Teoria da burocracia modelos de administração - 2013.2

18.640 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre modelos de administração apresentado em Novembro de 2013

Publicada em: Educação
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.640
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
485
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria da burocracia modelos de administração - 2013.2

  1. 1. Teoria da Burocracia Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  2. 2. Introdução Eliana Souza Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  3. 3. Max Weber Maximilian Karl Emil Weber (Erfurt, 21 de Abril de 1864 — Munique, 14 de Junho de 1920) foi um intelectual alemão, jurista, economista e considerado um dos fundadores da Sociologia. Grande parte de seu trabalho como pensador e estudioso foi reservado para o chamado processo de racionalização e desencantamento que provém da sociedade moderna e capitalista. A presença do pensamento de Weber nos estudos organizacionais através do método compreensivo e da análise da realidade a partir de tipos ideais, proporcionou uma contribuição substancial para o pensamento administrativo e sociológico. Muitos desses conceitos permanecem como referência até os dias de hoje. Max Weber – (1864 a 1920) Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  4. 4. Introdução Preocupação com o sentido das organizações na sociedade moderna. Diferença entre o desenvolvimento capitalista e intelectual ocorrido na Alemanha e em outros países da Europa. Defesa do Idealismo e contrário ao Positivismo de E. Durkheim. Amplo interesse em compreender os processos que ele define como a racionalização, desencantamento e desmitificação da realidade. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  5. 5. Definição Burocracia é um termo oriundo do latim e do francês que significa escritório. Burocracia significava todas as repartições públicas, na Franca do século XVIII e também o poder e ação dos funcionários nos escritórios e qualquer outro ambiente de trabalho. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  6. 6. Definição na Visão de Weber Weber definiu burocracia como um conceito de organização em que é possível formular um sistema de regras e papéis (Sistema Social Racional) a serem executados pelos indivíduos após a definição dos objetivos e atividades com o propósito de garantir a máxima eficiência da organização. Sistema Social Racional (Burocracia) Exigência de Controle Consequências Previstas Previsibilidade do comportamento Maior Eficiência Consequências Imprevistas Disfunções da burocracia Ineficiência Modelo Geral da Burocracia proposto por Weber Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  7. 7. Comparativo entre as teorias clássicas Administração Científica Teoria Clássica da Administração Administração como ciência e técnica Teoria da Burocracia As teorias clássicas eram fundamentadas por 3 conceitos que as sustentavam, como podemos ver na figura ao Técnicas baseadas na matemática e engenharia lado: Busca da eficiência Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  8. 8. Comparativo entre as teorias clássicas A principal diferença entre as teorias consistia fundamentalmente no método utilizado para maximizar a eficiência, como podemos ver a seguir: Conceitos Taylor Homem seguia a máquina Fayol Weber Homem seguia o chefe Homem seguia as regras burocráticas, isto é, um conjunto de comportamentos prefixados, geralmente inseridos num documento escrito, comportamento esse que o indivíduo deve saber de cor. Hierarquia Burocracia Propósito Elemento Chave Máquina Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  9. 9. Ruptura, Conceito de Sociologia de Durkheim O conceito positivista de Durkheim que na sua essência era Evolucionista, Teologista e Determinista, acreditava que a sociedade pudesse ser analisada da mesma forma que os fenômenos da natureza. A sociologia teria, assim, como tarefa, o esclarecimento de acontecimentos sociais constantes e recorrentes. O papel fundamental da sociologia seria o de explicar a sociedade para manter a ordem vigente. Weber discordava veementemente dessa premissa, pois para ele a Sociologia servia para Investigar o sentido da ação social e ressaltar os elementos mais gerais de cada fase do processo histórico daquela sociedade. Isso se deve muito à influência da cultura Alemã, que como já foi dito no início, era bem distinta do restante da Europa nessa época. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  10. 10. Comparativo Weber x Durkheim Apresentamos agora os principais fatores que influenciaram a Teoria da Burocracia, que são os conceitos Idealistas propostos por Weber, a seguir: Conceitos Função da sociologia Fato social Weber (Idealismo) Investigar o sentido da ação social e ressaltar os elementos mais gerais de cada fase do processo histórico daquela sociedade x Durkheim (Positivismo) Explicar a sociedade; encontrar soluções para a vida social; comparar sociedades Fruto de coerção social e da relação mecânica ou orgânica, dependendo do estágio social em que a sociedade se encontra. Independe do que os sujeitos pensam; deve ser encarado como coisa: coerção social, exterior ao indivíduo, generalização Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  11. 11. Comparativo Weber x Durkheim Weber Durkheim Ação Social Tem origem no indivíduo; é resultante da interdependência entre os sentidos das diversas ações sociais. Conduta humana dotada de sentido que realiza um objetivo, o envolvimento dos demais atores na mesma ação cria uma interdependência das ações, o que confere o caráter social. x Relação social O sentido das ações sociais deve ser compartilhado por um grupo que atua de forma mutuamente coordenada. Resultante das interações inerentes ao tipo de solidariedade desenvolvida naquela sociedade. Conceitos Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  12. 12. Comparativo Weber x Durkheim Conceitos Weber Durkheim Instrumento de análise Tipo ideal; método de reflexão; indeterminismo histórico Espécies sociais; objetividade; estatísticas, determinismo histórico. Neutralidade Existe certa parcialidade na análise sociológica. Embora a objetividade deva ser perseguida (método compreensivo) O cientista deve evitar qualquer parcialidade e envolvimento emocional.O mesmo modelo das ciências naturais Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  13. 13. Comparativo Weber x Durkheim Conceitos Weber Durkheim Indivíduo Tem significado e especificidade. As ações sociais dos indivíduos interagindo dão a dinâmica da vida social. O indivíduo é subordinado pela sociedade. Condicionado pela consciência coletiva Sociedade É fruto do desenvolvimento histórico e cada qual tem suas especificidades resultantes da cultura e ações praticadas É um organismo, como tal é evolutivo, indo da horda ao capitalismo, indiferente ao momento histórico. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  14. 14. Origens Marivalda Silva Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  15. 15. Origens Teve origem nas mudanças religiosas verificadas após o Renascimento e semelhança entre o protestantismo e comportamento capitalista. A fragilidade e a parcialidade das Teorias Clássica e das Relações Humanas, ambas revelaram pontos de vista extremistas e incompletos sobre a organização, gerando a necessidade de um enfoque mais amplo e completo. Necessidade de um modelo de organização racional que viabilizasse a construção de um Sistema Administrativo. Crescente tamanho e complexidade das empresas. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  16. 16. Origens Ressurgimento da Sociologia da Burocracia (Weber) Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  17. 17. Fatores que contribuíram para o desenvolvimento da burocracia moderna Mudanças Religiosas Capitalismo “Ética Protestante” Racionalidade Burocracia Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora Ciência Moderna
  18. 18. Fatores que contribuíram para o desenvolvimento da burocracia moderna Fator Justificativa O desenvolvimento de uma economia monetária A moeda não apenas facilita, mas racionaliza as transações econômicas O crescimento quantitativo e qualitativo das tarefas administrativas do Estado Moderno Apenas um tipo burocrático de organização poderia arcar com a enorme complexidade e tamanho de tais tarefas A superioridade técnica - em termos de eficiência - do tipo burocrático de administração Serviu como uma força autônoma interna para impor sua prevalência O desenvolvimento tecnológico Fez com que as tarefas da administração tendessem ao aperfeiçoamento Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  19. 19. Origens – Tipos de Autoridade Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  20. 