Aenf02.10

153 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
153
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aenf02.10

  1. 1. AS ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM DURANTE O PRÉ-NATAL Ronaldo Adriano Silva de Almeida1 Karine de Oliveira Gonçalves1 Neiva Teixeira Santos Oliveira1 Paula dos Santos Silva1 Raquel Gonçalves B. Soares1 Maria Madalena Matos Torres2RESUMOO pré-natal é o acompanhamento que a mulher recebe durante o períodogestacional, é um momento de execução da educação em saúde pela equipede enfermagem que se faz através de orientações acerca do ciclo gravídico epuerperal. Este trabalho tem como principal objetivo enfatizar as principaisorientações de enfermagem prestadas durante o pré-natal. Foi realizadoatravés de um estudo de revisão bibliográfica com base em literatura impressae online. As principais orientações encontradas foram sobre dúvidas e queixasrelacionadas a modificações fisiológicas da gestação, trabalho de parto,cuidados com RN, programas e políticas de saúde.PALAVRAS-CHAVE: Orientações, pré-natal, enfermagem.1. INTRODUÇÃO A assistência pré-natal tem merecido destaque crescente e especial naatenção à saúde materno-infantil, que permanece como um campo de intensapreocupação na história da Saúde Pública. No Brasil, a persistência de índicespreocupantes de indicadores de saúde importantes, como os coeficientes demortalidades maternos e perinatal, tem motivado o surgimento de um leque depolíticas públicas que focalizam o ciclo gravídico-puerperal.1 Acadêmicos do curso de Enfermagem da Faculdade São Francisco de Barreiras. Email:rony_adri@hotmail.com²Enfermeira docente do curso de enfermagem da FASB. Especialista em Saúde Coletiva(ISC/UFBA) e auditoria de Sistemas de Saúde (Faculdade Estácio de Sá/ RJ). Email:madalena@fasb.edu.br
  2. 2. Entretanto, essas políticas têm se fundamentado principalmente no incrementoda disponibilidade e do acesso ao atendimento ao pré-natal. O pré-natal pode ser entendido como o acompanhamento que agestante recebe desde a concepção do feto até o início do trabalho de parto,durante este período a execução da educação em saúde pela equipe deenfermagem se faz de forma contínua através de informações acerca dagravidez, do feto,das modificações morfofisiológicas da gestante, bem comosobre trabalho de parto e cuidados pós-natal. A assistência pré-natal não deve se restringir às ações clínico-obstétricas, mas incluir as ações de educação em saúde na rotina daassistência integral, assim como aspectos antropológicos, sociais, econômicose culturais, que devem ser conhecidos pelos profissionais que assistem asmulheres grávidas, buscando entendê-las no contexto em que vivem, agem eregem. A escolha do tema se justifica pelo fato do profissional de enfermagemestar, cada vez mais, se responsabilizando por conduzir e acompanhar amulher durante o ciclo gravídico, através dos programas de atenção básica quedão autonomia ao enfermeiro, contudo fica claro a necessidade desteprofissional se capacitar técnico-cientificamente para assumir estaresponsabilidade proposta. Considerando que a assistência à gestante, prestada pelo enfermeirodurante o pré-natal, inclui ações educativas que se fazem sob forma deorientações, toma-se como pergunta o seguinte: Quais as principaisorientações prestadas à gestante pelo enfermeiro durante o pré-natal? Este trabalho tem como principal objetivo geral enfatizar as principaisorientações de enfermagem prestadas durante o pré-natal. No intuito de atingiro objetivo geral deste trabalho, temos como objetivos específicos: Definir osconceitos e importância da educação em saúde, demonstrar as ações e asprincipais orientações que o enfermeiro deve prestar durante o pré-natal. Este trabalho é um estudo revisão bibliográfica que, segundo Barros eLehfeld (2000), proporciona a aquisição de conhecimentos a partir do emprego
