Classe dos determinantes

871 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
871
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Classe dos determinantes

  1. 1. CLASSE DOS DETERMINANTES Os determinantes, geralmente, antecedem (vêm atrás de) os nomes e concordam com eles em género e número. A classe dos determinantes divide-se em várias classes: · Artigos definidos – designam seres ou objectos bem identificados, conhecidos. Ex. Ele já leu o livro. · Artigos indefinidos – designam seres ou objectos que não são identificados com precisão. Ex: Ele comprou um livro. · Possessivos – indicam o(s) possuidor(es) do ser ou objecto a que o nome se refere. Ex. A tua blusa é lindíssima. · Demonstrativo - identificam e indicam a posição (no espaço ou no tempo) de um ser ou objecto. Ex: Empresta-me este livro? · Indefinidos _ referem seres ou objectos de um modo impreciso. Ex: Certo dia, o que ele temia, aconteceu. · Interrogativos – introduzem frases interrogativas (de uma forma directa ou indirecta) Ex: Quantos anos tens? · Numerais Cardinais – indicam a quantidade exacta. Ex: Ela tem dois irmãos. Ordinais – indicam uma ordem. Ex: Na terceira aula os alunos já se conheciam todos.
  2. 2. SUBCLASSES DOS DETERMINANTES Os determinantes são uma classe de palavras que normalmente vêm atrás do nome e dão indicações sobre aquilo que este expressa, limitando ou concretizando o seu significado. Concordam sempre em género com o substantivo. Determinantes Artigos definidos: designam algo conhecido: a avó comprou a bola Determinantes artigos definidos Singular Plural Masculino Feminino Masculino Feminino O A Os As Determinantes Artigos indefinidos: designam algo não conhecido: a avó comprou uma bola Determinantes artigos indefinidos Singular Plural Masculino Feminino Masculino Feminino Um Uma Uns Umas Determinantes possessivos: exprimem posse ou parentesco: a minha avó comprou a minha bola. Determinantes possessivos Possuidor Pessoa Singular Plural Masculino Feminino Masculino Feminino Um só 1.º Meu Minha Meus Minhas 2.º Teu Tua Teus Tuas 3.º Seu Sua Seus Suas Vários 1.º Nosso Nossa Nossos Nossas 2.º Vosso Vossa Vossos Vossas 3.º Seu Sua Seus Suas Determinantes demonstrativos: exprimem uma localização relativa: a avó comprou aquela saia. Determinantes demonstrativos Singular Plural Masculino Feminino Masculino Feminino Este Esta Estes Estas Esse Essa Esses Essas Aquele Aquela Aqueles Aquelas O outro A outra Os outros As outras O mesmo A mesma Os mesmos As mesmas Tal Tais
  3. 3. Classificação das vogais Vogais: Sons produzidos pelas cordas vocais, que passam livremente pela boca e pelas fossas nasais, sem aperto ou modificação do aparelho fonador. Intervenção das cavidades bucal e nasal Orais - pá, pelo, vivo, mó, sul Nasais - rã, tem, fim, som, fundo Zona de articulação Anteriores ou Palatais - rir, pé, vê Médias ou Centrais - átomo, ânsia Posteriores ou velares - lomba, avô, dominó Timbre Abertas - pá, pé, mó Médias - ano, fêmea, ânsia, dedo Fechadas - vi, burro, rio, rústico Intensidade Tónicas - armário, pé, mito Átonas - casa, meter, povo
  4. 4. Classificação dos ditongos Ditongo: Combinação de uma vogal e de uma semivogal (i e u) que se pronuncia numa só emissão de voz. Hiato: Encontro de duas vogais. Ex: rainha, saiam, país. Crescentes Decrescentes A semivogal antecede a vogal: perícia, espécie, fastio, vácuo, ténue, água A vogal antecede a semivogal: pai, feito, varapau, réu, biscoito, muito Orais Nasais O som sai só pela boca: saia, farnéis, fugiu, boi, uivar O som sai pela boca e fossas nasais: mãe, cãimbra, vem, mão, comeram Abertas Fechadas au: mau éu: ilhéu ói: dói eu: seu oi: foi õe: põe Outros ditongos (encontros consonantais) Encontro consonantal Exemplos bl bloco br branco, rubro cl claro, tecla cr cravo, acre dr dragão, vidro fl flor, ruflar fr francês, refrão gr grande, regra tl atlas vr palavra
  5. 5. Oração - Elementos essenciais Oração - Elementos essenciais Constituição Exemplos Sujeito (ser sobre o qual se faz uma afirmação) um só núcleo: sujeito simples Eu fui à praia. O Pedro almoçou cedo. mais do que um núcleo: sujeito composto Tu e eu temos os mesmos gostos. A manteiga e o iogurte são produtos lácteos. Predicado (tudo aquilo que se afirma sobre o sujeito) constituído por uma forma verbal: predicado verbal Vi um óptimo filme. Os cães ladraram. constituído por um verbo de ligação e por um predicativo do sujeito: predicado nominal Ele é muito egoísta. A minha irmã esteve cá. Fiquei muito satisfeito com a minha nota.
