
 
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e CerimoniáriosApostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e CerimoniáriosKarina Lima
 
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões  MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões Sammis Reachers
 
Esquemas de semana missionaria
Esquemas de semana missionariaEsquemas de semana missionaria
Esquemas de semana missionariaguest61eb32c
 

Mais procurados (20)

A pessoa do catequista
A pessoa do catequistaA pessoa do catequista
A pessoa do catequista
 
Capítulo 3 espiritualidade da rcc
Capítulo 3   espiritualidade da rccCapítulo 3   espiritualidade da rcc
Capítulo 3 espiritualidade da rcc
 
Capítulo 1 identidade da rcc
Capítulo 1   identidade da rccCapítulo 1   identidade da rcc
Capítulo 1 identidade da rcc
 
Vocação e missão_do_catequista 03out15
Vocação e missão_do_catequista 03out15Vocação e missão_do_catequista 03out15
Vocação e missão_do_catequista 03out15
 
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de CatequeseCNBB - Diretorio Nancional de Catequese
CNBB - Diretorio Nancional de Catequese
 
Pastoral do Dizmo
Pastoral do DizmoPastoral do Dizmo
Pastoral do Dizmo
 
Dimensões do Dízimo
Dimensões do DízimoDimensões do Dízimo
Dimensões do Dízimo
 
lectio divina
lectio divinalectio divina
lectio divina
 
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral ParoquialFormação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
 
Capitulo 1 a Oração na Vida cristã
Capitulo 1   a Oração na Vida cristãCapitulo 1   a Oração na Vida cristã
Capitulo 1 a Oração na Vida cristã
 
Boas vindas e a origem do Método VJA
Boas vindas e a origem do Método VJABoas vindas e a origem do Método VJA
Boas vindas e a origem do Método VJA
 
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e CerimoniáriosApostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
Apostila Oficial - Coroinhas, Acólitos e Cerimoniários
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
 
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequeseNatureza,finalidade e tarefas da catequese
Natureza,finalidade e tarefas da catequese
 
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões  MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
MANUAL Mais de 200 maneiras práticas de se envolver com Missões
 
Formação de Mensageiros do Cursilho
Formação de Mensageiros do CursilhoFormação de Mensageiros do Cursilho
Formação de Mensageiros do Cursilho
 
A espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequistaA espiritualidade do catequista
A espiritualidade do catequista
 
Esquemas de semana missionaria
Esquemas de semana missionariaEsquemas de semana missionaria
Esquemas de semana missionaria
 
Curso de missiologia
Curso de missiologiaCurso de missiologia
Curso de missiologia
 
O Carisma do MCC
O Carisma do MCCO Carisma do MCC
O Carisma do MCC
 

Destaque

Ser acolhedor como_jesus_cristo
Ser acolhedor como_jesus_cristoSer acolhedor como_jesus_cristo
Ser acolhedor como_jesus_cristoBernadetecebs .
 
Mensagem De Boas Vindas
Mensagem De Boas VindasMensagem De Boas Vindas
Mensagem De Boas VindasJoão Gomes
 
1° Ano Crisma - Luzimaria e Mª Graças
1° Ano Crisma - Luzimaria e Mª Graças1° Ano Crisma - Luzimaria e Mª Graças
1° Ano Crisma - Luzimaria e Mª Graçaspascomichu
 
Actividade Quaresmal - Cesar 2011
Actividade Quaresmal - Cesar 2011Actividade Quaresmal - Cesar 2011
Actividade Quaresmal - Cesar 2011Filipe Rodrigues
 
EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45)
EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45)EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45)
EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45)Bernadetecebs .
 
A Mensagem Mais Linda Que Ja Li
A Mensagem Mais Linda Que Ja LiA Mensagem Mais Linda Que Ja Li
A Mensagem Mais Linda Que Ja LiAdriana Reis
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoRafael Maciel
 
Direitos Dos Professores
Direitos Dos ProfessoresDireitos Dos Professores
Direitos Dos ProfessoresMira Carvalh
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShareSlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareSlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareSlideShare
 

Destaque (15)

Ser acolhedor como_jesus_cristo
Ser acolhedor como_jesus_cristoSer acolhedor como_jesus_cristo
Ser acolhedor como_jesus_cristo
 
