O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
1
2
3
Apresentação ...................................................................04
Mensagem das CEBs ......................
4
Apresentação
É com muita alegria que iniciamos os encontros das Comunidades Ecle-
siais de Base.
Já estamos no segundo m...
5
Mensagem das CEBs
As Comunidades Eclesiais de Base são comunidades na base da Igreja e da sociedade, segui-
doras de Jes...
6
1. Marcar os encontros e agendar no próprio livreto .
2. Convidar todos os vizinhos para os encontros, valorizar a parti...
7
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque; aberta em Mt 5,17-37;
vela; cruz; colcha de retalho; imagem de Nossa...
8
3. OLHANDO A REALIDADE: Uma Vida pelos Pobres.
Dirigente: O ano de 2017 foi proclamado pela CNBB o “Ano Nacional Mariano...
9
6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS
Canto de Aclamação ao Evangelho.
Leitura: Mateus 5,17-37
(Breve silêncio para que a Palav...
10
imagem de Aparecida, espalhais inúmeros benefícios sobre todo o Brasil.
Eu, embora indigno de pertencer ao número de vo...
11
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíbliaem lugar de destaque, aberta em Mt 5,38-48;
vela;cruz; colcha de retalho; fotos de Servo d...
12
rebelião na cadeia pública de Jacareí.
Leitor(a) 2: Franz foi chamado para mediar o motim, oferecendo-se para ficar
com...
13
a) O que entendemos do “olho por olho e dente por dente”?
b) Como deve ser o nosso amor pelos inimigos?
c) Compromisso ...
14
12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO
Todos: Fortalecidos pelo testemunho de nossos mártires, que foram fiéis até o
fim e deram a p...
15
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Mt 6,24-34;
vela; cruz; colcha de retalho;um cartaz com f...
16
Leitor(a) 1: A Agenda nasceu em 1992, por iniciativa do Bispo Pedro Casaldáliga e
do Padre José Maria Vigil, que sentir...
17
b) No olhando a realidade, diz que o lançamento da agenda foi um momento de
alimentar a esperança, de formação e a orga...
18
11. AVISOS
● Aniversariantes, nascimentos,...
● Acolher os novos participantes.
● Convite para o próximo encontro (loca...
19
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Mt4,1-11;
vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos; c...
20
rega. A nossa verdadeira vida é a vida do Ressuscitado em nós.
Leitor(a) 1: A Quaresma é um tempo de graça e de bênção,...
21
8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS
Dirigente: Diante do que foi refletido, o que podemos fazerpara transformar o que
...
22
orar. Vósnos chamais à penitência. Convertei, então, nosso coração, e ensinai-
-nos a praticar o verdadeiro jejum e a r...
23
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Mt17,1-9;
vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos; c...
24
uma diversidade biológica própria.
Leitor(a) 2: No Brasil temos seis biomas: a Mata Atlântica, a Amazônia, o Cerrado, o...
25
b) Nossos biomas gemem e sofrem dores de parto e esperam pela libertação do
uso egoísta, para serem partilhados e coloc...
26
● Acolher os novos participantes.
● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio).
● Para o pr...
27
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em João 4,7-15;
vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos...
28
Leitor(a) 1: A Mata Atlântica abrangia uma área equivalente a 17 Estados. Hoje,
restam 8,5 % do que sobrou desta flores...
29
5. SALMO 95(94) - Na Bíblia – cantado ou rezado.
6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS
Canto de Aclamação ao Evangelho.
Leitur...
30
10. ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
Todos: Deus, nosso Pai e Senhor, nós vos louvamos e bendizemos, por vossa i...
31
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em João 9,35-41;
vela; um vaso de plantas; colcha de retalho...
32
sio(Desenvolvimento dos Povos), nos diz que “Herdeiros das gerações passadas e
beneficiários dos trabalhos dos nossos c...
33
de água durante a semana? Partilhe.
8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS
Dirigente: Iluminados pela Palavra, dizemos qu...
34
● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio).
● Para o próximo encontro: meditar em casa, M...
35
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Marcos 6,34-
44; vela; um vaso de plantas; colcha de reta...
36
tes de tudo, é a humanidadeque precisa mudar. Mostra como nos falta a consciên-
cia de uma origem comum, de uma recípro...
37
8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS
Dirigente: Iluminados pela Palavra,sabemos que “a comida que se desperdiça é
como ...
38
possamos achar o melhor caminho para corrigir o que nos desvia do paraíso que
querias que fosse a nossa morada. Amém!
D...
39
PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Mateus 21,1-
11; vela; um vaso de plantas; colcha de reta...
40
composição florestal dos biomas, particularmente em morros, encostas, áreas de
preservação, recargas de aquíferos e mat...
41
a) Como verdadeiramente Jesus reina em nossa vida e em nossa comunidade?
Partilhar.
b) Como a comunidade deverá se orga...
42
12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO
Todos: Nós te damos graças, Senhor, pela oportunidade de refletir sobre temas
tão importantes...
43
Via Sacra
44
A Cruz do Senhor, com uma faixa de tecido branco nos braços simbo-
lizando a ressurreição de Jesus de sua morte, é leva...
45
Dirigente: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a...
46
Dirigente: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos.
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor(a...
47
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Lei...
48
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor...
49
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor...
50
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor...
51
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor...
52
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor...
53
Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leitor...
54
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, SenhorJesus!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Leit...
55
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Lei...
56
Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus!
Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo!
Lei...
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
  Campanha da Fraternidade 2017 -
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Campanha da Fraternidade 2017 -

421 visualizações

Publicada em

Palavra de deus no meio do povo Campanha da Fraternidade 2017 - CEBs diocese de São José dos Campos - SP

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Campanha da Fraternidade 2017 -

  1. 1. 1
  2. 2. 2
  3. 3. 3 Apresentação ...................................................................04 Mensagem das CEBs ........................................................05 Sugestões ........................................................................06 Encontro nas Casas • 1º Encontro ................................................................07 • 2º Encontro.................................................................11 • 3º Encontro.................................................................15 • 4º Encontro.................................................................19 • 5º Encontro.................................................................23 • 6º Encontro.................................................................27 • 7º Encontro.................................................................31 • 8º Encontro.................................................................35 • 9º Encontro.................................................................39 Via Sacra...........................................................................43 Músicas ............................................................................60 Índice
  4. 4. 4 Apresentação É com muita alegria que iniciamos os encontros das Comunidades Ecle- siais de Base. Já estamos no segundo mês de 2017, ano este que nos desafia a viver- mos mais intensamente a fé em nossas comunidades. Faz-se urgente nossa adesão ao projeto de Jesus de Nazaré, que é um projeto de vida, justiça, partilha e solidariedade. Só assim, na força do Espírito Santo, poderemos contrapor e vencer o projeto de morte, principalmente nestes tempos de sequestro da democracia. A partir do quarto encontro, deste subsídio, entraremos no tempo de Quaresma que nos convoca à conversão, mudança de vida. Todos os anos a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apresenta a Campanha da Fraternidade como caminho de conversão quaresmal. Em nossos encon- tros, faremos uma reflexão profunda sobre o tema e o lema da Campanha da Fraternidade deste ano, que vai tratar do cuidado com a obra criada. “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” é o tema. E o lema é inspirado no texto do Livro do Gênesis 2,15: “Cultiva e guardar a criação”. A Campanha tem como objetivo geral: “Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho”. Nesta caminhada de fé, teremos como companheira a Mulher da co- munidade, Maria, a Mãe de Deus e nossa. Este ano, estamos vivendo e celebrando o Jubileu dos 300 anos da Senhora Aparecida, encontrada nas águas do rio Paraíba, por humildes pescadores. Deus quis e quer se mani- festar justamente através dos nossos meios pobres, porque é sempre Ele que está agindo para confundir os poderosos. Por isso a profecia de Ma- ria: “Manifestou o poder de seu braço: desconcertou os corações dos so- berbos. Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes. Saciou de bens os indigentes e despediu de mãos vazias os ricos” (Lc 1,51-53)”. À Mãe Aparecida consagramos toda a nossa vida, na certeza que Ela nos conduz pelas mãos e nos orienta para Jesus: “Fazei o que Ele vos disser!” (Jo 2,5). Que Maria, Mãe de Jesus, nos acompanhe no caminho de conversão! Jesus Cristo crucificado-ressuscitado que transforma todas as coisas nos desperte para a participação na construção de uma sociedade nova, por- que outro mundo é necessário e possível. A todos os irmãos e irmãs, todas as famílias e comunidades, bons en- contros fraternos que culminará com uma abençoada Páscoa para todos! Deus os abençoe, Paz e Bem. Equipe do subsídio Palavra de Deus no Meio do Povo.
