SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
MUSICOTERAPIA NA SALA DE ESPERA
Um instrumento valioso na Política de Humanização da Assistência Hospitalar
LOCAL: Centro Médico Vila Mariana (Hospital Vila Mariana )
EQUIPE:
Luisiana F Passarini E Wanderley A Junior (Musicoterapeutas do CMBB)
André Vasconcelos Balboni (estagiário FPA- 6º semestre)
Eliane Okubo(estagiário FPA- 8º semestre )
Greta Marigo Fragata (estagiária FMU – 6º semestre)
Yuri Martiniuk Liebest Policarpo (estagiário FMU- 6º semestre)
Rui Marcelo Mendonça Perestrelo (estagiário FPA – 4º semestre
Ano de Realização do Projeto: 2007
PROJETO PILOTO QUE...
... pretendeu avaliar, sob a perspectiva das pessoas que aguardavam por
atendimento no setor de ortopedia do CMVM, se a aplicação de práticas
musicoterapêuticas melhora a qualidade do ambiente em questão , bem
como se as mesmas influenciam na condição emocional do indivíduo e
na sua pré-disposição para a consulta médica.
BENEFÍCIOS ESPERADOS
Expressão das angústias, ansiedades, emoções e afetos
Gratificação através da liberação energética de suas tensões
 Satisfação do paciente ao observar sua produção criativa
O tempo de espera deixa de ser um elemento perturbador
 Melhora na pré-disposição do cliente para a relação médico-paciente
Hospital como local de alegria, saúde, vida e criatividade.
Abertura das múltiplas alternativas que as técnicas não-verbais podem
oferecer na melhora do enfermo seja em sua disfunção física ou psíquica
dentro dos hospitais.
ETAPAS DO TRABALHO
1ª Etapa: estudo do ambiente em questão (espaço, dinâmica,
sonoridades, população) e aplicação de questionário aos pacientes.
2ª Etapa: compilação, avaliação dos dados coletados, definição da
metodologia de pesquisa e da prática e reunião com profissionais que
atuam no ambiente (médicos e atendentes).
3ª Etapa: práticas musicoterapêuticas seguidas da aplicação dos
protocolos de pesquisa aos pacientes que aguardam por atendimento.
4ª Etapa: Aplicação do questionário de pesquisa ao grupo controle.
5ª Etapa: Confrontação dos dados, avaliação e apresentação final dos
resultados da pesquisa.
CRONOGRAMA
Nov. e Dez. 2007.Confrontação dos dados e avaliação dos resultados de
pesquisa.
5
Nov. 2007.Aplicação do questionário de pesquisa no grupo
controle.
4
Set e Out. 2007.Práticas Musicoterapêuticas e aplicação dos
questionários de pesquisa.
3
Jul. e Ago. 2007.Avaliação dos dados coletados X estruturação do
projeto.
2
Abr. e Jun. 2007.Observação e reconhecimento do ambiente.1
DuraçãoProcedimentoEtapa
METODOLOGIA
Local escolhido:
- sala de espera da ortopedia no Centro Médico Vila Mariana
Indivíduos considerados na pesquisa: pacientes da ortopedia, de
ambos os sexos, com idade a partir de 18 anos e que aguardavam por
atendimento médico.
Equipe: 2 musicoterapeutas / 5 estagiários de musicoterapia
Aplicação da prática musicoterapêutica seguida de questionário
 Aplicação do questionário para grupo controle (pacientes que não
passaram pela prática musicoterapêutica).
Freqüência: 1 encontro semanal com 15 minutos de prática
