Os poetas e a poesiaPortuguês
«A poesia diz sempre mais do que diz, dizoutra coisa, mesmo quando diz as mesmascoisas que o resto dos homens e dacomunida...
FALAR DE POESIAAntes de tudo, não falar. O poema tem todas as palavras necessáriaspara que não seja preciso dizer mais nad...
Eu, apesar de não saber também o que essa palavrasignifica, não faço a pergunta. Não, porque saber osignificado não me res...
Toda a poesia é luminosa, atéa mais obscura.O leitor é que tem às vezes,em lugar de sol, nevoeiro dentro de si.E o nevoeir...
Ser poeta é ser mais alto, é ser maiorDo que os homens! Morder como quem beija!É ser mendigo e dar como quem sejaRei do Re...
O poeta é um fingidorFinge tão completamenteQue chega a fingir que é dorA dor que deveras sente.E os que lêem o que escrev...
E há poetas que são artistasE trabalham nos seus versosComo um carpinteiro nas tábuas!...Que triste não saber florir!Ter q...
O poema me levará no tempoQuando eu já não for euE passarei sozinhaEntre as mãos de quem lê.O poema alguém o diráÀs searas...
«A poesia não se explica.»Manuel Alegre«Peguem num poema e leiam-no. Nãoé preciso mais nada.»Eugénio de Andrade
Para ver os campos e o rio.Não é bastante não ser cegoPara ver as árvores e as flores.É preciso também não ter filosofia n...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Texto poético

935 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
935
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
192
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto poético

  1. 1. Os poetas e a poesiaPortuguês
  2. 2. «A poesia diz sempre mais do que diz, dizoutra coisa, mesmo quando diz as mesmascoisas que o resto dos homens e dacomunidade.»António Ramos Rosa«A poesia, se não for o lugar onde o desejoousa fitar a morte nos olhos, é a mais fútil dasocupações.»Eugénio de Andrade
  3. 3. FALAR DE POESIAAntes de tudo, não falar. O poema tem todas as palavras necessáriaspara que não seja preciso dizer mais nada partir dele.Depois, falar devagar.Falar da sua construção. Procurar a origem do poema por dentro doque ele nos diz.Falar com o poema. Falar de cada palavra, de cada verso. Encontraratravés deles os fios de uma lógica que não passa apenas pelo sentidoou pelo que é dito, mas sobretudo pelo que só a percepção instintiva,sensorial, pode captar, no que está para além do que é dito e se soltadas próprias palavras.Ouvir o poema para poder falar dele.Ignorar todos os discursos sobre o poema e sobre a poesia. Esse lixoverbal só nos impede de ouvir o que o poema tem para dizer.Depois de falar do poema, e só depois, procurar saber o que outrosdisseram - pura curiosidade.Procurar, como um suplemento de curiosidade, o que os própriospoetas disseram do poema e da poesia.Se tivermos sabido, com essa leitura, alguma coisa para além do queo poema nos disse, desconfiemos do poema.Um poema, quando o é, diz tudo o que há para saber sobre si.Nuno Júdice
  4. 4. Eu, apesar de não saber também o que essa palavrasignifica, não faço a pergunta. Não, porque saber osignificado não me resolve nenhuma questão. Osignificado é paragem no tempo, e a questão éjustamente o movimento. Porque poesia durante muitotempo parece que foi sonoridade, ritmo sonoro obtidocom palavras; só muito mais tarde se tornou sobretudoescrita e, depois disso ainda, imagem criada a partir depalavras escritas: ritmo visual. Esta evolução dánaturalmente que pensar.Alberto Pimenta
  5. 5. Toda a poesia é luminosa, atéa mais obscura.O leitor é que tem às vezes,em lugar de sol, nevoeiro dentro de si.E o nevoeiro nunca deixa ver claro.Se regressaroutra vez e outra veze outra veza essas sílabas acesasficará cego de tanta claridade.Abençoado seja se lá chegar.Eugénio de Andrade (1923-2005)
  6. 6. Ser poeta é ser mais alto, é ser maiorDo que os homens! Morder como quem beija!É ser mendigo e dar como quem sejaRei do Reino de Aquém e de Além Dor!É ter de mil desejos o esplendorE não saber sequer que se deseja!É ter cá dentro um astro que flameja,É ter garras e asas de condor!É ter fome, é ter sede de Infinito!(…)Florbela Espanca (1894 – 1930)
  7. 7. O poeta é um fingidorFinge tão completamenteQue chega a fingir que é dorA dor que deveras sente.E os que lêem o que escreve,Na dor lida sentem bem,Não as duas que ele teve,Mas só a que eles não têm.(…)Fernando Pessoa (1888-1935)
  8. 8. E há poetas que são artistasE trabalham nos seus versosComo um carpinteiro nas tábuas!...Que triste não saber florir!Ter que pôr verso sobre verso, como quem constrói ummuroE ver se está bem, e tirar se não está!...Quando a única casa artística é a Terra todaQue varia e está sempre bem e é sempre a mesma.(…)Alberto Caeiro
  9. 9. O poema me levará no tempoQuando eu já não for euE passarei sozinhaEntre as mãos de quem lê.O poema alguém o diráÀs searasSua passagem se confundiráCom o rumor do mar com o passar do vento.(...)Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)
  10. 10. «A poesia não se explica.»Manuel Alegre«Peguem num poema e leiam-no. Nãoé preciso mais nada.»Eugénio de Andrade
  11. 11. Para ver os campos e o rio.Não é bastante não ser cegoPara ver as árvores e as flores.É preciso também não ter filosofia nenhuma.Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.Há só cada um de nós, como uma cave.Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;E um sonho do que se poderia ver se a janela seabrisse,Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.Alberto Caeiro

×