SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 76
Baixar para ler offline
Espaços
Confinados!
NR 33 - Espaços Confinados
Norma Regulamentadora de
Segurança e Saúde nos
Trabalhos
em Espaços Confinados
O que é Espaço Confinado?
Objetivos do curso
Estabelecer requisitos mínimos para
identificação dos espaços confinados e o
reconhecimento, avaliação, monitoramento e
controle dos riscos existentes, de forma a
garantir permanentemente a segurança e
saúde dos trabalhadores que interagem
direta ou indiretamente nestes espaços.
Espaços Confinados
Definição (NR 33)
• Espaço confinado é qualquer área ou ambiente não
projetado para ocupação humana contínua, possui
meios limitados de entrada e saída, a ventilação
existente é insuficiente para remover contaminantes
ou onde possa existir a deficiência ou
enriquecimento de oxigênio.
■ Geometria ■ Acesso
■ Atmosfera
Espaços Confinados
Definição (NBR 14787)
• A NBR 14787 (2001) define espaço confinado como
qualquer área não projetada para ocupação humana
contínua, a qual tem meios limitados de entrada e
saída e na qual a ventilação existente é insuficiente
para remover contaminantes perigosos e/ou
deficiência/enriquecimento de oxigênio que possam
existir ou desenvolver.
■ Geometria ■ Acesso
■ Atmosfera
Espaços Confinados
■ Geometria ■ Acesso
■ Atmosfera
Definição (OSHA)
 A OSHA define espaço confinado como área grande o
suficiente a ponto de permitir que o trabalhador realize
seu trabalho, com meios limitados ou restritos para
entrada e saída; não sendo desenhada para a ocupação
humana; com configuração interna capaz de causar
claustrofobia ou asfixia, podendo apresentar riscos
atmosféricos e agentes contaminantes agressivos à
saúde e à segurança.
Espaços Confinados
Definição (NIOSH)
• A NIOSH (1997) define espaço confinado como um
espaço que apresenta passagens limitadas de
entrada e saída, ventilação natural deficiente que
contém ou produz perigosos contaminantes do ar e
que não é destinado para ocupação humana
contínua.
■ Geometria ■ Acesso
■ Atmosfera
Espaços Confinados
Classificação dos espaços confinados
• Espaços Classe A – são aqueles que apresentam situações
que são IPVS. Incluem os espaços que têm deficiência em 02
ou contêm explosivos, inflamáveis ou atmosferas tóxicas;
• Espaços Classe B – não apresentam perigo para a vida ou
a saúde, mas têm o potencial para causar lesões ou doenças
se medidas de proteção não forem usadas;
• Espaços Classe C – são aqueles os riscos existentes são
insignificantes, não requerendo procedimentos ou práticas
especiais de trabalho.
(Fonte: NIOSH 1979)
Espaços Confinados
Classificação dos espaços confinados (NIOSH)
• Características de um Espaço Confinado Classe A
 Imediatamente perigoso para a vida - requer procedimentos
de resgate com mais de um indivíduo completamente
equipado com equipamento de ar mandado - manutenção
de comunicação necessária e um vigia adicional fora do
espaço confinado
 OXIGÊNIO - Percentual < 16% (122 mmHg) ou > 25% (190mmHg)
 INFLAMABILIDADE - 20% ou mais do L.I.E.
 TOXICIDADE - IDHL (IPVS)
Espaços Confinados
Classificação dos espaços confinados (NIOSH)
 Características de um Espaço Confinado Classe B
◦ Perigoso, mas não imediatamente ameaçador - requer
procedimentos de resgate com um indivíduo completamen-
te equipado com equipamento de ar mandado - visualização
indireta ou comunicação freqüente com os trabalhadores
◦ % DE OXIGÊNIO - 16.1 a 19,4 (122 mmHg - 149 mmHg) ou
21.5 a 25 (163 mmHg - 190 mmHg)
◦ INFLAMABILIDADE - 10% a 19% do L.I.E.
◦ TOXICIDADE - Maior que o limite de contaminação
Menor que o valor IDHL (IPVS)
Classificação dos espaços confinados (NIOSH)
• Características de um Espaço Confinado Classe C
 Riscos potenciais - não requer modificações nos
procedimentos de trabalho - procedimentos de resgate
padrões - comunicação direta com os trabalhadores, de
quem está fora do espaço confinado
 % DE OXIGÊNIO - 19.5 a 21.44 (148 mmHg - 163 mmHg)
 INFLAMABILIDADE - 10% do L.I.E. ou menos
 TOXICIDADE - Menor que o limite de contaminação
estabelecido pelo CFR 29
Espaços Confinados
O Reconhecimento do Espaço Confinado
Nem sempre é fácil. Exemplo: tanques abertos, podem ser considerados
como espaços confinados, pois a ventilação natural inexiste, o potencial
de acúmulo de fontes geradoras ou de escape de gás, torna a atmosfera
perigosa.
Para reconhecermos um espaço
confinado, é preciso conhecermos o
potencial de risco de ambientes,
processos, produtos, etc., Porém o mais
sério risco se concentra na atmosfera
do ambiente confinado.
Espaços Confinados
Onde encontramos Espaços Confinados?
• Agricultura
Silos
Moegas
Poços de elevadores
Transportadores fechados
Tanques para armazenagem de fertilizantes
Espaços Confinados
Onde encontramos Espaços Confinados?
• Indústria da Construção
Caixões
Tubulões
Buracos
Valas
Escavações
Espaços Confinados
Onde encontramos Espaços Confinados?
• Indústria da Alimentação
Câmeras Frias
Fornos
Extratores
Tanques de Aquecimento
Espaços Confinados
Onde encontramos Espaços Confinados?
• Processamento de Fumo
Torre de resfriamento
Secadores
Tambores Rotativos
Espaços Confinados
Onde encontramos Espaços Confinados?
• Indústrias Têxteis
Caldeira a Vapor
• Impressão e Publicação
Tanques de Tinta
Tanques de Solvente
Espaços Confinados
Onde encontramos Espaços Confinados?
• Indústria de Papel
Misturadores
Digestores
Fornos
Silos de Cavacos
Tanques de branqueamento
Espaços Confinados
Onde encontramos Espaços Confinados?
Indústria Química e Petróleo
Reatores
Coluna de destilação
Torre de resfriamento
Tanques de armazenamento
Precipitadores
Espaços Confinados
Onde encontramos Espaços Confinados?
 Produtos do Couro
Tanques de tingimento
Estações de tratamento de efluentes
 Operações Marítimas
Tanques de combustível
Porões
Compartimentos
Espaços Confinados
Trabalhos em Espaços Confinados?
• Obras de Construção Civil
• Manutenção de Equipamentos
• Reparo de Equipamentos
• Limpeza de Reservatórios
• Operações de Salvamento e Resgate
Por que entrar em Espaços Confinados?
1. Limpeza e remoção de lodos e dejetos;
2. Inspeção de equipamentos e condições internas;
3. Manutenção de tubulações abrasivas e aplicações de revestimentos;
4. Rosqueamento, revestimento, cobertura e testes de redes de
esgotos, petróleo, vapor e canos d’água;
5. Consertos, incluindo ajustes de equipamentos mecânicos, soldagem;
6. Leitura de manômetros e escalas, bússola, tabelas e outros
indicadores;
