Simpósio - Pós-Graduação lato sensu 20/9/11
Instituto de Letras da UFF
Uma abordagem discursiva do humor e suas
contribuiç...
Eugenio Coseriu

Se é certo que todos os textos têm
sentido, os literários são aqueles textos que se
apresentam como const...
http://www.uni-tuebingen.de/kabatek/coseriu/indexesp.htm
Comédias da Vida Privada – Edição Especial para
Escolas
Texto 1: O Homem Trocado (p. 77- 78)
O homem acorda da anestesia e...
E conta que os enganos começaram com seu
nascimento. Houve uma troca de bebês no berçário
e ele foi criado até os dez anos...
[...]
Fora preso por engano. Várias vezes. Recebia
intimações para pagar dívidas que não fazia. Até tivera
uma breve, louc...
Texto 2: A Mesa (p. 101- 102)
 
Eram cinco. Reuniam-se todos os dias depois
do trabalho para o chope. Há anos faziam a mes...
Os outros, aos poucos, foram aderindo. Era um
sacrifício deixar a roda logo quando o papo estava
ficando bom. Passaram a j...
[...]
– E em caso de guerra atômica? – perguntou
um, previdente.
– Morremos aqui mesmo.
– Combinado!
E estão lá até hoje. ...
Texto 3: A verdade (p. 113- 114)

Uma donzela estava um dia sentada à beira de um
riacho deixando a água do riacho passar ...
O homem contou que estava sentado à beira do
riacho, pescando, quando a donzela se aproximou e
pediu um beijo. Ele deu o b...
Todos se viraram contra a donzela e gritaram:
“Rameira! Impura! Diaba!” e exigiram seu sacrifício.
E o próprio pai da donz...
O humor é uma forma criativa de analisar
criticamente, descobrir e revelar o homem e a
vida. É uma forma de desmontar, atr...
Humor e ensino: Helio Sant'Anna - Professor do Colégio Pedro II
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Humor e ensino: Helio Sant'Anna - Professor do Colégio Pedro II

296 visualizações

Publicada em

Reflexões sobre o trabalho com o humor no ensino, com base no linguista Eugenio Coseriu, um dos principais mentores de Evanildo Bechara.

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Humor e ensino: Helio Sant'Anna - Professor do Colégio Pedro II