musicoterapêutica.
PRÁTICAS MUSICOTERAPÊUTICAS
Apresentação da atividade para os pacientes presentes na sala de
espera do setor de ortopedia.
Distribuição de instrumentos musicais simples e cancioneiros (letras
das músicas) para os pacientes.
Realização da prática: musicoterapeutas e pacientes interagindo –
cantando, tocando, dançando (15 minutos).
Finalização da prática: musicoterapeutas passam recolhendo os
instrumentos musicais e os cancioneiros.
QUESTIONÁRIO DE PESQUISA
Para realização da pesquisa, foi confeccionado um questionário contendo
perguntas sobre a percepção da pessoa que aguardava por consulta médica, a
respeito dos seguintes aspectos:
-Ambiente
-Estado de ânimo e do corpo
-Disposição para consulta médica.
Como resposta, as pessoas deveriam optar por assinalar “sim” ou “não”.
Este questionário foi aplicado aos pacientes logo após as práticas
musicoterapêuticas e, em outro dia, às pessoas que não participaram das
práticas (grupo controle).
Foram entrevistadas 102 pessoas, sendo 51 do grupo que participou das práticas
e 51 do grupo controle.
Os resultados obtidos com a aplicação deste questionário poderão ser vistos nos
slides subseqüentes.
RESULTADOS
SALA ESPERA AMBIENTE AGRADÁVEL
grupo prática
Sim;
85,70%
Não;
14,30%
SALA ESPERA AMBIENTE AGRADÁVEL
grupo controle
Sim;
62,70%
Não;
37,30%
Percepções em relação ao ambiente
SALA ESPERA AMBIENTE ALEGRE
grupo controle
Sim;
35,30%
Não;
64,70%
SALAESPERA AMBIENTE ALEGRE
grupo prática
Sim;
73,50%
Não;
26,50%
SALA ESPERA AMBIENTE TRANQUILO
grupo controle
Sim;
58,80%
Não;
41,20%
SALA ESPERA AMBIENTE TRANQUILO
grupo prática
Sim;
89,80%
Não;
10,20%
RESULTADOS
Percepções do paciente (corpo e estado de ânimo)
CORPO RELAXADO NO MOMENTO
grupo controle
Sim;
51,00%
Não;
49,00%
CORPO RELAXADO NO MOMENTO
grupo prática
Não;
32,70%
Sim;
67,30%
ALEGRE NO MOMENTO
grupo controle
Sim;
55,00%
Não;
45,00%
ALEGRE NO MOMENTO
grupo prática
Sim;
73,50%
Não;
26,50%
ANSIOSO NO MOMENTO
grupo controle
Sim;
72,50%
Não;
27,50%
ANSIOSO NO MOMENTO
grupo prática
Sim;
49,00%Não;
51,00%
IRRITADO NO MOMENTO
grupo controle
Sim;
25,50%
Não;
74,50%
IRRITADO NO MOMENTO
grupo prática
Sim;
12,20%
Não;
87,80%
RESULTADOS
Pré-disposição para a consulta
BEM DISPOSTO PARA A CONSULTA
grupo prática
Sim;
98,00%
Não; 2,00%
BEM DISPOSTO PARA A CONSULTA
grupo controle
Sim;
82,40%
Não;
17,60%
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Analisando os gráficos, pode-se observar as diferenças
significativas na percepção das pessoas que passaram pela prática
musicoterapêutica comparadas às do grupo controle.
As pessoas que passaram pela prática têm a percepção muito mais
positiva em relação ao ambiente, apresentaram melhora em seu
estado de ânimo, menor irritabilidade, menor ansiedade, aumento
do relaxamento corporal, melhor pré-disposição para as consultas
e sentiam-se mais alegres.
Observa –se assim que as práticas musicoterapêuticas melhoram a
qualidade da espera do paciente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...Allan Vieira
 