7. Instalação, conserto e inspeção elétrica, telefones, fibras, cabos
ópticos;
8. Resgate de trabalhadores que estão feridos ou não, conscientes ou
não, dentro dos espaços confinados.
Riscos presentes nos ambientes confinados
 Riscos Físicos:
 Vibrações
 Radiações
 Umidade
 Temperatura
 Eletricidade
 Ruídos
 Pressões anormais
 Riscos Biológicos:
 Vírus;
 Bactérias;
 Parasitas;
 Fungos;
 Riscos Ergonômicos:
 Esforço;
 Postura;
 Fobia;
 Riscos Mecânicos:
 Iluminação Deficiente;
 Ferramentas Defeituosas;
 EPI´s inadequados;
 Possibilidade de Explosões
Riscos presentes nos ambientes confinados
 Riscos Químicos (Detalhar agentes):
 Poeiras, névoas, gases e vapores;
 Fumos metálicos
 Diminuição do O2 e aumento do anidrido
carbônico, gás metano e nitrogênio em
processos de fermentação de materiais
orgânicos por decomposição
Gás/Vapor ou névoa inflamável em concentrações superiores a
10% do seu Limite Inferior de Explosividade LIE ou Lower
Explosive Limit LEL;
Poeira combustível viável em uma concentração que se encontre
ou exceda o Limite Inferior de Explosividade LIE ou Lower
Explosive Limit LEL);
Agentes Químicos: Atmosfera de risco
“A faixa de explosividade é maior se a mistura contiver gases
combustíveis, HIDROGÊNIO ou OXIGÊNIO.”
Agentes Químicos: Atmosfera de risco
Agentes Químicos: Gases
Inflamável Tóxico Asfixiante
Fogo
Explosão
Envenenamento Sufocamento
Combustíveis
Metano(CH4)
Hidrogênio(H2)
Tóxico
Monóxido de Carbono(CO)
Sulfeto de Hidrogênio (H2S)
Asfixiante
Nitrogênio (N2)
Dióxido de Carbono (CO2)
Agentes Químicos:
OXIGÊNIO: O mínimo permissível para a respiração segura gira em torno de
19,5% de O2. Teores abaixo podem causar problemas de:
•Descoordenação (15 a 19%),
• Respiração difícil (12 a 14%),
•Respiração bem fraca (10 a 12%),
•Falhas mentais, inconsciência, náuseas e vômitos (8 a 10%),
•Morte após 8 minutos (6 a 8%) e
•Coma em 40 segundos (4 a 6%).
“Convém salientarmos que a presença de gases
considerados inertes ou mesmo inflamáveis, considerados
como asfixiantes simples, deslocam o OXIGÊNIO e por
conseguinte tornam o ambiente impróprio e muito perigoso
para a respiração.”
Agentes Químicos:
OXIGÊNIO: O enriquecimento de oxigênio torna o espaço confinado
perigoso pois causa incrementos na faixa de explosividade dos gases
combustíveis, propiciando queimas violentas. Assim nunca acenda
maçaricos oxi-acetilênico, no interior de tanques ou outros espaços
confinados, após a permissão, acenda-o do lado de fora e, adentre com o
maçarico aceso e já regulado.
Agentes Químicos:
MONÓXIDO DE CARBONO: Por não possuir odor e cor este nocivo gás pode
permanecer por muito tempo em ambientes confinados sem que o ser humano
tome providências de ventilar ou exaurir o local e consequentemente, em caso de
entrada nestes locais, podemos ter consequências danosas ao homem. Em
concentrações superiores ao seu LIMITE DE TOLERÂNCIA, que é de 39 ppm:
O EXPOSTO PODERÁ SENTIR:
•DOR DE CABEÇA (200 PPM);
•PALPITAÇÃO (1000 A 2000 PPM);
•INCONSCIÊNCIA (2000 A 2500 PPM);
•MORTE (4000 PPM).
Agentes Químicos:
SULFETO DE HIDROGÊNIO / GÁS SULFÍDRICO (H2S): É um gás incolor, mais
pesado que o ar, que forma mistura explosiva em contato com este, sendo
altamente tóxico, tem cheiro de ovo podre em baixas concentrações, e é um dos
piores agentes ambientais, pois em concentrações médias e acima, o sistema
olfativo humano não consegue detectar a sua presença.
Efeitos do H2S
Concentração H2S(ppm) Tempo de Exposição Efeito nos Seres Humanos
0,05 - 5 1 min Detecção do odor característico
10 - 30 6 - 8 h Irritação dos olhos
50 - 100 30 min - 1h Conjuntivite, dificuldades de respiração
150 - 200 2 - 15 min Perda de olfato
250 - 350 2 - 15 min Irritação dos olhos
350 - 450 2 - 15 min Inconsciência, convulsão
500 - 600 2 - 15 min Distúrbios respiratórios e circulatórios
700 - 1500 0 - 2 min Colapso, morte
Agentes Químicos: Onde são encontrados?
DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO Maioria das circunstâncias
ENRIQUECIMENTO DE
OXIGÊNIO
Presença de fonte de
Oxigênio
MONÓXIDO DE CARBONO
Escapamento de motor,
processo de combustão
DIÓXIDO DE NITROGÊNIO Escapamento diesel, silos
SULFETO DE HIDROGÊNIO
Esgoto, águas residuáis,
processos petroquímicos e
celulose
OUTROS GASES E
VAPORES
INFLAMÁVEIS
De acordo com o processo
• Valores sugeridos para entrada e trabalho?
Agentes Químicos:
Substância Entrada Trabalho
Oxigênio 20,9 % > 20,5 %
Inflamáveis 0% do L.I.E. < 5% do L.I.E.
Monóxido de Carbono 0 ppm < 25 ppm
Dióxido de Nitrogênio 0 ppm < 1 ppm
Sulfeto de Hidrogênio 0 ppm < 10 ppm
 Engolfamento - Desmoronamento de
superfície de grãos compactados
Ocorrência de Acidentes
 Afogamento - Arraste do trabalhador pela
massa de grãos em movimento durante o
descarregamento
Ocorrência de Acidentes
 Soterramento - Desmoronamento de
placas verticais de grãos compactadas
Ocorrência de Acidentes
 Sufocamento - Carregamento de silos
com trabalhadores no seu interior
Ocorrência de Acidentes
 SOMENTE QUANDO SUA EMPRESA
FORNECER A
AUTORIZAÇÃO NA PERMISSÃO DE
ENTRADA E TRABALHO - PET,
 Essa PERMISSÃO DE ENTRADA E
TRABALHO - PET é exigida por lei e é
executada pelo supervisor de entrada.
 O serviço a ser executado deve sempre
ser acompanhado por um vigia.
Quando você pode entrar em um espaço
confinado?
Treinamento a todos os trabalhadores
Inspeção prévia no local e
Elaboração da APR – ANÁLISE
PRELIMINAR DE RISCO
A empresa deve providenciar:
Exames médicos
PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO -
PET
A empresa deve providenciar:
Supervisor de entrada e vigia
Sinalização e isolamento da área
A empresa deve providenciar:
Equipamentos de ventilação
Equipamentos medidores de oxigênio, gases e
vapores tóxicos e inflamáveis
A empresa deve providenciar:
Equipamentos de comunicação e de
iluminação
Equipamentos de proteção
individual
A empresa deve providenciar:
ENTRAR EM ESPAÇO
CONFINADO SOMENTE
APÓS O SUPERVISOR
DE ENTRADA REALIZAR
TODOS OS TESTES E
ADOTAR AS MEDIDAS DE
CONTROLE NECESSÁRIAS.
Direitos do trabalhador – entrada segura
O empregador deve
garantir que os trabalhadores
possam interromper suas
atividades e abandonar o
local
de trabalho, sempre que
suspeitarem da existência de
risco grave e iminente para sua
segurança e saúde ou a de
terceiros.
Disposições Gerais
Direitos do trabalhador – entrada segura
Conhecer os procedimentos
e equipamentos de resgate
e primeiros socorros
Receber todos os equipamentos
de segurança necessários para
