SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
As mil faces da resiliência 
Luana Cunha Ferreira 
Faculdade de Psicologia 
Associação Casa Estrela-do-mar 
Congresso Novo Futuro“ Construir Futuros, Recriando Caminhos” Lisboa, 17 e 18 Outubro de 2014
As mil faces da resiliência 
Trauma multigeracional Caso Rosa 
Resiliência do casal 
Resiliência do ex- casal 
Resiliência via grupo
Resiliência….é o quê? 
Capacidade de um material absorver energia quando é comprimido e libertar essa energia quando é descomprimido.
Resiliência….é o quê? 
Adaptação positiva à adversidade apesar das sérias ameaças à adaptação ou desenvolvimento. Masten
Resiliência….é o quê? 
Propriedade emergente de um conjunto de sistemas protetores hierarquicamente organizados que amortecem de forma cumulativa os efeitos da adversidade e que quase nunca devem ser pensados como propriedades intrínsecas dos indivíduos. 
(Roisman et al., 2002)
Resiliência….é o quê? 
Resiliência é não só ultrapassar a adversidade como também potencialmente transformar subtil ou drasticamente aspetos dessa adversidade 
(boing boing collective)
Malala Yousafzai 
Prémio Nobel da Paz 2014 
(com Kailash Satyarthi )
Recursos internos, familiares, e contextuais 
Acesso aos melhores cuidados 
Forte exposição positiva nos média 
Reconhecimento internacional 
Luta global e Impacto real?
Recursos internos, familiares, e contextuais 
Acesso aos melhores cuidados 
Forte exposição positiva nos média 
Reconhecimento internacional 
Luta global e Impacto real? 
Resiliência é não só ultrapassar a adversidade como também potencialmente transformar subtil ou drasticamente aspetos dessa adversidade 
(boing boing collective)
As mil faces da resiliência 
Trauma multigeracional Caso Rosa 
Resiliência do casal 
Resiliência do ex- casal 
Resiliência via grupo
Família multi 
desafiada 
Tipologia neto adolescente + avó Ideação 
suicida 
Cliente involuntário
Como trabalhar para a resiliência? 
•Premissa: As dificuldades humanas são o produto da interação entre o sujeito e a realidade 
•Cuidadores como co-terapeutas que promovem a mudança, providenciando a família com estratégias e recursos para gerirem a sua realidade. 
•3 princípios da intervenção do MRI: 
•Não consertar o que não está partido; 
•Parar de fazer o que não funciona e fazer algo diferente; 
• Se funciona, fazer mais disso.
Processos de comunicação 
Mensagens claras e consistentes 
Partilha emocional e humor 
Postura colaborativa e proactiva 
Recursos organizacionais 
Flexibilidade e estabilidade 
Rede, ligação, liderança 
Recursos familiares, sociais e económicos 
Sistema de Crenças 
Significados atribuído à crise familiar e desafios 
Esperança e Optimismo 
Transcendência e espiritualidade 
Chaves para a resiliência familiar 
Walsh
Encontro 
•Encaminhamento CPCJ 
•Avó como co-terapeuta 
1)Definição do problema: foco no presente e foco na queixa principal 2) Soluções tentadas 3) Definição de objectivos 
Avaliação de necessidades baseada nas rotinas de forma a perceber como se processam as actividades familiares diárias 
1)Dificuldade em gerir o comportamento do Rui 
2)Falta de expressão emocional por parte de Rui; 
3)Dificuldades de comunicação entre os dois 
Gritar e Bater 
1)Desempenho escolar positivo; 
2)Maior abertura na comunicação e partilha entre ambos 
Forte desqualificação de Raquel, afirmando, magoada, que Rui estava muito parecido com ela e que Raquel não se preocupava com ninguém, especialmente com o filho.
Evolução 
Paradoxo 1: Rosa não consegue responder às solicitações de criar um jovem, mas receia o afastamento de Rui, ‘natural’ ou por reaproximação à mãe dele. 
Paradoxo 2: Quer ajudar a filha (trabalhando no seu café) , mas sente-se injustiçada por não receber nada (afecto, dinheiro) em troca do seu sacrifício. 
Ideação suicida 
“Rui, quando eu me for o que vai ser de ti?” “nessa altura mato-me…não ando cá a fazer nada…o que é que eu sou?” 
•Desempenho escolar vs. comportamento 
•Papel de cuidadora vs. autonomia 
•‘Tristeza transgeracional’ 
O discurso em sessão afastou-se do tom negativo para um discurso de forças e competências, focado no facto de Rosa ter conseguido, sozinha, criar os seus netos de forma saudável.