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIAHUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIAIago Brito
 
Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -Alexsandra Veras
 
Iv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialIv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialVilma Pereira da Silva
 
Acolhimento praticas producao_saude
Acolhimento praticas producao_saudeAcolhimento praticas producao_saude
Acolhimento praticas producao_saudeAline Santana
 
Humanização Na Radiologia
Humanização Na RadiologiaHumanização Na Radiologia
Humanização Na RadiologiaUiliam Santos
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrmsAdélia Correia
 
31 997320837 nucleo comum da saude
31 997320837  nucleo comum da saude31 997320837  nucleo comum da saude
31 997320837 nucleo comum da saudeDescomplicaConsultor
 
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Tais Queiroz
 
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN petsmufrn
 

Mais procurados (20)

Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Grupo de bem com a vida
Grupo de bem com a vidaGrupo de bem com a vida
Grupo de bem com a vida
 
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
 
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de MachoApresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
Apresentação - Cuidar da Saúde é Coisa de Macho
 
AdesãO Hiv Aids
AdesãO Hiv AidsAdesãO Hiv Aids
AdesãO Hiv Aids
 
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIAHUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
Projeto de intervenção estagio ii -
Projeto de intervenção   estagio ii -Projeto de intervenção   estagio ii -
Projeto de intervenção estagio ii -
 
Iv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço socialIv congresso internacional de serviço social
Iv congresso internacional de serviço social
 
Acolhimento praticas producao_saude
Acolhimento praticas producao_saudeAcolhimento praticas producao_saude
Acolhimento praticas producao_saude
 
Humanização Na Radiologia
Humanização Na RadiologiaHumanização Na Radiologia
Humanização Na Radiologia
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
 
Estratificação de risco das condições crônicas, programação da atenção à saúd...
Estratificação de risco das condições crônicas, programação da atenção à saúd...Estratificação de risco das condições crônicas, programação da atenção à saúd...
Estratificação de risco das condições crônicas, programação da atenção à saúd...
 
31 997320837 nucleo comum da saude
31 997320837  nucleo comum da saude31 997320837  nucleo comum da saude
31 997320837 nucleo comum da saude
 
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
 
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
 
Humanização
HumanizaçãoHumanização
Humanização
 
Apresentação - Atenção Primária Integrada, Cuidado Continuado Oportunizado
Apresentação - Atenção Primária Integrada, Cuidado Continuado OportunizadoApresentação - Atenção Primária Integrada, Cuidado Continuado Oportunizado
Apresentação - Atenção Primária Integrada, Cuidado Continuado Oportunizado
 
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
Projeto de Intervenção Igapó - Natal-RN
 

Destaque

I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.
I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.
I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.Vilma Pereira da Silva
 
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de SaúdeSaúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de SaúdeSheyla Amorim
 
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - Oncologia
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - OncologiaForum do Voluntariado e Saúde da Criança - Oncologia
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - OncologiaDurval Olivieri
 
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...Cleusa Lago
 
Neoliberalismo globalização (resumo)
Neoliberalismo globalização (resumo)Neoliberalismo globalização (resumo)
Neoliberalismo globalização (resumo)Edilene Ruth Pereira
 
Neoliberalismo e globalização
Neoliberalismo e globalizaçãoNeoliberalismo e globalização
Neoliberalismo e globalizaçãoAna Cristina F
 
Globalização, neoliberalismo e administração
Globalização, neoliberalismo e administraçãoGlobalização, neoliberalismo e administração
Globalização, neoliberalismo e administraçãoCristiano Bodart
 
Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!Mony Lima
 
Questao social e Politicas Sociais
Questao social e Politicas Sociais Questao social e Politicas Sociais
Questao social e Politicas Sociais GlauciaAS
 
"O CHAMADO ESTADO NEOLIBERAL"
"O CHAMADO ESTADO NEOLIBERAL""O CHAMADO ESTADO NEOLIBERAL"
"O CHAMADO ESTADO NEOLIBERAL"Manu Costa
 
Musicoterapia e saúde do trabalhador
Musicoterapia e saúde do trabalhadorMusicoterapia e saúde do trabalhador
Musicoterapia e saúde do trabalhadorFelipe Galdiano
 

Destaque (20)

Pre-natal de baixo risco
Pre-natal de baixo riscoPre-natal de baixo risco
Pre-natal de baixo risco
 
Pesquisa hospital menino jesus
Pesquisa hospital menino jesusPesquisa hospital menino jesus
Pesquisa hospital menino jesus
 
I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.
I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.
I Seminário Nacional de Urbanização de Favelas-URB-SP, em 2014.
 
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de SaúdeSaúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
Saúde e Sociedade - Atividades Práticas Unidade Básica de Saúde
 
temporalis
temporalistemporalis
temporalis
 
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - Oncologia
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - OncologiaForum do Voluntariado e Saúde da Criança - Oncologia
Forum do Voluntariado e Saúde da Criança - Oncologia
 
Neoliberalismo
NeoliberalismoNeoliberalismo
Neoliberalismo
 
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
QUESTÃO SOCIAL E GARANTIA DE DIREITOS NO BRASIL: Limites e Possibilidades na ...
 
