Elementos estruturais

1.659 visualizações

Publicada em

Análise dos seis elementos estruturais presentes na capital paraibana, os quais são: Viga Vierendel, Treliças, Vigas, Pilares, Cabos e Arcos

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.659
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Elementos estruturais

  1. 1. CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA DE ESTRTUTURA – 2015.1 PROFESSOR: GIUSEPE BRANQUINHO EQUIPE: ALINE RAMALHO FERREIRA DA SILVA,1420000808 INGRID LORRANA FERREIRA SOBREIRA, 1420004532
  2. 2. INTRODUÇÃO Toda edificação necessita de uma estrutura e/ou suporte para manter-se fixa no solo. A estrutura nada mais é do que um conjunto de componentes que se inter-relacionam para garantir a forma espacial idealizada, com segurança, por um determinado período de tempo.
  3. 3. Cabos Sistema estrutural que tende a adquirir a forma diretamente ligada à posição, direção, sentido, quantidade e intensidade das forças que atuam sobre ele. Os cabos foram usados na América do sul pelos Astecas e pelos Incas, e também na China, Japão, Índia e Tibet. No século XIX, engenheiros militares já faziam o uso de cabos para a construção e pontes suspensas.
  4. 4. Exemplo de Cabos na Paraíba O Mag Shopping foi inaugurado em 21 de dezembro de 1999 e localiza-se na orla marítima da praia de Manaíra. O projeto do shopping é do arquiteto Paulo Macedo. Mas reforma do shopping foi realizado pela Arquiteta Sandra Moura, que utilizou o Cabo na coberta frontal.
  5. 5. Imagem 01 – Cabos (Mag Shopping) FONTE: Acervo Pessoal FONTE: Acervo Pessoal Imagem 02 – Vista à perspectiva frontal. (Mag Shopping)
  6. 6. FONTE: Acervo Pessoal Imagem 03 – Croqui demonstrando o caminho das forças. Imagem 04 – Seção transversal do cabo. FONTE: Acervo Pessoal
  7. 7. Arcos Os arcos são formas obtidas pelo rebatimento do cabo, geralmente compostas de blocos de pedras comprimidos. Fazendo o uso de elementos rígidos, resultarão em arcos que solicitam esforços de compressão. Deve-se procurar dar aos arcos formas que correspondam aos funiculares das cargas que atuam sobre eles, garantindo que não ocorra flexão.
  8. 8. Exemplos Tomando a mesma edificação do exemplo anterior, podemos ainda identificar o arco utilizado como o suporte para o teto metálico. A estrutura foi projetada pelo arquiteto Paulo Macedo.
  9. 9. FONTE: Acervo Pessoal Imagem 05 – Teto do Mag Shopping Raio: 10 m Comprimento do Arco: 15 m Material: Metal
  10. 10. FONTE: Acervo Pessoal Imagem 07 – Seção transversal do arco. FONTE: Acervo Pessoal Imagem 06 – Croqui demonstrando o caminho das forças.
  11. 11. Treliças São estruturas lineares constituídas por barras retas, dispostas de modo a formar painéis triangulares, e solicitadas predominantemente por tração ou compressão.
  12. 12. FONTE: Acervo Pessoal Imagem 09 – Passarela da Av. Dom Pedro II Imagem 08 – Passarela da Av. Dom Pedro II FONTE: Acervo Pessoal Altura aproximada: 3,36m Largura aproximada: 10 m Área aproximada do triângulo: 1m²
  13. 13. FONTE: Acervo Pessoal Imagem 10 – Croqui demonstrando o caminho das forças, FONTE: Acervo Pessoal Imagem 11 – Seção transversal da treliça.
  14. 14. Vigas de Alma Cheia e Pilares As vigas são estruturas lineares, dispostas horizontalmente ou inclinadas, com um ou mais apoios. A viga é geralmente usada no sistema laje-viga-pilar para transferir os esforços verticais recebidos da laje para o pilar ou para transmitir uma carga concentrada, caso sirva de apoio a um pilar. A viga transfere o peso das lajes e dos demais elementos - como paredes, portas e etc. - às colunas Obs.: Pode ser composta de madeira, ferro ou concreto armado
  15. 15. O Pilar é o elemento estrutural vertical usado normalmente para receber esforços diagonais de uma edificação e transferi-los para outros elementos. São barras onde predominam forças normais de compressão. Obs.: O pilar com seção circular, recebem a denominação de colunas.
  16. 16. O exemplo utilizado para retratar a parceria Pilar-Viga é a Biblioteca Central da UFPB. A criação da Biblioteca Central teve início em 1961 no Regimento da UFPB, contudo, só a partir de 11 de agosto de 1967 que surgiram os primeiros passos para sua criação efetiva.
  17. 17. Imagem 12 – Biblioteca da UFPB Imagem 13 – Biblioteca da UFPB) FONTE: Acervo Pessoal FONTE: Acervo Pessoal Altura aproximada: 12m
  18. 18. Imagem 15 – Croqui demonstrando o caminho das forças Imagem 14 – Seção transversal do Pilar e da Viga, respectivamente. FONTE: Acervo Pessoal FONTE: Acervo Pessoal
  19. 19. Viga Vierendel É uma estrutura de quadro referido como transição, permitindo grandes vãos (6-27 metros , dependendo da distância entre uma vertical) é usada na construção de pontes e vigas especiais, devem cruzar grandes aberturas em edifícios. Muitas vezes, ele é utilizado em materiais como metal, concreto ou madeira (raras ocasiões ) . Geralmente é colocado como um elemento estrutural na forma de lintel.
  20. 20. FONTE: Acervo Pessoal Imagem 16 – Passarela (Santa Rita-PB)
  21. 21. Imagem 17 – Passarela (Santa Rita-PB) FONTE: Acervo Pessoal
  22. 22. FONTE: Acervo Pessoal Imagem 19 – Croqui demonstrando o caminho das forças Imagem 18 – Seção transversal da Viga e do Pilas FONTE: Acervo Pessoal
  23. 23. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho foi de suma importância para o nosso aprendizado, pois utilizamos os conhecimentos passados em sala de aula para conseguir identificar as estruturas dos edifícios, passarelas e etc, que estão a nossa volta.
  24. 24. REFERÊNCIAS • [SITE 1] EBAH. Arcos e Cabos. Disponível em: < http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAnkMAK/arcos- cabos?part=2> Data de acesso: 03 Mai. 2015 • BARALDI, Lívio Túlio. Sistemas Estruturais. Disponível em: < http://www.civilnet.com.br/Files/Sistemas%20Estruturais/1_Element os%20estruturais.pdf> Data de acesso: 04 Mai. 2015 • REBELLO, Yopanan. A Concepção Estrutural e a Arquitetura. Editora Zigurat, 2000. Pág. 85 à 100.

×