Quebras 
Forte ambivalência Rosa/Raquel: 
Sessão familiar 
Resistência e desdobramento da intervenção de forma guardar a aliança terapêutica 
1 Mês de faltas (queixas vagas) 
Re-focar: 
-temas da promoção da autonomia 
-- questões de disciplina 
-- projectar o Rui para uma vida para além da morte da avó 
“O que faz para conseguir ter um neto que não faz nada em casa?” ou ilusão de alternativas 
1)discurso : “ele é agressivo” 
2) sentimento “eu tenho medo dele” 
3)expectativa dos outros “a minha filha avisou-me que ele pode ser violento” 
4)provocação, já que Rosa lha bateu; 
5)reacção a adoptar “se ele vier para mim eu agarro tudo o que tiver à mão 
“ruindade vs “violência gera violência”. 
Pausa para reflectir: 
“Sr Cat”
Foco nos sistemas 
Circularidade 
Padrões 
Narrativa e 
linguagem 
Poder e controlo 
Papéis 
Fronteiras e limites 
Contexto cultural 
Ciclo de vida 
Co-construção da relação 
Recursos 
Hipótese sistémica 
Sr.Cat: Systemic Reflexive Case Analysis Tool
Foco nos sistemas 
Circularidade 
Padrões 
Narrativa /linguagem 
Poder e controlo 
Papéis 
Fronteiras e limites 
Contexto cultural 
Ciclo de vida 
Co-construção da relação 
Recursos 
Hipótese 
sistémica 
Sr.Cat: Systemic Reflexive Case Analysis Tool 
pouco apoio social e questões de vinculação 
dificuldade em se pôr na perspectiva de Raquel 
desqualificação , violência doméstica, entrega dos filhos 
cuidadora e vítima 
intimidade física entre avó e neto 
Operária e 
forte crença no trabalho 
poder de cuidadora e o poder de vítima 
foco no negativo 
criou três crianças sozinha, Rui mantêm boas relações com professores, canais de comunicação abertos 
deixar de ter dependentes e passar a depender; autonomia de Rui 
verbaliza o gostar das sessões vs. ameaça à aliança
Foco nos sistemas 
Circularidade 
Padrões 
Narrativa e 
linguagem 
Poder e controlo 
Papéis 
Fronteiras e limites 
Contexto cultural 
Ciclo de vida 
Co-construção da relação 
Recursos 
Hipótese sistémica 
Sr.Cat: Systemic Reflexive Case Analysis Tool 
pouco apoio social e questões de vinculação 
dificuldade em se pôr na perspectiva de Raquel 
desqualificação entre Rosa e Raquel, violência doméstica trangeracional, entrega dos filhos 
cuidadora e vítima 
intimidade física 
entre avó e neto 
Operária e 
forte crença no trabalho 
entre o poder de ser cuidadora e o poder de ser vítima, o que é que controla? 
foco no negativo 
sobrevivente, criou três crianças sozinha, Rui mantêm boas relações com os professores, canais de comunicação abertos entre Rosa e Rui 
deixar de ter dependentes e passar a depender; autonomia de Rui como tarefa de desenvolvimento na adolescência 
verbaliza o gostar das sessões vs. ameaça à aliança 
Aproximação de Raquel a Rui é ameaça para Rosa. Depender de alguém em vez de ter dependentes. Ambas estas questões provocam uma situação de cristalização e de homeostase que paralizam Rosa e empurram Rui para uma terra de ninguém.
Quebras 
Forte ambivalência Rosa/Raquel: 
Sessão familiar 
Resistência e desdobramento da intervenção de forma guardar a aliança terapêutica 
1 Mês de faltas (queixas vagas) 
Re-focar: 
-Promoção da autonomia 
-Disciplina - Projectar o Rui para uma vida para além da morte da avó 
“O que faz para conseguir ter um neto que não faz nada em casa?” ou ilusão de alternativas 
1)discurso : “ele é agressivo” 
2)sentimento “eu tenho medo dele” 
3)expectativa dos outros “a minha filha avisou-me que ele pode ser violento” 
4)provocação, já que Rosa lha bateu; 
5)reacção a adoptar “se ele vier para mim eu agarro tudo o que tiver à mão” 
“ruindade vs “violência gera violência”.
•Elogios aos comportamento e assiduidade, menos duas negativas 
•Corte de cabelo “Não me chateei com ele, nunca mais lhe falei nisso e funcionou” 
•Rui “está diferente, mais meigo, até já voltamos aqueles cumprimento que tínhamos” (sic) – referindo-se a “Olá avó… Olá neto”…”está mais homem” 
•Não mudança em relação à percepção de Raquel: “quando a minha filha fala a verdade cai-lhe um braço e ela ainda têm os dois”. 
Mudanças
•Arquivamento do processo CPCJ; Melhoria de 4 negativas – transitou de ano 
•Follow-up e Prevenção de recaídas 
