SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
SISTEMATIZAÇÃO DA
ASSISTÊNCIA DE
ENFERMAGEM
Profa. Maria Socorro Carneiro Linhares
2019.2
S-3 - 40 HORAS
Ementa: Teorias de Enfermagem. Sistematização da
Assistência de Enfermagem e Processo de Enfermagem.
Diagnósticos de Enfermagem (NANDA), NOC, NIC e
CIPE/CIPESC.
Competências :
• Unidade I –
Teorias de Enfermagem
• Conhecer os modelos teóricos para a atuação das práticas de enfermagem
• Compreender a influência das Teorias de Enfermagem nos processos cuidativos
• Conhecer a CIPE/CIPESC.
• Unidade II– SAE X Processo de Enfermagem: aspectos gerais
• Explicar como o processo de enfermagem oferece uma forma dinâmica de promover o
pensamento crítico;
• Identificar os benefícios do uso da SAE;
• Reconhecer as qualidades exigidas ao enfermeiro para ser competente na SAE;
• Descrever os princípios éticos e sua aplicabilidade na defesa dos direitos do indivíduo;
• Aplicar o Processo de Enfermagem;
• Desenvolver o raciocínio crítico com a identificação dos Diagnósticos de Enfermagem.
Programa das aulas
Data Atividade Professor
04/12/
ABCD- IJKL
Processo de Enfermagem e SAE- Etapas do processo
de Enfermagem
Diagnóstico de Enfermagem- Definições e
Classificações (NANDA)
Socorro
Carneiro
05/12
ABCD- IJKL
Teorias de Enfermagem Rosemiro
06/12
ABCD- IJKL
Teorias de Enfermagem X SAE Rosemiro
10/12
ABCD
Classificação da Classificação dos Resultados (NOC)
e Intervenções de Enfermagem (NIC)
Implementação e Avaliação da SAE
Socorro
Carneiro
11/12
ABCD
IJKL
Diagnóstico de Enfermagem- Definições e
Classificações CIPE/CIPESC.
Integração da SAE –NANDA-NIC-NOC e
CIPE/CIPESC (Avaliação)
Socorro
Carneiro
15/01/2020
ABCD
Seminário de Avaliação da SAE-Estudo de casos com
SAE
Socorro
Carneiro
METODOLOGIA
Exposições dialogadas; Oficinas de trabalho; Estudos dirigidos;
Seminários.
AVALIAÇÃO
Avaliações com questões objetivas conforme as provas do ENADE,
Estudo de Caso com base na SAE e Teorias de Enfermagem
1ª AP – Prova escrita, questões aberta e fechadas.
2ªAP – Trabalho de grupo (Teorias de enfermagem)
3ª AP – Estudo com aplicação da SAE.(casos identificados nas
vivências da AESI)
Avaliação por frequência: 75% de presença e cumprimento de
atividades programadas
Bibliografia
• GEORGE, JULIA B. Teorias de Enfermagem - Os fundamentos à prática profissional – 4ª ed. Artmed.2000
• HORTA, W.A. Processo de enfermagem. São Paulo, EPU, 2002.
• CHANES,MARCELO. SAE Descomplicada - Sistematização da Assistência De Enfermagem.1ª. Ed.
Guanabara Koogan.2018
• ALFARO-LEFEVRE, R. Aplicação do processo de enfermagem: fundamentos para o raciocínio clínico.Porto
Alegre: Artmed, 2014. 8 ed. 271 p.
• TANNURE, M. C.; GONÇALVES, A. M. P. SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem: guia
prático. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2 ed. 2010.
• Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2018 – 2020 / [NANDA Internacional].
Porto Alegre: Artmed, 11 ed. 2018.
• CARPENITO-MOYET, L.J. Manual de diagnósticos de enfermagem. 10ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
• MOORHEAD, S. et al. NOC - Classificação dos Resultados de Enfermagem. Elsevier. 5 ed. 2016. 172p.
• GARCIA, Tela Ribeiro e EGRY, Emiko Yoshikawa. Integralidade da Atenção no SUS e Sistematização da
Assistência de Enfermagem. Porto Alegre: Artmed.2010
• BRAGA, Criatiane Giffoni; SILVA, José Vitor da Silva. (Org.). Teorias de enfermagem no processo de cuidar.
2ed.São Paulo: Iátria, 2016.
• MARION JOHNSON... [et al.; Ligações NANDA - NOC - NIC: condições clínicas: suporte ao raciocínio e
assistência de qualidade/ tradução de Soraya Imon de Oliveira... et al.]. - Rio de Janeiro: Elsevier,
2012.422p.: 23 cm
• MOHALLEM, ANDREA GOMES DA COSTA; FARAH, OLGA GUILHERMINA DIAS .. . et al . Enfermagem
pelo método de estudo de casos. Barueri, SP: Manole, 2011
• Processo de enfermagem: guia para a prática / Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo ; Alba
Lúcia B.L. de Barros... [et al.] – São Paulo : COREN-SP, 2015.
Bibliografia
(complementar)
• ANDRIS, D.A. et.al. Semiologia: bases para a prática assistencial. Trad.
Carlos Henrique Cosendey. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.
• CARPENITO, L. J. Planos de cuidados de enfermagem e documentação:
diagnósticos de enfermagem e problemas colaborativos. Porto Alegre:
Artmed, 2006.
• POSSO, M.B.S. Semiologia e Semiotécnica de Enfermagem. São Paulo:
Atheneu, 2004.
• MARIA, V.L.R; MARTINS I; PEIXOTO, MSP. Exame Clínico de Enfermagem
do Adulto. 1ª Ed.São Paulo: Iátria, 2003.
A enfermagem como profissão, sua identidade e
autonomia e o uso da Sistematização da Assistência
de Enfermagem
