SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
A Sociologia Weberiana
Prof. Dr. Richard Romancini
Introdução
https://www.youtube.com/watch?v=ICppFQ6Tabw
Gabriel Cohn e Antônio Flávio Pierucci -
https://www.youtube.com/watch?v=ea-sXQ5rwZ4
Compreensão e explicação
- Opondo-se à ideia de que seja
possível assimilar os métodos das
ciências naturais ao estudo da
sociedade, vários críticos da corrente
positivista elaboraram outras
estratégias;
- Nesse contexto, autores como
Wilhelm Dilthey (1833-1911) e George
Simmel (1858-1918) propõem a
elaboração de um conhecimento mais
voltado às ciências sociais.
Wilhelm Dilthey
Fonte: Wikipédia
Compreensão e explicação
- E é de Dilthey a distinção - que se
tornou famosa - entre o
“compreender” que as ciências
sociais buscariam e o “explicar”
almejado pelas ciências naturais;
- Isso ocorre, pois os processos da
experiência humana são vivos e,
assim, a tarefa da Sociologia, antes do
que explicá-los, deveria ser a busca
da compreensão do “sentido”
(significado) dos mesmos;
George Simmel
Fonte: Wikipédia
Compreensão e explicação
- O autor mais expressivo,
considerado um dos criadores da
Sociologia, dessa corrente é o
alemão Max Weber (1864-1920),
que fez significativas contribuições
a esse "paradigma" de estudo da
sociedade, que procura o
“sentido” da “ação social”. Para
tanto, Weber construiu toda uma
metodologia e conceitos
relevantes.
Max Weber
Fonte: Wikipédia
Objetividade e conhecimento na
Sociologia
- Para Weber, os valores e ideais que inspiram um
cientista social são intrínsecos à busca do
conhecimento; daí sua crítica ao positivismo. Porém,
ele propunha uma clara distinção entre os
“julgamentos de valor” e o “saber empírico”;
- A ciência social compreende ambos os aspectos – já
que os julgamentos de valor estão no significado dado
aos objetos e problemas, enquanto o saber empírico
está relacionado com a busca de respostas às
questões formuladas, por meio dos instrumentos
racionais da ciência;
Objetividade e conhecimento na
Sociologia
- Todavia, o cientista social não deve estabelecer receitas para a
praxis, nem dizer o que deve ser feito, mas sim o que pode ser feito.
Isso porque a ação prática vincula-se a deveres e convicções que
estão ancorados no mundo da política prática. E, para Weber, a
ciência social deve distinguir-se dessa esfera tanto quanto possível;
- Nesse sentido, ele dizia que: “A tarefa do professor é servir aos seus
alunos com o seu conhecimento e experiência e, não, impor-lhe suas
opiniões políticas pessoais”.
- Em outras palavras, a ciência (e o professor que é representante
dela) tem um compromisso com a “verdade” que não deve ser
restringido pelas crenças e convicções políticas de qualquer de seus
praticantes.
Compreensão da realidade social e
conexão de sentido
- De acordo com Weber, o objetivo da Sociologia
deveria ser a compreensão da conduta social. Ele vê
a conduta humana como feita pela “ação”, dotada
de “significados subjetivos” dados por quem a
executa e que a orientam;
- Quando a orientação dirige-se a outros, trata-se de
uma ação social. E, assim, o estudo da ação social,
torna-se central na sociologia weberiana;
Compreensão da realidade social e
conexão de sentido
- “A explicação sociológica [em Weber] busca compreender e
interpretar o sentido, o desenvolvimento e os efeitos da conduta de
um ou mais indivíduos referida a outro ou outros – ou seja, da ação
social, não se propondo a julgar a validez de tais atos nem a
compreender o agente enquanto pessoa. Compreender uma ação é
captar e interpretar sua conexão de sentido, que será mais ou menos
evidente para o sociólogo” (Barbosa e Quintaneiro, 2002, 114);
- Em outras palavras, o método da “conexão de sentido” diz respeito a
“apreender os nexos entre os diversos elos significativos de um
processo particular e reconstruir esse processo como uma unidade
[...]. Realizar isso é precisamente compreender o sentido da ação”
(Cohn, 1991, 28).
Tipo ideal, ação e relação social