  6. 6. Artigos Artigo: Subclasse de palavras variáveis que se antepõem ao substantivo para identificar e determinar o ser que este exprime. Se se trata de um ser já conhecido utiliza-se o artigo definido. Se se trata de um simples representante de uma dada espécie ao qual não se fez menção anterior utiliza-se o artigo indefinido. Formas Simples Artigos Definidos Artigos Indefinidos Singular Plural Singular Plural Masculino o os Masculino um uns Feminino a as Feminino uma umas Formas Combinadas (Contracção) Artigos Definidos Artigos Indefinidos Preposições o a os as Preposições um uma uns umas a ao à aos às em num numa nuns numas de do da dos das em no na nos nas de dum duma duns dumas por (per) pelo pela pelos pelas
  7. 7. Acentuação Acentos gráficos Acento Utilização Exemplos Agudo (´) assinala: as vogais tónicas fechadas i e u; as vogais tónicas abertas e semi-abertas a, e e o aí, impossível baú, alaúde chá, fácil café, dissésseis mó, herói Grave (`) marca as vogais subtónicas abertas nos seguintes casos: nas contracções da preposição a com a forma feminina do artigo e com os pronomes demonstrativos a(s), aquele(s), aquela(s), aquilo; à, àquele, àquela, àquilo às, àqueles, àquelas Circunflexo (^) indica o timbre médio das vogais tónicas a, e e o e acentua a terceira pessoa do plural dos verbos ter e ver e seus compostos câmara, vândalo você, lêndea avô, brônquios têm, vêm, contêm, convêm Til (~) indica nasalação das vogais a e o ou dos ditongos de que fazem parte mãe, órfão, irmãozito, vãmente, põe
  8. 8. Sinais gráficos Sinal Utilização Exemplos Apóstrofo (') assinala a supressão de um fonema, geralmente uma vogal (frequente em versos, em certas pronúncias populares ou em palavras compostas ligadas pela preposição de) minh'alma, n'os Lusíadas, Sant'Ana, 'tá bem, pão d'alho Cedilha (,) coloca-se por baixo do c antes de a, o e u, para lhe atribuir o som s força, terço, açúcar, caçar, maciço Hífen (-) usa-se para ligar os elementos de palavras compostas por justaposição que mantêm a sua autonomia fonética; finca-pé, alto-forno, guarda- redes usa-se para ligar os elementos de palavras compostas ou derivadas por prefixação; além-mar, bem-fazer, vice-rei, supra-renal, couve-flor, pré- escolar usa-se para ligar as formas monossilábicas do verbo haver e a preposição de; hei-de, hás-de, hão-de usa-se para ligar formas verbais a pronomes nas conjugações pronomiais e reflexas; amam-se, visto-me, fazê-mo-lo usa-se nos topónimos em que os dois elementos são ligados por um artigo; Trás-os-Montes, Idanha-a- Nova usa-se para indicar a partição da palavra em final de linha. liga-/ção, ligam-/-se Sinais de acentuação Na linguagem escrita utilizamos três sinais de acentuação (acentos): agudo - como em há grave - como em à circunflexo - como em experiência Existem ainda os seguintes sinais auxiliares da escrita: til - como em mãe cedilha - como em peça
  9. 9. Interjeições As interjeições são palavras invariáveis que exprimem sentimentos, emoções ou estados de espírito
  10. 10. CLASSIFICAÇÃO DE PALAVRAS QUANTO AO Nº DE SÍLABAS
  11. 11. Classificação dos ditongos (encontros vocálicos) Classificação dos ditongos (encontros vocálicos) Ditongo: Combinação de uma vogal e de uma semivogal (i e u) que se pronuncia numa só emissão de voz. Hiato: Encontro de duas vogais. Ex: rainha, saiam, país. Crescentes Decrescentes A semivogal antecede a vogal: perícia, espécie, fastio, vácuo, ténue, água A vogal antecede a semivogal: pai, feito, varapau, réu, biscoito, muito Orais Nasais O som sai só pela boca: saia, farnéis, fugiu, boi, uivar O som sai pela boca e fossas nasais: mãe, cãimbra, vem, mão, comeram Abertas Fechadas au: mau éu: ilhéu ói: dói eu: seu oi: foi õe: põe Outros ditongos (encontros consonantais) Encontro consonantal Exemplos bl bloco br branco, rubro cl claro, tecla cr cravo, acre dr dragão, vidro fl flor, ruflar fr francês, refrão gr grande, regra tl atlas vr palavra