Profa Socorro Carneiro-2019.2
Quem é o enfermeiro e o
quê ele faz?
Vamos analisar
• “Sou enfermeiro, trabalho em uma unidade de
oncopediatria e asseguro a humanização no
atendimento à criança por meio da brinquedoteca,
espaço no qual, de maneira lúdica, dramatizo os
procedimentos aos quais a criança será submetida
no dia seguinte. Isso facilita a adesão ao
tratamento. Ainda com orientações simples, mas
objetivas e clara, oriento, educo os pais para que
estejam seguros de que os procedimentos são
necessários para a criança e de que a equipe está
capacitada para realizá-los.”
Situou o contexto do
trabalho
Sou enfermeiro, trabalho em uma unidade de
oncopediatria
Compromisso asseguro a humanização no atendimento à
criança
Recurso por meio da brinquedoteca
Método do trabalho de maneira lúdica, dramatizo os procedimentos
aos quais a criança será submetida no dia
seguinte
Meta Isso facilita a adesão ao tratamento
Método e Recursos Ainda com orientações simples, mas objetivas
e clara
Método do trabalho e
expressão de quem vai
além do compromisso
Oriento e educo os pais para que estejam
seguros de que os procedimentos são
necessários
Meta para a criança e de que a equipe está
capacitada para realizá-los
CEPE (2007) ; Horta (1979)
> Profissão comprometida
com saúde do ser humano
e coletividade.
> Atua na promoção,
prevenção, recuperação e
reabilitação das pessoas.
> Respeito aos princípios
éticos e legais.
> Ciência e arte de cuidar
do ser humano no
atendimento de suas
necessidades humanas
básicas.
> Torná-lo independente
da assistência pelo ensino
do autocuidado
O tripé da enfermagem
Enfermagem
Identidade
Profissão
Disciplina
Saberes(valores)
Conhecimentos(apropria-se de
ados, fatos, conceitos,
investigação- “Como e por que?)
Domina os saberes; utiliza
métodos e recursos para
atingir as metas
Autoconceito de
quem é como
profissional, de suas
habilidades e
possibilidades
Enfermagem como profissão
• A enfermagem nos primórdios
era exercida por leigos e
marginalizado.
• Florence Nightingale elaborou
modelo de enfermagem,
ensinando entre outras funções,
o raciocínio crítico, a atenção às
necessidades individuais e o
respeito aos direitos do
paciente.
• Assim a enfermagem deixou de
ser uma ocupação para ser uma
profissão.
Florence Nightingale
(12.05.1820 - 13.08.1910
• A Sistematização de Assistência
Enfermagem (SAE) e o Processo
de Enfermagem(PE) configuram-
se como sistema e instrumentos
exclusivos da profissão e auxiliam
no alcance das metas
Enfermagem como ciência
• Para a enfermagem se definir como ciência foi
necessário a produção de Teorias de Enfermagem.
• As teorias de enfermagem procuram definir o cuidado
e o processo de cuidar, bem como os recursos e
métodos mais adequados para tanto.
• Elas surgiram por uma necessidade de busca de
identidade próprias, como resultado de uma reflexão
feita por algumas enfermeiras norte americanas que
tentavam entender suas próprias práticas.
1ª teorista da enfermagem
Florence Nightingale (12.05.1820 - 13.08.1910
Descreveu o papel do enfermeiro como alguém que deveria
colocar o paciente na melhor condição possível para a natureza
restaurar ou preservar a sua saúde
O enfermeiro dentro da
equipe de saúde...
• Cada profissão na área da saúde tem uma maneira de
descrever “o que” conhece e “como” age em relação ao que
conhece.
• Uma profissão pode ter uma linguagem comum empregada
para descrever e codificar seus conhecimentos.
o CID (médicos) e Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM).
o Os enfermeiros tratam as respostas humanas a problemas de saúde e/ou processos da
vida e usam a Taxonomia de diagnósticos de enfermagem da NANDA International,
Inc. (NANDA-I).
Classifica, organiza e
descreve os problemas de
enfermagem
Processo de Enfermagem
• É um instrumento que orienta o cuidado
de enfermagem, caracterizando uma
afirmação da prática profissional e deve
ser baseado em uma teoria que oriente
suas etapas
PROCESSO DE ENFERMAGEM
“É um instrumento metodológico que orienta o cuidado
profissional de Enfermagem e a documentação da prática
profissional”
(Resolução COFEN 358/09)
Histórico
Diagnóstic
o
Planejament
o
Implementaçã
o
Avaliação
PROCESSO DE
ENFERMAGEM
PROCESSO DE ENFERMAGEM
X
PROCESSO MÉDICO
PROCESSO MÉDICO PROCESSO DE ENFERMAGEM
Abordagem comparativa mais
limitada que investiga órgãos e
sistemas e busca mantê-los
funcionando normalmente
Abordagem ampla e holística que
investiga corpo, mente e espírito e busca
maximizar a capacidade das pessoas para
realizarem as atividades que são
importantes para elas
Considera, principalmente,
problemas com o funcionamento
de órgãos e sistemas.
Considera, principalmente, como as