  3. 3. predominante de informações advindo de material gráfico sonoro einformatizado. É de caráter exploratório que, segundo Gil (1996), proporcionamaior familiaridade com o problema. Para o cumprimento da pesquisa optou-sepor consultas bibliográficas impressas e online relacionadas ao tema: Asorientações de enfermagem durante o pré-natal.2. DESENVOLVIMENTOEDUCAÇÕES EM SAÚDE A promoção da saúde é definida como o processo que permite aspessoas adquirir maior controle sobre sua própria saúde, sobre osdeterminantes da saúde e, ao mesmo tempo, melhorá-la. Sem dúvida apromoção à saúde tem tido grande importância na construção do SUS uma vezque chama a atenção e reclama pela a ampliação das práticas sanitárias, adiversificação e qualificação do leque de ofertas, assim como, também, danecessidade de estabelecer processos de intervenção marcados pelaintersetorialidade e interdisciplinaridade (ROCHA; CESAR, 2008). A ação educativa envolve o processo ensino-aprendizagem que émediado pela comunicação. Comunicar significa estabelecer o entendimento,compartilhar idéias e/ou sentimentos, trocar informações entre fonte e receptorda mensagem. Pode-se dizer que ocorre a aprendizagem quando existe arecepção da mensagem, sua compreensão e posterior aproveitamento eincorporação ao universo conceitual e ou comportamental do indivíduo(ROCHA; CESAR, 2008). Para que ocorra educação é necessária a interação entre ambas aspartes como afirma-se abaixo: A ação educativa não implica somente na transformação do saber, mas também na transformação dos sujeitos do processo, tanto dos técnicos quanto da população. O saber de transformação só pode produzir-se quando ambos os pólos da relação dialógica também se transformam no processo (SÃO PAULO, 2001, p. 28). Ainda para São Paulo (2001) a comunicação é um processo dinâmico, oque significa que, embora seus elementos sejam colocados em diferentes
  4. 4. “modelos” como partes separadas, na realidade todos eles agem de maneirasimultânea e interativa, em constante fluxo, movimento e dinamismo em umdeterminado contexto social. Para o profissional da saúde, a comunicação dialógica permitiráestabelecer relações de confiança que contribuam para identificar causas, fazerum diagnóstico preciso, discutir soluções que se coadunem melhor com o estilode vida de cada pessoa (ROCHA; CESAR, 2008). Diante deste contexto destaca-se a importância dos profissionais deEnfermagem que prestam cuidados no pré-natal podendo contribuir com açõeseducativas para um bom curso da gravidez com orientações acerca demodificações morfofisiológicas, trabalho de parto, cuidados com o RN, entreoutros. O principal objetivo da atenção pré-natal e puerperal é acolher a mulherdesde o início da gravidez, assegurando, no fim da gestação, o nascimento deuma criança saudável e a garantia do bem-estar materno e neonatal (BRASIL,2006). Uma atenção pré-natal e puerperal qualificada e humanizada se dá pormeio da incorporação de condutas acolhedoras e sem intervençõesdesnecessárias; do fácil acesso a serviços de saúde de qualidade, com açõesque integrem todos os níveis da atenção: promoção, prevenção e assistência àsaúde da gestante e do recém-nascido, desde o atendimento ambulatorialbásico ao atendimento hospitalar para alto risco. (BRASIL, 2006).PRÉ-NATAL O pré-natal pode ser entendido como o acompanhamento que agestante recebe desde a concepção do feto até o início do trabalho de parto,durante este período a execução da educação em saúde pela equipe deenfermagem se faz de forma contínua através de informações acerca dagravidez, do feto, das modificações morfofisiológicas da gestante, bem comosobre trabalho de parto e cuidados pós-natal (ANDRADE; DUARTE, 2008).
  5. 5. No início do acompanhamento pré-natal, a gestante deve ser informadasobre o agendamento das consultas, sobre a importância da assiduidade esobre a duração da consulta inicial, mais demorada do que as consultas futuras(BARROS, 2006). De acorde Brasil 2006, o número de consultas, preconizada pelaOrganização Mundial de Saúde, não deve ser inferior a seis. Até 28ª semana de gestação mensal. Da 28ª até a 36ª semana quinzenal. Da 36ª semana até o parto semanal. Estados e municípios, por meio das unidades integrantes de seu sistema desaúde, devem garantir atenção pré-natal e puerperal realizada emconformidade com os parâmetros estabelecidos como a captação precoce dasgestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias dagestação; Realização de, no mínimo, seis consultas de pré-natal, sendo,preferencialmente, uma no primeiro trimestre, duas no segundo trimestre e trêsno terceiro trimestre da gestação (BRASIL, 2006).ORIENTAÇÕES DE ENFERMAGEM De acordo com Brasil 2006, durante o pré-natal e no atendimento após oparto, a mulher, ou a família, devem receber informações sobre os seguintestemas: Importância do pré-natal; Cuidados de higiene; A realização deatividade física, de acordo com os princípios fisiológicos e metodológicosespecíficos para gestantes. Orientações sobre exercícios físicos básicosdevem ser fornecidas na assistência pré-natal e puerperal. Uma boapreparação corporal e emocional capacita a mulher a vivenciar a gravidez comprazer, permitindo-lhe desfrutar plenamente seu parto. De acordo o mesmo autor citado acima deve-se orientar sobre ossintomas mais comuns na gravidez e as queixas mais freqüentes; Sinais dealerta e o que fazer nessas situações: (sangramento vaginal, dor de cabeça,transtornos visuais, dor abdominal, febre, perdas vaginais, dificuldaderespiratória e cansaço); Preparo para o parto, planejamento individual