- Um dos principais instrumentos da metodologia de
Weber é o de “tipo ideal”, ou seja, a
conceituação/modelo de uma situação ou fenômeno
real, que busca, racionalmente, isolar seus elementos
fundamentais (nem sempre constantes em todas as suas
situações concretas), em traços sintéticos. Exemplos de
tipos ideais: capitalismo, burocracia, igreja, partido
político etc.
- O tipo ideal é, então, um guia para a pesquisa empírica,
pois serve (por comparação) para conduzir o cientista
numa realidade complexa;
Tipo ideal, ação e relação social
- Como já se disse a “ação social” é muito importante na
sociologia weberiana. E Weber elabora, com fins de
entendimento da ação humana e de processos sociais, quatro
“tipos ideais” de ação:
:: Ação racional com relação a fins
(congruência/adequação entre meios e fins);
:: Ação racional com relação a valores (orientada
pelos valores últimos);
:: Ação tradicional (ditada pelo costume) e
:: Ação afetiva (regida pela emoção e sentimentos).
- Já a “relação social” é definida por Weber com respeito ao
elemento de sentido partilhado (sem que haja necessariamente
reciprocidade quanto a este), existente na execução de ações
sociais.
Tipo ideal, ação e relação social
- Entes coletivos (desde um casal a empresas,
Estados, clubes etc.) existem como formas de
relação social, que desapareceriam caso
desaparecessem sua atividades sociais
orientadas significativamente.
- Quanto mais assumirem teor racional, mais
as relações sociais serão regidas por normas,
leis, regulamentos etc.
Dominação, desencantamento do
mundo e burocratização
- Para Weber o fundamento da vida social (ou seja, da
sociedade) encontra-se na questão da dominação, isto é, os
elementos que justificariam a legitimidade do mando de uns
sobre outros – em outras palavras, a questão da ordem
social;
- Na reflexão sobre esse ponto, ele elabora três tipos de
princípios de autoridade, que se justificariam em diferentes
fontes:
:: Autoridade racional (legalidade, crença nas regras,
racionalidade);
:: Autoridade tradicional (costumes habituais,
antiguidade);
Dominação, desencantamento do
mundo e burocratização
- A modernidade, para Weber, tenderia cada vez mais a uma
racionalização do mundo – englobando suas diferentes
esferas: religião, administração, política etc. – e isso
provocaria um predomínio do tipo de autoridade racional,
cujo instrumento mais relevante seria a burocracia;
- Porém, o que Weber chama de “desencantamento do
mundo” (maior racionalidade operada pela ciência e pela
técnica) estaria produzindo também uma cultura mais
medíocre, rotinizada e adaptada ao cotidiano – que poderia,
todavia, ser de tempos em tempos afetada por ondas
emocionais (carismáticas).
Racionalização e Capitalismo
- Em sua obra clássica A Ética Protestante e o
Espírito do Capitalismo (1905), Weber enlaça vários
temas de sua sociologia na análise do surgimento
do capitalismo no ocidente;
- Em sua análise, bastante original e discutida até
hoje, ressalta como um fator explicativo importante
o caráter “racional” da ética calvinista (salvação
pelas obras) que possui importância em termos de
valores (poupança, ética do trabalho) e condições
para o surgimento do capitalismo;
Racionalização e Capitalismo
- Weber mostra, então, o quanto o
capitalismo dependeu, no seu
desenvolvimento inicial, de indivíduos dessa
crença. Assim como, discute o fato de que o
capitalismo tenha progredido mais rápido nos
países protestantes que nos católicos.
Referências
BARBOSA, Maria Ligia de Oliveira e QUINTANEIRO,
Tânia. Max Weber. In: QUINTANEIRO, Tânia et al. Um
toque de clássicos. Belo Horizonte, Ed. UFMG, pp.
107-149.
COHN, Gabriel. Introdução. In: ___ (org.). Weber
(coleção Grandes Cientistas Sociais). São Paulo, Ática,
1991, pp. 7-34.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sofistas e socrates
Sofistas e socratesSofistas e socrates
Sofistas e socrates
UNESC
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
Lucio Braga
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
161912
 