execução dos trabalhos
Conhecer o trabalho a ser executado
Conhecer os
procedimentos
e equipamentos
de segurança
para executar
o trabalho
Conhecer os riscos do
Trabalho a ser executado
Direitos do trabalhador - treinamento
Participar dos treinamentos e
seguir as informações de segurança
Usar os equipamentos
de proteção
fornecidos
Comunicar riscosExames médicos
Deveres do trabalhador:
Medidas de segurança – folha de permissão de entrada
 A PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO
- PET CONTÉM PROCEDIMENTOS
ESCRITOS DE SEGURANÇA E
EMERGÊNCIA.
 VERIFICAR SE AS MEDIDAS DE
SEGURANÇA FORAM IMPLANTADAS
E SE A PERMISSÃO DE ENTRADA E
TRABALHO – PET ESTÁ ASSINADA PELO
SUPERVISOR DE ENTRADA.
 O TRABALHADOR DEVE ENTRAR NO
ESPAÇO CONFINADO COM UMA CÓPIA
DA PERMISSÃO DE ENTRADA E
TRABALHO.
17
Medidas de segurança – sinalização e isolamento da área
Medidas administrativas:
Manter sinalização permanente junto à
entrada do espaço confinado, conforme o
anexo i da presente norma;
 A sinalização é importante para
Informação e alerta quanto aos
Riscos em espaços confinados.
 O isolamento é necessário para
Evitar que pessoas não autorizadas
Se aproximem do espaço confinado.
Medidas de segurança – supervisor de entrada
O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE:
a) emitir a Permissão de Entrada e Trabalho
- PET antes do início das atividades;
b) executar os testes, conferir os
equipamentos e os procedimentos contidos na
Permissão de Entrada e Trabalho - PET;
c) assegurar que os serviços de emergência
e salvamento estejam disponíveis e que os
meios para acioná-los estejam operantes;
d) cancelar os procedimentos de entrada e
trabalho quando necessário; e
e) encerrar a Permissão de Entrada e
Trabalho PET - após o término dos serviços.
19
O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE:
Desligar a energia elétrica,
trancar com chave ou cadeado e
sinalizar quadros elétricos para
evitar movimentação acidental de
máquinas ou choques elétricos
quando o trabalhador
autorizado estiver no interior
do espaço confinado.
20
Medidas de segurança – Desligamento de
energia, trava e sinalização
Medidas de segurança – vigia
O vigia deve:
A) manter continuamente a contagem precisa do número de
trabalhadores autorizados no espaço confinado e assegurar que
todos saiam ao término da atividade;
B) permanecer fora do espaço confinado, junto à entrada, em contato
permanente com os trabalhadores autorizados;
C) adotar os procedimentos de emergência, acionando a equipe de
salvamento, pública ou privada, quando necessário;
D) operar os movimentadores de pessoas; e
E) ordenar o abandono do espaço confinado sempre que reconhecer
algum sinal de alarme, perigo, sintoma, queixa, condição proibida,
acidente, situação não prevista ou quando não puder desempenhar
efetivamente suas tarefas, nem ser substituído por outro vigia.
 Os testes do ar interno são medições
para verificação dos níveis de oxigênio,
gases e vapores tóxicos e inflamáveis.
 Antes que o trabalhador entre em um
espaço confinado, o supervisor de
entrada deve realizar testes iniciais do
Ar interno.
 Durante as medições, o supervisor de
entrada deve estar fora do espaço
confinado.
22
Medidas de segurança – testes do ar
“As medições são necessárias para que não ocorram acidentes
por asfixia, intoxicação, incêndio ou explosão”
Medidas de segurança – testes do ar
Medidas de segurança – ventilação
“O uso de oxigênio para ventilação de local confinado aumenta o risco
de incêndio e explosão.”
NÃO VENTILAR
ESPAÇOS CONFINADOS COM
OXIGÊNIO
DURANTE TODO
O TRABALHO NO
ESPAÇO
CONFINADO
DEVE SER
UTILIZADA
VENTILAÇÃO
ADEQUADA
PARA GARANTIR A
RENOVAÇÃO
CONTÍNUA
DO AR.
Medidas de segurança – ventilação
 O TRABALHADOR
DEVE SER
TREINADO
QUANTO AO USO
ADEQUADO DO
EPI.
 OS EQUIPAMENTOS
DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL – EPIs
DEVEM SER
FORNECIDOS
GRATUITAMENTE.
 DEVEM SER
UTILIZADOS EPIs
ADEQUADOS PARA
CADA SITUAÇÃO DE
RISCO EXISTENTE.
Medidas de segurança - EPI
Medidas de segurança - Objetos proibidos
 CIGARROS
NUNCA FUME NO ESPAÇO CONFINADO!
 TELEFONE CELULAR
NÃO DEVE SER UTILIZADO COMO
APARELHO DE COMUNICAÇÃO EM
ESPAÇO CONFINADO.
 VELAS – FÓSFOROS - ISQUEIROS
NÃO DEVEM SER UTILIZADOS.
 OBJETOS NECESSÁRIOS À
EXECUÇÃO DO TRABALHO QUE
PRODUZAM CALOR, CHAMAS OU
FAÍSCAS, DEVEM SER PREVISTOS NA
PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO.
Adotar medidas para eliminar ou controlar os
riscos de incêndio ou explosão em trabalhos a
quente, tais como solda, aquecimento,
esmerilhamento, corte ou outros que liberem
chama aberta, faíscas ou calor.
 Devem ser fornecidos equipamentos especiais para trabalhos
em espaços confinados como:
 Lanternas.
 Rádios de
comunicação.
 Detectores de gases,
À prova de explosão.
Medidas de segurança - Equipamentos especiais
 O empregador deve elaborar
e implantar procedimentos de
emergência e resgate
adequados ao espaço
confinado.
 O empregador deve fornecer
equipamentos e acessórios que
possibilitem meios seguros de
resgate.
 Os trabalhadores devem ser
treinados para situações de
emergência e resgate.
Situação de treinamento com simulação de
operação de salvamento e resgate
Medidas de emergência e resgate
Fechando Válvulas
 Drenando linhas, ou
 Raqueteando flanges
Esvaziando o espaço
 Despressurizando, ventilando e drenando
Controle de energia de Equipmentos
 Fontes Eletricas
 Partes móveis
 Materiais perigosos
Espaço limpo de resíduos
Medidas de segurança – Isolando o Espaço
Confinado
Exemplos de Projetos de Trava Elétrica e Hidráulico
Cadeados de interruptor de Circuito: Projeto de
trava de interruptor de Circuito se encaixa sob
um interruptor desligado.
Trava de Válvula de Comporta: Este desliza pôr
sobre o cabo da válvula de comporta. O cadeado
está fixado .
Correntes podem também ser usadas para
travar uma válvula de comporta.
Medidas de segurança – Isolando o Espaço
Confinado
Drenando e Fechando:
Um método de fechar encanamento instalando uma tampa ou placa
para que a cavidade do encanamento seja completamente fechada.
Medidas de segurança – Isolando o Espaço
Confinado
Medidores de Oxigênio, Gases e Vapores
Inflamáveis
Equipamentos de Proteção Individual – EPI’s
Equipamentos de Comunicação e Iluminação
OBRIGADO!
Ismael Dias de Almeida
Técnico de Segurança do Trabalho
Gestor em Recursos Humanos
E-mail: ismaeldias_junior@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
Jose Fernandes
 
Treinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de ServiçoTreinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de Serviço
Tst_Thiago
 

Mais procurados (20)

Nr 33 16h completo
Nr 33 16h completoNr 33 16h completo
Nr 33 16h completo
 
Treinamento em Altura NR - 35.ppt
Treinamento em Altura NR - 35.pptTreinamento em Altura NR - 35.ppt
Treinamento em Altura NR - 35.ppt
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
Treinamento nr 20
Treinamento nr 20Treinamento nr 20
Treinamento nr 20
 
Pop soldagem
Pop soldagemPop soldagem
Pop soldagem
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
 
Nr – 06
Nr – 06Nr – 06
Nr – 06
 
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IITrabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
 
Nr 20
Nr 20 Nr 20
Nr 20
 
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHOTREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
TREINAMENTO INTRODUTÓRIO DE SEGURANÇA DO TRABALHO
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
 
Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00Apresentação nr13-senai-rev.00
Apresentação nr13-senai-rev.00
 
Nr – 16
Nr – 16Nr – 16
Nr – 16
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completa
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
Nr1 disposições gerais
Nr1  disposições geraisNr1  disposições gerais
Nr1 disposições gerais
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
 
Treinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de ServiçoTreinamento de Ordem de Serviço
Treinamento de Ordem de Serviço
 

Semelhante a Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO

QAS- ESPAÇOS CONFINADOS
QAS- ESPAÇOS CONFINADOSQAS- ESPAÇOS CONFINADOS
QAS- ESPAÇOS CONFINADOS
Carla Guerreiro
 
Espaço confinado- Vigia- Flávio.ppt
Espaço confinado- Vigia- Flávio.pptEspaço confinado- Vigia- Flávio.ppt
Espaço confinado- Vigia- Flávio.ppt
VALPENGENHARIA
 
ESPAÇOS CONFINADOS - Grupo Mega Segurança do Trabalho.ppt
ESPAÇOS CONFINADOS  - Grupo Mega Segurança do Trabalho.pptESPAÇOS CONFINADOS  - Grupo Mega Segurança do Trabalho.ppt
ESPAÇOS CONFINADOS - Grupo Mega Segurança do Trabalho.ppt
BrenoRocha33
 

Semelhante a Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO (20)

Apresentação nr33
Apresentação nr33Apresentação nr33
Apresentação nr33
 
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptxTreinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
Treinamento de segurança para trabalho em espaço confinado.pptx
 
NR33-Espaço Confinado.pptx
NR33-Espaço Confinado.pptxNR33-Espaço Confinado.pptx
NR33-Espaço Confinado.pptx
 
NR 33 - ESPACO CONFINADO
NR 33 - ESPACO CONFINADONR 33 - ESPACO CONFINADO
NR 33 - ESPACO CONFINADO
 
ESPAÇOS CONFINADOS.pptx
ESPAÇOS CONFINADOS.pptxESPAÇOS CONFINADOS.pptx
ESPAÇOS CONFINADOS.pptx
 
Apostila espaço confinado
Apostila  espaço confinadoApostila  espaço confinado
Apostila espaço confinado
 
Identificação do espaço confinado
Identificação do espaço confinadoIdentificação do espaço confinado
Identificação do espaço confinado
 
Definicoes
DefinicoesDefinicoes
Definicoes
 
Definicoes
DefinicoesDefinicoes
Definicoes
 
Atm.explos.esp..conf.
Atm.explos.esp..conf.Atm.explos.esp..conf.
Atm.explos.esp..conf.
 
Análise de Riscos - NR 33..pdf
Análise de Riscos - NR 33..pdfAnálise de Riscos - NR 33..pdf
Análise de Riscos - NR 33..pdf
 
Análise de Riscos - NR 33..pdf
Análise de Riscos - NR 33..pdfAnálise de Riscos - NR 33..pdf
Análise de Riscos - NR 33..pdf
 
QAS- ESPAÇOS CONFINADOS
QAS- ESPAÇOS CONFINADOSQAS- ESPAÇOS CONFINADOS
QAS- ESPAÇOS CONFINADOS
 
Espaços+c..
Espaços+c..Espaços+c..
Espaços+c..
 