pessoas são afetadas pelos problemas
Enfoca o ensino de como as
doenças e os traumas são
tratados.
Enfoca o ensino de como maximizar o
funcionamento e ser independente.
Consulta a medicina para o
tratamento de doenças ou
traumatismos.
Consulta a enfermagem para o
planejamento das atividades da vida
diária.
Principalmente envolvido com os
indivíduos, às vezes com grupos
e famílias.
Envolve-se com os indivíduos, as familias
e comunidade.
Sistemático
Dinâmico
Humanizado
Dirigido a
resultados
PROCESSO DE ENFERMAGEM
 Agiliza diagnóstico e tratamento de problemas em saúde reais e potenciais
reduzindo estadias hospitalares
 Cria um plano com eficácia de custos: sofrimento humano e financeiro
 Melhora documentação prevenindo erros, omissões e repetições
desnecessárias
 Promove flexibilidade e pensamento independente
 Elabora intervenções para a pessoa e não para doença
Autonomia Benefícios
As pessoas tem
o direito de
tomar suas
decisões
Fazer o maior
bem e evitar
danos
Tratar as pessoas
de forma
igualitária e justa
Manter as
promessas
Ser honesto
Respeitar
privacidade
Comprometer-
se com os atos
PROCESSO DE ENFERMAGEM
PROCESSO DE ENFERMAGEM
Histórico de Enfermagem
Entrevista
clínica
•Coleta de informações subjetivas, objetivas,
pregressas e atuais (problemas e
potencialidades)
Exame físico •Avaliação geral pelos
métodos propedêuticos
Exames
diagnósticos
•Evidências que
ajudam a
determinar estado
de saúde
(Alfaro; Lefevre, 2009)
INTRODUÇÃO
CORPO
FECHAMENTO
Identificação Hábitos
Meio
ambiente
Cuidado
Corporal
Eliminação Alimentação
Sono e
repouso
Atividade
física
Atividade
sexual
Lazer
ConvivÊncia
familiar
Religião
Participação
na vida
comunitária
Participação
na vida
profissional
Manutenção
da saúde
PROCESSO DE ENFERMAGEM
Histórico de Enfermagem
Necessidades Humanas Básicas
27
 NECESSIDADES FISIOLÓGICAS
Oxigenação
Nutrição
Hidratação
Higiene
Eliminações
Segurança
Conforto
Sono e repouso
Sexualidade
 NECESSIDADE DE PROTEÇÃO E SEGURANÇA
 NECESSIDADE DE AMOR E GREGÁRIA
 NECESSIDADE DE AUTOESTIMA
 NECESSIDADES DE AUTO-REALIZAÇÃO
• É uma metodologia de organização ,
planejamento e execução das ações
coerentes, pensadas e significadas pelo
enfermeiro no período em que o
paciente , família, ou comunidade se
encontra sob os cuidados de
enfermagem
O que é a SAE
FINALIDADES DA SAE
Cientificidade a profissão
Organizar o cuidado a partir de um método sistemático
Integrar ensino, pesquisa e assistência
Autonomia no cuidado
Modelo de cuidado centrado na pessoa
SAE e a AUTONOMIA PROFISSIONAL
• Entende-se autonomia profissional a
capacidade que o enfermeiro tem de
autodeterminar dentro da equipe, no exercício
legal de suas atribuições profissionais, de
acordo com o sistema de saúde vigente de um
país, uma região ou uma comunidade.
• A autonomia dos enfermeiro é possibilitada pela
Sistematização da Assistência de enfermagem
(SAE) pois o indivíduo tem o poder e a
habilidade de decidir ou agir sobre si mesmo e
ser reconhecido pela qualidade da assistência
que presta.
31
PE e SAE –Evolução
Histórica
1854
•Florence
Nightingal
e
1937
•Henderson –
Plano de cuidados
Dec. 50
•Hall – Papel enfermagem
•Fry – Diagnóstico de
enfermagem
Dec 60
•Primeiro livro
PE
Dec. 70
•PE – marco
conceitual
•Teoristas
•Horta
Dec 80
•NANDA
•NIC
Dec. 90
•NOC
•CIPE
•CIPESC
2000...
•Regulamentação
•Eventos
•Produção científica
RESOLUÇÃO COFEN No 159 / 1993 - Dispõe
sobre a Consulta de Enfermagem
RESOLUÇÃO COFEN No 358/2009 - Dispõe
sobre a Sistematização da Assistência de
Enfermagem e a implementação do Processo
de Enfermagem em ambientes, públicos ou
privados, em que ocorre o cuidado
profissional de enfermagem...
LEI No 7.498 / 1986 – Regulamenta o
Exercício Profissional da Enfermagem ...
BASES LEGAIS
Diferenças entre PE e a SAE
• Enfermeiro à beira
do leito
• Frase: “Estou
realizando PE”
• Enfermeiro nos
minutos entre à beira
do leito e ao
prontuário.
• Frase: “Estou
refletindo sobre SAE”
• Enfermeiro junto ao
prontuário
• Frase: “Estou
documentando o
cuidado”
Documentação
SAE
PE
O enfermeiro precisa aprender que primeiro se
realiza o processo, depois s e reflete e propõe-se a
SAE e, por último, documenta-se o PE e o SAE
Vamos ver um vídeo para
compreender melhor
diferença entre PE e SAE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoFabricio Marques Moreira
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalFernando Dias
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemRaíssa Soeiro
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagemuniversitária
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoConceição Quirino
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Ismael Costa
 