Neoliberalismo globalização (resumo)
Neoliberalismo globalização (resumo)Neoliberalismo globalização (resumo)
Neoliberalismo globalização (resumo)
 
O Brasil no Neoliberalismo - Adalmir Marquetti - 2011
O Brasil no Neoliberalismo - Adalmir Marquetti - 2011O Brasil no Neoliberalismo - Adalmir Marquetti - 2011
O Brasil no Neoliberalismo - Adalmir Marquetti - 2011
 
O neoliberalismo
O neoliberalismoO neoliberalismo
O neoliberalismo
 
Neoliberalismo e globalização
Neoliberalismo e globalizaçãoNeoliberalismo e globalização
Neoliberalismo e globalização
 
Globalização e Neoliberalismo
Globalização e NeoliberalismoGlobalização e Neoliberalismo
Globalização e Neoliberalismo
 
Globalização, neoliberalismo e administração
Globalização, neoliberalismo e administraçãoGlobalização, neoliberalismo e administração
Globalização, neoliberalismo e administração
 
Neoliberalismo
Neoliberalismo Neoliberalismo
Neoliberalismo
 
Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!
 
Questao social e Politicas Sociais
Questao social e Politicas Sociais Questao social e Politicas Sociais
Questao social e Politicas Sociais
 
"O CHAMADO ESTADO NEOLIBERAL"
"O CHAMADO ESTADO NEOLIBERAL""O CHAMADO ESTADO NEOLIBERAL"
"O CHAMADO ESTADO NEOLIBERAL"
 
Musicoterapia e saúde do trabalhador
Musicoterapia e saúde do trabalhadorMusicoterapia e saúde do trabalhador
Musicoterapia e saúde do trabalhador
 
Ponencia sobre musicoterapia
Ponencia sobre musicoterapiaPonencia sobre musicoterapia
Ponencia sobre musicoterapia
 

Semelhante a Musicoterapia sala espera

75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdfHelenKatharine
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemWhevergton Santos
 
2005 transplante de fígado resultados de aprendizagem de pacientes que aguar...
2005 transplante de fígado  resultados de aprendizagem de pacientes que aguar...2005 transplante de fígado  resultados de aprendizagem de pacientes que aguar...
2005 transplante de fígado resultados de aprendizagem de pacientes que aguar...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
41 artigo5
41 artigo541 artigo5
41 artigo5itesoto
 
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.pptModelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.pptVanessaAlves757065
 
Anais jornada med i ntensiva 2016
Anais jornada med i ntensiva 2016Anais jornada med i ntensiva 2016
Anais jornada med i ntensiva 2016gisa_legal
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaresenfe2013
 
Tese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsTese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsLASCES UFPR
 
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdfConferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdfAveline8
 
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - BásicoComo Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - BásicoCaio Veloso da Costa, ICU-PT
 
apres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.pptapres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.pptZedequiaSilva
 
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012Smith & Nephew
 
Avaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópicoAvaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópicoLucas Stolfo Maculan
 
Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos TCC_FARMACIA_FEF
 
Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Giovanni Oliveira
 
Tese cassyano j. correr
Tese cassyano j. correrTese cassyano j. correr
Tese cassyano j. correrLASCES UFPR
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularDra. Welker Fisioterapeuta
 

Semelhante a Musicoterapia sala espera (20)

75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
 
374
374374
374
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de EnfermagemSistematização da Assistência de Enfermagem
Sistematização da Assistência de Enfermagem
 
2005 transplante de fígado resultados de aprendizagem de pacientes que aguar...
2005 transplante de fígado  resultados de aprendizagem de pacientes que aguar...2005 transplante de fígado  resultados de aprendizagem de pacientes que aguar...
2005 transplante de fígado resultados de aprendizagem de pacientes que aguar...
 