  12. 12. Preposição As partículas ou palavras inflexivas que estabelecem a relação entre duas palavras ou entre duas partes de uma oração chamam-se preposições: O Manuel já chegou a Lisboa. O António está em Coimbra e dali vai voltar para a sua terra. Não se pode trabalhar sem utensílios próprios. Andou por caminhos de terra batida. Em amanhecendo, iremos à pesca. As preposições são simples quando constam de um só vocábulo: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, per, por, sem, sob, sobre, trás. São compostas, ou locuções prepositivas, quando constam de um grupo de palavras a que se atribui o valor de uma preposição: Ex.: abaixo de, acima de, perto de, longe de, aquém de, a respeito de, quanto a. Empregam-se como preposições algumas palavras de origem nominal ou verbal: Ex.: conforme, consoante, durante, excepto, mediante, segundo.
  13. 13. Texto Narrativo O texto narrativo (ou narrativa) é um texto do qual fazem parte acções e descrições onde é contada uma história. Este tipo de texto é geralmente organizado em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão. Acção - pode-se localizar tanto no espaço (onde) como no tempo (quando). Autor - é quem imagina e escreve a narrativa. Narrador - é quem conta a história e pode ser participante (se participa na história como personagem), ou não participante (se apenas conta a história sem fazer parte das personagens). Personagens - são seres imaginários criados pelo autor e é através deles que decorre a acção. Pode existir um personagem principal ou mais que um numa história, assim como as personagens secundárias. Retrato - é realizado pelo autor para dar a conhecer os personagens aos leitores. O retrato dos personagens pode ser realizado através de características físicas ou psicológicas das personagens. Recursos expressivos - Para dar uma maior expressividade ao texto, os autores utilizam certos processos designados por recursos expressivos. Os mais importantes são: Onomatopeias – Quando são utilizadas palavras que procuram imitar sons ou ruídos. Ex: ão, ão; bum!. Adjectivação – Quando se utilizam adjectivos para descrever personagens, paisagens, situações, etc… Ex: A menina bonita de ténis amarelos e pesados, naquele dia quente e alegre… Aliteração - Quando se repete o mesmo som. Ex: O rato roeu a rolha da garrafa do rei da Rússia. Repetição – Quando se repete a mesma palavra ou palavras. Ex: Tu és bela, ela é bela, a lua é bela nós somos belos. Personificação – Quando se atribuem características humanas a objectos ou a animais. Ex: A lua parou e chorou a noite inteira. Comparação – Quando se compara uma coisa a algo semelhante ou igual. Ex: Alegre como um pardalinho atrás do pã
  14. 14. Texto Poético – noções de versificação No texto poético prevalece a 1ª pessoa: há um «eu» que revela os seus sentimentos e as suas emoções. É, por isso, um texto muito pessoal e subjectivo, onde as palavras formam combinações surpreendentes, não só ao nível dos sons e dos ritmos, mas também ao nível dos significados. O texto poético normalmente está escrito em verso e, por vezes, é rico em figuras de estilo, que embelezam o poema. Noções de versificação  Verso - cada linha do poema. Pode ou não ter sentido completo.  Estrofe - Conjunto de versos separados por um espaço. Classificação das estrofes quanto ao número de versos: - monóstico (estrofe com um verso); - parelha ou dístico (estrofe com dois versos); - terceto (estrofe com três versos); - quadra (estrofe com quatro versos); - quintilha (estrofe com cinco versos) - sextilha (estrofe com seis versos); - sétima (estrofe com sete versos); - oitava (estrofe com oito versos); - nona (estrofe com nove versos) - décima (estrofe com dez versos).  Rima - É a terminação semelhante de cada verso. : Tipos de rima: - versos soltos ou brancos: versos não rimados; - rima emparelhada: os versos rimam dois a dois (aabb); - rima cruzada: os versos rimam alternadamente ( abab) - rima interpolada: os versos rimam separados por dois ou mais versos diferentes (abba)  Métrica - Os versos podem ser medidos quanto ao número de sílabas métricas, que não são sempre iguais às sílabas gramaticais. Quando medes o verso, estás a fazer a sua escansão. Aqui ficam algumas regras: a) a contagem das sílabas métricas é feita até à ultima sílaba tónica do verso; b) quando uma palavra termina numa vogal e a palavra seguinte começa por vogal, faz-se uma elisão, ou seja, as vogais fundem-se numa única sílaba.