–Amplificação das mudanças 
–Aumento do sentimento de competências 
–Desenvolvimento de novas narrativas (sucessos, soluções e forças) 
–A família possui recursos para ultrapassar eventuais dificuldades futuras 
–Diferenciação entre Rui e Raquel “o caminho que ela levou ele não leva” 
Rosa - “Rui, quando eu morrer o que vai ser de ti?” (sic) 
Rui -“Eu fico aqui em casa e depois arranjo trabalho e mulher…tenho que organizar a vinha vida” 
Finalização
As mil faces da resiliência 
Trauma multigeracional Caso Rosa 
Resiliência do casal 
Resiliência do ex- casal 
Resiliência via grupo
Resiliência no casal: Trauma ‘Infidelidade’ 
Avaliação do impacto 
•Perturbação de Stress Pós-Traumático (PTSD): depressão, ansiedade, hipervigilância, flashbacks 
Gestão da crise 
•Política ‘livro aberto’ vs. Limites e fronteiras 
•Autocuidado e auto-conforto 
•2 lentes: vítima/agressor vs os responsáveis/pequenas traições 
•Limitar a intensidade das discussões 
•Adiar decisão 
Avançar 
•Construir a narrativa partilhada sobre o que aconteceu 
•O perdão não é esquecimento, é mudar a REC de sítio 
•Novas âncoras, novas intimidades, escolha consciente.
Resiliência no ex-casal: Trauma divórcio 
Um dos melhores legados a deixar ao filhos é um bom divórcio. 
Limites e fronteiras: 
Privacidade 
& 
Informação 
Canal parental 24/7: 
•Estratégias de gestão parental 
•Distribuição estratégica de tarefas 
• Queixas vs pedidos 
Gestão emocional 
•Separar sentimentos e comportamentos 
•Estruturar discussões difíceis 
•Treino de relaxamento 
•Activar a rede
Resiliência no grupo parental: Trauma ‘vigilância do sistema’ 
1.Envolvimento contínuo 
2.Auto-gestão do grupo & depowerment 
3.Continuidade entre sessões 
4.Investimento na parentalidade masculina 
5.Foco no apoio social e promoção de relações sociais informais 
6.Estratégias de gestão emocional fora da sessão 
7.Experiências práticas 
8.Ligação aos recursos comunitários 
9.Promoção da activa da assiduidade 
10.Ritual de partilha estruturada de estratégias gestão do comportamento
“…a resiliência constitui um processo natural, em que aquilo que somos num determinado momento deve obrigatoriamente tricotar-se com os meios ecológicos, afectivos e verbais. Basta que um só destes meios falhe para que tudo desabe. 
Basta que encontremos um único ponto de apoio e a construção poderá começar” 
Cyrulnik (1999, p.14)
"All I want is an education, and I am afraid of no one."
Referências 
•Oliver, Thomas & Thompson. (2013). Resilient and regenerative design in New Orleans: the case of the Make It Right project »,S.A.P.I.EN.S [Online], 6.1 URL : http://sapiens.revues.org/1610 
•Boing Boing, colectivo de recursos para a resiliência: http://www.boingboing.org.uk 
•Cyrulnik , B. (1999). Uma infelicidade maravilhosa. Lisboa: Editora Ambar. 
•Ferreira, L. C., Ferreira, F. G., & Mendes, G. M. Costa, A.D., Cabrita, A.P. & Narciso, I (Março, 2009). How do I begin to make sense of this mess: The Systemic and Reflexive Case Analysis Tool (SrCAT). Actas da XVIII International Family Therapy Conference, Portoroz, Eslovénia. 
•Walsh, F. (2006). Strengthening family resilience (2nd ed.). New York, NY: Guilford. 
•Walsh, F. (2003). Family resilience: A framework for clinical practice. Family Process, 42 (1),1-18 
•Hoffman, L. (2003). Terapia Familiar. Climepsi Editores. 
•McWilliam, R. A. (2003). RBI Report Form. Center for Child Development, Vanderbilt University Medical Center, Nashville, TN. 
•Nelson, G. and Prilleltensky, I. (2005) Community psychology : in pursuit of liberation and well-being. Palgrave Macmillan, New York 
•Watzlawick, P., Weakland, J. H., & Fisch, R. (1974). Change: Principles of problem formation and problem resolution. New York: W. W. Norton & Company. 
•Weakland, J. H., Fisch, R., Watzlawick, P., & Bodin, A. M. (1974). Brief therapy: Focused problem resolution. Family Process, 13, 141-168. 
Lista completa através de luanacunhaferreira@gmail.com
As mil faces da resiliência 
Luana Cunha Ferreira 
Faculdade de Psicologia 
Associação Casa Estrela-do-mar 
www.luanacunhaferreira.com 
Congresso Novo Futuro“ Construir Futuros, Recriando Caminhos” 
Lisboa, 17 e 18 Outubro de 2014