  6. 6. considerando local, transporte, recursos necessários para o parto e para orecém-nascido, apoio familiar e social; Orientações e incentivo para o partonormal, resgatando-se a gestação, o parto, o puerpério e o aleitamentomaterno como processos fisiológicos; Incentivar o protagonismo da mulher,potencializando sua capacidade inata de dar à luz. Brasil (2006), aborda a orientação e o incentivo para o aleitamentomaterno e orientação específica para as mulheres que não poderãoamamentar; Importância do planejamento familiar num contexto de escolhainformada, com incentivo à dupla proteção; Sinais e sintomas do parto;Cuidados após o parto com a mulher e o recém-nascido, estimulando o retornoao serviço de saúde; Saúde mental e violência doméstica e sexual.Como orientar a gestante com relação aos desconfortos mais freqüentes. Para Barros 2006, as principais orientações prestadas à gestantedurante o pré-natal são:-Náusea e vômito: Comer carboidratos secos ao acordar; permanecer na camaate a sensação desaparecer; fazer de cinco a seis pequenas refeições por dia,deixar a ingesta de líquidos para os intervalos; evitar alimentos fritos,temperados, com o odor forte, gordurosa ou formadores de gases; evitar que oestomago fique vazio ou sobrecarregado.-Aumento da urgência e da freqüência urinaria: Esvaziar regulamente a bexiga;limitar a ingesta de líquidos antes de deitar; comunicar a sensação de dor ouardência ao profissional de saúde.-Leucorréia: Adotar práticas higiênicas após a micção ou a evacuação.-Pirose: Fazer cinco a seis pequenas refeições por dia; evitar alimentosgordurosos ou formadores de gases; comunicar ao profissional de saúde, casopersista para a prescrição de antiácido a base de hidróxido de alumínio emagnésio; comer alimentos de fácil digestão no jantar.-Constipação: Beber de seis a oito copos de água por dia; incluir na dietaalimentos ricos em fibras; manter um horário regular para a evacuação; realizarexercícios físicos moderados.
  7. 7. -Dor lombar: Manter uma boa postura; evitar movimentos bruscos; evitar afadiga aplicar calor local e massagens nas costas; repousar; usar sapatos desalto baixo.-Falta de ar: Manter uma boa postura; dormir com a cabeceira da camaelevada; evitar sobrecarregar o estômago.-Inchaço no tornozelo: Repousar periodicamente com elevação de membrosinferiores; usar meias elásticas ; realizar exercícios físicos moderados; evitarficar de pé ou sentado por longos períodos; manter uma boa postura; evitarroupas apertadas.-Câimbras: Manter uma boa postura evitar movimentos bruscos; evitar sapatosapertados e de saltos altos.-Ansiedade e Oscilação do humor: Falar sobre as preocupações com aenfermeira que acompanha o pré-natal, com o parceiro e/ou com a família;participar de grupos educativos para gestantes (BARROS, 2006).RESULTADOS E DISCUSSÃO Com base na literatura pesquisada ficou claro que a educação comoinstrumento de promoção da saúde assume espaço de grande importância coma implementação do SUS. O processo de ensino e aprendizagem requer autilização de uma linguagem clara e acessível para uma boa comunicação etransmissão de informações de forma efetiva. De acordo com publicações do ministério da saúde o principal objetivoda atenção pré-natal e puerperal é acolher a mulher desde o início da gravidez,assegurando, no fim da gestação, o nascimento de uma criança saudável e agarantia do bem-estar materno e neonatal. Diante deste contexto destaca-se aimportância dos profissionais de Enfermagem que prestam cuidados no pré-natal podendo contribuir com ações educativas. No entanto para que isto serealize é necessária a capacitação técnico-científica por parte deste profissionalque deve buscar informações a cerca de todo processo gravídico e puerperalpara prestar uma assistência qualificada e humanizada.