  15. 15. Classificação dos versos quanto ao número de sílabas métricas: - monossílabo (verso com uma sílaba) - dissílabo (verso com duas sílabas) - trissílabo (verso com três sílabas) - tetrassílabo (verso com quatro sílabas) - pentassílabo (verso com cinco sílabas) - hexassílabo (verso com seis sílabas) - heptassílabo ou redondilha maior (verso com sete sílabas) - octossílabo (verso com oito sílabas) - eneassílabo (verso com nove sílabas) - decassílabo (verso com dez sílabas) - hendecassílabo (verso com onze sílabas) - dodecassílabo ou verso alexandrino (verso com doze sílabas)
  16. 16. MODOS E TEMPOS VERBAIS – conjugação simples O MODO INDICATIVO é o modo da realidade, das certezas, em relação ao presente, passado e futuro. O Presente do Indicativo refere factos atuais: Ex. Faço; ponho; dou; O Pretérito Imperfeito pode traduzir uma ação que durava ou que era habitual; (usa mentalmente a expressão “antigamente eu...” para colocar o verbo nesse tempo) Ex. Fazia; punha; dava; O Pretérito Perfeito traduz uma ação pontual passada; (usa mentalmente a expressão “ontem eu...”, e não esqueças de confirmar se a terminação da 2ªpessoa do singular é –ste – repara no exemplo...) Ex. Fiz/ fizeste; pus /puseste; dei /deste; O Pretérito mais-que-perfeito só se usa para traduzir uma ação anterior a outra, também passada e o tempo simples pertence a um nível de língua cuidado. ( a sua terminação é sempre em – ra; Ex. fizera; pusera; dera; O Futuro Simples usa-se para exprimir uma ação posterior ao momento da fala ou da escrita, muitas vezes é substituído pelo Presente (a sua terminação é sempre em – rão); Ex. farão; porão; darão; O MODO CONJUNTIVO exprime, não a realidade, mas a possibilidade, o desejo ou a dúvida e normalmente integra uma oração subordinada. Para colocares o verbo no Presente do Conjuntivo, usa mentalmente a expressão “queres que eu hoje...” e colocarás o verbo nesse tempo) Ex. faça; ponha; dê; O Pretérito Imperfeito do Conjuntivo escreve-se sempre com ss (e encontra-lo se mentalmente usares a expressão“ se eu ontem...”) Ex. fizesse; pusesse; desse...
  17. 17. O Futuro do Conjuntivo coloca a ação como muito provável, ou com valor condicional. (Se mentalmente usares a expressão “Quando eu...” transporás o verbo para esse tempo) Ex. fizer; puser; der. O MODO IMPERATIVO é usado para formular um pedido ou dar uma ordem. Só possui duas pessoas verbais (tu / vós ) e vai buscar ao Presente do Conjuntivo as pessoas verbais que não possui ( Faça! Façamos! Façam!) Ex. Faz!; Põe! ; Dá! O MODO CONDICIONAL é usado para traduzir a possibilidade de realização de uma ação sob condição, concretizada ou não. (Reconhece-lo facilmente pela terminação em – ria) Ex. faria; poria; diria

×