SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 64
Baixar para ler offline
NR - 23NR - 23
Proteção Contra IncêndiosProteção Contra Incêndios
DEFINIÇÃO:DEFINIÇÃO:
REAÇÃO QUÍMICA COM DESPRENDIMENTOREAÇÃO QUÍMICA COM DESPRENDIMENTO
DE LUZ E CALORDE LUZ E CALOR
Um fenômeno químicoUm fenômeno químico
denominadodenominado combustãocombustão
COMBATE A INCÊNDIOSCOMBATE A INCÊNDIOS
COMBATE A INCÊNDIOSCOMBATE A INCÊNDIOS
IntroduçãoIntrodução
Nenhum sistema de prevenção de incêndio seráNenhum sistema de prevenção de incêndio será
eficaz se não houver o elemento humanoeficaz se não houver o elemento humano
preparado para operá-lo.preparado para operá-lo.
Esse elemento humano, para combaterEsse elemento humano, para combater
eficazmente um incêndio, deverá estareficazmente um incêndio, deverá estar
perfeitamente treinado.perfeitamente treinado.
É um erro pensar que sem treinamento, alguém,É um erro pensar que sem treinamento, alguém,
por mais hábil que seja, por mais coragem quepor mais hábil que seja, por mais coragem que
tenha, por mais valor que possua, seja capaz detenha, por mais valor que possua, seja capaz de
atuar de maneira eficiente quando doatuar de maneira eficiente quando do
aparecimento do fogo.aparecimento do fogo.
O que é necessário para
que
haja o fogo?
Calo
r
Para que haja o fogo é necessário a
união de três elementos básicos:
Material combustível
Comburente
TRIÂNGULO DO FOGOTRIÂNGULO DO FOGO
calorcalor
fogofogo
com
burente
com
burente
com
bustível
com
bustível
O incêndio pode ser transmitido de umO incêndio pode ser transmitido de um
edifício para outro sem que,edifício para outro sem que,
necessariamente, estejam ligados pornecessariamente, estejam ligados por
elementos concretos. O calor geradoelementos concretos. O calor gerado
em um edifício em chamas pode serem um edifício em chamas pode ser
suficiente para fechar o triângulosuficiente para fechar o triângulo
(combustível + oxigênio + calor) por(combustível + oxigênio + calor) por
irradiação, nas cortinas ou estofados doirradiação, nas cortinas ou estofados do
edifício vizinho que está afastado aedifício vizinho que está afastado a
mais de 10 metros.mais de 10 metros.
Cabe salientar que, apesar desta
simplificação teórica, a combustão é um
fenômeno extraordinariamente complexo. O
número de substâncias produzidas durante a
queima dos combustíveis é muito grande.
Mesmo a combustão das substâncias mais
simples não é ainda hoje muito conhecida.
Efetivamente o triângulo do fogo é, na
realidade, um tetraedro cuja base desta
pirâmide de base triangular é a “REAÇÃO
EM CADEIA”.
É a temperatura mínima na qual os
corpos começam a desprender vapores
que se incendeiam em contato com uma
fonte externa de calor. Entretanto, a
chama não se mantém devido à
insuficiência da quantidade de vapores
desprendidos.
PONTO DE FULGOR
É a temperatura mínima na qual os
vapores desprendidos dos corpos,
ao conseguirem contato com uma
fonte externa de calor, entram em
combustão e continuam a queimar.
PONTO DE COMBUSTÃO
É a temperatura mínima, na qual os
gases desprendidos dos
combustíveis entram em combustão
apenas pelo contato com o oxigênio
do ar, independente de qualquer
outra fonte de calor.
PONTO DE IGNIÇÃO
O conteúdo combustível em um prédio ou
compartimento que, ao queimar origina o
incêndio contra o qual a proteção tem
que ser prevista é sua CARGA INCÊNDIO.
Todos os materiais como divisórias,
acabamentos de pisos, paredes e forros,
tapetes, cortinas, colchões e roupas
devem ser considerados nos cálculos e
convertidos em uma referência
homogênea.
CARGA INCÊNDIO
A carga combustível é expressa em
Kg/m2, correspondente à
quantidade de madeira (Kg de
madeira por m2) que emite a mesma
quantidade de calor que a
combustão total dos materiais ou
produtos considerados na
dependência ou área de pavimento.
CARGA INCÊNDIO
CARGA INCÊNDIO
Potencial calorífico em edifícios urbanos (Carga-Incêndio)
TETRAEDRO DO FOGOTETRAEDRO DO FOGO
TETRAEDRO DO FOGOTETRAEDRO DO FOGO
Calor: é o elemento que serve para dar início a umCalor: é o elemento que serve para dar início a um
incêndio, mantém e aumenta a propagação.incêndio, mantém e aumenta a propagação.
Oxigênio (comburente): é necessário para a combustão e
esta presente no ar que nos envolve.
Combustível: é o elemento que serve de propagação do
fogo, pode ser sólido, líquido ou gasoso.
Reação em Cadeia: A reação em cadeia torna a queima
auto-sustentável. O calor irradiado das chamas atinge o
combustível e este é decomposto em partículas menores,
que se combinam com o oxigênio e queimam, irradiando
outra vez calor para o combustível, formando um ciclo
constante.
