SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
EFICÁCIA DA "SALA DE ESPERA” EM
UNIDADES DE SAÚDE, FEIRA, BA.
Iasmin Viana Cristo dos Santos1
; Suzi de Almeida Vasconcelos Borboni2
;
Ana Paula de Medeiros Santos3
1
Acadêmica de Enfermagem de Enfermagem, Universidade Estadual de Feira de Santana, bolsista do PET.
Telefone: (75) 32214418/(75) 81575305. E-mail: iasmin.viana.cristo@hotmail.com.
2
Doutora. Professora adjunta, Universidade Estadual de Feira de Santana. Tutora do PET. Telefone: (75)
32248019 Fax: (75) 32248019. E-mail: suziavbarboni@gmail.com
3
Farmacêutica, Secretaria Municipal de Saúde. Preceptora do PET. Telefone: (75) 91685494.E-mail:
medeirosaluap@gmail.com.
Universidade Estadual de Feira de Santana
Programa de Educação pelo trabalho para
Saúde – Saúde da Família
INTRODUÇÃO
“SALA DE ESPERA”: RODA DE CONVERSA
 Tem o intuito de garantir um cuidado humanizado, efetivando a
aproximação cada vez maior entre a comunidade e os serviços de
saúde.
 Os profissionais da área da saúde tem a oportunidade de estar
desenvolvendo atividades que extrapolam o cuidado, como a
educação em saúde, auxiliando na prevenção de doenças e na
promoção da saúde.
 Proporcionando também uma melhora na qualidade do atendimento,
garantindo maior acolhimento aos usuários, e melhorando a inter-
relação usuário/sistema/trabalhador de saúde.
 Um momento rico, pois é avaliado se houve aprendizado, com
questionamentos posteriores sobre o tema da sala de espera.
OBJETIVOS
MÉTODO
ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE
 Deve ser:
“a assistência da população, pelo
atendimento de forma preventiva e
promocional, visando o indivíduo
holisticamente”.
(GERMANI,2009)
UNIDADES DE SAÚDE DO ROSÁRIO E
FEIRA VI
 Segundo Teixeira e Veloso (2006):
“a ‘sala de espera’ pode ser considerada um espaço dinâmico, onde ocorrem
vários fenômenos psíquicos, culturais, singulares e coletivos”.
 Para os petianos:
O grupo de sala de espera contribui para oferecer a oportunidade aos discentes da
área da saúde entrar em contato com os usuários dos serviços de saúde pública
em um projeto multiprofissional e com experiências na Atenção Primária.
 A demanda pela unidade de saúde é maior por mulheres (grande parte grávida ou
com recém - nascidos), crianças e idosos.
 A quantidade de homens pelo atendimento médico-odontológico vem crescendo,
mas ainda é irrisório.
 As atividades respeitam o contexto cultural, social e temporal. Sendo assim
possível separar os materiais e levá-los até a UBS.
USF do Rosário
USF do Feira VI
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Ao longo das intervenções foi observado nas falas dos pacientes e
acompanhantes:
 “o tempo passa mais rápido”, quando há conversas agradáveis
ou dinâmicas nas quais o principal objetivo é a promoção de
saúde.
 Muitos usuários relatam a importância do espaço para expressão da
situação atual, sentimento de acolhimento e pertença, ao observar
que há outras pessoas que passam por situações semelhantes.
 O projeto evidencia que os usuários conseguem responder
positivamente aos temas apresentados, a partir de uma intervenção