Acolhida slide
Acolhida   slideAcolhida   slide
Acolhida slide
 
Projeto acolhida slides
Projeto acolhida slidesProjeto acolhida slides
Projeto acolhida slides
 
Mensagem De Boas Vindas
Mensagem De Boas VindasMensagem De Boas Vindas
Mensagem De Boas Vindas
 
1° Ano Crisma - Luzimaria e Mª Graças
1° Ano Crisma - Luzimaria e Mª Graças1° Ano Crisma - Luzimaria e Mª Graças
1° Ano Crisma - Luzimaria e Mª Graças
 
Actividade Quaresmal - Cesar 2011
Actividade Quaresmal - Cesar 2011Actividade Quaresmal - Cesar 2011
Actividade Quaresmal - Cesar 2011
 
EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45)
EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45)EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45)
EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45)
 
Slide da lev
Slide da levSlide da lev
Slide da lev
 
A Mensagem Mais Linda Que Ja Li
A Mensagem Mais Linda Que Ja LiA Mensagem Mais Linda Que Ja Li
A Mensagem Mais Linda Que Ja Li
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
 
Direitos Dos Professores
Direitos Dos ProfessoresDireitos Dos Professores
Direitos Dos Professores
 
MENSAGEM
MENSAGEMMENSAGEM
MENSAGEM
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Comunicar para Acolher

Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011Unip e Uniplan
 
nas ondas da comunicação (08.02).pptx
nas ondas da comunicação  (08.02).pptxnas ondas da comunicação  (08.02).pptx
nas ondas da comunicação (08.02).pptxwarosay680
 
Comunicação interpessoal.pptx
Comunicação interpessoal.pptxComunicação interpessoal.pptx
Comunicação interpessoal.pptxVandaOliveira44
 
Pascom - Comunicação Social
Pascom - Comunicação SocialPascom - Comunicação Social
Pascom - Comunicação SocialKamila Mendonça
 
Pastoral da Comunicação
Pastoral da ComunicaçãoPastoral da Comunicação
Pastoral da ComunicaçãoBernadetecebs .
 
Apostila comun e_relac_interpess
Apostila comun e_relac_interpessApostila comun e_relac_interpess
Apostila comun e_relac_interpessPatrícia Nantes
 
Novas fronteiras da pascom
Novas fronteiras da pascomNovas fronteiras da pascom
Novas fronteiras da pascomKamila Mendonça
 
A comunicação verbal
A comunicação verbalA comunicação verbal
A comunicação verbalmaria pereira
 
COMU111_SILVA_Ausencia de comunicacao.pdf
COMU111_SILVA_Ausencia de comunicacao.pdfCOMU111_SILVA_Ausencia de comunicacao.pdf
COMU111_SILVA_Ausencia de comunicacao.pdfSimone Simões
 
# Slides 8 comunicação
# Slides 8 comunicação# Slides 8 comunicação
# Slides 8 comunicaçãorenatawr1
 
Direito - Comunicação e Expressão II - 1 modulo unidade I
Direito - Comunicação e Expressão II - 1 modulo unidade IDireito - Comunicação e Expressão II - 1 modulo unidade I
Direito - Comunicação e Expressão II - 1 modulo unidade IRomeu Godoi
 
Sexualidade e afetividade
Sexualidade e afetividadeSexualidade e afetividade
Sexualidade e afetividadeThiagoDilascio
 
Lideranca pe.jose alem
Lideranca pe.jose alemLideranca pe.jose alem
Lideranca pe.jose alemconage2013
 
LINGUAGEM e COMUNICAÇÃO.pdf
LINGUAGEM e COMUNICAÇÃO.pdfLINGUAGEM e COMUNICAÇÃO.pdf
LINGUAGEM e COMUNICAÇÃO.pdfIgorMarquez3
 

Semelhante a Comunicar para Acolher (20)

Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
 
nas ondas da comunicação (08.02).pptx
nas ondas da comunicação  (08.02).pptxnas ondas da comunicação  (08.02).pptx
nas ondas da comunicação (08.02).pptx
 
Comunicação interpessoal.pptx
Comunicação interpessoal.pptxComunicação interpessoal.pptx
Comunicação interpessoal.pptx
 
A linguagem do amor
A linguagem do amorA linguagem do amor
A linguagem do amor
 
Pascom - Comunicação Social
Pascom - Comunicação SocialPascom - Comunicação Social
Pascom - Comunicação Social
 