  5. 5. 5 Mensagem das CEBs As Comunidades Eclesiais de Base são comunidades na base da Igreja e da sociedade, segui- doras de Jesus e seu projeto de transformação da sociedade a partir dos pobres, jovens, mulheres e operários. Nós, reunidos no Tabor, vivemos a experiência da Transfiguração do Senhor e pudemos con- templar Moisés e Elias, Pedro, Tiago e João, e Jesus de Nazaré. Vimos, também, as Comunidades Eclesiais de Base do passado e do presente, e queremos indicar as CEBs do futuro a construir. Com a contribuição de Dom Cesar, Padre Mirim, Irmã Manoracy e Ranulfo, repensamos a Igreja que queremos ser, a partir da Base, vivendo intensamente a Comunidade. As CEBs são o jeito de ser Igreja, Povo de Deus. Não por vontade própria apenas, nem por necessidade pessoal, mas por convocação de Jesus de Nazaré. Impulsionados pelo Espírito Santo, estes cristãos e cristãs se tornam força viva dentro da Diocese de São José dos Campos e da Igreja universal, agindo na realidade concreta e transformando a sociedade, através da vida comunitá- ria e social. As CEBs nasceram da partilha, do diálogo e da opção pelos pobres. Assim, integram todas as ações da Igreja, de forma organizada, dinâmica e persistente. Vivem a centralidade da Palavra de Deus, o ardor evangelizador e missionário, na força do Espírito, em Comunhão com a Igreja Par- ticular e universal. Seguidoras de Jesus de Nazaré, vivem sua metodologia, integrando fé e vida, construindo uma base sólida de vida, participação e organização. Sua missão é anunciar a Boa Nova aos pobres, bebendo da fonte de uma espiritualidade libertadora, partindo da realidade, com profetismo e esperança. Sendo comunidades cuidadoras da vida, comprometidas e organi- zadas, dão seu testemunho militante, elevando sua voz quando necessário, sendo próximas dos injustiçados e rompendo o medo pela Justiça. Comunidades desde a Base, da Igreja e da sociedade, reafirmam sua opção pelos pobres, para que os excluídos redescubram seu protagonismo, se tornando força viva na transformação da sociedade. Para isso, é necessário denunciar os sinais de morte, esta sociedade capitalista corrompida e injusta, que causa sofrimentos, desigualdade e exclusão, que leva as pessoas a perderem sua es- perança e alegria, afastando-as da vida comunitária, mergulhadas no individualismo e no como- dismo. São José dos Campos é um exemplo desta situação: uma das cidades mais ricas do Brasil que convive com a pobreza e a miséria. É preciso ir além da denúncia. As CEBs estão presentes na luta e resistência contra esses sinais de morte. Ser CEBs é proclamar o Reino de Deus, fazendo-o realidade, que é possível só pela ação do Espírito. Essa proclamação acontece no diálogo e na esperança, na partilha e na solidariedade, na alegria e no desafio. Impelidos a construir uma sociedade baseada nos primeiros cristãos, sua ação é libertadora: construindo o Reino de Deus, reafirma o Projeto de Jesus de Nazaré, a serviço da Vida, na acolhida a todas as pessoas, na exigência do amor verdadeiro, no encantamento pelo Reino, pelo Outro e pela Vida, na Esperança Pascal, na celebração criativa da liturgia e na formação permanente, no verdadeiro ecumenismo, na expressão da arte popular, com música, teatro, cartazes e poesia, atuando na sociedade de forma comprometedora, transformando sua realidade de injustiça, exploração e manipulação, resgatando a dignidade dos filhos e filhas de Deus. É o Reino de Justiça, Partilha e Paz. Na humildade, que nos torna servidores, e na ousadia evangélica dos cristãos e cristãs que se arriscam, queremos, com esta Mensagem, dar os primeiros novos passos para a renovação da Igreja e da Sociedade, a partir de onde estamos para todo o mundo. Regados com o sangue dos Mártires, sigamos em Romaria, sendo nossas Comunidades sementeiras do Evangelho. No Domingo Quaresmal da Transfiguração do Senhor, ouvimos o que o Pai tem a nos dizer, vivemos o Filho, que é a Palavra, e nos enchemos do Espírito, que nos leva a agir. Que esta Mensa- gem possa ressoar, sendo levada a todas as direções. Que ela se multiplique nas diversas Comuni- dades de nossa Diocese e que Deus nos conduza, cada vez mais, à perfeição! Amém! Axé! Awere! Monte Tabor, 1º de março de 2015, Domingo da Transfiguração do Senhor. Participantes do 1º Seminário das CEBs – Diocese de São José dos Campos
  6. 6. 6 1. Marcar os encontros e agendar no próprio livreto . 2. Convidar todos os vizinhos para os encontros, valorizar a participação de todos. Envolver as crianças, adolescentes e jovens nas tarefas. Convidar todos agentes de pastoral, vicentinos, catequistas, ministros, etc. 3. Entregar para cada família, a programação dos dias, horários e endereços dos encontros. Usar a criatividade, fazer convites escritos e tirar xerox. 4. É importante que todos estudem o tema do encontro antes de realizá- lo. Preparar bem o ambiente. Preparar os encontros com antecedência, prevendo símbolos, cantos, leitores. 5. Ensaiar os cantos antes dos encontros, se necessário. Lembramos que cada comunidade tem sua realidade, preparar uma folha de canto de acordo com a realidade do local, o que apresentamos é apenas sugestão. Observação: Os animadores e animadoras podem envolver os jovens, solicitando colaboração deles na montagem da folha de canto. 6. Levar a Bíblia em todos os encontros. POR QUE OS SALMOS, DE 9 ATÉ 147, TÊM NUMERAÇÕES DIFERENCIADAS? Significa que a numeração maior refere-se à Bíblia Hebraica (língua mãe ou originária). E a numeração menor refere- se à versão grega dos Setenta; ou à versão latina, Vulgata. Quando da tradução do texto hebraico, uniram-se os salmos 9-10 e os salmos 114- 115; e foram divididos os salmos 116 e 147. Portanto, hoje em nossas Bíblias, a numeração encontra-se na forma hebraica; e entre parênteses a forma latina. O saltério usado em nossa Liturgia segue a versão latina. O número do salmo da versão latina vem por primeiro; e a numeração hebraica, entre parênteses, conforme neste subsídio. Coordenadores e coordenadoras: promover formações sobre os Encontros nas Casas. Sugestões
  7. 7. 7 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque; aberta em Mt 5,17-37; vela; cruz; colcha de retalho; imagem de Nossa Senhora Aparecida; foto da Irmã Dorothy. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome doPai...”. Meus irmãos e irmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “Igreja em Saída”. Que- remos também ressaltar neste primeiro encontro que, neste ano, estamos vivendo e celebrando o Jubileu dos 300 anos da Senhora Aparecida, encontrada nas águas do rio Paraíba, por humildes pescadores. Deus quis e quer se manifestar justamen- te através dos nossos meios pobres, porque é sempre Ele que está agindo para confundir os poderosos. Por isso a profecia de Maria: “Ele realiza proezas com seu braço: dispersa os soberbos de coração, derruba do trono os poderosos e eleva os humildes; aos famintos enche de bens e despede os ricos de mãos vazias”.À Mãe Aparecida, consagramos toda a nossa vida, na certeza que Ela nos conduz pelas mãos e nos orienta para Jesus: “Fazei o que Ele vos disser!” Todos: Pai querido, queremos ser esta Igreja em saída, queremos ser missioná- rios do Reino, conduzidos pelas mãos de Maria, para que possamos construir uma sociedade mais justa e solidária, na alegria do Evangelho, reafirmando sem- pre o Projeto de Jesus de Nazaré, que é um projeto de Vida, Justiça, Partilha e Paz. Amém. 2. CANTO (cantado ou rezado) ─ Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) ─ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─ Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis) Do povo que trabalha a Deus louvação! (bis) ─ O Senhor te guarde, ele é teu vigia, (bis) Quem te garante a noite e governa o dia! (bis) 1º ENCONTRO 06 a 12 de Fevereiro “Igreja em Saída”
  8. 8. 8 3. OLHANDO A REALIDADE: Uma Vida pelos Pobres. Dirigente: O ano de 2017 foi proclamado pela CNBB o “Ano Nacional Mariano” em comemoração aos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora da Concei- ção Aparecida, nas águas do Rio Paraíba do Sul. Leitor(a) 1: É um ano para celebrar, para comemorar, para louvar a Deus, mas tam- bém para reaprender com Nossa Senhora, como seguir Jesus Cristo, como ser cris- tão hoje, como ser Igreja em saída. Leitor(a) 2: Lembramo-nos de uma pessoa que viveu tudo isso até as últimas con- sequências: Irmã Dorothy Stang. Ela deu sua vida pela lutados trabalhadorese trabalhadoras do campo, contra a grilagem e a devastação da floresta; ajudou a fundar a primeira escola de formação de professores na Rodovia Transamazônica. Leitor(a) 3: Segundo uma testemunha, antes de receber os disparos, ao ser indaga- da pelo próprio assassino se estava armada, ela respondeu que sim e mostrou-lhe sua arma: a Bíblia. Todos: Hoje, muitas outras Dorothys estão marcadas para morrer por defende- rem a terra das garras gananciosas dos madeireiros e grileiros, que devastam o meio ambiente. O compromisso com o Reino, na força do Espírito, é testemunha- do pelos lutadores e lutadoras de hoje, que atuam na sociedade transformando a realidade de injustiça e exploração para resgatar a dignidade dos filhos e filhas de Deus. 4. HINO: (cantado ou rezado) 1 - Antes que te formasses dentro do ventre de tua mãe Antes que tu nasceste, te conhecia e te consagrei Para seres meu profeta entre as nações eu te escolhi Irás onde enviar-te e o que eu mando proclamarás Tenho que gritar, tenho que arriscar,ai de mim se não o faço. Como escapar de ti? Como calar,se tua voz arde em meu peito? Tenho que andar, tenho que lutar,ai de mim se não o faço. Como escapar de ti, como calar, se tua voz arde em meu peito? 2 - Não temas arriscar-te porque contigo eu estarei Não temas anunciar-me, em tua boca eu falarei Entrego-te meu povo, vai arrancar e derrubar Para edificares, destruirás e plantarás. 3 - Deixa os teus irmãos, deixa o teu pai e tua mãe Deixa a tua casa, porque a terra gritando está. Nada tragas contigo, pois a teu lado Eu estarei É hora de lutar porque meu povo sofrendo está. 5. SALMO 118(119),1-16 - Na Bíblia – cantado ou rezado Verificar orientação na página 6.
  9. 9. 9 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura: Mateus 5,17-37 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA Dirigente: O Senhor diz no Evangelho que Ele não veio destruir a antiga lei, mas dar-lhe a sua plenitude. Em outras palavras, a lei não deve ser observada simples- mente por ser lei, mas por aquilo que ela realiza de justiça, inspirando-nos para a misericórdia, para que se tenha vida e mais relações fraternas. a) Se a nossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da lei e dos fariseus, vós não entrareis no Reino dos Céus. (Mt5,20). Conversar. b) O trabalho da Irmã Dorothy era a catequese e a formação de comunidades cris- tãs, formando filhos e filhas de Deus. O que temos feito para formar e organizar as nossas Comunidades de Base? Conversar. 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Que a exemplo de Maria, a Senhora Aparecida, a serva do Senhor no serviço aos irmãos, possamos ser verdadeiramente a Igreja em saída, Igreja mise- ricordiosa na ajuda aos que estão à margem da sociedade injusta e corrompida. Compromisso da semana: Os necessitados podem estar ao meu lado, na minha rua ou quarteirão. Verificar nesta semana, a partir de hoje, se já estão sendo aju- dados. Se não, ver como ajudá-los. Partilharemos este compromisso em nosso pró- ximo encontro. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Que a nossa observância da lei divina seja uma expressão sincera e pro- funda do nosso amor para com Deusque se concretiza no amor aos nossos irmãos, principalmente os mais necessitados. Todos: Deus nosso Pai, dai-nos um coração novo. ● Senhor, ajudai-nos a entenderas Escrituras como caminho da justiça, como fun- damento para a vivência da misericórdia. Rezemos ao Senhor. ● Senhor, que tenhamos o compromisso de buscar sempre a reconciliação, mesmo quando formos ofendidos. Rezemos ao Senhor. ● Que a exemplo da Irmã Dorothy, possamos ajudar na formação das Comunida- des de Base, formando filhos e filhas de Deus para a construção do vosso Reino. Rezemos ao Senhor. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: CONSAGRAÇÃO A NOSSA SENHORA APARECIDA Ó Maria Santíssima, pelos méritos de Nosso Senhor Jesus Cristo, em vossa querida