  8. 8. As principais orientações prestadas devem abordar os seguintes temas:Importância do pré-natal; Cuidados de higiene; A realização de atividade física,de acordo com os princípios fisiológicos e metodológicos específicos paragestantes; Fornecer orientações sobre a nutrição; Modificações corporais eemocionais; Medos e fantasias referentes à gestação e ao parto, atividadesexual, incluindo prevenção das DST/AIDS; Sinais de alerta e o que fazernessas situações (sangramento vaginal, dor de cabeça, transtornos visuais, dorabdominal, febre, perdas vaginais, dificuldade respiratória e cansaço); Preparopara o parto, planejamento individual considerando local, transporte, recursosnecessários para o parto e para o recém-nascido, apoio familiar e social;Orientações e incentivo para o parto normal e o aleitamento materno comoprocessos fisiológicos; Orientação e incentivo para o aleitamento materno eorientação específica para as mulheres que não poderão amamentar;Importância do planejamento; Sinais e sintomas do parto; Cuidados após oparto com a mulher e o recém-nascido, estimulando o retorno ao serviço desaúde; Impacto e agravos das condições de trabalho sobre a gestação, o partoe o puerpério; Importância das consultas puerperais; Cuidados com o recém-nascido; Importância da realização da triagem neonatal (teste do pezinho) naprimeira semana de vida do recém-nascido; Importância do acompanhamentodo crescimento e desenvolvimento da criança, e das medidas preventivas(vacinação, higiene e saneamento do meio ambiente) (BRASIL, 2006). Dentre as principais queixas encontradas durante o pré-natal que aliteratura aborda estão: Náuseas e vômitos, aumento da urgência e dafreqüência urinaria, leucorréia, pirose, constipação, dor lombar, falta de ar,inchaço no tornozelo, câimbras, ansiedade e oscilação do humor. Diantedestas queixas o enfermeiro deve estar capacitado com base científica paraorientar conforme a literatura cita acima.3. CONCLUSÃO Podemos concluir, com este estudo, que o pré-natal é uma forma de seidentificar, prevenir e intervir sobre os agravos durante a gestação, mas, é alémde tudo, um espaço para se executar o processo de educação em saúde comos fundamentos da atenção básica preconizados pelo SUS. Durante as
  9. 9. consultas o profissional de enfermagem tem a oportunidade de ouvir, de formaativa, as principais queixas e dúvidas apresentadas pela gestante e assimpoder orientar de forma correta no intuito contribuir para um curso gravídicomaterno-infantil saudável. Além de orientar sobre dúvidas e queixas, oprofissional orienta, também, sobre modificações fisiológicas da gestação,trabalho de parto, cuidados com RN, programas e políticas. Este trabalho foi de fundamental importância para chamar atenção aosbenefícios de uma assistência qualificada e humanizada que o pré-natal podetrazer, bem como sobre o papel do enfermeiro como profissional educador eprovedor de saúde, devendo, para isto, estar cada vez mais capacitado paraassumir a responsabilidade de acompanhar e executar a as ações do pré-natal. As ações educativas prestadas durante o pré-natal requerem a utilizaçãode linguagem clara, acessível e objetiva para que sejam efetivas e querealmente contribuam para um bom curso gravídico, assim sugerimospesquisas que tenham como objetivo avaliar o grau de assimilação, por partedas gestantes, das orientações prestadas durante o pré-natal. Dessa formaserá possível identificar e intervir nas possíveis falhas existentes e melhorar aassistência de enfermagem neste período.
  10. 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASBARROS, A.J.S; LEHFELD, N.A.S. Fundamentos da Metodologia Científica,2.ed. São Paulo, Pearson Makron Books , 2000.BARROS, S. M. O. Enfermagem no Ciclo Gravídico-Puerperal. Barueri-SP:Manole, 2006.BRASIL. Ministério da Saúde. Pré-natal e Puerpério: Uma AtençãoQualificada e Humanizada, 3.ed. Brasília, 2006.DUARTE, S. J. H; ANDRADE, S. M. O. O Significado do Pré-natal ParaMulheres Grávidas:Uma Experiência no Município de Campo Grande,Brasil. São Paulo 2008. Disponível em, www.scielo.br, Acesso em: 28 desetembro 2009.GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4.ed. São Paulo, Atlas,2007.ROCHA, A. A; CÉSAR, C. L. G. Saúde Pública. São Paulo, Ateneu, 2008.SÃO PAULO. Secretaria de Saúde. Manual para Operacionalização dasAções Educativas no SUS. São Paulo, 2001.SILVA, J. C; Manual Obstétrico: Um Guia Prático Para aEnfermagem. 2.ed.São Paulo, Corpus, 2007.TREVISON, M. R et all. Perfil da Assistência Pré-natal Entre Usuários doSistema Único de Saúde em Caxias do sul. Revista Brasileira de Ginecologiae Obstetrícia. v.24, n 5, p.293-299. Jun. 2002. Disponível em, www.scielo.br,Acesso em: 28 de setembro 2009.

×