SlideShare uma empresa Scribd logo

Integração de Segurança

Integração de Segurança do Trabalho - NR1

1 de 49
Baixar para ler offline
Segurança do Trabalho - BurtiSegurança do Trabalho - Burti
PARA NOVOS
COLABORADORES
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DOINTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO
TRABALHOTRABALHO
OBJETIVOSOBJETIVOS
 Integrar novos colaboradores ao sistema de Segurança e
Saúde no Trabalho da Burti, a fim de prevenir acidentes e
doenças ocupacionais;
 Divulgar a Política de Segurança, Saúde e Meio Ambiente
da Burti;
 Orientar os colaboradores quanto aos possíveis riscos de
suas atividades, ao cumprimento das regras estabelecidas,
e ao uso correto do EPI.
POLÍTICAPOLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHODE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO
RESPONSABILIDADE:
Cada colaborador dentro de seu campo de atividade, é responsável
direto pela sua segurança e a de seus colegas de trabalho.
PREVENÇÃO:
Todos os acidentes podem e devem ser evitados. Para tanto é
fundamental a motivação de todos os colaboradores em preveni-los,
antes de sua ocorrência.
COMPROMETIMENTO:
O compromisso de nossos colaboradores será
observado através da aplicação da legislação, das
normas e regulamentos de segurança internas de
nossa empresa e do cliente.
O que é Segurança do Trabalho ?O que é Segurança do Trabalho ?
 Segurança do trabalho é o conjunto de medidas que são
adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho,
doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade do
trabalhador e sua capacidade de trabalho.
SEGURANÇA DO TRABALHOSEGURANÇA DO TRABALHO
SESMT - Serviço Especializado em Segurança e Medicina do
Trabalho: Grupo de profissionais com formação em segurança e
medicina do trabalho.
Sergio Roberto da Silva -Técn. Segurança do Trabalho
Cristian de Carvalho – Técn. Segurança do Trabalho
Estagiário – Segurança do Trabalho
SEGURANÇA DO TRABALHOSEGURANÇA DO TRABALHO
Ambulatório
Médicos do Trabalho
Técnica em Enfermagem do Trabalho
Auxiliar de Enfermagem
SEGURANÇA DO TRABALHOSEGURANÇA DO TRABALHO
CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes: Comissão
composta por funcionários Burti, que atuam como órgão colaborador,
nas atividades ligadas à prevenção de acidentes do trabalho,
através de verificações de segurança. Os membros da CIPA estão
identificados por CAMISETA E CRACHÁ DA CIPA.
Anúncio

Recomendados

Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOSergio Silva
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06Fabio Sousa
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPISergio Silva
 
-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalho-Integraçãode segurança doTrabalho
-Integraçãode segurança doTrabalhoKarol Oliveira
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxLeomir Borghardt
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho em altura nr 35 (treinamento)
Trabalho em altura   nr 35 (treinamento)Trabalho em altura   nr 35 (treinamento)
Trabalho em altura nr 35 (treinamento)Bruno Monteiro
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoMarciel Bernardes
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoSara Jaqueline
 
Treinamento para operador de motosserra.
Treinamento para operador de motosserra.Treinamento para operador de motosserra.
Treinamento para operador de motosserra.JOCÁSSIA SOARES
 
treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18pwolter
 
Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012proftstsergioetm
 
TREINAMENTO DA CIPA OFICIAL.pptx
TREINAMENTO DA CIPA OFICIAL.pptxTREINAMENTO DA CIPA OFICIAL.pptx
TREINAMENTO DA CIPA OFICIAL.pptxjonharce
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaDaniel Lira
 
Treinamento de epi novo reparado mecnil
Treinamento de epi novo reparado  mecnilTreinamento de epi novo reparado  mecnil
Treinamento de epi novo reparado mecnilYthia Karla
 
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxNR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxAndreLuis202744
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMateus Borges
 
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO conbetcursos
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaconbetcursos
 

Mais procurados (20)

Trabalho em altura nr 35 (treinamento)
Trabalho em altura   nr 35 (treinamento)Trabalho em altura   nr 35 (treinamento)
Trabalho em altura nr 35 (treinamento)
 
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novoTreinamento nr34 trabalho a quente novo
Treinamento nr34 trabalho a quente novo
 
Treinamento percepção de risco
Treinamento percepção de riscoTreinamento percepção de risco
Treinamento percepção de risco
 
Treinamento para operador de motosserra.
Treinamento para operador de motosserra.Treinamento para operador de motosserra.
Treinamento para operador de motosserra.
 
treinamento nr 18
treinamento nr 18treinamento nr 18
treinamento nr 18
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
NR-1
NR-1NR-1
NR-1
 
Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012Integração de Segurança do Trabalho 2012
Integração de Segurança do Trabalho 2012
 
TREINAMENTO DA CIPA OFICIAL.pptx
TREINAMENTO DA CIPA OFICIAL.pptxTREINAMENTO DA CIPA OFICIAL.pptx
TREINAMENTO DA CIPA OFICIAL.pptx
 