Pascom
Pascom Pascom
Pascom
 
diapositivos ccj .pptx
diapositivos ccj .pptxdiapositivos ccj .pptx
diapositivos ccj .pptx
 
Pastoral da Comunicação
Pastoral da ComunicaçãoPastoral da Comunicação
Pastoral da Comunicação
 
Apostila comun e_relac_interpess
Apostila comun e_relac_interpessApostila comun e_relac_interpess
Apostila comun e_relac_interpess
 
Caderno 03
Caderno 03Caderno 03
Caderno 03
 
Novas fronteiras da pascom
Novas fronteiras da pascomNovas fronteiras da pascom
Novas fronteiras da pascom
 
A comunicação verbal
A comunicação verbalA comunicação verbal
A comunicação verbal
 
COMU111_SILVA_Ausencia de comunicacao.pdf
COMU111_SILVA_Ausencia de comunicacao.pdfCOMU111_SILVA_Ausencia de comunicacao.pdf
COMU111_SILVA_Ausencia de comunicacao.pdf
 
# Slides 8 comunicação
# Slides 8 comunicação# Slides 8 comunicação
# Slides 8 comunicação
 
Direito - Comunicação e Expressão II - 1 modulo unidade I
Direito - Comunicação e Expressão II - 1 modulo unidade IDireito - Comunicação e Expressão II - 1 modulo unidade I
Direito - Comunicação e Expressão II - 1 modulo unidade I
 
1 slide modulo 3
1 slide  modulo 31 slide  modulo 3
1 slide modulo 3
 
Sexualidade e afetividade
Sexualidade e afetividadeSexualidade e afetividade
Sexualidade e afetividade
 
Lideranca pe.jose alem
Lideranca pe.jose alemLideranca pe.jose alem
Lideranca pe.jose alem
 
Clc2
Clc2Clc2
Clc2
 
LINGUAGEM e COMUNICAÇÃO.pdf
LINGUAGEM e COMUNICAÇÃO.pdfLINGUAGEM e COMUNICAÇÃO.pdf
LINGUAGEM e COMUNICAÇÃO.pdf
 

Mais de Bernadetecebs .

Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Bernadetecebs .
 
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338Bernadetecebs .
 
A Palavra de Deus na Vida do Povo
A Palavra de Deus na Vida do PovoA Palavra de Deus na Vida do Povo
A Palavra de Deus na Vida do PovoBernadetecebs .
 
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
Livreto Novena de Natal das CEBs  2018Livreto Novena de Natal das CEBs  2018
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018Bernadetecebs .
 
livreto Campanha da Fraternidade 2018
livreto Campanha da Fraternidade 2018 livreto Campanha da Fraternidade 2018
livreto Campanha da Fraternidade 2018 Bernadetecebs .
 
Vida pastoral-setembro-outubro
Vida pastoral-setembro-outubroVida pastoral-setembro-outubro
Vida pastoral-setembro-outubroBernadetecebs .
 
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SPOfício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SPBernadetecebs .
 
Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -    Campanha da Fraternidade 2017 -
Campanha da Fraternidade 2017 - Bernadetecebs .
 
Novena de natal 2016 diocese de são José dos Campos - SP
Novena de natal 2016   diocese de são José dos Campos - SPNovena de natal 2016   diocese de são José dos Campos - SP
Novena de natal 2016 diocese de são José dos Campos - SPBernadetecebs .
 
Novena Missionária 2016
Novena Missionária 2016Novena Missionária 2016
Novena Missionária 2016Bernadetecebs .
 
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOEXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOBernadetecebs .
 
Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs Bernadetecebs .
 
Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
 Oração das Missões no Setor 26 das CEBs Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
Oração das Missões no Setor 26 das CEBsBernadetecebs .
 
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)Bernadetecebs .
 
Novena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
Novena de Natal 2015 - diocese de JundiaíNovena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
Novena de Natal 2015 - diocese de JundiaíBernadetecebs .
 
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPNovena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPBernadetecebs .
 
Livreto 3 2015 ce bs (1)
Livreto 3   2015 ce bs (1)Livreto 3   2015 ce bs (1)
Livreto 3 2015 ce bs (1)Bernadetecebs .
 