20. Origens – Tipos de Sociedade Tipos de Sociedade Tradicional – Patriarcal e patrimonial. Conservadorismo. Ex: Clã, tribo, família. Carismática - Centrada numa pessoa, mística e arbitrária. Revolucionária. Ex: Partidos políticos, nações em revolução. Racional - Racionalidade de meios e de objetivos. Ex: Estados modernos, grandes empresas. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  21. 21. Origens – Tipos de Autoridade Tipos de Autoridade Autoridade Tradicional – é quando os subordinados aceitam as ordens dos superiores como justificadas, porque essa sempre foi a maneira pela qual as coisas foram feitas. Autoridade Carismática - quando os subordinados aceitam as ordens dos superiores como justificadas, por causa da influência da personalidade e da liderança do superior com o qual se identificam. Autoridade Legal, Racional ou Burocrática - é quando os subordinados aceitam as ordens dos superiores como justificadas, porque concordam com um conjunto de preceitos ou normas que consideram legítimos e dos quais deriva o comando. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  22. 22. Origens – Características da Sociedade Autoridade Aparato Administrativo Tradicional Formas Patrimonial e Feudal Carismática Inconstante e Instável Racional Burocracia Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  23. 23. Características Fábio Caldas Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  24. 24. Características A burocracia é baseada em: Consequências previstas Objetivo 1. Caráter legal das normas; 2. Caráter formal das comunicações; 3. Caráter Racional e Divisão do Trabalho; 4. Impessoalidade nas Relações; 5. Hierarquia da Autoridade; Previsibilidade do Comportamento humano. Máxima eficiência 6. Rotinas e Procedimentos Padronizados; 7. Competência Técnica e Meritocracia; 8. Especialização da administração; 9. Profissionalização dos Participantes; da Padronização do desempenho dos participantes. 10. Completa Previsibilidade do Funcionamento. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora organização
  25. 25. 1 - Caráter legal das Normas A burocracia é uma organização ligada por normas e regulamentos previamente estabelecidos por escrito que define antecipadamente como a organização burocrática deverá funcionar. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  26. 26. 2 - Caráter Formal das Comunicações A burocracia é uma comunicações escritas. organização ligada por As regras, decisões e ações administrativas são formuladas e registradas por escrito. Daí o caráter formal da burocracia: todas as ações e procedimentos são feitos para proporcionar comprovação e documentação adequadas Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  27. 27. 3 - Caráter Racional e Divisão do Trabalho A burocracia é uma organização que se caracteriza por uma sistemática divisão do trabalho. Essa divisão do trabalho atende a uma racionalidade, isto é, ela é adequada aos objetivos a serem atingidos: a eficiência da organização Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  28. 28. 4 - Impessoalidade nas Relações Essa distribuição de atividades é feita impessoalmente, ou seja, é feita em termos de cargos e funções e não de pessoas envolvidas. Daí o caráter impessoal da burocracia. A administração da burocracia é realizada sem considerar as pessoas como pessoas, mas como ocupantes de cargos e de funções Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  29. 29. 5 - Hierarquia da Autoridade A burocracia é uma organização que estabelece os cargos segundo o princípio da hierarquia. Cada cargo inferior deve estar sob o controle e supervisão de um posto superior. Nenhum cargo fica sem controle ou supervisão. Daí a necessidade da hierarquia da autoridade para fixar as chefias nos diversos escalões de autoridade. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  30. 30. 6 - Rotinas e Procedimentos Padronizados A burocracia é uma organização que fixa as regras e normas técnicas para o desempenho de cada cargo. O ocupante de um cargo - o funcionário - não pode fazer o que quiser, mas o que a burocracia impõe que ele faça (contribui para perda de autonomia dentro do trabalho, já que ele não pode expressar suas opiniões). As regras e normas técnicas regulam a conduta do ocupante de cada cargo, cujas atividades devem ser executadas de acordo com as rotinas e procedimentos fixados pelas regras e normas técnicas. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  31. 31. 