  10. 10. 10 imagem de Aparecida, espalhais inúmeros benefícios sobre todo o Brasil. Eu, embora indigno de pertencer ao número de vossos filhos e filhas, mas cheio do desejo de participar dos benefícios de vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o meu entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis; consagro-vos a minha língua para que sempre vos louve e propague a vossa devo- ção; consagro-vos o meu coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas. Recebei-me, o Rainha incomparável, vós que o Cristo crucificado deu-nos por Mãe, no ditoso número de vossos filhos e filhas; acolhei-me debaixo de vossa proteção; socorrei-me em todas as minhas necessidades, espirituais e temporais, sobretudo na hora de minha morte. Abençoai-me, o celestial cooperadora, e com vossa poderosa intercessão, fortale- cei-me em minha fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possa louvar-vos, amar-vos e dar-vos graças no céu, por toda eternidade. Assim seja! 11. AVISOS ● Aniversariantes, nascimentos... ● Agradecer pela participação. ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Para o próximo encontro: meditar em casa, Mateus 5,38-48 e Salmo 103 (102). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ● Outros... 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO Todos: Nós vosagradecemos, Senhor, por esse amor que vela por nós, curai nos- sas feridas e ajudai-nos na construção do mundo que desejais para nós. E pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida, peçamos a Deus que nos abençoe, can- tando: “Dai-nos a bênção, ó Mãe querida...” Dirigente: Senhor, somos continuadores da mesma caminhada das vossas teste- munhas. Abençoai-nos na força do vosso Espírito, para sermos fiéis na missão que nos confiastes. Estivemos e estaremos sempre reunidos... Todos: “Em nome do Pai,...” Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL
  11. 11. 11 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíbliaem lugar de destaque, aberta em Mt 5,38-48; vela;cruz; colcha de retalho; fotos de Servo de Deus, Franz de Castro. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome doPai...”. Meus irmãos e minhas irmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “Vidas pela Vida, Vidas pelo Reino”. Todos: Pai querido, há séculos que nossa América vem sendo regada pelo sangue de muitos que lutaram pela Terra, Trabalho, Cidadania, Direitos Humanos que são também causas do Reino. São mulheres e homens; indígenas, camponeses e ope- rários; mães de família e religiosas; advogados, sindicalistas, estudantes e jorna- listas. Foram vidas dadas pela Vida, pelo Reino. Somos a Igreja que nasceu do San- gue e do Espírito de vosso Filho. Fortalecei-nos com a vossa Graça para que não esmoreçamos no serviço pela e em defesa da vida em todos os sentidos. Amém! 2. CANTO (rezado ou cantado) ─ Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar. (bis) ─ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─ Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis) Do povo que trabalha a Deus louvação! (bis) ─ Onde estiver teu tesouro, irmão, (bis) Lá estará inteiro o teu coração! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: O Apóstolo do Amor. Dirigente: Franz de Castro, advogado, militante da Pastoral Carcerária, nasceu em 18/05/1942 em Barra do Piraí, Rio de Janeiro. Fez a passagem, sua páscoa, em 14/02/1981, em Jacareí. Leitor(a) 1: Foi um defensor dos Direitos Humanos, cuja morte encerra uma vida repleta de ações em favor dos encarcerados.Foi morto,pela polícia, durante uma 2º ENCONTRO 13 a 19 de Fevereiro “Vidas pela Vida, Vidas pelo Reino”
  12. 12. 12 rebelião na cadeia pública de Jacareí. Leitor(a) 2: Franz foi chamado para mediar o motim, oferecendo-se para ficar como refém no lugar de um policial militar. Quando o carro onde Franz de Castro se encontravadeu a partida, a polícia iniciou um tiroteio, perfurando com mais de trinta e oito projéteis o corpo do “Apóstolo do Amor”. Leitor(a) 3: Nas galerias e celas do presídio, ele ficava, em média, dezesseis horas convivendo com os presos. Sempre afirmava: “A minha vida eu daria em garantia e alívio a muitos sofrimentos”. Todos: No dia 06 de março de 2009 foi aberto o Processo da Causa de Canoniza- ção do Servo de Deus, Franz de Castro, na Diocese de São José dos Campos. 4. HINO: Canto dos Mártires da terra (cantado ou rezado) 1 - Venham todos, cantemos um canto que nasce da terra, canto novo de paz e es- perança, em tempos de guerra. Neste instante, há inocentes tombando nas mãos de tiranos. Tomar terra, ter lucro, matando: são esses seus planos. 2 - Lavradores: Raimundo, José, Margarida, Nativo, assumir sua luta, seu sonho, por nós é preciso! Haveremos de honrar todo aquele que caiu lutando, contra os muros e cercas da morte jamais recuando! Eis o tempo de graça! Eis o dia da liber- tação! De cabeças erguidas, de braços unidos, irmãos! Haveremos de ver, qualquer dia, chegando a vitória: o povo nas ruas, fazendo a história, crianças sorrindo, em toda a nação! (bis) 3 - Companheiros, no chão desta pátria é grande a peleja! No altar da Igreja o seu sangue bem vivo lateja! Sobre as mesas de cada família há frutos marcados e há flores vermelhas gritando por sobre os roçados. 4 - Ó Senhor, Deus da vida, escuta este nosso cantar, pois contigo o povo oprimido há de sempre contar! Para além da injúria e da morte, conduze nossa gente! Que o teu Reino triunfe na terra deste Continente. 5. SALMO 103(102) - Na Bíblia – cantado ou rezado. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura Mateus 5,38-48 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA Dirigente: Infelizmente falta para muitosum dos critérios de salvação: “Estive pre- so e fostes me visitar”. Realmente esse apostolado, dentro dos presídios, como exerceu Franz de Castros e continua sendo exercido por poucos abnegados, é mui- to difícil, mas necessário. A pessoa que tem um criminoso dentro de si também precisa de salvação. Tal apostolado visa “matar” o criminoso para salvar a pessoa, com a Graça de Deus.
  13. 13. 13 a) O que entendemos do “olho por olho e dente por dente”? b) Como deve ser o nosso amor pelos inimigos? c) Compromisso do Encontro passado: Descobrimos nossos próximos mais neces- sitados? Partilhe. 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Ninguém deseja morrer em razão do compromisso com o Reino de Deus. Os mártires não pediram para morrer. A entrega da vida é uma consequên- cia desse compromisso, porque as forças do mal são contrárias ao projeto de Jesus, que é um projeto de vida para todos. Compromisso da semana: Visitar famílias que têm filhos presos, sendo solidários com elas; ou visitar alguma pessoa que seja conhecida sua que esteja presa.Parti- lharemos este compromisso em nosso próximo encontro. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Irmãos e irmãs, confiando na intercessão dos Mártires, que deram sua vida pela causa do Reino de Deus, peçamos ao Senhor. Todos: Escuta-nos, Senhor da Glória! ● Senhor, pela intercessão dos mártires, que lavaram suas roupas no Sangue do Cordeiro, limpa o mundo de toda injustiça, de toda corrupção e de todo mal. Pe- çamos ao Senhor. ● Senhor, da terra regada pelo sangue dos mártires, faz brotar flores de aleluia e vida, frutos de paz e justiça para teu povo. Peçamos ao Senhor. ● Ensina-nos, Jesus, a amar os nossos inimigos, rezar por aqueles que nos perse- guem e caluniam. Peçamos ao Senhor. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Todos: Deus da vida e de toda família humana que caminha na vossa presença, nesta memória dos Mártires da Caminhada, nós vos bendizemos pelo amor que venceu o medo e a tortura, e vos pedimos que nos torneis filhos e filhas da mesma Graça, testemunhas e herdeiros do sangue derramado, fiel ao Evangelho do Reino. Por Cristo Nosso Senhor. Amém! 11. AVISOS ● Aniversariantes, nascimentos,... ● Acolher os novos participantes. ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Para o próximo encontro: meditar em casa, Mateus 6,24-34 e Salmo 62 (61). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ● Outros...
  14. 14. 14 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO Todos: Fortalecidos pelo testemunho de nossos mártires, que foram fiéis até o fim e deram a prova maior de amor, venceram o pecado, a escravidão e a morte e vivem gloriosos, sendo páscoa na Páscoa,derramai também em nós o vosso Espírito de união, de fortaleza e de alegria, para darmos nossas vidas pela causa de vosso Reino. Amém! Dirigente: Deus, que é a nossa salvação, nos abençoe, faça brilhar sobre nós a sua paz, agora e sempre.Estivemos e estaremos sempre reunidos... Todos: “Em nome do Pai...” Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Ele derramou seu sangue, sua vida, pelos outros. Um verdadeiro mártir, fazendo o que ele havia dito para seu amigo Padre Altamirando: “O que im- porta na vida é Cristo e trazê-lo aos outros como sacerdote. Há em mim um desejo de doação total. Espero em Deus que se faça a sua vontade. Estou disposto ao que me chamar”. Em 06/03/2009 foi aberto seu proces- so de canonização e em 2010 seus do- cumentos foram encaminhados para a Congregação para a Causa dos Santos, no Vaticano. Em 2011 foi declarado Servo de Deus pelo Papa, época que marcou a abertura oficial do processo de canonização. O Processo Canônico é definido pelo martírio, sendo assim, após a compro- vação pelo Vaticano, ele será declarado Beato. Já existem relatos de milagres pela sua intercessão. Seus restos mor- tais estão expostos na Igreja Matriz de São José dos Campos, abertos à visita- ção e oração.
  15. 15. 15 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Mt 6,24-34; vela; cruz; colcha de retalho;um cartaz com fotos ou figuras sobre a destruição da natureza, causada pelo homem. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome do Pai...”. Meus irmãos e minhas irmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “Viver Intensamente Cada Dia”. Todos: Pai querido, fortalece a nossa fé para que possamos viver intensamente cada dia segundo a tua vontade. Somos parte de toda criação, com a missão de praticar a nova obra de misericórdia espiritual, criada pelo Papa Francisco, que envolve a contemplação da nossa Casa Comum, ou seja, de toda a criação,e a obra de misericórdia corporal que nos remete para cuidar da Casa Comum, visan- do construir um mundo melhor. Senhor, que esta prática possa nos levar a uma verdadeira conversão ecológica. Amém! 2. CANTO (rezado ou cantado) ─Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar!(bis) ─Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis) Do povo que trabalha a Deus louvação! (bis) ─ Onde estiver teu tesouro, irmão, (bis) Lá estará inteiro o teu coração! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Agenda Latino-americana. Dirigente: No dia 12 de novembro de 2016, aconteceu em nossa Diocese, no Ins- tituto São José, o lançamento da Agenda Latino-americana Mundial 2017, com o tema “Ecologia Integral”.Esse lançamento ocorre todos os anos em várias partes do Brasil. 3º ENCONTRO 20 a 26 de Fevereiro “Viver Intensamente Cada Dia”
  16. 16. 16 Leitor(a) 1: A Agenda nasceu em 1992, por iniciativa do Bispo Pedro Casaldáliga e do Padre José Maria Vigil, que sentiram a necessidade de partilhar com as comu- nidades as grandes causas que envolvem nossa Pátria Grande, a América Latina. Leitor(a) 2: A Agenda se tornou o livro latino-americano mais difundido, cada ano dentro e fora do Continente, como sinal de comunhão continental e mundial entre as pessoas e as comunidades que vibram e se comprometem com as grandes cau- sas da América Latina. Leitor(a) 3: O lançamento da Agenda, que teve a participação das CEBs de nossa Diocese na organização, foi um momento de reencontro fraternal, de recarregar as forçase energias, formação e organização e, sobretudo, alimentar a esperançapara que a luta continue por um mundo melhor. Dirigente: O Livro-Agenda quer somar-se ao clamor da Mãe Terra, ao clamor das Selvas mutiladas, das Florestas esturricadas pelo fogo, dos Rios contaminados, das Montanhas perfuradas, dos Animais encurralados no lugar invadido em que habi- tam, e das espécies em extinção. Todos: Fazemos nosso o grito da hondurenha mártir Berta Cáceres: “Humanida- de, desperta!Já não há tempo! É urgente mudar de rumo!” 4. HINO: (cantado ou rezado). É madrugada, levanta povo, a luz do dia vai nascer de novo. Rompe as cadeias, abre o coração, vamos dar as mãos, já é reino do povo. O povo agora é senhor da história, somos rebento dessa nova era. A liberdade, a fraternidade são as bandeiras dessa nova terra. 1 - Terra regada com sangue, com prantos; história marcada de sonhos e desen- cantos. Sementes plantadas pelas mãos do Senhor do mundo, brotando a justiça, rompendo as cercas do latifúndio. 2 - Me corre nas veias as dores da humanidade, mas brilha em meu peito a estrela da liberdade. Levanta meu povo, Jesus é o Senhor da História; meu canto é reflexo do sol dessa nova aurora. 5. SALMO 62(61) - Na Bíblia 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura Mateus 6,24-34 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA a) O Senhor nos dá o seguinte conselho: “Não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá suas preocupações! Para cada dia bastam seus próprios problemas”. O que o Evangelho quer nos dizer com essas palavras? Comentem.