Mais procurados (20)

Paciente internado
Paciente internadoPaciente internado
Paciente internado
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impressoAnotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
Anotação de enfermagem, admissão e preencimento de impresso
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
LIDERANÇA EM ENFERMAGEM
LIDERANÇA EM ENFERMAGEMLIDERANÇA EM ENFERMAGEM
LIDERANÇA EM ENFERMAGEM
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Prontuário
ProntuárioProntuário
Prontuário
 

Semelhante a Sistematização da Assistência de Enfermagem: fundamentos e aplicação

TEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxTEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxMilena Ramos
 
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teoricaAULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teoricaHiEster2
 
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...DouglasSantos936253
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemRosiane Maria
 
1702201605295700000099
17022016052957000000991702201605295700000099
1702201605295700000099jakemarques
 
Curso modelos assistenciais 26_08_2013
Curso modelos assistenciais 26_08_2013Curso modelos assistenciais 26_08_2013
Curso modelos assistenciais 26_08_2013Sobragen-AnaisIXENENGE
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...Eli Paula
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemWhevergton Santos
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_pacienteCamila Melo
 
Humanização no atendimento prestado pelo profissional das técnicas radiológicas
Humanização no atendimento prestado pelo profissional das técnicas radiológicasHumanização no atendimento prestado pelo profissional das técnicas radiológicas
Humanização no atendimento prestado pelo profissional das técnicas radiológicasCharles Nascimento
 

Semelhante a Sistematização da Assistência de Enfermagem: fundamentos e aplicação (20)

Guia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_corenGuia pratico 148_x210_coren
Guia pratico 148_x210_coren
 
TEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxTEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptx
 
Seminári..
 Seminári.. Seminári..
Seminári..
 
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teoricaAULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
 
oncologia.ppt
oncologia.pptoncologia.ppt
oncologia.ppt
 
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagemAnotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Apresentação def.
Apresentação def.Apresentação def.
Apresentação def.
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
 
Aula gineco
Aula ginecoAula gineco
Aula gineco
 
1702201605295700000099
17022016052957000000991702201605295700000099
1702201605295700000099
 
Curso modelos assistenciais 26_08_2013
Curso modelos assistenciais 26_08_2013Curso modelos assistenciais 26_08_2013
Curso modelos assistenciais 26_08_2013
 
374
374374
374
 
Maria Helena Larcher Caliri
Maria Helena Larcher CaliriMaria Helena Larcher Caliri
Maria Helena Larcher Caliri
 
Assist+ència
Assist+ènciaAssist+ència
Assist+ència
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
 
Cipesc
CipescCipesc
Cipesc
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de Enfermagem
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
Humanização no atendimento prestado pelo profissional das técnicas radiológicas
Humanização no atendimento prestado pelo profissional das técnicas radiológicasHumanização no atendimento prestado pelo profissional das técnicas radiológicas
Humanização no atendimento prestado pelo profissional das técnicas radiológicas
 

Mais de Socorro Carneiro

3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptxSocorro Carneiro
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptxSocorro Carneiro
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptxSocorro Carneiro
 