Surgimento sociologia
Surgimento sociologiaSurgimento sociologia
Surgimento sociologia
paramore146
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
Lu Rebordosa
 
O que é sociologia - AM_261 - IFRJ_1º semestre
O que é sociologia - AM_261 - IFRJ_1º semestreO que é sociologia - AM_261 - IFRJ_1º semestre
O que é sociologia - AM_261 - IFRJ_1º semestre
Carmem Rocha
 

Mais procurados (20)

Biopolitica a necropolitica
Biopolitica a necropoliticaBiopolitica a necropolitica
Biopolitica a necropolitica
 
Durkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weberDurkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weber
 
Sofistas e socrates
Sofistas e socratesSofistas e socrates
Sofistas e socrates
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
 
Preconceito e ações afirmativas
Preconceito e ações afirmativasPreconceito e ações afirmativas
Preconceito e ações afirmativas
 
Aula 1 filosofia no ENEM
Aula 1 filosofia no ENEMAula 1 filosofia no ENEM
Aula 1 filosofia no ENEM
 
Aula de sociologia
Aula de sociologiaAula de sociologia
Aula de sociologia
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Surgimento sociologia
Surgimento sociologiaSurgimento sociologia
Surgimento sociologia
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
O que é sociologia - AM_261 - IFRJ_1º semestre
O que é sociologia - AM_261 - IFRJ_1º semestreO que é sociologia - AM_261 - IFRJ_1º semestre
O que é sociologia - AM_261 - IFRJ_1º semestre
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Surgimento da sociologia
Surgimento da sociologiaSurgimento da sociologia
Surgimento da sociologia
 
Religião e Sociologia
Religião e SociologiaReligião e Sociologia
Religião e Sociologia
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
 

Semelhante a A sociologia weberiana

A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadoresSociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Roger Jose
 
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais  neusaMétodos e técnicas em ciências sociais  neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
Leonor Alves
 

Semelhante a A sociologia weberiana (20)

A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Aula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max WeberAula 4 - Max Weber
Aula 4 - Max Weber
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
A sociologia de weber
A sociologia de weberA sociologia de weber
A sociologia de weber
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
 
O pensamento weberiano
O pensamento weberianoO pensamento weberiano
O pensamento weberiano
 
A sociologia alemã max weber
A sociologia alemã   max weberA sociologia alemã   max weber
A sociologia alemã max weber
 
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docx
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docxO PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docx
O PAPEL DA SOCIOLOGIA SEGUNDO DURKHEIM E WEBER.docx
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
A sociologia de weber.sónia
A sociologia de weber.sóniaA sociologia de weber.sónia
A sociologia de weber.sónia
 
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadoresSociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadores
 
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais  neusaMétodos e técnicas em ciências sociais  neusa
Métodos e técnicas em ciências sociais neusa
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Apostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácilApostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácil
 
Pensamento Sociológico de Weber
Pensamento Sociológico de WeberPensamento Sociológico de Weber
Pensamento Sociológico de Weber
 
Introdução1545522
Introdução1545522Introdução1545522
Introdução1545522
 

Mais de richard_romancini

Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
richard_romancini
 
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERNAs primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
richard_romancini
 

Mais de richard_romancini (20)

Selecting a dissertation topic: range and scope
Selecting a dissertation topic: range and scopeSelecting a dissertation topic: range and scope
Selecting a dissertation topic: range and scope
 
TIPOLOGIAS DE JOGOS
TIPOLOGIAS DE JOGOSTIPOLOGIAS DE JOGOS
TIPOLOGIAS DE JOGOS
 
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do NorteA EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
A EVOLUÇÃO DOS JOGOS DE TABULEIRO na América do Norte
 
JOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
JOGOS DE CARTAS: evolução e tiposJOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
JOGOS DE CARTAS: evolução e tipos
 
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literaturaRecursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
Recursos para pesquisa na internet e revisão de literatura
 
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicasA pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
A pesquisa em Relações Públicas e Boas práticas acadêmicas
 
Comunicação Organizacional e Relações Públicas
Comunicação Organizacional e Relações PúblicasComunicação Organizacional e Relações Públicas
Comunicação Organizacional e Relações Públicas
 
Perspectivas teóricas em RP
Perspectivas teóricas em RPPerspectivas teóricas em RP
Perspectivas teóricas em RP
 
O campo da comunicação no Brasil
O campo da comunicação no BrasilO campo da comunicação no Brasil
O campo da comunicação no Brasil
 
Mass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismoMass communication research e funcionalismo
Mass communication research e funcionalismo
 
Marxismo e comunicação
Marxismo e comunicaçãoMarxismo e comunicação
Marxismo e comunicação
 
A sociologia no brasil
A sociologia no brasilA sociologia no brasil
A sociologia no brasil
 
A sociologia marxista
A sociologia marxistaA sociologia marxista
A sociologia marxista
 
Sociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismoSociologia: antecedentes e positivismo
Sociologia: antecedentes e positivismo
 
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959) Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959)
 
Transformações no vídeo popular
Transformações no vídeo popularTransformações no vídeo popular
Transformações no vídeo popular
 
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
Televisão comunitária: mobilização social para democratizar a comunicação no ...
 