Mais de Bernadetecebs . (20)

Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021Livreto Novena Natal 2021
Livreto Novena Natal 2021
 
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
Vida Pastoral - março-abril de 2021 – ano 62 – número 338
 
A Palavra de Deus na Vida do Povo
A Palavra de Deus na Vida do PovoA Palavra de Deus na Vida do Povo
A Palavra de Deus na Vida do Povo
 
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
Livreto Novena de Natal das CEBs  2018Livreto Novena de Natal das CEBs  2018
Livreto Novena de Natal das CEBs 2018
 
livreto Campanha da Fraternidade 2018
livreto Campanha da Fraternidade 2018 livreto Campanha da Fraternidade 2018
livreto Campanha da Fraternidade 2018
 
Vida pastoral-setembro-outubro
Vida pastoral-setembro-outubroVida pastoral-setembro-outubro
Vida pastoral-setembro-outubro
 
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SPOfício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
Ofício Divino da Romaria - Paróquia N. Sra. do Bonsucesso - Monteiro lobato - SP
 
Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -    Campanha da Fraternidade 2017 -
Campanha da Fraternidade 2017 -
 
Novena de natal 2016 diocese de são José dos Campos - SP
Novena de natal 2016   diocese de são José dos Campos - SPNovena de natal 2016   diocese de são José dos Campos - SP
Novena de natal 2016 diocese de são José dos Campos - SP
 
Novena Missionária 2016
Novena Missionária 2016Novena Missionária 2016
Novena Missionária 2016
 
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCOEXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS-SINODAL AMORIS LÆTITIA DO SANTO PADRE FRANCISCO
 
Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs
 
Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
 Oração das Missões no Setor 26 das CEBs Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
Oração das Missões no Setor 26 das CEBs
 
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
Novena de Natal 2015 «MISERICÓRDIA EU QUERO, NÃO SACRIFÍCIOS» (Mt 9,13)
 
Novena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
Novena de Natal 2015 - diocese de JundiaíNovena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
Novena de Natal 2015 - diocese de Jundiaí
 
Novena Natal PJMP_2015
Novena Natal PJMP_2015Novena Natal PJMP_2015
Novena Natal PJMP_2015
 
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPNovena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
 
vida.pastoral 305
 vida.pastoral 305 vida.pastoral 305
vida.pastoral 305
 
Subsidio DNJ 2015
Subsidio  DNJ 2015Subsidio  DNJ 2015
Subsidio DNJ 2015
 
Livreto 3 2015 ce bs (1)
Livreto 3   2015 ce bs (1)Livreto 3   2015 ce bs (1)
Livreto 3 2015 ce bs (1)
 