Estudo da fraseologia portuguesa
Estudo da fraseologia portuguesaEstudo da fraseologia portuguesa
Estudo da fraseologia portuguesaSocorro Carneiro
 
Educação em Tempos de Pandemia
Educação em Tempos de PandemiaEducação em Tempos de Pandemia
Educação em Tempos de PandemiaSocorro Carneiro
 
Serie geo vol3-Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúde
Serie geo vol3-Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúdeSerie geo vol3-Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúde
Serie geo vol3-Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúdeSocorro Carneiro
 
Serie geo vol2_Capacitação e atualização em geoprocessamento
Serie geo vol2_Capacitação e atualização em geoprocessamentoSerie geo vol2_Capacitação e atualização em geoprocessamento
Serie geo vol2_Capacitação e atualização em geoprocessamentoSocorro Carneiro
 
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]Socorro Carneiro
 
Levantamento rápido índices_aedes_aegypti_liraa
Levantamento rápido índices_aedes_aegypti_liraaLevantamento rápido índices_aedes_aegypti_liraa
Levantamento rápido índices_aedes_aegypti_liraaSocorro Carneiro
 
Febre de-chikungunya-manejo-clinico
Febre de-chikungunya-manejo-clinicoFebre de-chikungunya-manejo-clinico
Febre de-chikungunya-manejo-clinicoSocorro Carneiro
 
Principais Zoonoses fiocruz
Principais Zoonoses  fiocruzPrincipais Zoonoses  fiocruz
Principais Zoonoses fiocruzSocorro Carneiro
 
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão Socorro Carneiro
 
Protocolo de Identificação do Paciente
Protocolo de Identificação do PacienteProtocolo de Identificação do Paciente
Protocolo de Identificação do PacienteSocorro Carneiro
 
Protocolo de prescrição de Medicamentos
Protocolo de  prescrição de MedicamentosProtocolo de  prescrição de Medicamentos
Protocolo de prescrição de MedicamentosSocorro Carneiro
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraSocorro Carneiro
 

Mais de Socorro Carneiro (20)

3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
Estudo da fraseologia portuguesa
Estudo da fraseologia portuguesaEstudo da fraseologia portuguesa
Estudo da fraseologia portuguesa
 
Educação em Tempos de Pandemia
Educação em Tempos de PandemiaEducação em Tempos de Pandemia
Educação em Tempos de Pandemia
 
Aula do prof aires
Aula do prof airesAula do prof aires
Aula do prof aires
 
Serie geo vol3-Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúde
Serie geo vol3-Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúdeSerie geo vol3-Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúde
Serie geo vol3-Capacitação e atualização em geoprocessamento em saúde
 
Serie geo vol2_Capacitação e atualização em geoprocessamento
Serie geo vol2_Capacitação e atualização em geoprocessamentoSerie geo vol2_Capacitação e atualização em geoprocessamento
Serie geo vol2_Capacitação e atualização em geoprocessamento
 
Serie geo vol_1
Serie geo vol_1Serie geo vol_1
Serie geo vol_1
 
Carta de ottawa
Carta de ottawaCarta de ottawa
Carta de ottawa
 
Frases nathingale
Frases nathingaleFrases nathingale
Frases nathingale
 
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]
 
Levantamento rápido índices_aedes_aegypti_liraa
Levantamento rápido índices_aedes_aegypti_liraaLevantamento rápido índices_aedes_aegypti_liraa
Levantamento rápido índices_aedes_aegypti_liraa
 
Febre de-chikungunya-manejo-clinico
Febre de-chikungunya-manejo-clinicoFebre de-chikungunya-manejo-clinico
Febre de-chikungunya-manejo-clinico
 
Manual de campo_dengue
Manual de campo_dengueManual de campo_dengue
Manual de campo_dengue
 
Principais Zoonoses fiocruz
Principais Zoonoses  fiocruzPrincipais Zoonoses  fiocruz
Principais Zoonoses fiocruz
 
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
 
Protocolo de Identificação do Paciente
Protocolo de Identificação do PacienteProtocolo de Identificação do Paciente
Protocolo de Identificação do Paciente
 
Protocolo de prescrição de Medicamentos
Protocolo de  prescrição de MedicamentosProtocolo de  prescrição de Medicamentos
Protocolo de prescrição de Medicamentos
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia segura
 

Último

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 

Último (9)