CombustãoCombustão
A Combustão é uma reação química entreA Combustão é uma reação química entre
corpos, muito freqüente na natureza.corpos, muito freqüente na natureza.
Durante esta reação química entre o combustíveis eDurante esta reação química entre o combustíveis e
os comburentes, ocorrerá à combinação dosos comburentes, ocorrerá à combinação dos
elementos químicos, originando outros produtoselementos químicos, originando outros produtos
diferentes que são:diferentes que são:
FumaçaFumaça
CalorCalor
GasesGases
Chama ou incandescênciaChama ou incandescência
FumaçaFumaça
A fumaça é uma mesclaA fumaça é uma mescla
de gases, partículasde gases, partículas
sólidas e vapores de águasólidas e vapores de água
FumaçaFumaça
Fumaça branca ou cinza claraFumaça branca ou cinza clara::
indica que é uma queima deindica que é uma queima de
combustível comum.combustível comum.
Ex. madeira, tecido, papel, capim, etc.Ex. madeira, tecido, papel, capim, etc.
FumaçaFumaça
Fumaça negra ou cinza escuraFumaça negra ou cinza escura: é: é
originária de combustão incompletas,originária de combustão incompletas,
geralmente produtos derivados degeralmente produtos derivados de
petróleo, tais como: graxas, óleos,petróleo, tais como: graxas, óleos,
pneus, plásticos, etc.pneus, plásticos, etc.
FumaçaFumaça
Fumaça amarela ou vermelhaFumaça amarela ou vermelha::
indica que está queimando umindica que está queimando um
combustível cujos seus gases sãocombustível cujos seus gases são
altamente tóxicos.altamente tóxicos.
Ex.: produtos químicos , etc.Ex.: produtos químicos , etc.
21%
78%
1%
OXIGENIO NITROGENIO OUTROS GASES
O AR QUE RESPIRAMOS
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
abafam
ento
abafam
ento
Ocorre com
a retirada
do
oxigênio, é
método o
mais difícil,
a não ser
em
pequenos
incêndios
NÃO EXISTIRÁ FOGO EM AMBIENTES COM MENOS DE 13 % DE ONÃO EXISTIRÁ FOGO EM AMBIENTES COM MENOS DE 13 % DE O22
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
resfriam
ento
resfriam
ento
É o método
de extinção
mais
usado,
consiste
em retirar o
calor do
material
incendiado
NÃO EXISTIRÁ FOGO SEM CALORNÃO EXISTIRÁ FOGO SEM CALOR
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
INTERRUPÇÃO DA
INTERRUPÇÃO DA
REAÇÃO QUÍMICA
REAÇÃO QUÍMICA
EM CADEIA
EM CADEIA
caracteriza
da pela
ação do pó
químico
seco que
interrompe
a reação da
combustão
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
RETIRADA DO MATERIAL
RETIRADA DO MATERIAL
COMBUSTÍVEL
COMBUSTÍVEL
Caracterizada
pela retirada
do material
combustível
do local do
incêndio
SEM COMBUSTÍVEL NÃO HÁ FOGO
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
É evidente que nos incêndios que
deixam resíduos como brasas ou calor,
deve-se prestar muita atenção no
resfriamento, pois do contrário, uma vez
extinto o fogo, as brasas remanescentes
ou o calor concentrado, reiniciam o
incêndio ao entrarem em contato com o
comburente fornecido pelo ar.
Importante!!!!!!
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
O resfriamento deve atingir toda a
massa incendiada que se encontra
na profundidade. Um serviço
operado superficialmente não
atingirá a parte interna do material
incendiado, o qual continuará
lentamente em combustão.
Importante!!!!!!
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
É a operação final de um serviço de
extinção de incêndio. Esta operação
consiste na movimentação de todo o
material sólido envolvido pelas chamas,
a fim de se ter certeza da não existência
de resíduos e a facilidade de um melhor
resfriamento, cuja complementação
poderá ser feita com água, de forma
moderada.
RESCALDO
MÉTODOS DE EXTINÇÃO
Por mais insignificante que seja um
incêndio, NUNCA se deve as costas de
imediato para o local do sinistro, pois
além do perigo da reignição, pode-se ser
envolvido pelas chamas.
RESCALDO
TRANSMISSÃO DO CALOR
São três as transmissões do calor:São três as transmissões do calor:
CONDUÇÃOCONDUÇÃO
CONVECÇÃOCONVECÇÃO
IRRADIAÇÃOIRRADIAÇÃO
PROPAGAÇÃO DO CALOR
CONDUÇÃO:CONDUÇÃO:
Transmissão através de agitação
molecular e dos choques entre as
moléculas sem o
transporte de matéria.
Exemplo: aquecimento das
esquadrias metálicas contínuas de uma
fachada a partir
de um único cômodo em chamas.
PROPAGAÇÃO DO CALOR
CONVECÇÃO:CONVECÇÃO:
A transmissão do calor ocorre por ondas
caloríficas. A massa de ar quente sobe e
encontra uma massa de ar fria e como dois
corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço,
há a formação de um looping – ar quente e ar
frio. A temperatura do ar quente pode atingir o
ponto de fulgor de alguns materiais e dar início
a outro incêndio em outro local.
TRANSMISSÃO DO CALOR
CONVECÇÃO:CONVECÇÃO:
Exemplo:
a fumaça
distribuída
entre vários
pavimentos
de um edifício
por meio de
dutos de ar
condicionado,
escadas e
fosso de
elevadores.
Aquece outras
áreas
distantes da
fonte de
combustão.
TRANSMISSÃO DO CALOR
IRRADIAÇÃO:IRRADIAÇÃO:
Transporte de energia através de
ondas eletromagnéticas (calor radiante).
Independe de meios materiais.
Exemplo: o calor do sol que chega à
terra ou do ferro de passar roupa
colocado próximo à mão após o
aquecimento.
Número de mortos por incêndio
FONTE: Mapfre Seguridad - España
Ramos principais da árvore de decisões de segurança contra
incêndio criada pela comissão da NFPA. O sinal (+) assinala os pontos
em que cada um dos caminhos abaixo do mesmo constitui uma solução
independente.
Componentes do ramo "Evitar a deflagração do incêndio",
parte da árvore de decisões da NFPA. Por "combustíveis" entenda-se
qualquer material contido no edifício que contribua para o potencial
calorífico.
CLASSES DE INCÊNDIO
CLASSE A CLASSE B
CLASSE C
CLASSE D
Classe AClasse A
CARACTERÍSTICAS
QUEIMA NA SUPERFÍCIE E EM PROFUNDIDADEQUEIMA NA SUPERFÍCIE E EM PROFUNDIDADE
QUEIMA DEIXANDO RESÍDUOSQUEIMA DEIXANDO RESÍDUOS
Classe AClasse A PAPEL
BORRACHA
PLÁSTICO
MADEIRA
TECIDO
Classe BClasse B
CARACTERÍSTICAS
QUEIMA SOMENTE NA SUPERFÍCIE EQUEIMA SOMENTE NA SUPERFÍCIE E
NÃO QUEIMA EM PROFUNDIDADE NANÃO QUEIMA EM PROFUNDIDADE NA
SUPERFÍCIE E EM PROFUNDIDADESUPERFÍCIE E EM PROFUNDIDADE
Classe BClasse B ÉTER
ACETONA
ÁLCOOL
GÁZ DE COZINHA
GASOLINA
PIXE
Classe CClasse C
CARACTERÍSTICAS
É O INCÊNCIO QUE OCORRE EMÉ O INCÊNCIO QUE OCORRE EM
MATERIAL ELÉTRICO ENERGIZADOMATERIAL ELÉTRICO ENERGIZADO
Classe CClasse C
EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS
ENERGIZADOS, TAIS COMO MÁQUINAS,
COMPUTADORES, SUB-ESTAÇÕES,
ETC.
Classe DClasse D
CARACTERÍSTICAS
É O INCÊNCIO QUE OCORRE EMÉ O INCÊNCIO QUE OCORRE EM
MATERIAL PIROFÓRICOSMATERIAL PIROFÓRICOS
Classe DClasse D SÓDIO
ZIRCÔNIO
ETC
MAGNÉSIO
TITÂNEO
POTÁSSIO
TIPOS DE EXTINTORES
ÁGUA PQSCO2ESPUMA
ÁGUA
EXTINTOR DE ÁGUA
APAGA POR RESFRIAMENTO
INCÊNDIO CLASSE A SIM
INCÊNDIO CLASSE B NÃO
INCÊNDIO CLASSE C NÃO
INCÊNDIO CLASSE D NÃO
EXTINTOR DE ÁGUA
Indicado com ótimo resultado para
incêndios de classe "A".
Contra-indicado para as classes "B" e
"C".
Modo de usar:
Pressurizado: Rompa o lacre e aperte o
gatilho, dirigindo o jato para a base do
fogo.
Água-gás: Abra o registro da ampola de
gás e dirija o jato para a base do fogo.
Processo de extinção: Resfriamento.
ESPUMA
INCÊNDIO CLASSE A SIM
INCÊNDIO CLASSE B SIM
INCÊNDIO CLASSE C NÃO
INCÊNDIO CLASSE D NÃO
EXTINTOR DE ESPUMA
ESPUMA
EXTINTOR DE ESPUMA
Indicado com ótimo resultado para incêndios
de classe "B" e com bom resultado para a
classe "A".
Contra-indicado para a classe "C".
Modo de usar:
Aproxime-se com segurança do líquido em
chamas, inverta a posição do extintor (de
cabeça para baixo) e dirija o jato para um
anteparo, de modo que a espuma gerada
cubra o líquido como uma manta.
Processo de extinção: Abafamento.
Um processo secundário é o resfriamento
(umidificação).
CO2
INCÊNDIO CLASSE A NÃO
INCÊNDIO CLASSE B SIM
INCÊNDIO CLASSE C SIM
INCÊNDIO CLASSE D NÃO
APAGA POR RESFRIAMENTO E ABAFAMENTO
EXTINTOR DE GÁS CARBÔNICO
CO2
EXTINTOR DE GÁS CARBÔNICO
Indicado para incêndios de classe "C" e sem
grande eficiência para a classe "A".
Não possui contra-indicação.
Modo de usar:
Rompa o lacre e aperte o gatilho, dirigindo o
difusor para a base do fogo.
Não toque no difusor, poderá gelar e "colar" na
pele causando lesões.
Processo de extinção: Abafamento.
Incêndios de classe "D" requerem extintores
específicos, podendo em alguns casos serem
utilizados o de Gás Carbônico (CO²) ou o Pó
Quimico Seco (PQS)
PQS
INCÊNDIO CLASSE A NÃO
INCÊNDIO CLASSE B SIM
INCÊNDIO CLASSE C SIM
INCÊNDIO CLASSE D NÃO
APAGA POR ABAFAMENTO
EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO SECO
EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO SECO
Indicado com ótimo resultado para incêndios
de classe "C" e sem grande eficiência para a
classe "A".
Não possui contra-indicação.
Modo de usar:
Pressurizado: Rompa o lacre e aperte o
gatilho, dirigindo o jato para a base do fogo.
A pressurizar: Abra o registro da ampola de
gás e dirija o jato para a base do fogo.
Processo de extinção: Abafamento.
TELEFONE
DO CORPO
DE
BOMBEIROS
NO BRASIL
193
Homens superficiais
acreditam na sorte...
Homens fortes
acreditam em causa e
efeito.
Uma vida sem causa
é uma vida sem efeito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSegurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSergio Roberto Silva
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoSara Jaqueline
 
Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo Iemanueltstegeon
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosHugoDalevedove
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individualemanueltstegeon
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPISergio Silva
 
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança João Vitor Rocha
 
Plano de emergência.
Plano de emergência.Plano de emergência.
Plano de emergência.Alfredo Brito
 
Folheto para visitantes
Folheto para visitantesFolheto para visitantes
Folheto para visitantesSergio Silva
 
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinadoPrimeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinadoTito Batalha
 
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IITrabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IIClaudio Cesar Pontes ن
 
Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSergio Roberto Silva
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoHP Safety Engenharia
 
DDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de SegurançaDDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de SegurançaTuany Caldas
 
Aula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.pptAula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.pptCristian Briet
 

Mais procurados (20)

Segurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSegurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicos
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
 
Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo I
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
 
Treinamento combate incendios
Treinamento combate incendiosTreinamento combate incendios
Treinamento combate incendios
 
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
 
Curso direção defensiva nr11
Curso direção defensiva   nr11Curso direção defensiva   nr11
Curso direção defensiva nr11
 
Plano de emergência.
Plano de emergência.Plano de emergência.
Plano de emergência.
 
Folheto para visitantes
Folheto para visitantesFolheto para visitantes
Folheto para visitantes
 
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinadoPrimeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
 
NR-31.pptx
NR-31.pptxNR-31.pptx
NR-31.pptx
 
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IITrabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
 
Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestores
 
Aula nr23
Aula nr23Aula nr23
Aula nr23
 
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de TrabalhoPalestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
Palestra: Prevenção de Acidentes de Trabalho
 
DDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de SegurançaDDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de Segurança
 
Aula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.pptAula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.ppt
 

Semelhante a Nr – 23

Combate a Incêndios 01.ppt
Combate a Incêndios 01.pptCombate a Incêndios 01.ppt
Combate a Incêndios 01.pptssuser11eb651
 
1 - CURSO DE BOMBEIROS PROFISSIONAL CIVIL - PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO -...
1 - CURSO DE BOMBEIROS PROFISSIONAL CIVIL - PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO -...1 - CURSO DE BOMBEIROS PROFISSIONAL CIVIL - PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO -...
1 - CURSO DE BOMBEIROS PROFISSIONAL CIVIL - PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO -...mpstudio1 mpstudio1
 
Brigada Contra Incendio.PPT
Brigada Contra Incendio.PPTBrigada Contra Incendio.PPT
Brigada Contra Incendio.PPTAdelmaSiles
 
Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Treinamento de Brigada de Emergência 2011Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Treinamento de Brigada de Emergência 2011Sergio Silva
 
Manual do participante 2014
Manual do participante 2014Manual do participante 2014
Manual do participante 2014Gliceu Grossi
 
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas - 2023_B.pptx
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas - 2023_B.pptxNR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas - 2023_B.pptx
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas - 2023_B.pptxFelipeArago15
 
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c segProteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c segMarcio Andre
 
NR23+-+Treinamento+de+Brigada+de+Emergencia+-+2023 (1).pptx
NR23+-+Treinamento+de+Brigada+de+Emergencia+-+2023 (1).pptxNR23+-+Treinamento+de+Brigada+de+Emergencia+-+2023 (1).pptx
NR23+-+Treinamento+de+Brigada+de+Emergencia+-+2023 (1).pptxWesleySousaSilva3
 
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas .pptx
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas .pptxNR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas .pptx
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas .pptxFrancimar Alves Martins Martins
 
MODULO I SEGURANCA
MODULO I SEGURANCAMODULO I SEGURANCA
MODULO I SEGURANCAMarco Lamim
 
Prevenção de Perdas e Danos
Prevenção de Perdas e Danos Prevenção de Perdas e Danos
Prevenção de Perdas e Danos Anderson Stoll
 
Curumin- Módulo combate a incêndio.pdf
Curumin- Módulo combate a incêndio.pdfCurumin- Módulo combate a incêndio.pdf
Curumin- Módulo combate a incêndio.pdfBrunaLucyannaOliveir
 
Prevenção e combate a incêndios 2
Prevenção e combate a incêndios 2Prevenção e combate a incêndios 2
Prevenção e combate a incêndios 2Anderson Neves Souza
 
Capacitação Brigada de Emergência
Capacitação Brigada de Emergência Capacitação Brigada de Emergência
Capacitação Brigada de Emergência José Valfrido
 
Manual do participante 2011
Manual do participante 2011Manual do participante 2011
Manual do participante 2011Gliceu Grossi
 

Semelhante a Nr – 23 (20)

Combate a Incêndios 01.ppt
Combate a Incêndios 01.pptCombate a Incêndios 01.ppt
Combate a Incêndios 01.ppt
 
1 - CURSO DE BOMBEIROS PROFISSIONAL CIVIL - PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO -...
1 - CURSO DE BOMBEIROS PROFISSIONAL CIVIL - PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO -...1 - CURSO DE BOMBEIROS PROFISSIONAL CIVIL - PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO -...
1 - CURSO DE BOMBEIROS PROFISSIONAL CIVIL - PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO -...
 