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Destaque (14)

Resiliencia
ResilienciaResiliencia
Resiliencia
 
resiliencia PDF atualizado 2
resiliencia PDF atualizado 2resiliencia PDF atualizado 2
resiliencia PDF atualizado 2
 
Apresentaçao resiliencia e liderança.
Apresentaçao resiliencia e liderança.Apresentaçao resiliencia e liderança.
Apresentaçao resiliencia e liderança.
 
Resiliencia (erica)
Resiliencia (erica)Resiliencia (erica)
Resiliencia (erica)
 
Resiliência e Agilidade - Scrum Gathering 2014
Resiliência e Agilidade - Scrum Gathering 2014Resiliência e Agilidade - Scrum Gathering 2014
Resiliência e Agilidade - Scrum Gathering 2014
 
SINAIS DE UMA PESSOA SEM AUTOESTIMA
SINAIS DE UMA PESSOA SEM AUTOESTIMASINAIS DE UMA PESSOA SEM AUTOESTIMA
SINAIS DE UMA PESSOA SEM AUTOESTIMA
 
Resiliência
ResiliênciaResiliência
Resiliência
 
Sucesso, PerseverançA E MotivaçãO
Sucesso, PerseverançA E MotivaçãOSucesso, PerseverançA E MotivaçãO
Sucesso, PerseverançA E MotivaçãO
 
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cestProjeto nos passos da dança   6º, 7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto nos passos da dança 6º, 7º, 8º e 9º ano cest
 
Power point resiliencia
Power point resilienciaPower point resiliencia
Power point resiliencia
 
Desenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocionalDesenvolvendo Inteligência emocional
Desenvolvendo Inteligência emocional
 
Resiliencia
ResilienciaResiliencia
Resiliencia
 
Resiliencia
ResilienciaResiliencia
Resiliencia
 
Palestra motivacional
Palestra motivacionalPalestra motivacional
Palestra motivacional
 

Semelhante a As mil faces da Resiliência

Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasMichele Pó
 
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2Beth2819
 
O coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
O coordenador Pedagógico e os problemas ComportamentaisO coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
O coordenador Pedagógico e os problemas ComportamentaisRenataFariasDias
 
Ciclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiarCiclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiarInaiara Bragante
 
Lidando com a agressividade do outro
Lidando com a agressividade do outroLidando com a agressividade do outro
Lidando com a agressividade do outroNit Portal Social
 
Educação e diversidade - Unidade 3-3.pdf
Educação e diversidade - Unidade 3-3.pdfEducação e diversidade - Unidade 3-3.pdf
Educação e diversidade - Unidade 3-3.pdfUelbertSouza1
 
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfcomunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfamandafonseca74
 
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfcomunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfamandafonseca74
 
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso OnlinePoder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso OnlineEspaço da Mente
 