41 artigo5
41 artigo541 artigo5
41 artigo5
 
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.pptModelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
Modelo-de-Apresentação-para-a-MOSTRA-2018-1-Leina-1.pptx.ppt
 
Anais jornada med i ntensiva 2016
Anais jornada med i ntensiva 2016Anais jornada med i ntensiva 2016
Anais jornada med i ntensiva 2016
 
Técnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energiaTécnicas de conservação de energia
Técnicas de conservação de energia
 
Plano de tratamento
Plano de tratamentoPlano de tratamento
Plano de tratamento
 
Tese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsTese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiors
 
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdfConferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
 
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - BásicoComo Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
Como Interpretar um artigo em Fisioterapia - Básico
 
apres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.pptapres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.ppt
 
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012
Aula Consenso Dor Curso IEP Sirio17ago2012
 
Avaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópicoAvaliação de um anestésico tópico
Avaliação de um anestésico tópico
 
Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos
 
Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos Estudo sobre o uso de anorexígenos
Estudo sobre o uso de anorexígenos
 
Tese cassyano j. correr
Tese cassyano j. correrTese cassyano j. correr
Tese cassyano j. correr
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
 
1075
10751075
1075
 

Musicoterapia sala espera

  • 1. MUSICOTERAPIA NA SALA DE ESPERA Um instrumento valioso na Política de Humanização da Assistência Hospitalar LOCAL: Centro Médico Vila Mariana (Hospital Vila Mariana ) EQUIPE: Luisiana F Passarini E Wanderley A Junior (Musicoterapeutas do CMBB) André Vasconcelos Balboni (estagiário FPA- 6º semestre) Eliane Okubo(estagiário FPA- 8º semestre ) Greta Marigo Fragata (estagiária FMU – 6º semestre) Yuri Martiniuk Liebest Policarpo (estagiário FMU- 6º semestre) Rui Marcelo Mendonça Perestrelo (estagiário FPA – 4º semestre Ano de Realização do Projeto: 2007
  • 2. PROJETO PILOTO QUE... ... pretendeu avaliar, sob a perspectiva das pessoas que aguardavam por atendimento no setor de ortopedia do CMVM, se a aplicação de práticas musicoterapêuticas melhora a qualidade do ambiente em questão , bem como se as mesmas influenciam na condição emocional do indivíduo e na sua pré-disposição para a consulta médica.
  • 3. BENEFÍCIOS ESPERADOS Expressão das angústias, ansiedades, emoções e afetos Gratificação através da liberação energética de suas tensões  Satisfação do paciente ao observar sua produção criativa O tempo de espera deixa de ser um elemento perturbador  Melhora na pré-disposição do cliente para a relação médico-paciente Hospital como local de alegria, saúde, vida e criatividade. Abertura das múltiplas alternativas que as técnicas não-verbais podem oferecer na melhora do enfermo seja em sua disfunção física ou psíquica dentro dos hospitais.
  • 4. ETAPAS DO TRABALHO 1ª Etapa: estudo do ambiente em questão (espaço, dinâmica, sonoridades, população) e aplicação de questionário aos pacientes. 2ª Etapa: compilação, avaliação dos dados coletados, definição da metodologia de pesquisa e da prática e reunião com profissionais que atuam no ambiente (médicos e atendentes). 3ª Etapa: práticas musicoterapêuticas seguidas da aplicação dos protocolos de pesquisa aos pacientes que aguardam por atendimento. 4ª Etapa: Aplicação do questionário de pesquisa ao grupo controle. 5ª Etapa: Confrontação dos dados, avaliação e apresentação final dos resultados da pesquisa.