7 - Competência Técnica e Meritocracia A burocracia é uma organização na qual a escolha das pessoas é baseada no mérito e na competência técnica e não em preferências pessoais. A admissão, a transferência e a promoção dos funcionários são baseadas em critérios, válidos para toda a organização, de avaliação e de classificação, e não em critérios particulares e arbitrários. Esses critérios universais são racionais e levam em conta a competência, o mérito e a capacidade do funcionário em relação ao seu cargo ou função considerados. Daí a necessidade de exames, concursos, testes e títulos para admissão e promoção dos funcionários. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  32. 32. 8 - Especialização da Administração A burocracia é uma organização que se baseia na separação entre a propriedade e a administração. Os membros do corpo administrativos devem estar completamente separados da propriedade dos meios de produção. Em outros termos, os administradores da burocracia não são os seus donos ou proprietários. O dirigente não é necessariamente o dono do negócio ou um grande acionista da organização, mas um profissional especializado na sua administração. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  33. 33. 9 - Profissionalização dos Participantes A burocracia é uma organização que se caracteriza pela profissionalização dos seus participantes. Cada funcionário da burocracia é um profissional, pelas seguintes razões: a) b) c) d) e) f) g) h) i) É um especialista É assalariado É ocupante de cargo É nomeado por superior hierárquico: Seu mandato é por tempo indeterminado Segue carreira dentro da organização Não possui a propriedade dos meios de produção e administração É fiel ao cargo e identifica-se com os objetivos da empresa O administrador profissional tende a controlar cada vez mais completamente as burocracias: Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  34. 34. 10 - Completa Previsibilidade do Funcionamento A consequência desejada da burocracia é a previsibilidade do comportamento dos seus membros. No modelo de Weber, todos os funcionários se comportam de acordo com as normas e regulamentos da organização, a fim de que esta atinja a máxima eficiência possível. Tudo na burocracia é estabelecido no sentido de prever antecipadamente todas as ocorrências e rotinizar sua execução, para que a máxima eficiência do sistema seja plenamente alcançada. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  35. 35. Vantagens, Dilemas e Disfunções Márcio Ventura Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  36. 36. Vantagens Racionalidade (objetivos) Rapidez nas decisões Precisão Univocidade de interpretação Constância Objetividade, clareza e limites Continuidade da organização Padronização Subordinação Confiabilidade Especialização Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  37. 37. Vantagens Racionalidade Racionalidade em relação ao alcance dos objetivos da organização. Rapidez nas decisões Rapidez nas decisões, pois cada um conhece o que deve ser feito e por quem e as ordens e papéis tramitam através de canais preestabelecidos (este sistema nem sempre funciona como deveria) . Precisão na definição do cargo Precisão na definição do cargo e na operação, pelo e na operação conhecimento exato dos deveres. Univocidade de interpretação Univocidade de interpretação garantida pela garantida pela regulamentação regulamentação específica e escrita. Por outro lado, específica e escrita a informação é discreta, pois é fornecida apenas a quem deve recebê-la. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  38. 38. Vantagens Padronização de rotinas e Padronização de rotinas e procedimentos que procedimentos favorece a padronização, redução de custos e de erros, pois os procedimentos são definidos por escrito. Continuidade da organização Rapidez nas decisões, pois cada um conhece o que deve ser feito e por quem e as ordens e papéis tramitam através de canais preestabelecidos (este sistema nem sempre funciona como deveria) . Objetividade, clareza e limites Objetividade, clareza e limites, que proporcionam a redução do atrito entre as pessoas, pois cada funcionário conhece aquilo que é exigido dele e quais são os limites entre suas responsabilidades e as dos outros. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  39. 