  17. 17. 17 b) No olhando a realidade, diz que o lançamento da agenda foi um momento de alimentar a esperança, de formação e a organização. Nesse aspecto, o que tem alimentado a nossa esperança por um mundo novo, com menos poluição e devas- tação da natureza que atingem principalmente os mais pobres? c) Compromisso do Encontro passado: Visitamos algum(a) presidiário(a) ou seus familiares? 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Deixaremos de destruir a natureza e a nós mesmos apenas quando ado- tarmos uma nova visão que nos faça conscientes da dimensão sagrada da natureza. Compromisso da semana: Cuidar da Casa Comum que está no quintal de nossas casas e ruas; não varrendo lixo nos bueiros; não cortando as árvores;fazendo uma utilização sensata do plástico e do papel; não desperdiçando água, comida e eletri- cidade; diferenciando o lixo; tratando com cuidado os outros seres vivos; usando os transportes públicos e partilhando o mesmo veículo com várias pessoas etc. Nesta semana, a partir de hoje, para nosso aprendizado, vamos encontrar formas de selecionar melhor o lixo que produzimos, e assim partilharmos em nosso pró- ximo encontro. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO(PRECES) Dirigente: Devemos proclamar o Reino de Deus, fazendo-o realidade, que é pos- sível só pela ação do Espírito. Essa proclamação acontece no diálogo e na espe- rança, na partilha, na solidariedade e na alegria. Somos impelidos para uma ação libertadora:construir uma sociedade baseada nas comunidades dos primeiros cris- tãos. Todos: Escuta-nos, Senhor! ● Senhor, ajuda-nos a amar a Deus com todo o nosso coração e com as nossas obras. Rezemos ao Senhor. ● Senhor, ajuda-nos a não andarmos angustiados e preocupados pelo dia de ama- nhã; e que possamos ter as graças necessárias para enfrentar e superar as dificul- dades do dia a dia. Rezemos ao senhor. ● Senhor, ajuda-nos a organizar as nossas Comunidades com esperança, ousadia e comprometimento. Rezemos ao Senhor. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO: Todos: Ó Deus da vida, jardineiro do universo, criaste a terra para ser a casa da humanidade. Sustenta as pessoas e grupos que lutam no cuidado com o meio am- biente. Renova, no mais profundo do nosso ser, os valores da partilha e da soli- dariedade. Isto nós te pedimos, pela Páscoa de teu Filho amado, o Mártir Jesus e nosso irmão. Amém, Axé e Aleluia!
  18. 18. 18 11. AVISOS ● Aniversariantes, nascimentos,... ● Acolher os novos participantes. ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Para o próximo encontro: meditar em casa, Mateus 4,1-11 e Salmo 51(50). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ● Outros... 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO Todos: Ó Deus, fiel às vossas promessas, aumentai a fé de todas as pessoas que crêem em vós. Livrai-nos de toda escravidão e dai-nos a graça de caminharmos ao vosso encontro, como o povo, e reconhecer no vosso Filho o Rei do Universo e de nossos corações. Amém! Dirigente: Querido Pai, abençoaicada um de nós, nossas famílias e amigos. Reuni na unidade todas as comunidades do vosso povo. Estivemos e estaremos sempre reunidos... Todos: “Em nome do Pai...” Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Lançamento da Agenda Latino Americana em em nossa Diocese.
  19. 19. 19 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Mt4,1-11; vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos; cartaz da Campanha da Fraternidade 2017, que pode ser a capa de nosso subsidio, destacada e colada numa cartolina. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome do Pai...”. Meus irmãos e minhasirmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “Quaresma e Campanha da Fraternidade: Tempo de Conversão”. Todos: Senhor, queremos neste encontro em família colocar em vosso coração de Pai a nossa caminhada quaresmal e a Campanha da Fraternidade deste ano. Desde já, vos pedimos que nos concedais um humilde arrependimento do cora- ção. E assim, na luz interior do perdão, pouco a pouco descobriremos a paz do coração. Amém! 2. CANTO (cantado ou rezado) ─ Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar!(bis) ─ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─ Venham com fervor para a oração, (bis) Já se aproxima a Páscoa da Ressurreição. (bis) ─ Vence as nossas trevas, nossa escuridão, (bis) Transforma nossas pela conversão. (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Campanha da Fraternidade 2017. Dirigente: A Quaresma é um tempo forte de penitência e de mudança de vida, que nos insere no Mistério de Cristo, que se traduz na retomada de Deus.A conversão possibilita o retorno da dispersão para a nascente inesgotável de vida, que é a Páscoa de Jesus. Todos: A nossa cruz não é outra que a de Cristo, é o seu amor em nós que a car- 4º ENCONTRO 27 de Fevereiro a 05 de Março “Quaresma e Campanha da Fraternidade: Tempo de Conversão”
  20. 20. 20 rega. A nossa verdadeira vida é a vida do Ressuscitado em nós. Leitor(a) 1: A Quaresma é um tempo de graça e de bênção, marcado pela escuta da Palavra de Deus, de reconciliação com Deus e com os irmãos. Tempo de oração, de jejum como disponibilidade, entrega e docilidade à vontade do Pai; de partilha de bens e de gestos solidários, de atenção misericordiosa com os pobres e neces- sitados. Leitor(a) 2: A Campanha da Fraternidade quer ajudar a construir urna cultura de fraternidade, apontando os princípios de justiça, denunciando ameaças e viola- ções da dignidade e dos direitos, abrindo caminhos de solidariedade. Leitor(a) 3: A Campanha da Fraternidade de 2017 se apresenta como um instru- mento à disposição das comunidades cristãs e de todas as pessoas de boa vontade para refletir, com consciência crítica, o tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema: “Cultivar e guardar a criação!”. Uma pessoa de fé que faz sua caminhada quaresmal rumo à Páscoa, ao tomar consciência da realidade de como são tratados os biomas brasileiros, não poderá ficar indiferente. Nos próxi- mos encontros, vamos aprofundar o tema da Campanha da Fraternidade e saber o que é um bioma. 4. HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 (cantado ou rezado) - Contra Capa 5. SALMO 51(50) - Na Bíblia - cantado ou rezado 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura Mateus 4,1-11 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA Dirigente: Na Quarta-feira de Cinzas, iniciamos oTempo Quaresmal e a Campanha da Fraternidade. A Campanha da Fraternidade é uma verdadeira iniciação à fé e àsua prática. A conversão quaresmal é, ao mesmo tempo, um voltar-se para Deus, para o próximo e para a vida da criação que nos cerca. E assim, com Jesus, nos desertos da nossa vida, enfrentaremos as forças do mal que tentam nos escravizar. a) Todos nós somos tentados, as tentações diariamente batem à nossa porta: in- diferença paracom a realidade dos que sofrem; comodismo; preguiça para lutar por um mundo mais justo; falta de cuidado com a natureza. Como vencer essas tentações? b) Como queremos viver esse tempo de conversão que a Igreja nos propõe? O que precisa ser mudado em cada um de nós? c) Compromisso do Encontro passado: Fizemos uma seleção melhor, aprimorada, do lixo que produzimos? Partilhe.
  21. 21. 21 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Diante do que foi refletido, o que podemos fazerpara transformar o que precisa ser mudado? Compromisso da semana: Para quem tem quintal em casa: Estudar, nesta semana, a partir de hoje,o nosso quintal. Como podemos transformar os nossos quintais para que irradiem mais vida? Isso vale também para o quintal todo cimentado e também para apartamentos. No próximo encontro partilharemos. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Deus nosso Pai, vós que quereis que sejamos criaturas novas em Cristo, acolhei a nossa oração. Todos: Deus, nosso Pai, dai-nos um coração novo. ● Senhor, vós que nos prometestes um novo céu e uma nova terra, renovai a nossa esperança. Rezemos ao Senhor. ● Senhor, vós que nos libertastes de nossa escravidão ao dar-nos o vosso úni- co Filho, fortalecei nossa luta contra todo tipo de opressão. Rezemos ao Se- nhor. ● Senhor, concedei-nos a graça para que escutemos e recebamos a vossa Palavra com o coração cheio de amor e busquemos valorizar mais as iniciativas da Campa- nha da Fraternidade. Rezemos ao Senhor. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 Todos: Deus, nosso Pai e Senhor, nós vos louvamos e bendizemos, por vossa infini- ta bondade. Criastes o universo com sabedoria e o entregastes em nossas frágeis mãos para que dele cuidemos com carinho e amor. Ajudai-nos a ser responsáveis e zelosos pela Casa Comum. Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais da vida das pessoas, e da beleza e riqueza da criação, alimen- tando o sonho do novo céu e da nova terra que prometestes. Amém! 11. AVISOS ● Aniversariantes, nascimentos... ● Acolher os novos participantes. ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Para o próximo encontro: meditar em casa, Mateus 17,1-9 e Salmo 33(32). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ● Outros... 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO Todos: Ó Deus de ternura e compaixão, sois fonte de toda ação justa e de toda palavra boa. Vivendo a Quaresma como um tempo de deserto, ensinai-nos a
  22. 22. 22 orar. Vósnos chamais à penitência. Convertei, então, nosso coração, e ensinai- -nos a praticar o verdadeiro jejum e a repartir com os irmãos e irmãs tudo o que temos e somos. Amém! Dirigente: Que o Deus da paz nos abençoe e nos faça capazes de cumprir vossa vontade, no cuidado mais e mais da vida das pessoas, principalmente das mais necessitadas.Estivemos e estaremos sempre reunidos... Todos: “Em nome do Pai...” Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Lançamento da Agenda Latino Americana em em nossa Diocese. Na Quaresma, participar da Via Sacra, seja nas casas, nas ruas, nas praças ou capelas, conforme a realidade de cada comunidade.
  23. 23. 23 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Mt17,1-9; vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos; cartaz da Campanha da Fraternidade 2017, que pode ser a capa de nosso subsidio, destacada e colada numa cartolina. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome do Pai...”. Meus irmãos e minhasirmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “A Transfiguração de Jesus e a Nossa Transfiguração”. Todos: Deus onipotente, que estais presente em todo o universo e na mais pe- quenina das vossas criaturas, vós que envolveis com a vossa ternura tudo o que existe, derramai em nós a força do vosso amor para cuidarmos da beleza da vida. Inundai-nos de paz, para que vivamos como irmãos e irmãs sem prejudicar nin- guém. Amém! 2. CANTO (cantado ou rezado) ─ Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar!(bis) ─ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─ Em nome de Cristo, eu insisto, irmãos, (bis) Que vocês não recebam sua graça em vão! (bis) ─ Ao Senhor voltemos, bem de coração, (bis) Que ele nos converta pelo seu perdão! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE Dirigente: O objetivo geral da Campanha da Fraternidade 2017 é suscitar no povo o cuidado da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho. Leitor(a) 1: O que é bioma? Podemos dizer que é “um conjunto de vida (animal e vegetal) constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação que marca uma de- terminada região”. O nosso Brasil é formado de muitas regiões, o que resulta em 5º ENCONTRO 06 a 12 de Março “A Transfiguração de Jesus e a Nossa Transfiguração”
  24. 24. 24 uma diversidade biológica própria. Leitor(a) 2: No Brasil temos seis biomas: a Mata Atlântica, a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga e o Pampa. Nesses biomas vivem pessoas, povos, resultantes da imensa miscigenação(mistura de raças) brasileira. Todos: À luz da fé, nos interroguemos sobre o significado dos desafios apresenta- dos pela situação atual dos biomas e dos povos que neles vivem. Leitor(a) 3: Hoje, mais de 500 anos após a chegada dos colonizadores, seria in- teressante perguntar-nos: o que restou daquela floresta? O que restou daqueles povos? O que restou daquelas águas? O que restou daquela imensa biodiversidade (variedades de vida) que maravilhava os olhos? Precisamos perguntar-nos qual o destino que estamos dando a tantas riquezas e que Brasil queremos deixar para as gerações futuras. Leitor(a) 1: Pertencemos a uma mesma casa comum. Somos cidadãos globais. Esse fato implica que a tensão entre a economia e a ecologia se colocou como o maior desafio para a humanidade. É de sua equação harmônica que depende o futuro da humanidade e de todos os seres vivos que habitam a Terra. Todos: Os povos que perderam seus territórios reivindicam seu lugar na socie- dade, sua cidadania, querem viver conforme suas leis e suas tradições, sendo plenamente reconhecidos como brasileiros. 4. HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 (cantado ou rezado) - Contra Capa 5. SALMO 33(32) - Na Bíblia – cantado ou rezado 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura Mateus 17,1-9 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA Dirigente: Com a Transfiguração, Mateus pretende duas coisas: 1º) Revelar QUEM É JESUS: É “o Filho amado do Pai”; e 2º) Convidar: “Escutem o que Ele diz”. A Trans- figuração é um sinal da Ressurreição de Jesus e nossa, que tem como condição pas- sar pela cruz, as provações deste mundo. Jesus transfigurado nos revela também o valor da vida, a beleza do ser humano que deve ser respeitado em todas as etapas de sua existência e com ele toda a natureza que o envolve. Somos transfigurados pela Luz que em nós habita. a) A nossa transfiguração é um reflexo da Transfiguração de Jesus? Quando nos sentimos transfigurados nesta vida?