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 

Sistematização da Assistência de Enfermagem: fundamentos e aplicação

  • 1. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Profa. Maria Socorro Carneiro Linhares 2019.2 S-3 - 40 HORAS
  • 2. Ementa: Teorias de Enfermagem. Sistematização da Assistência de Enfermagem e Processo de Enfermagem. Diagnósticos de Enfermagem (NANDA), NOC, NIC e CIPE/CIPESC. Competências : • Unidade I – Teorias de Enfermagem • Conhecer os modelos teóricos para a atuação das práticas de enfermagem • Compreender a influência das Teorias de Enfermagem nos processos cuidativos • Conhecer a CIPE/CIPESC. • Unidade II– SAE X Processo de Enfermagem: aspectos gerais • Explicar como o processo de enfermagem oferece uma forma dinâmica de promover o pensamento crítico; • Identificar os benefícios do uso da SAE; • Reconhecer as qualidades exigidas ao enfermeiro para ser competente na SAE; • Descrever os princípios éticos e sua aplicabilidade na defesa dos direitos do indivíduo; • Aplicar o Processo de Enfermagem; • Desenvolver o raciocínio crítico com a identificação dos Diagnósticos de Enfermagem.
  • 3. Programa das aulas Data Atividade Professor 04/12/ ABCD- IJKL Processo de Enfermagem e SAE- Etapas do processo de Enfermagem Diagnóstico de Enfermagem- Definições e Classificações (NANDA) Socorro Carneiro 05/12 ABCD- IJKL Teorias de Enfermagem Rosemiro 06/12 ABCD- IJKL Teorias de Enfermagem X SAE Rosemiro 10/12 ABCD Classificação da Classificação dos Resultados (NOC) e Intervenções de Enfermagem (NIC) Implementação e Avaliação da SAE Socorro Carneiro 11/12 ABCD IJKL Diagnóstico de Enfermagem- Definições e Classificações CIPE/CIPESC. Integração da SAE –NANDA-NIC-NOC e CIPE/CIPESC (Avaliação) Socorro Carneiro 15/01/2020 ABCD Seminário de Avaliação da SAE-Estudo de casos com SAE Socorro Carneiro
  • 4. METODOLOGIA Exposições dialogadas; Oficinas de trabalho; Estudos dirigidos; Seminários. AVALIAÇÃO Avaliações com questões objetivas conforme as provas do ENADE, Estudo de Caso com base na SAE e Teorias de Enfermagem 1ª AP – Prova escrita, questões aberta e fechadas. 2ªAP – Trabalho de grupo (Teorias de enfermagem) 3ª AP – Estudo com aplicação da SAE.(casos identificados nas vivências da AESI) Avaliação por frequência: 75% de presença e cumprimento de atividades programadas
  • 5. Bibliografia • GEORGE, JULIA B. Teorias de Enfermagem - Os fundamentos à prática profissional – 4ª ed. Artmed.2000 • HORTA, W.A. Processo de enfermagem. São Paulo, EPU, 2002. • CHANES,MARCELO. SAE Descomplicada - Sistematização da Assistência De Enfermagem.1ª. Ed. Guanabara Koogan.2018 • ALFARO-LEFEVRE, R. Aplicação do processo de enfermagem: fundamentos para o raciocínio clínico.Porto Alegre: Artmed, 2014. 8 ed. 271 p. • TANNURE, M. C.; GONÇALVES, A. M. P. SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem: guia prático. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2 ed. 2010. • Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2018 – 2020 / [NANDA Internacional]. Porto Alegre: Artmed, 11 ed. 2018. • CARPENITO-MOYET, L.J. Manual de diagnósticos de enfermagem. 10ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. • MOORHEAD, S. et al. NOC - Classificação dos Resultados de Enfermagem. Elsevier. 5 ed. 2016. 172p. • GARCIA, Tela Ribeiro e EGRY, Emiko Yoshikawa. Integralidade da Atenção no SUS e Sistematização da Assistência de Enfermagem. Porto Alegre: Artmed.2010 • BRAGA, Criatiane Giffoni; SILVA, José Vitor da Silva. (Org.). Teorias de enfermagem no processo de cuidar. 2ed.São Paulo: Iátria, 2016. • MARION JOHNSON... [et al.; Ligações NANDA - NOC - NIC: condições clínicas: suporte ao raciocínio e assistência de qualidade/ tradução de Soraya Imon de Oliveira... et al.]. - Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.422p.: 23 cm • MOHALLEM, ANDREA GOMES DA COSTA; FARAH, OLGA GUILHERMINA DIAS .. . et al . Enfermagem pelo método de estudo de casos. Barueri, SP: Manole, 2011 • Processo de enfermagem: guia para a prática / Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo ; Alba Lúcia B.L. de Barros... [et al.] – São Paulo : COREN-SP, 2015.
  • 6. Bibliografia (complementar) • ANDRIS, D.A. et.al. Semiologia: bases para a prática assistencial. Trad. Carlos Henrique Cosendey. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. • CARPENITO, L. J. Planos de cuidados de enfermagem e documentação: diagnósticos de enfermagem e problemas colaborativos. Porto Alegre: Artmed, 2006. • POSSO, M.B.S. Semiologia e Semiotécnica de Enfermagem. São Paulo: Atheneu, 2004. • MARIA, V.L.R; MARTINS I; PEIXOTO, MSP. Exame Clínico de Enfermagem do Adulto. 1ª Ed.São Paulo: Iátria, 2003.