Brigada Contra Incendio.PPT
Brigada Contra Incendio.PPTBrigada Contra Incendio.PPT
Brigada Contra Incendio.PPT
 
Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Treinamento de Brigada de Emergência 2011Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Treinamento de Brigada de Emergência 2011
 
Manual do participante 2014
Manual do participante 2014Manual do participante 2014
Manual do participante 2014
 
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas - 2023_B.pptx
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas - 2023_B.pptxNR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas - 2023_B.pptx
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas - 2023_B.pptx
 
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c segProteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
Proteção contra incêndio modulo ii 1 c seg
 
NR23+-+Treinamento+de+Brigada+de+Emergencia+-+2023 (1).pptx
NR23+-+Treinamento+de+Brigada+de+Emergencia+-+2023 (1).pptxNR23+-+Treinamento+de+Brigada+de+Emergencia+-+2023 (1).pptx
NR23+-+Treinamento+de+Brigada+de+Emergencia+-+2023 (1).pptx
 
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas .pptx
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas .pptxNR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas .pptx
NR23 - Treinamento - Prevenção e Combate a Incêndios - Brigadistas .pptx
 
MODULO I SEGURANCA
MODULO I SEGURANCAMODULO I SEGURANCA
MODULO I SEGURANCA
 
Prevenção de Perdas e Danos
Prevenção de Perdas e Danos Prevenção de Perdas e Danos
Prevenção de Perdas e Danos
 
Apostila incendio
Apostila incendioApostila incendio
Apostila incendio
 
Curumin- Módulo combate a incêndio.pdf
Curumin- Módulo combate a incêndio.pdfCurumin- Módulo combate a incêndio.pdf
Curumin- Módulo combate a incêndio.pdf
 
Prevenção e combate a incêndios 2
Prevenção e combate a incêndios 2Prevenção e combate a incêndios 2
Prevenção e combate a incêndios 2
 
Capacitação Brigada de Emergência
Capacitação Brigada de Emergência Capacitação Brigada de Emergência
Capacitação Brigada de Emergência
 
Mp maubertec 2010
Mp maubertec 2010Mp maubertec 2010
Mp maubertec 2010
 
Apresentação13
Apresentação13Apresentação13
Apresentação13
 
3 teoria do fogo
3 teoria do fogo3 teoria do fogo
3 teoria do fogo
 
Manual do participante 2011
Manual do participante 2011Manual do participante 2011
Manual do participante 2011
 
Teoria do fogo
Teoria do fogoTeoria do fogo
Teoria do fogo
 

Mais de Paulo R. Itami da Cruz (20)

Instrumentação
InstrumentaçãoInstrumentação
Instrumentação
 
Nutrição e Saúde
Nutrição e SaúdeNutrição e Saúde
Nutrição e Saúde
 
Nr – 33
Nr – 33Nr – 33
Nr – 33
 
Nr – 32
Nr – 32Nr – 32
Nr – 32
 
Nr – 31
Nr – 31Nr – 31
Nr – 31
 
Nr – 30
Nr – 30Nr – 30
Nr – 30
 
Nr – 29
Nr – 29Nr – 29
Nr – 29
 
Nr – 28
Nr – 28Nr – 28
Nr – 28
 
Nr – 27
Nr – 27Nr – 27
Nr – 27
 
Nr – 26
Nr – 26Nr – 26
Nr – 26
 
Nr – 24
Nr – 24Nr – 24
Nr – 24
 
Nr – 22
Nr – 22Nr – 22
Nr – 22
 
Nr – 21
Nr – 21Nr – 21
Nr – 21
 
Nr – 20
Nr – 20Nr – 20
Nr – 20
 
Nr – 19
Nr – 19Nr – 19
Nr – 19
 
Nr – 18
Nr – 18Nr – 18
Nr – 18
 
Nr – 17
Nr – 17Nr – 17
Nr – 17
 
Nr – 16
Nr – 16Nr – 16
Nr – 16
 
Nr – 15
Nr – 15Nr – 15
Nr – 15
 
Nr – 13
Nr – 13Nr – 13
Nr – 13
 

Último

LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINFabioFranca22
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 

Último (10)

LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 

Nr – 23

  • 1.
  • 2. NR - 23NR - 23 Proteção Contra IncêndiosProteção Contra Incêndios
  • 3. DEFINIÇÃO:DEFINIÇÃO: REAÇÃO QUÍMICA COM DESPRENDIMENTOREAÇÃO QUÍMICA COM DESPRENDIMENTO DE LUZ E CALORDE LUZ E CALOR Um fenômeno químicoUm fenômeno químico denominadodenominado combustãocombustão
  • 6. IntroduçãoIntrodução Nenhum sistema de prevenção de incêndio seráNenhum sistema de prevenção de incêndio será eficaz se não houver o elemento humanoeficaz se não houver o elemento humano preparado para operá-lo.preparado para operá-lo. Esse elemento humano, para combaterEsse elemento humano, para combater eficazmente um incêndio, deverá estareficazmente um incêndio, deverá estar perfeitamente treinado.perfeitamente treinado. É um erro pensar que sem treinamento, alguém,É um erro pensar que sem treinamento, alguém, por mais hábil que seja, por mais coragem quepor mais hábil que seja, por mais coragem que tenha, por mais valor que possua, seja capaz detenha, por mais valor que possua, seja capaz de atuar de maneira eficiente quando doatuar de maneira eficiente quando do aparecimento do fogo.aparecimento do fogo.
  • 7. O que é necessário para que haja o fogo?
  • 8. Calo r Para que haja o fogo é necessário a união de três elementos básicos: Material combustível Comburente
  • 9. TRIÂNGULO DO FOGOTRIÂNGULO DO FOGO calorcalor fogofogo com burente com burente com bustível com bustível
  • 10.
  • 11. O incêndio pode ser transmitido de umO incêndio pode ser transmitido de um edifício para outro sem que,edifício para outro sem que, necessariamente, estejam ligados pornecessariamente, estejam ligados por elementos concretos. O calor geradoelementos concretos. O calor gerado em um edifício em chamas pode serem um edifício em chamas pode ser suficiente para fechar o triângulosuficiente para fechar o triângulo (combustível + oxigênio + calor) por(combustível + oxigênio + calor) por irradiação, nas cortinas ou estofados doirradiação, nas cortinas ou estofados do edifício vizinho que está afastado aedifício vizinho que está afastado a mais de 10 metros.mais de 10 metros.
  • 12. Cabe salientar que, apesar desta simplificação teórica, a combustão é um fenômeno extraordinariamente complexo. O número de substâncias produzidas durante a queima dos combustíveis é muito grande. Mesmo a combustão das substâncias mais simples não é ainda hoje muito conhecida. Efetivamente o triângulo do fogo é, na realidade, um tetraedro cuja base desta pirâmide de base triangular é a “REAÇÃO EM CADEIA”.
  • 13. É a temperatura mínima na qual os corpos começam a desprender vapores que se incendeiam em contato com uma fonte externa de calor. Entretanto, a chama não se mantém devido à insuficiência da quantidade de vapores desprendidos. PONTO DE FULGOR
  • 14. É a temperatura mínima na qual os vapores desprendidos dos corpos, ao conseguirem contato com uma fonte externa de calor, entram em combustão e continuam a queimar. PONTO DE COMBUSTÃO
  • 15. É a temperatura mínima, na qual os gases desprendidos dos combustíveis entram em combustão apenas pelo contato com o oxigênio do ar, independente de qualquer outra fonte de calor. PONTO DE IGNIÇÃO
  • 16. O conteúdo combustível em um prédio ou compartimento que, ao queimar origina o incêndio contra o qual a proteção tem que ser prevista é sua CARGA INCÊNDIO. Todos os materiais como divisórias, acabamentos de pisos, paredes e forros, tapetes, cortinas, colchões e roupas devem ser considerados nos cálculos e convertidos em uma referência homogênea. CARGA INCÊNDIO
  • 17. A carga combustível é expressa em Kg/m2, correspondente à quantidade de madeira (Kg de madeira por m2) que emite a mesma quantidade de calor que a combustão total dos materiais ou produtos considerados na dependência ou área de pavimento. CARGA INCÊNDIO
  • 18. CARGA INCÊNDIO Potencial calorífico em edifícios urbanos (Carga-Incêndio)
  • 20. TETRAEDRO DO FOGOTETRAEDRO DO FOGO Calor: é o elemento que serve para dar início a umCalor: é o elemento que serve para dar início a um incêndio, mantém e aumenta a propagação.incêndio, mantém e aumenta a propagação. Oxigênio (comburente): é necessário para a combustão e esta presente no ar que nos envolve. Combustível: é o elemento que serve de propagação do fogo, pode ser sólido, líquido ou gasoso. Reação em Cadeia: A reação em cadeia torna a queima auto-sustentável. O calor irradiado das chamas atinge o combustível e este é decomposto em partículas menores, que se combinam com o oxigênio e queimam, irradiando outra vez calor para o combustível, formando um ciclo constante.