  25. 25. 25 b) Nossos biomas gemem e sofrem dores de parto e esperam pela libertação do uso egoísta, para serem partilhados e colocados a serviço de todos. Qual a nossa missão, como transfigurados, nesse processo de libertação da natureza? c)Compromisso do Encontro passado: Como foi o estudo de nossos quintais? Par- tilhe. 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Seguindo os passos dos discípulos, peçamos a Jesus que faça resplande- cer sobre nós a sua face, para que possamos reconhecer averdade. Vamos conver- sar sobre como essa campanha pode nos ajudar, para a assumirmos uma prática mais engajada que transforme o ambiente em que vivemos. Compromisso da semana: Nesta semana, a partir de hoje, fazer uma pesquisa (In- ternet, revistas, jornais, conversa com pessoas) para conhecermos mais o bioma que está mais próximo de nós, que é a Mata Atlântica;suas característicase sua importância para a nossa vida. No próximo encontro partilharemos. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES). Dirigente: Evocando a Transfiguração do Senhor, ouçamos seu convite para nos colocarmos a caminho com novas forças para enfrentar a jornada durante este período quaresmal. Deus da vida, vós criastes todas as coisas e nos pedistes para cuidar delas, acolhei a nossa oração. Todos: Deus da vida, ouvi a nossa oração. ● Pelos que se esforçam por restaurar a paz, por construir a justiça e por dar assis- tência aos que sofrem. Rezemos ao Senhor. ● Para que nos comprometamos com o cuidado da vida e dos bens da criação. Rezemos ao Senhor. ● Concedei-nos que escutando e recebendo a vossa Palavra com o coração cheio de amor, busquemos valorizar mais as iniciativas da Campanha da Fraternidade. Rezemos ao Senhor. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 Todos: Deus, nosso Pai e Senhor, nós vos louvamos e bendizemos, por vossa infini- ta bondade. Criastes o universo com sabedoria e o entregastes em nossas frágeis mãos para que dele cuidemos com carinho e amor. Ajudai-nos a ser responsáveis e zelosos pela Casa Comum. Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais da vida das pessoas, e da beleza e riqueza da criação, alimen- tando o sonho do novo céu e da nova terra que prometestes. Amém! 11. AVISOS ● Aniversariantes, nascimentos,...
  26. 26. 26 ● Acolher os novos participantes. ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Para o próximo encontro: meditar em casa, João 4,7-15 e Salmo 95(94). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ● Outros... 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO Todos: Senhor, que a alegria e a sabedoria nos acompanhem quando nos coloca- mos ao teu serviço. Vivendo com feliz perseverança as tuas orientações, quere- mos ser um sinal vivo do amor que sustenta toda a vida que nos cerca. Amém! Dirigente: Que o nosso Deus, Criador e Pai, nos abençoe, nos sustente e nos orien- te no cuidado com toda a criação. Estivemos e estaremos sempre reunidos... Todos: “Em nome do Pai,...” Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Lançamento da Agenda Latino Americana em em nossa Diocese.
  27. 27. 27 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em João 4,7-15; vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos; cartaz da Campanha da Fraternidade 2017, que pode ser a capa de nosso subsidio, destacada e colada numa cartolina. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome do Pai...”. Meus irmãos e minhas irmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “Fonte de Água para a Vida Eterna”. Todos: Ó Deus dos pobres, ajudai-nos a resgatar os abandonados e esquecidos desta terra que valem tanto aos vossos olhos. Curai a nossa vida, para que prote- jamos o mundo e não o depredemos, para que semeemos beleza e não poluição nem destruição. Tocai os corações daqueles que buscam apenas benefícios à cus- ta dos pobres e da terra. Amém! 2. CANTO (cantado ou rezado) ─ Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar!(bis) ─ Venham adoremos a nosso Senhor, (bis) É tempo de quaresma que ele consagrou. (bis) ─ Não fechemos hoje nosso coração (bis) Sua voz escutemos com toda a atenção! (bis) ─ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─ Venham com fervor para a oração, (bis) Já se aproxima a Páscoa da Ressurreição! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: Conhecendo os biomas brasileiros. Dirigente: A Igreja Católica, presente no território brasileiro, sempre está atenta aos sinais dos tempos, na sua ação evangelizadora. A campanha da Fraternidade tem contribuído e se voltado para as situações existenciais do nosso povo. Vamos agora brevemente conhecer cada um dos seis biomas brasileiros. 6º ENCONTRO 13 a 19 de Março “Fonte de Água para Vida Eterna”
  28. 28. 28 Leitor(a) 1: A Mata Atlântica abrangia uma área equivalente a 17 Estados. Hoje, restam 8,5 % do que sobrou desta floresta, que ainda guarda riquezas naturais e tem poder de regeneração. Com o caminhar da história, no bioma Mata Atlântica, a Igreja tem contribuído na defesa da vida dos povos originários e na defesa deste bioma. Leitor(a) 2: A Amazônia é o maior bioma do Brasil. A sociodiversidade(povos in- dígenas) da Amazônia é uma de suas principais riquezas. Muitos leigos, sacer- dotes, religiosos e religiosas derramaram seu sangue em nome da dimensão sociotransformadora(social) da fé, tendo como foco principal de seus esforços a defesa dessas populações e do meio ambiente. Leitor(a) 3: O Cerrado ocupa a área central do Brasil. É considerado o bioma brasi- leiro mais antigo. O Cerrado cumpre um papel fundamental no ciclo das águas bra- sileiras. Embora não “produza” água, acumula as águas das chuvas em seu subsolo poroso. Dioceses, segmentos e organismos ligados à Igreja Católica, têm transfor- mado a realidade em muitas de suas comunidades. Leitor(a) 1: A Caatinga encontra-se envolvida pelo clima semiárido(seco e quente) que abrange predominantemente territórios da região Nordeste. A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro. A sabedoria popular na Caatinga encontrou uma nova lógica e meios para sobreviver. Por muito tempo, a vida de fé da gente da Caatinga foi marcada pela educação cristã, consolidada através da memorização das formulações da fé, pela pastoral sacramental, e, esporadicamente, pelas mis- sões executadas pelos religiosos. Leitor(a) 2: O Pantanal tem uma das maiores extensões úmidas contínuas do mun- do, com grande beleza e rica biodiversidade(seres vivos). Quando chegaram os pri- meiros colonizadores europeus, o Pantanal já era ocupado por importantes povos indígenas. O povoamento da região resultou da miscigenação (mistura de raças) dessas populações. Leitor(a) 3: O Pampa é um bioma que se restringe ao estado do Rio Grande do Sul. Destacam-se em sua paisagem os campos, os capões de mata, as matas ciliares(próximas de rios) e os banhados. A Igreja está presente na região desde a “primeira evangelização”, mas com características muito próprias. Foi ali que os missionários jesuítas fundaram “As Missões dos Sete Povos”. Nos últimos anos, tem se valorizado muito a agricultura familiar, os territórios das comunidades tra- dicionais e os remanescentes indígenas. Todos: “Bendizei ao Senhor, todas as obras do Senhor; aclamai-o e exaltai-o para sempre”. 4. HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 (cantado ou rezado) - Contra Capa
  29. 29. 29 5. SALMO 95(94) - Na Bíblia – cantado ou rezado. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura João 4,7-15 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA Dirigente: Somos convidados a meditar e reviver o encontro de Jesus com a mulher samaritana. Sabemos o lugar importante que têm as mulheres no quarto evange- lho, o que é reflexo da história, da teologia e dos valores da comunidade joanina. Não é em vão que quase no início do evangelho apareça esta mulher estrangeira, com a qual Jesus inicia um diálogo. a) Preferimos as águas paradas ou as águas correntes? Onde poderemos saciar as nossas sedes de tantas coisas que nos atormentamno dia a dia? b) Compromisso do Encontro passado: Como foi a pesquisa sobre o Bioma Mata Atlântica? Partilhe. 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Iluminados pela Palavra, dizemos que é possível preservar a vida nos biomas. Para tanto, é importante a nossa conversão ecológica. Temos que conhe- cer nossa Casa Comum, ou seja, o mundo emque vivemos, para termos cuidado com algo verdadeiramente precioso, por ser criação de Deus para todos nós. Compromisso da semana: Talvez este já seja praticado por nós, mas vamos apri- morar: Nesta semana, a partir de hoje, para nosso aprendizado, vamos encontrar formas de economizar água, e assim partilharmos em nosso próximo encontro. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Deus, nosso Pai, vós que quereis que sejamos criaturas novas em Cristo, acolhei a nossa oração. Todos: Renovai, Senhor, nosso espírito e nossa mentalidadepara nos tornartam- bémfontes de água viva. ● Cristo, vós que curais a nossa alma, fazei-nos viver da vossa vidaque éa verdadei- ra Fonte de Água Viva. ● Cristo, vós que renovais em nós a esperança, fazei-nos viver da vossa vidaque é a verdadeira Fonte de Água Viva. ● Cristo, em vós a nossa ressurreição já começou; fazei-nos viver da vossa vidaque é a verdadeira Fonte de Água Viva. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria...
  30. 30. 30 10. ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 Todos: Deus, nosso Pai e Senhor, nós vos louvamos e bendizemos, por vossa infini- ta bondade. Criastes o universo com sabedoria e o entregastes em nossas frágeis mãos para que dele cuidemos com carinho e amor. Ajudai-nos a ser responsáveis e zelosos pela Casa Comum. Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais da vida das pessoas, e da beleza e riqueza da criação, alimen- tando o sonho do novo céu e da nova terra que prometestes. Amém! 11. AVISOS ● Aniversariantes, nascimentos,... ● Acolher os novos participantes. ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Para o próximo encontro: meditar em casa, João 9,35-41 e Salmo 23(22). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ● Outros... 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO Oremos: Ó Deus, Fonte de Água Viva, sacia em nós a nossa sede de justiça, de amor e paz. Faz penetrar no mais profundo de nossas vidas a Luz que vem do alto, Jesus Cristo, vosso Filho, para que caminhemos preparando-nos para a San- ta Páscoa. Amém! Dirigente: Senhor, confiantes na tua bênção, esperamos saber conduzir a nossa vida, no serviço do bem maior que queres ver em nosso mundo. Estivemos e esta- remos sempre reunidos... Todos: “Em nome do Pai...” Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Lançamento da Agenda Latino Americana em nossa Diocese. _______________ Aton Fon, Celeste Fon e membro do Levante Popular da Juventude.