  • 5. CRONOGRAMA Nov. e Dez. 2007.Confrontação dos dados e avaliação dos resultados de pesquisa. 5 Nov. 2007.Aplicação do questionário de pesquisa no grupo controle. 4 Set e Out. 2007.Práticas Musicoterapêuticas e aplicação dos questionários de pesquisa. 3 Jul. e Ago. 2007.Avaliação dos dados coletados X estruturação do projeto. 2 Abr. e Jun. 2007.Observação e reconhecimento do ambiente.1 DuraçãoProcedimentoEtapa
  • 6. METODOLOGIA Local escolhido: - sala de espera da ortopedia no Centro Médico Vila Mariana Indivíduos considerados na pesquisa: pacientes da ortopedia, de ambos os sexos, com idade a partir de 18 anos e que aguardavam por atendimento médico. Equipe: 2 musicoterapeutas / 5 estagiários de musicoterapia Aplicação da prática musicoterapêutica seguida de questionário  Aplicação do questionário para grupo controle (pacientes que não passaram pela prática musicoterapêutica). Freqüência: 1 encontro semanal com 15 minutos de prática musicoterapêutica.
  • 7. PRÁTICAS MUSICOTERAPÊUTICAS Apresentação da atividade para os pacientes presentes na sala de espera do setor de ortopedia. Distribuição de instrumentos musicais simples e cancioneiros (letras das músicas) para os pacientes. Realização da prática: musicoterapeutas e pacientes interagindo – cantando, tocando, dançando (15 minutos). Finalização da prática: musicoterapeutas passam recolhendo os instrumentos musicais e os cancioneiros.
  • 8. QUESTIONÁRIO DE PESQUISA Para realização da pesquisa, foi confeccionado um questionário contendo perguntas sobre a percepção da pessoa que aguardava por consulta médica, a respeito dos seguintes aspectos: -Ambiente -Estado de ânimo e do corpo -Disposição para consulta médica. Como resposta, as pessoas deveriam optar por assinalar “sim” ou “não”. Este questionário foi aplicado aos pacientes logo após as práticas musicoterapêuticas e, em outro dia, às pessoas que não participaram das práticas (grupo controle). Foram entrevistadas 102 pessoas, sendo 51 do grupo que participou das práticas e 51 do grupo controle. Os resultados obtidos com a aplicação deste questionário poderão ser vistos nos slides subseqüentes.
  • 9. RESULTADOS SALA ESPERA AMBIENTE AGRADÁVEL grupo prática Sim; 85,70% Não; 14,30% SALA ESPERA AMBIENTE AGRADÁVEL grupo controle Sim; 62,70% Não; 37,30% Percepções em relação ao ambiente SALA ESPERA AMBIENTE ALEGRE grupo controle Sim; 35,30% Não; 64,70% SALAESPERA AMBIENTE ALEGRE grupo prática Sim; 73,50% Não; 26,50% SALA ESPERA AMBIENTE TRANQUILO grupo controle Sim; 58,80% Não; 41,20% SALA ESPERA AMBIENTE TRANQUILO grupo prática Sim; 89,80% Não; 10,20%
  • 10. RESULTADOS Percepções do paciente (corpo e estado de ânimo) CORPO RELAXADO NO MOMENTO grupo controle Sim; 51,00% Não; 49,00% CORPO RELAXADO NO MOMENTO grupo prática Não; 32,70% Sim; 67,30% ALEGRE NO MOMENTO grupo controle Sim; 55,00% Não; 45,00% ALEGRE NO MOMENTO grupo prática Sim; 73,50% Não; 26,50% ANSIOSO NO MOMENTO grupo controle Sim; 72,50% Não; 27,50% ANSIOSO NO MOMENTO grupo prática Sim; 49,00%Não; 51,00% IRRITADO NO MOMENTO grupo controle Sim; 25,50% Não; 74,50% IRRITADO NO MOMENTO grupo prática Sim; 12,20% Não; 87,80%
  • 11. RESULTADOS Pré-disposição para a consulta BEM DISPOSTO PARA A CONSULTA grupo prática Sim; 98,00% Não; 2,00% BEM DISPOSTO PARA A CONSULTA grupo controle Sim; 82,40% Não; 17,60%
  • 12. CONSIDERAÇÕES FINAIS Analisando os gráficos, pode-se observar as diferenças significativas na percepção das pessoas que passaram pela prática musicoterapêutica comparadas às do grupo controle. As pessoas que passaram pela prática têm a percepção muito mais positiva em relação ao ambiente, apresentaram melhora em seu estado de ânimo, menor irritabilidade, menor ansiedade, aumento do relaxamento corporal, melhor pré-disposição para as consultas e sentiam-se mais alegres. Observa –se assim que as práticas musicoterapêuticas melhoram a qualidade da espera do paciente.