Comunicar para Acolher

  • 1. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO José Alem, cmf pe. “Não é possível não comunicar... não existe comportamento que não seja comunicação”. Paul Watzalawick
  • 2. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO Comunicar para Acolher 01. A comunicação como dimensão humana. O ser humano é e se realiza na comunicação que faz. O ser humano é um ser multidimensional, e a sua capacidade de se comunicar é uma de suas características mais expressivas e significativas. Não se pode não comunicar. Cada comportamento humano é comunicação. Para se comunicar o ser humano usa diversas linguagens, tipos de inteligência e expressões. Entre elas estão as dimensões espiritual, emocional, intelectual, corporal, vocal. Cada comportamento pode ser aprendido e requer novas habilidades comunicativas. Existe uma comunicação que privilegia a palavra que é conhecida como linguagem ou comunicação verbal. Há um outro modo que as pessoas usam para se comunicarem e que é mais incisiva e significativa e que não usa as palavras mas os gestos, as atitudes, os comportamentos, os sentimentos, os afetos, as ações e a reações, os símbolos, as linguagens para verbais que é conhecido como linguagem ou comunicação não verbal. A linguagem não verbal é expressa também através do silencio, das expressões faciais, da tonalidade, da intensidade, do timbre tanto da voz como da pele, do olhar, do odor e estão sempre inter- ligadas e inter-relacionadas. Nessa diversidade de linguagens, há pessoas que usam mais uma que outra, conhecem mais um determinado tipo de linguagem e tem dificuldades de comunicarem-se com outro tipo. Existe uma linguagem explícita e uma linguagem implícita, intencional ou casual. O significado da comunicação é a resposta que se recebe. No processo de comunicação a pessoa é o principal meio. Por motivos vários, temperamento, tipo de convivência e influência, condicionamentos internos e externos, experiências marcantes as pessoas podem se comunicar melhor ou terem dificuldades para se comunicarem. Bloqueios mentais e emocionais são a causa mais freqüente das pessoas terem dificuldades de se comunicarem, isto é, de con- viverem. Para se desenvolver uma boa comunicação é preciso libertar-se dos bloqueios, ser criativo e espontâneo, evitando seguir regras rígidas e a idéia de uma única resposta certa, evitar ambigüidades e ser prático. http://www.arquidioceserp.org.br/ 1 arquidioceserp@netsite.com.br
  • 3. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO Aprender a interpretar a linguagem do corpo, entender e usar gestos, aprender a ouvir, saber fazer perguntas, ler com eficiência, prestar atenção e tomar notas, aprender a fazer contato, passar informação, o uso correto do telefone e das novas tecnologias são alguns requisitos essenciais para uma comunicação mais eficiente nos diversos setores da vida da sociedade de hoje, inclusive nas comunidades eclesiais. O conhecimento e o uso de algumas técnicas são necessários para aprimorar a comunicação entre as pessoas no ambiente de trabalho. Entre as quais: como dar instruções, a comunicação um a um, como conduzir reuniões, como falar em público, como negociar, como redigir relatórios, como escrever propostas, impacto visual, comunicação estratégica: identidade corporativa, relações públicas, publicidade, comunicação interna, recepção da mensagem. Uma comunicação eficiente supõe: saber administrar o tempo, saber o que e como perguntar, reduzir o estresse, saber liderar reuniões, motivar pessoas, gerenciar equipes, delegar tarefas, fazer apresentações, gerenciar mudanças, planejar, ter idéias inovadoras, saber administrar conflitos profissionais, como assumir uma nova postura. A comunicação é uma necessidade humana e como fenômeno é universal e único. São muitas as linguagens que utilizamos para nos comunicarmos. Mas a comunicação é sempre uma só. Todas as linguagens servem para nos comunicarmos e também podem ser utilizadas com eficiência na prática pastoral. Particular importância possui: 1. A linguagem dos gestos: sorriso, ritmo cardíaco, as mãos, a dança, o caminhar, o choro, o olhar, os gestos. 2. A linguagem das imagens: a palavra possui sentido mais convencional, a imagem é mais natural. A palavra atinge mais uma região do cérebro, o hemisfério direito. A imagem é mais informal, emotiva e atinge o hemisfério esquerdo do cérebro. A palavra expressa mais racionalidade, a imagem mais a emotividade. 3. A linguagem da palavra, no entanto, não é unívoca. Há pelo menos dois níveis diferentes para se conhecer e reconhecer a linguagem oral: o nível simbólico e o nível conceitual. O que se aprende com os sentidos fica gravado na memória profunda. O que se aprende com as palavras em geral atinge mais o conceitual e nem sempre se chega à experiência. As experiências não se esquecem. Comunicar significa "colocar em comum". Comunicação é um processo permanente para produzir a fraternidade entre as pessoas, o amor verdadeiro e a amizade estimulando valores como o respeito, o diálogo, a partilha e a capacidade de con-viver. http://www.arquidioceserp.org.br/ 2 arquidioceserp@netsite.com.br