  31. 31. 31 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em João 9,35-41; vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos; cartaz da Campanha da Fraternidade 2017, que pode ser a capa de nosso subsidio, destacada e colada numa cartolina. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome do Pai...”. Meus irmãos e irmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “Um Novo Olhar”. Todos: Senhor, ensinai-nos a descobrir, através de um novo olhar, o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a reconhecer que estamos profundamente uni- dos com todas as criaturas no nosso caminho para a vossa luz infinita. Obrigado, porque estais conosco todos os dias!Sustentai-nos na luta pela justiça, o amor e a paz. Amém! 2. CANTO (rezado ou cantado) ─ Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar!(bis) ─ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─ Venham com fervor para a oração, (bis) Já se aproxima a Páscoa da Ressurreição. (bis) ─ Vence as nossas trevas, nossa escuridão, (bis) Transforma nossas pela conversão. (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE: “Conversão ecológica”. Dirigente: Dentro da Tradição da Igreja, vamos ver aqui alguns textos dos papas Beato Paulo VI, São João Paulo II, Bento XVI e Francisco, que refletem sobre os biomas e a convivência dos povos tradicionais com eles e destacam a importância da consciência de que na criação tudo está interligado e da necessidade de cultivar esses vínculos. Leitor(a) 1: Em 1967, o Papa Beato Paulo VI, na Carta Encíclica PopulorumProgres 7º ENCONTRO 20 a 26 de Março “Um Novo Olhar”
  32. 32. 32 sio(Desenvolvimento dos Povos), nos diz que “Herdeiros das gerações passadas e beneficiários dos trabalhos dos nossos contemporâneos, temos a obrigação para com todos e não podemos desinteressar-nos dos que virão depois de nós”. Leitor(a) 2: O Papa São João Paulo II mostra a sua preocupação ecológica, apontan- do que o modo como as grandes potências econômicas organizam os bens naturais é contrário à vontade do Criador. O Papa recorda que Deus colocou o homem como senhor e guarda da criação e não como desfrutador e destruidor.” Leitor(a) 3: A criação foi dada ao homem, afirma Bento XVI, a fim de implementar o plano de Deus. Seria um erro colocar-se no centro do universo em uma busca egoísta do próprio bem-estar. O uso irresponsável da criação começa precisamente quando Deus é marginalizado ou mesmo negado. Leitor(a) 1: O Papa Francisco escreveu uma Encíclica sobre ecologia chamada Lau- dato Si’(Louvado Seja). “Que tipo de mundo queremos deixar a quem vai suceder- -nos, às crianças que estão crescendo? Esta pergunta não toca apenas o meio am- biente de maneira isolada. Não percamos tempo a imaginar os pobres do futuro: é suficiente que recordemos os pobres de hoje, que poucos anos têm para viver nesta terra e não podem continuar a esperar,”. Todos: “Uma conversão ecológica deve deixar emergir, nas relações com o mun- do que nos rodeia, todas as consequências do encontro com Jesus. Viver a voca- ção de guardiões da obra de Deus”. 4. HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 (cantado ou rezado) - Contra Capa 5. SALMO 23(22) - Na Bíblia - cantado ou rezado 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura João 9,35-41 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA Dirigente: Curado por Jesus,o cego passa a ver, a enxergar; e quando Jesus se apre- senta, ele o reconhece e manifesta a sua fé, passando para uma nova comunidade. É o olhar novo que todos nós precisamos. Por outro lado, os que oprimem que pensam ver, tornam-se cegos. a) Será que pensamos que vemos, mas ainda estamos cegos? Ou já temos um olhar novo de fé? Comentar. b) Se temos um olhar novo, como está nossa conversão ecológica como guardiões da obra de Deus? c) Compromisso do Encontro passado: Como foi nosso compromisso na economia
  33. 33. 33 de água durante a semana? Partilhe. 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Iluminados pela Palavra, dizemos que é possível ver o mundo, nossa Casa Comum com um novo olhar. Para tanto, é importante a nossa conversão eco- lógica. Temos que conhecer nossa Casa Comum, ou seja, o mundo em que vive- mos, para que seja cuidado como algo verdadeiramente precioso, por ser criação de Deus para todos nós. Compromisso da semana: Talvez este já seja praticado por nós, mas vamos apri- morar: Nesta semana, a partir de hoje, para nosso aprendizado, vamos encontrar formas de economizar energia elétrica, e assim partilharmos em nosso próximo encontro. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Quando nos damos conta do reflexo de Deus em tudo o que existe, o coração experimenta o desejo de adorar o Senhor por todas as suas criaturas e jun- tamente com elas, como no gracioso cântico (Irmão Sol) de São Francisco de Assis. Todos: Bendito seja Deus para sempre! ● Louvado sejas, meu Senhor, com todas as tuas criaturas, especialmente o meu senhor irmão sol, o qual faz o dia e por ele nos alumia. E ele é belo e radiante com grande esplendor: de Ti, Altíssimo, nos dá ele a imagem. ● Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã lua e pelas estrelas, que no céu formaste claras, preciosas e belas. Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão vento, pelo ar, pela nuvem, pelo sereno, e todo o tempo, com o qual, às tuas criaturas, dás o sustento. ● Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã água, que é tão útil e humilde, e preciosa e casta. Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão fogo, pelo qual iluminas a noite: ele é belo e alegre, vigoroso e forte. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 Todos: Deus, nosso Pai e Senhor, nós vos louvamos e bendizemos, por vossa infini- ta bondade. Criastes o universo com sabedoria e o entregastes em nossas frágeis mãos para que dele cuidemos com carinho e amor. Ajudai-nos a ser responsáveis e zelosos pela Casa Comum. Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais da vida das pessoas, e da beleza e riqueza da criação, alimen- tando o sonho do novo céu e da nova terra que prometestes. Amém! 11. AVISOS ● Aniversariantes, nascimentos,... ● Acolher os novos participantes.
  34. 34. 34 ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Para o próximo encontro: meditar em casa, Marcos 6,34-44 e Salmo 130(129). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ● 24.03.1980 - É assassinado “São Romero da América”, arcebispo de San Salvador, profeta e mártir. 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO. Todos: Acolhe, ó nosso Deus e querido Pai, no final deste dia, tudo o que foi feito, em nossos corações, em nossas comunidades, no mundo todo, para manifestar a força da vida e vencer as forças da morte. Acompanha-nos com tua bênção, a fim de prepararmos, na alegria do Espírito, a Santa Páscoa, em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Dirigente: Ó Deus, nosso Pai, proteção dos pequenos e dos pobres, abençoai-nos com a graça de caminhar com o Cristo, vosso Filho, na força e Luz do vosso Santo Espírito. Estivemos e estaremos sempre reunidos... Todos: “Em nome do Pai,...” Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Encontro Diocesano das CEBs Março de 2016
  35. 35. 35 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Marcos 6,34- 44; vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos; cartaz da Campanha da Frater- nidade 2017, que pode ser a capa de nosso subsidio, destacada e colada numa cartolina. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome do Pai...”. Meus irmãos e minhas irmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “O Banquete da Vida”. Todos: Senhor, não quereis que a terra sirva apenas os poderosos. Ela precisa ser administrada de modo a atender às necessidades de todos, sobretudo em relação aos alimentos livres dos venenos. Inspirai hoje nossa gente, Senhor, para usar dos recursos da terra com caridade e respeito, sem fazer do lucro financeiro o único objetivo. Amém! 2. CANTO (cantado ou rezado) ─ Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar!(bis) ─ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─ Em nome de Cristo, eu insisto, irmãos, (bis) Que vocês não recebam sua graça em vão! (bis) ─ Ao Senhor voltemos, bem de coração, (bis) Que ele nos converta pelo seu perdão! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE Dirigente: Falando à humanidade através da Carta Encíclica Laudato Si, o Papa Francisco nos faz refletir acerca do que estáacontecendo em nossos dias e os riscos que corremos de destruirmos a casa que Deus nos deu para morar, nosso Planeta Terra. Leitor(a) 1: Ele nos diz que muitas coisas devem reajustar o próprio rumo, mas an- 8º ENCONTRO 27 de Março a 02 de Abril “O Banquete da Vida”
  36. 36. 36 tes de tudo, é a humanidadeque precisa mudar. Mostra como nos falta a consciên- cia de uma origem comum, de uma recíproca pertença e de um futuro partilhado por todos. É a aquisição dessa consciência que vai nos permitir desenvolver novas convicções, atitudes e estilos de vida. Leitor(a) 2: O Papa Francisco nos convida a refletir sobre como o mercado tende a criar um mecanismo consumista compulsivo para vender os seus produtos, e como as pessoas acabam por ser arrastadas pelo turbilhão das compras e gastos supérfluos. A situação atual do mundo gera um sentido de precariedade e insegu- rança, que, por sua vez, favorece formas de egoísmo coletivo. Leitor(a) 3: Quanto mais vazio está o coração de uma pessoa, tanto mais necessita de objetos para comprar, possuir e consumir. Mas ele nos anima dizendo: “Nem tudo está perdido, porque os seres humanos, capazes de tocar o fundo da degrada- ção, podem também superar-se, voltar a escolher o bem e regenerar-se, para além de qualquercondição psicológica e social que lhes seja imposto. Leitor(a) 1: Não há sistemas que anulem, por completo, a abertura ao bem, à ver- dade e à beleza, nem a capacidade de reagir que Deus continua a animar no mais fundo dos nossos corações. A cada pessoa deste mundo peço para não esquecer esta sua dignidade que ninguém tem o direito de lhe tirar”. (Fonte: Encíclica Laudato Si’) 4. HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 (cantado ou rezado) - Contra Capa 5. SALMO 130(129) - Na Bíblia - cantado ou rezado 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura Marcos 6,34-44 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA Dirigente: Jesus celebra o banquete da vida com o povo simples. O banquete da morte é promovido pelos poderosos que exploram o povo. Marcos não diz o que Jesus ensina, mas o grande ensinamento de toda a cena está no fato de que não é preciso muito para alimentar todo o povo. Como diz o ditado popular: “o pouco com Deus é muito e o muito sem Deus é nada”. a) Como entendemos esse grande ensinamento de Jesus, onde todos ficaram ali- mentados e ainda sobraram alimentos? Qual a lição para a nossa sociedade? b) A nossa Casa Comum, sobretudo a terra, está ficando envenenada devido a ganância de muitos. Como estamos nos alimentando, como selecionamos os ali- mentos para o nosso consumo? c) Compromisso do Encontro passado: Melhorou nossa economia de energia? Par- tilhe.