informativo-educativa, o que demonstra a importância do trabalho
de educação em saúde.
 Teixeira e Veloso (2006):
 “Ao lidar com a população usuária dos serviços públicos
de saúde, em um ambiente onde é possível o diálogo,
trocam experiências, expressão do senso comumtrocam experiências, expressão do senso comum
tornou-se possível adentrar nos mitos, tabus, saberes,possível adentrar nos mitos, tabus, saberes,
práticas que mostram a subjetividade coletiva daquela
população que muitas vezes podem interferir na adesãovezes podem interferir na adesão
ou no tratamentono tratamento científico.”
 Uchôa-Figueiredo, 2006:
 “Com relação à experiência dos alunos em trabalho de
equipe é um momento de colocar em prática a proposta
da Clínica AmpliadaClínica Ampliada, onde os alunosalunos expressaram
satisfação de por em prática o que é aprendido nasatisfação de por em prática o que é aprendido na
teoriateoria, como por exemplo, a escuta, acolhimento, a escuta, acolhimento. Além
da possibilidade de vivenciar a dinâmica do serviçovivenciar a dinâmica do serviço
visitadovisitado”.
 Paixão e Castro, 2006:
 “Tem proporcionado ao acadêmicoacadêmico um melhor conhecimentoconhecimento
da realidade do SUS no Brasilda realidade do SUS no Brasil. Sem dúvida, esse tipo de
trabalho possibilita que os acadêmicos sejam multiplicadoresacadêmicos sejam multiplicadores
de uma política de saúde voltada para a qualidade de vidade uma política de saúde voltada para a qualidade de vida
das pessoasdas pessoas e que os programas de educação para a saúdeprogramas de educação para a saúde
tenham espaços reservados nas universidadesespaços reservados nas universidades, facilitando a
compreensão das necessidades e da realidade da saúdecompreensão das necessidades e da realidade da saúde
pública”.pública”.
Referências
 1. GERMANI, Alessandra Regina Müller et al. Sala De Espera: Um Ambiente Para Efetivar A Educação Em
Saúde. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. ISSN 1809-1636, 2009. Disponível em:
<http://www.reitoria.uri.br/~vivencias/Numero_007/artigos/artigos_vivencias_07/Artigo_13.pdf>
Acessado em: 05. Fev.2012.
 2. IGARASHI, Nadja Shinyashiki; MENDES, Liliane Lima e UCHÔA-FIGUEIREDO, Lúcia Da Rocha. Experiência
Interdisciplinar Com Sala De Espera Em Unidade Básica De Saúde Na Cidade De Santos. Disponível em:
<http://www.cbtoeclato2011.com.br/cd/resumos/TC1139-3.pdf> Acessado em: 27. Jan.2012.
 3. TEIXEIRA, Enéas Rangel; VELOSO, Raquel Coutinho. O grupo em sala de espera: território de práticas e
representações em saúde. Texto & Contexto Enfermagem, Universidade Federal De Santa Catarina,
Florianópolis, 2006. Disponível em:< http://redalyc.uaemex.mx/pdf/714/71415217.pdf> Acessado em: 05.
Dez.2011.
 4.PAIXÃO, Nina Rosa d'Avila e CASTRO, Alessandra Rodrigues Moreira. Grupo Sala De Espera: Trabalho
Multiprofissional Em Unidade Básica De Saúde. Boletim Da Saúde, volume 20, número 2. Porto Alegre,
2006. Disponível em:<http://www.esp.rs.gov.br/img2/v20n2_10Grupo.pdf > Acessado em: 08. Abr.2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Cleiton Ribeiro Alves
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
Priscila Tenório
 