O porquê dos nossos sentimentos: por que existem emoções e sentimentos negati...
O porquê dos nossos sentimentos: por que existem emoções e sentimentos negati...O porquê dos nossos sentimentos: por que existem emoções e sentimentos negati...
O porquê dos nossos sentimentos: por que existem emoções e sentimentos negati...Argos Arruda Pinto
 
TAT teoria_aplicação_correção.ppt
TAT teoria_aplicação_correção.pptTAT teoria_aplicação_correção.ppt
TAT teoria_aplicação_correção.pptRaianadaEthos
 
Maracy atual 09 10 13
Maracy atual 09 10 13Maracy atual 09 10 13
Maracy atual 09 10 13Betty Casadei
 
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3grizzdesign
 

Semelhante a As mil faces da Resiliência (20)

Palestra: Cuidadores - Nahara Ribeiro
Palestra: Cuidadores  - Nahara RibeiroPalestra: Cuidadores  - Nahara Ribeiro
Palestra: Cuidadores - Nahara Ribeiro
 
Carl rogers
Carl rogersCarl rogers
Carl rogers
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
 
Género e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas EscolasGénero e Diversidade nas Escolas
Género e Diversidade nas Escolas
 
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
Práticas restaurativas no ambiente.pptx2
 
O coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
O coordenador Pedagógico e os problemas ComportamentaisO coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
O coordenador Pedagógico e os problemas Comportamentais
 
Ciclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiarCiclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiar
 
PPT Mód. II - Atendimento
PPT Mód. II - AtendimentoPPT Mód. II - Atendimento
PPT Mód. II - Atendimento
 
Acuda mamãe
Acuda  mamãeAcuda  mamãe
Acuda mamãe
 
Acuda mamãe
Acuda  mamãeAcuda  mamãe
Acuda mamãe
 
Lidando com a agressividade do outro
Lidando com a agressividade do outroLidando com a agressividade do outro
Lidando com a agressividade do outro
 
Educação e diversidade - Unidade 3-3.pdf
Educação e diversidade - Unidade 3-3.pdfEducação e diversidade - Unidade 3-3.pdf
Educação e diversidade - Unidade 3-3.pdf
 
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfcomunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
 
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdfcomunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
comunicacao_nao_violenta_apresentacao_maringa.pdf
 
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso OnlinePoder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
Poder das Crenças com Miriam Izabel - Ebook Curso Online
 
O porquê dos nossos sentimentos: por que existem emoções e sentimentos negati...
O porquê dos nossos sentimentos: por que existem emoções e sentimentos negati...O porquê dos nossos sentimentos: por que existem emoções e sentimentos negati...
O porquê dos nossos sentimentos: por que existem emoções e sentimentos negati...
 
TAT teoria_aplicação_correção.ppt
TAT teoria_aplicação_correção.pptTAT teoria_aplicação_correção.ppt
TAT teoria_aplicação_correção.ppt
 
Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)
 
Maracy atual 09 10 13
Maracy atual 09 10 13Maracy atual 09 10 13
Maracy atual 09 10 13
 
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
Um caso de codependência marcado pelo amor e violencia v3
 

Último

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...LuisCSIssufo
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptMrciaVidigal
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoAlessandraRaiolDasNe
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoTeorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoEduardoBarreto262551
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Último (17)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
NORMAS PARA PRODUCAO E PUBLICACAO UNIROVUMA - CAPACITACAO DOCENTE II SEMESTRE...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.pptSistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
Sistema _ Endocrino_ hormonios_8_ano.ppt
 
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro anoRevisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
Revisão ENEM ensino médio 2024 para o terceiro ano
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulaoTeorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
Teorias da Evolução e slides sobre darwnismo e evoulao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