00 seguranca-com-ferramentas-manuais
00   seguranca-com-ferramentas-manuais00   seguranca-com-ferramentas-manuais
00 seguranca-com-ferramentas-manuais
 
Treinamento sobre epi
Treinamento sobre epiTreinamento sobre epi
Treinamento sobre epi
 
Nr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completaNr 6 apresentação completa
Nr 6 apresentação completa
 
Treinamento de epi novo reparado mecnil
Treinamento de epi novo reparado  mecnilTreinamento de epi novo reparado  mecnil
Treinamento de epi novo reparado mecnil
 
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptxNR05 - Cipa 20h -2023.pptx
NR05 - Cipa 20h -2023.pptx
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
 
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
ATO E CONDIÇÕES INSEGURAS NO AMBIENTE DE TRABALHO
 
Treinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurançaTreinamento básico de segurança
Treinamento básico de segurança
 
Atos inseguros
Atos insegurosAtos inseguros
Atos inseguros
 
CERTIFICADO NR 06
CERTIFICADO NR 06 CERTIFICADO NR 06
CERTIFICADO NR 06
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 

Destaque (20)

Segurança e saúde no trabalho para auditores
Segurança e saúde no trabalho para auditoresSegurança e saúde no trabalho para auditores
Segurança e saúde no trabalho para auditores
 
Modelo de PCMAT
Modelo de PCMATModelo de PCMAT
Modelo de PCMAT
 
Segurança e Primeiros Socorros
Segurança e Primeiros SocorrosSegurança e Primeiros Socorros
Segurança e Primeiros Socorros
 
Registro do SESMT
Registro do SESMTRegistro do SESMT
Registro do SESMT
 
Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33
 
Modelo PCMSO
Modelo PCMSOModelo PCMSO
Modelo PCMSO
 
Espaco confinado- NR33 -guia-trabalhador
Espaco confinado- NR33 -guia-trabalhadorEspaco confinado- NR33 -guia-trabalhador
Espaco confinado- NR33 -guia-trabalhador
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Primeiros Socorros
Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Cartilha seguranca trabalho final
Cartilha seguranca trabalho finalCartilha seguranca trabalho final
Cartilha seguranca trabalho final
 
CIPA - Saiba o que fazer
CIPA - Saiba o que fazerCIPA - Saiba o que fazer
CIPA - Saiba o que fazer
 
Nr18
Nr18 Nr18
Nr18
 
Cracha de operador de empilhadeira
Cracha de operador de empilhadeiraCracha de operador de empilhadeira
Cracha de operador de empilhadeira
 
Relatório do mapa de riscos da mash
Relatório do mapa de riscos da mashRelatório do mapa de riscos da mash
Relatório do mapa de riscos da mash
 
Ciesp nr 12
Ciesp nr 12Ciesp nr 12
Ciesp nr 12
 
Mapa de risco por setores
Mapa de risco por setoresMapa de risco por setores
Mapa de risco por setores
 
Treinamento Segurança NR-18
Treinamento Segurança NR-18Treinamento Segurança NR-18
Treinamento Segurança NR-18
 
Treinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinasTreinamento proteções de maquinas
Treinamento proteções de maquinas
 
Modelo PPRA
Modelo PPRAModelo PPRA
Modelo PPRA
 
O.S Ordem de Serviço - NR1
O.S   Ordem de Serviço - NR1O.S   Ordem de Serviço - NR1
O.S Ordem de Serviço - NR1
 

Semelhante a Integração de Segurança

Integraodesegurana janaina
Integraodesegurana janainaIntegraodesegurana janaina
Integraodesegurana janainaJanáina Vanira
 
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxINTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxCLADESGOMES1
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.pptJairoRodrigues47
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.pptSANDRARODRIGUESDASIL5
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.pptRaquelDonato2
 
Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho ricardotortora
 
TREINAMENTO INTEGRAÇÃO 2012.pptx
TREINAMENTO INTEGRAÇÃO 2012.pptxTREINAMENTO INTEGRAÇÃO 2012.pptx
TREINAMENTO INTEGRAÇÃO 2012.pptxLeandroRomeiroDeSouz
 
NR.01 Treinamento segurança do trabalho.ppt
NR.01 Treinamento segurança do trabalho.pptNR.01 Treinamento segurança do trabalho.ppt
NR.01 Treinamento segurança do trabalho.pptssuser22319e
 
Manual de Segurança no Trabalho - resumido
Manual de Segurança no Trabalho - resumidoManual de Segurança no Trabalho - resumido
Manual de Segurança no Trabalho - resumidoproftstsergioetm
 
treinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxtreinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxTalmom Taciano
 
03 saúde e segurança no trabalho
03   saúde e segurança no trabalho03   saúde e segurança no trabalho
03 saúde e segurança no trabalhoFábio Moraes
 