administração hospitalar
administração hospitalaradministração hospitalar
administração hospitalar
biblisaocamilo
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
eadsantamarcelina
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Alex Eduardo Ribeiro
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 

Mais procurados (20)

Redes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúdeRedes de atenção à saúde
Redes de atenção à saúde
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidade
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
administração hospitalar
administração hospitalaradministração hospitalar
administração hospitalar
 
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
Curso Introduorio ESF - Conteudo teorico modulo 2 - Aula 2
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Organização serviços de saúde
Organização serviços de saúdeOrganização serviços de saúde
Organização serviços de saúde
 
A Equipe de Enfermagem e o Monitoramento do Crescimento do recém-nascido pré-...
A Equipe de Enfermagem e o Monitoramento do Crescimento do recém-nascido pré-...A Equipe de Enfermagem e o Monitoramento do Crescimento do recém-nascido pré-...
A Equipe de Enfermagem e o Monitoramento do Crescimento do recém-nascido pré-...
 
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEMPROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
PROCESSO DE PLANEJAMENTO EM ENFERMAGEM
 
Orientacoes siab
Orientacoes siabOrientacoes siab
Orientacoes siab
 
PROFAE - Enfermagem - CADERNO 04
PROFAE - Enfermagem - CADERNO 04PROFAE - Enfermagem - CADERNO 04
PROFAE - Enfermagem - CADERNO 04
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 

Destaque

Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de SaúdeSaúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Sheyla Amorim
 
Direito do serviço social tripé da seguridade seguridade social
Direito do serviço social tripé da seguridade   seguridade socialDireito do serviço social tripé da seguridade   seguridade social
Direito do serviço social tripé da seguridade seguridade social
Daniele Rubim
 
Neoliberalismo globalização (resumo)
Neoliberalismo globalização (resumo)Neoliberalismo globalização (resumo)
Neoliberalismo globalização (resumo)
Edilene Ruth Pereira
 
Neoliberalismo e globalização
Neoliberalismo e globalizaçãoNeoliberalismo e globalização
Neoliberalismo e globalização
Ana Cristina F
 
Globalização, neoliberalismo e administração
Globalização, neoliberalismo e administraçãoGlobalização, neoliberalismo e administração
Globalização, neoliberalismo e administração
Cristiano Bodart
 
Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!
Mony Lima
 

Destaque (20)

Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de SaúdeSaúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
 
Projeto sala de espera
Projeto sala de esperaProjeto sala de espera
Projeto sala de espera
 
Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia
Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de InfectologiaGrupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia
Grupo Sala de Espera de um Ambulatório de Infectologia
 
Sala de espera
Sala de esperaSala de espera
Sala de espera
 
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)
 
Direito do serviço social tripé da seguridade seguridade social
Direito do serviço social tripé da seguridade   seguridade socialDireito do serviço social tripé da seguridade   seguridade social
Direito do serviço social tripé da seguridade seguridade social
 
I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.
I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.
I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.
 
Iv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialIv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço social
 
temporalis
temporalistemporalis
temporalis
 
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - Oncologia
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - OncologiaForum do Voluntariado e Saúde da Criança - Oncologia
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - Oncologia
 
Neoliberalismo
NeoliberalismoNeoliberalismo
Neoliberalismo
 
Neoliberalismo globalização (resumo)
Neoliberalismo globalização (resumo)Neoliberalismo globalização (resumo)
Neoliberalismo globalização (resumo)
 
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
 
O Brasil no Neoliberalismo - Adalmir Marquetti - 2011
O Brasil no Neoliberalismo - Adalmir Marquetti - 2011O Brasil no Neoliberalismo - Adalmir Marquetti - 2011
O Brasil no Neoliberalismo - Adalmir Marquetti - 2011
 
O neoliberalismo
O neoliberalismoO neoliberalismo
O neoliberalismo
 
Neoliberalismo e globalização
Neoliberalismo e globalizaçãoNeoliberalismo e globalização
Neoliberalismo e globalização
 
Globalização e Neoliberalismo
Globalização e NeoliberalismoGlobalização e Neoliberalismo
Globalização e Neoliberalismo
 
Globalização, neoliberalismo e administração
Globalização, neoliberalismo e administraçãoGlobalização, neoliberalismo e administração
Globalização, neoliberalismo e administração
 
Neoliberalismo
Neoliberalismo Neoliberalismo
Neoliberalismo
 
Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!
 

Semelhante a Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário

Humaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basicaHumaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basica
Cinthia13Lima
 
Caderno de educação popular e saúde. ms%2 c 2007
Caderno de educação popular e saúde. ms%2 c 2007Caderno de educação popular e saúde. ms%2 c 2007
Caderno de educação popular e saúde. ms%2 c 2007
Mariangela Gama
 

Semelhante a Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário (20)

Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 2º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
 
Sala de espera artigo
Sala de espera artigoSala de espera artigo
Sala de espera artigo
 
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo FundoApresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
Apresentações 1º dia VI SEPE UFFS - Campus Passo Fundo
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
 
Congresso de extensão 2015 enviar
Congresso de extensão 2015 enviarCongresso de extensão 2015 enviar
Congresso de extensão 2015 enviar
 
Proama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao NascimentoProama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
Proama na defesa pelo Respeito ao Nascimento
 
Livro caminhos da-humanizacao_na_saude
Livro   caminhos da-humanizacao_na_saudeLivro   caminhos da-humanizacao_na_saude
Livro caminhos da-humanizacao_na_saude
 
Humaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basicaHumaniza sus atencao_basica
Humaniza sus atencao_basica
 