39. Vantagens Constância Constância, pois os mesmos tipos de decisão devem ser tomados nas mesmas circunstâncias. Subordinação dos mais novos Subordinação dos mais novos aos mais antigos, aos mais antigos dentro de uma forma estrita e bem conhecida, de modo que o superior possa tomar decisões que afetem o nível mais baixo. Confiabilidade Confiabilidade, pois o negócio é conduzido de acordo com regras conhecidas, sendo que grande número de casos similares são metodicamente tratados dentro da mesma maneira sistemática. As decisões são previsíveis e o processo decisório, por ser despersonalizado no sentido de excluir sentimentos irracionais, como o amor, raiva, preferências pessoais, elimina a discriminação pessoal. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  40. 40. Vantagens Benefícios sob o prisma das Existem benefícios sob o prisma das pessoas na pessoas na organização organização, pois a hierarquia é formalizada, o trabalho é dividido entre as pessoas de maneira ordenada, as pessoas são treinadas para se tomarem especialistas em seus campos particulares, podendo encarreirar-se na organização em função de seu mérito pessoal e competência técnica Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  41. 41. Dilemas Pressão externa para quebra de procedimentos. Fragilidade do compromisso dos subordinados com as regras burocráticas Elevado nível de renúncia para aceitar normas contrárias ao desejo da pessoa, principalmente em modelos tradicionais e carismáticos Risco da chamada “Crise de sucessão”. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  42. 42. Disfunções Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  43. 43. 1 - Maior Internalização das Regras e Exagerado Apego aos Regulamentos As diretrizes da burocracia, emanadas através das normas e regulamentos, para atingir os objetivos da organização, tendem a adquirir um valor positivo, próprio e importante, independentemente daqueles objetivos, passando a substituí-los gradativamente. As normas e regulamentos passam transformar de freios em objetivos. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora a se
  44. 44. 2 - Excesso de Formalismo e de Papelório A necessidade de documentar e de formalizar todas as comunicações dentro da burocracia a fim de que tudo possa ser devidamente testemunhado por escrito pode conduzir à tendência ao excesso de formalismo, de documentação e, consequentemente, de papelório Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  45. 45. 3 - Resistência a Mudanças Como tudo dentro da burocracia é rotinizado, padronizado, previsto com antecipação, o funcionário geralmente se acostuma a uma completa estabilidade e repetição daquilo que faz o que passa a lhe proporcionar uma completa segurança a respeito de seu futuro na burocracia. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  46. 46. 4 - Despersonalização do Relacionamento A burocracia tem com uma de suas características a impessoalidade no relacionamento entre os funcionários. Daí o seu caráter impessoal, pois ela enfatiza os cargos e não as pessoas que os ocupam. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  47. 47. 5 - Processo decisório categorizado A burocracia se assenta em uma rígida hierarquização da autoridade. Portanto, quem toma decisões em qualquer situação será aquele que possui a mais elevada categoria hierárquica, independentemente do seu conhecimento sobre o assunto. Quem decide é sempre aquele que ocupa o posto hierárquico mais alto, mesmo que nada saiba a respeito do problema a ser resolvido. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  48. 48. 6 - Superconformidade à Rotina e Procedimentos A burocracia baseia-se em rotinas e procedimentos, como meio de garantir que as pessoas façam exatamente aquilo que delas se espera. Como uma burocracia eficaz exige devoção estrita às normas e regulamentos, essa devoção às regras e regulamentos conduz à sua transformação em coisas absolutas: as regras e rotinas não mais são consideradas como relativas a um conjunto de objetivos, mas passam a ser absolutas. Com o tempo, as regras e as rotinas tornamse sagradas para o funcionário. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  49. 49. 7 - Exibição de Sinais de Autoridade Como a burocracia enfatiza a hierarquia de autoridade, torna-se necessário um sistema capaz de indicar, aos olhos de todos, aqueles que detêm o poder. Daí surge a tendência à utilização intensiva de símbolos ou de sinais de status para demonstrar a posição hierárquica dos funcionários, como o uniforme, a localização da sala, do banheiro, do estacionamento, do refeitório, o tipo de mesa etc., como meios de identificar quais são os principais chefes da organização. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  50. 50. 8 - Dificuldade no Atendimento a Clientes e Conflitos com o Público O funcionário está completamente voltado para dentro da organização, para suas normas e regulamentos internos, para suas rotinas e procedimentos, para seu superior hierárquico que avalia o seu desempenho. Essa sua atuação interiorizada para a organização geralmente o leva a criar conflitos com os clientes da organização. Todos os clientes são atendidos de forma padronizada, de acordo com os regulamentos e rotinas internos, fazendo com que o público se irrite com a pouca atenção e descaso para com os seus problemas particulares e pessoais. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  51. 51. Dimensões Jefferson Petilo Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  52. 52. Dimensões Tipo Ideal: Perspectiva de análise do grau de burocratização das organizações. O Tipo ideal e as 6 dimensões de Hall. Não há um tipo único de burocracia. Modelos burocráticos de diversos autores. Existem graus variados de burocratização. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  53. 53. Dimensões Burocracia vista como um “continuum” e não de maneira absoluta. Críticas e desafios ao “Tipo ideal”. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  54. 54. Tipo Ideal: Perspectiva de análise do grau de burocratização das organizações Weber descreve que o tipo ideal de organização burocrática, que consiste em uma perspectiva dimensional, ou seja, um modelo mental e abstrato que através das suas características fosse possível compreender o grau de burocratização das organizações. Segundo essa percepção, a organização será mais ou menos burocrática conforme a intensidade da presença das dimensões burocráticas nela, que, em graus elevados compreendem o que Weber denominou de tipo ideal da burocracia. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  55. 55. • Falta de autoridade • Liberdade excessiva • Divisão do trabalho • Hierarquia • Regras e Regulamentos • Ausência de documentos, informalidade • Formalização nas comunicações • Ênfase nas pessoas • Impessoalidade • Apadrinhamento • Seleção e Promoção de pessoal Desordem Excesso de Burocratização • Falta de Especialização, desordem Tipo Ideal Escassez de Burocratização DIMENSÕES – O Tipo ideal e as 6 Dimensões de Hall Eficiência Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora • Superespecialização • Excesso de autoridade, imposição • Ordem e disciplina • Excesso de papelório. Formalismo • Ênfase nos cargos • Excesso de exigências Rigidez
  56. 56. Graus de Burocratização Excessivamente Muito pouco burocratizado burocratizado Excesso de normas e regulamentos Modelo Ideal de Burocratização (Weber) Escassez de normas e regulamentos Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  57. 57. DIMENSÕES – As 6 Dimensões de Hall 1- A hierarquia de autoridade 2-Divisão do trabalho 3-Sistema de Normas É o grau em que a tomada de decisão é pré-estruturada pela organização. É o grau em que as tarefas de trabalho são subdividas através de especialização funcional decidida pela organização. É o grau em que o comportamento dos membros organizacionais está sujeito ao controle organizacional É o grau em que membros das organizações devem seguir técnicas 4-Sistema de procedimentos definidas pela organização para lidar com as situações em que se encontram. 5-Impessoalidade É o grau em que, tanto membros organizacionais, quanto o público externo são tratados sem consideração às qualidades individuais. É o grau em que padrões ‘universalizados’, definidos 6-Competência técnica organizacionalmente são utilizados nos processos de seleção e de promoção de pessoal. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  58. 58. Modelo Burocrático de Weber Sistema Social Racional Burocracia Exigência de Controle Consequências Previstas Consequências Imprevistas Maior Eficiência Ineficiência Previsibilidade de Comportamento Disfunções da Burocracia Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  59. 59. Modelo Burocrático de Merton 1 Exigência de Controle por parte da Organização 2 Ênfase na previsibilidade do comportamento Justificativa da Ação individual 3 4 Rigidez de comportamento e defesa mútua na organização 5 Grau de dificuldade com os clientes Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora Sentimento de defesa da Ação individual 6