As mil faces da Resiliência

  • 1. As mil faces da resiliência Luana Cunha Ferreira Faculdade de Psicologia Associação Casa Estrela-do-mar Congresso Novo Futuro“ Construir Futuros, Recriando Caminhos” Lisboa, 17 e 18 Outubro de 2014
  • 2. As mil faces da resiliência Trauma multigeracional Caso Rosa Resiliência do casal Resiliência do ex- casal Resiliência via grupo
  • 3. Resiliência….é o quê? Capacidade de um material absorver energia quando é comprimido e libertar essa energia quando é descomprimido.
  • 4. Resiliência….é o quê? Adaptação positiva à adversidade apesar das sérias ameaças à adaptação ou desenvolvimento. Masten
  • 5. Resiliência….é o quê? Propriedade emergente de um conjunto de sistemas protetores hierarquicamente organizados que amortecem de forma cumulativa os efeitos da adversidade e que quase nunca devem ser pensados como propriedades intrínsecas dos indivíduos. (Roisman et al., 2002)
  • 6. Resiliência….é o quê? Resiliência é não só ultrapassar a adversidade como também potencialmente transformar subtil ou drasticamente aspetos dessa adversidade (boing boing collective)
  • 7. Malala Yousafzai Prémio Nobel da Paz 2014 (com Kailash Satyarthi )
  • 8. Recursos internos, familiares, e contextuais Acesso aos melhores cuidados Forte exposição positiva nos média Reconhecimento internacional Luta global e Impacto real?
  • 9. Recursos internos, familiares, e contextuais Acesso aos melhores cuidados Forte exposição positiva nos média Reconhecimento internacional Luta global e Impacto real? Resiliência é não só ultrapassar a adversidade como também potencialmente transformar subtil ou drasticamente aspetos dessa adversidade (boing boing collective)
  • 10. As mil faces da resiliência Trauma multigeracional Caso Rosa Resiliência do casal Resiliência do ex- casal Resiliência via grupo
  • 11. Família multi desafiada Tipologia neto adolescente + avó Ideação suicida Cliente involuntário
  • 12. Como trabalhar para a resiliência? •Premissa: As dificuldades humanas são o produto da interação entre o sujeito e a realidade •Cuidadores como co-terapeutas que promovem a mudança, providenciando a família com estratégias e recursos para gerirem a sua realidade. •3 princípios da intervenção do MRI: •Não consertar o que não está partido; •Parar de fazer o que não funciona e fazer algo diferente; • Se funciona, fazer mais disso.
  • 13. Processos de comunicação Mensagens claras e consistentes Partilha emocional e humor Postura colaborativa e proactiva Recursos organizacionais Flexibilidade e estabilidade Rede, ligação, liderança Recursos familiares, sociais e económicos Sistema de Crenças Significados atribuído à crise familiar e desafios Esperança e Optimismo Transcendência e espiritualidade Chaves para a resiliência familiar Walsh
  • 14. Encontro •Encaminhamento CPCJ •Avó como co-terapeuta 1)Definição do problema: foco no presente e foco na queixa principal 2) Soluções tentadas 3) Definição de objectivos Avaliação de necessidades baseada nas rotinas de forma a perceber como se processam as actividades familiares diárias 1)Dificuldade em gerir o comportamento do Rui 2)Falta de expressão emocional por parte de Rui; 3)Dificuldades de comunicação entre os dois Gritar e Bater 1)Desempenho escolar positivo; 2)Maior abertura na comunicação e partilha entre ambos Forte desqualificação de Raquel, afirmando, magoada, que Rui estava muito parecido com ela e que Raquel não se preocupava com ninguém, especialmente com o filho.
  • 15. Evolução Paradoxo 1: Rosa não consegue responder às solicitações de criar um jovem, mas receia o afastamento de Rui, ‘natural’ ou por reaproximação à mãe dele. Paradoxo 2: Quer ajudar a filha (trabalhando no seu café) , mas sente-se injustiçada por não receber nada (afecto, dinheiro) em troca do seu sacrifício. Ideação suicida “Rui, quando eu me for o que vai ser de ti?” “nessa altura mato-me…não ando cá a fazer nada…o que é que eu sou?” •Desempenho escolar vs. comportamento •Papel de cuidadora vs. autonomia •‘Tristeza transgeracional’ O discurso em sessão afastou-se do tom negativo para um discurso de forças e competências, focado no facto de Rosa ter conseguido, sozinha, criar os seus netos de forma saudável.