  • 7. A enfermagem como profissão, sua identidade e autonomia e o uso da Sistematização da Assistência de Enfermagem Profa Socorro Carneiro-2019.2
  • 8. Quem é o enfermeiro e o quê ele faz?
  • 9. Vamos analisar • “Sou enfermeiro, trabalho em uma unidade de oncopediatria e asseguro a humanização no atendimento à criança por meio da brinquedoteca, espaço no qual, de maneira lúdica, dramatizo os procedimentos aos quais a criança será submetida no dia seguinte. Isso facilita a adesão ao tratamento. Ainda com orientações simples, mas objetivas e clara, oriento, educo os pais para que estejam seguros de que os procedimentos são necessários para a criança e de que a equipe está capacitada para realizá-los.”
  • 10. Situou o contexto do trabalho Sou enfermeiro, trabalho em uma unidade de oncopediatria Compromisso asseguro a humanização no atendimento à criança Recurso por meio da brinquedoteca Método do trabalho de maneira lúdica, dramatizo os procedimentos aos quais a criança será submetida no dia seguinte Meta Isso facilita a adesão ao tratamento Método e Recursos Ainda com orientações simples, mas objetivas e clara Método do trabalho e expressão de quem vai além do compromisso Oriento e educo os pais para que estejam seguros de que os procedimentos são necessários Meta para a criança e de que a equipe está capacitada para realizá-los
  • 11. CEPE (2007) ; Horta (1979) > Profissão comprometida com saúde do ser humano e coletividade. > Atua na promoção, prevenção, recuperação e reabilitação das pessoas. > Respeito aos princípios éticos e legais. > Ciência e arte de cuidar do ser humano no atendimento de suas necessidades humanas básicas. > Torná-lo independente da assistência pelo ensino do autocuidado
  • 12. O tripé da enfermagem Enfermagem Identidade Profissão Disciplina Saberes(valores) Conhecimentos(apropria-se de ados, fatos, conceitos, investigação- “Como e por que?) Domina os saberes; utiliza métodos e recursos para atingir as metas Autoconceito de quem é como profissional, de suas habilidades e possibilidades
  • 13. Enfermagem como profissão • A enfermagem nos primórdios era exercida por leigos e marginalizado. • Florence Nightingale elaborou modelo de enfermagem, ensinando entre outras funções, o raciocínio crítico, a atenção às necessidades individuais e o respeito aos direitos do paciente. • Assim a enfermagem deixou de ser uma ocupação para ser uma profissão. Florence Nightingale (12.05.1820 - 13.08.1910
  • 14. • A Sistematização de Assistência Enfermagem (SAE) e o Processo de Enfermagem(PE) configuram- se como sistema e instrumentos exclusivos da profissão e auxiliam no alcance das metas
  • 15. Enfermagem como ciência • Para a enfermagem se definir como ciência foi necessário a produção de Teorias de Enfermagem. • As teorias de enfermagem procuram definir o cuidado e o processo de cuidar, bem como os recursos e métodos mais adequados para tanto. • Elas surgiram por uma necessidade de busca de identidade próprias, como resultado de uma reflexão feita por algumas enfermeiras norte americanas que tentavam entender suas próprias práticas.
  • 16. 1ª teorista da enfermagem Florence Nightingale (12.05.1820 - 13.08.1910 Descreveu o papel do enfermeiro como alguém que deveria colocar o paciente na melhor condição possível para a natureza restaurar ou preservar a sua saúde
  • 17. O enfermeiro dentro da equipe de saúde... • Cada profissão na área da saúde tem uma maneira de descrever “o que” conhece e “como” age em relação ao que conhece. • Uma profissão pode ter uma linguagem comum empregada para descrever e codificar seus conhecimentos. o CID (médicos) e Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM). o Os enfermeiros tratam as respostas humanas a problemas de saúde e/ou processos da vida e usam a Taxonomia de diagnósticos de enfermagem da NANDA International, Inc. (NANDA-I). Classifica, organiza e descreve os problemas de enfermagem
  • 18. Processo de Enfermagem • É um instrumento que orienta o cuidado de enfermagem, caracterizando uma afirmação da prática profissional e deve ser baseado em uma teoria que oriente suas etapas
  • 19. PROCESSO DE ENFERMAGEM “É um instrumento metodológico que orienta o cuidado profissional de Enfermagem e a documentação da prática profissional” (Resolução COFEN 358/09) Histórico Diagnóstic o Planejament o Implementaçã o Avaliação