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERNAs primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
As primeiras iniciativas da Teleducação no Brasil: os Projetos SACI e EXERN
 
Humberto Mauro
Humberto MauroHumberto Mauro
Humberto Mauro
 
Edgar Roquette-Pinto
Edgar Roquette-PintoEdgar Roquette-Pinto
Edgar Roquette-Pinto
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

A sociologia weberiana

  • 1. A Sociologia Weberiana Prof. Dr. Richard Romancini
  • 2. Introdução https://www.youtube.com/watch?v=ICppFQ6Tabw Gabriel Cohn e Antônio Flávio Pierucci - https://www.youtube.com/watch?v=ea-sXQ5rwZ4
  • 3. Compreensão e explicação - Opondo-se à ideia de que seja possível assimilar os métodos das ciências naturais ao estudo da sociedade, vários críticos da corrente positivista elaboraram outras estratégias; - Nesse contexto, autores como Wilhelm Dilthey (1833-1911) e George Simmel (1858-1918) propõem a elaboração de um conhecimento mais voltado às ciências sociais. Wilhelm Dilthey Fonte: Wikipédia
  • 4. Compreensão e explicação - E é de Dilthey a distinção - que se tornou famosa - entre o “compreender” que as ciências sociais buscariam e o “explicar” almejado pelas ciências naturais; - Isso ocorre, pois os processos da experiência humana são vivos e, assim, a tarefa da Sociologia, antes do que explicá-los, deveria ser a busca da compreensão do “sentido” (significado) dos mesmos; George Simmel Fonte: Wikipédia
  • 5. Compreensão e explicação - O autor mais expressivo, considerado um dos criadores da Sociologia, dessa corrente é o alemão Max Weber (1864-1920), que fez significativas contribuições a esse "paradigma" de estudo da sociedade, que procura o “sentido” da “ação social”. Para tanto, Weber construiu toda uma metodologia e conceitos relevantes. Max Weber Fonte: Wikipédia
  • 6. Objetividade e conhecimento na Sociologia - Para Weber, os valores e ideais que inspiram um cientista social são intrínsecos à busca do conhecimento; daí sua crítica ao positivismo. Porém, ele propunha uma clara distinção entre os “julgamentos de valor” e o “saber empírico”; - A ciência social compreende ambos os aspectos – já que os julgamentos de valor estão no significado dado aos objetos e problemas, enquanto o saber empírico está relacionado com a busca de respostas às questões formuladas, por meio dos instrumentos racionais da ciência;
  • 7. Objetividade e conhecimento na Sociologia - Todavia, o cientista social não deve estabelecer receitas para a praxis, nem dizer o que deve ser feito, mas sim o que pode ser feito. Isso porque a ação prática vincula-se a deveres e convicções que estão ancorados no mundo da política prática. E, para Weber, a ciência social deve distinguir-se dessa esfera tanto quanto possível; - Nesse sentido, ele dizia que: “A tarefa do professor é servir aos seus alunos com o seu conhecimento e experiência e, não, impor-lhe suas opiniões políticas pessoais”. - Em outras palavras, a ciência (e o professor que é representante dela) tem um compromisso com a “verdade” que não deve ser restringido pelas crenças e convicções políticas de qualquer de seus praticantes.
  • 8. Compreensão da realidade social e conexão de sentido - De acordo com Weber, o objetivo da Sociologia deveria ser a compreensão da conduta social. Ele vê a conduta humana como feita pela “ação”, dotada de “significados subjetivos” dados por quem a executa e que a orientam; - Quando a orientação dirige-se a outros, trata-se de uma ação social. E, assim, o estudo da ação social, torna-se central na sociologia weberiana;
  • 9. Compreensão da realidade social e conexão de sentido - “A explicação sociológica [em Weber] busca compreender e interpretar o sentido, o desenvolvimento e os efeitos da conduta de um ou mais indivíduos referida a outro ou outros – ou seja, da ação social, não se propondo a julgar a validez de tais atos nem a compreender o agente enquanto pessoa. Compreender uma ação é captar e interpretar sua conexão de sentido, que será mais ou menos evidente para o sociólogo” (Barbosa e Quintaneiro, 2002, 114); - Em outras palavras, o método da “conexão de sentido” diz respeito a “apreender os nexos entre os diversos elos significativos de um processo particular e reconstruir esse processo como uma unidade [...]. Realizar isso é precisamente compreender o sentido da ação” (Cohn, 1991, 28).