  • 4. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO A comunicação acontece quando uma pessoa é, age e se expressa de tal modo que entre ela e as outras se estabelece uma união, livre e libertadora, de tal modo que elas crescem e se aprofundam no conhecimento, no respeito no amor. Comunicação é um processo. Mais que idéias, sentimentos, informações, a comunicação produz fraternidade. A Comunicação pretende antes de tudo que as pessoas se humanizem, sejam mais gente, um ser humano melhor. Revendo: - Destacar as idéias centrais e destacar as atitudes básicas decorrentes - Selecionar 5 atitudes que considere as mais importantes para se iniciar uma nova experiência de comunicação. - Avaliar sua conduta pessoal. Em que se comunica melhor. Em que tem mais dificuldade para se comunicar. 02. Comunicação e Ação Pastoral. A Igreja existe como lugar de Comunhão. Essa é a sua verdadeira vocação e missão. Tudo o que se faz na Igreja e como Igreja tem esse objetivo: criar, ser, viver a comunhão. Assim na terra, como no céu. Toda a ação Pastoral da Igreja, nas suas múltiplas expressões são meios para criar a comunidade, isto é, a comunhão entre as pessoas. O agir deve conduzir ao ser. Portanto importa não só o que se faz mas como se faz pastoral. Para expressar a linguagem comunhão, o apóstolo Paulo usa a imagem do corpo. No capítulo 12 da primeira carta à comunidade de Corinto, ele mostra que a Igreja é uma realidade semelhante ao corpo humano. O corpo não é um amontoado de membros, de órgãos, de células, mas um conjunto harmonioso onde tudo se relaciona, se articula. Há uma ação e reação conjunta. As pernas, por exemplo, não existem por causa delas mesmas, mas para que todo o corpo possa caminhar. Ainda mais, entre os membros do corpo existe uma inter-relação e dependência, de tal modo que todos são importantes. A Igreja é semelhante ao corpo humano que é um símbolo de comunhão. Assim como o corpo tem um órgão que harmoniza e coordena e até mesmo todos os seus membros, a Igreja, comunidade de comunhão no amor, tem a caridade como centro de sua vida e de sua ação. É a caridade a fonte e o destino da Igreja. Nela se vive a vocação e a missão. No capítulo 13 da mesma carta, Paulo fala da Caridade como o eixo que deve sustentar toda a vida e toda a ação da Igreja. Sem ela, nada tem valor. O modelo de Igreja comunhão integra a imagem de Povo de Deus. O conceito de povo implica um projeto comum de vida, participação e organização. A vida da Igreja é organizada como um meio de favorecer a comunhão. Ações, movimentos, ministérios, serviços, pastorais são atividades destinadas a proporcionar ao povo de Deus, à Igreja, uma experiência de comunhão. http://www.arquidioceserp.org.br/ 3 arquidioceserp@netsite.com.br
  • 5. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO Comunhão significa que a Igreja é um lugar, um espaço onde se possa viver relações intersubjetivas como amizade, conhecimento, proximidade, solidariedade, buscas comuns. Para que todas essas experiências sejam expressão e ao mesmo tempo construam a comunhão na Igreja são necessárias atitudes fundamentais de fé, acolhida e vivência partilhada da palavra; experiência de oração e vivência das fontes de Deus nos sacramentos; a partilha da vida em comum, o testemunho e a ação apostólico- missionária. Para viver sua vocação-missão a Igreja precisa ser profética. Estar presente no tempo, no espaço, na história e desenvolver práticas que proporcionem condições para que comunhão se torne cada vez mais efetiva. Nesse processo de construir a comunhão, o caminho é o seguimento a Jesus, caminho que gera a vida através do amor que é mistério de paixão e morte e ressurreição. Por isso a comunhão se constrói com a participação de cada membro, na experiência concreta do amor que é serviço. Isso supõe gastar tempo, energia, conhecimento, sentimento, dons, serviços, silêncios, palavras, gestos, atitudes, enfim, tudo o que envolve as exigências comuns da vida de um ser humano para que sua convivência seja construtora de comunhão. A comunhão se constrói sobretudo no encontro do ser humano consigo mesmo, reconhecendo sua dignidade e seu valor, o