  • 22. PROCESSO MÉDICO PROCESSO DE ENFERMAGEM Abordagem comparativa mais limitada que investiga órgãos e sistemas e busca mantê-los funcionando normalmente Abordagem ampla e holística que investiga corpo, mente e espírito e busca maximizar a capacidade das pessoas para realizarem as atividades que são importantes para elas Considera, principalmente, problemas com o funcionamento de órgãos e sistemas. Considera, principalmente, como as pessoas são afetadas pelos problemas Enfoca o ensino de como as doenças e os traumas são tratados. Enfoca o ensino de como maximizar o funcionamento e ser independente. Consulta a medicina para o tratamento de doenças ou traumatismos. Consulta a enfermagem para o planejamento das atividades da vida diária. Principalmente envolvido com os indivíduos, às vezes com grupos e famílias. Envolve-se com os indivíduos, as familias e comunidade.
  • 23. Sistemático Dinâmico Humanizado Dirigido a resultados PROCESSO DE ENFERMAGEM  Agiliza diagnóstico e tratamento de problemas em saúde reais e potenciais reduzindo estadias hospitalares  Cria um plano com eficácia de custos: sofrimento humano e financeiro  Melhora documentação prevenindo erros, omissões e repetições desnecessárias  Promove flexibilidade e pensamento independente  Elabora intervenções para a pessoa e não para doença
  • 24. Autonomia Benefícios As pessoas tem o direito de tomar suas decisões Fazer o maior bem e evitar danos Tratar as pessoas de forma igualitária e justa Manter as promessas Ser honesto Respeitar privacidade Comprometer- se com os atos PROCESSO DE ENFERMAGEM
  • 25. PROCESSO DE ENFERMAGEM Histórico de Enfermagem Entrevista clínica •Coleta de informações subjetivas, objetivas, pregressas e atuais (problemas e potencialidades) Exame físico •Avaliação geral pelos métodos propedêuticos Exames diagnósticos •Evidências que ajudam a determinar estado de saúde (Alfaro; Lefevre, 2009) INTRODUÇÃO CORPO FECHAMENTO
  • 26. Identificação Hábitos Meio ambiente Cuidado Corporal Eliminação Alimentação Sono e repouso Atividade física Atividade sexual Lazer ConvivÊncia familiar Religião Participação na vida comunitária Participação na vida profissional Manutenção da saúde PROCESSO DE ENFERMAGEM Histórico de Enfermagem
  • 27. Necessidades Humanas Básicas 27  NECESSIDADES FISIOLÓGICAS Oxigenação Nutrição Hidratação Higiene Eliminações Segurança Conforto Sono e repouso Sexualidade  NECESSIDADE DE PROTEÇÃO E SEGURANÇA  NECESSIDADE DE AMOR E GREGÁRIA  NECESSIDADE DE AUTOESTIMA  NECESSIDADES DE AUTO-REALIZAÇÃO
  • 28. • É uma metodologia de organização , planejamento e execução das ações coerentes, pensadas e significadas pelo enfermeiro no período em que o paciente , família, ou comunidade se encontra sob os cuidados de enfermagem O que é a SAE
  • 29. FINALIDADES DA SAE Cientificidade a profissão Organizar o cuidado a partir de um método sistemático Integrar ensino, pesquisa e assistência Autonomia no cuidado Modelo de cuidado centrado na pessoa
  • 30. SAE e a AUTONOMIA PROFISSIONAL • Entende-se autonomia profissional a capacidade que o enfermeiro tem de autodeterminar dentro da equipe, no exercício legal de suas atribuições profissionais, de acordo com o sistema de saúde vigente de um país, uma região ou uma comunidade. • A autonomia dos enfermeiro é possibilitada pela Sistematização da Assistência de enfermagem (SAE) pois o indivíduo tem o poder e a habilidade de decidir ou agir sobre si mesmo e ser reconhecido pela qualidade da assistência que presta.
  • 31. 31 PE e SAE –Evolução Histórica 1854 •Florence Nightingal e 1937 •Henderson – Plano de cuidados Dec. 50 •Hall – Papel enfermagem •Fry – Diagnóstico de enfermagem Dec 60 •Primeiro livro PE Dec. 70 •PE – marco conceitual •Teoristas •Horta Dec 80 •NANDA •NIC Dec. 90 •NOC •CIPE •CIPESC 2000... •Regulamentação •Eventos •Produção científica
  • 32. RESOLUÇÃO COFEN No 159 / 1993 - Dispõe sobre a Consulta de Enfermagem RESOLUÇÃO COFEN No 358/2009 - Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem... LEI No 7.498 / 1986 – Regulamenta o Exercício Profissional da Enfermagem ... BASES LEGAIS
  • 33. Diferenças entre PE e a SAE • Enfermeiro à beira do leito • Frase: “Estou realizando PE” • Enfermeiro nos minutos entre à beira do leito e ao prontuário. • Frase: “Estou refletindo sobre SAE” • Enfermeiro junto ao prontuário • Frase: “Estou documentando o cuidado” Documentação SAE PE O enfermeiro precisa aprender que primeiro se realiza o processo, depois s e reflete e propõe-se a SAE e, por último, documenta-se o PE e o SAE
  • 34. Vamos ver um vídeo para compreender melhor diferença entre PE e SAE