NR-33 SEGURANÇA E SAUDE EM ESPAÇO CONFINADO.pptx
NR-33 SEGURANÇA E SAUDE EM ESPAÇO CONFINADO.pptxNR-33 SEGURANÇA E SAUDE EM ESPAÇO CONFINADO.pptx
NR-33 SEGURANÇA E SAUDE EM ESPAÇO CONFINADO.pptx
 
Espaço confinado- Vigia- Flávio.ppt
Espaço confinado- Vigia- Flávio.pptEspaço confinado- Vigia- Flávio.ppt
Espaço confinado- Vigia- Flávio.ppt
 
Espaço confinado
Espaço confinado Espaço confinado
Espaço confinado
 
Espaço confinado somatick
Espaço confinado somatickEspaço confinado somatick
Espaço confinado somatick
 
ESPAÇOS CONFINADOS - Grupo Mega Segurança do Trabalho.ppt
ESPAÇOS CONFINADOS  - Grupo Mega Segurança do Trabalho.pptESPAÇOS CONFINADOS  - Grupo Mega Segurança do Trabalho.ppt
ESPAÇOS CONFINADOS - Grupo Mega Segurança do Trabalho.ppt
 
Espao confinado
Espao confinadoEspao confinado
Espao confinado
 

Mais de Robson Peixoto

Mais de Robson Peixoto (20)

Revista em quadrinhos abril verde
Revista em quadrinhos abril verdeRevista em quadrinhos abril verde
Revista em quadrinhos abril verde
 
Gestão SST para indústria da construção
Gestão SST para indústria da construçãoGestão SST para indústria da construção
Gestão SST para indústria da construção
 
MODERNIZAÇÃO TRABALHISTA: LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 - PANORAMA AN...
MODERNIZAÇÃO TRABALHISTA: LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 - PANORAMA AN...MODERNIZAÇÃO TRABALHISTA: LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 - PANORAMA AN...
MODERNIZAÇÃO TRABALHISTA: LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 - PANORAMA AN...
 
Programa de proteção respiratória
Programa de proteção respiratóriaPrograma de proteção respiratória
Programa de proteção respiratória
 
Guia sst para o esocial
Guia sst para o esocialGuia sst para o esocial
Guia sst para o esocial
 
Manual de segurança no trabalho para a construção civil
Manual de segurança no trabalho para a construção civilManual de segurança no trabalho para a construção civil
Manual de segurança no trabalho para a construção civil
 
Prevenção de acidentes a bordo de navios no mar e nos portos: código de práti...
Prevenção de acidentes a bordo de navios no mar e nos portos: código de práti...Prevenção de acidentes a bordo de navios no mar e nos portos: código de práti...
Prevenção de acidentes a bordo de navios no mar e nos portos: código de práti...
 
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: IMPLEMENTAÇÃO E MONITORAMENTO DE RESÍD...
 
Catálogo de normas tecnicas edificações
Catálogo de normas tecnicas edificaçõesCatálogo de normas tecnicas edificações
Catálogo de normas tecnicas edificações
 
Fatores eficazes para investigação de acidentes
Fatores eficazes para investigação de acidentesFatores eficazes para investigação de acidentes
Fatores eficazes para investigação de acidentes
 
Apostila da Perícia Trabalhista
Apostila da Perícia TrabalhistaApostila da Perícia Trabalhista
Apostila da Perícia Trabalhista
 
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSNOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
 
Guia para eleição da cipa
Guia para eleição da cipaGuia para eleição da cipa
Guia para eleição da cipa
 
Insalubridade e periculosidade no brasil em sentido oposto a tendência intern...
Insalubridade e periculosidade no brasil em sentido oposto a tendência intern...Insalubridade e periculosidade no brasil em sentido oposto a tendência intern...
Insalubridade e periculosidade no brasil em sentido oposto a tendência intern...
 
Ebook nr 33 trabalhos em espaços confinados
Ebook nr 33 trabalhos em espaços confinados Ebook nr 33 trabalhos em espaços confinados
Ebook nr 33 trabalhos em espaços confinados
 
Programa de proteção para saúde e segurança no local de trabalho contra doenç...
Programa de proteção para saúde e segurança no local de trabalho contra doenç...Programa de proteção para saúde e segurança no local de trabalho contra doenç...
Programa de proteção para saúde e segurança no local de trabalho contra doenç...
 
Segurança e saúde na industria da construção
Segurança e saúde na industria da construçãoSegurança e saúde na industria da construção
Segurança e saúde na industria da construção
 
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
Melhores práticas para seleção de proteção auditiva
 
Fatos interessantes sobre gás
Fatos interessantes sobre gásFatos interessantes sobre gás
Fatos interessantes sobre gás
 
Manual de marketing y comunicación en seguridad y salud laboral
Manual de marketing y comunicación en seguridad y salud laboralManual de marketing y comunicación en seguridad y salud laboral
Manual de marketing y comunicación en seguridad y salud laboral
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 

Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO

  • 2. NR 33 - Espaços Confinados Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados
  • 3. O que é Espaço Confinado?
  • 4. Objetivos do curso Estabelecer requisitos mínimos para identificação dos espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento e controle dos riscos existentes, de forma a garantir permanentemente a segurança e saúde dos trabalhadores que interagem direta ou indiretamente nestes espaços.
  • 5. Espaços Confinados Definição (NR 33) • Espaço confinado é qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, possui meios limitados de entrada e saída, a ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio. ■ Geometria ■ Acesso ■ Atmosfera
  • 6. Espaços Confinados Definição (NBR 14787) • A NBR 14787 (2001) define espaço confinado como qualquer área não projetada para ocupação humana contínua, a qual tem meios limitados de entrada e saída e na qual a ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes perigosos e/ou deficiência/enriquecimento de oxigênio que possam existir ou desenvolver. ■ Geometria ■ Acesso ■ Atmosfera
  • 7. Espaços Confinados ■ Geometria ■ Acesso ■ Atmosfera Definição (OSHA)  A OSHA define espaço confinado como área grande o suficiente a ponto de permitir que o trabalhador realize seu trabalho, com meios limitados ou restritos para entrada e saída; não sendo desenhada para a ocupação humana; com configuração interna capaz de causar claustrofobia ou asfixia, podendo apresentar riscos atmosféricos e agentes contaminantes agressivos à saúde e à segurança.
  • 8. Espaços Confinados Definição (NIOSH) • A NIOSH (1997) define espaço confinado como um espaço que apresenta passagens limitadas de entrada e saída, ventilação natural deficiente que contém ou produz perigosos contaminantes do ar e que não é destinado para ocupação humana contínua. ■ Geometria ■ Acesso ■ Atmosfera
  • 9. Espaços Confinados Classificação dos espaços confinados • Espaços Classe A – são aqueles que apresentam situações que são IPVS. Incluem os espaços que têm deficiência em 02 ou contêm explosivos, inflamáveis ou atmosferas tóxicas; • Espaços Classe B – não apresentam perigo para a vida ou a saúde, mas têm o potencial para causar lesões ou doenças se medidas de proteção não forem usadas; • Espaços Classe C – são aqueles os riscos existentes são insignificantes, não requerendo procedimentos ou práticas especiais de trabalho. (Fonte: NIOSH 1979)
  • 10. Espaços Confinados Classificação dos espaços confinados (NIOSH) • Características de um Espaço Confinado Classe A  Imediatamente perigoso para a vida - requer procedimentos de resgate com mais de um indivíduo completamente equipado com equipamento de ar mandado - manutenção de comunicação necessária e um vigia adicional fora do espaço confinado  OXIGÊNIO - Percentual < 16% (122 mmHg) ou > 25% (190mmHg)  INFLAMABILIDADE - 20% ou mais do L.I.E.  TOXICIDADE - IDHL (IPVS)
  • 11. Espaços Confinados Classificação dos espaços confinados (NIOSH)  Características de um Espaço Confinado Classe B ◦ Perigoso, mas não imediatamente ameaçador - requer procedimentos de resgate com um indivíduo completamen- te equipado com equipamento de ar mandado - visualização indireta ou comunicação freqüente com os trabalhadores ◦ % DE OXIGÊNIO - 16.1 a 19,4 (122 mmHg - 149 mmHg) ou 21.5 a 25 (163 mmHg - 190 mmHg) ◦ INFLAMABILIDADE - 10% a 19% do L.I.E. ◦ TOXICIDADE - Maior que o limite de contaminação Menor que o valor IDHL (IPVS)
  • 12. Classificação dos espaços confinados (NIOSH) • Características de um Espaço Confinado Classe C  Riscos potenciais - não requer modificações nos procedimentos de trabalho - procedimentos de resgate padrões - comunicação direta com os trabalhadores, de quem está fora do espaço confinado  % DE OXIGÊNIO - 19.5 a 21.44 (148 mmHg - 163 mmHg)  INFLAMABILIDADE - 10% do L.I.E. ou menos  TOXICIDADE - Menor que o limite de contaminação estabelecido pelo CFR 29 Espaços Confinados
  • 13. O Reconhecimento do Espaço Confinado Nem sempre é fácil. Exemplo: tanques abertos, podem ser considerados como espaços confinados, pois a ventilação natural inexiste, o potencial de acúmulo de fontes geradoras ou de escape de gás, torna a atmosfera perigosa. Para reconhecermos um espaço confinado, é preciso conhecermos o potencial de risco de ambientes, processos, produtos, etc., Porém o mais sério risco se concentra na atmosfera do ambiente confinado.
  • 14. Espaços Confinados Onde encontramos Espaços Confinados? • Agricultura Silos Moegas Poços de elevadores Transportadores fechados Tanques para armazenagem de fertilizantes
  • 15. Espaços Confinados Onde encontramos Espaços Confinados? • Indústria da Construção Caixões Tubulões Buracos Valas Escavações
  • 16. Espaços Confinados Onde encontramos Espaços Confinados? • Indústria da Alimentação Câmeras Frias Fornos Extratores Tanques de Aquecimento
  • 17. Espaços Confinados Onde encontramos Espaços Confinados? • Processamento de Fumo Torre de resfriamento Secadores Tambores Rotativos
  • 18. Espaços Confinados Onde encontramos Espaços Confinados? • Indústrias Têxteis Caldeira a Vapor • Impressão e Publicação Tanques de Tinta Tanques de Solvente
  • 19. Espaços Confinados Onde encontramos Espaços Confinados? • Indústria de Papel Misturadores Digestores Fornos Silos de Cavacos Tanques de branqueamento
  • 20. Espaços Confinados Onde encontramos Espaços Confinados? Indústria Química e Petróleo Reatores Coluna de destilação Torre de resfriamento Tanques de armazenamento Precipitadores
  • 21. Espaços Confinados Onde encontramos Espaços Confinados?  Produtos do Couro Tanques de tingimento Estações de tratamento de efluentes  Operações Marítimas Tanques de combustível Porões Compartimentos
  • 22. Espaços Confinados Trabalhos em Espaços Confinados? • Obras de Construção Civil • Manutenção de Equipamentos • Reparo de Equipamentos • Limpeza de Reservatórios • Operações de Salvamento e Resgate
  • 23. Por que entrar em Espaços Confinados? 1. Limpeza e remoção de lodos e dejetos; 2. Inspeção de equipamentos e condições internas; 3. Manutenção de tubulações abrasivas e aplicações de revestimentos; 4. Rosqueamento, revestimento, cobertura e testes de redes de esgotos, petróleo, vapor e canos d’água; 5. Consertos, incluindo ajustes de equipamentos mecânicos, soldagem; 6. Leitura de manômetros e escalas, bússola, tabelas e outros indicadores; 7. Instalação, conserto e inspeção elétrica, telefones, fibras, cabos ópticos; 8. Resgate de trabalhadores que estão feridos ou não, conscientes ou não, dentro dos espaços confinados.