  • 16. Quebras Forte ambivalência Rosa/Raquel: Sessão familiar Resistência e desdobramento da intervenção de forma guardar a aliança terapêutica 1 Mês de faltas (queixas vagas) Re-focar: -temas da promoção da autonomia -- questões de disciplina -- projectar o Rui para uma vida para além da morte da avó “O que faz para conseguir ter um neto que não faz nada em casa?” ou ilusão de alternativas 1)discurso : “ele é agressivo” 2) sentimento “eu tenho medo dele” 3)expectativa dos outros “a minha filha avisou-me que ele pode ser violento” 4)provocação, já que Rosa lha bateu; 5)reacção a adoptar “se ele vier para mim eu agarro tudo o que tiver à mão “ruindade vs “violência gera violência”. Pausa para reflectir: “Sr Cat”
  • 17. Foco nos sistemas Circularidade Padrões Narrativa e linguagem Poder e controlo Papéis Fronteiras e limites Contexto cultural Ciclo de vida Co-construção da relação Recursos Hipótese sistémica Sr.Cat: Systemic Reflexive Case Analysis Tool
  • 18. Foco nos sistemas Circularidade Padrões Narrativa /linguagem Poder e controlo Papéis Fronteiras e limites Contexto cultural Ciclo de vida Co-construção da relação Recursos Hipótese sistémica Sr.Cat: Systemic Reflexive Case Analysis Tool pouco apoio social e questões de vinculação dificuldade em se pôr na perspectiva de Raquel desqualificação , violência doméstica, entrega dos filhos cuidadora e vítima intimidade física entre avó e neto Operária e forte crença no trabalho poder de cuidadora e o poder de vítima foco no negativo criou três crianças sozinha, Rui mantêm boas relações com professores, canais de comunicação abertos deixar de ter dependentes e passar a depender; autonomia de Rui verbaliza o gostar das sessões vs. ameaça à aliança
  • 19. Foco nos sistemas Circularidade Padrões Narrativa e linguagem Poder e controlo Papéis Fronteiras e limites Contexto cultural Ciclo de vida Co-construção da relação Recursos Hipótese sistémica Sr.Cat: Systemic Reflexive Case Analysis Tool pouco apoio social e questões de vinculação dificuldade em se pôr na perspectiva de Raquel desqualificação entre Rosa e Raquel, violência doméstica trangeracional, entrega dos filhos cuidadora e vítima intimidade física entre avó e neto Operária e forte crença no trabalho entre o poder de ser cuidadora e o poder de ser vítima, o que é que controla? foco no negativo sobrevivente, criou três crianças sozinha, Rui mantêm boas relações com os professores, canais de comunicação abertos entre Rosa e Rui deixar de ter dependentes e passar a depender; autonomia de Rui como tarefa de desenvolvimento na adolescência verbaliza o gostar das sessões vs. ameaça à aliança Aproximação de Raquel a Rui é ameaça para Rosa. Depender de alguém em vez de ter dependentes. Ambas estas questões provocam uma situação de cristalização e de homeostase que paralizam Rosa e empurram Rui para uma terra de ninguém.
  • 20. Quebras Forte ambivalência Rosa/Raquel: Sessão familiar Resistência e desdobramento da intervenção de forma guardar a aliança terapêutica 1 Mês de faltas (queixas vagas) Re-focar: -Promoção da autonomia -Disciplina - Projectar o Rui para uma vida para além da morte da avó “O que faz para conseguir ter um neto que não faz nada em casa?” ou ilusão de alternativas 1)discurso : “ele é agressivo” 2)sentimento “eu tenho medo dele” 3)expectativa dos outros “a minha filha avisou-me que ele pode ser violento” 4)provocação, já que Rosa lha bateu; 5)reacção a adoptar “se ele vier para mim eu agarro tudo o que tiver à mão” “ruindade vs “violência gera violência”.
  • 21. •Elogios aos comportamento e assiduidade, menos duas negativas •Corte de cabelo “Não me chateei com ele, nunca mais lhe falei nisso e funcionou” •Rui “está diferente, mais meigo, até já voltamos aqueles cumprimento que tínhamos” (sic) – referindo-se a “Olá avó… Olá neto”…”está mais homem” •Não mudança em relação à percepção de Raquel: “quando a minha filha fala a verdade cai-lhe um braço e ela ainda têm os dois”. Mudanças