Segurança e Saúde no Trabalho.pptx
Segurança e Saúde no Trabalho.pptxSegurança e Saúde no Trabalho.pptx
Segurança e Saúde no Trabalho.pptxPauloPereira437535
 
Segurança e Saúde no Trabalho.pptx
Segurança e Saúde no Trabalho.pptxSegurança e Saúde no Trabalho.pptx
Segurança e Saúde no Trabalho.pptxPauloPereira437535
 
Politica de saude e segurana do trabalho
Politica de saude e segurana do trabalhoPolitica de saude e segurana do trabalho
Politica de saude e segurana do trabalhoEber B. de Oliveira
 

Semelhante a Integração de Segurança (20)

Integraodesegurana janaina
Integraodesegurana janainaIntegraodesegurana janaina
Integraodesegurana janaina
 
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptxINTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO.pptx
 
Integração
IntegraçãoIntegração
Integração
 
Segurança do Trabalho.pptx
Segurança do Trabalho.pptxSegurança do Trabalho.pptx
Segurança do Trabalho.pptx
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppttreinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
treinamento segurança do trabalgo nwn.ppt
 
Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho Treinamento segurança do trabalho
Treinamento segurança do trabalho
 
TREINAMENTO INTEGRAÇÃO 2012.pptx
TREINAMENTO INTEGRAÇÃO 2012.pptxTREINAMENTO INTEGRAÇÃO 2012.pptx
TREINAMENTO INTEGRAÇÃO 2012.pptx
 
integração.ppt
integração.pptintegração.ppt
integração.ppt
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
 
Treinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwnTreinamento segurança do trabalgo nwn
Treinamento segurança do trabalgo nwn
 
NR.01 Treinamento segurança do trabalho.ppt
NR.01 Treinamento segurança do trabalho.pptNR.01 Treinamento segurança do trabalho.ppt
NR.01 Treinamento segurança do trabalho.ppt
 
Curso de cipa
Curso de cipaCurso de cipa
Curso de cipa
 
Manual de Segurança no Trabalho - resumido
Manual de Segurança no Trabalho - resumidoManual de Segurança no Trabalho - resumido
Manual de Segurança no Trabalho - resumido
 
treinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptxtreinamento Treinamento de Integração.pptx
treinamento Treinamento de Integração.pptx
 
03 saúde e segurança no trabalho
03   saúde e segurança no trabalho03   saúde e segurança no trabalho
03 saúde e segurança no trabalho
 
Segurança e Saúde no Trabalho.pptx
Segurança e Saúde no Trabalho.pptxSegurança e Saúde no Trabalho.pptx
Segurança e Saúde no Trabalho.pptx
 
Segurança e Saúde no Trabalho.pptx
Segurança e Saúde no Trabalho.pptxSegurança e Saúde no Trabalho.pptx
Segurança e Saúde no Trabalho.pptx
 
Politica de saude e segurana do trabalho
Politica de saude e segurana do trabalhoPolitica de saude e segurana do trabalho
Politica de saude e segurana do trabalho
 

Mais de Sergio Roberto Silva

Mais de Sergio Roberto Silva (11)

Análise ergonômica do trabalho
Análise ergonômica do trabalhoAnálise ergonômica do trabalho
Análise ergonômica do trabalho
 
Protuario das instalações eletricas
Protuario das instalações eletricasProtuario das instalações eletricas
Protuario das instalações eletricas
 
Curso da CIPA
Curso da CIPACurso da CIPA
Curso da CIPA
 
Relatório do mapa de riscos
Relatório do mapa de riscosRelatório do mapa de riscos
Relatório do mapa de riscos
 
Curso nr10 básico
Curso nr10 básicoCurso nr10 básico
Curso nr10 básico
 
Curso trabalho em altura nr35
Curso trabalho em altura   nr35Curso trabalho em altura   nr35
Curso trabalho em altura nr35
 
Curso nr20 curso avançado
Curso nr20   curso avançadoCurso nr20   curso avançado
Curso nr20 curso avançado
 
Curso direção defensiva nr11
Curso direção defensiva   nr11Curso direção defensiva   nr11
Curso direção defensiva nr11
 
Segurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeiraSegurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeira
 
Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestores
 
Segurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSegurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicos
 

Último

MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024assedlsam
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxssuser86fd77
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 