  • 24. Riscos presentes nos ambientes confinados
  • 25.  Riscos Físicos:  Vibrações  Radiações  Umidade  Temperatura  Eletricidade  Ruídos  Pressões anormais  Riscos Biológicos:  Vírus;  Bactérias;  Parasitas;  Fungos;  Riscos Ergonômicos:  Esforço;  Postura;  Fobia;  Riscos Mecânicos:  Iluminação Deficiente;  Ferramentas Defeituosas;  EPI´s inadequados;  Possibilidade de Explosões Riscos presentes nos ambientes confinados  Riscos Químicos (Detalhar agentes):  Poeiras, névoas, gases e vapores;  Fumos metálicos  Diminuição do O2 e aumento do anidrido carbônico, gás metano e nitrogênio em processos de fermentação de materiais orgânicos por decomposição
  • 26. Gás/Vapor ou névoa inflamável em concentrações superiores a 10% do seu Limite Inferior de Explosividade LIE ou Lower Explosive Limit LEL; Poeira combustível viável em uma concentração que se encontre ou exceda o Limite Inferior de Explosividade LIE ou Lower Explosive Limit LEL); Agentes Químicos: Atmosfera de risco
  • 27. “A faixa de explosividade é maior se a mistura contiver gases combustíveis, HIDROGÊNIO ou OXIGÊNIO.” Agentes Químicos: Atmosfera de risco
  • 28. Agentes Químicos: Gases Inflamável Tóxico Asfixiante Fogo Explosão Envenenamento Sufocamento Combustíveis Metano(CH4) Hidrogênio(H2) Tóxico Monóxido de Carbono(CO) Sulfeto de Hidrogênio (H2S) Asfixiante Nitrogênio (N2) Dióxido de Carbono (CO2)
  • 29. Agentes Químicos: OXIGÊNIO: O mínimo permissível para a respiração segura gira em torno de 19,5% de O2. Teores abaixo podem causar problemas de: •Descoordenação (15 a 19%), • Respiração difícil (12 a 14%), •Respiração bem fraca (10 a 12%), •Falhas mentais, inconsciência, náuseas e vômitos (8 a 10%), •Morte após 8 minutos (6 a 8%) e •Coma em 40 segundos (4 a 6%). “Convém salientarmos que a presença de gases considerados inertes ou mesmo inflamáveis, considerados como asfixiantes simples, deslocam o OXIGÊNIO e por conseguinte tornam o ambiente impróprio e muito perigoso para a respiração.”
  • 30. Agentes Químicos: OXIGÊNIO: O enriquecimento de oxigênio torna o espaço confinado perigoso pois causa incrementos na faixa de explosividade dos gases combustíveis, propiciando queimas violentas. Assim nunca acenda maçaricos oxi-acetilênico, no interior de tanques ou outros espaços confinados, após a permissão, acenda-o do lado de fora e, adentre com o maçarico aceso e já regulado.
  • 31. Agentes Químicos: MONÓXIDO DE CARBONO: Por não possuir odor e cor este nocivo gás pode permanecer por muito tempo em ambientes confinados sem que o ser humano tome providências de ventilar ou exaurir o local e consequentemente, em caso de entrada nestes locais, podemos ter consequências danosas ao homem. Em concentrações superiores ao seu LIMITE DE TOLERÂNCIA, que é de 39 ppm: O EXPOSTO PODERÁ SENTIR: •DOR DE CABEÇA (200 PPM); •PALPITAÇÃO (1000 A 2000 PPM); •INCONSCIÊNCIA (2000 A 2500 PPM); •MORTE (4000 PPM).
  • 32. Agentes Químicos: SULFETO DE HIDROGÊNIO / GÁS SULFÍDRICO (H2S): É um gás incolor, mais pesado que o ar, que forma mistura explosiva em contato com este, sendo altamente tóxico, tem cheiro de ovo podre em baixas concentrações, e é um dos piores agentes ambientais, pois em concentrações médias e acima, o sistema olfativo humano não consegue detectar a sua presença. Efeitos do H2S Concentração H2S(ppm) Tempo de Exposição Efeito nos Seres Humanos 0,05 - 5 1 min Detecção do odor característico 10 - 30 6 - 8 h Irritação dos olhos 50 - 100 30 min - 1h Conjuntivite, dificuldades de respiração 150 - 200 2 - 15 min Perda de olfato 250 - 350 2 - 15 min Irritação dos olhos 350 - 450 2 - 15 min Inconsciência, convulsão 500 - 600 2 - 15 min Distúrbios respiratórios e circulatórios 700 - 1500 0 - 2 min Colapso, morte
  • 33. Agentes Químicos: Onde são encontrados? DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO Maioria das circunstâncias ENRIQUECIMENTO DE OXIGÊNIO Presença de fonte de Oxigênio MONÓXIDO DE CARBONO Escapamento de motor, processo de combustão DIÓXIDO DE NITROGÊNIO Escapamento diesel, silos SULFETO DE HIDROGÊNIO Esgoto, águas residuáis, processos petroquímicos e celulose OUTROS GASES E VAPORES INFLAMÁVEIS De acordo com o processo
  • 34. • Valores sugeridos para entrada e trabalho? Agentes Químicos: Substância Entrada Trabalho Oxigênio 20,9 % > 20,5 % Inflamáveis 0% do L.I.E. < 5% do L.I.E. Monóxido de Carbono 0 ppm < 25 ppm Dióxido de Nitrogênio 0 ppm < 1 ppm Sulfeto de Hidrogênio 0 ppm < 10 ppm
  • 35.  Engolfamento - Desmoronamento de superfície de grãos compactados Ocorrência de Acidentes
  • 36.  Afogamento - Arraste do trabalhador pela massa de grãos em movimento durante o descarregamento Ocorrência de Acidentes
  • 37.  Soterramento - Desmoronamento de placas verticais de grãos compactadas Ocorrência de Acidentes
  • 38.  Sufocamento - Carregamento de silos com trabalhadores no seu interior Ocorrência de Acidentes
  • 39.  SOMENTE QUANDO SUA EMPRESA FORNECER A AUTORIZAÇÃO NA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET,  Essa PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET é exigida por lei e é executada pelo supervisor de entrada.  O serviço a ser executado deve sempre ser acompanhado por um vigia. Quando você pode entrar em um espaço confinado?
  • 40. Treinamento a todos os trabalhadores Inspeção prévia no local e Elaboração da APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO A empresa deve providenciar:
  • 41. Exames médicos PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET A empresa deve providenciar:
  • 42. Supervisor de entrada e vigia Sinalização e isolamento da área A empresa deve providenciar:
  • 43. Equipamentos de ventilação Equipamentos medidores de oxigênio, gases e vapores tóxicos e inflamáveis A empresa deve providenciar:
  • 44. Equipamentos de comunicação e de iluminação Equipamentos de proteção individual A empresa deve providenciar:
  • 45. ENTRAR EM ESPAÇO CONFINADO SOMENTE APÓS O SUPERVISOR DE ENTRADA REALIZAR TODOS OS TESTES E ADOTAR AS MEDIDAS DE CONTROLE NECESSÁRIAS. Direitos do trabalhador – entrada segura
  • 46. O empregador deve garantir que os trabalhadores possam interromper suas atividades e abandonar o local de trabalho, sempre que suspeitarem da existência de risco grave e iminente para sua segurança e saúde ou a de terceiros. Disposições Gerais Direitos do trabalhador – entrada segura