  60. 60. Modelo Burocrático de Selznick Exigência de Controle 1 Delegação de 2 Autoridade Grau de formação 8 em assuntos específicos Estabelecimento de 3 Subobjetivos das Subunidades Internalização dos 6 objetivos da organização pelos participantes Operacionalização dos objetivos da organização Internalização de 4 Subobjetivos pelos participantes Teor das decisões 5 7 Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  61. 61. Modelo Burocrático de Gouldner Exigência de Controle 1 2 Adoção de diretivas gerais e impessoais Conhecimento dos 5 padrões mínimos aceitáveis Direção entre 6 os objetivos da organização e a sua realização Visibilidade das relações de poder Rigor de supervisão 3 7 Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora Nível de tensão interpessoal 4
  62. 62. Críticas ao Tipo Ideal É um recorte conceitual exagerado, ou seja, maximizado da realidade para estudar a sociedade. Êxito depende estritamente do uso balanceado das dimensões. Manifestações críticas de diversos autores em relação ao modelo e principalmente às difunções da burocracia Utilização do modelo “a ferro e fogo” nas organizações produziram resultados adversos. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  63. 63. Apreciação Crítica Selmi Moura Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  64. 64. Defensores Weber: Considera a burocracia como a forma mais racional para atingir os objetivos organizacionais. Perrow: Defende a burocracia como um fator importante para a racionalização da estrutura organização. Kast e Rosenzweig: Salientam que o melhor caminho consiste em utilizar o modelo burocrático de Weber como ponto de partida, reconhecendo suas limitações e disfunções. Chiavenato: Considera a burocracia uma das melhores alternativas, pois ela permite descrever e explicar as organizações, dando ao administrador a escolha que considera mais apropriada. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  65. 65. Opositores March e Simon: Afirmaram que o pensamento de Weber sobre a burocracia correspondia, no fundo, às ilusões racionalistas de primeira época da organização científica. Michels, Merton, Gouldner e Selznick: Criticaram a resistência a mudança e estreita ligação entre a eficiência organizacional e a robotização do indivíduo. Crozier: Denominava a Burocaria como a “Teoria das consequências inesperadas”. Crozier também acreditava que as características rotineiras e opressivas da burocracia eram devidas à resistência do ser humano ao modelo mecanicista que a burocracia impõe. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  66. 66. Opositores Selznick: A burocracia não é rígida nem estática, mas adaptativa e dinâmica, interagindo com o meio. Tem que ser útil até o ponto em que traz eficiência e nem sempre à eficiência compensa a rigidez com que ela está associada. Michels, Merton, Gouldner e Selznick:Criticaram a resistência a mudança e estreita ligação entre a eficiência organizacional e a robotização do indivíduo. Katz e Kahn: Excessivo racionalismo, Mecanicismo excessivo e abordagem das organizações como sistemas fechados. Michels e Von Mises: Conservadorismo. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  67. 67. Opositores Merton: Acredita que O burocrata comporta-se como um indivíduo ritualista, apegado a regras, e voltado para a concretização de objetivos. Bennis: Critica a burocracia de Weber como mecanista, acreditando que ela tende a desaparecer devido à rapidas transformações ambientais. Alvin Gouldner: Observou que “o modelo burocrático tem sido usado como um instrumento acabado e não como um conjunto de hipóteses a serem verificadas por levantamentos empíricos”. Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  68. 68. Síntese da Teoria burocrática Ênfase Estrutura Organizacional Abordagem da Organização Organização Formal Conceito de Organização Sistema Social como conjunto de funções oficializadas Principais Representantes Weber, Merton, Selznick, Gouldner, Michels. Características básicas da Gestão Sociologia da Burocracia Concepção do Homem Homem Organizacional Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  69. 69. Dúvidas? Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora
  70. 70. Obrigado! Teoria da Burocracia - Modelos de Administração – 2013.2 Prof. Adriano Hora

×