  37. 37. 37 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Iluminados pela Palavra,sabemos que “a comida que se desperdiça é como se fosse roubada da mesa do pobre”. Dando e repartindo, todos ficam satis- feitos, e ainda sobra muita coisa. Compromisso da semana: Talvez este já seja praticado por nós, mas vamos apri- morar: Nesta semana, a partir de hoje, para nosso aprendizado, vamos encontrar formas de não desperdiçarmos alimentos, e assim partilharmos em nosso próximo encontro. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Confiantes, irmãos e irmãs, vamos elevar os nossos pedidosna certeza de que Deus nos atenderá, por meio da ação do Espírito Santo, rezemos: Todos: Senhor, guia-nos para construção de uma sociedade justa, fraterna e de paz. ● Que o Espírito Santo nos ajude a caminhar na unidade e na busca do bem co- mum. Rezemos... ● Que nos libertemos do consumismo desenfreado e trabalhemos por uma socie- dade nova de partilha. Rezemos... ● Que sejamos capazes de denunciar toda injustiça e todas formas de morte. Re- zemos... Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017. Todos: Deus, nosso Pai e Senhor, nós vos louvamos e bendizemos, por vossa infini- ta bondade. Criastes o universo com sabedoria e o entregastes em nossas frágeis mãos para que dele cuidemos com carinho e amor. Ajudai-nos a ser responsáveis e zelosos pela Casa Comum. Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais da vida das pessoas, e da beleza e riqueza da criação, alimen- tando o sonho do novo céu e da nova terra que prometestes. Amém! 11. AVISOS ● Aniversariantes, nascimentos ... ● Acolher os novos participantes. ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Para o próximo encontro: meditar em casa, Mateus 21,1-11 e Salmo (21,2-12). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ● Outros... 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO Oremos: Perdoa-nos, Senhor, quando não sabemos preservar a riqueza da vida que nos oferecestenos biomas de nosso país. Iluminanossas decisões para que
  38. 38. 38 possamos achar o melhor caminho para corrigir o que nos desvia do paraíso que querias que fosse a nossa morada. Amém! Dirigente: Senhor, nos abençoe hoje e sempre; e que o Espirito Santo seja a Luz para os nossos olhos, para trilharmos sempre os caminhos da Justiça que nos con- duzem à Paz. Estivemos e estaremos sempre estaremos reunidos... Todos: “Em nome do Pai...” Dirigente: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo. Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Encontro Diocesano das CEBs Março de 2016
  39. 39. 39 PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em lugar de destaque, aberta em Mateus 21,1- 11; vela; um vaso de plantas; colcha de retalhos; cartaz da Campanha da Frater- nidade 2017, que pode ser a capa de nosso subsidio, destacada e colada numa cartolina. ACOLHIDA: (A acolhida deve ser calorosa e alegre, com boas-vindas a todos; apre- sentar os símbolos do ambiente relacionando com o encontro de hoje ou com seu tema.) 1. ORAÇÃO INICIAL Dirigente: Cantemos. “Em nome do Pai...”. Meus irmãos e irmãs, o tema do nosso encontro de hoje é “Uma Nova Consciência”. Todos: Senhor, tomai-nos sob o vosso poder e a vossa luz, para proteger cada vida, para preparar um futuro melhor para vosso povo, para que venha o vosso Reino de justiça, paz, amor e beleza. Louvado sejais. Amém! 2. CANTO (cantado ou rezado) ─ Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar!(bis) ─ Venham adoremos a nosso Senhor, (bis) É tempo de quaresma que ele consagrou. (bis) ─ Não fechemos hoje nosso coração (bis) Sua voz escutemos com toda a atenção! (bis) ─ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito!(bis) Gloria à Trindade Santa, glória ao Deus bendito!(bis) ─ Venham com fervor para a oração, (bis) Já se aproxima a Páscoa da Ressurreição! (bis) 3. OLHANDO A REALIDADE Dirigente: A Campanha da Fraternidade de 2017 sobre os biomas e seus povos está intimamente vinculada à Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016, so- bre o cuidado com a Casa Comum. Eis alguns caminhos para nossa ação pessoal e comunitária. Leitor(a) 1: Defender o desmatamento zero para todos os biomas. Defender a re- 9º ENCONTRO 03 a 09 de Abril “O Banquete da Vida”
  40. 40. 40 composição florestal dos biomas, particularmente em morros, encostas, áreas de preservação, recargas de aquíferos e matas ciliares. Fortalecer a união em defesa do patrimônio dos biomas. Leitor(a) 2: Lembrarmos que a imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontra- da no Rio Paraíba, de Nossa Senhora do Círio de Nazaré, num ígarapé, e de Nossa Senhora das Grotas, dentro do Rio São Francisco. Todos: A crise ecológica nos mostra que não se obterá nunca o justo equilíbrio ecológico, se não forem primeiro enfrentadas diretamente as formas estruturais de pobreza. Leitor(a) 3: O tema da Campanha da Fraternidade 2017 permite contextualizar a Encíclica do Papa Francisco Laudato Si (Louvado Seja) localmente, iluminando suas reflexões para assumir suas propostas em cada comunidade, relacionando a ques- tão ecológica global com os desafios locais. Leitor(a) 1: O Papa Francisco nos diz que “cada criatura possui a sua bondade e perfeição próprias. As diferentes criaturas, queridas pelo seu próprio ser, refletem, cada qual a seu modo, uma centelha da sabedoria e da bondade infinitas de Deus”. Todos: Uma ecologia integral exige que se dedique algum tempo para recuperar a harmonia serena com a criação, refletir sobre o nosso estilo de vida e os nossos ideais, contemplar o Criador, que vive entre nós e naquilo que nos rodeia e cuja presença “não precisa ser criada, mas descoberta, desvendada”. 4. HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 (cantado ou rezado) - Contra Capa 5. SALMO (21,2-12)- Na Bíblia – cantado ou rezado. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Canto de Aclamação ao Evangelho. Leitura Mateus 21,1-11 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. MOMENTO DA PARTILHA Dirigente: Jesus de Nazaré, a Palavra Encarnada, é um rei diferente, humilde, que não se impõe pelas armas. Sua missão é a de salvar a vida de um povo; vem para libertar sem dominar; proteger o necessitado, sustentar o fraco e curar o doente. Cumpriu sua missão, com obediência, até a morte de Cruz. Com a Ressurreição, suarealeza continua. Ele de fato é Rei do Universo e, de maneira muito especial, de nossos corações. Ele possui uma autoridade absoluta sobre todas as criaturas, sobre o mundo que é a nossa Casa Comum. E já muito antes de encarnar-se, ”a Palavra estava voltada para Deus, e a Palavra era Deus. Tudo foi feito por meio dela, e, tudo o que existe, nada foi feito sem ela.”
  41. 41. 41 a) Como verdadeiramente Jesus reina em nossa vida e em nossa comunidade? Partilhar. b) Como a comunidade deverá se organizar para enfrentar os poderosos e ganan- ciosos que devastam os biomas, nossa Casa Comum, sem qualquer respeito ao Rei do Universo? c) Compromisso do Encontro passado: Encontramos um jeito novo de não desper- diçar alimentos? Partilhe. 8. COMPROMISSO COM A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Iluminados pela Palavra de Deus, somos chamados para a missão de defender os fracos, não compactuar com injustiças, cuidar da nossa Casa Comum. Compromisso da semana: Organizar a comunidade para transformar a socieda- de na Civilização do Amor. Para tanto, participar dos momentos de formação que ocorrerão em nossas Paróquias e Diocese, que envolva a Campanha da Fraterni- dade ouas CEBs. Que esse compromisso não caia no esquecimento, vamos atrás dessas informações. 9. O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO (PRECES) Dirigente: Que nós saibamos assumir os compromissos para com a criação que o Evangelho de Jesus nos propõe. Rezemos como comunidade. Todos: Curai a nossa vida, para que protejamos o mundo. ● Ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a re- conhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas. Rezemos. ● Ó Deus dos pobres, ajudai-nos a resgatar os abandonados e esquecidos desta terra que significam tanto aos vossos olhos. Rezemos. ● Senhor, sustentai-nos na nossa luta pela justiça, o amor e a paz. Rezemos. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017 Todos: Deus, nosso Pai e Senhor, nós vos louvamos e bendizemos, por vossa infini- ta bondade. Criastes o universo com sabedoria e o entregastes em nossas frágeis mãos para que dele cuidemos com carinho e amor. Ajudai-nos a ser responsáveis e zelosos pela Casa Comum. Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais da vida das pessoas, e da beleza e riqueza da criação, alimen- tando o sonho do novo céu e da nova terra que prometestes. Amém! 11. AVISOS/COMEMORAÇÕES ● Aniversários, nascimentos... ● Acolher os novos participantes ● Convite para o próximo encontro (local - anotar no início do subsídio). ● Trazer a Bíblia no próximo encontro. ●Outros...
  42. 42. 42 12. ORAÇÃO FINAL E BÊNÇÃO Todos: Nós te damos graças, Senhor, pela oportunidade de refletir sobre temas tão importantes nesta Quaresma. Desejamos que seja uma reflexão frutuosa, que nos leve a atitudes construtivas dentro do teu projeto de amor. Repetindo as palavras da Virgem Maria, queremos te dizer: faça-se em nós segundo a tua Palavra. Queremos estar a serviço da vida e para isso contamos com a tua graça. Amém! Dirigente: Que o Deus da paz nos abençoe e nos faça puros de coração, para ser- mos sinais da vossa presença no mundo, como verdadeiros missionários e profetas do Reino. Estivemos e estaremos sempre reunidos... Todos: “Em nome do Pai...” Dirigente:Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! CANTO FINAL Encontro Diocesano das CEBs Março de 2016
  43. 43. 43 Via Sacra
  44. 44. 44 A Cruz do Senhor, com uma faixa de tecido branco nos braços simbo- lizando a ressurreição de Jesus de sua morte, é levada à frente pelos par- ticipantes, acompanhada por velas acesas. O dirigente acolhe a todos e os convida a participar com fé e devoção da meditação dos Mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Início Dirigente: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Todos: Amém! Dirigente: Irmãos e irmãs, que a paz de Jesus Cristo esteja conosco! Todos: Bendito seja o Senhor que nos reuniu na sua paz! Leitor(a) 1: Caros irmãos e irmãs, estamos vivendo esse tempo forte da Quaresma que é tempo de mudança de vida. Nessa Via-Sacra queremos seguir os passos de Jesus e pedir a ele a graça de encontrarmos na sua pai- xão e cruz a vida nova da Ressurreição. Queremos viver esse exercício de piedade em comunhão com a Igreja no Brasil, que por meio da Campanha da Fraternidade, quer cuidar da criação, de modo especial dos biomas bra- sileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho. Todos: Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais de sua beleza e riqueza. Leitor(a) 2: O cuidado da natureza faz parte de um estilo de vida que im- plica capacidade de viver juntos e em comunhão. Jesus lembrou-nos que temos Deus como nosso Pai comum e que isto nos torna irmãos. O amor fraterno só pode ser gratuito, nunca pode ser pago. ( ... ) Esta mesma gra- tuidade leva-nos a amar, desenvolvendo uma verdadeira cultura do cuida- do do meio ambiente. * Todos: Cresça, em nosso imenso Brasil, o desejo e o empenho de cuidar mais e mais de sua beleza e riqueza. Hino da Campanha da Fraternidade 2017 - (cantado ou rezado) - Contra Capa *FRANCISCO. Carta Encíclica Laudato Si’ (LS). Documentos Pontifícios 22. Brasília: Edições CNBB, 2015, n. 228-229.
  45. 45. 45 Dirigente: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: ”Então os outros avançaram, lançaram as mãos sobre Jesus e o prenderam. Nisso, um dos que estavam com Jesus estendeu a mão, puxou a espada e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha. Jesus, porém, lhe disse: ‘Guarda a espada na bainha! Pois todos os que usam a espada, pela espada morrerão” (Mt 26,50b-52). Leitor(a) 2: Jesus enfrenta sua prisão, mostrando sua fidelidade à justiça do Reino por ele anunciado, esse Reino que evoca acima de tudo a vontade do Pai. Jesus preso é lembrança das populações originárias, que não têm reco- nhecidos seus direitos, sua pertença ao povo brasileiro, nem respeitada sua história e cultura, seus territórios e seu modo específico de viver. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Pai, vós que em Jesus vosso Filho preso, nos recordais a justiça do Reino, ajudai-nos a aderir sempre à vossa vontade e a nos comprometer com todas as populações originárias que não têm seus direitos reconheci- dos. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: A morrer crucificado, / teu Jesus é condenado / por teus crimes, pecador / por teus crimes, pecador. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 1ª Estação Jesus é preso e Condenado à Morte.
  46. 46. 46 Dirigente: Nós vos adoramos ó Cristo e vos bendizemos. Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Pilatos lavou as mãos diante da multidão que gritava “seja crucificado!”; dizendo: “Estou inocente desse sangue, a responsabilidade é vossa” . A isso todo o povo respondeu: “Que o seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos”. Então, depois de mandar flagelar Jesus, Pilatos entregou-o para que fosse crucificado (Mt 27,23-26). Leítor(a) 2: Nesta estação queremos lembrar à sociedade que os gover- nantes cada vez mais lavam as mãos em relação ao cuidado de nossa casa comum, não reconhecendo cada bioma, suas belezas, seus significado e importância para a vida no planeta. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Deus, vós que sois a fonte de toda liberdade e o Senhor do tempo e da história, libertai a natureza e toda a humanidade dos aprisiona- mentos que prejudicam a vida. Isto vos pedimos, em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: Com a cruz é carregado / e do peso acabrunhado, / vai morrer por teu amor / vai morrer por teu amor. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 2ª Estação Jesus carrega a Cruz.