encontro com o outro como semelhante, o encontro com o mundo como ambiente e lugar de viver a comunhão, e encontro com Deus, em Jesus Cristo, no Espírito Santo como razão e sentido do que é e do que faz. A comunhão é um processo permanente, um aprendizado. É um aprendizado pessoal e comunitário. Supõe uma postura física, mental, emocional, moral, espiritual que combine com suas exigências. Para isso é necessário superar condicionamentos de ordem pessoal, familiar, grupal, cultural e mesmo de imagem de Deus e da Igreja. Por ser formada de seres humanos com todas as suas características, a Igreja é expressão das pessoas que a compõe com seus valores e suas dificuldades e limitações. Por isso, o processo de Educação do ser é condição fundamental para que a Igreja nos seus diversos serviços, possa realizar uma missão mais eficiente e de qualidade. Educar é mais que adestrar (fazer ações) ou treinar (repetir ações). Isso faz a diferença entre um comunicação e conseqüente ação pastoral autêntica e inautêntica, racional e emocional, capacitada e incapacitada, segura e insegura, sábia e medíocre, libertadora ou opressora, aberta, humilde, refletida ou improvisada. Não se trata de uma ação perfeito e completa mas motivada pelos valores fundamentais da vida traduzidos em experiências sinceras de vida e em permanente processo de construção. Toda ação da Igreja deve favorecer e supor ao mesmo tempo um dinâmico processo de maturação humana e cristã, fazer que a pessoa cresça e faça crescer. Revendo: - Quais os aspectos teológicos e pastorais que mais lhe chamam a atenção. - O que mais favorece a Comunhão. - O que mais prejudica a Comunhão. - Cite 5 passos concretos para criar um processo de comunhão. http://www.arquidioceserp.org.br/ 4 arquidioceserp@netsite.com.br
  • 6. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO 03. Acolher: um modelo de comunicação. Uma das características da vida de comunhão é a acolhida. Se entendermos bem o conteúdo dessa palavra e do que ela diz, podemos dizer que toda a ação da Igreja é acolhida, a Igreja existe para acolher. Toda ação humana e pastoral nasce e vive do desejo de acolher e ser acolhido. O que é Acolher. Acolher, etimologicamente significa dar acolhida, receber, atender, receber, dar crédito a, dar ouvidos a, admitir, aceitar, tomar em consideração, atender a, abrigar. Há alguns anos, revisando sua prática pastoral a Igreja descobriu que a acolhida deveria ser melhorada, priorizada, transformada, por assim dizer, na sua característica. O Documento 45 da CNBB, Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, 1991-1994 considera a importância do acolhimento para a Igreja, a sua postura acolhedora, a valorização da pessoa para que seja acolhida. Fala também de formas sistemáticas e organizadas de acolher. Surge a proposta de um ministério da acolhida, uma ação pastoral de comunicação caracterizada pela cordialidade e pela fraternidade. Essa ação supõe tanto receber como ir ao encontro. O ministério da acolhida é uma ação feita em nome da comunidade e para acolher na comunidade. Para isso o documento fala de evitar atitudes unilaterais como intelectualismo, intimismo, emocionalismo e fuga do compromisso. Assim o Ministério da acolhida passa a ser uma ação da pastoral, missionária e litúrgica da Igreja. Uma pastoral da comunicação. Acolher é para a Igreja evangelização e missão. O Documento 61 da CNBB Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 1999-2002 reafirma a necessidade de a Igreja abrir-se para uma atitude de acolhida do outro, em especial de quem pertence a tradições religiosas e culturais diferentes. A acolhida refere-se especialmente às suas experiências espirituais mais profundas revelando assim, que acolher é uma atitude evangélica, um gesto concreto de amor, é uma espiritualidade que nasce da prática de Jesus e que sintetiza o seu mandamento novo. O Projeto “Ser Igreja no novo milênio” da CNBB convoca a Igreja nas suas comunidades a abrirem portas e corações à Palavra. Abrir no sentido literal e simbólico. Espaços, ambientes, posturas, práticas, métodos, ações, conteúdos, tudo deve expressar a acolhida como característica de uma comunidade católica, isto é, acolhedora, e por isso aberta. O lugar onde a pessoa acolhe a fé é o coração... analogamente, o dom da fé e da conversão é descrito como abrir os olhos. http://www.arquidioceserp.org.br/ 5 arquidioceserp@netsite.com.br