  • 22. •Arquivamento do processo CPCJ; Melhoria de 4 negativas – transitou de ano •Follow-up e Prevenção de recaídas –Amplificação das mudanças –Aumento do sentimento de competências –Desenvolvimento de novas narrativas (sucessos, soluções e forças) –A família possui recursos para ultrapassar eventuais dificuldades futuras –Diferenciação entre Rui e Raquel “o caminho que ela levou ele não leva” Rosa - “Rui, quando eu morrer o que vai ser de ti?” (sic) Rui -“Eu fico aqui em casa e depois arranjo trabalho e mulher…tenho que organizar a vinha vida” Finalização
  • 23. As mil faces da resiliência Trauma multigeracional Caso Rosa Resiliência do casal Resiliência do ex- casal Resiliência via grupo
  • 24. Resiliência no casal: Trauma ‘Infidelidade’ Avaliação do impacto •Perturbação de Stress Pós-Traumático (PTSD): depressão, ansiedade, hipervigilância, flashbacks Gestão da crise •Política ‘livro aberto’ vs. Limites e fronteiras •Autocuidado e auto-conforto •2 lentes: vítima/agressor vs os responsáveis/pequenas traições •Limitar a intensidade das discussões •Adiar decisão Avançar •Construir a narrativa partilhada sobre o que aconteceu •O perdão não é esquecimento, é mudar a REC de sítio •Novas âncoras, novas intimidades, escolha consciente.
  • 25. Resiliência no ex-casal: Trauma divórcio Um dos melhores legados a deixar ao filhos é um bom divórcio. Limites e fronteiras: Privacidade & Informação Canal parental 24/7: •Estratégias de gestão parental •Distribuição estratégica de tarefas • Queixas vs pedidos Gestão emocional •Separar sentimentos e comportamentos •Estruturar discussões difíceis •Treino de relaxamento •Activar a rede
  • 26. Resiliência no grupo parental: Trauma ‘vigilância do sistema’ 1.Envolvimento contínuo 2.Auto-gestão do grupo & depowerment 3.Continuidade entre sessões 4.Investimento na parentalidade masculina 5.Foco no apoio social e promoção de relações sociais informais 6.Estratégias de gestão emocional fora da sessão 7.Experiências práticas 8.Ligação aos recursos comunitários 9.Promoção da activa da assiduidade 10.Ritual de partilha estruturada de estratégias gestão do comportamento
  • 27. “…a resiliência constitui um processo natural, em que aquilo que somos num determinado momento deve obrigatoriamente tricotar-se com os meios ecológicos, afectivos e verbais. Basta que um só destes meios falhe para que tudo desabe. Basta que encontremos um único ponto de apoio e a construção poderá começar” Cyrulnik (1999, p.14)
  • 28. "All I want is an education, and I am afraid of no one."
  • 29. Referências •Oliver, Thomas & Thompson. (2013). Resilient and regenerative design in New Orleans: the case of the Make It Right project »,S.A.P.I.EN.S [Online], 6.1 URL : http://sapiens.revues.org/1610 •Boing Boing, colectivo de recursos para a resiliência: http://www.boingboing.org.uk •Cyrulnik , B. (1999). Uma infelicidade maravilhosa. Lisboa: Editora Ambar. •Ferreira, L. C., Ferreira, F. G., & Mendes, G. M. Costa, A.D., Cabrita, A.P. & Narciso, I (Março, 2009). How do I begin to make sense of this mess: The Systemic and Reflexive Case Analysis Tool (SrCAT). Actas da XVIII International Family Therapy Conference, Portoroz, Eslovénia. •Walsh, F. (2006). Strengthening family resilience (2nd ed.). New York, NY: Guilford. •Walsh, F. (2003). Family resilience: A framework for clinical practice. Family Process, 42 (1),1-18 •Hoffman, L. (2003). Terapia Familiar. Climepsi Editores. •McWilliam, R. A. (2003). RBI Report Form. Center for Child Development, Vanderbilt University Medical Center, Nashville, TN. •Nelson, G. and Prilleltensky, I. (2005) Community psychology : in pursuit of liberation and well-being. Palgrave Macmillan, New York •Watzlawick, P., Weakland, J. H., & Fisch, R. (1974). Change: Principles of problem formation and problem resolution. New York: W. W. Norton & Company. •Weakland, J. H., Fisch, R., Watzlawick, P., & Bodin, A. M. (1974). Brief therapy: Focused problem resolution. Family Process, 13, 141-168. Lista completa através de luanacunhaferreira@gmail.com
  • 30. As mil faces da resiliência Luana Cunha Ferreira Faculdade de Psicologia Associação Casa Estrela-do-mar www.luanacunhaferreira.com Congresso Novo Futuro“ Construir Futuros, Recriando Caminhos” Lisboa, 17 e 18 Outubro de 2014