Integração de Segurança

  • 1. Segurança do Trabalho - BurtiSegurança do Trabalho - Burti PARA NOVOS COLABORADORES INTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DOINTEGRAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHOTRABALHO
  • 2. OBJETIVOSOBJETIVOS  Integrar novos colaboradores ao sistema de Segurança e Saúde no Trabalho da Burti, a fim de prevenir acidentes e doenças ocupacionais;  Divulgar a Política de Segurança, Saúde e Meio Ambiente da Burti;  Orientar os colaboradores quanto aos possíveis riscos de suas atividades, ao cumprimento das regras estabelecidas, e ao uso correto do EPI.
  • 3. POLÍTICAPOLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHODE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO RESPONSABILIDADE: Cada colaborador dentro de seu campo de atividade, é responsável direto pela sua segurança e a de seus colegas de trabalho. PREVENÇÃO: Todos os acidentes podem e devem ser evitados. Para tanto é fundamental a motivação de todos os colaboradores em preveni-los, antes de sua ocorrência. COMPROMETIMENTO: O compromisso de nossos colaboradores será observado através da aplicação da legislação, das normas e regulamentos de segurança internas de nossa empresa e do cliente.
  • 4. O que é Segurança do Trabalho ?O que é Segurança do Trabalho ?  Segurança do trabalho é o conjunto de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade do trabalhador e sua capacidade de trabalho. SEGURANÇA DO TRABALHOSEGURANÇA DO TRABALHO
  • 5. SESMT - Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho: Grupo de profissionais com formação em segurança e medicina do trabalho. Sergio Roberto da Silva -Técn. Segurança do Trabalho Cristian de Carvalho – Técn. Segurança do Trabalho Estagiário – Segurança do Trabalho SEGURANÇA DO TRABALHOSEGURANÇA DO TRABALHO Ambulatório Médicos do Trabalho Técnica em Enfermagem do Trabalho Auxiliar de Enfermagem
  • 6. SEGURANÇA DO TRABALHOSEGURANÇA DO TRABALHO CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes: Comissão composta por funcionários Burti, que atuam como órgão colaborador, nas atividades ligadas à prevenção de acidentes do trabalho, através de verificações de segurança. Os membros da CIPA estão identificados por CAMISETA E CRACHÁ DA CIPA.
  • 7. Acidente do Trabalho - é toda ocorrência não programada que interfere no andamento normal do trabalho dos quais resultem, separadamente ou em conjunto, lesões, danos materiais ou perda de tempo. Esse enunciado nos traz uma visão de que acidente não é só aquele que causa uma lesão no trabalhador, mas sim qualquer tipo de ocorrência inesperada, que hoje ocasiona perda de tempo, danos materiais e financeiros. CONCEITO LEGAL Acidente de Trabalho – É o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, perda ou redução, permanente ou temporária da capacidade para o trabalho. (Art.19 da Lei nº 8.213, 25/07/91.) CONCEITO PREVENCIONISTA ACIDENTE DO TRABALHOACIDENTE DO TRABALHO
  • 8. ACIDENTE DO TRABALHOACIDENTE DO TRABALHO ACIDENTE POR ATO DE TERCEIRO ACIDENTE POR FORÇA MAIOR ACIDENTE FORA DO LOCAL DE TRABALHO ACIDENTE DE TRAJETO
  • 9. PARA O TRABALHADOR... DESAMPARO À FAMILIA SOFRIMENTO FÍSICO MORTE DEFICIÊNCIA FÍSICA; INCAPACIDADE PARA O TRABALHO CONSEQUENCIA DOS ACIDENTECONSEQUENCIA DOS ACIDENTESS
  • 10. PARA A EMPRESA... GASTOS COM PRIMEIROS SOCORROS E TRANSPORTE DO ACIDENTADO; TEMPO PERDIDO POR OUTROS EMPREGADOS QUE SOCORREM O ACIDENTADO OU PARAM DE TRABALHAR PARA COMENTAR O OCORRIDO; DANIFICAÇÃO OU PERDA DE MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS OU MATÉRIAS PRIMAS E PRODUTIVIDADE PELA PARALIZAÇÃO DA MÁQUINA ONDE TRABALHAVA O ACIDENTADO; PERDA DE CLIENTES E/OU AUMENTO DE CUSTOS PELO ATRASO NA ENTREGA DO PRODUTO; DIFICULDADES COM AS AUTORIDADES; MÁ FAMA DA EMPRESA; CONSEQUENCIA DOS ACIDENTECONSEQUENCIA DOS ACIDENTESS
  • 11. PARA O BRASIL....  PERDA TEMPORÁRIA OU PERMANENTE DE ELEMENTO PRODUTIVO;  MAIS DEPENDENTES DO INSS;  AUMENTO DE IMPOSTOS E TAXAS DE SEGUROS;  AUMENTO DO CUSTO DE VIDA; CONSEQUENCIA DOS ACIDENTECONSEQUENCIA DOS ACIDENTESS
  • 12. A multiplicidade de fatores que influenciam a ocorrência de acidentes no ambiente produtivo, motivou pesquisadores a partir da década de 30, nos EUA a estudar o tema, destacando-se, FRANK BIRD JR, que desenvolveu uma correlação entre os diversos níveis de lesão e danos a propriedade. ACIDENTES GRAVES ACIDENTES COM LESÃO COM PERDA MATERIAL INCIDENTES 1 10 60 600 PREVENÇÃO DE ACIDENTEPREVENÇÃO DE ACIDENTESS