  • 47. Conhecer os procedimentos e equipamentos de resgate e primeiros socorros Receber todos os equipamentos de segurança necessários para execução dos trabalhos Conhecer o trabalho a ser executado Conhecer os procedimentos e equipamentos de segurança para executar o trabalho Conhecer os riscos do Trabalho a ser executado Direitos do trabalhador - treinamento
  • 48. Participar dos treinamentos e seguir as informações de segurança Usar os equipamentos de proteção fornecidos Comunicar riscosExames médicos Deveres do trabalhador:
  • 49. Medidas de segurança – folha de permissão de entrada  A PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET CONTÉM PROCEDIMENTOS ESCRITOS DE SEGURANÇA E EMERGÊNCIA.  VERIFICAR SE AS MEDIDAS DE SEGURANÇA FORAM IMPLANTADAS E SE A PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO – PET ESTÁ ASSINADA PELO SUPERVISOR DE ENTRADA.  O TRABALHADOR DEVE ENTRAR NO ESPAÇO CONFINADO COM UMA CÓPIA DA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO. 17
  • 50. Medidas de segurança – sinalização e isolamento da área Medidas administrativas: Manter sinalização permanente junto à entrada do espaço confinado, conforme o anexo i da presente norma;  A sinalização é importante para Informação e alerta quanto aos Riscos em espaços confinados.  O isolamento é necessário para Evitar que pessoas não autorizadas Se aproximem do espaço confinado.
  • 51. Medidas de segurança – supervisor de entrada O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE: a) emitir a Permissão de Entrada e Trabalho - PET antes do início das atividades; b) executar os testes, conferir os equipamentos e os procedimentos contidos na Permissão de Entrada e Trabalho - PET; c) assegurar que os serviços de emergência e salvamento estejam disponíveis e que os meios para acioná-los estejam operantes; d) cancelar os procedimentos de entrada e trabalho quando necessário; e e) encerrar a Permissão de Entrada e Trabalho PET - após o término dos serviços. 19
  • 52. O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE: Desligar a energia elétrica, trancar com chave ou cadeado e sinalizar quadros elétricos para evitar movimentação acidental de máquinas ou choques elétricos quando o trabalhador autorizado estiver no interior do espaço confinado. 20 Medidas de segurança – Desligamento de energia, trava e sinalização
  • 53. Medidas de segurança – vigia O vigia deve: A) manter continuamente a contagem precisa do número de trabalhadores autorizados no espaço confinado e assegurar que todos saiam ao término da atividade; B) permanecer fora do espaço confinado, junto à entrada, em contato permanente com os trabalhadores autorizados; C) adotar os procedimentos de emergência, acionando a equipe de salvamento, pública ou privada, quando necessário; D) operar os movimentadores de pessoas; e E) ordenar o abandono do espaço confinado sempre que reconhecer algum sinal de alarme, perigo, sintoma, queixa, condição proibida, acidente, situação não prevista ou quando não puder desempenhar efetivamente suas tarefas, nem ser substituído por outro vigia.
  • 54.  Os testes do ar interno são medições para verificação dos níveis de oxigênio, gases e vapores tóxicos e inflamáveis.  Antes que o trabalhador entre em um espaço confinado, o supervisor de entrada deve realizar testes iniciais do Ar interno.  Durante as medições, o supervisor de entrada deve estar fora do espaço confinado. 22 Medidas de segurança – testes do ar
  • 55. “As medições são necessárias para que não ocorram acidentes por asfixia, intoxicação, incêndio ou explosão” Medidas de segurança – testes do ar
  • 56. Medidas de segurança – ventilação “O uso de oxigênio para ventilação de local confinado aumenta o risco de incêndio e explosão.” NÃO VENTILAR ESPAÇOS CONFINADOS COM OXIGÊNIO
  • 57. DURANTE TODO O TRABALHO NO ESPAÇO CONFINADO DEVE SER UTILIZADA VENTILAÇÃO ADEQUADA PARA GARANTIR A RENOVAÇÃO CONTÍNUA DO AR. Medidas de segurança – ventilação
  • 58.  O TRABALHADOR DEVE SER TREINADO QUANTO AO USO ADEQUADO DO EPI.  OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPIs DEVEM SER FORNECIDOS GRATUITAMENTE.  DEVEM SER UTILIZADOS EPIs ADEQUADOS PARA CADA SITUAÇÃO DE RISCO EXISTENTE. Medidas de segurança - EPI
  • 59. Medidas de segurança - Objetos proibidos  CIGARROS NUNCA FUME NO ESPAÇO CONFINADO!  TELEFONE CELULAR NÃO DEVE SER UTILIZADO COMO APARELHO DE COMUNICAÇÃO EM ESPAÇO CONFINADO.  VELAS – FÓSFOROS - ISQUEIROS NÃO DEVEM SER UTILIZADOS.  OBJETOS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DO TRABALHO QUE PRODUZAM CALOR, CHAMAS OU FAÍSCAS, DEVEM SER PREVISTOS NA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO. Adotar medidas para eliminar ou controlar os riscos de incêndio ou explosão em trabalhos a quente, tais como solda, aquecimento, esmerilhamento, corte ou outros que liberem chama aberta, faíscas ou calor.
  • 60.  Devem ser fornecidos equipamentos especiais para trabalhos em espaços confinados como:  Lanternas.  Rádios de comunicação.  Detectores de gases, À prova de explosão. Medidas de segurança - Equipamentos especiais
  • 61.  O empregador deve elaborar e implantar procedimentos de emergência e resgate adequados ao espaço confinado.  O empregador deve fornecer equipamentos e acessórios que possibilitem meios seguros de resgate.  Os trabalhadores devem ser treinados para situações de emergência e resgate. Situação de treinamento com simulação de operação de salvamento e resgate Medidas de emergência e resgate
  • 62. Fechando Válvulas  Drenando linhas, ou  Raqueteando flanges Esvaziando o espaço  Despressurizando, ventilando e drenando Controle de energia de Equipmentos  Fontes Eletricas  Partes móveis  Materiais perigosos Espaço limpo de resíduos Medidas de segurança – Isolando o Espaço Confinado
  • 63. Exemplos de Projetos de Trava Elétrica e Hidráulico Cadeados de interruptor de Circuito: Projeto de trava de interruptor de Circuito se encaixa sob um interruptor desligado. Trava de Válvula de Comporta: Este desliza pôr sobre o cabo da válvula de comporta. O cadeado está fixado . Correntes podem também ser usadas para travar uma válvula de comporta. Medidas de segurança – Isolando o Espaço Confinado
  • 64. Drenando e Fechando: Um método de fechar encanamento instalando uma tampa ou placa para que a cavidade do encanamento seja completamente fechada. Medidas de segurança – Isolando o Espaço Confinado
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73. Medidores de Oxigênio, Gases e Vapores Inflamáveis
  • 74. Equipamentos de Proteção Individual – EPI’s
  • 76. OBRIGADO! Ismael Dias de Almeida Técnico de Segurança do Trabalho Gestor em Recursos Humanos E-mail: ismaeldias_junior@hotmail.com