  47. 47. 47 Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Jesus com o rosto no chão orava: Pai, meu Pai, se é possível, afasta de mim este cálice de sofrimento! Porém, que não seja feito o que eu quero, mas o que tu queres (Mt 26,39). Leitor(a) 2: No Brasil temos seis biomas: a Mata Atlântica, a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga e o Pampa. Nesses biomas vivem pessoas, povos, resultantes da imensa miscigenação brasileira, seja por relações pa- cíficas e consensuais, seja pela força da violência, inclusive a sexual, contra as mulheres indígenas e negras. Hoje, mais de 500 anos depois da chegada dos colonizadores, seria interessante perguntar-nos: O que restou daquela floresta? O que restou daqueles povos? O que restou daquelas águas? O que restou daquela imensa biodiversidade que maravilhava os olhos? (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Deus de bondade, olhai para nossa sociedade brasileira que cai em seu próprio egoísmo, devastando os biomas e sendo indiferentes os pobres, e ajudai-nos a reerguer os abandonados e esquecidos dessa terra. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Pai nosso... Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus, que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: Pela cruz tão oprimido, / cai Jesus desfalecido, / pela tua salvação / pela tua salvação. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 3ª Estação Jesus cai pela Primeira vez.
  48. 48. 48 Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe: ‘Este menino será causa de queda e de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição - uma espada traspassará a tua alma! - e assim serão reve- lados os pensamentos de muitos corações’” (Lc 2,34-35). Leitor(a) 2: Maria de Nazaré, a mãe das dores, cultivou e gerou a relação de cuidado com seu filho Jesus. Ela hoje pode ser nossa inspiração no cui- dado da natureza, na defesa dos pobres e na construção de uma trama de respeito e fraternidade. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Deus, que sois a fonte da fraternidade, por intercessão de Nossa Senhora das Dores, ajudai-nos a crescer na promoção do cuidado da vida. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: De Maria lacrimosa, / no encontro lastimoso, / vê a viva compaixão / vê a viva compaixão. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 4ª Estação Jesus se encontra com sua Mãe.
  49. 49. 49 Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: ”Então o levaram para crucificá-lo.Os soldados obrigaram al- guém que lá passava voltando do campo, Simão deCirene, pai de Alexandre e de Rufo, a carregar a cruz” (Mc 15,20b-2I). Leitor(a) 2: O Cireneu foi um apoio aJesus que sofria. Nós também pode- mos ser um apoio a nossa sociedade que busca reforçar o compromisso com a biodiversidade, os solos, as águas, nossas paisagens e o clima varia- do e rico que abrange o chamado território brasileiro, abandonando o lucro excessivo, buscando garantir o direito à água e aos recursos naturais para todas as pessoas. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Pai, que sempre nos inspira a apoiar iniciativas que concorram para o bem comum, convertei as nossas ações, para promovermos o direito dos povos à água limpa e a todos os recursos naturais. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: Em extremo, desmaiado, / deve auxílio, tão cansado / receber do Cireneu / receber do Cireneu. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 5ª Estação Simão, o Cirineu, ajuda Jesus a carregar a cruz.
  50. 50. 50 Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Jesus não tinha aparência nem beleza para atrair o nosso olhar, nem simpatia para que pudéssemos apreciá-lo, Desprezado e rejeitado pe- los homens, homem do sofrimento e experimentado na dor; como alguém de quem a gente esconde o rosto (Is 53,2-4). Uma piedosa mulher enxugou o rosto de Jesus. Leítor(a) 2: Verônica enxergou o rosto sofrido de Jesus e dele teve com- paixão. Nós que somos discípulos de Jesus, hoje, somos chamados a olhar tantos rostos sofridos e cheios de lágrimas e oferecermos consolo. A mãe natureza também tem apresentado o seu rosto sofrido pelo descaso com ela e pelo desrespeito com as populações originárias. É missão dos discípu- los de Jesus sanar de igual modo esses sofrimentos. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Deus, que enviaste vosso Filho ao mundo para romper todas as barreiras que separam os homens e as mulheres, ajudai-nos a consolar cada rosto sofrido que de nós se aproxima, e desenvolver um estilo de vida alternativo que mude a sociedade. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: O seu rosto ensanguentado, / por Verônica enxugado, / contemplemos com amor / contemplemos com amor. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 6ª Estação Verônica enxuga o rosto de Jesus.
  51. 51. 51 Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Quando Pilatos perguntou a Jesus se ele era rei, Jesus lhe res- pondeu: Tu o dizes: Eu sou rei. Foi para dar testemunho da verdade que nasci e vim ao mundo. Quem é da verdade escuta a minha voz (Jo18,37). Leitor(a) 2: A Igreja Católica há algum tempo vem sendo uma voz profética a respeito da questão ecológica. Além de chamar a atenção para os desa- fios e problemas ecológicos, tem apontado suas causas e, principalmen- te), tem indicado caminhos para sua superação. Essa sua aproximação do nosso povo é para defender seus direitos e para promover a convivência harmônica com o meio ambiente em todo o Brasil. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Pai, Jesus assumindo nossa realidade humana, assumiu tam- bém nossas quedas. Concedei-nos que sejamos cada vez mais profetas que praticam a justiça e anunciam a verdade. Isto vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: Outra vez desfalecido, / pelas dores abatido / cai por terra o Salvador / cai por terra o Salvador. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoar-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 7ª Estação Jesus cai pela segunda vez.
  52. 52. 52 Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Seguiam a Jesus mulheres que batiam no peito e choravam por ele. Jesus, porém, voltou-se para elas e disse-lhes: - Mulheres de Je- rusalém, não choreis por mim! Chorai por vós mesmas e por vossos filhos ... Porque se fazem assim quando a árvore está verde, o que acontecerá quando estiver seca? (Lc 23, 27-28). Leitor(a) 2: A educação possui um poder muito grande de transformar, de tirar de dentro dos educandos, um novo potencial de vida. Assim como Jesus chamou várias mulheres ao seu seguimento, hoje, convida as mu- lheres, mães, professoras, catequistas, líderes sociais, a se lançarem com maior ardor na educação ecológica das novas gerações. Essa cortesia ajuda a construir a cultura da vida compartilhada e do respeito pelo que nos ro- deia. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Deus, que chamastes as mulheres para o vosso seguimento, despertai cada vez mais nelas o senso da educação que gera o cuidado da vida. Que no interior da vossa Igreja seja mais valorizada sua atuação pastoral, e que sempre encontrem o conforto de seus dramas. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: Das mulheres piedosas, / de Sião filhas chorosas, / é Jesus consolador / é Jesus consolador. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus 8ª Estação Jesus consola as mulheres.
  53. 53. 53 Dirigente: Nós vos adoramos, ó Cristo, e vos bendizemos! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Se fazendo o bem sois pacientes no sofrimento, isso constitui uma ação louvável diante de Deus, pois para isto fostes chamados, já que Cristo também sofreu por vós, deixando-vos o exemplo, a fim de que sigais seus passos. Sobre o madeiro levou nossos pecados em seu próprio corpo, a fim de que, mortos para nossos pecados, vivêssemos para a justiça (1 Pd 2,20b;24a). Leitor(a) 2: Para os países pobres, as prioridades devem ser a erradicação da miséria e o progresso social de suas populações, tudo isso favorece o desenvolvimento sustentável dos povos. Infelizmente, esse caminho é obs- truído pela corrupção dos governantes, uma utilização irresponsável das capacidades humanas. A terceira queda de Jesus nos convida a não nos dei- xar vencer pelo mal da corrupção que tanto afeta a política de nosso país. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Pai, vós que sempre vos mostrastes fiel a nós que somos vosso povo, ajudai o nosso país a vencer toda a corrupção que impede o desen- volvimento de políticas sustentáveis. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus, que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: Cai terceira vez prostrado, / pelo peso redobrado, / dos pecados e da cruz / dos pecados e da cruz. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 9ª Estação Jesus cai pela terceira vez.
  54. 54. 54 Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, SenhorJesus! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: “Depois que crucificaram Jesus, os soldados pegaram suas ves- tes e as dividiram em quatro partes, uma para cada soldado” Jo 19,23-24). Cristo Jesus despojou-se da sua condição divina, e assumindo a forma de escravo, abaixou-se, fazendo-se obediente até a morte, a morte sobre uma cruz (FI2,7-8). Leitor(a) 2: As vestes de Jesus foram repartidas, separadas. A Campanha da Fraternidade ao refletir sobre os biomas brasileiros, quer denunciar todo o tipo de ruptura, de divisão na sociedade que se mostra insensível à defesa da vida. É preciso nos unir, somando forças para promover a respon- sabilidade para com os biomas. Somos chamados a refazer nossas relações sociais e ambientais seguindo a prática libertadora de Jesus de Nazaré. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Pai, vós que chamais todos os povos a ser uma realidade só em vós, despertai nas nossas comunidades o desejo de trabalharmos cada vez mais na construção do vosso Reino de unidade de paz. Isto vos pedi- mos, em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Todos: Pai nosso ... Canto: Das suas vestes despojado, / por algozes maltratado, / eu vos vejo meu Jesus / eu vos vejo meu Jesus. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 10ª Estação Jesus é despido de suas vestes.
  55. 55. 55 Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Quando chegaram ao chamado “Lugar da caveira”, deram fel para Jesus beber, e aí o crucificaram (Mt 27,33-36). “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim também será levantado o Filho do Homem, a fim de que todo o que nele crer tenha vida eterna” (Jo 3,14.15). Leitor(a) 2: Segundo a compreensão cristã da realidade, o destino da cria- ção inteira passa pelo Mistério de Cristo, que nela está presente desde a origem. Uma pessoa da Santíssima Trindade, o Filho, veio morar neste mundo e tomou parte no destino da criação. Em sua solidariedade, chegou até a morte, e morte de cruz. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Pai, pelo mistério da cruz do Filho experimentamos um sinal estupendo de amor, acompanhai com solicitude os gemidos da criação, e assim nos impele para a prática do bem. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: Sais por mim na cruz pregado, / insultado, blasfemado, / com cegueira e com furor / com cegueira e com furor. Pela Virgem dolorosa / vossa Mãe tão piedosa / perdoai-me meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 11ª Estação Jesus é pregado na cruz.
  56. 56. 56 Dirigente: Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus! Todos: Porque, pela vossa santa Cruz, remistes o mundo! Leitor(a) 1: Então Jesus deu um forte grito: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” Dizendo isso, expirou (Lc 23,46-48). Cristo amou a sua Igreja e se entregou por ela, a fim de purificá-Ia com o banho da água e santificá- -Ia pela Palavra, para apresentar a si mesmo a Igreja, gloriosa, sem mancha, nem ruga, santa e irrepreensível (Ef 5,6). Leitor(a) 2: A Campanha da Fraternidade quer ajudar a construir uma cultura de fraternidade, apontando os princípios de justiça, denuncian- do ameaças e violações da dignidade e dos direitos, abrindo caminhos de solidariedade. A vida fraterna é a síntese do Evangelho quanto às relações humanas e testemunha a nossa dignidade como verdadeiros filhos e filhas de Deus. (Breve momento de silêncio.) Dirigente: Ó Pai, que acolhestes “o espírito de vosso Filho” no alto da cruz, concedei que os povos trabalhem para criar um mundo novo no qual todos os limites sejam superados. Isto nós vos pedimos em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém! Todos: Nesta Quaresma, iluminai-nos com a Palavra do vosso Filho Jesus; que cresça em nós o sonho do novo céu e da nova terra. Amém! Canto: Por meus crimes padecestes, / meu Jesus, por mim morrestes, / oh, quão grande a minha dor / oh, quão grande a minha dor. Pela Virgem dolorosa, / vossa Mãe tão piedosa, / perdoai-me, meu Jesus, / perdoai-me, meu Jesus. 12ª Estação Jesus morre na cruz.

×