  • 21. CombustãoCombustão A Combustão é uma reação química entreA Combustão é uma reação química entre corpos, muito freqüente na natureza.corpos, muito freqüente na natureza. Durante esta reação química entre o combustíveis eDurante esta reação química entre o combustíveis e os comburentes, ocorrerá à combinação dosos comburentes, ocorrerá à combinação dos elementos químicos, originando outros produtoselementos químicos, originando outros produtos diferentes que são:diferentes que são: FumaçaFumaça CalorCalor GasesGases Chama ou incandescênciaChama ou incandescência
  • 22. FumaçaFumaça A fumaça é uma mesclaA fumaça é uma mescla de gases, partículasde gases, partículas sólidas e vapores de águasólidas e vapores de água
  • 23. FumaçaFumaça Fumaça branca ou cinza claraFumaça branca ou cinza clara:: indica que é uma queima deindica que é uma queima de combustível comum.combustível comum. Ex. madeira, tecido, papel, capim, etc.Ex. madeira, tecido, papel, capim, etc.
  • 24. FumaçaFumaça Fumaça negra ou cinza escuraFumaça negra ou cinza escura: é: é originária de combustão incompletas,originária de combustão incompletas, geralmente produtos derivados degeralmente produtos derivados de petróleo, tais como: graxas, óleos,petróleo, tais como: graxas, óleos, pneus, plásticos, etc.pneus, plásticos, etc.
  • 25. FumaçaFumaça Fumaça amarela ou vermelhaFumaça amarela ou vermelha:: indica que está queimando umindica que está queimando um combustível cujos seus gases sãocombustível cujos seus gases são altamente tóxicos.altamente tóxicos. Ex.: produtos químicos , etc.Ex.: produtos químicos , etc.
  • 26. 21% 78% 1% OXIGENIO NITROGENIO OUTROS GASES O AR QUE RESPIRAMOS
  • 27. MÉTODOS DE EXTINÇÃO abafam ento abafam ento Ocorre com a retirada do oxigênio, é método o mais difícil, a não ser em pequenos incêndios NÃO EXISTIRÁ FOGO EM AMBIENTES COM MENOS DE 13 % DE ONÃO EXISTIRÁ FOGO EM AMBIENTES COM MENOS DE 13 % DE O22
  • 28. MÉTODOS DE EXTINÇÃO resfriam ento resfriam ento É o método de extinção mais usado, consiste em retirar o calor do material incendiado NÃO EXISTIRÁ FOGO SEM CALORNÃO EXISTIRÁ FOGO SEM CALOR
  • 29. MÉTODOS DE EXTINÇÃO INTERRUPÇÃO DA INTERRUPÇÃO DA REAÇÃO QUÍMICA REAÇÃO QUÍMICA EM CADEIA EM CADEIA caracteriza da pela ação do pó químico seco que interrompe a reação da combustão
  • 30. MÉTODOS DE EXTINÇÃO RETIRADA DO MATERIAL RETIRADA DO MATERIAL COMBUSTÍVEL COMBUSTÍVEL Caracterizada pela retirada do material combustível do local do incêndio SEM COMBUSTÍVEL NÃO HÁ FOGO
  • 31. MÉTODOS DE EXTINÇÃO É evidente que nos incêndios que deixam resíduos como brasas ou calor, deve-se prestar muita atenção no resfriamento, pois do contrário, uma vez extinto o fogo, as brasas remanescentes ou o calor concentrado, reiniciam o incêndio ao entrarem em contato com o comburente fornecido pelo ar. Importante!!!!!!
  • 32. MÉTODOS DE EXTINÇÃO O resfriamento deve atingir toda a massa incendiada que se encontra na profundidade. Um serviço operado superficialmente não atingirá a parte interna do material incendiado, o qual continuará lentamente em combustão. Importante!!!!!!
  • 33. MÉTODOS DE EXTINÇÃO É a operação final de um serviço de extinção de incêndio. Esta operação consiste na movimentação de todo o material sólido envolvido pelas chamas, a fim de se ter certeza da não existência de resíduos e a facilidade de um melhor resfriamento, cuja complementação poderá ser feita com água, de forma moderada. RESCALDO
  • 34. MÉTODOS DE EXTINÇÃO Por mais insignificante que seja um incêndio, NUNCA se deve as costas de imediato para o local do sinistro, pois além do perigo da reignição, pode-se ser envolvido pelas chamas. RESCALDO
  • 35. TRANSMISSÃO DO CALOR São três as transmissões do calor:São três as transmissões do calor: CONDUÇÃOCONDUÇÃO CONVECÇÃOCONVECÇÃO IRRADIAÇÃOIRRADIAÇÃO
  • 36. PROPAGAÇÃO DO CALOR CONDUÇÃO:CONDUÇÃO: Transmissão através de agitação molecular e dos choques entre as moléculas sem o transporte de matéria. Exemplo: aquecimento das esquadrias metálicas contínuas de uma fachada a partir de um único cômodo em chamas.
  • 37. PROPAGAÇÃO DO CALOR CONVECÇÃO:CONVECÇÃO: A transmissão do calor ocorre por ondas caloríficas. A massa de ar quente sobe e encontra uma massa de ar fria e como dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço, há a formação de um looping – ar quente e ar frio. A temperatura do ar quente pode atingir o ponto de fulgor de alguns materiais e dar início a outro incêndio em outro local.