  • 13. PREVENÇÃO DE ACIDENTEPREVENÇÃO DE ACIDENTESS Quando? Diariamente, antes do inicio da jornada de trabalho, com duração de 05 minutos, com leitura de temas relativos a Segurança e Saúde no Trabalho. Como? Em reuniões setoriais, com a participação de todos os colaboradores. Diálogo De Segurança - DDS O que é? É um programa destinado a criar, desenvolver e manter atitudes prevencionistas na Empresa, através da conscientização de todos os empregados. Onde? Tem como foco principal a realização de conversações de segurança nas áreas operacionais, possibilitando melhor integração e o estabelecimento de um canal de comunicação ágil e transparente.
  • 14. Ato Inseguro Condição Insegura Ato Inseguro + Condição Insegura CAUSAS DOS ACIDENTECAUSAS DOS ACIDENTESS
  • 15. ATO INSEGURO: São atitudes, atos, ações ou comportamentos do trabalhador contrários às normas de segurança. Exemplos:  Não usar o EPI.  Deixar materiais espalhados pelo corredor.  Operar máquinas e equipamentos sem habilitação.  Distrair-se ou realizar brincadeiras durante o trabalho.  Utilizar ferramentas inadequadas.  Manusear, misturar ou utilizar produtos químicos sem conhecimento.  Trabalhar sob efeito de álcool e/ou drogas.  Usar ar comprimido para realizar limpeza em uniforme ou no próprio corpo.  Carregar peso superior ao recomendado ou de modo a dificultar visão.  Desligar dispositivos de proteção coletiva de máquinas e/ou equipamentos. CAUSAS DOS ACIDENTECAUSAS DOS ACIDENTESS
  • 16. COMO EVITAR O ATO INSEGURO:  Procure conhecer bem o seu trabalho e esteja sempre alerta;  Se tiver dúvida na execução de uma tarefa, procure orientação com sua chefia imediata;  Onde houver riscos, use os EPI`s específicos recomendados pela Segurança do Trabalho;  Não improvise;  Não brinque em serviço. CAUSAS DOS ACIDENTECAUSAS DOS ACIDENTESS LEMBRE-SE: O ACIDENTE OCORRE, ONDE A PREVENÇÃO FALHA!
  • 17. CONDIÇÕES INSEGURAS: São deficiências, defeitos ou irregularidades técnicas nas instalações físicas, máquinas e equipamentos que presentes no ambiente podem causar acidentes de trabalho. Exemplos:  Falta de corrimão em escadas.  Falta de guarda-corpo em patamares.  Arranjos inadequados.  Piso irregular.  Escadas inadequadas.  Equipamentos mal posicionados.  Falta de sinalização.  Falta de proteção em partes móveis.  Ferramentas defeituosas.  Falta de treinamento. CAUSAS DOS ACIDENTECAUSAS DOS ACIDENTESS
  • 18. COMO EVITAR O CONDIÇÕES INSEGURAS:  Não danifique os materiais de trabalho; Não utilize mobiliários ou ferramentas de trabalho danificadas; Colabore com a organização e limpeza do local de trabalho; Sempre que você detectar qualquer condição que possa ocasionar um acidente, avise imediatamente a chefia da sua área, a CIPA ou a Segurança do Trabalho; A SUA PARTICIPAÇÃO PARA A ELIMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES INSEGURAS É DE VITAL IMPORTÂNCIA! CAUSAS DOS ACIDENTECAUSAS DOS ACIDENTESS
  • 19. AS 5 PORTAS PARA O ACIDENTE 1. Pressa - realizar o seu trabalho depressa, de forma a colocar a sua integridade física em risco. 2. Improvisação - adequar ferramentas ou máquinas para a execução do trabalhos. 3. Auto- Exclusão - estar diante do risco e se omitir, pois não é problema seu. 4. Exceção - abrir para as atividades de risco, por se tratar de um serviço rápido. 5. Presumir - entender, acreditar que não causará acidentes baseando-se em probabilidade. 1. Pressa - realizar o seu trabalho depressa, de forma a colocar a sua integridade física em risco.
  • 20. COMPORTAMENTO DE RISCO ACOMODADO - Mesmo um trabalhador bem disciplinado poderá ser considerado preguiçoso se costuma expor-se a riscos de acidentes só para não “fazer um pouco mais de esforço”. AZARADO - O azarado acha que é vítima de acidente por simples falta de sorte ao invés de procurar conhecer os riscos de suas atividades e prevenir-se contra eles. BRINCALHÃO - Brincar para esquecer aborrecimentos faz bem, no entanto, deve-se respeitar certos limites e fazer em momentos adequados. Evite brincadeiras no local de trabalho.
  • 21. COMPORTAMENTO DE RISCO CURIOSO - A curiosidade é atributo de grande alcance quando em busca de coisas boas. Porém muitas vezes, ela se torna perigosa. EXIBICIONISTA - O exibicionista só se sente satisfeito quando atrai a atenção dos outros. Para isso, não mede as conseqüências dos seus atos ao procurar formar plateia em torno de si. DISTRAÍDO - A distração contribui para ocorrência de acidentes. Mantenha a atenção no trabalho.