  • 10. Tipo ideal, ação e relação social - Um dos principais instrumentos da metodologia de Weber é o de “tipo ideal”, ou seja, a conceituação/modelo de uma situação ou fenômeno real, que busca, racionalmente, isolar seus elementos fundamentais (nem sempre constantes em todas as suas situações concretas), em traços sintéticos. Exemplos de tipos ideais: capitalismo, burocracia, igreja, partido político etc. - O tipo ideal é, então, um guia para a pesquisa empírica, pois serve (por comparação) para conduzir o cientista numa realidade complexa;
  • 11. Tipo ideal, ação e relação social - Como já se disse a “ação social” é muito importante na sociologia weberiana. E Weber elabora, com fins de entendimento da ação humana e de processos sociais, quatro “tipos ideais” de ação: :: Ação racional com relação a fins (congruência/adequação entre meios e fins); :: Ação racional com relação a valores (orientada pelos valores últimos); :: Ação tradicional (ditada pelo costume) e :: Ação afetiva (regida pela emoção e sentimentos). - Já a “relação social” é definida por Weber com respeito ao elemento de sentido partilhado (sem que haja necessariamente reciprocidade quanto a este), existente na execução de ações sociais.
  • 12. Tipo ideal, ação e relação social - Entes coletivos (desde um casal a empresas, Estados, clubes etc.) existem como formas de relação social, que desapareceriam caso desaparecessem sua atividades sociais orientadas significativamente. - Quanto mais assumirem teor racional, mais as relações sociais serão regidas por normas, leis, regulamentos etc.
  • 13. Dominação, desencantamento do mundo e burocratização - Para Weber o fundamento da vida social (ou seja, da sociedade) encontra-se na questão da dominação, isto é, os elementos que justificariam a legitimidade do mando de uns sobre outros – em outras palavras, a questão da ordem social; - Na reflexão sobre esse ponto, ele elabora três tipos de princípios de autoridade, que se justificariam em diferentes fontes: :: Autoridade racional (legalidade, crença nas regras, racionalidade); :: Autoridade tradicional (costumes habituais, antiguidade);
  • 14. Dominação, desencantamento do mundo e burocratização - A modernidade, para Weber, tenderia cada vez mais a uma racionalização do mundo – englobando suas diferentes esferas: religião, administração, política etc. – e isso provocaria um predomínio do tipo de autoridade racional, cujo instrumento mais relevante seria a burocracia; - Porém, o que Weber chama de “desencantamento do mundo” (maior racionalidade operada pela ciência e pela técnica) estaria produzindo também uma cultura mais medíocre, rotinizada e adaptada ao cotidiano – que poderia, todavia, ser de tempos em tempos afetada por ondas emocionais (carismáticas).
  • 15. Racionalização e Capitalismo - Em sua obra clássica A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1905), Weber enlaça vários temas de sua sociologia na análise do surgimento do capitalismo no ocidente; - Em sua análise, bastante original e discutida até hoje, ressalta como um fator explicativo importante o caráter “racional” da ética calvinista (salvação pelas obras) que possui importância em termos de valores (poupança, ética do trabalho) e condições para o surgimento do capitalismo;
  • 16. Racionalização e Capitalismo - Weber mostra, então, o quanto o capitalismo dependeu, no seu desenvolvimento inicial, de indivíduos dessa crença. Assim como, discute o fato de que o capitalismo tenha progredido mais rápido nos países protestantes que nos católicos.
  • 17. Referências BARBOSA, Maria Ligia de Oliveira e QUINTANEIRO, Tânia. Max Weber. In: QUINTANEIRO, Tânia et al. Um toque de clássicos. Belo Horizonte, Ed. UFMG, pp. 107-149. COHN, Gabriel. Introdução. In: ___ (org.). Weber (coleção Grandes Cientistas Sociais). São Paulo, Ática, 1991, pp. 7-34.