Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 45

3.758 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.758
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.174
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 45

  1. 1. 4 Para andar espalhado por toda a encosta 5 A ser muita coisa feliz ao mesmo tempo), 7 Ou quando uma nuvem passa a mão por cima [da luz 3 (Ou ser o rebanho todo 6 É só porque sinto o que escrevo ao pôr do sol 8 E corre um silêncio pela erva fora. 1 E se desejo às vezes, 2 Por imaginar, ser cordeirinho
  2. 2. E se desejo às vezes, Por imaginar, ser cordeirinho (Ou ser o rebanho todo Para andar espalhado por toda a encosta A ser muita coisa feliz ao mesmo tempo), É só porque sinto o que escrevo ao pôr do sol Ou quando uma nuvem passa a mão por cima da [luz E corre um silêncio pela erva fora.
  3. 3. Quando me sento a escrever versos Ou, passeando pelos caminhos ou pelos atalhos, Escrevo versos num papel que está no meu pensamento, Sinto um cajado nas mãos E vejo um recorte de mim No cimo dum outeiro, Olhando para o meu rebanho e vendo as minhas [ ideias Ou olhando para as minhas ideias e vendo o meu [ rebanho, E sorrindo vagamente como quem não compreen[ de o que se diz E quer fingir que compreende.
  4. 4. Saúdo todos os que me lerem, Tirando-lhes o chapéu largo Quando me vêem à minha porta Mal a diligência levanta no cimo do outeiro. Saúdo-os e desejo-lhes sol E chuva, quando a chuva é precisa, E que as suas casas tenham Ao pé duma janela aberta Uma cadeira predilecta Onde se sentem, lendo os meus versos.
  5. 5. E ao lerem os meus versos pensem Que sou qualquer coisa natural — Por exemplo, a árvore antiga À sombra da qual quando crianças Se sentavam com um baque, cansados de [ brincar, E limpavam o suor da testa quente Com a manga do bibe riscado.
  6. 6. XI Aquela senhora tem um piano Que é agradável mas não é o correr dos rios Nem o murmúrio que as árvores fazem... Para que é preciso ter um piano? O melhor é ter ouvidos E amar a Natureza.
  7. 7. TPC — Resolve o ponto 1/1.1 (Escrita) da p. 80. (Podes, se preferires, trazer esse texto já no início da próxima semana.)

×