  • 22. MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS “Preserve sua coluna fazendo o levantamento de cargas de maneira correta” Quando você precisar remover materiais ou levantar volumes, observe a posição correta do corpo: Dobre as pernas e não as costas, de modo a manter a coluna sempre em posição vertical, a fim de evitar hérnias e distensões lombares; Não faça esforço físico desnecessário, quando o peso for maior do que sua força, peça ajuda a um colega; Faça uso de meios mecânicos; Nunca transporte volumes que impeçam a sua visão; Ao movimentar volumes em duas ou mais pessoas, planeje antes os movimentos a serem feitos; Ao utilizar escadas, carregando volumes, dobre a atenção;  Segure os objetos com firmeza, protegendo suas mãos de batidas contra paredes, cantos vivos, batentes de porta, etc..
  • 23. MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS  Proteja as mãos quando o objeto a ser transportado possuir arestas cortantes, superfícies ásperas, farpas, etc.;  Ao fazer empilhamentos, verifique antes se a área de apoio tem condições de suportar a carga. Faça as pilhas de acordo com a forma dos volumes ;  Quando você tiver dúvidas quanto ao transporte e empilhamento de materiais, não se arrisque, pergunte aos seu supervisor.
  • 24. POSTURA ADEQUADAPOSTURA ADEQUADA POSTURA CORRETA: Costas apoiadas; Cabeça na vertical (posição neutra); Monitor na vertical, com altura e distância correta; Punhos e antebraços apoiados em almofada ergonômica; Pés corretamente apoiados, corrigem a postura; POSTURA INCORRETA: Costas sem apoio; Cabeça inclinada; Monitor inclinado e muito próximo; Punhos e antebraços sem apoio (no ar); Pés para trás sem apoio e tórax para frente;
  • 26. E P IE P I EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL TREINAMENTO DE USO E HIGIENIZAÇÃOTREINAMENTO DE USO E HIGIENIZAÇÃO
  • 27. NR 6 – Equipamento de Proteção Individual EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL É todo meio ou dispositivo de uso individual, destinado a proteger a saúde e a integridade física do trabalhador. Quando não for possível eliminar o risco, ou neutralizá-lo através de medidas de proteção coletiva, implanta-se o Equipamento de Proteção Individual - EPI.
  • 28.  Usá-lo apenas para a finalidade a que se destina;  Responsabilizar-se por sua guarda e conservação;  Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso. EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR QUANTO AO EPI  Adquirir o tipo adequado à atividade do empregado;  Fornecer ao empregado somente EPI aprovado pelo Ministério do Trabalho;  Treinar o trabalhador sobre o seu uso adequado;  Tornar obrigatório o seu uso;  Substituí-lo, imediatamente, quando danificado ou extraviado;  Responsabilizar-se pela sua higienização e manutenção periódica. OBRIGAÇÕES DO EMPREGADO QUANTO AO EPI
  • 29. RESPONSABILIDADES A legislação trabalhista prevê:  A empresa poderá ser responsabilizada, além de ser multada pelo Ministério do Trabalho.  O funcionário está sujeito a sanções trabalhistas podendo até ser demitido por justa causa.  É recomendado que o fornecimento de EPI, bem como treinamentos ministrados, sejam registrados através de documentação apropriada para eventuais esclarecimentos em causas trabalhistas. EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 30. PROTEÇÃO AUDITIVA PROTETOR AURICULAR INSERÇÃO Utilizado por todos os funcionários no setor fabril, inclusive pelos funcionários administrativos e visitantes, quando em deslocamento pela gráfica. Deverá ser trocado a cada 4 meses de uso contínuo EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 31. LUVA NITRÍLICA Deve ser utilizada na manipulação de qualquer produto químico; Não sendo possível a utilização de luvas, use o creme de proteção para as mãos; A luva nitrílica poderá ser utilizada em conjunto com o creme de proteção para a pele; Está PROIBIDO o contato direto das mãos com os produtos químicos. EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 32. CREME DE PROTEÇÃO  O creme de proteção é de uso contínuo em todos os setores, principalmente quando não é possível a utilização das Luvas (Ex.: Na limpeza de rolaria em movimento);  Deve ser aplicados com as mãos limpas, antes de iniciar o trabalho, aplicando uma pequena quantidade de creme sobre as mãos, inclusive unhas e cutículas, bem como entre os dedos, esfregando bem até o desaparecimento total do creme;  Em caso de irritação da pele, suspender o uso e procurar o serviço Médico da empresa. EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 33. RESPIRADOR DESCARTÁVEL O Respirador Descartável deverá utilizados em trabalhos que haja exposição a agentes químicos, tais como poeiras, névoas e vapores orgânicos; Para sua eficácia, o respirador deverá ser utilizado de forma correta, seguindo as orientações fornecidas quanto ao uso. EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 34.  Verifique se o respirador e filtros estão em boas condições;  Para colocar o respirador, retire os óculos (caso use). Então segure a parte frontal do mesmo com uma das mãos e o tirante superior com a outra mão. Então coloque a parte mais larga da máscara sob o queixo; RESPIRADOR SEMI-FACIAL COM FILTRO QUÍMICO EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL  Posicione a parte estreita do respirador sobre a curva do nariz e coloque o sistema de tiras suspensas sobre a cabeça. Prenda o fecho atrás do pescoço e ajuste a posição da máscara sobre a face deixando-a em uma posição confortável.