Arte Promovendo Saúde & Saúde Fazendo Arte
Arte Promovendo Saúde & Saúde Fazendo ArteArte Promovendo Saúde & Saúde Fazendo Arte
Arte Promovendo Saúde & Saúde Fazendo Arte
 
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
Temáticas em Saúde Sociedade e Ambiente - 2013
 
Caderno de educação popular e saúde. ms%2 c 2007
Caderno de educação popular e saúde. ms%2 c 2007Caderno de educação popular e saúde. ms%2 c 2007
Caderno de educação popular e saúde. ms%2 c 2007
 
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]
Caderno de-educacao-popular-e-saude-[16-200810-ses-mt]
 
Projeto final visita ao ique
Projeto final visita ao iqueProjeto final visita ao ique
Projeto final visita ao ique
 
Projeto saúde bucal
Projeto saúde bucalProjeto saúde bucal
Projeto saúde bucal
 
TCCs da Especialização em Aleitamento / turma de Piracicaba / Passo 1
TCCs da Especialização em Aleitamento / turma de Piracicaba / Passo 1 TCCs da Especialização em Aleitamento / turma de Piracicaba / Passo 1
TCCs da Especialização em Aleitamento / turma de Piracicaba / Passo 1
 
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_AtribuiçõesConteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
Conteúdo_teórico_MODULO_3_Bioética_e_Atribuições
 
Apresentação pet pisc
Apresentação pet piscApresentação pet pisc
Apresentação pet pisc
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Visitadomic
VisitadomicVisitadomic
Visitadomic
 