  1. 1. Simpósio - Pós-Graduação lato sensu 20/9/11 Instituto de Letras da UFF Uma abordagem discursiva do humor e suas contribuições para o ensino de língua portuguesa Por Helio de Sant’Anna dos Santos Colégio Pedro II Orientação da Professora Doutora Terezinha Bittencourt
  2. 2. Eugenio Coseriu Se é certo que todos os textos têm sentido, os literários são aqueles textos que se apresentam como construção de sentido. O que indagamos na análise, na interpretação de uma obra, é uma indagação pelo sentido; não pelo significado nem pela designação, mas, sim, por este nível superior de conteúdo que só se dá nos textos. Do sentido do ensino da língua literária. Confluência – Revista do Instituto de Língua Portuguesa do Liceu Literário Português. Rio de Janeiro: 1.º semestre de 1993, n. 5, p. 38. Por universo de discurso entendemos o sistema universal de significações a que pertence o discurso (ou um enunciado) e que determina sua validade e seu sentido. Teoria da linguagem e linguística geral, Rio de Janeiro: Presença; São Paulo: EDUSP, 1979, p. 234.
  3. 3. http://www.uni-tuebingen.de/kabatek/coseriu/indexesp.htm
  4. 4. Comédias da Vida Privada – Edição Especial para Escolas Texto 1: O Homem Trocado (p. 77- 78) O homem acorda da anestesia e olha em volta. Ainda está na sala de recuperação. Há uma enfermeira do seu lado. Ele pergunta se foi tudo bem. – Tudo perfeito – diz a enfermeira, sorrindo. – Eu estava com medo desta operação... – Por quê? Não havia risco nenhum. – Comigo, sempre há risco. Minha vida tem sido uma série de enganos...
  5. 5. E conta que os enganos começaram com seu nascimento. Houve uma troca de bebês no berçário e ele foi criado até os dez anos por um casal de orientais, que nunca entenderam o fato de terem um filho claro com olhos redondos. Descoberto o erro, ele fora viver com seus verdadeiros pais. Ou com sua verdadeira mãe, pois o pai abandonara a mulher, desde que esta não soubera explicar o nascimento de um bebê chinês. – E o meu nome? Outro engano. – Seu nome não é Lírio? – Era para ser Lauro. Se enganaram no cartório e...
  6. 6. [...] Fora preso por engano. Várias vezes. Recebia intimações para pagar dívidas que não fazia. Até tivera uma breve, louca alegria quando ouvira o médico dizer: – O senhor está desenganado. Mas também fora um engano médico. Não era tão grave assim. Uma simples apendicite. – E se você disse que a operação foi bem... A enfermeira parou de sorrir – Apendicite? – perguntou, hesitante. – É. A operação era para tirar o apêndice. – Não era para trocar de sexo?
  7. 7. Texto 2: A Mesa (p. 101- 102)   Eram cinco. Reuniam-se todos os dias depois do trabalho para o chope. Há anos faziam a mesma coisa. E cada vez ficavam mais tempo na mesa do bar. Sempre o mesmo bar e sempre a mesma coisa. No começo eram dois, três chopes cada um, no máximo um tira-gosto, depois pra casa, jantar. Todos tinham mulher, família, essas coisas. Mas um dia o Gordo anunciou: “Vou jantar aqui mesmo”. E pediu um filé.
  8. 8. Os outros, aos poucos, foram aderindo. Era um sacrifício deixar a roda logo quando o papo estava ficando bom. Passaram a jantar no bar também. Depois mais dois, três chopes cada um e para casa, dormir. Até que um dia o Gordo – de novo o pioneiro – bateu na mesa e declarou: – Pois não vou pra casa. – Como, não vai pra casa? – Não vou. Vou passar a noite aqui. – Mas na hora de fecharem o bar, te botam na rua. – Quero ver fecharem o bar comigo aqui dentro.
  9. 9. [...] – E em caso de guerra atômica? – perguntou um, previdente. – Morremos aqui mesmo. – Combinado! E estão lá até hoje. No mesmo bar e na mesma mesa, há meses. As mulheres tentam carregá-los para casa, sem sucesso. Os filhos foram implorar, parentes e amigos tentam dissuadi-los. Sem sucesso. Dormem ali mesmo, comem ali mesmo, se precisam de alguma coisa, cigarros ou outra camisa – mandam buscar. O dono do bar não sabe o que fazer. Como os cinco abandonaram seus empregos, provavelmente não terão dinheiro para pagar a conta. Mas é pouco provável que peçam a conta num futuro próximo. O papo está cada vez mais animado.
  10. 10. Texto 3: A verdade (p. 113- 114) Uma donzela estava um dia sentada à beira de um riacho deixando a água do riacho passar por entre seus dedos muito brancos, quando sentiu seu anel de diamantes ser levado pelas águas. Temendo o castigo do pai, a donzela contou em casa que fora assaltada por um homem no bosque e que ele arrancara o anel de diamante do seu dedo e a deixara desfalecida sobre um canteiro de margarida. O pai e os irmãos da donzela foram atrás do assaltante e encontraram um homem dormindo no bosque, e o mataram, mas não encontraram o anel de diamante. E a donzela disse: – Agora me lembro, não era um homem, eram dois. [...]
  11. 11. O homem contou que estava sentado à beira do riacho, pescando, quando a donzela se aproximou e pediu um beijo. Ele deu o beijo. Depois a donzela tirara a roupa e pedira que ele a possuísse, pois queria saber o que era o amor. Mas como ele era um homem honrado, ele resistira e dissera que a donzela devia ter paciência, pois conheceria o amor do marido no seu leito de núpcias. Então a donzela lhe oferecera o anel, dizendo “Já que meus encantos não o seduzem, este anel comprará o seu amor”. E ele sucumbira, pois era pobre, e a necessidade é o algoz da honra.
  12. 12. Todos se viraram contra a donzela e gritaram: “Rameira! Impura! Diaba!” e exigiram seu sacrifício. E o próprio pai da donzela passou a forca para o seu pescoço. Antes de morrer a donzela disse para o pescador: – A sua mentira era maior que a minha. Eles mataram pela minha mentira e vão matar pela sua. Onde está, afinal, a verdade? O pescador deu de ombros e disse: – A verdade é que eu achei o anel na barriga de um peixe. Mas quem acreditaria nisso? O pessoal quer violência e sexo, e não histórias de pescador.
  13. 13. O humor é uma forma criativa de analisar criticamente, descobrir e revelar o homem e a vida. É uma forma de desmontar, através da imaginação, um falso equilíbrio anteriormente criado pela própria imaginação. Seu compromisso com o riso está na alegria que ele provoca pela descoberta inesperada da verdade. Não é a verdade que é engraçada. Engraçada é a maneira com que o humor nos faz chegar a ela. O Humor é um caminho. Ziraldo Alves Pinto (A revista Pererê. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 26 out. 1969. Suplemento Dominical, p. 3)

×