  • 35.  Ajuste os óculos até que estejam confortavelmente fixos;  Não armazená-lo próximo a temperatura extrema, bem como locais contaminados por produtos químicos e materiais que possam riscar a lente;  Não colocar o equipamento, sobre qualquer superfície, com a lente voltada para baixo;  Evite contato com a lente, segure-o pelas hastes para não sujá-lo. Mantê-lo sempre em perfeitas condições de higiene, lavando-o com sabão neutro quando necessário;  Caso haja necessidade, serão fornecidos óculos com lentes graduadas, de acordo com a recomendação médica. ÓCULOS DE PROTEÇÃO EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 36. CALÇADO DE SEGURANÇA  Não armazená-lo próximo a temperatura extrema.  Mantê-lo sempre em perfeitas condições de higiene, realizar manutenção periódica no equipamento, com aplicação de pasta adequada para conservação de couros;  Jamais calçar o equipamento como se fosse um chinelo, ou seja, dobrando a parte traseira do mesmo e pisando com o calcanhar;  Quando fora de uso, guardá-lo em local seguro para evitar furto por outras pessoas. EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 37. Alguns EPI´s devem ser lavados e guardados corretamente, para assegurar maior vida útil. Outros devem apenas ser mantidos limpos. HIGIENIZAÇÃO DO EPI PROTETOR AURICULAR DE INSERÇÃO REUTILIZÁVEL  O funcionário deve lavar o Protetor Auricular de Inserção diariamente.  A lavagem deve ser feita de forma cuidadosa, preferencialmente com sabão neutro.  O uso de alvejantes não é recomendado, pois vai danificar o equipamento. CALÇADO DE SEGURANÇA  Usá-los sempre com meias de algodão;  Lavar no mínimo uma vez por mês;  Antes de calçar, polvilhe com talco anti-séptico. EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALEPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
  • 38. REGRAS GERAISREGRAS GERAIS  NÃO OBSTRUIR OS EQUIPAMENTOS DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO;  NÃO TRANSITAR NA PRODUÇÃO COM CALÇADO COM SALTO, CHINELOS, BERMUDA, MINI-SAIA;  O USO DO PROTETOR AURICULAR É OBRIGATÓRIO EM TODOS OS SETORES;  NÃO CIRCULE POR ENTRE AS MÁQUINAS, QUANDO SE DESLOCAR PELOS SETORES;  NAS RUAS DAS ÁREAS EXTERNAS, TRANSITAR PELAS CALÇADAS;  OBSERVE E RESPEITE AS SINALIZAÇÕES DE SEGURANÇA;  PARA OS FUMANTES, UTILIZE AS ÁREAS DEMARCADAS.;  AO FUMAR NÃO JOGUE BITUCA NO CHÃO OU NOS RALOS;  NÃO CORRER NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA;  NÃO ADENTRAR À GALERIA SEM AUTORIZAÇÃO;  NÃO JOGAR LIXO NO CHÃO. Fique alerta. Siga todas as regras e sinalizações de segurança:
  • 39. PREVENÇÃO E COMBATEPREVENÇÃO E COMBATE ÁÁ INCÊNDIOSINCÊNDIOS
  • 40. Grupo de Funcionários voluntários e devidamente treinados para prevenir e combater princípio de incêndios. Os Membros da Brigada são identificados pelas camisetas e bonés (cor vermelha). BRIGADA DE EMERGÊNCIA
  • 41. Você deve colaborar na prevenção contra incêndio, observando as seguintes REGRAS: Não fume no local de trabalho; Não jogue palitos de fósforo ou pontas de cigarro acesas em qualquer lugar; Sempre que você notar algo perigoso que possa envolver um risco de incêndio avise a Segurança, BRIGADISTAS, e/ou a CIPA; Nunca obstrua os extintores de incêndio, hidrantes e alarmes. BRIGADA DE EMERGÊNCIA Obs.: É permitido fumar somente em áreas abertas, desde que não jogue bituca no chão. (Lei 13.541/2009)
  • 42. EXTINTORES, HIDRANTES E ALARMESEXTINTORES, HIDRANTES E ALARMES Os extintores estão distribuídos pelos setores conforme o material combustível existente no local. Todos os andares do prédio possuem hidrantes, que deverá ser utilizado por pessoas devidamente treinadas. Em caso de emergência acione o alarme. Quebre o vidro com o martelo e informe o tipo de ocorrência. OBS.: Caso tenha utilizado algum extintor, comunique imediatamente a Segurança do Trabalho. EQUIPAMENTOS DE EMERGÊNCIA Caso utilize os extintores, siga as instruções de uso do rótulo.
  • 43. P A EP A EPLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIALPLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIAL PLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIALPLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIAL
  • 44. O que é umO que é um PPlano delano de AAçãoção EEmergencial?mergencial?  O Plano de Ação Emergencial - PAE é programa desenvolvido pela empresa para determinar procedimentos de respostas a emergências e definir as responsabilidades e ações de cada um mediante essas situações.  O plano deve proporcionar aos colaboradores da empresa preparação para uma resposta rápida, eficiente e segura em situações de emergências, priorizando a proteção efetiva da vida, a segurança e o bem estar do público, dos colaboradores, a prevenção do meio ambiente, da reputação e da imagem da empresa e de seus acionistas.  O programa visa também designar a equipe que administrará a emergência, definir relação e responsabilidade da equipe de atendimento a emergências, os procedimentos a serem seguidos em caso de uma emergência, documentar todos os recursos utilizados nas ações de controle e extinção da emergência e cumprir a lei e normas vigentes. PLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIALPLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIAL
  • 45. Procedimentos Gerais em caso deProcedimentos Gerais em caso de AbandonoAbandono Recomendação: Observe atentamente a sua área de trabalho e memorize a sua via de escape. As regras recomendadas para as situações de emergência devem ser lidas periodicamente. Lembre-se que na hora da emergência, não há tempo para leitura de instruções. Orientações a serem adotadas durante a execução do plano de abandono: Ao soar o alarme de emergência ou pela ação dos brigadistas, deverão ser tomadas as seguintes providências: desligue os equipamentos elétricos que estava utilizando; pegue somente seus pertences pessoais (de mão); dirija-se a porta de saída de emergência mais próxima; dirija-se ao ponto de concentração mais próximo de sua localidade (local pré- determinado pelo plano de Abandono), sem correr, sem empurrar; mantenha a calma (evite acidentes, tumulto e pânico); oriente os visitantes, explique o que está ocorrendo, leve-o para a fila e coloque- o à sua frente; feche todas as portas que for deixando para trás; ande em fila indiana, mantendo-se em ordem; se você ficar preso em meio à fumaça, respire pelo nariz, em rápidas inalações. Se possível, molhe um lenço e utilize-o como máscara improvisada. Procure rastejar para a saída, pois o ar é sempre melhor junto ao piso; PLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIALPLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIAL
  • 46.  sabendo que algum funcionário tenha faltado ao trabalho, avise o coordenador;  caso você esteja em um setor que não seja o seu, junte-se ao grupo desse setor;  caso você esteja numa área que não seja a sua, mas faz parte da brigada de emergência, procure auxiliar na evacuação do estabelecimento;  mantenha distância de 01 braço da pessoa que estiver à sua frente;  seriedade é fundamental, evite barulho desnecessário;  nunca se tranque em salas ou sanitários, não tire as roupas, pois as mesmas estarão protegendo seu corpo;  durante a execução do abandono não Fume!  não interrompa por nenhum motivo o processo de saída;  NÃO RETORNE às dependências do local da ocorrência;  ao chegar no local do ponto de concentração pré-determinado, mantenha-se em ordem e devidamente disciplinado;  aguarde as instruções do Chefe da Brigada, todo pessoal será conferido pelos BRIGADISTAS no ponto de encontro; somente retorne ao seu trabalho após a liberação do coordenador geral;  obedecendo as orientações da Brigada de Emergência você estará seguro e salvo, siga-as e respeite-as. PLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIALPLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIAL
  • 47. Quando em caso de abandono da área, parcial ou total, seguir as orientações do Brigadista ao dirigir-se aos Pontos de Concentração, nº1 (Estacionamento Diretoria) e/ou nº2 (Estacionamento Funcionários), permanecendo nestes pontos até a definição final. Ponto dePonto de ConcentraçãoConcentração PLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIALPLANO DE AÇÃO EMERGÊNCIAL
  • 48. EVITE DESPERDÍCIOS:  QUANDO POSSÍVEL, REUTILIZE OS MATERIAIS DE ESCRITÓRIO (ENVELOPES, PAPÉIS, PASTAS, ETC);  ECONOMIZE CLIPS;  NÃO IMPRIMA ANTES DE VERIFICAR A REAL NECESSIDADE;  TIRE CÓPIAS SOMENTE DAQUILO QUE SE FAZ NECESSÁRIO. A BURTI É CERTIFICADA PELO FSC! O MEIO AMBIENTE AGRADECE!O MEIO AMBIENTE AGRADECE! MEIO AMBIENTEMEIO AMBIENTE BOAS PRÁTICAS
  • 49. Seg. Patrimonial– 113Seg. Patrimonial– 113 Ambulatório – 139Ambulatório – 139 Seg.Trabalho – 192Seg.Trabalho – 192 Telefones de Emergências -Telefones de Emergências - InternoInterno