  • 7. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO Como acolher. Atitudes e critérios. Acolher é antes de tudo uma atitude e uma conduta. Não é automática. É preciso educar-se e educar para sermos acolhedores. No mundo atual, marcado por novo contexto, mudanças constantes e velozes, as relações interpessoais mudam também. Por isso a Igreja-Comunidade precisa se preocupar com o tratamento que dá às pessoas e com a qualidade desse acolhimento. Acolher é um anúncio explícito de Jesus Cristo. Virtude cultivada por todas as comunidades, expressão de alegria, fé, pertença à Igreja. A pessoa é o evangelho vivo. Para acolher é necessário ter uma idéia única do ser humano, amar a todos, despir-se de estruturas internas ou externas e preconceitos, romper com práticas elitistas. Acolhida supõe escuta e diálogo. Saudar, demonstrar interesse pelas pessoas, amabilidade, orientar, acomodar, agir com qualidade no atendimento como ao telefone, nas celebrações litúrgicas, na convivência são alguns aspectos que favorecem a cultura do diálogo e da acolhida. Deixar-se conduzir pelo Espírito, viver em contínua comunhão com Cristo, viver a caridade apostólica, atenção, ternura, compaixão, acolhimento, disponibilidade, empenho, tolerância, respeito, misericórdia são atitudes fundamentais para que a acolhida seja sinal do Cristo acolhedor. A acolhida tem uma dimensão eclesial: é a comunidade que acolhe através de quem acolhe. Ações: 1. Educar a comunidade para acolher. Desenvolver nas crianças e nos jovens, nos agentes de pastoral a dimensão comunicativa em suas múltiplas faces, a cultura da acolhida. 2. Proporcionar a cultura da acolhida através de meios e ambientes e situações. 3. Motivar ações que favoreçam a atitude de acolhida. 4. Preparo e treinamento dos que desenvolvem serviços na comunidade como secretários/as. 5. Desenvolver a consciência da acolhida como estilo de vida entre as diversas pastorais. 6. Favorecer o espaço acolhedor: igreja, salas, etc... 7. Favorecer o atendimento específico da acolhida com agentes de acolhida e recursos e meios. 8. Realizar plantões de atendimento com pessoas treinadas para isso. 9. Ir ao encontro das pessoas por meio de: visitas organizadas e permanentes a ambientes: escolas, locais públicos como cemitério, hospitais, famílias. Para isso, preparar agentes. Zeladores de rua, ou quarteirão, ou prédio. Maior presença nos meios de comunicação e uso de meios populares como folhetos, telefonemas (telemarketing). Conquistar novos espaços. Garantir o serviço de atendimento em escolas, universidades, shopping etc... Atender e promover celebrações ou devoções que favoreçam o contato com pessoas. http://www.arquidioceserp.org.br/ 6 arquidioceserp@netsite.com.br
  • 8. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO Para organizar a pastoral da acolhida. Planejar a ação: ver, julgar e agir. A ação deve permear toda a comunidade, todas as pastorais e serviços e ministérios. Método: criação de uma equipe diocesana de acolhida. Prever as metas e as atividades a serem realizadas por quem, onde, como, quando, por que, para quem, com que meios. Preparar agentes da acolhida. Contar com assessoria e favorecer a expressão criativa do grupo. Para levar avante um projeto como este é necessário criar grupos de reflexão e ação; realizar cursos, oficinas em diversos níveis para que se desperte a consciência para a novidade da comunicação acolhedora e de seus meios e exercitem dinâmicas alternativas que reflitam numa progressiva prática educativa. Essa preparação supõe ainda uma competência técnica. Acolhida se faz através e sobretudo do encontro pessoal mas também através do ambiente, com uso de meios, através da linguagem e de recursos humanos, materiais e técnicos. Sugestão de leituras: Pastoral da Acolhida. Pe. Jerônimo Gasques. Editora Vozes. Petrópolis. RJ. Acolher é comunicar. Como trabalhar o Ministério da Acolhida. Helena Corazza, fsp. Paulinas. São Paulo. SP. Ministérios da acolhida e da presidência. Francisco Rodrigues, cmf. Ave Maria Edições. São Paulo. SP Conteúdo desenvolvido e organizado por: José Alem, cmf pe. Contato: (11) 3661-6961 – Email: josealem@bol.com.br ou joseallen@msn.com http://www.arquidioceserp.org.br/ 7 arquidioceserp@netsite.com.br
  • 9. ARQUIDIOCESE DE RIBEIRÃO PRETO PASTORAL ARQUIDIOCESANA DE COMUNICAÇÃO Índice: 01. A comunicação como dimensão humana. 03. Comunicação e Ação Pastoral. 05. Acolher: um modelo de comunicação. Autoria: José Alem, cmf pe. Contato: (11) 3661-6961 josealem@bol.com.br ou joseallen@msn.com Coordenadores: Márcio Smiguel Pimenta arquidioceserp@netsite.com.br José Geraldo Marcão (Gera) gerabignose@bol.com.br Realização: Arquidiocese Ribeirão Preto R. Tibiriça, 879 – Centro – Cx.Postal 105 14001-970 - Ribeirão Preto – SP Fone/Fax (16) 610.8477 – 610.1288 arquidioceserp@netsite.com.br http://www.arquidioceserp.org.br/ 8 arquidioceserp@netsite.com.br