  • 38. TRANSMISSÃO DO CALOR CONVECÇÃO:CONVECÇÃO: Exemplo: a fumaça distribuída entre vários pavimentos de um edifício por meio de dutos de ar condicionado, escadas e fosso de elevadores. Aquece outras áreas distantes da fonte de combustão.
  • 39. TRANSMISSÃO DO CALOR IRRADIAÇÃO:IRRADIAÇÃO: Transporte de energia através de ondas eletromagnéticas (calor radiante). Independe de meios materiais. Exemplo: o calor do sol que chega à terra ou do ferro de passar roupa colocado próximo à mão após o aquecimento.
  • 40. Número de mortos por incêndio FONTE: Mapfre Seguridad - España
  • 41. Ramos principais da árvore de decisões de segurança contra incêndio criada pela comissão da NFPA. O sinal (+) assinala os pontos em que cada um dos caminhos abaixo do mesmo constitui uma solução independente.
  • 42. Componentes do ramo "Evitar a deflagração do incêndio", parte da árvore de decisões da NFPA. Por "combustíveis" entenda-se qualquer material contido no edifício que contribua para o potencial calorífico.
  • 43.
  • 44. CLASSES DE INCÊNDIO CLASSE A CLASSE B CLASSE C CLASSE D
  • 45. Classe AClasse A CARACTERÍSTICAS QUEIMA NA SUPERFÍCIE E EM PROFUNDIDADEQUEIMA NA SUPERFÍCIE E EM PROFUNDIDADE QUEIMA DEIXANDO RESÍDUOSQUEIMA DEIXANDO RESÍDUOS
  • 46. Classe AClasse A PAPEL BORRACHA PLÁSTICO MADEIRA TECIDO
  • 47. Classe BClasse B CARACTERÍSTICAS QUEIMA SOMENTE NA SUPERFÍCIE EQUEIMA SOMENTE NA SUPERFÍCIE E NÃO QUEIMA EM PROFUNDIDADE NANÃO QUEIMA EM PROFUNDIDADE NA SUPERFÍCIE E EM PROFUNDIDADESUPERFÍCIE E EM PROFUNDIDADE
  • 48. Classe BClasse B ÉTER ACETONA ÁLCOOL GÁZ DE COZINHA GASOLINA PIXE
  • 49. Classe CClasse C CARACTERÍSTICAS É O INCÊNCIO QUE OCORRE EMÉ O INCÊNCIO QUE OCORRE EM MATERIAL ELÉTRICO ENERGIZADOMATERIAL ELÉTRICO ENERGIZADO
  • 50. Classe CClasse C EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS ENERGIZADOS, TAIS COMO MÁQUINAS, COMPUTADORES, SUB-ESTAÇÕES, ETC.
  • 51. Classe DClasse D CARACTERÍSTICAS É O INCÊNCIO QUE OCORRE EMÉ O INCÊNCIO QUE OCORRE EM MATERIAL PIROFÓRICOSMATERIAL PIROFÓRICOS
  • 52. Classe DClasse D SÓDIO ZIRCÔNIO ETC MAGNÉSIO TITÂNEO POTÁSSIO
  • 54. ÁGUA EXTINTOR DE ÁGUA APAGA POR RESFRIAMENTO INCÊNDIO CLASSE A SIM INCÊNDIO CLASSE B NÃO INCÊNDIO CLASSE C NÃO INCÊNDIO CLASSE D NÃO
  • 55. EXTINTOR DE ÁGUA Indicado com ótimo resultado para incêndios de classe "A". Contra-indicado para as classes "B" e "C". Modo de usar: Pressurizado: Rompa o lacre e aperte o gatilho, dirigindo o jato para a base do fogo. Água-gás: Abra o registro da ampola de gás e dirija o jato para a base do fogo. Processo de extinção: Resfriamento.
  • 56. ESPUMA INCÊNDIO CLASSE A SIM INCÊNDIO CLASSE B SIM INCÊNDIO CLASSE C NÃO INCÊNDIO CLASSE D NÃO EXTINTOR DE ESPUMA
  • 57. ESPUMA EXTINTOR DE ESPUMA Indicado com ótimo resultado para incêndios de classe "B" e com bom resultado para a classe "A". Contra-indicado para a classe "C". Modo de usar: Aproxime-se com segurança do líquido em chamas, inverta a posição do extintor (de cabeça para baixo) e dirija o jato para um anteparo, de modo que a espuma gerada cubra o líquido como uma manta. Processo de extinção: Abafamento. Um processo secundário é o resfriamento (umidificação).
  • 58. CO2 INCÊNDIO CLASSE A NÃO INCÊNDIO CLASSE B SIM INCÊNDIO CLASSE C SIM INCÊNDIO CLASSE D NÃO APAGA POR RESFRIAMENTO E ABAFAMENTO EXTINTOR DE GÁS CARBÔNICO
  • 59. CO2 EXTINTOR DE GÁS CARBÔNICO Indicado para incêndios de classe "C" e sem grande eficiência para a classe "A". Não possui contra-indicação. Modo de usar: Rompa o lacre e aperte o gatilho, dirigindo o difusor para a base do fogo. Não toque no difusor, poderá gelar e "colar" na pele causando lesões. Processo de extinção: Abafamento. Incêndios de classe "D" requerem extintores específicos, podendo em alguns casos serem utilizados o de Gás Carbônico (CO²) ou o Pó Quimico Seco (PQS)
  • 60. PQS INCÊNDIO CLASSE A NÃO INCÊNDIO CLASSE B SIM INCÊNDIO CLASSE C SIM INCÊNDIO CLASSE D NÃO APAGA POR ABAFAMENTO EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO SECO
  • 61. EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO SECO Indicado com ótimo resultado para incêndios de classe "C" e sem grande eficiência para a classe "A". Não possui contra-indicação. Modo de usar: Pressurizado: Rompa o lacre e aperte o gatilho, dirigindo o jato para a base do fogo. A pressurizar: Abra o registro da ampola de gás e dirija o jato para a base do fogo. Processo de extinção: Abafamento.
  • 63. Homens superficiais acreditam na sorte... Homens fortes acreditam em causa e efeito.
  • 64. Uma vida sem causa é uma vida sem efeito.