Eficácia da ¨Sala de Espera¨ nas usf do Feira VI e do Rosário

  • 1. EFICÁCIA DA "SALA DE ESPERA” EM UNIDADES DE SAÚDE, FEIRA, BA. Iasmin Viana Cristo dos Santos1 ; Suzi de Almeida Vasconcelos Borboni2 ; Ana Paula de Medeiros Santos3 1 Acadêmica de Enfermagem de Enfermagem, Universidade Estadual de Feira de Santana, bolsista do PET. Telefone: (75) 32214418/(75) 81575305. E-mail: iasmin.viana.cristo@hotmail.com. 2 Doutora. Professora adjunta, Universidade Estadual de Feira de Santana. Tutora do PET. Telefone: (75) 32248019 Fax: (75) 32248019. E-mail: suziavbarboni@gmail.com 3 Farmacêutica, Secretaria Municipal de Saúde. Preceptora do PET. Telefone: (75) 91685494.E-mail: medeirosaluap@gmail.com. Universidade Estadual de Feira de Santana Programa de Educação pelo trabalho para Saúde – Saúde da Família
  • 3. “SALA DE ESPERA”: RODA DE CONVERSA  Tem o intuito de garantir um cuidado humanizado, efetivando a aproximação cada vez maior entre a comunidade e os serviços de saúde.  Os profissionais da área da saúde tem a oportunidade de estar desenvolvendo atividades que extrapolam o cuidado, como a educação em saúde, auxiliando na prevenção de doenças e na promoção da saúde.  Proporcionando também uma melhora na qualidade do atendimento, garantindo maior acolhimento aos usuários, e melhorando a inter- relação usuário/sistema/trabalhador de saúde.  Um momento rico, pois é avaliado se houve aprendizado, com questionamentos posteriores sobre o tema da sala de espera.
  • 6. ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE  Deve ser: “a assistência da população, pelo atendimento de forma preventiva e promocional, visando o indivíduo holisticamente”. (GERMANI,2009)
  • 7. UNIDADES DE SAÚDE DO ROSÁRIO E FEIRA VI  Segundo Teixeira e Veloso (2006): “a ‘sala de espera’ pode ser considerada um espaço dinâmico, onde ocorrem vários fenômenos psíquicos, culturais, singulares e coletivos”.  Para os petianos: O grupo de sala de espera contribui para oferecer a oportunidade aos discentes da área da saúde entrar em contato com os usuários dos serviços de saúde pública em um projeto multiprofissional e com experiências na Atenção Primária.  A demanda pela unidade de saúde é maior por mulheres (grande parte grávida ou com recém - nascidos), crianças e idosos.  A quantidade de homens pelo atendimento médico-odontológico vem crescendo, mas ainda é irrisório.  As atividades respeitam o contexto cultural, social e temporal. Sendo assim possível separar os materiais e levá-los até a UBS.
  • 10.
  • 11. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Ao longo das intervenções foi observado nas falas dos pacientes e acompanhantes:  “o tempo passa mais rápido”, quando há conversas agradáveis ou dinâmicas nas quais o principal objetivo é a promoção de saúde.  Muitos usuários relatam a importância do espaço para expressão da situação atual, sentimento de acolhimento e pertença, ao observar que há outras pessoas que passam por situações semelhantes.  O projeto evidencia que os usuários conseguem responder positivamente aos temas apresentados, a partir de uma intervenção informativo-educativa, o que demonstra a importância do trabalho de educação em saúde.
  • 12.  Teixeira e Veloso (2006):  “Ao lidar com a população usuária dos serviços públicos de saúde, em um ambiente onde é possível o diálogo, trocam experiências, expressão do senso comumtrocam experiências, expressão do senso comum tornou-se possível adentrar nos mitos, tabus, saberes,possível adentrar nos mitos, tabus, saberes, práticas que mostram a subjetividade coletiva daquela população que muitas vezes podem interferir na adesãovezes podem interferir na adesão ou no tratamentono tratamento científico.”
  • 13.  Uchôa-Figueiredo, 2006:  “Com relação à experiência dos alunos em trabalho de equipe é um momento de colocar em prática a proposta da Clínica AmpliadaClínica Ampliada, onde os alunosalunos expressaram satisfação de por em prática o que é aprendido nasatisfação de por em prática o que é aprendido na teoriateoria, como por exemplo, a escuta, acolhimento, a escuta, acolhimento. Além da possibilidade de vivenciar a dinâmica do serviçovivenciar a dinâmica do serviço visitadovisitado”.
  • 14.  Paixão e Castro, 2006:  “Tem proporcionado ao acadêmicoacadêmico um melhor conhecimentoconhecimento da realidade do SUS no Brasilda realidade do SUS no Brasil. Sem dúvida, esse tipo de trabalho possibilita que os acadêmicos sejam multiplicadoresacadêmicos sejam multiplicadores de uma política de saúde voltada para a qualidade de vidade uma política de saúde voltada para a qualidade de vida das pessoasdas pessoas e que os programas de educação para a saúdeprogramas de educação para a saúde tenham espaços reservados nas universidadesespaços reservados nas universidades, facilitando a compreensão das necessidades e da realidade da saúdecompreensão das necessidades e da realidade da saúde pública”.pública”.
  • 15. Referências  1. GERMANI, Alessandra Regina Müller et al. Sala De Espera: Um Ambiente Para Efetivar A Educação Em Saúde. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. ISSN 1809-1636, 2009. Disponível em: <http://www.reitoria.uri.br/~vivencias/Numero_007/artigos/artigos_vivencias_07/Artigo_13.pdf> Acessado em: 05. Fev.2012.  2. IGARASHI, Nadja Shinyashiki; MENDES, Liliane Lima e UCHÔA-FIGUEIREDO, Lúcia Da Rocha. Experiência Interdisciplinar Com Sala De Espera Em Unidade Básica De Saúde Na Cidade De Santos. Disponível em: <http://www.cbtoeclato2011.com.br/cd/resumos/TC1139-3.pdf> Acessado em: 27. Jan.2012.  3. TEIXEIRA, Enéas Rangel; VELOSO, Raquel Coutinho. O grupo em sala de espera: território de práticas e representações em saúde. Texto & Contexto Enfermagem, Universidade Federal De Santa Catarina, Florianópolis, 2006. Disponível em:< http://redalyc.uaemex.mx/pdf/714/71415217.pdf> Acessado em: 05. Dez.2011.  4.PAIXÃO, Nina Rosa d'Avila e CASTRO, Alessandra Rodrigues Moreira. Grupo Sala De Espera: Trabalho Multiprofissional Em Unidade Básica De Saúde. Boletim Da Saúde, volume 20, número 2. Porto Alegre, 2006. Disponível em:<http://www.esp.rs.gov.br/img2/v20n2_10Grupo.pdf > Acessado em: 08. Abr.2012.